FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS BRASILEIRAS No combate ao desemprego

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS BRASILEIRAS No combate ao desemprego"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS BRASILEIRAS No combate ao desemprego Rosane Fonseca da Rocha Orientadora: Denise Almeida Guimarães Rio de Janeiro 2005

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE 2 FLEXIBILIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS BRASILEIRAS No combate ao desemprego OBJETIVO: A presente Monografia, a fim de esclarecer dúvidas, ampliar conhecimentos e desenvolver conceitos a respeito do tema, é apresentada a Universidade Cândido Mendes como requisito para obtenção de grau de pós graduando em Direito do Trabalho.

3 AGRADECIMENTOS 3 Agradeço ao corpo docente do Projeto A vez do Mestre, pelas aulas ministradas com dedicação e sabedoria. Em especial, a professora Denise Almeida Guimarães, que me auxiliou na elaboração desta. Aos alunos, amigos e parentes pela dedicação e estímulo para que eu chegasse ao meu objetivo.

4 DEDICATÓRIA 4 Dedico esta monografia aos meus pais e irmão, com gratidão e carinho, pelo amor incondicional; pelo apoio constante, e por terem acreditado na minha determinação.

5 RESUMO 5 O trabalho é um fator constante na vida do homem. A preservação do trabalho e de quem o presta, bem como as condições justas de sua prestação são os objetivos da ciência do Direito do Trabalho. Não se exclui deste contexto o empregador, que sob a forma de empresa, dirige e empreende o trabalho. A legislação brasileira trabalhista não se resume tão somente a CLT. Ela é mais ampla e complexa, refletindo os impactos que o mundo vem sofrendo na sua totalidade e, principalmente, nas relações de trabalho. A tecnologia mostrou ao mundo o seu lado cruel: as transformações das relações de trabalho em uma sociedade que produz mais com pouca mão de obra. Nesta virada de milênio, marcada pela globalização econômica, pelo excesso de competição e pela escassez de solidariedade, destaca-se o estigma da desigualdade, onde os Estados poderosos ditam as regras em proveito próprio. É verdade que não se pode separar a Política do Direito de modo absoluto. Estes se complementam, embora cada um tenha seu lugar distinto no campo das ciências. As idéias políticas são uma espécie de pré-estágio para as jurídicas. É errôneo supor um Direito universal e imutável, superior às épocas e ao tempo, senhor das histórias e dos fatos. As instituições jurídicas possuem uma instabilidade constante e ao mesmo tempo relativa, pois são estáveis enquanto não substituídas por outras por exigência dos reclamos sociais.

6 METODOLOGIA 6 O tema Flexibilização das Leis trabalhistas Brasileiras fora escolhido considerando o fato deste assunto ter ocupado todos os espaços do Direito do Trabalho atual no mundo inteiro, como uma possível solução para um problema de extrema importância: o desemprego. O presente trabalho pretende constituir-se como uma ferramenta hábil a todos os interessados sobre o assunto, proporcionando uma visão geral a partir da história do Direito do Trabalho no Brasil, desde o início mostrando o seu desenvolvimento na tentativa de acompanhar as mudanças sociais ao longo dos anos. O tema fora desenvolvido a partir de uma pesquisa bibliográfica e através de uma coleta de dados em: livros, revistas, artigos, trabalhos científicos, Internet e em sala de aula, nos cursos de graduação e pósgraduação bem como em cursos extracurriculares. Acrescente-se, ainda, a participação em simpósios, seminários, palestras e outros eventos que contribuíram em conhecimento e experiências. A proposta é despertar o interesse sobre o assunto, buscando a formação de uma consciência coerente sobre a importância de mudar, a partir de uma análise de questões prejudiciais ou não, a serem avaliadas em qualquer mudança considerada necessária.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I 10 HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO 10 CAPÍTULO II 14 HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO BRASIL 14 CAPÍTULO III 21 FUNÇÕES DO DIREITO DO TRABALHO 21 CAPÍTULO IV 25 DESEMPREGO NO BRASIL 25 CAPÍTULO V 30 FLEXIBILIZAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO 30 CAPÍTULO VI 44 NEGOCIAÇÃO COLETIVA 44 CAPÍTULO VII 50 SINDICATOS 50 CONCLUSÃO 58 ANEXO 60 BIBLIOGRAFIA 64 ÍNDICE 67

8 INTRODUÇÃO 8 O presente trabalho tem por objetivo contextualizar um tema que vem sendo discutido em vários meios de comunicação no país e no mundo. Ao tratar do Direito do Trabalho nos dias atuais, não há como ignorar a discussão a respeito da flexibilização das normas trabalhistas. A Consolidação das Leis Trabalhistas passou a ter vigência em 10 de novembro de 1943, sistematizando a esparsa legislação existente e introduzindo inúmeras disposições inovadoras. No entanto, atualmente, a CLT não mais retrata a realidade das relações trabalhistas no país, principalmente devido ao dinamismo inerente às relações humanas, sociais e circunstanciais, agravadas pela globalização e desenvolvimento tecnológico dos tempos atuais. O Direito do Trabalho é um ramo da ciência do direito, que vem sendo modificado constantemente, evoluindo sempre com o intuito de compensar a desigualdade social e econômica do trabalhador com vantagens e benefícios jurídicos. A teoria da flexibilização dos direitos trabalhistas no Brasil surgiu com o intuito de adaptar esse dinamismo à realidade laboral. Pode-se cometer erros, mas toda construção científica é passível de enganos. Entretanto, tem a obrigação de mostrar todos os lados da questão. A flexibilização das condições de trabalho é um conjunto de regras que têm por objetivo instituir mecanismos tendentes a compatibilizar as mudanças de ordem econômica, tecnológica ou social existentes na relação entre o capital e o trabalho.

9 9 Deste modo, busca-se assegurar um conjunto de regras mínimas ao trabalhador e, ao mesmo tempo, a sobrevivência da empresa, por meio da modificação de comandos legais, procurando garantir aos trabalhadores certos direitos mínimos e ao empregador a possibilidade de adaptação ao seu negócio, principalmente, em épocas de crise econômica, objetivando o fim de um mal maior: o desemprego. É impossível esgotar o tema por tratar de questões com aspectos tão controvertidos, ainda tão discutidos por estudiosos do Direito que se deparam à análise do melhor, considerada a hipossuficiência do trabalhador.

10 10 CAPÍTULO I História do Direito do Trabalho A educação tem raízes amargas, mas os frutos são doces. Aristóteles (D.L.5,18)

11 HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO 11 A evolução do trabalho se deu sob percalços, com avanços e recuos. Houve adaptações, ajustes e flexibilização. A história do trabalho humano é uma terrível história. Não tinha limite de horário ou esforço. Era permitida ao senhor dos escravos: tortura, suplício, amputações, mutilações, sevícias diversas, abusos de toda ordem. Em determinado momento da história, a escravidão deixou de ser um fundamento político para servir a interesses econômicos. E então, famílias inteiras, e até mesmo aldeias e tribos eram seqüestradas para a comercialização no mercado da escravidão. Ao longo da história universal, violações à dignidade e integridade dos homens, mulheres e crianças foram se sucedendo sob pretextos variados Sociedade pré-industrial: Na sociedade pré-industrial, não havia um sistema de normas jurídicas de direito do trabalho. Predominou a escravidão, onde o trabalhador não tinha personalidade jurídica, era considerado res e não persona. Não diferiu muita a servidão, onde os trabalhadores não tinham uma condição livre embora recebesse certa proteção militar e política prestada pelo senhor feudal, dono das terras. Os trabalhadores eram obrigados a trabalhar nas terras pertencentes aos seus senhores. Na Idade Média, com as corporações de ofício, as características das relações de trabalho ainda não permitiam a existência de uma ordem jurídica. No entanto, houve uma transformação: a maior liberdade do trabalhador, pois

12 cada corporação tinha um estatuto com algumas normas disciplinando as relações de trabalho. 12 Na verdade, as corporações mantinham com o trabalhador uma relação autoritária, que se destinava mais à realização de interesses do que à proteção dos trabalhadores. Ainda na sociedade pré-industrial, acrescente-se a locação, que se desdobra em locação de serviços (locatio operarum): contrato pelo qual uma pessoa se obriga a prestar serviços durante certo tempo à outra mediante remuneração e locação de obra ou empreitada (locatio operis faciendi), que é o contrato pelo qual alguém se obriga a executar uma obra a outra pessoa mediante remuneração Sociedade industrial e trabalho assalariado: O Direito do Trabalho nasceu com a sociedade industrial e o trabalho assalariado. Razões econômicas, políticas e jurídicas determinaram o seu aparecimento. A Revolução Industrial do século XVIII acabou transformando o trabalho em emprego. Com a expansão da indústria e do comércio, houve a substituição do trabalho escravo, servil e corporativo pelo trabalho assalariado em larga escala, do mesmo modo que a manufatura cedeu lugar à fábrica e, mais tarde, à linha de produção. Os trabalhadores, de maneira geral, passaram a trabalhar por salários. Entretanto, a chegada das máquinas causou um grande desemprego e revolta, pois com o rápido desenvolvimento das indústrias, a mão-de-obra foi sendo absorvida, mas em condições adversas para o trabalhador.

13 13 Dentre os aspectos políticos, o mais importante foi à transformação do Estado Liberal e da plena liberdade contratual em Estado Neoliberalista. No Estado Liberal, o capitalista poderia impor livremente as suas condições ao trabalhador sem a interferência do Estado. No Estado Neoliberalista, o Estado intervém na ordem econômica e social limitando a liberdade plena nas partes da relação de trabalho. No aspecto jurídico, os trabalhadores reivindicaram através dos sindicatos que os representaram um direito que os protegesse, em especial o reconhecimento do direito de união. Na medida em que o direito de associação passou a ser tolerado pelo Estado, resultou: o sindicalismo; o direito de contratação, que se desenvolveu em dois âmbitos, o coletivo com as convenções coletivas de trabalho e o individual, com a idéia do contrato de trabalho; e o direito a uma legislação em condições de coibir os abusos do empregador em relação ao empregado, a fim de preservar a dignidade do homem no trabalho. Para essas modificações, contribuiu decisivamente a idéia de justiça social, cada vez mais difundida como reação contra a questão social.

14 14 CAPÍTULO II História do Direito do Trabalho no Brasil Se Se eu pudesse deixar algum presente para você, Deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo O que foi ensinado pela vida afora... Lembraria dos erros que foram cometidos Para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você, se pudesse, O respeito aquilo que é indispensável: Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E, quando tudo mais faltasse, um segredo: O de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força Para encontrar a saída. Mahatma Gandhi

15 HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO BRASIL 15 O Direito no Brasil sofreu influências externas e internas. Dentre as influências advindas de outros países, as transformações que ocorriam na Europa e a crescente elaboração legislativa de proteção ao trabalho em muitos países foram as que de certo modo mais exerceram pressão no sentido de levar o Brasil a elaborar leis trabalhistas. Também pesou o compromisso internacional assumido pelo nosso país ao ingressar na Organização Internacional do Trabalho (OIT), criada pelo Tratado de Versailles (1919), propondo-se a observar normas trabalhistas. Internamente, imigrantes com inspirações anarquistas participaram do movimento operário, caracterizado por inúmeras greves em fins de 1800 e início de 1900; o surto industrial, efeito da Primeira Grande Guerra Mundial, com a elevação do número de fábricas e de operários; e a política trabalhista de Getúlio Vargas, em Constituições Brasileiras: Inicialmente, as Constituições brasileiras versavam apenas sobre a forma do Estado e o sistema de governo. Posteriormente, passaram a tratar de todos os ramos do Direito. A Constituição de 1824 apenas tratou de abolir as corporações de ofício (artigo 179, XXV), pois deveria haver liberdade do exercício de ofício e profissões. A Constituição de 1891 reconheceu a liberdade de associação em seu artigo 72, 8º, que na época tinha caráter genérico, determinando que a todos eram lícitas a associação e a reunião, livremente e sem armas, não podendo a polícia intervir, salvo para manter a ordem pública.

16 16 Posteriormente, a Constituição brasileira de 1934 veio a tratar especificadamente do Direito do Trabalho. Teve influência do constitucionalismo social. Citou o pluralismo sindical: a autorização para a criação, na mesma base territorial, de mais de um sindicato da mesma categoria profissional ou econômica, enquanto as demais adotariam o princípio do sindicalismo único; a isonomia salarial; o salário mínimo; jornada de oito horas de trabalho; proteção do trabalho das mulheres e dos menores; repouso semanal; férias anuais remuneradas. A Constituição Brasileira, outorgada em 10 de novembro de 1937, conferiu poderes ao Presidente da República para expedir decretos-leis sobre todas as matérias de competência legislativa federal enquanto não se reunisse o Parlamento Nacional. Esta Constituição expressou a concepção política do Estado Novo e as restrições que impôs ao movimento sindical, segundo uma idéia de organização da economia pelo Estado, com um Conselho Nacional de Economia, com o enquadramento dos sindicatos em categorias declaradas pelo Estado, nas quais foi proibido mais de um sindicato representativo dos trabalhadores; e ainda, a proibição da greve como um recurso anti-social e nocivo à economia e a continuidade da elaboração de leis trabalhistas de modo amplo. Já a Constituição de 1946 foi considerada uma norma democrática, rompendo com o corporativismo da constituição anterior. Acolheu princípios liberais na ordem política, restabeleceu o direito de greve, mas conservou as mesmas diretrizes, na medida em que não respaldou o direito coletivo do trabalho.

17 17 Vale destaque o fato de que, nesta Constituição, a Justiça do Trabalho sofreu uma transformação deixando de ter natureza administrativa para ser um órgão do poder Judiciário. A Constituição de 1967 mostrou os objetivos dos governos militares iniciados em 1964 e introduziu o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, que já havia sido criada por lei ordinária em Por fim, a Constituição de 1988, onde os direitos trabalhistas foram incluídos no Capítulo II, Dos Direitos Sociais, do Título II, Dos Direitos e Garantias Fundamentais, ao passo que nas constituições anteriores os direitos trabalhistas sempre estiveram inseridos no âmbito da ordem econômica e social. Esta Constituição valorizou o direito coletivo com a proibição da interferência do Poder Público na organização sindical, e manteve o sistema do sindicato único, iniciando deste modo, uma tentativa de ampliação dos espaços do movimento sindical. A sociedade brasileira, após a promulgação de 1988, compreendeu o alcance das novas regras que valorizam o pleno exercício da cidadania e a extensão de novos direitos que ali foram consagrados, mobilizando-se, ainda que desordenadamente, para exigir do poder público que transformasse em realidade os princípios e preceitos solenemente enunciados. De outra parte, a magistratura nacional pôs-se a reformular antigos conceitos e caminhar na direção desejada pelos cidadãos conscientes, de modo a se adequar à nova concepção de justiça. O Poder Judiciário procurou modernizar-se, investindo em novas tecnologias, buscando a racionalização de seus procedimentos e serviços, tornando-se mais ágil e eficiente.

18 18 Os juízes, por sua vez, precisaram se desvencilhar de certos tabus e romper com seu hermetismo, passando a interagir com os demais segmentos da sociedade, para poder melhor compreender os anseios de seus jurisdicionados. 2.2 Primeiras Leis Ordinárias: As primeiras Leis Ordinárias surgiram no final de 1800 e começo de 1900 como leis esparsas e trataram de temas como: trabalho de menores, em 1891, organização de sindicatos rurais, em 1903, e urbanos, em 1891, férias, em 1925, Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, em 1930, relações de trabalho de cada profissão (decretos a partir de 1930), trabalho das mulheres, em 1932, nova estrutura sindical, em 1931, convenções coletivas de trabalho, em 1932, Justiça do Trabalho, em 1939 e salário mínimo, em Consolidação das Leis do Trabalho: As disposições anteriores a CLT foram por ela revogadas. Perderam a vigência as disposições de emergência e as demais normas transitórias, com a cessação das causas que as fizeram nascer. Restaram somente alguns diplomas, de aplicação restrita a certas áreas. A comissão que elaborou a CLT foi presidida pelo Ministro Alexandre Marcondes Filho. A Consolidação das Leis do Trabalho passou a vigorar em 10 de novembro de 1943, trouxe a sistematização das leis esparsas existentes na época, acrescidas de novos institutos criados pelos juristas que a elaboraram. Não se tratou de um Código, com leis novas. Foi, na verdade, uma reunião de leis existentes. A Consolidação das Leis do Trabalho foi um marco em nosso ordenamento jurídico, fruto da necessidade de renovação do País assumida por Getúlio Vargas.

19 19 Havia a Lei n. º 62, de 1935, que se aplicava a industriários e comerciários, e ainda inúmeros decretos sobre direitos específicos de cada profissão, mas a CLT foi a primeira Lei geral aplicada a todos os empregados, sem distinção entre a natureza do trabalho técnico, manual ou intelectual. Todavia, com o passar dos anos, a CLT tornou-se obsoleta. Surgiu a necessidade da modernização das leis trabalhistas, especialmente para promover as normas sobre direito coletivo, dentre as quais: as de organização sindical, negociação coletiva, greve e representação dos trabalhadores na empresa, setores que a CLT não valorizou. 2.4 Leis posteriores: Diversas leis posteriores foram promulgadas, na medida em que se renovaram as necessidades de regulamentação das relações entre os grupos sociais e as pessoas. Cite-se, por exemplo: a Lei n. º 605, de 1949, sobre repouso semanal remunerado; a Lei n. º 4090, de 1962, sobre gratificação natalina ou décimo terceiro salário, ambas ainda em vigor. E outras que foram alteradas, substituídas por leis posteriores, como a Lei da Greve, de 1964 e a Lei do fundo de Garantia do Tempo de serviço, de A Constituição de 1988: Foi constituída a Assembléia Nacional Constituinte, como conseqüência do processo de consolidação da democracia, que se propôs a modificar a ordem constitucional existente no país, alterando-a segundo princípios econômicos, políticos e sociais da Nova República. Sua estrutura diferiu por completo das constituições anteriores. Foi uma Constituição Cidadã, na expressão de Ulysses Guimarães, presidente da

20 20 Assembléia Nacional Constituinte que a produziu considerando a ampla participação popular em sua elaboração e porque ela se volta para a plena realização da cidadania. Os temas trabalhistas foram confiados à Subcomissão dos Direitos dos Trabalhadores e Servidores Públicos, que elaborou um projeto que, apesar de pecar pela inobservância de um critério técnico-jurídico, foi amplo de direitos sociais. Dispôs, dentre outros temas, sobre: a jornada semanal de 40 horas, a estabilidade no emprego, após um contrato de experiência de 90 dias; a participação do empregado nos lucros da empresa; a igualdade de direitos de trabalhadores em geral: urbanos, rurais, domésticos, servidores públicos federais, estaduais e municipais; à greve ampla, geral e irrestrita; e diversos direitos de trabalhadores domésticos e outros. Na Constituição de 1988 estão previstas várias regras gerais de direito constitucional que são aplicáveis ao direito do trabalho, como por exemplo: o artigo 5º, incisos XXXVI, LXXI. Com a Constituição de 1988, fez-se necessária a aprovação de leis infraconstitucionais, iniciada pela regulamentação do direito a greve através da Lei n. º 7783, de Entretanto, em alguns casos, a regulamentação foi incompleta e diversos dispositivos importantes não foram seguidos por leis complementares e infraconstitucionais, como, por exemplo, no caso do artigo 7º, inciso I, que prevê a proteção contra a dispensa arbitrária ou sem justa causa.

21 21 CAPÍTULO III Funções do Direito do Trabalho O que você sabe não tem valor. O valor está no que você faz com o que sabe. Bruce Lee

22 FUNÇÕES DO DIREITO DO TRABALHO: 22 A necessidade de proteção ao trabalhador com o objetivo de se alcançar a justiça social vem sendo defendida ao longo da história. A CLT constitui o texto legislativo básico do Direito do Trabalho no Brasil, enriquecido pela legislação complementar e pela Constituição Federal. O Direito do Trabalho é um conjunto de princípios, regras e instituições atinentes à relação de trabalho subordinado e situações análogas, visando assegurar melhores condições de trabalho e sociais ao trabalhador, de acordo com as medidas de proteção que lhe são destinadas. Representa ainda uma atitude de intervenção jurídica para a estruturação das instituições sociais e para o melhor relacionamento entre o homem que trabalha e aqueles para os quais o trabalho é destinado. Trata-se de uma legitima manifestação da ordem jurídica, visando a defesa de direitos básicos do trabalhador: como o direito a um salário, ao descanso diário, semanal e anual, à proteção a integridade física e saúde com a reparação econômica dos danos que suportar pelo exercício do trabalho. São funções do direito do trabalho: 3.1. Função tutelar: O direito do trabalho cumpre uma função tutelar na medida que protege o trabalhador, considerado hipossuficiente diante do poder econômico, para que ele não seja por este absorvido. Tutela esta que se faz mediante leis que o Estado elabora ou poderes reconhecidos aos sindicatos restritivos da autonomia individual.

23 3.2. Função econômica: 23 O direito do trabalho visa à realização de valores econômicos, de modo que toda e qualquer vantagem atribuída ao trabalhador deve ser precedida de um suporte econômico sobre o qual nada lhe poderá ser atribuído, respeitado o bom senso que deve predominar na relação Função conservadora ou opressora do Estado: É uma força que o Estado sempre se utilizou, desde os tempos em que se falava em legislação industrial, para sufocar os movimentos operários. Neste caso, as leis trabalhistas teriam a função de aparentar a disciplina da liberdade, pois, na verdade, estaria restringindo a autonomia privada coletiva, visando o impedimento das iniciativas que embora legítimas, pudessem significar de algum modo à manifestação de um poder de organização e de reivindicação dos trabalhadores Função social: O direito do trabalho é um meio de realização de valores sociais, em especial na preservação de um valor absoluto e universal: a dignidade do ser humano que trabalha. Função esta prestigiada pela Constituição Federal, que em seu artigo 6º, define o trabalho como direito social, embora não traga nem neste, nem no artigo 7º uma norma expressa conferindo o direito ao trabalho. Este, porém, pode ser observado face ao conjunto de normas da Constituição sobre o trabalho.

24 24 Assim, no artigo 1º, IV, da Constituição Federal, se declara, entre outros, que os valores sociais do trabalho é fundamento da República Federativa do Brasil; o artigo 170, da Carta Magna estatui que a ordem econômica funda-se na valorização do trabalho, e, ainda, o artigo 193, dispõe que a ordem social tem como base o primado do Trabalho Função coordenadora: O direito do trabalho destina-se a coordenar os interesses entre o capital e o trabalho de forma coerente, ainda que através de medidas nem sempre caracterizadas como protecionistas ou tutelares. O Direito do Trabalho é a expressão do humanismo jurídico e a arma de renovação social pela sua identificação total com as necessidades e aspirações concretas do grupo social diante dos problemas decorrentes da questão social.

25 25 CAPÍTULO IV Desemprego no Brasil É preferível a angústia da busca Do que a paz da acomodação.

26 DESEMPREGO NO BRASIL 26 Os últimos anos foram de grandes transformações no país e no mundo. O aumento do desemprego e a cada vez mais precária condição de trabalho são duas das questões mais desafiantes da humanidade atual. A sociedade capitalista trava um embate: trabalhadores, avaliados como consumidores que desejam bens e serviços duráveis. E ainda, avaliados como empregados, que demandam garantia de emprego e altos salários. E a conciliação entre estes é uma tarefa bastante difícil. Com a alta modernização, o trabalhador tornou-se supérfluo e desnecessário, pois é possível produzir muito com pouca mão de obra. É sabido que cada emprego é único e tem uma função específica e insubstituível na empresa, que possui quadros enxutos e altamente produtivos. Com a especialização, conseqüência da tecnologia, houve a separação entre o empregado escolarizado, que tinha acesso aos melhores empregos e salários, e o sem instrução, que fora remetido a um mercado instável e precário, sujeito a dispensas permanentes. Isto significa que, cada vez mais, há uma desnecessidade de um quadro numeroso de empregados para obter os mesmos resultados, o que ocasiona uma redução da demanda de trabalhadores entre 25% e 35% da força do trabalho; a substituição do trabalho humano pelo software; a informatização e a robótica como principais fatores do crescimento da produtividade; o aumento do desemprego e do subemprego em escala mundial; o avanço da sociedade de serviços maior do que a sociedade industrial; novas profissões; sofisticados meios de trabalho, uma realidade bem diferente do qual o direito do trabalho nasceu.

27 27 Não se pode fazer uma previsão absolutamente segura sobre os efeitos da globalização sobre o nível de emprego interno, embora seja razoável supor com relativa margem de segurança que, esse processo gerou um considerável aumento no nível geral de desemprego. Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) indicam que há cerca de oitocentos milhões de desempregados no mundo, o nível mais alto desde a Grande Depressão, nos anos Não há atualmente a perspectiva de uma solução para o problema, pois necessário seria um conjunto de programas com o objetivo de incentivar a criação de novos empregos, bem como a manutenção dos existentes e a capacidade de acesso dos indivíduos a empregos e ocupações remunerados, priorizando a escolaridade e a instrução do trabalhador. Quanto mais desqualificado é o trabalhador, mais difícil se torna sua permanência ou, se dispensado, sua volta ao trabalho. E é com este trabalhador que o Direito do Trabalho incide com mais freqüência na forma protecionista e tutelar, com normas relativas a dispensas, alterações do contrato de trabalho, transferências, adicionais, horas extras, aviso prévio, etc. O trabalhador moderno, qualificado, tem suas condições de trabalho contratualmente estabelecidas em confronto com o emprego moderno: técnico, contratual e flexível, restando a menor incidência do Direito do Trabalho na resolução de conflitos. 1 - GÓIS, Ancelmo César Lins de. A Flexibilização das normas trabalhistas frente à globalização. Disponível em : < > Acesso em 15 janeiro 2005.

28 28 É claro que não é possível ao Direito do Trabalho impedir a dispensa ou evitar o desemprego. Entretanto, este deve reconhecer as limitações e dar o tratamento jurídico adequado àqueles que não têm ocupação ou que a tem parcialmente ou de modo autônomo ou precário. e social. A falta de emprego gera conseqüências sérias como o ônus psicológico Economicamente, a falta de emprego representa uma perda de renda. Psicologicamente, a falta de empregos representa uma perda de auto-respeito, com sérias conseqüências na vida familiar. Socialmente, a falta de emprego aguça a tensão entre os que têm e os que não têm meios de sustentação, provocando a degradação dos valores, a dilaceração do tecido social, a disseminação da violência, da droga e crime. 2 Nos anos 80, o Brasil era o décimo terceiro país do mundo em volume de desempregados. Atualmente, ele encontra-se em quarto lugar. No Brasil, vários foram os fatores que contribuíram para o problema do desemprego, entre os quais: a adoção de políticas que geraram a estagnação da economia nacional, a subordinação brasileira na inserção na economia mundial, as privatizações que ocasionaram demissões em massa, a alta dos juros, a sobrevalorização cambial. O novo modelo econômico adotado com prioridade à modernização e à integração na economia mundial contribuiu e contribui de forma indireta para o 2 Pastore, José. A agonia do emprego: investimentos de menos e regulamento de mais. Revista LTr. Vol 60, n. º 01, janeiro de1996, p18

29 29 desemprego, pois a economia não se expande como deveria para suportar a quantidade de pessoas que, a cada ano, ingressam no mercado de trabalho. O setor mais atingido é o dos jovens, que representam 40% do desemprego nacional, mas ele tem crescido para as pessoas com mais de 40 anos de idade. Todavia, o jovem é um trabalhador independente que, em geral, não tem encargos familiares, enquanto uma pessoa com mais de 40 anos é um chefe de família. Nesse segmento, quem perde o emprego dificilmente vai ter condições de ocupar a força de trabalho. No Brasil, as primeiras medidas de combate ao desemprego deram-se através do Sistema Nacional de Emprego SINE (1970) e do Seguro- Desemprego iniciado a partir de 1986, bem como dos primeiros programas de geração de emprego e renda estabelecidos por iniciativas de instituições internacionais. A partir de 1994, passou a ser realizado uma ação efetiva de âmbito nacional, coordenada pelo Ministério do Trabalho, em quatro principais programas: Seguro-desemprego, Intermediação de Mão-de-obra, Qualificação Profissional e Programa de Geração de Emprego e Renda (PROGER). Entretanto, o desemprego ainda é um grave problema que afeta a sociedade como um todo. Necessária uma solução.

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO CÊGA, Anderson associação cultural e educacional de garça andersoncega@yahoo.com.br GUILHERME, Tavares Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça RESUMO: HISTÓRIA

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 1.1 NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1.1.1 Teoria do Direito Público... 19 1.1.2 Teoria do Direito

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. Apostila 1 Introdução ao Estudo do Direito INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO. Apostila 1 Introdução ao Estudo do Direito INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Trabalho vem do latim tripalium, que era uma espécie de instrumento de tortura ou uma canga que pesava sobre os animais. A primeira forma de trabalho

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Flexibilização das leis trabalhistas Marcelo Dias Aguiar * 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A necessidade de proteção ao trabalhador com vistas a se alcançar "justiça social" vem sendo

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Liderança Sindical Empresarial ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012.

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. (Do Sr. Irajá Abreu) Altera a redação do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovado pelo Decreto-lei nº 5452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre a eficácia

Leia mais

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas RESUMO Fabrício Oliveira Silva* A necessidade das empresas de contratar pessoas, as

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I No dia 16 de novembro de 2008, 94.808 candidatos prestaram o concorrido concurso público para os cargos de analista judiciário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11)

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) (1) Art. 6º - São direitos sociais a educação a saúde a alimentação EC 64/2010 o trabalho a moradia EC 26/2000 o lazer a segurança a previdência

Leia mais

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO

APRENDIZ E ESTAGIÁRIO APRENDIZ E ESTAGIÁRIO Aprendiz é aquele que mediante contrato de aprendizagem ajustado por escrito e por prazo determinado, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 e menor de 24 anos,

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ Rua Vicente Linhares, 308, Aldeota CEP: 60.135-270 Fortaleza - CE Tel: 3456-4100 www.estacio.

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ Rua Vicente Linhares, 308, Aldeota CEP: 60.135-270 Fortaleza - CE Tel: 3456-4100 www.estacio. EDITAL Nº 48/2012 Processo Seletivo de Docentes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Estácio FIC 2013. A REITORA do Centro Universitário Estácio do Ceará - Estácio FIC, no uso

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

Os novos direitos dos empregados domésticos: análise da Emenda Constitucional n o 72/2013

Os novos direitos dos empregados domésticos: análise da Emenda Constitucional n o 72/2013 Os novos direitos dos empregados domésticos: análise da Emenda Constitucional n o 72/2013 SériE Atualização Legislativa Os novos direitos dos empregados domésticos: análise da Emenda Constitucional n

Leia mais

Glossário Termos técnicos utilizados

Glossário Termos técnicos utilizados BALANÇA COMERCIAL BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL BENS DE CAPITAL BENS DE CONSUMO (DURÁVEIS/NÃO DURÁVEIS) BENS INTERMEDIÁRIOS CAPACIDADE INSTALADA Apresentação do valor das exportações e importações de

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 Disciplina: Direito do Trabalho I Departamento: Direito Social e Coletivo Docente Responsável: Anselmo Domingos da Paz Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1

PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 Professora: Silvaney Isabel Gomes de Oliveira Disponível em www.tstanavanda.wikispaces.com PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO TRABALHO1 1. DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS: Sérgio Pinto Martins afirma que princípios

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 São Paulo, 11 de fevereiro de 2010 NOTA À IMPRENSA Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate sobre a redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF 1 Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas Dos Direitos Sociais Art. 6º a 11 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. S U M

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação

Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação Desregulamentação laboral: menos regulamentação e mais regulação Euclides Di Dário (*) RESUMO O objetivo deste texto é apresentar resumidamente a idéia da desregulamentação do direito do trabalho. Pesquisamos

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

COMO SÃO DEFINIDOS OS 2. NOSSOS SALÁRIOS

COMO SÃO DEFINIDOS OS 2. NOSSOS SALÁRIOS COMO SÃO DEFINIDOS OS 2. NOSSOS SALÁRIOS Fazendo uma analogia, podemos afirmar que salário é um preço pago pelo trabalho realizado, assim como se paga um preço por qualquer mercadoria na praça. A força

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS LIDERANÇA SINDICAL EMPRESARIAL 1º SEMESTRE DE 2015 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais bem qualificados

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE

TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE TERCERIZAÇÃO OU PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: A SITUAÇÃO DO HIPOSSUFICIENTE Poliana Beordo 1 1. INTRODUÇÃO: Para Plácido e Silva (2002) Súmula: é o que explica o teor, ou o conteúdo integral de alguma coisa,

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão

Dispensa Sem Justa Causa. Dispensa com Justa Causa. (**) Culpa Recíproca ou Força Maior. Rescisão Indireta. Pedido de Demissão RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO VERBAS RESCISÓRIAS (Antes de qualquer procedimento rescisório, importante ler os cuidados especiais ao final Verbas adicionais) Dispensa Sem Justa Causa AvisoPrévio Dispensa

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

PARECER N.º 286/CITE/2014

PARECER N.º 286/CITE/2014 PARECER N.º 286/CITE/2014 Assunto: Dispensa para amamentação Processo n.º 307 QX/2014 I OBJETO 1.1. Em 3.4.2014, CITE recebeu da trabalhadora uma queixa relativamente ao período de dispensa de trabalho

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72.

Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72. Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72. Empregado doméstico, como bem conceitua Volia Bomfim Cassar, 1 é toda pessoa física que trabalha de forma pessoal, subordinada,

Leia mais