13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação"

Transcrição

1 Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo projetista Carga média típica de edifícios:.tf/m /andar = kn/m /andar Carga típicas de pilares de edifícios de n andares: P min = 0n (tf) = 00n (kn) P med = 0n (tf) = 00n (kn) P max = n (tf) = 0n (kn)

2 Analisar as fundações em ordem crescente de complexidade e custos. Solução técnica Custos Mercado Tensão Admissível Fundação rasa 0. N ou ( kgf ) N ( kgf ) Avaliar também os Recalques

3 Projeto de Fundação em Estaca Comprimento das Estacas Sugestões de Mello () para estimativa do comprimento das estacas com base no. Experiência obtida para a cidade de São Paulo. São considerados dois tipos de comportamento: Estacas de atrito + ponta Estacas de ponta Estacas de atrito + ponta. c Estacas de ponta ponta 0. c Em kgf/cm Em kgf/cm Projeto de Fundação em Estaca Comprimento das Estacas Outros métodos Método de Aoki e Velloso Décourt e Quaresma Prova de Cargas

4 Escolha de Fundações Tipos de edificações perfis de solo Tipos de edificação: Caso A - conjunto habitacional formado por casas térreas, geminadas, paredes auto-portantes (carga distribuída nas paredes da ordem de, tf/m); Caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; Caso C - edifício com quatro pavimentos, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; Caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. PERFIL : CUBATÃO 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa caso A - conjunto habitacional formado por casas térreas, geminadas, paredes auto-portantes (carga distribuída nas paredes da ordem de, tf/m);. O terreno superficial não suporta nenhum acréscimo de carga.. Deve-se em primeiro lugar executar um aterro e deixar que o mesmo recalque, antes de se construir o conjunto habitacional.. Para acelerar os recalques do aterro podem ser executados drenos de areia ou fibro químico. Este procedimento aumenta o custo da obra.. O ideal é executar o aterro com uma altura maior que a necessária para após a ocorrência de pelo menos 0 a % dos recalques previstos para o acréscimo de tensão final (aterro + edificação), cortar o aterro até a cota correta.. Este processo, chamado de aterro de pré-carga, evita ou praticamente elimina a ocorrência de recalques posteriores.

5 PERFIL : CUBATÃO caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa. Não poderiam ser executadas sapatas.. Pode-se calcular um aterro de pré-carga para evitar os recalques posteriores.. Para um sobrado com estrutura de concreto armado, o ideal seria a utilização de estacas.. Não podem ser usadas brocas, strauss, Franki nem hélice contínua devido à camada superficial de argila muito mole.. Podem ser usadas estacas pré moldadas.. De todo modo é necessário executar um aterro para permitir a passagem de equipamentos. Pilar médio = 0* número de andares = 0 * = 0tf Para estacas no pilar médio: Estacas pré moldadas x ou F0 Se forem utilizadas estacas de x que agüentam tf de carga ter-se-ia: Pilar mínimo Pilar mãximo 0tf,tf 0* estacas * estacas PERFIL : CUBATÃO caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa. Para estimar o comprimento das estacas, usa-se a fórmula de Mello. Só pode ser considerado o atrito existente abaixo da camada de argila mole.,*0 0. As estacas devem chegar até m de profundidade.. Fundações por estacões, perfis metálicos ou raiz são mais caras.. Tubulão também sairia caro pois seria necessário tubulão a ar comprimido.

6 PERFIL : CUBATÃO caso C - edifício com quatro pavimentos, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa Para uma edificação com pavimentos, pelos motivos já citados no caso B, devem ser utilizadas estacas pré moldadas de concreto. As estacas também devem chegar a m de profundidade Pilar médio: 0 * = 0tf estacas por pilar médio: Por exemplo, estacas com diâmetro de que apresentam tf de carga de trabalho. Para pilar médio: Para pilar mínimo: 0tf,tf 0, estacas 0*, estacas Para pilar máximo: *, estacas PERFIL : CUBATÃO 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação.. Para executar um subsolo neste tipo de terreno será necessário tratar a argila com jet grounting no fundo da vala.. As laterais da vala devem ser protegidas com a utilização de paredes diafragmas ou com estacas pranchas.. Os custos serão elevados.. O edifício deverá ter a fundação em estacas e toda a estrutura deve ser suportada por esta fundação, para evitar recalques do piso térreo.

7 PERFIL : CUBATÃO 0 0 /0 /0 /0 0/ 0/ /0 / / /0 N.A. - m argila marinha siltosa, mole a muito mole, cinza escuro, com matéria orgânica solo de alteração de gnaisse, silte - arenoso, cinza e rosa caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. Estacas de concreto pré moldadas Pilar médio: * 0 = 0tf estacas por pilar médio: Estacas com diâmetro de carga de tf Para pilar mínimo: Para pilar médio: Para pilar máximo: 0tf 00tf *0, estacas *0, estacas * estacas Para cargas maiores poderiam ser utilizados estacões ou perfis metálicos. PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) Considerações gerais sobre o perfil 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Observa-se que neste perfil existe uma camada de argila porosa suprficial de m de profundidade.. O nível d água está a m, na camada de argila siltosa média a rija.. As argilas porosas colapsam quando são carregadas e submetidas a aumento de teor de umidade, levando o solo a uma condição perto da saturação.. O ideial é não apoiar nenhum tipo de fundação neste tipo de solo.. Deve-se avaliar o nível de tensão e o grau de colapso.. Qualquer infiltração provocada por chuva, vazamentos de tubulação, etc., pode levar ao colpaso do solo.. A máxima tensão que se pode itir para uma argila deste tipo é de 0kPa, que deve estar abaixo da máxima tensão de colapso.. No caso da argila porosa da Av. Paulista a tensão de máximo colapso é de 00kPa.

8 PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso A - conjunto habitacional formado por casas térreas, geminadas, paredes auto-portantes (carga distribuída nas paredes da ordem de, tf/m); 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Para o caso A, como a tensão aplicada pelas paredes auto-portantes é muito baixa (kn/m ) pode-se fazer a fundação em sapatas corridas apoiadas na cota m.. Tensão issível 0,kgf 0,kgf Ado tan do se. Tem-se que a largura da sapata deve ser maior ou igual a b. b 0, m 0 0,kgf 0kN / m. Como a largura da sapata corrida deve ter no mínimo 0cm pode-se adotar b=0,0m. PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Para o sobrado com tensão média de kn/m, ainda é possível adotar a solução de fundação direta (rasa).. Neste cao, ter-se-ia a área da fundação igual a: 0, 0. Isto indica que teremos em sapata o equivalente a 0% da área do edifício, o que é uma solução econômica.. O pilar mais carregado teria uma sapata com área de: * n * As m 0

9 PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Também podem ser utilizadas brocas para a fundação do sobrado, pois desta forma se evitaria definitivamente a possibilidade de colapso.. Se forem adotadas brocas tem-se: 0n 0* P médio, tf. Como a máxima capacidade de carga da broca é de tf, seriam necessárias brocas para o pilar médio, o que é um número muito alto. Portanto a solução não é boa.. Podem ser utilizadas estacas Strauss com F0cm e capacidade de carga de tf.. A argila porosa não flui fechando o buraco, como acontece com argilas moles orgânicas.. O bloco do pilar mínimo teria estacas e do pilar de máxima carga estacas.. O comprimento das estacas pode ser estimado pela fórmula:,,*0 0 c. Portanto, as estacas teriam aproximadamente 0m de profundidade.. Outras soluções como tubulões a cêu aberto, etsacs hélice contínua ou pré-moldadas podem ser utilizadas, mas devem ficar mais caras. PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso C - edifício com quatro pavimentos, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Para o edifício com pavimentos a solução por sapatas seria inviável.. Poderiam ser utilizadas estacas Strauss com Fcm e capacidade de carga de tf. pilar com menor carga : 0* Pmin. estacas pilar com carga média : 0* Pmed. estacas pilar com carga máxima : P max. * estacas. Como no caso B as estacas deveriam atingir 0m de profundidade.. Também como em B outros tipos de estacas ou tubulões a cêu aberto podem ser utilizados.

10 PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa, ou sup erfície tubulão. Neste caso pode-se escavar o subsolo com escoramento apropriado que não será tão caro, já que o empuxo provocado pela argila porosa é pequeno.. Supondo m de subsolo tem-se que executar as fundações a partir da cota m.. O pilar médio do edifício tem x 0 = tf de carga. Como em C não podem ser utilizadas sapatas.. Pode-se pensar em tubulões a cêu aberto apoiados na cota m ou estacas.. Para Tubulão apoiado na cota m:,kgf, kgf. Considerando o efeito da profundidade podese aumentar a tensão isível para:,* 0 0,*,, kgf tf / m 0kN / m PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. A carga média no edifício é de: x = kn/m. Portanto, a carga é muito alta para a tensão issível que deve ser considerada, o que inviabiliza o uso do tubulão.. As estacas que podem ser utilizadas são: Hélice contínua Pré moldada Estacão, etc.. A mais barata deve ser a pré moldada.. Adotando-se pré moldada tem-se: Carga na Estaca : *0 Carga 0tf F cm carga de trabalho tf pilar com carga mínima : *0 Pmed., estacas pilar com carga média : estacas pilar com carga máxima : estacas 0

11 PERFIL : AV. PAULISTA (SÃO PAULO) caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. 0 0 argila porosa, siltosa, mole, vermelha - m argila siltosa, média a rija, amarela e marrom areia fina argilosa, mediamente compacta, amarela argila siltosa rija, amarela e roxa areia argilosa, fina e média, mediamente compacta, a compacta, amarela e roxa. Estimativa do comprmeto da estaca,,*0 0 c. A estaca deveria ir no mínimo até a cota, porém como nesta cota o ainda é baixo e começa a aumentar na cota 0m, deve-se estimar esta cota para calcular o comprimento mínimo das estacas. PERFIL : CAMPINAS Considerações gerais sobre o perfil m argila siltosa, mole a rija, marrom, com mica silte arenoso, micáceo, com pedregulhos, compacto, cinza areia siltosa, média a grossa, micácea, compacta, branco e cinza. Neste perfil o é crescente com a profundidade, portanto, podem ser utilizadas fundações diretas rasas, desde que as tensões issíveis na cota considerada sejam compatíveis com as tensões aplicadas pela estrutura.

12 PERFIL : CAMPINAS caso A - conjunto habitacional formado por casas térreas, geminadas, paredes auto-portantes (carga distribuída nas paredes da ordem de, tf/m); m argila siltosa, mole a rija, marrom, com mica silte arenoso, micáceo, com pedregulhos, compacto, cinza areia siltosa, média a grossa, micácea, compacta, branco e cinza. Apoiando-se a sapata corrida na cota m tem-se:,kgf, b 0,m adota se b 0cm tf / m PERFIL : CAMPINAS caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; m argila siltosa, mole a rija, marrom, com mica silte arenoso, micáceo, com pedregulhos, compacto, cinza areia siltosa, média a grossa, micácea, compacta, branco e cinza. Carga do sobrado = x, =,tf/m :, 0,0. Isto é: 0% da área será ocupada pelas fundações.. Área das sapatas: 0* mínima,m 0* média,m * máxima m

13 PERFIL : CAMPINAS caso C - edifício com quatro pavimentos, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; m argila siltosa, mole a rija, marrom, com mica silte arenoso, micáceo, com pedregulhos, compacto, cinza areia siltosa, média a grossa, micácea, compacta, branco e cinza. Carga do prédio de pavimentos = x, =,tf/m :, área ocupada pelas sapatas 0,0. Isto é: 0% da área será ocupada pelas fundações.. Área das sapatas: 0* mínima,m 0* média,m * máxima 0m PERFIL : CAMPINAS caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação m argila siltosa, mole a rija, marrom, com mica silte arenoso, micáceo, com pedregulhos, compacto, cinza areia siltosa, média a grossa, micácea, compacta, branco e cinza. Com o subsolo até a cota m, é inviável tecnicamente a solução por sapatas porque a tensão issível nas cotas e m são:,kgf tf / m, kgf tf / m. A tensão aplicada pelo prédio é de,tf/m.. Não podem ser utilizados tubulões porque o N.A. está alto e seria necessário usar ar comprimido.. Podem ser usadas estacas pré moldadas, hélice contínua, estacão, etc. Utilizando-se pré moldadas as estacas seriam as mesmas usadas no perfil para este caso.. O comprimento estimado é de 0m, chegando até a cota m.

14 PERFIL : CIDADE DE SANTOS caso A - conjunto habitacional formado por casas térreas, geminadas, paredes auto-portantes (carga distribuída nas paredes da ordem de, tf/m); Areia fina Compacidade média Cinza escura Areia fina pouco argilosa Fofa cinza Consistência média cinza escura. Sapatas corridas na cota m.,kgf,0kgf. O valor da tensão issível é muito superior a necessária.. A largura mínima das sapatas corridas é de 0cm.. Os recalques neste caso são desprezíveis, por que o acréscimo de carga que chega na camada de argila mole é muito pequeno. tf / m tf / m Areia grossa Compacta PERFIL : CIDADE DE SANTOS caso B - sobrado com estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; Areia fina Compacidade média Cinza escura Areia fina pouco argilosa Fofa cinza Consistência média cinza escura Areia grossa Compacta. Sapatas isoladas (m de profundidade) = tf/m :, área ocupada pelas sapatas 0,0. Isto é: % da área será ocupada pelas fundações.. Área das sapatas: 0* mínima 0,m 0* média,m * máxima m. Os recalques seriam despreziveis pelos motivos apresentados para o caso A.

15 PERFIL : CIDADE DE SANTOS caso C - edifício com quatro pavimentos, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação; Areia fina Compacidade média Cinza escura Areia fina pouco argilosa Fofa cinza Consistência média cinza escura Areia grossa Compacta. Sapatas isoladas (m de profundidade) = tf/m :, área ocupada pelas sapatas 0,. Isto é: % da área será ocupada pelas fundações.. Área das sapatas: 0* mínima,m 0* média,m * máxima,0m. Os recalques neste caso ainda seriam muito pequenos, porém tanto para este caso como para os anteriores, se forem construídos prédios altos próximos, com fundação rasa, estes podem provocar a inclinação dos edifícios mais baixos.. Normalmente em Santos se considera = tf/m, mesmo que esta tensão, quando determinada por meio de fórmulas empiricas dê valores mais altos. PERFIL : CIDADE DE SANTOS caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. Areia fina Compacidade média Cinza escura Areia fina pouco argilosa Fofa cinza Consistência média cinza escura Areia grossa Compacta. Fundação por estacas apoiadas na última camada de areia.. Se as fundações forem apoiadas na a camada de areia gerarão altos recalques.. Os recalques podem chegar a m.. Quando a segunda camada de areia é mais espessa, pode-se utilizar estacas até esta camada, desde que a segunda camada de argila, que é menos compressível, não sofra recalques.. Os recalques devem ser calculados.. Utilizando-se estacas com comprimento tal que ultrapasse as duas camadas de argila mole, ter-se-á certeza que não ocorrerão recalques.. Neste caso as estacas devem ter aproximadamente m de comprimento (subsolo na cota m).. As estacas que podem ser utilizadas são: Pré moldadas Estacões Estacas raiz. Não podem ser utilizadas hélice contínuas devido à primeira camada de argila mole e também devido ao comprimento da estaca que é maior do que o máximo normalmente executado com este tipo de estaca.

16 PERFIL : CIDADE DE SANTOS caso D - edifício residencial com andares e um subsolo, estrutura de concreto armado convencional e alvenaria de vedação. Areia fina Compacidade média Cinza escura Areia fina pouco argilosa Fofa cinza. Deve-se orçar as pré moldadas e os estacões, pois devido à primeira camada de areia compacta, as pré moldadas devem ser executadas com pré furo o que encarece a execução.. Além disso como a estaca pré moldada provoca vibrações na vizinhança, deve ser verificado se a cravação destas estacas pode danificar as edificações próximas. Consistência média cinza escura Areia grossa Compacta

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. Capacidade de carga de fundações profundas. 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações FUNDAÇÕES PROFUNDAS Capacidade de carga de fundações profundas 29/04/ 2014 Disciplina - Fundações Métodos Diretos para Cálculo da Capacidade de Carga por meio do SPT. Métodos Direto Semi Empíricos - Estatísiticos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas a decisão de qual fundação se comporta melhor envolve a análise técnica, logística e econômica. Tipos de fundações D B 2,5 D B 2,5 e D 3m Tipos de fundações

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas Métodos Dinâmicos maio/ 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Avaliação da capacidade de carga de estacas Método - Fórmulas

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA. Objetivo: O que são? Fundações. O que são? FUNDAÇÕES. Classificação PCC-2435 ecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES AULAS 5 e 6 DEPARAMENO DE ENGENHARIA DE CONSRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - ecnologia da Construção de Edifícios I Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M.

Leia mais

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28 APRESENTAÇÃO Em prosseguimento à nossa campanha de divulgação de ensaios de carregamento dinâmico realizados em obras da nossa responsabilidade, e por ocasião do SEFE V no ano de, retratamos neste trabalho

Leia mais

Manual de Estruturas. Conceitos. Parâmetros para a escolha. Fundação superficial. Fundação profunda. Características das fundações.

Manual de Estruturas. Conceitos. Parâmetros para a escolha. Fundação superficial. Fundação profunda. Características das fundações. Fundação Conceitos Definição Parâmetros para a escolha da fundação Topografia da área Características do maciço do solo Dados da estrutura Dados sobre as construções vizinhas Aspectos econômicos Fundação

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Final 1 exercícios 1, 5, 16, 24 Final 2 exercícios 2, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 3, 7,, 26 Final 4 exercícios 4, 8, 19, 27 Final

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 3. Fundações É o sistema de apoio de uma estrutura qualquer no solo ou rocha de maneira a obter segurança em relação a dois condicionantes fundamentais: - Ruptura: representa a situação limite de resistência

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira

Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ. Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira Comportamento de Estacas Metálicas cravadas em solo mole da Barra da Tijuca - RJ Fred Falconi Marco Aurélio de Oliveira 2013 PROVA DE CARGA ESTÁTICA INSTRUMENTADA EM ESTACA METÁLICA DE SEÇÃO DECRESCENTE

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 5 (Cap. 6 Teoria) FUNDAÇÕES 1. Tipos de Fundações Fundações superficais D/B

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

Construções Rurais. Prof. João Marcelo

Construções Rurais. Prof. João Marcelo Construções Rurais Prof. João Marcelo Concreto misturado à mão O concreto armado ou estrutural Trabalhos preliminares São os trabalhos iniciais : elaboração do programa, escolha

Leia mais

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua

Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Observação do Contato Concreto-Solo da Ponta de Estacas Hélice Contínua Rubenei Novais Souza Petrobras S/A Rio de Janeiro - Brasil RESUMO: O trabalho apresenta uma verificação expedita realizada em uma

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações

3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações 3 Parâmetros dos Solos para Cálculo de Fundações Dados Indiretos Nas areias a amostreação indeformada, bem como a moldagem de corpos de prova para a execução de ensaios de laboratório, são operações extremamente

Leia mais

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações

Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Investigações geotécnicas aplicadas ao projeto de fundações Universidade Federal de Sergipe Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Prof. Erinaldo Hilário Cavalcante Novembro de 2013 Sumário Contextualização

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA

DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA COBERTURA E NOÇÕES DE ESTRUTURA Elisa Furian elisafurian@outlook.com COBERTURAS Constituem estruturas de múltipla função que tem por objetivo:

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA CASO ESPECÍFICO OBJETIVO APRESENTAR CASO ESPECÍFICO DE FUNDAÇÕES EM ESTACAS HCM HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA PARA UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL DE 21 PAVIMENTOS EM

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1998 Revisado

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES E GENERALIDADES

ESPECIFICAÇÕES E GENERALIDADES CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CESET UNICAMP LIMEIRA PROF. HIROSHI PAULO YOSHIZANE - 2006 FUNDAÇÕES I A U L A 1 ST - 631 F U N D A Ç Õ E S TRATA-SE DO ELEMENTO ESTRUTURAL BÁSICO DE UMA EDIFICAÇÃO,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ALUNA: MARESSA M. DE FREITAS OLIVEIRA ORIENTADOR: PROF. JAIRO P. DE ARAÚJO ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Mogi das Cruzes,SP

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

FUNDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FUNDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I O QUE SÃO FUNDAÇÕES? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Porto Alegre, de agosto de 0 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA ª REGIÃO Ref. OBRA OS0/ RUA DE JULHO, S/N - SANT O ÂNGELO/RS Ass.: Relatório de Sondagem Prezados Senhores: Vimos através desta apresentar-lhes

Leia mais

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Materiais e Tecnologia Construtiva I Prof. Angelo Just da Costa e Silva Escolha do terreno Demolição Limpeza do terreno CONCEITOS INICIAIS Instalações provisórias

Leia mais

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento Sigla SP1 Data de início 21/12/2009 Data de término 21/12/2009 UTM - N (m) 7.382.650 Diâmetro da perfuração 4 UTM - E (m) 327.753 Diâmetro da Instalação - Altitude do terreno (m) Prof. total do poço (m)

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

Prática de Fundações no Recife Indicadores de Projeto

Prática de Fundações no Recife Indicadores de Projeto COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Prática de Fundações no Recife Indicadores de Projeto Karla Patrícia Souza de Oliveira Universidade de

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHEIRO

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHEIRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENGENHEIRO 21. O excesso de vibração no concreto resulta em: A) maior resistência à compressão devido à maior compactação. B) segregação do agregado graúdo. C) não altera as propriedades

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS II

MECÂNICA DOS SOLOS II MECÂNICA DOS SOLOS II Acréscimos de Tensão no Solo Aula 4 - Notas de aula Prof. Zeide Nogueira Furtado Distribuição de Tensão no Solo As pressões(tensões) existentes nos maciços terrosos decorrem: Peso

Leia mais

Projetos de Fundação

Projetos de Fundação Projetos de Fundação PROF. LUIS FERNANDO P. SALES Engenheiro Civil - Mestre em Geotecnia CREA/SC 039.164-3 TERMINOLOGIA: SEMINÁRIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES AREA/IT 20 DE AGOSTO DE 2014 Fundação

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004.

UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, março de 2004. UNIVERSIDDE: Curso: Fundações Rasas: Sapatas luno: R: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: mericana, março de 004. FUNDÇÕES RSS - Fundações rasas ou diretas (SPTS) s sapatas

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL SEFE 7 Seminário de Engenharia de Fundações Especiais e Geotecnia FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL Antônio Sérgio Damasco Penna FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL As conquistas do período, o avanço tecnológico, a fartura

Leia mais

Informativo técnico- Trilho Estaca

Informativo técnico- Trilho Estaca Informativo técnico- Trilho Estaca Vantagens Introdução No Brasil o uso de aço como elementos de fundações profundas tem grandes avanços. Há pouco tempo, as vigas metálicas eram apenas soluções alternativas

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR Alguns erros de execução em Fundações Dezembro de 2006 PAULO MARCOS DA SILVA JUNIOR

Leia mais

F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE

F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE AS FUNDAÇÕES, COMO SE SABE, PODEM SER DIRETAS (SAPATAS OU BLOCOS DE CONCRETO CICLÓPICO) OU INDIRETAS (ESTACAS OU TUBULÕES). AS ESTACAS PODEM SER DO TIPO CRAVADAS À

Leia mais

FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO

FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO GUSTAVO SMARI GUIMARÃES FUNDAÇÕES EM PRESENÇA DE SOLOS MOLES ANÁLISE DE CASO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase

Leia mais

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS TYPICAL PROFILES OF THE SUBSOIL IN THE LOWLAND OF RECIFE - BRAZIL: CASES HISTORY Oliveira, Joaquim Teodoro Romão de, Universidade

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 148 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 CONCLUSÕES A partir dos resultados apresentados e analisados anteriormente, foi possível chegar às conclusões abordadas neste item. A adição tanto de cinza volante, como

Leia mais

CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS

CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS CAPÍTULO 4 - FUNDAÇÕES PROFUNDAS 4.1. DEFINIÇÕES Segundo a NBR 6122/1996, define-se como fundação profunda aquela que transmite a carga proveniente da superestrutura ao terreno pela base (resistência de

Leia mais

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP XXI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 19 à 23 de Outubro de 2015 Interpretação de Resultados de Sondagem à Percussão com Medição de Torque em Subsolo Arenoso. Tiago Melo Monteiro

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4

1 INTRODUÇÃO 3 2 DIRETRIZES DE CÁLCULO 3 3 MATERIAIS 3 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 5 GERADOR DE IMPULSO E DIVISOR DE TENSÃO DE 6,4 MV 4 Documento: Cliente: MEMÓRIA DE CÁLCULO CEPEL CENTRO DE PESQUISAS DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA ELETROBRAS LDIST-ST-A4-002-0 Pag: 1 of 32 Título: EQUIPAMENTOS E FUNDAÇÕES PARA PÓRTICOS TECHNIP ENGENHARIA

Leia mais

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar:

PROVA DE ENGENHARIA CIVIL. Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: 18 PROVA DE ENGENHARIA CIVIL QUESTÃO 41 Para uma viga bi-apoiada, com carga concentrada, se desprezarmos o efeito do peso próprio, é CORRETO afirmar: a) o diagrama do esforço cortante (DEC) é composto

Leia mais

06/03/2017. Sondagem. A investigação das propriedades dos solos é fundamental para que sobre ele seja feita uma edificação com segurança.

06/03/2017. Sondagem. A investigação das propriedades dos solos é fundamental para que sobre ele seja feita uma edificação com segurança. FUNDAÇÕES e escolha do tipo de fundação Engenharia Civil Prof. Luiz Antonio do Nascimento Investigação para saber o tipo de solo em um terreno, sua resistência, espessura das camadas, profundidade, nível

Leia mais

Unidade: Fundações. Unidade I:

Unidade: Fundações. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Fundações 1 Definição Fundações são elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente de solo. Possuem inegável importância estrutural

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE

ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS DE FUNDAÇÕES POR TUBULÕES EM EDIFÍCIOS ASSENTADOS NO SOLO DA CIDADE DE LAVRAS, MG LUCIANO SERRA RODARTE 2007 LUCIANO SERRA RODARTE ESTIMATIVA DE DESLOCAMENTOS VERTICAIS

Leia mais

Edificações - fundações

Edificações - fundações MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Semana Universitária POLI - 2013. Palestrante: Breno Durães Bezerra. Recife, setembro de 2013.

Semana Universitária POLI - 2013. Palestrante: Breno Durães Bezerra. Recife, setembro de 2013. Semana Universitária POLI - 2013 Palestrante: Breno Durães Bezerra Recife, setembro de 2013. INTRODUÇÃO Demanda atual na área; Capacitação profissional; Interação entre profissionais; Renovação de conhecimento.

Leia mais

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados

Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Uso de martelo hidráulico em obras na Região Nordeste Alexandre Duarte Gusmão, D.Sc. Professor Associado da UPE e IFPE Gusmão Engenheiros Associados Apresentação Introdução Histórico Prática atual no Recife

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas

TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas TEMA 2 Reabilitação e reforço de estruturas SÍNTESE DAS ANÁLISES ESTRUTURAIS REALIZADAS EM 35 EDIFÍCIOS DO CONJUNTO RESIDENCIAL ARTHUR LUNDGREN NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE-PE José Afonso Pereira

Leia mais

AULA 4. Fig. 11 Fundações. Fonte: Revista Arquitetura e construção, Jun. 2003.

AULA 4. Fig. 11 Fundações. Fonte: Revista Arquitetura e construção, Jun. 2003. Tecnologia das Construções I AULA 4 Universidade da Amazônia - UNAMA Agora vamos identifi car os tipos de fundações que são usadas em nossas construções, pois sua importância é muito grande, já que toda

Leia mais

Os principais tipos de fundações profundas são:

Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4 - FUNDAÇÕES INDIRETAS OU PROFUNDAS Os principais tipos de fundações profundas são: 3.4.1 - Estacas São peças alongadas, cilíndricas ou prismáticas, cravadas ou confeccionadas no solo, essencialmente

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais