INTERCONEXÃO VIA ATM INTERCONEXÃO VIA ATM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERCONEXÃO VIA ATM INTERCONEXÃO VIA ATM"

Transcrição

1 INTERCONEXÃO VIA ATM Introdução das redes ATM demandará uma infraestrutura complexa de protocolos necessidade de integração das redes ATM com as redes em operação (locais e de longa distância); Objetivo do trabalho discutir a infraestrutura de protocolos necessária; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 1 INTERCONEXÃO VIA ATM Operação das redes ATM formada por comutadores (switches) ATM interconectados através de interfaces os comutadores ATM suportam 2 tipos de interfaces: UNI - User Network Interface NNI - Network-Network Interface Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 2 1

2 INTERCONEXÃO VIA ATM Comutador ATM UNI Roteador ATM Rede ATM Privada NNI Privada UNI Comutador ATM UNI Pública UNI Comutador ATM UNI Rede ATM Pública NNI Pública Comutador ATM UNI Ethernet Token Ring FDDI Roteador ATM Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 3 Operação Básica de um Comutador ATM Entrada Saída Porta VPI/VCI Porta VPI/VCI Switch ATM 29 Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 4 2

3 Operação Básica de um Comutador ATM As tabelas de translação nos comutadores são definidas antes da transmissão dos dados; Tipos de conexão no ATM PVC(Permanent Virtual Channel); SVC(Switched Virtual Channel); Sinalização Canal Virtual -> VPI = 0; VCI = 5 Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 5 Tipos de Conexão ATM Ponto-a-Ponto Unidirecional/Bidirecional Ponto-Multiponto Unidirecional Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 6 3

4 Tipos de Conexão ATM Necessidade Capacidade de Multicasting ou Broadcasting solução Conexão multiponto-multiponto Não pode ser implementada no AAL5 o AAL não possui recursos para suportar o entrelaçamento de diferentes pacotes em uma mesma conexão; => razão pela qual a conexão ponto-multiponnto tem quer ser unidirecional; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 7 Servidor Multicast Cada nó estabelece uma conexão ponto-a-ponto com o servidor multicast; o servidor estabelece uma conexão pontomultiponto com os nós que querem receber pacotes multicast; o servidor somente transmite um pacote na conexão ponto-multiponto após ter transmitido completamente o pacote anterior; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 8 4

5 Servidor Multicast Conexão ponto-a-ponto unidirecional com o servidor Servidor Multicast sequencialização dos pacotes Conexão Ponto-Multiponto Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 9 ILMI - Interim Local Management Interface Protocolo utilizado nas interfaces UNI e NNI; permite acessar uma ILMI-MIB de modo a obter informações sobre o enlace; utiliza um canal virtual específico VPI = 0; VCI = 16; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 10 5

6 Sinalização e Endereçamento ATM Sinalização na interface UNI (VPI=0; VCI=5); especificação UNI 3.1 (baseada na Q.2931); Sinalização na interface NNI; Plano de Controle SAAL SSCF SSCOP AAL CP Plano do Usuário Q.2931 TCP/IP, FTP, etc. AAL Plano de Gerenciamento LMI, SNMP, CMIP AAL ATM SDH, SONET, DS1, E1, etc. Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 11 Sinalização e Endereçamento ATM Q > protocolo usado para estabelecimento de conexão em rede ATM (variação do protocolo Q.931); SAAL (Signaling ATM Adaptation Layer) -> suporta o transporte de mensagens Q.2931 entre duas máquinas envolvidas em SVCs ATM; AAL CP (AAL Common Part) -> deteta tráfego corrompido; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 12 6

7 Sinalização e Endereçamento ATM SSCOP (Service Specific Connection-Oriented) suporta a transferência de informações de comprimento variável; recupera unidades de dados do serviço perdidas ou corrompidas; SSCF (Service Specific Coordination Function) fornece a interface para a camada superior (no caso Q.2931). Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 13 Sinalização e Endereçamento ATM Q.2931 SSCF SSCOP AAL CP ATM SAAL Q.2931 SSCF SSCOP AAL CP ATM SAAL FÍSICO UNI FÍSICO Plano de Controle Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 14 7

8 Sinalização e Endereçamento ATM TCP/IP, etc AAL ATM FÍSICO UNI TCP/IP, etc AAL ATM FÍSICO Plano de Gerenciamento TCP/IP, etc AAL ATM FÍSICO UNI Para usuário remoto Para usuário remoto ATM FÍSICO Plano do Usuário Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 15 Sinalização e Endereçamento ATM Importância da entrega das informações de sinalização: não existem protocolos superiores para realização de teste/recuperação da informação; as máquinas de estado do protocolo de sinalização são mais simples caso uma entrega confiável da informação seja assumida; Sinalização em ATM -> método do 1-passo; Roteamento -> governado pelo protocolo P-NNI; baseado em: endereço de destino; parâmetros de tráfego e QoS; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 16 8

9 Sinalização e Endereçamento ATM O ATM Forum simplificou o protocolo Q.2931 mas estendeu-o para poder estabelecer conexões ponto-multiponto; Um nó raiz pode estabelecer uma conexão pontomultiponto e posteriormente adicionar uma folha; uma folha pode sair da conexão mas não pode introduzir-se na conexão; nova especificação -> UNI 4.0 possibilidade de uma folha introduzir-se na conexão multiponto; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 17 Estrutura de Endereçamento ATM Pública -> E.164; ATM Privada -> 2 modelos diferentes de endereçamento; Diferenças entre os 2 modelos: forma de tratar o ATM relativamente aos outros protocolos Forma 1: utiliza para o ATM o mesmo esquema de endereçamento encontrado em outros protocolos; Vantagens: protocolos de roteamento existentes poderiam ser utilizados; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 18 9

10 Estrutura de Endereçamento Forma 2: desacoplar o ATM de qualquer outro protocolo existente define uma estrutura de endereçamento nova; novo protocolo de roteamento; necessidade de alguma forma de resolução de endereço para mapear endereços dos protocolos superiores no endereço ATM correspondente; A segunda forma foi a escolhida (overlay model) razões: os protocolos desenvolvidos p/ LANs e WANs não permitem usar as propriedades de QoS do ATM; o desacoplamento do ATM relativamente a outros protocolos permite o desenvolvimento independente destes protocolos e do ATM Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 19 Estrutura de Endereçamento O ATM definiu um formato de endereço para redes privadas baseado na sintaxe do NSAP (OSI); Os endereços ATM são constituidos de 3 componentes: AFI: Identifica o tipo e o formato do IDI (Initial Domain Identifier); IDI: Especifica o domínio do endereçamento e a autoridade responsável pelos valores DSP (Domain Specific Part); Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 20 10

11 Estrutura de Endereçamento DSP: contém o endereço determinado pela autoridade de rede HO-DSP: contém uma hierarquia de endereço contendo domínio de roteamento e área dentro do domínio; ESI: identifica um sistema final dentro da área (ex: computador); (ex: endereço MAC de 48 bits); SEL: identifica a entidade de protocolo da camada superior que irá receber o tráfego a ser enviado na conexão; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 21 Estrutura de Endereçamento 20 Bytes AFI DCC HO-DSP ESI SEL IDP IDI Formato DCC-ATM AFI ICD HO-DSP ESI SEL IDP IDI Formato ICD-ATM AFI E.164 HO-DSP ESI SEL IDP IDI Formato NSAP E.164 Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 22 11

12 Estrutura de Endereçamento O ATM Forum definiu um mecanismo para registro de endereço usando o ILMI permite a um sistema final ATM: informar ao switch ATM através da UNI o seu endereço único MAC; receber o resto do endereço ATM formando o endereço completo; UNI 3.0/3.1 -> identifica somente um único ponto final => estabelecimento de conexões ponto-multiponto é realizado uma folha de cada vez através de endereçamento unicast; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 23 Estrutura de Endereçamento UNI 4.0 permitirá conexões ponto-multiponto serem estabelecidas com múltiplas folhas através de uma única requisição; conceito de endereço anycast utilizado para rotear uma requisição destinada a um nó que realiza um determinado serviço; extensão do mecanismo de registro de endereço permitirá que um nó indique que ele suporta um endereço de grupo o nó também informa o escopo desejado para o registro; a rede deve mapear esta informação nos roteadores dentro do escopo definido para o registro; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 24 12

13 Estrutura de Endereçamento Caso um nó inicie uma conexão ponto-multiponto ao endereço de grupo a rede conectará todos os nós que estão registrados com aquele endereço de grupo; Caso um nó especifique uma conexão ponto a ponto, a rede conectará ao nó registrado que se encontre mais perto Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 25 ATM e o Modelo OSI A adoção do modelo overlay faz com que muitos classifiquem o ATM como um protocolo no nível da camada 2; Outros classificam ATM como protocolo de nível 3 em função da definição de um endereço hierárquico e de um protocolo de rede complexo; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 26 13

14 ATM e o Modelo OSI Uma camada reveste a outra (overlay) quando um tipo de protocolo deve ser transportado de forma transparente através de outro protocolo; mais simples do que tentar operar os protocolos através de um gateway do protocolo; facilita portabilidade das futuras aplicações e permite utilizar a infraestrutura atual; O ATM pode ser considerado efetivamente como um protocolo de rede devido à complexidade do seu endereçamento e dos protocolos de roteamento; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 27 ATM e o Modelo OSI Endereçamento plano (flat) interconexão via bridges; permite redes simples; inundação (flooding) de pacotes na rede; escalabilidade e estabilidade reduzidas; endereçamento hierárquico política de atribuição de endereço; permite agragação de endereços: um prefixo de endereço permite atingir um conjunto de sistemas finais; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 28 14

15 ATM e o Modelo OSI protocolo de roteamento permite disseminar prefixos de endereços; reduz a necessidade de inundação de mensagens como no caso do endereçamento plano; necessita da configuração de endereços; permite redes mais estáveis e expansíveis; ATM possui efetivamente um endereço hierárquico -> os novos protocolos procuram oferecer facilidades de administração da rede; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 29 Protocolo de Roteamento ATM P-NNI - Private NNI Objetivo: definir protocolos NNI para uso em redes privadas ATM; redes que utilizam endereços ATM no formato NSAP; Redes Públicas: endereçamento E.164; Protocolo de sinalização ITU-T B-ISUP; Protocolo de roteamento nível 3 ITU-T MTP; B-ICI: Broadband Inter-Carrier Interface; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 30 15

16 Protocolo de Roteamento ATM Protocolo PNNI Protocolo de sinalização; Protocolo de roteamento de circuito virtual; Os protocolos PNNI operam entre sistemas de comutação ATM conectados através de enlaces PNNI; sistemas de comutação ATM: switches ou uma rede completa; neste último caso atuando como uma única entidade PNNI; uma rede privada ATM pode usar protocolos NNI proprietários e externamente utilizar o PNNI; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 31 Protocolo de Roteamento ATM Protocolo de sinalização PNNI -> extensão da sinalização UNI; incorpora elementos de informação (IE) para os parâmetros NNI; Protocolo de roteamento VC -> utiliza alguns conceitos presentes em protocolos tradicionais de roteamento apresenta maior complexidade permitir expansão; suportar qualidade de serviço no roteamento; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 32 16

17 Protocolo de Roteamento ATM PNNI fase 1: especificado; PNNI fase 0 : Interim Inter-Switch Signaling Protocol (IISP); Suportam somente a sinalização UNI 3.0/3.1; PNNI fase 1 suporte a QoS -> um nó pode solicitar o estabelecimento de conexão com uma determinada QoS; tipos de QoS: Constant Bit Rate (CBR)/ Variable Bit Rate (VBR)/ Available Bit Rate (ABR)/ Unknown Bit Rate (UBR); Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 33 Protocolo de Roteamento ATM Garantia de QoS -> Switches implementam CAC (Connection Admission Control) função local e dependente da arquitetura; não deve comprometer as conexões já garantidas; O protocolo de roteamento deve procurar determinar uma rota com alta probabilidade de que a QoS da conexão seja atendida; o protocolo difunde (flood) informação de QoS e alcançabilidade na rede; informação contida no PTSP (PNNI Topology State Packet); formada por PTSE (PNNI Topology State Packet); Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 34 17

18 Protocolo de Roteamento ATM PNNI <=> OSPF; diferença: o PNNI suporta um grande número de parâmetros de estado do enlace e do nó, transmitidos pelos nós em intervalos regulares; existem dois tipos de parâmetros de enlace atributo -> usado para indicar se um determinado nó ou enlace de rede pode suportar a QoS requisitada; métrica -> usada para determinar se um determinado caminho formado por enlaces e nós pode atender a QoS requisitada; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 35 Protocolo de Roteamento ATM Conjunto atual de métricas do enlace MCTD: máximo atraso de transferência de célula por classe de tráfego; MCVD: máxima variação de atraso de célula por classe de tráfego; MCLR: taxa máxima de perda de células para células com CLP = 0 p/ as classes CBR e VBR; Peso Administrativo: definido pelo administrador da rede e usado para indicar o interesse ou não de um enlace de rede; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 36 18

19 Protocolo de Roteamento ATM Conjunto atual de atributos do enlace Taxa disponível de célula (ABR) -> mede a banda passante disponível em células por segundo, por classe de tráfego; Margem de taxa de célula (CRM): Fator de variância (FV): Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 37 Protocolo de Roteamento ATM Os nós na rede possuem uma estimativa do estado da rede através dos PTSPs que inundam a rede e que contêm as informações anteriores; os nós podem representar uma rede -> neste caso a métrica do nó deve aproximar o estado da rede agregada; 2 abordagens são possíveis p/ roteamento da conexão através da rede: hop-by-hop; roteamento na origem; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 38 19

20 Protocolo de Roteamento ATM Roteamento hop-by-hop adequado aos protocolos sem conexão -> processamento reduzido nos nós intermediários; PNNI utiliza o roteamento baseado na fonte o primeiro nó determina o caminho na rede baseado na QoS solicitada e no conhecimento do estado da rede obtido através de PTSPs; o algoritmo de determinação da rota não necessita ser padronizado => diferenciação entre os vendedores; problema: devido à latência e periodicidade na difusão do PTSP a visão que um nó possui da rede é aproximada; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 39 Protocolo de Roteamento ATM PNNI tenta resolver o problema através da definição de um algoritmo CAC genérico (GCAC); GCAC: função padrão que cada nó pode utilizar para calcular o CAC esperado em outro nó; operação do GCAC quando da solicitação de uma conexão todos os enlaces que não podem suportar a ACR solicitada e cuja CLR excede àquela solicitada na conexão são eliminadas dos caminhos possíveis; a partir do conjunto reduzido e das informações de alcançabilidade determina-se o menor caminho ou um conjunto de caminhos possíveis até o destino; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 40 20

21 Protocolo de Roteamento ATM os caminhos são analisados relativamente às métricas aditivas do enlace (ex: atraso); um dos caminhos aceitáveis é selecionado, não necessariamente o caminho ótimo! construção de uma lista DTL (Designated Transit List) que descreve a rota completa; o DTL é inserido na sinalização; cada nó no caminho executa a sua CAC; caso a conexão falhe devido à CAC em algum nó -> crankback: ponto em que retorna uma conexão bloqueada ao longo do caminho selecionado - o nó tenta descobrir um novo caminho até o destino; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 41 Protocolo de Roteamento ATM PNNI fase 1: Escalabilidade e Alcançabilidade além de suportar QoS o PNNI pretende atender o requisito de escalabilidade universal; pode ser aplicado desde pequenas redes até uma internet global no futuro formada de milhões de switches; pretensão acima das possibilidades de qualquer protocolo de roteamento atual; estratégia: organização hierárquica da rede; resumo da informação de alcançabilidade entre níveis na hierarquia; OSPF -> implementa 2 níveis na hierarquia: insuficiente para grandes redes; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 42 21

22 Protocolo de Roteamento ATM Conceito de Hierarquia Comutador ATM Grupo de Comutadores ATM (Peer Group) Grupo de Peer Groups PG PG Placa Placa PG PG Placa Placa PG PG Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 43 Protocolo de Roteamento ATM: Agregação no PNNI Nó Físico Enlace Físico Rede ATM Privada com 20 nós físicos e 25 enlaces bi-direcionais Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 44 22

23 Protocolo de Roteamento ATM: Agregação no PNNI A A.1 A.1.2 A A.2 A.1 A.3 Endereço ATM de 20 bytes A B C A.1.1 A.2.1 A.2 A.2.2 A.2.3 B.1 B.1 B.2 B.1.1 B.1.2 B.2 B.2.2 B.2.1 B.2.3 A.1.3 A.1.2 A.1 A.3.1 A.3.2 A.3.3 A.3.4 A.3 = Líder de Peer Group B.1.3 Nós de borda B.2.5 B2.4 C C.1 C.2 Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 45 Protocolo de Roteamento ATM Endereço baseado no NSAP -> 20 bytes - 7 bytes (ESI + SEL) = 13 x 8 = 104 => máximo de 105 níveis hierárquicos; Uma rede global não deve necessitar mais do que 6 níveis hierárquicos; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 46 23

24 Protocolo de Roteamento ATM Modelo PNNI: define um modelo de rede uniforme que especifica: como opera cada nível da hierarquia; como múltiplos dispositivos ou nós em um nível são agregados do ponto de vista do nível superior; como a informação é trocada entre os níveis hierárquicos; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 47 Protocolo de Roteamento ATM Cada nível hierárquico é formados de nós lógicos; Nós lógicos são interconectados por enlaces lógicos; nível mais baixo: nó lógico -> sistema físico de comutação formado por switch físico ou rede de switches com Protocolo NNI proprietário e interface PNNI com o mundo externo; cada sistema de comutação possui um único endereço ATM- NSAP; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 48 24

25 Protocolo de Roteamento ATM Nós em um mesmo nível são agrupados em um grupo denominado de grupo par (peer group - PG); coleção de nós que possuem uma base de dado topológica idêntica e que trocam informações entre si sobre o estado do enlace; grupos pares são organizados hierarquicamente e são associados a um grupo par pai (Parent Peer Group - PPG); em cada PPG os PGs são representados como um único nó lógico de grupo - LGN); Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 49 Protocolo de Roteamento ATM Grupos pares -> são identificados por um prefixo no endereço ATM privado; nível mais baixo: sistema de comutação formado por comutadores reais; todo sistema final conectado ao switch obtém o seu prefixo de endereço de rede a partir do endereço do comutador; ID default do PG: 12 bytes de ordem superior => 256 comutadores no PG de nível mais baixo; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 50 25

26 Protocolo de Roteamento ATM Além dos nós o PNNI requer a identificação dos enlaces enlaces entre grupos pares devem ser identificados nos PTSPs; enlaces podem ser especificados nos DTLs; enlaces no ATM são assimétricos os enlaces são identificados por uma combinação no ID do nó transmissor e uma porta lógica; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 51 Protocolo de Roteamento ATM Cada grupo par elege um nó para ser o líder do grupo (Peer Group Lider - PGL); O PGL de cada PG troca PSTPs com os nós pares pertencentes a um mesmo PPG; informar aos nós pares do mesmo PPG os atributos e alcançabilidade dos grupos filhos; os nós filhos obtêm conhecimento sobre a hierarquia completa da rede de modo a construir rotas completas a partir da origem; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 52 26

27 Protocolo de Roteamento ATM No nível mais baixo os nós possuem informação completa sobre o seu grupo par; informação agregada sobre o seu grupo pai; informação mais agregada sobre o seu grupo avô; etc.; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 53 Protocolo de Roteamento ATM Enlaces PNNI (físico ou virtual) enlace horizontal (interior) -> conecta 2 nós dentro do mesmo PG; enlace exterior -> conecta nó dentro de um grupo par a outro nó exterior que não opera o protocolo PNNI; enlace externo -> conecta 2 nós da borda dentro de 2 PGs diferentes; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 54 27

28 Protocolo de Roteamento ATM Inicialmente nós coletam informações sobre os outros nós através de pacotes do protocolo HELLO enviados regularmente aos nós vizinhos; 2 vizinhos descobrem que estão dentro do mesmo PG através dos Ids dos seus PGs; IDs idênticos => começam a trocar PTSPs entre si p/ sincronizar as suas bases de dado de alcançabilidade; após a sincronização das bases de dado os nós inundam PTSPs através dos enlaces horizontais do PG; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 55 Protocolo de Roteamento ATM Os pacotes PNNI e PTSPs são enviadas em canais virtuais estabelecidos: enlaces físicos: VCI = 18; VPI = 0; enlaces lógicos: VCI = 18; VPI = valor do enlace lógico; 2 nós de borda irão se descobrir através de um enlace externo através do HELLO os 2 nós terão IDs dos seus PGs diferentes; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 56 28

29 Protocolo de Roteamento ATM Os nós da borda trocam informações para determinarem o menor nível no qual os seus ancestrais são pares entre si cada nó de borda determina que o enlace externo é um uplink para aquele ancestral externo do PG; os 2 nós da borda trocam informações de métrica sobre o enlace externo via o protocolo HELLO informam através de PTSPs aos nós do seu PG a existência do uplink e as suas características; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 57 Protocolo de Roteamento ATM Os nós da borda trocam informações sobre os PGLs dos seus respectivos grupos; os PGLs dos grupos que descobrem que possuem o mesmo PPG estabelecem conexão entre si via o uplink identificado; começam a trocar pacotes HELLO e PTSP; descobrem a existência de grupos pares de nível hierárquico mais alto; o processo é continuado até que os nós descobrem a hierarquia completa da rede; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 58 29

30 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização após a determinação por todos os nós da informação completa sobre o estado da rede -> estas informações são utilizadas para sinalizar os pedidos de requisição; Solicitação de requisição na UNI o switch de entrada na rede determina um (ou mais) caminho(s) p/ alcançar o destino => conjunto de DTLs (Designated Transit Lists); Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 59 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização Os DTLs são organizados na forma de uma pilha na requisição dentro de um PG o DTL é processado até alcançar o nó da borda p/ o próximo PG no caminho; o DTL que estava sendo usado é descartado; o próximo DTL aponta para o PG vizinho a requisição é encaminhada ao nó da borda dentro do PG vizinho; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 60 30

31 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização o nó da borda descobre que a requisição deve ser roteada no seu PG; o DTL original contém informação agregada -> o nó da borda contrói um ou mais DTLs descrevendo como rotear internamente ao grupo e coloca o(s) DTL(s) no topo da pilha de DTLs; o procedimento prossegue até o PG destino ser alcançado; os DTLs são criados somente pelo nó origem e pelo nós de borda; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 61 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização Grupo Par A 3 - Enviar para Grupo Par B Grupo Par B 5 - Enviar para Grupo Par C 2 - Construir DTL para B: <(A1->A2),B,C> A2 B1 C1 Grupo Par C A1 1 - Conectar a H2 4 - Pop DTL para cruzar B: <(B1->B2),C> B2 6- Pop DTL para cruzar C: <(C1->C2)> C2 7 - Conectar a H2 H1 = Nó de borda H2 Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 62 31

32 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização A operação de crankback é realizada até alcançar nós que criam e inserem DTLs em uma requisição; Com o objetivo de contornar o problema apresentado pela agregação da informação o PNNI permite que PGs nos níveis superiores sejam modelados como um nó complexo com uma determinada estrutura interna. Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 63 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização Com o objetivo de compensar a perda de informação o P-NNI permite que um PG seja modelado em níveis superiores como um nó complexo; PNNI-Fase 1 -> modelo em estrela; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 64 32

33 Protocolo IISP Necessidade dos usuários em testar comutadores de múltiplos fabricantes PNNI-Fase 0 (IISP - Interim Inter-Switch Signaling Protocol) usa a sinalização UNI para comunicação switch-switch; as requisições de sinalização são roteadas entre os switches através da configuração de uma tabela de prefixos de endereços em cada switch não há necessidade de protocolo de roteamento para VC; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 65 Protocolo IISP Quando um switch recebe uma requisição de sinalização ele compara o endereço ATM do destino com prefixos na tabela e seleciona a porta na qual ocorre o casamento mais longo no endereço; Aplicável somente em redes com um pequeno número de nós; Não suporta QoS; IISP tem possibilidade de ser bastante utilizado para conexões UBR e ABR; PNNI-Fase 1 é mais voltado p/ tráfego CBR e VBR; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 66 33

34 Interconexão com Redes Públicas Interconexão de redes ATM Privadas através de Redes Públicas ATM; dificuldade: não disponibilidade de serviços SVC públicos; perspectiva: rede pública ATM com serviço de interconexão de redes ATM privadas via interface UNI Pública; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 67 Interconexão com Redes Públicas Como as Redes Públicas não irão suportar (inicialmente) SVCs => as Redes Públicas não irão processar a informação de sinalização enviada pela Rede Privada; solução: tunelamento PVP: Permanent Virtual Path => 2 Redes Privadas são ligadas através de uma Rede Pública via um caminho virtual; configuração manual (no momento de subscrição) de conexões na UNI Pública; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 68 34

35 Interconexão com Redes Públicas Solução alternativa: suportar a sinalização na UNI Pública (levando em consideração as restrições impostas pela Rede Pública); dificuldade: interconexão via PNNI; Provavelmente a Rede Pública não suportará o protocolo PNNI dentro das suas redes e tipicamente suportará o E.164; 2 questões: Como as redes privadas podem obter informações de alcançabilidade relativas à Rede Pública? Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 69 Interconexão com Redes Públicas é provável que as Redes Públicas não forneçam qualquer tipo de informação de alcançabilidade para as Redes Privadas; solução: as Redes Privadas vão tratar a Rede Pública como uma subrede e tunelar a requisição; Como endereços de Rede Privada podem ser transportados através da Rede Pública? usa os campos de subendereçamento definidos nos procedimentos de sinalização da UNI; antes de encaminhar a requisição de sinalização o switch move o NSAP p/ o campo de subendereçamento e substitui o campo de endereço com o E.164 do switch de entrada na Rede Privada; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 70 35

36 Interconexão com Redes Públicas DEST = E.164 B DEST SUB = NSAP B E.164 B Rede Privada A SOURCE = E.164 A SOURCE SUB = NSAP A Rede Pública ATM DEST = NSAP B SOURCE = NSAP A Rede Privada B Comutador de Saída Comutador de Entrada E.164 A DEST = NSAP B SOURCE = NSAP A NSAP B NSAP A Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 71 Interconexão com Redes Públicas Questão final com este método: Como o switch da Rede Privada obtém a informação para mapear o NSAP no E.164? Configuração manual; Serviço de Diretório; Não existe consenso em como será realizada a interconexão via Redes Públicas ATM! Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 72 36

37 Protocolo de Roteamento ATM: Sinalização Com o objetivo de compensar a perda de informação o P-NNI permite que um PG seja modelado em níveis superiores como um nó complexo; PNNI-Fase 1 -> modelo em estrela; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 73 Protocolo IISP Necessidade dos usuários em testar comutadores de múltiplos fabricantes PNNI-Fase 0 (IISP - Interim Inter-Switch Signaling Protocol) usa a sinalização UNI para comunicação switch-switch; as requisições de sinalização são roteadas entre os switches através da configuração de uma tabela de prefixos de endereços em cada switch não há necessidade de protocolo de roteamento para VC; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 74 37

38 Protocolo IISP Quando um switch recebe uma requisição de sinalização ele compara o endereço ATM do destino com prefixos na tabela e seleciona a porta na qual ocorre o casamento mais longo no endereço; Aplicável somente em redes com um pequeno número de nós; Não suporta QoS; IISP tem possibilidade de ser bastante utilizado para conexões UBR e ABR; PNNI-Fase 1 é mais voltado p/ tráfego CBR e VBR; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 75 Interconexão com Redes Públicas Interconexão de redes ATM Privadas através de Redes Públicas ATM; dificuldade: não disponibilidade de serviços SVC públicos; perspectiva: rede pública ATM com serviço de interconexão de redes ATM privadas via interface UNI Pública; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 76 38

39 Interconexão com Redes Públicas Como as Redes Públicas não irão suportar (inicialmente) SVCs => as Redes Públicas não irão processar a informação de sinalização enviada pela Rede Privada; solução: tunelamento PVP: Permanent Virtual Path => 2 Redes Privadas são ligadas através de uma Rede Pública via um caminho virtual; configuração manual (no momento de subscrição) de conexões na UNI Pública; Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 77 Interconexão com Redes Públicas Solução alternativa: suportar a sinalização na UNI Pública (levando em consideração as restrições impostas pela Rede Pública); dificuldade: interconexão via PNNI; Provavelmente a Rede Pública não suportará o protocolo PNNI dentro das suas redes e tipicamente suportará o E.164; 2 questões: Como as redes privadas podem obter informações de alcançabilidade relativas à Rede Pública? Prof. Mauricio Magalhães - DCA/FEEC/UNICAMP 78 39

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Coexistência sem suporte de QoS (Qualidade de Serviço) LAN Emulation (LANE) Classical IP over ATM (CLIP) Coexistência com suporte de

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9 9. Redes Locais ATM 1 2 Desafios ATM é caracterizado por um serviço do tipo CO (Connection Oriented). Nos níveis superiores, os serviços mais utilizados são do tipo CL (Connectionless) 3 9.1 Suporte de

Leia mais

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito PNNI Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O PNNI compreende um protocolo de roteamento e um protocolo de sinalização. O PNNI se aplica na interface entre dois switches ou na interface entre duas redes.

Leia mais

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito IP sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Razões para ter-se IP sobre ATM O IP é o padrão predominante nas redes de dados. O ATM oferece qualidade de serviço e permite a implementação de comutadores de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Sinalização em redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Operação com SVC Permite ao terminal estabelecer e desfazer conexões dinamicamente Necessita de protocolo de sinalização. O terminal solicita ao switch

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 11-1 Evolução das Tecnologias Computação Redes de comunicação

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Um Estudo sobre MPOA (Multi-Protocol Over ATM)

Um Estudo sobre MPOA (Multi-Protocol Over ATM) Um Estudo sobre MPOA (Multi-Protocol Over ATM) Rogério Dourado S. Jr. 1 roger@ufba.br Projeto Rema - Salvador Ciência da Computação UFBA Milena Pessoa Micheli 1 Mmicheli@ufba,br Projeto Rema Salvador UFBA

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Comutação de Células ATM - Um comutador é formado por várias portas associadas às linhas físicas - Função: - Recepção porta

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IV Mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Problema de resolução de endereço Mapeamento direto Associação dinâmica ARP

Leia mais

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Msc. Adilson Eduardo Guelfi Msc. Frank Meylan Prof. Dr. Sérgio Takeo Kofuji Comunicação entre Sub-redes IP Comunicação CLIP Servidor ARP Mapeamento de endereços

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 1 Prof. Dr. S. Motoyama 1 O Problema de Interconexão de redes Problema: Como interconectar efetivamente redes heterogêneas? Três problemas com interconexão a nível de enlace

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais