Soldadura de Alumínio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soldadura de Alumínio"

Transcrição

1 Soldadura de Alumínio O alumínio é um metal leve, maleável, fácil de trabalhar, com boas propriedades térmicas e eléctricas. Tem uma película de óxido sobre a superfície que lhe dá uma boa resistência à corrosão. Também é o metal mais abundante na crosta terrestre. As ligas de alumínio podem ser subdivididas em dois grupos principais - ligas fundidas e ligas forjadas. Os materiais forjados também têm uma ampla variedade de formas de produto. As ligas forjadas são subdivididas em ligas tratáveis e não tratáveis termicamente. As ligas tratáveis ao calor têm por base alumínio, cobre, magnésio e alumínio silício sistemas de liga de alumínio-magnésio-zinco. Estas podem desenvolver alta resistência por tratamento da solução seguido por idade endurecimento a uma temperatura elevada. As ligas não-tratáveis termicamente incluem alumínio puro, e aquelas com base em alumínio, manganês, alumínio-silício, alumínio e magnésio. Podem ser reforçadas apenas pelo trabalho a frio. Tipos O alumínio e as ligas de alumínio podem ser divididos em dois grupos principais que se referem à forma sob a qual são utilizados. Podem ser ligas fundidas e ligas forjadas. Cada um desses dois grupos pode ser ainda dividido em sub-tipos de ligas de composição. Moldes das Ligas As fundições das ligas de alumínio podem ser produzidas em moldes de areia, em moldes de metal, e por acção da gravidade ou pressão de fundição em moldes. As peças vazadas possuem rigidez e boa resistência à corrosão, com resistência e ductilidade geralmente de importância secundária. Os elementos de liga frequentemente utilizados em peças fundidas de alumínio são de cobre, silício, magnésio, zinco, ferro, manganês e níquel. As ligas fundidas são de dois tipos principais: Aquelas que se baseiam exclusivamente nas suas propriedades, tais como Al-Mg e Al-Si; Aquelas que o tratamento térmico pode ser utilizado para melhorar as propriedades, como as ligas de Al-Cu. Por enquanto, ainda não existe um sistema de numeração padrão internacional acordado para moldes. Cada país utiliza o seu próprio método de identificação. No Reino Unido, as ligas de fundição são prefixadas pelas letras 'LM', seguido de um número um ou dois dígitos; nos EUA, são dadas às ligas de fundição um número de dois ou três dígitos, alguns prefixados com uma carta. São utilizados sistemas similares também na Austrália e Nova Zelândia. Muitas ligas de alumínio são baseadas nos sistemas de Al-Si ou Al-Cu. O sistema de Al-Si tem uma boa fluidez e podem ser usadas para as secções do molde. O silicone reduz falta quente e a tendência para a fundição na solidificação. Estas ligas possuem boas propriedades de corrosão de cobre e muitas vezes têm como um segundo elemento para aumentar a sua força. Existem apenas algumas ligas de Al-Mg, pois enquanto eles têm boas propriedades de corrosão em ambientes marinhos e boa resistência, eles são um pouco mais difícil para lançar do que as ligas Al-Si.

2 Ligas Forjadas As ligas forjadas consistem em material fundido que foi trabalhado por processos tais como forjamento, extrusão, desenho, ou rolamento, melhorando desse modo a homogeneidade e as propriedades mecânicas do material. Isso torna a forma das ligas mais adequada para a soldadura de construção. As ligas forjadas podem ser: Quentes ou laminadas a frio, para produzir chapas, folhas, películas; Por extrusão, para barras, perfis, ou tubos; Desenhada, para fazer arame, parafusos, rebites ou tubo; Forjada, para dar uma variedade de formas. As ligas forjadas de alumínio podem ser de dois tipos: Tratamento por calor (aquelas que podem ser reforçadas por tratamento térmico); Tratamento não-térmico (aquelas que só pode ser reforçadas por trabalho a frio). As ligas de alumínio forjadas também são classificadas em grupos de acordo com o elemento de liga principal ou elementos. Cada grupo, ou «série», tem uma designação de quatro dígitos conferidos pela Organização Internacional de Normalização (ISO). O primeiro número refere-se ao principal elemento da liga, o segundo número da modificação da liga (zero sendo a liga original) e os próximos dois números indicam a ordem pela qual as ligas foram desenvolvidas e variações subsequentes. A carta a seguir o número de quatro dígitos indica uma variação na composição nacional. Por exemplo, a liga 1200A é uma variação da composição da liga de Ligas de alumínio forjado, em ordem numérica de série, são brevemente descritas abaixo. Algumas das ligas em cada série, e as suas composições aproximadas, são apresentadas em tabelas em cada secção. Os elementos são apenas citados se incluídos como uma adição deliberada, com um requisito mínimo, ou como um intervalo máximo e mínimo em especificações. Outros elementos podem estar presentes como impurezas com um limite máximo. Propriedades Mecânicas O alumínio é dúctil e maleável, permitindo que este seja fabricado em muitas formas diferentes por métodos como laminação a quente, laminação a frio, extrusão, forjamento, desenho, estamparia, fiação, pressionando ou flexão. O alumínio tem boa tenacidade, mesmo a temperaturas criogénicas (abaixo de -100 C), porque a fase de transição de não dúctil para frágil ocorre, mesmo com um arrefecimento rápido. Embora a força de alumínio puro seja baixa quando comparada com o aço e outros materiais de engenharia comuns, pode ser melhorada por trabalhar a frio ou por moagem com diferentes elementos, e essas ligas podem ser ainda melhoradas com o tratamento térmico ou o trabalho a frio. Os elementos mais vulgarmente utilizados para formar ligas com o alumínio são o cobre, magnésio, silício, manganês e zinco, individualmente ou em combinações.

3 As ligas com estes elementos podem reforçar o alumínio por um de dois mecanismos: A força pode ser aumentada pela presença de elementos de solução sólida no interior do alumínio por um processo chamado endurecimento solução sólida. Ligas com solução sólida endurecida podem ser trabalhadas a frio para aumentar ainda mais a força e isso é chamado de encruamento. Encruamento do material envolve laminação a frio, extrusão, prensagem, estampagem, etc. A força atingida depende da quantidade de trabalho a frio aplicado, e pode ser descrita como o "temperamento" da liga. Ligas deste tipo incluem Al- Mn e de Al-Mg, e são conhecidos como ligas não tratáveis termicamente. As propriedades de algumas ligas de alumínio podem ser melhoradas por tratamento por calor, um processo em que a precipitação dos constituintes é realizada em solução sólida é deixada a realizar-se, mantendo a uma temperatura adequada. O processo é geralmente descrito como o envelhecimento ou endurecimento. Se o endurecimento ocorrer à temperatura ambiente, é referido como o envelhecimento natural, mas se forem utilizadas temperaturas elevadas é chamado de envelhecimento artificial. Ligas deste tipo incluem Al-Cu, Al-Mg-Si e Al-Zn-Mg, que são conhecidas como ligas tratáveis termicamente. Soldadura Embora, à primeira vista, pareça ser um sistema relativamente simples de liga de soldadura, em comparação com o aço, porque nenhuma mudança de fase de estado sólido ocorre, existem vários factores importantes que influenciam a capacidade de soldadura do alumínio e das suas ligas. Existem alguns factores gerais, abrangendo todas as ligas, e algumas características individuais de liga leve, este último tomada de algumas ligas mais difíceis de soldar do que outros. Os principais factores a serem considerados e tratados em detalhe na soldagem de alumínio são: A presença de um refractário, película de óxido, da superfície tenaz que, se não for removida antes da soldadura, pode causar falta de fusão ou porosidade; A elevada solubilidade do hidrogénio no líquido de alumínio, que em comparação com a sua solubilidade no alumínio sólido, pode levar a porosidade no metal de solda;

4 A tendência para algumas ligas, nomeadamente ligas da série 2XXX, 6XXX e 7XXX, é sofrerem rachaduras a quente ou HAZ rachaduras por liquidação; A redução das propriedades mecânicas que ocorre em toda a zona de soldadura quando as ligas de alumínio são soldadas. Processo de Soldadura O alumínio e muitas das suas ligas podem ser facilmente soldados, mais frequentemente a utilização de processos em atmosfera inerte, tal como a MIG e TIG. MMA ainda é usado ocasionalmente, especialmente para trabalhos de reparação local, mas é difícil a obtenção de soldaduras de boa qualidade com os consumíveis disponíveis. A soldadura MIG do alumínio é sempre realizada com um escudo de gás totalmente inerte, tradicionalmente argon, mas agora cada vez mais misturas de hélio/árgon, tais como a gama BOC revestida a alumínio, que ajudam a aumentar a penetração e para reduzir a incidência de porosidade. Deve ter-se em consideração que o alumínio e suas ligas não devem ser soldados a MIG usando gases activos como o dióxido de carbono, ou misturas Ar-CO2, uma vez que estas levarão a oxidação grave e insuficiência para soldar. A soldadura TIG também deve ser levada a cabo utilizando misturas de gás inerte para blindagem, de árgon ou de árgon/hélio, não só para evitar a oxidação da solda, mas também para impedir que o eléctrodo de tungsténio seja consumido. Processos de alta densidade de potência, como laser e feixe de elétrodos, e o processo de soldadura por fricção, desenvolvido mais recentemente, também são adequados para a soldadura de todas as ligas. Técnicas de brasagem e soldadura de resistência são aplicáveis a algumas ligas. Os processos de fio com núcleo de fundente e de arco submerso não são utilizados para a soldadura de sistemas de liga de alumínio. Ligas de Soldadura As peças fundidas de alumínio têm uma utilização limitada na soldadura de construção soldada, principalmente devido ao seu baixo teor de ductilidade e alta porosidade, mas na re-instalação e reparação de peças fundidas por soldadura é muitas vezes necessária. Muitas ligas de fundição, nomeadamente as que contêm cobre, não são recomendadas para soldadura por serem muito sensíveis e mais propícias a rachar. No caso do alumínio puro e em ligas à base de Al-Si e Al-Mg, podem ser soldados com metais de adição apropriados. Ligas Forjadas de Soldadura É dado abaixo um breve resumo das características de soldadura de cada grupo de ligas: 1XXX série: sem liga de alumínio As ligas 1XXX são facilmente soldadas usando metais de enchimento de composição correspondentes. É também possível a utilização de metais de enchimento Al-Si ou Al-Mg para algumas aplicações. Podem ser soldadas utilizando todos os processos principais, incluindo MIG, TIG, MMA, soldadura a gás, soldadura de resistência e os métodos de soldadura de atrito.

5 Série 2XXX: cobre como principal elemento da liga Estas ligas não são soldáveis porque a formação de compostos intermetálicos de alumínio-cobre no metal a soldadura torna-a quebradiça. Tendem a rachar se forem realizadas tentativas utilizando processos de soldadura de fusão, embora a utilização de Al-Si 12% de enchimento podem por vezes dar resultados razoáveis. As técnicas de não-fusão, como a soldadura por fricção e atrito podem dar algum sucesso. Série 3XXX: Manganês como principal elemento da liga As ligas da série 3XXX são ligas soldáveis, soldadas com harmonização de metais de enchimento, mas com pouca frequência, sendo o principal método de união a brasagem. Brasagem por gás e por tocha são métodos adequados. Série 4XXX: Silicone como principal elemento da liga Estas ligas são soldadas por todos os processos que utilizam metais de enchimento Al-Si. No entanto, como dito antes, para uma maior utilização destas ligas é necessário utilizar um fio com 5% ou 12% de Si. Série 5XXX: Magnésio como principal elemento da liga Ligas com teores em magnésio inferiores a 3%, tal como 5251 e 5454, são susceptíveis a fissuras e é usual utilizar enchimentos de magnésio superiores a superar esta tendência. Ligas com mais de 4,5% de Mg são facilmente soldadas. MIG e TIG são os processos de soldadura utilizados com mais frequência para estas ligas, pois tendem a não responder bem ao MMA ou à soldadura a gás. Série 6XXX: Magnésio e silício como elementos principais da liga Estas ligas podem ser soldadas com cuidado, uma vez que com menos de 1% de Si e 1% de Mg, eles têm uma tendência para quebrar na HAZ por um mecanismo chamado fissuração se as existirem entradas de calor intenso. Para evitar a fissuração do metal de soldadura, deve utilizarse para MIG ou TIG metais de enchimento que contenham 5% de Mg ou 5% de Si. Devem ser tomadas precauções para não misturar as duas composições de enchimento ou fissuras. 7XXX série: Zinco como principal elemento da liga A série inclui notas tanto soldáveis como não soldáveis, embora mesmo as ligas HAZ soldáveis sejam propensas a sofrer rachaduras. É habitual utilizar metais de enchimento que contêm magnésio e zinco, embora seja possível utilizar enchimentos Al-Mg 5,5% em alguns casos. MIG e TIG tendem a ser os principais processos utilizados nestas ligas. 8XXX série: Ligas diversas A maioria das ligas desta série não são usualmente soldadas, e algumas não são soldáveis. No entanto, tem havido desenvolvimentos em ligas de alumínio-lítio para aplicações aeroespaciais que levaram aos graus soldáveis, tornando-as disponíveis.

6 Corte Processos que utilizem um arco eléctrico numa corrente de gás inerte de corte podem ser utilizados para cortar todas as ligas de alumínio. As superfícies de corte são geralmente bastante suaves e limpas, mas a placa mantém zonas estreitas, derretidas e parcialmente derretidas que, com ligas tratáveis termicamente, podem levar a fissuras intergranulares. As propriedades de corrosão também podem ser afectadas negativamente de forma imediata na HAZ do corte. É, portanto, aconselhável cortar para trás por cerca de 3 mm da superfície cortada Deve notar-se que algumas normas requerem níveis de até 6 mm de ser removido após o corte. Normas pertinentes devem ser consultadas para estabelecer requisitos. Processos de Corte Existem vários processos térmicos diferentes para alumínio e para as suas ligas corte, mas o mais utilizado é o corte plasma; com o corte a laser também encontrar algumas aplicações. Para a maioria dos fabricantes industriais actuais, o corte plasma é provavelmente a primeira escolha como uma técnica de corte para o alumínio com espessura de 3 a 50 mm ou superior. O corte plasma permite que a superfície resulte num corte liso e livre de contaminação, mas esta deve ser aparada antes da soldadura, como descrito acima.

7 Pré-aquecimento de alumínio e ligas de alumínio Pré-aquecimento O pré-aquecimento é necessário quando existe risco de, se uma operação de soldadura for efectuada a "frio", resultar uma soldadura instável. Existem algumas orientações que podem ser seguidas para saber se deve ou não ser realizado o pré-aquecimento, aqui descritas e classificadas por tipo de liga. Ligas de alumínio As ligas de alumínio têm uma elevada condutibilidade térmica e o pré-aquecimento é utilizado para fornecer calor adicional para a zona de soldadura, a fim de ajudar a garantir a fusão completa da soldadura. A aplicação do pré-aquecimento também é usada para eliminar qualquer humidade na superfície oxidada. O pré-aquecimento pode não ser necessário durante a soldadura em chapa fina, mas torna-se cada vez mais importante como a espessura e, portanto, a condução térmica para longe da soldadura aumenta. Quanto Pré-aquecimento Aplicar A temperatura de pré-aquecimento real necessária para uma operação de soldadura específica depende não só do material ou materiais a ser soldados, mas também sobre a espessura combinada da articulação, a entrada de calor do processo de soldadura a ser utilizado, e a quantidade de restrição imposta sobre os componentes. Não existem regras fixas sobre quanto pré-aquecimento a aplicar, mas existem muitas publicações disponíveis que dispõem orientações úteis. Essas publicações incluem normas ou códigos de práticas nacionais e internacionais, guias de produtores de aço e ligas de alumínio e de fabricantes de consumíveis. Algumas orientações estão incluídas aqui e, como na secção anterior, classificados por conveniência e por tipo de liga. Ligas de Alumínio Como regra geral, as ligas de alumínio só são pré-aquecidas a temperaturas entre C. Certas ligas de alumínio que podem ser tratadas por calor (Al-Si-Mg) são sensíveis à fissuração da HAZ em caso de sobreaquecimento, e o pré-aquecimento deve ser cuidadosamente controlado dentro desta gama. Com ligas menos sensíveis, o pré-aquecimento pode ser aumentado até um máximo de C. Lembre-se que devem ser utilizadas ligas de alumínio pontos de fusão relativamente baixos e devem tomar-se precauções para evitar o superaquecimento, o que pode resultar em má qualidade de soldadura e fissuras em algumas ligas.

8 Alumínio e Ligas de Alumínio NOTAS: 1. O metal de enchimento mostrado para cada combinação de metais de base é o utilizado com mais frequência. No entanto, o metal de enchimento depende da utilização específica e do tipo de junta e, num certo número de casos, as alternativas aceitáveis são recomendadas (notas A a C). 2. Metais de enchimento em conformidade com os requisitos da especificação AWS A A exposição a produtos químicos específicos ou a uma temperatura elevada sustentada (mais de 150 C), podem limitar a escolha dos metais. As ligas de enchimento 5183, 5356, 5556 e 5654 não devem ser utilizadas numa temperatura elevada sustentada. a) 5813, 5356, 5554, 5556 e 5654 podem ser utilizados. Em alguns casos fornecem: melhor correspondência de cor depois do tratamento de anodização, maior ductilidade da soldadura, maior força de soldadura. O 5554 é adequado para serviço de temperatura elevada. Os moldes soldados com estes metais de enchimento não devem ser submetidos ao envelhecimento artificial pós-solda. b) 4043 pode ser utilizado para algumas aplicações. c) Metal de enchimento com a mesma análise que o metal de base é por vezes utilizado. d) 5183, 5356 ou 5556 podem ser utilizados. e) 4047 pode ser utilizado para algumas aplicações.

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010

FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA. 15 de Abril de 2010 FÓRUM NOVAS TECNOLOGIAS NA SOLDADURA 1 Defeitos de soldaduras em Aços de Construção 1 Fendas José Alexandre 2 Cavidades 3 Inclusões Sólidas 4 Falta de Fusão e Penetração 5 Forma Imperfeita 6 Defeitos Diversos

Leia mais

RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI

RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI Projeto de iniciação científica RECICLAGEM DO ALUMÍNIO UTILIZADO EM AULAS NO LabMat-FEI Relatório Final Bolsista: Jonathas Alberto Ribeiro Abdou e-mail: jonathasabdou@ig.com.br Orientador: Prof. Dr. Rodrigo

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

Maçarico de soldar ou bico de soldar portátil - alicate bloqueador - torno de bancada - pára chamas, escudo térmico - lima.

Maçarico de soldar ou bico de soldar portátil - alicate bloqueador - torno de bancada - pára chamas, escudo térmico - lima. FERRAMENTAS NECESSÁRIAS Maçarico de soldar ou bico de soldar portátil - alicate bloqueador - torno de bancada - pára chamas, escudo térmico - lima. COMO ESCOLHER OS MATERIAIS NECESSÁRIOS As ferramentas

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI.

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI. INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Forjaria A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIV Protecção Individual um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

instalação de sistemas de terras

instalação de sistemas de terras 94 José Ribeiro joseribeiro@casafelix.pt instalação de sistemas de terras 1. Capturar o raio. Capturar o raio para um ponto conhecido de ligação preferida utilizando um sistema de ponta captora aérea específica

Leia mais

PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS

PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS PERIGOS DAS EMANAÇÕES DAS SOLDAGENS Muitos soldadores e profissionais de corte de aço devem se preocupar com as emanações que encontram quando realizam suas atividades de soldagem e corte. A maioria dos

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica Processos de Junção e Corte Prof. Dr. Gilberto F. M. de Souza Agosto de 2004 1. Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes,

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Cimento A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

Extrusão de perfis de alumínio. António Palma, Portalex Alumínio 21 Março 2014

Extrusão de perfis de alumínio. António Palma, Portalex Alumínio 21 Março 2014 Extrusão de perfis de alumínio - (alguns) Princípios Princípios e desafios e desafios António Palma, Portalex Alumínio 21 Março 2014 Agenda O processo de extrusão Principais fatores a controlar Matrizes

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Estruturas metálicas Características Elaboração: GTRPT Homologado: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia, S.A.

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG Processos Soldagem MIG/MAG No Processo MIG/MAG (Gas Metal Arc Welding GMAW) é estabelecido um arco elétrico entre um eletrodo consumível nu alimentado continuamente (arame-eletrodo) e o metal de base,

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO

ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO Introdução: O objetivo deste artigo é explorar os diferentes atributos de uma tesoura com a intenção de conscientizar

Leia mais

PAINEIS SOLARES MEGASUN

PAINEIS SOLARES MEGASUN PAINEIS SOLARES MEGASUN Há mais de uma década a actuar no sector do aquecimento doméstico, a Jaqueciprolar é importador e representante dos Painéis Solares MEGASUN. A MEGASUN é um conceituado fabricante

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Perfis Extrudados de Alumínio LIGAS E TÊMPERAS DE EXTRUSÃO

Perfis Extrudados de Alumínio LIGAS E TÊMPERAS DE EXTRUSÃO Perfis Extrudados de Alumínio LIGAS E TÊMPERAS DE EXTRUSÃO A Alcoa Alumínio está na liderança mundial, na fabricação e na transformação do Alumínio, atuando nos mercados aeroespacial, automotivo, embalagens,

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote O Papel do Alumínio na Galvanização Contínua por imersão a quente 2.4 Rev1.1mar 09

Leia mais

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS

DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO ALUMÍNIO DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES PARA VÁRIOS SEGMENTOS ALUMÍNIO VANTAGENS O é um metal leve, macio e resistente, muito maleável e dúctil, apto para a mecanização e fundição, além de ter uma

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

gases combust CO 17-25% H 2

gases combust CO 17-25% H 2 minérios de ferro Alto Forno (Fe) gusa Ferro fundido Escória (~300Kg/t gusa) Fe 94-95% 95% 3-4,5%C 0,3-0,7% 0,7% Si 0,2-0,8 0,8 Mn

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação Plástica Diagrama Tensão x Deformação CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Alumínio e suas ligas

Alumínio e suas ligas Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Metais e ligas não ferrosas 1 Alumínio e suas ligas Densidade do Al (baixa): 2,70 g/cm 3 Condutividade elétrica e térmica elevadas Não magnético

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

A c r. i l. o s. TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca.

A c r. i l. o s. TRANSFORMAMOS AS SUAS IDEIAS Tel: 244.618.700 Fax:244.618.709 Email:geral@vidrariadujoca.com Site: www.vidrariadujoca. A c r i l i c o s ACRILICO VAZADO Frost É um acrílico parecido com o vidro fosco, com ambas as faces foscas fácil de transformar com o calor. Frost Anti-reflexo Funciona como no vidro anti-reflexo, pretende

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais