III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia"

Transcrição

1 1 ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES EM CRECHE: UMA META-ANÁLISE Eloiza Lanferdini 1*, Paulo Alberto Lovatto 1, Ines Andretta 1, Raquel Melchior 1, Bruno Neutzling Fraga 1 Setor de Suínos, Universidade Federal de Santa Maria, *Apresentadora. Resumo: Este trabalho foi realizado com o objetivo de estudar, através de uma meta-análise, a associação do ácido fumárico com o desempenho de leitões em creche. A base de dados utilizada contemplou 11 artigos publicados entre 1984 e 2008, totalizando 126 dietas e animais. A meta-análise foi realizada por meio de análises gráficas (observar coerência biológica dos dados), de correlação (para identificar variáveis correlacionadas) e de variância-covariância. No modelo para a análise de variância foram incluídos os fatores com coeficientes de correlação mais elevados e as codificações para os efeitos inter e intra-experimentos. A adição de ácido fumárico apresentou correlação negativa (P>0,05) com o consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar. Porém, o desempenho dos animais que receberam dietas contendo ácido fumárico foi semelhante (P>0,05) ao observado nos leitões não suplementados. As equações para desempenho apresentaram melhores coeficientes de determinação quando foram utilizadas como co-variáveis, além do peso vivo dos animais, também variáveis nutricionais. Estes resultados evidenciam que a composição nutricional das dietas deve ser considerada para modular o desempenho dos animais, especialmente quando da sua suplementação com ácido fumárico. Palavras-chaves: ácidos orgânicos, desempenho animal, suinocultura Introdução Atualmente, há crescente restrição ao uso de antibióticos promotores de crescimento na alimentação de suínos. O desenvolvimento de resistência bacteriana aos antibióticos usados como promotores de crescimento e a possibilidade de resistência cruzada entre patógenos animais e humanos reforçam a necessidade de alternativas mais seguras e mais aceitáveis pela sociedade. Os ácidos orgânicos e seus sais são as formas alternativas que podem promover melhores resultados no desempenho de suínos. Alguns dos efeitos benéficos da adição dos ácidos orgânicos nas rações podem ser associados ao aumento no consumo, resultante da melhora da palatabilidade, maior eficiência alimentar, em conseqüência da redução do ph gástrico, diminuição do crescimento bacteriano, aumento da atividade da pepsina e efeitos metabólicos, principalmente relacionados à utilização da energia dos alimentos. O ácido fumárico (AF) é um dicarboxílico com quatro carbonos (C 4 H 4 O 4 ) e é uma molécula bastante estável à temperatura ambiente, com ponto de fusão a ºC, apresentando-se sob a forma de cristais brancos não higroscópicos e pouco solúveis em água a 25ºC (Lüdke, 1993). Em rações para leitões, a adição de ácido fumárico reduziu o ph da dieta e aumentou a ativação do pepsinogênio no estômago. Esta redução do ph estomacal poderia reduzir a taxa de passagem do alimento, permitindo então, maior tempo de atuação das enzimas proteolíticas e, consequentemente, um melhor desempenho (Giesting & Easter, 1985). Apesar destas propriedades potencialmente benéficas a digestão, ao metabolismo e ao desempenho dos leitões, as respostas dos animais observadas quando da suplementação de dietas com ácido fumárico ainda são inconstantes. Por estas propriedades e pela variação dos resultados apresentados na literatura para a alimentação de suínos com ácido fumárico, este trabalho foi realizado com o objetivo de estudar, através de uma meta-análise, a relação do fornecimento de ácido fumárico com os nutrientes da dieta e o desempenho de leitões em creche.

2 Materiais e Métodos O trabalho foi realizado no Setor de Suínos do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria. A base de dados utilizada para realização da meta-análise foi composta por 11 artigos publicados entre 1984 e Os principais critérios de seleção das publicações foram (a) adição de ácido fumárico nas dietas, (b) genéticos (raças e/ou cruzamentos industriais), (c) fase alimentar (creche), (d) avaliações de desempenho. A metodologia para a definição das variáveis dependentes e independentes e para a codagem dos dados seguiu as proposições descritas na literatura (Lovatto et al., 2007). As informações relativas às variáveis a serem analisadas foram selecionadas nas seções do material e métodos e dos resultados de cada artigo e inseridas em uma base de dados elaborada em planilha Excel. As variáveis analisadas foram relativas às características experimentais (período experimental e de fornecimento do ácido fumárico, inclusão do ácido fumárico nas dietas, peso, sexo), à composição nutricional das dietas, ao desempenho (consumo de ração, ganho de peso e eficiência alimentar). A base foi composta de 126 dietas e animais, sendo a média de 21 animais por tratamento. O peso dos animais ao início do experimento foi de 8,3 kg em média. O milho e o farelo de soja foram as principais fontes energética e protéica utilizadas. O nível de inclusão médio de AF foi de 1,75%, com variação de 0,5 a 3% das dietas. O período médio de fornecimento das rações experimentais foi de 30 dias (variação de 14 a 48). A meta-análise foi realizada segundo Lovatto et al. (2007) e seguiu três análises seqüenciais: gráfica (para observar a coerência biológica dos dados), de correlação (entre as diversas variáveis, para identificar os fatores correlacionadas na base) e de variância. Foram utilizados nos modelos para as análises de variância e covariância, os fatores com coeficientes de correlação mais elevados e as codificações para os efeitos inter e intra-experimentos (Lovatto et al., 2007). As equações de regressão foram obtidas através da análise de variância-covariância através do procedimento GLM. Todas as análises foram realizadas através do programa Minitab (Minitab, 2007). Resultado e Discussão A Tabela 1 apresenta as correlações entre as variáveis nutricionais com o desempenho de leitões alimentados com dietas contendo ou não ácido fumárico. A adição de ácido fumárico apresentou correlação negativa (P>0,05) com o consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar. Já os níveis de proteína de lisina das dietas contendo ou não ácido fumárico apresentaram correlação positiva (P<0,05) com o consumo de ração, ganho de peso e eficiência alimentar. As correlações envolvendo o ácido fumárico podem ser justificadas pelo seu efeito positivo sobre a digestibilidade ileal da proteína bruta e dos aminoácidos nas dietas para leitões desmamados precocemente. Na Tabela 2 são apresentados os valores médios de consumo de ração, ganho de peso, conversão alimentar e eficiência alimentar de leitões alimentados com dietas contendo ou não ácido fumárico. Segundo a análise de variância, o desempenho não diferiu (P>0,05) entre os animais que receberam dietas contendo ácido fumárico e os não suplementados. Na Figura 1 pode-se observar o comportamento do ganho de peso e do consumo de ração de leitões submetidos a dietas contendo ou não ácido fumárico. As respostas relacionadas à adição do ácido podem ter sido influenciadas pelo peso inicial dos leitões, o tipo da dieta, a idade do animal e a quantidade de alimento consumido (Easter, 1988). Radecki et al. (1988) trabalhando com leitões desmamados aos 28 dias de idade, com peso inicial de 7,0 kg e fornecendo rações simples (milho + farelo de soja) não

3 constataram, no período experimental de 28 dias, efeitos positivos da adição de 1,5% de ácido fumárico nas dietas. Porém, outros autores verificaram que a adição de 2% de ácido fumárico na ração contendo 20% de produtos lácteos proporcionou melhora no desempenho de leitões (Lüdke, 1993). Embora os resultados contraditórios observados na literatura, esta meta-análise permitiu observar de forma sistemática e ajustada que o desempenho dos leitões em creche não é influenciado pela adição de ácido fumárico nas dietas. A Tabela 3 apresenta as equações obtidas por análise de covariância contínua para as variáveis de desempenho estudadas. As equações de consumo de ração e ganho de peso apresentam melhor coeficiente de determinação quando são utilizadas como co-variáveis o peso vivo e a porcentagem de lisina. Já para conversão e eficiência alimentar, são a proteína bruta e a energia metabolizável, juntamente com peso vivo, que compõe equações com maiores coeficientes de determinação. Estes resultados evidenciam que a composição nutricional das dietas deve ser considerada para modular o desempenho dos animais, especialmente quando da suplementação com ácido fumárico. Conclusão Através de uma abordagem meta-analítica, foi possível verificar que o uso de ácido fumárico como aditivo nutricional nas dietas para leitões em creche não altera o desempenho dos animais. Referências EASTER, R.A. Acidification of diets for pigs. In: HARESIGN, W., COLE, D.J.A. Recents Advances in Animal Nutrition. London: Butterworths, p GIESTING, D.W.; EASTER, R.A. Response of starter pigs to supplementation of corn-soybean meal diets with organic acids. Journal of Animal Science, v.60, p , LOVATTO, P.A.; LEHNEN, C.R.; ANDRETTA, I.; CARVALHO, A.D.; HAUSCHILD, L. Meta-análise em pesquisas científicas - enfoque em metodologias. Revista Brasileira de Zootecnia, v.36, p , LÜDKE, J.V. Efeito da inclusão de ácido fumárico em rações com dois níveis de derivados lácteos sobre o desempenho de leitões desmamados aos 23 dias de idade. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado em Agronomia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. MINITAB. Minitab Inc. Versão RADECKI, S.V., JUHL, M. R., MILLER, E. R. Fumaric acid as feed additives in starter pig diets: effect on performance and nutrient balance. Journal of Animal Science, v. 66, p , 1988.

4 Tabela 1. Correlação das variáveis de desempenho de leitões alimentados com a inclusão de ácido fumárico nas rações. Dose de AF PB, % Lis, % EM, Kcal Variáveis Correlação P Correlação P Correlação P Correlação P Consumo de ração, kg dia -1-0,07 0,46 0,28 0,00 0,18 0,07-0,10 0,43 Ganho de peso, kg dia -1-0,05 0,58 0,51 0,00 0,34 0,00-0,14 0,27 Conversão alimentar -0,11 0,41-0,21 0,19-0,55 0,00-0,13 0,43 Eficiência alimentar 0,05 0,61 0,71 0,00 0,77 0,00 0,05 0,74 P, nível de significância a 5%. AF: ácido fumárico; PB: proteína bruta; Lis: lisina; EM: energia metabolizável. Tabela 2. Desempenho de leitões alimentados com dietas contendo ou não ácido fumárico (AF). Tratamentos Variáveis dpr 1 Controle AF Consumo de ração, kg dia -1 0,47 0,47 0,49 0,56 Ganho de peso, kg dia -1 0,26 0,29 0,27 0,62 Eficiência alimentar, observada 0,55 0,58 0,11 0,63 Eficiência alimentar, calculada 0,55 0,59 0,11 0,63 dpr Desvio padrão residual. P, nível de significância a 5%. P

5 Tabela 3. Equações obtidas por análise de covariância contínua para as respostas de desempenho de leitões alimentados com dietas contendo ou não ácido fumárico. Covariáveis dpr Equação R 2 Consumo de ração, kg dia -1 Ganho de peso, kg dia -1 Conversão alimentar Eficiência alimentar AF 0,39 0,649-0,014 AF 46,38 AF e PVm 0,15-0,270-0,004 AF + 0,067 PVm 92,50 AF e PB 0,17 1,790-0,038 AF - 0,061 PB 33,17 AF e Lis 0,39 3,216-0,075 AF - 1,817 Lis 56,64 AF e EM 0,17 1,408-0,025 AF - 0,0003 EM 32,55 AF, PVm e PB 0,10-0,234-0,006 AF + 0,045 PVm + 0,012 PB 74,83 AF, PVm e Lis 0,17-0,071-0,011 AF + 0,066 PVm - 0,130 Lis 92,17 AF, PVm e EM 0,10 0,321-0,012 AF + 0,044 PVm - 0,00009 EM 74,88 AF 0,20 0,412-0,009 AF 52,37 AF e PVm 0,10-0,039-0,004 AF + 0,033 PVm 88,44 AF e PB 0,11 0,857-0,019 AF - 0,024 PB 20,10 AF e Lis 0,21 1,604-0,036 AF - 0,833 Lis 57,48 AF e EM 0,11 0,863-0,015 AF - 0,0002 EM 20,19 AF, PVm e PB 0,08-0, ,0008 AF + 0,027 PVm + 0,018 PB 57,06 AF, PVm e Lis 0,12-0,033-0,004 AF + 0,033 PVm + 0,007 Lis 87,31 AF, PVm e EM 0,09 0,229-0,007 AF + 0,026 PVm -0,00005 EM 56,82 AF 0,16 1, ,022 AF 70,90 AF e PVm 0,13 1, ,014 AF + 0,018 PVm 82,30 AF e PB 0,09 2,490-0,018 AF - 0,049 PB 70,70 AF e Lis 0,15 2,738-0,031 AF - 0,909 Lis 54,06 AF e EM 0,09 1,705-0,003 AF - 0,00008 EM 69,49 AF, PVm e PB 0,08 1,752-0,006 AF + 0,016 PVm - 0,023 PB 78,53 AF, PVm e Lis 0,12 1,851-0,014 AF + 0,018 PVm - 0,454 Lis 71,87 AF, PVm e EM 0,08 1, ,002 AF + 0,017 PVm - 0, EM 78,26 AF 0,07 0,668-0,005 AF 64,67 AF e PVm 0,05 0,791-0,006 AF - 0,009 PVm 80,37 AF e PB 0,04 0, ,006 AF + 0,023 PB 75,96 AF e Lis 0,07 0, ,012 AF + 0,424 Lis 53,17 AF e EM 0,04 0,576-0,0008 AF + 0,00004 EM 74,74 AF, PVm e PB 0,03 0, ,001 AF - 0,007 PVm + 0,013 PB 81,89 AF, PVm e Lis 0,06 0, ,004 AF - 0,008 PVm + 0,212 Lis 71,11 AF, PVm e EM 0,03 0,748-0,003 AF - 0,007 PVm + 0, EM 81,53 dpr Desvio padrão residual. AF: ácido fumárico; PVm: peso vivo médio; PB: ptoteína bruta; Lis: lisina; EM: energia metabolizável.

6 Consumo de ração, kg 1,2 0,9 0,6 0,3 0,8 0,0 Ganho de peso, kg 0,6 0,4 0,2 0, Peso vivo médio, kg 20 Controle Ac. Fumárico 25 Figura 1. Ganho de peso e consumo de ração de leitões alimentados com dietas contendo ou não ácido fumárico

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia NÍVEIS DE LISINA TOTAL E RESPOSTAS ZOOTÉCNICAS PARA SUÍNOS EM CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Ines Andretta 1, Bruno Neutzling Fraga 1, Marcos Kipper da Silva

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia META-ANÁLISE DA RELAÇÃO DA LEVEDURA DESIDRATADA COM DESEMPENHO DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO Bruno Neutzling Fraga 1*, Cheila Roberta Lehnen 1, Ines Andretta 1, Eloiza Lanferdini 2, Tais Regina Taffarel 2 1*

Leia mais

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO Fernanda Maria Denck (PIBIC/UEPG), Cheila Roberta Lehnen (Orientadora) e-mail: cheilalehnen@gmail.com, Joao Otávio

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS COM DIETAS CONTENDO FITASE: META-ANÁLISE SOBRE A DIGESTIBILIDADE ILEAL DE AMINOÁCIDOS 1* Cheila Roberta Lehnen 1*, Paulo Alberto Lovatto 2, Luciano Hauschild 1, Ines Andretta 1, Marcos

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia 1 ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES EM CRECHE COM DIETAS CONTENDO OU NÃO ÁCIDO CÓLICO Eloiza Lanferdini 1*, Ines Andretta 1, Raquel Melchior 1, Gerson Guarez Garcia 1, Tais Regina Taffarel 1 Setor de Suínos, Universidade

Leia mais

ACIDIFICANTES NA DIETA DE LEITÕES EM FASE DE CRECHE

ACIDIFICANTES NA DIETA DE LEITÕES EM FASE DE CRECHE ACIDIFICANTES NA DIETA DE LEITÕES EM FASE DE CRECHE Autores: Bruna Rubi ALVES 1, Julia Helena MONTES 2, Cristiano TWARDOWSKI 3, Ivan BIANCHI 4, Elizabeth SCHWEGLER 4, Fabiana MOREIRA 4, Juahil Oliveira

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semipesadas no período de 47 a 62 semanas de idade e seus efeitos sobre o desempenho produtivo. Angélica Santana CAMARGOS¹; Adriano GERALDO²; Sérgio

Leia mais

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão?

Qual a importância da Glutamina e do Ácido Glutâmico para o leitão? Folder Ajinomoto.indd 2 13/10/2009 16:46:22 Folder Ajinomoto.indd 3 13/10/2009 16:46:30 O que é AminoGut? O AminoGut é composto pelos aminoácidos L-Glutamina e L-Ácido Glutâmico livres, nutrientes que

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA. Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIETAS CONTENDO ÓLEO DE SOJA Rafaela Cavalcante CALIXTO* 1, Lucyana Vieira COSTA 1, João Darós MALAQUIAS JÚNIOR 1, Maria Ivete de MOURA 1, Francine Oliveira

Leia mais

Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sobre o desempenho de leitões.

Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sobre o desempenho de leitões. Report Pig Issue 2 CreAMINO Resposta a diferentes níveis de suplementação de CreAMINO nas fases pré-inicial e inicial sore o desempenho de leitões. Conclusões A suplementação com CreAMINO não teve efeito

Leia mais

Henrique Guimarães Fernandes Médico Veterinário - Departamento de Nutrição da Vaccinar

Henrique Guimarães Fernandes Médico Veterinário - Departamento de Nutrição da Vaccinar ACIDIFICANTES Henrique Guimarães Fernandes Médico Veterinário - Departamento de Nutrição da Vaccinar INTRODUÇÃO Os ácidos orgânicos englobam aqueles ácidos cuja estrutura química se baseiam no carbono.

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Zootecnia RELAÇÃO DA TOXIDADE INDIVIDUAL OU COMBINADA DE AFLATOXINAS E FUMONISINAS COM O DESEMPENHO DE LEITÕES EM CRECHE Ines Andretta 1*, Paulo Alberto Lovatto 1, Ívens Matozo 1, Taís Regina Taffarel 1, Eloiza

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47

RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 RELATÓRIO DE PESQUISA - 47 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 30 aos 60 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta).

Nutritime. Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). Uso do concentrado protéico de arroz na dieta de suínos, aves e peixes (salmão e truta). 1) Caracterização O concentrado protéico de arroz (CPA) é um produto oriundo do processamento do arroz para produção

Leia mais

Programas de Alimentação Frangos de Corte

Programas de Alimentação Frangos de Corte PRINCÍPIOS EM NUTRIÇÃO DE AVES Programas de Alimentação Frangos de Corte Prof. Dr. Luciano Hauschild Msc. Jaqueline de Paula Gobi Disciplina: Nutrição de Monogástricos Jaboticabal - junho 2016 INTRODUÇÃO

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41

RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 RELATÓRIO DE PESQUISA - 41 2004 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br NÍVEL DE LISINA DIGESTÍVEL PARA AS DIETAS PRÉ-INICIAIS DE PINTOS DE CORTE Introdução Objetivo Material e Métodos A utilização

Leia mais

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA

DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO SUPLEMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS DE RACTOPAMINA NA DIETA Marcos L. DIAS 1 ; Fábio R. de ALMEIDA 1 ; Helena M. F. da SILVA 1 ; Antônio

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE FÊMEAS RECEBENDO DIETAS COM NÍVEIS DE VALINA Jovane Lino RIBEIRO* 1, Thuani Venâncio da Silva PEREIRA 2, Lucélia Alves do NASCIMENTO 1, Alessandra Luiza de SOUZA 1, Suelem

Leia mais

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild

29/03/2012. Métodos para determinar exigências nutricionais de aminoácidos e de energia para monogástricos. Dr. Luciano Hauschild UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de ciências Agrárias e Veterinárias Prova didática: concurso público- Edital nº 229/2010-FCAV Dr. Luciano Hauschild

Leia mais

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos

Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos II SIMPÓSIO DE NUTRIÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA IISINPET 26 e 27 de setembro de 2014 Coprodutos da industrialização do arroz na alimentação de cães e gatos M. Sc. Gabriel Faria Estivallet Pacheco Z o o

Leia mais

IMPLICAÇÕES DAS MICOTOXINAS NA EFICIÊNCIA PRODUTIVA DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO

IMPLICAÇÕES DAS MICOTOXINAS NA EFICIÊNCIA PRODUTIVA DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO IMPLICAÇÕES DAS MICOTOXINAS NA EFICIÊNCIA PRODUTIVA DE SUÍNOS EM CRESCIMENTO Carolina Haubert FRANCESCHI* 1, Paula Gabriela da Silva PIRES 1, Aline REMUS 2, Marcos KIPPER 1, Ines ANDRETTA 1 *autor para

Leia mais

Modelo de crescimento do Nutrient Requirements of Swine Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5

Modelo de crescimento do Nutrient Requirements of Swine Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5 Universidade Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias AZ 753 Tópicos em Produção Animal Sistematização e modelagem em produção de não ruminantes Parte 5 Modelo de crescimento

Leia mais

A TECNOLOGIA DA NOSSA FITASE LEVA A PRODUTIVIDADE PARA UM NOVO NÍVEL.

A TECNOLOGIA DA NOSSA FITASE LEVA A PRODUTIVIDADE PARA UM NOVO NÍVEL. A SUA PRODUTIVIDADE EM UM NOVO NÍVEL. O NÍVEL QUANTUM Quantum Blue foi especificamente desenvolvida para liberar o máximo do fitato disponibilizando todo o valor nutricional presente na sua ração A TECNOLOGIA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48

RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 RELATÓRIO DE PESQUISA - 48 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Lisina Utilizando o Conceito de Proteína Ideal para Fêmeas Suínas dos 60 aos 95 kg Selecionadas para Deposição de

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS

ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS ALIMENTAÇÃO DE SUÍNOS Água A água é o componente que está presente em maior proporção no organismo animal, se constituindo num alimento extremamente importante para a produtividade e saúde. A água deve

Leia mais

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1.

Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Níveis de lisina digestível em rações para poedeiras semi-pesadas no período de 28 a 44 semanas e seus efeitos sobre o desempenho 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Eduardo Terra NOGUEIRA

Leia mais

ADIÇÃO DE ÁCIDO FUMÁRICO EM RAÇÕES DE SUÍNOS E SEUS EFEITOS NAS FASES INICIAL E CRESCIMENTO/ TERMINAÇÃO. 1

ADIÇÃO DE ÁCIDO FUMÁRICO EM RAÇÕES DE SUÍNOS E SEUS EFEITOS NAS FASES INICIAL E CRESCIMENTO/ TERMINAÇÃO. 1 ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 18, nº 1, 70-77, 2002. ISSN 0102-6380 ADIÇÃO DE ÁCIDO FUMÁRICO EM RAÇÕES DE SUÍNOS E SEUS EFEITOS NAS FASES INICIAL E CRESCIMENTO/ TERMINAÇÃO. 1 (FUMARIC ACID IN

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS

VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS ANAIS VALIDAÇÃO DE UMA EQUAÇÃO PARA PREDIÇÃO DO VALOR ENERGÉTICO DO MILHO COM DIFERENTES GRAUS DE MOAGEM E MÉTODOS DE FORMULAÇÃO DAS DIETAS TM BERTOL 1 *, JV LUDKE 1, DL ZANOTTO 1, A COLDEBELLA 1 1 Embrapa

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 30

RELATÓRIO DE PESQUISA - 30 RELATÓRIO DE PESQUISA - 30 RELAÇÃO TREONINA:LISINA PARA ÓTIMO DESEMPENHO DE SUÍNOS EM FINAL DA TERMINAÇÃO Introdução Baker (1997) e Cadogan et al. (1998) relataram que a relação ótima Thr:Lys para suínos

Leia mais

Unipampa - Campus Dom Pedrito Disciplina de Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2017/2

Unipampa - Campus Dom Pedrito Disciplina de Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2017/2 Unipampa - Campus Dom Pedrito Disciplina de Suinocultura II Profa. Lilian Kratz Semestre 2017/2 Desenvolvimento pós-natal dos suínos Eficiência alimentar do suíno é inversamente proporcional ao seu peso

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GANHO DO PESO E DA CONVERSÃO ALIMENTAR DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE SUPLEMENTADOS COM LEITE FERMENTADO¹

AVALIAÇÃO DE GANHO DO PESO E DA CONVERSÃO ALIMENTAR DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE SUPLEMENTADOS COM LEITE FERMENTADO¹ 172 AVALIAÇÃO DE GANHO DO PESO E DA CONVERSÃO ALIMENTAR DE LEITÕES NA FASE DE CRECHE SUPLEMENTADOS COM LEITE FERMENTADO¹ Helvécio da Silva Araújo Neto², Luís Henrique Gouvêa Saraiva³, Jane Paiva de Moura³,

Leia mais

Métodos in vivo para determinar disponibilidade e digestibilidade. Luciano Hauschild

Métodos in vivo para determinar disponibilidade e digestibilidade. Luciano Hauschild Métodos in vivo para determinar disponibilidade e digestibilidade Luciano Hauschild Plano Apresentação: Conceitos gerais odisponibilidade (Disp) e biodisponibilidade (Biod) o Relação composição alimentos

Leia mais

Comunicado Técnico. Foto: Paulo Kurtz

Comunicado Técnico. Foto: Paulo Kurtz Comunicado Técnico 458 ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Novembro, 2007 Concórdia, SC Foto: Nilson Woloszyn Foto: Paulo Kurtz Utilização do Grão de Ervilha Forrageira na Alimentação de Leitões na Fase de

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44

RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 RELATÓRIO DE PESQUISA - 44 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigência de Metionina mais Cistina Digestíveis para Suínos Machos Castrados dos 60 aos 95 kg Introdução A sucessiva seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA/PDIZ

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA/PDIZ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA/PDIZ Disciplina: Manejo Nutricional dos Não-Ruminantes (D) Professora: Maria do

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre

Leia mais

IMPORTANTES ASPECTOS FISIOLOGICOS A SEREM CONSIDERADOS NA NUTRIÇÃO DE LEITÕES DESMAMADO

IMPORTANTES ASPECTOS FISIOLOGICOS A SEREM CONSIDERADOS NA NUTRIÇÃO DE LEITÕES DESMAMADO IMPORTANTES ASPECTOS FISIOLOGICOS A SEREM CONSIDERADOS NA NUTRIÇÃO Reginaldo Gianotto Coordenador Técnico Comercial - Suínos Fone + 55 19 2101 5000 Fax + 55 19 2101 5001 Cel + 55 19 8175 1194 rgianotto@nutron.com.br

Leia mais

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Desempenho de leitões em fase de creche alimentados com soro de leite.

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42

RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 2005 RELATÓRIO DE PESQUISA - 42 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Exigências de Lisina Digestível de Suínos Machos Castrados de Alto Potencial Genético dos 95 aos125 kg Introdução O peso ao abate

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 01/04/2016. Resíduos de origem animal. Produção Animal vs Impacto Ambiental. Dejetos. Problemas. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Jaboticabal Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Resíduos Dejetos Msc. Fabrício Faleiros de

Leia mais

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático

Resumo: Objetivou-se com o presente estudo avaliar a associação da fitase com um complexo enzimático Resumo Expandido Título da Pesquisa: Suplementação de carboidrases e fitase em ditas para poedeiras semi-pesadas e seus efeitos sobre o desempenho Palavras-chave: enzimas; monogástricos; disponibilização

Leia mais

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho

Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Suplementação de carboidrases e fitase em dietas para poedeiras semipesadas e seus efeitos sobre o desempenho Karina Aurora Rodrigues GOMES 1, Adriano GERALDO 2, Sérgio Domingos SIMÃO³, Filipe Soares NOGUEIRA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35

RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 RELATÓRIO DE PESQUISA - 35 2003 NÍVEL DE LISINA NAS RAÇÕES DE FRANGOS DE CORTE: Experimento 1 22 a 42 dias de idade Experimento 2 36 a 49 dias de idade Introdução O nível de lisina das rações de frangos

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Desempenho de machos de aptidão leiteira alimentados com dietas contendo grão de milho inteiro ou moído com ou sem inclusão de farelo do mesocarpo de babaçu Odimar de Sousa Feitosa 1 ; João Restle 2 1

Leia mais

Milheto na alimentação de poedeiras. Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações.

Milheto na alimentação de poedeiras. Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações. Grão alternativo Milheto pode substituir o milho em até 100% na ração Milheto na alimentação de poedeiras Trabalho avalia efeitos da suplementação do grão alternativo como fonte energética nas rações Autores:

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM QUIRERA DE ARROZ MANZKE, Naiana Enhardt¹; BRUM JR, Berilo de Souza²; VALENTE, Beatriz Simões³; HENRICH, Leomar¹; SCHEUERMANN, Bruna¹; PALUDO, Bianca¹; PITONI,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE

SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE SUPLEMENTO PROTEICO ENERGÉTICO PARA OVINOS CONSUMINDO FORRAGEM DE BAIXA QUALIDADE: DIGESTIBILIDADE Marya Karollyne Tondato MARTINS* 1, Janaína Januário da SILVA 2, Daniel Marino Guedes de CARVALHO 2, Josiani

Leia mais

Nutrição de leitões de creche: uma fase de investimento

Nutrição de leitões de creche: uma fase de investimento Nutrição de leitões de creche: uma fase de investimento Autor: Marcos Tsé A ração, nas diferentes fases de crescimento do suíno, pode conter inúmeros ingredientes, que permitem aos nutricionistas manipular

Leia mais

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc

Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Exigências nutricionais e manejo de alimentação dos animais Genetiporc Sumário INTRODUÇÃO...........................................................................................................................04

Leia mais

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS)

Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University. Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Mike Tokach and Márcio Gonçalves Kansas State University Agradecimento especial: Carine Vier (UFRGS) Influência da nutrição e produção na qualidade da carcaça Definindo a qualidade de carcaça Teor de carne

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO

DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG DESEMPENHO DE SUÍNOS MACHOS CASTRADOS E FÊMEAS DURANTE A FASE DE CRESCIMENTO

Leia mais

Redalyc. Lovatto, Paulo Alberto; Weschenfelder, Volnei Antônio; Rigon Rossi, Carlos Augusto; Lehnen, Cheila Roberta; Andretta, Ines

Redalyc. Lovatto, Paulo Alberto; Weschenfelder, Volnei Antônio; Rigon Rossi, Carlos Augusto; Lehnen, Cheila Roberta; Andretta, Ines Redalyc Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Lovatto, Paulo Alberto; Weschenfelder, Volnei Antônio; Rigon Rossi, Carlos Augusto;

Leia mais

EFEITO DA INCLUSÃO DO BAGAÇO DE UVA SOBRE O DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO

EFEITO DA INCLUSÃO DO BAGAÇO DE UVA SOBRE O DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO ANAIS - 216 - EFEITO DA INCLUSÃO DO BAGAÇO DE UVA SOBRE O DESEMPENHO E CARACTERÍSTICAS DE CARCAÇA DE SUÍNOS EM TERMINAÇÃO BC SILVEIRA-ALMEIDA 1 *; TM BERTOL 2 ; MCMM LUDKE 1 ; JV LUDKE 1 ; A COLDEBELLA

Leia mais

Journal of Animal Science Fator de Impacto: Pelotas, 08 de dezembro de 2009.

Journal of Animal Science Fator de Impacto: Pelotas, 08 de dezembro de 2009. EFEITO DO TRATAMENTO A LONGO E A CURTO PRAZO COM SOMATOTROPINA DURANTE A GESTAÇÃO EM SUÍNOS SOBRE O PESO DA PROGÊNIE Journal of Animal Science Fator de Impacto: 2.102 Pelotas, 08 de dezembro de 2009. INTRODUÇÃO

Leia mais

Utilização das folhas da ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata Mill) na dieta de leitões na fase de creche

Utilização das folhas da ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata Mill) na dieta de leitões na fase de creche Utilização das folhas da ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata Mill) na dieta de leitões na fase de creche Guilherme Salviano AVELAR¹, Silvana Lúcia dos Santos MEDEIROS², Lucas Marques Silva COSTA³, Wesley

Leia mais

CreAMINO. Suplementação de CreAMINO (ácido guanidinoacético) em dietas gestação e lactação. Relatório Suínos Número 1

CreAMINO. Suplementação de CreAMINO (ácido guanidinoacético) em dietas gestação e lactação. Relatório Suínos Número 1 Relatório Suínos Número 1 CreAMINO Suplementação de CreAMINO (ácido guanidinoacético) em dietas gestação e lactação. Conclusões As conclusões deste experimento de campo são baseadas em resultados, incluindo

Leia mais

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE

DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE DIFERENTES NÍVEIS DE SUBSTITUIÇÃO DO MILHO POR TORTA DE COCO BABAÇU EM RAÇÕES DE FRANGOS LABEL ROUGE DE 1 A 28 DIAS DE IDADE Rayleiane Cunha Lima¹; Rubens Fausto da Silva² ¹ Aluna do curso de zootecnia

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Marcia Helena M. R. Fernandes Jalme de S. Fernandes Junior

FORMULAÇÃO DE RAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE. Marcia Helena M. R. Fernandes Jalme de S. Fernandes Junior FORMULAÇÃO DE RAÇÃO PARA BOVINOS DE CORTE Marcia Helena M. R. Fernandes Jalme de S. Fernandes Junior Balanceamento de Dietas Alimentos Nutrientes Energia Programação Segundafeira 10 12 h Introdução Caracterizaçã

Leia mais

ADIÇÃO DE CAPSICUM SPP (PIMENTA) SOBRE O CONSUMO DE NUTRIENTES NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS

ADIÇÃO DE CAPSICUM SPP (PIMENTA) SOBRE O CONSUMO DE NUTRIENTES NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS ADIÇÃO DE CAPSICUM SPP (PIMENTA) SOBRE O CONSUMO DE NUTRIENTES NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS Cristina Aparecida MARQUES*, Luiz Juliano Valério GERON, Suellem Fernanda Perosa ZANIN 2, Ilda de Souza SANTOS, Vinicius

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS

SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS SUPLEMENTAÇÃO COM PÓLEN APÍCOLA E DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS JAPONESAS Early Theodoro Alves de ARGYRI 1, Maria Cristina de OLIVEIRA* 1, Bruno Nunes GONÇALVES 1, Rodolfo Gomes de SOUZA 2 *autor para

Leia mais

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³.

Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz Carlos MACHADO 4 ; Tiago Antonio SANTOS³. Inclusão de enzimas em rações de poedeiras semipesadas para diminuição dos custos de produção e seus efeitos sobre o desempenho. Sérgio Domingos SIMÃO¹; Adriano GERALDO²; Angélica Santana CAMARGOS³; Luiz

Leia mais

Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas

Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas Modelagem do desempenho de diferentes categorias ovinas Rafael dos Reis Paulo¹; Elizete Maria Possamai Ribeiro²; (1) Acadêmico do Curso de Licenciatura em Matemática, Segunda Fase, Instituto Federal Catarinense

Leia mais

DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA. DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus).

DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA. DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus). DEJETOS DE SUÍNOS COMO FONTE PROTÉICA ALTERNATIVA PARA ALEVINOS DE PIAUÇU (Leporinus p macrocephalus). ) LUCIENE DE MORAES GARCIA LUCIENE DE MORAES GARCIA MSc em Ciência Ambiental / UFF lmoraesgarcia@yahoo.com.br

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos.

Universidade Estadual de Ponta Grossa / Departamento de Zootecnia / Castro-PR. Palavras chaves: Avicultura, Lactobacillus sp, probióticos. BIOMETRIA E ph DO TRATO DIGESTÓRIO DE FRANGOS DE CORTE SOB DESAFIO DE CAMA REUTILIZADA E ALTA DENSIDADE Liliane Heuert (PROVIC/UEPG), Bruno Machado, Kátia Nagano, Shivelly Galetto, Bruna Fittkau, Felipe

Leia mais

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL

EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO INDEPENDENTE DE SÓDIO E CLORO NA DIETA DE SUÍNOS NA FASE INICIAL J.F.M. MENTEN; Prof. Doutor do Dep. de Zootecnia da ESALQ/USP, Caixa Postal, 9 - CEP: 13418-900-Piracicaba,SP.

Leia mais

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche.

Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase de creche. VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, VII Jornada Científica ou I Mostra de Extensão, 21 a 23 de outubro de 2014. Qualidade do soro de leite integral na alimentação de suínos em fase

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE

EFEITO DE DIFERENTES NÍVEIS DE BALANÇO ELETROLÍTICO E PROTEÍNA SOBRE AS AMINOTRANSFERASES HEPÁTICAS EM FRANGOS DE CORTE AOS SETE DIAS DE IDADE MINAFRA, CIBELE S.; LOPES JÚNIOR, CARLOS O.; VIU, MARCO ANTONIO DE O.; MORAES, GEORGE H. K.; REZENDE, CÍNTIA S. M.; CYSNEIROS, CRISTINE DOS S. S.; FERRAZ, HENRIQUE T.; LOPES, DYOMAR T. Efeito de diferentes

Leia mais

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O.

Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA 1 ; Marcos L. DIAS 1 ; Gustavo F. RODRIGUES 1 ; Letícia G. M. AMARAL 2 ; Níkolas O. VIABILIDADE ECONÔMICA DO USO DE RACTOPAMINA EM RAÇÕES PARA SUÍNOS EM TERMINAÇÃO DE DIFERENTES POTENCIAIS GENÉTICOS PARA GANHO DE PESO OU SÍNTESE DE CARNE MAGRA Helena M. F. da SILVA 1 ; Fábio R. ALMEIDA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37

RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 RELATÓRIO DE PESQUISA - 37 2003 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA DIETA PARA POEDEIRAS COMERCIAIS Introdução As dietas para poedeiras ainda são formuladas baseando-se

Leia mais

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012

Controle de Qualidade em Fábrica de Rações. Luciano Hauschild Maio 2012 Controle de Qualidade em Fábrica de Rações Luciano Hauschild Maio 2012 Formulação Elaborar a ração Qualidade nutricional Qualidade física Qualidade microbiológica PRODUTOS Calcario Fosfato Farelos Aminoácidos

Leia mais

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS

USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS USO DE MICROALGA NA ALIMENTAÇÃO DE CODORNAS JAPONESAS MELHORA A QUALIDADE DOS OVOS Jéssica Daliane DILKIN 1, Marindia A. KOLM 1, Maurício BARRETA 1, Fernando TAVERNARI 2, Aline ZAMPAR 1, Aleksandro S.

Leia mais

Alimentação do Frango Colonial

Alimentação do Frango Colonial Alimentação do Frango Colonial Alimentação Para os sistemas mais rudimentares e em pequena escala recomenda-se adquirir a ração de fornecedor idôneo, de preferência certificado para Boas Práticas de Fabricação-BPF.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=465>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=465>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Farelo de girassol na alimentação de aves e suínos Rodrigo Dias Coloni Mestrando da

Leia mais

ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA CRIAÇÃO DE SUÍNOS NA FASE DE CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO

ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA CRIAÇÃO DE SUÍNOS NA FASE DE CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO ALIMENTOS ALTERNATIVOS PARA CRIAÇÃO DE SUÍNOS NA FASE DE CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO Eduardo Henrique Oliveira LIMA¹;Cássia Maria Silva NORONHA²;Itallo Fernandes TEODORO¹. 1 Estudantes do Curso Técnico em

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliações de parâmetros hematológicos e bioquímicos do sangue de frango de corte na fase de 22 a 42 dias alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Ariane de Sousa Rodrigues 1

Leia mais

MAIORKA, A.; SANTIN, A.M.E.; BORGES, S.A.; OPALINSKI, M.; SILVA, A.V.F.

MAIORKA, A.; SANTIN, A.M.E.; BORGES, S.A.; OPALINSKI, M.; SILVA, A.V.F. Archives of Veterinary Science v. 9, n., p. 3-37, 2004 Printed in Brazil ISSN: 57-784X EMPREGO DE UMA MISTURA DE ÁCIDOS FUMÁRICO, LÁTICO, CÍTRICO E ASCORBICO EM DIETAS INICIAIS DE FRANGOS DE CORTE. (Evaluation

Leia mais

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE

EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE EFEITO DO BALANÇO ELETROLÍTICO TOTAL (BET) EM DIETAS DE FRANGOS DE CORTE DOS 21 AOS 27 DIAS DE IDADE Sinthia Pereira SIQUEIRA* 1, Wagner Azis Garcia de ARAÚJO 1, Dielly Inez de Oliveira LACERDA 2, Bruna

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Substituição de promotores de crescimento a base de antibióticos por extrato etanólico de própolis em dietas para frangos de corte na fase de 1 a 42 dias de idade Wesley Caetano VIEIRA 1 ; Adriano GERALDO

Leia mais

Dietas Iniciais de Leitões: Visão Prática da Indústria. Leandro Hackenhaar Gerente P&D

Dietas Iniciais de Leitões: Visão Prática da Indústria. Leandro Hackenhaar Gerente P&D Dietas Iniciais de Leitões: Visão Prática da Indústria Leandro Hackenhaar Gerente P&D Campinas, 01/06/2011 Desafio I Prolificidade Número Total de Nascidos (EBV) Número de Nascidos p/ Leitegada 0.6 Tendência

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM ORÉGANO ENTRE 7 A 28 DIAS DE IDADE Flávia Silveira VASCONCELOS* 1, Rivia Maria Prates de SOUZA¹, Maysa Eduarda COSTA ¹, Alexandre Vinhas de SOUZA¹, Marcos

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33

RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 RELATÓRIO DE PESQUISA - 33 USO DE TREONINA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE DESEMPENHO E CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 3 Introdução Nos relatórios anteriores (RP 31 e RP 32), relatamos

Leia mais

Crescilin (suplemento de penicilina G procaína cristalina) na alimentação de leitões. A. P. TRIVELIN E. S. A. "Luiz de Queiroz"

Crescilin (suplemento de penicilina G procaína cristalina) na alimentação de leitões. A. P. TRIVELIN E. S. A. Luiz de Queiroz Crescilin (suplemento de penicilina G procaína cristalina) na alimentação de leitões A. P. TRIVELIN E. S. A. "Luiz de Queiroz" 1 INTRODUÇÃO O emprego de antibióticos na alimentação dos suínos tem permitido

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA PRODUÇÃO DE LEITE EM SISTEMAS PASTORIS Fatores que determinam o sistema de produção de leite Terra área/limitações Capital investimento/tecnologia Mão de obra capacitação/tecnologia

Leia mais

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios:

Vantagens e Benefícios: Vantagens e Benefícios: Proteinados Independente da época do ano, a suplementação proteica tem se mostrado uma excelente ferramenta para aumentar o ganho de peso dos animais. O fornecimento do Proteinado agpastto melhora o padrão

Leia mais

2,38 b/cab. Nas condições de hoje para atender a demanda necessita de aumento em 710 milhões de cabeças no rebanho. 1,68 b/cab 2050.

2,38 b/cab. Nas condições de hoje para atender a demanda necessita de aumento em 710 milhões de cabeças no rebanho. 1,68 b/cab 2050. Nas condições de hoje para atender a demanda necessita de aumento em 710 milhões de cabeças no rebanho 2,38 b/cab 1,68 b/cab 2050 2015 13,1 b ton 18,7 b ton Também será necessário aumento no consumo de

Leia mais

Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte

Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte Eficiência da utilização de enzimas em rações peletizadas para frangos de corte Viviane Murer Fruchi¹, Isabelle Bossolani Fernandez² e Ricardo de Albuquerque³ ¹Mestranda em Nutrição e Produção Animal,

Leia mais

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça

Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características de carcaça Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Níveis de vitamina E em dietas para suínos dos 85 aos 120 kg suplementadas com ractopamina no desempenho e nas características

Leia mais

Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação

Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação Inclusão de ractopamina na dieta de suíno na fase de terminação Lucas Marques Silva COSTA¹; Silvana Lucia Medeiros dos SANTOS²;Guilherme Salviano AVELAR³;Wesley Caetano VIEIRA³; Rômulo Candido Aguiar FERREIRA;

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36

RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 RELATÓRIO DE PESQUISA - 36 2003 EFEITO DA RELAÇÃO VALINA:LISINA DURANTE A LACTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DE MATRIZ E LEITÕES Introdução Pesquisas na Kansas State University realizadas por Richert et al (1996)

Leia mais

Apresentadores e Orientação

Apresentadores e Orientação Apresentadores e Orientação Laura Valadão Vieira Graduanda em Medicina Veterinária Jéssica Garcia Graduanda em Zootecnia Joana Piagetti Noschang Zootecnista Artigo FI: 1.218 Efeito de Enzimas Fibroliticas

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32

RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 RELATÓRIO DE PESQUISA - 32 USO DE TREONINA NA DIETA PARA DIMINUIR A PROTEÍNA BRUTA E SEU EFEITO SOBRE O DESEMPENHO E RENDIMENTO DE CARCAÇA DE FRANGOS DE CORTE ESTUDO 2 Introdução Objetivo No relatório

Leia mais

Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos

Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos Vinhaça como aditivo na alimentação de suínos Estefânia Ferreira Dias¹, Silvana Lúcia dos Santos Medeiros², Sandra Regina Faria³, Maria Eduarda Medeiros Oliveira Cunha 4 ¹ Graduanda em Zootecnia pelo IFMG

Leia mais

Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael de Sousa Carneiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2

Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael de Sousa Carneiro 1 ; Glauco Mora Ribeiro 2 Produção e qualidade do leite de vacas em pastejo, recebendo milheto (Pennisetum americanum) em substituição parcial e total ao grão de milho no concentrado Nome dos autores: Rafael de Sousa Carneiro Rafael

Leia mais