PARTICIPAÇÃO SOCIAL - BASE PARA AÇÃO COLETIVA: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA UMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTICIPAÇÃO SOCIAL - BASE PARA AÇÃO COLETIVA: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA UMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 PARTICIPAÇÃO SOCIAL - BASE PARA AÇÃO COLETIVA: UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA UMA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL OLSEN, Célia Maria Valério UnC BALDIN, Nelma Univille Eixo Temático: Cultura, Currículo e Saberes Agência Financiadora: FUMDES (Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior) Resumo O artigo trata de uma análise socioambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) da subbacia do rio dos Bugres, no município de Rio Negrinho (SC). Em vista da sua localização geográfica, essa APA representa a futura fonte de captação de água para abastecimento público. O objetivo geral centrou-se em elaborar um quadro-perfil socioambiental da APA Rio dos Bugres para inclusão no plano de gestão municipal, com vistas à promoção da Educação Ambiental e Sanitária para a preservação do recurso hídrico. A pesquisa envolveu vinte representantes de famílias moradoras da APA e três representantes de Instituições relacionadas ao meio ambiente do Município. Metodologicamente, o estudo desenvolveu-se na linha da Pesquisa Qualitativa e foram aplicadas entrevistas semi estruturadas à população envolvida. Foi efetuado um levantamento da situação da APA, a caracterização geográfica, socioambiental e econômica da região e de seus habitantes. Constatou-se a necessidade de ações da Educação Ambiental para levar noções de como proceder ecologicamente correto na infraestrutura das propriedades situadas na área da APA. Palavras chaves: Educação Ambiental. Área de Proteção Ambiental. Recurso Hídrico. Introdução O crescimento da degradação ambiental vem provocando um aumento do universo de exigências por medidas capazes de assegurar a qualidade de vida das pessoas. Essas exigências ecoam com maior grau de intensidade em um regime de governo democrático, em que se pressupõem que as decisões políticas sejam tomadas mediante a participação da população, direta ou indiretamente. Participação política exige o alcance de certo nível de

2 822 consciência crítica da sociedade quanto à importância da cidadania para a integração social nos processos decisórios. A ausência desse nível de consciência impede um efetivo enfrentamento dos problemas relativos à uma sociedade (CABRAL NETO; MACEDO FILHO, 2010). De acordo com Carvalho (2004), a visão socioambiental é orientada por uma racionalidade complexa e interdisciplinar na qual o meio ambiente não é sinônimo de natureza intocada, mas é um campo de interações entre a cultura, a sociedade e a base física e biológica dos processos vitais. E todos esses termos se modificam dinâmica e mutuamente. A sustentabilidade permite pensar além dos efeitos da degradação ambiental e analisar os conflitos socioambientais sob a perspectiva política. A sustentabilidade só se concretiza por meio de um conjunto de ações que avancem em políticas públicas integradas efetivando a implementação de políticas socioambientais. A criação de áreas protegidas tem sido uma maneira bastante difundida para mitigar a degradação de habitats e de preservar as espécies. Apesar do esforço de ecólogos e conservacionistas em propor atributos espaciais adequados para as reservas, a criação de áreas protegidas não tem garantido a sobrevivência das espécies nem a manutenção dos recursos naturais. Os fatores econômicos, culturais e políticos têm sido mais decisivos para a implantação de reservas do que os princípios ecológicos. A comunidade científica tem sugerido, então, uma abordagem ecológica mais holística sobre a conservação dos ecossistemas. Isto se deve ao reconhecimento de que, além de recursos de valor econômico e da biodiversidade, os ecossistemas oferecem múltiplos serviços (ROCHA et al., 2006). De acordo com Primack e Rodrigues (2001), no Brasil, enquanto a criação de uma APA é imposta aos moradores de uma região, causando apreensão em relação à manutenção de seu modo de vida, em outros países os moradores participam dessa discussão. Por isto, entende-se que o envolvimento da população local é o elemento principal nas estratégias de manejo de conservação. Para tanto, faz-se necessária a busca de subsídios para promover o envolvimento comunitário no manejo das APAs (Área de Preservação Ambiental) que é de fundamental importância para a adoção de critérios disciplinadores eficientes. Este fator é importante, como também é importante a promoção da Educação Ambiental na busca da sensibilização da comunidade à percepção dos problemas, reconhecendo-lhes a perspectiva técnico-científica como proposição de soluções. Iniciativas, essas, a serem tomadas a partir de estudos das questões socioambientais.

3 823 No Brasil, as Unidades de Conservação (UCs) são administradas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) por meio do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). De acordo com Primack e Rodrigues (2001, p. 201) uma vez que a área esteja sob proteção, devem ser tomadas decisões quanto ao grau de interferência humana que será permitido naquele local. A Lei nº de 18 de julho de 2000 instituiu o Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza (SNUC), estabelecendo critérios e normas para a criação, implantação e gestão de Unidades de Conservação sendo este que as define no artigo 2º, inciso I: Unidade de conservação é um] Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes legalmente instituído pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção (BRASIL, 2000). A mesma Lei, no seu artigo 7 o, divide as UCs em dois grupos: Unidades de Proteção Integral; e Unidades de Uso Sustentável. De acordo com o artigo 8º desta mesma Lei, as UC de Proteção Integral compreendem: as Estações Ecológicas; as Reservas Biológicas; Parques Nacionais; Monumentos Naturais e Refúgios de Vida Silvestre. E, ainda, no seu artigo 14, essa Lei estabelece que pertencem ao grupo das Unidades de Uso Sustentável: Áreas de Proteção Ambiental (APAs); Áreas de Relevante Interesse Ecológico; Florestas Nacionais; Reservas Extrativistas; Reservas de Fauna; Reservas de Desenvolvimento Sustentável e Reservas Particular do Patrimônio Natural. Neste sentido, as atividades econômicas podem ocorrer numa APA desde que essas não comprometam a conservação e a proteção ambiental, principalmente no que se refere à subsistência da população que ali já habitava, antes da sua criação. A APA, como Unidade de Conservação de Uso Sustentável, visa conciliar o desenvolvimento econômico e social com a preservação ambiental. De acordo com Layrargues (2002), a educação para a gestão ambiental vem ganhando destaque entre os educadores, pois o Levantamento Nacional de Projetos de Educação Ambiental realizado pelo Ministério do Meio Ambiente, em 1997, apontou que 50,2 % dos programas ali analisados adotam a elaboração de projetos de participação comunitária como método utilizado.

4 824 A gestão ambiental, numa APA, pode representar um processo de ampliação do espaço político voltado para as transformações sociais na busca da sustentabilidade ambiental. Entretanto, a sustentabilidade só será possível se pautada numa nova relação entre a sociedade e a natureza, que dependerá da mobilização da sociedade civil na conquista da ampliação dos esforços da participação na gestão ambiental nas suas diferentes escalas. É desta forma que a Educação Ambiental crítica, voltada para a cidadania ativa e planetária, poderá contribuir para a gestão de relações sustentáveis entre sociedade e natureza, uma vez que nessa concepção de Educação Ambiental está intrínseca a conquista de espaços de participação e mobilização, nas diferentes esferas de gestão (GUIMARÃES, 2006). Em uma Unidade de Conservação é fundamental que a Educação Ambiental, além das suas consagradas formas de atuar com as escolas e associações do entorno, seja também internalizada como constitutiva da própria gestão, nos conselhos, tornando-se elemento formativo permanente e se vinculando ao conjunto das ações planejadas, potencializando aquilo que lhe é específico (LOUREIRO; CUNHA, 2008 apud LOUREIRO, 2010). Nesse contexto, a elaboração de um diagnóstico socioambiental de uma bacia hidrográfica permite conhecer e compreender as potencialidades e as fragilidades da região. O diagnóstico poderá contribuir para reverter a degradação ambiental, recuperar, proteger e conservar o meio ambiente, levar a comunidade a assumir suas responsabilidades e também de cobrar seus direitos como cidadãos. Foi nesse intuito que a pesquisa referência para este artigo foi desenvolvida tendo, como objetivo, elaborar uma avaliação socioambiental da APA Rio dos Bugres para inclusão no plano de gestão municipal, com vistas à promoção da Educação Ambiental e Sanitária para a preservação do recurso hídrico. A pesquisa desenvolveu-se na APA da sub-bacia do rio dos Bugres, no Município de Rio Negrinho, na região norte de Santa Catarina. O Município de Rio Negrinho, juntamente com os Municípios de Campo Alegre, São Bento do Sul e Corupá é um dos componentes do Consórcio Ambiental Quiriri CAQ (Figura 1), que visa desenvolver, na área, práticas educativas para a proteção do ambiente de forma integrada. O Programa de Unidades de Conservação do CAQ abarca cinco APAs, dentre essas, a APA Rio dos Bugres. O rio dos Bugres corre pelo território do Município de Rio Negrinho com uma extensão de 29 Km, sendo, esse rio, afluente do rio Negrinho que é parte da Bacia Hidrográfica do Alto Vale do Rio Negro (que faz a divisa entre os Estados do Paraná e Santa Catarina). A APA Rio dos Bugres equivale a 81,84 km 2 com um perímetro de 55,34 km,

5 825 sendo que esta ocupa 9,42% da área total do Município de Rio Negrinho, entre as latitudes de 26º 15 e 26º 26 Sul e as longitudes 49º 29 e 49º 34 Oeste. Metodologia O estudo, uma pesquisa de formato qualitativa, foi fundamentado com o respaldo teórico da fenomenologia, a filosofia por excelência de Husserl (2000). Conforme Minayo (2000, p. 55), a pesquisa qualitativa quando fundamentada na fenomenologia percebe que os atos sociais envolvem uma propriedade que não está presente nos outros setores do universo abarcado pelas ciências naturais: o Significado. Nesse encaminhamento metodológico de pesquisa, o trabalho de campo constitui-se numa etapa essencial. Conforme Deslandes; Gomes e Minayo (2008), o trabalho de campo permite a aproximação do pesquisador com a realidade, estabelecendo uma interação para a construção do conhecimento empírico no desenvolvimento da pesquisa social. Nesse sentido, relaciona-se esse contexto teórico com o contexto social, cultural e ambiental da área da APA onde a pesquisa foi executada. Figura 1 Mapa de Santa Catarina destaque para os Municípios que formam o Consórcio Ambiental Quiriri (CAQ). Fonte: Adaptado de Prefeitura Municipal de Rio Negrinho (2010, p. 05). Legenda: Cor marrom: Município de Rio Negrinho.

6 826 Os procedimentos metodológicos adotados para a execução da pesquisa respeitaram etapas fundamentais da pesquisa qualitativa fenomenológica: preparação dos instrumentos da pesquisa; o estudo da área pesquisada; a seleção e a definição dos atores sociais da pesquisa (a população-alvo entrevistada). Além, ainda, do levantamento das categorias de análises (prévias) que se centraram em pontos essenciais para a existência da vida ambiental na APA, tais como: florestas nativas e florestas ciliares; agricultura; criação de animais; água; resíduos; ecoturismo; piscicultura e reflorestamento. Destaca-se, entre os procedimentos metodológicos: a execução de entrevistas por meio de um roteiro de questões previamente elaborado que foi aplicado aos representantes das 20 famílias residentes na APA selecionadas de acordo com os critérios de inclusão definidos para o estudo, tais como residir ou possuir propriedade há mais de 10 anos na área da APA; ser maior de idade e responsável pela família; desenvolver suas atividades econômicas de agricultura, criação de animais ou utilizar a água do rio. Um outro roteiro de questões de caráter específico que será aplicado, em uma segunda etapa da pesquisa ainda a ser executada, aos representantes das três Instituições relacionadas ao meio ambiente no Município de Rio Negrinho: Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente - COMDEMA; Serviço Municipal de Água e Esgoto SAMAE; e Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente. Após a realização das entrevistas com os moradores da APA, os dados e informações documentais colhidos foram analisados com base nos fundamentos do referencial teórico do estudo, sustentado na fenomenologia. Nesse encaminhamento, os dados e informações coletadas foram cruzadas com vistas à possibilidade de serem referendadas (ou não) as categorias de análise definidas a priori. Resultados e Discussões O campo onde a pesquisa foi aplicada, no caso junto aos moradores da área da APA Rio dos Bugres que abrange tanto parte da área urbana como parte da área rural do Município de Rio Negrinho, apresenta problemas ambientais desde a nascente do rio e em toda a extensão do curso do rio (rio dos Bugres). A ausência de vegetação ciliar que protege o rio e a prática, constantes, de atividades impactantes sobre o meio ambiente, tais como: agricultura; pecuária; reflorestamentos de pinus spp.; piscicultura, lançamento de resíduos sobre o rio e destinação incorreta de resíduos gerados pelas atividades econômicas, representam sérias ameaças à saúde ambiental da APA.

7 827 Os fatores socioeconômicos que influenciam no desenvolvimento da comunidade como a predominância das atividades agropecuárias nas propriedades situadas na APA vêm gerando impactos ambientais que demonstram a necessidade, urgente, de programas e políticas voltadas ao pequeno produtor para mitigar as agressões que são cotidianamente provocadas no meio ambiente. A Área de Proteção Ambiental é uma Unidade de Conservação de uso sustentável e deve garantir, à população local, o direito de produzir o seu sustento com respeito e responsabilidade pela sua conservação. Para subsidiar programas de Educação Ambiental voltados às comunidades instaladas residentes na APA Rio dos Bugres com vistas à conscientizá-los à grave situação de crise ambiental que a APA vem apresentando, constatou-se da necessidade de ações especificas para levar, aos moradores, noções educativas ambientais. Buscando dar-lhes noções de como proceder ecologicamente correto quanto à infra-estrutura das propriedades, principalmente no que se refere à destinação dos resíduos gerados pelas atividades de renda. O estudo demonstrou que ações de saneamento ambiental são emergenciais na APA, principalmente no que se refere ao saneamento básico e, mais especificamente, ao sistema de abastecimento de água tratada, coleta e tratamento de resíduos. Além disto, percebeu-se ainda que devem ser praticadas ações de orientação à população para que a mesma se preocupe e passe a adotar hábitos e procedimentos corretos com relação ao destino e à manipulação dos resíduos sólidos. Durante a execução da pesquisa observou-se que muitos moradores não distinguem a principal diferença entre a coleta convencional e a coleta de lixo seletiva nem se preocupando com essas questões e, além disto, muitas famílias não dão destinação correta aos resíduos gerados na sua propriedade. A maioria dos entrevistados, cerca de 80%, reconhece a poluição como o principal problema na APA devido à presença de resíduos sólidos, fato este que perceberam com a enchente ali ocorrida em abril/2010 e que provocou muitos prejuízos financeiros danificando os patrimônios dos moradores. Esse fato evidencia, portanto, a necessidade de ações emergenciais para o enfrentamento das inundações. A atividade de piscicultura desenvolvida em algumas das propriedades com práticas de pesque-pague não apresenta infra-estrutura adequada para receber os visitantes de forma a mitigar os impactos ambientais pela produção de resíduos. Ainda, não há infra-estrutura para evitar a interferência - direta - da atividade da piscicultura sobre o ecossistema aquático local. Essa atividade também é observada na questão do aproveitamento dos dejetos dos animais, como o adubo. Este fato é relatado, pelos moradores, como sendo, este, um simples

8 828 hábito de reaproveitamento, pois durante a execução da pesquisa nenhum criador entrevistado se referiu à contaminação da água do rio ou relacionou seu procedimento de coletar e reaproveitar dejetos ao longo do rio com a proteção do meio ambiente. Notou-se, pelos depoimentos dos entrevistados, que há a necessidade de implantar-se, na APA, propostas de atuação que enfatizem formas de tratamento e disposição dos resíduos gerados pela criação de animais. Ainda, observou-se que é importante que haja orientação, aos moradores, sobre a manipulação de agroquímicos para evitar a contaminação dos agricultores e do meio ambiente. As posturas indevidas adotadas pelos moradores da APA (área rural) frente aos animais silvestres tais como oferecer-lhes restos de alimento e, assim, buscar atrair-lhes, principalmente os pássaros, para as proximidades das suas residências são consideradas, por esses moradores, como atitudes ecologicamente corretas. Esses moradores demonstraram, ainda, a satisfação em conviver com os bichos mas, também, mostraram ter o desconhecimento dos efeitos desse comportamento sobre a vida da fauna. Oferecer alimento (sobras de comida) para os animais nativos é motivo de orgulho para os moradores da APA o que significa, de fato, uma demonstração de desconhecimento de causa, porque essas pessoas ao manifestarem interesse em manter os bichos vizinhos às suas casas não demonstraram preocupação quanto à preservação das florestas para manter os animais no seu habitat natural. Percebeu-se, ainda, que há falta de informação sobre a fauna e a flora local para o manejo das espécies o que maximizaria as chances de manter a biodiversidade da área protegida. Numa contraposição entre os interesses dos moradores da área rural, os entrevistados que vivem na área urbana demonstraram mais otimismo com relação às questões de saneamento que os da área rural. Na área urbana enfatizaram a construção da rede de esgoto que está em fase de implantação, enquanto que os habitantes da área rural queixaram-se da total ausência de saneamento. Os entrevistados (da área urbana e da área rural) mais orientação e fiscalização de parte do poder público e, principalmente, esperam orientações de Educação Ambiental. De fato, o estudo nos demonstrou que não se encontrou um ato fenomenológico que permitisse a análise da relação do poder público com os habitantes da APA (área rural e área urbana), pois não existem propostas oficiais de Educação Ambiental e Sanitária específicas para a APA Rio dos Bugres e tampouco ocorrem ações ambientais dos moradores. O que existe na realidade, nessa questão, é um programa às populações das entidades sociais em

9 829 parceria com as escolas públicas da rede municipal e relacionado à instalação da rede de esgoto sanitário, mas apenas para a área urbana. Ficou claro que para os moradores dessa área os aspectos econômicos se sobrepõem aos ambientais. Em suas falas, os entrevistados enfatizaram mais as questões financeiras e demonstram pouca preocupação com os impactos que a atividade de renda possa gerar ao meio ambiente. Considerações Finais O objetivo geral da pesquisa, de fato, foi alcançado à medida que foram sendo obtidas as informações referentes aos fatores socioambientais que interferem nas decisões da população local, e relacionadas aos recursos hídricos. Os resultados do estudo permitiram a elaboração de um levantamento socioeconômico da região, bem como possibilitaram uma análise do comportamento da população local, seus procedimentos e atitudes perante a conservação do meio ambiente, os quais permitiram diagnosticar a necessidade de ações por parte do poder público municipal, voltadas, essas ações, para o benefício da APA. A metodologia da pesquisa qualitativa, sustentada na fenomenologia, mostrou-se apropriada para a realização do estudo pois os depoimentos advindos das entrevistas forneceram dados e informações que possibilitaram a compreensão do fenômeno em si, baseada, essa compreensão, na percepção dos sujeitos e suas interações com o meio social e ambiental. A análise e a interpretação dos relatos dos entrevistados demonstraram que há pouco conhecimento dessas populações quanto à uma Unidade de Conservação, tendo em vista que esta é entranhada na paisagem local. Ainda, esses moradores deixaram vir à tona posturas e entendimentos indevidos frente às questões ambientais. Quanto aos objetivos específicos, esses foram atingidos à medida que foram sendo levantadas as atividades econômicas em desenvolvimento na região, bem como pontuaram-se as possibilidades de impacto ambiental que essas atividades possam gerar. Os resultados da pesquisa demonstraram que o cultivo de plantas exóticas apresentou-se como um fator de forte influência socioambiental na APA, ação essa, que exige monitoramento quanto ao manejo correto nas plantações. E observou-se, também outras ações: a criação de animais próxima às margens do rio dos Bugres, permitindo-lhes assim o acesso à água para dessedentação; a ausência de vegetação ciliar; o pisoteio e o esterco dos animais como ações

10 830 intervenientes nas margens do rio. Ações cotidianas, essas, e que associadas à falta de informação dos criadores podem levar ao comprometimento da qualidade da água no futuro. Entre os benefícios que os resultados desta pesquisa poderão reverter para a comunidade, podem-se citar as sugestões decorrentes dos resultados da pesquisa, tais como: a melhoria na infraestrutura das propriedades por meio de Programas de Educação Ambiental e Sanitária aplicados pelo poder público à comunidade local. Com isto, visa-se evitar os impactos ambientais causados pelos resíduos gerados pelas atividades agropecuárias desenvolvidas nas propriedades; a implantação de políticas públicas voltadas para o pequeno produtor rural com vistas à sustentabilidade; investimentos públicos na conservação das estradas e recuperação das áreas onde a mata ciliar se encontra em processo de degradação. Enfatiza-se, ainda, que a elaboração do plano de manejo da APA, ainda em discussão entre a população, o poder administrativo público e o ministério público é de fundamental importância. O estudo demonstrou que além da necessidade de acontecer esse plano, o mesmo deverá priorizar as atividades socioeconômicas desenvolvidas na área e, ainda, deverá definir ações que envolvam a participação da população local para que haja, de fato, sensibilização e mudanças comportamentais em relação ao meio. Percebeu-se que o poder público deverá estimular a elaboração de programas agroflorestais que aproximem o cenário atual do cenário ideal para a região. Neste sentido, a sistematização e a disponibilização dos dados e dos resultados obtidos nessa pesquisa podem subsidiar o plano de manejo a ser elaborado, visando à mitigação dos impactos sobre a qualidade da água do rio dos Bugres. Rio, este, que é visto como a futura fonte de água para o abastecimento público da localidade. A Educação Ambiental crítica voltada para a formação da cidadania é potencialmente um instrumento de gestão para superar os problemas ambientais (LOUREIRO, 2010). Assim, esta educação vincula-se à prática social, contextualiza-se com a realidade socioambiental e possibilita mudanças de comportamentos individuais. Mudanças que podem resultar na transformação da realidade social. Neste sentido, uma proposta educativa que venha a ser aplicada junto à comunidade e que seja encaminhada ao poder público municipal com vistas à promoção da Educação Ambiental e Sanitária deve considerar todos os aspectos e mobilizar a participação da sociedade nas diferentes escalas de gestão. Este processo possibilitará a intervenção dos atores sociais em relação à realidade socioambiental e, assim, buscar aproximar-se da sustentabilidade da região.

11 831 É preciso romper com a idéia de que as responsabilidades dependem somente da ação governamental e que os habitantes devem esperar e aceitar as decisões do poder público. Nesse encaminhamento, levar um conhecimento aprofundado da cadeia de relações entre os moradores e o meio ambiente para que elas possam detectar-se como fonte e causa dos problemas e direcionar essas atitudes para as possíveis soluções, mostra-se como um fator incentivador às populações. E esta pesquisa demonstrou a necessidade de estimular a consciência ambiental dos moradores da APA Rio dos Bugres, no sentido de levar-lhes a compreensão e a ação, bem como a adoção de práticas ambientais éticas e solidárias a partir de mudanças de hábitos cotidianos. Atos, que poderão reverter-se em bons resultados para a própria sociedade e em especial para o meio ambiente. Para levar-se a efeito uma proposta educativa como esta que aqui se alinhava, primeiramente, faz-se necessária uma intensa interação entre o poder público e a população local para potencializar o desenvolvimento de práticas preventivas no plano ambiental. Decorrente dessa interação, deve-se promover, na localidade, o fortalecimento das organizações sociais e comunitárias relacionadas ao meio ambiente, além, ainda, da informação e da capacitação dos recursos humanos para a construção de instituições pautadas na perspectiva da sustentabilidade local e regional. As metas propostas para a promoção da Educação Ambiental consistem em incentivar a comunidade a refletir sobre o seu papel de agente transformador nas questões ambientais, estimulando-a a refletir sobre seu comportamento frente às questões ambientais, na perspectiva de melhoria da qualidade de vida. Como atividades prioritárias a serem executadas como decorrência da Educação Ambiental, priorizam-se, para os habitantes da APA, as seguintes ações: esclarecimento à comunidade sobre a importância de uma área de bacia hidrográfica como uma Unidade de Conservação; divulgação local do diagnóstico obtido com a realização da pesquisa na perspectiva de ações da gestão ambiental por parte do governo municipal, destacando as potencialidades e as fragilidades da região para que os moradores da APA conheçam a realidade do cenário onde vivem; mobilização da comunidade para ações individuais e coletivas visando a conservação dos ecossistemas. Nesse encaminhamento, por meio deste estudo percebeu-se que a abordagem da Educação Ambiental, aos habitantes da APA em estudo poderá ocorrer sob duas modalidades: a formal, desenvolvida nas escolas da região, e a não-formal, envolvendo diretamente a comunidade local.

12 832 O quadro 1 apresenta um esboço de uma proposta de ações educativas na modalidade da Educação Ambiental não-formal e que foi elaborada para ser desenvolvida junto a comunidade residente na APA Rio dos Bugres, e a ser entregue ao poder público municipal de Rio Negrinho. Sugere-se, ainda, que haja o envolvimento das demais entidades sociais relacionadas ao meio ambiente e instituições de ensino, para os quais propõe-se ações direcionadas a despertar a população para a responsabilidade, mobilização e sensibilização. Consequentemente, com a aplicação dessas ações de sensibilização e Educação Ambiental espera-se que os habitantes da APA passem a adotar posturas adequadas à conservação do meio ambiente da localidade. Quadro 1 Proposta de ações educativas a serem aplicadas na APA do Rio dos Bugres Rio Negrinho- SC AÇÕES TEMÁTICA RESPONSABILIDADE ÓRGÃO Cronograma EDUCATIVA SOCIOAMBIENTAL DA COMUNIDADE EXECUTOR -Palestras -Unidades de Recuperação da paisagem -Secretaria (datas a serem -Trilhas Conservação natural e postura Municipal de determinadas interpretativas -Floresta Ombrófila ecologicamente corretas. Educação; em acordo com Mista -Secretaria a disponibilidade -Corredores Ecológicos Municipal de dos -Fauna regional Planejamento e Meio Ambiente. Palestrantes) Cursos técnicos Oficinas comunitárias Formação agentes comunitários de -Piscicultura -Silvicultura -Pecuária -Turismo rural -Horta orgânica -Compostagem -Doces artesanais e comidas típicas -Artesanato com reutilização de materiais. -Saneamento ambiental: -tratamento de efluentes (biorremediação, fitorremediação) -recuperação da vegetação ciliar Adequação da estrutura das propriedades e qualificação dos profissionais Complementação da renda familiar e consumo sustentável Melhoria na infraestrutura das residências. -Secretaria Municipal de Agricultura; -Secretaria Municipal de Infraestrutura -Secretaria Municipal da Família e do Desenvolvimento Comunitário; -Secretaria Municipal de Planejamen-to e Meio Ambiente. -Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente; -Secretaria Municipal de Infraestrutura (datas a serem fixadas em acordo com a disponibilidade dos profissionais) Setembro e outubro (período em que ocorre as campanhas para a decoração natalina da cidade ( Natal Encantado ) Março e abril

13 833 Cartilhas -Resíduos Sólidos Adoção de hábitos para a -Secretaria do Maio e Junho informativas, gerados na propriedade. destinação correta e coleta Planeja-mento (Semana do folderes, meios seletiva. e Meio meio de comunicação Ambiente; Ambiente) (rádio). - Secretaria Municipal de Educação Coletânea de -Transformações Valorização do espaço -Secretaria Abril histórias ocorridas na APA natural. Municipal de (Aniversário do contadas pelos devido à ocupação Educação Município) moradores e humana elaboração de peças teatrais a serem apresentadas à comunidade. Fonte: Quadro elaborado pelas pesquisadoras a partir dos resultados da pesquisa executada na região. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei nº 9795 de Dispõe sobre a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 28 abr Regulamentada pelo decreto nº 4.281, de 25 de junho de Disponível em: <www.planalto.gov.br>. Acesso em: 05 maio Lei nº 9985 de 18 de julho de Regulamenta o art. 225, 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 jul Disponível em: <www.mma.gov.br>. Acesso em: 15 abr CABRAL NETO, Antonio; MACEDO FILHO, Francisco Dutra. O estado e o dever de proteção ao meio ambiente: a importância da participação social na formulação, execução e avaliação de políticas ambientais. In: CABRAL NETO, Antônio; MACEDO FILHO, Francisco Dutra; BATISTA, Maria do Socorro. Educação Ambiental: caminhos, debates políticos e práticas escolares. Brasília: Líber Livro, CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 1.ed. São Paulo: Cortez, CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução nº 10 de 14 de dezembro de Dispõe sobre Áreas de Proteção Ambiental. Diário oficial da União, 11 ago Disponível em: <www.mma.gov.br>. Acesso em: 15 abr DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27.ed. Petrópolis: Vozes, GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental e a Gestão para a sustentabilidade. In. SANTOS, José Eduardo dos Santos; SATO, Michele. A contribuição da educação ambiental à esperança de pandora. São Carlos: Rima, HUSSERL, Edmund. A idéia da fenomenologia. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2000.

14 834 LAYRARGUES, Philippe Pomier. Educação para a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. In : LOUREIRO, Carlos Frederico; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de. Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. 3.ed. São Paulo: Cortez, LOUREIRO, Carlos Frederico B. Crítica ao teoricismo e ao praticismo na educação ambiental. In: CABRAL NETO, Antônio; MACEDO FILHO, Francisco Dutra; BATISTA, Maria do Socorro. Educação Ambiental: caminhos, debates políticos e práticas escolares. Brasília: Líber Livro, MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco; São Paulo: Hucitec, PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO. Consórcio Ambiental Quiriri- Boletim Técnico Disponível em: <www.rionegrinho.sc.gov.br./wpagina=consorcio&stage=1&idconsorcio=3>. Acesso em: 02 fev PRIMACK, Richard; RODRIGUES, Efraim. Biologia da conservação. Londrina: Planta, ROCHA, Carlos Frederico Duarte et al. Corredores ecológicos e conservação da biodiversidade. In: ROCHA, Carlos Frederico Duarte et al. Biologia da Conservação: essências. São Carlos: Rima, 2006.

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 1. APRESENTAÇÃO O Selo Ambiental de Guarulhos é uma premiação anual criada em 2002 pela Câmara Municipal de Guarulhos através do Decreto Legislativo 003/2002.

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental CAPÍTULO III Do Meio Ambiente Seção I Da Política Ambiental Art. 1º - São objetivos das políticas públicas para o Meio Ambiente: I - implementar as diretrizes contidas na Política Nacional do Meio Ambiente,

Leia mais

Projeto Barro Preto em Ação

Projeto Barro Preto em Ação Projeto Barro Preto em Ação Mirian de Sousa SILVA 1 ; André Luis RIBEIRO 2 ; 1ªTurma de Meio Ambiente 3 1 Professora orientadora do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) Bambuí/Extensão Oliveira-MG. 2

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou.

Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das. rurais. Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. Projeto de adequação socioeconômica e ambiental das propriedades rurais Minas Gerais. Aqui, o trabalho por um mundo mais sustentável já começou. O projeto O Projeto de Adequação Socioeconômica e Ambiental

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais

Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar. Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED

Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar. Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED 1 Conceito de EA - Lei nº 17.505/13, Art.2º: Entende-se por EA os processos contínuos e permanentes

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos

Gisele Garcia Alarcon, Marta Tresinari Wallauer & Cláudio Henschel de Matos MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO: DESAFIOS PARA O ENVOLVIMENTO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA IMPLEMENTAÇÃO DO PARQUE Gisele Garcia Alarcon,

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSERVAÇÃO DA RESERVA R-3 ENVOLVENDO TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS EM SINOP-MT Sinovia Cecília Rauber Curso de Especialização em Educação e Meio Ambiente FASIPE SINOP/MT

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1.

TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015. Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais. Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. TERMO DE REFERÊNCIA nº 16/2015 Responsável: Unidade de Negócios Projetos Especiais Rio de Janeiro, 9 de junho de 2015. 1. Identificação Contratação de consultoria de pessoa física (PF) para diagnóstico

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável

Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Líderes da Conservação - Instituto de Desenvolvimento Sustentável Considerada uma das mais avançadas do mundo. Sua estrutura começou a ser composta em 1981, a partir da Lei 6.938. Da Política Nacional

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais