Componentes. Metalicos CHAPAS RECTIFICADAS AÇOS PLACAS ALUMÍNIO ISOLANTES LIGAS DE COBRE LAPORAX PLACAS LAPEVENT MAQUINADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Componentes. Metalicos CHAPAS RECTIFICADAS AÇOS PLACAS ALUMÍNIO ISOLANTES LIGAS DE COBRE LAPORAX PLACAS LAPEVENT MAQUINADAS"

Transcrição

1 2010 Metalicos Componentes AÇOS CHAPAS RECTIFICADAS ALUMÍNIO PLACAS ISOLANTES LIGAS DE COBRE LAPORAX PLACAS MAQUINADAS LAPEVENT

2 Certificat de Système Qualité Attribué à LUGAND ACIERS 85, route de Château Covet GROISSIAT FRANCE Domaine d activité Négoce d aciers et d alliages non ferreux à l état brut et usiné. Axes concernés A - Nous apportons notre expertise à l analyse de vos besoins, B - Nous garantissons la conformité de nos livraisons, C Nous garantissons la traçabilité de nos fournitures, D - Nous garantissons la sécurité d s p rsonnes. Le systéme qualité mis en place par la société LUGAND ACIERS a été évalué et jugé conforme à ses exigences. Certificat attribué le 4 mars 2009, pour une durée d un an Le certificateur Le titulaire OS NOSSOS SERVIÇOS: Corte de peças em bruto sob 24 h. Certificat n M Revol D Lugand Lugand Aciers Aciers é uma empresa familiar fundada em 1946 por M. René Lugand. Actualmente, a empresa, esta situada em pleno centro do "plastic vallée", constitui-se como um parceiro privilegiado dos fabricantes de moldes franceses, propondo-lhes uma gama completa de aços e ligas para moldes, cortados e maquinados a pedido e de acordo com as especificações de cada um. Uma estreita parceria com os principais intervenientes da Siderurgia Mundial permite-nos propor soluções inovadoras a todos os que intervêm no sector dos plásticos. Mais de 50 tipos de aços e de ligas em stock. Um equipamento de corte de elevado desempenho, permitindo prazos de entrega de 24 horas para os aços brutos. Maquinação de chapas de acordo com as suas dimensões Chapas frezadas e rectificadas em função das suas dimensões (máx mm x 2900 mm x mm). Prazo de entrega de 3 a 5 dias. Todo tipo de rasgos de aperto. Furos para olhais. Quinas quebradas de 1 a 5 mm.. Maquinação de acordo com desenhos Entregas stockxpert Realização de estruturas de acordo com desenhos até 20 toneladas. Recepção de desenhos pela Internet. Entregas rápidas em França e toda a Europa. Consulte-nos, resposta ao seus pedidos em 24 H.

3 Sumário AÇOS DE CONSTRUÇÃO Calibrado A 37 - Calibrado A 60 LA C6 h7 LA 1730 PRÉ-TRATADOS LA 2312 LA CMR35 LA LA 400 SP SP 400 TOOLOX44 PARA TÊMPERA LA 2343 LA 2344 LA 2767 Apresentação Aubert & Duval SMV3 - SMV3 W SMV5 W INOXIDÁVEIS LA 2316 LANOX X 15 TN X13 T6 - X13 T6W ESPECIAIS 16 NC6 PARA TRABALHO A FRIO 90 MCV8 - LA 2842 LA Z 160 TENASTEEL LAF M2 LAF M4 - LAF M53 ALUMÍNIO LIGAS LA 5083 LA 5083 P pre maquinação LA 7000 XXX XXX XXX XXX Agradecemos aos nossos clientes e fornecedores a preciosa ajuda prestada na elaboração do presente catálogo. Concepção Lugand Aciers - Impresso na França sobre papel reciclado - Textos e fotografias não contratuais. 1

4 Sumário Entrega 240 HB COMPONENTES COBRE - LATÃO - ALUMÍNIO AO METRO Dureza média de entrega LIGAS DE COBRE ALTA TECNOLOGIA LAMAC Apresentaçao LAMAC 40 HRC LAMAC 30 HRC LAMAC HC COBRE - BRONZE - LATÃO Cobre electrolítico - Cu A1 - Cu C1 LAKAL - Cobre tungsténio Bronze NC4 CHAPAS RECTIFICADAS LA 1730 LA 2312 LA 2343 LA 2767 LA LA 2085 LA 2379 LA 2842V - LA 2842 LA LAF M2 LA LA LA 4307 PLACAS ISOLANTES 350 R ESCAPES : PROBLEMAS DE GASES NOS MOLDES LAPEVENT Tipo P - LAPEVENT Tipo W LAPORAX EXTRACTORES EM LAMAC NOTAS TÉCNICAS Quadro das equivalências- Símbolos, sobreespessuras - tolerâncias gerais Estado metalúrgico das ligas de alumínio - Correspondências das durezas. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA - ABERTURA DE CONTA Dureza maxi 54 Hrc Dureza maxi de tratamento Nit HV LEGENDAS Dureza maxi após nitruração PVD Tratamento da superfície Possível por PVD Polimento * a evitar ** Resultado médio *** Bom resultado ****muito bom resultado Stock importante Recarregar é possível ver conselhos sobre metal de adição (electrodos)* A recarga sendo uma operação com alguns riscos, aconselhamos a fazer a solda por um profissional. 2

5 Cilindro WRLA1 Ø 1,6. Código LA : Secções disponiveis em mm (comprimento standard 3000mm) Para as entregas com comprimentos superiores a 2 m contactar-nos S Metal de adição CALIBRADOS A 37 Et - CALIBRADOS A 60 Et Características mecánicas MATERIAL SECÇÃO TOLERÂNCIA DIMENSÕES CARACTERÍSTICAS A37 Et (estirado a frío) A 60 Et (estirado a frío) A60 Et (rectificado) TOLERÂNCIAS h 10 Estirado h11 e rectificado h7 h 11 Comprimento +0,02% +0,02% com 10 mm mini +0,02% com 10 mm mini Setas maxi 1 mm/m 1 mm/m 1 mm/m forma 1/2 tolerância em redondo 1/2 tolerância em redondo 1/2 tolerância em planos retidão 4 /m x2 10x3 10x4 10x5 10x6 10x8 12x2 12x3 12x4 12x5 12x6 12x8 12x10 15x2 15x3 15x4 15x5 15x6 15x8 15x10 15x12 20x2 20x3 20x4 20x5 20x6 20x8 20x10 20x12 20x15 25x2 25x3 25x4 25x5 25x6 25x8 25x10 25x12 25x15 25x20 30x2 30x3 30x4 30x5 30x6 30x8 30x10 30x12 30x15 30x20 30x25 35x3 35x4 35x5 35x6 35x8 35x10 35x12 35x15 35x20 35x25 35x30 40x3 40x4 40x5 40x6 40x8 40x10 40x12 40x15 40x20 40x25 40x30 45x5 50x3 50x4 50x5 50x6 50x8 50x10 50x12 50x15 50x20 50x25 50x30 50x35 50x40 60x3 60x4 60x5 60x6 60x8 60x10 60x12 60x15 60x20 60x25 60x30 60x35 60x40 70x5 70x6 70x8 70x10 70x12 70x15 70x20 70x25 80x5 80x6 80x8 80x10 80x12 80x15 80x20 80x25 80x30 80x40 80x50 100x5 100x6 100x8 100x10 100x12 100x15 100x20 100x25 100x30 100x40 100x50 120x x12 120x15 120x20 120x25 120x30 120x50 140x10 140x15 140x20 140x25 150x8 150x10 150x15 150x20 150x25 150x30 150x35 150x40 150x50 160x10 160x15 160x20 160x30 180x10 180x15 180x20 180x25 180x30 200x10 200x15 200x20 200x25 200x30 200x50 250x20 250x40 300x20 S : /2 CALIBRADO : A 60 Et Rectificado SECÇÕES DIMENSÕES RUGOSIDADE redondos rectificados d 25 mm d > 25 mm Ra 1,6 Ra 1,6 Ra 3,2 quadrado ou planos h 10 h 11 h 11 h 10 h 11 h 11 h 11 h 7 Tolerâncias geométricas Estados da superficie Ø 3 < 8 mm Ø 3 < 7 mm Ø 10 x 2 < 300 x 20 mm Ø 10 < 120 mm Ø 8 < 100 mm Ø 20 x 5 < 200 x 30 mm Ø 10 < 55 mm Ø 20 à 75 mm en planos e 25 mm e > 25 mm Rm : MPa Rp 0,2 : MPa mini A% : 7 à 12% mini Rm : MPa Rp 0,2 : MPa mini A% : 5 à 8% mini Rm : MPa Rp 0,2 : MPa mini A% : 15 à 16% mini Ra 5 Ra 8 = A 37 Et = A 60 Et AÇOS 000 = Em stock 000 = Stock França AÇOS DE CONSTRUÇAO

6 AÇOS AÇOS DE CONSTRUÇAO 100 C6 h7 tipo Stub - EN : 100 Cr6 - (100 C6) - Wnr : CURVA DO REVENIDO Carbono : 0,95 a 1,1 Manganésio : 0,25 a 0,45 Silicio : 0,15 a 0,35 Densidade : 7,85 Estado normalizado, macio. Rm: 700/800 N/mm 2. Tratamento térmico Têmpera em óleo C. Crómio : 1,35 a 1,6 Enxofre, máx. : 0,015 Fósforo, máx. : 0,025 Dureza 217 HB. Dureza em HRC Dureza em HB Aptidões Aço para ferramentas com liga para trabalho a frio, resistente ao desgaste, bastante sensível aos choques. Boa tenacidade, fraca deformação após têmpera (à massa ou superficial por indução). Soldabilidade : desaconselhada. Cavilhas, cinzéis, ejectores, colunas de guiamento, rolamentos, limas, brocas, mandris... Secções disponíveis em mm (barras de 2000 mm) Temperatura do revenido em C 1 1,2 1,5 2 2,5 3 3,2 3,5 4 4,2 4,5 5 5,5 6 6,5 7 7,5 8 8,2 8,5 9 9, ,2 10, , , , , = Stock França LA EN : EN (E36) - Wnr : Carbono 0,2 Enxofre 0,045 Fósforo 0,045 Silicio : 0,5 Manganésio : 1,5 Densidade : 7,85 Bruto oxycorte ou stabilisação por encomenda. Dureza HB. Características mecânicas Rm 400 MPA. Aptidões Aço carbono no allegare. Notas técnicas Tolerâncias de oxy-corte : Consultar a nossa página internet : (ver página 4 notas técnicas). Estruturas para moldes. Peças mecânicas. Metal de adição Cilindro WRLA1 Ø 1,6. Código LA :

7 AÇOS Características mecânicas Secção em mm Em estado normalizado d 16 Rm > = 620 MPa Rp 0,2 340 MPa 16 < d 40 Rm 580 MPa Rp 0,2 305 MPa 40 < d 100 Rm 580 MPa Rp 0,2 305 MPa 100 < d 160 Rm 560 MPa Rp 0,2 275 MPa * extração das provetes conforme a EN ** en funcão do tratamento EN * Secções disponíveis em mm LA EN 2C 45 - (xc48) - Wnr : Carbono : 0,45-0,50 Silicio : 0,15-0,40 Manganésio : 0,50-0,80 Densidade: 7,85. Módulo de elasticidade a 20 C: MPa. Bruto de laminagem ou forjamento. Cor de identificação: nenhuma. Tratamento térmico Têmpera: Aquecimento C têmpera em água ou óleo. Aptidões Aço de carbono sem liga. Fósforo : máx 0,035 Enxofre : máx 0,035 Condutibilidade térmica a 20 C: 49 Wm K -1 Coeficiente de dilatação térmica em C de +20 a 200 C: 12,1 x Dureza: HB. Revenido: segundo características pretendidas e, seja como for, T 500 C. Placas e carcassas de Moldes matérias plásticas. CUIDADO : este aço não é recomendado para as peças moldadas e exigindo características mecânicas, nenhuma garantia do teor de limpeza Não utilizar nos circuitos fluidos sob pressão. Metal de adição Cilindro WRLA1 Ø 1,6 mm. Código LA d 40 mm : 0,2+1 % d 40 < d < 100 mm : 2 % d d > 100 mm : 2,5 % d NOVO Profundidades máximas de defeitos Deduzir as sobreespessuras mínimas a prever. Descubra a nossa gama de chapas rectificadas p AÇOS DE CONSTRUÇAO 000 = Em stock 000 = Stock França Corte nas suas dimensões Secções disponíveis das chapas em mm (largura máx : 2000 mm)

8 AÇOS AÇOS PRÉ-TRATADOS LA 2312 Pré-tratado 300 HB normal EN : 40 Cr Mn Mo S (40 CMD8 S) - Wnr : Carbono : 0,40 Manganésio : 1,50 Crómio : 1,9 Densidade: 7,85. Condutibilidade térmica a 20 C: 34 Wm K -1. Módulo de YOUNG: N/mm 2. Coeficiente de dilatação térmica em C de +20 a 200 C: 12,8 X Molibdénio : 0,20 Enxofre : 0,05-0,07 NÍquel : 0,4 Valores típicos de tracção: Rp 0,2: 850 MPa. Rm: 1010 MPa - A 5,65: 11%. Coeficiente de Poisson: 0,3. CURVA DO REVENIDO Tratado a cerca de HB Rm 1000 MPA. Cor de identificação: azul claro Controlo ultra-sons conforme à norma NFA classe C. Conforme CNOMO EO N nível 3. Tratamento térmico Revenido: em função das características pretendidas. Dureza em HRC Aptidões Aço tratado para uma dureza de HB. Boa maquinabilidade. Não se recomenda esta referência para o polimento ou textura. Moldes para matérias plásticas, estruturas para moldes. Temperatura do revenido em C Metal de adição Cilindro WRLA3 Ø 1,6 mm. Código LA Secções disponíveis em mm 000 = Em stock 000 = Stock França desbastados K13 Corte nas suas dimensões 6 Tel. : Fax : Entrega 300 HB Nit. 750 HV Polimento

9 AÇOS LA CMR35 - EN : 40 Cr Mn Ni Mo Wnr : Carbono : 0,35 a 0,45 Manganésio : 1,30 a 1,60 Crómio : 1,80 a 2,10 Densidade: 7,85. Condutibilidade térmica a 20 C: 29 Wm K -1. Coeficiente de dilatação térmica em C de +20 a 200 C: 12,7 X Módulo de YOUNG: N/mm 2. Molibdénio : 0,15 a 0,25 Enxofre : 0,005 NÍquel : 0,9 a 1,2 Valores típicos de tracção: Rp 0,2: 830 MPa. Rm: 995 MPa - A 5,65: 17%. Coeficiente de Poisson: 0,3. AÇOS PRÉ-TRATADOS CURVA DO REVENIDO Tratado a HB. Controlo ultrasons conforme à norma NFA classe C. Cor de identificação: Cruz em azul claro XXX dureza em HRC Tratamento térmico Têmpera: aquecimento à C têmpera a óleo. Aptidões Apto para textura e polimento. Conforme CNOMO EO N nível 1. Moldes de matérias plásticas, estruturas para moldes. Revenido: em função das características pretendidas. Temperatura do revenido em C Cilindro WRLA3 Ø. 1,6. Código LA : Metal de adição Secções disponíveis em mm 000 = Em stock 000 = Stock França maquinacão á sua medida Consultar-nos Entrega 300 HB Nit. 750 HV Polimento Tel. : Fax :

10 AÇOS AÇOS PRÉ-TRATADOS LA 300 : Pré-tratado 300 HB apto para textura em função das espessuras Esp Esp Esp. 810 Esp.> 810 Carbono : 0,25-0,40 0,25-0,35 0,25-0,35 0,35 Manganésio : 0,7-1,3 0,8-1,3 0,8-1,3 0,8 Crómio : 1,3-1,7 1,0-1,35 1,3-1,75 1,75 Fósforo : 0,020 0,020 0,020 0,020 Enxofre : 0,010 0,010 0,010 0,006 Molibdénio : 0,32-0,40 0,4 0,45 0,45 Níquel : Trace Trace Trace - Silicio : Equivalência : 0,4 0,4 0,4 0, , Mod, P Mod, P20 Densidade : 7,85. Conductividade térmica a 20 C : ±36 Wm k -1. Modulo de YOUNG : N/mm 2. Os valores típicos de tracção : Rp 0,2 : 920 Mpa Rm : 1020 Mpa - A 5,65 : 13,5%. Tratado a HB. Identificação : LA N de fundição. Cœficiente de dilatacão térmica por C de +20 a 100 C : 11,9 x 10-6 de +20 a 200 C : 12,4 x 10-6 de +20 a 300 C : 12,8 x 10-6 de +20 a 400 C : 13,1 x Cœficiente de poisson : 0,3. Controle ultra sons conforme com NFA Tratamento térmico Têmpera : 900 C, tèmpera a água, óleo, gás ou ar em função da espessura. Aptidões Aço tratado para uma resistência de HBa. Aço pode ser nitrurado-cromado. Aptidão ao polimento e a texturacão química. Moldes para materias plásticas e carcassas de moldes. Metal de adição Ø Cilindro 1,6 mm : Código LA : Texturacão Toda a nossa gama LA300 é apta a Texturacão química. Aconselhamos sempre fazer ensaios para optimizar esta operacão. Em caso de Texturacão complexo ou especificacões particulares consultar-nos. Espessuras disponíveis das chapas em mm (largura máx : 2000 mm) = Em stock 000 = Stock França 8 Tel. : Fax : Entrega 300 HB Nit. 750 HV Polimento

11 AÇOS LA 400 : Pré-tratado 380 HB, apto para textura Carbono : 0,3-0,6 Manganésio : 0,55-1,15 Crómio : 1,0-2,0 Fósforo : < 0,020 Enxofre : < 0,010 Densidade: 7,85. Condutibilidade térmica a 20 C: 38 Wm K -1. Coeficiente de dilatação térmica em C de +20 a 200 C: 12,9 X Molibdénio : 0,4-0,65 Níquel : 0,5/1,0 Silicio : < 0,4 Equivalênca : ± , ± , ± HH Módulo de YOUNG: N/mm 2. Valores típicos de tracção: Rp 0,2: 1075 MPa Rm: 1250 MPa - A 5,65: 10%. Coeficiente de Poisson: 0,3. AÇOS PRÉ-TRATADOS Tratado para HB. Controlo ultra-sons conforme à norma NFA classe C. Identificação: LA N de fundição XXX Tratamento térmico Têmpera: com óleo entre 830 e 880 C. Aptidões Apto ao polimento e a Texturacão química. Moldes de matérias plásticas e matrizes. Metal de adição Cilindro Ø 1,6 mm. Código LA : Texturacão Revenido: em função das características pretendidas. Toda a nossa gama LA400 é apta a Texturacão química. aconselhamos sempre a fazer ensaios para optimizar esta operacão. Em caso de Texturacão complexa ou especificacões particulares consultar-nos. Espessuras disponíveis das chapas em mm (largura máx : 2000 mm) 000 = Stock França Secções disponíveis em mm 000 = Stock França Corte nas suas dimensões Corte nas suas dimensões Entrega 370 HB Nit. 750 HV Polimento Tel. : Fax :

12 AÇOS AÇOS PRÉ-TRATADOS SP 300 : AÇO apto para textura, pré-tratado a 330 HB O Superplast 300(P) (SP300) faz parte de uma nova geração de aços pré-tratados a 300 HB, utilizados para a fabricação de moldes para injecção plástico. Com propriedades de resistênca ao desgaste equivalêntes, o SP300 permite uma utilização mais simples e mais fiável do que o 40 CMD8. Este melhoramento resulta de uma nova definição da sua composição química (baixo carbono e micro-ligas), bem como do trabalho sobre a sua micro-estrutura interna. A homogeneidade do produto esta nitidamente melhorada, comparada com as qualidades convencionais 40 CMD8, susceptíveis ao aparecimento de pontos duros. O SP300 foi concebido para melhorar a soldadura, e que seja mais compatível, comparativamente com as qualidades de aços convencionais 40 CMD8, e com as operações de textura e polimento. Assim são possíveis e realizáveis, as reparacões por solda ou modificações de formas no decorrer da fabricação ou da utilização dos moldes. O SP300 adapta-se a realização de moldes para injecção plástico, e de compressão bem como fieiras de extrusão de plástico. % Chapa com uma espessura 100 mm Carbono : 0,25 Fósforo : 0,02 máx Crómio : 1,30 Manganésio : 1,30 Molibdénio : 0,4 Silicio : < 0,02 máx Outros elementos : bore HB (HB) Re 0,2 MPa Rm MPa A 5,65 % E GPa ,5 205 A dureza HB do SP300 é garantida para um intervalo de , (equivalentes a 970/1060 Mpa) para chapas com espessuras entre 20 e 610 mm. Cond. térm. W.m -1 x K -1 a 20 C Coeficiente de expansão thermica 10-6 K C C C C Ind. Rem. HC Oersted C. Equ.* (%) Esp. 100 mm 40 11,9 12,4 12,8 13,1-15 0,84 * Carbono Equivalente = C + Mn + Cr+Mo+V + Ni+Cr A condutibilidade térmica é de 18% superior a de um aço HB 300 convencional (40 CDM8). A produtividade do molde (tempo de ciclos) e/ou a qualidade do plástico injectado (resistência ao choque) podem melhorar bastante quando a térmica do plástico injectado não é limitativa. Estrutura O SP300 é elaborado no forno eléctrico e afinado pelo processo VOD/DH, o que confere ao aço um controle rigoroso da sua análise química, e muito baixos resíduos de Oxigénio e Enxofre. O Teor de impurezas é assim significativamente melhorado. A optimização da análise e o controle dos parâmetros de solidificação, permitem a obtenção de estruturas mais homogéneas Maquinabilidade O Aço SP300 oferece um bom comportamento na furação bem como no galgamento com a utilização de ferramentas diamantadas ou aços rápido. A maquinação é superior para o SP300 em comparação ao aço 40 CMD8. É intermediária entre as propriedades do aço 40CDM8 e de Wnr Moldes para injecção plástico, matrizes de extrusão, moldes de compressão Aço adaptado a textura e polimento. Espessuras disponíveis das chapas em mm (largura máx : 2000 mm) 000 = Stock França

13 AÇOS Dureza (Vickers) Ratios SEP Espesura chapa (mm) Dureza (Brinell) Valores típicos de limpeza se SEP 1570/71 Diagrama TRC 40 CMD8 / SP300 Distância da supercifie (mm) Homogeneidade da dureza àtravès da espesura da chapa (e = 305 mm) Micro dureza (Hv) M A T R I Z E Comprimento furo (m) SP 300 Asegregada SP 300 : pré-tratado 330 HB, Apto para textura Refr. Ar Aço convencional 40 CMD8 40 CMD8 SP 300 Velocidade do corte (m/mm) taladrado : Aço rápido - broca Velocidade 0,3 mm/vuelta - Diámetro Ø + 10 mm Volume SP 300 maquinacão (cm 3 ) Volume maquinacão x 2,1 40 CMD8 Degaste ferramenta Duração da ferramente durante a fresagem de debaste. Ensaio CETIM n 4/051548/4812A Z.A.T. SOLDADURA Z.A.T. 40 CMD8 SP 300 Perfil de dureza de una soldadura (mm) Comparação de uniformidade da dureza através da superfície soldado entre a SP 300 e 40 CMD8 M AT R IZ E Estrutura Teor de Impurezas : a qualidade INDUSTEEL é claramente superior à dos aços convencionais 40CMD8 e parecida à qualidade ESR. A propriedade é garantida de acordo com NFA Método A. A B C D 1,5 1,5 1,0 1,5 Têmperabilidade AC 1 ( C) AC 3 ( C) M s ( C) V 1 ( C/h) V 2 ( C/h) M f ( C) SP CMD Pontos de transformação : Aquecimento a 150 C / h até 875 C mantendo 10 mn. Comparado ao aço 40 CMD8, análise química optimizados do SP300 Permite melhorar a homogeneidade em toda a espessura (diminuição da velocidade crítica de um do aparecimento da ferrite-perlita, o alargamento da área bainítica). Permite também evitar toda a formação de Austenite residual, responsável por potenciais pontos duros (temperaturas MS e MF superiores às do 40 CMD8) Homogenidade microestrutural : A análise química do SP300, fraco teor de carbono e crómio, permite reduzir as segregações quando comparado aos outros aços elaborados por meios semelhantes. Esse aumento da homogeneidade estrutural aumenta fortamente as propriedades do emprego do SP 300(P) : Soldadura : Resistência à fissuração a frio melhorado. Maquinação : Redução dos pontos duros. Textura-polimento : aspecto uniforme das cavidades incluindo zonas soldadas. De uma forma geral a optimização da analise original assim como os processos de fabricação utilizados, contr buem para a melhoria e fiabilidade da maquinação, soldadura, textura e polimento, quando comparado com os aços clássicos (40 CMD8). Tratamento térmico O SP300 é um aço produzido para ser utilizado a 300HB. Se a dureza vier a ser alterada no decurso da produção de um molde (utilização de um processo térmico a uma temperatura superior a 525º), um tratamento térmico completo permitirá repor a dureza e as propriedades mecânicas originais do aço. De facto, o SP300 está particularmente adaptado ao tratamento térmico graças à sua grande homogeneidade, sua temperabilidade e sua limpeza. O tratamento térmico faz-se nas seguintes condições : Austenização a cerca de 900º, mantendo 1 h por 25mn, Têmpera a água, óleo, gás ou ar em função da espessura, Temperatura de revenido compreendida entre 500 e 600ºC. Informações complementares estão disponíveis no guia de execução. Maquinacão O SP300 oferece um bom desempenho tanto na furação como na fresagem com ferramentas aço carbono de aço rápido. A maquinabilidade é mais elevada para o SP300, em comparação com o aço 40 CMD8. É intermédia entre as propriedades dos 40 CMD8. Soldura A optimização da analise química do aço SP300, melhora fortamente a sua soldadura quando comparado com os aços 40 CMD8 Um pre/pos aquecimento a 150ºC é suficiente para evitar a fissuracão a frío durante a soldadura. Em certos casos, o SP300 pode ser soldado com fiabilidade mesmo à temperatura ambiente O perfil de dureza (matriz,zat, metal soldado) mais macio do aço SP300 explica o melhor comportamento da zona soldada no polimento e granulação comparando com o grau 40CMD8 Procedimentos detalhados estão disponíveis no nosso guia técnico. Cilindro LA , Ø 1,6. Código LA : Electro-Erosão A maquinação por electro-erosão (fio ou eléctrodo) pode ser empregue no SP300. Cuidados especiais devem ser tomados para eliminar com o polimento, a camada branca formada após a erosão. De notar que esta camada é sensivelmente menos dura do que num aço convencional HB 300 tendo em conta teores mais baixos de C e Cr do SP300. A melhor homogenidade (redução de segregações) do SP300 dá-lhe melhor compatibilidade que um aço tipo 40 CMD8, para a realização de cavidades brutas por electroerosão. Procedimentos detalhados estão disponíveis no nosso guia técnico. AÇOS PRÉ-TRATADOS 11

14 AÇOS AÇOS PRÉ-TRATADOS SP 400 : pré-tratado a 380 HB, apto para textura O Aço SUPERPLATS 400 (1) é um aço para moldes de injecção de plástico de dureza elevada. Entregue no estado pré-tratado com uma dureza da ordem dos 125 kg/mm 2 É um aço ideal para moldes de injecção de plástico fortamente solicitados em trabalho. Emprega-se sobretudo quando é necessária uma resistência elevada do plano de junta, bem como para séries importantes, quando os aços pré-tratados para 300 HB atingem o seu limite O Aço SUPERPLATS 400 (1) tem características de execução claramente melhoradas comparando com os aços standard do mercado. Este melhoramento resulta de uma pequena mudança na composição química (baixo carbono e micro- ligas). O Aço Superplast 400, entrega-se pré-tratado a uma dureza de HB, tem uma melhor soldabilidade, uma melhor homogeneidade estrutural e uma maquinação superior aos graus clássicos de aço pré-tratados com a mesma dureza. Espessuras disponíveis das chapas em mm (largura máx : 2000 mm) em funcão das espessuras Carbono : 0,3 Manganés : 1,15 Nickel : 1,0 Crómio : 2,0 Características mecânicas Molibdénio : 0,65 Silício : 0,002 Outros elementos : boro Dureza HB Modulo de Young MPa Re 0,2 MPa UTS MPa Al. 5,65 % >10 Dureza garantida na entrega : 350/380 HB. Cond. térm. W.m -1 x K -1 Características fisicas Coeficiente de expansão térmica (media) 10-6 K -1 Cap. térm. J.Kg -1.K -1 a 20 C C C C a 20 C 38 10,8 11,2 12, ,80 Estructura Densidade a 20 C O aço SUPERPLAST 400 (P) é produzido em forno eléctrico e afinado segundo os processos VOD ou APC/RH, que se traduz em teores de elementos residuais muito baixos (oxigénio em particular). O teor de pureza é assim especialmente reforçado. A qualidade do SP400 é garantida de acordo com NFA método A. Maquinabilidade A análise química do SUPERPLAST 400 (P) permite igualmente uma redução drástica dos segregados comparando com os aços usuais W ou W É uma vantagem real para o polimento (ausência de ondas nas grandes superfícies polidas) para a soldadura (redução da sensibilidade à fissuração) e para a maquinação (ausência de pontos duros). Todos os moldes injectados de elevadas características mecânicas: Séries longas, injecção de alta pressão, injecção de plásticos reforçados(fibra de vidro), problemas de desgaste, moldes de compressão. 000 = Stock França 12

15 AÇOS Volume maquinação (cm 3 ) Temperatura - C Dureza HB Dureza (Hv10) Dureza HB Dureza HB distância (mm) Ex. Espessura chapa = 153 mm distância (mm) Ex. Espessura chapa = 403 mm Diagrama TRC Tempo de arrefecimento (segundos) Curva de dolce Temperatura do revenido ( C - 1h.) Galgamento Desgaste da ferramente ZAT Metal de adição ZAT Distância (mm) SP 400: pré-tratado 380 HB, apto para textura Estructura Teor de impureza : O aço SUPERPLAST 400 (P) é produzido em forno eléctrico e afinado segundo os processos VOD ou APC/RH, que se traduz em teores de elementos residuais muito baixos (oxigénio em particular). O teor de impureza é assim especialmente reforçado. A qualidade do SP400 é garantida de acordo com NFA método A. A B C D 1,5 1,5 1,0 1,5 Micro-estructura : Graças à sua composição química e à sua estrutura homogénea, o aço SUPERPLAST 400 (P) pode ser polido espelho de acordo com CNOMO E01.11X.N nível 2.o nível de polimento é garantido apesar de uma taxa de enxofre de 0.015% ( a forma dos sulfatos está totalmente controlada mediante adições específicas que evitam todos os efeitos negativos sobre o estado da superfície do SUPERPLAST 400 (P), garantindo contudo a sua capacidade de trabalho). SUPERPLAST 400 (P) é entregue pré-tratado. A sua micro estrutura é composta de uma mistura de fases martensítica e bainitíca. A optimização do equilíbrio entre os elementos da liga, confere ao SUPERPLAST 400 (P) uma excelente dureza. Essa estrutura Bainito-martensitica é mantida através de toda a espessura, assegurando uma perfeita homogeneidade da dureza, mesmo em blocos espessos (até 600 mm). Homogeneidade da dureza : A análise química do SUPERPLAST 400 (P) permite igualmente uma redução drástica dos segregados comparando com os aços usuais W ou W É uma vantagem real para o polimento (ausência de ondas nas grandes superfícies polidas) para a soldadura (redução da sensibilidade à fissuração) e para a maquinação (ausência de pontos duros). Pontos fortes. Condições de ensaio : AC 1 ( C) AC 3 ( C) M s ( C) aquecimento a 150 C/hora, até 900 C e arrefecimento rápido. SP Tratamento térmico O SUPERPLAST 400 (P) é entregue pré-tratado. Não é portanto submetido a tratamentos posteriores. Sobretudo não é recomendável de ultrapassar a dureza de 300HB. Portanto se por qualquer razão que seja o SUPERPLAST 400 (P) for submetido a uma temperatura superior a 550º, as propriedades do estado de entrega podem ser afectadas. Será portanto necessário proceder a um ciclo de tratamentos térmicos completo, incluindo têmpera e revenido para retomar as propriedades mecânicas originais. Os retratamentos seguintes a fazer deverão ser: Austenização a cerca de 900 C, Tempo de 1H/25 mm de secção Têmpera a água, óleo ou ar em função da espessura e da forma da peça Revenido numa gama de temperaturas de 500 à 600 C em função da dureza requerida. Maquinação Ver tabela de galgamento. Solda É possível reparar o SP400. o produto a utilizar é SP300WE ( pedir a INDUSTEEL). As melhores condições de soldadura para as zonas polidas e texturadas são : Pré-Post aquecimento PWHT Zona polida 175 C/175 C 550 C Zona texturada 2 h 2 h Se as contracções são importantes no molde, a temperatura de pré e pós aquecimento deverá subir até aos 200ºC. Pré e pós aquecimento são necessários para evitar a fissuração a frio. Os aquecimentos após tratamento são indispensáveis para a homogeneidade da dureza entre o metal de base, a zona afectada termicamente e o metal de adição. Cilindro LA , Ø 1,6. Código LA : Electro-erosão O estado de entrega do aço SUPERPLAST 400 (P) está adaptado a todos os processos de electro-erosão ( eléctrodo ou fio). Para garantir um bom aspecto superficial, as recomendações seguintes devem ser seguidas: Para a electro-erosão com eléctrodos, os acabamentos devem ser feitos com parâmetros adaptados Se a cavidade é acabada com uma superfície electro-erodida, é então necessário proceder a um aliviar de tensões a 530ºC ou fazer um polimento que elimina totalmente a camada branca formada pela electro-erosão. Se a cavidade for rugosa um polimento prévio é absolutamente necessário. AÇOS PRÉ-TRATADOS 13

16 AÇOS AÇOS PRÉ-TRATADOS Tenacidade aos impactos Dureza (HV 0,5 ) C45 DUREZA E TENACIDADE TOOLOX 33 Nitruración P20 ¹ TOOLOX 44 Nitruración H13 ¹ Revestimiento superficial Dureza em HRC D2 Revestimiento superficial NITRURACÃO COM GÁS, 510 C TOOLOX44-45 HRC com propriedades ESR M2 15 h 40 h 102 h h Distancias da superficie exterior (mm) Carbono : 0,32 Silicio : 0,60 a 1,10 Fósforo : máx 0,010 Enxofre : máx 0,003 Conductividade térmica Wm k C : 28 ; +200 C : 32 ; +400 C : 29 ; +600 C : 21. Cœficiente de dilatação térmica +20 C a +400 C : 13,5 x 10-6 /K. Resistência a tracção Rm(MPa) +20 C : 1450 ; +200 C : Limite de élasticidade Rp0,2(MPa) +20 C : 1300 ; +200 C : Temperado e revenido a uma temperatura mínima de 590 C. Como o fornecimento é de SSAB Oxelösund AB, a chapa está em conformidade com as seguintes características: isento de cascão apos laminagem, sem solda de reparação, Tratamento térmico Crómio : 1,35 Molibdénio : 0,80 Vanádio : 0,14 Níquel : máx 1,00 Along. A5(%) +20 C : 13 ; +200 C : 10. Limite de resistência a compressão Rc0,2(MPa) C : 125 ; +200 C a +300 C : 1120 ; +400 C a +500 C :1060. Resistência ao impacto (J/20 C) +200 C : 30 ; +400 C : C : 80 ; +400 C : 80. Dureza a 20 C - HBW : HBW :45. não permitem defeitos mais profundo que da espessura nominal pedida. Produtos forjados conforme a DIN Controlo ultra-sons : Toda a chapa e produtos forjados foram testados de acordo com a norma V6 SSAB. TOOLOX 44 não tem que ser submetido aos tratamentos térmicos posteriores. Após a entrega, Se fosse exposto a temperaturas superiores a 590 Â C, SSAB Oxelösund AB não garante as propriedades do aço. É possível aplicar procedimentos de nitruração e revestimento superficiais em temperaturas inferiores a 590 Â C. Maquinação Galgamento (valor garantido) : a uma velocidade de corte de 140 m/min, uma penetração de 0,15 mm e 10 minutos tempo real de maquinação com uma Sandvik Coromill 200 e peças inseridas GC 1025, garantimos um degaste máximo do fio de 0,3 mm. Notas técnicas Consulte-nos no nosso site internet : O TOOLOX 44 é um aço novo, entrega-se temperado e revenido. Tem uma muito boa tenacidade aos impactos e as tensões residuais são muito baixas, permite proporcionar uma boa estabilidade dimensional. Apesar da sua dureza, que equivale a 45 HRC, é fácil fazer a maquinação. O Toolox 44 tem uma boa resistência a temperaturas elevadas e é adequado para gravuras e ferramentas de molde de plástico e borracha e para a fundição sob pressão, bem como para ferramentas de dobrar e formar chapa. Também, é adequado para componentes de máquinas, como peças submetido ao desgaste, guia de carril, aplicação com temperaturas elevadas. Dimensões standard largura e comprimento 2100 mm x 4 e 5,8 m Espessura mm 8 9,5 11, mm x 4 e 5,8 m

17 AÇOS dureza em HRC LA EN : X38 Cr Mo V5 - (Z 38 CDV 5) - WNr : DUREZA EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA DO REVENIDO Carbono : 0,39 Crómio : 5,10 Molibdénio : 1,25 Densidade : 7,85. Cœficiente de dilatação térmica em C de +20 a 200 C : 12,0 x 10-6 de +20 a 400 C : 12,6 x 10-6 de +20 a 600 C : 13,2 x Estado recozido (dureza 240 HB). Controle ultra-sons de acordo com NFA clase C. Vanádio : 0,32 Silicio : 1,05 Estado recozido, dureza Brinell a cerca de 240 HB. Modulo de YOUNG : N/mm 2. Cor de identificação: Roxo com riscas amarela AÇOS PARA TÊMPERA Aquecimento a 1010 C, têmpera a ar (ensaio em placa, espessura 1 cm) Tratamento térmico Têmpera : pré- aquecimento a 750 C Aquecimento a 1030 C. Para as peças massivas, a têmpera a ar pode ser sustituido por uma têmpera em banho de sal a 240 C seguido de um arrefecimento a ar. Aconselhamos proceder ao aquecimento numa atmosfera inerte. 1 er revenido : a cerca de 550 C 2 e revenido : entre 550 C e 650 C em função da dureza requerida. Boa tenacidade. Aptidões Boa resistência ao desgaste. Moldes para transformação de matérias plásticas. Metal de adição Cilindro WRLA4 Ø 1,6. Código LA Cilindro WRLA8 Ø 1,6. Código LA Secções disponiveis de chapas em mm (largura maxi : 1000 mm) 000 = Stock França Entrega 240 HB Dureza maxi 54 Hrc Nit HV PVD Polimento Tel. : Fax :

18 AÇOS AÇOS PARA TÊMPERA dureza em HRC LA EN : X40 Cr Mo V5.1 - (Z 40 CDV 5.1) - WNr : DUREZA EM FUNCÃO DA TEMPERATURA DO REVENIDO Carbono : 0,40 Crómio : 5,10 Molibdénio : 1,25 Densidade : 7,85. Cœficiente de dilatacão térmica em C entre +20 y 100 C : 10,9 x 10-6 entre +20 y 300 C : 11,6 x 10-6 entre +20 y 500 C : 12,9 x Recozimento (dureza 240 HB). Controle ultra-sons de acordo com NFA clase C. Vanádio : 1,00 Silicio : 1,05 Em estado recozido, dureza Brinell 240 HB. Modulo de YOUNG : N/mm 2. Cor de indentificação : azul - amarelo Aquecimento a 1010 C, têmpera a ar (ensaio em placas, espessura de 1 cm) Tratamento térmico Têmpera : pré- aquecimento a 750 C aquecimento a 1030 C Têmpera a ar ou sob pressão de gás. Para as peças massivas, a têmpera a ar pode ser sustituida por uma têmpera em banho de sal a 240 C seguido de um arrefecimento a ar. Aconselhamos proceder ao aquecimento numa atmosfera inerte. 1 er revenido : até 550 C 2 e revenido : entre 550 C y 650 C em funcão da dureza requerida. Boa tenacidade. Aptidões Boa resistência ao desgaste. Moldes para transformação de matérias plásticas. Ferramentas diversas para trabalho em quente. Metal de adição Cilindro WRLA4 Ø 1,6. Código LA Secções disponíveis das chapas em mm (largura máx : 1000 mm) = Em stock 16 Tel. : Fax : Entrega 240 HB Dureza maxi 56 Hrc Nit HV PVD Polimento

19 AÇOS Dureza Rockwell C CURVA DO REVENIDO Temperatura do revenido em C Temperatura de austenização : 840 C Arrefecimento em oleo LA EN 45 NiCrMo 16 - WNR : Carbono : 0,45 Silicio : 0,30 Crómio : 1,30 Molibdénio : 0,18 Densidade : 7,9. Módulo de YOUNG: N/mm 2. Coeficiente de dilatação térmica por C de +20 a 100 C : 11,8 x 10-6 de +20 a 200 C : 12,8 x 10-6 de +20 a 600 C : 13,5 x Recozido dureza 270 HB. Controlo ultra-sons conforme com NFA clase C. Tratamento térmico Pré-aquecimento 650 C. Aquecimento entre 830 e 880 C seguido de uma têmpera em oleo e água. Manganésio : 0,35 Enxofre : < 0,08 NÍquel : 3,90 Condutibilidade térmica: a 20 C : 30,1 Wm -1 C -1 a 400 C : 31,1 Wm -1 C -1. Cor de identificação : azul com riscas vermelhas Revenido a uma temperatura adaptada para a dureza procurada. (ver gráfico). AÇOS PARA TÊMPERA Aptidões Aço têmperado no núcleo, mostrando uma tenacidade elevada. Cavidades e moldes para materias plásticas, cinzéis com grandes dimensões. Adequado para a texturação química. Resistência ao choque e a compressão. Muito boa aptidão ao polimento. Não convem para os moldes cuja temperatura de funcionamento contínua é superior a 280ºC. Metal de adição Cilindro Ø 1,6. Código LA : Secções disponíveis em mm 000 = Stock França Esp x 315 ESR Entrega 270 HB Dureza maxi 54 Hrc PVD Baixa t Polimento Tel. : Fax :

20 AÇOS AÇOS PARA TÊMPERA 60 ANOS DE PARCERIA Desde 1950, as empresas Aubert&Duval e Lugand Aciers estão presentes no mercado francês da indústria plástica para propor soluções inovadoras aos seus clientes. Até à data, a Aubert&Duval desenvolveu uma gama de ligas que é uma das mais completas e de maior técnica no mercado da indústria plástica. Presente no mundo inteiro, a Aubert&Duval possui a capacidade para atender prescrições técnicas em todos os continentes. A gama proposta é constituída, essencialmente, por três famílias de aços que já foram testados e utilizados em milhares de moldes : O aço 819B : excelente para operações de polimento, este aço, de grande estabilidade dimensional também é apto para textura. O aço SMV3 : com a sua estrutura controlada, este aço é considerado como um must nesta família dos aços com 5% de crómio (cf. pág. 19). O aço X13T6 : na gama de aços inoxidáveis martensíticos, é uma das ligas mais utilizadas em aplicações da indústria plástica em França (cf. pág. 24). Para as aplicações especiais (matérias sobrecarregadas, polimento óptico acrescido, resistência à corrosão em condições extremas existem tipos de aços elaborados especificamente para responder a esses incomodos. Forno de elaboração no âmbito vazio por indução. Assistência à concepção e à realização de ferramentas. O custo das ferramentas não depende exclusivamente do seu valor de aquisição. A Aubert&Duval é o seu parceiro permanente para optimizar as suas escolhas em termos de tipos de aços para ferramentas. A importância dos meios de investigação, as verificações a cada etapa da elaboração e do tratamento térmico, a política de qualidade total permitem atingir características excepcionais, sobretudo em matéria de : Maquinabilidade Estabilidade dimensional Optimização dos tratamentos (térmicos e termoquímicos) Reprodutibilidade Repetitividade da resistência Custo de Manutenção Custo de exploração. Custo de exploração Manutenção Maquinação Custo de exploração Manutenção Maquinação Aquisição Concepção Aquisição Com um aço Aubert&Duval Concepção Com um aço normal Forno de refusão. 18

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

AÇOS PARA FERRAMENTAS

AÇOS PARA FERRAMENTAS AÇOS PARA FERRAMENTAS FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco)

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Soldadura de Alumínio

Soldadura de Alumínio Soldadura de Alumínio O alumínio é um metal leve, maleável, fácil de trabalhar, com boas propriedades térmicas e eléctricas. Tem uma película de óxido sobre a superfície que lhe dá uma boa resistência

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO ALUMÍNIO DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO VANTAGENS O é um metal leve, macio e resistente, muito maleável e dúctil, apto para a mecanização e fundição, além de ter uma

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Mecânica Tratamentos Térmicos

Mecânica Tratamentos Térmicos CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Tratamentos Térmicos SENAI Departamento Regional do Espírito Santo 3 Tratamentos Térmicos - Mecânica SENAI - ES, 1997 Trabalho realizado

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial

Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Parabond 700 Adesivo estrutural elástico de elevada aderência e resistência inicial Produto: Parabond 700 é um adesivo de alta qualidade, cura rápida, permanentemente elástico, à base de MS polímero, com

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo 1 Introdução Aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens deste último variáveis entre 0,008 e

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Fabrico tubo inox FÁBRICA DE TUBOS E PERFIS, S.A. TEL: 234600890 FAX: 234600899 3750-753 TRAVASSÔ ÁGUEDA PORTUGAL. - GSP Junho 2009 1/58

Fabrico tubo inox FÁBRICA DE TUBOS E PERFIS, S.A. TEL: 234600890 FAX: 234600899 3750-753 TRAVASSÔ ÁGUEDA PORTUGAL. - GSP Junho 2009 1/58 Tubos de Aço Inox - GSP Junho 2009 1/58 Apresentação dos produtos Qualidade de aço inox standard AISI 304 (DIN 14301) e AISI 316 (DIN 14401) ou outros por encomenda. Formatos: redondo, oval, quadrado e

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros)

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Out - 2009 1 Sumário Objetivo; Introdução; Demanda dos produtos laminados; Evolução dos processos de fabricação e produtos; Produtos

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA

A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA A GAMA COMPLETA DE ISOLAMENTO PARA UMA POUPANÇA EFECTIVA DE ENERGIA Tubolit O sistema de isolamento robusto e fiável para reduzir as perdas de calor em tubagens de aquecimento e fornecimento de água. Tubolit

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO BARRAS DE AÇO CROMADAS GUIAS LINEARES TUBOS DE AÇO PARA CAMISA DE CILINDROS TUBOS MECÂNICOS ST52 COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1 Perguntas de Materiais 2 Perguntas para Teste 1 1. De que dependem as propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas dum material? 2. Que propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras

AÇO INOXIDÁVEL. Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras AÇO INOXIDÁVEL Tubos Barras Chapas Bobinas Cantoneiras CERT I F I CADA Empresa Certificada pela Norma ISO 9001:2008 ISO 9001 2008 www.elinox.com.br ÍNDICE Empresa...2 Visão, Missão e Valores...3 Qualidade...4

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 3 Ensaio de Dureza. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 3 Ensaio de Dureza Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dureza. Dureza Brinell. Dureza Rockwell. Dureza Vickers. Definições de Dureza Dureza - propriedade mecânica

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO Nesta aula iniciaremosoplanejamento do processo para a extrusão a frio deum eixo escalonado. O número de estágios a ser utilizado e as dimensões das matrizes serão definidos utilizando-se os critérios

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL Manual Técnico de Aço Inoxidável Índice 1. INTRODUÇÃO...59 2. FABRICAÇÃO DO INOX...60 3. APLICABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL...61 3.1 - Aço Inoxidável Austenítico...61 3.2

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2010 AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA O aço é uma liga de ferrocarbono

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais