O Setor da Construção em Portugal 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Setor da Construção em Portugal 2011"

Transcrição

1 O Setor da Construção em Portugal º semestre FEVEREIRO 2012

2 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. Av. Júlio Dinis, Lisboa Telefone: Fax:

3 Índice 1. Enquadramento Macroeconómico Produto Interno Bruto Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) O Valor Acrescentado Bruto (VAB) O Índice de Preços no Consumidor O Mercado de Trabalho O mercado em Portugal - indicadores setoriais Contextualização Obras Particulares - Licenciadas e Concluídas Taxa de Juro Implícita Valores médios de avaliação bancária Índice de produção na construção e obras públicas Vendas de cimento para o mercado interno Índice de custos de construção Segurança no trabalho O tecido empresarial do setor da construção Títulos válidos a 31 de junho Distribuição por classe de alvarás Distribuição geográfica Síntese Fontes Estatísticas

4 Quadros Quadro 1 Composição do crescimento em volume do Produto Interno Bruto taxas de variação homóloga (%).. 5 Quadro 2 Composição do crescimento em valor (preços correntes) do Produto Interno Bruto... 6 Quadro 3 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume... 6 Quadro 4 Crescimento em volume do VAB... 8 Quadro 5 Valores médios de avaliação bancária Habitação (Euros/m 2 ) Quadro 6 Vendas de cimento para o mercado interno (milhares de toneladas) Quadro 7 Classes de alvarás Quadro 8 Distribuição do número de empresas por classe de alvará Gráficos Gráfico 1 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume (taxas de variação homóloga %)... 7 Gráfico 2 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume (taxas de variação homóloga %)... 7 Gráfico 3 Valor Acrescentado Bruto dados encadeados (taxas de variação homóloga %)... 8 Gráfico 4 Valor Acrescentado Bruto (taxas de variação homóloga %)... 9 Gráfico 5 Índice de Preços ao Consumidor (Taxa de variação homóloga %)... 9 Gráfico 6 Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (Taxa de variação homóloga %) Gráfico 7 População empregada - Variação Homóloga (%) Gráfico 8 Emprego na Construção / Emprego Total (%) Gráfico 9 Número de Obras Licenciadas e Concluídas por trimestre Gráfico 10 Número de fogos licenciados e concluídos por Região (1ºT e 2ºT de 2011) Gráfico 11 Taxa de juro implícita Gráfico 12 Crédito à habitação por destino de financiamento Gráfico 13 Evolução dos valores médios de avaliação bancária (valores em euros/m 2 ) Gráfico 14 Índices brutos de produção Gráfico 15 Índice de custos de construção de habitação nova (variação homóloga %) Gráfico 16 Número de acidentes de trabalho mortais Gráfico 17 Títulos habilitantes válidos a 30 de Junho de Gráfico 18 Distribuição de Alvarás por Região NUT II (junho de 2011) Gráfico 19 Distribuição de Títulos de Registo por Região NUT II (junho de 2011)

5 1. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO O 1º semestre de 2011 fica marcado pelo início do processo de ajustamento da economia portuguesa. Este processo tem sido caracterizado pela implementação de fortes medidas restritivas da Política Orçamental e reafetação dos recursos na economia. É um processo desencadeado na sequência do pedido de assistência financeira à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em abril, tendo assim, evitado uma situação iminente de incumprimento do Estado Português perante os seus credores. Neste cenário, a economia portuguesa tem apresentado uma contração significativa da procura interna, bem como um abrandamento das exportações, o que influenciou o seu crescimento. Consequentemente, quer o investimento público, quer o privado, têm sido influenciados por este fator, dada a elevada incerteza quanto à correção dos desequilíbrios macroeconómicos. Outro facto a assinalar neste 1º semestre do ano, e como consequência do elevado nível de endividamento acumulado num contexto de condições de financiamento muito favoráveis para o sector privado nas últimas décadas, é o de que os bancos começaram a ajustar gradualmente a estrutura do seu balanço a partir dos finais de 2010, em consequência do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro, o qual prevê um conjunto de medidas para fortalecer o sistema financeiro incluindo o reforço do capital dos bancos e uma estrutura de financiamento de mercado mais estável no médio prazo Produto Interno Bruto A crise económica portuguesa tem tido consequências ao nível da desaceleração do Produto Interno Bruto. Após um período de 4 anos de crescimentos anuais, o ano de 2008 ficou marcado por um crescimento nulo, 2009 por uma diminuição de 2,5%, e 2010, registando uma ligeira recuperação na atividade económica, por um aumento de 1,4%. No entanto ao observar as variações nos dois primeiros trimestres de 2011, começa-se a verificar novamente uma desaceleração da atividade. Quadro 1 Composição do crescimento em volume do Produto Interno Bruto taxas de variação homóloga (%) 1ºT/10 2ºT/10 3ºT/10 4ºT/10 1ºT/11 2ºT/11 Procura Interna 1,3 2-0,8 0,2-3,1-5,2 Exportações 9,2 9,6 8,5 7,8 8,4 8,4 Importações 6,2 9,6 1,2 3,7-0,9-5,4 PIB 1,7 1,4 1,2 1,1-0,5-0,9 Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de 2011 Analisando a evolução trimestral, constata-se que a atividade económica nos dois primeiros trimestres de 2011 apresenta uma queda de -0,5% no 1º trimestre e -0,9% no 2º trimestre, contrariando o ano anterior, em que a atividade económica registou variações positivas, ainda que com níveis de crescimento progressivamente menores. 5

6 De acordo com os dados disponibilizados pelo INE, este comportamento refletiu sobretudo o contributo negativo da Procura Interna em resultado da diminuição de todas as suas componentes, com destaque para o Consumo e para o Investimento. Por outro lado, o contributo da procura externa líquida aumentou no 2º trimestre, refletindo uma variação homóloga negativa nas importações e mantendo variações positivas nas exportações de bens e serviços. Quadro 2 Composição do crescimento em valor (preços correntes) do Produto Interno Bruto Unidade: milhões de euros 1ºT/10 2ºT/10 3ºT/10 4ºT/10 1ºT/11 2ºT/11 Procura Interna , , , , , ,6 Exportações , , , , , ,8 Importações , , , , , ,5 PIB , , , , , ,9 Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) A Formação Bruta de Capital Fixo tem tido um comportamento negativo ao longo dos últimos trimestres, com principal destaque para este último com uma variação negativa de -12.5%. Quadro 3 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume Unidade: milhões de euros 1ºT/10 2ºT/10 3ºT/10 4ºT/10 1ºT/11 2ºT/11 FBCF Total 7.780, , , ,5 7299,5 6778,2 Taxas de Variação homóloga (%) -3,1-4,1-8,7-5,2-6,2-12,5 FBCF da Construção 4.504, , , , ,2 Taxas de Variação homóloga (%) -6,6-5,6-4,8-5,6-4,4-12,0 Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de 2011 A FBCF da Construção, por seu lado, acompanhou a tendência da FBCF Total, se bem que com uma oscilação menos pronunciada. Importa referir que no 3º trimestre de 2010, a FBCF Total foi a mais acentuada durante esse ano e, pelo contrário, a menos acentuada no setor da construção. No entanto, já no 2º trimestre de 2011, a variação foi semelhante tanto para a FBCF Total como para o setor (-12,5% e -12,0%, respetivamente). 6

7 Gráfico 1 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume (taxas de variação homóloga %) Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de 2011 Neste domínio, é ainda de referir que a FBCF no setor da construção foi a componente que mais contribuiu para a desaceleração do Investimento no 2º trimestre de 2011, passando de -4,4% para -12,0%. A FBCF em Equipamento de Transporte diminuiu 18,7% e a FBCF em Outras Máquinas e Equipamentos diminuiu 6,2%. Gráfico 2 Formação Bruta de Capital Fixo dados encadeados em volume (taxas de variação homóloga %) Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de

8 1.3. O Valor Acrescentado Bruto (VAB) À semelhança dos anteriores indicadores macroeconómicos, também o Valor Acrescentado Bruto apresentou um fraco desempenho nos dois primeiros trimestres de Registou variações homólogas negativas de -0,6% para o 1º e -1,6% para o 2º trimestre. Quadro 4 Crescimento em volume do VAB Unidade: milhões de euros 1ºT/10 2ºT/10 3ºT/10 4ºT/10 1ºT/11 2ºT/11 VAB Total , , , , , ,9 Taxas de Variação homóloga (%) 1,9 1,7 1,3 0,4-0,6-1,6 VAB da Construção 2.135, , , , , ,7 Taxas de Variação homóloga (%) -5,0-4,1-3,1-3,7-2,8-9,4 Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de 2011 O VAB da construção apresentou, por seu lado, uma acentuada diminuição no 2º trimestre de 2011, passando de uma variação de -2,8% no 1º trimestre para -9,4%. Gráfico 3 Valor Acrescentado Bruto dados encadeados (taxas de variação homóloga %) Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de 2011 Refira-se ainda que o VAB no setor da construção foi o que mais contribuiu para a desaceleração do VAB Total, acompanhado da componente da Energia, Água e Saneamento; Transportes e Armazenagens e Outras Atividades e Serviços. 8

9 Gráfico 4 Valor Acrescentado Bruto (taxas de variação homóloga %) Fonte: INE Contas Nacionais Trimestrais 2º trimestre de O Índice de Preços no Consumidor Em junho de 2011, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) situou-se em 3,4%, valor inferior ao registado no mês anterior, em que o IPC registou uma variação de 3,8%. Gráfico 5 Índice de Preços ao Consumidor (Taxa de variação homóloga %) 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Jun-11 Mai-11 Abr-11 Mar-11 Fev-11 Jan-11 Dez-10 Nov-10 Out-10 Set-10 Ago-10 Jul-10 Jun-10 Mai-10 Abr-10 Mar-10 Fev-10 Jan-10 IPC total Fonte: INE Índice de Preços no Consumidor junho de 2011 O Índice Harmonizado de Preços (IHPC) português apresentou entre maio e junho de 2011, uma taxa de variação de -0,2%, valor inferior ao observado no período homólogo de

10 Gráfico 6 Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (Taxa de variação homóloga %) 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Jun-11 Mai-11 Abr-11 Mar-11 Fev-11 Jan-11 Dez-10 Nov-10 Out-10 Set-10 Ago-10 Jul-10 Jun-10 Mai-10 Abr-10 Mar-10 Fev-10 Jan-10 IHPC - Zona Euro IHPC - Portugal IHPC - Espanha Fonte: INE Índice de Preços no Consumidor junho de O Mercado de Trabalho O Emprego De acordo com as estatísticas de emprego do INE, relativas ao 2º trimestre de 2011, a população ativa situava-se se nos 5.568,0 mil indivíduos, traduzindo um aumento de 0,2% em relação ao 1º trimestre (cerca de 13,2 mil indivíduos). Em relação à população empregada, num total de mil indivíduos no 2º trimestre de 2011 registou também um acréscimo trimestral de 0,6%. No entanto em relação ao período homólogo de 2010 registou uma diminuição de 0,2%. Gráfico 7 População empregada - Variação Homóloga (%) 5,0 3,0 1,0-1,0-3,0-1,8-1,7-1,1-1,5-2,8-2,0-5,0 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT Fonte: INE - Estatísticas do Emprego - 2º trimestre de 2011 InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 10

11 Acompanhando a tendência da economia, o setor da construção registou, no 1º trimestre de 2011, uma variação homóloga de - 6,6% em relação ao mesmo período de No entanto no 2º trimestre o peso da população empregada no setor registou um ligeiro aumento passando de 9,2% para 9,3%, correspondendo a 455,3 mil indivíduos. Gráfico 8 Emprego na Construção / Emprego Total (%) 20,0 15,0 10,0 5,0 9,6 9,6 9,9 9,8 9,2 9,3 0,0 1ºT 2ºT 3ºT 4ºT 1ºT 2ºT Fonte: INE - Estatísticas do Emprego - 2º trimestre de 2011 InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 11

12 2. O MERCADO EM PORTUGAL - INDICADORES SETORIAIS 2.1. Contextualização Em 2011, relativamente aos primeiros dois trimestres, a produção do setor da construção voltou a registar uma quebra em termos reais. A dificuldade no acesso ao crédito, à qual se juntam problemas específicos do setor, agravaram significativamente a tesouraria das empresas, influenciando o investimento público e privado. A atividade da construção movimenta vários setores, a montante e a jusante da sua cadeia de produção, daí decorrendo que seja considerado um dos setores impulsionadores da economia nacional, não só pelo seu peso específico na criação de riqueza como também de emprego, tendo em conta o seu óbvio efeito multiplicador, sendo, por isso, uma atividade fundamental para o crescimento da economia Obras Particulares - Licenciadas e Concluídas Pela análise do gráfico 9, verifica-se que a tendência de evolução do número de edifícios licenciados 1 tem acompanhado o número de edifícios concluídos 2. No 2º trimestre de 2011 foram licenciados cerca de 6,4 mil edifícios (cerca de -10,5% em relação ao mesmo trimestre de 2010) e concluídos cerca de 8,9 mil edifícios (aproximadamente 18% em relação ao mesmo trimestre de 2010). Comparando com o 1º trimestre de 2011, o número de edifícios licenciados registou uma descida de 1,9% e os edifícios concluídos registam uma variação também negativa de 2,4%. Em relação ao número de fogos licenciados e concluídos destacam-se as discrepâncias nestes ao longo de 2010 e nos dois trimestres de 2011, que poderão ser explicadas pela crise e pela alteração das taxas de juro para o crédito à habitação, razões pelas quais o setor da construção retraiu o investimento nesta componente, limitando-se praticamente a concluir o que já estava iniciado. Refira-se ainda o decréscimo acentuado de licenciamento de fogos em construções novas: 9 mil licenciamentos nos dois primeiros trimestres de 2011, quando no mesmo período de 2010 tinha ultrapassado os 13 mil, o que corresponde a uma diminuição muito relevante de -29%, podendo indiciar uma transformação estrutural no setor. 1 O total de edifícios licenciados inclui construções novas, ampliações, alterações, reconstruções e demolições de edifícios. 2 O total de edifícios concluídos inclui construções novas, ampliações, alterações e reconstruções de edifícios. 12

13 Gráfico 9 Número de Obras Licenciadas e Concluídas por trimestre º T/10 2º T/10 3ºT/10 4ºT/10 1º T/11 2º T/11 Edifícios Licenciados Edifícios Concluídos Fogos licenciados Fogos Concluídos Fonte: INE Observando o gráfico seguinte verifica-se quais são as Regiões com maior e menor representatividade no número total de fogos licenciados e concluídos nos dois primeiros trimestres de Assim, a Região Norte representa cerca de 37,4%, enquanto a Região Autónoma da Madeira representa apenas 2,7% no número total de fogos licenciados. É também a região Norte a mais significativa no número total de fogos concluídos, que representa 32,1% do total, enquanto, ao invés, a Região Autónoma dos Açores representa apenas 2,0%. Gráfico 10 Número de fogos licenciados e concluídos por Região (1ºT e 2ºT de 2011) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Fogos Licenciados Fogos Concluídos Fonte: INE InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 13

14 2.3. Taxa de Juro Implícita A taxa de juro implícita 3 no conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se, no mês de junho de 2011, em 2,3%, aumentando 0,08 p.p. face ao mês anterior. Gráfico 11 Taxa de juro implícita 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai-11 Jun-11 Total Regime Geral Bonif. Total Fonte: INE Segundo dados do INE, os contratos de crédito à habitação celebrados nos últimos 3 meses apresentaram um montante médio do capital em dívida de euros (registando um aumento de 5 euros face ao mês anterior). Gráfico 12 Crédito à habitação por destino de financiamento 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% Jan-11 Fev-11 Total Construção de habitação Mar-11 Abr-11 Mai-11 Jun-11 Aquisição de Terreno para construção de habitação Aquisição de habitação Fonte: INE 3 A taxa de juro implícita no crédito à habitação reflete a relação entre os juros totais vencidos no mês de referência e o capital em divida no início desse mês. InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 14

15 Observando o gráfico anterior, em junho de 2011 a taxa de juro implícita nos contratos de Aquisição de Terreno para Construção de Habitação, para Construção de Habitação e para Aquisição de Habitação foram 2,08%, 2,25% e 2,35%, respetivamente, aumentando pela mesma ordem 0,088 p.p., 0,082 p.p. e 0,083 p.p. face a maio Valores médios de avaliação bancária Quadro 5 Valores médios de avaliação bancária Habitação (Euros/m 2 ) Jan 11 Fev 11 Mar 11 Abr 11 Mai 11 Jun 11 Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve RA Açores RA Madeira Fonte: INE Nota: Valores que correspondem à média de todos os valores de avaliação bancária de habitação Em junho de 2011, o valor médio de avaliação bancária de habitação do total do país situou-se em euros/m 2, correspondendo a uma diminuição de 1,8% face ao mês anterior e a uma variação homóloga de -2,8% 2,8%. As Regiões do Algarve e Lisboa foram aquelas em que o valor de avaliação mais diminuiu face ao mês de maio. Gráfico 13 Evolução dos valores médios de avaliação bancária (valores em euros/m 2 ) Apartamentos Habitação Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai-11 Jun-11 Moradias Fonte: INE InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 15

16 Observando o gráfico anterior verifica-se que o valor médio da avaliação bancária, nos três segmentos, tem tido o mesmo comportamento ao longo do ano de 2011, situando-se o valor dos apartamentos em euros/m 2 e o das moradias em euros/m Índice de produção na construção e obras públicas Gráfico 14 Índices brutos de produção 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai-11 Jun-11 Total Construção de Edifícios Obras de Engenharia Fonte: INE Segundo dados disponibilizados pelo INE, a produção na construção, corrigida dos efeitos de calendário e da sazonalidade e tendo como base a média dos últimos três meses apresentou em junho de 2011, uma variação homóloga de -9,5%, redução menos intensa que a verificada no período anterior (-10,4%). Os dois segmentos observados tiveram o mesmo comportamento. O segmento da construção de edifícios apresentou em junho uma variação negativa de 10,5% face ao mês anterior, assim como o segmento da engenharia civil registou, igualmente, uma variação negativa de 10,3% Vendas de cimento para o mercado interno Quadro 6 Vendas de cimento para o mercado interno (milhares de toneladas) º T º T º T º T Total º T º T º T º T n.d Total º T 2º T 3º T 4º T 1º T 2º T 3º T 4º T Var. Trimestral -2,5 16,1-0,8-15,3-3,8 3,1-4,2 Var. Homóloga -7,5-4,8-2,0-4,8-6,1-16,6-19,4 Fonte: dados cedidos ao InCI pelas principais empresas portuguesas no setor InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 16

17 Os dados disponibilizados pelas principais empresas do setor permitem analisar o quadro de vendas de cimento para o mercado interno, verificando-se uma descida acentuada nas vendas, quer em termos trimestrais quer homólogos, para os 3 trimestres de Este cenário justificaque o sector tem vindo a revelar nos últimos dois se pela menos boa performance anos Índice de custos de construção Gráfico 15 Índice de custos de construção de habitação nova (variação homóloga %) 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Jan-11 Fev-11 Mar-11 Abr-11 Mai-11 Apartamentos Moradias Total Jun-11 Fonte: INE Segundo dados disponibilizados pelo INE, o índice de custos de construção de habitação nova registou em junho de 2011 uma variação homóloga de 1,8%, pelo terceiro mês consecutivo. Por tipo de construção, a variação homóloga do índice dos Apartamentos amentos manteve-se em 1,9%, tal como em maio e as Moradias registou um acréscimo de 0,1 p.p. a fixar-se em 1,8% Este comportamento foi determinado pela variação positiva do agregado Mão-de-Obra com um acréscimo de 0,1 p.p. e pelo decréscimo com a mesma intensidade da componente Materiais. InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 17

18 2.8. Segurança no trabalho O setor da construção continua a ser aquele onde, pela sua natureza e risco, se regista o mais elevado índice de sinistralidade. Segundo dados da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), verificou-se que o 1º semestre de 2011 apresentou um decréscimo do número de vítimas mortais na construção em relação ao 2º semestre de 2010 (-9). Neste período o número de vítimas mortais na construção (25) representou cerca de 26 % do total de acidentes de trabalho com vítimas mortais (93). Gráfico 16 Número de acidentes de trabalho mortais º Sem/10 2º Sem/10 1º Sem/11 Const. Total Fonte: ACT InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 18

19 3. O TECIDO EMPRESARIAL D TECIDO EMPRESARIAL DO SETOR DA CONSTRUÇÃO 3.1. Títulos válidos a 31 de junho A atividade da construção é regulamentada por lei (DL n.º12/2004, de 9 de Janeiro, com as alterações introduzidas pelo DL n.º69/2011 de 15 de Junho), sendo necessário para o seu exercício a titularidade de um habilitação (alvará ou título de registo), emitida pelo InCI. Consoante a classe do alvará de que é titular uma empresa de construção, assim se determina o valor limite das obras que poderá executar, de acordo com as categorias e subcategorias constantes na Portaria n.º 19/2004, de 10 de janeiro. Para vigoraram os limites que constam do quadro seguinte: Quadro 7 Classes de alvarás Classe das 2009/2010 Habilitações Acima de No final de junho de 2011, existiam no setor da construção empresas habilitadas com Alvará e com Título de Registo. Gráfico 17 Títulos habilitantes válidos a 30 de Junho de Alvarás Títulos de Registo Fonte: InCI 4 A Portaria n.º57/2011, de 28 de janeiro, estabelece a correspondência entre as classes e os valores das obras que os titulares de alvará ficam autorizados a executar. InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 19

20 Apesar da crise que o setor atravessa, o número de alvarás válidos tem-se mantido relativamente estável, ainda que com uma tendência de descida ligeira. Em relação a 31 de dezembro de 2010, a variação no número de alvarás válidos foi de -4,7%. Situação semelhante se verifica quanto ao número de títulos de registo, que também diminuiu de em dezembro de 2010 para no 1º semestre de 2011, com uma variação de -1,5% Distribuição por classe de alvarás Relativamente à distribuição de alvarás por classes, verificou-se um decréscimo mais acentuado de empresas classificadas na classe 2, 3, 4 e 8. Quadro 8 Distribuição do número de empresas por classe de alvará Classes Dezembro de 2010 Junho de 2011 Var. 2011/2010 Fonte: InCI Classe ,51% Classe ,90% Classe ,19% Classe ,44% Classe ,62% Classe ,18% Classe ,96% Classe ,50% Classe ,00% Total ,70% Em junho de 2011, cerca de 61% (14.068) das empresas registadas, eram detentoras de alvará em classe 1. Salienta-se ainda o fato de as classes 1 e 2 representarem cerca de 76% do mercado, ou seja, ¾ das empresas de construção. A classe 9 permaneceu com o mesmo número de empresas em relação a dezembro de Distribuição geográfica Relativamente à distribuição geográfica (NUT II), verifica-se que as Regiões do Norte e do Centro detêm o maior número de empresas com alvará, respetivamente 31% e 29%. Por classificação distrital, Lisboa detém a maior parcela de empresas detentoras de alvará, cerca de 19% do total do país, logo seguida do Porto, com cerca de 13%. 20

21 Gráfico 18 Distribuição de Alvarás por Região NUT II (junho de 2011) ALENTEJO 7% ALGARVE 6% RA MADEIRA 2% LISBOA 23% RA AÇORES 2% CENTRO 29% NORTE 31% Fonte: InCI Situação idêntica na distribuição geográfica para as empresas detentoras de título de registo. O Norte é detentor de 31% dos títulos de registo e o Centro, de 29%. Na distribuição por distritos Lisboa detém cerca 16% e o Porto detém cerca de 12% de empresas detentoras de título de registo. Gráfico 19 Distribuição de Títulos de Registo por Região NUT II (junho de 2011) ALGARVE 8% RA AÇORES 2% RA MADEIRA 2% ALENTEJO 6% LISBOA 19% NORTE 32% CENTRO 31% Fonte: InCI InCI-Instituto Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. 21

22 4. SÍNTESE Em Portugal, como na generalidade das economias do espaço económico onde Portugal se movimenta, designadamente o Espaço Europeu, o 1º semestre de 2011 ficou marcado por uma significativa contração na atividade económica, não se perspetivando, por enquanto, com segurança, o fim da recessão mundial. A economia mundial, com especial destaque para as economias avançadas, tem sido afetada pela elevada agitação nos mercados financeiros internacionais bem como pelo agravamento da crise da divida soberana na área do euro. Saliente-se ainda o contributo, para a deterioração do sentimento económico, da divulgação dos dados económicos desfavoráveis dos EUA e para a área do euro referentes ao 2º trimestre do ano de O setor da construção, habitualmente um setor sensível e que funciona como barómetro da economia nacional, sente fortemente os efeitos da crise, tendo visto a sua situação degradar-se, nomeadamente quanto ao volume de negócios e, consequentemente, quanto ao seu contributo para o investimento nacional, face ao peso que esta indústria representa no mercado nacional de emprego. Refira-se também que o sector da construção é um dos mais afetados pela crise que se vive atualmente, com um peso de cerca de 18% no total das insolvências apuradas até Setembro de As perspetivas no mercado nacional para o ano de 2012 não são, seguramente, as que o sector desejaria, não só por via da retração do investimento privado, mas também pelas restrições de natureza orçamental com que Portugal se debate, que impõem contenção na despesa pública e, inevitavelmente, também no investimento público, afetando negativamente a dimensão do mercado interno da construção. 22

23 5. FONTES ESTATÍSTICAS Variáveis e fontes Nível Variável Fonte PIB FBCF VAB INE Envolvente Macroeconómica Consumo Privado Índice de Preços no Consumidor Emprego e Desemprego INE, IEFP Défice Orçamental Banco de Portugal Obras Particulares: Licenciadas e Concluídas INE Índice de Produção na Construção e Obras Públicas INE Vendas de Cimento para o mercado externo Cimpor, Secil Mercado em Portugal Índice de Custo de Construção de Habitação Nova INE Setor da Construção Acidentes de Trabalho Taxa de Juro implícita no crédito à habitação Valores de avaliação bancária ACT INE Tecido Empresarial Macro-enquadramento Europa Alvarás e Títulos de Registo Indicadores económico-financeiros das empresas inscritas no InCI Variação da Produção de Edifícios Residenciais e Não Residenciais Variação da Produção de Obras de "Engenharia Civil" InCI Euroconstruct 23

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

RELATÓRIO. O Sector da Construção em Portugal - 2013

RELATÓRIO. O Sector da Construção em Portugal - 2013 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal - 2013 Agosto de 2014 Ficha Técnica Título: Relatório Anual do Sector da Construção em Portugal 2013 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem Construção: Obras licenciadas e concluídas 1 13 de Setembro de 2007 e Concluídos Diminuem No 2º trimestre de 2007, foram licenciados mais de 11 mil edifícios e concluídos mais de 6,5 mil edifícios. Estes

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

O Sector da Construção em Portugal º semestre

O Sector da Construção em Portugal º semestre O Sector da Construção em Portugal 2014 1º semestre Novembro 2014 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Sector da Construção em Portugal 1º Sem. 2014 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013

Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 2013 Estatísticas da Construção e Habitação 213 9 de julho de 214 Obras licenciadas e concluídas acentuaram decréscimo em 213 De acordo com as Estimativas do Parque Habitacional, em 213 existiam em Portugal

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Boletim Mensal de Estatística 2014

Boletim Mensal de Estatística 2014 Boletim Mensal de Estatística 2014 2014 INE, I.P. Lisboa - Portugal, 2014 3 NOTA INTRODUTÓRIA Capítulo 5 quadro 5.4 e quadro 5.7 e Capítulo 6 quadro 6.1 Os quadros referentes aos Inquéritos Qualitativos

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a

Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação 27 de Janeiro de 2010 Dezembro de 2009 Redução da Taxa de Juro no crédito à habitação em abrandamento a A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos

Leia mais

Estatísticas Vitais 2014

Estatísticas Vitais 2014 Estatísticas Vitais 214 3 de abril de 215 Manteve-se o saldo natural negativo e a diminuição do número de casamentos Em 214 registaram-se 82 367 nascimentos com vida de crianças cujas mães eram residentes

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017 Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 7 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 1. Introdução

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL EUROSISTEMA Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações Indicadores de Conjuntura 2009 Disponível em www.bportugal.pt Publicações ENQUADRAMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA Na reunião de 2 de Abril, o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais