Ap.es: Ap.os: Companhia de Seguros. Acordam no Tribunal da Relação de Évora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ap.es: Ap.os: Companhia de Seguros. Acordam no Tribunal da Relação de Évora"

Transcrição

1 PN 1180/991; AP: TC Portalegre; Ap.es: Ap.os: Companhia de Seguros Acordam no Tribunal da Relação de Évora 1. Os Ap.es[AA] pediram a condenação da Ap.a[R] no pagamento do montante indemnizatório de Pte $00, acrescido de juros vincendos da data da citação, á taxa legal de 10%: a) em , pelas 05.00h, na estrada que liga El Marco a La Codosera, Espanha, ocorreu um acidente de viação, que foi causa directa e necessária da morte de, filho de ambos; b) O condutor do motociclo, em que ambos se faziam transportar, r, seguia a velocidade excessiva e desatento, circunstancias que determinaram a produção do acidente; c) A morte do filho provocou aos AA um profundo desgosto; d) Para além de terem efectuado o pagamento do funeral, os AA ficaram privados do sustento que o filho lhes proporcionava 2. Na contestação disse a R que era o falecido quem conduzia o veiculo e, desta forma, não tem obrigação de indemnizar os AA. 3. O CNP veio entretanto reclamar da R seguradora, o pagamento do montante de Pte $00, que satisfez a titulo de auxilio às despesas do funeral. 1 ML(521/00) MM (14/2000) 1

2 4. A R respondeu que não deve pagar a quantia reclamada, porquanto a verba em causa corresponde ao cumprimento de uma obrigação legal da instituição de Segurança Social, que recebeu, ao longo dos anos, a contrapartida dos descontos efectuados pela vítima. 5. Ficou provado: a) em , pelas 05:00h, na estrada que liga El Marco a La Codosera, Espanha, no troço da via situado junto à quinta La Alcornoquera, ocorreu um acidente de viação, por despiste do motociclo de marca Yamaha, de matricula LPb) Este motociclo estava equipado com um assento para o condutor e outro para o passageiro, respectivos apoios de mãos e pés; c) O veículo era conduzido por ; d) E circulava no sentido El Marco/La Codosera, a velocidade muito superior a 120 Km/h; e) O condutor ia desatento; f) Após ter entrado numa curva acentuada para a direita, dada a força centrifuga que a velocidade imprimia ao veículo, deixou que o mesmo galgasse a berma esquerda da estrada e avançasse desgovernado através dos campos, só parando mais de 100m á frente, ao embater nuns arbustos; g) Em virtude da queda, alem de outras lesões por todo o corpo, s sofreu traumatismo craneo-encefálico com hemorragia cerebral, que foi causa directa e necessária da sua morte; h) àquela hora, naquele local, não circulavam na estrada quaisquer outros veículos; o piso encontrava-se em boas condições; o tempo estava bom; e era boa a visibilidade; i) s era trabalhador rural indeferenciado e auferia um vencimento mensal variável, não concretamente determinado, mas ligeiramente superior ao ordenado mínimo nacional; j) Não tinha filhos; k) Era uma pessoa alegre e saudável; l) Formando com os pais uma família unida e amiga; 2

3 m) Os AA sofreram um profundo desgosto com a morte do filho; n), nasceu no dia , faleceu em , no estado de solteiro, e era filho de e o) nasceu em e em ; p) Os AA despenderam com o funeral e a sepultura do filho a quantia de Pte $00; q) O CNP abonou a a importância de Pte $00, relativa às despesas do funeral de s ; r) Entre a companhia de Seguros e foi celebrado o acordo, titulado pela AP , segundo o qual se transferiu a responsabilidade civil ilimitada pelos danos causados pelo motociclo LP-12-71, na circulação r odoviária; s) era, no momento do acidente, portador da carta verde n.º Resulta da motivação: a) no que diz respeito à dinâmica do acidente, mais concretamente quanto á determinação de quem era o condutor do veiculo, o tribunal fundou a sua convicção nos depoimentos de,, mas, no fundamental, de ; b), proprietário do veículo acidentado, foi a única testemunha presencial do acidente; c) E a exemplo daquilo que foi afirmado por e, reconheceu ele que, quando partiu de Esperança, antes da meia-noite, era quem conduzia a moto; d) Todavia, asseverou ter havido troca de posições, quando os dois chegaram á fronteira, passando então o falecido a conduzir o veiculo; e) Ora, minutos após ter ocorrido o acidente, as testemunhas e, chegaram ao local e viram ferido, com sinais de 3

4 hemorragia, sujo de lama fresca, buscando auxílio e tentando encontrar o companheiro de viagem; f), de seguida, transportou-o para Portugal; g) Este depoente recorda-se de, na altura, lhe ter referido que quem conduzia o veiculo era s (não obstante entre o dia do acidente em causa e a data do julgamento ter sofrido um acidente de viação, que lhe determinou uma notória perda da memória e da capacidade de conhecimento); h) Por sua vez, o depoente manteve [na mesma ocasião] uma pequena conversa com que, de imediato, também lhe disse ser s o condutor da moto; i) Este depoimento foi aliás decisivo, pois a testemunha participou nas operações de busca da vitima, cujo corpo foi encontrado cerca de 5h mais tarde, no meio de umas silvas e debaixo da moto; j) No decurso destas operações, recolheu a carteira dos documentos e a camisa de que se encontravam nas margens de uma pequena ribeira, perpendicularmente á beira da estrada; k) Constatou também que a moto se encontrava imobilizada a cerca de 10/12 m daquele local; l) Mas face às características montanhosas do terreno, e á falta de luz, quer á testemunha, quer á polícia, quer aos particulares, não foi possível encontrar, que se encontrava debaixo do veículo, escondido por um monte acamado de silvas; m) O corpo da vitima, quando foi finalmente encontrado, revelava que tinha sido projectado de cabeça e frontalmente nessa direcção ao mesmo tempo que a moto; n) Também em audiência, Joao fez um esboço do local do acidente, que coincidiu nos traços gerais com o croquis policial espanhol; o) E todos estes traços, aliados á declaração inicial de, quando este ainda não tinha conhecimento da localização do amigo, e da própria moto 4

5 deste, foram decisivos para justificar a resposta positiva ao quesito 22 e a negativa aos quesitos 1 e 33; p) A testemunha respondeu de forma isenta e séria e, no seu entendimento, não estava a mentir, pois nem o seu estado físico lho permitia, debilitado e inclusivamente quase desmaiado no local, nem a sua expressão, pronta e repentina, era característica de uma declaração inveridica; q) Aliás, de forma a testar aquela declaração e enquanto ainda se encontrava no local, porque não encontravam,, perguntou-lhe se ele estava certo de ter vindo acompanhado, dado que naquele momento não existia qualquer sinal disso; r) Os AA consideraram porem que a declaração de era infantil, mas nem sempre o que é infantil é falso; s) Mais: o ónus da prova incumbia os AA e estes não lograram minimamente comprovar a tese que defendiam, pelo que, em última analise, ainda que não provada a posição da R a situação traduzir-se-ia num non liquet também algo desfavorável á pretensão daqueles; t) A testemunha limitou-se por sua vez a fazer um resumo das diligências efectuadas pela R e dessa forma, a parte mais substancial do depoimento, por ser de natureza indirecta, não foi tido em consideração; u) O documento de fls 124 foi determinante na concretização da resposta ao quesito 155; v) As testemunhas amigos e colegas de trabalho de falecido, e bem assim do tipo de asserção familiar deste;, demonstraram estar a par da situação profissional do w) Estes depoimentos revelaram-se essenciais às respostas dos quesitos 4, 5, 6, 12, 13 e 146; 2 Quesito 2: o veículo era conduzido por s? Provado. 3 Quesito 1: no veículo seguiam como condutor e, atrás deste, como passageiro, s? Não provado. Quesito 3: como resulta do despiste, o passageiro s Ridrgues foi projectado do veículo? Não provado. 4 Factura no montante de Esp.425,909, por despesas da transladação do falecido de Badajoz a Mosteiros 5 Quesito 15: os AA despenderam com o funeral e sepultura do seu filho a quantia de Pte $00?Provado. 5

6 x) Não foram considerados os documentos extraídos do processo espanhol, cujo resultado não foi traduzido ao conhecimento do tribunal, documentos em que se refere como condutor do veiculo acidentado; y) A circunstância de os AA terem junto aos autos uma licença de condução velocípedes [única] de que era titular, não demonstra que ele não tivesse conduzido o veículo acidentado; z) As pretensões probatórias dos AA baseadas no processo de composição extra-judicial do litígio, não podem ser consideradas, por em si mesmas não comprometerem as partes; aa) As testemunhas, e, referiram por fim que os AA trabalham r egularmente, ele como guarda de monte e ela como empregada numa vinha; bb) Estes depoimentos fundamentaram as respostas negativas aos quesitos 7,8,9,10 e A sentença recorrida absolveu dos pedidos: a culpa foi exclusivamente do lesado, e nem foram alegados factos de suporte da tese de existência de uma relação de comissão estabelecida entre o dono do veiculo e o falecido. 7. Concluiu o Ap.e: 6 Quesito 4: era trabalhador rural, indiferenciado, deitando mão a todo o trabalho que aparecia, designadamente cortando madeiras, colhendo azeitona e extraindo cortiça? Quesito 5: auferia o salário diário de entre Pte:5000$00 e 7000$00? Apenas provado que trabalhador rural indiferenciado e auferia um vencimento mensal variável, não concretamente determinado, mas ligeiramente superior ao ordenado mínimo nacional; Quesito 6: N ão tinha filhos? Provado Quesito 12: era uma pessoa alegre e saudável? Provado Quesito 13: formando com os seus pais uma família unida e amiga? Provado Quesito 14: Os AA sofreram profundo desgosto com a sua morte? Provado era 7 Quesito 7: entregava a sua mãe todo o dinheiro que ganhava, para governo da casa, sendo a partir daí que a família se sustentava? Não provado. Quesito 8: o pai estava e está reformado por invalidez auferindo a pensão de Pte $00 mensais? Não provado Quesito 9: a mãe tinha de estar em casa para tratar dos afazeres domésticos? Não provado. Quesito 10: não exercendo por isso qualquer actividade não remunerada? Não provado. Quesito 11: com a morte de, os pais ficaram privados do sustento que o filho lhes assegurava? Não provado. 6

7 a) as circunstancias de tempo e lugar em que ocorreu o acidente, e a opinião que do mesmo ficou para quem dele teve, depois, de se ocupar, tornam muito pouco crível que o condutor da moto fosse s ; b) Apontam antes no sentido de que era ; c) Convergem desde logo na rejeição do primeiro entendimento os factos de não ser natural que, tendo partido ao comando, 10 a 15 km depois já tenha passado a passageiro; que, sendo a moto cara e de difícil condução, tivesse deixado conduzi-la por outro, sem estar habilitado com a carta; d) E acentua-se também: A polícia espanhola deu Dois dias depois, o pai do como condutor; declarou á seguradora que o filho era o condutor A seguradora assumiu de inicio a responsabilidade e até quis pagar a indemnização Não merece credito quem depõe contra um morto, sabendo que ninguém o pode contradizer, e para mais perante a eventualidade de acusação criminal e) por outro lado, é a própria fundamentação da sentença que dá registo de um pormenor revelador de ser a versão do com ou sem colaboração de terceiros: o depoente atamancada tentativa de fuga, perguntou ao, quando não encontravam o ouve lá, tens a certeza de que vinhas acompanhado?; f) pergunta que inevitavelmente leva a esta outra: alguém pergunta ao passageiro se vai acompanhado?; g) em boa verdade, quem perguntasse o que perguntou só podia ter como pressuposto que estava inquirindo o condutor; h) ora isto é bem revelador do credito que merece a testemunha, e o julgador apresentou-a como garante da verdade de ; i) tão carregada de interrogações e sinais contrários vem, pois, a decisão de facto quanto á pessoa do condutor, que bem se justifica repetir o julgamento, suposto que não venham a modificar-se as respostas; j) e isso se pede; 7

8 k) Mas a verdade é que, indo na moto, fosse qual fosse a sua posição, ele não perdia a qualidade de detentor da direcção efectiva do veículo; l) Deixando porem a conduzir sem carta, teria acabado por, com essa atitude, ser co-responsavel pelo acidente; m) Tanto basta para a condenação da R Seguradora na indemnização a fixar mos termos pedidos quanto aos danos não patrimoniais e despesas do funeral; n) Deve anular-se o julgamento para cabal e completa descoberta da verdade ou, se assim se não entender, deve ser revogada a sentença recorrida para ser substituída por decisão que julgue procedente o pedido 8. nas contra alegações disse a Ap.a: a) em virtude de o segurado ainda se encontrar no hospital, admitindo que fosse ele o condutor, a recorrida pretendeu liquidar a indemnização aos recorrentes; b) porem o segurado saído do hospital logo se opôs que não era ele, mas o filho dos recorrentes, quem conduzia o veiculo acidentado; c) e no julgamento onde até á exaustão de discutiu este problema, apurou-se na verdade, que quem conduzia o motociclo era a vitima; d) em face da matéria apurada outra não podia ser a decisão proferida, que é de manter 9. O recurso está pronto para julgamento. 10. Em face dos elementos que resultam do processo, por ser dado não posto em causa, e com interesse para a justa decisão (aliás referido, ainda que com outro objectivo, na motivação da decisão de facto), pode dar-se como provado e aditar-se, que s não estava habilitado a conduzir motociclos, por carta de condução apropriada (art.º 712º/1 b CPC). 11. No entanto, a pretensão dos recorrentes no sentido de ver alterada a resposta central acerca da condução do veículo pela vítima não pode ser acolhida. 8

9 Na verdade, perante uma motivação da decisão sobre a matéria de facto assente tão profícua e lógica, não tendo havido gravação da audiência, falece qualquer razão á crítica mesmo quando intenta demonstrar falha assente numa pergunta da principal testemunha ao interveniente não condutor, pressupondo justamente que fosse ele a conduzir, e não o outro. É que o texto da motivação de facto é explícito, quando refere que tal pergunta foi dirigida a depoente, para se assegurar da verdade do que ele dizia: não vir a conduzir. pelo 12. O problema posto a decisão reside agora, por consequência, em saber se, perante os dados da causa, podemos ou não concluir pela concorrência de culpas entre o segurado e a vítima, já que aquele a deixou conduzir sem habilitação ou, no limite, se a responsabilidade pelos danos decorrentes do sinistro deve ser imputada, a título de presunção da culpa do dono do veículo (no interesse e por conta de quem seguiam), por terem os AA. logrado comprovar que o condutor não teve culpa exclusiva. Mesmo que se admita como hipótese de raciocínio a segunda formulação, tanto numa como noutra, o ónus da prova incumbia aos AA.; mas não alegaram, nem por isso provaram, que o proprietário e co-utente do veículo sabia, ou tinha obrigação de saber, que o condutor não tinha carta de condução ou, com mais rigor, que s não possuía destreza suficiente para conduzir aquele motociclo. Ora, simplesmente não ser titular do documento comprovativo da habilitação do condutor, ainda que se aceite ser demonstração objectiva de inabilidade (no caso dos motociclos este modelo de juízo está no limiar da procedência), é certo também que não basta para o estabelecimento da culpa, nexo subjectivo ligado ao conhecimento do real tal como existe, ou se apresenta ao imputável. Claudica portanto a tese recursiva: os AA. não trouxeram à discussão factos suficientes para a sustentabilidade da crítica que fazem à sentença recorrida. Por isso mesmo improcede a apelação, justo juízo de exclusiva responsabilidade da própria vítima pelas consequências do acidente. 9

10 13. Atento o exposto, visto o art. 505 CC, decidem manter inteiramente a decisão apelada. 14. Custas pelos Ap.es, sucumbentes, se e quando o pagamento for exigido. 10

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Processo: 9951381 Nº Convencional: JTRP00027995 Relator: AZEVEDO RAMOS Descritores: INTERVENÇÃO PROVOCADA INTERVENÇÃO ACESSÓRIA CONDUÇÃO SOB O EFEITO DE ÁLCOOL ACIDENTE

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN. 1150.00 1 ; AP.: TC Braga; Ap.e 2 : Real Seguros, SA, Av. de França, 316, Porto; Ap.o 3 : José Fernando Araújo Ferreira, Lugar de Paulinhos, Cabreiros, Braga. Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Leia mais

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso

Processo n.º 228/2006. Assuntos: SUMÁRIO: Data: 27/Julho/2006. - Direito de regresso Processo n.º 228/2006 Data: 27/Julho/2006 Assuntos: - Direito de regresso SUMÁRIO: Não vindo provado o facto justificativo do direito de regresso, no caso, o abandono do sinistrado, o pedido não pode deixar

Leia mais

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 ACORDAM NO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA I. OBJECTO DO RECURSO E QUESTÃO A SOLUCIONAR. No Tribunal do Trabalho de V..., AA SEGUROS

Leia mais

LIÇÃO II 11 DE OUTUBRO DE 2007 PRINCÍPIOS PROCESSUAIS TIPOS DE ACÇÕES

LIÇÃO II 11 DE OUTUBRO DE 2007 PRINCÍPIOS PROCESSUAIS TIPOS DE ACÇÕES LIÇÃO II 11 DE OUTUBRO DE 2007 PRINCÍPIOS PROCESSUAIS TIPOS DE ACÇÕES CASO 1 António, estudante de Direito da Universidade do Minho, reside em Chaves e desloca-se todas as semanas a Braga. No dia 24 de

Leia mais

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007

LIÇÃO VII. 26 de ABRIL DE 2007 LIÇÃO VII 26 de ABRIL DE 2007 No dia 2 de Abril de 2003 ocorreu um acidente de viação entre os veículos automóveis conduzidos, respectivamente, por António e Berto, respectivamente, na EN1, perto de Cantanhede.

Leia mais

PARECER N.º 52/CITE/2004

PARECER N.º 52/CITE/2004 PARECER N.º 52/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

Processo n.º 656/2014

Processo n.º 656/2014 Processo n.º 656/2014 (Recurso Laboral) Relator: Data : João Gil de Oliveira 26/Março/2015 ASSUNTOS: - Comodato e mútuo - Prejuízos; liquidação em execução de sentença SUMÁ RIO : 1. Se A empresta a B certas

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. Nº 3341/2014 I - RELATÓRIO O REQUERIMENTO INICIAL I ANTÓNIO, identificado nos autos, intentou a presente acção contra S.A., igualmente identificada nos autos, nos termos constantes da petição inicial,

Leia mais

Processo n.º 261/2010. Assuntos: Sumário : (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010. - Excesso de velocidade; radar; margem de erro

Processo n.º 261/2010. Assuntos: Sumário : (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010. - Excesso de velocidade; radar; margem de erro Processo n.º 261/2010 (Recurso Penal) Data: 15/Julho/2010 Assuntos: - Excesso de velocidade; radar; margem de erro Sumário : Se um juízo técnico científico nos indica que determinado aparelho de medição

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

PARECER N.º 106/CITE/2010

PARECER N.º 106/CITE/2010 PARECER N.º 106/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos:

S U M Á R I O. Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25. Assuntos: Processo n.º 96/2010 Data do acórdão: 2010-3-25 (Autos de recurso civil e laboral) Assuntos: intervenção provocada auxiliar na defesa art. o 272. o, n. o 1, do Código de Processo Civil art. o 274. o, n.

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação PN. 939.00 1 ; Ag: TC Porto, 7º j; Ag.e: Condomínio do Edifício Dallas, rep. Andargest, Soc. Gest. Condomínios, Lda 2 ; Ag.o: MP. Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto 1. O Ag.e, em acção que

Leia mais

Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011

Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 2802/2007 Acórdão de: 15-12-2011 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça: I. Resumo dos termos essenciais da causa e do recurso AA propôs em 14/6/07 uma acção ordinária

Leia mais

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo:

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo: Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração Sumário: I. A jurisdição de menores reveste as características de jurisdição voluntária, na qual o tribunal não se acha circunscrito à prova apresentada

Leia mais

Processo nº: 659/2009 Data: 2010-07-27 ACORDAM NO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA - SECÇÃO CÍVEL:

Processo nº: 659/2009 Data: 2010-07-27 ACORDAM NO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA - SECÇÃO CÍVEL: PDF elaborado pela Datajuris Processo nº: 659/2009 Data: 2010-07-27 ACORDAM NO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA - SECÇÃO CÍVEL: I. "A, Lda." instaurou, no tribunal judicial de..., a presente acção comum,

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

RECURSOS EM PROCESSO CIVIL

RECURSOS EM PROCESSO CIVIL compilações doutrinais RECURSOS EM PROCESSO CIVIL ESTUDO SOBRE FACTOS INSTRUMENTAIS OU INDICIÁRIOS E AMPLIAÇÃO DA MATÉRIA DE FACTO Dr. André Mouzinho ADVOGADO VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO RECURSOS EM PROCESSO

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.:

ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Processo nº 429/2008 (Autos de recurso penal) ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Relatório 1. A, arguido com os sinais dos autos, veio recorrer do despacho de pronúncia proferido pelo

Leia mais

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Recurso nº 69/2003 30 de Outubro de 2003 Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Sumário 1. O pedido de pagamento das rendas é deduzido

Leia mais

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos.

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos. Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Omissão de pronúncia. Nulidade. Devolução dos autos. SUMÁ RIO 1. Incorre-se em nulidade, por omissão de pronúncia, se o Tribunal,

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

CÍVEL Nº 71002427482 COMARCA DE PORTO ALEGRE

CÍVEL Nº 71002427482 COMARCA DE PORTO ALEGRE COBRANÇA. CONSUMIDOR. CONTRATO. SEGURO DE VIDA. RESSARCIMENTO/COMPLEMENTAÇÃO DE AUXILIO FUNERAL. DEVOLUÇÃO EM DOBRO DAS PRESTAÇÕES COBRADAS/PAGAS APÓS A MORTE DO SEGURADO. 1. Restou incontroversa a contratação

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo.

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo. Questões do tema 27 a 30 27. Coisa julgada. Conceito. Natureza jurídica. 28. Coisa julgada formal e material. (arts. 467 a 469) 29. Limites subjetivos e objetivos da coisa julgada. (arts. 470 a 472) 30.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 *

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * ACÓRDÃO DE 14. 9. 2000 PROCESSO C-348/98 ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * No processo C-348/98, que tem por objecto um pedido dirigido ao Tribunal de Justiça, nos

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

Nome Morada. Nome e Morada da Seguradora. ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro. Carta registada com aviso de recepção.

Nome Morada. Nome e Morada da Seguradora. ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro. Carta registada com aviso de recepção. Nome e da Seguradora ASSUNTO: Apólice nº --------------/renúncia ao seguro Nos termos e para os efeitos do artº 182º do Dec-Lei nº 94-B/98, de 17 de Abril (seguro de ramo vida)/ do artº 22º do Dec-Lei

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto I.INTRODUÇÃO:

Acordam no Tribunal da Relação do Porto I.INTRODUÇÃO: PN2555.05-5;Ap:Tc.P.Ferreira,2J (434.99) Ap.es: Maria Manuela Teixeira Gonçalves, 1 Casais, Carvalho, Celorico de Basto, [rep: Nelson Rafael Gonçalves Ferreira, Hévio José Gonçalves Ferreira, fil.s men],

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação JURISPRUDÊNCIA Acórdão de 10-01-2013 Processo n.º 711/2002.L1 8.ª Secção Relatora: Juíza Desembargadora

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO. Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A

Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO. Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A Processo n 702.02.009965-2 AÇÃO REPARATÓRIA DE DANO DECORRENTE DE ATO ILÍCITO Autor: OLAIR MARQUES CARRIJO Réus: MARCOS ROBERTO PINCELA MATEUS e SADIA S/A Denunciada: SUL AMÉRICA CIA. NACIONAL DE SEGUROS

Leia mais

Processo do recurso penal nº 844/2009. Recorrente: Companhia de Seguros Delta Ásia, S.A.

Processo do recurso penal nº 844/2009. Recorrente: Companhia de Seguros Delta Ásia, S.A. Processo do recurso penal nº 844/2009 Recorrente: Companhia de Seguros Delta Ásia, S.A. ACORDAM NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I Relatório No âmbito do processo

Leia mais

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012 Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Não se pode invocar o direito de prioridade a que se refere o artº 202º/2 do Regime Jurídico

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde Fundo de Garantia Automóvel Relatório Anual de Actividades 2010 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 03 2. Actividades desenvolvidas em 2010.. 03 2.1 Abertura e encerramento de processos... 04 2.2.

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE

REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DO FUNDO DE GREVE E SOLIDARIEDADE SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO, UTILIZAÇÃO, GESTÃO E DESTINO DO FUNDO Artigo 1. Constituição

Leia mais

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO

O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO O PAPEL DA PROVA NA AFERIÇÃO DO RESPONSÁVEL POR ACIDENTE DE TRÂNSITO Por Fernando Oliva Palma 1) Introdução Os acidentes de trânsito, hoje em dia, constituem um dos principais motivos do elevado número

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

Acorda-se, em conferência, na Secção de Contencioso Tributário (2.ª Secção) do Tribunal Central Administrativo:

Acorda-se, em conferência, na Secção de Contencioso Tributário (2.ª Secção) do Tribunal Central Administrativo: A nota abaixo resume um recente Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Não constitui matéria nova, mas constitui um bom enquadramento do assunto. Segue-se o desenvolvimento, para melhor apreciação

Leia mais

PARECER N.º 11/CITE/2005

PARECER N.º 11/CITE/2005 PARECER N.º 11/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

Elabore a petição inicial adequada para que sua cliente possa obter, o mais rapidamente possível, a reparação do dano sofrido.

Elabore a petição inicial adequada para que sua cliente possa obter, o mais rapidamente possível, a reparação do dano sofrido. Caso 1 Joana Batista da Silva, brasileira, solteira, vendedora, residente e domiciliada na Av. A n. 100, Setor Felicidade, em Goiânia, GO, é proprietária de um veículo automotor modelo motocicleta, marca

Leia mais

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 (Autos de recurso penal com enxerto cível) Assuntos: insuficiência para a decisão da matéria de facto provada objecto do processo acção penal enxerto cível

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2015.0000941456 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4001661-41.2013.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante

Leia mais

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: A e B. Recorrido: Ministério Público. Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da Lei Básica. Data do Acórdão:

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. 3. Como se constata, as modificações introduzidas reconduzem-se aos seguintes aspectos:

NOTA INFORMATIVA. 3. Como se constata, as modificações introduzidas reconduzem-se aos seguintes aspectos: NOTA INFORMATIVA Face às notícias que tem vindo a ser publicadas na imprensa, relacionadas com alegadas dificuldades na obtenção da isenção de Imposto sobre Veículos (ISV) pelas pessoas portadores de deficiência,

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

PARECER N.º 5/2004 I - OBJECTO

PARECER N.º 5/2004 I - OBJECTO PARECER N.º 5/2004 ASSUNTO: Parecer prévio ao despedimento da trabalhadora..., nos termos do art.º 24.º do anexo ao Decreto-Lei n.º 70/2000, de 4 de Maio, e do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 230/2000, de

Leia mais

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS

MEDIDAS ASSECURATÓRIAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS Graciel Marques Tarão Assessor do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1. Introdução Inicialmente é preciso contextualizar o tema na Legislação Processual Penal. Dessa forma, o

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: TACIO RIBEIRO FIGUEIREDO APELADO: MED LAB CENTRO DE ANÁLISE MÉDICAS E LABORATORIAIS ME RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Responsabilidade

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.494/12.0 TBVNG 1º Juízo Cível Insolventes: ESMERALDA MARIA RIBEIRO CARVALHO GONÇALVES E ANÍBAL AUGUSTO RODRIGUES GONÇALVES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n.

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n. CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL (Queixa n.º 53468/99) ACÓRDÃO (reparação razoável) ESTRASBURGO 18 de Abril de 2006 Este acórdão

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Processo n.º 870/2015 Requerente: Miguel Requerida: SA 1. Relatório 1.1. O requerente, alegando que a requerida, desde Julho de 2014, passou a cobrar-lhe, além da mensalidade acordada (que diz ser de 29,99)

Leia mais

Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009

Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 8B4049 Acórdão de: 22-10-2009 Relatório AA e BB Intentaram contra I... B... C... de S..., S. A Acção declarativa de condenação sob a forma ordinária Pedindo A condenação

Leia mais

Pequenas Dívidas. Um pequeno guia acerca dos procedimentos relativos a Pequenas Dívidas. Grátis, confidencial e imparcial

Pequenas Dívidas. Um pequeno guia acerca dos procedimentos relativos a Pequenas Dívidas. Grátis, confidencial e imparcial Pequenas Dívidas Um pequeno guia acerca dos procedimentos relativos a Pequenas Dívidas Grátis, confidencial e imparcial PEQUENAS DÍVIDAS Os Procedimentos relativos a Pequenas Dívidas no Tribunal de Primeira

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1

Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1 Decreto - Lei nº85/78 de 22 de Setembro 1 Os acidentes de viação constituem um verdadeiro flagelo pelas suas consequências sociais e económicas. Por isso se acentua em todo o mundo a tendência para tornar

Leia mais

SEGURO DE EMPREITADA

SEGURO DE EMPREITADA Page 1 SEGURO DE EMPREITADA Sede: Av. 25 de Setembro, n.º 1230, 2.º Andar, Porta 201, Prédio 33 Andares Assinatura:... Page 2 APÓLICE Nº. A Companhia de Seguros Indico, SA abreviadamente designada por

Leia mais

Juízos Cíveis de Coimbra

Juízos Cíveis de Coimbra Juízos Cíveis de Coimbra AA.:António Francisco Domingues, portador do Cartão do Cidadão nº004897786 válido até 13/10/2013, contribuinte fiscal nº 100097898 e mulher Florbela Francica Santos Domingues portadora

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 03-08-2010 1. INSOLVENTE:

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário.

Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Processo nº 11/03 Acção de despejo Forma do processo na acção de despejo; efeitos da revelia do réu em processo sumário. Sumário: 1. A acção de despejo, como meio para fazer cessar imediatamente o contrato

Leia mais

RELATOR(A): DESEMBARGADOR(A) FEDERAL MANOEL DE OLIVEIRA ERHARDT - 1º TURMA

RELATOR(A): DESEMBARGADOR(A) FEDERAL MANOEL DE OLIVEIRA ERHARDT - 1º TURMA PROCESSO Nº: 0804048-31.2014.4.05.8300 - APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO RELATÓRIO Cuida-se de apelação interposta pelo INSS contra sentença proferida pelo Juízo da 10ª Vara Federal de Pernambuco que julgou

Leia mais

I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos factos constitutivos do. direito por si invocado na reconvenção (art. 335º, nº1, do C.C.).

I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos factos constitutivos do. direito por si invocado na reconvenção (art. 335º, nº1, do C.C.). Proc. nº 446/2011 (Recurso Cível e Laboral) Relator: Cândido de Pinho Data do acórdão: 27 de Março de 2014 Descritores: -Reconvenção -Ó nus de prova SUMÁ RIO: I - Cabe ao réu/reconvinte fazer a prova dos

Leia mais

PARECER N.º 70/CITE/2008

PARECER N.º 70/CITE/2008 PARECER N.º 70/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel Mestrado em Engenharia Automóvel / Pós-Laboral Legislação e Conflito Fundo de Garantia Automóvel Docente: Maria João Escudeiro Mauro Sousa 2140842 Tiago Fialho 2140843 15 de Junho 2015 Índice I Introdução...3

Leia mais

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

Assunto: Objecto do recurso. Princípio da proibição da reformatio in mellius.

Assunto: Objecto do recurso. Princípio da proibição da reformatio in mellius. Processo n.º 32/2009. Recurso jurisdicional em matéria civil. Recorrentes: A, B, C e D. Recorridos: A, B, C, D e E. Assunto: Objecto do recurso. Princípio da proibição da reformatio in mellius. Nulidade

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais