TÍTULO: ALTERAÇÕES BIOPSICOSSOCIAIS EM IDOSOS QUE ADERIRAM A INCLUSÃO DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: ALTERAÇÕES BIOPSICOSSOCIAIS EM IDOSOS QUE ADERIRAM A INCLUSÃO DIGITAL"

Transcrição

1 TÍTULO: ALTERAÇÕES BIOPSICOSSOCIAIS EM IDOSOS QUE ADERIRAM A INCLUSÃO DIGITAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO MOURA LACERDA AUTOR(ES): REBEKA GOMES PINTO CUNHA ORIENTADOR(ES): TULIO MARCUS RIBEIRO CALIXTO

2 Rebeka Gomes Pinto Cunha Alterações Biopsicossociais em Idosos que Aderiram a Inclusão Digital Ribeirão Preto 2014

3 Rebeka Gomes Pinto Cunha Alterações Biopsicossociais em Idosos que Aderiram a Inclusão Digital Centro Universitário Moura Lacerda Tecnologia em Gestão de Tecnologia da Informação Programa de Iniciação Científica Orientador: MSc. Tulio Marcus Ribeiro Calixto Ribeirão Preto 2014

4 Resumo Em função dos avanços tecnológicos, aumento na expectativa de vida e consequente envelhecimento populacional, este projeto propõe uma abordagem sobre as dificuldades enfrentadas pelos idosos ao lidarem com a tecnologia e a importância da inclusão digital para a terceira idade visando evitar a exclusão social e digital, diminuindo assim a lacuna intergeracional. Utilizar-se-á questionários a fim de se obter os dados para análise das alterações de caráter biopsicossocial a qual será realizada utilizando ferramentas da tecnologia da informação, visando identificar e constatar os benefícios cognitivos e comportamentais que a interação com o computador pode trazer para o idoso. Palavras-Chave: Inclusão digital, idoso, intergeracional, biopsicossocial, tecnologia da informação, cognição.

5 Sumário Resumo Sumário Lista de ilustrações Lista de abreviaturas e siglas INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO Preparação da sala onde serão ministradas as aulas de informática Desenvolvimento da ferramenta responsável por obter e armazenar as respostas dos questionários de cada participante CRONOGRAMA MENSAL Referências ANEXO A TERMO DE CONSENTIMENTO ANEXO B AUTORIZAÇÃO DA INSTITUIÇÃO MOURA LACERDA PARA A REALIZAÇÃO DA PESQUISA ANEXO C MEEM ANEXO D GDS ANEXO E PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP

6 Lista de ilustrações Figura 1 Comprovante de envio do projeto de pesquisa ao CONEP Figura 2 Modelo Entidade-Relacionamento do Banco de Dados Figura 3 Ilustração esquemática do modelo MVC Figura 4 Formulário Web para cadastro dos pacientes Figura 5 Formulário Web para aplicação do questinário MEEM Figura 6 Formulário Web para aplicação do questinário GDS Figura 7 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido: Informações sobre o paciente e sobre a pesquisa Figura 8 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido: Informações sobre os procedimentos e objetivos do estudo Figura 9 Termo de Consentimento Livre e Esclarecido: Informações pós-consentimento. 27 Figura 10 Autorização do Centro Universitário Moura Lacerda para a realização da pesquisa Figura 11 Mini Exame do Estado Mental - Questinários Figura 12 Mini Exame do Estado Mental - Avaliação das respostas Figura 13 Escala de Depressão Geriátrica Figura 14 Parecer Consubstanciado do CEP - Página Figura 15 Parecer Consubstanciado do CEP - Página Figura 16 Parecer Consubstanciado do CEP - Página

7 Lista de tabelas Tabela 1 Cronograma Mensal de Atividades

8 Lista de abreviaturas e siglas CAAE CEP CONEP IDE GDS HTML JSP JVM MEEM MER MS MVC POO SGBD SO WWW Certificado de Apresentação para Apreciação Ética. Comitê de Ética em Pesquisa. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Integrated Development Environment (Ambiente de Desenvolvimento Integrado). Geriatric Depression Scale (Escala de Depressão Geriátrica). Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação de Hipertexto). Java Server Pages. Java Virtual Machine (Máquina Virtual Java). Mini Exame do Estado Mental. Modelo Entidade Relacionamento. Microsoft R. Model, View, Control (Modelo, Visão, Controle). Programação Orientada a Objetos. Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Sistema Operacional. World Wide Web.

9 7 1 Introdução e Justificativa As modificações no perfil da faixa etária sofridas na estrutura populacional em decorrência do declínio das taxas de fecundidade e de mortalidade infantil, aliado ao desenvolvimento tecnológico e terapêutico no tratamento de doenças, especialmente as crônicas, são fatores que contribuem para o aumento proporcional do número de idosos, propiciando o envelhecimento populacional (SEADE..., 2010). Segundo (RODRIGUES; WATANABE; DERNTL, 2006), este processo que ocorreu primeiramente nos países desenvolvidos, hoje faz parte da realidade dos países emergentes, e o Brasil não foge a regra. Na década de 40 a expectativa de vida dos brasileiros era de 33,7 anos, já no final da década de 90 passou para 64 anos e em 2025 espera-se que a expectativa de vida chegue a 75,3 anos (IBGE..., 2010). (NERI, 2001) afirma que o envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo o qual ocasiona modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas. Tal processo ocorre de forma heterogênica, ou seja, de modo diferente para cada indivíduo, dependendo de circunstâncias biológicas, psicológicas e sociais as quais devem ser analisadas como um todo, em função da complexidade do ser humano, dando origem ao termo biopsicossocial. Dentro do envelhecimento normativo ocorrem alterações típicas e inevitáveis deste processo, tais como as alterações cognitivas, como, por exemplo, perda de memória e concentração, as quais implicam em várias dificuldades para o indivíduo, por exemplo, dificuldade em compreender mensagens longas ou complexas (CANCELA, 2007). Desta forma, idosos enfrentam dificuldades acentuadas em lidar com novos desafios, como por exemplo, os avanços da tecnologia. A globalização e o aumento em larga escala dos recursos tecnológicos têm assumido um papel estratégico juntamente à população, disseminando novas formas de acesso a informação e ao entretenimento, como por exemplo, smartphones, tablets e redes sociais, recursos estes que geram uma nova visão social com novos padrões e valores. Essas novas tecnologias acabam interligadas diretamente aos jovens, evidenciando a exclusão social e digital da pessoa idosa (MOREIRA, 2003). Segundo (KACHAR, 2003), levar informática e aprendizagem para a terceira idade pode proporcionar benefícios, como, por exemplo, a melhora na interação social e no estímulo cognitivo. De acordo com (OLIVEIRA, 2008), pessoas idosas possuem potencial para o desenvolvimento, sendo capaz de aprender e de se adaptar as novas condições e exigências da vida, deve-se apenas respeitar seu ritmo pessoal. Dessa forma, a inserção do idoso

10 Capítulo 1. Introdução e Justificativa 8 no meio digital, poderá proporcionar-lhe uma nova gama de conhecimento, aprendizagem, informação e interação intergeracional. Atualmente as demandas de conhecimento das ferramentas tecnológicas são imprescindíveis para o bem-estar, comunicação e integração de todas as pessoas. A população idosa tem buscado um envelhecimento com mais participação ativa no meio social (REIS, 2011). O Estatuto Do Idoso, garante a pessoa idosa todos os direitos fundamentais, sem prejuízo da sua proteção integral, das oportunidades de preservação a sua saúde física, mental e intelectual, o que evidencia o direito a aprendizagem que a terceira idade possui. Segundo (MOREIRA, 2003), o acesso as tecnologias da informação e comunicação devem ser um fator de inclusão, mediante treinamento da pessoa idosa, para que elas sejam beneficiadas pelo uso da tecnologia e reconhecidas socialmente como parte do meio. Entende-se, portanto, a importância da inclusão digital na vida da pessoa idosa. Por ser um público com limitações decorrentes da idade, vê-se a necessidade de inclusão específica para a terceira idade, respeitando o ritmo e suas dificuldades no processo de aprendizagem, visando a melhoria dos benefícios biológicos, psicológicos e sociais. Neste sentido, a informatização e a comunicação são fatores mantenedores do círculo social, o que demonstra e justifica a necessidade de inserir o idoso nesse meio digital, tornando oportuna, também, a inserção social. Devido a importância e a amplitude do tema, este projeto está focado nos papéis que as novas tecnologias da informação e comunicação podem desempenhar nas alterações biopsicossociais dos idosos em prol da melhoria da saúde e uma nova constituição de conceitos para obter benefícios na qualidade de vida. Dessa forma, visamos explorar a utilização de tecnologias da informação, não somente a distância, mas que estimulem a interação social. A interação efetiva de todas as pessoas rege a constituição de uma sociedade plena. Baseado nessa perspectiva, é fundamental a inclusão para reconhecer as diferenças e torná-las em igualdade. As novas tecnologias contribuem para a integração social de forma geral, afastando o preconceito intergeracional e por consequência diminuindo a exclusão social (CONFORTO; SANTAROSA, 2002).

11 9 2 Objetivos Geral Este trabalho tem como objetivo geral analisar as alterações biológicas, psicológicas e sociais em idosos que aderiram a inclusão digital. Específicos Propor meios para minimizar as lacunas entre as gerações em função do avanço tecnológico. Analisar a importância da inclusão digital para a terceira idade. Ampliar os conhecimentos referentes aos benefícios da inclusão digital para a pessoa idosa. Propor oficinas de interação social da terceira idade, visando melhorar a qualidade de vida do idoso através da motivação em grupo a enfrentar novos desafios e da integração social e digital. Aumentar a autoestima do idoso através de uma inserção ativa no mundo digital. Desenvolver ferramentas computacionais que auxiliem na obtenção e análise dos dados relevantes ao entendimento das alterações biopsicossociais em idosos que aderiram a inclusão digital.

12 10 3 Metodologia A pesquisa proposta apresenta duas abordagens: 1) quantitativa e 2) qualitativa. Na primeira as respostas fechadas serão traduzidas em números, e ao final do trabalho será possível classificá-las e analisá-las em frequência de aparição, sendo os seus dados descritivos avaliados através de um método estatístico. A segunda abordagem busca analisar, observar, compreender e interpretar as necessidades dos entrevistados visando a melhoria da qualidade de vida (BARDIN; RETO; PINHEIRO, 1979; SILVA; MENEZES, 2005). O desenvolvimento do projeto dar-se-á da seguinte forma: primeiramente será realizado um levantamento bibliográfico a fim de compreender as principais alterações do envelhecimento e as relevâncias tecnológicas para pessoas dessa faixa etária, de forma a desenvolver aulas específicas a serem aplicadas em oficinas de interação voltadas para a terceira idade. Após a analise bibliográfica, será avaliado o melhor local a ser utilizado para as aulas de informática que serão ministradas. As salas de aulas serão adaptadas conforme as necessidades deste público. Definido o local das aulas e infra-estrutura da sala, serão formados dois tipos de grupos: o grupo experimental (participantes das aulas de informática) e o grupo controle (não participantes das aulas de informática), a fim de compará-los ao final do estudo. Para iniciar a formação dos grupos, o primeiro critério será captar idosos dos grupos de convivência de Ribeirão Preto. Os critérios de seleção do programa são: ter idade igual ou superior a 60 anos, ser alfabetizado, ser fisicamente independente, apresentar declínio cognitivo leve ou não apresentar declínio cognitivo. Tais critérios visam estabelecer um nivelamento dos candidatos. Os grupos pré-selecionados passarão por uma avaliação gerontológica onde será aplicado o Mini Exame de Estado Mental (MEEM), teste utilizado na área da saúde para avaliar a função cognitiva do idoso, a fim de estabelecer os critérios de seleção, segundo o Programa Telessaúde Brasil do Ministério da Saúde (TELESSAÚDE..., 2006). Em função da quantidade de candidatos aptos para a pesquisa, serão constituídos grupos de até 20 pessoas. Os candidatos poderão ser alocados aleatoriamente nos grupos desde que não comprometam a pesquisa, como, por exemplo, superlotação na sala. Para coleta dos dados, serão realizadas entrevistas informais, uma vez que este tipo de entrevista possibilita ao pesquisador um conhecimento mais aprofundado da temática que está sendo investigada (ALENCAR, 1999). Para tal, serão entrevistados os participantes do programa, incluindo tanto o grupo controle, quanto o grupo experimental. Será aplicado a

13 Capítulo 3. Metodologia 11 cada idoso um questionário contendo questões que analisarão aspectos sociais, biológicos e psicológicos. Ao grupo controle, será aplicado um questionário adicional contendo questões referentes ao seu interesse e expectativas de aprendizagem. As aulas serão ministradas, para o grupo experimental, no período de três meses, uma vez por semana. O conteúdo das aulas será baseado nas estatísticas dos questionários respondidos. Ao término de cada mês, será realizado um feedback, onde será registrado todo o processo evolutivo do aluno. Assim que finalizado o período das aulas, os questionários serão novamente aplicados, tanto para o grupo controle quanto para o experimental, a fim de se obter os dados relevantes para iniciar a fase de análise, a qual contará com o emprego da bioinformática 1. Forma de Análise de Resultados Com os resultados e feedbacks gerais, será realizada a análise dos dados, comparando as alterações biopsicossociais, se forem constatadas, e análise comparativa entre os grupos participantes da pesquisa. Por se tratar de um projeto multidisciplinar a pesquisa contará com a participação de uma profissional da área da gerontologia, apta a aplicar corretamente os instrumentos que serão utilizados na análise dos dados e posteriormente auxiliará na interpretação dos resultados. Devido à quantidade de dados obtidos, a utilização de ferramentas computacionais é necessária no sentido de organizar e armazenar a informação através do emprego de SGBDs 2, e possibilitar, de maneira eficiente e segura, a sua posterior recuperação, permitindo assim que os mesmos dados sejam analisados de diferentes maneiras e até mesmo comparados entre si, por meio da utilização e/ou desenvolvimento de algoritmos para este fim (LEISERSON et al., 2002), tornando o processo de análise dinâmico e em constante avanço tecnológico. Avaliação de Riscos Os riscos encontrados neste projeto são mínimos, podendo haver algum tipo de constrangimento durante as entrevistas, algum sentimento de incapacidade por parte da pessoa idosa por não conseguir acompanhar as aulas de informática, ou uma frustração por não conseguir assimilar ao fim do curso o conteúdo ministrado. Diante do exposto o 1 Aplicação de técnicas computacionais e informática na área de estudo da biologia (ATTWOOD et al., 2011). 2 Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (ELMASRI et al., 2005).

14 Capítulo 3. Metodologia 12 participante tem o total direito de abandonar as aulas de informática, a qualquer momento, sem nenhum prejuízo a sua pessoa, conforme consta no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, exibido no Anexo A.

15 13 4 Resultados e Discussão Até o presente momento os resultados podem ser divididos em quatro partes: 1) Preparação da sala onde serão ministradas as aulas de informática para terceira idade e a elaboração do material didático que será utilizado, 2) Desenvolvimento da ferramenta responsável por obter, armazenar e, posteriormente, analisar as respostas dos questionários de cada participante, 3) Aplicação dos questionários antes e após o desenvolvimento das aulas, 4) Desenvolvimento das aulas de informática específicas para a terceira idade. Por se tratar de um trabalho que evolve a participação de seres humanos, antes iniciar as atividades propostas nos itens 3 e 4 é necessário a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, cuja submissão ao CONEP foi realizada no dia 10 de Julho de 2014, cujo CAAE é A Figura 1 exibe o protocolo da submissão e o status da análise pelo Comitê de Ética. 4.1 Preparação da sala onde serão ministradas as aulas de informática A sala de aula escolhida, identificada como sala F10, fica na Sede do Centro Universitário Moura Lacerda, situada à Rua Padre Euclides, 995 em Ribeirão Preto. A sala é ampla e arejada, de fácil acesso e possui toda infraestrutura necessária para acomodar os alunos, como por exemplo, ar condicionado, mesas, cadeiras, ventiladores, projetor, etc. Com 18 computadores disponíveis para utilização, todos com acesso a Internet, Sistema Operacional Microsoft Windows 7 R em português, Microsoft Office 2010 R, antivírus e compactador de arquivos. A autorização da Instituição Moura Lacerda para a realização da pesquisa está exibida no Anexo B. Em função das limitações físicas e cognitivas decorrente da idade avançada dos participantes, foi necessário elaborar aulas adaptadas e preparadas com uma didática facilitada que proporcione maior aprendizagem e memorização de conteúdo (KACHAR, 2000). O material didático foi elaborado exclusivamente para atender as necessidades e habilidades do público alvo e aborda os seguintes tópicos: Conhecendo o computador; Ligando e desligando o computador; Apresentação gráfica do SO MS Windows 7; Os diversos aplicativos disponíveis junto com o SO e sua utilização;

16 Capítulo 4. Resultados e Discussão 14 Programas básicos: PaintBrush, Calculadora e Bloco de Notas; Alterar o Papel de Parede da Área de Trabalho; Definição e utilização de Arquivos e Pastas; Introdução ao editor de Texto MS Word 2010 (Parágrafo, Alinhamento e Tabulação, Impressão de Documentos no Word, Edição e Manipulação de Imagens no Word); CENTRO UNIVERSITÁRIO BARÃO DE MAUÁ DADOS DO PROJETO DE PESQUISA COMPROVANTE DE ENVIO DO PROJETO Título da Pesquisa: Alterações Biopsicossociais em Idosos que Aderiram à Inclusão Digital Pesquisador: Tulio Marcus Ribeiro Calixto Versão: 2 CAAE: Instituição Proponente: DADOS DO COMPROVANTE Número do Comprovante: /2014 Patrocionador Principal: Instituição Universitária Moura Lacerda Informamos que o projeto Alterações Biopsicossociais em Idosos que Aderiram à Inclusão Digital que tem como pesquisador responsável Tulio Marcus Ribeiro Calixto, foi recebido para análise ética no CEP Centro Universitário Barão de Mauá em 15/07/2014 às 09:32. Endereço: RAMOS DE AZEVEDO Bairro: JARDIM PAULISTA CEP: UF: SP Município: RIBEIRAO PRETO Telefone: (16) Fax: (16) Figura 1 Comprovante de envio do projeto de pesquisa ao CONEP.

17 Capítulo 4. Resultados e Discussão 15 Internet (Google, , Facebook, Youtube, navegabilidade). 4.2 Desenvolvimento da ferramenta responsável por obter e armazenar as respostas dos questionários de cada participante Adotamos as seguintes tecnologias para desenvolver uma ferramenta computacional, cuja finalidade inicial é armazenar em um SGBD, as respostas obtidas através dos formulários aplicados nas entrevistas realizadas com os idosos antes e depois das aulas de informática. São elas: JAVA, HTML, Eclipse, PostgreSQL, Apache Tomcat, PGAdmin3 e BRmodelo. Abaixo há uma breve descrição e justificativa de utilização de cada tecnologia. A ferramenta proposta está sendo desenvolvida para funcionar na Web, pois na atualidade a Internet é um recurso muito utilizado tanto para a realização de diversos tipos de trabalho, como por exemplo, EAD, Vendas on-line, divulgação de produtos, agenda compartilhada, acesso a contas bancárias, lazer e outros. Com a utilização de ferramentas da informática e a Internet, foi projetada uma aplicação interativa e de fácil utilização para o profissional da saúde. Um dos critérios adotados para a utilização das ferramentas abaixo foi a popularidade das mesmas. JAVA: A tecnologia JAVA foi adotada por ser uma plataforma segura onde o código é sempre executado dentro da JVM. Java é uma linguagem de programação que facilita o controle de objetos e fornece portabilidade completa entre diversas plataformas (Windows, Linux, Apple e outros). Dessa forma, um programa pode ser executado em vários ambientes diferenciados. Neste contexto, destaca-se a utilização de duas tecnologias JAVA no desenvolvimento de software voltado para Internet: 1) JAVA Servlet e 2) JAVA Server Pages (JSP), ambos permitem o desenvolvimento de aplicações dinâmicas, são gratuitas, contém tratamentos de exceções, interface gráfica e ligação cliente/servidor com base na Internet (PERRY, 2004). HTML: Tecnologia utilizada em complementação à tecnologia JAVA para o desenvolvimento da aplicação para WEB. É uma linguagem de marcação de hipertexto utilizada corriqueiramente para desenvolvimento de páginas para internet, (SILVA, 2008). Eclipse: Ferramenta adotada por ser uma IDE, onde suas funcionalidades contribuem para a otimização do tempo do processo de desenvolvimento do software (RIVIERES, 2001). É uma ferramenta gratuita que facilita a construção de diferentes aplicações baseadas em IDE, possui arquitetura focada em execução e integração de plugins, o que permite que o software desenvolvido em Eclipse seja integrado a outras aplicações que também se interliguem a mesma (ECLIPSE; IDE, 2006).

18 Capítulo 4. Resultados e Discussão 16 Apache Tomcat: A tecnologia Apache Tomcat 8.0 foi adotada por ser um servidor JSP e JAVA Servlet, gratuito e de fácil configuração que atende as demandas do desenvolvimento da aplicação (VUKOTIC; GOODWILL, 2011). PostgreSQL: SGBD distribuido como projeto de código aberto. Utilizada a versão 9.0, que permite atualização in Loco integrada, autenticação Radius (TONIN et al., 2008), comandos de gestão e permissões de Banco de Dados facilitados, além da alta performance e recursos avançados. A utilização de sistemas da informação para o gerenciamento da base de dados da aplicação, facilita a inserção, alteração, manipulação e o armazenamento dos dados de maneira segura e eficiente, permitindo a sua recuperação e a providência de backup, caso necessário, sem perda dos dados anteriormente coletados (DATE, 2004). PGAdmin3: Tecnologia adotada como interface gráfica completa para a administração do PostGreeSQL. A ferramenta facilita a criação de tabelas, atribuitos, chaves primárias e estrangeiras e o gerenciamento da base de dados Possui licença livre e multiplataforma. BRModelo: Esta tecnologia foi adotada para a modelagem do banco de dados da aplicação. De utilização gratuita, é utilizada corriqueiramente para a geração automática do modelo relacional de um SGBD (CÂNDIDO, 2008). Na atual etapa de desenvolvimento, a modelagem do Banco de Dados da aplicação é composta por seis tabelas 1, descritas a seguir: 1. Paciente: Tabela criada para armazenar dados sobre o paciente. Esta tabela contém onze campos de preenchimento: Código do paciente (onde fica armazenada a identificação única de cada paciente - Chave Primária), Nome do Paciente, Data de nascimento, CPF do paciente, Telefone, Sexo, , Data que foi realizado o cadastro, Endereço, UF e Observação (campo destinado a possiveis anotações). 2. Tipo Exame: Tabela criada para armazenar a identificação dos exames que estão disponíveis na aplicação. Esta tabela contém dois campos de preenchimento, o Código do tipo de exame (onde fica armazenada a identificação única de cada exame contido na aplicação) e o Nome do Exame, que contem a descrição a respeito do código armazenado, ou seja, qual é o exame referente àquele código. 1 Formalmente o Modelo Entidade Relacionamento de um Banco de Dados é composto por Entidades (ilustradas através de tabelas) e Relacionamentos (ilustrados por meio de linhas contínuas ou pontilhadas, de acordo com a função de cada uma). Por se tratar de um trabalho multidisciplinar adotamos o termo Tabela, no lugar de Entidade, afim de facilitar a leitura e compreensão pelo público advindo de outras áreas do conhecimento, externo às Ciências da Computação e afins.

19 Capítulo 4. Resultados e Discussão Exame: Tabela criada para armazenar os dados da realização do exame. Esta tabela contém cinco campos de preenchimento, o Código do exame (onde fica armazenada a identificação única de cada exame - Chave Primária), Código do paciente no qual é utilizado um dado já previamente cadastrado e armazenado na tabela Paciente, Código tipo exame onde utiliza-se um dado previamente cadastrado na tabela Tipo Exame, Data, campo utilizado para armazenar a data da realização do exame e Horário, utilizado para gravar a hora que foi realizado o exame. 4. MiniMental: Tabela criada para armazenar os dados coletados na realização do Mini Exame do Estado Mental. Esta tabela contém vinte e quatro campos de preenchimento, Entrevistador, onde fica armazenado o nome do profissional que está gerindo o exame, Data onde fica armazenada a data de realização do exame, Código (onde fica armazenada a identificação única de cada exame realizado), Código Paciente onde utiliza um dado previamente cadastrado na tabela Paciente, Tipo Exame, o qual utiliza um dado previamente cadastrado na tabela Tipo Exame e dezenove questões que estão que referentes ao MEEM, as quais são armazenada separadamente, nos seus respectivos campos, para posterior recuperação e análises. 5. GDS: Tabela criada para armazenar os dados coletados na realização do exame da Escala Geriátrica de Depressão. Esta tabela contém dezoito campos de preenchimento, Código (onde fica armazenada a identificação única de cada exame cadastrado), Código Paciente onde utiliza um dado previamente cadastrado na tabela Paciente, Tipo Exame onde utiliza um dado previamente cadastrado na tabela Tipo Exame e quinze questões referentes ao GDS, armazenadas separadamente para posterior recuperação e análises. 6. Resultado: Tabela criada para armazenar a somatória dos pontos referentes aos exames inclusos na aplicação. Esses pontos serão utilizados em análises posteriores, o que resulta em um diagnóstico baseado em estatísticas. Esta tabela contém dois campos de preenchimento, Código do Paciente onde utiliza um dado previamente cadastrado na tabela Paciente e Resultado onde fica armazenado os dados das pontuações obtidas. A Figura 2 ilustra o MER atual do Banco de Dados. A ferramenta proposta é desenvolvida com base no modelo MVC e POO. Uma breve descrição dessas tecnologias é apresentada a seguir. Modelo MVC: O modelo MVC é um modelo de arquitetura do software que separa a camada de apresentação da lógica da aplicação. O Modelo se baseia nos dados da aplicação, a Visão na representação dos dados e o Controle intermedia a manipulação dos dados e a interação com o usuário (Visão). Na aplicação sugerida, é

20 Capítulo 4. Resultados e Discussão 18 Figura 2 Modelo Entidade-Relacionamento do Banco de Dados. utilizado o MVC para WEB, onde há o envio de requisições de entrada, por meio dos formulários WEB, ao Controle, onde como resposta (e a partir do Controle), este recebe uma página da WEB para a Visão (REENSKAUG, 2003). A Figura 3 ilustra o modelo MVC. Figura 3 Ilustração esquemática do modelo MVC. POO: É uma metodologia de desenvolvimento de software orientada a objeto. Componentes do sistema são desenvolvidos a partir da observação de objetos da vida

21 Capítulo 4. Resultados e Discussão 19 real e seus comportamentos e funcionalidades. Os programas são estruturados em módulos com ênfase na reutilização de código (RESENDE; SILVA, 2005). As Figuras 4, 5 e 6 ilustram, respectivamente, o Formulário para inclusão do paciente/aluno no sistema, o MEEM e o GDS. Ao clicar no botão "Gravar Dados", o sistema armazena as informações inseridas nos formulários nas respectivas tabelas do Banco de Dados. Figura 4 Formulário Web para cadastro dos pacientes.

22 Capítulo 4. Resultados e Discussão 20 Figura 5 Formulário Web para aplicação do questinário MEEM.

23 Capítulo 4. Resultados e Discussão 21 Figura 6 Formulário Web para aplicação do questinário GDS.

24 22 5 Cronograma Mensal Meses Atividades Análise bibliográfica X X X X X X X X X X X X Desenvolvimento do projeto X X X X X X X X X X X X Definição do local de aula e resoluções burocráticas X X Seleção dos grupos X X Aplicação dos questinários iniciais X Aulas de informática X X X Aplicação dos questinários finais X Análise dos dados/resultados X X Conclusão do trabalho, elaboração do artigo científico e relatório final X X LEGENDAS Concluído Em andamento Pendente Tabela 1 Cronograma Mensal de Atividades. As atividades pendentes necessitam da aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa para serem iniciadas.

25 23 Referências ALENCAR, E. Introdução à metodologia de pesquisa social. Lavras: Ufla, p. p125, ATTWOOD, T. et al. Concepts, historical milestones and the central place of bioinformatics in modern biology: a european perspective. Bioinformatics-Trends and Methodologies. Rijeka: Intech Online Publishers, BARDIN, L.; RETO, L. A.; PINHEIRO, A. Análise de conteúdo. Edições 70, Lisboa, CANCELA, D. M. G. O processo de envelhecimento. Trabalho realizado no Estágio de Complemento ao Diploma de Licenciatura em Psicologia pela Universidade Lusíada do Porto, p. 3, CÂNDIDO, C. H. brmodelo: Ferramenta de modelagem conceitual de banco de dados. Trabalho de Conclusão de Curso de Pós-Graduação (Banco de dados) UFSC, Santa Catarina. Disponível em:< sis4. com/brmodelo/monografia/monografia. htm>. Acesso em, v. 1, CONFORTO, D.; SANTAROSA, L. M. Acessibilidade à web: Internet para todos. Revista de Informática na Educação: Teoria, Prática PGIE/UFRGS, v. 5, n. 2, p , DATE, C. J. Introdução a sistemas de bancos de dados. Elsevier Brasil, ECLIPSE, I.; IDE, E. Documentação do. Disponível em: eclipse. org. Acesso em, v. 12, ELMASRI, R. et al. Sistemas de banco de dados. Pearson Addison Wesley, IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/>. KACHAR, V. A terceira idade eo computador: interação e transformações significativas. A Terceira Idade, São Paulo, v. 11, n. 19, p. 5 21, KACHAR, V. Terceira idade e informática: aprender revelando potencialidades. Cortez, LEISERSON, C. E. et al. Algoritmos: Teoria e prática. Editora Campus, MOREIRA, M. A. Sociedad de la información y analfabetismo tecnológico: nuevos retos para la educación de adultos. Disponible en Internet en: ull. es/users/manarea/documentos/documento10. htm, NERI, A. L. Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. Desenvolvimento e envelhecimento: perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas, Papirus Campinas, OLIVEIRA, R. d. C. D. S. Docência para a terceira idade. Olhar de professor, v. 4, n. 1, PERRY, B. Java servlet & jsp cookbook. "O Reilly Media, Inc.", 2004.

Manual SteelBOX Gestão e Automação de Estúdios Audiovisuais

Manual SteelBOX Gestão e Automação de Estúdios Audiovisuais Manual SteelBOX Gestão e Automação de Estúdios Audiovisuais Alterosa MG Do Software O SteelBOX é o melhor e mais completo software de gestão e automação de estúdios audiovisuais do país, nele pequenos

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009.

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. INSTITUTO FEDERAL GOIÁS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. A

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP

Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA - CEP Considerações iniciais: 1- Hoje os projetos são submetidos para os Comitês de Ética somente

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa cep@usjt.br - tel: 27991944

Comitê de Ética em Pesquisa cep@usjt.br - tel: 27991944 Comitê de Ética em Pesquisa cep@usjt.br - tel: 27991944 Guia para o preenchimento de projetos na Plataforma Brasil Acesse a Plataforma Brasil com seu e-mail de acesso e senha. a) Para submeter um protocolo

Leia mais

(a) Entrar por meio do endereço: http://www.saude.gov.br/plataformabrasil

(a) Entrar por meio do endereço: http://www.saude.gov.br/plataformabrasil CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ CEP - COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO CESUMAR PLATAFORMA BRASIL COMO SE CADASTRAR - Para se cadastrar na Plataforma Brasil, o pesquisador, deverá cumprir os seguintes

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social

Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social Um produto para jogar um conteúdo matemático e estudar um jogo social 1 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 DESENVOLVIMENTO... 5 4 CONCLUSÃO... 11 5 REFERÊNCIA... 11 TABELA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis Objetivo do curso:

Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para

Leia mais

Cursos e Treinamentos Profissionais

Cursos e Treinamentos Profissionais Cursos e Treinamentos Profissionais Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com (12) 8124-6853 http://videsouza.scienceontheweb.net Cursos oferecidos Curso de Desenvolvimento de Software Com Java... 1 Curso

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2 Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Etapa 2 1. Apresentação 1.1 O Programa de Capacitação em Projetos e Empreendimentos Criativos é uma iniciativa do Ministério da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

i-educar Sistema de Gestão Escolar

i-educar Sistema de Gestão Escolar i-educar Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão Escolar i-educar O i-educar é um sistema integrado de gestão escolar, desenvolvido com o objetivo principal de centralizar informações sobre o sistema

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA

ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESCLARECIMENTOS A RESPEITO DA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA TODOS OS PROTOCOLOS DE PESQUISA DEVEM SER SUBMETIDOS AO CEP VIA PLATAFORMA BRASIL Se você é um Usuário novo, acesse o link www.saude.gov.br/plataformabrasil

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO. Faculdade Senac PE/Sesc PE

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO. Faculdade Senac PE/Sesc PE SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DE PERNAMBUCO Faculdade Senac PE/Sesc PE FACULDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE 2014.2 O Sistema FECOMÉRCIO, através

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

SELEÇÃO PARA TUTORES PRESENCIAIS

SELEÇÃO PARA TUTORES PRESENCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD CENTRO DE EDUCAÇÃO / DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL DAEPE/CE SELEÇÃO PARA TUTORES PRESENCIAIS

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO MOODLE FACULDADE INTERAÇÃO AMERICANA VIRTUAL - Versão: Aluno Acessando o sistema 1- Para acessar a Faculdade Interação Americana Virtual digite o seguinte endereço: http://ead.fia.edu.br/

Leia mais

Imprensa Oficial do Município de Osasco Página 37

Imprensa Oficial do Município de Osasco Página 37 Imprensa Oficial do Município de Osasco Página 37 EDITAL ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 007/2015 De ordem do Senhor Presidente da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco, através da Comissão

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 CEAD-UNB

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 CEAD-UNB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD-UNB PROCESSO SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 CEAD-UNB A Diretora do Centro de Educação a Distância da Universidade de

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES 1. O

DÚVIDAS FREQUENTES 1. O DÚVIDAS FREQUENTES 1. O que é um Comitê de Ética em Pesquisa (CEP)? O Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) é um colegiado interdisciplinar e independente, com múnus público, que deve existir nas instituições

Leia mais

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR Versão 4.0 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 14/09/2012 Documento 1.1 2.0 3.0 4.0 Equipe suporte

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE QUÍMICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

Daniel Paulo de Assis

Daniel Paulo de Assis Daniel Paulo de Assis Brasileiro, solteiro, 32 anos Rua Dr. Seng, 100 Bela Vista - São Paulo SP Telefone: (11) 9-4991-5770 / (18) 9-9119-2006 E-mail: daniel@dpassis.com.br WebSite: dpassis.com.br Linkedin:

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE PROFESSORES PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTES DA REDE e-tec BRASIL

PROCESSO SELETIVO DE PROFESSORES PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTES DA REDE e-tec BRASIL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Osório E JAN EDITAL Nº 06, DE 25 DE FEVEREIRO DE

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva

Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva São Luís/MA - 2007 Utilizando a Planilha Calc no Estudo de Estatística Descritiva Wagner Luis MARTINS (1); Silvia Cristina BATISTA (2); Gilmara BARCELOS (3)* (1) Licenciando em Matemática CEFET CAMPOS;

Leia mais

PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE

PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE PAMIN PATRIMÔNIO, MEMÓRIA E INTERATIVIDADE Resumo: Autores: LOURENÇO, Cláudio Djohnnatha Duarte (UFPB Discente Bolsista) cdjohnnatha@gmaill.com QUEIROGA, Eduardo Vieira (UFPB Discente Bolsista) eduardo.queiroga@lavid.ufpb.br

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO VOLTADAS PARA WEB 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009

Documentos IMAGEM. Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário. ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Documentos ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 82 Sistema Web para Cadastro de Funcionários da Embrapa Pecuária Sul: Manual do Usuário IMAGEM ISSN 1982-5390 Agosto, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR

EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR EDITAL Nº 015/ 2014- CIPEAD/PROGRAD/UFPR EDITAL DE CHAMADA DE ARTIGOS E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS PARA O CADERNO DIGITAL DE AVALIAÇÃO DA EAD/CIPEAD/UFPR A Universidade Federal do Paraná, por meio da Comissão

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI

FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI ARAPOTI-PR 2011 1. APRESENTAÇÃO Vive-se um momento único onde o poder do conhecimento

Leia mais

Submissão de Projetos de Pesquisa

Submissão de Projetos de Pesquisa Submissão de Projetos de Pesquisa Versão 5.1 1 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Criação do 1.0 Brasil 13/10/2011 documento 1.1 Brasil 17/10/2011 Revisão (V2.3) 1.2 2.0 2.1 3.0

Leia mais

Gestão Financeira do Plano de Saúde v1.0

Gestão Financeira do Plano de Saúde v1.0 Gestão Financeira do Plano de Saúde v1.0 Manual do Usuário Versão 01.01 [Este template faz parte integrante do Processo de Desenvolvimento de Sistemas da DTI (PDS-DTI) e deve ser usado em conjunto com

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 Projeto: Qualificação em Cuidado Domiciliar da pessoa Idosa Frágil INSCRIÇÃO/CRECENCIAMENTO

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil.

pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. Como submeter meu projeto pela Plataforma Brasil? Este documento tem como principal objetivo oferecer orientações básicas para que os pesquisadores submetam seus projetos na Plataforma Brasil. O sistema

Leia mais

Oficina. Praça das Três Caixas d Água Porto Velho - RO

Oficina. Praça das Três Caixas d Água Porto Velho - RO Oficina Praça das Três Caixas d Água Porto Velho - RO Oficina Ministrante: Marcel Leite Rios Apresentação Pessoal Marcel Leite Rios Prof. de Informática IFRO Graduado: Sistemas de Informação - ULBRA MBA

Leia mais

16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica:

16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 7 INFORMÁTICA QUESTÕES DE 16 A 35 16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica: a) Possibilita a ativação de vários

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROCEU PROGRAMA DE CADASTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROCEU PROGRAMA DE CADASTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROCEU PROGRAMA DE CADASTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CURITIBA 2009 HUGO ARAÚJO DE ALMEIDA RAFAEL DE MELLO LECHAKOSKI TAYLOR

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ELABORAÇÃO DE MATERIAL, TUTORIA E AMBIENTES VIRTUAIS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

REGULAMENTO. Ação formativa. Mecanismos de Apoio ao Processo de Recuperação da Aprendizagem

REGULAMENTO. Ação formativa. Mecanismos de Apoio ao Processo de Recuperação da Aprendizagem REGULAMENTO Ação formativa São Paulo, setembro de 2014 1 SUMÁRIO A. APRESENTAÇÃO... 3 B. OBJETIVOS... 3 C. PÚBLICO-ALVO... 4 D. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS... 4 E. INSCRIÇÕES... 4 F. ESTRUTURA E CRONOGRAMA

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

E JAN EDITAL Nº 05, DE 16 DE MARÇO DE 2015.

E JAN EDITAL Nº 05, DE 16 DE MARÇO DE 2015. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Rio Grande E JAN EDITAL Nº 05, DE 16 DE MARÇO DE

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC)

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC) GLOSSÁRIO Quando a operadora desejar a aprovação do programa, deverá efetuar o cadastramento do programa para Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças. A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

Inscrições/Submissões

Inscrições/Submissões Inscrições/Submissões Orientações Gerais As inscrições serão feitas exclusivamente online, no site do evento, pelo link Inscrições/Submissões > Formulário de inscrição. O preenchimento correto dos dados

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU:( X ) Integrado ( ) Subsequente ( ) Concomitante ( ) Bacharelado ( ) Licenciatura ( ) Tecnólogo

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Serviço de Hospedagem de Sites. Regras de Uso: Serviço de Hospedagem de Sites

Serviço de Hospedagem de Sites. Regras de Uso: Serviço de Hospedagem de Sites Serviço de Hospedagem de Sites Regras de Uso: Serviço de Hospedagem de Sites Dados Gerais Identificação do documento: Regras de Uso - Serviço de Hospedagem de Sites - V1.0 Projeto: Regras de Uso: Serviço

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA Manual Prático Resumido de Instalação, Configuração e Uso dos Sistemas e-sus CDS (Coleta de Dados Simplificado), e-sus PEC (Prontuário Eletrônico do Cidadão) e e-sus PEC Centralizador (Centralizador de

Leia mais