Mostra de Projetos 2011 RECICLA TIBAGI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mostra de Projetos 2011 RECICLA TIBAGI"

Transcrição

1 Mostra de Projetos 2011 RECICLA TIBAGI Mostra Local de: PONTA GROSSA Categoria do projeto: I - PROJETOS EM IMPLANTAÇÃO Nome da Instituição/Empresa: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIBAGI Cidade: TIBAGI Contato: Autor(es): Sinara Ribas; Jaqueline Czelusniak; Diacir Santos Equipe: Sinval Ferreira da Silva - Engenheiro Agronomo Letícia Rodrigues Albuquerque - Gestora e Empreendedora Liliam Prado - Gestora Pública Lisa Andrea Romão - Assistente Social Leri Aparecida Ribeiro - Tecnica em Meio Ambiente Josemar Scheraiber - Engenheiro Civil Parceria: Prefeitura Municipal de Tibagi Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Tibagi Objetivo(s) de Desenvolvimento do Milênio trabalhado(s) pelo projeto: -1 - Acabar com a fome e a miséria., 3 - Igualdade entre sexos e valorização da mulher., 6 - Combater a AIDS, a Malária e outras doenças., 7 - Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente., 8 - Todos trabalhando pelo desenvolvimento.

2 RESUMO O Recicla Tibagi é um Programa de Coleta seletiva que integra cerca de 80 associados, responsáveis por toda limpeza pública do município de Tibagi, incluindo do seu sistema de produção e trabalho a poda de árvores, capina em praças e vias públicas, varrição das ruas e espaços públicos externos, coleta e triagem de resíduos, produção de composto orgânico e produção de flores em busca da geração de emprego, renda e qualidade de vida. Palavras-chave: Recicla Tibagi, Sustentabilidade, Resíduos Sólidos, Trabalho Associativo, Reciclagem. INTRODUÇÃO Diariamente, Tibagi produz cerca de oito toneladas de lixo, dos quais 56% são transformados em composto orgânico, 28% são materiais recicláveis e apenas 16% constituem-se em rejeito e são destinados ao aterro. Além dos benefícios ambientais, com o aumento da vida útil do aterro sanitário em até 400%, o programa ainda gera trabalho e renda para os membros da Associação, que respondem pela operação da unidade e limpeza pública do município. 1. JUSTIFICATIVA. O município de Tibagi, segundo maior do Paraná em extensão territorial, lançou em 29 de maio de 2009, no mesmo momento em que foi inaugurado o Centro de Triagem e Compostagem de Tibagi, o Programa Recicla Tibagi. Resultado de trabalho desenvolvido pela Prefeitura desde 2007, é um programa de destinação correta de resíduos sólidos referência no Paraná. Além da demanda ambiental da correta destinação dos resíduos, destaca-se o impacto social que o programa proporcionou ao município. Cerca de 7 pessoas que trabalhavam no lixão receberam da prefeitura através de um convênio estrutura física, logística, corpo técnico, equipamentos, refeições diárias, EPIs, entre outros benefícios. Com o passar do tempo e o árduo trabalho da equipe de assistência social do município em diagnosticar famílias que trabalhavam em situações precárias hoje o Programa Recicla Tibagi inclui cerca de 80 associados tendo a representatividade de 50 famílias com toda infraestrutura oferecida pela prefeitura e gestão realizada pela Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Tibagi - ACAMARTI. 2. OBJETIVO GERAL Tratar e reaproveitar todo tipo de resíduo domiciliar, através da sistemática de recolhimento e separação de dejetos gerando emprego e renda. 3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Implantar processo comprometido de proteção ambiental; Proporcionar trabalho e renda agregando valor ao resíduo; Proteger a saúde Pública;

3 Destinar corretamente o resíduo domiciliar minimizando o impacto ambiental. 4. METODOLOGIA. O Recicla Tibagi parte de um convênio onde a Prefeitura Municipal de Tibagi que disponibiliza a estrutura física permanente e repasse financeiro para quando necessário complementar a renda dos associados e e a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Tibagi - ACAMARTI que são responsáveis pela autogestão e a prática da economia solidária. Acompanhamento de técnicos permanentes da prefeitura e reuniões frequentes que permitem crescente aprendizado de ambos os lados e soluções imediatas que permitem serem resolvidas imediatamente. Levantamento através do Inventário Municipal de Resíduos Domiciliares, com o foco no trabalho permanente de Educação ambiental, dentre outras demandas diás resolvidas pela associação, quando solicitado pela diretoria da associação, com intervenção do corpo Técnico da Prefeitura. 5. MONITORAMENTO DOS RESULTADOS Reuniões permanentes para medição qualitativas dos integrantes do processo; Disk reclamações, que permite registro e retorno para melhor aplicação prática do trabalho; Inventário de Resíduos Sólidos que mede qualitativa e quantitativamente todo o processo de gestão de resíduos do município; Exigência e fiscalização dos Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos dos empreendimentos instalados no município. 6. VOLUNTÁRIOS Contamos com um voluntário responsável pela capacitação e acompanhamento na produção de flores, este com formação técnica agrícola. 7. CRONOGRAMA Diagnóstico da demanda ambiental e social da destinação correta do lixo e realocação das pessoas que trabalhavam precariamente no lixão para um barracão provisório; -Maio de Conclusão da estrutura física adequada para manipulação e triagem de resíduos; -Maio de Inicio da utilização da estrutura e agregação de mais associados selecionados pela diretoria da ACAMARTI segundo dados sociais levantados pela assistência social do município;

4 - Fevereiro de adequações estruturais físicas quanto a desgastes, substituições de instalações provisórias para definitivas e adequações ergonômicas para atender demandas especificas das associadas mulheres; Dentre os intervalos de tempo, trabalho permanente de acompanhamento técnico de gestão e estrutural para ACAMARTI. 8. RESULTADOS ALCANÇADOS Geração de emprego e renda; Inclusão digna de trabalhadores até então excluídos do mercado de trabalho; Valorização das mulheres, visto que são maioria na associação, cerca de 80%; Trabalho de erradicação da fome, visto que a prefeitura fornece três refeições diárias para os associados; Destinação correta de resíduos domiciliares que miniminizam o impacto ambiental; Inserção dos associados na autogestão e práticas de economia solidária. 9. ORÇAMCerca de 400 mil reais de estrutura física, mais gastos permanentes para funcionamento da mesma.ento 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS A prática da cidadania permite a mudança de hábitos e a consolidação da identidade de seres humanos em busca de uma sustentabilidade concreta e permanente. O aprendizado constante de ambos parceiros propicia a qualidade de vida. REFERÊNCIAS ABREU.M.F. Do lixo a cidadania. Estratégias para ação. Aprendendo com a natureza Programa segurança e saúde do trabalhador rural Convênio Fundacentro- secretaria e abastecimento SP Folder informativo Recicla Ação, numero 1 ano 1 abril-junho Programa lixo útil, compostagem de resíduos orgânicos ( estudo de caso Bituruna Pr) abril 2007 Técnico Leonardo Quadros Filho Gerente da CTC Bituruna ; DIAS, M. I. M. Plano de Gerenciamento de resíduos sólidos da prefeitura Municipal de Tibagi. Abril Manual para Implantação de Aterros sanitários em Valas de Pequenas dimensões, trincheiras e em células.revista do CREA maio-junho 2009 n 57 pagina 17. Lei Estadual de 22/01/1999. Disponível em: acessado em 05/05/2010.

5

Mostra de Projetos Melhorias para a Coleta Seletiva de Materiais Recicláveis no Município de Cafeara

Mostra de Projetos Melhorias para a Coleta Seletiva de Materiais Recicláveis no Município de Cafeara Mostra de Projetos 2011 Melhorias para a Coleta Seletiva de Materiais Recicláveis no Município de Cafeara Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Carta Compromisso Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos

Carta Compromisso Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos Carta Compromisso Gestão Sustentável de Resíduos Sólidos Publicado em: 16/09/2004 O Programa Coleta Seletiva Solidária foi criado a partir do compromisso público da atual Prefeita em ato de campanha eleitoral

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU Prefeitura Municipal Consórcio: de Uruguaiana PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE URUGUAIANA PGIRSU A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 Marco histórico

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL Composição Gravimétrica dos Resíduos Sólidos Urbanos de Bituruna

Leia mais

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras

Mostra de Projetos Criando Identidade com Pontal do Paraná. Protegendo a Maternidade. Alimentando Vidas. Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra de Projetos 2011 Criando Identidade com Pontal do Paraná Protegendo a Maternidade Alimentando Vidas Qualidade de Vida - Mulheres Coletoras Mostra Local de: Pontal do Paraná. Categoria do projeto:

Leia mais

Seminário Consórcios Públicos

Seminário Consórcios Públicos Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instituto das Águas do Paraná Seminário Consórcios Públicos ABES PR outubro/2011 1 Lei Federal nº 12.305/2010 AGUASPARANÁ LOGÍSTICA REVERSA (Acordos

Leia mais

PROJETO RECICLA TIBAGI - IMPLANTAÇÃO DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNÍCIPIO DE TIBAGI NO PARANÁ

PROJETO RECICLA TIBAGI - IMPLANTAÇÃO DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNÍCIPIO DE TIBAGI NO PARANÁ PROJETO RECICLA TIBAGI - IMPLANTAÇÃO DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNÍCIPIO DE TIBAGI NO PARANÁ Renata Silveira Biersteker (UEPG) renatasbiersteker@gmail.com Renato Silveira (UNICENTRO) renatosil7@hotmail.com

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 OLEO FUTURO

Mostra de Projetos 2011 OLEO FUTURO Mostra de Projetos 2011 OLEO FUTURO Mostra Local de: PONTA GROSSA Categoria do projeto: I PROJETOS EM IMPLANTAÇÃO Nome da Instituição/Empresa: FOCAM INDUSTRIA E COMERCIO LTDA Cidade: CARAMBEÍ Contato:

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Proposta do Plano, aprovada pelo Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos após a incorporação das contribuições apresentadas nas Audiências Regionais

Leia mais

Mostra de Projetos Lixo que vale

Mostra de Projetos Lixo que vale Mostra de Projetos 2011 Lixo que vale Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Umuarama

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM ESCOLA PÚBLICA POLI USP RECICLA

PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM ESCOLA PÚBLICA POLI USP RECICLA PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM ESCOLA PÚBLICA POLI USP RECICLA Welson G. Barbosa Jr 1 Pedro Paulo Consul Kassardjian 2 RESUMO Este trabalho teve como objetivo desenvolver uma sistematização de ações

Leia mais

O ILOG conta com a participação de Empresas, Cooperativas, Associações e Sindicatos, que juntas representam mais de 400 empresas, comprometidas com a

O ILOG conta com a participação de Empresas, Cooperativas, Associações e Sindicatos, que juntas representam mais de 400 empresas, comprometidas com a Sobre o ILOG O ILOG (Instituto de Logística Reversa) foi criado em fevereiro de 2016, pela iniciativa de empresas, associações e sindicatos, que já participavam do projeto das Centrais de Valorização de

Leia mais

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos)

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos) 3.1 Instituir programa de coleta seletiva no município. 3.2 Realizar campanhas de sensibilização e educação socioambiental da população acerca da temática dos resíduos sólidos, quanto a importância da

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO TERRITÓRIO

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO TERRITÓRIO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO TERRITÓRIO EIXO: SANEAMENTO PROGRAMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO TERRITÓRIO Área de atuação: 54 municípios do Paraná e Mundo Novo/MS. Estes municípios abrigam 40 Associações

Leia mais

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Diógenes Del Bel Diretor Presidente Funasa Simpósio de Tecnologias em Engenharia de Saúde Pública 10 / set / 2012 Desafios atuais da gestão de resíduos urbanos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

MONITORAMENTO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO CAMPUS "LUIZ DE QUEIROZ"

MONITORAMENTO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ EIXO TEMÁTICO: Tecnologias MONITORAMENTO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO CAMPUS "LUIZ DE QUEIROZ" Joyce Stenico 1 Renato Massami Chiba 2 Charles Albert Medeiros 3 Weslley Santos da Silva 4 Ana Maria de Meira

Leia mais

Qualidade e Conservação Ambiental TH041

Qualidade e Conservação Ambiental TH041 Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil & Engenharia Ambiental Qualidade e Conservação Ambiental TH041 Parte II - Aula 11: Resíduos Sólidos Profª Heloise G. Knapik 1 Indicadores Melhorias Identificação

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral. XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias

Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral. XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias Direito ao Meio Ambiente e Proteção do Consumidor Parâmetro

Leia mais

Roteiro da Aula: Resíduos sólidos

Roteiro da Aula: Resíduos sólidos Curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio Disciplina: Gestão Ambiental Docente: Joana Paixão Roteiro da Aula: Resíduos sólidos Leitura do texto: o lixo do meu vizinho Apresentação de Vídeos

Leia mais

Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público

Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público 3º Seminário de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Instituto de Zootecnia - 24.08.2017 Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público

Leia mais

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Caso para o Município de General Carneiro PR

GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Caso para o Município de General Carneiro PR GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Caso para o Município de General Carneiro PR Convênio: Universidade Federal de Viçosa Prof. João Tinoco Pereira Neto Diretor LESA/UFV/MG Universidade

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO AVALIATIVO E QUANTITATIVO DO DESCARTE E DESTINAÇÃO REGULAR DOS PNEUMÁTICOS DE GUARULHOS

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

MUNICÍPIOS E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MUNICÍPIOS E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICÍPIOS E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS: instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10, fixou obrigações para: União, Estados

Leia mais

COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. 16 de junho de 2015

COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. 16 de junho de 2015 COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL 16 de junho de 2015 O lixo que sai caro... Matéria divulgada na revista EXAME (jun.15) Três pontos... 1 2 3 É necessário uniformizar

Leia mais

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS.

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. 10 Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Promoção: Instituto Venturi Para Estudos Ambientais, Escola Politécnica da UNISINOS Universidade

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Inserção socioeconômica na cadeia produtiva de reciclagem, da região de Paranavaí, mediante a adoção de inovações tecnológicas. Conhecido como: Projeto Coopervaí Mostra Local de:

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANOS (CATADORES) DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANOS (CATADORES) DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ MEMÓRIA DA REUNIÃO DO GRUPO DE RESÍDUOS URBANOS (CATADORES) DO PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ Data: 02 de Julho de 2014 Local: Mercado Público Regional de Chapecó. Horário:

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: DIRETORIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE APARECIDA DE GOIÂNIA Nome do Aluno(a) Goiânia- ------/-------------/-----------

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA

CONTRIBUIÇÕES DA CONTABILIDADE EM EMERGIA Vendrametto, Lilian P. Agustini, Carlos A. Di Projeto de Lei 1.991/2007-5.564564 municípios - Milhões de empresas - Milhões de pessoas Gerador Projeto de Lei 1.991/2007 Das 27 cidades-capital no Brasil,

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade de Programas de Coleta Seletiva e

Indicadores de Sustentabilidade de Programas de Coleta Seletiva e Indicadores de Sustentabilidade de Programas de Coleta Seletiva e de Organizações de Catadores - Região Metropolitana de São Paulo Seminário Os Rumos da Coleta Seletiva: Boas práticas e indicadores de

Leia mais

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas

De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a

Leia mais

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: COLETA SELETIVA: UMA ALTERNATIVA DE PRESERVAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE AUTORES: Ana Virgínia R. de A. Guimarães, Itamara Farias Leite E-mail: erana@uol.com.br INSTITUIÇÃO: UFPB ÁREA TEMÁTICA: Meio

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE SANTA CATARINA PERS-SC LEGISLAÇÃO RELATIVA A RESÍDUOS E SUAS IMPLICAÇÕES PAUTA DA APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO AO TEMA PROBLEMÁTICA DA GESTÃO DOS RS LEGISLAÇÃO

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO RESÍDUOS SÓLIDOS E O PROGRAMA DE METAS DA CIDADE DE SÃO PAULO Contribuições da Sociedade Civil para a construção de metas de resíduos para o período de 2017-2020 Introdução Eixos 1. 2. Aterros Sanitários

Leia mais

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa PEGADA ECOLÓGICA Pegada Ecológica (também denominada de pegada carbônica ) é definida, portanto, como área de território ecologicamente produtivo (cultivos, pastos, florestas ou ecossistemas aquáticos)

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013

Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013 Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013 {D74B0A37-C343-447D-AE64-A7C03181A425} Lixo e comportamento: interdisciplinaridade da Política Nacional de Resíduos Sólido José

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Mostra de Projetos Programa Municipal de Economia Solidária

Mostra de Projetos Programa Municipal de Economia Solidária Mostra de Projetos 2011 Programa Municipal de Economia Solidária Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM HORTA COMUNITÁRIA NO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ PR

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM HORTA COMUNITÁRIA NO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ PR Mostra de Projetos 2011 PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM HORTA COMUNITÁRIA NO MUNICÍPIO DE IVAIPORÃ PR Mostra Local de: Ivaiporã. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A IMPLANTAÇÃO DE UM ECOPONTO PILOTO NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA/PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A IMPLANTAÇÃO DE UM ECOPONTO PILOTO NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA/PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A IMPLANTAÇÃO DE UM ECOPONTO PILOTO NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA/PB Maria Victória de Sousa; Joevelly Vitória Alves da Silva; Cinthia Saska Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK QUADRO INTITUCIONAL A Lei Federal de Saneamento Básico aborda o conjunto de serviços de abastecimento público

Leia mais

A GESTÃO DE SEIS ATERROS SANITÁRIOS SIMPLIFICADOS NA BAHIA

A GESTÃO DE SEIS ATERROS SANITÁRIOS SIMPLIFICADOS NA BAHIA A GESTÃO DE SEIS ATERROS SANITÁRIOS SIMPLIFICADOS NA BAHIA Lícia Rodrigues da Silveira Luiz Roberto Santos Moraes Salvador, 12 de julho 2010 O PROBLEMA A operação inadequada da maioria dos aterros sanitários

Leia mais

CEADEC 16 anos de história e de luta

CEADEC 16 anos de história e de luta CEADEC 16 anos de história e de luta O CEADEC é uma organização não governamental, qualificada como Oscip Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, que atua na assessoria à formação de cooperativas

Leia mais

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS PÚBLICOS MP 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS 12305/10 Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Zilda Maria Faria Veloso MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano Secretaria de Recursos Hídricos e Meio Urbano POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU MUDANÇAS Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades 2017 Kátia Campos Presidente do SLU Dados históricos 1961 Primeira usina de tratamento de lixo e compostagem

Leia mais

Cooperativas de Reciclagem dos Resíduos Sólidos Urbanos uma questão social, ambiental e econômica

Cooperativas de Reciclagem dos Resíduos Sólidos Urbanos uma questão social, ambiental e econômica Cooperativas de Reciclagem dos Resíduos Sólidos Urbanos uma questão social, ambiental e econômica Prof. Dr. Márcio Magera magera@uol.com.br Tel. 11 97624781 Cooperativismo Cooperativa é uma organização

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO LUÍS SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO LUÍS SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE SÃO LUÍS SEMINÁRIO DE LANÇAMENTO ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Objetivo do Seminário; Premissa; Abrangência do PGIRS; Contrato

Leia mais

DESTINAÇÃO FINAL DE ( RSU ) PROPOSIÇÃO

DESTINAÇÃO FINAL DE ( RSU ) PROPOSIÇÃO DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S URBANOS ( RSU ) PROPOSIÇÃO DESTINAÇÃO FINAL de RSU Mais de 43% dos resíduos domiciliares coletados (69.560 t/dia) tem destinação final INADEQUADA!!!!! LIXÕES Gastos

Leia mais

Regulação da Prestação de Serviços. A experiência de Portugal

Regulação da Prestação de Serviços. A experiência de Portugal Seminário - Regulação de Serviços de Coleta e Destinação Final de Resíduos Sólidos Urbanos Regulação da Prestação de Serviços de Resíduos Sólidos Urbanos: A experiência de Portugal Dra. Cynthia Fantoni

Leia mais

Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos

Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos 1 º Seminário Sobre Gestão de Resíduos Sólidos APA - Botucatu Aspectos Gerais Sobre os Resíduos Sólidos Prof. Dr. Wellington Cyro de Almeida Leite Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº XX/2010

TERMO DE CONVÊNIO Nº XX/2010 TERMO DE CONVÊNIO Nº XX/2010 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE ASSIS E A COOPERATIVA DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DE ASSIS E REGIÃO COOCASSIS, VISANDO A MANUTENÇÃO E A EXPANSÃO DA

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Resíduos Sólidos Urbanos João Ismael Ortulane Nardoto Secretario de Meio Ambiente Geração de Resíduos Abril, 2009 10.532,91 toneladas de resíduos

Leia mais

COLETA SELETIVA E RECICLAGEM: REALIDADE E MITOS

COLETA SELETIVA E RECICLAGEM: REALIDADE E MITOS COLETA SELETIVA E RECICLAGEM: REALIDADE E MITOS JOÃO ALBERTO FERREIRA Pesquisador Visitante da UERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro Recuperação de recursos deveria ser encarada como uma oportunidade

Leia mais

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51)

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51) Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro limpeza urbana, Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro coleta resíduos

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

ESTUDO DOS PARÂMETROS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE ASSIS-SP.

ESTUDO DOS PARÂMETROS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE ASSIS-SP. ESTUDO DOS PARÂMETROS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE ASSIS-SP. Autor Principal Inajara Fiusa de Barros Ramos Orientador Dr. Fernando Frei

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB Alan Max Francisco Neves; Álida Bianca Brito Guedes; Thatiane Amanda da Silva; Larissa Carvalho de Andrade;

Leia mais

COOPERATIVA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DA REGIÃO BAIXO JAGUARIBE 1

COOPERATIVA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DA REGIÃO BAIXO JAGUARIBE 1 COOPERATIVA DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DA REGIÃO BAIXO JAGUARIBE 1 Priscila Crisóstomo Maia Holanda Graduada em Saneamento Ambiental (IFCE) priscilamholanda@gmail.com Carlos Vangerre de Almeida

Leia mais

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente Plano de Regionalização para Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos Secretaria de Estado de Meio Ambiente Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTATO APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Fernando R. da Matta Baptista - CESAN Irene T. Rabello Laignier ABES -ES Irene T Rabello Laignier,

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Plano de Regionalização para Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos e as oportunidades de aproveitamento energético de resíduos Secretaria de Estado

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS

SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS SEMINÁRIO SOBRE CONSÓRCIOS PÚBLICOS INTERMUNICIPAIS Castrolanda, 26 a 28 de outubro de 2011 ATERROS REGIONAIS UMA SOLUÇÃO VIÁVEL PARA ERRADICAÇÃO DOS LIXÕES DO BRASIL Engo. ELEUSIS BRUDER DI CREDDO Conselheiro

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS

AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS Anaxsandra Lima Duarte INTRODUÇÃO Estimativas da Agenda 21 Global: até

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 2 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Projeto: Gerenciamento dos Resíduos Sólidos na Escola/2017

Projeto: Gerenciamento dos Resíduos Sólidos na Escola/2017 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DA EDUCAÇÃO DE APUCARANA Projeto: Gerenciamento dos Resíduos Sólidos na Escola/2017 Nome do Estabelecimento: Município: Endereço: CEP: Estado: Telefone:

Leia mais

Estágio da implementação das Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos em Minas Gerais

Estágio da implementação das Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos em Minas Gerais Estágio da implementação das Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos em Minas Gerais Zuleika S. Chiacchio Torquetti Presidente Fundação Estadual do Meio Ambiente Junho de 2013 FEAM -EIXOS DE

Leia mais

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

gestão de resíduos? Vamos falar sobre

gestão de resíduos? Vamos falar sobre Vamos falar sobre gestão de resíduos? A humanidade está usando 20% a mais de recursos naturais do que o planeta é capaz de repor. Com isso, está avançando rápido para a extinção de alguns recursos naturais

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública LIXÃO DA ESTRUTURAL ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA ÁREA Eng o Marco Aurélio B. Gonçalves Eng o Gilson Leite Mansur Gestão de Resíduos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ROTA TECNOLÓGICA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NOS MUNICÍPIOS DA

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina.

Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina. OBJETIVO PRINCIPAL Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina. OBJETIVOS SECUNDÁRIOS I. Conhecer os atores da cadeia de reciclagem de embalagens (vidro, papel/papelão,

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

Departamento Municipal de Limpeza Urbana - Serviços e Gestão Integrada -

Departamento Municipal de Limpeza Urbana - Serviços e Gestão Integrada - Departamento Municipal de Limpeza Urbana - Serviços e Gestão Integrada - André Carús Diretor-Geral DMLU/PMPA O DMLU é um órgão de grande capilaridade, responsável por diversos serviços, prestados em 100%

Leia mais

Lançamento do Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos Módulo Reciclagem

Lançamento do Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos Módulo Reciclagem Lançamento do Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos Módulo Reciclagem 13 de abril de 2018 O que é o SIGOR Módulo Reciclagem? Instrumento da Política Estadual de Resíduos Sólidos

Leia mais

REFERENCIA NACIONAL.

REFERENCIA NACIONAL. REFERENCIA NACIONAL. LOCALIZAÇÃO Município: Crateús CE. Semiárido Nordestino Bioma Caatinga. Localizado a 380 km de Fortaleza. Área: 2.985,41 km 2. IDH: 0,675 (IBEG 2000). População: 72 386 habitantes

Leia mais

Prefeitura Municipal de Laje publica:

Prefeitura Municipal de Laje publica: Prefeitura Municipal de Laje 1 Terça-feira Ano VI Nº 1450 Prefeitura Municipal de Laje publica: Lei Nº 458, de 26 de Junho de 2018 - Fica instituído o Programa Cidade Sustentável Lixo Zero e a coleta Seletiva

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

III CODIAM - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO INTERMUNICIPAL DA ÁREA METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA -PB COMO SOLUÇÃO DE DESTINAÇÃO FINAL DOS RSU

III CODIAM - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO INTERMUNICIPAL DA ÁREA METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA -PB COMO SOLUÇÃO DE DESTINAÇÃO FINAL DOS RSU 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-035 - CODIAM - CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO INTERMUNICIPAL DA ÁREA METROPOLITANA DE

Leia mais

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Foram definidos para dar respostas aos principais problemas mundiais levantados nas conferências sociais que a ONU promoveu na década de 90: Criança (NY/90);

Leia mais

Estudo Técnico Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Estudo Técnico Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Estudo Técnico Gestão Municipal de Resíduos Sólidos De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305/2010, as principais obrigações municipais diretamente ligadas à gestão de resíduos

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014 PROGRAMA USP RECICLA/FSP - 2014 REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014 Divulgação do Programa USP Recicla Desde 2010, no início do ano letivo, ocorre a apresentação do programa,

Leia mais

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL Curriculo, possuo Acervo técnico de engenheiro de manutenção predial com atestados responsabilidade técnico profissional e de capacidade e CAT manutenção predial para licitações. Curriculo, possuo Acervo

Leia mais

Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA. Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10

Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA. Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10 Gestão Econômica e Ecológica de Resíduos Sólidos SEAMA/IEMA Ações da SEAMA/IEMA - 15/09/10 Gestão Estadual de Resíduos no ES: No âmbito da SEAMA/IEMA a gestão de resíduos sólidos vem ocorrendo por meio

Leia mais

Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos

Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos Curso: Engenharia Tema: Tratamento de Resíduos Sólidos Grupo B: Anaclaudia Vilaronga Givanildo Alves dos Santos (Relator) Henrique Simões de Andrade Rene Tadeu da Veiga Vinicius Luiz de Souza Gobbe Vinicius

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016 DECRETO N 1184/GP/2014. DESATIVA O LIXÃO MUNICIPAL E INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA/RO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Primavera

Leia mais

CONTROLE SUSTENTÁVEL DAS ENCHENTES. Prof. Dr. Adacto Ottoni

CONTROLE SUSTENTÁVEL DAS ENCHENTES. Prof. Dr. Adacto Ottoni CONTROLE SUSTENTÁVEL DAS ENCHENTES Prof. Dr. Adacto Ottoni Prof. Dr. Adacto Ottoni Prof. Dr. Adacto Ottoni Detalhe de um piscinão em São Paulo, totalmente assoreado com lixo, lodo de esgotos

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA 2.3 - Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes

Leia mais

Prefeitura do Recife - EMLURB

Prefeitura do Recife - EMLURB Prefeitura do Recife - EMLURB Gerência de Coleta Seletiva/ EMLURB - Recife Agenda: A Política Nacional de Resíduos Sólidos. Ações da Prefeitura Objetivos Lei 12.305 de 02 de agosto de 2010 Três pontos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS EM GERAL

LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS EM GERAL LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS EM GERAL POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) Lei Federal nº 12.305 de 2010 Legislação ambiental que definiu diretrizes para o gerenciamento dos resíduos sólidos,

Leia mais