Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos"

Transcrição

1 Noções sobre estimativa de vazões aspectos conceituais e metodológicos Estimativa de vazões A água que escoa na terra depois de uma chuva precisa ser avaliada ou medida para que seja possível projetar e construir as valetas, as sarjetas, os bueiros, etc. Essa avaliação chama-se estimativa de vazões v zões. OBJETIVOS: - Promover conhecimento sobre a estimativa de vazões e discutir o método racional para bacias urbanas. - Dar noções sobre estimativa de valores do escoamento superficial em seções escolhidas, conceituação de coeficiente de escoamento superficial e método racional. Para fazer uma estimativa das vazões, ou seja, definir a quantidade de água que passa por um ponto/seção, os técnicos utilizam geralmente os seguintes métodos: Medições diretas; Comparações com outras situações; Fórmulas matemáticas empíricas. Uma das coisas mais importantes é conhecer a quantidade de água que é drenada no solo, para avaliar as conseqüências do escoamento das águas no solo, depois de uma chuva. Uma das maneiras mais conhecidas para avaliar ou fazer uma estimativa de vazões é o chamado Método Racional. Este método se aplica para pequenas bacias hidrográficas e sua fórmula matemática é a seguinte: Q = C. i. A Guia do profissional em treinamento ReCESA 1

2 sendo, Q: estimativa de vazão em litros / seg. C: número de natureza prática que representa as condições de escoamento das águas, variando com o tipo de cobertura ou revestimento do solo que, por sua vez, dependem da ocupação e uso do solo. É conhecido como coeficiente de escoamento superficial; i: quantidade média de chuva que cai no solo, durante algum tempo, dada em litros / seg.ha; A: área da bacia hidrográfica em que a chuva cai, dada em ha. Quando a quantidade média de chuva que cai em um determinado período de tempo é dada em mm/hora e a área da bacia é dada em m², pode-se utilizar a fórmula matemática do Método Racional na seguinte forma: Q = 0,278 C.i.A O coeficiente de escoamento superficial é tanto maior quanto maior o grau de impermeabilização do terreno. Abaixo são apresentados alguns valores deste coeficiente para diferentes tipos de superfície: Fonte: WILKEN, Tipo de superfície Coeficiente C Pátios internos acimentados 0,90 Área construída 0,80 Ruas asfaltadas 0,70 Passeios de concreto 0,60 Áreas em terra 0,25 Área jardinada 0,15 A quantidade média de chuva, chamada de intensidade da precipitação (i), é obtida por meio de fórmulas matemáticas que relacionam a duração das chuvas e sua quantidade que cai em uma determinada área. O Método Racional leva em conta a chuva que cai, a forma e o tipo do escoamento, a quantidade de área impermeabilizada, a forma e a declividade média da bacia. Pode-se também fazer estimativas de vazões diretamente no terreno, escolhendo um ponto de topografia conhecida e colocando em seu bordo uma régua graduada onde se pode ver como a água sobe e desce ao longo do tempo. Guia do profissional em treinamento ReCESA 2

3 Debate É muito difícil fazer uma estimativa de vazão? Como poderíamos avaliar a quantidade de água que cai de um telhado com 50 m2 de área, de uma chuva que demorou 2 horas e que tem uma calha ao seu redor e uma bica com uma única saída? Como poderíamos avaliar a quantidade de água de chuva que demorou 1 hora e que passa por uma rua pavimentada com 7,00m de largura, inclinada para um só lado (inclinação 3%), sem Brasil (1987, p. 67). Fonte: Panorama Geográfico do ultrapassar o meio fio, que tem 15 cm de altura? Guia do profissional em treinamento ReCESA 3

4 Bacia hidrográfica urbana e delimitação das áreas de contribuição OBJETIVOS: Bacia hidrográfica urbana: é uma bacia hidrográfica ou parte dela que engloba localidades densamente habitadas pelo homem, na qual o comportamento do escoamento da água se modifica devido às construções e a forma de urbanização dos espaços públicos. Dentro de uma mesma bacia hidrográfica, podem existir várias sub-bacias. - Promover conhecimento e debates entre os participantes sobre o conceito de bacia hidrográfica urbana e as estratégias de delimitação da área de contribuição para estimativa de vazões, esclarecendo o diferencial de delimitação em zonas modificadas por ação antrópica. Chamamos a linha que contorna toda a bacia de divisor de águas. Essa linha encontra-se geralmente na parte mais elevada do terreno. Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. 11). Guia do profissional em treinamento ReCESA 4

5 Quando está chovendo, a água que cai dentro da área da bacia (divisor de águas) escoa das partes altas para as mais baixas, procurando os seus caminhos naturais que estão nos vales. Daí escoa formando córregos, riachos, rios. Finalmente, no ponto mais baixo da bacia ou subbacia, as águas irão desaguar em um único ponto, que também pode ser um riacho, córrego, rio, uma lagoa ou até o mar. Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. 4627) Dá para ver que os vários rios, riachos e córregos dentro da bacia se ligam uns aos outros, procurando sair sempre no mesmo local. Dessa maneira, tudo que é jogado no terreno, a depender do peso, pode ser carregado pela água durante a chuva e ser transportado pelos rios, córregos e riachos. Toda a sujeira, todo o lixo, toda a forma de poluição jogada com descuido em qualquer ponto do terreno da bacia vai percorrer e atravessar toda a sua área e desaguar, saindo por aquele ponto e caindo em outros rios ou lagos, poluindo, assoreando, contaminando e degradando o ambiente. O lado bom é que as bacias hidrográficas podem ser utilizadas para planejar tudo o que pode acontecer na bacia, facilitando o manejo das águas no seu interior. Guia do profissional em treinamento ReCESA 5

6 Como se planeja uma bacia para não degradar o ambiente? Debate Como se planeja a ocupação dos espaços por onde passa um rio dentro das cidades? Em um município podem existir várias bacias pequenas e uma bacia grande pode conter um ou vários municípios. Se cuidarmos mal do uso e ocupação do solo de uma bacia de um município Se o município da parte mais alta do rio resolve fazer uma grande barragem para fazer irrigação, os municípios situados rio abaixo, podem ficar sem água durante algum tempo se o rio tiver pouca água. p. 2640). Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, que fica na parte alta da bacia, os municípios da parte baixa irão sofrer as conseqüências. Temos, portanto, que planejar de maneira integrada toda a bacia, procurando conhecer os usos e as necessidades de água de todos os municípios, tratando devidamente os esgotos e as águas servidas, para que ninguém fique com o prejuízo ou sofra com a falta de água. Para planejar uma bacia hidrográfica é preciso fazer alguns estudos em toda sua área. Esses estudos servem para que possamos conhecer as características da região e os seus principais problemas. Se os municípios das partes altas do rio não tratam os esgotos ou jogam os dejetos dentro dos rios, os municípios rio abaixo vão receber águas poluídas, imprestáveis para o uso. Guia do profissional em treinamento ReCESA 6

7 Algumas dessas informações são encontradas em mapas chamados temáticos, que informam sobre vários tipos de assunto, como vegetação, topografia, geologia, hidrologia, rodovia, habitação, sistema de serviços públicos, etc. Outras são obtidas no próprio local, a partir de anotações feitas por pessoas que conhecem o assunto. Nos mapas topográficos, encontramos a representação de tudo que existe ou foi construído no terreno, bem como as altitudes, ou seja, o relevo que determina a direção tomada pelos rios. Quanto mais acidentado for o terreno, maior a quantidade de rios, córregos e riachos que serão formados durante a chuva (rios intermitentes) ou mesmo permanentemente (rios perenes). Se durante o ano chove muito e, em determinados meses, sempre sobre uma bacia, geralmente o numero de rios e riachos é grande e o volume de águas de cada um deles é maior. No verão chove mais durante pouco tempo, no inverno chove pouco durante todo o tempo. Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. 4265). Quando a água de chuva cai sobre a bacia, parte dela evapora, outra infiltra no solo e a restante forma rios e riachos escorrendo pelo solo. Da parte da água que se infiltrou no terreno, uma pode ser absorvida pelas plantas e retornar à atmosfera (transpiração), outra pode se infiltrar no solo e voltar aos rios, riachos e lagos e uma parte pode, por percolação, alcançar os aqüíferos e neles se depositar ou escoar no subsolo sob forma de lençóis de água. A chuva não cai por igual em toda a bacia: em algumas regiões, as chuvas são fortes e caem sempre e, em outras, chove menos e durante pouco tempo. Geralmente, nas zonas mais altas chove mais. Os rios transportam leve que é jogado ou depositado neles, servindo, assim, como agente de modificação do ambiente. Escavam o terreno e transportam os solos dissolvidos junto com folhas, galhos, para 1001). Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. todo material mais rios ou mares mais distantes. Guia do profissional em treinamento ReCESA 7

8 É preciso conhecer o caminho natural dos rios, a quantidade de água que passa por eles, os tipos de materiais que eles transportam e que tipo de prejuízo pode causar aos ocupantes das áreas, rio abaixo. Os rios podem fornecer água para abastecer cidades ou povoados, irrigar lavouras, alimentar indústrias, gerar eletricidade e para matar a sede dos animais, além do atendimento aos hábitos higiênicos e funções alimentares. Para aumentar a capacidade de fornecimento de água de um rio, podem-se construir, ao longo do seu leito, em locais apropriados, reservatórios denominados barragens ragens. Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. 2738). Quando o rio transporta muito solo, devido a escavações (erosões), as barragens construídas podem diminuir o seu volume de armazenamento, devido ao depósito destes solos no seu reservatório, fato que se denomina sedimentação ou assoreamento. A quantidade de água que escoa por um rio (vazão) não é constante, nem ao longo dos anos e nem durante os meses do ano. A vazão depende de como as chuvas caem na bacia, com que intensidade e como são distribuídas durante o dia, os meses e os anos (regime de chuvas). Os terrenos mais permeáveis possibilitam maiores infiltrações; os mais impermeáveis garantem retenções no armazenamento; os solos férteis possibilitam a lavoura e o surgimento de vegetação. Terrenos granulares, principalmente os arenosos, facilitam o processo das erosões; solos finos são mais facilmente transportados e depositados sob a forma de sedimentação. Os solos coesivos, como os argilosos, resistem melhor à erosão. Como não podemos escolher o tipo de solo de uma bacia, temos que aprender a cuidar do manejo da água, de modo a causar o menor dano possível. Guia do profissional em treinamento ReCESA 8

9 Fonte: Enciclopédia Larousse Cultural (1995, p. 4146) A cobertura vegetal de uma bacia, seja ela floresta, mata ou mesmo forragens rasteiras, protege o terreno, evitando as erosões e suas conseqüências, além de reter, convenientemente, parte da água, diminuindo a possibilidade de inundações rio abaixo. Como vivemos apoiados sobre o terreno e ele serve de base para nossas construções e para plantarmos as nossas lavouras, é necessário conhecer a formação dos solos da bacia. O planejamento e o manejo de águas em uma bacia devem levar em consideração o controle do desmatamento e garantir a manutenção das forragens vegetais mais convenientes. Hoje, a vegetação existente é quase toda criada pelo homem. As florestas foram desmatadas para dar lugar à agricultura e à pecuária. Temos que admitir que a plantação de árvores para substituir as florestas tem evoluído bastante. DESMATAMENTO: A taxa de desmatamento na Amazônia entre os anos de 1995 e 2000 foi de 1,90 milhões de hectares por ano (LAURENCE, ALBERNAZ e DA COSTA, 2007). Modelos matemáticos estimam que, até o ano de 2050, 40% da floresta amazônica já poderá ter desaparecido (SOARES FILHO e OUTROS, 2005). Cerca de 12 a 20 hectares de florestas desaparecem a cada minuto (DESMATAMENTO, 2007). REFLORESTAMENTO: Em 2005, foram recuperados no Brasil 553 mil hectares, o maior índice de replantio já feito no país (BRASILCONPET, 2007). O Brasil já plantou em 2007 o equivalente a 16 milhões de árvores, garantindo uma vaga entre os maiores reflorestadores do mundo (POLÍTICA E SUSTENTABILIDADE, 2007). As modificações no uso do solo causam ganhos econômicos significativos, mas alteram o comportamento dos recursos hídricos da bacia e prejudicam o ambiente, principalmente pelo aumento das erosões e comprometimento da qualidade das águas. Guia do profissional em treinamento ReCESA 9

10 Com o manejo do terreno para atividades agrícolas ou mesmo para desmatamento no meio rural e escavações para construção nas cidades, as partículas de solo acabam se desagregando e sendo arrastadas pelos rios, córregos e riachos para outros locais, prejudicando mais uma vez o ambiente. O manejo do solo traz melhorias, mas cria problemas ao ambiente natural. O planejamento adequado do uso do solo e dos recursos hídricos de uma bacia minimiza esse problema. Esse é o preço que se paga pelas melhorias econômicas que se deseja alcançar. Temos que encontrar os limites para conviver com as duas coisas: a preservação e o uso do ambiente para extrair as necessidades das empresas, governos e o homem. Fonte: -bonduki.jpg A questão não é crescer apenas pela necessidade de progresso, mas sim, crescer de maneira planejada. Com o aumento da população, no campo e nas cidades, cresce o consumo de água. O volume de água tratada destinado ao suprimento da população é de cerca de 200 a 250 litros por pessoa. Para chegar a esses valores, os números tradicionalmente utilizados para representar o consumo de água por pessoa são acrescidos a um valor correspondente a usos múltiplos, como criação de animais, plantio de hortas, etc. A maior parte dessa água é retirada diretamente dos rios e só uma pequena parte dos lençóis subterrâneos. Guia do profissional em treinamento ReCESA 10

11 Trabalho de grupo Metade do grupo defende o desenvolvimento econômico. A outra metade defende a preservação do meio ambiente. É eleito um representante para cada grupo. Os dois representantes devem chegar a um consenso. Se chegarem a um consenso, cada um deles explica para o grupo porque cedeu de suas posições iniciais. Se não chegarem a um consenso, cada um deles explica para o grupo porque não cedeu de suas posições iniciais. O problema é que cerca de 80% dessa água é devolvida à bacia sob a forma de esgotos e águas servidas, aumentando a necessidade de tratamento de esgotos e da água nas bacias rio abaixo. Quando se retira água de rios de uma bacia para utilização em outra bacia, causamos uma perda real, que deve ser avaliada pelo processo de planejamento, de modo a não criar problemas ao ambiente ou faltar para o abastecimento e a necessidades da bacia de origem. Os peixes que povoam os rios são muito importantes para a manutenção dos sistemas naturais. Quando são lançados esgotos nos rios, ocorre o aparecimento de microorganismos que se alimentam desse material, havendo o consumo do oxigênio que está presente na água, deixando pouco oxigênio para os peixes, que acabam morrendo. Com isso, os rios perdem os peixes e, com a poluição, terminam morrendo. Além disso, a água do rio fica imprópria para o consumo humano, encarecendo o tratamento da água. Debate O que fazer para preservar os rios? Como evitar que o lixo seja jogado nos rios? Como evitar que o esgoto seja lançado nos rios? Por que os peixes morrem em rios poluídos? Como combater a erosão? Por que o desmatamento prejudica o ambiente em uma bacia? Guia do profissional em treinamento ReCESA 11

12 A carga de esgoto gerada pelas indústrias é seis vezes maior que a do esgoto doméstico. Além do esgoto que o homem lança nos rios em cada bacia, devemos acrescentar o volume de lixo neles depositado. Cada pessoa produz cerca de 0,54 kg de lixo por dia. Se não houver coleta eficiente do lixo, uma grande parte dele vai parar nos rios e córregos. As bacias, principalmente as muito povoadas, estão com sérios problemas ambientais, porém o principal deles parece ser a falta de tratamento dos esgotos domésticos e os efluentes industriais. Guia do profissional em treinamento ReCESA 12

13 Noções de hidráulica aplicada à drenagem das águas pluviais urbanas Hidráulica: ciência que investiga de forma simplificada o escoamento de OBJETIVOS: fluidos (especialmente a água) e as aplicações tecnológicas de alguns tipos de escoamento. - Proporcionar aos participantes o contato com conceitos básicos de hidráulica aplicada A hidráulica geral aplica os conceitos e estudos dos movimentos dos fluidos e o resultado de experiências de laboratório nas soluções de proble- pluviais urbanas: no- à drenagem das águas ções básicas sobre o mas práticos que têm a ver com o manejo das águas e sua condução nos escoamento em condutos livres, critérios e canais ou tubulações. parâmetros de dimensionamento. Os condutos em tubos ou canais são projetados para transportar a água de um ponto até um destino desejado e apropriado para lançamento ou armazenamento. Fonte: Os canais abertos, ou seja, quando a superfície superior do líquido está em contato direto com o ar, funcionam em escoa- mento livre. Quando a seção transversal da canalização tem uma forma geométrica fechada, como tubos circulares, estes podem, em determinadas situações, funcionar sob pressão. Guia do profissional em treinamento ReCESA 13

14 Fonte: 0002/valeparaiba.htm Para melhorar o comportamento da água no interior dos canais ou para facilitar a entrada e saída deles, são projetadas estruturas hidráulicas complementares. As mais importantes são as estruturas de captação, os dispositivos de transição ou mudança de seção, vertedouros, dissipadores de energia e obras de lançamento. Quando a energia não é suficiente para levar a água por ação da gravidade ou quando existe necessidade de transpor obstáculos, utilizam-se estações de bombeio equipadas com bombas com potência suficiente para empurrar a água para onde se deseja. A hidráulica fluvial estuda o escoamento das correntes naturais dos rios, riachos e córregos, a sua velocidade, inundações, erosão, sedimentação, etc. Os escoamentos superficiais podem ser permanentes e uniformes. Para calcular a velocidade da água em situação de escoamento superficial, utiliza-se uma fórmula matemática chamada Fór- mula de Manning. V = velocidade média, em m/s; R H = raio hidráulico, em m.; V = 2 3 H ( R ) i = declividade média do conduto, em m/m; n = coeficiente de rugosidade (tabelado). (PORTO, 2005) n i 1 2 R H O Raio Hidráulico é determinado pela relação entre a Área Molhada (AM) e o Perímetro Molhado (PM). Sua fórmula matemática é: R H = A M P M Guia do profissional em treinamento ReCESA 14

15 A figura abaixo representa a área molhada e o perímetro molhado da seção de um conduto: Quando a velocidade da água no interior dos canais é muito grande, há o risco de se danificar os revestimentos devido à abrasão. Quando esta é muito pequena, ocorre deposição de pequenos sedimentos, que podem entupir as canalizações. Dessa forma, devemos garantir uma velocidade mínima que arraste os sedimentos (velocidade de autolimpeza) e que não seja muito elevada a ponto de danificar os revestimentos dos canais. Debate Você saberia dizer o que significa a expressão Q = V. A? Como você estimaria a vazão que passa por um canal a partir das informações fornecidas pela fórmula de Manning? Guia do profissional em treinamento ReCESA 15

16 Geometria e funcionalidade dos dispositivos drenantes para escoamento de deflúvios Fonte: d2052d.jpg A água de chuva, ao cair sobre o solo, escorre inicialmente por caminhos naturais formando os córregos, riachos e rios. Nas cidades, além desses caminhos naturais, as águas de chuva escoam pelos terrenos, pelos telhados das casas e pelas ruas, que na realidade são grandes canais, onde causam problemas para os pedestres e para os veículos que por elas circulam. Quando as águas de chuva caem sobre as cidades, uma grande parcela escoa pelas ruas. OBJETIVOS: - Proporcionar aos participantes conhecimentos básicos sobre dimensionamento de sistemas de drenagem com escoamento em estruturas superficiais e em galerias. - Apresentar a geometria das estruturas e dispositivos de drenagem superficial e subterrânea, assim como os procedimentos para a avaliação funcional das estruturas e noções de métodos construtivos. Fonte: MASCARÓ (1989, p. 18). Muitas vezes, quando chove, as ruas funcionam como canais que se tornam inconvenientes para a circulação das pessoas e dos veículos. Para evitar esses inconvenientes, é necessário construir algumas obras chamadas dispositivos drenantes, para melhorar as condições de circulação e escoamento das águas. Os dispositivos drenantes mais comuns são: Valetas de proteção de corte e aterros. Sarjetas em cortes, aterros, no pé do meio fio e no canteiro central. Saídas e descidas de água. Bocas de lobo. Guia do profissional em treinamento ReCESA 16

17 Caixas coletoras e de inspeção. Poços de visita. Galerias e bueiros. Dissipadores de energia. Para o dimensionamento hidráulico de todos os dispositivos drenantes, utiliza-se o Método Racional. Como apresentado anteriormente no item que abordou a estimativa de vazão, a fórmula matemática para o cálculo da quantidade de água que passa na seção geométrica do dispositivo de drenagem é dada por: Q = C i A VER PÁGINA 33 Pode-se também, se necessário, calcular a velocidade com que a água passa na seção considerada do dispositivo drenante ou fazer medições diretas. Deve-se fazer essa verificação para controlar a ação agressiva das águas sobre as superfícies de revestimento dos dispositivos, que podem ser erodidos ou danificados se a velocidade da água ultrapassar os limites recomendados. Foi mostrado no item sobre noções de hidráulica que a velocidade pode ser medida ou calculada também com o uso de uma equação matemática chamada fórmula de Manning (equação da continuidade). V = 2 3 H ( R ) n i 1 2 VER PÁGINA 46 DISPOSITIVOS DRENANTES Valetas de Proteção Fonte: Valetas de proteção de corte: são construídas no topo dos cortes, para canalizar as águas que escorrem morro abaixo e impedir que escoem pelos taludes, causando erosões. Guia do profissional em treinamento ReCESA 17

18 As valetas de proteção de cortes e aterros podem ser trapezoidais, retangulares ou triangulares. O tipo mais comum é a trapezoidal, porque são fáceis de construir e apresentam uma melhor eficiência de funcionamento hidráulico. Fonte: _sup02_vpc.htm Os tipos de revestimentos mais recomendados são: vegetação; concreto; alvenaria de pedra; alvenaria de tijolo. As valetas de crista de corte devem ser projetadas no lado em que a água tende a escoar pelos taludes para evitar que o escoamento comprometa a segurança do corpo da via, devido à erosão dos taludes. Fonte: Valetas de proteção de pé de aterro: coleta as águas que escorrem pelo terreno em direção ao pé dos aterros, impedindo-as de atingir o corpo da via. Guia do profissional em treinamento ReCESA 18

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP)

Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Escola de Engenharia Civil - UFG SISTEMAS PREDIAIS Sistemas Prediais de Águas Pluviais (SPAP) Concepção de projeto Métodos de dimensionamento dos componentes e sistemas Prof. Ricardo Prado Abreu Reis Goiânia

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal.

Seção transversal (S): engloba toda a área de escavação para construção do canal. CONDUTOS LIVRES Definições Escoamento de condutos livres é caracterizado por apresentar uma superfície livre na qual reina a pressão atmosférica. Rios são os melhores exemplos deste tipo de conduto. Sua

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÃO PREDIAL DE ÁGUAS PLUVIAIS Prof. Adolar Ricardo Bohn - M. Sc. 1 A instalação predial de águas pluviais

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS

CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS CURSO DE DRENAGEM DE RODOVIAS - 2 - Engº Marcos Augusto Jabor 2 PROJETO DE DRENAGEM Normas ( Diâmetros mínimos e máximos, carga hidráulica, velocidades máximas); Materiais (tubos); Drenagem Superficial

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10.

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10. Capítulo 56 Faixa de filtro gramada (filter strip) A água por capilaridade sobe até uns 2m em determinados solos. 56-1 Sumário Ordem Assunto Capítulo 56 - Faixa de filtro gramada (BMP) 56.1 Introdução

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: Carla Rolo Antunes Recuperação DL nº 270/2001, 6 out. 2001 (DL nº 340/2007, 12 out. 2007) normas para projeto, exploração, encerramento e desativação

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Informa INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DO SISTEMA SEPARADOR DE AREIA E ÓLEO A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE É FUNDAMENTAL NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Introdução A coleta e o tratamento de esgotos contribuem

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS NATAL/RN, Outubro / 2009 EQUIPE DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS (PPDDMA) Demétrio

Leia mais

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL INTERESSADO Nome / Razão Social ENDEREÇO DO IMÓVEL OBJETO DO LICENCIAMENTO Logradouro Número Bairro Inscrição Fiscal ENTREVISTADO (responsável pelas respostas do questionário)

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL Bolsistas: Ilnara Juvêncio Josilene de Brito Você

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Ações dos Ventos nas Edificações

Ações dos Ventos nas Edificações Ações dos Ventos nas Edificações Cálculo da pressão do vento atuante nas estruturas FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Ação do vento Vento = movimento de massas de ar É produzido

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

A água. Alexandra Daniela

A água. Alexandra Daniela A água Novembro de 2007 Alexandra Daniela Luciana 12 1 Essa água poluída pode matar peixes e outros animais que a bebem e provocar doenças nas pessoas. Também faz com que as reservas de água potável (que

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente Parte I e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias Capítulo 1 12 Capítulo 1. PRINCIPAIS TERMOS HIDROLÓGICOS Na análise hidrológica aqui apresentada, destaca-se a importância do conhecimento das metodologias

Leia mais

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br)

ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES. Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES URBANAS: CAUSAS E SOLUÇÕES Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.c0m.br) ENCHENTES: CAUSAS E SOLUÇÕES EM QUALQUER RAMO DA ATIVIDADE HUMANA VALE UMA LEI BÁSICA: A SOLUÇÃO DE UM PROBLEMA

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS 2 INTRODUÇÃO A água da chuva é um dos elementos

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM SUPERFICIAL DRENAGEM SUPERFICIAL OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR A PLATAFORMA VIÁRIA E CONDUZI-LAS PARA

Leia mais

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008 ESTRADAS I I I 2º semestre 2008 E DRENAGEM DE RODOVIAS - OBRAS E.1 REVISÃO Na primeira metade do Século XIX, Metcalf, Telford e Mac Adam, redescobriram a necessidade de manter secos os leitos viários,

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas

Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Anexo 9.1.1 b) - Diretrizes Técnicas Mínimas Folha 1 de 14 APRESENTAÇÃO Este Anexo é dividido em duas partes: A Seção I introduz a descrição da Infra-estrutura de Irrigação de Uso Comum do Projeto Pontal,

Leia mais

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água HIDROGRAFIA Águas Continentais Como vimos, a maior parte da água doce do planeta encontra-se congelada na forma de geleiras, nas regiões polares, nos aqüíferos ou nos cumes das altas montanhas. Resta,

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.0.Considerações: O escoamento superficial é a fase do ciclo hidrológico que resulta do excedente das águas precipitadas que não se infiltraram ou evaporaram; e que

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS.

Poluição das Águas. A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. COLÉGIO MARISTA SÃO JOSÉ 9º ANO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR: SEBASTIÃO ABICEU / PROFESSORA: JANILDA FRÓES Poluição das Águas A poluição das águas gera efeitos dramáticos em todo o ecossistema A questão

Leia mais