TÍTULO 27 COMPRA DIRETA DA AGRICULTURA FAMILIAR CDAF Documento 1 Anexo I Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO 27 COMPRA DIRETA DA AGRICULTURA FAMILIAR CDAF Documento 1 Anexo I Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP"

Transcrição

1 Declaração de Aptidão ao Pronaf Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Ministério do BRASIL Desenvolvimento Agrário UM PAÍS DE TODOS I - Cadastro do Agricultor Familiar (CAF) a) Ano Agrícola de utilização do crédito: de / até / b) Identificação do(a) Agricultor(a) Familiar: 1. Nome: 2. Sexo: 3. CPF: - 4. Nome da mãe: *5. Apelido: 6. Data de nascimento: / / * 7. RG: * 8. UF do Órgão emissor: *9. NIS: 10. Código IBGE do município de nascimento: 11. Número de pessoas da família residentes no estabelecimento: 12. Estado civil: 13. Escolaridade: 14. Local de Residência: 15. Endereço: Nº: Bairro: 16. Município: 17. CEP: UF: c) Características Sócio-Econômicas do(a) Agricultor(a) Familiar: 1. Pertence a alguma organização social:,,,, 2. Condição de posse e uso da terra:,,,, 3. Atividades principais:,,,, 4. Área do estabelecimento:, hectares. 5. Área menor ou igual à 4 (quatro) módulos fiscais, ou menor que 6 (seis) módulos fiscais no caso de pecuarista familiar? (1=sim 2=não) 6. Composição da renda bruta familiar anual de enquadramento: i. 100% da renda de integração ou regime de parceria com agroindústrias provenientes das atividades de avicultura ou suinocultura... R$,00 ii. 50% da renda proveniente das seguintes atividades agropecuárias: aqüicultura, avicultura não integrada, bovinocultura de leite, caprinocultura, fruticultura, olericultura, ovinocultura, suinocultura não integrada e/ ou sericicultura...+r$,00 iii.100% das rendas provenientes de outras atividades agropecuárias e não agropecuárias desenvolvidas no estabelecimento... +R$,00 iv. 100% das rendas não rurais, excluídos os proventos de benefícios previdenciários de atividades rurais e de outros benefícios sociais...+r$,00 v. Total... =R$,00 vi. 100% de rendas vinculadas à benefícios previdenciários decorrentes de atividades rurais... R$,00 7 A renda bruta familiar anual proveniente das atividades desenvolvidas no estabelecimento é de no mínimo 80%? (1=sim 2=não) 8. Força de trabalho utilizada além da familiar: i. ( ) Não contrata ii. ( ) Contrata empregados eventuais: quantidade de dia homens / ano: iii. ( ) Contrata empregados permanentes: ( ) 1; ( ) 2; ( ) 3 ou mais. II - Informações Complementares a) Reordenamento fundiário: 1.É beneficiário(a) de algum programa de reordenamento fundiário: (1=sim 2=não) 2.Qual programa de reordenamento fundiário: b) Se beneficiário do Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA), Banco da Terra, CFCPR ou Prog. 1ª Terra: 1. Já recebeu crédito de estruturação produtiva do Pronaf Grupo A : (1=sim 2=não) 2. Montante recebido? R$, 00 c) Destinação da Operação de Crédito (casos especiais) :,,,, d) Enquadramentos Anteriores: 1. Já obteve anteriormente crédito amparo pelo Pronaf? (1=sim 2=não) 2. Se sim, sob qual grupo? e) Se, casado, completar com so seguintes dados: 1. Regime do casamento: 2. CPF do cônjuge: - 3: Nome do cônjuge 4. Data de nascimento do cônjuge: / / f) Imóveis Rurais: 1. Nº de imóveis explorados: Sobre o imóvel principal: 2.Denominação do imóvel: 3.Localização do Imóvel: 4. Área do estabelecimento:, ha 5. É proprietário do imóvel principal?: (1=sim 2=não) 6. Nome ou razão social do proprietário: 7. CPF/ CNPJ do proprietário: - Polegar Direito III - Declaração do(a) interessado(a) Declaro, sob as penas da lei (art. 299 do Código Penal), que as informações acima correspondem à verdade. Local: Data: / / Assinatura: IV Atestado da(s) Entidades credenciada(s) pelo MDA Atesto que o(a) interessado(a) acima identificado(a) atende aos critérios definidos no Manual de Crédito Rural para enquadramento como beneficiário(a) do Crédito Rural do PRONAF, no seguinte grupo de enquadramento: 1. Código: 2. Grupo: 3. Sobre-teto: % Instituição: Instituição: Instituição: Representante: Representante: Representante: Local e data: Local e data: Local e data: Entidade Extensionista Entidade Sindical INCRA/ Banco da Terra/ CFCPR/ PN1ª Terra Atenção: este documento é gratuito * CAMPOS NÃO OBRIGATÓRIOS *CAMPOS NÃO OBRIGATÓRIOS MODELO 1.3 1

2 Edição Número 143 de 28/07/2003 Ministério do Desenvolvimento Agrário Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no uso da competência que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos I e II, da Constituição Federal, e Considerando os termos do Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural MCR, que dispõe sobre o regulamento e as condições estabelecidas para as operações de crédito de investimento e custeio no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Pronaf, resolve: Art. 1º Definir que o formulário único denominado Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP, elaborado conforme modelo anexo a esta Portaria, é documento de apresentação obrigatória para todos os agricultores familiares que pretendem financiamento no âmbito do Pronaf. 1º A Secretaria da Agricultura Familiar SAF, distribuirá o formulário Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP, aos Secretários Executivos Estaduais do Pronaf SEE/Pronaf. 2º Cabe aos SEE/Pronaf, encaminhar os formulários às instituições autorizadas a emitir a DAP, conforme estabelecido no art. 4º. 3º Cabe à SAF estabelecer procedimentos para a emissão da DAP por meio eletrônico, e adotar mecanismos de controle para o fornecimento do respectivo formulário. Art. 2º A DAP será emitida em nome do titular de cada unidade familiar rural, sendo proibida a emissão de DAP para demais membros da família e eventuais agregados. 1º A unidade familiar rural, para os fins de que trata esta Portaria, compreende o conjunto composto pela família nuclear (marido ou companheiro, esposa ou companheira, e filhos) e eventuais agregados que explorem o empreendimento sob a mesma gestão, incluídos os casos em que o empreendimento é explorado por indivíduo sem família. 2º A DAP constitui instrumento obrigatório à formalização da operação de crédito, independente dos demais documentos necessários e exigidos pela instituição financeira em obediência à legislação pertinente. Art. 3º O processo de emissão da DAP para os agricultores familiares do Grupo A do Pronaf será iniciado: I no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra, nos casos em que o agricultor familiar é beneficiário de assentamento promovido por aquela autarquia, ou de assentamento por ela reconhecido; II na Unidade Técnica Estadual UTE, ou Unidade Técnica Regional, nos casos em que o agricultor familiar é beneficiário do Programa de Crédito Fundiário. Parágrafo único: O Incra ou a Unidade Técnica Estadual, ou ainda a Unidade Técnica Regional, dará início ao processo de emissão da DAP quando atendidos cumulativamente os seguintes pontos: a) a existência de recursos financeiros para realização de operações de crédito rural, sob condições estabelecidas por Resoluções editadas pelo Conselho Monetário Nacional; b) as prioridades de acesso estabelecidas pelo Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural CEDR, ou entidade congênere, ou, ainda, na inexistência dessas entidades, pela Unidade de Articulação. Art. 4º A finalização do processo de emissão das DAPs aos agricultores familiares do Grupo A do Pronaf e sua conseqüente validação ocorrerá pela assinatura obrigatória do agricultor familiar, e concomitantemente por um representante de cada uma das seguintes instituições ou entidades: 2

3 I de uma das instituições citadas no art. 3º, incisos I e II; II da instituição de assistência técnica; III da entidade de representação dos assentados à qual o beneficiário estiver vinculado. 1º As DAPs de agricultores familiares beneficiários de assentamento promovido e/ou reconhecido pelo Incra serão registradas na Superintendência Regional da autarquia após a sua emissão. 2º O registro na Superintendência Regional do Incra consistirá na anotação do beneficiário no SIPRA e a remessa, por meio eletrônico, da DAP à Secretaria da Agricultura Familiar SAF. Art. 5º São credenciadas para dar início ao processo de emissão das DAPs o qual é caracterizado pelo preenchimento dos formulários aos agricultores familiares egressos do Grupo A que constituem o Grupo A/C, e dos Grupos B, C, D e Proger Rural Familiar PRF, e ainda aos pecuaristas familiares, extrativistas, silvicultores, aqüicultores, pescadores artesanais, remanescentes de quilombos e aos índios, as seguintes instituições: I entidades de representação dos agricultores familiares: a) Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura Contag, por meio dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais a ela formalmente filiados; b) Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar Fetraf/Sul, por meio dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais e Sindicatos de Trabalhadores na Agricultura Familiar a ela formalmente filiados; c) Associação Nacional dos Pequenos Agricultores ANPA, por meio das Associações ou Sindicatos a ela formalmente filiados; d) Confederação Nacional da Agricultura CNA, por meio dos Sindicatos Rurais a ela formalmente filiados; e) Federações de Pescadores, por meio das Colônias a elas formalmente filiadas; II entidades governamentais: a) Instituições Estaduais Oficiais de Assistência Técnica e Extensão Rural, por meio de seus escritórios regionais e locais; b) Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira Ceplac, por meio de seus escritórios regionais e locais; c) Fundação Instituto Estadual de Terras do Estado de São Paulo José Gomes da Silva Itesp; d) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, por meio dos Núcleos de Pesca e Aqüicultura de suas Delegacias Federais; e) Fundação Nacional do Índio Funai, por meio de suas representações regionais e locais; f) Instituto Estadual de Pesca ou similar; g) Fundação Cultural Palmares, por meio das entidades por ela reconhecidas. Parágrafo único: Os representantes das entidades relacionadas somente poderão emitir DAPs aos agricultores familiares enquadrados nos Grupos A/C, B, C, D e PRF, no âmbito de suas competências legais e restritos à área geográfica de sua abrangência regulamentar. 1º As entidades credenciadas devem se cadastrar junto à SAF, até 30 de abril de cada ano, com o envio da relação de suas filiadas aptas a fornecerem a DAP, identificando: a) Razão Social; 3

4 b) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ; c) Código de Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística FIBGE do(s) município(s) que delimitam a respectiva área de atuação. 2º Excepcionalmente, no ano civil de 2003, o prazo para encaminhamento da relação de que trata o parágrafo anterior é limitado a 30 de setembro. 3º As entidades que porventura não se cadastrarem no prazo estabelecido, não poderão enviar a lista de DAP para a homologação anual, sendo que nestes casos a homologação será executada unicamente pela entidade emissora cadastrada na SAF. 4º Para se cadastrar, a entidade enviará solicitação por escrito à SAF. 5º O cadastro será executado exclusivamente por meio de software fornecido pela SAF a cada uma das entidades listadas nos incisos I e II deste artigo. 6º O não encaminhamento da relação de suas filiadas nos prazos estabelecidos nos 1º e 2º deste artigo, implica na inabilitação da entidade credenciada para fornecimento da DAP. 7º As entidades credenciadas fornecerão aos agentes financeiros, até 30 de maio de cada ano, os cartões de autógrafos de seus representantes, habilitando-os a assinar as DAPs. Art. 6º As DAPs emitidas aos agricultores familiares enquadrados nos Grupos A/C, B, C e D, devem ser assinadas pelo agricultor familiar e por duas instituições, conforme determinado a seguir: I aos agricultores familiares, por qualquer uma das entidades relacionadas no art. 5º, inciso I, alíneas a, b, c, e d, e inciso II, alíneas a, b e c; II aos pescadores artesanais, por qualquer uma das entidades relacionadas no art. 5º, inciso I, alínea e, e inciso II, alíneas a, b, c, d, e f; III aos índios, por qualquer uma das entidades relacionadas no art. 5º, inciso I, alíneas a, b e c, e inciso II, alíneas a, b, c, d e e; IV para quilombolas, por qualquer entidade relacionada no art. 5º, inciso I, alíneas a, b e c, e inciso II, alíneas a, b, c e g. 1º Nos municípios onde ocorrer a atuação de apenas uma das entidades ou instituições credenciadas a emitir a DAP, esse documento será assinado unicamente pelo agricultor familiar e pelo representante dessa entidade ou instituição. 2º Nos municípios em que apenas uma entidade se cadastrar para a emissão da DAP, esse documento será assinado unicamente pelo agricultor familiar e pelo representante dessa entidade ou instituição. 3º Os representantes dos sindicatos vinculados à CNA só poderão emitir e assinar DAP para os agricultores familiares dos Grupos C, D e PRF. Art. 7º A DAP deverá ser fornecida gratuitamente aos agricultores familiares pelas instituições credenciadas, sendo vedada a exigência de filiação, a cobrança de taxas, ou qualquer outra forma de reciprocidade, sob pena de descredenciamento e demais sanções legais. Art. 8º A DAP poderá ser emitida por meio eletrônico ou alternativamente por formulário impresso, com validade de seis anos, observado ainda que: I quando emitida por meio eletrônico, serão impressas duas vias, sendo uma destinada ao arquivo da entidade emitente e outra a ser apresentada ao agente financeiro; II quando emitida por formulário impresso: a) será fornecida em três vias, sendo uma destinada ao arquivo da entidade emitente, e duas apresentadas ao agente financeiro; 4

5 b) o agente financeiro manterá uma via em seus arquivos e remeterá a outra à Secretaria Executiva Estadual do Pronaf. Art. 9º As DAPs serão homologadas anualmente, observados os seguintes procedimentos: I a SAF disponibilizará no site http//www.mda.gov.br a listagem das DAPs emitidas por cada município, com a identificação do número da DAP, nome do agricultor familiar, o grupo de enquadramento e as entidades signatárias, para que cada entidade credenciada possa avaliar o enquadramento apurado nas DAPs da qual foi signatária; II cada entidade credenciada identificará aqueles agricultores familiares que na sua avaliação mudaram de categoria, ou que não mais atendem aos requisitos do Pronaf, relacionando-os para proposição de bloqueio de DAP; III o CMDRS ou, na falta deste, a entidade congênere, pode sugerir bloqueio de DAP de agricultores familiares do município, adotando para tal os seguintes passos: a) extrair a listagem das DAPs emitidas no município, do site http//www.mda.gov.br, e afixá-la em local público de grande circulação; b) colher, junto aos interessados, proposições, de bloqueio da DAP dos agricultores amiliares; c) analisar proposições e, caso considerá-las pertinentes, encaminhá-las às respectivas entidades signatárias, para averiguação e confirmação; IV as entidades signatárias das DAPs do município devem, em reunião de conciliação, analisar conjuntamente as proposições de bloqueio especificadas nos incisos II e III deste artigo, com a finalidade de preparar a relação de bloqueios de DAP, de consenso. Os casos em que não houver consenso serão dirimidos pelo CMDRS ou, na falta deste, pela entidade congênere; V as entidades signatárias do município devem preencher o formulário Bloqueio da DAP, extraídos do site http//www.mda.gov.br, assinando o mesmo e encaminhar as informações à SAF por meio dos seguintes mecanismos: a) nos estados em que houver convênio de transmissão eletrônica de DAP, a relação de DAPs a serem bloqueadas será transmitida eletronicamente, segundo critérios estabelecidos pela SAF, ficando a transmissora responsável pelo armazenamento das referidas relações; b) nos estados em que não houver convênio de transmissão eletrônica de DAP, a relação de DAPs a serem bloqueadas será encaminhada à Secretaria Executiva Estadual do Pronaf, onde serão consolidadas e encaminhadas à SAF. 1º As entidades signatárias das DAPs têm até 30 de abril de cada ano para encaminhamento das relações de Bloqueio de DAP de que trata o inciso V deste artigo. 2º A SAF considerará ratificadas e homologadas as DAPs que não forem bloqueadas pelos emitentes até 31 de maio de cada ano. 3º Os agricultores que tiverem suas DAPs bloqueadas, para continuar com o direto de buscar financiamentos no âmbito do Pronaf, necessitam solicitar às entidades emitentes uma nova DAP. 4º Os agricultores só podem ser reenquadrados para Grupo de maior renda. 5º As eventuais recusas à emissão ou bloqueios de DAPs por motivos espúrios, como por exemplo falta de filiação à entidade ou a cobrança para a sua emissão, será motivo suficiente para descredenciamento da entidade. 6º Nos casos de descredenciamento de entidade emissora de DAP, a responsabilidade de homologação das DAPs por esta emitida passa automaticamente às demais entidades emissoras credenciadas no município. 5

6 Art. 10 Os órgãos citados nos incisos I e II do art. 3º fornecerão às entidades credenciadas, de que trata o art. 5º, até 30 de abril de cada ano, a relação dos beneficiários que contrataram financiamento integral do Grupo A ou do Procera, identificando o nome do agricultor familiar, o Cadastro de Pessoa Física, o Projeto de Assentamento e o Município de localização do assentamento. Art. 11 O descumprimento dos dispositivos contidos nesta Portaria pelas entidades credenciadas, conforme estabelecido no art. 5º, implicará na imediata suspensão do credenciamento sem prejuízo das demais sanções legais. Art. 12 A SAF adotará as medidas complementares necessárias ao cumprimento desta Portaria, especialmente no que se refere: I à manutenção do credenciamento, suspensão e descredenciamento das entidades credenciadas para emissão de DAPs; II à operacionalização do crédito do Grupo A, cujos procedimentos serão estabelecidos em conjunto com as entidades estabelecidas no art. 3º; III à operacionalização do crédito do Grupo B; IV ao modelo de DAP destinado a estrangeiro naturalizado. Art. 13 Para fins de enquadramento no crédito rural do Pronaf ou do Proger Rural Familiar (Grupo E), é pecuarista familiar aquele que tem a pecuária bovina, ovina ou caprina como preponderante na apuração da renda e na exploração da área. Parágrafo único. Serão enquadrados como pecuaristas familiares aqueles com, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) da renda bruta anual familiar proveniente da pecuária bovina, ovina ou caprina e, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) da área dedicada a estas atividades. Art. 14 O valor monetário recebido pelos agricultores familiares que produzem suínos e/ou aves regime de parceria e integração com agroindústrias é o que deve ser considerado para cálculo da renda bruta anual familiar no enquadramento Pronaf ou no Proger Rural Familiar (Grupo E). Parágrafo único. O valor monetário referido é o que resulta da diferença entre o valor bruto do produto entregue suínos ou aves menos o valor de insumos e serviços fornecido pelas agroindústrias, tais como pintos, leitões, ração, frete e outros. Art. 15 Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Art. 16 Fica revogada a Portaria MDA nº 154, de 2 de agosto de 2002, publicada no Diário Oficial da União de 5 de agosto de 2002, Seção 1. MIGUEL SOLDATELLI ROSSETTO 6

PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003

PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003 Ministério do Desenvolvimento Agrário Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 75, DE 25 DE JULHO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no uso da competência que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 17 DE 23 DE MARÇO DE 2010

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 17 DE 23 DE MARÇO DE 2010 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 17 DE 23 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no uso da competência que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos I e II, da Constituição

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 1 (Encontram-se destacadas em vermelho as alterações)

PORTARIA Nº 102, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 1 (Encontram-se destacadas em vermelho as alterações) PORTARIA Nº 102, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 1 (Encontram-se destacadas em vermelho as alterações) O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no uso da competência que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

PORTARIA N 21, DE 27 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA N 21, DE 27 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA N 21, DE 27 DE MARÇO DE 2014 Alterada pela Portaria N 33, de 15 de maio de 2014, publicada no DOU N 91, de 15 de maio de 2014, página 64, Seção 1 Republicada O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Por meio da Lei nº 11.947/2009, a Agricultura Familiar passa a fornecer gêneros alimentícios a serem servidos nas escolas da Rede Pública de Ensino. Conheça a Lei: Lei nº 11.947/2009 Dispõe sobre o atendimento

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL/VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Sistema de Cadastro Técnico/Programa de Vendas em Balcão

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL/VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Sistema de Cadastro Técnico/Programa de Vendas em Balcão (*) SISTEMA DE CADASTRO TÉCNICO PROGRAMA DE VENDAS EM BALCÃO 1. Nome Completo IDENTIFICAÇÃO 2. Inscrição Estadual 3. CNPJ/CPF 4. Endereço Completo 5. Cidade 6. UF 7. CEP 8. Telefone 9. Fax/E-mail 10. Em

Leia mais

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010.

LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.188, DE 11 DE JANEIRO DE 2010. Vigência Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura

Leia mais

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL/VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Sistema de Cadastro Técnico/Programa de Vendas em Balcão

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL/VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Sistema de Cadastro Técnico/Programa de Vendas em Balcão (*) SISTEMA DE CADASTRO TÉCNICO PROGRAMA DE VENDAS EM BALCÃO 1. Nome Completo IDENTIFICAÇÃO 2. Inscrição Estadual 3. CNPJ/CPF 4. Endereço Completo 5. Cidade 6. UF 7. CEP 8. Telefone 9. Fax/E-mail 10. Em

Leia mais

Apresentação. i. Automatizção da resposta à exigência de que a área do estabelecimento não ultrapassa a

Apresentação. i. Automatizção da resposta à exigência de que a área do estabelecimento não ultrapassa a Apresentação A finalidade deste Manual é fornecer orientações gerais acerca dos aspectos operacionais vinculados à emissão das Declarações de Aptidão ao Pronaf DAP. Deve ser entendido como um Guia para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros:

RESOLUÇÃO Nº 2766. Art. 2º Os financiamentos ao amparo de recursos do PRONAF ficam sujeitos às seguintes taxas efetivas de juros: RESOLUÇÃO Nº 2766 Dispõe sobre alterações no Regulamento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF). O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de

Leia mais

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR PORTARIA No- 26, DE 9 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre as competências, condições e procedimentos específicos para a emissão, validação,

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz.

GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz. GABRIEL MOTTA DE OLIVEIRA LEITE Aprofruta, Sindicato dos Produtores Rurais de Barra do Rocha, Produtos Manjar dos Deuses e Faz. Nova Coroa ORGANIZAÇÃO DOS PRODUTORES E POLÍTICAS PÚBLICAS NA COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

DAP DECLARAÇÃO DE APTIDÃO AO PRONAF. Osmar Schultz oschultz@emater.pr.gov.br

DAP DECLARAÇÃO DE APTIDÃO AO PRONAF. Osmar Schultz oschultz@emater.pr.gov.br DAP DECLARAÇÃO DE APTIDÃO AO PRONAF Osmar Schultz oschultz@emater.pr.gov.br DAP DECLARAÇÃO DE APTIDÃO AO PRONAF FINALIDADE DA DAP: - INSTRUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO BENEFICIÁRIOS PRONAF - AGRICULTORES FAMILIARES

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

Manual interno de procedimentos para cancelamento/reativação de DAPs

Manual interno de procedimentos para cancelamento/reativação de DAPs Manual interno de procedimentos para cancelamento/reativação de DAPs Versão 2.0 (20/08/2013) Elaboração Eng. Agr. Giovani Canola Teixeira (canola@epagri.sc.gov.br) Eng. Agr. Msc Osvaldo Vieira dos Santos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais

PAA Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar

PAA Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA DA AGRICULTURA FAMILIAR COORDENAÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃO PAA Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar Modalidades do PAA MODALIDADES PROGRAMA

Leia mais

Lei 14.591/2011, cria o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social PPAIS, regulamentado pelo Decreto 57.755/2012.

Lei 14.591/2011, cria o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social PPAIS, regulamentado pelo Decreto 57.755/2012. Lei 14.591/2011, cria o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social PPAIS, regulamentado pelo Decreto 57.755/2012. Governador Geraldo Alckmin no Palácio dos Bandeirantes - Assinatura Decreto Enquadramento

Leia mais

DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf: Emissão, Responsabilidade e Controle Social.

DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf: Emissão, Responsabilidade e Controle Social. Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Financiamento e Proteção da Produção Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário RS DAP Declaração de Aptidão ao

Leia mais

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Cadastro Técnico Programa de Vendas em Balcão

TÍTULO 22 PROGRAMA DE ABASTECIMENTO SOCIAL VENDAS EM BALCÃO Documento 1 Cadastro Técnico Programa de Vendas em Balcão (*) CADASTRO TÉCNICO PROGRAMA DE VENDAS EM BALCÃO CADASTRO TÉCNICO PROGRAMA DE VENDAS EM BALCÃO 1. Nome Completo I DENTI FICAÇÃO 2. Inscrição Estadual 3. CNPJ/CPF 4. Endereço Completo 5. Cidade 6. UF 7.

Leia mais

O encontro da Agricultura Familiar com a Alimentação Escolar. Edição. atualizada

O encontro da Agricultura Familiar com a Alimentação Escolar. Edição. atualizada O encontro da Agricultura Familiar com a Alimentação Escolar 1 Edição atualizada 2 3 30%, no mínimo, de todo recurso para a alimentação escolar tem que ser comprado em alimentos da Agricultura Familiar.

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 REVOGADA PELA IN SEAP N 03/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

SELO DA AGRICULTURA FAMILIAR

SELO DA AGRICULTURA FAMILIAR SELO DA AGRICULTURA FAMILIAR SAIBA COMO ACESSAR A Agricultura Familiar é a grande responsável pela produção da maioria dos alimentos consumidos por nós, brasileiros, todos os dias. São inúmeros produtos

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 187, DE 9 DE MARÇO DE 2009 Estabelece normas para a geração, transmissão e controle de dados cadastrais de beneficiários

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil

La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil La Experiencia del PRONAF Eco Dendê en Brasil Taller sobre el Acceso a Créditos para la Agricultura Familiar en América Latina - Cadena Productiva de Palma Bogotá Colombia Junio 2015 O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012

PRONAF Eco Dendê. Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo. Belém-PA Maio/2012 PRONAF Eco Dendê Reunião - Câmara Técnica da Palma de Óleo Belém-PA Maio/2012 Instrumentos legais de enquadramento da agricultura familiar 1) Lei nº 11.326/2006 Estabelece as diretrizes para a formulação

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação.

RESOLUÇÃO Nº. 3163. 1º Os agentes financeiros terão até 31 de maio de 2004 para formalização dos instrumentos de repactuação. RESOLUÇÃO Nº. 3163 Dispõe sobre renegociação de operações de crédito rural amparadas por recursos do Programa Especial de Crédito para a Reforma Agrária (Procera), do Programa Nacional de Fortalecimento

Leia mais

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico Mato Grosso PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural Joaci Medeiros Assessor Técnico JUL/2012 POLÍTICAS PÚBLICAS CRÉDITO RURAL / PRONAF PAA HABITAÇÃO RURAL (MINHA CASA,

Leia mais

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por invalidez ou auxílio-doença Empregado(a) doméstico(a) aposentadoria por invalidez

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO ADMINISTRATIVO FINANCEIRO ANEXO III MINUTA DO CONTRATO Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE CONTRATO N.º /2013 CHAMADA

Leia mais

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Programas Agrícolas Pronaf Jovem Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014

POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR. FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 POLÍTICAS PUBLICAS E AGRICULTURA FAMILIAR FORTALEZA, 21 de novembro de 2014 Crédito e Proteção DFPP Assistência Técnica DATER Comercialização e Organização Produtiva DGRAV Secretaria da AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00

Cliente Novo: Custeio/investimento até R$10.000; Cliente Normal: Custeio/investimento até R$ 20.000,00 PLANO SAFRA 20132014 LINHAS DE FINANCIAMENTO E ENQUADRAMENTO DE CRÉDITO RURAL AFEAM BANCO DO BRASIL BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O presente documento contém as principais linhas e enquadramento de crédito

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Edital de Convocação para Credenciamento de Entidades Prestadoras de Serviços de Medição de Área Perimetral

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Políticas para o Combate ao Desmatamento. Projeto PNUD BRA 08/003

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Políticas para o Combate ao Desmatamento. Projeto PNUD BRA 08/003 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Políticas para o Combate ao Desmatamento Projeto PNUD BRA 08/003 TERMO DE REFERÊNCIA Nº01/2011 ESTUDO DO CUMPRIMENTO, IMPACTOS E EFETIVIDADE

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96)

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº. 229 DE 28 DE MAIO DE 2012 (Publicada no DOU, Seção 1, nº. 103,terça-feira, 29 de maio de 2012, página 96) Dispõe sobre o Programa Nacional de Habitação Rural PNHR, integrante

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER

Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Secretaria da Agricultura Familiar SAF Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural DATER Termo de Referência para Redes de Organizações de Ater da Sociedade

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais

Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais Equipe Técnica Cristiana dos Santos Luiz Cecília Bezerra Sousa Dênis

Leia mais

3.1 Os recursos do Crédito Implantação poderão ser usados nas seguintes modalidades:

3.1 Os recursos do Crédito Implantação poderão ser usados nas seguintes modalidades: * INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº 26, DE 22 DE JUNHO DE 1.998 Dispõe sobre a concessão de crédito - implantação aos beneficiários dos projetos de reforma agrária criados em imóveis de domínio dos Estados.

Leia mais

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III Decreto do Estado do Amazonas nº 33.405 de 16.04.2013 DOE-AM: 16.04.2013 Disciplina a emissão da Nota Fiscal Eletrônica a Consumidor Final, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC EDITAL SETEC Nº 02, 30 DE MAIO DE 2014 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC O Secretário

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONE: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO: (

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR INSTRUMENTO DE CHAMADA PÚBLICA Nº 01 /2015 GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR Chamada Pública

Leia mais

CONSIDERANDO ser necessário o aperfeiçoamento das normas que dispõem sobre a relação de atividades obrigadas ao uso da Nota Fiscal Eletrônica NF-e;

CONSIDERANDO ser necessário o aperfeiçoamento das normas que dispõem sobre a relação de atividades obrigadas ao uso da Nota Fiscal Eletrônica NF-e; PORTARIA N 018/2015-SEFAZ Altera a Portaria n 014/2008-SEFAZ, publicada em 1 /02/2008, que divulga relações de atividades econômicas por CNAE, em que se enquadram os contribuintes mato-grossenses obrigados

Leia mais

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Previdência social Aposentadoria por idade Documentação específica, por categoria Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Empregado(a) doméstico(a) aposentadoria por idade Segurado

Leia mais

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar.

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar. Passo a passo para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar 16 Revista CoopAlimento PNAE O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é o maior

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N 2.468, DE 2003 Estabelece condições especiais de financiamento para a aquisição de veículo utilitário por profissional

Leia mais

A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil

A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil Caio Galvão de França 1 Mauro Eduardo Del Grossi 2 Vicente P. M. de Azevedo Marques 3 Recentemente a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) - entidade

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 Anexos I, II e III Ofício Circular n o. 0001/2013/SPA/CONTAG Pág. 1 Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 I. RESOLUÇÃO 4.164, DE 20/12/2012: A medida promove ajustes nos normativos do Pronaf Crédito: 1. Altera

Leia mais

Trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico pensão por acidente do trabalho

Trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico pensão por acidente do trabalho Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Pensão por acidente do trabalho trabalhador avulso, segurado especial e segurado empregado, à exceção do doméstico Esposo(a) ou companheiro

Leia mais

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015

PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 PRONAF - CONDIÇÕES DO CRÉDITO RURAL PLANO DE SAFRA 2014/2015 LINHA PÚBLICO MODALIDADE FINALIDADE CRÉDITO/TETO JUROS Pronaf Custeio MCR 10-4 familiares com renda bruta anual até R$ 360 mil. (exceto Grupo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

A Previdência Social vive um novo tempo

A Previdência Social vive um novo tempo A vive um novo tempo Castro dos Segurados Especiais Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Brasília, 15 de setembro de 2009 Legislação Segurado Especial Constituição de 1988 - Art.

Leia mais

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora.

5º A emissão de CFOC se dará quando da certificação em unidade centralizadora. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 13 DE MARÇO DE 2000 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa nº 38/2006/MAPA O SECRETÁRIO DE DEFESA

Leia mais

Número de Identificação do Trabalhador NIT (PIS/Pasep) ou número de inscrição do contribuinte individual / facultativo.

Número de Identificação do Trabalhador NIT (PIS/Pasep) ou número de inscrição do contribuinte individual / facultativo. Previdência social Benefícios Documentação específica, por categoria Contribuinte individual e facultativo auxílio-reclusão Segurado(a) empregado(a) e desempregado(a) auxílio reclusão Empregado(a) doméstico(a)

Leia mais

Agricultura familiar: Reunião em São Miguel do Tapuio trata da Lei sobre merenda escolar que abre mercado para empreendedor familiar rural.

Agricultura familiar: Reunião em São Miguel do Tapuio trata da Lei sobre merenda escolar que abre mercado para empreendedor familiar rural. Agricultura familiar: Reunião em São Miguel do Tapuio trata da Lei sobre merenda escolar que abre mercado para empreendedor familiar rural. Através da Secretaria Estadual de Educação e Cultura,a Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO

F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO F N O - PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO NO SETOR RURAL Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar PRONAF Programa de Financiamento às Atividades Agropecuárias Programa a de Financiamento a

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014

CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014 CARTA CIRCULAR Nº 3.640, DE 21 DE MARÇO DE 2014 Altera o Documento 20-1 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Chefe Substituto do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito

Leia mais

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 11/01/2012 PROCEDIMENTOS SIPRA

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 11/01/2012 PROCEDIMENTOS SIPRA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 11/01/2012 PROCEDIMENTOS SIPRA PROJETOS NOVOS O Setor de Implantação de Projetos, da Divisão de Obtenção e Implantação, cria o Projeto no Sistema SIPRA e insere as informações pertinentes

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 3257$5,$*00'61ƒ'('(0$,2'( Aprova os instrumentos necessários à formalização da adesão dos municípios ao Programa Bolsa Família, à designação dos gestores

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

MANUAL DE OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS SISTEMA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS COMPRA DIRETA LOCAL DA AGRICULTURA FAMILIAR

MANUAL DE OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS SISTEMA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS COMPRA DIRETA LOCAL DA AGRICULTURA FAMILIAR MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS SISTEMA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS COMPRA DIRETA LOCAL DA AGRICULTURA FAMILIAR Sumário SECRETARIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO José Nelson Martins SECRETARIO

Leia mais

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda?

INCLUSÃO PRODUTIVA. 3 - O governo estadual desenvolve ações, programas ou projetos de inclusão produtiva para a geração de trabalho e renda? 1 - Existe algum tipo de estudo setorial e/ou diagnóstico socioeconômico do estado que tenha sido realizado no período entre 2010 e 2014? 1 Sim 1.1 - Ano do diagnóstico: Não (passe para 2 o quesito 3)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.177, DE 7 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para contratação das operações de crédito fundiário ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, de que trata a Seção 1 do Capítulo 12

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA DECRETO MUNICIPAL N.º 102/2014, de 11 de dezembro de 2014. REGULAMENTA PROCEDIMENTOS, RELATIVOS A AIDOF, NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO, ESCRITURAÇÃO FISCAL E REQUERIMENTOS E APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais