ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE OUTORGAS DE USINA SOLAR FOTOVOLTAICA (UFV) NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE OUTORGAS DE USINA SOLAR FOTOVOLTAICA (UFV) NO BRASIL 2011-2014"

Transcrição

1 PRESS RELEASE ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE OUTORGAS DE USINA SOLAR FOTOVOLTAICA (UFV) NO BRASIL Total de 493 outorgas emitidas representado 13,23 GW em geração de energia elétrica a partir da fonte solar Lorena - SP 28 de outubro de 2014: A GeoDesign Projetos Sustentáveis tem o prazer de anunciar a publicação de uma página no seu site da Internet com análise e visualização da distribuição espacial e temporal de outorgas de usina solar fotovoltaica (UFV) emitidas pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) de 2011 a 2014, assim como aqueles habilitadas para o LER A GeoDesign vem rastreando a emissão de outorgas de usina solar fotovoltaica (UFV) pela ANEEL desde Até o momento, foram emitidas um total de aproximadamente 493 outorgas de UFV representando ,6 MW em geração de energia elétrica a partir da fonte solar. A outorga de usina solar fotovoltaica emitida pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) é o primeiro passo necessário para dar andamento ao desenvolvimento de empreendimentos deste tipo com capacidade acima de 1 MW no Brasil. Após a emissão da outorga as empresas detentoras de outorgas de UFV podem dar continuidade ao processo de desenvolvimento do projeto, como obtenção de impacto ambiental, conexão à rede de distribuição e licenças municipais, dentre várias outras. Após cumprir com todas as exigências, o empreendedor pode construir a UFV e comercializar a energia elétrica gerada a partir da fonte solar no ACL (Ambiente de Contratação Livre) ou participar de leilões do governo federal ou estadual para compra de energia elétrica, como o leilão de energia de reserva (LER) de 31 de outubro de A visualização da distribuição das 493 outorgas de UFV emitidas de 2011 a 2014 está disponibilizada através de camadas de informação pontual sobrepostas no Google Maps no seguinte URL: A visualização é iniciada com uma visão do território brasileiro. A localização das outorgas de UFV no Brasil é disponibilizada em uma camada de dados pontuais por ano. O usuário seleciona a camada de um o ano em particular que deseja visualizar a distribuição espacial da localização das outorgas para aquele ano, por exemplo Ou o usuário seleciona todas as camadas de todos os anos para visualizar a distribuição espacial de todas as outorgas emitidas de 2011 a Desta forma é possível visualizar a distribuição espacial e a variação temporal da localização das 493 outorgas de uma só vez. O usuário também pode visualizar a distribuição espacial das 399 outorgas de UFV que estão habilitadas para o Leilão de Energia de Reserva (LER) 2014, que será realizado no dia 31 de outubro de Ao clicar no ícone da localização da UFV outorgada abre uma janela mostrando os seguintes atributos: 1. Nome da UFV 2. Capacidade da UFV em MW 3. Município e UF onde está localizada a outorga da UFV 1

2 O banco de dados de outorgas de UFV da GeoDesign contém todos os dados de cada outorga: 1. Data de publicação no Diário da União (DOU); 2. Nome da UFV 3. Capacidade da UFV em MW 4. Município e UF onde está localizada a outorga da UFV 5. Coordenadas em Latitude e Longitude ou UTM 6. Número do despacho e processo da ANEEL 7. Dados da empresa detentora da outorga, como nome, endereço completo, CNPJ, site da web, e nome de contato Os banco de dados são atualizados diariamente conforme são publicadas no Diário Oficial da União (DOU) as emissões de novas outorgas ou são modificadas as características das outorgas já emitidas. Os 493 empreendimentos de UFV outorgados estão distribuídos em 13 estados brasileiros. Os três estados com o maior número e capacidade de outorgas de UFV emitidas de 2011 a 2014 são: 1. Bahia: 192 outorgas de UFVs com MW, ou aproximadamente 39% do total 2. Rio Grande do Norte: 47 outorgas de UFVs com MW, ou quase 10% do total 3. Piauí: 45 outorgas de UFV com o total de MW, ou quase 9,5% do total A classificação dos 10 maiores estados de acordo com a capacidade total outorgada em MW e o número de outorgas de UFV é apresentada no site da GeoDesign em forma tabular. As 493 outorgas foram emitidas para empreendimentos de UFV a serem localizados em 127 municípios brasileiros. Os três municípios com o maior número e capacidade de outorgas de UFV emitidas de 2011 a 2014 são: 1. Bom Jesus da Lapa, na Bahia: 84 outorgas e 2.226,237 MW, ou 18% do total 2. Oliveira dos Brejinhos, na Bahia: 21 outorgas e 493,931 MW, ou 5% do total 3. Paraú, no Rio Grande do Norte: 21 outorgas e 450 MW, ou 3% do total A classificação dos 10 municípios com o maior número de capacidade total outorgada em MW e outorgas de UFV também é apresentada no site. A capacidade de geração de eletricidade em MW a partir da fonte solar das outorgas varia de 5 a 50 MW, sendo que a maioria está entre 27 a 35 MW (397 outorgas). As outorgas estão distribuídas nas seguintes faixas de capacidade: 1. 5 a 10,5 MW: 40 outorgas a 20,5 MW: 40 outorgas a 25 MW: 15 outorgas a 29 MW: 62 outorgas a 35 MW: 335 outorgas MW: 1 outorga Houve a seguinte evolução no número e capacidade de outorgas de UFV emitidas de 2011 a : 28 outorgas e 830 MW : 89 outorgas e MW : 107 outorgas e MW : 269 outorgas e MW Esta evolução anual mostra um aumento 860,7% no número e 787,1% na capacidade das UFVs outorgadas de 2011 a

3 O georreferenciamento das outorgas de UFV foi feito primeiro usando as coordenadas, em SIRGAS2000/Lat-lon ou UTM, dos empreendimentos na publicação dos despachos oficiais da ANEEL anunciando o recebimento do requerimento de outorga. Muitos dessas publicações não tinham essas coordenadas de localização dos propostos empreendimentos de UFV. Nesses casos, foram utilizadas as coordenadas oficiais da sede dos municípios, segundo o IBGE, de localização do empreendimento UFV para os quais foram emitidas as outorgas. Houve algumas ocorrências de sobreposicionamento do posicionamento de mais de um empreendimento devido a não terem sido publicadas pela ANEEL as suas coordenadas e estarem localizados no mesmo município. Então, houve a necessidade de afastá-las um pouco uma das outras para a sua devida visualização quando as sobrepondo no Google Maps. Finalmente, houve a necessidade de realizar a transformação das coordenadas de todas as outorgas de UFV para um sistema de referência espacial único para sobreposição no Google Maps, que foi o WGS84/Lat-Lon. Uma análise temporal da distribuição espacial das outorgas de UFV emitidas de 2011 a 2014 mostra uma concentração desses empreendimentos no nordeste do Brasil. Observa-se também uma mudança da localização da concentração de outorgas de UFV para as regiões centro-oeste, sudeste e norte do Brasil de 2011 a Também está disponibilizado no site da GeoDesign Projetos Sustentáveis (http://sustentável.geodesign.com.br) um vídeo com mapas de intensidade da concentração da localização de outorgas de usina solar fotovoltaica (UFV) emitidas no Brasil de 2011 a 2014, assim como aquelas habilitadas para o LER 2014, que permiti uma visualização dinâmica da variação temporal. Esses mapas mostram como mudou a intensidade da concentração da localização de outorgas de UFV através dos anos. A concentração de outorgas de UFV mudou do Ceará e Rio Grande do Norte em 2011 para a Bahia em 2012, intensificando-se na Bahia em 2013 e 2014, além do surgimento de outorgas de UFV nas regiões sudeste, centro-oeste e norte do país em O vídeo também mostra o mapa de intensidade da concentração da localização de outorgas de UFV habilitadas para o LER 2014, indicando uma forte concentração de UFVs outorgadas em locais na Bahia, assim como uma menor concentração no Rio Grande do Norte, Paraíba, Piauí, Norte do Tocantins e São Paulo. Nesses mapas de intensidade, as cores do vermelha ao verde escuro representam de alta a baixa concentração de outorgas de UFV, respectivamente. As 493 outorgas de UFV que foram emitidas de 2011 a 2013 foram emitidas para aproximadamente 153 razões sociais diferentes. Há várias razões sociais que fazem parte de um mesmo grupo. Mas, a empresa Solyes é a detentora do maior número de outorgas, com 63 outorgas totalizando aproximadamente 1,72 GW. As 399 outorgas de UFV que estão habilitadas para o LER 2014 foram emitidas para aproximadamente 121 razões sociais diferentes. Há várias razões sociais que fazem parte de um mesmo grupo. Aqui também, a empresa Solyes é a detentora do maior número de outorgas habilitadas no LER 2014, com 55 outorgas totalizando aproximadamente 1,63 GW. Os números e fatos apresentados acima apontam o grande interesse por parte dos empreendedores do setor de geração de energia elétrica em investir em usina solar fotovoltaica (UFV) no Brasil. Os mapas apresentados também são é uma representação fiel da geografia de outorga de UFV no país. Finalmente, é possível visualizar uma mudança em andamento da localização das usinas solar fotovoltaicas do nordeste, onde há uma concentração das outorgas de UFV, para as regiões sudeste, centro-oeste e norte do Brasil. 3

4 Contato: Reinaldo Escada Chohfi, Ph.D. GeoDesign Projetos Sustentáveis Sócio Gerente Lorena SP - Brasil Tel.: +55 (12) info: sustentavel.geodesign.com.br Sobre a GeoDesign Projetos Sustentáveis (sustentavel.geodesign.com.br) : A GeoDesign atua na área de projetos sustentáveis oferecendo produtos e serviços especializados para o desenvolvimento de projetos sustentáveis. A empresa está sediada em Lorena, no estado de São Paulo, e foi estabelecida em A GeoDesign oferece inteligência e tecnologia de última geração. 4

5 5

6 6

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade

EPE-21/02/2008. Bioeletricidade EPE-21/02/2008 Bioeletricidade Sistema de Transmissão Mato Grosso do Sul Ciclo de Produção da Bioeletricidade Plantio da Cana-de-Açucar Colheita Palha Prensagem Xarope Biomassa Acúcar e Ácool Bioeletricidade

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

A geração eólio-elétrica no mundo

A geração eólio-elétrica no mundo José Cleber Teixeira FIPEN 2010 Fórum Industrial de Produtividade e Negócios 28 / outubro / 2010 1 A geração eólio-elétrica no mundo Em termos mundiais, a exploração da energia eólica para geração de eletricidade

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

A Regulação da Conexão ao Sistema

A Regulação da Conexão ao Sistema Painel 2: Aspectos Regulatórios em Pauta para Fontes Alternativas A Regulação da Conexão ao Sistema João Mello - Presidente Fontes Alternativas Conexão A conexão de fontes alternativas possuem características

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO

Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO CADASTRO DA SOLICITAÇÃO 1. Acessar www.agricultura.gov.br => Serviços e Sistemas => Sistemas => Sistemas Integrado

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

COMO USAR O CADASTRO REMOTO?

COMO USAR O CADASTRO REMOTO? COMO USAR O CADASTRO REMOTO? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas de visualização das informações do Cadastro Remoto. APRESENTAÇÃO O cadastramento

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná

A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná A Energia Solar e o Potencial Fotovoltaico do Estado do Paraná Prof. Dr. Gerson M. Tiepolo - tiepolo@utfpr.edu.br Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Departamento Acadêmico de Eletrotécnica

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário

TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário TSE TRIBUNAL SUPEIROR ELEITORAL Secretaria de Informática Coordenadoria de Sistemas Administrativos Setor de Apoio ao Usuário (versão 1.0) 1 APRESENTAÇÃO O Tribunal Superior Eleitoral usando de suas atribuições

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

CADASTROS BÁSICOS DO SISTEMA TOPONE

CADASTROS BÁSICOS DO SISTEMA TOPONE Vamos detalhar neste tutorial os cadastros básicos do sistema TOPOne, leia atentamente os conceitos e recursos para conhecer e utilizar melhor esta ferramenta que tem o objetivo de ajudar e organizar a

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Comissão de Minas e Energia (CME) Brasília (DF) 09/09/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo BOLETIM ANUAL DE GERAÇÃO EÓLICA - 2012 Palavra da ABEEólica energia eólica tem experimentado um exponencial e virtuoso crescimento no Brasil. De 2009 a 2012, nos leilões dos quais a fonte eó- A lica participou,

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA Este boletim aborda o acompanhamento da expansão da oferta de energia elétrica no Brasil, realizado pela equipe de fiscalização dos serviços de geração da ANEEL, e apresenta os principais resultados observados

Leia mais

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes Manual do Sistema Associações 1. Pré-Cadastro SICAN...3 2. Preenchimento do cadastro...5

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

Leilão de Energia. de Reserva de 2014. Participação dos Empreendimentos Solares Fotovoltaicos: Visão Geral. Ministério de Minas e Energia

Leilão de Energia. de Reserva de 2014. Participação dos Empreendimentos Solares Fotovoltaicos: Visão Geral. Ministério de Minas e Energia Leilão de Energia de Reserva de 2014 Participação dos Empreendimentos Solares Fotovoltaicos: Visão Geral Ministério de Minas e Energia Leilão de Energia de Reserva de 2014 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE

Leia mais

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles:

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles: Instruções Este tutorial foi desenvolvido para facilitar a realização de consultas no Banco de Dados (BD). Através do mapa do RJ é possível verificar os pontos de coleta dos trabalhos que foram compilados

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015

BOLETIM DE NOTÍCIAS. Janela de Negócios. Market News. Edital do Leilão de Geração A-1 entra em audiência pública. 5 de outubro de 2015 BOLETIM DE NOTÍCIAS Janela de Negócios Demanda de Energia I5: Períodos de Suprimento Montante em (MW médios) Ideia de preço (NÃO É PROPOSTA) 1º trimestre 2016 Até 5 R$185/MWm Demanda de Energia Convencional:

Leia mais

VOTO. PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14.

VOTO. PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14. VOTO PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14. INTERESSADO: Eletrosul Centrais Elétricas S.A. RELATOR(A): Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE OUTORGAS Luiza C. K. Oliveira 1 ; Paola Marconi 2 & André L. R. Pereira, Bianca F. Franco 3 Resumo Apresentam-se os sistemas que

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

HIDRO 1.2 PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS

HIDRO 1.2 PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS HIDRO 1.2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS HIDROMETEOROLÓGICOS PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DE ESTAÇÕES ANA Agência Nacional de Águas SGH Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Números e curiosidades

Números e curiosidades Números e curiosidades - O leilão 004/2008 é o maior leilão realizado pela Aneel desde 98, com uma extensão total de quase 3 mil quilômetros de novas linhas. É o equivalente a metade da extensão do Rio

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Acessando a Plataforma de Rastreamento

Acessando a Plataforma de Rastreamento Acessando a Plataforma de Rastreamento Para acessar a plataforma digite no seu navegador preferido o endereço: xxxxxxxx.mloc.com.br onde xxxxxxxx é o nome da sua empresa de rastreamento. Ex: rastreadora.mloc.com.br

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Alcides Codeceira Neto Terminal Marítimo de Passageiros Docas do Ceará

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa 1 Manual para obtenção de Senha Web da Nota Fiscal Eletrônica Avulsa NF-e Avulsa. Artesão, Pessoa física e Prestadores de serviços. 2014. INTRODUÇÃO 2 A Nota Fiscal

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 07 a Aula CARTA INTERNACIONAL DO

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

AULA 12 - Plugin WMS Cliente

AULA 12 - Plugin WMS Cliente AULA 12 - Plugin WMS Cliente Nessa aula será apresentado o plugin do TerraView chamado WMS Cliente que é uma das formas de acesso a fontes de dados externos ao banco de dados ao qual se está conectado,

Leia mais

NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAA -

NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAA - SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO (SISAGUA) NOVA VERSÃO DO SISAGUA - CADASTRAMENTO DE SAA - Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

Portal TRILHAS em números

Portal TRILHAS em números Portal TRILHAS Portal TRILHAS em números Projeção dos Acessos Número de usuários cadastrados: 14.289 * - 20.381 acessos (duração aproximada de 15 minutos); - 12 páginas, em média, acessadas por visita.

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198

Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 3512-3100 Fax (+21) 3512-3198 LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE DE TRANSMISSÃO E DEFINIÇÃO DE SUBESTAÇÕES CANDIDATAS Empresa de

Leia mais

3 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUDESTE 4 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL NORDESTE Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUL 5 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP)

Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP) Acesso ao Servidor de Mapas (ARCMAP) Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/03/2014 1.0 Criação do documento Frederico dos Santos Soares APRESENTAÇÃO O presente documento tem como

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

A quem se destina. Referência. Coordenadores de Matrícula e Suportes ao SIGE das Subsecretarias Regionais. Google Maps maps.google.com.

A quem se destina. Referência. Coordenadores de Matrícula e Suportes ao SIGE das Subsecretarias Regionais. Google Maps maps.google.com. Objetivo Este procedimento descreve todos os passos para cadastrar as coordenadas de localização das unidades escolares no sistema Mapeamento Geográfico de Escolas (GEO). A quem se destina Coordenadores

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Fusos Horários do Brasil

Fusos Horários do Brasil CARTOGRAFIA Fusos Horários do Brasil Por causa de seu movimento de rotação, a Terra apresenta dias e noites. Como consequência, vários pontos da superfície do planeta apresentam diferença de horários.

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo CIESP Jundiaí (SP) 10/09/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL II. Filtro de Clientes III. Atribuindo a Segmentação Atribuindo o Mailing VI.

Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL II. Filtro de Clientes III. Atribuindo a Segmentação Atribuindo o Mailing VI. Módulo Clientes 2 Sumário I. Acesso ao sistema CRMTEL... 4 II. Filtro de Clientes... 5 III. Atribuindo a Segmentação... 6 V. Atribuindo o Mailing... 10 VI. Encarteirando Clientes... 12 VII. Relatórios...

Leia mais