NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 1 / 3

2 SUMÁRIO 1 - OBJETIVO 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO 3 - NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4 - DEFINIÇÕES 5 - CONDIÇÕES GERAIS QUANTO À INSTALAÇÃO QUANTO À OCUPAÇÃO DA REDE DOS EQUIPAMENTOS OUTRAS CONDIÇÕES 6 - QUANTO A ELABORAÇÃO DO PROJETO PROJETO NA ÁREA URBANA PROJETO NA ÁREA RURAL RECOMENDAÇÕES MÍNIMAS A SEREM ATENDIDAS NO PROJETO 7 - ANEXOS ANEXO I ANEXO II ANEXO III ANEXO IV ANEXO V ANEXO VI ANEXO VII ANEXO VIII - AFASTAMENTOS MÍNIMOS - MONTAGEM DE CABOS DE TELECOMUNICAÇÕES - CAIXA DE EMENDA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA INSTALADA NO MEIO DO VÃO - CAIXA DE EMENDA INSTALADA EM CAIXA SUBTERRÂNEA DE SERVIÇO - RESERVA TÉCNICA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA NO MEIO DO VÃO - DERIVAÇÃO PARA USUÁRIOS E DEMAIS EQUIPAMENTOS - AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES DA REDE DE TELECOMUNICAÇÕES E REDE ELÉTRICA AO LONGO DO VÃO - PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO CABO DO OCUPANTE ANEXO IX-A - ANEXO IX-B - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE COMPARTILHAMENTO RESUMO DO PROJETO EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 2 / 3

3 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece os procedimentos e condições técnicas mínimas para permitir o compartilhamento da infra-estrutura da Empresa Elétrica Bragantina S.A. EEB com empresa prestadora de serviços de telecomunicações, definida nesta Norma como OCUPANTE da infra-estrutura. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica às ocupações dos postes das redes de distribuição de energia elétrica aérea por rede de telecomunicações. Esta Norma não se aplica às ocupações em postes ornamentais e torres metálicas. 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES Na aplicação desta Norma é necessário consultar: 3.1 Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT: NBR Redes de Distribuição Aérea Rural de Energia Elétrica Padronização. NBR Redes de Distribuição Aérea Urbana de Energia Elétrica Padronização. 3.2 Resolução Conjunta ANEEL, ANATEL e ANP, nº 001, de 24/11/99, Regulamento Conjunto para Compartilhamento de Infra-Estrutura entre os Setores de Energia Elétrica, Telecomunicações e Petróleo. 3.3 Resolução ANEEL n o 581, de 29/10/02, que estabelece os requisitos mínimos aplicáveis do disposto no caput do artigo 5º do Regulamento Conjunto para Compartilhamento de Infra-Estrutura entre os Setores de Energia Elétrica, Telecomunicações e Petróleo. 3.4 Plano de Ocupação de Infra-Estrutura NTR-004 da Empresa Elétrica Bragantina S.A. EEB. 3.5 Legislações pertinentes do Poder Concedente e da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. 3.6 Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego, NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 3 / 3

4 4. DEFINIÇÕES 4.1 CABO DE TELECOMUNICAÇÃO ou CABO Cabo utilizado no sistema de telecomunicação do OCUPANTE, do tipo coaxial, fibra óptica, par metálico ou misto. 4.2 CORDOALHA DE AÇO Cabo de aço destinado a apoiar equipamentos e cabos de telecomunicações. 4.3 DETENTOR Empresa Elétrica Bragantina S.A. - EEB, que é a concessionária de energia elétrica que detém, administra ou controla, direta ou indiretamente a infra-estrutura de rede de distribuição de energia elétrica. 4.4 EQUIPAMENTO Dispositivo de propriedade do DETENTOR ou do OCUPANTE, com função de transformação, regulação, manobra, proteção, medição, alimentação ou emenda, necessário à prestação dos serviços. 4.5 FAIXA DE OCUPAÇÃO Espaço nos postes das redes aéreas de distribuição de energia elétrica, onde são definidos pelo DETENTOR os pontos de fixação, destinados exclusivamente ao compartilhamento com agentes do setor de telecomunicações. 4.6 FIO DROP ou FIO Fio utilizado pelo OCUPANTE para a ligação individualizada de seus assinantes. 4.7 INFRA-ESTRUTURA Postes das redes de distribuição de energia elétrica, utilizados ou controlados, direta ou indiretamente, pelo DETENTOR ou de sua propriedade. 4.8 OCUPANTE Pessoa jurídica detentora de concessão, autorização ou permissão para explorar serviços de telecomunicações e outros serviços públicos ou de interesse coletivo, prestados pela administração pública ou por empresas particulares, que venham a ocupar a infra-estrutura disponibilizada pelo DETENTOR. 4.9 PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA Documento por meio do qual o DETENTOR disponibiliza informações de suas infraestruturas, ligadas diretamente ao objeto das outorgas expedidas pelo poder Concedente, qualificando a capacidade excedente a ser disponibilizada, bem como as condições técnicas a serem observadas pelo Solicitante para a contratação do compartilhamento. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 4 / 4

5 4.10 PONTO DE FIXAÇÃO Ponto de instalação do suporte de sustentação mecânica de fios, cabos ou cordoalha da rede de telecomunicações do OCUPANTE dentro da faixa de ocupação destinada ao compartilhamento, no poste do DETENTOR REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA São redes aéreas de distribuição de energia elétrica até 34,5 kv localizadas em áreas urbanas de cidades, vilas, povoados e áreas rurais, destinadas ao atendimento de seus habitantes. 5 CONDIÇÕES GERAIS 5.1 QUANTO À INSTALAÇÃO A instalação da rede de telecomunicações na infra-estrutura disponibilizada pelo DETENTOR deve estar de acordo com as condições, valores e definições desta Norma, das Normas da ABNT e das Normas do DETENTOR Somente podem ser instalados fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha do OCUPANTE em poste do DETENTOR, após o projeto das instalações do OCUPANTE ser submetido à análise prévia e ser aprovado pelo DETENTOR. O projeto deverá ser elaborado e apresentado ao DETENTOR conforme estabelecido no item 6 desta Norma Devem ser obedecidas as seguintes distâncias mínimas de segurança entre condutores das redes de distribuição de energia elétrica e os fios, cabos e/ou cordoalha da rede de telecomunicações, considerando-se as situações mais críticas de flechas dos cabos (flecha máxima a 50 C): TENSÃO MÁXIMA ENTRE AS FASES DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA (distância mínima entre a rede de telecomunicações e a rede de energia elétrica) (mm) Notas: Até V 600 Acima de V até V Acima de V até V Nas redes urbanas que não contenham rede secundária, deve ser mantida a reserva de espaço para instalação futura da mesma, observando os respectivos afastamentos. Para redes secundárias isoladas a distância mínima com a rede de telecomunicações deve ser de 600 mm. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 5 / 5

6 5.1.4 As distâncias mínimas de segurança entre condutores da rede de telecomunicações e o solo, nas situações mais desfavoráveis (flecha máxima a 50 ºC), conforme Anexos I e VII, serão as seguintes: Sobre pistas de rolamento de rodovias e ferrovias, sobre vias e canais navegáveis: de acordo com as normas dos órgãos competentes; Sobre pistas de rolamento de ruas e avenidas: 5,0 m; Sobre locais onde haja tráfego normal de pedestres e passagem particular de veículos, tais como entradas de prédios e locais de uso restrito: 4,5 m; Sobre locais acessíveis exclusivamente a pedestres: 3,0 m; Sobre locais na área rural acessíveis ao trânsito de máquinas e equipamentos agrícolas: 6,0 m Reservada a capacidade necessária ao DETENTOR, o excedente pode ser disponibilizado ao compartilhamento, quando da solicitação, mediante a apresentação de projeto e análise da viabilidade técnica A aplicação desta Norma não dispensa o OCUPANTE da responsabilidade quanto aos aspectos técnicos que envolvam a instalação da rede e equipamentos de telecomunicações, tais como: projeto, construção, qualidade dos serviços e dos materiais empregados Na execução dos serviços, o OCUPANTE deve observar as condições estabelecidas na Norma Regulamentadora NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade e outras aplicáveis, que fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações elétricas e, também, de usuários e terceiros Para implantação de infra-estrutura de telecomunicações paralela com a rede de distribuição de energia elétrica deve ser observada pelo menos uma das seguintes condições: Na área urbana, do lado oposto da via pública existente onde se encontra a infraestrutura da rede de distribuição de energia elétrica; Na área rural, no mínimo a uma distância equivalente à altura da estrutura mais próxima da rede de distribuição de energia elétrica As adequações das ocupações existentes decorrentes das determinações desta Norma deverão ter seus cronogramas de execução acordados entre as partes, excetuando-se as necessárias para segurança de terceiros e das instalações e as que impeçam a entrada de novos OCUPANTES, que deverão ser aplicadas de imediato. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 6 / 6

7 5.2 QUANTO À OCUPAÇÃO DA REDE Os suportes (cinta ou outro dispositivo) para fixação dos fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha dos OCUPANTES devem ser instalados no poste do DETENTOR na faixa de ocupação de 500 mm reservada a essas ocupações, conforme indicado no Anexo I, respeitando-se a quantidade e posições dos pontos de fixação definidos pelo DETENTOR Poderá ser permitido, em cada poste, a instalação de rede de telecomunicações de, no máximo, 4 (quatro) OCUPANTES, com 1 (um) ponto de fixação para cada OCUPANTE, após análise prévia do projeto do OCUPANTE e análise da disponibilidade pelo DETENTOR O ponto de fixação da rede de telecomunicações a ser demarcado pelo DETENTOR, está situado na faixa de ocupação de 500 mm, entre 5,20 m e 5,70 m em relação ao solo e será utilizado exclusivamente para fixação de fios, cabos de telecomunicações e cordoalha, obedecido ao disposto nos subitens , e A distância entre a parte mais alta da rede de telecomunicações no ponto de fixação no poste e o solo não deverá ultrapassar a 5,70 m, para qualquer tipo de estrutura, conforme indicado no Anexo I, exceto nas condições dos subitens e , onde prevalecerá a distância que for definida pelos órgãos envolvidos No caso de intercalação de postes, estes deverão ser de propriedade do DETENTOR e ter a mesma altura dos instalados, de maneira que permita apoiar a rede de distribuição de energia elétrica existente ou prevista para aquele vão. Entretanto, nos casos em que o terreno apresentar depressões acentuadas e exclusivamente nestes casos, onde não houver conveniência de apoiar a rede de distribuição de energia elétrica em outros postes, estes poderão ser de padrão diferente dos existentes e instalados pelo OCUPANTE, observando-se o alinhamento da rede existente e as distâncias mínimas para as condições mais desfavoráveis estabelecidas nos itens e 5.1.4, assumindo o OCUPANTE todo e qualquer risco decorrente dessa disposição. Somente para esses casos os postes serão de propriedade do OCUPANTE. Quando o DETENTOR vier a instalar postes neste local, o OCUPANTE deverá retirar os seus postes, às suas expensas, em um prazo a ser acordado entre as partes Os fios, cabos de telecomunicações e cordoalha dos OCUPANTES devem ser instalados no poste, no mesmo lado da rede de distribuição secundária de energia elétrica do DETENTOR existente ou prevista, inclusive nos postes com transformador, utilizando-se braçadeira ou cinta própria para a sua sustentação. No caso de não existir a rede secundária, a rede de telecomunicações deve ser instalada na face voltada para a rua. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 7 / 7

8 Não poderá ser instalado duto para descida lateral em postes com estruturas equipadas com chaves tripolares com manúbrio. O duto de descida, quando não puder ser evitado em estruturas com transformador, deverá ser instalado na face das gavetas do poste Se no poste existir duto de descida de cabos de energia elétrica ou chave com manúbrio impedindo a execução da ancoragem (amarração final) do cabo óptico, a porca olhal deverá ser posicionada no poste conforme desenho 1 do Anexo II Não será permitido ao OCUPANTE o uso dos postes do DETENTOR para colocação de cabos de telecomunicações ou conjunto de cabos espinados maior que 200 pares, diâmetro superior a 65 mm e o seu peso superior a kg/km. Todo cabo, ou conjunto de cabos de telecomunicações superior a 200 pares deverá ser colocado nos dutos subterrâneos do OCUPANTE Havendo disponibilidade na faixa de ocupação de pontos de fixação na infraestrutura do DETENTOR, além do ponto de fixação que já está sendo utilizado pelo OCUPANTE no poste, esse OCUPANTE poderá requerer ao DETENTOR a utilização desse ponto que está temporariamente disponível para instalar outro fio, cabo de telecomunicações ou cordoalha, em caráter temporário e a título precário, sujeitando-se a imediata retirada, sem quaisquer direitos à indenização quando o DETENTOR solicitar a desocupação desse ponto de fixação, para permitir a instalação de fio, cabo de telecomunicações ou cordoalha de outro OCUPANTE O compartilhamento da faixa de ocupação deve ser feito de forma ordenada e uniforme As redes dos OCUPANTES não devem ultrapassar os limites do ponto de fixação destinados a outros OCUPANTES, mesmo que a área adjacente esteja desocupada As redes dos OCUPANTES não poderão sair da faixa de ocupação e invadir áreas destinadas a outras funções, tais como: rede secundária, iluminação pública, condutor neutro, etc, mesmo que aquelas áreas estejam desocupadas. Neste caso, a ocupação é equivalente a um ponto suporte de fixação Nos casos em que a altura do ponto de fixação destinada ao OCUPANTE não atender às suas necessidades, por exemplo, para travessias de ruas e avenidas, o OCUPANTE deverá optar por outra alternativa de instalação, por exemplo, instalando rede subterrânea No caso de travessia de um cabo do OCUPANTE sob uma linha de transmissão, a distância vertical mínima, em metros, nas condições mais desfavoráveis de aproximação dos condutores é dada pela equação: onde: D = 1,8 + 0,01 (DU 35) EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 8 / 8

9 D = distância entre condutores em metros devendo respeitar o mínimo de 1,80 m para tensões inferiores a 35 kv. DU = distância em metros, numericamente igual à tensão da linha em kv. A travessia deverá ser perpendicular à linha de transmissão e quando for efetuada com auxílio de cordoalha metálica, esta deverá ser seccionada e aterrada nos postes adjacentes à travessia, admitindo-se uma resistência de terra máxima de 20 Ω. Em casos de travessias com cordoalha dielétrica dispensa-se a ancoragem e o aterramento da mesma. Em caso de altura insuficiente da linha de transmissão ou outras condições desfavoráveis, a travessia deverá ser subterrânea mediante aprovação do proprietário da faixa de domínio Os fios de telecomunicações FE (fio drop), fibra óptica ou cabos coaxiais de derivação instalados na posteação para atender a consumidores ou assinantes do OCUPANTE, não devem exceder a quantidade de 10 (dez) por ponto de fixação e por vão, bem como a distância entre a caixa de derivação e o assinante não deverá ser superior a 100 (cem) metros. Os fios de telecomunicações FE devem ser agrupados ao longo do vão, formando um único feixe de cabos, junto com os cabos da rede de telecomunicações, não podendo ser instalados fora da cordoalha Antes da instalação de fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha examinar a rota proposta para verificar se não há obstáculos que possam interferir na instalação, bem como na escolha do método de instalação a ser utilizado. Quando o cabo estiver sendo estendido, tomar todo o cuidado com a rede de distribuição de energia elétrica, para evitar acidentes e desligamentos na rede. Caso isto ocorra, as despesas decorrentes ao atendimento e o tempo em que o circuito permanecer desligado serão cobrados do OCUPANTE, conforme contrato O OCUPANTE poderá ocupar somente um ponto de fixação no poste para seus fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha, sendo essa fixação com cinta do tipo braçadeira ou bap. Se for cabo de fibra óptica auto-sustentável, deverá ser espinado na cordoalha juntamente com o cabo metálico da rede do OCUPANTE. Não poderão ser instaladas no mesmo vão mais de uma cordoalha. Nos casos onde for constatada a existência de mais de uma cordoalha, o OCUPANTE deverá providenciar a sua regularização num prazo a ser definido pelo DETENTOR. Passando esse prazo, o OCUPANTE estará sujeito às sanções previstas em contrato Antes do lançamento dos fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha, o OCUPANTE deverá observar se o cabo da rede de distribuição secundária de energia elétrica que estiver mais próximo do solo está no mínimo afastado de 5,60 m do solo em travessia de rua e 5,10 m no meio de quadra. Procurar seguir com a cordoalha sempre em paralelo com a rede de distribuição secundária de energia elétrica ao longo do vão. Caso contrário, deverá providenciar a regularização dos afastamentos e/ou distâncias mínimas de segurança da rede de distribuição secundária de energia elétrica, equipamentos e iluminação pública junto ao DETENTOR. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 9 / 9

10 Deve ser evitada coincidência de ponto de ancoragem da cordoalha ou cabo da rede do OCUPANTE com encabeçamentos e fim de linha da rede de distribuição de energia elétrica do DETENTOR e/ou da rede de outro(s) OCUPANTE(S) As redes dos OCUPANTES devem possuir identificações com o nome do OCUPANTE e as características de cabo, instaladas, no mínimo, a cada 3 (três) postes. A identificação deverá ser através de uma plaqueta de plástico ou acrílico, de 40x90 mm, com espessura de 3 mm, sendo o fundo na cor amarela e letras na cor preta com a indicação do tipo de cabo e o nome do proprietário, conforme o Anexo VIII. A plaqueta deverá ser fixada no cabo a uma distância de 300 mm a 400 mm do poste Deve ser evitada emenda de cabo do OCUPANTE no mesmo poste em que houver emenda de cabo de outro OCUPANTE Excepcionalmente será permitido, mediante autorização por escrito do DETENTOR, o encabeçamento em postes subseqüentes ao poste inicialmente previsto em projeto, quando este não suportar o esforço a ser aplicado. Desta forma, o esforço será distribuído em mais de um poste, evitando-se a sua substituição A derivação para os assinantes do OCUPANTE deve ser feita diretamente do seu ponto de fixação, determinado pelo DETENTOR As especificações dos postes a serem utilizados nas áreas vinculadas ao Contrato de Compartilhamento de Infra-Estrutura deverão ser acordados entre o DETENTOR e o OCUPANTE de forma a permitir o cumprimento desta Norma e dos padrões e especificações da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT O OCUPANTE antes de instalar qualquer fio, cabo de telecomunicações ou cordoalha, deverá submeter o projeto da instalação para aprovação do DETENTOR, indicando os esforços mecânicos nos postes. A liberação para execução da obra dependerá da aprovação do projeto Caso for constatado que o OCUPANTE construiu a rede de telecomunicações sem aprovação do DETENTOR, serão cobradas do OCUPANTE todas as despesas para reparar os danos causados à rede de distribuição de energia elétrica do DETENTOR e dos demais OCUPANTES, e ainda, multas e penalidades previstas em contrato. Além disso, o OCUPANTE deverá retirar imediatamente as instalações construídas irregularmente nos postes do DETENTOR O OCUPANTE somente poderá iniciar a execução da obra de instalação dos fios, cabos de telecomunicações e/ou cordoalha nos postes do DETENTOR, após aprovação do projeto pelo DETENTOR Se num cruzamento de rua houver a necessidade de mudança de direção dos fios ou cabos de telecomunicações no meio do lance, deverão ser instaladas cordoalhas entre os postes da esquina com tensionamento não superior a 70 dan. Se for necessário tensionamento maior, ou existir outro OCUPANTE compartilhando os postes, deverá ser efetuada análise de esforço mecânico. O cabo deverá ser fixado na cordoalha utilizandose de fio de espina conforme mostra o desenho 2 do Anexo II. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 10 / 10

11 O fiscal do DETENTOR poderá exigir a qualquer tempo na construção de uma obra de lançamento de fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha, o dinamômetro para verificação do esforço mecânico da cordoalha e ou cabo, a talha manual (catraca) para o tensionamento do cabo e a tabela de flechas e trações Na construção da rede de telecomunicações o OCUPANTE deverá utilizar-se, sempre, do dinamômetro, do termômetro e das tabelas de trações e flechas de montagem do cabo, para fixação de seus cabos nos postes do DETENTOR, de modo a manter a estabilidade da estrutura e não causar danos à rede do DETENTOR A cordoalha do OCUPANTE deverá ser tracionada, no máximo, com 70 dan, para a condição de temperatura de zero grau. Deverá ser efetuada análise de esforço mecânico pelo DETENTOR quando ocorrer ancoragem dos fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha do OCUPANTE. Será vedada a instalação de qualquer tipo de estai se a regularização do esforço mecânico for possível com a substituição do poste Em hipótese alguma as braçadeiras ou cintas para fixação de cabos da rede de telecomunicações podem ser instaladas sobre condutores e/ou equipamentos do DETENTOR e cabos e/ou equipamentos de outros OCUPANTES As redes do OCUPANTE que estiverem fora de operação deverão ser removidas quando da sua desativação, liberando o ponto de fixação no poste Quando ocorrerem interrupções no fornecimento de energia elétrica por motivo gerado pelo OCUPANTE serão aplicadas as penalidades previstas em contrato, conforme a seguinte classificação: a) desligamentos voluntários sem prévia autorização do DETENTOR; b) desligamentos adicionais para regularização de obras do OCUPANTE; c) desligamentos acidentais Casos omissos, não mencionados nesta Norma, deverão ser analisados previamente pelo DETENTOR DOS EQUIPAMENTOS O equipamento do OCUPANTE, desde que não possa ser instalado junto ao cabo de telecomunicações, ou em caixa instalado em área pública, na calçada, ou em propriedade de terceiros, em caráter excepcional e a título precário, provisoriamente, poderá ser instalado nos postes do DETENTOR somente após aprovação do projeto pelo DETENTOR, mediante a realização de contrato entre as partes, específico para o tipo de equipamento a ser utilizado, onde serão estabelecidas as condições técnicas e comerciais para instalação dos equipamentos nos postes. Quando aprovados pelo DETENTOR, os equipamentos do sistema de telecomunicações do OCUPANTE devem EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 11 / 11

12 ser instalados no espaço compreendido entre 200 mm e mm abaixo do limite inferior da faixa de ocupação, de forma a evitar situações de risco ou comprometimento da segurança da infra-estrutura e de terceiros As dimensões dos equipamentos do sistema de telecomunicações do OCUPANTE para instalação em postes não poderão exceder a 600 mm de largura, 600 mm de altura e 450 mm de profundidade Não poderão ser instalados os equipamentos Multiplicadores de Linha de Assinantes MLA (ou Unidade Terminal de Assinantes UTA) nos postes do DETENTOR. As caixas de derivação, emenda, conversores de enlace óptico e demais equipamentos, deverão ser instalados ao longo do vão a uma distância mínima de 600 mm do poste A caixa de emenda da fibra óptica do OCUPANTE não poderá ser fixada no poste do DETENTOR, devendo ser instalada no vão, presa na cordoalha juntamente com a folga de cabo conforme Anexo III. A caixa também poderá ser fixada na parede ou no chão de uma caixa subterrânea na calçada conforme sugestão do Anexo IV A reserva técnica do cabo de telecomunicação deve ficar no vão da rede a uma distância mínima de mm do poste, conforme o que mostra o Anexo V, ou ser instalada em caixa subterrânea, conforme sugestão do Anexo IV Os equipamentos de telecomunicações não podem ser instalados em postes localizados em esquina, bem como naqueles que já tenham ou venham a ter equipamentos do DETENTOR, tais como: transformadores, religadores, seccionalizadores, capacitores, seccionadoras, dispositivos fusíveis, pára-raios, caixas para medidores ou que tenham equipamentos de outro OCUPANTE É vedada a instalação de qualquer equipamento ao longo da cordoalha ou em poste, em local coincidente com equipamento existente, mesmo que seja de outro OCUPANTE Os equipamentos alimentados pela rede de distribuição de energia elétrica devem ser identificados, na sua face frontal, com o nome do OCUPANTE, tensão e potência nominais Não é permitido a instalação de plataformas, suportes ou apoios para operação de equipamentos de telecomunicações, nos postes do DETENTOR A instalação de equipamento de telecomunicação na infra-estrutura do DETENTOR deve atender as especificações técnicas pertinentes, de forma a evitar situações de risco ou comprometimento da segurança da infra-estrutura e de terceiros. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 12 / 12

13 5.2.3 OUTRAS CONDIÇÕES Os aterramentos dos cabos e equipamentos devem ser independentes e distanciados pelo menos 25 (vinte e cinco) metros em relação aos da rede de distribuição de energia elétrica e dos outros OCUPANTES, se houver. As descidas dos aterramentos deverão ser protegidas com material resistente de forma a impedir qualquer dano ao condutor de descida É vedada a colocação da rede de telecomunicações do OCUPANTE em disposição horizontal exceto para cruzeta de extensão, para permitir o afastamento mínimo de obstáculos no caminhamento da rede, inclusive curvas ou viradas de esquina. Neste caso, deverá ser apresentado o projeto para aprovação pelo DETENTOR, contendo os detalhes da fixação As redes de telecomunicações dos OCUPANTES devem estar eletricamente isoladas entre si e dos postes do DETENTOR O DETENTOR não se responsabiliza por eventuais interferências nas redes de telecomunicações dos OCUPANTES causadas pela rede de distribuição de energia elétrica, cabendo a estes instalar filtros para rádio-interferência e proteções contra induções eletromagnéticas Na eventualidade de ocupação de postes por mais de um OCUPANTE, o DETENTOR se exime de qualquer responsabilidade com relação a possíveis interferências entre os sistemas Os OCUPANTES devem fornecer ao DETENTOR as respectivas informações relativas aos valores de trações e flechas horizontais para instalação de fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha que serão utilizados nos projetos e na construção O esforço resultante vertical mínimo a ser considerado em postes tangentes em redes urbanas será de 20 dan por cabo, para vãos máximos de 40 m. Quando necessário, qualquer valor superior deve ser indicado no projeto (esforço axial no poste) O esforço resultante vertical mínimo a ser considerado em postes tangentes em redes rurais será de 40 dan por cabo, para vãos máximos de 80 m. Quando necessário, qualquer valor superior deve ser indicado no projeto (esforço axial no poste) Caso haja necessidade de execução de serviços que resultem em substituições, reforços, aumento de altura, ou modificações nas instalações existentes, estes serão executados pelo DETENTOR mediante pedido formal e às expensas do OCUPANTE As redes de telecomunicações e os equipamentos dos OCUPANTES devem possuir sistemas de aterramento e proteções contra curto-circuito e sobretensões independentes dos do DETENTOR, de modo que não transfiram tensões para as instalações de terceiros em casos de tensões induzidas ou por contatos acidentais de suas redes. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 13 / 13

14 Devem ser evitadas relocações de postes que tenham derivações subterrâneas ou equipamentos de difícil remoção Se a rede pretendida pelo OCUPANTE estiver em área planejada pelo DETENTOR como futura rede subterrânea, não será permitida ocupação dos postes As unidades de fontes de alimentação do OCUPANTE, a serem instaladas ao longo da sua rede, não poderão ter potência individual superior a W, devendo ser dotadas de proteção contra sobrecorrente e sobretensão, bem como não poderão ser instaladas em postes que já contenham equipamentos do DETENTOR, tais como: transformadores, chaves de operação, etc. O OCUPANTE deve apresentar projetos eletro-eletrônicos de suas fontes de alimentação, visando garantir proteção e o não paralelismo em caso de falta de energia elétrica Excepcionalmente, nas estruturas em que haja a necessidade de afastamento da rede de telecomunicações em relação a edificações e/ou equipamentos, pode ser utilizado uma ferragem ou dispositivo afastador, de uso exclusivo de cada OCUPANTE, desde que não obstrua o espaço reservado a outros OCUPANTES. 6 QUANTO A ELABORAÇÃO DO PROJETO 6.1 PROJETO NA ÁREA URBANA Para o OCUPANTE compartilhar postes do DETENTOR localizados na área urbana, para instalar sua rede de telecomunicações, deverá submeter o projeto de suas instalações para análise prévia e aprovação do DETENTOR, sendo que o projeto de ocupação deverá ser apresentado contendo, no mínimo, as seguintes informações e documentos: a) Carta de solicitação de compartilhamento e resumo de projeto, conforme indicado nos Anexos IX-A e IX-B, fornecendo o prazo para conclusão da obra e o respectivo cronograma de execução; b) Planta de localização ou situação em escala adequada, planta temática com o traçado da rede de telecomunicações que se pretende implantar; c) Projeto do local onde pretende compartilhar a infra-estrutura do DETENTOR, com indicação dos postes (existentes ou a serem acrescentados), em escala 1:1000 ou 1:500, no sistema métrico, com legenda e especificações técnicas, em português, dos equipamentos a instalar, conforme a situação e características da posteação, com margem e representação gráfica definida na NBR-5984 Norma Geral de Desenho Técnico; d) Os logradouros (ruas e praças) deverão ser devidamente identificados, em todas as pranchas para melhor visualização; EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 14 / 14

15 e) A região atendida pelo projeto deverá ser dividida em pranchas, se possível no tamanho padrão das plantas do cadastro técnico do DETENTOR, com as articulações identificadas seqüencialmente ao lado da legenda; f) Tanto a rede existente do OCUPANTE como a rede projetada deverá ser representada no projeto, contendo as especificações de todos os tipos e bitolas dos cabos e cordoalhas. A rede projetada deverá ser destacada no projeto e dividida em nodes, rotas ou armários para a sua aprovação; g) Indicação dos postes existentes compartilhados do projeto e dos postes a serem acrescentados; h) Indicação dos pontos de aterramento; i) Indicação dos pontos de alimentação; j) No traçado dos fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha devem ser especificados o seu tipo, bitola e número de pares ou fibras; k) O vão onde será instalada a caixa de emenda e a reserva técnica deverá ser representado no projeto, para possibilitar a análise dos esforços mecânicos da cordoalha que a sustenta nos postes, conforme Anexos III e V; l) Indicar os cabos de telecomunicações e cordoalhas existentes, destacando os que forem projetados; m) Quando o cabo de fibra óptica for sustentado por cordoalha, a mesma deverá ter o seu traçado representado entre os postes; n) Posicionamento correto dos símbolos dos postes no arruamento, assim como a posição em que ficarão os equipamentos e cabos de telecomunicações na cordoalha; o) Informação do esforço resultante total dos cabos e equipamentos a serem instalados, com a indicação da intensidade dos esforços, direção, sentido e ponto de aplicação em cada poste, na temperatura de 0 ºC sem vento ou com vento máximo de 100 km/h, exceto nos casos que atendam o item ; p) Detalhes de fixação dos equipamentos na cordoalha na escala 1:50, e sua localização, conforme item 5.2; q) Detalhes da instalação dos equipamentos nos postes: vistas frontal e lateral do poste com indicação da posição do equipamento e dos demais componentes da estrutura, indicação das dimensões do equipamento e distâncias em relação ao solo, rede secundária, iluminação pública e das redes dos demais OCUPANTES. r) Representar no projeto o comprimento dos vãos e equipamentos do DETENTOR tais como: transformador, chaves de operação, banco de capacitores e aterramentos, assim como, descidas laterais da rede de telecomunicações; EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 15 / 15

16 s) O conversor de enlace óptico na rede aérea deverá ser representado no lado do poste onde vai ser ligado, para que se possam analisar os esforços da cordoalha que o sustenta; t) Deverá ser utilizada a simbologia de postes e equipamentos da rede de distribuição de energia elétrica adotada pelo DETENTOR. u) Quando da necessidade de regularização dos afastamentos e/ou distâncias mínimas de segurança da rede de distribuição de energia elétrica e equipamentos do DETENTOR, bem como iluminação pública, o OCUPANTE deverá indicar no projeto, em cada poste, as distâncias existentes. v) O OCUPANTE deverá apresentar, em separado, os projetos da rede de telecomunicações que envolvam cabo par metálico, coaxial e fibra óptica. w) Carta de aprovação dos órgãos públicos (DNER, DER, PREFEITURA MUNICIPAL, empresas concessionárias competentes, etc.), quando o projeto necessitar tal autorização Quando expressamente autorizado pelo DETENTOR, o OCUPANTE poderá elaborar os estudos e a viabilidade técnica para o projeto de modificação ou extensão da rede de distribuição de energia elétrica existente, quando necessário para possibilitar o compartilhamento, devendo fornecer no mínimo o seguinte: NA ELABORAÇÃO DO PROJETO a) Memorial de cálculo; b) Projeto do local, com indicação e características da rede de distribuição de energia elétrica existente e das modificações ou acréscimos a serem efetuados; c) Devem ser obedecidas as normas de projeto do DETENTOR NA APRESENTAÇÃO DO PROJETO a) O OCUPANTE deverá apresentar os projetos em formato, simbologia e legenda adotada pelo DETENTOR, em escala de 1:1000 ou 1:500, no sistema métrico, acompanhados de carta de solicitação de compartilhamento e resumo de projeto, conforme indicado nos Anexos IX-A e IX-B, fornecendo o prazo para conclusão da obra e o respectivo cronograma de execução; b) O OCUPANTE deverá apresentar, em separado, os projetos da rede de telecomunicações que envolvam cabos par metálico, coaxial e fibra óptica; c) O projeto deverá ser apresentado em 03 (três) vias ou outra quantidade de vias a ser acordada entre as partes; d) O projeto deverá conter a Anotação de Responsabilidade Técnica - ART do profissional responsável junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 16 / 16

17 e) Carta de aprovação dos órgãos públicos (DNER, DER, PREFEITURA MUNICIPAL, empresas concessionárias competentes, etc.), quando o projeto necessitar tal autorização. 6.2 PROJETO NA ÁREA RURAL Para o OCUPANTE compartilhar postes do DETENTOR localizados na área rural, para instalar sua rede de telecomunicações, deverá submeter o projeto de suas instalações a análise prévia e aprovação do DETENTOR, sendo que o projeto de ocupação deverá ser apresentado contendo, no mínimo, as seguintes informações e documentos: a) Carta de solicitação de compartilhamento e resumo de projeto, conforme indicado nos Anexos IX-A e IX-B, fornecendo o prazo para conclusão da obra e o respectivo cronograma de execução; b) Planta de localização ou situação em escala adequada, planta temática com o traçado da rede de telecomunicações que se pretende implantar; c) Projeto do local onde pretende compartilhar a infra-estrutura com indicação dos postes (existentes ou a serem acrescentados), em escala 1:1000 ou 1:2000, no sistema métrico, em planta e em perfil com as instalações, com legenda e especificações técnicas em português dos equipamentos a instalar, conforme a situação e características da posteação, com margem e representação gráfica definida na NBR-5984 Norma Geral de Desenho Técnico; d) As estradas deverão ser devidamente identificadas, em todas as pranchas para melhor visualização; e) A região atendida pelo projeto deverá ser dividida em pranchas, se possível no tamanho padrão das plantas do cadastro técnico do DETENTOR, com as articulações identificadas seqüencialmente ao lado da legenda; f) Tanto a rede existente do OCUPANTE como a rede projetada deverá ser representada no projeto, contendo as especificações de todos os tipos e bitolas dos cabos e cordoalhas. A rede projetada deverá ser destacada no projeto e dividida em nodes, rotas ou armários para a sua aprovação; g) Indicação dos postes existentes compartilhados do projeto e dos postes a serem acrescentados; h) Indicação dos pontos de aterramento; i) Indicação dos pontos de alimentação; j) No traçado dos fios, cabos de telecomunicações ou cordoalha devem ser especificados o seu tipo, bitola e número de pares ou fibras; EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 17 / 17

18 k) O vão onde serão instaladas a caixa de emenda e a reserva técnica deverá ser representado no projeto, para possibilitar a análise dos esforços mecânicos da cordoalha que a sustenta nos postes, conforme Anexos III e V; l) Indicar os cabos de telecomunicações e cordoalhas existentes, destacando os que forem projetados; m) Quando o cabo de fibra óptica for sustentado por cordoalha, a mesma deverá ter o seu traçado representado entre os postes; n) Catenária a 50º C do cabo a ser instalado na posteação existente e altura de fixação conforme previsto nesta Norma; o) Informação do esforço resultante total dos cabos e equipamentos a serem instalados, com a indicação da intensidade dos esforços, direção, sentido e ponto de aplicação em cada poste, na temperatura de 0 ºC sem vento ou com vento máximo de 100 km/h, exceto nos casos que atendam o item ; p) Detalhes de fixação dos equipamentos na cordoalha na escala 1:50, e sua localização, conforme item 5.2; q) Detalhes da instalação dos equipamentos nos postes: vistas frontal e lateral do poste com indicação da posição do equipamento e dos demais componentes da estrutura, indicação das dimensões do equipamento e distâncias dos demais OCUPANTES; r) Representar no projeto o comprimento dos vãos e equipamentos do DETENTOR tais como: transformador, chaves de operação, banco de capacitores e aterramentos, assim como, descidas laterais da rede de telecomunicações; s) O conversor de enlace óptico na rede aérea deverá ser representado no lado do poste onde vai ser ligado, para que se possa analisar os esforços da cordoalha que o sustenta. t) Deverá ser utilizada a simbologia de postes e equipamentos da rede de distribuição de energia elétrica adotada pelo DETENTOR. u) Quando da necessidade de regularização dos afastamentos e/ou distâncias mínimas de segurança da rede de distribuição de energia elétrica e equipamentos do DETENTOR, o OCUPANTE deverá indicar no projeto, em cada poste, as distâncias existentes. v) O OCUPANTE deverá apresentar, em separado, os projetos da rede de telecomunicações que envolvam cabos par metálico, coaxial e fibra óptica. w) Carta de aprovação dos órgãos públicos (DNER, DER, PREFEITURA MUNICIPAL, empresas concessionárias competentes, etc.), quando o projeto necessitar tal autorização. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 18 / 18

19 6.2.2 Quando expressamente autorizado pelo DETENTOR, o OCUPANTE poderá elaborar os estudos e as viabilidades técnicas para o projeto de modificação ou extensão da rede de distribuição de energia elétrica existente, quando necessário para possibilitar o compartilhamento, devendo fornecer no mínimo o seguinte: NA ELABORAÇÃO DO PROJETO a) Memorial de cálculo; b) Planta e perfil do local, com indicação e características da rede de distribuição de energia elétrica existente e das modificações ou acréscimos a serem efetuados; c) Devem ser obedecidas as normas de projeto do DETENTOR NA APRESENTAÇÃO DO PROJETO a) O OCUPANTE deverá apresentar os projetos em formato, simbologia, legenda e escalas, no sistema métrico, adotadas pelo DETENTOR, acompanhados de carta de solicitação de compartilhamento e resumo de projeto, conforme indicado nos Anexos IX-A e Anexo IX-B, fornecendo o prazo para conclusão da obra e o respectivo cronograma de execução; b) O OCUPANTE deverá apresentar, em separado, os projetos da rede de telecomunicações que envolvam, fio, cabo par metálico, coaxial e fibra óptica; c) O projeto deverá ser apresentado em 03 (três) vias ou outra quantidade de vias a ser acordada entre as partes; d) O projeto deverá conter a Anotação de Responsabilidade Técnica - ART do profissional responsável junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA. e) Carta de aprovação dos órgãos públicos (DNER, DER, PREFEITURA MUNICIPAL, empresas concessionárias competentes, etc.), quando o projeto necessitar tal autorização. 6.3 RECOMENDAÇÕES MÍNIMAS A SEREM ATENDIDAS NO PROJETO Os padrões de projeto e construção deverão estar de acordo com os valores e definições desta Norma Evitar relocações de postes que tenham derivações subterrâneas e equipamentos de difícil remoção Evitar a coincidência de fins de linha e de encabeçamentos de redes de distribuição de energia elétrica e telecomunicações. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 19 / 19

20 6.3.4 Não projetar descidas laterais da rede de telecomunicações em postes com equipamento(s) do DETENTOR Não projetar cabos de telecomunicações ou conjunto de cabos espinados maiores que 200 pares, diâmetro superior a 65 mm e o seu peso superior a kg/km na rede aérea, por vão O cumprimento das normas técnicas, os critérios de projeto das redes de telecomunicações, o cálculo dos esforços mecânicos resultantes, a flecha máxima admissível, as considerações quanto à temperatura, velocidade do vento e o respeito às distâncias mínimas admissíveis de segurança entre os fios, cabos de telecomunicações e cordoalha do OCUPANTE e o solo, e entre esta rede e os cabos das redes de distribuição de energia elétrica do DETENTOR, são de responsabilidade do OCUPANTE As trações e flechas de projeto dos cabos de telecomunicações devem considerar as condições de temperaturas e ação de velocidade de vento crítica da região Para cabos de fibra óptica o vão não poderá ser superior a 80 m na área urbana e 120 m na área rural Nos casos de plantas de detalhes de cruzamento de linhas de transmissão ou distribuição de energia elétrica e/ou travessias sobre rodovias e ferrovias, os projetos aprovados pelos órgãos ou empresas concessionárias competentes deverão ser apresentados ao DETENTOR em duas vias, sendo que uma via será devolvida ao OCUPANTE após a sua aprovação do projeto de compartilhamento e a outra via ficará com o DETENTOR. Esta Norma cancela e substitui a versão anterior. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 20 / 20

21 ANEXOS EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 21 / 21

22 ANEXO I AFASTAMENTOS MÍNIMOS Neutro 200 Fase A 600 mínimo Iluminação Pública Fase B Fase C Controle 100 mínimo L = 1400 mínimo (Nota 3) 500 Altura mínima do Ponto de Fixação 5200 Faixa de Ocupação 1100 máximo Pontos de Fixação Flecha Equipamento " h " mínimo (Nota 1) Altura máxima do Ponto de Fixação 5700 NOTAS: 1. Devem ser obedecidas as distâncias mínimas de segurança h entre condutores da rede de telecomunicações do Ocupante e o solo, de acordo com o item Nas redes urbanas que não contenham rede secundária, deve ser mantida a reserva de espaço para instalação futura da mesma, observando os respectivos afastamentos. 3. Não havendo condutor controle L=1200 mm mínimo. 4. Desenho ilustrativo no tocante ao tipo da estrutura primária. 5. Medidas em milímetros. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 22 / 22

23 ANEXO II MONTAGEM DE CABOS DE TELECOMUNICAÇÕES Cordoalha ou Cabo Espinado Chave de Manobra ou Tubo de Descida de Cabos de Energia Elétrica Suporte Conjunto de Ancoragem Cabo Óptico com Amarração Final (Ponta de Cabo) Parafuso com Olhal DESENHO 1 ANCORAGEM EM POSTE COM EQUIPAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. DESENHO 02 - MUDANÇA DE DIREÇÃO DE CABO DE TELECOMUNICAÇÃO NA ESQUINA. Ancoragem Final Cordoalha ou Cabo Espinado Cordoalha ou Cabo Espinado Poste DESENHO 2 MUDANÇA DE DIREÇÃO DE CABO DE TELECOMUNICAÇÃO NA ESQUINA. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 23 / 23

24 ANEXO III CAIXA DE EMENDA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA INSTALADA NO MEIO DO VÃO Conjunto de ancoragem de cabo óptico Fita de aço 2000 mm (mínimo) Cordoalha Cabo F.O. Fio de espinar Caixa de emenda Plaqueta de identificação NOTAS: 1. Medidas em milímetros. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 24 / 24

25 ANEXO IV CAIXA DE EMENDA INSTALADA EM CAIXA SUBTERRÂNEA DE SERVIÇO CONJUNTOS DE ANCORAGEM OLHAL RETO COM ROSCA CABOS ÓPTICOS AMARRAÇÃO COM FIO DE ESPINAR ISOLADO CANO LATERAL AMARRAÇÕES COM FITA DE AÇO INOX 19' LUVA DE REDUÇÃO PARA VER A ACOMODAÇÃO DO CABO E INSTALAÇÃO DA CAIXA DE EMENDA VER FIGURA FIG. AO ABAIXO LADO CAIXA SUBTERRÂNEA TIPO R DUTO CORRUGADO FLEXÍVEL ACOMODAÇÃO DA CAIXA DE EMENDA INSTALADA EM CAIXA SUBTERRÂNEA 1000 CAIXA SUBTERRÂNEA TIPO R2 R > 200 mm CAIXA DE EMENDA ÓPTICA CAMADA OPCIONAL DE BRITA CABOS ÓPTICOS FOLGA NOTAS: 1. Medidas em milímetros. OBS: MEDIDAS EM MILÍMETROS. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 25 / 25

26 ANEXO V RESERVA TÉCNICA DE CABO DE FIBRA ÓPTICA NO MEIO DO VÃO Conjunto de ancoragem de cabo óptico z 12,00 m 2000 mm (mínimo) Cordoalha Cabo F.O. Fio de espinar Reserva Técnica Plaqueta de identificação EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 26 / 26

27 ANEXO VI DERIVAÇÃO PARA USUÁRIOS E DEMAIS EQUIPAMENTOS 2000 CAIXA DERIVADORA E DEMAIS EQUIPAMENTOS DERIVAÇÃO PARA USUÁRIO CAIXA DERIVADORA SAÍDA PARA USUÁRIO REDE DE TELECOMUNICAÇÃO mínimo mínimo 1200 DETALHE 600 mm DETRALHE ÁREA INTERDITADA PARA INSTALAÇÃO DE DERIVAÇÕES DE SISTEMAS USUÁRIOS DOS POSTES DO DETENTOR. - MEDIDAS EM MILÍMETROS. NOTAS: 1. Medidas em milímetros. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 27 / 27

28 ANEXO VII AFASTAMENTOS MÍNIMOS ENTRE CONDUTORES DA REDE DE TELECOMUNICAÇÕES E REDE ELÉTRICA AO LONGO DO VÃO Neutro Fase A Fase B Fase C Controle Rede Elétrica 600 mm (VER NOTA 2) Rede de Telecomunicações Faixa de Ocupação h NOTAS: 1. Devem ser obedecidas as distâncias mínimas de segurança h entre condutores da rede de telecomunicações do Ocupante e o solo, de acordo com o item A distância de 600 mm, dos fios, cabos de telecomunicações e cordoalhas das redes de telecomunicações à rede de distribuição de energia elétrica até 1000 V, refere-se a distância mínima de segurança entre o Ocupante mais crítico (ponto de fixação superior da faixa de ocupação) e o condutor inferior da rede de distribuição secundária. 3. Desenho ilustrativo no tocante ao tipo da estrutura secundária. 4. Medidas em milímetros. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 28 / 28

29 ANEXO VIII PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO CABO DO OCUPANTE NOME DO OCUPANTE TIPO DE CABO FUNDO: AMARELO LETRAS: PRETAS DIMENSÃO DA PLACA: 90 mm x 40 mm ESPESSURA DA PLACA: 3 mm MATERIAL DA PLACA: MATERIAL RESISTENTE A ULTRAVIOLETA TAMANHO DAS LETRAS DO OCUPANTE: 15 mm DE ALTURA E 3 mm DE ESPESSURA NOTAS: 1. É obrigatória a colocação da plaqueta de identificação presa ao cabo de telecomunicações com fio de espina ou braçadeira a uma distância de 300 a 400 mm do poste por onde passar o cabo. EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 29 / 29

30 ANEXO IX-A - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE COMPARTILHAMENTO (Local, data) Empresa Elétrica Bragantina S.A. - EEB Rua Teixeira, Bragança Paulista-SP Compartilhamento de Infra-estrutura. Prezados Senhores, Solicitamos o compartilhamento de infra-estrutura de propriedade dessa Concessionária, para a instalação de rede de telecomunicação desta empresa, para o uso único e exclusivo para prestação de serviço de, nos termos do art. 11 da Resolução Conjunta nº 001/99 da ANEEL, ANATEL e ANP. A instalação da rede de telecomunicação desta empresa obedecerá ao Plano de Ocupação e a Norma Técnica de compartilhamento de Infra-Estrutura dessa Concessionária, as Normas Técnicas Brasileiras e as determinações do Poder Concedente. É necessário a disponibilização da infra-estrutura existente de postes, sendo que postes já estão ocupados, no Município de, na localidade de, para instalação do projeto que ora submetemos a apreciação. Enviamos em anexo os seguintes documentos: 1. Projeto em vias; 2. Resumo do Projeto; 3. Cronograma de execução da obra; 4. ART do projeto. Para esclarecimento ou resposta para esta solicitação, deverá ser enviada correspondência, fax (indicar número do fax) ou (indicar ) para (nome / cargo / departamento / diretoria), para o seguinte endereço: (rua, número, bairro, cidade, CEP). Atenciosamente. (Nome) (Cargo) EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 30 / 30

31 ANEXO IX-B - RESUMO DO PROJETO Nome do solicitante Projeto n o Endereço Telefone Responsável técnico CREA n o ART n o Descrição técnica do(s) cabo(s) a ser(em) instalado(s) Quantidade de cabos Local de instalação (cidade/bairro) Extensão Descrição do trajeto (rua a rua) EMISSÃO: CT-DEZEMBRO/03 REVISÃO: CT-FEVEREIRO/04 FOLHA : 31 / 31

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES

NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES NORMA TÉCNICA DA DISTRIBUIÇÃO NTD - 04 MANUAL TÉCNICO DE COMPARTILHAMENTO DE POSTES 29.09.2000 3/18 PÁG. 1. OBJETIVO... 3/18 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3/18 3. S COMPLEMENTARES... 3/18 4. TERMINOLOGIA...

Leia mais

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece os procedimentos e condições técnicas mínimas para permitir o compartilhamento da infra-estrutura da Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. CEMAT com empresa prestadora

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES ANEXO 1 COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia - 2 - COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Compartilhamento de Postes da Rede de Energia Elétrical Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Obras de Distribuição Código Edição Data VR01.02-01.015 2ª Folha 1 DE 15 16/10/2008

Leia mais

NORMA TÉCNICA NT-006/2010 R-02

NORMA TÉCNICA NT-006/2010 R-02 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT NORMA TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma tem por objetivo estabelecer os procedimentos aplicáveis ao compartilhamento de

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA NORMA TÉCNICA CELG D Compartilhamento de Infraestrutura com Redes de Telecomunicações e Demais Ocupantes NTC-15 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS

Leia mais

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados.

3.4 Equipamento Dispositivo de propriedade da Distribuidora ou da Ocupante, com forma, dimensões e massa perfeitamente definidos e especificados. Norma: ENERGIA ELÉTRICA Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDORES 1/16 Primeira Edição: Edição: Data: 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para aprovação de projetos

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-009

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-009 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-009 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-009 CRITÉRIOS PARA COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DA REDE ELÉTRICA DE DISTRIBUIÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVOS......... 1 2. CAMPO

Leia mais

006/2015 NORMA TÉCNICA NT-006/2015 R-04 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

006/2015 NORMA TÉCNICA NT-006/2015 R-04 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE 006/2015 NORMA TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma tem por objetivo estabelecer os procedimentos aplicáveis

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DEPARTAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO 1 OBJETIVOS Esta norma estabelece os requisitos, condições técnicas mínimas e os procedimentos a serem seguidos na elaboração e apresentação de projetos de compartilhamento de infraestrutura das redes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-01/MN-3 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO Página 1. OBJETIVO 4 2. APLICAÇÃO 4 3. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 5

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64

NORMA TÉCNICA CELG. Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 NORMA TÉCNICA CELG Simbologia para Projetos de Redes de Distribuição de Energia Elétrica Urbanas e Rurais NTC-64 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TIPOS

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

006/2013 NORMA TÉCNICA NT-006/2013 R-03 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

006/2013 NORMA TÉCNICA NT-006/2013 R-03 COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE LINHA DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA 006/2013 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE 006/2013 NORMA TÉCNICA /2013 R- FOLHA DE CONTROLE I NOV/2012 APRESENTAÇÃO Esta Norma tem por objetivo estabelecer os procedimentos aplicáveis

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos aplicáveis ao cumprimento do disposto no "caput" do art. 5º do Regulamento Conjunto

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0015 COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE

CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE CRITÉRIO DE PROJETO CP 015 DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE DOCUMENTO NORMATIVO CRITÉRIO DE PROJETO DISTRIBUIÇÃO AÉREA ECONÔMICA - DAE Código Página Revisão Emissão CP 015 I 1 JAN/2004 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S

MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0015 COMPARTILHAMENTO

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.04.03 REDE MULTIPLEXADA BT - CONSTRUÇÃO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Lançamento de Condutores 7. Fixação Definitiva do Condutor 8. Identificação de Fases

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 1 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras de Distribuição-GPD

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-13/07/2009 13/07/2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior SUMÁRIO 1. RESUMO...3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...3 3.

Leia mais

N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11768 Procedimento 1.0 Luis Henrique F. Pinto 05/10/2007 1 de 29

N.Documento: Categoria: Versão: Aprovado por: Data Publicação: Página: 11768 Procedimento 1.0 Luis Henrique F. Pinto 05/10/2007 1 de 29 1. OBJETIVO Esta Norma define os procedimentos técnicos para atendimento das solicitações de Compartilhamento de Postes do sistema elétrico da RGE, para instalação de redes telefônicas, TV a cabo e outros

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE

Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE ITA - 006 Rev. 0 Setembro / 2003 Critérios Básicos para Elaboração de Projetos de Redes de Distribuição Aérea Especial DAE Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-005 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO RURAL SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ASPECTOS GERAIS... 2 3. EXCEÇÕES... 2 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA Página 1 MPN-DP-1/MN-3 29/5/212 RES nº 85/212, 29/5/212 TÍTULO: INSTALAÇÕES BÁSICAS DE BT ISOLADA ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-17/09/2012 22/10/2012 ENGENHARIA E SISTEMAS TÉCNICOS (DTES-ES) APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI (DTES-ES) SUMÁRIO

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG. Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-18 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG Estruturas para Redes Aéreas Isoladas em Tensão Secundária de Distribuição NTC-18 Revisão 2 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica CEMAR NORMA DE PROCEDIMENTOS Função: Área: Processo: Código: Técnica Técnica Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica NP-12.306.02 Redes de Distribuição Aéreas Urbanas de Energia Elétrica

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU

Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Redes de Distribuição Áreas Urbanas - RDAU Normas CEMIG ND2.1 - Instalações Básicas de Redes de Distribuição Áreas Urbanas ND3.1 - Projetos de Redes de Distribuição Aéreas Urbanas RDU Rede de Distribuição

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO REFERÊNCIA: Projeto de três trechos de Rede Aérea de Fibra Óptica para a Prefeitura Municipal de São Lourenço do Oeste. DADOS DO PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Nome do Responsável Técnico:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL. Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação

RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL. Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação RESOLUÇÃO CONJUNTA ANATEL-ANEEL Postes: Preço de Referência e Regras para Uso e Ocupação dos Pontos de Fixação CP 30/2013 da ANATEL e AP 007/2007 da ANEEL DIRETRIZES A proposta deve ser neutra do ponto

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-004 INSTALAÇÕES BÁSICAS PARA CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ASPECTOS GERAIS... 1 3. EXCEÇÕES... 1 4. TENSÕES DE FORNECIMENTO...

Leia mais

DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS. RT 06.01.a

DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS. RT 06.01.a DIRETORIA GERAL GRUPO PERMANENTE DE NORMAS TÉCNICAS RT 06.01.a USO E OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO DE RODOVIA SOB A CIRCUNSCRIÇÃO OU JURISDIÇÃO DO DER/MG Belo Horizonte, Janeiro, 2005 DIRETORIA GERAL GRUPO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO

TENSÕES MECÂNICAS ADMISSÍVEIS PARA ELABORAÇÃO E/OU VERIFICAÇÃO DE PROJETOS DE TRAVESSIAS AÉREAS UTILIZANDO CABOS SINGELOS DE ALUMÍNIO COM ALMA DE AÇO RT 2.002 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer parâmetros técnicos para subsidiar a padronização dos critérios para adoção de tensões mecânicas de projeto quando da utilização de cabos singelos de alumínio

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL-13,8kV e 34,5kV MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA NTD-14 NTD 14 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONTROLE DE VERSÕES NTD-14 - MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Nº.: DATA VERSÃO 1 13/07/4 0 2 03/9 1 NTD 14 MONTAGEM

Leia mais

CT.DRX- /00 Rio de Janeiro, 12 de julho de 2000..

CT.DRX- /00 Rio de Janeiro, 12 de julho de 2000.. CT.DRX- /00 Rio de Janeiro, 12 de julho de 2000.. À Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL SAS, Quadra 06, Bloco H Edifício Ministro Sérgio Motta, 2º andar Biblioteca Brasília - DF CEP 70.313-900

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0002 PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A.

Normativo técnico. Anexo 2 Versão 1.2012 FIRST RULE S.A. Normativo técnico Anexo 2 Versão 1.2012 Índice 1 Introdução... 3 2 Preparação dos pedidos de disponibilidade... 3 2.1 Espaço disponível... 4 3 Instalação de cabos e equipamentos... 5 3.1 Câmaras de Visita...

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM

REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA / 2013 EXPO & FORUM 1 ND 3.5 PROJETOS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEAS EM CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS Roberto Carlos de Souza - CEMIG Erivaldo Costa Couto -

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

ANEXO I Condições gerais e Especificações Técnicas. Objeto.. A presente especificação técnica e condições gerais estabelecem os requisitos mínimos que deverão ser atendidos para a CONTRATAÇÃO DE EMPRESA

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica Manual do Usuário Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO Introdução A norma para Instalações elétricas de baixa tensão, NBR 5410:2004,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais