Sociologia - Resolução das atividades Caderno 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sociologia - Resolução das atividades Caderno 3"

Transcrição

1 Sociologia - Resolução das atividades Caderno 3 TEMA 1 1. Qual a importância das categorias Sagrado e Profano na definição de uma religião? Através destas categorias, podem-se compreender os elementos básicos que constituem a distinção entre o que é considerado parte da realidade sobrenatural (sagrado) e o que é considerado parte da realidade mundana (profano). 2. Apresente a concepção de Karl Marx sobre a relação entre estrutura e superestrutura na análise sobre o pensamento religioso. O mundo religioso é reflexo do mundo material. Desta forma, cada religião é produto de determinada sociedade humana. As transformações religiosas estão relacionadas com as transformações do mundo material. 3. Qual a importância social da religião para Émile Durkheim? A experiência religiosa desencadeia forças morais, reforçando a sensação de coletividade e aproximando os indivíduos, tornando-os mais íntimos. 4. Relacione, a partir do pensamento de Max Weber, Igreja e Seita, os tipos de profissionais religiosos e os três tipos de dominação. A Igreja utiliza-se tanto da dominação tradicional quanto da dominação legal. Estes dois tipos de dominação estão relacionados, respectivamente, ao feiticeiro e ao sacerdote. A Seita utiliza-se da dominação carismática, que é o tipo de dominação relacionada aos profetas. Atividade adicional 1. Analise a importância social das penas para os infratores nas sociedades pré-letradas e a concepção de religião para Durkheim. As penas exercem um fator de manutenção dos costumes vigentes de determinada organização social e, desta forma, elas manteriam a coesão social dos indivíduos da sociedade. 2. O pensamento utilizado pela tribo é um pensamento mágico ou religioso? Justifique sua resposta. Têm-se mostras de que se constitui um pensamento mágico. Pode-se notar que as sanções penais são realizadas como intuito de purificar a tribo, ou seja, como forma de resolver um problema prático de forma pragmática. Além disso, pode-se notar a falta de uma ética universal, ao aceitar que estrangeiros possam ser vítimas de feitiçaria ou magia negra.

2 TEMA 2 1. Qual transformação social foi estudada por Auguste Comte? Comte estudou o desaparecimento da sociedade organizada teologicamente e militarmente e sua substituição, pela sociedade científica e industrial. 2. Explique a lei dos três estados. Segundo Auguste Comte, o conhecimento humano passa por três estados históricos de evolução: Estado teológico: pela incapacidade de compreender a realidade a imaginação preenche as análises com divindades, espíritos e fantasmas; Estado metafísico: este estado substitui a força sobrenatural pela força da natureza; Estado positivo: elimina a imaginação e institui a observação científica dos fenômenos. 3. Quais as definições de positivo propostas por Comte? Comte definia positivo como: Real, em oposição a quimérico; Útil, em contraste a ocioso; Certeza, em oposição à indecisão; Preciso, como oposto a vago; Positivo, como contrário a negativo; Relativo, em contraste a absoluto. 4. Discorra sobre a importância do positivismo para a história do Brasil. As doutrinas de Comte influenciaram uma série de acadêmicos e liberais que fundaram a Religião da Humanidade no Brasil. Até mesmo a bandeira do Brasil carrega o desejo de Comte por Ordem e Progresso. 5. Qual a visão de Comte sobre os movimentos revolucionários? Era contrário a eles, pois Comte os considerava difusores da desordem e da anarquia social. Atividade adicional 1. Comte apresenta, neste texto, uma ciência que apresentaria um caráter prático. Que ciência é esta e qual a sua praticidade? Comte apresenta, neste texto, a ciência social como a única capaz de regenerar a Europa Ocidental e criará uma nova autoridade moral. 2. O texto apresenta indícios da utilização da ciência para a realização de um objetivo. Quem deverá realizar este objetivo?

3 Os movimentos intelectuais e de comoção social realizarão o objetivo de regenerar a sociedade industrial. 3. Releia o trecho sua conexidade necessária com o conjunto da grande revolução de que ela dirigirá o término orgânico e responda: a) A que o texto se refere como tendo uma conexidade? A conexidade denota a ligação entre o positivismo e a regeneração social. b) Qual é a grande revolução apresentada no trecho? É a implementação dos ideais positivistas na sociedade. c) Indique o que é o término orgânico ao qual o autor se refere. É a realização do último estado de evolução social: o estabelecimento da sociedade positivista. TEMA 3 1. Qual o conceito central da teoria de Karl Marx? O trabalho é o conceito central na teoria de Karl Marx, pois é a partir deste que o homem diferencia-se do animal produzindo e reproduzindo a sociedade. 2. Explique a relação entre modo de produção e a organização da sociedade. O modo de produção predominante na sociedade determina as formas como se desenvolvem as relações sociais indivíduos e classes sociais. 3. O que é trabalho alienado? Trabalho alienado é o trabalho que não apresenta significado para o trabalhador, pois o resultado de seu trabalho não lhe pertence, servindo apenas como fonte de renda. 4. Qual classe social, para Marx, é a única revolucionária? A classe operária, pois é a única que não explora outra classe. 5. Comente a utilização do termo marxismos para explicar as influências do pensamento marxista. Por Karl Marx não ser um acadêmico, ele não se preocupou em explicitar sua metodologia. A tentativa de definir um método marxista ocorreu após a morte de Marx e apresentou uma miríade de interpretações que muitas vezes se contradiziam. Desta forma, criaram-se vários marxismos. adicionais

4 1. Neste texto Marx apresenta uma transformação do trabalho que resultará em uma mudança no modo de produção, alterando as relações sociais. Quais os dois modos de produção explicitados no texto? Marx apresenta a transformação do modo de produção feudal em modo de produção capitalista. 2. Evidencie no texto a apropriação do trabalho pela classe não-trabalhadora. O texto descreve o momento em que o capitalista compre o produto do trabalho dos fiandeiros e tecelões para revender. Neste momento os fiandeiros passam a depender da venda de sua força de trabalho para o capitalista em troca de dinheiro. 3. Diferencie o artesanato urbano voltado à subsistência e à produção capitalista. Artesanato urbano voltado para a subsistência: o objetivo principal da produção é a subsistência do homem como artesão, como um mestre-artesão e, consequentemente, o valor de uso. O trabalho segue uma lógica definida pelo artesão. Artesanato urbano voltado à produção capitalista: visa produzir valores de troca e a trocar toda a produção por dinheiro para prosseguir vivendo. O trabalho segue uma lógica que não é mais definida pelo artesão. TEMA 4 1. Diferencie os dois tipos de solidariedade elaborados por Émile Durkheim. Solidariedade mecânica: ocorre quando não há grande diferenciação entre os indivíduos de uma coletividade e estes realizam funções similares dentro da sociedade, sendo, portanto, intercambiáveis. Ocorre um consenso por semelhança. Solidariedade orgânica: quando há grande diferenciação entre os indivíduos e suas funções sociais, cada elemento social passa a ser interdependente, gerando o consenso por diferença. 2. O que é fato social? Consiste em maneiras de agir, pensar e de sentir, exteriores ao indivíduo, e que são dotadas de um poder de coerção em virtude do qual esses fatos se impõem a ele. 3. Qual é a diferença entre um fenômeno normal e um fenômeno mórbido ou patológico para Durkheim? Um fato social é normal para um tipo social determinado, considerado numa fase determinada de seu desenvolvimento, quando ele se produz na média das sociedades dessa espécie, considerado na fase correspondente de sua evolução. Um fato social é mórbido quando é um fenômeno social excepcional, que ocorre entre a minoria da população e não tende a se generalizar. 4. Quais os tipos de suicídio apontados por Émile Durkheim?

5 Suicídio egoísta: quando há excesso de individualidade e falta de coletividade. Suicídio altruísta: quando há excesso de coletividade e falta de individualidade. Suicídio anômico: quando há o enfraquecimento ou a ausência das normas sociais. O indivíduo perde suas referências sociais e morais. Suicídio fatalista: quando há regulação ou normatização excessiva da vida social e deixa pouco espaço para o indivíduo agir. Atividade adicional 1. Qual a crítica de Durkheim à análise histórica das sociedades? O historiador analisa cada sociedade de forma isolada, sem comparar as diversas civilizações. 2. Qual a crítica de Durkheim à análise filosófica das sociedades? O filósofo não analisa as características individuais de cada sociedade, trabalhando com generalizações que não correspondem, necessariamente, à realidade. 3. Qual a proposta de Durkheim para a superação pela sociologia para a superação das limitações das análises sociais de historiadores e filósofos? Diurkheim apresenta a ideia de espécies sociais como intermediários para abranger as visões que analisam as diferenças entre cada civilização e a compreensão da humanidade enquanto um todo uno. TEMA 5 1. O que é tipo ideal? Pela incapacidade em compreender todos os aspectos da realidade, o pesquisador deve selecionar aquelas características que são fundamentais para a compreensão de um fenômeno. Desta forma o tipo ideal não é um reflexo do real, mas sim um modelo simplificado que visa ajudar a compreender o objeto analisado. 2. Quais os tipos de ação social descritos por Weber? Ação racional com relação a fins. Ação racional com relação a valores. Ação afetiva. Ação tradicional. 3. Quais as características de uma burocracia?

6 A organização social burocrática deve possuir algumas características, tais como: 1) Há uma hierarquia definida de comando e autoridade; 2) As regras que regem a conduta de todos os funcionários devem ser escritas; 3) Os funcionários trabalham em tempo integral e são assalariados, afastando, assim, voluntários; 4) Institui-se um afastamento entre a vida profissional de um funcionário e de suas tarefas dentro da organização e a vida pessoal deste; 5) Nenhum funcionário, independente de sua posição na hierarquia da organização, possui qualquer recurso material utilizado no trabalho. 4. Diferencie poder e dominação Poder: é a probabilidade de afirmar a própria vontade numa relação social, mesmo que o outro apresente alguma resistência Dominação: é a possibilidade de impor ao comportamento de terceiros a vontade própria. 5. Quais os tipos puros de dominação? Dominação legal: embasada na crença na legalidade da ordem instituída e que todos seguem. Dominação tradicional: enraizada nos costumes santificados pela validez imemorial e pelo hábito dos homens de respeitá-la. Dominação carismática: fundada na habilidade pessoal, o dominador carismático apresenta-se como um líder inato. Por suas características peculiares, não está preso a nenhuma tradição ou lei, corroborando, inclusive, com a possibilidade de transformação social, visto que muitas vezes pode confrontar-se com um dominador de outra natureza. adicionais 1. Max Weber, neste texto, apresenta uma situação em que um tipo de dominação pode obstruir o desenvolvimento do racionalismo econômico capitalista. Qual o tipo de dominação é este? Qual sociedade é utilizada nesta análise de Weber? A dominação que pode obstruir o desenvolvimento do racionalismo econômico capitalista é a dominação tradicional. Para demonstrar este raciocínio, Weber cita a China como um exemplo de sociedade de sua época que não desenvolvia a lógica capitalista por causa de seu tradicionalismo. 2. Com base no texto, descreva a importância do desencantamento do mundo para: a) O desenvolvimento do capitalismo no Ocidente. Com o desencantamento do mundo, o Ocidente permitiu mudança na condução da vida, tornando-a racional e estimulando o desenvolvimento de uma ética capitalista. b) A manutenção de crenças religiosas na China. Por não ocorrer um desencantamento do mundo, a China apresentou uma manutenção de suas crenças por acreditar que qualquer mudança social poderia trazer desvantagens mágicas. 3. Pesquise sobre os conquistadores Hernán Cortez e Francisco Pizarro e defina, a partir da tipologia de ação social de Weber, que tipo de ação eles realizaram na conquista do México e do Peru.

7 O aluno deve empreender a pesquisa e compreender que as ações de ambos foram racionais com relação a fins, visto que visavam objetivos econômicos. TEMA 6 1. O que é estratificação social? É a separação, objetiva ou subjetiva, da sociedade em diferentes estratos sociais, distinguindo graus de riqueza, prestígio, poder político, acesso à educação, etc. 2. Quais os principais tipos de estratificação social? Escravidão, estados, castas e classes sociais. 3. Explique qual é o elemento fundamental para a estratificação social em Karl Marx. A posição social do indivíduo é definida pela sua posição na produção social, que pode ser proprietário dos meios de produção ou não proprietário. 4. Quais os elementos para a estratificação social no pensamento de Max Weber? Classe: relacionado à economia. Status: relacionado ao prestígio social. Partido: relacionado à política. Atividade adicional 1. Com base no texto, é correto afirmar que os autores acreditam que há uma estratificação social objetiva ou eles criaram um de estratificação como forma de compreender fragmentos do real? O modelo de estratificação social proposto pelos autores serve como forma de compreender fragmentos do real, como apontado pelos próprios: Como construir medidas corretas das variáveis estratificatórias, que por sua própria natureza, não são fenômenos que apresentam um caráter facilmente mensurável, de dimensões quantificáveis? Esses problemas, de certa forma, funcionam como limites que se impõem ao investigador. 2. A estratificação proposta acima utiliza apenas um elemento de análise da posição do indivíduo na estratificação social? Não. Conforme apresentado pelos autores, a explicitação das razões que levam os indivíduos a ocupar diferentes posições na estrutura da sociedade, exige a não fixação de um único critério de hierarquização social. TEMA 7

8 1. O que é mobilidade social? É a passagem de um indivíduo ou grupo, de um estrato social a outro, seja este superior ou inferior. 2. Diferencie mobilidade social ascendente, mobilidade social descendente e mobilidade social lateral. Mobilidade social ascendente: quando o indivíduo ou grupo social melhora sua posição na estratificação social e ganham benefícios. Mobilidade social descendente: quando o indivíduo ou grupo social piora sua posição na estratificação social e perdem benefícios. Mobilidade social lateral: quando o indivíduo ou grupo social mudam de bairro, cidade, região. 3. Defina: a) Mobilidade social intergeracional. É medida através do confronto da posição social do indivíduo com a posição que seu pai apresentava com a mesma idade. b) Mobilidade social intrageracional. É medida pelo confronto entre a posição na escala social do indivíduo no início de sua vida adulta com a posição na escala social do mesmo indivíduo no fim de sua vida adulta 4. Muitas correntes sociológicas relacionam a mobilidade social à industrialização. Explique esta relação. Nas sociedades tradicionais a mobilidade social era um fenômeno raro. A industrialização obrigou a reorganização social. Além disso, as revoluções burguesas lutaram para a criação de leis que exigiam igualdade entre os homens. 5. Apresente, segundo o pensamento de Pierre Bourdieu os motivos que o levam a crer que as oportunidades de mobilidade social não são iguais para todos os membros de uma sociedade. Além da transmissão doméstica do capital cultural é relacionada à taxa de fecundidade. Famílias de baixa renda e com muitos filhos não têm condições de investir em educação de qualidade para seus filhos, diminuindo a possibilidade de mobilidade social. 6. Qual o fator, apontado no texto, para a maciça mobilidade social ocorrida no Brasil a partir de 1940? À forte industrialização brasileira pós 1940 seguiu-se intenso êxodo rural, que permitiu uma alta mobilidade social. Atividade adicional 1. Segundo o autor, qual a unidade a ser observada para o estudo de estratificação social e, consequentemente, na análise de mobilidade social? A unidade básica a ser estudada é a família. 2. Além da classe em que o indivíduo está inserido, qual o outro elemento que pode influenciar sua mobilidade social?

9 Outro elemento que pode influenciar a mobilidade social é o gênero. 3. Levando-se em conta que a estratificação social não está embasada em nenhuma lei, o autor apresenta um roteiro para identificar os estratos e a mobilidade social. Quais procedimentos metodológicos o autor utiliza? O autor apresenta sua metodologia, que consiste em: (1) delinear diferenças de gênero nas posições de classe, (2) verificar o efeito relativo das origens de classe e da diferença de gênero na determinação das chances de mobilidade social, e (3) verificar em que medida a análise dos padrões de mobilidade intergeracional de homens é suficiente para estudar a formação de classes da sociedade. TEMA 8 1. O que é mudança social? Mudança social é um fenômeno que resulta em alterações estruturais na sociedade, modificando o seu desenvolvimento normal 2. Levando-se em conta as mudanças sociais: a) Defina mudança social exógena. Mudança social exógena ocorre quando a mudança social localizada altera outros elementos, resultando em uma verdadeira transformação do sistema social. b) Defina mudança social endógena. A mudança social endógena está relacionada aos processos reprodutivos ou repetitivos, permitindo tanto a transformação do sistema social quanto a manutenção deste. 3. Qual o motivo para os desajustes entre cultura material e cultura não material para William Ogburn? Algumas mudanças sociais ocorreriam a partir da incapacidade da cultura não material em acompanhar as mudanças da cultura material. Este atraso cultura produziria desajustes entre a realidade material e os padrões sociais e culturais da civilização em questão. 4. Para Anthony Giddens, a modernidade apresenta uma característica central em sua organização. Qual é a característica proposta pelo autor? Segundo Anthony Giddens, a modernidade apresenta a violência e a guerra como suas características centrais. 5. Apresente a tipologia proposta por Anthony Giddens para a definição dos tipos de movimentos sociais existentes na modernidade. Os tipos de movimentos sociais, propostos por Anthony Giddens, que existem na modernidade são: O movimento operário apresenta uma resposta aos elementos classistas da sociedade capitalista. O movimento ecológico, que apresenta críticas ao processo de industrialização e seus efeitos sobre o meio ambiente. Movimentos democráticos visam a obtenção de direitos civis e uma maior participação dos cidadãos na sociedade democrática.

10 Os movimentos pacifistas pautam-se pela renúncia à violência e às respostas bélicas para os conflitos humanos. adicionais 1. O texto acima apresenta um grupo ligado à uma instituição social que identifica uma mudança social da qual não concorda. Identifique qual mudança social é condenada pelo grupo. As autoridades eclesiásticas são contrárias à valorização da figura do Papai Noel, o que pode ser observado na substituição de presépios por imagens do Papai Noel. 2. Identifica-se, no texto, dois grupos que apresentam posturas distintas em relação à celebração do Natal. Defina quais instituições cada um dos grupos está ligado e relacione-os com o conceito de secularização. Podemos identificar um grupo estritamente religioso: a autoridade eclesiástica católica e protestante, que são contrários ao uso do Papai Noel enquanto símbolo natalino. O outro grupo é formado por pessoas que querem ressuscitar Papai Noel, divergindo das autoridades eclesiásticas. Pode-se perceber que para o primeiro grupo, a data é sagrada (aula 33) e para o segundo grupo, a data é profana. Este segundo grupo apresenta traços de secularização, pois retira do Natal seu caráter especial e sobrenatural. TEMA 9 1. Defina o conceito de ambiente efetivo. A parte do nosso meio à qual reagimos e que nos influencia pode ser chamada de nosso ambiente efetivo. Distinta de todas as coisas e forças às quais nos temos possibilidade de reagir, ela consiste somente naquela parte do conjunto de fatores e de circunstâncias a que damos atenção, à qual somos sensíveis e que realmente nos influencia. 2. Qual a mudança social que influenciou decisivamente o desenvolvimento das cidades? A Revolução Neolítica transformou sociedades nômades em sociedades sedentárias e, como resultado, desenvolveu novas formas de organização social. O surgimento e o consequente desenvolvimento de sociedades sedentárias permitiram o nascimento das primeiras cidades 3. Qual a diferença econômica entre as cidades modernas e as cidades e vilas antigas e/ou medievais? A Revolução Industrial gerou desenvolvimento econômico que rompe com a simples reprodução da sociedade. O êxodo rural causou explosão populacional nas cidades e drástico aumento na desigualdade social. 4. Diferencie urbanização e urbanismo. Urbanização: é o processo de concentração de uma população em suas cidades.

11 Urbanismo: é a organização social do meio físico. 5. Explique a reforma urbanística realizada por Georges-Èugene Haussmann Georges-Èugene Haussmann abriu grandes avenidas, construiu a rede de esgotos e a ferrovia urbana, destruiu quarteirões inteiros e anexou várias regiões à área de Paris. Desta forma, facilitou a circulação e o embelezamento da cidade. 6. Quais os processos que, na opinião de Hollingshead, operam na organização de uma cidade Para Hollingshead os processos que operam na organização de uma cidade são: a) concentração, no qual há uma reunião em massa de seres humanos; b) invasão, quando um tipo de população ou função social diferente do tipo anterior introduz-se no grupo social; c) segregação, quando determinados tipos de população e atividades são separadas; d) centralização, que é a organização social em torno de um poder central; e) sucessão, no qual há um deslocamento dos antigos moradores e a substituição destes por novos moradores; f) descentralização, é o deslocamento de populações com menor poder competitivo para áreas periféricas; g) rotinização, é a constituição da vida cotidiana. 7. Quais as quatro funções fundamentais do urbanismo propostas por Le Corbusier? Le Corbusier propôs quatro funções fundamentais do urbanismo: a) habitar; b) trabalhar; c) cultivar o corpo e o espírito; d) circular. Atividade adicional 1. Explique os dois elementos usualmente utilizados pelo Censo brasileiro para a análise do crescimento urbano brasileiro. O Censo brasileiro considera a soma do crescimento vegetativo das áreas urbanas mais o número de migrantes provenientes de áreas rurais. 2. Qual a distinção apontada pela a autora entre os critérios demográficos utilizados pelo Censo brasileiro e pela ONU? O Censo brasileiro considera população urbana todos aqueles que moram nas cidades e nas vilas. A ONU considera como população urbana apenas aquelas cidades que possuem pelo menos habitantes. 3. Qual o elemento proposto pela autora e que não é utilizado pelo Censo brasileiro para a análise do crescimento urbano brasileiro? A autora propõe a análise do crescimento por criação de novas cidades.

12 TEMA Diferencie e dê exemplos de meios materiais tecnológicos e de meios imateriais tecnológicos. Meios materiais tecnológicos são os instrumentos e máquinas desenvolvidas pelo homem. Podemos observar o cronômetro, o telescópio, o acelerador de partícula, etc. Meios imateriais tecnológicos são as teorias, pesquisas e conhecimentos desenvolvidos pelo homem. Podemos observar a teoria da relatividade, a clonagem, a engenharia espacial, etc. 2. Identifique dois elementos que influenciam as descobertas tecnológicas. Um dos elementos que podem influenciar nas descobertas tecnológicas é o meio ambiente. Outro elemento é a utilização da lógica científica no uso de tecnologias. 3. Explique a importância dada por Karl Marx ao desenvolvimento tecnológico. O desenvolvimento de novas tecnologias transforma a sociedade e a relação do homem no trabalho. A tecnologia exige que o homem altere constantemente sua realidade. 4. Indique a crítica apresentada por Karl Marx em relação à tecnologia desenvolvida pela sociedade burguesa. Para Karl Marx o homem torna-se um apêndice da máquina, exercendo apenas a função de vigilância e manutenção da máquina. 5. Qual a importância da diferença tecnológica no pensamento de Lewis Morgan? As diferenças tecnológicas ajudam a diferenciar em qual estágio evolutivo se encontraria determinada sociedade. 6. Explique a diferença entre técnica e tecnologia no pensamento de Herbert Marcuse. Para Herbert Marcuse, a técnica é um elemento da tecnologia, imparcial. A tecnologia engloba a organização das relações sociais ao utilizar a técnica em questão, imprimindo sua própria lógica na sociedade. 7. Explique o que é tecnocracia. Ocorre quando um governo legitima suas ações a partir de conhecimentos técnico-científicos, retirando suas ações da esfera política. Atividade adicional 1. Segundo o autor, o novo paradigma tecnológico surgido na Califórnia, nos anos de 1970, foram influenciados pela época e pelo local. Explique como ocorreu esta influência.

13 O novo paradigma tecnológico (desenvolvimento da tecnologia computacional) foi influenciado pelos fatores sociais existentes na Califórnia na década de Segundo o autor, o financiamento militar, a cultura universitária americana e o espírito libertário dos movimentos da década de 1960 permitiram inovações que contrariavam o pensamento corporativo da época. 2. A China foi o país mais desenvolvido do mundo durante vários séculos. No entanto um fator prejudicou a continuidade desse desenvolvimento tecnológico. Explique que fator é este e como ele influenciou na estagnação tecnológica vivenciada pela China. O fator que prejudicou o desenvolvimento tecnológico chinês foi a tentativa de manter a estabilidade social. Segundo o autor, a burocracia chinesa tentou manter a paz e a ordem evitando o desenvolvimento de novas tecnologias que permitiriam transformações no status quo. TEMA O que é poder? Apesar da multiplicidade de definições sobre o conceito de poder, de forma geral pode-se considerá-lo como uma capacidade de agir socialmente. 2. Apresente justificativas que legitimem variados poderes. O poder pode ser legitimado pela tradição, razão, carisma, força, etc. 3. Na antiguidade houve pelo menos dois tipos de legitimação do poder do Estado. Explique-os. No Egito, o poder político era legitimado pelo poder religioso. Na democracia ateniense a retórica assumiu um papel importante para a legitimação do poder. 4. O texto acima apresenta o poder que elabora um discurso que o legitima, enquanto o poder religioso e o poder civil lidam com o discurso de outro poder que também visa a hegemonia. Identifique no texto qual a solução que foi utilizada para a manutenção do poder. O diálogo entre o Papa Gregório IV e Kuyuk Khan expõe a necessidade de negar a lógica do outro detentor do poder, afirmando a supremacia de sua lógica como forma de explicação do mundo. 5. Explique a relação entre poder político e poder econômico para Karl Marx e Friedrich Engels. Para Karl Marx e Friedrich Engels o poder político era uma manifestação do poder econômico. 6. Para C. Wright Mills houve, a partir do fortalecimento da modernidade e do consequente enfraquecimento da sociedade feudal, o surgimento de um novo tipo de poder. Explique-o. Para C. Wright Mills, os diretores de empresas da moderna sociedade capitalista exercem grande poder. Em uma sociedade globalizada o impacto das decisões tomadas pelos diretores das transnacionais possui o poder de alterar significativamente a vida cotidiana, os gostos, os interesses, os valores dos indivíduos do país em questão.

14 7. Explique o pan-óptico de Jeremy Bentham. O panóptico elaborado por Jeremy Bentham é um local elaborado para aprisionar e permite, a partir da constituição física há a possibilidade de vigiar um grupo de indivíduos sem que o vigia seja visto. adicionais 1. Explique a diferença entre força e poder para Elias Canetti. Elias Canetti define força como algo próximo e presente, uma manifestação física do poder, sendo uma forma coercitiva e primitiva. Poder é definido como a capacidade de controlar uma situação, um grupo, um indivíduo, mesmo sem precisar utilizar a força. 2. Segundo Canetti alguns religiosos não se contentam com o poder divino, ansiando pela força divina. Explique qual a diferença entre o poder divino e a força divina. O poder divino é apresenta-se como a total submissão à divindade. A força divina apresenta-se como a sensação de que Deus se manifestará com o crente a qualquer momento, exigindo dele alguma ação. TEMA Por que podemos dizer que a democracia é um regime político restrito no tempo e no espaço? Do ponto de vista do tempo, a democracia tal como é concebida atualmente é um fenômeno muito recente e é, sobretudo, circunscrito no espaço, pois se trata de uma criação da civilização ocidental. 2. Por que a democracia ateniense pode ser considerada uma democracia reduzida? A democracia era exercida somente por aqueles que eram considerados cidadãos, o que desde já significa uma parcela bastante reduzida da sociedade, pois poucos eram considerados cidadãos de pleno direito. Dessa maneira, os ex-escravos que tinham sido libertados conhecidos como libertos, as mulheres, os estrangeiros, os metecos (estrangeiros que se dedicavam a atividades artesanais e mercantis) e os escravos não eram considerados cidadãos e, portanto, estavam excluídos da participação das questões de governo. 3. Qual a diferença entre democracia direta de democracia representativa? Democracia direta caracteriza-se pelo fato de os cidadãos reuniam-se em locais apropriados e, juntos, tomavam decisões nas questões de governo; democracia representativa caracteriza-se pelos cidadãos elegem os seus representantes e estes sim, reunidos, tratam das questões de governo. 4. Explique a importância do Édito de Caracala.

15 Determinou a concessão da cidadania romana a todos os habitantes livres do Império (Edito de Caracala, 212 d.c.). Assim, todos os habitantes livres do Império, além da obrigação de pagarem impostos, ficavam sob a jurisdição do direito romano. 5. O que é contratualismo? É uma teoria que considera a sociedade humana e o Estado originados por um acordo ou contrato estabelecido entre cidadãos autônomos, valorizando desta forma a liberdade individual em detrimento de regimes políticos impositivos. 6. Explique o processo de surgimento dos partidos políticos. Após uma revolução aqueles que tomam o poder começam a discordar entre si sobre o conteúdo do que se considera soberania popular. É neste contexto que passam a se organizar os partidos políticos, que podem ser definidos como organizações que partilham de concepções e interesses políticos e sociais comuns que visam a tomada do poder com a finalidade de tornar realidade o seu ideário. 7. Quais fatores implicaram na mudança dos partidos que se organizavam como comitês de notáveis? O surgimento dos partidos políticos socialistas e o sufrágio universal obrigou a reorganização dos partidos políticos que se apresentavam como comitês de notáveis, exigindo deles o alargamento de suas propostas e a reformulação de sua plataforma política. adicionais 1. Qual a crítica apresentada pelo autor em relação às concepções que preferem sistemas de mais de um partido? Estas concepções na realidade não são embasadas de forma rigorosa, sendo ancoradas em preconceitos e intuições. 2. Quais as duas razões principais que John Stuart Mill apresenta para defender a existência de um parlamento pluripartidário? Alguma das razões é aceita pelo autor? Qual a justificativa utilizada para aceitar ou refutar as razões apresentadas por John Stuart Mill? Primeiro: não existe um lugar social suficientemente privilegiado para permitir a algum grupo no caso, o grupo majoritário apreender a totalidade das implicações de uma escolha de políticas específicas. Segundo: admitindo-se a hipótese de que as maiorias tendem a ser inercialmente conservadoras, a opção por novidades benéficas à humanidade será, por definição, minoritária, e se às minorias não for garantido o direito de operar conforme a inovação sugerida e tornarse maioria desde que isso não traga reais prejuízos a terceiros, a sociedade tende a estagnar-se. O autor aceita o primeiro argumento que a opinião da maioria pode estar equivocada, o que permitiria a um grupo minoritário uma alteração no curso das ações. O autor refuta a segunda razão pelo fato de a simples existência de minorias não significar, necessariamente, que elas serão ouvidas pelo poder majoritário. TEMA O que é uma Constituição?

16 A constituição é o conjunto de regras (leis) fundamentais que rege um organismo político (o Estado) e consagra, entre outros aspectos, as formas de realização da soberania popular no governo do Estado, o que chamamos de regime representativo. 2. Diferencie Estado de Governo. A instituição dos regimes representativos estabelece uma clara distinção entre Estado (uma organização permanente) e governo (uma organização transitória). 3. Explique a função de cada um dos três poderes. O poder executivo tem a finalidade de aplicar leis e governar de acordo com as regras da constituição. O poder legislativo tem a finalidade de elaborar e aprovar leis de acordo com a constituição O poder judiciário tem a finalidade de zelar, fazer cumprir e obedecer às leis. 4. Qual a diferença entre Estado federativo e Estado unitário? O estado federado é aquele em que as unidades que compõem o Estado possuem uma relativa autonomia em relação ao governo central, portanto prevalece a descentralização político-administrativa. O estado unitário é aquele no qual as unidades que o compõem possuem pouca autonomia em relação ao governo central. 5. Explique por que o Brasil é uma república federativa presidencialista. O Brasil é uma República porque o povo é o soberano, governando o Estado por intermédio de seus representantes providos por eleições e por um período determinado; é uma república Federativa porque as unidades que compõem o país, os estados, possuem uma relativa autonomia em relação ao governo central; é uma república federativa Presidencialista porque o Presidente da República exerce a chefia de Estado e a chefia de Governo bem como nomeia e destitui livremente o seu ministério. 6. Caracterize o parlamentarismo. No parlamentarismo existe uma distinção entre as funções de Chefe de Estado e Chefe de Governo, exercidas por pessoas distintas. A chefia de Estado é exercida pelo Presidente da República, que representa o Estado nas ocasiões em que este deve ser representado, mas não governa. A chefia de Governo é exercida pelo Primeiro Ministro (que pode também receber o nome de Chanceler, como ocorre na Alemanha) que é escolhido de acordo com a maioria parlamentar. adicionais 1. Segundo Max Weber, quais as exigências feitas aos servidores públicos? Exige-se do servidor público adesão moral aos princípios de neutralidade e de responsabilidade no cumprimento das funções a ele delegadas pelos representantes legitimamente escolhidos pelo povo. 2. Por que a democracia associativista coloca em risco a posição ética do servidor público? Na democracia associativista o servidor público faz o papel de auditor de seu próprio trabalho, possibilitando, desta forma, de não analisar, de maneira isenta, o seu próprio trabalho.

17 TEMA Defina o conceito de Revolução. Uma Revolução é feita contra uma determinada ordem de coisas e explicitamente propõe uma nova ordenação em relação à situação anterior. 2. Apresente os fatores que podem influenciar positivamente a ocorrência de uma revolução. Um dos fatores é a crise do poder estabelecido. Outro fator é o de um existir um querer de um determinado grupo, no sentido de aproveitar dinamicamente a situação de crise em direção à mudança. 3. Indique três grupos que foram considerados sujeitos da Revolução, segundo uma linha de pensamento Marxista. Os três grupos são: os trabalhadores, os partidos políticos e os estudantes. 4. Diferencie revolução e golpe de Estado. A Revolução, em sua transformação, é amparada pelo apelo popular, enquanto que um Golpe de Estado aproveita parte do aparato estatal (exército, polícia, etc.) como forma de substituir a falta de apoio popular. 5. Quem seriam os possíveis autores de textos contrarrevolucionários? Os autores podem ser aqueles contrários à violência ocorrida com a Revolução ou ainda defensores de ideais da Revolução que teriam sido abandonados. 6. Diferencie poder arbitrário de repressão. Poder arbitrário possui um conteúdo bastante específico: trata-se da situação em que aqueles que estão no poder executam punições sem que aqueles que sofreram a punição saibam precisamente qual a razão pela qual estão sendo punidos, sem que saibam, afinal, qual regra transgrediram que justifique a punição. A repressão não se associa necessariamente ao poder arbitrário, mas a qualquer contexto, por mais democrático ou libertário que possa ser; sempre haverá repressão, que pode variar de grau de intensidade, mas haverá; desde que existam regras explícitas de convivência, estas regras, como dissemos, podem ser transgredidas e, se houver transgressão das mesmas, inevitavelmente haverá repressão; caso contrário, as regras de convivência perdem sua razão de existência. Atividade adicional 1. Segundo o autor, é possível que tenha ocorrido uma revolução burguesa no Brasil que siga os mesmos parâmetros que as Revoluções Burguesas na Europa? Não, pois, para Florestan Fernandes, não se pretende explicar o presente do Brasil pelo passado de povos europeus, ou seja, a Revolução Burguesa é vista como um fenômeno estrutural, que se pode reproduzir de modos relativamente variáveis, dadas certas condições ou circunstâncias, desde que certa sociedade nacional possa absorver o padrão de civilização que a converte numa necessidade histórico-social.

18 2. Para o autor, qual a relação existente entre as classes, com suas situações de interesses e suas ideologias e utopias. No trecho apresentado, qual surgiria antes e qual a relação entre eles? O autor defende que ideologias e utopias antecedem a formação das classes; mas as classes, depois de constituídas, modificam suas próprias ideologias e utopias. TEMA Diferencie sexo e gênero. O conceito de sexo (masculino ou feminino) está relacionado às diferenças anatômicas e fisiológicas entre homens e mulheres, ou seja, está ligado às características biológicas de cada um dos grupos. Por gênero compreende-se as diferenças psicológicas, sociais e culturais entre homens e mulheres. Os gêneros estão relacionados às noções de masculinidade e feminilidade que são fundadas historicamente em cada sociedade. 2. Identifique os elementos da primeira onda do feminismo. A primeira onda feminista era um movimento de reivindicação de direitos políticos e civis iguais entre homens e mulheres. 3. Identifique os elementos da segunda onda do feminismo. A segunda onda de movimentos feministas que propõe não apenas uma redistribuição de direitos e recursos, mas também uma análise em que defende que a opressão das mulheres está enraizada em processos psíquicos e culturais profundos. A partir destas análises o objetivo das feministas passa a ser o de transformar radicalmente a sociedade. 4. Apresente as contradições sobre as propostas defendidas pelo Iluminismo e a visão de alguns iluministas sobre a mulher. O Iluminismo, movimento filosófico predominante em algumas das transformações ocorridas no século XVIII, encontra-se algumas análises que corroboraram com a perspectiva que considerava a mulher inferior ao homem. No entanto, alguns autores, como o filósofo e matemático francês Marie Jean Antoine Nicolas Caritat, conhecido como Marquês de Condorcet que criticou a decisão do parlamento francês quando este privou às mulheres a cidadania política. 5. Explique a importância da frase ninguém nasce mulher: torna-se mulher de Simone de Beauvoir. Este frase apresenta uma nova concepção de mulher, possibilitando a refutação do determinismo biológico que reserva às mulheres um destino social de mães. Desta forma, fortalece-se a noção de gênero. Atividade adicional 1. Analise, utilizando a distinção entre gênero e sexo, a crítica de Emma Moore e Abi Moore quanto ao uso de rosa pelas meninas. Segundo as autoras, o uso do rosa pelas meninas está relacionado com uma construção social em relação à mulher, ou seja, o rosa não é, necessariamente, uma cor feminina, mas sim uma cor determinada pela sociedade ao gênero feminino.

19 2. Utiliza a noção de habitus para explicar a relação entre os brinquedos femininos e o desenvolvimento de comportamento destas, como defendido pelas irmãs Moore. Segundo as irmãs Moore, os brinquedos para meninas reproduzem em sua maioria atividades consideradas femininas, como o cuidado de bebês, a limpeza da casa e cuidados com a beleza, o que incute nelas cada vez mais a atual "obsessão pela imagem" e, desta forma, as garotas já incorporariam uma estrutura de pensamento relacionada ao gênero feminino, utilizando este pensamento como modelo para estruturar futuras experiências. TEMA Por que não é correto afirmar que o fenômeno social das massas não é um fenômeno moderno? A ideia de massa, no sentido sociológico, possui um sentido bastante difuso quanto ao seu grau de organização, quando comparado, por exemplo, a membros formais de uma instituição qualquer, que possuem propósitos comuns. Assim, por exemplo, há massa, segundo a definição proposta, na Grécia antiga, por ocasião dos festivais desportivos e religiosos que congregavam grandes assistências. 2. Por que de pode afirmar que é cada vez mais difícil distinguir até que ponto as massas escolhem ou são escolhidas para consumir este ou aquele produto ou serviço? Como ocorre na sociedade transformações tanto na produção quanto na mercantilização, alguns padrões de consumo tornam-se definidores de classes ou status social. Para atingir determinado prestígio, o consumo deve seguir o modelo, a moda, etc. determinados pela sociedade. 3. Cite quatro fatores possíveis de se destacar sobre a cultura de massa. a produção de bens e serviços em massa; a mercantilização de quaisquer bens e serviços; a transmissão de conteúdos por meios de comunicação que atingem a massa; a existência de uma sociedade de massas apta e disposta ao consumo de bens e serviços mercantilizáveis; a padronização e simplificação de bens, serviços e conteúdos para que possam atingir o maior número possível de integrantes da massa; a criação ou adaptação de veículos que privilegiam experiências sensitivas e visuais imediatas, no lugar daquelas que exigem a mediação da leitura e da reflexão; o progresso técnico que, entre outros aspectos, possibilitou maior produtividade em menor tempo de trabalho, criando intervalos de tempo cada vez maiores no interior da sociedade que podem ser utilizados para o lazer e, portanto, para maior consumo, tornando possível a existência da chamada sociedade de consumo; finalmente, os novos padrões de sociabilidade vieram a tornar indistintos, por exemplo, o rural e o urbano, o popular e o erudito, o tradicional e o moderno a ponto de se tornarem indistinguíveis. Todos possuem os mesmos gostos e preferências, que são ditadas por intermédio dos meios de comunicação de massa e atingem a todos, indistintamente da origem e posição na escala social.

20 4. Explique a crítica à cultura de massa elaborada por Adorno e Horkheimer. Para Adorno a idéia de uma cultura de massa pretende aproximá-la da chamada cultura popular, que segundo ele, não é correta, e ainda esconderia o seu real significado. Assim, a expressão indústria cultural no lugar de cultura de massas definiria de forma mais adequada, entre outros aspectos, o que seria uma espécie de grande trapaça, que é fazer crer que os consumidores sejam sujeitos de suas ações, quando na verdade não passariam de meros objetos, subordinados aos desígnios desta citada indústria. Desta forma, a chamada cultura de massas ou, como querem Adorno e Horkheimer, indústria cultural, não passa de um grande processo de manipulação de milhões de seres humanos. Atividade adicional 1. Quais as características mais marcantes no desenvolvimento da globalização cultural? Talvez a característica mais marcante da globalização cultural seja o fato de ela acompanhar e contribuir para o estabelecimento e o funcionamento da economia de mercado em escala planetária. Outra característica, já apontada acima, é o surgimento de uma cultura internacional de massa, ao lado ou por dentro das culturas locais. 2. Defina midiação da cultura. Por midiação da cultura entende Thompson o processo histórico do rápido crescimento e da proliferação de instituições e meios de comunicação de massa nas sociedades ocidentais, que, por intermédio de suas redes de transmissão, tornaram formas simbólicas mercantilizadas acessíveis a um grupo cada vez maior de receptores. Em outros termos, a produção e a transmissão das formas simbólicas (que refletem as experiências e as visões de mundo das pessoas) são sempre mais mediadas pelas instituições e pelos aparatos técnicos da mídia. A cultura "passa" ou "acontece" cada vez mais na e por meio da mídia. Isso implica: a) que as manifestações culturais mais diversas só são reconhecidas como tais pela sociedade depois de serem "mostradas" ou incorporadas pela mídia; b) que as próprias criações, os personagens e produtos da mídia se tornam bens culturais de alcance social. Ambos os níveis interagem, de forma que a mídia se torna ao mesmo tempo acontecimento, produção e divulgação cultural. Tal abrangência justifica a introdução do conceito de sistema midiático-cultural. Um dos resultados desse processo é a produção da cultura midiática. TEMA Defina controle social. Denota-se controle social a regulação do comportamento na sociedade por parte de indivíduos ou grupos, ao visar estabelecer valores e normas que podem ser aceitos mais ou menos integralmente pelos membros da sociedade. 2. Explique por que o controle social contrasta a existência das formas sócio-culturais e os indivíduos. A sociedade, em contraste com a pessoa, é uma existência em processo contínuo, que passa de geração a geração, é perpetuada pelos sentimentos, códigos, costumes, instituições, e ideologias comunicados aos indivíduos nascidos ou adotados na organização, por aqueles previamente assimilados. Assim, partimos da

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação...

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação... Cód. barras: STJ00095025 (2013) Sumário Agradecimentos... 7 Introdução....................... 15 Parte I SOCIOLOGIA 1. Origens da Sociologia... 27 1.1. As origens históricas e conceituais da Sociologia...

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011 QUESTÃO 51 A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto de intenso debate entre intelectuais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»SOCIOLOGIA«21. Max Weber percebe a sociedade através do conceito de ação social, a qual se materializa através da interação entre os homens em prol de uma dominação social. Que

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Gabarito das questões de SOCIOLOGIA Questão 01 - Sobre o significado de consciência

Leia mais

SOCIOLOGIA. Da Era Medieval ao Iluminismo

SOCIOLOGIA. Da Era Medieval ao Iluminismo O nascimento da Sociologia Módulo I SOCIOLOGIA Da Era Medieval ao Iluminismo Profª Flores e-mail: marifflores@yahoo.com.br Qual a importância da sociologia? Uma das preocupações da Sociologia é formar

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917)

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) O que é fato social: Durkheim definiu o objeto de estudo, o método e as aplicações da Sociologia como ciência. Objeto de estudo da Sociologia definido

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Émile Durkheim 1858-1917

Émile Durkheim 1858-1917 Émile Durkheim 1858-1917 Epistemologia Antes de criar propriamente o seu método sociológico, Durkheim tinha que defrontar-se com duas questões: 1. Como ele concebia a relação entre indivíduo e sociedade

Leia mais

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante

Leia mais

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROF. PAULO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

SIMULADO DE SOCIOLOGIA

SIMULADO DE SOCIOLOGIA SIMULADO DE SOCIOLOGIA 1) O que é Sociologia? a) ( ) Ciência que estuda a relação do homem com a natureza. b) ( ) Ciência que estuda o meio ambiente. c) ( ) Ciência que estuda os grupos, sua organização

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito)

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SOCIOLOGIA - 1 ANO 2014 (manuscrito) 1- EXPLIQUE o que argumenta a Teoria do Conflito Social. 2- Em que consiste as teses defendidas pelo interacionismo simbólico? 3- O que

Leia mais

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral

Direito para Durkheim: coercitivo exterior geral Apostila 4 Revisão aula anterior: Direito para Durkheim: O objetivo principal de uma Sociologia do Direito em Durkheim é perceber a relação entre as regras morais e a elaboração das leis escritas, bem

Leia mais

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO -

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Sociologia 3ª série Ensino Médio MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Danilo Arnaldo Briskievicz Os Clássicos da Sociologia No século XIX, três pensadores desenvolveram teorias buscando explicar a sociedade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL 04/2016 ÁREA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO CHAVE DE CORREÇÃO QUESTÃO 01: - Situar historicamente e contextualizar o percurso de

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 3 CASTAS, ESTAMENTOS, CLASSES E DESIGUALDADES SOCIAIS

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 3 CASTAS, ESTAMENTOS, CLASSES E DESIGUALDADES SOCIAIS 3º ANO SOCIOLOGIA Prof. Gilmar Dantas AULA 3 CASTAS, ESTAMENTOS, CLASSES E DESIGUALDADES SOCIAIS CONCEITOS DA AULA Estratificação Castas Estamentos Classes Mobilidade social Teóricos que destacaremos:

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO 1. A sociologia nasce no séc. XIX após as revoluções burguesas sob o signo do positivismo elaborado por Augusto Comte. As características do pensamento comtiano são: a) a sociedade é regida por leis sociais

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Habilidades: Reconhecer que a religião muitas vezes esconde razões políticas, econômicas e sociais de inúmeros conflitos no mundo contemporâneo; Reconhecer que a

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O Positivismo. Segunda metade do século XIX e inicio do século XX. 1ª. Apostila de Sociologia

O Positivismo. Segunda metade do século XIX e inicio do século XX. 1ª. Apostila de Sociologia 1ª. Apostila de Sociologia O Positivismo Os Clássicos da Sociologia I - Émile Durkheim II - Max Weber III - Karl Marx Resumo da aula anterior. A Sociologia surge no momento de desagregação da sociedade

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Daniele Bloot de Moura Necker Fryder Geórgia Costa Pizzatto Michele Dal Cortivo Vivian de Souza Silva Co-autora: Prof. Arilda Arboleya arildaa@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO?

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? Artigo apresentado à universidade Estácio de Sá como requisito para avaliação de conclusão do curso de pós-graduação em gestão estratégica de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO

AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO AS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES DO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO CLÁSSICO Nesta unidade, estudaremos o pensamento sociológico clássico, que consiste na compreensão dos três princípios explicativos da realidade social.

Leia mais

China Sistema Político Vigente

China Sistema Político Vigente China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa S. Lima 15 de setembro de 2005 China Sistema Político Vigente Especial Sistema Político / Eleitoral Carolina Andressa

Leia mais

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON 1. O sistema de castas da Índia é uma divisão social importante na sociedade Hindu. Define-se casta, como grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Introdução à sociologia de Durkheim.

Introdução à sociologia de Durkheim. 1 Introdução à sociologia de Durkheim. 1. O Indivíduo e a Sociedade O indivíduo e a sociedade, para Durkheim, compõem uma inter-relação conjugada, onde uma parte pertence ao outro em harmonia constante.

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER

ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER ATIVIDADE / TEXTO MARX, DURKHEIM E WEBER Nome: / N : / Turma: PARTE I KARL MARX (1818-1883) Sua obra A obra de Marx é resultado de um contexto sociopolítico específico, resposta aos problemas colocados

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais