Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia"

Transcrição

1 Mercado para tempo real é amplo Necessidade de Diferentes Abordagens Sistemas de Tempo Real: Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC Setembro/ Sistemas de tempo real variam enormemente Sistema de emergência em usina petroquímica Controle de temperatura do freezer Videogame Principais variações: Crítico ou não crítico Carga estática ou dinâmica Importância associada com cumprimento dos deadlines Diferentes abordagens são necessárias 2 Abordagens: Perspectiva Teórica na perspectiva acadêmica (matemática de escalonamento) Sistemas com garantia Sistemas com melhor esforço Abordagem com Garantia 1/5 Deadlines são garantidos na construção do software Previsibilidade determinista Análise feita antes da execução Carga precisa ser limitada e conhecida em projeto ( Hipótese de Carga ) É Suposto um limite para faltas ( Hipótese de Faltas ) Para dar garantia precisa considerar o pior caso: Do comportamento do software (fluxos de execução) Do comportamento do hardware (tempos das instruções) 3 4 Abordagem com Garantia 2/5 Necessário conhecer o comportamento do programa no pior caso Abordagem com Garantia 3/5 Necessário conhecer o comportamento do hardware no pior caso Isto significa Pior fluxo de controle para cada tarefa (if, while) Piores dados de entrada Pior cenário de sincronização entre tarefas (exclusão mútua, etc) Pior combinação de eventos externos (interrupções, sensores, etc) Pior tudo Isto geralmente significa Pior combinação de eventos externos (interrupções, sensores, etc) Determinar os estados da memória cache Determinar os estados do pipeline Determinar o comportamento dos barramentos Determinar o comportamento temporal seguro do hardware em relação ao pior caminho do software Compor os estados em uma análise de pior caso Sempre de forma segura (pessimista) As vezes o pior caso local não leva ao pior caso global 5 6

2 Análise dividida em duas etapas Abordagem com Garantia 4/5 Tempo de Computação C Quanto tempo esta tarefa de software levaria para executar se estivesse sozinha no computador (única tarefa, nenhuma interrupção)? Para garantia é necessário o WCET (Worst-Case Execution Time) Tempo de Resposta R Quanto tempo esta tarefa de software leva para executar, considerando ela própria e todas as demais atividades do sistema? Para garantia é necessário o WCET de todas as tarefas do sistema, de suas taxas de recorrência, e como são suas interações Abordagem com Garantia 5/5 Vantagens Determina previamente que todos os deadlines serão cumpridos Necessário para aplicações críticas Teoria serve de base para abordagens sem garantia Desvantagens Necessário conhecer exatamente a carga Necessário reservar recursos para o pior caso Gera enorme sub-utilização do hardware (mais caro) Difícil determinar o pior caso em soluções COTS (commercial off-the-shelf) 7 8 Necessidade de Diferentes Abordagens na perspectiva acadêmica (matemática de escalonamento) Sistemas com garantia Sistemas com melhor esforço Abordagem com 1/2 Não existe garantia de que todos os deadlines serão cumpridos O será feito neste sentido Capaz de fornecer um previsão probabilista Simulação, testes, etc Existe a possibilidade de Sobrecarga ( overload ) Sobrecarga: Não é possível cumprir todos os deadlines Não é uma falha do projeto É uma situação natural uma vez que não existe garantia antecipada 9 10 Abordagem com 2/2 Questão fundamental: Como tratar a sobrecarga? Em sobrecarga ATRASA algumas tarefas Em sobrecarga DIMINUI a precisão de algumas tarefas Em sobrecarga NÃO EXECUTA algumas tarefas Em sobrecarga AUMENTA O PERÍODO de algumas tarefas Vantagens desta abordagem Não é necessário conhecer o pior caso Sistemas mais baratos, não são projetados para o pior caso Não é necessário conhecer a carga exatamente Desvantagens A princípio qualquer deadline poderá ser perdido Abordagens: Perspectiva da Engenharia 1/3 EM TEORIA Na prática a coisa é um pouco mais complicada Entram aspectos econômicos Entram aspectos do desenvolvimento como um todo e não só tempo real 11 12

3 Abordagens: Perspectiva da Engenharia 2/3 EM TEORIA Na prática a coisa é um pouco mais complicada Entram aspectos econômicos Entram aspectos do desenvolvimento como um todo e não só tempo real Abordagens: Perspectiva da Engenharia 3/3 Existem três grandes abordagens para a questão de tempo real NA PERSPECTIVA DA ENGENHARIA Com garantia provada Hard real-time systems Safety-critical systems Com garantia testada Quasi-hard real-time systems Safety-critical systems, Mission-critical systems 13 Melhor esforço: sem garantia mas com boas perspectivas Soft real-time systems Porém busca mais que mero desempenho 14 Sistema de tempo real crítico verificado formalmente 1/4 Safety-critical applications Não tolera nenhuma perda de deadline A perda de um deadline representa uma falha do sistema Requer algum tratamento de exceção forte Tolerância a faltas via replicação ativa Tolerância a faltas via propriedade construtiva (eletro-mecânica) Reinicia Desliga Necessita verificação formal (que jamais perde um deadline) Certificação de agência fiscalizadora Sistema de tempo real crítico verificado formalmente 2/4 Safety-critical applications Não tolera nenhuma perda de deadline Tarefas críticas em satélites Tarefas críticas em aviões Tarefas críticas em carros Sistemas críticos em aviões é o grande motivador da área Começa a ser importante para carros Necessita verificação formal (que jamais perde um deadline) Às vezes certificação Sistema de tempo real crítico verificado formalmente 3/4 Análise de escalonabilidade com garantia Ferramenta para determinar WCET Necessita arquitetura determinista, analisável Microcontrolador de pequeno ou médio porte Software simples, microkernel ou tudo na aplicação Junta tudo, verifica o conjunto Certificação é o maior custo (30x mais caro que software comum) Tudo isto: Restringe o espectro de processadores possíveis Desenvolvimento é caro (ferramentas, design, verificação) Justificável apenas para safety-critical systems com processo de certificação ou quando uma falha pode quebrar a empresa (freio do carro) Sistema de tempo real crítico verificado formalmente 4/4 Muito difícil usar multicore A não ser como um conjunto de monoprocessadores que estão por acaso no mesmo chip Mesmo assim uma cache comum complica a análise Muito difícil usar processadores complexos Não consegue analisar Novas tecnologias que poderão vir no futuro Análise probabilista da escalonabilidade Processadores projetados especialmente para serem analisados 17 18

4 Sistema de tempo real crítico verificado por teste 1/4 Não tolera nenhuma perda de deadline A perda de um deadline representa uma falha do sistema Requer algum tratamento de exceção forte Desliga Reinicia Alguma tolerância a faltas passiva na construção do sistema Verificação por teste (que jamais perde um deadline) Sistema de tempo real crítico verificado por teste 2/4 Não tolera nenhuma perda de deadline A perda de um deadline representa uma falha do sistema Mas não é geralmente safety-critical as vezes até é!!! Sistemas de geração/transmissão de energia elétrica Relés de proteção, reguladores de tensão e frequência, etc. Inversores elétricos Muitas tarefas automotivas Equipamentos médicos Safety-critical systems, mas são lentos, é fácil cumprir deadlines Verificação por teste (que jamais perde um deadline) Sistema de tempo real crítico verificado por teste 3/4 Sistema de tempo real crítico verificado por teste 4/4 Necessita arquitetura quase determinista Código simples, quase determinista Não utiliza algoritmos recursivos, por exemplo WCET obtido através de medições Não tem certificação Ênfase em testes de stress Busca as condições nas quais deadlines poderiam ser perdidos Microkernel determinista ou tudo na aplicação Folgas grandes para as tarefas críticas Teoria de escalonamento hard real-time pode ser usada com valores aproximados como ferramenta auxiliar do desenvolvedor 21 Existe um trade-off no projeto Quanto mais safety-critical for a tarefa: Mais determinista é o código Mais simples é o processador (pode ter mais de um) Maiores são as folgas Mais rigorosos são os testes Prioridade por importância e não por período, deadline, etc: Tarefas críticas recebem prioridade fixa mais alta O tempo que sobra é para as demais tarefas Folga delas corresponde a todo o resto do tempo do processador que elas próprias não usam Melhor a tela travar um pouco do que o motor explodir 22 Sistema de tempo real quase garantido 1/3 Sistema de tempo real quase garantido 2/3 O que é um sistema de tempo real quase garantido (soft)? A perda de um deadline não representa a falha do sistema A perda de um deadline isolado não requer tratamento de exceção Não gera a falha do sistema Tolera a perda de deadlines se estas forem suficientemente raras O que é raro? Depende da especificação do sistema: Tarefa não pode perder x deadlines seguidos Tarefa não pode perder mais que x deadlines em y ativações Tarefa não pode perder mais que x deadlines em y segundos Etc, a lista é grande Controle realimentado em aplicações industriais não críticas A inércia da planta mascara a perda de um deadline (existem limites) Muitos exemplos no mundo industrial e doméstico Controle de um forno industrial Liga/desliga de chaves em fábrica (manufatura) Linha branca Controlador semafórico Centrais telefônicas Verificação por teste (frequência de perda de deadlines) 23 24

5 Sistema de tempo real quase garantido 3/3 Teoria de Escalonamento Tempo Real 1/4 Arquitetura qualquer, depende dos requisitos da aplicação Existe uma vasta teoria de escalonamento tempo real hard Desde de pequeno microcontrolador até PC multicore Testes principalmente em condições normais Em geral usa microkernel, mas pode ser usado desde nada até Linux, de tempo real ou não Depende das funcionalidades da aplicação Design e testes dependem de quanto deadline pode perder sem isto ser percebido como uma falha 25 Milhares de artigos Quase toda a teoria (matemática) de escalonamento tempo real visa sistemas de tempo real hard Garantia para os deadlines provada formalmente A demanda de prova formal limita o espaço de projeto do software Apenas técnicas com pior caso razoável - Não pode usar tabela hash A demanda de prova formal limita o espaço de projeto do hardware Tools para análise de wcet suportam poucos processadores Caches, barramentos são problemas A demanda de prova formal aumenta custos de desenvolvimento Subutilização do hardware, ferramentas mais caras, mais atividades 26 Teoria de Escalonamento Tempo Real 2/4 Teoria de Escalonamento Tempo Real 3/4 Os custos e as limitações da prova formal a tornam aceitável somente em sistemas safety-critical Principalmente se houver certificação Mercado restrito: Aviões Satélites Carros de luxo, futuristas (tende a crescer) No outro extremo... Métodos tradicionais de engenharia de software conseguem lidar com sistemas de tempo real soft, desde que: Aplicação da teoria depende da evolução dos processadores Processadores com tempo de execução determinista - Comercialmente improvável Processadores com tempo de execução aleatório - Comercialmente improvável Acompanhados com testes de stress Projetados levando em consideração os aspectos temporais Impedimentos ao atendimento dos deadlines devem ser removidos do projeto Por exemplo, grandes contenções causadas por mecanimos de sincronização Algoritmos de escalonamento não apropriados Teoria de Escalonamento Tempo Real 4/4 Principais Desafios 1/5 Sistemas de tempo real com garantia testada demandam cuidados especiais Quais são os principais desafios da pesquisa considerando cada uma das 3 abordagens? Design do software e do hardware precisa levar em consideração a necessidade de determinismo Testes de stress são absolutamente necessários para a confiabilidade do produto Resultados teóricos válidos para sistemas críticos podem ser usados como heurísticas no projeto de sistemas firmes Hard Real-Time Systems (garantido por prova) Quasi-Hard Real-Time Systems (garantido por teste) Soft Real-Time Systems (não garantido, mas bem testado) Não existe garantia formal para os deadlines Mecanismos para o tratamento de exceções temporais devem ser embutidos na aplicação Tais como reiniciar ou levar para um estado seguro 29 30

6 Principais Desafios do Hard Real-Time 2/5 Estender as ferramentas de wcet para arquiteturas mais sofisticadas do que as suportadas atualmente Flexibilizar os modelos de tarefas usados em análises de escalonabilidade para permitir a modelagem de sistemas reais Overheads, tarefas auxiliares, interações inesperadas Avançar a teoria no contexto de multiprocessadores Considerando todas as suas peculiaridades Principais Desafios do Quasi-Hard Real-Time 3/5 Estabelecer metodologias de teste de stress para aplicações de tempo real onde Não existe garantia formal de que nenhum deadline será perdido Existe a necessidade da crença de que nenhum deadline será perdido Combinar medições de partes do código com análise de escalonabilidade Para que o desenvolvedor possa identificar situações raras, não observadas facilmente em testes, mas que levarão a perda de um deadline Criar ferramentas que permitam ao desenvolvedor da aplicação identificar as fontes de atraso no sistema (aplicação e kernel) Melhorar SOs para que os mesmos possam ser usados neste tipo de aplicação Até mesmo Linux preempt-rt com deadlines fáceis Principais Desafios do Soft Real-Time 4/5 Determinar formas para especificar requisitos temporais que impõem limites às perdas de deadlines De acordo com a semântica da aplicação Criar métodos para desenvolver os respectivos casos de teste a serem usadas na verificação da implementação Criar ferramentas que permitam ao desenvolvedor da aplicação identificar as fontes de atraso no sistema Tais fontes podem estar na aplicação e/ou no kernel Melhorar os kernels de SO para que os mesmos não comprometam o comportamento temporal da aplicação Linux preempt-rt com deadlines não tão fáceis Resumo Existe a necessidade de diferentes abordagens para o escalonamento tempo real Principal classificação é com respeito a garantia dos deadlines Hard Real-Time Systems Verificação formal de que todos os deadlines são cumpridos Mais caro, impõe severas restrições ao hardware/software Quasi-Hard Real-Time Systems Verificação por teste de que todos os deadlines são cumpridos Design cuidadoso, impõe restrições ao SO Soft Real-Time Systems Verificação por teste de que poucos deadlines são perdidos Desenvolvimento quase convencional, alguns cuidados a mais 33 34

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Escola de Computação 2000 - IME-USP Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Jean-Marie Farines Joni da Silva Fraga Rômulo Silva de Oliveira LCMI - Laboratório de Controle e Microinformática DAS - Departamento

Leia mais

Aula 2 Modelos computacionais

Aula 2 Modelos computacionais Sistemas de Tempo-Real Aula 2 Modelos computacionais Modelos de tarefas com restrições temporais explícitas Controlo lógico e temporal (por eventos -ET e por tempo -TT) Adaptado dos slides desenvolvidos

Leia mais

Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter)

Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter) Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter) - WCET para CM não é uma abordagem interessante. WCET >> Tempo médio de

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Tempo Real 7/4/2010. Aula 10. Engenharia de Sistemas Embarcados

Tempo Real 7/4/2010. Aula 10. Engenharia de Sistemas Embarcados Agenda Aula 10 Engenharia de Sistemas Embarcados Prof. Abel Guilhermino Tópico: Sistemas de Tempo Real Conceitos Gerais Processos de Tempo Real Periódico, Aperiódicos e Esporádicos Escalonamento de Tempo

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 19: Visão geral sobre otimização de programas 06 de julho de 2010 1 2 3 Características esperadas dos programas O primeiro objetivo ao escrever programas de computador

Leia mais

Arquiteturas de Software

Arquiteturas de Software Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Arquiteturas de Software Lucas Cordeiro lucascordeiro@ufam.edu.br Notas de Aula Estes slides são baseados

Leia mais

Unidade 13: Paralelismo:

Unidade 13: Paralelismo: Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 13: Paralelismo: SMP e Processamento Vetorial Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos fundamentais da arquitetura SMP e alguns detalhes

Leia mais

Servidores de Aperiódicas

Servidores de Aperiódicas Referências J.-M. Farines, J. da S. Fraga, R. S. de Oliveira. Sistemas de Tempo Real. Escola de Computação 2000, IME-USP, São Paulo-SP, julho/2000. Capítulo 2 Sistemas de Tempo Real: Servidores de Aperiódicas

Leia mais

Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real. Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC

Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real. Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br http://www.das.ufsc.br/~romulo Maio/2007 1 Relógio Físico - Astronômico Medição

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE TEMPORIZADORES SÃO ESSENCIAIS PARA MULTIPROGRAMAÇÃO; HÁ UM DRIVER PARA O TIMER; ALIMENTADO EM 110 OU 220 V, CAUSAVA UMA INTERRUPÇÃO A CADA CICLO DE VOLTAGEM, A UM FREQUÊNCIA DE

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

Software para Sistemas Críticos

Software para Sistemas Críticos Software para Sistemas Críticos Nuno Silva, Engineering Manager Encontro Nacional Colégio Informática da Ordem dos Engenheiros, 16-09-2005 Dependable Technologies for Critical Systems Copyright Critical

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Sistemas Operacionais de Tempo-Real Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Tópicos O que é computação de tempo-real? O que são sistemas operacionais de tempo-real? Onde são utilizados RTOSs? Sistemas:

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 9 Outros aspectos do escalonamento de tempo-real Escalonamento sem preempção Questões de aplicação prática em sistemas reais 1 Aula anterior (8) Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Escalonamento (Tarefas Esporádicas)

Escalonamento (Tarefas Esporádicas) Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Tecnologia Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Escalonamento (Tarefas Esporádicas) Lucas Cordeiro lucascordeiro@ufam.edu.br Notas de Aula Baseado

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL Embora a definição de níveis de privilégio imponha

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br

Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais. Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Programação Concorrente [Parte 2] Udesc/Ceplan Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Operacionais Prof. Alexandre Veloso alexandre.matos@udesc.br Condição de Corrida Uma forma de um processo comunicar-se

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Introdução ao Processamento Paralelo

Introdução ao Processamento Paralelo Introdução ao Processamento Paralelo Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Introdução Crescente aumento de desempenho dos PCs (máquinas convencionais). Existem aplicações que requisitam

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. André Dutton O OS esta ligado diretamente com o Hardware do Computador no qual ele é executado. CPU MEMORIA CONTROLAD OR DE VIDEO CONTROLAD OR DE TECLADO CONTROLAD OR DE DISCO

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Organização do MIPS: pipeline Visão geral do pipeline Analogia com uma Lavanderia doméstica 1

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 29 Além da alternativa a estar correta a alternativa e também pode ser compreendida como correta. Segundo a definição de diversos autores, a gerência de falhas, detecta, isola, notifica e corrige

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Introdução sobre o Tempo Real

Introdução sobre o Tempo Real Capítulo 1 Introdução sobre o Tempo Real Esse capítulo visa esclarecer o entendimento de tempo real dos autores, definir conceitualmente os Sistemas de Tempo Real e apresentar os problemas e desafios que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL

UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL UTILIZAÇÃO DA UML PARA ESPECIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE TEMPO REAL Airton Zancanaro Evandro de Souza Fabrício Jailson Barth Universidade Regional de Blumenau FURB Rua Antônio da Veiga, 140 Caixa Postal 1507

Leia mais

Visão Geral de Pipelining

Visão Geral de Pipelining Pipeline Visão Geral de Pipelining Instruções MIPS têm mesmo tamanho Mais fácil buscar instruções no primeiro estágio e decodificar no segundo estágio IA-32 Instruções variam de 1 byte a 17 bytes Instruções

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ Microarquiteturas de Alto Desempenho Pipeline Gabriel P. Silva Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores

Leia mais

Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas

Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas Sistemas de Tempo-Real Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas Escalonamento on-line com prioridades fixas O critério Rate-Monotonic limite de utilização de CPU Os critérios Deadline-Monotonic e

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Fundamentos de Automação

Fundamentos de Automação Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Conceito,

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor.

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Corte os fios e sinta-se confortável com a solução sem fio Air-Fi da Trane. A comunicação sem fio Air-Fi da

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada

Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Um White Paper da Websense Web Security Gateway: A Web 2.0 Protegida e Simplificada Visão Geral do Mercado Embora o uso dos produtos da Web 2.0 esteja crescendo rapidamente, seu impacto integral sobre

Leia mais

Visão do Usuário da DSM

Visão do Usuário da DSM Memória Compartilhada Distribuída Visão Geral Implementação Produtos 1 Memória Compartilhada Distribuída Mecanismos tradicionais de comunicação via RPC/RMI ou mensagens deixam explícitas as interações

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux System API Máquinas virtuais System ISA (Instruction Set Architecture) Aplicações Chamadas ao sistema Sistema de Operação Hardware User ISA (Instruction Set Architecture) Uma máquina virtual executa software

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Replicação baseada em software para tolerância a falhas. Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997 Orlando Pereira - m2371

Replicação baseada em software para tolerância a falhas. Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997 Orlando Pereira - m2371 Replicação baseada em software para tolerância a falhas Bruno Miguel Silva- m2359 João Prata - a15997 Orlando Pereira - m2371 Introdução Replicação por sof t ware em hard ware of-theshelf (padronizado,

Leia mais

Abordagens. Ao redor do computador. Ao redor do computador. Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.

Abordagens. Ao redor do computador. Ao redor do computador. Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com. Abordagens Auditoria de Sistemas de Informação Ao redor do computador Através do computador Com o computador Everson Santos Araujo 2 Ao redor do computador Ao redor do computador Auditoria

Leia mais

Real Time Linux. Walter Fetter Lages

Real Time Linux. Walter Fetter Lages Real Time Linux Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE Marina Benedetti Preto¹ RESUMO Muito se fala sobre a qualidade de software, mas sem sempre se tem uma verdadeira noção deste conceito. A qualidade possui

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo Por Paul Benford e Robert McIlvride, Cogent Real-Time Systems Inc. & Colin Winchester, Software Toolbox, Inc. No ambiente

Leia mais

Manutenção e Ferramentas CASE. Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp

Manutenção e Ferramentas CASE. Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp Manutenção e Ferramentas CASE Marcos L. Chaim Segundo Bimestre 2003 Mestrado Profissional IC/Unicamp O que é manutenção de software? mudanças que devem ser feitas nos programas de computadores depois de

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 8 Índice 1. A Organização do Computador - Continuação...3 1.1. Processadores - II... 3 1.1.1. Princípios de projeto para computadores modernos... 3 1.1.2. Paralelismo...

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD.

AULA4: PROCESSADORES. Figura 1 Processadores Intel e AMD. AULA4: PROCESSADORES 1. OBJETIVO Figura 1 Processadores Intel e AMD. Conhecer as funcionalidades dos processadores nos computadores trabalhando suas principais características e aplicações. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais