PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL"

Transcrição

1 PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R1 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013

2 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 R1 - Acrescentado Medição Agrupada, Cabinas e Postos de Transformação. 22/07/2013 Página 2 de 9

3 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação à ENERSUL de qualquer projeto elétrico referente a redes novas, reformas,melhoria de redes de distribuição urbanas e rurais ou cabines, postos de transformação, medição agrupada, se faz necessário, previamente, procurar uma das agências da ENERSUL ou no endereço eletrônico : e preencher o formulário Pedido de Fornecimento, a partir do qual a empresa realizará o estudo de custo e viabilidade do empreendimento. Após realizado o estudo, a ENERSUL encaminhará uma carta resposta (Pedido de Fornecimento) ao solicitante. Somente à partir deste momento é que deverá ser enviado o projeto elétrico para análise/aprovação juntamente com a Carta resposta. Obs1: Para o projeto de medição agrupada não se faz necessário o formulário PEDIDO DE FORNECIMENTO. Obs2: Quando o formulário for obtido através do endereço eletrônico, após preenchimento o mesmo deverá ser entregue em uma das agências da ENERSUL. O projeto elétrico deve ser encaminhado à ENERSUL através de carta, cujo modelo se encontra nas respectivas normas (NOR-TDE-101, 103, 107, 108, 118 ou 119) e protocolado em uma de suas agências (lista de agências por município disponível no endereço eletrônico: Posterior à análise do projeto elétrico, a ENERSUL autentica a aprovação total ou parcial com ressalvas e devolve 2 (duas) pastas informando a aprovação, através de carta. Caso o mesmo seja reprovado, a ENERSUL devolverá 2 (duas) pastas também através de carta. O prazo de validade da aprovação do projeto elétrico é de 12 (doze) meses. A não execução e conclusão dentro deste prazo implicam em novo encaminhamento para aprovação da ENERSUL. Página 3 de 9

4 2. DOCUMENTAÇÃO Os projetos elétricos devem ser apresentados em 3 (três) pastas impressas e 1 (uma) digital, sendo: 1 (uma) pasta com documentação original, contendo 3 (três) vias da prancha do projeto elétrico (para ENERSUL), comprovante de residência do cliente e uma cópia da Carta Resposta; 1 (uma) pasta com cópia da documentação, contendo 1 (uma) via da prancha do projeto elétrico (para o Proprietário) e uma cópia da Carta Resposta; 1 (uma) pasta com cópia da documentação, contendo 1 (uma) via da prancha do projeto elétrico (para o Responsável Técnico) e uma cópia da Carta Resposta; 1 (uma) cópia em meio digital (CD) com toda documentação digitalizada e a prancha do projeto elétrico em formato digital (CAD). As vias impressas da prancha do projeto elétrico devem ser em Formato A1, A2 ou A3 e em Escala 1:1000 para redes urbanas e Escala 1:1000 ou 1:5000 para redes rurais, de acordo com a extensão da rede Redes de Urbana O projeto definitivo deverá constar de: Memorial descritivo; Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) somente do projeto elétrico (código 12) ou do projeto e da execução da obra (código 20). Cálculo da queda de tensão da rede primária e secundária; Planta da rede primária/secundária; Planta do projeto; Desenhos de travessias aprovados pelos órgãos competentes; Desenhos de detalhes; Relação de materiais; Certificado de Registro Cadastral no CREA-MS emitido recentemente; Termo de manutenção de rede urbana; Carta resposta da Enersul. Página 4 de 9

5 No Memorial Descritivo deve conter informações referentes a: Objetivo e necessidade da obra; Características técnicas; Número de consumidores ou áreas beneficiadas; Resumo descritivo das quantidades dos principais itens de materiais a serem empregados (postes, equipamentos e condutores); Para maiores detalhes de projeto, consultar a NOR-TDE-107 (Disponível no site da Enersul: Redes de Rural O projeto definitivo deverá constar de: Memorial descritivo; Desenho de planta e perfil com locação das estruturas e indicação dos pontos de derivação das estações transformadoras e posição dos equipamentos de proteção(coordenadas UTM, DATUM SAD-69); Planta de situação do projeto (coordenadas UTM, DATUM SAD-69); Desenhos de travessias aprovados pelos órgãos competentes; Desenhos de detalhes; Tabela de locação; Caderneta de campo (para redes com extensão superior a 2000 metros); Autorização de passagem em terrenos de terceiros com firma reconhecida; Autorização para tomada de energia, quando esta for feita em rede particular, com firma reconhecida; Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do projeto elétrico, topográfico e execução, do Responsável Técnico pela obra; Certificado de Registro Cadastral no CREA-MS emitido recentemente; Relação de cargas com assinatura do proprietário com firma reconhecida; Relação de materiais; Cálculo de queda de tensão; Projeto de estratificação do solo (redes monofásicas); Página 5 de 9

6 Autorização de licença ambiental expedida pela SEMA, quando se fizer necessário; Carta resposta da Enersul No Memorial Descritivo deve conter informações referentes a: Finalidade de RDR; Características técnicas da RDR; Memória de cálculo quando soluções não forem previstas em Norma. Para maiores detalhes de projeto, consultar a NOR-TDE-108 (Disponível no site da Enersul: Medição Agrupada, Cabines e Posto de Transformação MEDIÇÃO AGRUPADA O projeto definitivo deverá constar de: Memorial Descritivo; Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ou (RRT) Planta da situação do Imóvel sendo quadrilátero do local; Planta de localização da entrada de serviço, indicando também o poste a ser derivado; Vistas e cortes das instalações do Centro de Medição; Vista frontal e lateral da entrada da instalação; Relação das cargas previstas e cálculo da demanda; Diagrama unifilar. Para maiores detalhes de projeto, consultar a NOR-TDE-119 (Disponível no site da Enersul: Página 6 de 9

7 CABINE/POSTO DE TRANSFORMAÇÃO O projeto definitivo deverá constar de: Memorial Descritivo; Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). Planta do Projeto; Desenhos de Detalhes; Relação de Materiais; Termo de Manutenção de Rede Urbana; Planta da rede completa com coordenada(coordenadas UTM, DATUM SAD-69); Relação de cargas com assinatura do proprietário com firma reconhecida; Carta Resposta da Enersul. Para carga instalada maior que 300kVA, a entrada geral deve ser dotada de proteção secundaria, apresentar a memória de calculo da proteção secundaria. No Memorial Descritivo deve conter informações referentes a: Objetivo e necessidade da obra; Características técnicas; Resumo descritivo das quantidades dos principais itens de materiais a serem empregados (postes, equipamentos); Para maiores detalhes de projeto, consultar a NOR-TDE-101 / NOR-TDE-103 (Disponível no site da Enersul: Página 7 de 9

8 3. FISCALIZAÇÃO Após conclusão da obra, o executante deve realizar uma Solicitação de Fiscalização de Obra à ENERSUL para devida aprovação do empreendimento. A Solicitação de Fiscalização de Obra deve ser realizada em qualquer agência da ENERSUL, para o setor de Fiscalização, com a seguinte documentação: Carta de Solicitação de Fiscalização de Obra (Anexo I); ART de execução da obra. Adicionalmente, deve ser entregue em formato digital (obrigatoriamente), via para o setor de Fiscalização, a documentação do transformador (caso exista transformador no projeto) e a carta de aprovação do projeto. No momento da fiscalização da obra deverá ser apresentado nota fiscal de todos os materiais aplicados na mesma. A documentação do TRANSFORMADOR inclui: Diagrama de ligação; Relatórios de ensaio; Termo de garantia. Página 8 de 9

9 ANEXO I Solicitação de Fiscalização de Obra, de de 20. À EMPRESA ENERGÉTICA DE MATO GROSSO DO SUL S/A - ENERSUL Regional Setor Técnico Ref. : Pedido de Fiscalização Prezados Senhores, Vimos pela presente solicitar de V.Sa., a fiscalização da (Rede/ Medição Agrupada/Cabine /Posto de Transformação) em kv, que atenderá a (nome do empreendimento/obra) situada na localidade de, Município de Estado de Mato Grosso do Sul. Outrossim, informamos que segue(m) em anexo o(s) documento(s) referente(s) ao(s) equipamento(s) aplicado(s) na referida obra. Sem mais para o momento, subscrevemo-nos. Atenciosamente, (Nome legível)/assinatura Página 9 de 9

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R0 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 Página 2 de 10 1. ENCAMINHAMENTO Para apresentação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS De acordo com o item 7 do RIC de BT Fecoergs deverá ser apresentado projeto a Creluz nas seguintes situações: a) unidade consumidora com carga instalada superior a 75 kw; b) prédio de múltiplas unidades

Leia mais

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA

NT - CRITÉRIOS PARA PROJETOS DE REDES E LINHA AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO IT - APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO E SUBESTAÇÃO REBAIXADORA Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. ANEXOS 6. VIGÊNCIA. APROVAÇÃO Página 2 de 1. OBJETIVO Esta norma estabelece as condições exigíveis

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

SUMÁRIO 5- CONSULTA PRELIMINAR/ESTUDO DE VIABILIDADE PARA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FORNECIMENTO

SUMÁRIO 5- CONSULTA PRELIMINAR/ESTUDO DE VIABILIDADE PARA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FORNECIMENTO SUMÁRIO 1- FINALIDADE 2- ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3- REFERÊNCIAS 4- CONSIDERAÇÕES GERAIS 5- CONSULTA PRELIMINAR/ESTUDO DE VIABILIDADE PARA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FORNECIMENTO 6- PROCEDIMENTOS DE ENTRADA DA

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0 - Caixas Metálicas e planilha do Projeto Expresso

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO NOME ou RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS APRESENTADOS SIM NÃO N.A* 1 Requerimento solicitando o Alvará de construção, conforme modelo

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Complementar nº. 214, de 23 de junho de 2005, que cria a Secretaria

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 Padarias, Confeitarias e Pastelarias) PADARIAS, CONFEITARIAS E PASTELARIAS (2.640,10 ) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro: CEP: Município: Telefone: Celular: e-mail: Contato

Leia mais

Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos

Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos Manual de Aprovação Eletrônica de Projetos 1 Conteúdo Apresentação... 1 O que é a aprovação eletrônica de projetos?... 2 Quais os serviços disponíveis?... 3 Como cadastrar sua senha web?... 4 Aprovação

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE)

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE) VISTORIA PREVIA REQUERIMENTO PREENCHIDO E ASSINADO PELO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA DECLARACAO A PROPRIO PUNHO INFORMANDO O RAMO DE ATIVIDADE GUIA DE IPTU DO ULTIMO ANO QUITADA LISTA DE DOCUMENTOS DISPONIVEL

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

FACILITADORES DE NEGÓCIOS DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS. Gerência Regional de Apoio ao Comércio ExteriorGECEX São Paulo III

FACILITADORES DE NEGÓCIOS DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS. Gerência Regional de Apoio ao Comércio ExteriorGECEX São Paulo III FACILITADORES DE NEGÓCIOS DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Gerência Regional de Apoio ao Comércio ExteriorGECEX São Paulo III 1 DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Habilitando e concedendo acesso Envio de documentos

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL SIT Nº ÍTEM 1 FASE I (LICENÇA PRÉVIA LP) Requerimento (formulário de solicitação) devidamente

Leia mais

Roteiro para Pagamento de Auxílio à Estudante: PROAP - 2014 Convênio 806696

Roteiro para Pagamento de Auxílio à Estudante: PROAP - 2014 Convênio 806696 Aluno deverá: Roteiro para Pagamento de Auxílio à Estudante: PROAP 2014 Convênio 806696 1) Atender as condições previstas na Portaria 64 da CAPES e preencher o formulário de requisição de auxílio. 2) Informar

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO SIT Nº ÍTEM 1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO Requerimento (formulário de solicitação) devidamente assinado pelo proprietário ou representante legal,

Leia mais

Orientações para transferência de cota Não Contemplada Bem Móvel e Imóvel

Orientações para transferência de cota Não Contemplada Bem Móvel e Imóvel Orientações para transferência de cota Não Contemplada Bem Móvel e Imóvel Nesse documento você encontra todas as orientações para efetuar a transferência de sua cota de maneira ágil e fácil. Esse processo

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE CÓDIGO 11.00 GRUPO/ATIVIDADES GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PPD 11.01 Linhas de Distribuição B 11.02 Linhas de Transmissão

Leia mais

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS Detalhes de execução ou instalação dos sprinklers; Detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura e suporte da instalação, e das peças a ser embutidas; Detalhes de fixação dos extintores

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O REGISTRO NO FRETAMENTO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS (Decreto n.º 29.912, de 12/05/89, alterado pelos Decretos nº. 31.105, de 27/12/89 e

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento Guia do Requerente Orientações de preenchimento Bem-vindo (a) ao nosso novo sistema on-line de atendimento Empresa Legal. Este documento é o Guia do Requerente. Ele o (a) ajudará em seu contato com o ambiente

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA I. O QUE É LICENCIAMENTO

REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA I. O QUE É LICENCIAMENTO REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA Este orientativo tem como objetivo fornecer aos interessados instruções necessárias ao preenchimento e entrega do requerimento de registro de licença. I. O QUE É LICENCIAMENTO

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

Índice. Política Geral de Garantia...3. Equipamento com Defeito...4. Envio de Equipamentos...5. Pessoa Física...5. Pessoa Jurídica...

Índice. Política Geral de Garantia...3. Equipamento com Defeito...4. Envio de Equipamentos...5. Pessoa Física...5. Pessoa Jurídica... Índice Política Geral de Garantia...3 Equipamento com Defeito...4 Envio de Equipamentos...5 Pessoa Física...5 Pessoa Jurídica...5 Emissão da Nota Fiscal (Pessoa Jurídica)...4 Pessoa Jurídica sem inscrição

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS)

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) Sumário 1 - Procedimentos para obter 1ª ART Eletrônica... 2 2 Como obter o Termo de Responsabilidade Técnica... 3 3 - Encaminhar documentos

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Móveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO TÍ TU L O ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/127 V CÓDIGO VERSÃO Nº R2 TÍ TU L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R2 DATA DATA DA VIGÊNCIA 25/11/2013 ITEM ASSUNTO Página 01 FINALIDADE... 01 02 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 01 03 CONCEITOS BÁSICOS... 02 04 PROCEDIMENTOS... 04 05 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005

DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005 DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA AMBIENTAL DE ESTAÇÃO RÁDIO-BASE (ERB) Portaria SMMA nº 002/2012 e Lei Mun. 11.535/2005 ***TODOS OS DOCUMENTOS E PROJETOS ENTREGUES FICARÃO RETIDOS. *** TODOS OS PROJETOS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS. Outubro/14

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS. Outubro/14 1 [CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado INSS Outubro/14 Sumário 1. Ficha Cadastral... 3 2. CCB Cédula de Crédito Bancário... 3 3. Identificação Civil (RG)... 4 4. Identificação Financeira

Leia mais

Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos.

Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos. Consórcio Contemplação de Imóveis Para quem quer planejar e realizar seus objetivos. Bradesco Consórcios ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Central de Atendimento às Agências (11) 3357-1799 Central de Atendimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Manual de Orientações Abertura de Empresas Pessoa Física

Manual de Orientações Abertura de Empresas Pessoa Física Manual de Orientações Abertura de Empresas Pessoa Física PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ITATIBA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SUMÁRIO 1 ACESSO... 4 1.1 ABERTURA ON-LINE... 5 1.2 DADOS DO CONTRIBUINTE...

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AGROPECUÁRIA CÓDIGO 01.00 GRUPO/ATIVIDADES AGROPECUÁRIA PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 01.01 Criação de Animais Sem Abate(avicultura,ovinocaprinocultura,suino M cultura,bovinocultura,escargot, ranicultura)

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO DE PAF-ECF - PROGRAMA APLICATIVO FISCAL EMISSOR DE CUPOM FISCAL BASE LEGAL Portaria nº 83, de 18 de março de 2010 (atualizada até a Portaria nº 310, de 26 de setembro de 2013)

Leia mais

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail:

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail: Protocolo nº Data de Entrega / / 1ª. Submissão 2ª. Submissão Título do Projeto: Pesquisador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( ) E-mail: - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição Cartilha de Atendimento ao Autônomo Alvará de Licença para Localização e Permanência. Fornecer alvará de licença para localização e permanência para os trabalhadores autônomos que exercem atividade sem

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/01/2013 29/01/2013 APROVADO POR SEBASTIÃO J. SANTOLIN - DTES- SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT. VOTO PROCESSO: 48500.000514/2015-45. INTERESSADO: Pantanal Transmissora S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O REGISTRO NO FRETAMENTO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS (Decreto n.º 29.912, de 12/05/89, alterado pelos Decretos nº. 31.105, de 27/12/89 e

Leia mais

REUNIÃO COM SINDUSCON. Procedimentos de Atendimento. 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes

REUNIÃO COM SINDUSCON. Procedimentos de Atendimento. 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes REUNIÃO COM SINDUSCON Procedimentos de Atendimento 3/2/2010 Gestão Operacional de Grandes Clientes 1 Agenda Contatos para construtoras Atendimento a novos empreendimentos o Ligações MT/BT condomínios nios

Leia mais

Região Metropolitana de Campinas

Região Metropolitana de Campinas MA-GRC-001 Versão: 01 Vigência: 2015 Página: 1 / 11 Região Metropolitana de Campinas 1 MA-GRC-001 Versão: 01 Vigência: 2015 Página: 2 / 11 ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Direito de obtenção e utilização...

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

comprovante de submissão de 1 artigo em Revista Qualis B1, B2, A1 e A2, HOMOLOGAR no colegiado;

comprovante de submissão de 1 artigo em Revista Qualis B1, B2, A1 e A2, HOMOLOGAR no colegiado; 1/5 Checklist PÓS-DEFESA (DEVERES DO MESTRANDO) Art. 77 º O discente tem um prazo máximo de noventa dias para entregar, na Secretaria do Programa, os exemplares definitivos do trabalho, a contar da aprovação

Leia mais

Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs

Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs Prezado CAC (Colecionador, Atirador e Caçador), Todo o procedimento abaixo descrito está de acordo com o Decreto Federal Nº 3665 de 20/Nov/2000

Leia mais

MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14

MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14 MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 1 / 14 MA-GCF-002 Versão: 01 Vigência: 2013 Página: 2 / 14 ÍNDICE 1. Objetivo... 3 2. Direito de obtenção e utilização... 4 3. Sem direito ao benefício do passe

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES

REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES 1 REGULAMENTO GERAL DE CREDENCIAMENTO E EXPLORAÇÃO DE PÁTIOS REGULADORES DE CAMINHÕES Art. 1º - Este Regulamento Geral de Credenciamento e Exploração de Pátios Reguladores de Caminhões tem por finalidade

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - SEPROTUR Agencia Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal

Leia mais

2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA

2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA Superintendência da Receita Unidade de Fiscalização UNIFIS 2ª VIA ELETRÔNICA DE NOTAS FISCAIS DE COMUNICAÇÃO E ENERGIA ELÉTRICA Envio através da internet Orientações

Leia mais

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009)

Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Manual para Empreendimentos (Compilação das NT.DTE.004 a 009) Revisão de 06/03/2014 Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia Diretoria Técnica Gerência de Engenharia Página1 Este Manual objetiva reunir

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as exigências técnicas e a metodologia para a contratação de serviços técnicos

Leia mais

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros O que é o SISAUT/FC? MANUAL DO USUÁRIO O SISAUT/FC é o sistema por meio do qual são feitos os requerimentos para as autorizações

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público. Outubro/14

[CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público. Outubro/14 1 [CONFIDENCIAL] Manual para Formalização Consignado Público Outubro/14 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Ficha Cadastral... 4 3. CCB - Cédula de Crédito Bancário... 4 4. Identificação Civil (RG)... 5 5.

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Cemitérios - Licença Prévia (LP) - Avenida Nascimento de Castro,

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br V.9.15

Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br V.9.15 0 Central de Relacionamento: 0800 702 4231 Site: www.caixaseguradora.com.br 1 CONHEÇA O PASSO-A-PASSO PARA O PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DA SUA CARTA DE CRÉDITO Sumário 1. PRINCIPAIS ORIENTAÇÕES... 2 2. MODALIDADES

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11

TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E PARALELISMO Informações para Apresentação de Projeto Revisão 06/04/11 TRAVESSIA SUBTERRÂNEA E Em atenção à solicitação de autorização para construção de Travessia Subterrânea ou Apoio, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015 COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL PIBIC / FAPEMIG / FTM-2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: PIBIC/ FAPEMIG/FTM- 2015 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO

Leia mais

Sistema GML Gestão do Mercado Livre de Energia Elétrica

Sistema GML Gestão do Mercado Livre de Energia Elétrica Sistema GML Gestão do Mercado Livre de Energia Elétrica MANUAL DA DEVEC Declaração do Valor de Aquisição da Energia Elétrica em Ambiente de Contratação Livre Versão janeiro de 2016 1. Objetivo do Sistema

Leia mais

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO

PRÉ- REQUISITOS CADASTRO ELETRÔNICO CADASTRO ELETRÔNICO Abaixo seguem as orientações sobre os serviços mais utilizados do Cadastro no efisco - ARE Virtual. OBS: Use sempre o navegador Internet Explorer para acessar o efisco - ARE Virtual

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Manual de Procedimentos 1º TREINAMENTO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DE APOIO À PESQUISA Faculdade de Ciências Farmacêuticas Setembro 2012 Faculdade de Ciências Farmacêuticas 1

Leia mais

PROALBA. Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia.

PROALBA. Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia. PROALBA Programa de incentivo á cotonicultura do estado da Bahia. Roteiro para produtores iniciantes no programa 1º Passo O produtor deverá se credenciar junto a ABAPA Associação Baiana dos Produtores

Leia mais

Tema: Aprovação de Loteamentos Município de Franca. Palestrante: Nicola Rossano Costa

Tema: Aprovação de Loteamentos Município de Franca. Palestrante: Nicola Rossano Costa Tema: Aprovação de Loteamentos Município de Franca Palestrante: Nicola Rossano Costa Leis Municipais Plano diretor Lei Complementar nº 050/2003 e posteriores alterações Plano viário Lei complementar nº

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Orientações Gerais I AFASTAMENTO DO PAÍS

Orientações Gerais I AFASTAMENTO DO PAÍS Orientações Gerais O documento abaixo apresenta de forma objetiva quais os procedimentos necessários a uma missão internacional. Ressalta-se que considerando os prazos postos pelas instituições concedentes

Leia mais