Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás"

Transcrição

1 Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão Lanzilotti 2 ; Eliane de Abreu Soares 2 ; Emilson Souza Portella 2 ; Sônia da Silva Ávila 2 1 UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro IME - Instituto de Matemática e Estatística 2 UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro INU Instituto de Nutrição RESUMO A modelagem do conhecimento é considerada uma tarefa complexa no desenvolvimento de sistemas baseados em conhecimento. Neste contexto foi desenvolvido este trabalho que apresenta a modelagem do conhecimento do projeto Nutri-Fuzzy-Orixás, que utiliza Ontologia de Domínio como metodologia para modelar o conhecimento do domínio da biodisponibilidade de ferro. Palavras-Chaves: Inteligência Artificial, Modelagem do Conhecimento, Ontologias de Domínio ABSTRACT The knowledge model is considered a complex task in the development of knowledge based systems. This work was developed considering the model of knowledge to support the Nutri-Fuzzy-Orixás project that uses Ontology Domain as methodology for model knowledge of Iron Bioavailability Domain. Key Words: Artificial Intelligence, Ontology Domain, and Model Knowledge 1. INTRODUÇÃO A modelagem de conhecimento possui um papel fundamental na construção de sistemas baseados em conhecimento, pois deve representar de forma coerente e organizada o conhecimento adquirido, para que este seja utilizado no sistema. Este artigo tem como objetivo apresentar uma ontologia de domínio da biodisponibilidade de ferro, utilizada no Nutri-Fuzzy-ORIXÁS. Este projeto interdisciplinar que surgiu a partir da

2 necessidade de se estudar a biodisponibilidade e a complexidade da interação entre os diferentes nutrientes, abrange as áreas de Nutrição, Estatística e Ciência da Computação. Na Nutrição, o projeto aborda a biodisponibilidade de nutrientes para garantir uma qualidade nutricional para grupos populacionais específicos. Uma pesquisa para delinear esta população está prevista, tendo a Estatística e a Lógica Fuzzy como apoio a este trabalho. Na Ciência da Computação está sendo construído um sistema baseado em conhecimento, o Nutri-Bio-Expert, para auxiliar os nutricionistas e profissionais afins a melhor compreender a biodisponibilidade de nutrientes. O desenvolvimento do Nutri-Bio-Expert se apoiará no ambiente ORIXÁS [1] que dá apoio ao desenvolvimento de sistemas baseados em conhecimento (SBC). Este apoio é realizado através do gerenciamento das atividades definidas no processo de desenvolvimento, da utilização de uma estratégia de aquisição e de um método para modelagem do conhecimento denominado KADS-Estendido, que será reformulado para suportar ontologia de domínio para modelagem do domínio da aplicação. A incorporação da representação através de ontologias se dará por vários motivos, principalmente por ser uma especificação explícita de compartilhar conceitos e o modelo abstrato de pensamento [2]. 2. ONTOLOGIAS DE DOMÍNIO Atualmente, as abordagens de compartilhamento e reusabilidade do conhecimento vêem modificando o método de modelagem de conhecimento, que passa então a modelar o conhecimento do domínio independente da tarefa a ser realizada pelo sistema. Dentro deste contexto, considerou-se adequado o uso de ontologia de domínio no processo de modelagem do conhecimento, já que esta foi desenvolvida com enfoque para compartilhamento e a reutilização de conhecimento. Na literatura existem várias definições de ontologia, havendo atualmente um grande interesse na criação, divulgação e compartilhamento de ontologias sobre os mais variados domínios (UCHOLD e GRUNINGER, 1996; ROSENBERG, 1997; GUARINO, 1998; CHANDRASEKARAN et al., 1999; GOMÉS-PÉREZ e BENJAMINS, 1999; LÓPEZ et al., 1999; OLIVEIRA, 1999; VALENTE et al., 1999; SILVA, 2000; KNUBLAUCH e ROSE, 2000; FOURO, 2001)[3,4], porém qualquer que seja sua definição, a ontologia resultará num vocabulário, que representará o entendimento consensual de um grupo de pessoas que atuam sobre um mesmo domínio [5]. Logo, uma ontologia deve consistir de um vocabulário (conceitos e relações) e axiomas (definições, propriedades e restrições). Para representar uma ontologia várias linguagens de representação do conhecimento podem ser utilizadas. Neste trabalho utilizamos LINGO [6], uma linguagem gráfica que facilita a comunicação entre engenheiros do conhecimento e especialistas. LINGO possui primitivas básicas para representar conceitos e relações, e introduz notações capazes de capturar certos axiomas, uma vez que o traço marcante de uma ontologia são seus axiomas. Como estamos tratando de ontologia de domínio, escolhemos LINGO para representar a ontologia, pois não se deseja incorporar na descrição de uma ontologia compromissos ontológicos que outras linguagens embutem.[6]. Além disso, a participação no minicurso Apoiando a Engenharia e Gerência de Sistemas Organizados através de Ontologias realizado no IV SBES, e a simplicidade da linguagem foram fatores influentes na escolha da representação.

3 3. A ONTOLOGIA DE DOMÍNIO DO NUTRI-FUZZY-ORIXÁS A ontologia do Nutri-Fuzzy-Orixás utiliza como modelo a Teoria do Domínio [7] que é composto da organização de conceitos, propriedades e restrições do domínio através de ontologias do domínio e do mapeamento desses conceitos com as tarefas identificadas para o domínio considerado. A teoria do domínio pode ser dividida em sub-teorias, onde cada subteoria é uma ontologia sobre uma parte específica do domínio considerado. O processo de construção da ontologia de domínio da biodisponibilidade de ferro passou por várias etapas. Na primeira etapa foram definidas a identificação do propósito e a especificação de requisitos, a partir de reuniões com os especialistas da área de nutrição, que resultou nas seguintes questões: i. O que caracteriza uma dieta biodisponível em ferro? ii. O que seria é essencial para definir uma dieta biodisponível em ferro? iii. Quais os fatores que influenciam nesta dieta? iv. Qual o processo de trabalho do nutricionista para que tenha como resultado uma dieta biodisponível em ferro? e v. O que auxilia o nutricionista no processo de trabalho do nutricionista? A partir deste contexto, foram definidas cinco subteorias que responderam de forma completa estas questões: Dieta biodisponível em ferro que responde à questão i. e define os conceitos inerentes a uma dieta biodisponível em ferro; Composição de alimentos que responde às questões ii. e v. e contém os conceitos referentes à composição de alimentos; Interação entre nutrientes e fatores antinutricionais que responde as questões ii. e v. e aborda os conceitos de como interagem os nutrientes e fatores antinutricionais; Fatores inerentes ao indivíduo que responde à questão iii. e descreve os conceitos que definem os fatores inerentes ao indivíduo; Processo de trabalho do nutricionista que reponde a questão iv. e apresenta os conceitos envolvidos nas atividades desenvolvidas pelos nutricionistas. A representação gráfica em LINGO da subteoria de domínio da Biodisponibilidade de Ferro do Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás pode ser visualizada na figura 1. Na segunda etapa, foram desenvolvidas todas as subteorias que compõem o Domínio da Biodisponibilidade de Ferro (na figura 2 está representada uma das sub-teorias), e descritos os conceitos referentes a cada sub-teoria. A validação da ontologia com a equipe de especialistas foram realizadas através de reuniões entre estes e a equipe técnica, que validou primeiro a representação e depois os conceitos e as instanciações relacionadas a cada conceito de cada subteoria. Para concluir esta etapa de modelagem do domínio, a ontologia terá de ser validada também por engenheiros do conhecimento com experiência em ontologias. 4. CONCLUSÃO Este projeto apresentou uma experiência de utilização de ontologias de domínio no processo de modelagem do conhecimento, por considerar relevante a separação do domínio de aplicação, da tarefa a ser realizada pelo sistema, além do compartilhamento e a reutilização de conhecimento.

4 B a s e Composição dos Interação de Nutrientes e Fatores Antinutricionais Técnicas Dietéticas Classificação dos Essencial Base Auxílio Dieta Biodisponível em Ferro R E S U L T A D O Processo de Trabalho do Nutricionista Influência Fatores Inerentes ao Indivíduo Figura 1 Sub-Teoria de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro Nutrientes que Interagem com o Ferro interação Fatores Antinutricionais do Ferro interação 1,* composição preparo combinação *. 1 Refeições *, 1 Dieta aumento Nível de Absorção de Ferro Figura 2 Subteoria da Dieta Biodisponível

5 O uso de ontologia de domínio para modelar o conhecimento do Nutri-Fuzzy-Orixás, mostrou-se uma representação do conhecimento eficaz, pois apresenta de forma explícita, coerente e organizada o conhecimento disponível. E assim permitiu que os nutricionistas discutissem e melhorassem sua compreensão do conhecimento e dessa nova forma de atuar, pois este é um projeto acadêmico que estuda a biodisponibilidade e a complexidade dos diferentes nutrientes. O uso da linguagem LINGO, para representar a ontologia, também se mostrou de grande utilidade, pois facilitou o diálogo entre engenheiros do conhecimento e especialistas para modelar e validar o conhecimento especificado. O próximo passo, a partir desta experiência, é reformular o método Kads-Estendido do ambiente ORIXÄS [1], para que este suporte ontologia de domínio. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] WERNECK, V.M.B. et al., ORIXÁS: Um Ambiente de Desenvolvimento de Sistemas Baseados em Conhecimento, XIV SBES-Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software, SBC, Outubro de 2000, ( ). [2] Gruniger, M. and Lee, J.; Ontology Applications and Design ; Communication of ACM; Vol. 45, Number 2, February 2002, [3] FOURO, A.M.M., Apoio à Construção de Base de Dados de Pesquisa em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Domínio, Tese de M, Sc., Programa de Engenharia de Sistema e Computação, COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1997, (8-9). [4]UCHOLD, M., GRUNINGER,M., Ontologies principles, methods and applications, The Knowledge Engineering Review, Vol 11:2, pp93-136,1996. [5] GUARINO, N., Formal Ontology and Information System, In: Guarino, N. (ed) Formal Ontology in Information System, pp 3-15, IOS Press, [6] FALBO, R., Integração de Conhecimento em um Ambiente de Desenvolvimento de Software, Tese de D. Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 1998, (66-72). [7] OLIVEIRA, K. M., ROCHA, A. R., TRAVASSOS, G. H. et al., O uso da Teoria do Domínio no Processo de Desenvolvimento de Software, In: Anais da X Conferência Internacional de Tecnologia de Software, pp , Curitiba, Brasil, Mai., 1999b.

Nutri-Bio-Tutor: Tutor de Biodisponibilidade de Ferro

Nutri-Bio-Tutor: Tutor de Biodisponibilidade de Ferro Nutri-Bio-Tutor: Tutor de Biodisponibilidade de Ferro Vera Maria B. Werneck 1 ; Neide dos Santos 1 ; Patrícia de Simone Gonçalves 1 ; Eliane de Abreu Soares 2 ; Emilson Souza Portella 2 ; Haydée Serrão

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software

Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Uma Ontologia para Engenharia de Requisitos de Software Autor: Raul de Abreu Medeiros Júnior Orientadores: Arnaldo Dias Belchior Co-orientador: Pedro Porfírio Muniz Farias Nível: Mestrado Programa de pós-graduação

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Operação de Software Aplicativo Científica Engenharia da Produção Engenharia de Engenharia de Produção Matemática Aplicada às Matemática Aplicada e Científica Matemática com Tecnologia em - Ênfase em Gestão

Leia mais

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso

Agenda. Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública. George Fragoso Modelo de Domínio baseado em Ontologia para acesso à Informações de Segurança Pública George Fragoso Agenda Motivação Sistemas de Defesa Social Conceitos e Arquitetura de Ontologias Proposta de Mestrado

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias

Esta comunicação está sendo submetida sob o [x] Tema 1 Aspectos teóricos e metodológicos nos estudos em ontologias SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Esta comunicação está sendo submetida

Leia mais

Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias

Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias Modelagem de Conhecimento integrando Regras de Produção e Ontologias 1. Introdução Tiago Cordeiro, Vládia Pinheiro e Vasco Furtado UNIFOR Universidade de Fortaleza O conhecimento das organizações precisa

Leia mais

Uma Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Nutrientes

Uma Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Nutrientes Uma Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Nutrientes Alessandra Brito Fernandes de Oliveira UERJ-IME-DICC E-mail: alessandraoliveira1973@yahoo.com.br Resumo A modelagem do conhecimento é considerada

Leia mais

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS

ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Centro Universitário Feevale ONTOLOGIA DE DOMÍNIO PARA ANÁLISE DE BLOGS Fernando Mertins Prof. Orientador: Rodrigo Rafael Villarreal Goulart Dezembro de 2007 Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification

Definição de Ontologia para Identificação de Riscos de Projetos de Software. Definition of Ontology for Software Projects Risk Identification SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 E 12 de Julho Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil Definição de Ontologia para Identificação

Leia mais

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA ONTOLOGIA E SUAS APLICAÇÕES EM MODELAGEM CONCEITUAL PARA BANCO DE DADOS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Grasielle

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

Modelagem Organizacional Utilizando Ontologias e Padrões de Análise

Modelagem Organizacional Utilizando Ontologias e Padrões de Análise Modelagem Organizacional Utilizando Ontologias e Padrões de Análise Renata I. Cota, Crediné S. Menezes, Ricardo A. Falbo Mestrado em Informática, Universidade Federal do Espírito Santo Av. Fernando Ferrari,

Leia mais

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Tiago Nicola Veloso, Licia de Cassia Nascimento, Flávia Maria Santoro Departamento de Informática Aplicada Universidade

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Uma Ontologia de Qualidade de Software

Uma Ontologia de Qualidade de Software Uma Ontologia de Qualidade de Software Katia Cristina Duarte Ricardo de Almeida Falbo Mestrado em Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES {katia, falbo}@inf.ufes.br Resumo O primeiro passo

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me.

Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile. Roger Alves Prof. Me. Uma ontologia para a representação do domínio de agricultura familiar na arquitetura AgroMobile Roger Alves Prof. Me. Vinícius Maran O que é uma ontologia? Palavra vinda do grego, advinda da união entre

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd

Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Construindo Axiomas e Avaliando Ontologias em ODEd Vítor Estêvão Silva Souza, Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática da Universidade Federal do Espírito Santo Av. Fernando Ferrari, CEP 29060-900,

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Domínio na Estação TABA

Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Domínio na Estação TABA Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Domínio na Estação TABA Káthia M. Oliveira 1,2, Gleison Santos 1, Fábio Zlot 1, Gustavo Guedes 1, Alessandro Cerqueira 1, Catia Gallota

Leia mais

Orientação a Domínio em ODE

Orientação a Domínio em ODE Orientação a Domínio em ODE Paula Gomes Mian, Ana Candida Cruz Natali, Alessandra Lopes de Carvalho e Ricardo de Almeida Falbo Universidade Federal do Espírito Santo, Departamento de Informática, Vitória,

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2013 23/09/13 2ª feira 08:20 h B1 (DP) ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 23/09/13 2ª feira 19:00 h A1 ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO I 24/09/13 3ª feira 19:00 h A COMUNICAÇÃO

Leia mais

Análise de Requisitos Conceitos

Análise de Requisitos Conceitos Tema da Aula Conceitos Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Analisar (v) 1. Decompor um todo em partes, componentes; fazer análise 2. Observar, examinar com minúcia; esquadrinhar 3. Examinar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO BASEADO EM COMPONENTES: UM REPOSITÓRIO PARA O SETOR AGROPECUÁRIO

DESENVOLVIMENTO BASEADO EM COMPONENTES: UM REPOSITÓRIO PARA O SETOR AGROPECUÁRIO DESENVOLVIMENTO BASEADO EM COMPONENTES: UM REPOSITÓRIO PARA O SETOR AGROPECUÁRIO Fernanda Campos 1 Regina Braga 2 Viviane Kawamura 3 Leonardo Gravina 4 Rodrigo Rezende 5 RESUMO Este trabalho descreve o

Leia mais

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista F I P P - Faculdade de Informática de Presidente Prudente 1º TERMO NOTURNO - 2009 31/03/09 3ª feira 20:50 h A ADMINISTRAÇÃO 01/04/09 4ª feira 19:00 h A1/A2 INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 02/04/09 5ª feira 19:00 h A1 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I 02/04/09 5ª feira 20:50

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

ENADE 2014. Prof. Fred Sauer, D.Sc. fredericosauer@uezo.rj.gov.br

ENADE 2014. Prof. Fred Sauer, D.Sc. fredericosauer@uezo.rj.gov.br ENADE 2014 Prof. Fred Sauer, D.Sc. fredericosauer@uezo.rj.gov.br O que é o ENADE? Exame nacional para... aferir o desempenho dos estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Ontologias. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Ontologias Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Origem Teoria sobre a natureza da existência Ramo da filosofia que lida com a natureza e organização da realidade.

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO E CONCEITUAÇÃO DE UMA ONTOLOGIA APLICADA ÀS ETAPAS DE ENGENHARIA DE REQUISITOS Baby Ane Silva Oliveira Marla Teresinha Barbosa Geller 1 2 RESUMO O trabalho descreve as fases de Especificação

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Desempenho e Segurança em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Desempenho e Segurança em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Desempenho e Segurança em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Desempenho e Segurança em Sistemas de Informação Aula 5 Áreas da Engenharia de

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização

Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Karina Villela, Guilherme Travassos, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral

Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Web Semântica e Matching de Ontologias: Uma Visão Geral Hélio Rodrigues de Oliveira Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará heliorodrigues@lia.ufc.br Bernadette Farias Lóscio Departamento

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais Objetivos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introduzir os conceitos do usuário e do Descrever requisitos funcionais e nãofuncionais (domínio) Apresentar um esqueleto de documento e notas

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Vejamos abaixo duas definições para ontologias:

Vejamos abaixo duas definições para ontologias: Modelagem, Organização e Representação do Conhecimento: proposta de elaboração da Biblioteca Virtual Temática em Vigilância Sanitária dos serviços de estética do município do Rio de Janeiro. Jorge C. de

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o conceitos

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB UTILIZANDO A FERRAMENTA WEBSCHARTS LÍCIO SÉRGIO FERRAZ DE BRITO MARCELO AUGUSTO SANTOS TURINE

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação.

Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação. Uma ontologia de engine de jogos educativos para crianças com necessidades visuais: fase de preparação. Romário P. Rodrigues 1, Gabriela R. P. R. Pinto 2, Cláudia P. P. Sena 3, Expedito C. Lopes 4, Teresinha

Leia mais

GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente

GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente Carla Gomes de Faria (UFMA) carla@postal.elo.com.br Rosario Girardi (UFMA) rgirardi@deinf.ufma.br

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

Uma ontologia para maturidade em BPM

Uma ontologia para maturidade em BPM Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação 2012.1 Uma ontologia para maturidade em BPM Proposta de Trabalho de Graduação Aluno Bruno Medeiros de Oliveira

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Edgard Dias Batista Jr. UNESP/FEG Universidade Estadual Paulista Departamento de Produção - Campus de Guaratinguetá,

Leia mais

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES

UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES UMA ESTRATÉGIA PARA GESTÃO INTEGRADA DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ATRAVÉS DA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO EM ORGANIZAÇÕES Andréa Magalhães 1, Cláudia Cappelli 1, Fernanda Baião 1,2, Flávia

Leia mais

Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização

Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Definição e Construção de Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Karina Villela, Guilherme Horta Travassos, Ana Regina Cavalcanti da Rocha Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Ylana Kipuna dos Santos Figueiredo Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br

O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br O que é modularidade? Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br AOSD Aspectos tem como objetivo aumentar a modularidade dos sistemas...... mas 2 O que é modularidade??? 3 Parnas, 1972 modularization is a mechanism

Leia mais

Arquitetura de Software

Arquitetura de Software Agenda de Software - Fundamentos e Tendências - Objetivos e Contexto de Software (A.S.) A.S. no Processo de Desenvolvimento Passado, Presente e Futuro Prof. Marco Fagundes mfagunde@tre-pa.gov.br 1 2 Objetivos

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 5.2 Qual a Diferença? Dado? Informação? Conhecimento? Dado Platão (428-348

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Modelagem de Software

Modelagem de Software Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação CPCX Modelagem de Software Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Uma Ontologia de Requisitos de Software

Uma Ontologia de Requisitos de Software Uma Ontologia de Requisitos de Software Julio Cesar Nardi, Ricardo de Almeida Falbo Mestrado em Informática, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória - ES - Brasil julionardi@yahoo.com.br, falbo@inf.ufes.br

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Melhorar a Tomada de Decisão e a Gestão do Conhecimento Capítulo

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD

ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD ANÁLISE DA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA ALFACE (Lactuca Sativa, L) UTILIZANDO O SISTEMA DE APOIO À TOMADA DE DECISÃO BKD RESUMO Thereza P. P. Padilha Fabiano Fagundes Conceição Previero Laboratório de Solos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística

PESQUISA OPERACIONAL. Fabiano F. T. dos Santos. Instituto de Matemática e Estatística PESQUISA OPERACIONAL Fabiano F. T. dos Santos Instituto de Matemática e Estatística Origens da Pesquisa Operacional O termo pesquisa operacional é atribuído a A. P. Rowe, que, em 1938 na Grã-Bretanha,

Leia mais