PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA."

Transcrição

1 POVA DE CAGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE COTÍUA O DF: COMPAAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PEVISÃO DE CAPACIDADE DE CAGA. enato Cabral Guimarães 1 ; eusa Maria Bezerra Mota 2 ; Paulo Sérgio Barbosa Abreu 3 ; José Henriue Feitosa Pereira 4 & José Camapum de Carvalho 5. esumo: Este trabalho apresenta uma análise do resultado obtido em prova de arga vertial, realizada em uma estaa hélie ontínua, de diâmetro 35 m e omprimento igual a 8,60 metros, exeutada em solo siltoso araterístio do Distrito Federal. O estudo foi exeutado nas seguintes fases distintas: investigação de ampo (foram realizados ensaios do tipo SPT-T), ensaios laboratoriais (foi feita à araterização do perfil típio da estaa e ensaio de isalhamento direto) e fase experimental de ampo (prova de arga). A arga de ruptura foi omparada a apaidade de arga prevista por métodos teórios e métodos semi-empírios. Abstrat: This paper onentrates on the analysis of a diret loading test, arried out on a ontinum srew pile type with 35 entimeters and 8,60 meters in length. This pile was performed on a silty soil, whih is typial of the Brazilian distrit Federal. The study was divided into three different phases namely: i.) A field investigation program, where SPT- T tests were arried out to haraterize the soil profile; ii.) A laboratory testing program aimed to haraterize the soil profile and to define the shear strength behavior of the material along that soil profile; iii.) The loading test itself, whih was based in standard proedures from the pratie of geotehnial engineering. Palavras-Chave: Estaa Hélie Contínua, Prova de Carga, Capaidade de Carga. ITODUÇÃO Largamente difundida em outros países, a estaa hélie ontínua foi introduzida no Brasil em 1987, utilizando euipamento de peueno porte, aui mesmo produzidos. Somente a partir de 1993 é ue omeçaram a ser importados euipamentos de maior apaidade, permitindo uma maior popularização do produto. O emprego deste tipo de fundação tem resido no Brasil devido à elevada produtividade e adaptabilidade à maioria dos tipos de terrenos, exeto na presença de mataões e rohas. O proesso exeutivo não produz os distúrbios e vibrações típias dos euipamentos a perussão e não ausa desompressão do solo. o Distrito Federal a utilização de estaa hélie ontinua é bastante reente, mas om bastante perspetivas para sua utilização onforme as araterístias apresentadas por Antunes e Cabral [1], no entanto pouos são os estudos realizados. A preoupação é uanto ao omportamento geoténio, ainda desonheido, dessas estaas em solos siltosos araterístios dessa região, portanto este trabalho tem omo objetivo apresentar uma ontribuição a partir de resultado obtido em prova de arga vertial, em estaa hélie ontínua, de diâmetro 35 m e omprimento igual a 8,60m, exeutada no Distrito Federal. A arga de ruptura obtida foi omparada a apaidade de arga prevista por métodos teórios, om base nos ensaios laboratoriais, e métodos empírios utilizando os ensaios de SPT-T. O estudo foi exeutado nas seguintes fases distintas: investigação de ampo (foram realizados ensaios do tipo SPT-T), ensaios de laboratório (foi feita à araterização do perfil típio da estaa e ensaio de isalhamento direto) e fase experimental de ampo (prova de arga). Com base nesta análise uma previsão iniial da apaidade de arga deste tipo de estaa pode ser efetuada para a obra. 1 FUAS Centrais Elétrias S.A; Departamento de Apoio e Controle Ténio; Caixa Postal 457 Centro; CEP: ; Goiânia; GO; Telefone: ; Fax: ; 2 Universidade Federal de oraima; Departamento de Estrutura; Doutoranda da Universidade de Brasília. Telefone: ; Fax: , 3 Sonda Engenharia Ltda; SIA Quadra 1 860; CEP: ; Brasília; DF; Telefax: ; 4 Universidade de Brasília; Departamento de Engenharia Civil e Ambiental - Pós-Graduação em Geotenia; Asa orte; CEP: ; Brasília; DF; Telefone: ; Fax: , 5. Universidade de Brasília; Departamento de Engenharia Civil e Ambiental - Pós-Graduação em Geotenia; Asa orte; CEP: ; Brasília; DF; Telefone: ; Fax: ,

2 DESCIÇÃO DO LOCAL E CAACTEÍSTICAS GEOTÉCICAS A estaa ensaiada foi exeutada nas fundações de um edifíio destinado a moradia loalizado na projeção 02 da SQ 311 na idade de Brasília-DF. O solo é típio da região, apresentando uma amada superfiial de solo laterítio vermelho e abaixo um solo residual jovem, proveniente de metarritimitos. A investigação de ampo empregada onstitui-se de sondagens de simples reonheimento om a medida de SPT e do torue (SPT-T), sendo ue para análise da prova-de-arga foi exeutado um furo próximo a estaa ensaiada. Para a realização da prova-de-arga foram exeutadas uatro estaas de reação om diâmetros de 35 m e 9,6 metros de omprimento e a estaa ensaiada de diâmetro 35 m e omprimento igual a 8,6 m onforme apresentado na Figura 1. A armadura das estaas de reação foi onstituída de uma barra de Dywidag (aço de ST 85/105 e φ 32 mm) e na estaa ensaiada a armadura foi onstituída de 6 barras de φ 20 mm e estribos de φ 10mm espaçados de 20 m ue fiava nos primeiros 5,5 metros da estaa. HC 0,45 m 0,45 m 1,5 m 1,5 m 0,5 m 4,0 m SPT-T = Estaa de eação HC = Estaa Hélie Contínua ensaiada Figura1. Loação das Estaas e da sondagem. A Figura 2 apresenta o perfil geoténio da sondagem realizada, sendo ue foi utilizado trado até 2m de profundidade e irulação de água nos avanços seguintes. O nível de água foi enontrado a 1,2 m de profundidade em relação ao topo da estaa, sendo esta loalizada a 2,5 m de profundidade em relação ao nível do terreno natural, uma vez ue a prova de arga foi exeutada no terreno já esavado para implantação do subsolo. Cotas Torue máximo Índie de resistênia a penetração (m) (kgf m) 30 m iniiais 30 m finais > / > 70 35/5-8 > 70 35/7-9 > 70 35/ > 70 35/11-12 > 70 35/10-13 > 70 60/22 25/7 14 > 70 35/5 - Figura 2. Perfil geoténio da sondagem. Classifiação do material Argila pouo siltosa, om pedregulhos, mole, vermelha. Silte pouo argiloso, rijo a duro, variegado.

3 ESAIOS DE LABOATÓIO Para desrever a amada de silte enontrada no laudo de sondagem ue orresponde em grande parte ao solo loal no ual foi assente a estaa, foi retirada uma amostra indeformada, próximo a ela a uma profundidade de 4 m. Com essa amostra foram realizados os ensaios de granulometria, limites de onsistênia e índies físios (Tabela 1), seguindo as reomendações da Assoiação Brasileira de ormas Ténias (ABT). Os parâmetros de resistênia ao isalhamento do solo, foram obtidos através de ensaios de isalhamento direto sobre amostra inundada, na ondição onsolidada drenada. A envoltória de resistênia e os parâmetros de resistênia são apresentados na Figura 3. Tabela 1. esumo dos resultados dos ensaios de granulometria, limites de onsistênia e índies físios. Granulometria Limites Índies Físios Argila Silte Areia w L w P I P γ s γ d w Sr (%) (%) (%) (%) (%) (%) (k/m 3 ) (k/m 3 e ) (%) (%) 5,3 88,4 6, ,34 12,48 43,7 1,27 99,5 (kpa) = 27 kpa φ = σ (kpa) Figura 3. Envoltória e parâmetros de resistênia. POVA DE CAGA A prova de arga foi do tipo lento (prova de arga estátia) realizada segundo os proedimentos reomendados pela Assoiação Brasileira de ormas Ténias (B 12131/91 [2]). A duração de ada estágio foi o orrespondente ao tempo de estabilização das deformações, sendo esta admitida uando a diferença entre as leituras realizadas nos tempos t e t/2 orrespondesse a no máximo 5% do desloamento total oorrido, ou seja, entre o desloamento da estabilização do estágio anterior e o atual, onsiderando-se uma duração mínima de 30 minutos. Adotou-se, iniialmente, para a prova de arga, estágios de arregamento de 77 k até o arregamento de 693 k, após este arregamento foi feito o desarregamento, em 4 estágios de aproximadamente 160 k om duração mínima de 15 minutos, ou até a estabilização das deformações. Depois da realização deste arregamento e desarregamento foi previsto um arregamento até a ruptura, om estágios de 140 k. Após 7 estágios, arga de 980 k, observou-se o omprometimento da estrutura de reação, sendo neessário um novo desarregamento para reforço da estrutura. O segundo desarregamento foi feito em 5 estágios de 190 k. O último arregamento até a ruptura foi feito em 11 estágios de 140 k. A prova de arga foi paralisada na arga de 1440 k, onde fiou araterizada a ruptura, pelo aumento do realue, aproximadamente 11 mm. Durante este estágio houve surgênia d água superfiial na base da estaa e fissuras aparentes na superfíie do solo. A Figura 4 apresenta a urva arga x realue obtida na prova de arga e as previstas pelo método de Van der Veen.

4 ealue (mm) Carga apliada (k) Prova de arga Van der Veen - todo arregamento Van der Veen - 1 arregamento Van der Veen - 2 arregamento Van der Veen - 3 arregamento Figura 4. Curva arga x realue. Verifia-se nos trehos orrespondentes à arga-desarga-rearga das urvas, um omportamento pratiamente plástio, havendo pouo retorno das deformações sofridas pelo solo. Para a verifiação da ruptura foi adotado o método de Van der Veen, baseado em formulação matemátia, utilizando a euação modifiada por Alonso [3]. Foram feitas uatro análises: a primeira onsiderando todos os arregamentos e as demais onsiderando ada ilo de arga, ou seja, 1, 2 e 3 arregamento, obtendo-se a previsão de arga apresentada na Tabela 2. Tabela 2. Previsão da apaidade de arga Método de Van der Veen. 1 2 Análise Todo arregamento 1 arregamento Pu Van der Veen (k) 3 2 arregamento 4 3 arregamento Verifia-se ue o método não garante uma boa extrapolação em todos os asos, sendo ue os ilos influeniam no resultado, devendo ser levado em onta. As Análises ue levam em onta o penúltimo e último ilos (análises 3 e 4) aprestaram bons resultados. Com base nestas análises e nas araterístias observada durante o arregamento de 1440 k, estabeleeu-se a mesma omo sendo a arga de ruptura da estaa ensaiada. Esta análise mostra ue em muitos asos o método de Van der Veen não garante uma boa extrapolação. Vianna & Cintra [4] analisaram a apliação do método de Van der Veen em diversas provas de arga e sugeriram a adoção de um ritério para avaliar a adoção do método. Com base no ritério sugerido e nas análises feitas onluíram ue nas urvas em ue o método não se aplia pode-se deduzir ue a prova de arga deveria ter ontinuado em pelo menos um estágio adiional ou ue essas urvas arga x realue não seguem o modelo proposto por Van der Veen. o aso espeífio desta prova de arga verifiou-se ue a urva arga x realue em alguns asos não segue o modelo proposto por Van der Veen. Apliou-se o ritério sugerido por Vianna & Cintra [4] nas análises desritas na Tabela 2 e verifiou ue o ritério leva a uma boa aproximação, sendo ue no último arregamento a arga de ruptura de 1440 k foi estimada a partir do arregamento de 700 k. Guimarães [5] apliou o ritério sugerido por Vianna & Cintra [4] em ino provas de arga realizadas em estaas esavadas meaniamente assentes na amada porosa de Brasília e verifiou ue o ritério leva a uma boa aproximação. MÉTODOS TEÓICOS E EMPICOS DE PEVISÃO DE CAGA. Utilizando os resultados obtidos nos ensaios de laboratório e ampo foram analisados os métodos de previsão de arga baseados nestes ensaios (métodos teórios e empírios) e omparados om o resultado da prova de arga. A seguir será disutido ada um dos métodos.

5 Métodos teórios. Os métodos teórios foram formulados para solos puramente argilosos ou arenosos, omo os solos estudados apresentam as duas parelas será onsiderado no álulo de ada parela a soma das euações propostas para ada tipo de solo, sendo ue a mesma foi feita om base no exposto por Cintra & Aoki [6] e Déourt [7]. A seguir é desrita a metodologia adotada para ada parela: 1. Parela lateral. Para o álulo da parela lateral, utilizou-se a euação 1, desrita a seguir: fs = α + σ v K tgδ (1) Onde: = oesão - valor obtido no ensaio de isalhamento, foi onsiderado um valor onstante ao longo da estaa; α = oefiiente de adesão solo elemento de fundação - os valores foram retirados de gráfios ue relaionam o oefiiente de adesão om a oesão, sugeridos por Tomlinson (1957) e itado por Cintra & Aoki [6]. σ v = tensão vertial; K = oefiiente de empuxo foram onsiderados valores de oefiientes de empuxo no repouso, determinados por Guimarães [5] para este tipo de solo; δ = ângulo de atrito entre o solo e o elemento estrutural de fundação - valor obtido no ensaio de isalhamento direto, foi onsiderado um valor onstante ao longo da estaa. 2. Parela de ponta. sendo: Para o álulo da parela de ponta foi utilizada a euação 2 desrita, a seguir: = ( S + γ D S ) A (2) p = ( 1) ot gφ' ; p * =, onde S * é o fator de apaidade de arga de vários autores [6]; S, = fatores de forma; S = fator da apaidade de arga ue já onsidera o embutimento da fundação e a forma irular 9; γ = peso espeífio total ou saturado até a CAF; D = CAF; Ap = área de ponta. Utilizando os métodos raionais (teórios) verifiou-se uma grande dispersão nos resultados, a arga de ruptura variou de 593 a 1121 k, pois os oefiientes utilizados para o álulo da parela de ponta apresentam grande variação, além disso verifia-se ue o método subdimensiona a apaidade de arga deste tipo de estaa. O subdimensionamento pode estar ligado as aproximações feitas e aos oefiientes utilizados para o álulo da parela de ponta, pois Guimarães [5] verifiou ue estes métodos apliados à parela lateral apresentam exelentes resultados, inlusive dando boa relação om a variação de sução do terreno. Métodos empírios. 1. Déourt e Quaresma [8]. este método foram utilizados os resultados obtidos nos ensaios SPT e os parâmetros α, β e K, proposto por Déourt [7]. o álulo da apaidade de arga foi onsiderado α = 0,3, β = 1,0 e K=120 k/m 2 para os dois primeiros metros e 200 k/m 2 para as demais profundidades. A Tabela 3 apresenta o resultado obtido para este método e a omparação om o resultado da provas de arga.

6 2. Déourt [7]. este método foram utilizados os resultados obtidos nos ensaios de torue e (Torue/1,2) e os parâmetros α, β e K apresentados anteriormente, sendo o resultado obtido e a omparação om o resultado da prova de arga é apresentado na Tabela Aoki e Velloso [9]. Este método foi feito para utilizar os resultados do CPT, ou uando não se dispuser do CPT utilizar os dados do SPT através de orrelações, omo neste trabalho utiliza-se resultados do SPT foram utilizados os oefiientes sugeridos por Aoki e Velloso [9]. o álulo da apaidade de arga foi onsiderado F 1 = 1,7, F 2 = 3,4, onforme reomendação de odrigues et al. [10] e K=220 k/m 2 e α = 4 % para os dois primeiros metros e K =230 k/m 2 e α = 3,4 % para as demais profundidades. 4. Alonso [11]. Este método utiliza os resultados obtidos nos ensaios SPT-T, sendo ue no álulo da apaidade de arga foi onsiderado α = 0,65 e β= 150 kpa/ kgf m. Os oefiientes adotados foram os propostos por Alonso [11] para a baia sedimentar teriária da idade de São Paulo, no entanto Alonso [12] reavalia o método proposto para São Paulo para outras duas regiões (solos das idades de Curitiba-P e Serra-ES) e onlui ue o método deve ser apliado apenas aos solos da região onde foi estabeleido. este trabalho utilizou-se o método para avaliar se a extrapolação do método para a região de Brasília apresenta grande dispersão sendo ue os resultados obtidos e a omparação om os resultados das provas de arga são apresentados na Tabela Peixoto [13]. Este método utiliza os resultados obtidos nos ensaios SPT-T para o alulo da parela lateral e o método de Déourt e Quaresma [8] para o álulo da parela de ponta. Para o álulo da parela lateral foi onsiderado s = 2 e F = 0,3. A Tabela 3 apresenta o resultado obtido e a omparação om o resultado da prova de arga. Apresentação e análise dos resultados obtidos nos métodos empírios. A Tabela 3 apresenta um resumo dos resultados obtidos nos métodos apresentados anteriormente e a omparação destes resultados om o obtido na prova de arga. Tabela 3. Previsão da arga de ruptura pelos métodos empírios e obtido na prova de arga Método Qp (k) Ql (k) Qr (k) Prova de arga (k) Déourt e Quaresma [7] Déourt [6] Aoki e Velloso [8] Alonso [9] Peixoto [11] Observa-se omparando os dados dos métodos empírios om a arga de ruptura obtida na prova de arga ue os métodos ue utilizam o SPT apresentam resultados muito próximos dos obtidos nas provas de arga e ue os métodos ue utilizam o SPT-T apresentam um superdimensionamento. De forma geral Guimarães [5] observou, analisando provas de arga realizadas em estaas esavadas, ue os métodos ue utilizam o torue apresentam maior variação ue os métodos ue utilizam o SPT, e ue este fato está ligado ao oefiiente de variação apresentado pelo torue, ue é maior ue o do SPT. Uma outra expliação para a maior variação dos métodos ue utilizam o torue, é ue os mesmos não estão adaptados para os solos do DF. Seria ainda neessário mais estudos na tentativa de viabilizar sua utilização no DF. Guimarães [5] verifiou ue o método de Peixoto [13] na média forneeu exelentes resultados para estaas esavadas apresentando também baixo oefiiente de variação (15%). Estes bons resultados podem ser expliados pelo oefiiente F, ou seja, é feito uma análise da relação entre o torue e o SPT. COCLUSÕES O método Van der Veen em muitos asos não garante uma boa extrapolação, devendo, portanto ser utilizado om autela, omo já foi exposto por diversos autores. Quando se utiliza a parela de ponta no álulo da apaidade de arga utilizando os métodos raionais, observase uma grande variação dos resultados, sendo ue a parela lateral também não apresenta boa orrelação uando omparado aos métodos empírios, indiando ue os mesmo não apresentam boa apliação para este tipo de estaa. Observa-se ue as argas aluladas utilizando os dados do SPT, de uma maneira geral, são inferiores a arga estimada (obtida na prova de arga), e ue as argas aluladas utilizando os dados de torue medidos são superiores. Velloso [14] analisou diversas provas de arga realizadas em estaas hélie ontínua e hegou a mesma onlusão.

7 Guimarães [5] utilizou estes métodos para análise de estaas esavadas e verifiou ue normalmente os métodos baseados no torue apresentam valores de previsão de apaidade de arga superior aos métodos baseados no SPT. Devido a magnitude dos resultados enontrados e a esassez do número de dados para análises mais onlusivas, sugere-se a exeução de novos ensaios para eventual reavaliação desses métodos para as estaas hélie ontínua empregadas na região. EFEÊCIAS BIBLIOGÁFICAS [1] ATUES, W.. & CABAL, D.A. Capaidade de arga de estaas hélie ontínua. III Seminário de Engenharia de Fundações Espeiais e Geotenia - SEFE III, São Paulo - SP, 2: (1996). [2] B Estaas - Prova de arga: ABT - Assoiação Brasileira de ormas Ténias, io de Janeiro - J, 12p. (1991). [3] ALOSO, U.. Previsão e Controle das Fundações. Editora Edgard Blüher Ltda, São Paulo, SP, 142 p. (1991). [4] VIAA, A.P.F. & CITA, J.C.A. Apliabilidade do método de Van der Veen para extrapolação de urvas arga x realue. IV Seminário de Engenharia de Fundações Espeiais e Geotenia - SEFE IV, Abef/ABMS, São Paulo - SP, 1: (2000). [5] GUIMAÃES,.C. Análise das Propriedades e Comportamento de um Perfil de Solo Laterítio Apliada ao Estudo do Desempenho de Estaas Esavadas. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geotenia, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 183 p. (2002). [6] CITA, J.C.A. & AOKI,. Carga Admissível em Fundações Profundas. EESC-USP, São Carlos, SP, 61 p. (1999). [7] DÉCOUT, L. Análise e projetos de fundações profundas - Estaas, Fundações Teoria e Prátia. Hahih, W., Faloni, F.F., Saes, J.L., Frota,.G.Q., Carvalho, C.S & iyama, S. (eds.) Pini, São Paulo, SP. pp (1996). [8] DÉCOUT, L. & QUAESMA FILHO, A.. Capaidade de arga de estaas a partir de valores de SPT. VI Congresso Brasileiro de Meânia dos Solos e Engenharia de Fundações, ABMS, l: (1978). [9] AOKI,. & VELLOSO, D.A. An approximate method to estimate the bearing apaity of piles. V Panamerian Conferene on Soil Mehanis and Foudation Engineering, Buenos Aires, Argentina, 1: (1975). [10] ODIGUES, A. A., CAVALHO, J.C, COTOPASSI,.S, SILVA, C.M. Avaliação da Adaptabilidade de Métodos de Previsão de Capaidade de Carga a Diferentes Tipos de Estaas. XI Congresso Brasileiro de Meânia dos Solos e Engenharia Geoténia XI COBAMSEG, Brasília DF, 3: (1998). [11] ALOSO, U.. Estaas hélie ontínua om monitoração eletrônia previsão da apaidade de arga através do ensaio SPTT. 3 o Seminário de Engenharia de Fundações Espeiais - SEFE III, São Paulo, SP, 2: (1996). [12] ALOSO, U.. eavaliação do método de apaidade de arga de estaas hélie ontínua proposto por Alonso em 96 para duas regiões geoténias distintas. 4 o Seminário de Engenharia de Fundações Espeiais e Geotenia - SEFE IV, São Paulo, SP, 2: (2000). [13] PEIXOTO, A.S.P. Estudo do Ensaio SPT-T e sua Apliação na Prátia de Engenharia de Fundações, Tese de Doutorado, Fauldade de Engenharia Agríola FEAGI, Universidade Estadual de Campinas - UICAMP, Campinas, SP, 468 p. (2001). [14] VELLOSO, D.A. Conferênia: Fundações Comportamento, instrumentação, projeto, exeução, patologia e reforço, apliação em programas habitaionais. 4 o Seminário de Engenharia de Fundações Espeiais e Geotenia - SEFE IV, São Paulo, SP, 2: 1-9. (2000).

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 23 397 PROVAS DE CARGA EM ESTACAS ESCAVADAS COM TRADO MANUAL PREENCHIDAS COM SOLO-CIMENTO PLÁSTICO Rafael Leite Gonçalves 1, Elian Marcos da Silva Moreira 1, Miriam Gonçalves Miguel 1 e Antonio

Leia mais

8 a Aula. Fundações por estacas

8 a Aula. Fundações por estacas Meânia dos Solos e Fundações PEF 522 8 a Aula Fundações por estaas Fundações por estaas Conreto Aço madeira 1 Capaidade de arga de estaas Q ult Q atrito lateral Q ult = Q atrito lateral + Q ponta Q ponta

Leia mais

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres

DOSAGEM DE TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO MÉTODO ACI/ABCP E MODELO PROPOSTO POR CAMPITELI. Junio de Matos Torres 0 DOSAGE DE TRAÇOS DE ONRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE, PELO ÉTODO AI/ABP E ODELO PROPOSTO POR APITELI. Junio de atos Torres Garanhuns setembro de 2015 1 ONRETO DEFINIÇÃO onreto é basiamente o resultado

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHAR IA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHAR IA CIVIL E ARQUITETURA 388 ENTECA 23 PROVAS DE CARGA EM ESTACAS ESCAVADAS COM TRADO MANUAL EM SOLO COLAPSÍVEL DE LONDRINA/PR Fábio Fernal 1, Tássio Barbosa da Silva 1, Miriam Gonçalves Miguel 1 e Antonio Belincanta 2 1 Departamento

Leia mais

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB

Models for prevision of the modulus of elasticity of concrete: NBR- 6118 versus CEB Teoria e Prátia na Engenharia Civil, n.12, p.81-91, Outubro, 08 Modelos para previsão do módulo de deformação longitudinal do onreto: NBR-6118 versus Models for prevision of the modulus of elastiity of

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Universidade Federal de Sergipe Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Prof. Erinaldo Hilário Cavalcante Novembro de 2013 Sumário Contextualização

Leia mais

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil

Rem: Revista Escola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.com.br Escola de Minas Brasil Rem: Revista Esola de Minas ISSN: 0370-4467 editor@rem.om.br Esola de Minas Brasil Ando, Eunie Sumie; Lopes Moreno Junior, Armando; Reis de Oliveira, Clayton Reforço à flexão de vigas em onreto armado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ALUNA: MARESSA M. DE FREITAS OLIVEIRA ORIENTADOR: PROF. JAIRO P. DE ARAÚJO ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Mogi das Cruzes,SP

Leia mais

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP XXI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 19 à 23 de Outubro de 2015 Interpretação de Resultados de Sondagem à Percussão com Medição de Torque em Subsolo Arenoso. Tiago Melo Monteiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS RAIZ E ESCAVADA CONVENCIONAL, INSTRUMENTADAS, EM SOLOS DE DIABÁSIO Paulo José Rocha de Albuquerque Unicamp, Campinas, Brasil, pjra@fec.unicamp.br Bárbara Nardi

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque

Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Análise do Comportamento das Provas de Carga Estáticas em Estacas Tipo Hélice Contínua através da Curva Carga Recalque Isabella Barbalho Santini Batista SoloSSantini, Recife, Brasil, isabella@solossantini.com.br

Leia mais

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA

GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA GESTÃO DE INTERSECÇÕES RODOVIÁRIAS FUNCIONAMENTO EM MODELOS DE ROTUNDA PAULO MATOS MARTINS PROF. ADJUNTO, ISEL. EDUARDO NABAIS ENCARREGADO DE TRABALHOS, ISEL RUI CABRAL TÉCNICO SUPERIOR, IEP - SANTARÉM

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO Heriberto Pagnussatti; Adailton Antonio dos Santos UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES

PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES PROCESSAMENTO DOS DADOS DE DIFRAÇÃO DE RAIOS X PARA MEDIÇÃO DE TENSÕES J.T.Assis joaquim@iprj.uerj.br V.I.Monin monin@iprj.uerj.br Souza, P. S. Weidlih, M. C. Instituto Politénio IPRJ/UERJ Caixa Postal

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo.

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo. CONCURSO PREVISÃO DE PROVA DE CARGA EM PLACA O concurso de previsão de prova de carga em placa será realizado no dia 27 de novembro de 2015 durante o ÑSAT2015. O concurso tem por objetivo a previsão de

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil

Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Comparação entre resultados de ensaios CPT mecânico e elétrico para o solo de diabásio da região de Campinas, Brasil Tiago Garcia Rodriguez FEC/Unicamp / Fugro In Situ Geotecnia Jundiaí, São Paulo, Brasil,

Leia mais

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Osmometria de Membrana. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmichel@ima.ufrj.br Osmometria de Membrana Riardo Cunha Mihel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 2562-7228 rmihel@ima.ufrj.br O Fenômeno da Osmose * A osmose pode ser desrita omo sendo o resultado da tendênia do solvente em meslar-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL ENERGIA E CONFIABILIDADE APLICADAS AOS ESTAQUEAMENTOS TIPO HÉLICE CONTÍNUA CARLOS MEDEIROS SILVA ORIENTADOR:

Leia mais

Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste

Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste Estacas Escavadas com Trado Mecanizado, com Anéis ao Longo do Fuste Juliane Andréia Figueiredo Marques, D.Sc. Responsável Técnico da AGM Geotécnica Ltda, Prof a da FACET-CESMAC/FEJAL Maceió, Brasil, juliane@agmgeotecnica.com.br

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

Estimativa Probabilistica das Capacidades de Carga de uma Fundacao Rasa em Alguns Solos de Salvador

Estimativa Probabilistica das Capacidades de Carga de uma Fundacao Rasa em Alguns Solos de Salvador Estimativa Probabilist das Capaidades de Carga de uma udaao Rasa em Algus Solos de Salvador Rrdo Pihai Celestio Uiversidade ederal da Bah, Esola Polité, DCTM. Rua Aristides ovis, ederação. Salvador, Bah.

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações FUNDAÇÕES PROFUNDAS Capacidade de carga de fundações profundas 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações Métodos Diretos para Cálculo da Capacidade de Carga por meio do SPT. Métodos Direto Semi Empíricos - Estatísiticos

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT FL. 201 MASTERSOLO Engenharia Ltda RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT CLIENTE: OBRA.- ENDEREÇO: RUA TAMANDARÉ, ESQ. AV JOSÉ FERREIRA DE SANTANA QD-323-B.LT-6- RESIDENCIAL GOBATO CIDADE: GOIATUBA - GO MASTERSOLO

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP

INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP INVESTIGAÇÕES DE CAMPO SÃO PAULO /SP Eng.Arthur Quaresma Filho Prof. Dr.Antônio Sérgio Damasco Penna Prof. Dr. Paulo José Rocha de Albuquerque /SP A maior parte dos problemas geotécnicos está vinculado

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores

Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Circuladores e Derivadores 4. Cabos Coaxiais, Guias de Ondas, Ciruladores e Derivadores 4.1. INTRODUÇÃO E ste apítulo apresenta as araterístias básias dos abos oaxiais, guias de ondas, iruladores e derivadores. O onheimento do funionamento

Leia mais

Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile

Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile Prova de Carga à Compressão Instrumentada em Estaca Cravada Moldada in loco do tipo Ecopile Uberescilas Fernandes Polido GEOCONSULT/ CT-UFES, Vitória/ES, geoconsult@geoconsult.com.br Hugo Ferreira França

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA - Artigo - Itens anexos: A Texto 01: Fundação a base de tudo (Prof. Douglas); B Texto 02: Frases que podem significar o início dos seus problemas na construção ; C Notas de aula sobre: Sondagem a percussão

Leia mais

DFA em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST)

DFA em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST) DFA em Engenharia de Estruturas Fundações de Estruturas Ensaios de campo Jaime A. Santos (IST) Ensaio de penetração dinâmica SPT O ensaio SPT (Standard Penetration Test) é realizado na base de um furo

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Estudo de Resultados de Sondagens SPT e Ensaio de Penetração Dinâmica Contínua (PD) para Areias da Grande Vitória - ES

Estudo de Resultados de Sondagens SPT e Ensaio de Penetração Dinâmica Contínua (PD) para Areias da Grande Vitória - ES Estudo de Resultados de Sondagens SPT e Ensaio de Penetração Dinâmica Contínua (PD) para Areias da Grande Vitória - ES Maria Luiza Moraes Mestranda, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito

Leia mais

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia

26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Universidade ederal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 200 Assoiação rasileira de Métodos Computaionais em Engenharia Aoplamento entre o Método dos Elementos de Contorno e o Método dos Elementos

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

Engenharia Civil. Provas de carga em estacas pré-moldadas ensaiadas em areias porosas. Resumo. Abstract. Stélio Maia Menezes

Engenharia Civil. Provas de carga em estacas pré-moldadas ensaiadas em areias porosas. Resumo. Abstract. Stélio Maia Menezes Engenharia Civil Stélio Maia Menezes et al. Provas de carga em estacas pré-moldadas ensaiadas em areias porosas Stélio Maia Menezes Eng. Civil, DSc., Professor Adjunto da UFLA, E-mail: stelio@ufla.br Fabrício

Leia mais

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES & Construções CONCRETO PROTENDIDO APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERATÓRIOS E EDIFICAÇÕES Instituto Brasileiro do Conreto Ano XLIII 78 ABR-JUN 2015 ISSN 1809-7197 www.ibraon.org.br PERSONALIDADE

Leia mais

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Bianca de Oliveira Lobo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil. Julia Luiza

Leia mais

Provas de Carga em Estacas Hélice Contínua Monitoradas em Solos Sedimentares

Provas de Carga em Estacas Hélice Contínua Monitoradas em Solos Sedimentares Provas de Carga em Estacas Hélice Contínua Monitoradas em Solos Sedimentares Carla Therezinha Dalvi Borjaille Alledi Professora do CEFETES, Vitória, Brasil Uberescilas Fernandes Polido Diretor da GEOCONSULT

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro (2) Claudio Michael Wolle (3) RESUMO

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro (2) Claudio Michael Wolle (3) RESUMO ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA: CORRELAÇÕES ENTRE A MONITORAÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS (1) Alberto Alonso Lázaro () Claudio Michael Wolle () RESUMO As estacas hélice contínua, introduzidas no Brasil em 1987,

Leia mais

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio

Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-concreto de edifícios em situação de incêndio AGO 003 Projeto de Revisão da NBR 1433 Dimensionamento de estruturas de aço e de estruturas mistas aço-onreto de edifíios em situação de inêndio Proedimento Origem: NBR 1433:1999 CB-0: Comitê Brasileiro

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

PROPRIEDADES DE UM SOLO RESIDUAL DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP, DETERMINADAS POR PRESSIÔMETRO DE AUTO-FURAÇÃO DE CAMBRIDGE - CAMKOMETER

PROPRIEDADES DE UM SOLO RESIDUAL DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP, DETERMINADAS POR PRESSIÔMETRO DE AUTO-FURAÇÃO DE CAMBRIDGE - CAMKOMETER PROPRIEDADES DE UM SOLO RESIDUAL DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP, DETERMINADAS POR PRESSIÔMETRO DE AUTO-FURAÇÃO DE CAMBRIDGE - CAMKOMETER Sampaio Junior, J.L.C. (M.Sc.) 1 ; Pinto, C.S. (D.Sc.) 2 & Carvalho,

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

Comportamento à tração de estacas tipo hélice contínua executadas em solo de diabásio

Comportamento à tração de estacas tipo hélice contínua executadas em solo de diabásio Artigos Comportamento à tração de estacas tipo hélice contínua executadas em solo de diabásio João Alexandre Paschoalin Filho Doutor em Engenharia Civil Uninove. São Paulo SP [Brasil] jalexandre@uninove.br;

Leia mais

Medidas da Eficiência do Ensaio SPT em Areia Através de Provas de Carga Estática no Amostrador Padrão (PCESPT)

Medidas da Eficiência do Ensaio SPT em Areia Através de Provas de Carga Estática no Amostrador Padrão (PCESPT) Medidas da Eficiência do Ensaio SPT em Areia Através de Provas de Carga Estática no Amostrador Padrão (PCESPT) Yuri D. J. Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, ydjcosta@ct.ufrn.br João

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO UTILIZANDO O CPT ELÉTRICO: APLICAÇÃO EM UM PERFIL DE SOLO TROPICAL ARENOSO

INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO UTILIZANDO O CPT ELÉTRICO: APLICAÇÃO EM UM PERFIL DE SOLO TROPICAL ARENOSO XII COBRAMSEG INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO UTILIZANDO O CPT ELÉTRICO: APLICAÇÃO EM UM PERFIL DE SOLO TROPICAL ARENOSO Giulliana Mondelli 1 ; Marcelo Eduardo Moimaz Marques 2 ; Heraldo Luiz Giacheti 3 RESUMO

Leia mais

Neste capítulo introdutório comentaremos alguns problemas

Neste capítulo introdutório comentaremos alguns problemas FUNDAÇÕES: ENSAIOS ESTÁTICOS E DINÂMICOS Prova 5 18/10/2013 Maluhy&Co. página (local 9, global #9) Problemas em fundações e SPT 1 9 José Carlos A. Cintra Neste capítulo introdutório comentaremos alguns

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba.

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Fundações em São Paulo e Curitiba Prof. Eng. Luciano Décourt Fundações Profundas em São Paulo Frederico F. Falconi, Maíra

Leia mais

COEFICIENTES DE ATRITO

COEFICIENTES DE ATRITO Físia Geral I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protoolos das Aulas Prátias 003 / 004 COEFICIENTES DE ATRITO 1. Resumo Corpos de diferentes materiais são deixados, sem veloidade iniial, sobre um plano

Leia mais

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações 3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações Dados Indiretos Nas areias a amostreação indeformada, bem como a moldagem de corpos de prova para a execução de ensaios de laboratório, são operações extremamente

Leia mais

FISICA (PROVA DISCURSIVA)

FISICA (PROVA DISCURSIVA) FISICA (PROVA DISCURSIVA) Questão 1: A transmissão de energia elétria das usinas hidrelétrias para os entros onsumidores é feita através de fios metálios que transmitem milhares de watts. Como esses fios

Leia mais

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS TYPICAL PROFILES OF THE SUBSOIL IN THE LOWLAND OF RECIFE - BRAZIL: CASES HISTORY Oliveira, Joaquim Teodoro Romão de, Universidade

Leia mais

UNINOVE Universidade Nove de Julho. Aula 02 Prospecção de Subsolo Prof: João Henrique

UNINOVE Universidade Nove de Julho. Aula 02 Prospecção de Subsolo Prof: João Henrique 1 Aula 02 Prospecção de Subsolo Prof: João Henrique Sumário Prospecção de Subsolo... 2 Investigação Geotécnica de Campo... 3 Ensaios in-situ... 4 NBR 8036/1983 Programação de Sondagens... 4 Determinação

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST)

Mestrado em Engenharia de Estruturas. Fundações de Estruturas. Ensaios de campo. Jaime A. Santos (IST) Mestrado em Engenharia de Estruturas Fundações de Estruturas Ensaios de campo Jaime A. Santos (IST) Ensaio de penetração dinâmica SPT Ensaio SPT (Standard Penetration Test) - realizado na base de um furo

Leia mais

PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS

PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA DE ESTACAS CRAVADAS MÉTODO UFRGS Bianca de Oliveira Lobo - Milititsky Consultoria Geotécnica Fernando Schnaid - Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Edgar Odebrecht

Leia mais

Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto

Ligações viga-pilar reforçadas pela colagem de laminados de PRFC em entalhes no concreto BE2008 Enontro Naional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Ligações viga-pilar reforçadas pela olagem de laminados de PRFC em entalhes no onreto Tatiana de Cássia Sandra Freire

Leia mais

Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz

Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz 1 Avaliação de Métodos de Previsão de Carga Aplicados à Estaca Raiz Patrícia Amelco patricia.amelco@hotmail.com MBA Projeto Controle e Execução de Estruturas e Fundações Instituto de Pós-Graduação - IPOG

Leia mais

ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE

ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE 2007 LUCIANO SERRA RODARTE ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS

Leia mais

Sondagens SPT e SPT-T no Contexto dos Solos Tropicais

Sondagens SPT e SPT-T no Contexto dos Solos Tropicais Sondagens SPT e SPT-T no Contexto dos Solos Tropicais Renato Cabral Guimarães Furnas e Universidae Estadual de Goiás, Goiânia, Brasil, renatocg@furnas.com.br Márcia Maria dos Anjos Mascarenha Universidade

Leia mais

Torção Deformação por torção de um eixo circular

Torção Deformação por torção de um eixo circular Torção Deformação por torção de um eixo irular Torque é um momento que tende a torer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o omprimento e o raio do eixo permaneerão

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Engenharia de Controle e Automação 9ª Série Controle e Servomeanismos I A atividade prátia supervisionada (ATPS) é um proedimento metodológio de ensino-aprendizagem

Leia mais

ESTACA DE DESLOCAMENTO (ÔMEGA)

ESTACA DE DESLOCAMENTO (ÔMEGA) ESTACA DE DESLOCAMENTO (ÔMEGA) Eng M.Sc. Isabella Santini Batista Diretora Técnica de Fundações da SoloSSantini Vice - Presidente da ABMS - Núcleo NE (2009-2010) 11 de Novembro de 2010 ESTACA DE DESLOCAMENTO

Leia mais

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira 2013 PROVA DE CARGA ESTÁTICA INSTRUMENTADA EM ESTACA METÁLICA DE SEÇÃO DECRESCENTE

Leia mais

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela)

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela) Cliente: Sondagem: RS 1735 SP-01 Obra: Campus Experimental Folha: 01/03 Local: Jazida Mineração Veiga Cota do Furo: +0.27 m Município: Araquari SC Na: -2.55 m 01 siltosa marrom 08 02 marrom 09 03 marrom

Leia mais

Acta Scientiarum. Technology ISSN: 1806-2563 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil

Acta Scientiarum. Technology ISSN: 1806-2563 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Acta Scientiarum. Technology ISSN: 186-2563 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Gonçalves Miguel, Miriam; da Silva, Daniel Fermino; Garcia Galego Campos, Gustavo; de Almeida, Maycon André;

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA.

À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA. RELATÓRIO N 002/2013 À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA. Largo São Frei Pedro Gonçalves, n 02, Varadouro - João Pessoa/PB. SONDAGEM SPT SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO COM

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

custo/volume/lucro para multiprodutos

custo/volume/lucro para multiprodutos Artigo 1. Introdução; 2. O onjunto de possibilidade de equlhbrio; 3. Margem de segurança; 4. Alavanagem operaional; 5. Conlusões. Relação usto/volume/luro para multiprodutos Magnus Amaral da Costa Professor

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

3 Capacidade térmica à pressão constante

3 Capacidade térmica à pressão constante 4 3 Capaidade térmia à pressão onstante A apaidade térmia de um material qualquer representa a resistênia ao aumento de temperatura para uma dada quantidade de alor forneida. Quanto maior a apaidade térmia,

Leia mais

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014

TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS INCOMPATIBILIDADE QUÍMICA ABNTNBR14619/2014 Esta Norma estaelee os parâmetros para o transporte terrestre dos produtos perigosos quimiamente inompatíveis que

Leia mais

Verificação da Adequabilidade de Correlações entre os Ensaios SPT-T e DPL para um Solo Coluvionar da Região de Campinas/SP

Verificação da Adequabilidade de Correlações entre os Ensaios SPT-T e DPL para um Solo Coluvionar da Região de Campinas/SP Verificação da Adequabilidade de Correlações entre os Ensaios SPT-T e DPL para um Solo Coluvionar da Região de Campinas/SP Tiago Garcia Rodriguez (1); Paulo Jose Rocha de Albuquerque (2); Resumo O presente

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados Metodologia de Cálulo da Inéria Inflaionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados I. Introdução Esta nota apresenta a metodologia usada atualmente para quantifiar o efeito, via inéria, da inflação

Leia mais

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28 APRESENTAÇÃO Em prosseguimento à nossa campanha de divulgação de ensaios de carregamento dinâmico realizados em obras da nossa responsabilidade, e por ocasião do SEFE V no ano de, retratamos neste trabalho

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Investigação geotécnica

Investigação geotécnica Investigação geotécnica Técnicas atuais de ensaios de campo Eng. Antônio Sérgio Damasco Penna RESUMO Sondagem a percussão SPT Dilatômetro de Marchetti DMT Ensaio de penetração de cone estático com medidas

Leia mais

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5

Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L 2 ; Acevedo, O.C 3.Fitzjarrald D.R 4 ; Sakai, R.K 5 COMPORTAMENTO DA UTILIZAÇÃO DE FILTRO DIGITAL NA ESTIMATIVA DA DENSIDADE ESPECTRAL DE ENERGIA TURBULENTA EM SÉRIES DE TEMPERATURA E COMPONENTE VERTICAL DO CAMPO DE VENTO. Zimermann, H.R 1 ; Moraes, O.L.L

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT

CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA. José Maria de Camargo Barros IPT CONTEXTO GEOTÉCNICO EM SÃO PAULO E CURITIBA José Maria de Camargo Barros IPT 2 Sumário Argilas cinza-esverdeadas de São Paulo x Formação Guabirotuba Solos residuais de São Paulo x Solos residuais de Curitiba

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTACAS PRÉ- -MOLDADAS E ESCAVADAS, INSTRUMENTADAS, EM SOLO NÃO SATURADO. A EXPERIÊNCIA DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP CAMPINAS

COMPORTAMENTO DE ESTACAS PRÉ- -MOLDADAS E ESCAVADAS, INSTRUMENTADAS, EM SOLO NÃO SATURADO. A EXPERIÊNCIA DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP CAMPINAS COMPORTAMENTO DE ESTACAS PRÉ- -MOLDADAS E ESCAVADAS, INSTRUMENTADAS, EM SOLO NÃO SATURADO. A EXPERIÊNCIA DO CAMPO EXPERIMENTAL DA UNICAMP CAMPINAS Behavior of precast and bored piles, instrumented, in

Leia mais