Os seus direitos de segurança social. na Alemanha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os seus direitos de segurança social. na Alemanha"

Transcrição

1 Os seus direitos de segurança social na Alemanha

2 O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social (MISSOC). Estão disponíveis mais informações sobre a rede MISSOC em: O presente guia apresenta uma descrição geral do regime de segurança social aplicável no respetivo país. Pode obter mais informações através de outras publicações MISSOC disponíveis na hiperligação supramencionada; pode igualmente contactar as autoridades e instituições competentes enunciadas no anexo do presente guia. A Comissão Europeia, ou qualquer pessoa que atue em seu nome, declina toda a responsabilidade pela utilização que possa ser feita das informações constantes da presente publicação. União Europeia, 2012 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte. Julho de 2012r 2

3 Índice Capítulo I: Introdução, organização e financiamento... 5 Introdução... 5 Organização da proteção social... 7 Financiamento... 8 Capítulo II: Cuidados de saúde...10 Aquisição do direito aos cuidados de saúde...10 Cobertura...10 Acesso aos cuidados de saúde...12 Capítulo III: Prestações pecuniárias por doença...14 Aquisição do direito a prestações pecuniárias por doença...14 Cobertura...14 Acesso às prestações pecuniárias por doença...14 Capítulo IV: Prestações por maternidade e por paternidade...16 Aquisição do direito a prestações por maternidade ou por paternidade...16 Cobertura...16 Acesso às prestações por maternidade e paternidade...16 Capítulo V: Prestações por invalidez...17 Aquisição do direito a prestações por invalidez...17 Cobertura...18 Acesso às prestações por invalidez...18 Capítulo VI: Pensões e prestações por velhice...19 Aquisição do direito a prestações por velhice...19 Pensão de velhice do regime geral (Regelaltersrente)...19 Cobertura...20 Acesso às prestações por velhice...20 Capítulo VII: Prestações por sobrevivência...21 Aquisição do direito a prestações por sobrevivência...21 Cobertura...21 Acesso às prestações por sobrevivência...22 Capítulo VIII: Prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais...23 Aquisição do direito a prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais...23 Cobertura...23 Acesso às prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais...25 Capítulo IX: Prestações familiares...26 Aquisição do direito a prestações familiares...26 Cobertura...27 Acesso às prestações familiares...27 Capítulo X: Desemprego...29 Aquisição do direito a prestações por desemprego...29 Cobertura...30 Acesso às prestações por desemprego...31 Capítulo XI: Recursos mínimos...32 Aquisição do direito a prestações de recursos mínimos...32 Cobertura...32 Acesso às prestações de recursos mínimos...33 Capítulo XII: Cuidados de longa duração...34 Aquisição do direito a cuidados de longa duração...34 Cobertura...35 Acesso a cuidados de longa duração...36 Julho de 2012r 3

4 Anexo : Informações de contacto das instituições e endereços úteis na Internet...37 Julho de 2012r 4

5 Capítulo I: Introdução, organização e financiamento Introdução A segurança social na Alemanha comporta legalmente cinco ramos: o seguro de doença, o seguro de dependência, o seguro de pensão, o seguro de acidentes e o seguro de desemprego. No presente capítulo explicar-se-á, relativamente a cada um destes ramos, quem são os seguradores e os segurados, bem como os processos de declaração e de contribuição. O seguro social dos agricultores, o seguro dos artesãos e a segurança social dos artistas e jornalistas também não são referidos no presente guia. Sobre estes casos específicos, pode obter mais informações nas instituições seguradoras competentes. As instituições seguradoras criaram organismos de ligação para as relações com os outros Estados-Membros da UE no domínio da segurança social. Se tiver problemas ou dúvidas relativamente à segurança social na Alemanha ou noutro ou noutros Estados- Membros, consulte o organismo de ligação competente. Com exceção de muito poucas profissões (por exemplo, funcionários públicos, juízes e soldados), todos os trabalhadores são obrigados a subscrever um seguro. Contrariamente, as pessoas que ocupam um posto de trabalho com uma remuneração não superior a 400 euros, bem como os empregados a curto prazo que trabalham menos de 50 dias durante o ano civil, estão isentas do seguro. O seguro de desemprego permite igualmente, em princípio, a manutenção voluntária deste seguro, mediante pedido endereçado ao Serviço Federal de Emprego. É necessário para tal que o interessado, durante os 24 meses que precedem o início de uma atividade independente, se tenha sujeito durante 12 meses à obrigação de seguro ou recebido subsídios de desemprego. Para qualquer informação ou conselho, dirija-se à sua agência local de emprego. Para além dos ramos da segurança social supramencionados, existe ainda a assistência social pública, as prestações mínimas em benefício dos candidatos a emprego, por velhice ou em virtude de uma eventual redução da capacidade de ganho, bem como diversas prestações familiares e subsídios de alojamento. O procedimento da declaração Assim que começar a trabalhar, a sua entidade patronal tomará as medidas necessárias para a sua inscrição na segurança social. Será inscrito na caixa de seguro de doença (Krankenkasse), que informará as instituições seguradoras de cuidados de longa duração, pensões e de desemprego competentes. Receberá um número de seguro, sob o qual a instituição de seguro de pensões registará os seus períodos de seguro e as suas contribuições de segurança social. Quando inicia a sua atividade profissional, recebe do organismo de seguro de pensão um cartão de beneficiário (SV Ausweis) de que consta o seu apelido, o seu apelido de solteiro(a), o seu nome e o seu número de beneficiário da segurança social. Em certas profissões (por exemplo, na construção), deverá trazer consigo documentos de identificação (passaporte, bilhete de identidade) durante as horas de trabalho. Será informado pela entidade patronal. Julho de 2012r 5

6 As pessoas a quem é atribuído um novo número de seguro recebem pouco depois uma notificação que lhes indica qual o organismo de seguro de pensão competente no seu caso. Os trabalhadores independentes devem inscrever-se diretamente na caixa de doença competente. Julho de 2012r 6

7 Organização da proteção social Seguro de pensões legal O seguro de pensão legal (Gesetzliche Rentenversicherung) é gerido pelo Instituto Federal do Seguro de Pensão Alemão (Deutsche Rentenversicherung Bund), pelos Institutos Regionais do Seguro de Pensão Alemão (Regionalträger der Deutschen Rentenversicherung), pelo Seguro de Pensão Alemão dos Mineiros, Ferroviários e Trabalhadores Marítimos (Deutsche Rentenversicherung Knappschaft-Bahn- See) e pelas Caixas de Pensões de Velhice dos Agricultores (Landwirtschaftliche Alterskassen). Seguro de doença legal O seguro de doença legal (Gesetzliche Krankenversicherung) é gerido por cerca de 145 caixas de seguro, umas com intervenção a nível regional (por exemplo, os fundos de seguro de doença locais, Ortskrankenkassen) e outras com intervenção a nível nacional (por exemplo, a maioria das caixas supletivas, Ersatzkassen). Estas caixas estão abertas a todos os segurados, independentemente da sua profissão ou da empresa que os emprega, com exceção das caixas para agricultores. Com exceção de algumas categorias especiais (por exemplo, funcionários públicos, juízes e militares) todos os trabalhadores são obrigados a subscrever um seguro, exceto se a sua remuneração for superior ao limite máximo fixado anualmente em um ano. No caso do emprego precário, estão previstas normas especiais. As caixas de seguro de doença gerem a cobrança da totalidade das contribuições e quotizações para todos os ramos da segurança social. Seguro de dependência legal Cada caixa de seguro de doença legal criou um fundo de seguro de dependência independentemente responsável por atribuir prestações a beneficiários que carecem de cuidados de longa duração. Todos os beneficiários de uma caixa de seguro de doença estão cobertos contra o risco de necessidade de cuidados de longa duração pela mesma caixa. Os beneficiários de seguros de doença privados devem celebrar um contrato privado de seguro de dependência. (Além disso, é possível celebrar um contrato de seguro de dependência voluntário com seguradoras privadas). Seguro de acidentes legal As entidades responsáveis pelo seguro de acidentes legal (Gesetzliche Unfallversicherung) são os institutos de seguros de acidentes do setor industrial e agrícola (Berufsgenossenschaften) e os institutos de seguros de acidentes do setor público. Seguro de desemprego legal O seguro de desemprego legal (Gesetzliche Arbeitslosenversicherung) é obrigatório e é da competência da Agência Federal de Emprego (Bundesagentur für Arbeit, BA). Os serviços deste organismo desenvolvem-se na sede, nas direções regionais e nas agências locais. O seguro de desemprego legal é aplicável por direito próprio e abrange todos os trabalhadores (operários, funcionários, estagiários e jovens com deficiência). Julho de 2012r 7

8 Autonomia administrativa Cada um dos ramos da segurança social é regulado pelas instituições de seguros segundo o princípio da autonomia administrativa. Para esse fim, as instituições de seguros estabelecem organismos autorregulados (no âmbito de reuniões de representantes e reuniões de conselhos ou conselhos de administração), compostos por igual número de representantes das entidades empregadoras e dos segurados. No domínio do seguro de desemprego, estão incluídos representantes do setor público como terceira parte interessada. Os membros dos organismos autorregulados são eleitos rotativamente para mandatos de seis anos pelas entidades empregadoras e os segurados. Fiscalização As instituições de seguros sociais autorreguladas são, legalmente e de acordo com quaisquer outras legislações aplicáveis, as responsáveis pelo cumprimento dos seus deveres. Estão sujeitas a supervisão estatal, que é exercida pelas autoridades fiscalizadoras. As instituições de seguros sociais cuja jurisdição abranja mais de três Länder estão normalmente sujeitas a uma supervisão por parte do Serviço Federal dos Seguros (Bundesversicherungsamt). As outras instituições de seguros (ao nível do Länder) são fiscalizadas pelo Estado federado (Land) onde se situam. A sua instituição de seguros irá informá-lo sobre o organismo fiscalizador relevante para si. Sempre que o Instituto Federal do Seguro de Pensão Alemão seja responsável por questões básicas e funções horizontais, a supervisão está normalmente a cargo do Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais e do Serviço Federal dos Seguros. Financiamento O sistema de segurança social é financiado pelas contribuições pagas pelas entidades patronais e pelos trabalhadores por conta de outrem e pelas receitas fiscais gerais. Enquanto trabalhador, se exerce uma atividade cujos rendimentos são superiores a um nível marginal, deve pagar quotizações para o seguro de doença, o seguro de dependência, o seguro de desemprego e o seguro de pensão. O montante da sua quotização para cobertura por seguro legal é determinado através de uma percentagem sobre a sua remuneração. 53% da contribuição é paga por si e 47% pela sua entidade patronal. Em contrapartida, os trabalhadores independentes suportam a totalidade da sua quotização para os seguros de doença, dependência e pensão. As contribuições para o seguro de acidentes estão a cargo, exclusivamente, da entidade patronal. A sua entidade patronal é responsável pelo cálculo e pelo pagamento das contribuições e deduzirá a sua parte nas remunerações. Mantém a sua percentagem da contribuição e paga as contribuições gerais dos seguros sociais (isto é, as contribuições para seguros de doença, de dependência, pensões e desemprego. A contribuição total para o seguro de doença representa atualmente 15,5% da sua remuneração, até ao limite de um montante fixado anualmente (o limite máximo para o cálculo das contribuições é de euros por ano). 7,3% da contribuição está a cargo da entidade patronal. Se os requisitos financeiros das respetivas caixas de seguro de doença não estiverem cobertos pela contribuição associada aos rendimentos, as caixas de seguro podem cobrar uma contribuição suplementar independente dos rendimentos. Se o valor médio da contribuição suplementar do Julho de 2012r 8

9 seguro de doença legal exceder 2% da sua remuneração sujeita a contribuições, tem direito a uma compensação social (Sozialausgleich). A taxa de quotização para o seguro de dependência (Pflegeversicherung) é de 1,95%. Os segurados nascidos após 1940 sem filhos pagam ainda, ao atingirem 23 anos de idade, um suplemento de quotização de 0,25%. O limite máximo no regime legal obrigatório do seguro de doença e do seguro de dependência era de euros por ano. A quotização para o seguro de pensão eleva-se a 19,60% da remuneração, até ao limite do cálculo das quotizações ( euros por ano nos antigos Länder e euros por ano nos novos Länder). Metade da contribuição está normalmente a cargo da entidade patronal. A contribuição para o seguro de desemprego eleva-se a 3,0% do seu salário, até ao limite do cálculo das contribuições aplicável ao seguro de desemprego. Metade da contribuição está a cargo da entidade patronal e a outra metade está a cargo do trabalhador. Não é devida qualquer quotização para beneficiar das prestações familiares (financiadas por fundos públicos). Julho de 2012r 9

10 Capítulo II: Cuidados de saúde Aquisição do direito aos cuidados de saúde Toda a população está obrigada (exceto quando o rendimento ultrapassa o limite de euros para seguros obrigatórios) a inscrever-se num seguro de saúde legal ou privado. Têm direito a prestações: trabalhadores por conta de outrem e os indivíduos que se encontrem em formação profissional, incluindo estagiários; os pensionistas que tenham cumprido o período legal de seguro; desempregados que recebem subsídios de desemprego; as pessoas com deficiência em empregos protegidos; as pessoas que se encontrem em reabilitação profissional e as pessoas em formação profissional em instituições de formação especial de apoio aos jovens (Jugendhilfe); estudantes inscritos em cursos superiores reconhecidos; agricultores e familiares que os auxiliem; artistas e escritores; pessoas sem qualquer outro direito à prestação de serviços de saúde (em determinadas condições). Não é estipulado qualquer período mínimo de desconto. Cobertura Exames preventivos No âmbito das medidas de rastreio de doenças, tem direito, juntamente com os membros da sua família, aos exames médicos preventivos seguintes: exames para o rastreio de doenças infantis até ao fim do 6.º ano de idade e até ao fim do 10.º ano; exames anuais para o rastreio de cancro, para mulheres a partir dos 20 anos e homens a partir dos 45 anos; de dois em dois anos, um exame médico geral de rastreio, que incide especialmente nas doenças cardiovasculares e renais ou da diabetes para segurados com mais de 35 anos. Cuidados de saúde Enquanto estiver segurado, tem direito, juntamente com os membros da sua família, a assistência de médicos de clínica geral, especialistas e dentistas. Trimestralmente, um adulto tem de pagar uma taxa especial (Praxisgebühr) de 10 euros por cada primeira consulta de um médico ou dentista. Não é necessário pagar Julho de 2012r 10

11 esta taxa especial (Praxisgebühr) caso tenha sido encaminhado por outro médico durante o mesmo trimestre, bem como nas consultas de rotina bianuais no dentista. Medicamentos e aparelhos e próteses Pode obter os medicamentos em qualquer farmácia apresentando uma receita passada por um médico convencionado. Regra geral, por cada medicamento comprado na farmácia deve ser pago um suplemento igual a 10% do preço de venda, com um mínimo de 5 euros e um máximo de 10 euros; todavia, o suplemento não pode ser superior ao preço do medicamento. Não têm comparticipação os medicamentos para as constipações e gripes, incluindo os produtos farmacêuticos para o respetico tratamento, como medicamentos para o congestionamento nasal, analgésicos, medicamentos para a tosse e a expetoração, produtos terapêuticos para a boca e a garganta, com exceção de infeções fúngicas, laxantes e produtos farmacêuticos contra enjoos em viagens. Estão igualmente excluídos da cobertura do seguro os produtos farmacêuticos destinados essencialmente a aumentar a qualidade de vida. Especialmente isentos estão os produtos farmacêuticos destinados ao tratamento da disfunção erétil, para estímulo e aumento da potência sexual, para deixar de fumar, para perda de peso ou limitação do apetite, bem como para regulação do peso corporal ou aumento do crescimento de cabelo. Os medicamentos vendidos sem receita médica não têm, geralmente, comparticipação, mas existem exceções à regra. Por exemplo, os medicamentos para crianças até aos 12 anos com deficiências do desenvolvimento, bem como os produtos farmacêuticos que, de acordo com as orientações do Comité Misto Federal (Gemeinsamer Bundesausschuss), estão indicados na terapêuticapadrão do tratamento de doenças graves, são (parcialmente) reembolsados. Os segurados têm igualmente direito a tratamentos paramédicos (fisioterapia, logopedia, terapia ocupacional, quiropodia). Os segurados devem pagar um suplemento de 10% dos custos, acrescido de 10 euros por prescrição. A caixa de seguro de doença cobre igualmente o custo de auxiliares auditivos clinicamente necessários, próteses e outros aparelhos no momantante dos preços contratados, se necessário, até um limite fixo. Os segurados adultos têm apenas um direito limitado a equipamentos oftalmológicos. O fornecimento dos aparelhos requer a aprovação prévia por parte da caixa de seguro de doença, caso não estão isentados pela caixa. O suplemento para dispositivos auxiliares e aparelhos corresponde a 10% do preço, com um mínimo de 5 euros e um máximo de 10 euros; todavia, o suplemento não pode ser superior ao preço do produto adquirido. O valor do suplemento destinado a dispositivos auxiliares para consumo está limitado a 10 euros para o abastecimento mensal dos mesmos. Cuidados dentários As caixas de seguro de doença compaticipa a 100% os tratamentos dentários cirúrgicos e de conservação. Para os tratamentos de ortodôncia (prevenção e correção de um mau alinhamento do maxilar ou do dente), o beneficiário paga 20% do total, que é reembolsado pela caixa de seguro de doença após a conclusão do tratamento. A comparticipação nos cuidados ortodônticos necessários de segurados com menos de 18 anos (em alguns casos, abrangendo igualmente pessoas com mais idade) é de 100%. Julho de 2012r 11

12 Os segurados recebem subsídios fixos baseados em diagnósticos para dentaduras e coroas, que correspondem a 50% dos custos do tratamento normal, designada como prestação (Regelleistung) normal. O subsídio fixo aumenta nos casos de uma prevenção regular comprovada. Para além do subsídio fixo, têm direito ao mesmo montante os segurados cujos rendimentos sejam inferiores a um determinado limite. Têm igualmente direito a prestações normais clinicamente necessárias a um custo razoável. Cuidados no domicílio e ajuda no trabalho doméstico Se a situação do seu agregado familiar não permitir que nenhum dos seus membros lhe ministre os cuidados necessários, a sua caixa de seguro de doença, para além da assistência médica, pagará os cuidados de enfermagem a dispensar no domicílio por pessoal qualificado. Contudo, apenas tem direito a estes cuidados se for necessário, mas não exequível, um tratamento em meio hospitalar, ou se o referido tratamento puder ser evitado ou encurtado pelos cuidados no domicílio. Em princípio, o direito aos cuidados no domicílio está limitado a quatro semanas por cada doença. Em princípio, o direito a receber ajuda no trabalho doméstico está limitado a quatro semanas por episódio de doença se, devido à sua doença, não puder executar as tarefas domésticas. Todavia, esta prestação só é concedida se fizer parte do agregado familiar uma criança menor de 12 anos ou deficiente que não possa ficar a cargo de outra pessoa em casa. Tratamento hospitalar Tem direito a todos os tratamentos hospitalares de que precisar. A necessidade de tratamento hospitalar deve ser confirmada por uma declaração do seu médico. Com exceção de casos de urgência, deve apresentar previamente um pedido à sua caixa de seguro de doença para a cobertura das despesas. Por um período máximo de 28 dias por ano civil, tem de pagar um pequeno montante (10 euros) por dia de hospitalização. Custos de deslocação Sob determinadas condições, as despesas de deslocação efetuadas para receber assistência médica podem ser total ou parcialmente pagas pela caixa de seguro de doença. Os segurados pagam 10% das despesas de deslocação, com um mínimo de 5 euros e um máximo de 10 euros por deslocação. Acesso aos cuidados de saúde Antes de qualquer consulta, deve apresentar ao médico um cartão de seguro de doença (Krankenversicherungskarte). Em caso de urgência, o médico trata-o sem exigir o cartão; nesse caso, deve apresentar o cartão de seguro de doença nos 10 dias seguintes. Os cuidados são prestados por médicos ou dentistas convencionados com as caixas de doença - mais de 90% dos médicos -, de entre os quais poderá escolher aquele que pretende, no início do tratamento ou de cada trimestre. Poderá encontrar uma lista dos médicos convencionados na caixa de seguro de doença em que está inscrito. Julho de 2012r 12

13 Se o seu médico considerar necessário enviá-lo a um especialista, a uma policlínica ou a um estabelecimento similar, passa-lhe uma credencial (Überweisungsschein). Julho de 2012r 13

14 Capítulo III: Prestações pecuniárias por doença Aquisição do direito a prestações pecuniárias por doença Na Alemanha, se for um trabalhador por conta de outrem e ficar incapacitado para trabalhar devido a doença, o seu empregador continuará a pagar o seu salário independentemente do seu horário de trabalho semanal ou mensal. O direito à continuação do pagamento do salário (Entgeltfortzahlung) só existe se a relação laboral durar há quatro semanas, sem interrupções. Cobertura Em geral, em caso de incapacidade para o trabalho devido a doença, a sua entidade patronal continuará a pagar-lhe o salário durante as primeiras seis semanas de incapacidade. As pessoas doentes cujo salário não é pago pela entidade patronal, ou deixa de o ser, têm direito a prestações pecuniárias (Krankengeld) concedidas pela caixa de seguro de doença. Esta prestação é igual a 70% do salário habitual (Regelentgelt), mas não pode ultrapassar 90% do montante líquido desta remuneração. As prestações pecuniárias de doença são pagas até ao fim do período de incapacidade para o trabalho coberto por um certificado médico. No entanto, para a mesma doença, as prestações pecuniárias só podem ser concedidas durante um máximo de 78 semanas, ao longo de um período de 3 anos. Uma vez decorrido o período de três anos, poderá considerar-se, em determinadas condições, o pagamento por um novo período de três anos. Se receber outras prestações, nomeadamente pensão por invalidez total ou profissional, ou prestações concedidas no estrangeiro, as prestações pecuniárias por doença serão suprimidas ou reduzidas. Acesso às prestações pecuniárias por doença Quando ficar doente, deve comunicar imediatamente à sua entidade patronal a doença e a sua duração provável. Se a sua incapacidade para trabalhar durar mais de três dias, tem de entregar um atestado médico à sua entidade patronal, o mais tardar no quarto dia de doença. O direito a prestações pecuniárias por doença existe, em princípio, a partir do dia seguinte àquele em que o médico determinou a incapacidade para o trabalho. O atestado médico deverá indicar a duração esperada da incapacidade para o trabalho. Este atestado tem de ser entregue à sua entidade patronal. Se for convocado para um exame médico, deve comparecer pontualmente. Se, sem razões válidas, faltar a um exame médico para que foi chamado, pode perder as prestações pecuniárias por doença. Julho de 2012r 14

15 Se estiver a receber outra prestação (por exemplo, uma pensão) ou se a doença resultar de um acidente de trabalho ou de uma doença profissional, deve informar a sua caixa de seguro de doença. Enquanto durar a sua incapacidade para o trabalho, não pode sair da Alemanha sem autorização da sua caixa de doença, de contrário pode ser financeiramente prejudicado. O seu direito a prestações pecuniárias em caso de doença de um filho Se está coberto por um seguro de doença legal e o seu filho (até aos 12 anos de idade) está doente e necessita de cuidados (conforme atestado por um médico), tem direito a prestações por doença durante um máximo de 10 dias úteis por criança (no total, num máximo de 25 dias úteis) em cada ano civil, desde que não haja outra pessoa no seu agregado familiar que possa cuidar da criança. Julho de 2012r 15

16 Capítulo IV: Prestações por maternidade e por paternidade Aquisição do direito a prestações por maternidade ou por paternidade Todas as mulheres que têm direito a prestações em espécie de doença, têm também direito a cuidados de saúde durante a gravidez e depois do parto. As mulheres cobertas por um seguro de doença legal recebem um subsídio de maternidade de 13 euros por dia durante a licença de maternidade e pelo dia do parto, se tiverem direito a prestações por doença em caso de incapacidade para o trabalho ou se não for paga qualquer remuneração durante a licença de maternidade. As trabalhadoras por conta de outrem que não estiverem, elas próprias, cobertas por um seguro de doença legal (por exemplo, mulheres com seguro privado ou mulheres cobertas pelo seguro de doença legal com base num direito derivado ( familienversichert ) recebem, no total, um subsídio de maternidade no montante máximo de 210 euros, pagos pelo Estado Federal. Cobertura As prestações em espécie de maternidade incluem: assistência por um médico e por uma parteira durante a gravidez e após o parto; assistência por uma parteira e, se necessário, por um médico durante o parto; medicamentos, ligaduras e outros auxiliares médicos e materiais terapêuticos; pagamento das despesas em caso de parto em estabelecimento autorizado; direito a cuidados no domicílio; ajuda à família. O subsídio de maternidade é pago nas seis semanas que antecedem o parto e nas oito semanas que se lhe seguem (12 semanas em caso de nascimento prematuro ou nascimento múltiplo). Em caso de nascimento prematuro, a licença de maternidade após o parto é prolongada pelo período equivalente aos dias que não puderam ser gozados antes do parto. O seu montante depende do seu salário e não pode ser superior a 13 euros por dia de calendário. A diferença entre este subsídio e o seu salário líquido será paga pela sua entidade patronal. Acesso às prestações por maternidade e paternidade Se está grávida, deve obter um cartão de maternidade (Mutterschaftspass) onde encontrará indicações sobre os exames médicos a fazer. Julho de 2012r 16

17 Capítulo V: Prestações por invalidez Aquisição do direito a prestações por invalidez Todas as pessoas sujeitas a seguro de pensão obrigatório (isto é, todos os trabalhadores por conta de outrem e determinados grupos de trabalhadores independentes cujos rendimentos são superiores a um nível marginal) estão segurados em caso de invalidez. Pensão por invalidez geral (Erwerbsminderung) Esta pensão é concedida se um segurado, na sequência da redução da sua capacidade de ganho por razões de saúde, deixar de estar em condições de exercer uma atividade nas condições normais do mercado de trabalho durante pelo menos seis horas (pensão por incapacidade parcial de ganho) ou pelo menos três horas (pensão por incapacidade total de ganho) por dia. Para ter direito a esta pensão, deve ter pago quotizações para o seguro obrigatório durante pelo menos 60 meses ( prazo de garantia ). Além disso, deve ter estado inscrito no seguro obrigatório durante três anos durante os cinco anos anteriores ao início da invalidez. Este período de cinco anos pode ser acrescido, por exemplo, dos períodos de incapacidade para o trabalho, de desemprego, de formação escolar e de educação dos filhos. Se o segurado ficar inválido menos de seis anos depois de concluir uma formação académica ou profissional, as condições de garantia são menos rigorosas. Pensão por invalidez parcial (teilweise Erwerbsminderung) A título da proteção da confiança, os segurados podem igualmente requerer uma pensão por redução parcial da capacidade de ganho se satisfizerem as condições previstas na legislação aplicável aos seguros, se tiverem nascido antes de 2 janeiro de 1961 e se uma redução da sua capacidade de ganho por razões de saúde os impedir de trabalhar pelo menos durante seis horas por dia na sua profissão atual ou noutra profissão que seja aceitável para eles. Limites de rendimentos adicionais Se trabalhar e auferir rendimentos para além da sua pensão, isso pode levar à perda da pensão. Deve sempre consultar a instituição de seguro de pensões competente antes de iniciar uma atividade remunerada. Normas especiais para mineiros Se é mineiro, considera-se que a sua capacidade para o trabalho diminuiu se deixar de poder exercer normalmente a sua atividade mineira anterior ou uma atividade semelhante, a não ser que exerça uma atividade equivalente fora do setor mineiro. Os rendimentos do trabalho adicionais auferidos de uma atividade economicamente não equivalente ao emprego anterior não têm consequências para a sua pensão. A partir dos 50 anos, os mineiros têm direito a uma pensão, se deixarem de exercer uma atividade economicamente equivalente ao trabalho anterior como mineiros. Julho de 2012r 17

18 Todavia, para ter direito a esta pensão, deve ter cumprido um período de garantia de 25 anos. Medidas de reabilitação Na legislação relativa às pensões, privilegia-se a reabilitação em detrimento da pensão. Se for possível manter e melhorar a capacidade de ganho do segurado através de medidas de reabilitação, a instituição de seguro de pensões concederá em primeiro lugar serviços de reabilitação médica ou profissional, em vez de uma pensão. Cobertura O montante da sua pensão depende do montante das contribuições de segurança social pagas durante toda a sua carreira contributiva. Para além dos períodos de contribuição, outros períodos isentos de contribuição ou em que houve uma contribuição reduzida podem aumentar o montante da pensão. Acesso às prestações por invalidez Por princípio, as pensões só são concedidas mediante a apresentação de um requerimento. O pedido deve ser apresentado à instituição de segurança social competente. Julho de 2012r 18

19 Capítulo VI: Pensões e prestações por velhice Aquisição do direito a prestações por velhice Todas as pessoas sujeitas a seguro de pensão obrigatório (isto é, todos os trabalhadores por conta de outrem e determinados grupos de trabalhadores independentes com uma remuneração superior ao salário mínimo) estão cobertas pelo seguro de velhice. A pensão de velhice é concedida como uma contrapartida pelo trabalho desempenhado ao longo da sua vida ativa. Para ter direito a ela, o beneficiário deverá ter atingido uma determinada idade e ter cumprido um período mínimo de seguro (o prazo de garantia geral é de cinco anos de quotizações e de períodos de substituição). Todos os meses civis em que pagou quotizações ou cuidou de uma criança menor de três anos contam para os períodos mínimos de seguro de 5, 15 e 25 anos. Para o período de aquisição dos direitos de 35 anos, são tidos em conta todos os períodos que dão direito a pensão. É o caso, por exemplo, de períodos de formação e de períodos de educação de um filho com menos de dez anos. Se, ao atingir a idade da pensão, reduzir a sua atividade profissional, pode optar pela reforma parcial, isto é, receber a pensão de velhice sob a forma de pensão parcial (um terço, metade ou dois terços da pensão completa). Pode também decidir não requerer a pensão. Se, aos 65 anos de idade, não tiver requerido uma pensão de velhice ou tiver requerido apenas uma pensão parcial, a pensão à taxa plena que lhe será paga posteriormente será acrescida de um montante igual a 0,5% por mês (6% por ano) do montante da fração cujo benefício não requereu. Pensão de velhice do regime geral (Regelaltersrente) A idade legal de reforma é gradualmente aumentada para os 67 anos no período de 2012 a 2029, processo que terá início com as pessoas nascidas em Para todos os nascidos após 1963, a idade legal de reforma será 67 anos. Os segurados poderão obter a reforma por inteiro aos 65 anos desde que tenham cumprido 45 anos de quotizações obrigatórias provenientes de trabalho e de cuidados, bem como de períodos de educação dos filhos até aos dez anos. Não existem limites para os rendimentos adicionais que pode auferir para além da pensão de reforma normal. Pensões antecipadas A idade de reforma para pensões antecipadas será ajustada à nova idade legal de reforma. Contudo, não haverá atualizações nos tipos de pensões que serão gradualmente extintos; nesses casos, a idade legal de reforma continuará a ser 65 anos. A reforma antecipada pode ser requerida a partir dos 63 anos após 35 anos de quotizações para o seguro de pensão, mediante uma redução do seu montante. Julho de 2012r 19

20 A pensão de velhice para pessoas com deficiência grave pode ser solicitada por segurados que tenham atingido os 65 anos de idade, sejam reconhecidos como deficientes profundos no início do pagamento da pensão e tenham completado o período de aquisição de direitos de 35 anos. Esta pensão pode ser paga antecipadamente, mediante uma redução do seu montante, a partir dos 62 anos de idade. Os segurados nascidos antes de 1 de janeiro de 1952 podem requerer uma pensão de velhice aos 63 anos, se: tiverem completado um prazo de garantia de 15 anos; tiverem quotizado a título obrigatório para um emprego ou trabalho segurado durante oito dos dez últimos anos antes do início da pensão; estiverem desempregados no início da pensão; tiverem estado desempregados durante 52 semanas no total após a idade de 58 anos e seis meses ou se tiverem trabalhado a tempo parcial por razões de idade (Altersteilzeitarbeit) durante, pelo menos 24 meses antes do início da pensão. Para compensar a maior duração dos pagamentos de pensão, a pensão é reduzida em 0,3% por cada mês que o beneficiário receber a pensão antes da idade legal de reforma (no caso da pensão por velhice para pessoas com deficiências graves, antes dos 65 anos). Existem normas especiais para os mineiros. Estes têm direito a uma pensão de velhice aos 60 anos, se tiverem cumprido um período mínimo de seguro de 25 anos. Pensão de velhice para mulheres As mulheres têm direito a uma pensão de velhice aos 60 anos, desde que tenham pago mais de 10 anos de quotizações obrigatórias depois de completarem 40 anos. O período mínimo de seguro é de dez anos. Contudo, as seguradas nascidas em 1952 ou mais tarde já não podem requerer esta pensão de reforma. Cobertura O montante da sua pensão depende sobretudo do montante das contribuições de segurança social pagas durante toda a sua carreira contributiva. Para além dos períodos de contribuição, outros períodos isentos de contribuição ou em que houve uma contribuição reduzida podem aumentar o montante da pensão. Acesso às prestações por velhice Por princípio, as pensões só são concedidas mediante a apresentação de um requerimento. O pedido deve ser apresentado à instituição de segurança social competente. Julho de 2012r 20

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Alemanha. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Alemanha. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social na Alemanha Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal O presente guia foi redigido e atualizado em estrita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl REGIMES de Previdência Social: - Trabalhadores por Conta de Outrem - Trabalhadores por Conta Própria/Independentes - Agentes da Administração Pública Central -

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suécia

Os seus direitos de segurança social. na Suécia Os seus direitos de segurança social na Suécia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Os seus direitos de segurança social na Eslovénia

Os seus direitos de segurança social na Eslovénia Os seus direitos de segurança social na Eslovénia Comissão Europeia Emprego, Assunto Sociais e Inclusão O presente guia foi redigido e actualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Noruega

Os seus direitos de segurança social. na Noruega Os seus direitos de segurança social na Noruega O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Grécia

Os seus direitos de segurança social. na Grécia Os seus direitos de segurança social na Grécia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Bulgária

Os seus direitos de segurança social. na Bulgária Os seus direitos de segurança social na Bulgária O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME ESPECIAL DE PROTEÇÃO NA INVALIDEZ (ESCLEROSE MÚLTIPLA, ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA), DOENÇA DE PARKINSON (DP), DOENÇA DE ALZHEIMER (DA), ENTRE OUTRAS). INSTITUTO DA SEGURANÇA

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações em Espécie (N27 v4.09) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Viuvez (7012 v4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional de

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Beneficiários

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suíça

Os seus direitos de segurança social. na Suíça Os seus direitos de segurança social na Suíça O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social (MISSOC).

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Lituânia

Os seus direitos de segurança social. na Lituânia Os seus direitos de segurança social na Lituânia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v 09) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social na Suíça Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.12) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.12) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Incapacidade Temporária por Doença Profissional (N07

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.09) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

Regulamento do Seguro Escolar

Regulamento do Seguro Escolar Regulamento do Seguro Escolar O presente documento constitui o Regulamento do Seguro Escolar a estabelecer no Colégio de S. Pedro e tem por base a legislação em vigor, nomeadamente, a Portaria n.º413/99,

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1971R1408 PT 28.04.2006 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CEE) N. o 1408/71 DO CONSELHO de 14 de Junho de 1971 relativo à aplicação

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil E O Governo da República Portuguesa

O Governo da República Federativa do Brasil E O Governo da República Portuguesa Ajuste Administrativo ao Acordo de Seguridade Social ou Segurança Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO. Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge NOVAS MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO Programa ESTAGIAR L, T e U (Resolução do Conselho de Governo nº 100/2015 de 15/07/2015) OBJETO O plano de estágios ESTAGIAR desenvolve-se em três programas: a) O ESTAGIAR

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4.15) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão por Velhice (7001 v4.04) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho Considerando que a protecção social visa assegurar o bem estar das pessoas, das famílias e das comunidades através de acções de

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Polónia

Os seus direitos de segurança social. na Polónia Os seus direitos de segurança social na Polónia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.07) PROPRIEDADE

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine Os seus direitos de segurança social no Listenstaine O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR FREQUÊNCIA DE ESTABELECIMENTO DE ENSINO ESPECIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N 39 - v4.12) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL Decreto do Governo n.º 44/85 Convenção entre a República Portuguesa e a República da Áustria em Matéria de Segurança Social e o respectivo Protocolo Final, feitos em Viena em 18 de Abril de 1985 O Governo

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+);

MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS. Medidas de Emprego. Sabugal, 9 de Abril de 2013 13-04-2013. Contrato Emprego Inserção + (CEI+); MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO APOIOS E INCENTIVOS Sabugal, 9 de Abril de 2013 Medidas de Emprego Contrato Emprego Inserção (CEI); Contrato Emprego Inserção + (CEI+); CEI Património; Medida Estímulo 2013; Estágios

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acordo de Segurança Social entre Portugal e o Brasil (N58 v1.1) PROPRIEDADE

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL Sexo FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL 1/9 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM ) Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Nascido em (data:) / /, estado civil: género:

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO Considerando que a velhice é uma das modalidades fundamentais da protecção social obrigatória, conforme vem referido no artigo

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

GUIA PRÁTICO RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO

GUIA PRÁTICO RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO Manual de GUIA PRÁTICO RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Rendimento Social de Inserção (8001 v4.23)

Leia mais

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO Manual de GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bolsa de Estudo (4010 v1.12) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Irlanda

Os seus direitos de segurança social. na Irlanda Os seus direitos de segurança social na Irlanda O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias

REQUERIMENTO. Apoio Social às Famílias REQUERIMENTO Apoio Social às Famílias Data Entrega Requerimento: / / Data Entrega documentos: / / N.º de processo: Informação técnica: Valor a conceder: Tipo de apoio a conceder: Despacho: / / O Presidente

Leia mais

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC)

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC) 1. Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas* As bolsas distinguem-se de acordo com a sua finalidade e o grau académico requerido para os bolseiros. Tipo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores A empresa tem de respeitar os direitos dos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma,

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento por Dependência (7013 v4.23) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE Maternidade, Paternidade, Adoção Guia da Parentalidade Ficha Técnica Autor: Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando que o Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U dirigido a jovens recém-licenciados, mestres

Leia mais

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo /

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Campus de Gualtar 4710-057 Braga P I - identificação e residência Nome: Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Nº de aluno: Data de nascimento / / Estado civil: Sexo:

Leia mais