Estimular a participação através da Agenda 21 Comperj. Reestruturação adequada e divulgação das ações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estimular a participação através da Agenda 21 Comperj. Reestruturação adequada e divulgação das ações"

Transcrição

1 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAPÍTULO EST PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES EST CAP. 0 Integração meio ambiente e desenvolvi mento CAP. 0 Cooperaçã o internacion al Falta de Informação Falta de Mobilização Ineficiência da secretaria de meio ambiente e de ciência e tecnologia resultante da falta de políticas que priorizem as questões ambientais Estimular a participação através da Agenda Comperj Reestruturação adequada e divulgação das ações Educação Ambiental nas escolas, comunidades e empresas Adequação e reestruturação do regimento interno da Comissão de Meio Ambiente com foco na busca de cooperação internacional, bem como na divulgação das ações CAP. 0 Combate à pobreza Desaceleração da economia Divulgação e Participação Educação Troca de experiências e das boas práticas Investir em educação Pesquisar demandas locais visando a formação específica de mão de obra Incentivar troca de experiências e de boas práticas CAP. 0 Padrões de consumo CAP. 05 Dinâmica demográfic a e sustentabili dade Descontinuidade das ações Melhoria dos processos de produção Falta de infraestrutura Falta de Políticas Públicas para o Planejamento Familiar eficiente Orientar e conscientizar a população Estimular programas de consumo consciente e sustentável Estimular programas de economia solidária e consciente Inserir a conscientização nos projetos existentes Disponibilizar e divulgar dados e pesquisas do município Orientar e conscientizar a população sobre padrões de consumo saudáveis Estimular programas de consumo consciente e saudável Estimular programas de economia solidária e consciente Estimular programas de planejamento familiar Formular uma política habitacional e incentivar ações de infra-estrutura Incentivar programas de conscientização do tema Divulgar dados e pesquisas demográficas do município

2 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAP. 06 saúde CAP. 07 assentame ntos humanos CAP. 08 Integração entre meio ambiente e desenvolvi mento na tomada de decisões AP. 09 Proteção da atmosfera Atendimento nos hospitais (completamente saturados pela utilização de cidades vizinhas) Acomodação e passividade com os casos de dengue Ausência de políticas preventivas na área de saúde do Conleste Falta de controle, fiscalização e ocupação desordenada Falta de uma política de planejamento familiar Ineficiência dos projetos sociais voltados para os moradores de rua Falta de comprometimento na execução de ações e gestão Aumento da emissão de gases de veículos automotores Falta de informações sobre a qualidade do ar e destino do lixo no município Ampliar Rede de atendimento na área de saúde do Conleste Possibilidade de desenvolver novos programas de saúde preventiva Criar Programas locais autosustentáveis para os moradores de comunidades Incentivar o uso econômico de nossos recursos naturais : como exemplo a construção de terminais pesqueiros Criação de inventário de poluição do ar Parcerias com universidades e centros de tecnologia para criação de programas de controle da poluição do ar Possibilidades de ampliação das ciclovias Ampliar Rede de atendimento na região do Conleste com núcleos especializados como por exemplo na área de queimados, ortopedia, UTIS, neurologia, obstetrícia Revitalizar o Hospital Universitário Antonio Pedro Desenvolver novos programas de saúde preventiva Criar programas locais auto-sustentáveis para os moradores de comunidades e de ruas Aumentar o controle e a fiscalização sobre as áreas ocupadas ilegalmente e com potencial de ocupação Conhecer e divulgar o Plano Diretor da Cidade considerálo como referência para atingir a integração entre meio ambiente e desenvolvimento sócio-econômico Incentivar o uso econômico de nossos recursos naturais Incentivar a construção de terminais pesqueiros Implementar ações que potencializem o turismo local Criar Inventário de poluição atmosférica Incentivar parcerias entre universidades e centros de tecnologia para criação de programas de controle da poluição do ar Ampliar ciclovias Incentivar novo planejamento e estudos do tráfego da cidade

3 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAP. 0 Abordagem integrada do planejamen to e do gerenciame nto de recursos terrestres CAP. Combate desfloresta mento CAP. Manejo de ecosst. desert. e seca Inoperância do órgão responsável pela fiscalização Criação de órgão fiscalizador do município para evitar o crescimento desordenado e a recuperação das áreas degradadas, principalmente as encostas Ausência de Planos de prevenção, correção e regeneração de áreas assoreadas Fortalecimento e capacitação de pessoal Incremento de recursos humanos Incentivo fiscal e financeiro para preservação de áreas verdes Proteção dos ecosistemas existentes visando o turismo local Fortalecer e capacitar pessoal para fiscalizar e controlar o uso econômico dos recursos naturais Fortalecer infra-estrutura do órgão responsável Desenvolver trabalhos integrados aos órgãos governamentais e ongs que desenvolvam trabalhos em áreas invadidas Trabalhar de forma pró-ativa para que a problemática das invasões de áreas verdes não se ampliem Desenvolver ações preventivas de contenção das encostas Criar mapa de controle das invasões nas áreas de risco Traçar perfil das condições das lagoas, rios e Baía de Guanabara visando conter o assoreamento destas áreas CAP. Gerenciam ento de ecossistem as frágeis: des.sust. das montanhas Ausência de sistemas de informação e gerenciamento Existência de atividades ligadas ao turismo e à pesca Destinar, nos diversos níveis do orçamento municipal, recurso para a implantação de políticas econômicas visando a sustentabilidade dos ecossistemas do Município de Niterói. Implementar um programa de gerenciamento de áreas de risco. Criar o Programa Municipal de Recuperação de

4 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor Áreas Degradadas. Intensificar a fiscalização das atividades que gerem impactos ambientais. Instituir o instrumento da função sócio-ambiental da propriedade. Realizar um diagnóstico pormenorizado das atividades potencialmente impactantes para a diversidade biológica do Município de Niterói. Criar um programa de divulgação dos resultados do diagnóstico pormenorizado de atividades econômicas potencialmente geradoras de impactos à diversidade biológica no Município de Niterói. Incentivar a capacitação em sustentabilidade ambiental dos atores responsáveis pelas atividades que gerem impactos ao meio ambiente. Criar um Fórum para a discussão da sustentabilidade ambiental das principais atividades econômicas do Município de Niterói (pesca, mineração, turismo, construção naval e civil), com acento para os setores envolvidos nos processos decisórios.

5 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAP. Promoção e desenvolvi mento rural e agrícola sustentável CAP. 5 Conservaçã o da diversidade biológica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Destruição e ocupação desordenada das APAS Implementação de um Plano de Manejo para desenvolver o turismo local Formação de um Conselho Gestor Dotar, nos diversos níveis do orçamento municipal, o recurso suficiente para a implantação de políticas de conservação da biodiversidade no Município de Niterói. Implementar um programa para inventariar a fauna e a flora dos ecossistemas do Município de Niterói. Criar o Conselho Municipal de Conservação da Biodiversidade. Produzir, divulgar e distribuir periódicos que socializem as informações, nos diferentes níveis do conhecimento, relativas a sustentabilidade dos ecossistemas de Niterói. Estimular à pesquisa escolar sobre a fauna e a flora do Município. Instituir a Semana Municipal da Conservação da Diversidade Biológica. Criar o Fórum Municipal de Conservação de

6 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor Ecossistemas. Realizar encontro acadêmico anual sobre a diversidade biológica do Município. Implementar um programa de controle ambiental e monitoramento de espécies exóticas. Estabelecer políticas de proteção e valorização do conhecimento e da cultura da população tradicional encontrada nas unidades de conservação. Desenvolver um programa de educação ambiental voltado às comunidades do entorno das áreas florestais no Município. Estimular a criação de RPPNs no Município de Niterói. Incentivar a construção de corredores ecológicos entre remanescentes florestais. CAP. 6 Manejo saudável da biotecnolog ia CAP. 7 Proteção dos Não se aplica Não se aplica Não se aplica Deterioração das áreas costeiras existentes e meio ambiente marinho, em função da Plano de recuperação e despoluição das zonas costeiras para incentivo do turismo Realizar um estudo/mapeamento das áreas costeiras e do meio ambiente marinho; Identificar quais as atividades econômicas locais e

7 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor oceanos e zonas costeiras atividade econômica local quais os seus impactos no meio ambiente, bem como as possibilidades de novos investimentos/atividades sustentáveis; Elaborar um plano de recuperação e despoluição das zonas costeiras para incentivar o seu desenvolvimento econômico sustentável. Como sugestão de atividade econômica a desenvolver citamos o turismo. CAP. 8 Proteção da qualidade do abastecime nto dos recursos hídricos CAP. 9 Manejo substâncias químicas tóxicas CAP. 0 Manejo resíduos perigosos CAP. - Manejo ambiental Falta de informação da população sobre os recursos hídricos do município e desconhecimento do modelo de gestão Falta de controle, informação e rotulagem dos produtos químicos tóxicos Falta de estrutura adequada para fiscalizar e suportar as novas demandas do Comperj *Com o desenvolvimento do complexo petroquímico haja uma degradação ambiental em decorrência da utilização de resíduos industriais perigosos *Atendimento parcial da população pelos serviços de coleta de resíduos Criar Fóruns de discussão para disseminação das informações Ampliar e potencializar mão de obra e estrutura para controle e fiscalização *Criar Plano de Gestão e controle destes resíduos tóxicos e perigosos *Redução da geração de resíduos propiciando através da coleta seletiva a - Identificar, e tratar, as informações relativas aos recursos hídricos do município; - Criar fóruns de discussão para disseminação das informações destes recursos; Elaborar projeto de gestão destes recursos Criar estrutura adequada para Planos de Controle e Fiscalização do manejo e da prevenção do tráfico Capacitar mão de obra para execução e fiscalização Ampliar rede de informações com criação de banco de dados sobre substâncias tóxicas Intensificar a Rotulagem das substâncias tóxicas Criar Plano de Gestão, Controle e Fiscalização dos Resíduos Perigosos da sua utilização até o descarte final atendendo a Legislação pertinente *Implantar Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos contemplando a área do Comperj *Implantar Aterro Sanitário consorciado com os municípios

8 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor mente saudável dos resíduos sólidos e questões relacionada s com esgotos CAP. resíduos radioativos CAP. Preâmbulo CAP. Ação pela mulher CAP. 5 A infância e a juventude CAP. 6 populações tradicionais CAP. 7 Fortalecime e tratamento de esgoto, propiciando o aumento de vetores que prejudicam a saúde *Contaminação ambiental proveniente dos resíduos radioativos com tendência de crescimento com a implantação do Comperj *Que ocorra a descontinuidade *Diminuição do incentivo às políticas públicas voltadas para as mulheres *Falta de mecanismos participativos para inserir questões relativas à infância e à juventude em decisões relativas ao desenvolvimento sustentável geração de renda com monitoramento de vetores *Criação imediata de um programa de gerenciamento de lixo radioativo *Que aumente a visibilidade e informação para aumentar o interesse público *Amadurecimento e crescimento das políticas públicas para as mulheres *Criar mecanismos participativos de inserção de crianças e jovens ( educação ambiental) *Programas de Educação Ambiental nas empresas e escolas técnicas de Itaboraí e vizinhos mais próximos, com padrões técnicos definidos, para que todo o resíduo coletado tenha tratamento adequado e não degrade o meio ambiente e o eco sistema *Implantar Sistema de Esgotamento Sanitário com coleta, tratamento e disposição adequada de material que contemple os moradores dos municípios envolvidos no projeto, ficando a cargo de cada município se for o caso, a criação de estações de tratamento de esgoto ou ampliação das já existentes e da rede coletora *Implantar Plano de Gerenciamento de Resíduos Radioativos com participação do órgão responsável CNEN *Contemplar no Plano ações emergenciais de evacuação do Complexo Petroquímico e seu entorno, no que se refere a danos local, bem como o controle efetivo do transporte de rejeitos radioativos para armazenamento em depósitos adequados e licenciados pelo CNEN *Criar sistema de informações que aumente a visibilidade dos grupos principais e gere maior participação da sociedade *Ampliar as políticas públicas para as mulheres em toda a região do Conleste *Criar Delegacias e Conselhos de Direitos da Mulher *Criar Programas de Educação Ambiental, nas escolas, escolas técnicas e e empresas visando maior inserção das crianças e jovens na construção de um ambiente mais saudável *Não se aplica *Não se aplica *Não se aplica *Que as ONGS não cumpram com as suas premissas possibilitando a *Implantação de políticas, projetos e programas em parceria com entidades Criar Programa de Cadastro e Qualificação das organizações não governamentais estruturadas para o

9 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor nto do papel das ONG s: CAP. 8 Iniciativa das autoridade s locais em apoio à AG CAP. 9 Fortalecime nto do papel dos trabalhador es e seus sindicatos CAP. 0 Fortalecime nto do descontinuidade de apoios e doações *A falta de interesse das autoridades em relação a não participação social *Não implementação das políticas públicas para o desenvolvimento e o não fortalecimento e aperfeiçoamento das políticas já existentes *A inexistência da representação formal por parte do município enfraquece o diálogo com as representações de classe *Falta de interesse do setor pela continuidade das políticas ambientais e de prevenção locais a fim de maximizar a contribuição para o desenvolvimento local *Participação de todos os setores da sociedade nos processos de decisão, garantindo o acesso às informações sobre a Agenda Local *Uma melhor gestão das políticas públicas de desenvolvimento sustentável através de projetos como a Agenda, possibilitando então o seu crescimento intrínseco em todas as esferas sociais *Organização dos trabalhadores e maior participação dos sindicatos nas decisões sustentáveis *Promoção da responsabilidade sócio ambiental das empresas com produção mais limpa e autoregulação desenvolvimento sustentável, possibilitando seu fortalecimento e obtenção de recursos junto aos parceiros público e privado Criar estrutura qualificada e adequada com instrumentos de controle e fiscalização das atividades Qualificar e capacitar mão de obra Implantar e implementar políticas, projetos, programas com entidades locais visando maximizar ações para o desenvolvimento sustentável local Criar Plano de Gestão e de implementação das políticas públicas para o desenvolvimento sustentável fortalecendo e aperfeiçoando as políticas já existentes. Criar Planos e Projetos estruturados e qualificados para a gestão das políticas com metodologia da Agenda Despertar o interesse das autoridades e incentivar a participação social nos processos de decisão Garantir o acesso as informações sobre a Agenda local Promover a participação do Conselho Municipal de Emprego Promover Programas de inclusão sócio-ambiental Promover participação do Conselho Municipal de Emprego Utilização do incentivo fiscal- ICMS Verde

10 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor papel do comércio e da indústria CAP. Comunidad e científica e tecnologia assumindo a responsabilidade sócio ambiental *A pouca participação da universidade e centros de pesquisa na elaboração das políticas públicas *Criar canais de comunicação que possibilitem parcerias entre a sociedade, o poder público e a universidade Realização de Fóruns, com a participação das Universidades, com objetivo da difusão no meio acadêmico das propostas elaboradas pelo Poder Público e pela Sociedade. Criar comissão com representantes dos três segmentos (poder público, sociedade e universidade) visando o fortalecimento das articulações e a elaboração de Projetos compartilhados. CAP. Fortalecime nto do papel dos agricultores *Maior parte do município com características de área urbana *Propor políticas de ação em conjunto com as secretarias de educação e meio ambiente para a formação de uma cultura baseada em recursos naturais com a elaboração de projetos de agricultura familiar Realizar levantamento das propriedades com capacidade produtiva no município de Niterói Realizar parcerias entre a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Secretaria Municipal de Educação e a Emater, para em consonância com o Diagnóstico do levantamento das propriedades com capacidade produtiva no município de Niterói, desenvolver Projetos de sensibilização e capacitação junto ao público alvo Incentivar plantações hidropônicas, orgânicas, ervas medicinais são produções para áreas de pequeno porte Fortalecimento do público alvo através da formação de associações e cooperativas Criar núcleos de comercialização para estes produtos

11 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAP. Recursos e mecanismo s de financiame nto CAP. Transferênc ia de tecnologia, cooperação fortalecime nto instituciona l CAP. 5 A ciência para o desenvolvi mento sustentável CAP. 6 Promoção do ensino, conscientiz ação e treinament o *Falta de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento da Agenda e o não funcionamento do Conselho Municipal de Meio Ambiente *Os investimentos públicos não contemplam projetos de incentivo tecnológico voltado para o desenvolvimento sustentável *Ausência de projetos voltados para o meio ambiente e desenvolvimento sustentável de forma coordenada *Ausência de informações que orientem os projetos *Descontinuidade dos programas de educação ambiental por futuros gestores governamentais *Criação do Fundo Municipal de Meio Ambiente para investimentos em projetos como a Agenda local *Estímular parcerias com diversos setores da sociedade, nos níveis municipal e nacional para a criação de redes e projetos de transferência de tecnologia *Criação de um Programa de massificação das informações sobre centros de tecnologias ambientais no município, bem como investimentos disponíveis para ciência e tecnologia *Criação do Fórum Municipal de Educação Ambiental contemplando todas as esferas sociais e redes de ensino *A existência de dados sobre iniciativas ambientais que podem, ser disponibilizados para os alunos da rede pública e para a sociedade *Ampliação do Programa de Educação Ambiental *Implementação dos instrumentos de Criação do Fundo Municipal de Meio Ambiente para investimentos em projetos com Agenda local Criar políticas municipais que incentivem o desenvolvimento da Agenda local Criar Plano estruturado de gestão dos investimentos públicos que contemplem projetos de incentivos tecnológicos voltados para o desenvolvimento sustentável Criar mecanismos que estimulem as parcerias com os diversos setores da sociedade nos diferentes níveis ( municipal, estadual e federal) que promovam redes e incentivem projetos de tranferência de tecnologias Criar Programas de gestão que contemple projetos voltados para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável Criar Programas de Divulgação e Massificação de informações sobre Centros de Tecnologias Ambientais e investimentos disponíveis para o setor de Ciência e Tecnologia no município Fortalecer Programas do Fórum Municipal de Educação Ambiental contemplando todas as esferas sociais e redes de ensino (evitando a descontinuidade por futuros gestores) Ampliar o programa de Educação Ambiental em todas as esferas sociais e de ensino, bem como, na Rede de Informações e Dados sobre iniciativas ambientais

12 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor comunicação CAP. 7 Mecanismo s e cooperação para fortalecime nto instituciona l *Ausência de uma política de integração *Fortalecimento de políticas de integração através de mecanismos de intercâmbio tais como:universidades, Senai e organizações de fomento ao desenvolvimento Desenvolver políticas de integração através de mecanismos de intercâmbio locais/nacionais/internacionais com diversas entidades, tais como: universidades, Senai, centros de tecnologia e organizações de fomento ao desenvolvimento; Gerar mecanismos de divulgação das ações advindas da implantação destas políticas; Criar projetos de retenção de mão-de-obra qualificada local para garantir a perenidade destas CAP. 8 Arranjos instituciona is e internacion ais *Falta de definição sobre quais linhas de desenvolvimento econômico que o município irá seguir *Definição clara da linha de desenvolvimento econômico com a elaboração de objetivos comuns entre os órgãos nacionais e internacionais Definir as linhas de desenvolvimento econômico com a elaboração de objetivos comuns entre os órgãos nacionais e internacionais, visando definir critérios de controles ambientais. Destacamos como sugestão os segmentos econômicos NAVAL & OFF- SHORE, DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA e TURISMO. A equipe destaca, também, a implantação do PSF Programa Saúde da Família como exemplo de interação de instituições nacionais e internacionais como uma ação bem sucedida e com bons frutos econômicos/sociais/ambientais.. CAP. 9 Instrument os e mecanismo s jurídicos internacion *Não dispõe de mecanismos em virtude das condições oferecidas aos profissionais que dispõe desse conhecimento *Existência de profissionais capacitados *Fortalecer o poder local para atrair e usufruir dos mecanismos jurídicos internacionais Capacitar, e/ou atrair, profissionais capacitados; Fortalecer as instituições locais, públicas e privadas, para atrair e usufruir dos mecanismos jurídicos internacionais, como contratos e certificações ambientais (exemplo: estimulo a certificações ambientais ISSO, estimulo a utilização de créditos de

13 AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor ais carbono). CAP. 0 Informação para tomada de decisões *Inexistência de uma base sólida de informações, as existentes não são disponibilizadas ao público *Existência de profissionais competentes para desenvolver sistemas de informação que auxiliem a formulação de políticas *Possibilidade de criação de uma Central de Regulação Atrair profissionais qualificados para desenvolver sistemas de informação que auxiliem a formulação de políticas; Criar uma Central de Regulação, com indicadores de desenvolvimento sustentável.

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

*Condições para criação de Aterro Sanitário

*Condições para criação de Aterro Sanitário AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAPÍTULO EST PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES EST CAP. 0 Integração meio ambiente e desenvolvi mento CAP. 0 Cooperaçã o internacion al CAP. 0 Combate

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 2º setor

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 2º setor AGENDA 2 COMPERJ CAPÍTULO EST PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES EST CAP. 0 Integração meio ambiente e desenvolvi mento *A Secretaria de Meio Ambiente não funciona eficazmente *O não funcionamento do Conselho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Política de reciclagem de resíduos Criação de empresas para efetuar reciclagem e coleta seletiva de lixo Associação de catadores de lixo

Política de reciclagem de resíduos Criação de empresas para efetuar reciclagem e coleta seletiva de lixo Associação de catadores de lixo AGENDA COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: º setor CAPÍTULO EST PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES EST CAP. 0 Integração meio ambiente e desenvolvi mento CAP. 0 Cooperaçã o internacion al CAP. 0 Combate

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Temos potencialidades, mas não sabemos de empresas ou investimentos estrangeiros no município.

Temos potencialidades, mas não sabemos de empresas ou investimentos estrangeiros no município. AGENDA COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e Poluição hídrica. Favelização. Extração

Leia mais

Realização de novos concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente.

Realização de novos concursos públicos para que a fiscalização seja mais eficiente. DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO Estágio PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 2 Desmatamento da Serra do Sambe e construção desordenada

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES

AGENDA 21 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO DESEJÁVEL ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AÇÕES DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES ESTÁGIO DESEJÁVEL AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 O Conselho está inativo Pouca participação e articulação

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA

COORDENAÇÃO. ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA COORDENAÇÃO ABES-SP, Instituto PÓLIS, CAIXA, ANAMMA, UNICAMP, Projeto Pares(Poli-USP), OAF, Sindicato dos Engenheiros, Fórum Recicla São Paulo, CRUMA Ministério Público - Procuradoria Regional dos Direitos

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Est. Descrição do capítulo 3 Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento

AGENDA 21 COMPERJ. Est. Descrição do capítulo 3 Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento Est. Descrição do capítulo Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e Preocupações Potencialidades Sugestões de ações Novos Est. Pouca informação e falta de cultura podem levar

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: São Gonçalo

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: São Gonçalo SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 2 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Necessidade de maior clareza e fortalecimento na atuação da Secretaria

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AGENDA COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 Falta reforço institucional (pessoas

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Niterói

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Niterói SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 Existência de total desinformação sobre meio ambiente junto à população

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES

AGENDA 21 COMPERJ. Estágio DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES AGENDA 1 COMPERJ DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo 1: Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e 3 Distanciamento entre a sociedade

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

ORDEM FÍSICA HABITAÇÃO

ORDEM FÍSICA HABITAÇÃO ORDEM FÍSICA HABITAÇÃO CAP EST PR/POT 3 2 POT 7 2 PR 7 2 PR PREOCUPAÇÃO POTENCIALIDADE Niterói foi beneficiada com 4 programas do PAC (Cocada, Preventório, Capim Melado e Vila Ipiranga). Insuficiência

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE 0 PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTANHA ES SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE PRORAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEA PLANO DE AÇÃO Montanha ES 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 02 2. JUSTIFICATIVA... 03 3. OBJETIVO GERAL...

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul

Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Núcleo Regional de Rio Branco do Sul Municípios participantes Adrianópolis Bocaiúva do Sul Cerro Azul Doutor Ulysses Rio Branco do Sul Tunas do Paraná Itaperuçu Campo Magro Colombo Almirante Tamandaré

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor Município: Nova Friburgo

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 3º setor Município: Nova Friburgo DESCRIÇÃO DO CAPÍTULO ESTÁGIO PREOCUPAÇÕES POTENCIALIDADES Estágio Desejável AÇÕES Capítulo : Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e Necessidade de estruturação da Secretaria de Meio

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Cachoeiras de Macacu

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Cachoeiras de Macacu SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Frágil participação da Secretaria de Meio Ambiente na 1 - Nossas

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Maricá

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Maricá SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 1 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta de legislação ambiental municipal 1 Centralizar toda a legislação

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro

31 de julho de 2014. Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro 31 de julho de 2014 Gerente da Coordenação de Educação da Fundacentro Decreto Nº 7.602, de 7 de Novembro De 2011 Objetivos I - A Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST tem por objetivos

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis

AGENDA 21 COMPERJ Diagnóstico e Plano de Ação: 1º setor Município: Teresópolis SEÇÃO I DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Capítulo 1 Cenário 3 Integração das preocupações relativas ao meio ambiente e desenvolvimento 1 - Falta funcionar o Conselho do Meio Ambiente existente 1 - Existência

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço

GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço Prof. Klemens Laschefski Trabalho 1: Análise da Declaração de Rio 1992 e a Agenda 21 Discorra, a partir dos textos discutidos nas aulas, sobre os documentos

Leia mais