Fábrica Secil-Outão. Declaração Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fábrica Secil-Outão. Declaração Ambiental"

Transcrição

1 Fábrica Secil-Outão Declaração Ambiental

2

3

4

5 SECIL Companhia Geral de Cal e Cimento, S.A. Capital: Euros Sede: Outão SETÚBAL Contribuinte nº Matric. Conservatória Registo Comercial de Setúbal nº 3091/ a folhas 152 do livro C.2 Fábrica Secil-Outão Apartado SETÚBAL Código NACE: Fabricação de Cimento CAE:

6

7 Índice Declaração da Comissão Executiva 6 Declaração do Director Fabril 8 Objectivos e Âmbito 9 Política Ambiental 10 Sistema de Gestão Ambiental 12 A Fábrica Onde o Nome Começou 15 O Processo de Fabrico de Cimento 18 Aspectos e Impactes Ambientais 22 Relações Ambientais com a Comunidade 46 Índices de Eco-Eficiência 51 Programa de Gestão Ambiental 59 Glossário 62 Contactos 66 Validação da Declaração Ambiental 67

8 8 Declaração Ambiental Secil - Outão Declaração da Comissão Executiva VER GLOSSÁRIO * O Grupo SECIL, nomeadamente na sua componente cimenteira, tem cumprido um percurso de actuação ambientalmente responsável, iniciado no Outão, na década de 60, data do primeiro estudo de recuperação paisagística. Na década de 80, para além do início da implementação do Plano de Recuperação Paisagística, fizeram-se investimentos importantes no sentido de reduzir significativamente os consumos de energia térmica e de energia eléctrica, permitindo preservar recursos naturais, não renováveis. Na década de 90, concentraram-se os esforços de investimento na redução muito acentuada da emissão atmosférica de partículas. No início do século XXI, o objectivo principal prende-se com a eco-eficiência (produzir mais bens com menor utilização de recursos não renováveis*) onde se insere a utilização de matérias-primas secundárias e combustíveis alternativos, visando valorizar os resíduos* de outros sectores de actividade. Na sequência deste percurso, a Administração da SECIL, no âmbito do Plano de Médio Prazo de , decidiu aprovar o projecto de implementação de um Sistema de Gestão Ambiental nas três fábricas cimenteiras SECIL-Outão, Maceira-Liz e Cibra- Pataias. Esta decisão resultou da vontade expressa de adoptar um perfil vencedor para o grupo cimenteiro da SECIL face aos desafios do Século XXI: A SATISFAÇÃO PLENA DOS CLIENTES NUM QUADRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Na sequência deste projecto, à Fábrica SECIL-Outão veio a ser atribuída, em 1998, a certificação ambiental segundo a ISO 14001:1996, relativa à Exploração de Pedreira e Produção de Cimento. À CMP Cimentos Maceira e Pataias, S.A. foi atribuída a certificação ambiental, segundo a mesma Norma, em 2001, para a Produção de Cimento e Exploração das Pedreiras Martingança-Maceira, Maceira nº3, Alva de Pataias e Olhos de Água, nas suas Fábricas Maceira-Liz e Cibra-Pataias. Em 1999, o Grupo SECIL assinou com o Ministério do Ambiente e o Ministério da Economia, o Contrato de Melhoria Contínua do Desempenho Ambiental para o Sector Cimenteiro, em vigor até 2004, estando nele previsto o registo de todas as fábricas de cimento no EMAS. Com o objectivo de vir a integrar progressivamente a sustentabilidade na gestão estratégica do Universo SECIL, foi criado, em 2002, o Grupo de Desenvolvimento Sustentado. Em 2003 foi constituída a Comissão de Acompanhamento da Fábrica SECIL- Outão que integra as principais partes interessadas (entidades oficiais locais nos domínios autárquico, da saúde, do ensino, do turismo e organizações não governamentais ambientais, quer locais, quer nacionais) e tem como objectivo a melhoria da gestão do desempenho ambiental e da responsabilidade social

9 Secil - Outão Declaração Ambiental desta unidade fabril. Posteriormente, em 2006 foram criadas as Comissões de Acompanhamento das Fábricas de Cibra- Pataias e Maceira-Liz. A Declaração Ambiental relativa a 2006 vem assim evidenciar o que já foi feito para minimizar os impactes ambientais na SECIL-Outão e ainda os objectivos de melhoria para o futuro. A Comissão Executiva

10 10 Declaração Ambiental Secil - Outão Declaração do Director Fabril A Fábrica SECIL-Outão tem realizado ao longo da sua existência uma gestão que recorre às melhores técnicas, de forma a que as vertentes económica, social, ambiental e humana tenham igual sucesso. A eficácia desta actuação é reconhecida pelos prémios recebidos - distinguindo, a recuperação paisagística das pedreiras e a eficiência energética - pelas certificações dos Sistemas de Gestão da Qualidade, Gestão Ambiental e Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho, pelo cumprimento de um Contrato de Melhoria Contínua do Desempenho Ambiental assinado com o Ministério do Ambiente e o Ministério da Economia e pelo compromisso do seu registo no EMAS que implica transparência na gestão ambiental. Este percurso indicia a existência de um plano estratégico sustentado numa atitude de melhoria contínua, na formação permanente dos recursos humanos e no diálogo com a sociedade, cimentando desta forma uma relação que se quer cada vez mais forte com os seus parceiros, clientes e com a comunidade em geral. Na prossecução desta política continuaremos a reduzir todos os impactos negativos da nossa actividade, designadamente na emissão dos efluentes, na produção de resíduos, na emissão de ruído e no consumo de matérias-primas, energia e água. Em simultâneo, continuaremos a desenvolver esforços no sentido de utilizar energias alternativas. A recuperação das nossas pedreiras e a integração das nossas instalações na paisagem é para nós uma preocupação dominante. A Requalificação Visual e Paisagística da Via Húmida evidenciam o nosso desejo de fazer com que o Vale de Mós seja integralmente requalificado. Atentos ao futuro, e conscientes das potencialidades que a nossa actividade tem para oferecer em termos do desenvolvimento sustentado integrado, procuramos cruzar os nossos conhecimentos e informação com os de outros sectores da sociedade através de instrumentos como a Comissão de Acompanhamento da Fábrica SECIL-Outão - delineando caminhos conjuntos que maximizem os recursos existentes e promovam a qualidade de vida. O Director Fabril

11 Secil - Outão Declaração Ambiental Objectivos e Âmbito Ao publicar a presente Declaração Ambiental, a SECIL pretende divulgar ao público e a outras partes interessadas, informação relativa ao desempenho ambiental da Fábrica de Cimento SECIL-Outão, em Setúbal. Pretende-se assim publicar informação relativa aos aspectos ambientais cujo impacte é mais significativo, as políticas e medidas que têm vindo a ser adoptadas no sentido de minimizar os impactes negativos e potenciar os positivos, os sistemas de gestão existentes para uma avaliação periódica, sistemática e objectiva dos resultados atingidos e sua comparação com os níveis de desempenho exigidos pela Empresa. Os dados apresentados reportam ao período compreendido entre 2002 e Esta Declaração foi elaborada tendo por base os requisitos do Regulamento do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, conhecido como EMAS*. Na Internet encontra-se disponível uma versão electrónica da Declaração, no endereço:

12 12 Declaração Ambiental Secil - Outão Política Ambiental Ser Sustentável é Manter o Equilíbio Entre a Produção de Riqueza, a Preservação do Ambiente e a Promoção da Justiça Social COMPROMISSO: MELHORIA CONTÍNUA DO DESEMPENHO AMBIENTAL A SECIL/CMP compromete-se a exercer a sua actividade num quadro de equilíbrio de desenvolvimento sustentável, visando o progresso compatível com a obtenção de níveis de desempenho ambiental cada vez mais elevados. Factores de sucesso para o seu cumprimento: UM BOM DESEMPENHO AMBIENTAL : A RESPONSABILIDADE DE TODOS OS TRABALHADORES DA SECIL A SECIL/CMP considera os seus Trabalhadores como sendo o factor chave para um bom desempenho ambiental. Assim promoverá a sua educação, formação e motivação, visando uma conduta ambiental correcta. INTEGRAÇÃO DO AMBIENTE NAS ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO A SECIL/CMP optará, na sua política de desenvolvimento, por equipamentos e técnicas operativas que assegurem o cumprimento da legislação e dos regulamentos ambientais aplicáveis, bem como a redução dos impactes ambientais para níveis que não excedam os correspondentes a uma aplicação viável das melhores técnicas disponíveis (desde os referentes à minimização do consumo energético, das emissões atmosféricas, da produção de resíduos e do ruído, aos estabelecidos para a

13 Secil - Outão Declaração Ambiental execução dos planos de recuperação paisagística). Assim, com base na actualização do levantamento dos aspectos e impactes mais significativos são estabelecidos os objectivos e metas ambientais, cujo cumprimento é assegurado através da concretização do plano de gestão ambiental e controlado através da revisão anual do sistema. DIVULGAÇÃO DA POLÍTICA AMBIENTAL A SECIL/CMP garantirá a transparência das suas actividades através de uma política de comunicação e diálogo com todas as partes interessadas, promovendo ainda, junto dos seus Fornecedores, a adopção de práticas coerentes com a sua política ambiental. VALORIZAÇÃO DE MATÉRIAS PRIMAS E COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS A SECIL/CMP colaborará com as autoridades e as outras indústrias no sentido da redução e valorização de materiais residuais, incorporando-os no seu fabrico, sempre que possa assegurar um tratamento ambiental mais favorável e compatível com a qualidade dos seus processos e produtos. A Comissão Executiva

14 14 Declaração Ambiental Secil - Outão Sistema de Gestão Ambiental As preocupações ambientais da SECIL-Outão são anteriores ao início da implementação do Sistema de Gestão Ambiental (SGA), o que se reflectiu na introdução de progressivas melhorias no processo de fabrico. Esta postura, publicamente reconhecida, reflectiu-se na atribuição de diversos prémios anteriores à certificação ambiental, designadamente: Prémio Nacional no Concurso do Ano Europeu do Ambiente 1987, organizado em Portugal pela Associação Industrial Portuguesa (AIP), pelo rigoroso cumprimento do Plano de Recuperação Paisagística da Pedreira do Outão e a adopção de algumas técnicas pioneiras nele previstas. Em 1990, a Fábrica recebeu da EDP o Prémio Nacional de Consumo Racional de Energia. Este esforço da SECIL-Outão contribuiu decisivamente para que, em 1993, a Direcção-Geral XVII da Comissão Europeia considerasse o Sector Cimenteiro português como o segundo melhor da Europa no consumo racional de energia. Na sequência do compromisso de melhoria contínua do desempenho ambiental assumido pela Comissão Executiva da SECIL, a SECIL-Outão iniciou, em 1996, a implementação do seu SGA de acordo com o referencial normativo ISO 14001:1996, desde logo integrado com o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), implementado segundo a norma NP EN ISO 9002:1994 e adaptado à ISO 9001:2000 em 2003, o que permitiu: > O estabelecimento de objectivos e metas ambientais consequentes; > A definição de um programa ambiental, com vista ao cumprimento desses objectivos; > A monitorização dos resultados das acções planeadas, o que permite verificar o cumprimento dos objectivos e determinar os eventuais desvios; > O desencadear de acções correctivas e/ou preventivas, visando manter os processos controlados dentro do quadro de evolução previsto; > O estabelecimento de acções de auditoria* ao sistema, permitindo avaliar a sua eficácia na garantia da obtenção dos objectivos visados e conduzindo à sua revisão e optimização; > O desenvolvimento da consciência ambiental de todos os colaboradores, desde a gestão de topo aos executantes, nomeadamente ministrando a formação adequada aos colaboradores com influência clara no nível de desempenho ambiental da fábrica.

15 Secil - Outão Declaração Ambiental os Ministérios da Economia e do Ambiente e o Sector Cimenteiro Nacional, que a SECIL subscreveu. Neste Contrato foram previstas acções e investimentos em vários domínios, nomeadamente na melhoria do controlo da emissão de partículas, na montagem de instalações de limpeza industrial, na monitorização ambiental e no aumento da eficiência energética* e ambiental de alguns moinhos. A sua realização foi devidamente acompanhada por uma Comissão de Avaliação, conforme previsto. No âmbito deste Contrato foi ainda assumido, por parte de todas as unidades cimenteiras nacionais, o compromisso de obtenção do registo no EMAS. Por forma a garantir o funcionamento dos dois sistemas, foi estabelecida uma estrutura funcional única, constituída por órgãos de decisão o Conselho Geral da Qualidade e Ambiente da Empresa (CGQA) e a Comissão de Qualidade e Ambiente da Fábrica (CQAS) e por responsáveis pela manutenção dos sistemas o Gestor da Qualidade e Ambiente da Empresa (GQAE), representante da Direcção, e pelo Gestor da Qualidade e Ambiente da Fábrica (GQAS). A SECIL-Outão obteve a certificação do seu SGA para a Exploração de Pedreira e Produção de Cimento, em Dezembro de 1998 (em simultâneo com a certificação do seu SGQ), tendo esta sido renovada em Setembro de Em 2006 foi realizada a transição para a NP EN ISO 14001:2004. Em 1999 foi estabelecido um Contrato de Melhoria Contínua do Desempenho Ambiental para o Sector Cimenteiro, entre Comissão Executiva da Secil Sistema de Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança SGQAS Conselho Geral da Qualidade, Ambiente e Segurança CGQA Presidência: Directores Fabris Locais (SECIL-Outão/CMP) Constituição: Directores de Produção Locais (SECIL-Outão/CMP) Responsáveis dos Departamentos directamente dependentes da Direcção Fabril Gestor da Qualidade, Ambiente e Segurança Local (GQAS/CQAC) Presidência: Director Comercial Constituição: Responsáveis dos Departamentos directamente dependentes da Direcção Comercial Gestor da Qualidade e Ambiente Comercial (GQAD) Organigrama Funcional do SGQAS Presidência: Administração Constituição:Directores Fabris Directores de Produção Director Comercial Director de Projectos Especiais Director do Departamento Organizacional Director de Recursos Humanos Gestor da Qualidade, Ambiente e Segurança da Empresa - GQAE Comissão da Qualidade, Ambiente e Segurança da SECIL-Outão CQAS Comissão da Qualidade, Ambiente e Segurança da CMP CQAC Comissão da Qualidade, Ambiente do Departamento Comercial CQAS VER GLOSSÁRIO *

16 16 Declaração Ambiental Secil - Outão Durante o ano de 2001, a SECIL-Outão iniciou o projecto de implementação de um sistema de Gestão de Saúde e Segurança no Trabalho (SGSST), com base no referencial normativo OHSAS 18001:1994 (Occupational Health and Safety Assessment Series). Este sistema foi certificado em 2005, tendo sido a primeira unidade cimenteira do País a obter tal reconhecimento. os processos, a redefinição de indicadores e a racionalização da documentação de gestão dos diferentes sistemas, no sentido da sua simplificação e respectiva agilização de procedimentos. No âmbito da Directiva Europeia relativa à Prevenção e Controlo Integrados de Poluição (PCIP), transposta para o direito interno pelo Decreto-lei n.º 194/2000, de 21 de Agosto, a SECIL-Outão iniciou os trabalhos necessários à obtenção da Licença Ambiental, tendo esta sido obtida em Outubro de Em 2006 iniciou-se o projecto de Implementação de um Sistema Integrado QAS, cujas fases principais se enunciam: Fase 1 Fase 2 Fase 2 Definição actualizada dos factores críticos de sucesso; reavaliação do modelo de processos; balanced scorecard Redesenho dos processos com a integração dos requisitos da ISO 9001, ISO e OHSAS (NP 4397) Racionalização da documentação de suporte Este projecto, para além de reavaliar a selecção dos processos, face aos factores críticos de sucesso actuais, permitirá a integração das componentes ambiental e de segurança em todos

17 Secil - Outão Declaração Ambiental A Fábrica Onde o Nome Começou 70 Anos de Responsabilidade a Produzir Cimento Passaram quase 100 anos desde a instalação, no Vale da Rasca, junto à foz do Rio Sado, do primeiro forno para produção de cimento. Instalada no vale que separa as formações calcárias da Serra da Arrábida das formações argilo-calcárias que se estendem até Setúbal, a Fábrica da Rasca dispunha das matérias-primas necessárias e de fáceis acessos por terra e por mar. Factores decisivos para que, no início do século, um pequeno grupo de engenheiros belgas e portugueses se tivessem lançado na construção de uma fábrica de cimento naquele local. A SECIL-Outão surgiu em 1904 com o nome de Compagnie des Ciments du Portugal. Em 1918 foi vendida e formou-se a Companhia Geral de Cal e Cimento que, em 1925, alugou as suas instalações à Sociedade de Empreendimentos Comerciais e Industriais Limitada; estava assim criada a marca SECIL. O primeiro forno rotativo arrancou no Outão em 1931 e a ele se seguiram outros seis, utilizando o processo de fabrico por via húmida. No entanto, para uma produção diária de 500 t, o fabrico por via húmida requeria um consumo de mais de 100 m 3 de água por hora, bem como um consumo calorífico de grandes proporções, dada a necessidade de se proceder à evaporação posterior da água de diluição das matérias-primas. A crise energética do início da década de 70 e o próprio avanço tecnológico levaram a que a SECIL-Outão optasse pelo processo por via seca, assim denominado pelo facto de prescindir da prévia diluição das matérias-primas em água. O primeiro forno de via seca entrou em funcionamento em 1976, com uma capacidade de produção de t/ano, tendo sido também o primeiro forno com comando centralizado e computorizado. Nesta altura ainda se mantinham em funcionamento

18 18 Declaração Ambiental Secil - Outão os fornos da via húmida. Em 1984 entrou em funcionamento o segundo forno de via seca e o último a ser instalado, com uma capacidade de produção de t/ano. Em 1985 a produção por via húmida foi desactivada por completo. Actualmente com uma produção superior a t/ano dos vários tipos de cimento, todo o processo de fabrico no Outão é feito por via seca o que, aliado à possibilidade das duas linhas de fabrico (linha VIII e linha IX) poderem queimar carvão, fuel, gás, coque de petróleo* e combustíveis alternativos*, lhe dá grande flexibilidade, permitindo a optimização do consumo energético e a obtenção de excelentes índices de consumo de combustíveis por tonelada de cimento produzida. VER GLOSSÁRIO * Na localização da nova fábrica, a SECIL optou por uma área recolhida, de forma a permitir a sua integração paisagística; procedeu à instalação de electrofiltros e à utilização de dispositivos de recuperação de calor de grande eficiência, o que aumentou o nível de eliminação de poeiras e a redução substancial do consumo específico de combustíveis e de libertação de CO 2. Como consequência, reduziram-se significativamente os impactes ambientais e melhoraram-se as condições de trabalho, sem afectar a fauna* e flora locais. Localização Outão - Setúbal Código de Actividade Fabricação de Cimento CAE Tecnologia de Fabrico Via seca Combustíveis utilizados Carvão, coque de petróleo e fuel (acendimento dos fornos) e combustíveis alternativos Produtos Fabricados Clínquer Cimento Marca Comercial SECIL Tipos de cimento segundo a Norma NP EN 197-1: CEM I 42,5R; CEM I 52,5R; CEM II/B-L 32,5N; CEM II/A-L 42,5R; CEM IV/A(V) 32,5R

19 Secil - Outão Declaração Ambiental Sempre na procura da inovação e garantia da qualidade a SECIL introduziu, logo na década de 70, sistemas automáticos de controlo analítico e do processo de fabrico que asseguram uniformidade de condições de exploração, durante as 24h/dia de laboração contínua da Fábrica. A localização privilegiada da SECIL-Outão permite-lhe ter dois cais acostáveis, dotados de meios autónomos de carga e descarga simultâneas. No domínio da embalagem, dispõe de modernos sistemas de ensacamento e empacotamento plastificado de sacos, no que foi pioneira em Portugal, estando equipada para efectuar a paletização automática e o carregamento sobre camião ou barco. Também a inauguração, em 1995, do novo terminal ferroviário de Praias do Sado, servido de bons acessos por estrada e dispondo de amplos espaços de parqueamento e movimentação, veio assegurar uma melhor programação do transporte dos produtos, bem como uma efectiva complementarização dos transportes marítimo, rodoviário e ferroviário.

20 20 Declaração Ambiental Secil - Outão O Processo de Fabrico de Cimento Cimento: um pó que resiste ao tempo Actividades Fabris consideradas no Levantamento Ambiental Directas: - Exploração e Recuperação Paisagística das Pedreiras - Produção de Cru - Preparação de Combustíveis - Produção de Clínquer - Produção de Cimento - Embalagem e Expedição - Manutenção Mecânica - Manutenção Eléctrica - Laboratório - Social e Administrativo - Gestão Ambiental da Fábrica - Controlo das Emissões Atmosféricas

21 Secil - Outão Declaração Ambiental Indirectas: - Desmonte e transporte de matérias-primas naturais ao britador; - Manutenção auto e lubrificação; - Manutenção dos aparelhos de ar condicionado; - Recuperação de paletes de madeira; - Manutenção eléctrica nas zonas do cais e da pedreira - Manutenção de transportadores e elevadores de clínquer; - Manutenção das cintas transportadoras; - Manutenção dos filtros de mangas; - Actividades de recuperação paisagística. - Serviços de Limpeza; - Serviços de Restauração; - Transporte em navios e camiões; - Utilização do produto. 1. Extracção de Matérias-Primas As matérias-primas* principais para o processo de fabrico do cimento são os calcários, as margas ou argilas, cuja extracção é efectuada em Pedreiras próprias, localizadas no perímetro fabril. A exploração é a céu aberto, a partir da cota mais elevada, em patamares ou andares, sendo o desmonte efectuado com explosivos, criteriosamente aplicados de modo a minimizar as vibrações. Os principais impactes ambientais associados a esta actividade de extracção, designadamente sobre a biodiversidade*, são minimizados através da execução de Planos de Recuperação Paisagística nas frentes já finalizadas, havendo ainda a preocupação de reduzir a utilização de recursos naturais, através da incorporação de outros materiais como matérias-primas secundárias. 2. Preparação, Transporte, Armazenagem e Pré-Homogeneização Após extracção, o material apresenta-se em blocos com dimensões que podem ir até cerca de 1 m 3, pelo que se torna necessário reduzir o seu tamanho a uma granulometria compatível com o transporte, armazenagem e alimentação das fases seguintes de fabrico; operação que é feita no britador. Numa fábrica de cimento é necessário prever uma armazenagem de grandes quantidades de matérias-primas, a fim de evitar perdas de produção e garantir trabalho em regime contínuo. Essa armazenagem pode ser combinada com uma função de pré-homogeneização. 3. Obtenção do Cru As matérias-primas seleccionadas (calcário e marga) e os materiais de correcção (areia e óxido de ferro) são depois doseadas, tendo em consideração a qualidade do produto a obter (clínquer*), operação que é controlada através de computadores de processo. Definida a proporção das matérias- -primas, elas são retomadas dos locais de armazenagem e transportadas para moinhos onde se produz o chamado cru, isto é, uma mistura finamente moída, em proporções bem definidas, do conjunto das matérias-primas. Nessa moagem são normalmente utilizados moinhos tubulares, de duas câmaras, com corpos moentes (bolas metálicas de di- VER GLOSSÁRIO *

22 22 Declaração Ambiental Secil - Outão versos diâmetros), ou moinhos verticais de mós. Em qualquer dos casos, é necessário secar as matérias-primas; para a economia do processo, aproveita-se, com frequência, o calor contido nos gases de escape dos fornos que, simultaneamente, fazem o transporte do cru dos moinhos aos silos de armazenagem. A reduzida emissão de partículas é assegurada através de sistemas de despoeiramento* (filtros de mangas* e/ou electrofiltros*), instalados nas linhas de produção de clínquer, e a minimização das emissões de gases, através de sistemas de controlo automatizado da condução dos fornos, ambas as soluções também consideradas MTD. VER GLOSSÁRIO * 4. Clinquerização O cru é extraído dos silos de armazenagem e introduzido no sistema de pré-aquecimento (torre de ciclones), onde é aquecido pelos gases de escape resultantes da queima do combustível. O material entra então no forno, deslocando-se ao longo deste devido à sua rotação e ligeira inclinação, prosseguindo o aquecimento e desenrolando-se as reacções físico-químicas do processo da clinquerização, obtendo-se o clínquer. A partir dos 1450º C inicia-se o arrefecimento do clínquer, ainda dentro do forno, sendo completado nos arrefecedores de satélites, onde é introduzido ar em contracorrente com o clínquer, aproveitando-se este ar aquecido como ar de queima secundário. Desta forma, há uma recuperação parcial do conteúdo térmico do clínquer. A minimização do consumo de energia é conseguida através da utilização de fornos com pré-aquecedor, considerada uma MTD* (Melhor Técnica Disponível); a utilização de combustíveis alternativos, permite também reduzir o consumo de combustíveis fósseis*. 5. Moagem de Clínquer e Armazenagem de Cimento O cimento é moído em moinhos tubulares horizontais, com corpos moentes. O clínquer, o gesso (regulador da presa do cimento) e os aditivos inertes são moídos, em proporções bem definidas, de acordo com o plano de qualidade, obtendo-se os diferentes tipos de cimento, com características específicas e adequadas à sua utilização, os quais são armazenados nos respectivos silos devidamente identificados. A minimização do consumo de energia eléctrica é conseguida através da adopção da tecnologia de moagem em circuito fechado e com separadores de 3ª geração, considerada como MTD. A reduzida emissão de partículas é assegurada por filtros de mangas, também classificados como MTD. 6. Embalagem e Expedição do Cimento A comercialização do cimento é feita a granel, em cisternas ferroviárias, rodoviárias ou em navios, em sacos, sobre paletes de madeira ou em pacotões plastificados. O ensacamento é feito em linhas de enchimento de sacos e de paletização ou de empacotamento automatizadas. A minimização da emissão de partículas é assegurada por filtros de mangas ao longo das linhas de transporte do cimento até ao contentor em que é expedido. O consumo de materiais de embalagem depende do mercado

23 Secil - Outão Declaração Ambiental (cerca de 50% do cimento consumido no mercado nacional é ensacado), dos meios de transporte disponíveis (rodovia, ferrovia e marítimo) e de outras condicionantes. A introdução de sacos de 25 kg e 40 kg veio permitir uma utilização mais ergonómica desta embalagem em obra. Os sacos de 50 kg são utilizados essencialmente para exportação.

24 24 Declaração Ambiental Secil - Outão Aspectos e Impactes Ambientais O processo de identificação dos aspectos e impactes ambientais* da SECIL-Outão teve em consideração as directrizes estabelecidas pela Norma NP EN ISO e pelo Regulamento EMAS. Uma vez efectuado o levantamento dos aspectos e impactes ambientais associados às diversas actividades fabris, procedeu-se à avaliação da sua significância*, de acordo com a seguinte metodologia: Não avaliado IDENTIFICAÇÃO E LEVANTAMENTO ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS NATUREZA DO ASPECTO Situação do Processo (Normal, Anormal ou Emergência) FREQUÊNCIA (N/AN) PROBABILIDADE (E) RELEVÂNCIA DO ASPECTO Intensidade (I) = F x Q IRRELEVANTE (R = 1) RELEVANTE (R > 1) QUANTIDADE VER GLOSSÁRIO * QUANTIFICAÇÃO DOS CRITÉRIOS Frequência de Ocorrência (F) 1. Uma vez por ano ou menos 2. Mais que uma vez por ano e menos que uma vez por mês 3. Pelo menos uma vez por mês 4. Pelo menos uma vez por semana 5. Contínuo ou uma vez por dia Quantidade (Q) 1. Emissão/Produção < 50% VLR 3. 50% VLR < Emissão/Produção < VLR 5. Emissão/Produção >_ VLR Relevância do Aspecto (R) (I = F x Q) 1. I <_ < I <_ < I <_ < I <_ I > 18 Duração (D) 1. O impacte anula-se quando a fonte emissora cessa 2. Horas 3. Dias 4. Meses 5. Anos Severidade/Benefício (SB) 1. Baixa 3. Moderada 5. Elevada Visão das Principais Partes Interessadas (PPI) 1. Impacte não percepcionado 3. Impacte percepcionado à escala regional/local 5. Impacte percepcionado à escala nacional Controlo Legislativo (CL) 1. Aspecto sem requisitos legais 3. Aspecto abrangido por requisitos legais gerais 5. Aspecto abrangido por requisitos legais específicos Eventualidade de Ocorrência (E) Avaliação dos Potenciais Impactes Ambientais Natureza do Impacte Natureza (negativo/positivo) Incidência (directo/indirecto) Temporalidade (presente/passado/previsto) Persistência (permanente/temporário) SI = I*E + I*D + I*SB + I*PPI + I*CL Muito Significativo Significativo Pouco Significativo 75 < SI < < SI < 75 5 < SI < 75 Significância do Impacte (SI) Duração (D) Severidade/Benefício (SB) Visão das Principais Partes interessadas (PPi) Controlo Legislativo (CL) (permanente/temporário)

25 Secil - Outão Declaração Ambiental

26 26 Declaração Ambiental Secil - Outão Durante o ano 2006 foi testada, na fábrica SECIL-Outão, uma nova metodologia para evidenciar a avaliação dos aspectos e impactes ambientais baseada no conceito de Eco-Mapping. Foram elaboradas Cartas de Significância Ambiental para todas as áreas consideradas relevantes no processo de AIA, com os seguintes objectivos específicos: Permitir uma análise crítica do levantamento efectuado pelas diferentes áreas; Garantir a homogeneidade de critérios; Assegurar a comparabilidade das ponderações atribuídas aos aspectos; Constituir um instrumento efectivo de gestão (e reflexão); Contribuir para a Melhoria Contínua. Esta forma de analisar e comunicar graficamente os resultados permitiu ainda a interacção/cooperação entre os vários clientes internos tornando-o, sem dúvida, num excelente instrumento de comunicação externa e interna. Consumo de Matérias-Primas Naturais extraídas das pedreiras Impacte visual (associado à exploração das Pedreiras) Consumo de recursos naturais (não renováveis) Degradação da qualidade do ar local (devido às emissões difusas de partículas) Incomodidade (ruído e vibrações provocadas pelos explosivos) Perturbação dos habitats faunísticos e florísticos Para minimizar o impacte visual resultante da exploração das Pedreiras, a solução disponível passa pela concepção e execução de um Plano de Recuperação Paisagística. Cedo a SECIL reconheceu a necessidade imperiosa de recuperar as Pedreiras em termos paisagísticos; em 1965, onze anos antes da criação do Parque Natural da Arrábida (PNA), foram realizados os primeiros estudos. O Estudo Prévio data de 1973 e, após a sua aprovação, ficou determinado que se faziam Projectos a Médio Prazo (1981/2000 e 2000/2015) e Projectos de Execução trienais. O Projecto de Recuperação Paisagística foi concluído em 1981, tendo os trabalhos sido iniciados no triénio de 1982/84. O seu objectivo consiste em recriar, de forma tão aproximada quanto possível, a cobertura vegetal previamente existente no local e uma fauna que gradualmente ocupe as suas antigas posições. VER GLOSSÁRIO * Uma das novidades de concepção deste projecto foi permitir que, pela primeira vez, se procedesse à recuperação da paisagem durante a exploração e não só no seu final de vida. Tradicionalmente, a exploração de uma pedreira a céu aberto

DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006

DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006 DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006 CMP Cimentos Maceira e Pataias, S.A. Capital: 85 375 000 Euros Sede: Maceira-Liz, 2405-019 MACEIRA LRA Contribuinte nº 502 802 995 Matric. Conservatória

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO Índice Introdução. 2 1 Pedreiras... 3 2 - Furação e rebentamento.. 4 3 - Britagem... 5 4 - Transporte do material britado. 6 5 - Ensilagem e pré-homogeneização 7 6 - Moagem

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.174.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO

4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO 4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO 4.1. MATERIAIS UTILIZADOS E PRODUZIDOS Nos quadros seguintes apresenta-se as quantidades das principais entradas (matérias primas primárias

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.173.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL

1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL 1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL A Secil teve a sua origem na Companhia de Cimentos de Portugal, fundada em 1904, que instalou uma fábrica de cimento no Outão, junto à foz do Sado. Essas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários

Portaria n.º 348/98, de 15 de Junho Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários Boas práticas de distribuição de medicamentos de uso humano e medicamentos veterinários O sistema de garantia da qualidade dos medicamentos, quer sejam de uso humano, quer sejam veterinários, abarca não

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas

O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas O Dias exemplo Gomes das / Telma MTD Rocha na indústria 29/11/2011 do cimento Dias Gomes / Telma Rocha

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 Declaração Ambiental l Fábrica Maceira l Liz l 2010

Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 Declaração Ambiental l Fábrica Maceira l Liz l 2010 Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 CMP Cimentos Maceira e Pataias, S.A. Capital: 85 375 000 Euros Sede: Maceira-Liz, 2405-019 MACEIRA LRA Contribuinte nº 502 802 995 Matric. Conservatória

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Marisa Almeida / Pedro Frade Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-11-2011 Seminário Qualidade do Ar Coimbra 29.Novembro.2011 1 Conteúdo Documentos

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Centro de Produção Sines

Centro de Produção Sines Centro de Produção Sines Conferência Pacto para a Saúde e Ambiente Sines, 6 de Junho de 2007 Agenda A Central e as suas características O desempenho técnico e ambiental da Central As exigências legais

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

Centro de Produção de. Alhandra. Declaração Ambiental

Centro de Produção de. Alhandra. Declaração Ambiental Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 26 Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 26 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES 3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 4. O CENTRO DE PRODUÇÃO

Leia mais

Valor médio anual da densidade de poluentes atmosféricos com base na rede de monitorização do Ar na Região do Delta do Rio das Pérolas entre 2006-2014

Valor médio anual da densidade de poluentes atmosféricos com base na rede de monitorização do Ar na Região do Delta do Rio das Pérolas entre 2006-2014 O Relatório sobre a Qualidade do Ar de 2014 foi publicado hoje com base na rede de monitorização do Ar de Guangdong-Hong Kong-Macau para a Região do Delta do Rio das Pérolas O Relatório sobre o Resultado

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Sumário Introdução Desafios da mitigação de Gases de

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Planos de Promoção do

Planos de Promoção do Planos de Promoção do Desempenho Ambiental Sector eléctrico Balanço de 5 anos e novas regras 20 de Maio de 2008 Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos 1 Enquadramento 4 A tem as seguintes responsabilidades

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Apresentação ecoinside

Apresentação ecoinside Documento compatível com caracteres ecofont - reduzindo o consumo do seu tinteiro em mais de 20%. Mais informações e download gratuito em www.ecofont.com Apresentação ecoinside Eco-Empreendedorismo: Ideias

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

ADITAMENTO AO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Elementos Solicitados pela Comissão de Avaliação

ADITAMENTO AO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL. Elementos Solicitados pela Comissão de Avaliação ADITAMENTO AO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Elementos Solicitados pela Comissão de Avaliação Processo de Avaliação de Impacte Ambiental do Projecto: Ampliação da Pedreira Monte Novo dos Cavacos Processo

Leia mais

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO

PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO 1 RELATÓRIOS CGD NEUTRALIDADE CARBÓNICA 2010 PROGRAMA CAIXA CARBONO ZERO www.cgd.pt 2 1. A compensação de emissões como COMPROMISSO do Programa Caixa Carbono Zero A compensação de emissões inevitáveis

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

CIMPOR Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 2012 CENTRO DE PRODUÇÃO DE. Alhandra DECLARAÇÃO AMBIENTAL PÁG. 1

CIMPOR Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 2012 CENTRO DE PRODUÇÃO DE. Alhandra DECLARAÇÃO AMBIENTAL PÁG. 1 CENTRO DE PRODUÇÃO DE Alhandra CIMPOR DECLARAÇÃO AMBIENTAL 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 3. O CENTRO DE PRODUÇÃO DE ALHANDRA 3.1. Evolução Histórica 3.2. Produtos 4. POLÍTICA DO AMBIENTE

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha Soluções Biomassa Recuperadores de calor ventilados a lenha Recuperadores de calor ventilados a pellets Recuperadores de calor a água a lenha Recuperadores de calor a água a pellets Salamandras ventiladas

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB

A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB A DB Schenker está comprometida com o programa Climático 2020 do Grupo DB, tendo como principal objectivo a redução de 20%, até ao ano de 2020, nas emissões de CO2. Formação em Eco condução, novas tecnologias

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Centro de Produção de. Souselas. Declaração Ambiental

Centro de Produção de. Souselas. Declaração Ambiental Centro de Produção de Souselas Declaração Ambiental 2006 Centro de Produção de Souselas Declaração Ambiental 2006 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES 3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 4. O CENTRO DE

Leia mais

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva

Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Boas práticas ambientais e melhores técnicas disponíveis na industria extractiva C. M. Porto Mós M s 24/02/2010 25022010 1 centro tecnológico

Leia mais

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um

A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um CARTA DA QUALIDADE DA HABITAÇÃO COOPERATIVA Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa A Carta da Qualidade da Habitação Cooperativa (Carta) é um instrumento de promoção, afirmação e divulgação, junto

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos. Colóquio

Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos. Colóquio Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos Colóquio Saúde e Gestão Resíduos 30 de Março de 2006, Faculdade de Economia da UC, Coimbra 1 1 Índice Estratégia da SECIL Processo Fabrico de

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer.

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Co-incineração O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Quando os resíduos não são tratados, perturbam todos os ecossistemas

Leia mais