BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO"

Transcrição

1 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO SEBASTIÃO APARECIDO BORGES 1, JOJI ARIKI 2, ELIZABETH SANTIN 3, ANA VITÓRIA FISCHER DA SILVA 4, ALEX MAIORKA 5 1 Dpto de Zootecnia - FCAV-UNESP - Jaboticabal, Rodovia Carlos Tonanni, km 5, CEP Prof Dr Dpto Zootecnia FCAVJ-UNESP, 1, 4, 5 Pós-Graduandos em Zootecnia FCAVJ-UNESP. 3 Pós-Graduando em Patologia Animal FCAVJ-UNESP.

2 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , RESUMO: Foram utilizados 1260 pintos de corte machos Cobb, em dois experimentos, para avaliar o efeito do balanço eletrolítico (Na+K-Cl) na ração pré-inicial (1-7 dias) sobre o desempenho, consumo de água e umidade da cama. A ração, à base de milho e farelo de soja, com 21,5% PB e kcal EM/kg, foi fornecida a vontade. Os 5 tratamentos e 4 repetições foram: Experimento I (controle (145); 0; 120; 240 e 360 meq/kg de ração), fixando-se o K e variando o Na e Experimento II (controle (145); 354; 254; 154 e 54 meq/kg de ração) fixando-se o Na. O consumo de água aumentou linearmente com a relação eletrolítica da ração, resultando em cama mais úmida. Foi observado efeito quadrático para ganho de peso e conversão alimentar, sendo a relação ideal de 199 e 251 meq/kg, respectivamente. Palavras-chave: cloro, consumo de água, potássio, sódio, umidade de cama. ELECTROLYTE BALANCE IN CHICKS PRE-STARTER DIETS ABSTRACT: Two experiments using 1260 one day old Cobb chick broilers male was conducted to evaluate the effect of electrolytic balance (Na+K-Cl) of pre-starter diet (1-7 days) on birds performance, water intake and litter moisture. The diets based on corn-soybean meal, with 21.5% CP and 2,900 kcal ME/kg were feed ad libitum. The 5 treatments with 4 replicates were: Experiment I (control (145); 0; 120; 240 and 360 meq/kg of diet), with fixed K, variable Na and, Experiment II (control (145); 354; 254; 154 e 54 meq/kg of diet), with fixed Na. The mortality was not influenced by the treatments. Water intake increased linearly with electrolytic balance, promoving higher litter moisture. There was a quadratic effect on body weight and feed convertion and the best electrolytic balance of diet was 199 and 251 meq/kg, respectively. Key words: chloride, litter moisture, potassium; sodium, water intake.

3 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , Introdução A adoção de uma dieta pré-inicial específica tem sido justificada pelo fato da ave, nesta fase, ter necessidades nutricionais muito limitantes. Os eletrólitos essenciais à manutenção do equilíbrio ácido-base são: sódio (Na + ), potássio (K + ) e cloro (Cl - ). Além das aves os exigirem em quantidades mínimas em sua alimentação, para satisfazer suas necessidades nutricionais, é importante que a proporção entre eles seja mantida. Da equação Na + + K + - Cl -, que reflete a inter-relação entre esses minerais como o proposto por MONGIN & SAUVEUR (1977) surgiu o Numero de MONGIN, cujo valor expressa a quantidade e a relação entre estes eletrólitos. O valor calculado por esta fórmula, de 250mEq/kg ou 25 meq /100g de ração para frangos de corte é considerado ideal pelos autores. Porém, trabalhando com dietas pré-iniciais e iniciais, MAIORKA et al. (1998) sugeriram um valor próximo de 140 meq/kg. Na tentativa de elucidar as divergências foram conduzidos experimentos com objetivo de avaliar os efeitos da relação eletrolítica (Na+K-Cl) na ração pré-inicial de frangos de corte sobre o desempenho, consumo de água e umidade da cama. Material e Métodos Foram utilizados 1260 pintos machos da linhagem Cobb em dois experimentos, recebendo rações à base de milho e farelo de soja, fornecida à vontade, contendo 21,5% de proteína bruta e 2900 kcal EM/kg, seguindo o NATIONAL RESEARCH COUNCIL - NRC (1994) para os demais nutrientes. No Experimento I - as aves foram distribuídas em boxes (1,5m x 3,2m) com 50 aves por unidade experimental em galpão de alvenaria, em delineamento inteiramente casualizado de 5 tratamentos (controle (145); 0; 120; 240 e 360 meq/kg de ração) e 4 repetições. Os níveis de K foram mantidos constantes (Quadro 1), oscilando-se o Na e o Cl para obter as relações eletrolíticas. Experimento II - as aves foram distribuídas em baterias com 10 aves por unidade experimental, em delineamento inteiramente

4 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , casualizado 5 tratamentos (controle (145); 354; 254; 154 e 54 meq/kg de ração) e 4 repetições. Os níveis de Na foram mantidos constantes (Quadro 1), oscilando-se o K e o Cl para obter as relações eletrolíticas. O Número de Mongin foi obtido pela adição de NaCl, NaHCO 3, KHCO 3 e NH 4 Cl na ração. A temperatura média máxima (32ºC) e mínima (27ºC) e umidade relativa (73%) foram monitoradas diariamente. No experimento I os bebedouros foram equipados com sistema independente de abastecimento de água. As baterias possuíam bebedouros lineares. Os dados de temperatura e ph da água foram coletados em duas leituras diárias, correspondendo respectivamente, ao horário de menor e maior temperatura ambiente. Para o cálculo do consumo de água foi considerado a taxa de evaporação nos bebedouros. A umidade da cama foi avaliada no final do período pela colheita de amostra e secagem em estufa com ventilação forçada a 55±5ºC por 72 horas. O ganho de peso (GP), os consumos de ração (CR) e água (AG), a conversão alimentar (CA), a mortalidade (MT) e a umidade da cama (UC) foram avaliados. Os resultados foram submetidos à análise de regressão e, quando necessário, ao teste de Tukey com 5% de probabilidade. Resultados e Discussão De 1 a 7 dias de idade foi observado efeito quadrático para ganho de peso e conversão alimentar nos dois experimentos (Figuras 1 e 2) e, efeito quadrático e linear para o consumo de ração, sendo os resultados dependentes dos eletrólitos utilizados para variar a relação eletrolítica da ração. As aves com melhor peso apresentaram a melhor conversão alimentar. A relação ideal de Na+K-Cl, para ganho de peso e conversão alimentar, variou de 199 a 251 meq/kg, quando se fixou o K e, de 127 a 119, quando se fixou o Na, aproximado dos resultados anteriores obtidos por MONGIN & SAUVEUR (1977) e MAIORKA et al. (1998). Porém, BORGES et al. (1999), analisando o balanço eletrolítico em dietas para frangos de 1 a 42 dias de idade constataram que a relação ideal variou de 207 a 236 meq/kg,

5 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , respectivamente, para ganho de peso e conversão alimentar. A comparação dos tratamentos, incluindo o grupo controle (Quadros 2 e 3) permitiu inferir que as relações eletrolíticas baixas (0,0, 54, 120 e 154) não devem ser recomendadas, pois, resultaram em desempenho semelhante ou inferior a uma ração convencional. O consumo de ração foi máximo para 143 meq/kg quando se aumentou o K com Na fixo em 0,20%. Entretanto, a resposta foi linear (Y= 150,3-0,02146X, R 2 ) quando se aumentou a relação eletrolítica pela suplementação de Na. As relações eletrolíticas elevadas (354 e 360 meq/kg) obtidas pela suplementação de K ou de Na na ração deprimiram o crescimento das aves. Provavelmente, os níveis de K (1,21%) e Na (0,60%) nessas rações tenham ultrapassado a tolerância da ave, já que as exigências para esses minerais são estimadas em 0,30 e 0,20%, respectivamente (NRC, 1994). Entretanto, rações com 254 e 240 meq/kg resultaram em desempenho divergente, em relação aos respectivos grupos controle; este fato provavelmente está relacionado ao nível de Na utilizado nessas rações, respectivamente, 0,20 e 0,45%, reforçando a hipótese levantada em estudos anteriores que os níveis de NaCl e Na para frangos de corte devem ser reavaliados (BORGES et al., 1998; MAIORKA et al., 1998). A temperatura da água oscilou entre 22,5 a 27,1 o C e o ph de 7,95 a 7,78. O consumo de água aumentou linearmente com a relação eletrolítica na dieta (Y= 0, ,019792X, R 2 ) somente quando se manipulou Na e Cl. Isto ocorreu provavelmente, para satisfazer a sensação de sede criada pelo aumento na ingestão de Na, um dos fatores que aumentam a resistência osmótica do sangue e que atua, portanto, no controle do consumo de água para satisfazer a sensação de sede. Isto resultou em elevação na relação consumo de água:consumo de ração. Entretanto, dietas com elevados teores de Cl e/ou K não estimularam o consumo de água nessa fase de criação. Estudos anteriores mostraram que KCl, NaHCO 3 e NaCl

6 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , aumentaram significativamente o consumo de água (BORGES, 1997; BORGES et al., 1998) mas, essas avaliações foram feitas na fase final de criação. A umidade da cama foi influenciada pela relação eletrolítica da ração como resultado da maior ingestão de água, sendo que aves alimentadas com 360 meq/kg de ração (0,60% de Na) tiveram cama mais úmida. Entretanto, aves alimentadas com dietas contendo 0,30 e 0,45% de Na apresentaram cama semelhante àquelas recebendo dieta tradicional. Estes resultados permitem inferir que em dieta pré-inicial de pintos de corte pode-se aumentar o nível de sódio até 0,45% sem que se observe aumento significativo na umidade da cama aos 7 dias de criação. Conclusões Nas condições experimentais apresentadas a relação eletrolítica da ração (Na+K-Cl) interferiu no desempenho das aves, sendo que a relação ideal variou segundo o eletrólito manipulado. Quando se formular dietas pré-iniciais considerando o conceito de balanço eletrolítico, níveis extremos de Cl (0,15 e 0,71%), K (0,98 e 1,21%) e Na (0,15 e 0,60%) devem ser evitados. A relação eletrolítica ideal de 199 e 251 meq/kg para ganho de peso e conversão alimentar, respectivamente, foi obtida pela manipulação de Na e Cl. A ingestão de água foi afetada pela relação eletrolítica da ração e pelo eletrólito utilizado na manipulação dessa relação. O aumento na ingestão de água provocado pela maior relação eletrolítica afetou diretamente a umidade da cama.

7 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , Referências Bibliográficas Borges, S. A. Suplementação de cloreto de potássio e bicarbonato de sódio para frangos de corte durante o verão p. Dissertação de mestrado. UNESP-Jaboticabal. Borges, S. A., Ariki, J., Jerônimo JR., R. et al. Níveis de cloreto de sódio em rações para frangos de corte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.50, n.5, p , Borges, S. A., Ariki, J., Moraes, V. M. B. et al. Relação (Na+K-Cl) em dietas de frangos de corte durante o verão. Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.1, p.20, Suplemento. Maiorka, A., Magro, N., Bartels, H.A. et al. Efeito do nível de sódio e diferentes relações entre sódio potássio e cloro em dietas pré-iniciais no desempenho de frangos de corte. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA. Anais... Botucatu, p Mongin, P, Sauveur, B. Interrelationships between mineral nutrition, acid-base balance, growth and cartilage abnormalities. Proceedings Poultry Science, Edinburg, n. 12, p p, Nutrient Requeriments of Poultry. National Research Council (NRC). National Academy Press, Washington p.

8 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , Tabela 1 - Composição eletrolítica das dietas experimentais (%). Experimento I Experimento II Tratamentos Na K Cl Tratamentos Na K Cl meq/kg 0,0 0,15 0,52 0, ,20 1,21 0, ,30 0,52 0, ,20 0,98 0,30 145* 0,20 0,53 0, ,20 0,53 0, ,45 0,52 0, ,20 0,76 0, ,60 0,64 0, ,20 0,53 0,60 * Dietas convencionais.

9 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , , Conversão alimentar 1,3 1,28 1,26 1,24 1,22 1,2 YGP = 113, ,1122X - 0,0003X 2 R 2 = 0,99 Pmax = 199 YCA = 1, , X + 0, X 2 R 2 = 0,98 Pmin = Ganho de peso (g) 1, meq/kg Conversão alimentar Ganho de peso FIGURA 1 - Efeitos da relação eletrolítica Na+K-Cl na ração sobre o ganho de peso e a conversão alimentar de frangos de corte de 1 a 7 dias de idade (Experimento I).

10 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , , Conversão alimentar 1,23 1,18 1,13 YGP = 124, ,1732X - 0,0007X 2 R 2 = 0,98 Pmax = 127 YCA = 1, , X + 0, X 2 R 2 = 0,97 Pmin = Ganho de peso (g) 105 1, meq/kg 100 Conversão alimentar Ganho de peso FIGURA 2 - Efeitos da relação eletrolítica Na+K-Cl na ração sobre o ganho de peso e a conversão alimentar de frangos de corte de 1 a 7 dias de idade (Eperimento II).

11 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , Tabela 2 - Desempenho de frangos de corte recebendo diferentes relações eletrolíticas (Na+K- Cl) na dieta de 1 a 7 dias de idade*. Na+K-Cl G P C R C A AG AG/CR UC (%) meq/kg g g ml/ave/dia litros/kg 1 sem 0,0 113c 149 1,310a 47b 2,24c 15,82ab ab 150 1,228ab 46bc 2,22c 17,17ab abc 146 1,245ab 42c 2,06c 12,20b a 146 1,176b 50ab 2,47b 18,07ab bc 142 1,212b 53a 2,70a 21,40a CV 2 (%) 2,72 2,69 3,61 4,30 4,09 9,63 * 0,52% K. 1 Controle meq/kg. 2 CV - Coeficiente de variação. a,b,c,d Médias seguidas de letras diferentes na coluna diferem entre si pelo teste de Tukey (P<0,05).

12 Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p , Tabela 3 - Desempenho de frangos de corte recebendo diferentes relações eletrolíticas (Na+K- Cl) na dieta de 1 a 7 dias de idade*. Na+K-Cl G P C R C A AG AG/CR meq/kg g g ml/ave/dia litros/kg b 128b 1,288a 64 3, a 144a 1,134b 72 3, a 146a 1,109b 67 3, a 144a 1,093b 67 3, a 145a 1,096b 65 3,16 CV 2 (%) 4,07 3,95 2,60 6,71 6,12 * 0,20% Na. 1 Controle meq/kg. 2 CV - Coeficiente de variação. a,b,c,d Médias seguidas de letras diferentes na coluna diferem entre si pelo teste de Tukey (P<0,05).

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA Jovane Lino RIBEIRO* 1, Thuani Venâncio da Silva PEREIRA 2, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Alessandra Luiza de SOUZA 1, Suelem

Leia mais

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE Sinthia Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Bruna

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 34 DIAS DE IDADE Pedro Henrique Alves FAGUNDES* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA

Leia mais

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL

DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL DESEMPENHO DE TRÊS DIFERENTES LINHAGENS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO NA FASE INICIAL Raphael Rodrigues dos SANTOS* 1, Saullo Diogo de ASSIS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO 1, Juliana Pinto MACHADO 1,

Leia mais

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE

BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 14 AOS 42 DIAS DE IDADE Bruna Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Sinthia Pereira

Leia mais

CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ

CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ CURVA DE CRESCIMENTO DA LINHAGEM DE FRANGO DE CORTE CARIJÓ Raphael Rodrigues dos SANTOS* 1, Saullo Diogo de ASSIS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO 1, Marcos Barcellos CAFÉ 1, Juliana Pinto MACHADO 1, Maria

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 19, nº 2, 110-114, 2003. ISSN 0102-6380 DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO (PERFORMANCE OF BROILERS FEED WITH DIFFERENT

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE

ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE ATUALIZAÇÃO DOS VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL PARA FRANGOS DE CORTE DOS 28 AOS 42 DIAS DE IDADE Hérica da Silva MESSIAS* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inêz de Oliveira LACERDA 2, Eduardo

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA Rafaela Cavalcante CALIXTO* 1, Lucyana Vieira COSTA 1, João Darós MALAQUIAS JÚNIOR 1, Maria Ivete de MOURA 1, Francine Oliveira

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE BALANÇO ELETROLÍTICO (Na+K-Cl) PARA AVES

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE BALANÇO ELETROLÍTICO (Na+K-Cl) PARA AVES APLICAÇÃO DO CONCEITO DE BALANÇO ELETROLÍTICO (Na+KCl) PARA AVES Sebastião A. Borges Prof Dr zootecnia UTP/UFPR Curitiba BSA Assessoria Agroindustrial Fone: 41 3339 1140...41 9968 1826 borgessa@terra.com.br

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE MINAFRA, CIBELE S.; LOPES JÚNIOR, CARLOS O.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; CYSNEIROS, CRISTINE DOS S. S.; FERRAZ, HENRIQUE T.; LOPES, DYOMAR T. Efeito de diferentes

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

Níveis de sódio em rações de pintos de corte na fase inicial 1

Níveis de sódio em rações de pintos de corte na fase inicial 1 Revista Ciência Agronômica, v.37, n.1, p.84-90, 2006 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE www.ccarevista.ufc.br ISSN 0045-6888 Níveis de sódio em rações de pintos

Leia mais

Palavras-chave: equilíbrio ácido/base, estresse por calor, nutrição animal

Palavras-chave: equilíbrio ácido/base, estresse por calor, nutrição animal COMPOSIÇÃO CORPORAL DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO DIETÉTICO Daniela da Silva RUFO* 1, Gabriela Gomes da SILVA 1, Arleia Medeiros MAIA 1, Carlos Jonatas de Sousa TEIXEIRA

Leia mais

Palavras-chave: agroindústria, alimentos alternativos, codornas europeias, resíduo de fruta

Palavras-chave: agroindústria, alimentos alternativos, codornas europeias, resíduo de fruta INCLUSÃO DO RESÍDUO DA POLPA DO MARACUJÁ SOBRE DESEMPENHO DE CODORNAS DE CORTE Iva Carla de Barros AYRES* 1, Romilton Ferreira de BARROS JUNIOR¹, Geraldo Roberto Quintão LANA 1, Sandra Roseli Valerio LANA

Leia mais

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade

Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 21 dias de idade Substituição do milho pela farinha do mesocarpo de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte de um a 2 dias de idade Luciana Pereira Nabute Cunha ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Flávia Luzia

Leia mais

EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE

EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE EFEITO DOS DIFERENTES VALORES DE BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 35 AOS 42 DIAS DE IDADE Daniel Pereira TUPINÁ * 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS ANAIS VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS TM BERTOL 1 *, JV LUDKE 1, DL ZANOTTO 1, A COLDEBELLA 1 1 Embrapa

Leia mais

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL J.F.M. MENTEN; Prof. Doutor do Dep. de Zootecnia da ESALQ/USP, Caixa Postal, 9 - CEP: 13418-900-Piracicaba,SP.

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

Revista Brasileira de Ciência Avícola ISSN: X Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas.

Revista Brasileira de Ciência Avícola ISSN: X Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas. Revista Brasileira de Ciência Avícola ISSN: 1516-635X revista@facta.org.br Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas Brasil Borges, SA; Laurentiz, AC; Araújo, LF; Araújo, CSS; Maiorka, A; Ariki,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Eduardo Terra NOGUEIRA

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE Flávia Silveira VASCONCELOS* 1, Rivia Maria Prates de SOUZA¹, Maysa Eduarda COSTA ¹, Alexandre Vinhas de SOUZA¹, Marcos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia 1 ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES EM CRECHE: UMA META-ANÁLISE Eloiza Lanferdini 1*, Paulo Alberto Lovatto 1, Ines Andretta 1, Raquel Melchior 1, Bruno Neutzling Fraga 1 Setor de Suínos, Universidade

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

Sodium and Chloride Requirements and the Best Electrolyte Balance Estimate of Diets for Broiler Chickens in the Pre-Initial Phase (1-7 Days of Age)

Sodium and Chloride Requirements and the Best Electrolyte Balance Estimate of Diets for Broiler Chickens in the Pre-Initial Phase (1-7 Days of Age) Rev. bras. zootec., 29(4):1162-1166, 2000 Exigências Nutricionais de Sódio e Cloro e Estimativa do Melhor Balanço Eletrolítico da Ração para Frangos de Corte na Fase Pré-Inicial (1-7 Dias de Idade) 1 Edgar

Leia mais

ENERGIA METABOLIZÁVEL DE DEITAS COM DIFERETES BALANÇOS ELETROLÍTICOS PARA FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE

ENERGIA METABOLIZÁVEL DE DEITAS COM DIFERETES BALANÇOS ELETROLÍTICOS PARA FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE ENERGIA METABOLIZÁVEL DE DEITAS COM DIFERETES BALANÇOS ELETROLÍTICOS PARA FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE Gabriela Gomes da SILVA* 1, Sandro Tavares CARVALHINHO 1, Guilherme Silva FERREIRA 1,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 2004 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br NÍVEL DE LISINA DIGESTÍVEL PARA AS DIETAS PRÉ-INICIAIS DE PINTOS DE CORTE Introdução Objetivo Material e Métodos A utilização

Leia mais

USO DE DIFERENTES FONTES DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 22 A 42 DIAS DE IDADE SOBRE O DESEMPENHO E UMIDADE DA CAMA

USO DE DIFERENTES FONTES DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 22 A 42 DIAS DE IDADE SOBRE O DESEMPENHO E UMIDADE DA CAMA Uso de diferentes fontes de sódio na dieta de frangos de corte de 22 a 42 dias de idade... 1029 USO DE DIFERENTES FONTES DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 22 A 42 DIAS DE IDADE SOBRE O DESEMPENHO

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS Early Theodoro Alves de ARGYRI 1, Maria Cristina de OLIVEIRA* 1, Bruno Nunes GONÇALVES 1, Rodolfo Gomes de SOUZA 2 *autor para

Leia mais

... Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim

... Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; CYSNEIROS, CRISTINE S. S.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Avaliação dos níveis de balanço eletrolítico

Leia mais

Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim

Palavras-chave: ALT, AST, Avicultura, Enzimas, Nutrição Animal, Rim MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; VIEITES, FLÁVIO M.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; CYSNEIROS, CRISTINE S. S.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Avaliação dos níveis de balanço

Leia mais

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração

Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião A. Borges et al. 89 Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião Aparecido Borges (Doutor) Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 2003 NÍVEL DE LISINA NAS RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE: Experimento 1 22 a 42 dias de idade Experimento 2 36 a 49 dias de idade Introdução O nível de lisina das rações de frangos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Metionina mais Cistina Digestíveis para Suínos Machos Castrados dos 60 aos 95 kg Introdução A sucessiva seleção

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE

UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE UTILIZAÇÃO DE URUCUM NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE Dyjoan Whenys Dias ASSUNÇÃO* 1, Josilene Correa ROCHA 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso de SOUZA 1, André Lúcio

Leia mais

CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS

CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS CONSUMO DE NUTRIENTES E DESEMPENHO PRODUTIVO EM CORDEIROS ALIMENTADOS COM DIFERENTES FONTES E PROPORÇÃO DE VOLUMOSOS Tamires Moraes FERREIRA* 1, Camila de Oliveira NASCIMENTO 1, Gleidson Giordano Pinto

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO

DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO DESEMPENHO INICIAL DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM TORTA DE ALGODÃO Mara Regina Ribeiro CARDOSO¹, Kênia Ferreira RODRIGUES 2, Aline Ferreira AMORIM* 3, Valquíria Sousa SILVA 4, Edelson

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE (FÊMEAS) SUBMETIDOS A RESTRIÇÃO ALIMENTAR QUANTITATIVA Dionísia Souza MARQUES* 1, Genésio de Cássio Souza CRUZ 1, Ademir José CONTE 2, Maria Auxiliadora de OLIVEIRA 1, Agnaldo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE AVALIAÇÃO DE DIFERENTES MATERIAIS DE CAMA DE AVIÁRIO E DENSIDADES POPULACIONAIS - DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE Valéria Bonifácia Marra da SILVA* 1, Mônica Maria de Almeida BRAINER 1, Jean de Souza MARTINS

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade externa dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 5 ; Eduardo

Leia mais

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro.

2 DAPSA - FMVA - UNESP. 1 Mestranda da FMVA - UNESP (Bolsa CAPES). 3 e-mail:shvperri@fmva.unesp.br 4 Agradecimento FAPESP pelo apoio financeiro. Modelos de superfície de resposta aplicados na formulação não linear de ração para frangos de corte Camila Angelica Gonçalves 1 Max José de Araujo Faria Júnior 2 Sílvia Helena Venturoli Perri 2,3 Manoel

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE

UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE UTILIZAÇÃO DE EMULSIFICANTES NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE Nayara Emanoelle Matos e SILVA* 1, Sandersson Santos da FONSECA2, Vitor Colossal da SILVA2, Jean Kaique VALENTIM², Adriano

Leia mais

Aplicação estratégica do balanço eletrolítico em dietas para matrizes pesadas

Aplicação estratégica do balanço eletrolítico em dietas para matrizes pesadas Ciência Rural, Santa Maria, Aplicação v.41, n.5, estratégica p.895-900, do balanço mai, 2011 eletrolítico em dietas para matrizes pesadas. ISSN 0103-8478 895 Aplicação estratégica do balanço eletrolítico

Leia mais

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático Resumo Expandido Título da Pesquisa: Suplementação de carboidrases e fitase em ditas para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre o desempenho Palavras-chave: enzimas; monogástricos; disponibilização

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia NÍVEIS DE LISINA TOTAL E RESPOSTAS ZOOTÉCNICAS PARA SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Ines Andretta 1, Bruno Neutzling Fraga 1, Marcos Kipper da Silva

Leia mais

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA

DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA DESEMPENHO DE POEDEIRAS COM ADIÇÃO DE PROTEASE NA DIETA Rogério Soares do ROSÁRIO* 1, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Genésio de Cássio SOUZA

Leia mais

Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho

Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho Inclusão de diferentes tipos de emulsificantes em dietas para frangos de corte e seus efeitos sobre o desempenho Vitor Colossal da Silva 1 ; Marllon José Karpeggiane de Oliveira 2 ; Sandersson Santos Fonseca

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre a qualidade interna dos ovos 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Edgar Issamu ISHIKAWA 4 ; Eduardo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE EM DIFERENTES DENSIDADES POPULACIONAL AVALIADOS 7 A 21 DIAS DE IDADE

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE EM DIFERENTES DENSIDADES POPULACIONAL AVALIADOS 7 A 21 DIAS DE IDADE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE EM DIFERENTES DENSIDADES POPULACIONAL AVALIADOS 7 A 21 DIAS DE IDADE Primeiro AUTOR* 1, Mírian das Mercês Pereira da SILVA 2, Kedma Nayra da Silva MARINHO 2,

Leia mais

FONTES MINERAIS NA DIETA DA MATRIZ SOBRE DESEMPENHO E QUALIDADE DE PELE DA PROGÊNIE SUPLEMENTADA OU NÃO COM ZINCO ORGÂNICO

FONTES MINERAIS NA DIETA DA MATRIZ SOBRE DESEMPENHO E QUALIDADE DE PELE DA PROGÊNIE SUPLEMENTADA OU NÃO COM ZINCO ORGÂNICO FONTES MINERAIS NA DIETA DA MATRIZ SOBRE DESEMPENHO E QUALIDADE DE PELE DA PROGÊNIE SUPLEMENTADA OU NÃO COM ZINCO ORGÂNICO Elisangela VANROO* 1, Eduarda Pires SIMÕES 1, Erika de Jonge RONCONI 1, Lucas

Leia mais

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Karina Aurora Rodrigues GOMES 1, Adriano GERALDO 2, Sérgio Domingos SIMÃO³, Filipe Soares NOGUEIRA

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1 ARS VETERINARIA, 15(1):67-73, 1999. 67 SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1 ( SODIUM BICARBONATE SUPPLEMENTATION IN BROILERS DIETS RAISED IN SUMMER ) S.

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliações de parâmetros hematológicos e bioquímicos do sangue de frango de corte na fase de 22 a 42 dias alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Ariane de Sousa Rodrigues 1

Leia mais

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA

FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA FIBRA BRUTA EM DIETAS DE POEDEIRAS LEVES EM FASE INICIAL DE POSTURA Mayara Borges CRISTOFOLI* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Mariana Elias BORGES 2, Maria Auxiliadora de OLIVEIRA 1, Alisson Verbenes

Leia mais

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA

EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA EFEITO RESIDUAL DOS NÍVEIS DE METIONINA + CISTINA SOBRE O DESEMPENHO PRODUTIVO DE POEDEIRAS NA FASE FINAL DE POSTURA Luciana Freitas FERNANDES* 1, Marcelo Helder Medeiros SANTANA 1, Antonia Valcemira Domingos

Leia mais

ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA FRANGOS DE CORTE

ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA FRANGOS DE CORTE ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA FRANGOS DE CORTE Letícia Maria Bonazoni AZARIAS* 1, Douglas Gomes VIEIRA 1,Thiago Rodrigues da SILVA 2, Eliseu Aparecido MESSIAS 1, Josias Ibanhes RODRIGUES 1, Rafael de Oliveira

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 60 aos 95 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS 21 DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS 21 DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; MARQUES, SONAIDE F. F.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Teores séricos enzimáticos e minerais de frangos

Leia mais

ADIÇÃO DE NÍVEIS CRESCENTES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM RAÇÕES COM SOJA INTEGRAL DESATIVADA PARA FRANGOS DE CORTE 1

ADIÇÃO DE NÍVEIS CRESCENTES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM RAÇÕES COM SOJA INTEGRAL DESATIVADA PARA FRANGOS DE CORTE 1 Archives of Veterinary Science, v. 11, n. 3, p. 31-35, 2006 Printed in Brazil ISSN: 1517-784X ADIÇÃO DE NÍVEIS CRESCENTES DE COMPLEXO ENZIMÁTICO EM RAÇÕES COM SOJA INTEGRAL DESATIVADA PARA FRANGOS DE CORTE

Leia mais

CARACTERISTICAS DE VÍSCERAS E GORDURA ABDOMINAL DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE URUCUM

CARACTERISTICAS DE VÍSCERAS E GORDURA ABDOMINAL DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE URUCUM CARACTERISTICAS DE VÍSCERAS E GORDURA ABDOMINAL DE FRANGOS DA LINHAGEM LABEL ROUGE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE URUCUM Josilene Correa ROCHA* 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso

Leia mais

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1

QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 QUALIDADE E DESEMPENHO DE OVOS CONTENDO ÁCIDOS ORGÂNICOS NA DIETA DE POEDEIRAS EM FASE FINAL DE PRODUÇÃO 1 Fernanda Gonçalves de SOUZA* 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Gislene Cardoso de SOUZA 1,

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE CÁLCIO E ÓLEO EM DIETAS DE POEDEIAS DE 70 A 73 SEMANAS DE IDADE Matheus Sodré FERREIRA* 1, Mariane Benedita Ramos de ARRUDA 1, Agnaldo Borge de SOUZA 1, Jovane Lino RIBEIRO 1, Cleber

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO GLICEROL PARA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS Vitória Luisa Almeida Lira 1 ; Ana Cristina Holanda Ferreira 2 ; Lorena da Mota Lima Bringel 3 1 Aluna do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína-TO;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ALIMENTAR E COMPORTAMENTO INGESTIVO EM BOVINOS NELORE E CARACU

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ALIMENTAR E COMPORTAMENTO INGESTIVO EM BOVINOS NELORE E CARACU AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ALIMENTAR E COMPORTAMENTO INGESTIVO EM BOVINOS NELORE E CARACU Lourene Freire GIMENTE* 1, Sérgio Brasil Garcia Pimenta Neves Pereira LIMA 2, Anielly de Paula FREITAS 3, Rodrigo

Leia mais

USO DE DIETA PRÉ-INICIAL SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE

USO DE DIETA PRÉ-INICIAL SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 18, nº 3, ISSN 0102-6380 USO DE DIETA PRÉ-INICIAL SOBRE O DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE DE 1 A 21 DIAS DE IDADE (USE OF PRE-STARTER DIET ON PERFORMANCE OF BROILER

Leia mais

COLORAÇÃO DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO URUCUM

COLORAÇÃO DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO URUCUM COLORAÇÃO DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO URUCUM Suelem Larissa dos Santos FAUSTINO* 1, Josilene Correa ROCHA 1, Osvaldo Júnior Cavalcante SILVA 1, Alessandra Luiza de SOUZA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04

RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 LISINA, PROTEÍNA & ARGININA AVES JOVENS 1990 RELATÓRIO DE PESQUISA - 04 REQUERIMENTOS DE LISINA EM AVES JOVENS DE ACORDO COM A PROTEÍNA DA DIETA E NÍVEIS DE ARGININA Objetivo Delineamento experimental

Leia mais

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO

EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO EFEITOS DA INCLUSÃO DE FARINHA DE FOLHAS DE MANDIOCA SOBRE O DESEMPENHO EM FRANGOS DE CORTE EM CRESCIMENTO Autores : Marli Terezinha Dalmolin KOCK, Rita de Albernaz Gonçalves da SILVA. Identificação autores:

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA Marcos L. DIAS 1 ; Fábio R. de ALMEIDA 1 ; Helena M. F. da SILVA 1 ; Antônio

Leia mais

NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS

NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS NÍVEIS DE METIONINA+CISTINA PARA FRANGAS LEVES DE 1 A 6 SEMANAS DE IDADE SOBRE O PESO DOS ÓRGÃOS Francisco Jardel BARBOSA* 1, Jalceyr Pessoa Figueiredo Júnior 2, Fernando Guilherme Perazzo Costa 3, Marcelo

Leia mais

Variação eletrolítica pela redução aniônica para frangos na região do Cerrado

Variação eletrolítica pela redução aniônica para frangos na região do Cerrado Variação eletrolítica pela redução aniônica para frangos na região do Cerrado Electrolytic variation for the anionic reduction for broilers in the region of the open pasture VIEITES, Flávio.Medeiros 1*

Leia mais

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; MARQUES, SONAIDE F. F.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Teores séricos enzimáticos e minerais de frangos

Leia mais

Resumo Expandido Título da Pesquisa

Resumo Expandido Título da Pesquisa Resumo Expandido Título da Pesquisa: Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade.

Leia mais

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS Jéssica Daliane DILKIN 1, Marindia A. KOLM 1, Maurício BARRETA 1, Fernando TAVERNARI 2, Aline ZAMPAR 1, Aleksandro S.

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

ALOMETRIA DOS ÓRGÃOS DIGESTIVOS DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO

ALOMETRIA DOS ÓRGÃOS DIGESTIVOS DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO ALOMETRIA DOS ÓRGÃOS DIGESTIVOS DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE FRANGOS DE CRESCIMENTO LENTO Maria Luiza Rocha MEDRADO*¹, Saullo Diogo de ASSIS 1, Raphael Rodrigues dos SANTOS 1, Nadja Susana Mogyca LEANDRO

Leia mais

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade

Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Substituição do farelo de soja pela torta de babaçu em rações balanceadas para frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Carla Fonseca Alves 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Mônica Calixto

Leia mais

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS 14 DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO

TEORES SÉRICOS ENZIMÁTICOS E MINERAIS DE FRANGOS DE CORTE AOS 14 DIAS DE IDADE COM DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍCO MINAFRA, CIBELE S.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; MARQUES, SONAIDE F. F.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; LOPES, DYOMAR T.; FERRAZ, HENRIQUE T. Teores séricos enzimáticos e minerais de frangos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO

UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO UTILIZAÇÃO DA GOMA DE SOJA EM DIETAS PARA POEDEIRAS E O SEU EFEITO SOBRE A QUALIDADE INTERNA E EXTERNA DO OVO Matheus Sousa de Paula CARLIS (1) *, Érica Santos MELLO (2), Rosemary Pereira de Pedro SOUZA

Leia mais

Resumo. bruta, sobre o desempenho e excreção de proteína bruta de frangos de corte de 1 a 21 dias de idade. Introdução

Resumo. bruta, sobre o desempenho e excreção de proteína bruta de frangos de corte de 1 a 21 dias de idade. Introdução 107 Efeito da adição de fitase associada a diferentes níveis de proteína bruta e fósforo disponível sobre o desempenho e excreção de proteína bruta de frangos de corte Andréia Cristina Nakashima VAZ 1

Leia mais

Níveis de cloreto de sódio para aves de corte da linhagem Colonial criadas em semiconfinamento 1

Níveis de cloreto de sódio para aves de corte da linhagem Colonial criadas em semiconfinamento 1 Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Níveis de cloreto de sódio para aves de corte da linhagem Colonial criadas em semiconfinamento 1 Sandra

Leia mais

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS)

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Influência da nutrição e produção na qualidade da carcaça Definindo a qualidade de carcaça Teor de carne

Leia mais

ATUALIDADES NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE APLICAÇÃO DE CONCEITOS

ATUALIDADES NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE APLICAÇÃO DE CONCEITOS ATUALIDADES NA NUTRIÇÃO DE FRANGOS DE CORTE APLICAÇÃO DE CONCEITOS Prof Dr Sebastião Aparecido Borges Universidade Tuiuti PR borgessa@terra.com.br 41 9968 1826 INTRODUÇÃO Porque discutir formulação de

Leia mais

Utilização de rações para frangos de corte com diferentes níveis de energia e proteína

Utilização de rações para frangos de corte com diferentes níveis de energia e proteína Utilização de rações para frangos de corte com diferentes níveis de energia e proteína Dijair de Queiroz Lima Nicholas Lucena Queiroz RESUMO Este experimento foi realizado para avaliar o efeito da utilização

Leia mais

Desempenho de frangos de corte alimentados com níveis crescentes de inclusão de glicerina purificada na fase de 8 a 21 dias de idade

Desempenho de frangos de corte alimentados com níveis crescentes de inclusão de glicerina purificada na fase de 8 a 21 dias de idade Desempenho de frangos de corte alimentados com níveis crescentes de inclusão de glicerina purificada na fase de 8 a 21 dias de idade Latóya de Sousa Bezerra 1 ; Roberta Gomes Marçal Vieira Vaz 2 ; Mônica

Leia mais

Desempenho de codornas de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável

Desempenho de codornas de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável Ciência Rural, Desempenho Santa Maria, de codornas Online de corte submetidas a diferentes níveis de proteína bruta e energia metabolizável. ISSN 0103-8478 1 Desempenho de codornas de corte submetidas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE

DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE DESEMPENHO DE CODORNAS JAPONESAS ALIMENTADAS COM BAGAÇO DE LARANJA PÊRA DESIDRATADO CONTENDO β-glucanase E XILANASE Lorrayne Moraes de PAULO* 1, Alison Batista Vieira Silva GOUVEIA 1, Stéfane Alves SAMPAIO

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Desempenho de machos de aptidão leiteira alimentados com dietas contendo grão de milho inteiro ou moído com ou sem inclusão de farelo do mesocarpo de babaçu Odimar de Sousa Feitosa 1 ; João Restle 2 1

Leia mais