PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA"

Transcrição

1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE EM CRIANÇAS DE 5 A 8 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Mônica Barros Costa 1 Márcio José Martins Alves 2 Tufi Machado Soares 3 Geovana Maria Gomes 4 Bianca Giovana Ferreira 4 1 Professora Adjunta do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Juiz de Fora 2 Professor Assistente do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de Juiz de Fora 3 Professor Adjunto do Departamento de Estatística da Universidade de Juiz de Fora 4 Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora INTRODUÇÃO A prevalência de obesidade tem crescido de forma significativa, nos últimos anos, transformando-se em grave problema de Saúde Pública, não apenas pelo aumento do número de casos, mas também pelo fato de que esta afecção, geralmente, se faz acompanhar de outras entidades mórbidas. Assim, podem ser citados a hipertensão arterial, o diabetes mellitus, a dislipidemia, a doença coronariana e a osteoartrite como algumas das complicações que acompanham a obesidade (2,7,13,20). Estudos mostram que 5 a 44% dos adultos obesos apresentam história de sobrepeso na infância, destacando a estreita relação entre obesidade infantil e obesidade no adulto (2,7,8,20). Além disso, crianças obesas possuem risco aumentado para desenvolver hipertensão arterial, diabetes mellitus, doenças respiratórias, alterações ortopédicas e distúrbios psicossociais, ainda na infância (7,8). Nos Estados Unidos, o estudo National Health and Nutrition Examination Survey III (NHANES) dem onstrou em indivíduos de 6 a 17 anos, uma prevalência de 10,9% de obesidade e 22% de sobrepeso (20). Gratcer e colaboradores, em estudo realizado em crianças do Haiti, Egito e Togo, encontraram curvas de peso-altura semelhantes às do estudo americano (9). No México, Cabrera e colaboradores citam prevalência de 4,4% de crianças obesas, antes dos 5 anos de idade (2). Também na Austrália, Magarey e colaboradores relataram uma prevalência de obesidade de 26,1%,meninos e 23,5 %, nas meninas (15). Gortmaker e colaboradores desenvolveram estudo em crianças americanas na faixa etária de 6 a 11 anos, em três períodos de tempo distintos e encontraram uma prevalência de 17,6 % de sobrepeso e 5,9% de obesidade entre 1963 e 1965; que aumentou para 22,5% de sobrepeso e 7,1% de obesidade, entre 1971 e 1974 chegando entre 1976 e 1980 à taxa de 27,1% de sobrepeso e 11,7% de obesidade (8).

2 Alguns fatores que contribuem para o aumento do número de casos de obesidade na infância, assim como no adulto, são claramente estabelecidos, como o aumento da ingestão de alimentos ricos em gordura, falta de incentivo à prática de atividade física, aumento do uso de computador e televisão, dentre outros (13,15). Isto mostra a influência do meio ambiente imediato no comportamento alimentar das crianças, trazendo uma idéia de ambiente predisponente à obesidade, contribuindo para o ganho de peso na infância e adolescência. Em nosso meio, existem poucos dados nessa área, ressaltando a importância de um estudo sobre a prevalência de obesidade infantil. Estudo brasileiro realizado por Volochtchuk et. al na cidade de Curitiba nos anos de 1997 e 1998, com escolares de 6 a 11 anos, mostrou valores de peso significativamente maiores nas escolas particulares em relação às públicas. Neste estudo, 20,4% das crianças de escolas privadas eram obesas, contra 11,7% de obesos nos alunos de escolas públicas (referência??) Estes dados justificam a crescente preocupação da classe médica com relação à obesidade na infância, existindo um grande interesse em se conhecer a prevalência de obesidade infantil em diferentes comunidades. Além disso, é importante definir as características da obesidade na infância, na tentativa de se estabelecer fatores predisponentes para tal e viabilizar estratégias eficazes de controle e prevenção da mesma. OBJETIVOS Os principais objetivos desse estudo foram: - conhecer a prevalência de obesidade em crianças de 5 a 8 anos, no município de Juiz de Fora, - avaliar o grau de conscientização dos pais ou responsáveis sobre o problema da obesidade, - conhecer as medidas adotadas pelos mesmos a respeito do estado nutricional dos filhos. MÉTODOS Foi utilizado o método de amostragem por conglomerados, tendo sido sorteadas 16 escolas públicas e 8 privadas do município de Juiz de Fora, situado na Zona da Mata do estado de Minas Gerais, com uma população de habitantes, no ano de Todas as crianças entre 5 e 8 anos, das escolas sorteadas, que estavam presentes no dia do exame tiveram seu peso e altura aferidos. A tomada das medidas foi feita com os indivíduos sem sapatos e portando roupas leves, através de balança de consultório com estadiômetro, devidamente aferida. Utilizaram-se aproximação de 0,5 cm para altura e 100 gramas para o peso. Além disso, cada criança recebeu um questionário a ser respondido pelos pais ou responsáveis. O questionário constava de duas partes: a primeira visava conhecer o perfil sócio-econômico da família, o que foi feito baseando-se nos critérios da Associação Brasileira de Pesquisa de Mercado (ABIPEME) e a segunda parte procurou conhecer o grau de conhecimento dos pais sobre questões relativas à obesidade (anexos 1 e 2).

3 Para definição de obesidade foi utilizado o índice de massa corporal (IMC), definido como: IMC = Peso, Altura² onde o peso é expresso em quilogramas e a altura em metros. Os pontos de corte para o IMC referentes a sobrepeso e obesidade foram definidos com base no estudo de Cole e colaboradores, que considera o percentil 75 para sobrepeso e o percentil 85 para obesidade (3). Os pontos de corte são diferentes para faixa etária e sexo, respeitando as particularidades do desenvolvimento na infância (tabela 1) Tabela 1 - Pontos de corte de IMC (kg/m²) para crianças entre 5 e 8 anos (ponto médio de cada faixa etária) idade sobrepeso obesidade meninos meninas meninos meninas 5 anos 17,45 17,20 19,45 19,34 6 anos 17,71 17,53 20,23 20,08 7 anos 18,16 18,03 21,09 21,01 8 anos 18,76 18, 69 22,17 22,18 Os dados coletados foram processados e manipulados utilizando-se o programa de computador Epi Info versão 6.04b e analisados no programa SPSS versão 8.0. Para avaliar as variáveis categóricas do estudo, foi utilizado o teste de qui-quadrado (nível de significância: α=00,5). Foi avaliado o efeito de delineamento através do estudo das variâncias, que compara a variância da amostra obtida segundo os conglomerados utilizados nos dois estágios de sorteio (primeiro estágio: escolas sorteadas; segundo estágio: todos os alunos de cada escola). Este delineamento se mostra de grande conveniência em estudos de populações escolares, uma vez que minimiza problemas logísticos de deslocamento bem como otimiza a adesão dos alunos à pesquisa. O estudo indicou uma relação próxima de 1 (variância da amostra obtida próxima da variância de uma amostra aleatória simples da mesma população), o que nos garante a validade dos resultados de inferência obtidos. Além disso, foi efetuada a ponderação dos elementos da amostra segundo a natureza da escola, no sentido de corrigir eventuais disparidades entre escola pública e escola privada, uma vez que os métodos de amostragem diferiram na proporção amostra / população dentro de cada um destes subgrupos. Para avaliar a significância estatística das associações entre as variáveis categóricas do estudo, foi utilizado o teste de qui-quadrado (nível de significância =00,5).

4 RESULTADOS Foram analisadas crianças, na faixa etária de 5 a 8 anos, sendo 1623 provenientes de instituições da rede particular e de instituições de ensino público. A distribuição quanto ao sexo mostrou crianças do sexo masculino e 1.825, do sexo feminino, com uma razão entre os sexos de 1,09. A distribuição por faixa etária mostrou que, das crianças estudadas, 385 (11%) estão entre 5 e 6 anos, 730 (20,9%) entre 6 e 7 anos, (31,9%) entre 7 e 8 anos e (36,1%) entre 8 e 9 anos. A prevalência de sobrepeso e de obesidade foi maior nas classes sociais A e B, conforme pode ser visto na tabela 2 que mostra maior prevalência de crianças com peso normal e menor prevalência de sobrepeso e obesidade, nas classes sociais mais baixas (p<0,001). Tabela 2: Distribuição dos casos de obesidade de acordo com a classe social Peso Classe A Classe B Classe C Classe D Total Peso normal 148 (70,5 %) 409 (72,9 %) 558 (79,6 %) 232 (90,3 %) 1347 (77,9 %) Sobrepeso 46 (21,9 %) 101 ( 18 %) 92 (13,1 %) 19 (7,4 %) 258 (14,9 %) Obesidade 16 (7,6 %) 52 (9,3 %) 51 (7,3 %) 6 (2,3 %) 125 (7,2 %) Total λ²=42,105, p<0,001 A distribuição dos casos de acordo com o tipo de estabelecimento de ensino mostrou que tanto sobrepeso como obesidade predominam nas escolas privadas (Tabela 3). Tabela 3: Distribuição dos casos de obesidade conforme o tipo de estabelecimento de ensino Escola pública Escola privada Total Peso normal (83 %) 410 (70,9 %) (81 %) Sobrepeso 339 (11,6 %) 121 (20,9 %) 460 (13,2 %) Obesidade 155 (5,3 %) 47 (8,1 %) 202 (5,8 %) Total λ²= 46,887, p<0,001 Analisando a prevalência de obesidade e sobrepeso em relação ao sexo, observase que não existe diferença entre os grupos (tabela 4).

5 Tabela 4: Distribuição dos casos de obesidade quanto ao sexo Masculino Feminino Total Peso normal (81,7 %) (80,3 %) (81 %) Sobrepeso 233 (12,8 %) 227 (13,6 %) 460 (13,2 %) Obesidade 100 (5,5 %) 102 (6,1 %) 202 (5,8 %) Total λ²= 1,156, p=0,561 Com relação à faixa etária, sobrepeso e obesidade tiveram uma prevalência semelhante, em torno de 13% e 6%, respectivamente, em todas as faixas etárias analisadas, conforme pode ser visto na tabela 5. Tabela 5: Distribuição dos casos de obesidade de acordo com a faixa etária 5 anos 6 anos 7 anos 8 anos Total Peso normal 326 (84,2 %) 602 (83,4 %) 883 (79,7 %) (80 %) (81,1 %) Sobrepeso 39 (10,1 %) 88 (12,2 %) 152 (13,7 %) 180 (14,2 %) 459 (13,2 %) Obesidade 22 (5,7 %) 32 (4,4 %) 73 (6,6 %) 75 (5,9 %) 202 (5,8 %) Total λ²= 9,486, p=0,148 Considerando a opinião dos pais sobre a condição de seus filhos, foi observado que 36,6% dos pais de crianças obesas não foram capazes de identificar essa condição nos filhos. Por outro lado, 15,2% dos pais de crianças em sobrepeso e 1,5% dos pais de crianças com peso normal também consideram o filho obeso (tabela 6). Os pais de crianças obesas não estão dando mais incentivo a seus filhos para a prática de atividade física, quando comparados com os pais de crianças não obesas: o incentivo à atividade física esteve em torno de 70% em todas as faixas de peso, indicando talvez a baixa identificação da condição de obesidade ou a pouca conscientização sobre a necessidade de intervenção precoce nesses casos (tabela 6). Existe um viés significativo de aumento do relato de adesão à proposta de dieta com exercícios físico, com a mudança da categoria de peso: 18% das crianças com peso normal, 31% daquelas com sobrepeso e 39% das crianças obesas relataram seguir um programa alimentar e atividade física. Por outro lado, uma baixa porcentagem de crianças obesas (20,5%) informaram estar seguindo um programa alimentar sob orientação médica. (tabela 6). Tabela 6: Opinião dos pais sobre a condição do peso de seus filhos Normal Sobrepeso Obeso Considera o filho obeso? * 25 (1,5%) 46 (15,2%) 90 (63,4%) Incentivo à atividade física+ 377 (73,1%) 112 (76,2%) 63 (77,8%) Atividade física e dieta * 54 (18,8%) 29 (31,2%) 16 (39%) Dieta sob orientação médica * 13 (4,9%) 7 (8,3%) 8 (20,5%) * p<0,005, + p=0,550

6 Além disso, devemos salientar que a opinião dos pais sobre a obesidade dos filhos foi semelhante nas diversas classes sociais. (tabela 7). Tabela 7: Opinião dos pais que consideram os filhos obesos nas diferentes classes sociais Normal Sobrepeso Obeso Classe A 5 (41,7%) 7 (58,3%) Classe B 4 (8,2%) 12 (24,5%) 33 (67,3%) Classe C 6 (10,7%) 17 (30,4%) 33 (58,9%) Classe D 1 (10%) 4 (40%) 5 (50%) DISCUSSÃO Apesar dos inúmeros estudos realizados, ainda não há um critério considerado ideal para o diagnóstico de obesidade em crianças (1,5,6,11,18,20). A utilização, nesse grupo etário, do índice de massa corporal (IMC), usado como medida de obesidade em adultos ainda é considerada controversa, por muitos autores (14). Nos adultos, a relação entre IMC, massa gorda e massa livre de gordura é mais estável. Nas crianças esta relação varia de acordo com o grau de crescimento e desenvolvimento (16). O IMC na infância muda substancialmente em cada faixa etária. Ao nascimento, o IMC médio é de 13 kg/m², aumentando para 17 kg/m² no primeiro ano de vida e decrescendo para 15,5 kg/m², na faixa de 6 anos. Até os 20 anos, volta a crescer para cerca de 21 kg/m², comparando-se ao IMC ideal para adultos (3). Estes dados mostram claramente a necessidade de se estabelecer pontos de corte para peso ideal, sobrepeso e obesidade em crianças, de acordo com a faixa etária, levando-se em conta as mudanças naturais do organismo em desenvolvimento. Além disso, deve-se considerar também as diferenças entre os sexos, pois se sabe que na adolescência, os valores de IMC são maiores para meninas que para meninos (3,8,12,16). Contudo, a definição de obesidade baseada especificamente no percentual de massa gorda é impraticável em estudos epidemiológicos e a maioria dos pesquisadores tem adotado esse índice para descrição da obesidade na infância (3). Na verdade, vários autores mostram que o IMC é bom método diagnóstico para obesidade em crianças. Lindsay e colaboradores, estudando a prevalência de obesidade e diabetes mellitus na comunidade dos índios Pima do Arizona, concluíram que o IMC guarda relação entre adiposidade e risco de doenças cardiovasculares e resistência a insulina, tanto em adultos como em crianças, sendo, portanto considerado como método adequado para avaliação (12,14). Considerando-se as variações naturais do IMC durante o desenvolvimento infantil, fica claro que não é adequado o uso dos pontos de corte para sobrepeso e obesidade utilizados para adultos. Muitas crianças com sobrepeso e obesidade e risco para desenvolver patologias associadas não são efetivamente atingidas por programas de prevenção porque estes se baseiam no IMC ideal para adultos (16). Uma definição de sobrepeso e obesidade em crianças foi estabelecida por Cole, considerando as variações do mesmo por faixa etária e sexo. Neste estudo, os autores se basearam em dados de crianças de 6 países distintos, dentre eles o Brasil, China e

7 Inglaterra, procurando adequar o diagnóstico de obesidade a um padrão que abrangesse estas diferentes etnias e, ao mesmo tempo, respeitasse as mudanças decorrentes do desenvolvimento infantil (3). Estes dados foram utilizados como base para definição dos critérios diagnósticos em nosso levantamento. No presente estudo, a prevalência de obesidade e sobrepeso foi maior nas crianças de maior poder aquisitivo, ou seja, nas classes A e B (7,3% e 9,6%, respectivamente), favorecendo a idéia de que fatores ambientais, como hábitos alimentares possam ser dos mais importantes na gênese da obesidade. Dados semelhantes foram apresentados por Graitcer e colaboradores que concluíam que o crescimento em crianças seria mais influenciado pelo nível sócio-econômico do que por fatores genéticos, raça e etnia (9). Troiano e colaboradores, por sua vez, referem que o aumento da prevalência de sobrepeso em crianças americanas se deve a deita hipercalórica, com consumo de lanches, frituras e maior número de refeições fora de casa, juntamente com o sedentarismo (20). Gortmarker e colaboradores chegam a estimar a influência do hábito de assistir TV como um dos fatores responsáveis pela crescente prevalência de obesidade entre crianças americanas (8). Embora estudos americanos mostrem taxas de obesidade diferentes em grupos étnicos distintos (8,19,20), no presente estudo tal aspecto não foi avaliado, considerando-se a ampla miscigenação da população brasileira. Um aspecto importante do presente levantamento foi a avaliação da percepção dos pais quanto ao estado nutricional de seus filhos. Encontramos que 36,6% dos pais de crianças obesas não são capazes de reconhecer a obesidade dos filhos. Por sua vez, pais de crianças com sobrepeso reconhecem esta condição com uma freqüência baixa (15,2%),. Também observamos que a visão dos pais sobre a obesidade dos filhos não se altera nas diferentes classes sociais. Podemos supor, portanto, que medidas gerais de orientação da população sobre padrões de peso ideal na infância e os riscos do excesso de peso, nesta faixa etária, sejam recomendáveis. Assim, em nossa comunidade, embora a obesidade infantil atinja uma parcela considerável da população, não recebe ainda a atenção que lhe é devida. À classe médica, em especial os pediatras e médicos de família, cabem medidas no sentido de alertar aos familiares sobre os riscos do excesso de peso, sobretudo na infãncia e atuar preventivamente, orientando quanto às medidas pertinentes.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- ACCIOLY,E. et al. Antropometria na Infância. Rev. Clin.Med , jul., CABRERA,M.S.P. et al. Factores de Riesgo para la Obesidad en La Infancia. Bol. Med. Hosp. Infant. Mex 51(2):141-9, COLE,T.J. et al. Establishing a Standard Definition for Child Overweight and Obesity Wolrwide: International Survey. BMJ. 320, mai, CRONK,C.E. et al. Race-and Sex specific Reference Data for Triceps and Subscapular Skinfolds and Weigth/stature. Am.J.Clin. Nutr. 35,347-54, fev, DEURENBERG, P. et al. Body Mass Index as a Measure of Body Fatness: age-and Sexspecific prediction formulas. British Journal of Nutricion. 65(2): , mar, DIETZ, W.H. Introdution: the use of body mass index to assess obesity in children. Am.J.Clin.Nutr. 70(suppl), , DIPIETRO,L. et al. A 40-year history of overweight children in Stockholm: lifetime overweight, morbity, and mortality. Intern.J.of Obes. 18(9): , sep, GORTMAKER, S.L. et al. Increasing Pediatric Obesity in the United States. Am.J.Dis.Child. 141(5): , mai, GRATCER,L. et al. Measuring Children: one reference for all. Lancet. 8,297-9, agost., HAMILL, P.V.V. et al. Physical Growth: National Center for Health Statistic Percentiles. Am.J.Clin.Nutr. 32,607-29, mar, HAMMER, L. et al. Standardized Percentile Curves of Body Mass Index for Children and Adolescents. Am.J.Des.Child. 145,259-63, mar, HORLICK, M. Body Mass Index in Chilhood- Measuring a Moving Target. J.Clin.Endocr.& Metab. 86(9), , set, JEQUIER, E. Is Fat Intake a Risk Factor for Fat Gain in Children? J.Clin.Endocr. & Metab. 86(3), , mar, LINDSAY, R.S. et al. Body Mass Index as a Measure of Adiposity in Children and Adolescents: Relationship to Adiposity by Dual Energy X-Ray Absorptiometry and to Cardiovascular Risk Factors. J.Clin.Endocr.& Metab. 86(9(, , set, MAGAREY, A.M. et al. Prevalence of Overweight and Obesity in Australian Children and Adolescents: recessessment of 1985 and 1995 data against new standard worldwide definitions. Med.J.Aust. 174,561-64, jun, MAYNARD, L.M. et al. Chilhood Body Composition in Relation to Body Mass Index. Pediatrics. 107(2), , fev, MUST, ª et al. Reference data for Obesity:85 th and 95 th percentilis of Body Mass Index and Triceps Skinfold Thickness. Am.J.Clin.Nutr. 53(4): , abr., RIELLY, J.J. et al, Assessment of Obesity in a Community Sample of Prepubertal Children. Int J. Obes. 23(2):217-9, fev., ROSNER,B. et al. Percentilis for Body Mass Index in U.S. Children 5 to 17 years of Age. J.Ped. 132(2): , fev., TROIANO, R.P. Overweight Prevalence and Trends for Children and Adolescents, NHANES, Pediatr. Adolesc.Med. 149, , Out., 1995.

9 ANEXO 1 Questionário Sócio Econômico (ABIPEME) 1. Qual é o grau de instrução do chefe de família? ( )Primário incompleto ( )Primário completo/ginasial incompleto ( )Ginasial completo/colegial completo ( )Colegial completo/superior 2. A família possui quantos empregados com salário mensal? ( )nenhum ( )1 ( )2 ou mais Dentre os produtos abaixo, favor assinalar aqueles que são de posse da família: 3.Televisão a cores ( )nenhuma ( )2 aparelhos ( ) 4 parelhos ( )1 aparelho ( )3 ou mais 4.Rádio (walkman, 3 em 1, microsystem, exceto rádio de automóvel): ( )não tem ( )2 aparelhos ( ) 4 ou mais ( )1 aparelho ( )3 aparelhos 5. Banheiro (incluindo de empregada e os localizados fora de casa) ( )1 ( )2 ( )3 ou mais 6.Automóvel (exceto os utilizados para fretes ou outras atividades profissionais) ( )nenhum ( )1 ( )2 ( )3 ou mais 7. Aspirador de pó ( )nenhum ( )1 ou mais 8.Máquina de lavar ( )nenhuma ( )1 ou mais 9. Videocassete ( )nenhum ( )1 ou mais 10. Geladeira ( )nenhuma ( )1 ou mais 11. Freezer ( )nenhum ( )1 ou mais

10 ANEXO 2 Questionário enviado aos pais ou responsáveis pelas crianças 1. O Sr. Acha que o seu filho é obeso? ( )sim ( )não 2.O Sr. Toma alguma medida a esse respeito? ( ) sim ( )não 3. Qual medida? ( )incentivo à atividade física ( )aplicação de alguma dieta ( )dieta + atividade física ( )atividade física sob orientação média ( )dieta sob orientação médica ( )atividade física + dieta sob orientação médica

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS COM VARIÁVEIS BIOLÓGICAS, SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NUM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO INFANTO-JUVENIL Mariana Sandoval Lourenço Faculdade

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21 Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Introdução ; O que é a obesidade? ; Índice de massa corporal

Leia mais

Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização:

Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização: Consultando a população de sete capitais sobre meio ambiente e qualidade de vida Realização: PRINCIPAL OBJETIVO PESQUISA QUANTITATIVA Fornecer informações sobre o conhecimento acerca do GREENPEACE e suas

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) Curso: Fisioterapia Equipe: Professor coordenador/orientador: Kétsia Medeiros Alunos: Arélli Pâmella Brasileiro Chaves Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz Mariana

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Descobrindo o Cartão da Criança. Uma breve história - do lançamento do Cartão da Criança à criação da Caderneta de Saúde da Criança

Descobrindo o Cartão da Criança. Uma breve história - do lançamento do Cartão da Criança à criação da Caderneta de Saúde da Criança Descobrindo o Cartão da Criança Uma breve história - do lançamento do Cartão da Criança à criação da Caderneta de Saúde da Criança Descobrindo o Cartão da Criança Com o intuito de melhorar as as desfavoráveis

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa, MG

Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa, MG Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 81-91, ano 1, n. 1, 2009 Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa,

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA Av. Fernando Ferrari, S/N - Goiabeiras 29060-900 - Vitória ES Brasil E-mail: lestat@cce.ufes.br Fone: (27) 3352470 Fax:

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência

PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência PROGRAMA (Ação cofinanciada pelo Fundo Social Europeu PRO-EMPREGO) 1. Designação da Ação de Formação: 2. Formador: Nutrição Pediátrica da Primeira Infância à Adolescência Dr.ª Vera Berbereia 3. Razões

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas

Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos: discutindo evidências e polêmicas Profa. Dra. Cláudia Soar ANTROPOMETRIA ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) Excesso de peso PERÍMETRO DA CINTURA (PC)

Leia mais

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife

Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife 96 Jornal de Pediatria - Vol. 77, Nº2, 2001 0021-7557/01/77-02/96 Jornal de Pediatria Copyright 2001 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica

Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas. Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Prevalência da inadequação nutricional em crianças portuguesas Maria Ana Carvalho Universidade Atlântica Infância A infância representa um período que compreende modificações importantes: Crescimento do

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE OBESIDADE NO 1º CICLO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUM ESTUDO TRANSVERSAL Joana Magalhães, Luís Cardoso, Luís Ferreira, Rui Silva, Beatriz Pereira e Graça Carvalho CIEC, Instituto

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG.

PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. PIBID EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UMA ANÁLISE DO CONCEITO DE SAÚDE DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MONTES CLAROS MG. 1.0 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar o conceito

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 1 RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 Pesquisa realizada pelo Uni-FACEF em parceria com a Fe-Comércio mede o ICC (Índice de confiança do consumidor) e PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL. Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar.

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL. Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar. PROGRAMA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL Marister de Oliveira Martinez, Luana dos Santos Pereira, Claudia Soar. Univap Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Ciências da Saúde - Nutrição, Av.

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja

Prevalência da obesidade em meio escolar, estudo realizado ao segundo e terceiro ciclo de escolaridade numa escola na cidade de Beja E-motion. Revista de Educación, Motricidad e Investigación 2015, nº 5, pp. 61-68. ISSN: 2341-1473 Copyright: 2015 Grupo de investigación (HUM-643) Edición Web (www.uhu.es/publicaciones/ojs/index.php/e-moti-on/index)

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

PERCEPÇÃO E REALIDADE Um estudo sobre obesidade nas Américas OUTUBRO 2014

PERCEPÇÃO E REALIDADE Um estudo sobre obesidade nas Américas OUTUBRO 2014 PERCEPÇÃO E REALIDADE Um estudo sobre obesidade nas Américas OUTUBRO 2014 O PROBLEMA O sobrepeso é um GRANDE PROBLEMA que não para de crescer Desde 1980, a obesidade mais do que dobrou no mundo todo 65%

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas

Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas Ana Júlia Colameo Apresentação elaborada para o seminário Amamentar às Segundas, agosto de 2013 Desenvolvimento infantil: É a transformação

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

Florianópolis, 17 de agosto de 2011.

Florianópolis, 17 de agosto de 2011. PROXIMIDADE DO FIM DE ANO IMPACTA A PERSPECTIVA DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS CATARINENSES EM SETEMBRO O forte crescimento mensal da perspectiva de consumo das famílias catarinenses, de 12,7%, foi o principal

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Educação nutricional para melhoria do estado nutricional e consumo alimentar de escolares freqüentadores da rede municipal de Cambé PR Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto:

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1

AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DO ESTADO NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS 1 SOUZA, Juliana Gusman de 2 ; FLORES, Priscila 2 ; PASETTO, Luciane Zamberlan 3 ; STORCK, Cátia Regina 2 ; WINTER,

Leia mais

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Overweight, obesity and the importance of physical activity in a group of children Soraia Dias Alves Aluna do curso

Leia mais