INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI"

Transcrição

1 INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação e análise das cnadidaturas. 1. Documentos: No 1º dia do curso Distribuir os seguintes Documentos - Modulform - Processos de Soldadura Volume 1 e 2 Usado no Módulo 1 - Modulform - Materiais e Soldabilidade Usado no Módulo 2 e 4 - Modulform - Projecto e Concepção - Modulform - Aplicações de Engenharia Usado no Módulo 3, 5, 8 e 9 - Modultec Defeitos de Soldadura, ensaios não destrutivos e destrutivos Usado no Módulo 4 e 5 - Documentos Módulo1 e 5 Traduções de documentos AWS Usado no Módulo 6 - Exames Tipo código API exames tipo Treino individual - Exame tipo de fundamentos de tecnologia de soldadura Treino Individual - Exame tipo para a parte prática Treino Individual e usado no Módulo 13 - Book of Specifications part B Treino Individual e usado no Módulo 13 - Documento AWS QC1:1996 Usado no Módulo 7 - Documento AWS B5.1:2003 Usado no Módulo 7 - Documento ANSI/AWS A2.4:1998 Usado no Módulo 10 - Documento ANSI/AWS A3.0:1994 Usado no Módulo 11 - Documento AWS B1.10:1999 Usado no Módulo 5 e 13 - Documento AWS B1.11:2000 Usado no Módulo 5 e 13 Italo Fernandes Rev pág. 1 / 6

2 2. Programa de Formação O programa de formação a executar tem por base o que é definido pela AWS tem uma duração de 40 horas e é o seguinte: Duração Tema 8 horas Processos de Soldadura e Corte Módulo 1: - Classificação e divisão em categorias dos processos de soldadura e corte. - Por cada Processo de soldadura e corte: Principio de funcionamento, cuidados específicos, aplicações, defeitos típicos, classificação dos consumíveis (normas AWS e Europeias e ISO), noções de higiene e segurança aplicada aos processos de soldadura. - Processos de soldadura e corte a abordar: Eléctrodos Revestidos, TIG, MIG/MAG, Fios Fluxados, Arco-Submerso, Oxigás, Oxicorte, Corte por Plasma, Arc-Air. 6 horas Materiais e Soldabilidade Módulo 2: - Estrutura de um metal puro e de uma liga, a solidificação, adição de elementos de liga por via intersticial e por substituição, os constituintes de um aço e suas funções, discussão sucinta do diagrama Fe-C. - Discussão muito sucinta sobre soldabilidade de aços não ligados, e ligados, aços inoxidáveis (austeníticos, ferríticos e martensíticos), ligas leves principalmente alumínio, tipos de problemas típicos, como solucionar. - Tratamentos térmicos (aços): Objectivos, como se executam e aplicações (Recozimento, Normalização, Tempera, Revenido, Alívio de tensões). - Efeito da Entrega térmica nos aços, vantagens e desvantagens, controlo da Zona Termicamente afectada. - Pré e Pós-Aquecimento e temperatura interpasses: Objectivo de cada, quando se utiliza cada um, factores que permitem definir a necessidade de pré e pósaquecimento, como se efectua e controla, porquê do controlo da temperatura interpasses. - Fissuração: A frio, a quente, arrancamento lamelar, fissuração no cordão de soldadura devido à relação largura/penetração incorrecta (menor que 1), fissuração na cratera do cordão, discussão para cada caso das causas que originam a fissuração, como prevenir e controlar cada tipo de fissuração. 2 horas Imperfeições/Defeitos em Soldadura - Módulo 3: - Classificação das imperfeições/defeitos, Norma EN 25620/ISO 5620, apresentação. - Causas das imperfeições/defeitos, técnicas de prevenção - Relação entre a perigosidade das imperfeições/defeitos a sua forma a sua localização e o tipo de construção. Italo Fernandes Rev pág. 2 / 6

3 - Critérios de aceitação das imperfeições/defeitos, como se definem, adequação ao uso da construção soldada. - Níveis de aceitação de imperfeições/defeitos Norma EN 25817/ISO 5817, apresentação. 2 horas Ensaios Destrutivos a Juntas Soldadas e Material Base Módulo 4: - Propriedades dos metais e factores que as influenciam (fisicas, mecânicas, composição química, tratamentos térmicos). - Comportamento mecânico sob carregamento (zona elástica e plástica), o efeito da temperatura, a ductibilidade, tipos de fractura (frágil e dúctil) as diferenças e o que podem originar. - Introdução a este tipo de ensaios, objectivos, dados que se podem retirar, diferenciação entre ensaios destrutivos e não destrutivos, campos de aplicação para cada tipo (destrutivos e não destrutivos). - Por cada ensaio abordar o seguinte: Descrição sucinta de cada ensaio (principio de funcionamento), campo de aplicação, dados que se podem obter, cuidados específicos na execução de cada ensaio e na preparação dos provetes, tipos de provetes, critérios de aceitação, normas aplicáveis, relatórios tipo o que devem conter e como são validados. - Os ensaios a abordar são: Ensaio de tracção, Fractura (de juntas de canto e topo-a-topo), Dobragem, Impacto (charpy), Dureza (principalmente HV), Macrografia. 3 horas Ensaios Não Destrutivos a Juntas Soldadas Módulo 5: - Inspecção Visual: Objectivos, campo de aplicação, ferramentas a utilizar, cuidados específicos quando da inspecção, critérios de aceitação, normas, relatórios o que devem conter e como são validados. - Por cada ensaio abordar o seguinte: Descrição sucinta de cada ensaio (principio de funcionamento), Técnicas de aplicação/execução, possíveis variantes e sensibilidade de cada variante, campo de aplicação, vantagens e desvantagens, tipos de imperfeições detectadas, cuidados específicos na execução do ensaio, critérios de aceitação, normas aplicáveis, relatórios tipo, noções sobre segurança (radiografia). - Os ensaios a abordar são: Líquidos Penetrantes, Partículas Magnéticas, Ultra-sons e Radiografia Industrial. 2 horas Funções do Inspector e Documentos Módulo 6: - Definição das funções do inspector, responsabilidades, atributos, perfil. - Documentos tipo usados pelo inspector (relatórios, normas desenhos de construção, outros), arquivo, tratamento. 1 hora Sistema de Certificação de Inspectores AWS Módulo 7: - Documento AWS QC1:2006 Norma AWS para a certificação de inspectores de soldadura. Italo Fernandes Rev pág. 3 / 6

4 - Documento AWS B5.1: 2003 Especificação para a Qualificação de Inspectores de Soldadura - Apresentação das normas e sua discussão. 1 hora Higiene e Segurança Módulo 8: - Factores de risco na utilização de processos de soldadura e corte, técnicas de prevenção. - Trabalho em altura, estaleiros/montagem/campo, lugares confinados. - Riscos de explosão e incêndios - Atitude do Inspector perante os factores de risco, planos de segurança. 1 hora Reparações em Soldadura Módulo 9: - Plano de reparação, o que deve constar e como deve ser definido - Aprovação de procedimentos de soldadura para reparação e de tratamentos térmicos. - Plano de inspecção da reparação, o que deve constar e como deve ser definido. 2 horas Simbologia de Soldadura e de Ensaios Não Destrutivos Módulo 10: - Documento ANSI/AWS A2.4:1998 Norma para simbologia de soldadura, brasagem e ensaios não destrutivos. - Apresentação da norma e sua discussão. 2 horas Terminologia de Soldadura Módulo 11: - Documento ANSI/AWS A3.0:1994 Norma de termos de soldadura e definições de soldadura. - Apresentação da norma e sua discussão. 2 horas Preparação de um Código para Exame Módulo 12: - Discussão de como preparar um código de construção para o exame de código de construção da AWS. 8 horas Sessão Prática de Inspecção Visual e de Utilização do Código AWS Especifico para o Exame Prático (Book of Specifications) Módulo 13: - Apresentação do código AWS especifico para exame prático Book of Specifications. - Apresentação e utilização do Kit AWS de ferramentas e calibres que é utilizado no exame prático. - Apresentação e discussão do Documento AWS B1.10:1999 Guia para ensaios não destrutivos de soldaduras. - Apresentação e discussão do Documento AWS B1.11:2000 Guia para inspecção visual de soldaduras. Italo Fernandes Rev pág. 4 / 6

5 - Execução de exercícios de inspecção visual sobre réplicas em plástico de juntas soldadas de topo-a-topo e de ângulo (canto e sobrepostas). - Execução de exercícios de aplicação do BooK of Specifications. 3. Exame de Certificação O exame escrito de escolha múltipla a realizar tendo em vista a Certificação AWS/CWI, está dividido em três partes que são os seguintes: i) Parte escrita sobre fundamentos de tecnologia de soldadura Exame de escolha múltipla, duração 2 horas, 150 perguntas, cada pergunta tem quatro respostas e uma e uma só é que está correcta. ii) Parte escrita sobre um código Exame sobre um código à escolha do candidato (API 1104, 20º Edição, incluindo os anexos e mais a errata de 2007, no dia de exame o candidato deverá ser portador do seu código), com consulta do código, exame de escolha múltipla, duração 2 horas, 60 perguntas, cada pergunta tem quatro respostas e uma e uma só é que está correcta. iii) Parte escrita Prática Exame prático de avaliação de amostras de soldadura e outros tipos de perguntas, exame de escolha múltipla, duração de 2 horas, 46 perguntas, cada pergunta tem quatro respostas e uma e uma só é que está correcta. Todos os exames são bilingue (as perguntas e as respostas estão escritas em Inglês e Português) O texto em Português que está inserido no exame tem como objectivo dar uma ajuda, em caso de dúvida o texto principal é o texto em Inglês. Para a obtenção da aprovação para o nível CWI, é necessário que o candidato obtenha uma classificação igual ou superior a 72% em cada parte do exame. Para a obtenção da aprovação para o nível CAWI, é necessário que o candidato obtenha uma classificação igual ou superior a 60% em cada parte do exame. A reprovação numa parte do exame implica a realização de todas as partes que constituem o exame. 4. Avaliação das candidaturas e Classificação dos Exames A avaliação das candidaturas é da responsabilidade e é efectuada pela AWS, ficando esta responsável pela aceitação ou não do candidato. A classificação dos exames é da responsabilidade e é efectuada pela AWS, bem como a emissão dos respectivos certificados. Italo Fernandes Rev pág. 5 / 6

6 5. Distribuição dos temas me cada exame CWI Exame Parte A: Fundamentos de Tecnologia Temas % Perguntas Exame Processos de Soldadura 10 % Controlo de Aquecimento e Metalurgia (Aços não ligados e baixa liga) 6 % Ensaios de Soldaduras 9 % Desempenho de Soldaduras 9 % Definições e Terminologia 12 % Simbologia de Soldadura e END 10 % Ensaios de END 8 % Relatórios e Registos 6 % Responsabilidades e Funções 4 % Segurança 5 % Ensaios Destrutivos 4 % Corte 3 % Brasagem Forte 2 % Brasagem Fraca 1 % Exame Parte B: Prático de Inspecção Temas % Perguntas Exame Procedimentos e Qualificação de Soldadores 30 % Ensaios Mecânicos e Propriedades 10 % Inspecção de Soldadura e Imperfeições 36 % Ensaios Não Destrutivos 10 % Utilização de Desenhos e de Especificações 10 % Exame Parte C: Código Livro Aberto API 1104 Temas % Perguntas Exame Materiais e Projecto/Concepção 10 % Fabrico 30 % Inspecção 25 % Qualificação (processos e Soldadores) 30 % Italo Fernandes Rev pág. 6 / 6

EXAMES AWS CWI/CAWI ASPECTOS GERAIS 1. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE CANDIDATURAS E EXAMES

EXAMES AWS CWI/CAWI ASPECTOS GERAIS 1. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE CANDIDATURAS E EXAMES EXAMES AWS CWI/CAWI ASPECTOS GERAIS 1. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE CANDIDATURAS E EXAMES 1.1 Elaboração da Candidatura a curso e exame AWS-CWI/CAWI O candidato tem de entregar os seguintes documentos: i) Formulário

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010 FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA 1 Defeitos de soldaduras em Aços de Construção 1 Fendas José Alexandre 2 Cavidades 3 Inclusões Sólidas 4 Falta de Fusão e Penetração 5 Forma Imperfeita 6 Defeitos Diversos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013

Marcação CE Estruturas Metálicas. Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Marcação CE Estruturas Metálicas Qualificação de Soldadores Apresentação da Norma EN ISO 9606-1:2013 Objectivos Apresentação da EN ISO 9606-1:2013; Definição das variáveis essenciais na certificação dos

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL NOVEMBRO DE 2012 Índice da Apresentação EMPRESA... 3 Missão... 3 Áreas de atuação... 3 Infraestrutura Fabril... 4 ESCOPO DE SERVIÇOS... 4 Serviços de Fabricação e Manutenção... 4 Engenharia de Soldagem...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM 1. APRESENTAÇÃO A Pós-graduação em Engenharia de Soldagem propicia a oportunidade de especialização na tecnologia e controle da qualidade da soldagem, além

Leia mais

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Solda soldagem EaD 10/10/2010 Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Prof. Dr. Almir M. Quites www.soldasoft.com.br O mercado exige cada vez mais qualificação profissional, mas todos nós temos

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

Tratamento Térmico de Juntas Soldadas

Tratamento Térmico de Juntas Soldadas FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS Tratamento Térmico de Juntas Soldadas JORGE ALEXANDRE DOS SANTOS PINHEIRO DA SILVA COM ORIENTAÇÃO

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços

ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços ENSAIOS MECÂNICOS Permitem perceber como os materiais se comportam quando lhes são aplicados esforços Tipos Ensaios Destrutivos provocam a inutilização do material ensaiado Ensaios Não Destrutivos Ensaio

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

ACÇÕES DE FORMAÇÃO EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

ACÇÕES DE FORMAÇÃO EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS ACÇÕE DE FORMAÇÃO EM ENAIO NÃO DETRUTIVO ANO DE 2011 ACÇÕE A DECORRER NO ORTO E EM INE 1- REFERENCIAL DO CONTEÚDO QUETÕE COMUN A TODA ACÇÕE ROGRAMADA Todos os cursos são reconhecidos pela Relacre através

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE

TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE O site disponibiliza, para usuários interessados e devidamente cadastrados, os cursos de: Inspetor de Soldagem N1 EAD Inspetor de Soldagem N2 EAD Inspetor de Equipamentos

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 PROGRAMA Disciplina: ENSAIOS MECÂNICOS Código: MECN0015 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Siderurgia A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

Soldadura do cobre e suas ligas

Soldadura do cobre e suas ligas Soldadura do cobre e suas ligas As principais ligas são os latões (Cu-Zn) e os bronze-alum alumínios (Cu-Al) A maior dificuldade que surge na soldadura dos cobres está relacionada com a presença de óxido

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

TÉCNICAS E METODOLOGIAS INSPECÇÃO NÃO-DESTRUTIVA

TÉCNICAS E METODOLOGIAS INSPECÇÃO NÃO-DESTRUTIVA TÉCNICAS E METODOLOGIAS DE INSPECÇÃO NÃO-DESTRUTIVA por Luís Guerra Rosa Professor Associado do I.S.T. INTRODUÇÃO Os engenheiros necessitam com frequência de determinar as propriedades de um dado material,

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica : Metalurgia

Leia mais

Prêmio Soldador Padrão 2016

Prêmio Soldador Padrão 2016 Prêmio Soldador Padrão 2016 Inscrições de 01/04/2016 até 15/07/2016 INSCRIÇÕES GRATUITAS Instruções aos Competidores INTRODUÇÃO O Prêmio Soldador Padrão tem como objetivo estimular o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Forjaria A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

Procedimento Específico PE.CER.012. Reconhecimento de Cursos de Formação para acesso à Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos ÍNDICE

Procedimento Específico PE.CER.012. Reconhecimento de Cursos de Formação para acesso à Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos ÍNDICE ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. REFERÊNCIAS... 2 4. DEFINIÇÕES... 2 5. RESPONSABILIDADES... 2 6. PROCEDIMENTO... 3 6.1 REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DOS CURSOS DE FORMAÇÃO... 3 6.2 PROCESSO

Leia mais

Soldadura de Alumínio

Soldadura de Alumínio Soldadura de Alumínio O alumínio é um metal leve, maleável, fácil de trabalhar, com boas propriedades térmicas e eléctricas. Tem uma película de óxido sobre a superfície que lhe dá uma boa resistência

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Documento de Divulgação Externa Certificação de Técnicos de Ensaios Não Destrutivos de Mod.CER.009-04 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERIZAÇÃO DAS CATEGORIAS... 3 2.1... 3 2.2... 4 2.3 Nível 3... 4 3

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes

Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes Área 521 Metalurgia e Metalomecânica CURSO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e Cortantes GUIA DE CURSO 1/6 Curso Serralheiro(a) Mecânico(a) Júnior de Cunhos e

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA

MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA 06 MATERIAL DE QUEIMA E SOLDADURA CANDEEIROS A GÁS FOGAREIROS A GÁS ACESSÓRIOS FOGAREIROS A GÁS CARTUCHOS GÁS MAÇARICOS CARTUCHO MAÇARICOS GARRAFA ELECTRODOS FIO DE SOLDA CANDEEIROS Candeeiro a Gás L3000PZ

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Olhal soldável VLBS Elevação e amarração de cargas Cumpre as diretrizes de maquinaria 2006/42/EG C F T D E T I Articulação 180 G B A H Descrição Carga de trab. (t) Dimensões (mm) Solda Peso O VLBS forjado

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Empresa certificada ISO 9001:2000

Empresa certificada ISO 9001:2000 Empresa certificada ISO 9001:2000 Maemfe é uma empresa brasileira, localizada na cidade do Rio de Janeiro, com 22 anos de existência, líder no fornecimento de uma vasta gama de serviços e produtos para

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc.

Radiologia Industrial. Radiografia de Soldas. Agenda. Tubulações e Equipamentos 23/08/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Radiologia Radiografia de Soldas Prof.: Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Agenda Tubulações e Equipamentos Tubulações e equipamentos Descontinuidades em

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Tampos Industriais 01

Tampos Industriais 01 Tampos Industriais 0 A EMPRESA Há 40 anos, a EICA tem seu foco na busca da excelência na fabricação de tampos industriais. O resultado é um amplo Know-ow gerando um contínuo aperfeiçoamento de todas as

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-007 Abril/15 Revisão 02 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE ENGENHEIRO E TECNÓLOGO ESPECIALISTAS EM SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Mais de 90 wt % dos materiais metálicos empregues em todo o mundo correspondem a ligas ferrosas. Isto representa uma enorme família de materiais

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

Técnicas e cuidados na soldagem de tubulações e equipamentos

Técnicas e cuidados na soldagem de tubulações e equipamentos Técnicas e cuidados na soldagem de tubulações e equipamentos Agenda 1. Metais e soldagem 2. Estudo básico da soldagem 3. Pré e pós-aquecimento 4. Controle de temperatura durante a soldagem 5. Tratamentos

Leia mais

Introdução aos Ensaios Não Destrutivos

Introdução aos Ensaios Não Destrutivos Introdução aos Ensaios Não Destrutivos RESUMO Introdução aos Ens. Não Dest. Análise sumária dos 6 ensaios mais comuns Aplicações Definição de Ensaio Não Destrutivo Uso de técnicas não intrusivas para determinar

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Critérios para a qualificação e certificação de inspetores de soldagem

Critérios para a qualificação e certificação de inspetores de soldagem JUL 2003 NBR 14842 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Critérios para a qualificação e certificação de inspetores de soldagem Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13/28º andar CEP 20003-900

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Açúcar & Álcool A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

ESTUDO DA SOLDADURA EM CARGA DE UMA TUBAGEM API 5L. Pedro Nuno Martins Romão de Carvalho

ESTUDO DA SOLDADURA EM CARGA DE UMA TUBAGEM API 5L. Pedro Nuno Martins Romão de Carvalho ESTUDO DA SOLDADURA EM CARGA DE UMA TUBAGEM API 5L Pedro Nuno Martins Romão de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Mecânica Orientador: Professora Doutora Rosa Maria Mendes

Leia mais

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS.

1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. 1) OS AÇOS INOXIDÁVEIS. Os aços inoxidáveis são aços de alta liga, geralmente contendo cromo, níquel, molibdênio em sua composição química. Estes elementos de liga, em particular o cromo, conferem uma

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

15.4.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 118/35

15.4.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 118/35 15.4.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 118/35 Comunicação da Comissão no âmbito da execução da Directiva 97/23/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de Maio de 1997 relativa à aproximação

Leia mais

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire

01/31/2012. Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire Daniel Silva Rodrigues Denis de Mello Luciano de Rezende Silva Wilson Henrique Moraes Freire O Brasil tende a se tornar o maior explorador de petróleo e gás no mercado. Descobertas recentes de novas reservas

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Cimento A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

O que são os Ensaios Não Destrutivos

O que são os Ensaios Não Destrutivos Resumo Nesse relatório vamos identificar as descontinuidade de uma peça usando ensaio por líquidos penetrantes, o qual consiste na aplicação do líquido penetrante e de um revelador que irá identificar

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP

Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP 1 Participantes Alunos regularmente matriculados no Curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UNIP Pré-requisitos Ter estudado e compeendido o conteúdo das páginas 5 até 23 do e-book Radiologia Industrial

Leia mais

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação COPINAVAL 24/10/2007 END s Aplicação no setor naval Certificação O que significa END? Ensaios Não Destrutivos: Verificar a existência de descontinuidades; Verificar a propriedade de um material; Não causa

Leia mais

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos Teste hidrostático Definição (NBR 12712) Teste (ensaio) de pressão com água, que demonstra que um tubo ou um sistema de tubulação possui resistência mecânica compatível com suas especificações ou suas

Leia mais