PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO"

Transcrição

1 PROGRAMA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS NA CONSTRUÇÃO E RECUPERAÇÃO DAS HABITAÇÕES ATINGIDAS PELO TEMPORAL DE 20 DE FEVEREIRO

2 Objectivo Apoio na realização de obras de construção ou reabilitação de habitação própria e permanente, quando esta tenha sido total ou parcialmente destruída pelo Temporal de 20 de Fevereiro.

3 Destinatários Proprietários de casas destruídas ou danificadas, que tivessem nessa habitação, à data do Temporal, a sua residência própria permanente. Situações já identificadas junto de entidades Públicas IHM; Autarquias; Serviços de Segurança Social; Associações de desenvolvimento, Empresas municipais de habitação e SRES.

4 Programa O apoio a disponibilizar às famílias decorre da aplicação da Lei de Meios (Lei Orgânica n.º 2/2010, de 16 de Junho) e resulta da conjugação entre o PROHABITA (Decreto-Lei n.º 135/2004, de 3 de Junho) e o Programa de Recuperação de Imóveis Degradados (PRID).

5 Apoios À construção de novas habitações; À recuperação de habitações danificadas, incluindo obras em muros de contenção e em acessos pedonais à habitação.

6 Atribuição dos apoios - critérios: Depende da condição financeira do agregado, definida em função do RMNA conjugado com RABC Rendimento Anual Bruto corrigido (RABC): soma dos rendimentos anuais ilíquidos auferidos por todos os elementos do agregado familiar corrigido pelos seguintes factores: a) Número de dependentes do agregado familiar e das pessoas que vivam em comunhão de habitação há mais de um ano; b) Número de pessoas do agregado familiar portadoras de deficiência com grau comprovado de incapacidade igual ou superior a 60%. Retribuição Mínima Nacional Anual (RMNA): valor da retribuição mínima mensal garantida, multiplicado por 14 meses

7 Atribuição do apoio critérios: Critério Fundamental Rendimento das famílias - Dois escalões de apoio, em situações de apoio à construção. - Quatro escalões de apoio, quando o apoio se destina à recuperação das habitações.

8 1. Apoio à construção As habitações a construir, para beneficiarem dos apoios, devem cumprir os custos máximos de construção, por tipologia, previstos para a habitação a custos controlados. A tipologia deve ser adequada à dimensão do agregado familiar. Exemplo: Área média da habitação: 100 m2 T3 Custo máximo da obra: ,00 (regime de habitação de custos controlados)

9 1. Apoio à construção 1. Agregados com RABC < 2 RMNA: Ou seja, se RABC < ,00 a) IHRU - comparticipação 60% do custo máximo da obra b) Empréstimo do IHRU à família - comparticipação 40% do custo máximo da obra (bonificação do empréstimo é de 75% até 25 anos) Exemplo Custo da obra ,00 a) ,00 b)40.000,00

10 1. Apoio à construção 2. Agregados com RABC > 2 RMNA: Ou seja, se RABC > ,00 a) IHRU - comparticipação 40% do custo máximo da obra b) Empréstimo do IHRU à família - comparticipação 60% do custo máximo da obra (bonificação do empréstimo é de dois terços até 25 anos Exemplo Custo da obra ,00 a) ,00 b)60.000,00

11 2. Apoio à recuperação Agregados com RABC < 1 RMNA: O IHRU atribui uma comparticipação de 60% do custo das obras ou do valor máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior); O remanescente será integralmente assumido pela IHM, EPE, através de um contrato PRID a fundo perdido, nos termos da Resolução n.º 500/2010, de 6 de Maio, do Conselho de Governo, com recurso ao Fundo de Apoio à Reconstrução da Madeira.

12 2. Apoio à recuperação Agregados com RABC entre 1 e 2 RMNA: - O IHRU atribui à família uma comparticipação de 60% do custo das obras ou do valor máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior); - A parcela correspondente ao empréstimo (40% do custo das obras ou do valor máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior) será disponibilizada através de um empréstimo do IHRU à IHM para ser integralmente canalizado para apoio directo à família através do PRID ; - E, caso o custo das obras seja superior ao limite máximo estabelecido no artº 16º C, o remanescente será financiado pelo Fundo de Apoio à Reconstrução da Madeira.

13 2. Apoio à recuperação Agregados com RABC entre 2 e 3 RMNA: - O IHRU atribui à família uma comparticipação de 40% do custo das obras ou do valor máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior; - A parcela correspondente ao empréstimo (60% do custo das obras ou do valor máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior) será disponibilizada através de um empréstimo do IHRU à IHM para ser integralmente canalizado para apoio directo à família através do PRID ; - E, caso o custo das obras seja superior ao limite máximo estabelecido no artº 16º C, o remanescente será suportado pelo proprietário.

14 2. Apoio à recuperação Agregados com RABC superior ou igual a 3 RMNA: - O IHRU atribui à família uma comparticipação de 40% do custo das obras ou do máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior; - O IHRU concede à família um empréstimo bonificado de 60% do custo das obras ou do máximo estabelecido pelo artº 16º C do DL 54/07, se inferior; - Caso o custo das obras seja superior ao limite máximo estabelecido no artº 16º C, o remanescente será suportado pelo beneficiário.

15 2. Apoio à recuperação exemplos: Exemplo 1: Área da habitação: 50 m2 Valor do orçamento: ,00 Valor máximo estabelecido (limite do DL 54/07): ,00

16 2. Apoio à recuperação 1. Agregados com RABC < 1 RMNA: Ou seja, se RABC < 6.650,00 a) IHRU - comparticipação 60% do valor do orçamento b) IHM, E.P.E assume integralmente o remanescente com recurso ao PRID a fundo perdido. Exemplo 1 Valor do orçamento ,00 a) ,00 b) 8.000,00

17 2. Apoio à recuperação 2. Agregados com RABC entre 1 e 2 RMNA : Ou seja, se RABC 6.650, ,00 a) IHRU - comparticipação 60% do valor do orçamento b) Empréstimo do IHRU à IHM, E.P.E - comparticipação 40% do valor do orçamento Canalizado integralmente para o PRID Exemplo 1 Valor do orçamento ,00 a) ,00 b) 8.000,00

18 2. Apoio à recuperação 3. Agregados com RABC entre 2 e 3 RMNA : Ou seja, se RABC , ,00 a) IHRU - comparticipação 40% do valor do orçamento b) Empréstimo do IHRU à IHM, E.P.E - comparticipação 60% do valor do orçamento Canalizado integralmente para o PRID Exemplo 1 Valor do orçamento ,00 a) 8.000,00 b) ,00

19 2. Apoio à recuperação 4. Agregados com RABC superior ou igual a 3 RMNA : Ou seja, se RABC > ,00 a) IHRU - comparticipação 40% do valor do orçamento b) Empréstimo do IHRU à família - comparticipação 60% do valor do orçamento Exemplo 1 Valor do orçamento ,00 a) 8.000,00 b) ,00

20 2. Apoio à recuperação Exemplo 2: Área da habitação: 50 m2 Valor do orçamento: ,00 Valor máximo estabelecido (limite do DL 54/07): ,00

21 2. Apoio à recuperação 1. Agregados com RABC < 1 RMNA: Ou seja, se RABC < 6.650,00 a) IHRU - comparticipação 60% do valor máximo estabelecido b) IHM, E.P.E assume integralmente o remanescente com recurso ao PRID a fundo perdido. Exemplo 2 Valor máximo estabelecido ,00 a) ,40 b) ,60

22 2. Apoio à recuperação 2. Agregados com RABC entre 1 e 2 RMNA : Ou seja, se RABC 6.650, ,00 a) IHRU - comparticipação 60% do valor máximo estabelecido b) Empréstimo do IHRU à IHM, E.P.E - comparticipação 40% do valor máximo estabelecido Canalizado integralmente para o PRID c) IHM, E.P.E assume o remanescente com o recurso ao Fundo de Apoio à Reconstrução da Madeira Exemplo 2 Valor máximo estabelecido ,00 a) ,40 b) 9.209,60 c) 1.976,00

23 2. Apoio à recuperação 3. Agregados com RABC entre 2 e 3 RMNA : Ou seja, se RABC , ,00 a) IHRU - comparticipação 40% do valor máximo estabelecido b) Empréstimo do IHRU à IHM, E.P.E - comparticipação 60% do valor máximo estabelecido Canalizado integralmente para o PRID c) O restante do valor será suportado pelo proprietário Exemplo 2 Valor máximo estabelecido ,00 a) 9.209,60 b) ,40 c) 1.976,00

24 2. Apoio à recuperação 4. Agregados com RABC superior ou igual a 3 RMNA : Ou seja, se RABC >19.950,00 a) IHRU - comparticipação 40% do valor máximo estabelecido b) Empréstimo do IHRU à família - comparticipação 60% do valor máximo estabelecido c) O restante do valor será suportado pelo proprietário Exemplo 2 Valor máximo estabelecido ,00 a) 9.209,60 b) ,40 c) 1.976,00

25 Documentação necessária De todos os membros do agregado familiar: - Cartão do Cidadão ou BI, Cédula, Cartão de Beneficiário e de Contribuinte; - Documento de Consulta ao Imposto Municipal sobre Imóveis; Maiores de 18 anos sem rendimentos: - Cópia do Cartão de Estudante ou; - Declaração da Segurança Social (histórico de descontos, situação actual); - Certidão comprovativa da não entrega da Declaração de IRS;

26 Documentação necessária Maiores de 18 anos com rendimentos: - Cópia dos três recibos de vencimento mais recentes; - Cópia da Declaração de IRS; - Cópia da Pensão/Reforma. Do prédio a recuperar: - Cópia da Caderneta Predial ou de outro documento comprovativo da propriedade. - Orçamento discriminado das obras a realizar (indicar a área bruta e deve separar a mão de obra dos materiais); - Declaração para consulta de rendimentos; - Declaração para consulta aos seguros; - Confirmação da Junta de Freguesia, do agregado e residência própria e permanente.

27 Documentação necessária Nas situações de candidatura ao apoio para construção de uma nova habitação, os processos devem ser instruídos no âmbito dos procedimentos de licenciamento da obra junto do Município competente.

28 Instrução do Processo A instrução das candidaturas e o envio dos processos ao IHRU é de responsabilidade da IHM, E.P.E. As candidaturas podem ser entregues directamente na IHM Investimentos Habitacionais da Madeira. E.P.E. Loja do Cidadão ou nas seguintes entidades : CONCELHO DO FUNCHAL: Freguesia de Santo António: ASA - Associação de Desenvolvimento de Santo António Freguesia do Monte: ADECOM Associação de Desenvolvimento Comunitário do Monte Outras Freguesias: SOCIOHABITAFUNCHAL, E.M.

29 Instrução do Processo CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS: CÂMARA DE LOBOS VIVA - Associação de Desenvolvimento Comunitário CONCELHO DE CÂMARA DE SANTA CRUZ: SANTA CRUZ XXI Gestão de Equipamentos Municipais e Prestação de Serviços, E.M. CONCELHO DA RIBEIRA BRAVA: ADBRAVA Associação de Desenvolvimento da Ribeira Brava OUTROS CONCELHOS: Câmaras Municipais IHM Investimentos Habitacionais da Madeira. E.P.E. Loja do Cidadão

30 Informações: Gabinete de atendimento da IHM Balcão da Loja do Cidadão Linha telefónica de informações Site www ihm..pt para para:: - Legislação aplicável, apresentação e FAQ - Questões via mail Obrigado pela atenção!

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE RENDA DE CASA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Renda de Casa (4008 v4.12) PROPRIEDADE

Leia mais

APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS

APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS 3.ª FASE BALANÇO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ENQUADRAMENTO 3. RESULTADOS 1. INTRODUÇÃO O Município de Évora assinou com o Instituto da Habitação e Reabilitação

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS

APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS APOIO MUNICIPAL À FORMULAÇÃO DE CANDIDATURAS 2.ª FASE BALANÇO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ENQUADRAMENTO 3. RESULTADOS 1. INTRODUÇÃO O Município de Évora assinou com o Instituto da Habitação e Reabilitação

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias REQUERIMENTO Apoio Social às Famílias Data Entrega Requerimento: / / Data Entrega documentos: / / N.º de processo: Informação técnica: Valor a conceder: Tipo de apoio a conceder: Despacho: / / O Presidente

Leia mais

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal

SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal SEPARATA N.º 04 Boletim Municipal 21 de novembro de 2014 REGULAMENTO DO PROJETO MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE (Deliberação da CMA de 29.10.2014) (Deliberação da AMA de 13.11.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA CÂMARA

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO SOCIAL AO ARRENDAMENTO A Constituição da República Portuguesa consagra como um direito fundamental o acesso a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene

Leia mais

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo /

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Campus de Gualtar 4710-057 Braga P I - identificação e residência Nome: Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Nº de aluno: Data de nascimento / / Estado civil: Sexo:

Leia mais

PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO

PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO Condições de Acesso Condição Prévia: Limites de Rendimento Podem-se candidatar-se a pessoa ou o agregado familiar cujo rendimento anual bruto

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014 30 de Agosto de 2014 1 / 6 PREÂMBULO

Leia mais

Documentos. Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo. Ano Lectivo 2010/2011. Serviços de Acção Social. Instituto Politécnico da Guarda

Documentos. Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo. Ano Lectivo 2010/2011. Serviços de Acção Social. Instituto Politécnico da Guarda Serviços de Acção Social Ano Lectivo 2010/2011 Instituto Politécnico da Guarda Documentos Para instrução da candidatura a Bolsa de Estudo As Bolsas de Estudo são co-financiadas pelo Fundo Social Europeu

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar Crianças

Leia mais

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS PREAMBULO No âmbito da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redação dada pela Lei n.º 5-A/2002 e da Lei n.º 159/99 de 14 de Setembro, de 11 de Janeiro, compete

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015-

REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS DE ESTUDO - ENSINO SUPERIOR - ANO LETIVO 2014-2015- MUNICÍPIO DE MÊDA DESC- Divisão Educativa e Sócio Cultural Largo do Município 6430 197 Meda Telefone: 279.880040 Fax: 279.888290 E-mail: divisaosociocultural@cm-meda.pt REQUERIMENTO DE CANDIDATURA BOLSAS

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento Cartão Jovem Preâmbulo Considerando o investimento municipal na área da juventude e atendendo às características demográficas do concelho, nomeadamente no que respeita ao envelhecimento populacional,

Leia mais

NOME MORADA TELEFONE TELEMÓVEL E-MAIL DATA DE NASCIMENTO / / NATURALIDADE NACIONALIDADE Nº DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO (BI/CC) DATA DE VALIDADE / /

NOME MORADA TELEFONE TELEMÓVEL E-MAIL DATA DE NASCIMENTO / / NATURALIDADE NACIONALIDADE Nº DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO (BI/CC) DATA DE VALIDADE / / Página 1 de 5 MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS - SERVIÇO DE INTERVENÇÃO SOCIAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A HABITAÇÃO MUNICIPAL Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas 1 - IDENTIFICAÇÃO DO/A

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Nome: NIF: Data de nascimento / / Estado Civil: NISS: Cartão Cidadão n.º Válido até: / / Nacionalidade: Natural de: Filiação:

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento

Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento Regulamento de Acesso ao Mercado Social de Arrendamento PREÂMBULO Perante a crescente dificuldade das famílias Portuguesas no acesso ao mercado da habitação, determinada pela actual conjuntura económico-financeira,

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

Nome completo Data de Nascimento (dd-mm-aaaa) Morada Familiar Código Postal Freguesia. B.I. NIF (Contribuinte) Telefone Telemóvel

Nome completo Data de Nascimento (dd-mm-aaaa) Morada Familiar Código Postal Freguesia. B.I. NIF (Contribuinte) Telefone Telemóvel Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Barcelos C A N D I D A T U R A A B O L S A D E E S T U D O E N S I N O S U P E R I O R Responda a todos os itens de forma mais completa possível. 1. Estabelecimento

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013)

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013) Reabilitação Urbana na Cidade do Porto: Incentivos e Oportunidades 21 de março de 2013 Porto Vivo, SRU (2013) Rui Ferreira de Espinheira Quelhas 2 1 1900-13% 1950-40% 2000-46,6% 2010-50,6% 2050-69,6% População

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20

BOLSAS DE ESTUDO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 Nº da candidatura / FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ANO LETIVO 20 / 20 1. IDENTIFICAÇÃO DO/A CANDIDATO/A Nome: Data de nascimento (aa/mm/dd): / / BI ou Cartão do Cidadão nº: válido até (aa/mm/dd) / / NIF (n.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA:

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: REGULAMENTO MUNICIPAL PARA EMPRÉSTIMO OU COMPARTICIPAÇÃO NA AQUISIÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA: Considerando que, decorrente da imposição da lei fundamental, incumbe ao Estado assegurar

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

REQUERIMENTO APOIO AO ESTUDANTE

REQUERIMENTO APOIO AO ESTUDANTE REQUERIMENTO APOIO AO ESTUDANTE Tipo de Apoio solicitado APOIO EXTRA BOLSEIRO APOIO A ESTUDANTES NÃO BOLSEIROS Data Entrega Requerimento: / / Data Entrega documentos: / / Informação técnica: Valor a conceder:

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA Página 1 de 5 Artigo 1.º (objeto) Num contexto económico e social com elevados níveis de competitividade e em que o processo de escolarização se revela fundamental para a aquisição/reforço de competências

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL EM MEDICAMENTOS REQUERIMENTO

COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL EM MEDICAMENTOS REQUERIMENTO COMPARTICIPAÇÃO MUNICIPAL EM MEDICAMENTOS REQUERIMENTO Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Monção Espaço reservado ao registo do documento IDENTIFICAÇÃO DO/A REQUERENTE [Nome]: [NIF/NIPC]: [BI/CC]:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças Taxas e Licenças Perguntas Frequentes Como posso pedir a carta de caçador? Como posso renovar a carta de caçador? Como posso pedir a 2ª via da carta de caçador? Como devo proceder ao registo de exploração

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014 Medidas Ativas de Emprego Fevereiro 2014 Medidas ativas de emprego Medidas 1. Estágios Emprego 2. Estímulo 2013 3. Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013, de

Leia mais

AVALIAÇÃO GERAL DE PRÉDIOS URBANOS

AVALIAÇÃO GERAL DE PRÉDIOS URBANOS AVALIAÇÃO GERAL DE PRÉDIOS URBANOS Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte AVALIAÇÃO GERAL DE PRÉDIOS URBANOS Legislação - Artigos 5.º e 6.º da Lei nº. 60-A/2011, de 30 de novembro,

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

Projecto de Regulamento do Cartão Raiano + 65 Município de Idanha-a-Nova. Preâmbulo

Projecto de Regulamento do Cartão Raiano + 65 Município de Idanha-a-Nova. Preâmbulo Projecto de Regulamento do Cartão Raiano + 65 Município de Idanha-a-Nova Preâmbulo O isolamento, aliado à enorme desertificação que caracteriza o concelho de Idanha-a- Nova, é uma preocupação que esta

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE 0. PONTO PRÉVIO A AESE, através deste regulamento, delega no seu Agrupamento de Membros a gestão operacional do F.A.F., reservando

Leia mais

Regulamento Municipal de Cedência de Materiais de Construção Civil e Maquinaria Municipal a famílias carenciadas PREÂMBULO

Regulamento Municipal de Cedência de Materiais de Construção Civil e Maquinaria Municipal a famílias carenciadas PREÂMBULO Regulamento Municipal de Cedência de Materiais de Construção Civil e Maquinaria Municipal a famílias carenciadas PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições das autarquias locais, primacialmente

Leia mais

Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação. Preâmbulo

Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação. Preâmbulo Regulamento Municipal do Fundo de Solidariedade Social para a Área da Habitação Preâmbulo Considerando que no Município, um significativo estrato da população, quer por motivos culturais, quer por motivos

Leia mais

Normas de Atribuição

Normas de Atribuição Câmara Municipal de Alcanena - Divisão de Desenvolvimento Humano e Social DDHS Normas de Atribuição Cabaz Bebé Feliz Nota Justificativa As atuais tendências demográficas de Portugal têm vindo a revelar

Leia mais

Até que idade se recebe o Abono?

Até que idade se recebe o Abono? O que é o abono de família para crianças e jovens? É um apoio em dinheiro, pago mensalmente, para ajudar as famílias no sustento e na educação das crianças e jovens. Quem tem direito ao abono de família?

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução CAPÍTULO I PROCESSO DE CEDÊNCIA Artigo 1.º Do regime Os lotes de terreno serão vendido em regime de direito de superfície sempre e quando se destinem a agregados familiares para habitação própria. Artigo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 Regulamento de Concessão de Alimentação e Auxílios Económicos a Estudantes PREÂMBULO A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016 Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à Bolsa de Estudo 2015/2016 O que é? A bolsa de estudo é uma prestação pecuniária anual para comparticipação nos encargos com a frequência

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

Candidatura a Bolsa de Estudo

Candidatura a Bolsa de Estudo N.º Entrada Data / / Despacho: Funcionário: FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1.IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Oleiros Nome: Morada (rua, praça, av.): Nº/Lote: Localidade:

Leia mais

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA RJRU REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA AS NOVAS POLÍTICAS Reabilitar em vez de construir Reabilitar a área urbana em vez do edifício Diferenciar a responsabilidade

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO DOMÍNIO DA MÚSICA

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO DOMÍNIO DA MÚSICA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO DOMÍNIO DA MÚSICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: Todos os campos são de preenchimento obrigatório. O Anexo ao formulário de candidatura deverá

Leia mais

MANUAL: Transportes escolares

MANUAL: Transportes escolares MUNICÍPIO DE OEIRAS DECPC Divisão de Educação MANUAL: Transportes escolares Conforme o Plano de Atribuição de Auxílios Económicos no Âmbito da Ação Social Escolar, aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Preâmbulo De acordo com o disposto no artigo 64.º, n.º 4, alínea c) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

Avaliação geral de prédios urbanos

Avaliação geral de prédios urbanos Avaliação geral de prédios urbanos Foi publicada a Lei n 60-A/2011, de 30/11, que aditou os artigos 15 o -A a 15 -P ao Decreto-Lei n 287/2003, de 12/11, que regulamentam o regime da Avaliação Geral de

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE

PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE PROJECTO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO CARTÃO MUNICIPAL DO DEFICIENTE NOTA JUSTIFICATIVA Art.º 1.º DEFINIÇÃO No âmbito das actividades de interesse municipal, compete às câmaras municipais prestar apoio

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 19 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 141-A/2012 Regulamenta

Leia mais

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Exmo. Senhor Presidente Câmara Municipal de Trancoso Nome, residente na Rua, Freguesia de, Concelho de Trancoso, telefone nr.,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso)

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) Número * NOTA IMPORTANTE: A este questionário deve responder-se com a maior exactidão, pois a prestação de falsas declarações determinará a exclusão

Leia mais

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações

Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações Nova lei do arrendamento em vigor no próximo mês de Novembro Síntese das principais alterações A revisão do regime do arrendamento urbano foi finalmente aprovada pela Lei nº 31/2012, de 14 de Agosto, a

Leia mais

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt

A. ENQUADRAMENTO B. CANDIDATURA. Portal Mercado Social de Arrendamento http://www.mercadosocialarrendamento.msss.pt A. ENQUADRAMENTO 1. O que é o Mercado Social de Arrendamento? 2. A iniciativa Mercado Social de Arrendamento enquadra-se no chamado Arrendamento Social? 3. Qual o objectivo do Mercado Social de Arrendamento?

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7

ÍNDICE. 1 Disposições Gerais...3. 2 Ensino Básico...4. 3 Ensino Secundário...5. 4 Alunos Portadores de Deficiência...7 MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA TRANSPORTES ESCOLARES NORMAS DE PROCEDIMENTO CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 Disposições Gerais...3 2 Ensino Básico...4 3 Ensino Secundário...5 4 Alunos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, I.P. COMPARTICIPAÇÃO ESPECIAL PARA APOIO NA DEFICIÊNCIA. Nome completo...

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, I.P. COMPARTICIPAÇÃO ESPECIAL PARA APOIO NA DEFICIÊNCIA. Nome completo... MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL INSTITUTO DE AÇÃO SOCIAL DAS FORÇAS ARMADAS, I.P. COMPARTICIPAÇÃO ESPECIAL PARA APOIO NA DEFICIÊNCIA 1 ELEMENTOS RELATIVOS AO BENEFICIÁRIO REQUERENTE Nome completo.. Número

Leia mais

ARRENDAMENTO JOVEM Mais e melhores oportunidades

ARRENDAMENTO JOVEM Mais e melhores oportunidades Mais e melhores oportunidades 2 3 PREENCHIMENTO DOS RENDIMENTOS COM BASE NA DECLARAÇÃO DE IRS DESTE ANO APOIO ATÉ 50% DAS RENDAS O Programa Porta 65 Jovem tem como objectivo regular os incentivos a atribuir

Leia mais

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Preâmbulo Havendo habitações que se encontram num estado de degradação avançada, gerando deste modo, condições de segurança

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A lei n. º159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de transferência

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais

MUNICIPIO DE BARRANCOS

MUNICIPIO DE BARRANCOS MUNICIPIO DE BARRANCOS Primeira alteração ao Regulamento do Programa Municipal de Apoio às Famílias de Barrancos Introdução O Programa Municipal de Apoio às Famílias, abreviadamente (PAF- Barrancos), aprovado

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? EM QUE SITUAÇÕES É PAGO PELA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES?

DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? EM QUE SITUAÇÕES É PAGO PELA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES? DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? O QUE É? O subsídio por morte é uma prestação única atribuída por morte de funcionário ou agente do Estado no ativo ou na situação de aposentado ou de reformado ou em

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO Município de Pombal CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE DUAS BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR E RENOVAÇÃO DAS BOLSAS DE ESTUDO ATRIBUIDAS A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR ANO LETIVO 0/0 QUESTIONÁRIO

Leia mais