Prova Escrita de História A VERSÃO º Ano de Escolaridade. Prova 623/2.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prova Escrita de História A VERSÃO 2. 12.º Ano de Escolaridade. Prova 623/2.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO"

Transcrição

1 EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 623/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos VERSÃO 2 Prova 623.V2/2.ª F. Página 1/ 15

2 Página em branco - Prova 623.V2/2.ª F. Página 2/ 15

3 Indique de forma legível a versão da prova. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta. Não é permitido o uso de corretor. Deve riscar aquilo que pretende que não seja classificado. Para cada resposta, identifique o grupo e o item. Apresente as suas respostas de forma legível. Apresente apenas uma resposta para cada item. As cotações dos itens encontram-se no final do enunciado da prova. ColorADD Sistema de Identificação de Cores CORES PRIMÁRIAS BRANCO E PRETO Prova 623.V2/2.ª F. Página 3/ 15

4 GRUPO I A ERA INDUSTRIAL: TRANSFORMAÇÕES NA EUROPA E NO MUNDO Documento 1 O proprietário rural inglês Thomas William Coke, pintura de Thomas Weaver (cerca de 1807) Documento 2 Produção de hulha ( ) (em milhões de toneladas) País Grã-Bretanha EUA Alemanha França ,3 0, ,5 1,5 1, , Ano Prova 623.V2/2.ª F. Página 4/ 15

5 1. Refira, a partir dos documentos 1 e 2, três dos fatores que justificam o arranque industrial inglês. 2. Nomeie, a partir do documento 2, um dos sectores de arranque industrial na Grã-Bretanha. 3. Ordene cronologicamente os seguintes acontecimentos relativos ao movimento operário. Escreva, na folha de respostas, a sequência correta das letras. (A) Destruição de máquinas pelos operários, num movimento não organizado de reação à exploração. (B) Formação dos primeiros sindicatos na Grã-Bretanha e organização de greves. (C) Criação da II Internacional (ou Internacional Operária e Socialista), em Paris. (D) Publicação do Manifesto do Partido Comunista, de Marx e Engels, em Londres. (E) Nascimento do operariado industrial, na Grã-Bretanha, na sequência do êxodo rural. Identificação das fontes Doc. 1 In F. A. de La Rochefoucauld, A Frenchman s Year in Suffolk: French impressions of Suffolk life in 1784, Suffolk, Boydell Press, Woodbridge, 1988, p. 199 (adaptado) e (consultado em 29/11/2013) Doc. 2 Jean-Pierre Rioux, A Revolução Industrial, Lisboa, Publicações D. Quixote, 1982, p. 110 (adaptado) Prova 623.V2/2.ª F. Página 5/ 15

6 GRUPO II PORTUGAL: DA MONARQUIA CONSTITUCIONAL À REPÚBLICA Discurso de Afonso Costa, deputado republicano, na Câmara dos Deputados (20 de novembro de 1906) As consequências [dos costumes e do estado da nossa administração], que o Sr. ministro não quis denunciar-nos como devia, são bem [ ] dolorosas: uma dívida pública de perto de 800 milhões de contos de réis*; uma dívida flutuante que vai até 72 milhões de contos de réis; impostos que têm sempre aumentado, até quase quintuplicarem, de 1852 para cá; e, por outro lado, o país sem instrução, nem exército, nem defesa das costas e das fronteiras, nem marinha, nem auxílio aos operários, nem nada do que se pede e precisa, porque nem sequer temos estradas, já que as existentes, que nos custaram dezenas de milhares de contos de réis, destruiu-as a triste iniciativa e casmurrice do Sr. João Franco num dos seus ministérios anteriores, não consentindo nas reparações necessárias, e inutilizando assim um importante capital nacional que, pelo contrário, era mister valorizar e aumentar. [...] Os costumes da administração deram nisto: o país à beira da ruína; o desgraçado consumidor a braços com o imposto de consumo, que o leva à tuberculose e à miséria; o contribuinte cada dia mais incapacitado de pagar as contribuições sempre crescentes; o proprietário disposto a abandonar as suas terras [ ]. Requeri [ ] que me fossem enviados todos os esclarecimentos possíveis acerca dos chamados «adiantamentos» à casa real. [...] O governo [ ] recusou-se a dar qualquer informação a este respeito; [ ] o país está, não só profundamente alarmado, mas profundamente irritado e resolutamente decidido a não consentir nos propósitos do governo a este respeito. [ ] Além do que está determinado na lei, isto é, 525 mil contos de réis por ano, nenhuma outra quantia, qualquer que seja a sua denominação ou natureza, pode ser abonada à família real. Se alguma foi abonada, [ ] foi retirada fraudulentamente dos cofres do Estado. [ ] O arrependimento do rei ficou bem claro, afirmando, ainda antes de estar regularizada a sua situação, ter restituído o que indevidamente recebeu [ ]. A Nação ordena, e declara indispensável, que essas pessoas reponham as quantias desviadas, com todos os juros, sem exceção de uma só verba [...]. E mais ordena o povo, solenemente, que, logo que tudo esteja pago, diga o Sr. presidente do conselho ao rei: Retire-se, Senhor, saia do país, para não ter de entrar numa prisão, em nome da lei! (A agitação aumenta progressivamente. Todos os deputados estão de pé.) Por muito menos crimes do que os cometidos por D. Carlos I, rolou no cadafalso, em França, a cabeça de Luís XVI. (Grande sussurro e agitação.) * 1 conto de réis = 1000 escudos (cerca de 5 euros). Prova 623.V2/2.ª F. Página 6/ 15

7 Para responder a cada um dos itens de 1. a 4., selecione a opção correta. Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida. 1. O sector rodoviário, «importante capital nacional que [ ] era mister valorizar e aumentar» (linhas 9-10), foi uma prioridade para os governos do período do (A) Vintismo. (B) Miguelismo. (C) Fontismo. (D) Setembrismo. 2. Para a situação do país «à beira da ruína» (linha 11), criticada por Afonso Costa, contribuíram (A) a libertação da terra dos vínculos de carácter feudal e a extinção dos morgadios. (B) o desequilíbrio da balança comercial e o endividamento no período da Regeneração. (C) os fortes investimentos dos capitalistas portugueses nas empresas de grande dimensão. (D) os fortes investimentos do Estado na construção de infraestruturas nas colónias. 3. Segundo o autor, o país estava «não só profundamente alarmado, mas profundamente irritado» (linha 17), devido (A) à cedência portuguesa às exigências do Ultimato Britânico, no contexto das disputas coloniais. (B) à repressão de destacados dirigentes do Partido Republicano, durante o governo de João Franco. (C) aos montantes destinados a cobrir os gastos da família real, à revelia do controlo parlamentar. (D) à agitação de rua e à ação subversiva de associações revolucionárias como a Carbonária. 4. A ação política do Partido Republicano, que capitalizou a seu favor os efeitos da crise económica e dos «costumes da administração» (linha 11) na fase final da monarquia, caracterizava-se pela (A) exaltação das qualidades do povo português e pela defesa de uma nova monarquia para o ressurgimento do país. (B) mobilização popular e pela realização de grandes manifestações de rua, em apoio ao governo de João Franco. (C) colaboração com os partidos Regenerador e Progressista e pela participação na alternância à frente do governo. (D) realização de uma campanha assente nas críticas ao rei e na evocação das virtudes de figuras do passado. Identificação da fonte In (consultado em 06/12/2013) (adaptado) Prova 623.V2/2.ª F. Página 7/ 15

8 Página em branco - Prova 623.V2/2.ª F. Página 8/ 15

9 GRUPO III A EUROPA OCIDENTAL E CENTRAL: DOS REGIMES TOTALITÁRIOS NA DÉCADA DE 1930 À PROCURA DA COOPERAÇÃO NO SEGUNDO PÓS-GUERRA Documento 1 «O sonho do Chico» um conto infantil português, na obra O Canto da Mocidade (1938) Quando o pai morreu, deixou ao Chico toda a sua fortuna nessa pequena casinha branca rodeada duma horta bem cultivada [ ]. Ao longe, no cimo da ermidinha* singela, tocavam os sinos com suavidade Chico, docemente, rezou a Ave- -Maria [ ]. [Anos mais tarde, já casado e com filhos, Francisco contava-lhes à hora da sesta:] A seguir àquela noite em que eu dissera ao tio Manuel querer ir para o Brasil, do que ele me demoveu logo, pensei em vir para o Alentejo. [ ] E fizeram-se estas coisas grandiosas! [ ] Arrotearam-se, lavraram-se os campos, deu-se trabalho a milhares de braços. [ ] A terra, abençoada por Deus, retribui-nos em duplicado o que lhe entregamos [ ]. Acabara a sesta. O pessoal, alegre e bem-disposto, voltava para o trabalho. A esposa, acompanhada das crianças, regressou a casa. Francisco ergueu-se. Ia para a labuta também. Vendo-o ir, a assobiar uma cançoneta, o tio Manuel murmurou: Abençoado seja aquele que sonhou um dia este sonho divino Abençoados todos aqueles que deram o seu esforço, por mais humilde, para que o Portugal de hoje seja um Portugal tão grande ou maior do que aquele que ensinou ao mundo que o mar não era um abismo * Capela. Prova 623.V2/2.ª F. Página 9/ 15

10 Documento 2 Expansão territorial da Alemanha (de janeiro de 1935 a março de 1939) SUÉCIA LITUÂNIA N DINAMARCA Mar Báltico Mar do Norte Danzig PRÚSSIA ORIENTAL Hamburgo Stettin Elba HOLANDA Hanover Berlim Oder Vístula POLÓNIA Essen BÉLGICA LUXEMBURGO Colónia Reno Véser Leipzig ALEMANHA Francoforte Praga Nuremberga Dresden FRANÇA Estugarda Munique CHECOS LOVÁQUIA D anúbio Viena ÁUSTRIA km SUÍÇA ITÁLIA JUGOSLÁVIA HUNGRIA Alemanha, incluindo a Prússia Oriental Integração do Sarre (1935) Remilitarização da Renânia (1936) Anexação da Áustria (março de 1938) Anexação da região dos Sudetas (setembro de 1938) Estabelecimento dos protetorados da Boémia e Morávia (março de 1939) Outras anexações (março de 1939) Documento 3 Vítimas do campo de concentração de Auschwitz ( ) (dados aproximados) Categoria Total Deportados Registados* Mortos Judeus Prisioneiros políticos, na sua maioria polacos a a Ciganos Prisioneiros soviéticos Outros (criminosos comuns, homossexuais, testemunhas de Jeová, etc.) a * A maioria dos recém-chegados, definidos pelos médicos da SS como inaptos para o trabalho (doentes, idosos, mulheres grávidas, crianças), era assassinada de imediato e não constava do registo do campo. Prova 623.V2/2.ª F. Página 10/ 15

11 Documento 4 Concurso promovido pelo Plano Marshall, com o tema Cooperação Intereuropeia cartaz alemão (1950) Tradução: ERP [Programa de Recuperação Europeia Plano Marshall] Cooperação intereuropeia para um melhor nível de vida 1. Explicite três dos elementos, refletidos no documento 1, que evidenciam o carácter conservador do Estado Novo. 2. Desenvolva, a partir dos documentos de 1 a 4, o seguinte tema: A Europa Ocidental e Central: dos regimes totalitários na década de 1930 às opções políticas e económicas no segundo pós-guerra. A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, três aspetos de cada um dos seguintes tópicos de referência: enquadramento de massas e aparelho repressivo nos regimes totalitários; carácter nacionalista e imperialista do regime nazi; caminhos da cooperação do segundo pós-guerra a Identificação das fontes Doc. 1 Odette de Saint-Maurice, «O sonho do Chico», in O Canto da Mocidade, Lisboa, Edições «EPEL», 1938, pp (adaptado) Doc. 2 In (consultado em 09/12/2013) (adaptado) Doc. 3 In (consultado em 09/12/2013) (adaptado) Doc. 4 In (consultado em 16/12/2013) Prova 623.V2/2.ª F. Página 11/ 15

12 GRUPO IV PORTUGAL: DO ESTABELECIMENTO DA DEMOCRACIA À INTEGRAÇÃO EUROPEIA Documento 1 A opção europeia perspetiva de Álvaro Cunhal (1980) É uma visão idílica imaginar que o Mercado Comum é uma associação de países ricos filantrópicos prontos a «ajudar» os países mais atrasados. [ ] Os países do Mercado Comum defendem os seus interesses próprios e a esses interesses estão prontos a sacrificar os interesses dos outros países. Quando defendem ou admitem o alargamento do Mercado Comum a Portugal, Espanha e Grécia, não é para ajudarem os países que estão fora, mas para que a entrada desses países sirva os interesses dos nove que já lá estão dentro. [ ] Procuram apresentar o Mercado Comum como uma zona de desenvolvimento, de progresso, de bem-estar e de pleno emprego. Em vez de desenvolvimento harmonioso, equilibrado e progressivo, acentua-se a desigualdade do desenvolvimento, a estagnação, a recessão em importantes sectores e a queda progressiva da taxa de desenvolvimento geral. [ ] Com os problemas existentes no Mercado Comum, a integração de Portugal faria pesar sobre o nosso país numerosos fatores da crise [ ]. O Mercado Comum procuraria fazer estagnar, submeter, absorver ou liquidar sectores da economia portuguesa concorrentes com os sectores em crise no Mercado Comum [...] e procuraria apropriar-se dos recursos portugueses. Uma tal associação em termos de desigualdade e sem reciprocidade de vantagens não interessa a Portugal. Por isso mesmo estamos contra. [ ] Nós, comunistas, não aceitamos que as decisões acerca dos problemas nacionais caibam ao imperialismo, caibam ao estrangeiro. Quanto mais se aprofunda o estudo e a análise, mais se fortalece a certeza de que a integração de Portugal [ ] representaria a [ ] restauração dos monopólios. Documento 2 A opção europeia perspetiva de Mário Soares (1985) Para Portugal, a adesão à CEE representa uma opção fundamental por um futuro de progresso e de modernidade. Mas não se pense que seja uma opção de facilidade. Exige muito dos portugueses, embora lhes abra simultaneamente largas perspetivas de desenvolvimento. Por outro lado, constitui a consequência natural do processo de democratização da sociedade portuguesa, iniciado com a Revolução dos Cravos, em 25 de Abril de 1974, e igualmente da descolonização que se lhe seguiu, feita com atraso de vinte anos em relação aos outros países europeus [...]. A tarefa primordial que nos ocupará a partir de agora será a de reduzirmos cada vez mais a distância que ainda nos separa dos países desenvolvidos da Europa, criando para os portugueses padrões de vida e de bem-estar verdadeiramente europeus. [ ] Principais beneficiários da integração europeia, os jovens terão agora de saber mobilizar-se para a grande tarefa nacional do desenvolvimento e da modernização, por forma a que Portugal venha a ser não só terra de liberdade, de convivência cívica e de tolerância, mas também um espaço de prosperidade, de desenvolvimento científico e tecnológico e de justiça social. Honro-me de ter sido quem assinou, em nome do governo da República, o pedido de adesão de Portugal à CEE, em março de [ ] Nas mãos [ ] de todos os portugueses [ ] está o futuro de Portugal, para cuja construção não faltarão, a partir de agora, os estímulos e as ajudas necessárias. Não estamos mais isolados. A solidariedade europeia não nos faltará, como hoje aqui ficou comprovado com a presença de qualificados representantes de todos os Estados da Comunidade. Prova 623.V2/2.ª F. Página 12/ 15

13 1. Explique, a partir do documento 2, três das transformações políticas do regime decorrentes da «Revolução dos Cravos, em 25 de Abril de 1974». 2. Associe cada um dos elementos presentes na Coluna A, relativos à ação de diferentes personalidades nos anos de 1974 a 1976, ao respetivo nome, que consta da Coluna B. Escreva, na folha de respostas, apenas as letras e os números correspondentes. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez. COLUNA A COLUNA B (a) Estratega do movimento do 25 de Abril, foi comandante do COPCON, força militar ligada à extrema-esquerda e defensora do poder popular. (b) Militar afeto à ala moderada das forças armadas, teve um papel relevante na neutralização do golpe de 25 de Novembro, sendo eleito presidente da República em (c) Presidente da República após o 25 de Abril, demite-se em divergência com o MFA, tendo encabeçado o golpe fracassado de 11 de Março de (d) Líder de um grupo de nove oficiais do Conselho da Revolução, exigiu, no «verão quente» de 1975, o fim da partidarização do MFA pelos sectores radicais. (e) Militar e primeiro-ministro de quatro governos provisórios, apoiou o processo de nacionalizações, a reforma agrária e o salário mínimo. (1) Ernesto Melo Antunes (2) António de Spínola (3) Vasco Gonçalves (4) Adelino da Palma Carlos (5) Otelo Saraiva de Carvalho (6) Mário Soares (7) António Ramalho Eanes (8) Álvaro Cunhal 3. Compare as duas perspetivas acerca da opção europeia, expressas nos documentos 1 e 2, quanto a três dos aspetos em que se opõem. FIM Identificação das fontes Doc. 1 Intervenção de Álvaro Cunhal na conferência do PCP «Portugal e o Mercado Comum» (Porto, 31 de maio de 1980), in (consultado em 02/12/2013) (adaptado) Doc. 2 «Discurso de Mário Soares por ocasião da assinatura do Tratado de Adesão de Portugal às Comunidades Europeias (Lisboa, 12 de junho de 1985)», in pt.pdf (consultado em 04/12/2013) (adaptado) Prova 623.V2/2.ª F. Página 13/ 15

14 Página em branco - Prova 623.V2/2.ª F. Página 14/ 15

15 COTAÇÕES GRUPO I pontos pontos pontos 30 pontos GRUPO II pontos pontos pontos pontos 20 pontos GRUPO III pontos pontos 80 pontos GRUPO IV pontos pontos pontos 70 pontos TOTAL pontos Prova 623.V2/2.ª F. Página 15/ 15

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B.º/2.º anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 9 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História A VERSÃO º Ano de Escolaridade. Prova 623/2.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

Prova Escrita de História A VERSÃO º Ano de Escolaridade. Prova 623/2.ª Fase EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 623/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/1.ª Fase 12 Páginas Entrelinha 1,5 Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Prova Escrita de História

Prova Escrita de História PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História 9.ºAno de Escolaridade Prova 19 / 1ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Identifica, claramente,

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º

Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Disciplina: Geografia 9º ano Turma: Professora: Renata Sampaio Ficha: 02 Bimestre: 3º Apresentação: Esta ficha atende a dois objetivos principais: 1. Oferecer os conteúdos básicos a respeito dos objetivos

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História B 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 723/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

Versão 2. Na folha de respostas, indica de forma legível a versão do teste. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Na folha de respostas, indica de forma legível a versão do teste. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Geografia Versão 2 Teste Intermédio Geografia Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 29.04.2011 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro Na folha de respostas,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO:

PARLAMENTO EUROPEU CONSTITUIÇÃO: CONSTITUIÇÃO: PARLAMENTO EUROPEU É a instituição parlamentar da União Europeia. Eleito por um período de 5 anos por sufrágio universal directo pelos cidadãos dos estados-membros Presidente do Parlamento

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/2.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de História B

Prova Escrita de História B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História B 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 723/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º ano de Escolaridade Prova 623/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

PORTUGAL. ASSI FICADO OCUMENTOS SECRETOS NORTE- A M E RiM#0

PORTUGAL. ASSI FICADO OCUMENTOS SECRETOS NORTE- A M E RiM#0 PORTUGAL ASSI FICADO OCUMENTOS SECRETOS NORTE- A M E RiM#0 ÍNDICE PREFÁCIO 7 INTRODUÇÃO 11 1. KISSINGER E O 25 DE ABRIL «Como diabo íamos nós conseguir prever o golpe?» 15 Kissinger: Por que diabo tínhamos

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Informação - Prova de Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional HISTÓRIA A - NE Prova 226 2012 12.º Ano de Escolaridade

Informação - Prova de Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional HISTÓRIA A - NE Prova 226 2012 12.º Ano de Escolaridade Disciplina HISTÓRIA A - NE Código - 226 2011/2012 Informação - Prova de Exame a Nível de Escola Equivalente a Exame Nacional HISTÓRIA A - NE Prova 226 2012 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

MATRIZ DE EXAME (Avaliação em regime não presencial) Ano Letivo 2015/2016 Disciplina: História B Módulo(s): 1, 2 e 3

MATRIZ DE EXAME (Avaliação em regime não presencial) Ano Letivo 2015/2016 Disciplina: História B Módulo(s): 1, 2 e 3 Agrupamento de Escolas de Rio Tinto nº 3 Escola Secundária de Rio Tinto ENSINO SECUNDÁRIO RECORRENTE POR MÓDULOS MATRIZ DE EXAME (Avaliação em regime não presencial) Ano Letivo 2015/2016 Disciplina: História

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I

ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I ESCOLA SECUNDÁRIA ROCHA PEIXOTO GEOGRAFIA 10º ANO DE ESCOLARIDADE 29 OUTUBRO DE 2004 GRUPO I 1.1 Indique o nome dos continentes e Oceanos assinalados na figura 1, respectivamente com letras e números.

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27

Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Trabalho realizado por: Hélio nº 10 Jorge nº 13 Pedro F nº21 Ricardo P nº24 Miguel F nº27 Disciplina de: Área de Projecto Nome do Professor: Hélder Baião 1 Este trabalho foi proposto pelo professor de

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Aplicação. em instrumentos de avaliação externa

Aplicação. em instrumentos de avaliação externa Aplicação em instrumentos de avaliação externa Instituto de Avaliação Educativa, I. P. Maio de 2015 Ficha Técnica Título Aplicação da cor em instrumentos de avaliação externa Direção Helder Diniz de Sousa

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro:

Bruxelas, 3 de Dezembro de 1980. Sr. Vice-Primeiro-Ministro: Decreto n.º 143-A/80 Acordo, por troca de cartas, entre a República Portuguesa e a Comunidade Económica Europeia Relativo à Implementação de Uma Ajuda Pré-Adesão a Favor de Portugal O Governo decreta,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA. Instituto Superior de Economia e Gestão UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Instituto Superior de Economia e Gestão Faz -se saber que, perante o Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (adiante designado por Instituto),

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais