Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente"

Transcrição

1 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar Nome da Empresa: Natura Cosméticos S/A CNPJ da Empresa: / Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente Número de empregados: Porte da empresa: Grande porte 1

2 2. RESUMO DO PROJETO Desde que foi fundada, a Natura é conduzida por crenças e valores expressos por meio de produtos, serviços e comportamento empresarial, que buscam promover a melhor relação da pessoa consigo mesma, com a natureza e com o todo que a cerca. Em todas as suas práticas, a empresa reafirma seu comprometimento com a ética e a transparência. A responsabilidade de promover o bem-estar e de aprofundar os relacionamentos está presente no contato que a empresa mantém com seus públicos, bem como na interação com as comunidades onde atua e, mais amplamente, com o meio ambiente. A Natura possui várias ações voltadas para a conservação e a utilização responsável dos recursos hídricos em todo o processo produtivo e nas suas instalações. Comprometida com o modelo de sustentabilidade, a empresa procura manter controle sobre suas atividades, produtos e serviços para minimizar os possíveis impactos ambientais gerados por eles. Uma das ferramentas utilizadas com esse objetivo é o Sistema de Gerenciamento Ambiental Natura, Sigan, que tem por base a NBR ISO (a companhia obteve a certificação NBR ISO em maio de 2004). O monitoramento realizado pelo Sigan, em 2004, permitiu, entre outras iniciativas, identificar pontos falhos no consumo de água e promover o uso mais eficiente desse recurso, em um ano em que a produção cresceu 28%. Por não existir rede de abastecimento público, a água utilizada no Espaço Natura Cajamar provém de um poço artesiano local. Sua extração respeita os critérios de regeneração do lençol freático ao qual o poço se comunica, observando-se a vazão máxima e mínima determinada durante a fase de perfuração e de testes. Todo o ciclo de captação, tratamento, distribuição e reaproveitamento da água é gerenciado de forma a garantir seu uso sustentável. Um sistema instalado no poço artesiano mede o tempo de reposição do lençol freático e só retira mais água quando todo o líquido já foi reposto pela natureza, evitando seu esgotamento. Para tornar cada vez menor a necessidade de extrair água do poço e reduzir o consumo de maneira geral, o aumento da taxa de reutilização da água é meta permanente. Na Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) considerada uma das mais modernas do mundo, toda a água usada nas instalações do Espaço Natura é tratada antes de ser devolvida ao meio ambiente, com qualidade acima dos padrões exigidos pela legislação ambiental estadual e federal. Trata-se de um ciclo sustentado de uso e reuso da água, baseado em tecnologias de ponta e conceitos de consumo responsável, que busca consolidar um padrão de excelência nas relações da Natura com o meio ambiente e auxiliar a companhia a tornar-se referência 2

3 entre as empresas brasileiras que adotam uma gestão socialmente responsável. 3

4 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO Propósitos Cabe à humanidade assumir a responsabilidade pelo uso criterioso e pela valorização da água e pelo cuidado no tratamento dos assuntos, projetos, serviços e produtos relacionados a ela. Para isso, é importante a disseminação de informação a respeito do tema e a adoção de tecnologias mais adequadas. Hoje, existem alternativas para grande parte dos problemas ligados à água, tanto no ambiente doméstico quanto nos âmbitos empresarial e governamental. Entre elas, destacam-se os processos de tratamento e de reuso. As modernas estações de tratamento de água e esgoto, por exemplo, já conseguem devolver a água com qualidade para suas fontes de origem, além de permitir sua reutilização para outros fins que não o consumo humano. Somente 0,3% da água no planeta está disponível para o consumo humano. Seu uso indiscriminado, ao longo da história da humanidade, vem colocando sob ameaça o futuro da própria vida na Terra. Segundo dados apresentados durante a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, realizada em 2002, mais de 2 bilhões de pessoas já enfrentam problemas de escassez de água. Até 2025, esse número deve saltar para 4 bilhões, o equivalente a 50% da população mundial prevista. O Brasil é privilegiado, pois possui uma das maiores reservas de água doce do mundo estima-se que o país concentre quase 12% das águas superficiais da Terra, aquelas de fácil acesso para o consumo. Grande parte dessa reserva, mais de 80%, concentra-se na região da Amazônia, uma área de baixíssima densidade populacional. Nosso regime pluvial alimenta um dos maiores conjuntos hidrográficos do mundo, composto de 55 mil quilômetros de rios capazes de movimentar mais de 5 mil quilômetros cúbicos de água por ano. Essas águas tornam única nossa biodiversidade e garantem o sustento dos povos indígenas e populações tradicionais que vivem às suas margens. O Brasil também possui um enorme estoque de águas subterrâneas. Segundo estimativas, essa reserva teria aproximadamente 11 mil quilômetros cúbicos. O governo tem pouco controle e poucos dados sobre a quantidade de poços abertos e de água extraída deles. Acredita-se que existam 300 mil poços já perfurados no país e que novos 10 mil sejam abertos ao ano. Empresas de serviços e indústrias são as que mais se utilizam dessa forma de obtenção de recursos hídricos. Por causa da aparente fartura, por mais de 500 anos os recursos hídricos no Brasil foram tratados como inesgotáveis. Atualmente, sabe-se que a água é um recurso finito, mas o país enfrenta sérios problemas de gestão de suas reservas hídricas, que incluem a falta de planejamento para sua correta utilização e manutenção. Diante 4

5 dessa ameaça, governos e empresas começam a questionar os atuais padrões de consumo da água, que estão profundamente relacionados ao modelo de desenvolvimento econômico adotado no país. É nesse panorama, e com grande consciência sobre o valor desse recurso, que o gerenciamento da água no Espaço Natura Cajamar insere-se como prática de caráter coletivo, colocando a atividade empresarial como agenciadora de um novo modelo de desenvolvimento econômico a ser implantado e seguido: o modelo da sustentabilidade. Objetivos Com os processos e práticas adotados no gerenciamento dos recursos hídricos do Espaço Natura Cajamar, é nosso propósito demonstrar a materialização que a Natura vem fazendo do seu compromisso com o desenvolvimento sustentável, contribuindo, no âmbito de suas atividades, para a minimização de uma das maiores ameaças ao futuro da vida em nosso planeta: a escassez da água. O município de Cajamar, na Grande São Paulo, onde se localiza o Espaço Natura, é totalmente abastecido por águas subterrâneas. É dessa fonte natural que a Natura retira a água para suas instalações. Um sistema instalado no poço artesiano, no local, só retira mais água quando todo o líquido já foi reposto pela natureza, evitando seu esgotamento. Para tornar cada vez menor a necessidade de extrair água do poço e reduzir o consumo de maneira geral, o aumento da taxa de reutilização da água é meta permanente, assim como o tratamento dos efluentes que retronam à natureza. Considerado o maior centro de pesquisa e desenvolvimento de produtos cosméticos da América Latina, o Espaço Natura possui 81,5 mil m2 de área construída em um terreno de 643 mil m2 de topografia curvilínea, com pequenos morros e desníveis. Está localizado à margem da Rodovia Anhangüera, é repleto de eucaliptos e, em seu interior, corre o rio Juquery, margeado por uma pequena ferrovia. O fato de a cidade de Cajamar ser declarada Área de Proteção Ambiental (APA) pela Lei Estadual Nº 4.055, de 04/06/84, favoreceu o objetivo da Natura de demonstrar que é possível praticar ações sustentáveis em áreas ambientalmente protegidas. Coerência com o negócio da empresa A Natura possui várias ações voltadas para a conservação e a utilização responsável dos recursos hídricos em todo o processo produtivo e nas suas instalações. Comprometida com o modelo de sustentabilidade, a empresa procura manter controle sobre suas atividades, produtos e serviços para minimizar os possíveis impactos 5

6 ambientais gerados por eles. Desde que começou a ser planejado, o Espaço Natura Cajamar já previa a utilização de fontes subterrâneas para suprir o seu abastecimento de água. Foi uma opção que veio ao encontro dos objetivos da empresa de economizar o recurso e de não competir com a comunidade de Cajamar pela utilização de água tratada via companhias de saneamento. A Natura assume que uma empresa ambientalmente responsável deve gerenciar suas atividades de maneira a identificar os impactos sobre o meio ambiente, buscando minimizar aqueles que são negativos e amplificar os positivos. Deve, portanto, agir para a manutenção e melhoria das condições ambientais, minimizando ações próprias potencialmente agressivas ao meio ambiente e disseminando para outras empresas as práticas e conhecimentos adquiridos na experiência da gestão ambiental. Ao assumir a política de meio ambiente como parte do seu compromisso com o desenvolvimento sustentável, a Natura visa também à ecoeficiência ao longo de sua cadeia de geração de valor; e, ao buscar a ecoeficiência, favorece a valorização da biodiversidade e de sua responsabilidade social. Uma das ferramentas utilizadas com esse objetivo é o Sistema de Gerenciamento Ambiental Natura, Sigan, que tem por base a NBR ISO (a companhia obteve a certificação NBR ISO em maio de 2004). O monitoramento realizado pelo Sigan, em 2004, permitiu, entre outras iniciativas, identificar pontos falhos no consumo de água e promover o uso mais eficiente desse recurso, em um ano em que a produção cresceu 28%. Planejamento Em outubro de 2004, a Natura concluiu a instalação de todos os hidrômetros para monitoramento do consumo nos edifícios do Espaço Natura, na produção, em lavagens e excedentes. Com o monitoramento aperfeiçoado, no ano passado, o consumo de água por unidade vendida teve uma redução de quase 50% em relação a Depreende-se desse dado que, quanto maior for o controle, menores são as perdas e o consumo. O controle com monitoramento permite que as anomalias sejam detectadas rapidamente e, dessa forma, são tomadas providências para corrigi-las o mais breve possível. Desse modo, o desperdício, se acontece, dura pouco tempo. A meta para 2005 é reduzir em mais 1% o consumo relativo de água. Com este projeto, a Natura materializa suas intenções de minimizar os impactos ambientais de suas atividades e de contribuir para a busca da sustentabilidade no uso desse recurso fundamental para a vida. Além disso, a empresa utiliza seus recursos hídricos sob a perspectiva permanente da economia e da eficiência de seus 6

7 processos. As etapas que compõem o ciclo hídrico no Espaço Natura são: Captação de água subterrânea; Tratamento na Estação de Tratamento de Água (ETA); Distribuição no Espaço Natura; Tratamento na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE); Tratamento Preliminar do Efluente Industrial; Tratamento dos Efluentes Orgânicos; Reaproveitamento da água. Execução Em abril de 1996, a cidade de Cajamar, à margem da Rodovia Anhangüera, foi escolhida para a construção da nova unidade Natura. Em fevereiro de 2000 terminou-se a construção da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), que, em abril, começou a tratar os efluentes industriais e orgânicos. Em maio de 2001 foi inaugurado o Espaço Natura Cajamar e, em 2002, criado o Comitê da Sustentabilidade. Em maio de 2004 foi implantada a NBR ISO e criado o Sistema de Gerenciamento Ambiental Natura (Sigan). As obras de expansão da ETE tiveram início em agosto de 2004 e, em outubro, foi concluída a instalação de todos os hidrômetros para monitoramento do consumo de água. Toda a água utilizada no Espaço Natura é captada de um poço artesiano, a 132 metros de profundidade, por meio de uma bomba localizada a 35 metros da superfície. A retirada de água do solo atende aos regulamentos da outorga obtida pela empresa do Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE), que permite uma captação de 20 metros cúbicos/hora, em 20 horas de operação. Para cumprir rigorosamente a legislação e garantir a recuperação natural do lençol freático, evitando danos ao meio ambiente, a bomba de captação desse poço está regulada para retirar exatamente 20 m3/hora e para operar apenas por 20 horas. Em seguida, o lençol fica em repouso por 4 horas para recuperar sua capacidade de vazão. A água bruta captada nas fontes subterrâneas pelo poço artesiano é direcionada à Estação de Tratamento de Água (ETA) da Natura. Nessa estação, a água adquire condições de potabilidade após passar por diversas etapas de tratamento. A água potável abastece as fábricas, os restaurantes e as torneiras do Espaço Natura. As águas e efluentes provenientes da limpeza dos equipamentos de produção e dos pisos das fábricas são mandados para a ETE por meio de tubulação própria. Estes efluentes chegam com alta concentração de elementos inorgânicos utilizados na fabricação dos produtos Natura. Após processo de filtragem, os materiais sólidos são destinados aos aterros industriais, e os líquidos enviados a um tanque intermediário. Os efluentes são bombeados para o tanque de 7

8 equalização, onde se inicia o pré-tratamento, e deste seguem para o tanque de reação, onde recebem a adição de produtos químicos. Durante todo o processo de reação, a água fica em constante agitação para melhor dissolver os reagentes. Neste processo, formam-se flocos que decantam até a obtenção do lodo industrial. A água da superfície do tanque é mandada para um tanque intermediário e, a seguir, bombeada para o tanque bioreator, no qual sua carga tóxica é removida. O material depositado no fundo é bombeado para o tanque de lodo industrial, no qual se colhe uma amostra para análise de ph e consistência. O lodo industrial é agitado, tratado, decantado e enviado para o filtro prensa. O material prensado, conhecido por torta de lodo industrial, é acondicionado em caçamba para ser enviado ao aterro industrial. A água resultante desse processo é mandada para o bioreator. As águas e efluentes originados da cozinha e dos equipamentos sanitários são destinados à ETE também por meio de um sistema independente de tubulação. Na ETE, os efluentes orgânicos passam por processos de retenção de partículas sólidas. O fluxo segue para o tanque sanitário, de onde a água é bombeada para o bioreator e misturada à água pré-tratada dos efluentes industriais. Ali, acontece o processo de biodigestão aeróbica dos elementos orgânicos, por meio de constante agitação, para manter o nível de oxigênio na água e a atividade das bactérias aeróbicas. Nesta etapa, é feita uma avaliação para determinar os níveis de nitrogênio, fósforo e outras substâncias. Estando em condições adequadas, a água do bioreator é mandada para o sistema de ultrafiltração de membrana. No filtro, a água pura é separada dos elementos orgânicos dissolvidos. A massa orgânica do bioreator é constantemente monitorada e, quando sua concentração é muito alta, o produto do processo de retrolavagem é desviado para o tanque de lodo biológico, onde é colhida uma amostra do lodo para determinar a quantidade de reagentes químicos que deve ser adicionada. Após sua estabilização, o lodo biológico é mandado para o filtro de prensa. A água excedente do processo de prensagem retorna ao bioreator. A torta do lodo biológico é acondicionada em caçamba para ser enviada a uma empresa de reciclagem, que a transforma em um adubo orgânico. Após os processos de tratamento na ETE, a água recebe cloro e é bombeada para células específicas da caixa d água, onde fica disponível para uso nos vasos sanitários, no combate a incêndios, na limpeza de piso de rodagem e na rega dos jardins do Espaço Natura. O excedente é devolvido à natureza, mas antes serve de meio de vida para os peixes do lago da ETE, para comprovar que a água pode ser despejada no rio Juquery. Investimentos 8

9 Em 2000, a Natura investiu 3 milhões de dólares na implantação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) no Espaço Natura Cajamar. Além de estar integrada com a mata nativa que circunda todo o Espaço Natura, a estação da Natura é a única da América do Sul dotada de uma tecnologia canadense de ultrafiltração, que utiliza membranas para tratamento de efluentes industriais e domésticos. Com esses recursos, ela foi inaugurada com capacidade para tratar 230 mil litros de água por dia e uma quantidade de esgoto (resíduos químicos e orgânicos) equivalente ao produzido por uma cidade de 45 mil habitantes. Hoje, com a instalação de uma nova membrana, a produção diária está em 253 mil litros, o que corresponde a um aumento de 10% de sua capacidade original. A utilização dessa tecnologia, combinada com um sistema de coleta de esgoto sanitário a vácuo, possibilitou uma redução de 5 vezes em sua área construída em relação às estações de tratamento convencionais. Além disso, se a Natura tivesse que mandar os efluentes domésticos e industriais para serem tratados fora (na Sabesp, por exemplo), além do impacto ambiental resultante da necessidade de transportar todo este efluente e dos riscos associados a essa operação, teria um custo direto 5 vezes superior ao dispendido na operação atual. O sistema usa apenas 2 litros de água por acionamento, permitindo uma economia de até 18 litros na limpeza de cada vaso sanitário em comparação com sistemas convencionais (válvula de pressão). No total, existem 660 vasos sanitários no Espaço Natura Cajamar. Toda a água do sistema de coleta de esgoto a vácuo é proveniente da ETE, ou seja, é reutilizada. Isso evita o uso nos vasos sanitários da água potável proveniente do poço artesiano, que é destinada para fins mais nobres. Público Beneficiado Os benefícios atingem todas os públicos ou partes interessadas (stakeholders) que se relacionam com a Natura, desde o colaborador interno até a comunidade de entorno. No caso do ciclo da água, suas ações fazem com que a água que sai da Estação de Tratamento de Efluentes da Natura tenha alto nível de pureza e, além de boa parte dela ser reutilizada na própria empresa, o restante é devolvido ao rio Juquery, contribuindo para sua oxigenação e para a diluição de poluentes. Ainda pensando na revitalização do rio, a empresa participa do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê, representando a indústria de cosméticos. Avaliação A legislação estadual permite que a devolução da água ao meio ambiente contenha até 60 mg/litro de DBO ou que se pratique 80% de remoção de DBO nos processos de tratamento, enquanto a 9

10 federal permite uma devolução de até 10 mg/litro. (DBO, Demanda Bioquímica de Oxigênio, é a unidade de medida da quantidade de oxigênio necessária para que a flora biológica faça a degradação natural da poluição.) A Natura busca estar abaixo dos limites estabelecidos por lei. Dessa forma, a ETE devolve ao meio ambiente a água com qualidade acima dos padrões exigidos tanto pela legislação ambiental estadual quanto pela federal, efetuando mensalmente todas as análises comprobatórias de atendimento às normas. As análises realizadas durante o ano de 2004 mostram que os efluentes tratados na Natura comportam, em média, em torno de 5 mg/litro de DBO ou realizam 99,9% de eficiência na remoção de DBO. O resultado é que a água excedente, não reutilizada em suas instalações e despejada no rio Juquery, é devolvida à natureza com qualidades físico-químicas e biológicas bem superiores àquelas que o próprio rio apresenta. Para se ter uma idéia, a média anual de DBO do Rio Juquery chega a 60 mg/litro, ou seja, bem acima do que a que a Natura devolve com seus efluentes. Benefícios Com seu processo de gerenciamento dos recursos hídricos, a Natura obtém vários ganhos de economia, eficiência e sustentabilidade: Em 2004, a empresa conseguiu uma redução de 23% no consumo de água por unidade vendida em relação a O reciclo de água tratada e as operações caça-vazamentos permitiram resultados significativos. Mesmo com o crescimento significativo de 28% de itens produzidos em 2004, houve uma expansão sustentada do consumo de água. A reutilização da água aumentou de 29%, em 2003, para 39,5%, em Em janeiro e fevereiro de 2005, o volume de reuso já superou este índice e alcançou a média de 50%. Em 2004, foram implementadas ações para aumentar o reuso de água tratada, como a criação de novos pontos para rega, que deixou de utilizar água potável. A ETE está em obras de expansão de sua capacidade física para atender ao crescimento da Natura. Hoje, a capacidade de tratamento é de 253 m3/dia. Ela será ampliada para 340 m3/dia, o que deve suprir a demanda da empresa até Em 2004, foram tratados m³ de esgoto oriundo dos efluentes sanitários na ETE, contra m³ em 2003 (3,5% a menos), embora o número de colaboradores no site tenha aumentado no mesmo período. Isso representa um crescimento sustentado com economia de água. Em 2004, foram enviados à ETE m³ de efluentes industriais contra m³ em 2003 (20,9% a mais), o que reflete o significativo aumento da produção da empresa. 10

11 No total, o volume tratado dos efluentes sanitários e industriais em 2004 foi de m3, contra m3 em 2003, o que justifica a necessidade de ampliação da capacidade da ETE. O sistema de coleta a vácuo representa grande economia para a Natura, já que utiliza apenas 2 litros de água/descarga, contra 20 litros/descarga do sistema convencional. Ao utilizar 2 litros de água por descarga, são tratados 220 m3 de esgoto/dia na ETE; usando 20 litros de água/descarga, seriam tratados m3/dia. A devolução de água e efluentes à natureza, que a Natura realiza em seu ciclo hídrico no Espaço Natura, obedece à Lei Estadual 997/76, artigos 12 e 18, ao Decreto Lei 8.468/76 e à Resolução 20/86 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), de acordo com o licenciamento ambiental concedido pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb). Compartilhamento dos resultados A gestão responsável da água é recorrente nas discussões da Natura com seus diversos públicos de relacionamento e tem sido assunto abordado em seus vários veículos de comunicação, para públicos internos e externos. Além dos benefícios práticos que traz ao ciclo da água no Espaço Natura, a ETE também exerce um papel fundamental no programa de Educação Ambiental, sendo constantemente visitada por escolas, faculdades, órgãos públicos etc. Em 2004, por exemplo, recebeu aproximadamente 450 visitantes. Por meio do Sistema de Gestão, todos os indicadores do uso de água pela empresa se integram à estrutura da GRI, Global Report Initiative, tendo seus objetivos e metas reportados no seu Relatório Anual. Com o fechamento do ciclo da água, que retorna à natureza em condições de qualidade satisfatórias, a Natura materializa as suas intenções de minimizar os impactos ambientais de suas atividades e de contribuir para a busca da sustentabilidade no uso deste recurso fundamental para a vida. Além disso, a empresa utiliza seus recursos hídricos sob a perspectiva permanente da economia e da eficiência de seus processos. 11

é preservar a vida. tivessem visto a Terra pudesse vir a existir. determinou que a vida, Se nossos antepassados Por isso, preservar a água

é preservar a vida. tivessem visto a Terra pudesse vir a existir. determinou que a vida, Se nossos antepassados Por isso, preservar a água Se nossos antepassados tivessem visto a Terra sob a perspectiva dos astronautas, certamente a teriam batizado de Planeta Água. A presença desse elemento constituído por duas moléculas de hidrogênio e uma

Leia mais

CARIME DOS SANTOS SOUZA

CARIME DOS SANTOS SOUZA i CARIME DOS SATOS SOUZA Conservação e Reúso de Água em Indústria de Cosmético, Estudo de Caso da atura Cosméticos Sorocaba ovembro 2013 ii CARIME DOS SATOS SOUZA Conservação e Reúso de Água em Indústria

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria

Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria Moda em SP, reúso de água é praxe na indústria - Dotadas de poderosas estações de tratamento, montadoras chegam a recuperar 99% da água usada no processo produtivo Incomodada com a recente crise de abastecimento

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos.

Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Destacando a importância do uso adequado dos recursos hídricos. Leomir Silvestre e Rui Junior Captação, uso e reuso da água Vocês sabem como é feito o processo de captação de água? Captação, uso e reuso

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA

ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA ECOEFICIÊNCIA NO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA FERNANDA PEREIRA VALNEIROS Universidade de Mogi das Cruzes nanda.valneiros@hormail.com GREICE MOLINA REGO Universidade

Leia mais

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE

IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE IPEM PR REGIONAL DE CASCAVEL TRABALHO MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE Para refletir A Água A água, tal como o Sol, é essencial para a vida na Terra. A água é

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Prêmio Nacional de Metrologia Legal Premiação Contribuição para Melhoria dos Serviços Metrológicos MONITORAMENTO DA ÁGUA UTILIZADA NAS VERIFICAÇÕES DE CAMINHÃO E VAGÃO TANQUE INSTITUTO DE PESOS E MEDIDAS

Leia mais

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico

Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Matéria de Capa Tecitec implanta Estação de Tratamento Biológico Este sistema de tratamento de efluentes desenvolvido pela empresa constitui um passo importante rumo ao reuso não-potável de água, com baixos

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE Flávia Dias Martins, Jéssica Santos de Souza, Jéssica Tiemi Saito, Leticia Souza Primo, Mariana Ferreira Leme, Mariana Maia

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais

Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais MATÉRIAS TÉCNICAS Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais Nesta matéria é descrito o estado atual tecnológico dos principais equipamentos utilizados

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água)

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra de Projetos 2011 ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: II - Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: Transtupi Transporte Coletivo Ltda.

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA.

TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. TÍTULO: ESTUDOS SOBRE O TRATAMENTO DA ÁGUA UTILIZANDO COMO COAGULANTES AS CASCAS ABÓBORA, BANANA, CHUCHU E MORINGA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

VI-002 GERENCIAMENTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASO

VI-002 GERENCIAMENTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASO VI-002 GERENCIAMENTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASO Ronaldo Ruiz Duarte (1) Bacharel em Química Modalidades Tecnológica e Licenciatura pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

ABES - PR 2º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REÚSO DE ÁGUA. 28 a 29 DE ABRIL DE 2015 CURITIBA - PR

ABES - PR 2º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REÚSO DE ÁGUA. 28 a 29 DE ABRIL DE 2015 CURITIBA - PR O DESAFIO DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROCESSO DE REÚSO DE ÁGUA SANASA - CAMPINASNAS ABES - PR 2º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE REÚSO DE ÁGUA 28 a 29 DE ABRIL DE 2015 CURITIBA - PR Objetivos Principais do Tratamento

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Princípios de reúso de água na indústria Ministrante: Química Industrial Ana Elisa S. Caravetti Gerente de projetos especiais da Kurita do Brasil Contatos:

Leia mais

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo

Examen Libre. Asignatura: 78.05 - Portugués. Texto. Vai valer mais que petróleo Examen Libre Asignatura: 78.05 - Portugués Texto Vai valer mais que petróleo 5 10 15 No século XX forjou-se a idéia de que um dos indicadores mais seguros de riqueza de uma nação era o tamanho das reservas

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO

REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY RESUMO REUSO DA ÁGUA NA INDÚSTRIA DE COURO WATER REUSE IN LEATHER INDUSTRY Evandro Oliveira Araujo Bacharel em Química - UNISALESIANO Flávio Policarpo Bacharel em Química - UNISALESIANO Rodolfo Correia da Silva

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais