MONITORAMENTO DE AR AMBIENTE E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO DE AR AMBIENTE E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR."

Transcrição

1 MONITORAMENTO DE AR AMBIENTE E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR. NO ENTORNO DO CORREDOR Radial Leste 2 SÃO PAULO, SP Elaborado para: Elaborado por: Consórcio SP Corredores Outubro de 2014 Página 1 de 31

2 ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS OBJETIVOS INTRODUÇÃO METODOLOGIA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR RESULTADOS Análise da Qualidade do Ar com dados CETESB CONCLUSÕES EQUIPE TÉCNICA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A: RESUMO RESOLUÇÃO CONAMA N O 03/ ANEXO B: CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO GfG ANEXO C: CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO TESTO 350XL ANEXO D: ART - CREA Página 2 de 31

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Ponto 1 de monitoramento do arambiente indicado em verde....6 Figura 2 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Pontos 2 e 3 de monitoramento do arambiente, indicados em verde....7 Figura 3 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Pontos 4 e 5 de monitoramento do arambiente, indicados em verde....8 Figura 4 Vista dos equipamentos de coleta do ar-ambiente no Ponto Figura 5 Vista inversa dos equipamentos de coleta do ar-ambiente no Ponto Figura 6 Vista dos equipamentos no Ponto Figura 7 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto Figura 8 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto Figura 9 Vista inversa da disposição dos equipamentos no Ponto Figura 10 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto Figura 11 Vista inversa da disposição dos equipamentos no Ponto Figura 13 Concentrações médias de CO para 16 e 17 de setembro 2014, Estação Dom Pedro II da CETESB Figura 14 Concentrações médias de NO 2 para 16 e 17 de setembro 2014, Estação Dom Pedro II da CETESB Página 3 de 31

4 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Parâmetros de coleta do ar-ambiente...9 Tabela 2: Data e horário das coletas de ar-ambiente Tabela 3: Localização dos pontos de amostragem Tabela 4: Concentrações obtidas nos Pontos 1 à Página 4 de 31

5 1. OBJETIVOS O objetivo deste monitoramento de ar ambiente é a obtenção de concentrações background de Monóxido de Carbono, Dióxido de Nitrogênio e Dióxido de Enxofre em cinco diferentes pontos no entorno do Corredor Radial Leste 2, em São Paulo - SP. Esta campanha é realizada antes do início das obras. Seus resultados servirão como base de comparação para as próximas campanhas que eventualmente poderão ser realizadas. Página 5 de 31

6 2. INTRODUÇÃO Este documento apresenta o relatório do Monitoramento do Ar Ambiente e Avaliação da Qualidade do Ar através de dados primários. A campanha de monitoramento do ar ambiente visa à avaliação da qualidade do ar próximo do local onde se propõe a construção do Corredor Radial Leste 2. As imagens mostradas na Figura 1, Figura 2, Figura 3, indicam os pontos de monitoramento do ar-atmosférico. Figura 1 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Ponto 1 de monitoramento do arambiente indicado em verde. Fonte: Consórcio Consbem (2014) Página 6 de 31

7 Figura 2 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Pontos 2 e 3 de monitoramento do arambiente, indicados em verde. Fonte: Consórcio Consbem (2014) Página 7 de 31

8 Figura 3 Imagem do Corredor Radial Leste 2. Pontos 4 e 5 de monitoramento do arambiente, indicados em verde. Fonte: Consórcio Consbem (2014) Página 8 de 31

9 3. METODOLOGIA Os parâmetros enfocados e seus respectivos equipamentos de coleta são apresentados na Tabela 1. Os padrões de qualidade do ar são apresentados no Anexo A, e uma descrição dos mesmos, abaixo. Tabela 1 Parâmetros de coleta do ar-ambiente Parâmetro Sigla Equipamento Metodologias Dióxido de Nitrogênio NO 2 ISO TESTO350XL Dióxido de Enxofre SO 2 ISO Duração das Coletas 1h/dia Monóxido de Carbono CO GfG 460 ISO Os certificados de calibração dos equipamentos GfG 460 e TESTO 350XL encontramse no Anexos B e Anexo C, respectivamente. O Anexo D apresenta a ART deste trabalho. Óxidos de Enxofre. Os óxidos de enxofre - SOx, são compostos em que o átomo de enxofre (S) se associa a diversos átomos de oxigênio (O). Este conjunto de gases sulfurosos costuma ser expresso na forma de SO 2, por determinação de norma. Desta forma, o TESTO360XL captura o SOx que é expresso na forma de SO 2, ou seja, assume-se que a totalidade dos SOx são SO 2. Esta hipótese conservadora permite a comparação das concentrações de SOx ao padrão ambiental (CONAMA 03/1990). Página 9 de 31

10 Óxidos de Nitrogênio - NOx. Os NOx são gases capazes de causar danos à saúde e ao meio ambiente. Além disso, o NO 2 atua como precursor para a formação do O 3 troposférico, que é o parâmetro que apresenta o maior número de ultrapassagens de padrão na RMSP, assim como em outros centros urbanos. Analogamente aos SOx, os óxidos de nitrogênio - NOx, são compostos em que o átomo de nitrogênio (N) se associa a diversos átomos de oxigênio (O), geralmente, na presença de calor. Este conjunto gasoso costuma ser expresso na forma de NO 2, ou seja, assume-se que a totalidade dos NOx são NO 2. Monóxido de Carbono - CO O Monóxido de Carbono - CO é um gás incolor, indoro e insípido. Geralmente, o CO é o resultado da combustão incompleta, podendo ser originado pelas indústrias, pelos veículos, por processos primitivos como a queima de resíduos agrícolas ou do lixo doméstico. A respiração dos animais também emite CO, sendo que no caso dos seres humanos esta emissão pode ser agravada pelo tabagismo. Altos níveis de CO estão associados a prejuízos aos reflexos, reduções da capacidade de se estimar intervalos de tempo, redução da capacidade do aprendizado, de trabalho e menor acuidade visual. A exposição a níveis agudos de CO, passíveis de ocorrer em espaços confinados, pode induzir ao coma e provocar a morte. Por outro lado, diretamente dos demais parâmetros, os danos provocados pelo CO não são cumulativos, de forma que o organismo se recupera num prazo de cerca de oito horas após a exposição a níveis inadequados (exceto nos casos de exposição aguda). Página 10 de 31

11 4. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Por se tratar de monitoramento anterior à instalação dos canteiros das obras, o empreendedor não dispõe de áreas com disponibilidade de energia elétrica, tampouco segurança para a permanência 24h/dia de equipamentos. Mediante esta falta de infraestrutura, foram utilizados equipamentos digitais e portáteis para as coletas e análises do ar-ambiente. Nestes equipamentos, o suprimento de energia utilizado foi o automóvel, do que decorre a necessidade de se manter as coletas próximas ao mesmo. A Tabela 2 apresenta a data e os horários das coletas. Tabela 2: Data e horário das coletas de ar-ambiente Amostra Horário da Amostragem Data Inicial Final Ponto 1 2ªfeira, 29/09/14 13h41min 14h41min Ponto 2 2ªfeira, 29/09/14 14h48min 15h48min Ponto 3 3ªfeira, 30/09/14 08h47min 09h47min Ponto 4 3ªfeira, 30/09/14 10h16min 11h16min Ponto 5 3ªfeira, 30/09/14 13h56min 14h56min A Tabela 3 apresenta referências para posicionamentos dos equipamentos. Tabela 3: Localização dos pontos de amostragem Pon -tos Coordenadas em (m) 23K UTM X UTM Y Referências Rua Joaquim Marra, 684 X Rua Gaetano Landi Filho Av. Antônio Estevão de Carvalho X Rua Palmeiras dos Índios Rua Dr. Nilton Silva X Rua Dr. Luís Aires Rua Maciel Monteiro Rua Peixoto Werneck X Rua Dr. Luís Aires Página 11 de 31

12 A Figura 4 até Figura 11, a seguir, mostram a disposição dos equipamentos durante o período de amostragem de ar. Nestas se pode observar a proximidade dos pontos de coleta das vias de tráfego, aspecto conservador que decorreu da necessidade de posicionamento das coletas, explicado anteriormente. Figura 4 Vista dos equipamentos de coleta do ar-ambiente no Ponto 1. Página 12 de 31

13 Figura 5 Vista inversa dos equipamentos de coleta do ar-ambiente no Ponto 1. Figura 6 Vista dos equipamentos no Ponto 2 Página 13 de 31

14 Figura 7 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto 3. Figura 8 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto 4. Página 14 de 31

15 Figura 9 Vista inversa da disposição dos equipamentos no Ponto 4. Figura 10 Vista da disposição dos equipamentos no Ponto 5. Página 15 de 31

16 Figura 11 Vista inversa da disposição dos equipamentos no Ponto 5. Página 16 de 31

17 5. RESULTADOS As concentrações resultantes do processo de amostragem são apresentadas na Tabela 4. Os padrões de qualidade do ar e respectivos índices são apresentados no Anexo 1. Tabela 4: Concentrações obtidas nos Pontos 1 à 5 Horário CO 1h (ppm) CO 1h (µg/m 3 ) NO 2 1h (ppm) NO 2 1h (µg/m 3 ) SO 2 1h (ppm) SO 2 24h (µg/m 3 ) Ponto 1 0, , ,0 0,0 Ponto 2 0,4 91 0, ,0 0,0 Ponto 3 0,0 0 0, ,0 0,0 Ponto 4 0, , ,0 0,0 Ponto 5 0,0 0 0, ,0 0,0 Padrões Resolução CONAMA n o 03/1990 e Índice CETESB Padrão Primário N.D. N.D. Padrão Secundário Análise da Qualidade do Ar com dados CETESB. Para possível comparação com dados medidos em campo, foram obtidos através do site qualar.cetesb.sp.gov.br, os dados para o dia do monitoramento da estação CETESB mais próxima. Esta estação é Estação de Monitoramento de Qualidade do Ar (EMQA) Dom Pedro II, localizada no Parque Dom Pedro II, s/n, Palácio das Indústrias, Centro, com coordenadas 23k, me e ms; cujos dados estão disponibilizados na Figura 12, Figura 14. Infelizmente, a estação do Parque Dom Pedro II não apresentou dados para SO 2 nos dias do monitoramento. Página 17 de 31

18 µg/m 3 Média 1h Média 8h Figura 12 Concentrações médias de CO para 29 e 30 de setembro 2014, Estação Dom Pedro II da CETESB. hora µg/m 3 Média 1h Figura 13 Concentrações médias de NO 2 para 29 e 30 de setembro 2014, Estação Dom Pedro II da CETESB. hora Página 18 de 31

19 6. CONCLUSÕES Esta campanha foi realizada antes do início das obras. Seus resultados servem como base de comparação para campanhas similares que eventualmente poderão ser realizadas. Os resultados do campo apresentados para o SO 2 e para o CO mostram atendimento aos respectivos padrões expressos na Resolução CONAMA n o 03/1990, em todos os Pontos, de 01 à 05. No caso do CO, qualitativamente, os resultados do campo foram os mesmos da estação da CETESB mais próxima, ou seja, ambos os conjuntos de dados apresentaram conformidade ao padrão. No caso do SO 2, não foi possível comprar os resultados do campo aos da CETESB devido à indisponibilidade destes. Os resultados do campo apresentados para o NO 2 mostram ultrapassagens do padrão expressos na Resolução CONAMA n o 03/1990, em todos os Pontos, 01, 03, 04, 05. A concentração mais elevado, Ponto 3, pode ser classificada com Má, conforme índice mostrado no Anexo A, Tabela 2. A comparação destes resultados aos da estação da CETESB mais próxima, mostra que há divergência, pois na estação da CETESB o padrão foi atendido. Há algumas explicações para divergências entre os resultados do campo e da estação da CETESB do Parque Dom Pedro II, sendo a principal, a proximidade da captação do ar às fontes de emissão ora relatadas (Figura 4 a Figura 11), em oposição às das estações da CETESB, jamais adjacentes às vias de tráfego e à altura padrão de 3m acima do nível do solo. Página 19 de 31

20 7. EQUIPE TÉCNICA George Lentz César Fruehauf Sc.B. Matemática IM/UFRJ Sc.M. Meteorologia San Jose State U.;California EUA Ph.D. Geografia DG/FFLCH/USP. Eng. Ambiental Fac. Eng. / U.S.Marcos. CREB-SP: REGISTRO IBAMA: Daniel Constantino Zacharias Sc.B Meteorologia IAG/USP Sc.M Meteorologia IAG/USP CREB-SP: REGISTRO IBAMA: Décio Pavan Eng. Mecânica EEP/FME CREA-SP: REGISTRO IBAMA: Bianca Colicchio Eng a Ambiental IRN/UNIFEI REGISTRO IBAMA: Página 20 de 31

21 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONAMA 03/1990 Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente CETESB Qualidade do Ar (QUALAR). Acesso em: Página 21 de 31

22 ANEXO A: RESUMO RESOLUÇÃO CONAMA N O 03/1990 Página 22 de 31

23 Página 23 de 31

24 ANEXO B: CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO GfG 460 Página 24 de 31

25 Página 25 de 31

26 ANEXO C: CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO TESTO 350XL Página 26 de 31

27 Página 27 de 31

28 Página 28 de 31

29 ANEXO D: ART - CREA Página 29 de 31

30 Página 30 de 31

31 Página 31 de 31

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente Tema: As questões ambientais da Região Metropolitana de São Paulo Palestra: Estratégias de Proteção da Qualidade do Ar na RMSP Debatedor: Nelson Nefussi Consultor

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

Efeitos da poluição do ar

Efeitos da poluição do ar Efeitos da poluição do ar Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica - LAQUAM (Laboratório de Química Analítica Ambiental) Campus Universitário de Ondina, s/n, CEP:40-170-290, Salvador-BA

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

Aula II. Padrões de Qualidade do Ar

Aula II. Padrões de Qualidade do Ar Aula II Padrões de Qualidade do Ar Padrões de Qualidade do Ar ÍNDICES DE QUALIDADE DO AR (IQA) Classificação e Faixa do Índice PTS Média(24h) µg/m3 PM 1 Média(24h) µg/m3 SO 2 Média(24h) µg/m3 NO 2 Média(1h)

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O Programa de Controle e Monitoramento de Emissões Atmosféricas da Ferrovia Norte- Sul parte da premissa que as questões

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP V Encontro Nacional da Anppas 4 a 7 de outubro de 2010 Florianópolis - SC - Brasil Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP Louise

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e Resolução CONAMA nº XX, de XX de XXXX, de 20XX Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a resolução CONAMA nº 3/1990. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA,

Leia mais

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO Autor:Marcelo Camilli Landmann Aluno de doutorado do PROCAM/USP Programa de Ciência Ambiental Universidade de

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA SEMA/IAP Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2008 (D.O.E.PR. Nº 0000 DE 00/01/2008) Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa IAP/DEPAM nº 001/2008, referentes às diretrizes para apresentação

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO Esse roteiro foi elaborado com base no disposto na Resolução CONAMA 316/2002 e na Norma Técnica CETESB E15.011. Apresentar estudo de análise de alternativas

Leia mais

O AR QUE RESPIRAMOS. Desequilíbrios no Ar Atmosférico

O AR QUE RESPIRAMOS. Desequilíbrios no Ar Atmosférico O AR QUE RESPIRAMOS O homem respira cerca de 8 litros de ar por minuto quando em repouso e morre se ficar aproximadamente 5 minutos sem respirar. Isto bem demonstra como é importante esse material na vida

Leia mais

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo BASE LEGAL Decreto Estadual nº 59.113 de 23 de abril de 2013 Resolução CONAMA 03/90 PONTOS IMPORTANTES Novos padrões de qualidade do ar, conforme

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 Ac. Luís Carlos Lazzari luislazzari@yahoo.com.br Departamento de Engenharia e

Leia mais

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes { DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA Diretoria de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental Gerência da Qualidade

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A

RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A SPE FASHION CITY RUÍDO AMBIENTAL R.T 046/15-A PÁG. 1/21 RELATÓRIO TÉCNICO 046/15-A RUÍDO AMBIENTAL NATUREZA DO TRABALHO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA CLIENTE: SPE FASHION CITY BRASIL S/A RODOVIA:

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo

Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Limites de emissão e caracterização de poluentes atmosféricos no estado de São Paulo Marilin Mariano dos Santos marilin.mariano@gmail.com Pacto Engenharia e Meio Ambiente Resolução Conama n o 5 de 1989

Leia mais

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE Setembro de 2011 1. Avaliação da Qualidade do Ar entre 2005 e 2010 Da análise efectuada aos resultados

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Sumário Situação Atual de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Definição de URE Instrumentos Legais

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

II - Noções Gerais sobre Poluição Ambiental

II - Noções Gerais sobre Poluição Ambiental ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Química Geral I - Prof. Barbieri Capitulo I II - Noções Gerais sobre Poluição Ambiental II.1 Histórico Pode-se dizer que a evolução da poluição acompanhou

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS LABORATÓRIO DE CLIMATOLOGIA E ANÁLISE AMBIENTAL Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995 RESOLUÇÃO CONAMA nº 15, de 13 de dezembro de 1995 Publicada no DOU n o 249, de 29 de dezembro de 1995, Seção 1, páginas 22876-22877 Correlações: Altera a Resolução n os 18/86 e 3/89 para os limites de

Leia mais

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Relatório de Emissões Relatório Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Alexandre Filizola NEPA/SAR São José dos Campos, Junho de 2010 Objetivo Apresentar o trabalho que tem sido

Leia mais

3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3.

3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3. 3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3.5 REDES DE AMOSTRAGEM 3.5.1 Rede Automática 3.5.2 Redes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica

Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica 1 Guia do Professor do Objeto Poluição Atmosférica Unidade Curricular: Comportamento dos gases / funções inorgânicas - óxidos Módulo: Poluição atmosférica Atividade: Óxido e poluição atmosférica 1. Introdução

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Altera a redação de dispositivos do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 8.468, de 08 de setembro de 1976, que dispõe sobre o controle da poluição

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR Todas as atividades econômicas humanas geram poluição Quem vive nas grandes cidades, às vezes, enfrenta dias de pele irritada ou um incômodo nos olhos, sem uma razão aparente.

Leia mais

EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL

EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL Elisete Gomides Dutra 1, Edwan Fernandes Fioravante 1, Flávio Daniel Ferreira 1 1 Fundação Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA Determinações a serem observadas para a realização do monitoramento das emissões atmosféricas

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS MERCADO PAULISTA DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS Fabricio Dorado Soler Advogado do escritório Pinheiro Pedro Advogados, especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade de Saúde Pública da USP e pósgraduado em

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10 ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 501-1998; Fax: (0xx21) 241-1354 FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012)

ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012) ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012) Mariane Xavier Duarte(*), Juliano Bonatti * IFMT, e-mail: marianexadu@gmail.com RESUMO Poluentes atmosféricos

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk

Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk Oficina Pegada de carbono Brasilia, 9 & 10 Agosto 2011 Dan Epstein, Judith Sykes, Jo Carris Email: carbon@usefulsimple.co.uk +44 207 307 9262 3a. Como medir créditos de carbono? Parte 1: Definição de Escopo

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

SolidWorks Sustainability

SolidWorks Sustainability SolidWorks Sustainability A solução para um projeto sustentável no desenvolvimento de produtos 1. Torne a sustentabilidade parte integrante do seu processo de projeto O SolidWorks Sustainability fornece

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014 FISPQ nº: 001 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST FORMALINA 5 - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 1500; 1660; 2096; 2559; 2092; 2928; 2929;

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 1 Cenário Atual Poluição Local e Legislação Ambiental Óleo Diesel

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO

PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO PROPOSTA PARA NOVO CONAMA FONTES FIXAS LIMITES DE EMISSÃO PARA POLUENTES ATMOSFÉRICOS PROVENIENTES DE PROCESSOS DE REFINARIAS DE PETRÓLEO 1 - Ficam aqui definidos os limites de emissão para poluentes atmosféricos

Leia mais

Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas

Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas Engenheiro Mecânico Harald Blaselbauer A geração de calor para os processos de queima e secagem em cerâmicas vermelhas, realizada pela combustão

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO

Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO SÉRIE R E L AT Ó R I O S Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO 2 0 1 4 G O V E R N O D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O S E C R E T A R I A D O M E I O A M B I E N T E CETESB - C O M PA N H I A A

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Avenida

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO E QUALIDADE DO AR, E SEUS POSSÍVEIS EFEITOS SOBRE A SAÚDE HUMANA NA CIDADE DE BELÉM

AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO E QUALIDADE DO AR, E SEUS POSSÍVEIS EFEITOS SOBRE A SAÚDE HUMANA NA CIDADE DE BELÉM Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA POLUIÇÃO E QUALIDADE DO AR, E SEUS POSSÍVEIS EFEITOS SOBRE A SAÚDE HUMANA NA CIDADE DE BELÉM Lúcio Davi Moraes Brabo (*), Lyanne Tie Miyagawa * Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064

Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Verificação e Validação de Projetos e Inventários de Gases de Efeito Estufa conforme ISO14064 Nasario de S.F. Duarte Jr. Resumo:o mercado de créditos de carbono assume proporções econômicas elevadas, e

Leia mais

Estação São Caetano do Sul

Estação São Caetano do Sul DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS E ENGENHARIA AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE QUALIDADE AMBIENTAL DIVISÃO DE QUALIDADE DO AR Caracterização das Estações da Rede Automática de Monitoramento da Qualidade do Ar na

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Avaliação da Importância das Emissões de Gases Tóxicos de Blendas de Modacrilico e Algodão com Tratamento Retardande de Chama Angela C.

Avaliação da Importância das Emissões de Gases Tóxicos de Blendas de Modacrilico e Algodão com Tratamento Retardande de Chama Angela C. Avaliação da Importância das Emissões de Gases Tóxicos de Blendas de Modacrilico e Algodão com Tratamento Retardande de Chama Angela C. Vargas 3 de Setembro de 2013 Agenda Introdução O que e Modacrílico?

Leia mais

Centro de Produção Sines

Centro de Produção Sines Centro de Produção Sines Conferência Pacto para a Saúde e Ambiente Sines, 6 de Junho de 2007 Agenda A Central e as suas características O desempenho técnico e ambiental da Central As exigências legais

Leia mais

Usina Termelétrica Pampa Sul

Usina Termelétrica Pampa Sul 0 14/01/2015 Emissão Inicial AMA REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. EMPRESA: Usina Termelétrica Pampa Sul EMPREENDIMENTO: UTE Pampa Sul NO CONTRATO: NA TIPO: Atendimento a Condicionante

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

COPPE/UFRJ SUZANA KAHN

COPPE/UFRJ SUZANA KAHN COPPE/UFRJ SUZANA KAHN Economia Verde Indicadores de Transporte Indicadores de desenvolvimento sustentável precisam ser desenvolvidos para fornecer bases sólidas para a tomada de decisão em todos os níveis

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS INTRODUÇÃO Por iniciativa da Belgo Mineira Participação e da DaimlerChrysler - Juiz de Fora, e sob a interveniência da FEAM-MG, foi assinado termo aditivo com a UFJF, pelo qual as empresas cediam ao Laboratório

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais