Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal"

Transcrição

1 Os Desafios da Regulamentação do Conteúdo Local Da Concessão ao Pré-sal Rio de Janeiro, 06/07/2011

2 To be considered

3 To be considered

4 To be considered

5 Mercado Brasileiro de Petróleo & Gás Destaques: Estado democrático maduro Economia forte e estável Sólido ambiente regulatório Sucesso do modelo de concessão e de seu instrumento contratual Descobertas do Pré-sal Mais de 70 operadores ativos Mais de 3500 blocos oferecidos em 10 rodadas de licitação Gargalos tecnológicos e competitividade

6 O Conteúdo Local Definição: Compromisso de aquisição de bens e serviços locais em bases competitivas. Objetivos: Desenvolvimento da indústria local de bens e serviços Desenvolvimento tecnológico Criação de empregos Desenvolvimento da economia

7 Estrutura MME CNPE Políticas de CL Estratégias de CL Regulamentação implementação do CL Certificadoras Aferição de CL ANP Operadores Mercado Fornecedor Monitoramento e Fiscalização Relação comercial

8 Evolução do Conteúdo Local Análises & Avaliações Análise profunda dos modelos de CL e da regra vigente. Oportunidades de mercado expansão das atividades de desenvolvimento de produção no pós-sal e no pré-sal. Visão estratégica do mercado potencialidades e gargalos da indústria fornecedora da bens e serviços.

9 Bids 1 a 4 Livre ofertas de CL Incentivos Regulamentação de CL: e experiência na concessão Conteúdo Local sempre pontuou nos Leilões da ANP Bids 7 a 10 Limites min & max de ofertas Certificação por 3ª parte Certificadoras credenciadas pela ANP Cartilha de CL método de medição CL 20% da nota no leilão Bids 5 e 6 Limites mínimos de ofertas Fim dos incentivos CL 40% da nota no leilão

10 Compromissos de CL nos contratos de concessão Local Content Offerings (%) Média das Ofertas Vencedoras BID ROUND Alta probalilidade de multas * Pre-sal E xploration Development * Blocos terrestres

11 Conteúdo Loca Regra Vigente

12 Regras do CL a partir da 7ª Rodada Bids 7 a 10 CL aferido por 3ª parte (entidades credenciadas pela ANP) Custo dos itens importados VS preço de venda Certificação obrigatória para comprovação do CL contratual

13 Fiscalização de CL Procedimentos: Verificação do cumprimento do CL contratual Previsão de aplicação de penalidade quando contratual em caso de não cumprimento do CL estabelecido. Multas são calculadas a partir do conteúdo local não realizado em relação ao investimento. Indicativo que parte destas multas serão repassadas para os fornecedores. Waiver contratual: preço, prazo e tecnologia.

14 Investimentos Locais Declarados RIT Corrente Constante (IGP-M Março/2011) Rodada Total Nacional Total Nacional BID 07 R$ ,07 R$ ,06 R$ ,29 R$ ,11 BID 09 R$ ,89 R$ ,12 R$ ,79 R$ ,56 BID 10 R$ ,57 R$ ,63 R$ ,62 R$ ,91 Total R$ ,54 R$ ,81 R$ ,70 R$ ,59 RGT Corrente Constante (IGP-M Março/2011) Rodada Total Nacional Total Nacional BID 01 R$ ,76 R$ ,19 R$ ,30 R$ ,58 BID 02 R$ ,23 R$ ,22 R$ ,09 R$ ,79 BID 03 R$ ,70 R$ ,07 R$ ,40 R$ ,64 BID 04 R$ ,69 R$ ,08 R$ ,19 R$ ,31 BID 05 R$ ,68 R$ ,04 R$ ,58 R$ ,92 BID 06 R$ ,97 R$ ,25 R$ ,87 R$ ,53 Total R$ ,04 R$ ,86 R$ ,43 R$ ,76

15 Investimentos Locais Declarados Investimentos Declarados nos Blocos - Fase de Exploração Total Nacional R$ milhões de mar/ BID 01 BID 02 BID 03 BID 04 BID 05 BID 06 BID 07 BID 09 BID 10

16 Investimentos Locais Declarados Valores Certificados Descrição das Áreas Investimento Certificado Conteúdo local (R$) Emitidos Geologia e Geofísica R$ ,38 R$ , Sondas de Perfuração R$ ,40 R$ ,58 92 Apoio Logístico e Operacional R$ ,41 R$ , Perfuração, Completação e Avaliação de Poços R$ ,01 R$ , Engenharia Básica e de Detalhamento R$ ,39 R$ ,69 15 Gerenciamento, Construção, Montagem e Comissionamento. R$ ,91 R$ ,73 44 Sistemas Elétricos, de Controle, Instrumentação e Medição. R$ ,68 R$ ,26 98 Sistemas de Telecomunicações R$ ,70 R$ ,61 5 Oleodutos, Gasodutos e Tanques de Armazenamento. R ,03 R$ ,79 49 Unidades de Compressão. R$ ,31 R$ ,95 20 Unidades de Geração de Injeção de Vapor. R$ 2.962,64 R$ 2.934,79 2 Equipamentos e Controle Submarinos: linhas rígidas, flexíveis, umbilicais e manifolds. R$ ,76 R$ ,62 13 Sistema de Processamento e Tratamento de Óleo. R$ 6.283,00 R$ 5.920,55 2 Sistema de Processamento e Tratamento de Gás Natural. R$ ,68 R$ ,68 2 Construção Naval (casco, turret, ancoragem e sistemas navais). R$ ,06 R$ ,04 1 Segurança Operacional R$ ,61 R$ ,56 97 Obras Civis e Utilidades R$ ,31 R$ ,77 24 Total geral R$ ,26 R$ ,

17 Investimentos Locais Declarados Bid 7 a 10 RIT Constante (IGP-M Março/2011) Total Nacional Total R$ ,70 R$ ,59 CL Não Certificado CL Certificado Importado

18 Investimentos Locais Declarados Certificados Descrição das Áreas Emitidos Geologia e Geofísica 572 Sondas de Perfuração 92 Apoio Logístico e Operacional 991 Perfuração, Completação e Avaliação de Poços Engenharia Básica e de Detalhamento 15 Gerenciamento, Construção, Montagem e Comissionamento. 44 Sistemas Elétricos, de Controle, Instrumentação e Medição. 98 Sistemas de Telecomunicações 5 Oleodutos, Gasodutos e Tanques de Armazenamento. 49 Unidades de Compressão. 20 Unidades de Geração de Injeção de Vapor. 2 Equipamentos e Controle Submarinos: linhas rígidas, flexíveis, umbilicais e manifolds. 13 Sistema de Processamento e Tratamento de Óleo. 2 Sistema de Processamento e Tratamento de Gás Natural. 2 Construção Naval (casco, turret, ancoragem e sistemas navais). 1 Segurança Operacional 97 Obras Civis e Utilidades 24 Total geral certificados Referem-se à SERVIÇOS 91% do total

19 Investimentos Locais Declarados Certificados Emitidos no Trimestre Certificados Acumulados I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I

20 Principais Demandas do Mercado I. Divulgação da metodologia de certificação. II. Definição do nível de detalhamento da certificação. III. Segurança & Confidencialidade das informações necessárias para a certificação. IV. Custo da certificação. V. Simplificação da aplicação da Cartilha. VI. Fórum permanente para esclarecimentos de dúvidas. VII. Inclusão do REPETRO na medição da Cartilha.

21 I Divulgação da metodologia de certificação: Publicação dos Regulamentos, Informes e Notas Técnicas na página da ANP da internet, inclusive em inglês. Certificação de Conteúdo Local Ações da ANP Participação da ANP em diversos seminários e conferências no Brasil e no exterior. Certificação de Conteúdo Local Intensificação das reuniões sobre certificação de conteúdo local com os concessionários, IBP, ONIP, ABPIP, APPOM e demais associações. Fórum de Certificação de CL com participação do ibp, ONIP, ABPIP, APPOM, Abimaq, Abitam, Abinee e demais associações. Próxima reunião em 12/07.

22 Certificação de Conteúdo Local Ações da ANP III - Segurança & Confidencialidade: Confidencialidade dos dados da certificação de conteúdo local por parte da ANP & Certificadoras. Cláusula de Sigilo & Confidencialidade nos contratos de certificação. Documentação digitalizada da certificação. Guarda dos documentos poderá ser feita pelo fornecedor.

23 Certificação de Conteúdo Local Ações da ANP IV Custo da certificação: Início em 11 de setembro 2008: 4 certificadoras (RJ). 1 única credenciada para todas as áreas. mínimo de 3 certificadoras / área de atividades. Atualmente em 2011: 20 certificadoras (RJ, SP, BA). 8 credenciadas para todas as áreas. mínimo de 12 certificadoras / área de atividades. Ampliação do credenciamento de certificadoras e intensificação do treinamento das certificadoras. Aumento da concorrência redução de preços.

24 V Simplificação da aplicação da cartilha: Novos Informes simplificando a abordagem de certificação: publicados no site da ANP. Publicação da revisão 1 da Nota Técnica CCL nº 12/2009. Simplificação da medição de bens de uso não exclusivo da indústria de petróleo e gás natural (logísticos, informática, utilidades). Debates no Fórum de Certificaçao de CL para implementação de certificação por famílias de produtos. Certificação de Conteúdo Local Ações da ANP

25 Oportunidades no Brasil: Pré-sal Campos & Santos (50 bilhões de barris?) Bacia de Campos Fonte: PETROBRAS, 2009

26 Oportunidades no Brasil: Pré-sal Campos & Santos (50 bilhões de barris?) No Brasil, a produção de petróleo em águas profundas representa cerca de 25% produção total de óleo no país. A produção proveniente da nova província do Pré-sal deverá ampliar significativamente este percentual. Se confirmadas as previsões da ANP, o Brasil necessitará de pesados investimentos em infraestrutura (plataformas, portos, aço, navios, equipamentos, dutos, etc). Bacia de Santos Fonte: PETROBRAS, 2009

27 Pré-sal Campos & Santos: desafios da cadeia de suprimentos Fornecedores Locais: Competitividade Capacidade de fornecimento Bens & serviços custo Brasil Desafios: Desenvolvimento tecnológico Recusos humanos Economia: Real forte Boom das importações

28 Perspectivas do Conteúdo Local Lei nº / Lei da Partilha de Produção: Art. 9º... I - o ritmo de contratação dos blocos sob o regime de partilha de produção, observando-se a política energética e o desenvolvimento e a capacidade da indústria nacional para o fornecimento de bens e serviços Política de Conteúdo Local: Manutenção da Cartilha de Conteúdo Local Manutenção da certificação de Conteúdo Local

29 Como aumentar os índices de Conteúdo Local? Mais desafios: Agenda de competitividade; Investimento em P&Dassociação das universidades e, centros de pesquisas e indústria; Treinamento e formação de recursos humanos Desoneração da cadeia produtiva Obtenção do Certificado de Conteúdo Local.

30 Os Desafios Regulatórios do Conteúdo Local Regulamentação de Conteúdo Local: Busca contínua da evolução do modelo de CL. Revisão das definições das rubricas dos compromissos de Conteúdo Local (Revisão da Resolução ANP nº39/2007) Condução dos processos de Certificação de CL, dando foco as atividades relevantes. (Revisão da Resolução ANP nº36/2007). Transparência de ações e ampliação do diálogo com a indústria.

31 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP Coordenadoria de Conteúdo Local (CCL) Marcelo Mafra Borges de Macedo Av. Rio Branco, 65-17º andar - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) / (55 21)

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás São Paulo, 12/04/2013 Estrutura da Política de CL MME/CNPE Estratégias e Política de Conteúdo Local ANP Regulamentação Monitoramento Fiscalização

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Insumos Básicos Seminário sobre Petróleo e Gás APIMEC RIO Agosto/2012 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

FORNECEDORES PETROBRAS

FORNECEDORES PETROBRAS FORNECEDORES PETROBRAS CONTEÚDO LOCAL E&P-CORP/CBS CONTEÚDO LOCAL PRINCÍPIOS DO CONTEÚDO LOCAL IMPORTÂNCIA PARA O BRASIL Aumento do parque fabril; Maior valor agregado do que é produzido no pais; Investimento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO NO TRANSPORTE RODOVIÃ RIO

GERENCIAMENTO DE RISCO NO TRANSPORTE RODOVIà RIO GERENCIAMENTO DE RISCO NO TRANSPORTE RODOVIà RIO Apresentaà à o O curso de Gerenciamento de Risco no Transporte Rodovià rio tem como proposta a preparaã à o e a qualificaã à o de profissionais que atuam

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas

A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas A Oitava Rodada de Licitações e as bacias de Santos e Pelotas Guilherme E. Zerbinatti Papaterra Superintendente Adjunto (SPL) Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis São Paulo, 06 de

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de Qualificação de Empresas

Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de Qualificação de Empresas Seminário Jurídico-Fiscal Visão geral do processo de de Empresas Marcelo Castilho Superintendente-Adjunto de Promoção de Licitações Roteiro Base Legal Processo de Considerações Finais Considerações Finais

Leia mais

CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G

CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural depg@mme.gov.br Tegucigalpa Honduras,

Leia mais

POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL NO BRASIL Professor Jorge Chami Novembro de 2014 O Monopólio da Petrobras Depois de 17 anos da quebra do monopólio da Petrobras (1997-14) Concentração

Leia mais

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas.

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. 12ª Navalshore Maritech South America Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. Enseada Indústria Naval S.A. Humberto Rangel - Diretor de Relações Institucionais e de Sustentabilidade

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração.

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração. Santos, 17 de outubro de 2014. CARTA CONVITE Nº 012/2014 Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração Museu do Café O Instituto de Preservação e Difusão da

Leia mais

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL

Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Redes Subterrâneas de Energia Elétrica: Regulação e Projetos de P&D/ANEEL Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Eletrificação de Reservas Extrativistas com Sistemas Fotovoltaicos em Xapuri - Acre

Eletrificação de Reservas Extrativistas com Sistemas Fotovoltaicos em Xapuri - Acre ENCONTRO DE TRABALHO LUZ PARA TODOS NA REGIÃO NORTE 27/28 de maio 2007 Eletrificação de Reservas Extrativistas com Sistemas Fotovoltaicos em Xapuri - Acre Ações para Disseminação de Fontes Renováveis de

Leia mais

CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG

CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG CONHEÇA EM DETALHES AS SOLUÇÕES DA TBG Acervo BIT/TBG - Ana Skrabe Projetos Projetos de sistemas de transporte de gás Atuamos em projetos de dutos e unidades de compressão, medição e entrega de gás natural,

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável

Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística Sustentável Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Produção e Consumo Sustentável DPCS Sustentabilidade no Setor Público, A3P e Planos de Logística

Leia mais

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP

Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Manuel António Paulo 18 de Outubro de 2013 ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP ÍNDICE 01. ENQUADRAMENTO 02. DESENVOLVIMENTO PORTUÁRIO NA APLOP 03. ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO COMPETITIVAS

Leia mais

Conteúdo Local. Seminário ABIMAQ. São Paulo 06 de Julho de 2011. André Leite VP Statoil Brasil

Conteúdo Local. Seminário ABIMAQ. São Paulo 06 de Julho de 2011. André Leite VP Statoil Brasil Conteúdo Local Seminário ABIMAQ São Paulo 06 de Julho de 2011 André Leite VP Statoil Brasil Agenda 1. Definição e propósito do conteúdo local na indústria de óleo e gás 2. Experiência Norueguesa 3. Conteúdo

Leia mais

O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo

O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo Florival Carvalho Diretor Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Exposição para a ANDIFES Evolução histórica do setor

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural

Gestão do Acervo de Informações sobre Bacias Sedimentares Brasileiras e da Indústria do Petróleo e Gás Natural Programa úmero de Ações 7 0271 Abastecimento de Petróleo, seus Derivados, Gás atural e Álcool Combustível Objetivo Indicador(es) Garantir as condições para satisfação da demanda atual e futura de petróleo,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONTEÚDO LOCAL

CERTIFICAÇÃO DE CONTEÚDO LOCAL CERTIFICAÇÃO DE CONTEÚDO LOCAL Os contratos de concessão para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural, firmados entre a ANP e as empresas vencedoras nas rodadas de licitações, incluem a Cláusula

Leia mais

ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO

ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO ENG-ENGENHEIRO DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO, REFINO E TRANSPORTE DE PETRÓLEO SENAI-RJ PRODUÇÃO DE PETROLEO Prof. Dr. Ricardo N. AYUP ZOUAIN ricardo.ayup@ufrgs.br 02 de dezembro de 2011 PRODUÇÃO DE

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços

9/13/2011. Smart Grid. Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Smart Grid Oportunidade aproveitamento da capilaridade do sistema elétrico possibilitando novos serviços Objetivo aumento da confiabilidade e qualidade do fornecimento de energia elétrica, a uma melhor

Leia mais

Reunião do Steering Committee

Reunião do Steering Committee Projecto Engenharia 2020 Reunião do Steering Committee Ordem dos Engenheiros Lisboa 10 de Maio 2013 Parceiros Estratégicos: Augusto Mateus e Associados (A.M.); MIT Portugal; Ordem dos Engenheiros (O.E.)

Leia mais

CHAMADA MCT / FINEP ENERGIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE

CHAMADA MCT / FINEP ENERGIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE CHAMADA MCT / FINEP Ministério da Ciência e Tecnologia / Financiadora de Estudos e Projetos IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE ENERGIA O Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

COMPETRO COMITÊ DE PETRÓLEO E GÁS Reunião 27 de setembro 2012

COMPETRO COMITÊ DE PETRÓLEO E GÁS Reunião 27 de setembro 2012 COMPETRO COMITÊ DE PETRÓLEO E GÁS Reunião 27 de setembro 2012 José Ricardo Roriz Coelho Vice-presidente FIESP, Diretor Titular do Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC e Coordenador do

Leia mais

Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações

Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações Revisão do Contrato de Concessão de Blocos Exploratório para Futuras Rodadas de Licitações Audiência Pública Rio de Janeiro, 19 de abril de 2011 Revisão do Contrato Grupo de Trabalho Formação de Grupo

Leia mais

Energias Renováveis BIODIESEL

Energias Renováveis BIODIESEL Energias Renováveis BIODIESEL Profª Elisa Helena Siegel Moecke UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Apresentação Com o Protocolo de Kyoto (1997) muitos países se comprometeram com a redução da

Leia mais

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil Helder Queiroz Diretor Agosto 2013 Agenda 1 2 3 4 Evolução recente do setor de O&G no Brasil Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Rodadas de Licitação Considerações

Leia mais

Unidades de Negócios. Formingplast S/A Buenos Aires Argentina Tempo de Mercado: 35 anos. Área: 2.000 m2

Unidades de Negócios. Formingplast S/A Buenos Aires Argentina Tempo de Mercado: 35 anos. Área: 2.000 m2 GRUPO FORMINGPLAST Histórico O grupo econômico Formingplast, atua em diversos segmentos economicos, contando atualmente com sete empresas nas mais diversas areas de atuação. A primeira empresa do grupo,

Leia mais

SOBRE O TESLA CONCURSOS

SOBRE O TESLA CONCURSOS AGENDA TÉCNICO 2013 SOBRE O TESLA CONCURSOS O Tesla Concursos foi idealizado para atender à demanda crescente de engenheiros, interessados em seguir carreiras públicas que têm como porta de entrada, exclusivamente,

Leia mais

GT FINANCIAMENTOS, GARANTIAS E TRIBUTAÇÃO

GT FINANCIAMENTOS, GARANTIAS E TRIBUTAÇÃO GT FINANCIAMENTOS, GARANTIAS E TRIBUTAÇÃO PROPOSTAS FINANCIAMENTO, GARANTIA & TRIBUTAÇÃO GARANTIA TRIBUTAÇÃO FINANCIAMENTO TRIBUTAÇÃO O Gargalo da Garantia CONTRATANTE Petrobras / Transpetro / Etc 1 EPCista

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Gestão de Projetos é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos,

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Cleverson Aroeira Chefe de Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura

Leia mais

PROCEDIMENTO MÚTUO DE OPERAÇÃO

PROCEDIMENTO MÚTUO DE OPERAÇÃO 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos integrados entre a TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL ( TBG ) S.A e a (Inserir razão social da ) (Inserir denominação da ) para a operação das instalações

Leia mais

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Apresentação para Oil & Gas Day FEIMEC - 03/05/2016 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 2 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 3 ONIP ONIP

Leia mais

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires

Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural. Adriano Pires Cenários para Precificação do Petróleo e do Gás Natural Adriano Pires 17/03/2009 1 O Ano de 2009 Uma queda no crescimento da demanda global de energia conduzirá a preços menores de petróleo e de gás em

Leia mais

Mudanças na Petrobras podem transformar o mercado de gás natural

Mudanças na Petrobras podem transformar o mercado de gás natural http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 16 JUN 2016 Mudanças na Petrobras podem transformar o mercado de gás natural Estudos da CNI e da Abrace alertam que a redução do papel da estatal neste mercado

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local.

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local. 483.000879/2015-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural NOTA TÉCNICA N

Leia mais

25 a 27 de outubro, 2016 Riocentro. Evento simultâneo à Rio Oil & Gas 2016

25 a 27 de outubro, 2016 Riocentro. Evento simultâneo à Rio Oil & Gas 2016 25 a 27 de outubro, 2016 Riocentro Evento simultâneo à Rio Oil & Gas 2016 O Encontro O tradicional Encontro de Asfalto, promovido pelo IBP - Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, chega

Leia mais

8 Encontro Nacional do Prominp. Empregabilidade. São Luís, 25nov11

8 Encontro Nacional do Prominp. Empregabilidade. São Luís, 25nov11 8 Encontro Nacional do Prominp Painel 4 Qualificação Profissional e Empregabilidade São Luís, 25nov11 Parecer: CNE / CES 279/2008 Portaria MEC: 154/2009 Cursos IBP HISTÓRICO Histórico 45 anos de experiência

Leia mais

Panorama da Inovação no Brasil. Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014

Panorama da Inovação no Brasil. Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014 Panorama da Inovação no Brasil Hugo Ferreira Braga Tadeu 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O presente relatório é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas de gestão

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS Aspectos qualitativos. Profª MSc. Patrícia Tavares

LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS Aspectos qualitativos. Profª MSc. Patrícia Tavares LOCALIZAÇÃO DE EMPRESAS Aspectos qualitativos Profª MSc. Patrícia Tavares LOCALIZAÇÃO É o processo que determina os locais geográficos para as operações de uma empresa; Localizar significa determinar o

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO

REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO REGULAMENTO DA APRESENTAÇÃO Art. 1º - Idealizado e instituído pela ANPROTEC 1, em parceria com o SEBRAE, o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador, cuja periodicidade é anual, reconhece e prestigia

Leia mais

SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA D) CO. D f ANTÓNIO DIAS LEITE PRÉMIO JABUTI 1998 CAMPUS ELSEVIER

SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA D) CO. D f ANTÓNIO DIAS LEITE PRÉMIO JABUTI 1998 CAMPUS ELSEVIER SEGUNDA EDIÇÃO REVISTA EATUALIZADA ANTÓNIO DIAS LEITE D) CO IL D f PRÉMIO JABUTI 1998 ELSEVIER CAMPUS CAPÍTULO I - A QUESTÃO GLOBAL DA ENERGIA Visão da energia no inundo 34 Antecedentes 35 Longo domínio

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014

XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial. 1º de maio de 2014 XII Congresso Brasileiro de Fomento Comercial 1º de maio de 2014 Humberto Luiz Ribeiro Secretário de Comércio e Serviços (SCS) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Apresentação

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado)

Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado) Pós-Graduação em Gestão Empresarial e Marketing (sábado) Início em 26 de setembro de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00 Consultar planos

Leia mais

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio Tecnológico Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue:

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Resposta aos questionamentos efetuados pela empresa TOTVS, temos a informar conforme segue: Questionamento 1: Tomando como base a definição de que os Conselhos o Federal e os Regionais foram criados por

Leia mais

PROJETO DE PARCERIA EXPOSITOR

PROJETO DE PARCERIA EXPOSITOR PROJETO DE PARCERIA EXPOSITOR Realização: Amda Associação Maranhense de Distribuidores e Atacadista Amasp Associação Maranhense de Supermercados Fiema Federação das Indústrias do Estado do MA 1 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais

Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais Ferramentas de TI para o Comissionamento de Empreendimentos Industriais Luciano Gaete / Antonio João Prates 26 de Outubro 2007 1 Introdução O comissionamento Conjunto de técnicas e procedimentos de engenharia

Leia mais

A competitividade do gás natural e os entraves regulatórios e estruturais para viabilizar o aproveitamento dos recursos e reservas 2 o

A competitividade do gás natural e os entraves regulatórios e estruturais para viabilizar o aproveitamento dos recursos e reservas 2 o Óleo e Gás uma divisão do IQPC A competitividade do gás natural e os entraves regulatórios e estruturais para viabilizar o aproveitamento dos recursos e reservas 2 o 31 de janeiro, 01 e 02 de fevereiro

Leia mais

PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família NBR ISO 9000 para Fornecimento de Produtos

PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família NBR ISO 9000 para Fornecimento de Produtos XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil PROJETO NBR 19000 - Adoção de Critérios da Qualidade Baseados nas Normas da Família

Leia mais

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás

CEBGAS Companhia Brasiliense de Gás REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE POSTOSREVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS PARA FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL VEICULAR GNV, PROVENIENTE DO GÁS NATURAL LIQUEFEITO - GNL Considerando que a Companhia

Leia mais

DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012

DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012 DA COMISSÃO AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EDITAL Nº 01, DE 09 DE ABRIL DE 2012 A COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO (CADAR), no uso de suas atribuições, torna público o Plano de Classificação

Leia mais

XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS XI SEMINÁRIO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Tema: Regulação da distribuição do biogás de RSU Eliésio Francisco da Silva Diretoria de Regulação Técnica e Fiscalização dos Serviços de Distribuição de Gás Canalizado

Leia mais

Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação

Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação Anteprojeto, Projeto Básico, Projeto Executivo e Orçamento para Licitação Introdução Temos como objetivo oferecer conhecimento jurídico necessário para a compreensão do ambiente privado e da administração

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL EDITAL Nº 01/2016 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS PARA PRÉ-INCUBAÇÃO EM HOTEL DE PROJETOS A direção-geral do Campus Natal

Leia mais

Odebrecht Serviços e Participações S.A. CNPJ/MF n. 10.904.193/0001-69. Companhia Fechada FATO RELEVANTE

Odebrecht Serviços e Participações S.A. CNPJ/MF n. 10.904.193/0001-69. Companhia Fechada FATO RELEVANTE Odebrecht S.A. CNPJ/MF n. 11.105.588/0001-15 Companhia Fechada Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras CNPJ/MF n. 33.000.167/0001-01 Companhia Aberta Braskem S.A. CNPJ/MF n. 42.150.391/0001-70 Companhia Aberta

Leia mais

Lato Sensu da FGV Management Rio compreende uma análise curricular. Desta forma, solicitamos o

Lato Sensu da FGV Management Rio compreende uma análise curricular. Desta forma, solicitamos o Prezado (a) Sr.(a.), Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de abril de 2016 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES de Incentivo

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL

CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM MACEIÓ-AL OBJETIVOS: CURSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS - 80h Capacitar os participantes para trabalharem com as melhores

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA

SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA 1. EM QUE TERRENO ESTAMOS PISANDO? 2. QUEM DÁ AS CARTAS? 3. COMO É QUE A BANDA TOCA? COMO É QUE A BANDA TOCA? 4. LUZES, CÂMERA... LUZES, CÂMERA... 5. AÇÃO 6.

Leia mais

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO DRAWBACK 1. CONCEITO Drawback é o regime especial que consiste na importação com suspensão, isenção ou restituição dos tributos, de insumos destinados a integrar produtos

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTICA CIDADANIA E DIREIT - SEJU - SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIçA E CIDADANIA - (PR) Licitação: (Ano: 2014/ SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Utilização da Lei de Informática

Utilização da Lei de Informática Utilização da Lei de Informática Índice Digitel S.A. Indústria Eletrônica Produtos Serviços Canais de vendas Principais clientes Administração Informações Gerais Digitel S.A. Indústria Eletrônica Fundada

Leia mais

2. DOS REQUISITOS DOS CANDIDATOS O candidato deverá obrigatoriamente que preencher os seguintes requisitos:

2. DOS REQUISITOS DOS CANDIDATOS O candidato deverá obrigatoriamente que preencher os seguintes requisitos: EDITAL DE PRÉ-SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAREM DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO, ESTÁGIOS E CURSOS DE IDIOMAS NOS ESTADOS UNIDOS, FRANÇA, ITÁLIA, REINO UNIDO E ALEMANHA Programa Ciência sem Fronteiras CHAMADAS

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 EDITAL Nº 035/2009 PROGRAMA DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

ABNT NBR ISO. Atualização da ABNT NBR ISO 9001:2008 para a ABNT NBR ISO 9001:2015

ABNT NBR ISO. Atualização da ABNT NBR ISO 9001:2008 para a ABNT NBR ISO 9001:2015 ABNT NBR ISO 9001 Atualização da ABNT NBR ISO 9001:2008 para a ABNT NBR ISO 9001:2015 A ABNT NBR ISO 9001 é uma norma que define os requisitos para colocar um sistema de gestão da qualidade em vigor. Ela

Leia mais

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada

Agenda MEI de Inovação e Manufatura Avançada 10 Diálogos da MEI Agenda MEI de Inovação e Gilberto Peralta - GE Salvador, 04 de abril de 2016 A Economia Digital revolucionará o cotidiano das pessoas e das empresas, transformando nosso dia-a-dia Internet

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação.

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Utilização de Computadores de Mão (Handheld) pelos Eletricistas da Manutenção de Subestação e Linhas da AES Eletropaulo no Controle de Inspeções e Ordens de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC Diretoria de Pós-graduação e Pesquisa PLANO DE ENSINO MODALIDADE PRESENCIAL 1 Ano 2016 1º Semestre Curso: Marketing Digital e E-commerce Disciplina: Fundamentos do Ambiente Digital

Leia mais

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

FUNEPU Demonstrações Contábeis 2009. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS em 31 de dezembro de 2009 acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 1 FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA - FUNEPU CNPJ 20.054.326/0001-09 BALANÇO PATRIMONIAL PARA

Leia mais

Investimento Social no Entorno do Cenpes. Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE)

Investimento Social no Entorno do Cenpes. Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE) Investimento Social no Entorno do Cenpes Edson Cunha - Geólogo (UERJ) Msc. em Sensoriamento Remoto (INPE) MBA em Desenvolvimento Sustentável (Universidade Petrobras) Abril / 2010 PETR ROBRAS RESPONSABILIDADE

Leia mais

Uso estratégico da. como ferramenta de gestão social

Uso estratégico da. como ferramenta de gestão social Uso estratégico da tecnologia digital como ferramenta de gestão social Olá! Eu sou a Micheli Jacobs Graduada em Engenharia Industrial com ênfase em desenvolvimento de Processos e Produtos. - Pós-graduada

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas Proinfância B e C Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE O FNDE é

Leia mais

REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. O Programa Estadual de APLs. 4ª. Conferência Nacional de APLs

REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. O Programa Estadual de APLs. 4ª. Conferência Nacional de APLs REDE PAULISTA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS O Programa Estadual de APLs 4ª. Conferência Nacional de APLs Brasília, 28 de outubro de 2009 A Secretaria de Desenvolvimento Missão Promover o crescimento econômico

Leia mais

Capítulo 1. Objeto de Licenciamento

Capítulo 1. Objeto de Licenciamento Página 1 de 8 Capítulo 1. Objeto de Licenciamento Objeto do Licenciamento 1 de 8 Página 2 de 8 1. Objeto de Licenciamento O objeto do licenciamento descrito no presente estudo é o empreendimento denominado

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu a Distância. 1º semestre 2012

Pós-Graduação Lato Sensu a Distância. 1º semestre 2012 Pós-Graduação Lato Sensu a Distância 1º semestre 2012 FEVEREIRO/2012 Índice dos Cursos de Pós-Graduação a distância Oferta: primeiro semestre 2012 Curso Mensalidade Total Pagina ÁREA: ADMINISTRAÇÃO MBA

Leia mais

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

Resultados do Terceiro Trimestre de 2005

Resultados do Terceiro Trimestre de 2005 Resultados do Terceiro Trimestre de 2005 28 de outubro de 2005 Mensagem do Panorama do Mercado Resultados Financeiros Ambiente Regulatório Conclusão Mensagem do A TIM Participações está crescendo em um

Leia mais

Formação Modular Certificada Acções de Curta Duração 2010

Formação Modular Certificada Acções de Curta Duração 2010 Organização e Gestão 621 Gestão da Produção 50 9ºano 345 - Gestão e Administração 4742 Organização da Manutenção 25 6ºano 521 - Metalurgia Metalomecânica 4563 Preparação do Trabalho, Planeamento e Orçamentação

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA

55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 55º Fórum Nacional de Secretários de Planejamento INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Salvador/BA, 06 de Setembro de 2013 PREMISSA BÁSICA O setor de Transportes como catalisador do desenvolvimento nacional Estruturando

Leia mais

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis

EUS CTIS END USER SUPPORT. case eus ctis 01 EUS CTIS END USER SUPPORT case eus ctis 01 TELESSERVIÇOS/TELEMARKETING Prestação de telesserviços (telemarketing) no atendimento e suporte operacional e tecnológico aos produtos, serviços e sistemas

Leia mais

Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção. Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA

Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção. Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA Centro de Excelência em Engenharia, Suprimento e Construção Pedro Barusco Filho Gerente Executivo da ENGENHARIA São Paulo, 22 de novembro de 2006 Origem do Centro de Excelência O Projeto foi proposto pela

Leia mais

PARA AVALIAR SISTEMATICAMENTE O AMBIENTE DE APLICAÇÕES INTERNO, A PETROBRAS CRIA O KIT DE ARQUITETURA

PARA AVALIAR SISTEMATICAMENTE O AMBIENTE DE APLICAÇÕES INTERNO, A PETROBRAS CRIA O KIT DE ARQUITETURA Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. PARA AVALIAR SISTEMATICAMENTE O AMBIENTE DE APLICAÇÕES INTERNO, A PETROBRAS CRIA O KIT DE ARQUITETURA Perfil A Petrobras é uma sociedade anônima de

Leia mais