O ESTATUTO DO IDOSO NO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL. Eliane Romeiro Costa 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ESTATUTO DO IDOSO NO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL. Eliane Romeiro Costa 1"

Transcrição

1 O ESTATUTO DO IDOSO NO SISTEMA DE PROTEÇÃO SOCIAL Eliane Romeiro Costa 1 O Estatuto do Idoso, Lei /03, reforça os direitos do seguro velhice iniciados com a proteção social bismarkiana ( 1883). Descrevendo os direitos fundamentais dos idosos mencionados na Constituição Federal, com a defesa do conjunto dos aspectos da vida que incidem no processo de envelhecimento, intenta articular um conceito de bem-estar na velhice enfocando um certo espírito da seguridade. Sua inovação consiste em provocar, possibilitar políticas contínuas de atendimento relacionados aos distintos processos de envelhecimento evitando a insegurança social programada 2. Vários aspectos podem ser articulados em conjunto ou unitariamente no Estatuto do Idoso. O envelhecimento encontra-se incluído nos debates contemporâneos. É no cenário nacional e global que podemos reunir elementos suficientes para compreender o fenômeno do processo de envelhecimento em sociedades que estão atingindo níveis suficientes de qualidade de vida. 1 Doutora em Direito das Relações Sociais PUC-SP, professora e pesquisadora em Seguridade Social no Dep. de Ciências Jurídicas da Universidade Católica de Goiás.Tema apresentado no 17 º Congresso Brasileiro de Previdência Social da Ltr- São Paulo, em Publicado na Revista de Previdência Social da LTR São Paulo n julho Referência ao texto sobre o Sistema de Saúde na França intituladado Insécurité sociale programmée 1

2 O Estatuto do Idoso é um documento social que possibilita a conscientização, a reflexão sobre o processo biológico do envelhecimento e seus reflexos no sistema econômico, na cadeia produtiva. A Lei /03, ampara-se no art. 230 da Carta Suprema que atribui à família, à sociedade e ao Estado o dever de amparar as pessoas idosas defendendo sua dignidade e bem-estar. Fundamenta-se na Lei n /94 ( Política Nacional do Idoso ) que assegura que o processo de envelhecimento diz respeito à sociedade em geral ( art. 3 º,II). A Lei dos Idosos tem como essência o disposto no título II, Dos Direitos Fundamentais, Capítulo I, Do Direito à Vida, art.8 º,sintetizando a vontade do legislador ao revelar um direito básico do cidadão : O envelhecimento é um direito personalíssimo e a sua proteção um direito social. Direito ao processo de envelhecimento diz respeito ao direito de todos ao privilégio de atingir a velhice. A velhice é risco biológico, mas é social, pois é onerosa para o indivíduo e para a sociedade. O envelhecimento como processo pode se caracterizar como debilidade física e também privação dos meios de subsistência. No conceito de velhice deparamos com a idade cronológica, biológica, social e existencial. Como possível explicação do desgaste humano, a filósofa Hannah Arendt ( A Condição Humana), ao tratar da distinção entre labor das mãos e labor do corpo, polemiza que enquanto o labor das mãos é finito, o labor do corpo ou o peso da vida, só se finaliza com a própria vida. 2

3 Todos os Estados têm se ocupado deste problema que é fruto de sociedades que envelhecem. É uma questão de fortes repercussões políticas, sociológicas, econômicas e jurídicas porque projeta para o futuro um tipo de sociedade em que é imperativo a dignidade social e, talvez, possível, com políticas de inclusão social, o envelhecimento ativo. No rol dos riscos sociais, o único risco certo é a morte, assim a velhice como conceito social, biológico e jurídico é risco previsível, mas incerto. Importante mencionar que estudiosos da Seguridade têm tratado desse tema de relevância social como Wladimir Novaes Martinez em O Direito dos Idosos, do mesmo autor Comentários ao Estatuto do Idoso, Celso Barroso Leite com O Século da Aposentadoria, recentemente a Revista de Direito Social n. 13/2004, Miguel Horvath em Análise Preliminar do Estatuto do Idoso, a Revista Internacional de Seguridade Social em número especial sobre El Desafio del Envejecimiento para La Seguridad Social, também a Associação Internacional de Seguridade Social AISS publicou relevante estudo titulado Los sistemas de la seguridade social frente a poblaciones longevas : Diez cuestiones críticas ". A Lei dos Idosos defende um padrão legal de necessidades mínimas, mas não as necessidades mais específicas ou mesmo critérios mais abrangentes geradores de efetivo atendimento ao idoso.refere-se ao trabalho, à velhice, à previdência e à assistência social como temas fundamentais e de fortes conexões. Esses fatores conjuntamente são medidores do equilíbrio social. 3

4 A idade e a aposentadoria como fenômenos sociais, encontramse em mutações, assim como o pacto social previdenciário e o trabalho que é valor constitucional,paradigma da seguridade e alicerce para a previdência social. O Estatuto dos Idosos assegura direito à aposentadoria após a perda do status de segurado desde que se comprove a carência exigida. Reduz para 65 anos o atendimento ao benefício assistencial, critério da hipossuficiência, contudo, sem possibilitar níveis distintos de atendimento. O parâmetro medidor da desigualdade é a ausência de renda, apenas. Esse é o único critério de atendimento assistencial, o conceito padrão de miséria e a população-alvo é o idoso pobre. A Lei 6.179/74 delimitava o amparo assistencial a pessoa com mais de 70 anos sem condição de prover a própria assistência. Da mesma forma, a Lei 8.742/93 atendendo o disposto no texto constitucional vigente ( art. 203 ) tratou da proteção assistencial ao maior de 67 anos a partir de janeiro de 1998 e, a contar de janeiro de 2000, para 65 anos coincidindo, portanto, com a aposentadoria por idade. Os critérios são cronológico e econômico. A Política Nacional do Idoso, como política de seguridade social fundado nos artigos 203 e 230 da Lei Maior, responsabiliza a família, a sociedade e o Estado como entes provedores e responsáveis pelos direitos dos idosos. O direito do idoso à habitação, refere-se à moradia digna. A Lei dos Idosos propõe política social para aquisição da casa própria por meio de programas públicos ou subsidiados com verba pública. Estudo 4

5 comparado entre Austrália e Finlândia 3 publicado pela Revista Internacional de Seguridade Social, buscou identificar a relação existente entre o custo da moradia e o ciclo da vida na melhora do bemestar econômico do grupo longevo ou se, ao contrário, esta relação provocava certo nível de pobreza em populações de idade avançada. Neste sentido, o custo da moradia é um ponto chave para se estudar a pobreza. Argumenta-se que a propriedade da casa é uma forma de seguro contra ou para a velhice. Os níveis de vida social, portanto, qualificam a cultura do bem-estar. Em torno da proteção à velhice deparamos com a imprecisão do seu conceito. O que é ser velho para o indivíduo e para a sociedade? Qual o processo de velhice ideal para a sociedade brasileira? Quais são as perdas ou ganhos no processo biossocial do envelhecimento? O conceito de velhice no Estatuto dos Idosos inicia-se aos 60 anos ( art. 1 º ). A proteção aos sexagenários reforça o conceito de velhice desamparada previsto na Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS ( Lei 8.742/93). O benefício assistencial ao idoso sem renda foi reduzido de 67 para 65 anos, assim o idoso entre 60 a 65 anos, ou seja, durante 5 anos o idoso pobre ficará sem o direito à assistência social. O trabalho é pilar para a integração social. O direito ao trabalho e à profissionalização dispostos na lei dos idosos sustentam a não 3 Veli- Matti Ritakallio. La importancia de los costos de vivienda en las comparaciones transnacionales de los resultados del ( Estado de ) bienestar. 5

6 discriminação e critério de desempate em concurso pela idade segundo os artigos 26 e 27. Portanto, visando a inclusão social e a luta contra a pobreza, a Lei dos Sexagenários assegura que o processo de envelhecimento diz respeito a todas as idades e, apesar do direito social ao trabalho, a seguridade, a segurança social no Brasil, parece admitir coloquem os velhos novamente para trabalhar. Nos termos das políticas públicas estatais de cunho social e econômico promotoras de inclusão social, a velhice inicia aos 60 anos. Contudo, o movimento de banir o indivíduo como sujeito social produtivo se inicia mais cedo aos 50 anos e, talvez menos, nas sociedades pós-industriais e de economias globais. Algumas nações têm buscado resolver este impasse com os programas previdenciais atrelados às políticas de emprego como as denominadas aposentadorias antecipadas, com o welfare misto público-privado, com o controle da inflação sem corroer os salários. Cabe destacar, por conseguinte, que ameaça o Sistema de provisionamento para a velhice, o emprego precário, as trajetórias laborais interrompidas, a inflação, a ausência de casa própria, além de outros processos de exclusão pelo transporte, pelo crédito, pela renda insuficiente, pelo distanciamento geográfico dos serviços básicos dispostos à sociedade. O Estatuto do Idoso apresenta três sociedades sem apontar a redução das desigualdades entre elas. A primeira, a sociedade dos velhos com previdência, da geração dos seguros sociais ; a segunda, dos velhos com assistência social, encontrando-se amparados no conceito de política pública voltada para o atendimento à pobreza ; e a 6

7 terceira, a sociedade dos sem nada, sem a previdência e sem a assistência. Em outras palavras, a primeira sociedade é a dos incluídos pela renda proveniente do trabalho e do pacto de gerações, a segunda, pelo conceito de velho pobre sem renda e, a terceira, encontra-se destituída de política social específica. Por seu turno, a lei dos idosos nada menciona acerca da previdência complementar, e não remete à necessidade de seguridade independente. O envelhecimento na sociedade da seguridade social, apresenta problemas que o sistema de proteção social parece não estar preparado para enfrentar. Essas difíceis questões centram-se no emprego, na necessidade de ampliação dos riscos sociais e da cobertura, na reavaliação do enfoque atuarial sem transferir para futuras gerações o déficit atuarial e na sustentabilidade financeira da previdência convivendo com sociedades longevas. O trabalho, a velhice e a previdência, portanto, são processos condutores para a coesão social. A promoção do emprego é a chave para a seguridade social (opinião do Congresso da OISS em Salvador em março de 2004 ). Em termos constitucionais, o trabalho é valor para o bem-estar, reduz a desigualdade, promove a isonomia entre categorias econômicas, estabelece renda e melhores condições sociais (arts. 6 º, 7 º e 193 º C.F.). Pierre Rossanvallon argumenta que há um preço a pagar pela solidariedade na sociedade. A solidariedade entre pessoas com defeitos físicos, pessoas saudáveis, jovens e velhos, indivíduos com emprego 7

8 protegido ou não é mais fácil do que a solidariedade entre categorias de renda 4. O trabalho, a renda, a velhice, o instituto de seguro social são modelos socioculturais, por isso tratar a velhice é planejar social e economicamente o envelhecimento como processo civilizatório, requer minimizar os efeitos da economia informal por meio de políticas sociais efetivas de inserção previdenciária, requer ampliar a rede de proteção social básica - o modelo atual calca-se na inclusão pela pobreza - e, especificamente, requer reduzir as desigualdades provocadas pelas recentes reformas previdenciárias produtoras de sub-regimes previdenciais. A velhice é problema para a sociedade no presente e no futuro. A relação entre idade, velhice e aposentadoria encontra-se em transformação. A idade e a velhice estão ligadas, mas a idade de saída para a aposentadoria é um elemento social. Para o Sistema de Segurança Social é questão de alta complexidade, sendo necessário delimitar um status de cidadania no futuro, controlar a desigualdade em padrões suportáveis evitando, por conseguinte, a inseguridade social programada 5. A proteção social é requisito para um envelhecimento ativo e, portanto, exige das políticas públicas, por um lado, novas modalidades de ingresso não limitados ao baixo índice de desenvolvimento humano (I.D.H.) e, do direito, por outro lado, mecanismos produtores de segurança jurídica. 4 A Nova Questão Social. 5 Sobre o sistema de saúde francês ver: Insécurité sociale programmée. 8

9 A Seguridade é mecanismo de redistribuição de renda. A crise da seguridade não foi provocada pela crise do modelo de financiamento adotado. A crise do sistema social protetivo provém da crise de redistribuição.por fim, o maior desafio para a sociedade é a reforma da seguridade.timidamente o Estatuto do Idoso apontou uma direção no art. 117 : O Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional projeto de lei revendo os critérios de concessão do Benefício de Prestação Continuada previsto na Lei Orgânica de Assistência Social, de forma a garantir que o acesso ao direito seja condizente com o estágio de desenvolvimento sócio-econômico alcançado pelo País. BIBLIOGRAFIA : - ARENDT, Hannah. A condição humana. 6 º ed. Rio de Janeiro : Forense, El Desafio del Envejecimiento para la Seguridad Social. Revista Internacional de Seguridad Social. vol 55, 1/ Estatuto do Idoso. Lei /03. - Insécurité sociale programmée.www.monde-diplomatique.fr/ HORVATH, Jr. Miguel. Análise Preliminar do Estatuto do Idoso. Revista de Direito Social 13/ LEITE, Celso Barroso. O Século da Aposentadoria. São Paulo : Ltr,

10 - Los sistemas de la seguridad social frente a poblaciones longevas: Diez cuestiones críticas. AISS. Genebra, MARTINEZ, Wladimir Novaes. Direito dos Idosos. São Paulo : LTr, Comentários ao Estatuto do Idoso. São Paulo : LTr, RITAKALLIO, Veli Matti. La importancia de los costos de vivienda en las comparaciones transnacionales de los resultados del ( Estado de ) bienestar. Revista Internacional de Seguridad Social. vol 56, 2/ ROSANVALLON, Pierre. A Nova Questão Social. Repensando o Estado Providência. Brasília : Instituto Teotônio Vilela, SERAU, Marco Aurélio. O Estatuto do Idoso e os Direitos Fundamentais. Revista de Direito Social

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário

PRINCÍPIOS e recomendações para um novo modelo previdenciário Confederação Confederação Confederação Confederação Confederação da Agricultura e Nacional do Nacional da Nacional das Nacional do Pecuária do Brasil Comércio Indústria Instituições Transporte Financeiras

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

As políticas de Inclusão Social no Brasil apresentam

As políticas de Inclusão Social no Brasil apresentam DESENVOLVIMENTO SOCIAL: POLÍTICA PÚBLICA PARA A INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA DO TRABALHADOR DE BAIXA RENDA ELIANE ROMEIRO COSTA Resumo: estudo do Sistema de Seguridade Social e das políticas sociais. Palavras-chave:

Leia mais

A REALIDADE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PESSOA IDOSA : O DIREITO FUNDAMENTAL À HABITAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

A REALIDADE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PESSOA IDOSA : O DIREITO FUNDAMENTAL À HABITAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA A REALIDADE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PESSOA IDOSA : O DIREITO FUNDAMENTAL À HABITAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora da Pesquisa (¹) Escola Superior

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social

PREVIDÊNCIA SOCIAL I RISCO SOCIAL 04/08/2014. Aula 1. RISCO SOCIAL Incapacidade ou impossibilidade de trabalhar. Saúde. Assistência Social PREVIDÊNCIA SOCIAL Aula 1 - RISCO SOCIAL - CONCEITOS DE SAÚDE, ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA SOCIAL - PRINCÍPIOS DA SEGURIDADE SOCIAL I RISCO SOCIAL Trata-se de acontecimentos, pela natureza das coisas

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

"Envelhecer é um triunfo", observa o professor Alexandre Kalache," mas. para usufruir da velhice,

Envelhecer é um triunfo, observa o professor Alexandre Kalache, mas. para usufruir da velhice, A questão dos direitos humanos, relevante por si SÓ, adquire nova e inusitada dimensão, quando considerada li luz do crescimento demográfico de todo o mundo, emespecial daaméricalatina, jáque envolve,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina POLÍTICAS SOCIAIS E DIREITO

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 117, DE 2011 (Apensos: Projetos de Lei n os 130, 289, 561, 747, 911, 1.389, 1.629, 2.238 e 2.543, de 2011) Altera dispositivos da Lei nº 8.742,

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara

O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO. AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara O DIREITO FUNDAMENTAL À VELHICE DIGNA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE SUA EFETIVAÇÃO AUTOR: Alexandre de Oliveira Alcântara ORIENTADORA: Profa. Dra. Lília Maia de Morais Sales APRESENTAÇÃO OBJETIVOS CAPÍTULOS:

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

Desaposentação Roberta Simões Nascimento

Desaposentação Roberta Simões Nascimento Desaposentação Roberta Simões Nascimento bertasimoes@hotmail.com Breve alerta; Objetivos; Estrutura da apresentação: I. Uma nova noção de aposentadoria; II. O que é desaposentação no RGPS; III. Como está

Leia mais

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014

O RPPS: Uma Perspectiva Internacional. Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 O RPPS: Uma Perspectiva Internacional Heinz P. Rudolph Economista Financeiro Líder Banco Mundial Brasilia, 14 de Outubro de 2014 Fonte: Banco Mundial O Brasil é um país jovem... (ainda) com o gasto previdenciário

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

MUDANÇAS DA LEI N 12.470, DE 31 DE AGOSTO DE 2011. Maria Aparecida Gugel 1

MUDANÇAS DA LEI N 12.470, DE 31 DE AGOSTO DE 2011. Maria Aparecida Gugel 1 BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA E TRABALHO Maria Aparecida Gugel 1 Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - CDPD Ao se tratar de aspectos da vida das pessoas com deficiência deve sempre

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2UNIVERSALIDADE DE COBERTURA

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões 5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões A crise do princípio da legalidade: a Lei nº 9.656/98 está vigindo? Os juízes podem deixar de observá-la, com fundamento

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Nesse sentido, gostaria de trazer algumas questões para esta Comissão considerar:

Nesse sentido, gostaria de trazer algumas questões para esta Comissão considerar: Gostaria inicialmente de agradecer aos Deputados Rosinha e Eduardo Barbosa pelo convite e oportunidade de estar aqui para debater um olhar atualizado sobre a velhice. A imagem no cartaz deste Seminário

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

A ASSISTÊNCIA COMO DIREITO SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

A ASSISTÊNCIA COMO DIREITO SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS A ASSISTÊNCIA COMO DIREITO SOCIAL E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS Natan de Oliveira 1 Palavras-chave: direitos sociais; assistência aos desamparados; assistência social; programas sociais. A assistência aos

Leia mais

INSERÇÃO DO IDOSO NO MERCADO DE TRABALHO: UMA INCLUSÃO SOCIAL

INSERÇÃO DO IDOSO NO MERCADO DE TRABALHO: UMA INCLUSÃO SOCIAL INSERÇÃO DO IDOSO NO MERCADO DE TRABALHO: UMA INCLUSÃO SOCIAL 2009 Amanda Moreira Gontijo amandamgontijo@hotmail.com Dayane Santos Faria dayanefaria90@hotmail.com Elizabete Bianca Tinoco Silva bianca.tinoco@hotmail.com

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga 6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga TEMA Protagonismo e Fotografo Paulo Pepe Empoderamento da Pessoa Idosa Por um Brasil de

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

5 Direito do Idoso. Direito do Idoso. Documentação básica. Conteúdo Programático. Direitos e Garantias Fundamentais (Parte III) Direitos Fundamentais

5 Direito do Idoso. Direito do Idoso. Documentação básica. Conteúdo Programático. Direitos e Garantias Fundamentais (Parte III) Direitos Fundamentais Aula 04/07 Curso ministrado na Escola de Administração Judiciária do Estado do Rio de Janeiro Prof a. Mabel Christina Castrioto Juíza de Direito Direitos Fundamentais mabelcastrioto@globo.com Parte III

Leia mais

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL ALINE OLIVEIRA DA CRUZ 440398 DAIANE MENEZES DA SILVA 412736 ESTER GONÇALVES DA SILVA 431653 FABIANA ESPÍNDOLA RODRIGUES 429013 TÁSSIA CRUZ DO NASCIMENTO 420298 Gestão

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS E a inversão do ônus da prova em favor do segurado? Por Anna Carla M. Fracalossi 1 Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro Nacional do Trabalhador,

Leia mais

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior.

*Acadêmica do 1 ano A do curso de Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior. 1 ESTATUTO DO IDOSO: REALIDADE OU IDEAL? Cláudia Pereira Vaz de Magalhães* De acordo com o Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa de 1951, idoso é uma pessoa Que tem bastante idade; velho.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.638, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 294, de 2011) Altera a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para dispor sobre o período de carência

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de

APRESENTAÇÃO. 1 E não é à toa. Na zona do Euro, por exemplo, em 2002, as despesas públicas com serviços de APRESENTAÇÃO A Conferência Mundial sobre Direitos Humanos afirma que a pobreza extrema e a exclusão social constituem uma violação da dignidade humana e que devem ser tomadas medidas urgentes para se ter

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

ACarta Magna de 1988 dispõe que caberá à família, à O CONTEÚDO SOCIOJURÍDICO DO DIREITO DE INCLUSÃO SOCIAL DO IDOSO

ACarta Magna de 1988 dispõe que caberá à família, à O CONTEÚDO SOCIOJURÍDICO DO DIREITO DE INCLUSÃO SOCIAL DO IDOSO O CONTEÚDO SOCIOJURÍDICO DO DIREITO DE INCLUSÃO SOCIAL DO IDOSO TATYANE KAREN DA SILVA GÓES Resumo: compreender sob diversos aspectos, através da interdisciplinaridade, a definição de idoso no Brasil e

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FADIR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIDADE ACADÊMICA: FADIR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Previdenciária CÓDIGO: GCC017 UNIDADE ACADÊMICA: FADIR PERÍODO/SÉRIE:

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira

SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira SEGURANÇA SOCIAL E ECONOMIA A experiência brasileira Carlos Alberto Caser Vice-Presidente da ABRAPP Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar Diretor-Presidente da FUNCEF

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014):

Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário. XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): Prova Comentada TRT/SP Direito Previdenciário XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-2/FCC/2014): 54. Uma vez criados por lei do ente federativo, vinculam-se aos regimes próprios de previdência social

Leia mais

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA

Direito Previdenciário e Seguridade Social. Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva CARGA HORÁRIA CURSO DISCIPLINA DOCENTE PERÍODO CARGA HORÁRIA EMENTA OBJETIVOS DIREITO Direito Previdenciário e Seguridade Social Prof. Dante Alighiere Pereira da Silva 9 P 80 h Introdução ao Estudo do Direito Previdenciário.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso SAÚDE DA PESSOA IDOSA Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso Ninguém duvida que O SUS é uma das grandes conquistas da Constituição

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Camila Bressanelli. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Camila Bressanelli. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Camila Bressanelli Mestre em Direitos Humanos e Democracia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora do Centro Universitário Curitiba (UNI- CURITIBA). Advogada. Os idosos, como qualquer ser

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

O BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA A NÃO APLICAÇÃO DO ARTIGO 20 3 DA LEI 8.742/93

O BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA A NÃO APLICAÇÃO DO ARTIGO 20 3 DA LEI 8.742/93 O BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA A NÃO APLICAÇÃO DO ARTIGO 20 3 DA LEI 8.742/93 Clari José Stuani 1 Elisangela Maxir Pacheco¹ Luis Fernando Moraes Mello 2 RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

DA NATUREZA ASSISTENCIAL DO ACRÉSCIMO DE 25% PREVISTO NO ARTIGO 45 DA LEI 8.213 DE 24 DE JULHO DE 1991.

DA NATUREZA ASSISTENCIAL DO ACRÉSCIMO DE 25% PREVISTO NO ARTIGO 45 DA LEI 8.213 DE 24 DE JULHO DE 1991. DA NATUREZA ASSISTENCIAL DO ACRÉSCIMO DE 25% PREVISTO NO ARTIGO 45 DA LEI 8.213 DE 24 DE JULHO DE 1991. Introdução Reza o artigo 45 da Lei 8.213 de 24 de julho de 1991 que terá direito a um acréscimo de

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre

DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre DISCIPLINA: Direito Previdenciário CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 9º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR163 1. EMENTA: Introdução ao Direito da Seguridade Social: evolução histórica, fontes,

Leia mais

BENEFICIOS EVENTUAIS: conquistas e desafios enfrentados para sua efetivação. Marciana Artico Vieira 1 Aline A. S. Lima Gisele A.

BENEFICIOS EVENTUAIS: conquistas e desafios enfrentados para sua efetivação. Marciana Artico Vieira 1 Aline A. S. Lima Gisele A. BENEFICIOS EVENTUAIS: conquistas e desafios enfrentados para sua efetivação Marciana Artico Vieira 1 Aline A. S. Lima Gisele A. Bovolenta Resumo: Análise sobre as mudanças que ocorreram nos Benefícios

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Estatuto do Idoso. Resumido. anos

Estatuto do Idoso. Resumido. anos Estatuto do Idoso Resumido 60 anos ESTATUTO DO IDOSO RESUMIDO O aumento da expectativa de vida do brasileiro representa um grande desafio para os governos bem como para a sociedade civil. O implemento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014

www.adrianamenezes.com.br www.facebook.com/profadrianamenezes DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICAS DE OUTUBRO / 2014 DICA 01 É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 274, DE 2007 Acrescenta parágrafo 3º ao art. 93 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Benefícios

Leia mais

Curso de Extensão em Direito Previdenciário

Curso de Extensão em Direito Previdenciário Curso de Extensão em Direito Previdenciário Teoria Básica dos Benefícios Previdenciários Requisitos específicos g) Aposentadoria por idade Art. 48 da Lei 8.213/91: A aposentadoria por idade será devida

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Envelhecimento Ativo e seus Eixos

Envelhecimento Ativo e seus Eixos Envelhecimento Ativo e seus Eixos Profa. Ruth Gelehrter da Costa Lopes Novembro / 2014 ENVELHECIMENTO ACTIVO / ATIVO REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO Machado,Paulo, REFLECTINDO SOBRE O CONCEITO DE ENVELHECIMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina)

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) Cria isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas beneficiárias de ações de cunho previdenciário e assistencial. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

3 Reformas Previdenciárias

3 Reformas Previdenciárias 3 Reformas Previdenciárias O tema reforma da previdência não é importante somente no Brasil. Vários países já implantaram mudanças em seus sistemas ou pretendem fazê-lo. Esta se faz necessária devido às

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE...

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... Excelência, INTERPOR..., vem por intermédio de sua advogada infra-assinada, à presença de Vossa AÇÃO DE CONCESSÃO

Leia mais

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais