Parecer Consultoria Tributária Segmentos Benefício INOVAR-AUTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parecer Consultoria Tributária Segmentos Benefício INOVAR-AUTO"

Transcrição

1 Segmentos Benefício INOVAR-AUTO 25/02/2014

2 Título do documento Sumário Sumário Questão Normas apresentadas pelo cliente Análise da Legislação Adesão Vigência Benefícios A partir de Beneficiários Fornecedores das montadoras Layout Condições do INOVAR-AUTO Empresas que Tenham Projeto de Instalação de Fábrica, Nova Planta ou Projeto Industrial Das Empresas que não Produzam, mas Comercializem Veículos no País Empresas que Produzam Veículos no País Cancelamento do INOVAR-AUTO e Multas Cálculo do crédito presumido de IPI Crédito presumido de IPI sobre investimentos com Insumos e Ferramentaria Crédito presumido de IPI sobre investimentos com Pesquisa, Desenvolvimento tecnológico, Inovação tecnológica e Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica Crédito presumido de IPI sobre investimentos, Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica, Capacitação de fornecedores e Engenharia e Tecnologia industrial básica Crédito presumido de IPI e suspensão do IPI sobre importação de veículos Utilização dos Créditos, lançamentos nos livros e documentos fiscais Crédito presumido relativo aos Insumos Estratégicos e Ferramentaria Crédito presumido relativo a Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico, Inovação Tecnológica, Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica, Capacitação de Fornecedores e Engenharia e Tecnologia Industrial Básica Crédito presumido de IPI sobre importação de veículos Crédito Presumido apurado nos itens e Obrigações Acessórias Montadoras Fornecedor

3 4. Conclusão Informações Complementares Referencias Histórico de alterações

4 1. Questão Título do documento Esse parecer trata o beneficio fiscal INOVAR-AUTO, direcionado ao setor automotivo. Esse benefício prevê crédito presumido de IPI e tem como objetivo criar condições de competitividade e incentivar as empresas a fabricar carros mais econômicos e mais seguros, investir na cadeia de fornecedores e em engenharia, tecnologia industrial básica, pesquisa e desenvolvimento e capacitação de fornecedores. 2. Normas apresentadas pelo cliente Os clientes que solicitaram o INOVAR-AUTO são Fornecedores de Montadora que aderiram ao INOVAR-AUTO. A solicitação é para que o sistema atenda a geração do XML previstos para os Fornecedores. O cliente nos indicou a legislação que criou e regulamentou e um layout XML, que segundo ele é o padrão para que ele forneça as informação as Montadoras. 3. Análise da Legislação O Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores - INOVAR-AUTO tem como objetivo apoiar o desenvolvimento tecnológico, a inovação, a segurança, a proteção ao meio ambiente, a eficiência energética e a qualidade dos veículos e das autopeças no Brasil. O INOVAR-AUTO estimula a concorrência porque tem como foco o aumento da competição e a busca de ganhos sistêmicos de eficiência e aumento de produtividade da cadeia produtiva, das etapas de fabricação até a rede de serviços tecnológicos e de vendas. Para as Montadoras habilitarem-se ao INOVAR-AUTO, as empresas terão de comprometer-se com uma série de metas, entre as quais: investimentos mínimos em P&D Pesquisa e Desenvolvimento (inovação), aumento do volume de gastos em engenharia, tecnologia industrial básica (TIB) e capacitação de fornecedores, produção de veículos mais econômicos e aumento da segurança dos veículos produzidos. Esse benefício foi instituído pela nr. Lei de 2012 e regulamentado pelo Decreto nr de Abaixo o histórico das atualizações que ocorreram até o momento: Portaria nr. 106 de 11 de abril de 2013 Prorroga a vigência da habilitação excepcional ao INOVAR-AUTO até 31 de maio de Além disso, define as quotas referentes a cada empresa para o período de 1º de abril a 31 de maio de Portaria nr. 113 de 15 de abril de 2013 Regulamenta disposições referentes á capacitação de fornecedores, insumos estratégicos e ferramentaria, solicitação de habilitação e relatórios de acompanhamento; além de outras providências. Portaria nr. 280 de 04 de Setembro de 2013 Altera a Portaria nr. 113 e seus anexos, além de acrescentar disposições a esta. Institui o sistema de acompanhamento ao INOVAR-AUTO Portaria nr. 296 de 30 de setembro de 2013 Disciplina a gestão, o controle e a contabilidade referentes ao FNDCT - Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, no âmbito do INOVAR-AUTO. Cria o comitê gestor dos recursos do FNDCT e dispõe sobre sua composição e competência, entre outros. 4

5 Portaria nr. 297 de 30 de Setembro de 2013 Dispões sobre a habilitação ao INOVAR-AUTO na modalidade Projeto de Investimento. Define modelos de formulários a serem empregados nos relatórios de acompanhamento dos projetos, entre outras disposições. Portaria nr. 772 de 12 de agosto de 2013 Estabelece termos e condições para o cômputo dos dispêndios em Pesquisa e Desenvolvimento; e Engenharia, Tecnologia Industrial Básica e Capacitação de Fornecedores. Além de regulamentar a prestação de informações referentes a essas rubricas. Medida Provisória nr. 638 de 17 de Janeiro de 2014 Altera a Lei nr de 2012, e estende as obrigações aos fornecedores das montadoras habilitadas no INOVAR-AUTO, sendo passível de multa quem não cumprir a obrigação. Outra alteração é na questão dos investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação, gastos com engenharia, tecnologia industrial básica e de capacitação de fornecedores diretamente ou por terceiros e com relação ao destino dos recursos arrecadados por penalidades aplicadas as empresas que não cumprirem o que determina o acordo. Portaria 257, de 23 de Setembro de No dia 24 de Setembro de 2014 foi publicada pelo MDIC, dispondo sobre procedimentos a serem observados nos dispêndios com insumos estratégicos e ferramentaria, e respectivo tratamento das informações que irão compor o campo valor da parcela dedutível no XML enviado pelo fornecedor da montadora credenciada no programa INOVAR-AUTO Adesão A adesão ao benefício é voluntária por partes das empresas Montadoras, que solicitam por ato específico ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, órgão que avalia e aprova as solicitações, caso atenda a todos os requisitos previstos para o INOVAR-AUTO. O programa é abrangente e prevê obrigações acessórias a serem cumpridas pelas Montadoras inscritas no programa e seus Fornecedores. Para as empresas participantes do INOVAR-AUTO, foi criado um site oficial ( para que as mesmas imputem suas informações. Após a aprovação e inclusão da Montadora no INOVAR-AUTO, a mesma efetua o cadastro de seus Fornecedores no site oficial do programa Vigência As adesões concedidas no INOVAR-AUTO, terão validade de doze meses, contados da data da habilitação, e poderá, ao final de cada período, ser renovada por solicitação da empresa, pelo período de doze meses, com limite de validade em 31 de dezembro de 2017, quando está previsto o encerramento do programa. 5

6 3.3. Benefícios Título do documento Crédito presumido de IPI de até 30 pontos percentuais. Crédito presumido de IPI referente a gastos em pesquisa e desenvolvimento e a investimentos em tecnologia industrial básica, engenharia de produção e capacitação de fornecedores A partir de 2017 Carros que consumam 15,46% menos terão direito a abatimento de um ponto percentual de IPI. Carros que consumam 18,84% menos terão direito a abatimento de dois pontos percentuais de IPI Beneficiários Empresas que produzem veículos no país previstos na lista de NCM - Nomeclatura Comum do Mercosul descrita no Decreto nr de 2012 que regulamentou o INOVAR-AUTO. Empresas que não produzem, mas comercializam veículos no país previstos na lista de NCM elegíveis ao beneficio. Empresas que apresentem projeto de investimento para produção de veículos no país. Abaixo a lista de NCM s elegíveis ao INOVAR-AUTO: Quadro 1 Código da TIPI Código da TIPI Ex (exceto Ex 02) (exceto Ex 02) Ex (exceto Ex 01) Ex Ex Ex Ex Ex Ex Ex

7 Fonte: Decreto de (exceto dos veículos do código ) Ex Ex Ex Ex 01 As Montadoras dos produtos classificados nos NCM s acima, podem solicitar o Benefício do INOVAR-AUTO Fornecedores das montadoras Os Fornecedores de insumos estratégicos e de ferramentaria para as empresas habilitadas ao INOVAR-AUTO e seus Fornecedores diretos ficam obrigados a informar aos adquirentes, nas operações de venda, os valores e as demais características dos produtos fornecidos, nos termos, limites e condições definidos pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O não cumprimento das obrigações acessórias pelas Montadoras ou por seus Fornecedores poderá gerar exclusão da montadora do INOVAR-AUTO e multas Layout Os layouts dos documentos de controles a serem gerados para atender ao INOVAR-AUTO está disponível nos anexos do Decreto nr de 2012 (item 3.12 desse parecer). Além das obrigações acessórias e controles há previsão de envio de informações via XML. Na legislação vigente e no site do INOVAR-AUTO na parte pública não está disponível o layout dos arquivos XML, porém recebemos um documento do projeto INOVAR-AUTO, enviado por um de nossos clientes, na qual consta o endereço do Layout do XML, juntamente com exemplos a serem gerados para atender ao INOVAR-AUTO. Os XML devem ser gerado pelas Montadoras e Fornecedores, conforme o layout que está disponível no link: Salientamos que há layout s de XML distintos para as Montadoras e Fornecedores Condições do INOVAR-AUTO. As empresas habilitadas no INOVAR-AUTO para permanecer no programa devem ter regularidade em relação aos tributos federais, e atingir níveis mínimos de eficiência energética em relação aos produtos comercializados no País, conforme determina a legislação que institui o programa. Os beneficiários do INOVAR-AUTO são divididos em 3 tipos de empresas, na qual a legislação prevê condições distintas para cada tipo: 7

8 Título do documento Empresas que Tenham Projeto de Instalação de Fábrica, Nova Planta ou Projeto Industrial. Para fazer parte do INOVAR-AUTO, essas empresas devem apresentar projeto de investimento que atenda aos termos estabelecidos pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e aos critérios para a determinação da capacidade anual de produção. A habilitação da empresa solicitante fica condicionada à aprovação de projeto de investimento pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A empresa deverá solicitar habilitação específica para cada fábrica, planta ou projeto industrial que pretenda instalar, podendo cada habilitação ser renovada uma vez, e desde que cumprido o cronograma físico-financeiro do projeto de investimento Das Empresas que não Produzam, mas Comercializem Veículos no País Essas empresas devem elaborar uma programação dos gastos e investimentos que pretendam realizar no País e comprovar vínculo com o fabricante ou com seu respectivo distribuidor de veículos no exterior, demonstrando estar formalmente autorizada a realizar no território brasileiro as atividades de importação, comercialização, prestação de serviços de assistência técnica, organização de rede de distribuição, e a utilização das marcas do fabricante em relação aos veículos objeto de importação, mediante documento válido no Brasil. Abaixo os requisitos a serem cumprindos pelas empresas dessa classificação: A) Realizar, no País, investimentos em pesquisa e desenvolvimento correspondentes, no mínimo, aos percentuais a seguir indicados, incidentes sobre a receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda: Quadro 2 Ano-Calendário Percentual ,15% ,30% ,50% ,50% ,50% Fonte: Decreto de

9 Exemplo: Receita Bruta total de venda: R$ ,00 Investimentos em 2013: R$ ,00 ( * 0,15%) Investimentos em 2014: R$ ,00 ( * 0,30%) Demais anos seguir o percentual estipulado na tabela até 2017 que termina o INOVAR-AUTO. B) Realizar, no País, investimentos em engenharia, tecnologia industrial básica e capacitação de fornecedores, correspondentes no mínimo, aos percentuais a seguir indicados, incidentes sobre a receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda: Quadro 3 Ano-Calendário Percentual ,5% ,75% ,0% ,0% ,0% Fonte: Decreto de Exemplo: Receita Bruta total de venda: R$ ,00 Investimentos em 2013: R$ ,00 ( * 0,50%) Investimentos em 2014: R$ ,00 ( * 0,75%) Demais anos seguir o percentual estipulado na tabela até 2017 que termina o INOVAR-AUTO. C) Aderir ao Programa de Etiquetagem Veicular definido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e estabelecido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia-INMETRO, com eventual participação de outras entidades públicas, com os seguintes percentuais mínimos dos modelos, conforme definido no 9

10 Título do documento Programa de Etiquetagem Veicular do INMETRO, de produtos classificados nos códigos TIPI relacionados no Quadro 1, comercializados pela empresa, a serem etiquetados no âmbito do referido Programa, conforme Quadro abaixo: Quadro 4 Ano-Calendário Percentual % % % % % Fonte: Decreto de Exemplo: Dos produtos classificados para o INOVAR-AUTO deverá ter 36% do total classificado pelo Programa de Etiquetagem Veicular em 2013, 49% em 2014 e seguir os percentuais definidos na tabela acima até 2017, quando irá atingir 100% e encerra-se o INOVAR-AUTO Empresas que Produzam Veículos no País As empresas fabricantes dos produtos classificados no Quadro 1, habilitadas no INOVAR-AUTO ficam condicionadas a atender o requisito A e no mínimo a dois requisitos entre B, C e D, conforme abaixo. Já as empresas que fabricarem exclusivamente veículos classificados nos NCM s do Quadro 8, devem assumir o compromisso de atender ao requisito A e a pelo menos um dos requisitos B ou C, não sendo aplicando o requisito D nessa situação. A) Realizar no País, diretamente ou por intermédio de terceiros, a quantidade mínima de atividades fabris e de atividades de infraestrutura de engenharia relacionadas abaixo, em pelo menos 80% dos veículos fabricados, conforme cronograma a seguir: ATIVIDADES FABRIS E DE INFRAESTRUTURA DE ENGENHARIA, DESENVOLVIDAS PELA PRÓPRIA EMPRESA OU POR TERCEIROS, NO PAÍS. Para a produção de automóveis e comerciais leves: 1. Estampagem; 10

11 2. Soldagem; 3. Tratamento anticorrosivo e pintura; 4. Injeção de plástico; 5. Fabricação de motor; 6. Fabricação de caixa de câmbio e transmissão; 7. Montagem de sistemas de direção e suspensão; 8. Montagem de sistema elétrico; 9. Montagem de sistemas de freio e eixos; 10. Produção de monobloco ou montagem de chassis; 11. Montagem, revisão final e ensaios compatíveis; 12. Infraestrutura própria de laboratórios para desenvolvimento e teste de produtos. Para a produção de caminhões: 1. Estampagem; 2. Soldagem; 3. Tratamento anticorrosivo e pintura; 4. Injeção de plástico; 5. Fabricação de motor; 6. Fabricação de caixa de câmbio e transmissão; 7. Montagem de sistemas de direção e suspensão; 8. Montagem de sistema elétrico; 9. Montagem de sistemas de freio e eixos; 10. Montagem, revisão final e ensaios compatíveis; 11. Montagem de chassis e de carrocerias; 12. Montagem final de cabines ou de carrocerias, com instalação de itens, inclusive acústicos e térmicos, de forração e de acabamento; 13. Produção de carrocerias preponderantemente através de peças avulsas estampadas regionalmente; 11

12 Título do documento 14. Infraestrutura própria de laboratórios para desenvolvimento e teste de produtos. Para a produção de Chassis com motor: 1. Soldagem; 2. Tratamento anticorrosivo e pintura; 3. Injeção de plástico; 4. Fabricação de motor; 5. Fabricação de caixa de câmbio e transmissão; 6. Montagem de sistemas de direção e suspensão; 7. Montagem de sistema elétrico; 8. Montagem de sistemas de freio e eixos; 9. Montagem, revisão final e ensaios compatíveis; 10. Montagem de chassis; 11. Infraestrutura própria de laboratórios para desenvolvimento e teste de produtos. I) Produção de automóveis e comerciais leves: Quadro 5 Ano-Calendário Número de atividades Fonte: Decreto de

13 II) Produção de caminhões: Quadro 6 Ano-Calendário Número de atividades Fonte: Decreto de III) Produção de chassis com motor: Quadro 7 Ano-Calendário Número de atividades Fonte: Decreto de IV) Produção de automóveis por empresas que tenham se instalado no País, com projeto de investimento relativo à instalação de uma única fábrica de veículos classificados nos códigos constantes na lista de NCM s abaixo, com capacidade produtiva anual de até trinta e cinco mil unidades e com investimento específico de, no mínimo, R$ ,00 (dezessete mil reais), e que passem a estar habilitadas ao INOVAR-AUTO. 13

14 Quadro 8 Título do documento Fonte: Decreto de Código da TIPI Código da TIPI (exceto Ex 02) Ex (exceto Ex 02) Ex Ex (exceto Ex 01) (exceto dos veículos do código ) Ex Ex Ex Ex 01 As empresas enquadradas devem realizar a cada ano no mínimo o número de tarefas conforme tabela abaixo: Quadro 9 Ano-Calendário Número de atividades Fonte: Decreto de B) Realizar, no País, investimentos em pesquisa e desenvolvimento correspondentes, no mínimo, aos percentuais a seguir indicados, incidentes sobre a receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda: 14

15 Quadro 10 Ano-Calendário Percentual ,15% ,30% ,50% ,50% ,50% Fonte: Decreto de Exemplo: Receita Bruta total de venda: R$ ,00 Investimentos em 2013: R$ ,00 (0,15%)) Investimentos em 2014: R$ ,00 (0,30%)) Demais anos seguir o percentual estipulado na tabela até 2017, quando termina o INOVAR-AUTO. C) Realizar, no País, investimentos em engenharia, tecnologia industrial básica e capacitação de fornecedores, correspondentes no mínimo, aos percentuais a seguir indicados, incidentes sobre a receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda: Quadro 11 Ano-Calendário Percentual ,5% ,75% ,0% ,0% ,0% Fonte: Decreto de

16 Exemplo: Título do documento Receita Bruta total de venda: R$ ,00 Investimentos em 2013: R$ ,00 (0,50%)) Investimentos em 2014: R$ ,00 (0,75%)) Demais anos seguir o percentual estipulado na tabela até 2017, quando termina o INOVAR-AUTO. D) Aderir a Programa de Etiquetagem Veicular definido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e estabelecido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia-INMETRO, com eventual participação de outras entidades públicas, com os seguintes percentuais mínimos dos modelos, conforme definido no Programa de Etiquetagem Veicular do INMETRO, de produtos classificados nos códigos TIPI relacionados no Quadro 1, comercializados pela empresa, a serem etiquetados no âmbito do referido Programa: Quadro 12 Ano-Calendário Percentual % % % % % Fonte: Decreto de Exemplo: Dos produtos classificados para o INOVAR-AUTO deverá ter 36% do total classificados pelo Programa de Etiquetagem Veicular em 2013, 49% em 2014, etc. Seguir os percentuais definidos na tabela acima até chegar a 100% dos veículos em 2017, quando se encerra o INOVAR-AUTO. Importante salientar, que as empresas que tenham se instalado no País depois do ano de 2013 e passem ser habilitadas no INOVAR-AUTO na modalidade dos fabricantes do produtos classificados no Quadro 1, ficam deslocados no tempo conforme abaixo para os requisitos A e B (acima), respeitando a data limite para o INOVAR-AUTO, que é Requisitos previstos para 2013 ficam postergados para o ano-calendário de habilitação; Requisitos previstos para 2014 ficam postergados para o ano-calendário seguinte ao da habilitação; Requisitos previstos para 2015 ficam postergados para o segundo ano-calendário seguinte ao da habilitação; Requisitos previstos para 2016 ficam postergados para o terceiro ano-calendário seguinte ao da habilitação; e Requisitos previstos para 2017 ficam postergados para o quarto ano-calendário seguinte ao da habilitação. 16

17 No itens acima quando se referir a receita bruta total de venda de bens e serviços, considerar o valor acumulado no ano calendário, exluindo os impostos e contribuições incidentes sobre as vendas. Decreto 7819 de 2012: (...) Art. 8º Os dispêndios em pesquisa, desenvolvimento tecnológico, engenharia, tecnologia industrial básica e capacitação de fornecedores de que tratam os incisos II e III do caput do art. 7º: I - deverão ser realizados, no País, pela pessoa jurídica beneficiária do INOVAR-AUTO: a) diretamente; b) por intermédio de fornecedor contratado; ou c) por intermédio de contratação de universidade, instituição de pesquisa, empresa especializada ou inventor independente de que trata o inciso IX do caput do art. 2º da Lei nº , de 2 de dezembro de 2004; II - não poderão abranger a doação de bens e serviços; III - poderão abranger a destinação de recursos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT; IV - tomarão por base a receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda, apurada no ano-calendário; e V - observarão os procedimentos estabelecidos em portaria conjunta dos Ministros de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 1º O Ministério da Fazenda adotará as providências necessárias para que sejam repassados ao FNDCT os recursos de que trata o inciso III do caput. 2º O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação disciplinará a gestão, o controle e a contabilidade especifica da posição financeira e orçamentária dos recursos destinados ao FNDCT, criado pelo Decreto-Lei no 719, de 31 de julho de o Para efeito da comprovação dos dispêndios de que tratam os incisos II e III do caput do art. 7º, poderão ser considerados os dispêndios realizados em de acordo com a Lei no , de 21 de novembro de 2005, com alei nº 9.440, de 14 de março de 1997, e com a Lei nº 9.826, de 23 de agosto de 1999, observando-se as atividades descritas nos 4º e 5º do art. 7º. 3º Para efeito da comprovação dos dispêndios de que tratam os incisos II e III do caput do art. 7º, poderão ser considerados aqueles realizados em acordo com a Lei nº , de 21 de novembro de 2005, com a Lei nº9.440, de 14 de março de 1997, e com a Lei nº 9.826, de 23 de agosto de 1999, observando-se as atividades descritas nos 4º, 5º e 6º do art. 7º. (Redação dada pelo Decreto nº 8.015, de 2013) (...) 3.9. Cancelamento do INOVAR-AUTO e Multas A. Montadoras: As empresas habilitadas que descumprirem os requisitos estabelecimentos para o INOVAR-AUTO, acarretará no cancelamento da habilitação do Programa, exceto com relação ao compromisso da empresa solicitante de atingir níveis mínimos de eficiência energética em relação aos produtos comercializados no País. 17

18 Título do documento Empresas que possuir mais de uma habilitação, o cancelamente será somente para a habilitadação que descumprir os requisitos, demais habilitação continuarão válidas. O cancelamento produzirá efeitos apenas a partir do início do período da habilitação em que tenha ocorrido descumprimento de compromisso assumido, não afetará os demais. As habilitações canceladas não poderão serem renovadas. Além do cancelamento da habilitação ao INOVAR-AUTO, implicará na exigência do IPI que deixou de ser pago em função da utilização do crédito presumido, com os acréscimos previstos na legislação tributária, desde a primeira habilitação. Caso a primeira habilitação tenha ocorrido em 2013 e o cancelamento ocorra em 2015, será exigido o IPI de todo o período, inciando no ano de Salientamos que o cancelamento do INOVAR-AUTO será efetuado por ato do Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que dependendo da decisão, poderá abranger apenas o imposto que deixou de ser pago desde o início do período de vigência da habilitação atual que descumpriu os requisitos, com os acréscimos previstos na legislação tributária, ou seja, se inciou em 2013 e o cancelamento ocorrer no final do ano de 2014, nesse caso será exigido o Tributo somente de 2014 que foi o ano do cancelamento. Lembrando que essa decisão caberá ao Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no momento de emitir o Ato de cancelamento. O descumprimento do compromisso da empresa solicitante em atingir níveis mínimos de eficiência energética em relação aos produtos comercializados no País, não acarretará no cancelamento do INOVAR-AUTO, porém haverá as multas conforme abaixo: R$ 50,00 (cinquenta reais) para até o primeiro centésimo, inclusive, maior que o consumo energético correspondente à meta de eficiência energética, expressa em megajoules por quilômetro, estabelecida para a empresa habilitada; R$ 90,00 (noventa reais) a partir do primeiro centésimo, exclusive, até o segundo centésimo, inclusive, maior que o consumo energético correspondente à meta de eficiência energética, expressa em megajoules por quilômetro, estabelecida para a empresa habilitada; R$ 270,00 (duzentos e setenta reais) a partir do segundo centésimo, exclusive, até o terceiro centésimo, inclusive, maior que o consumo energético correspondente à meta de eficiência energética, expressa em megajoules por quilômetro, estabelecida para a empresa habilitada; R$ 360,00 (trezentos e sessenta reais) a partir do terceiro centésimo, exclusive, para cada centésimo maior que o consumo energético correspondente à meta de eficiência energética, expressa em megajoules por quilômetro, estabelecida para a empresa habilitada. Para as empresas (Montadoras) que descomprirem obrigações acessória previstas no INOVAR-AUTO, haverá multa de dez por cento do valor do crédito presumido apurado. B. Fornecedor: Com a publicação da Medida Provisória nr. 638 em 2014, as obrigações do INOVAR-AUTO se estenderam até o Fornecedor que será obrigado a enviar informações sobre os produtos vendidos as montadoras participantes do INOVAR-AUTO. Caso os fornecedores não enviar essas informações, há previsão de muilta no valor de 2% sobre o valor das operações de venda. Já para o envio de informações incorretas, a previsão é multa de 1% sobre a diferença entre o valor informado e o valor real ou devido. 18

19 Abaixo o embasamento: (...) Art. 41-A. Com vistas à promoção do desenvolvimento sustentável da indústria, os fornecedores de insumos estratégicos e de ferramentaria para as empresas habilitadas ao Inovar-Auto e seus fornecedores diretos ficam obrigados a informar aos adquirentes, nas operações de venda, os valores e as demais características dos produtos fornecidos, nos termos, limites e condições definidos pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 1º O desenvolvimento sustentável da indústria referido no caput refere-se ao aumento do padrão tecnológico dos veículos, especialmente, quanto à segurança veicular e a emissões veiculares. 2º A omissão na prestação das informações de que trata o caput ensejará a aplicação de multa no valor de dois por cento sobre o valor das operações de venda referidas no caput. 3º A prestação de informações incorretas no cumprimento da obrigação a que se refere o caput ensejará a aplicação de multa de um por cento sobre a diferença entre o valor informado e o valor devido. 4º Regulamento poderá dispor sobre os procedimentos para correção das informações incorretas de que trata o 3º. 5º O disposto nos 2º e 3º será aplicado nas operações de venda realizadas a partir do sétimo mês subsequente à definição dos termos, limites e condições referidos no caput. (NR) (...) Cálculo do crédito presumido de IPI As empresas habilitadas no INOVAR-AUTO (Montadoras), gozarão de crédito presumido de IPI no período em que estiverem habilitadas, que poderão apurar a partir da habilitação. Apesar das obrigações se estenderem até os fornecedores, os créditos de IPI serão concedidos somente para as montadoras, não há previsão de nenhum benefício para o fornecedor dentro do INOVAR-AUTO. O crédito presumido do IPI poderá ser apurado com base nos investimentos/gastos realizados em cada mês-calendário relativos a: Insumos estratégicos; Ferramentaria; Pesquisa; Desenvolvimento tecnológico; Inovação tecnológica; Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica; Capacitação de fornecedores; e Engenharia e tecnologia industrial básica. 19

20 Título do documento Para fins de cálculo, serão considerados os valores investidos/gastos realizados no segundo mês-calendário, anterior ao mês de apuração do crédito. Como o INOVAR-AUTO encerra-se em 2017, os investimentos realizados nos meses de novembro e dezembro de 2017 não darão direito ao crédito presumido do IPI. Outra situação que não lhe dará direito ao crédito presumido de IPI, são os gastos em aquisições efetuadas a outras empresas também habilitadas no INOVAR-AUTO Crédito presumido de IPI sobre investimentos com Insumos e Ferramentaria O crédito presumido relativo ao IPI será apurado com base na multiplicação dos valores dos investimentos/gastos realizados, para aquisição de Insumos e Ferramentaria, inclusive na hipótese de produção pela própria da empresa habilitada pelo fator abaixo: Para efetuar os cálculos do Quadro 14 e Quadro 16 (Abaixo) considerar as informações abaixo: RPS - Receita Líquida de Vendas da empresa nos segmentos de caminhões pesados e semipesados e chassis com motor; RLM - Receita Líquida de Vendas da empresa nos segmentos de caminhões semileves, leves e médios; RT - somatório de RPS e RLM; Caminhões semileves, leves e médios - os que possuem peso bruto total - PBT superior a três toneladas e meia e inferior a quinze toneladas; Caminhões semipesados - os caminhões-chassis que possuem PBT igual ou superior a quinze toneladas e capacidade máxima de tração - CMT inferior ou igual a quarenta e cinco toneladas; e os caminhões-trator que possuem PBT igual ou superior a quinze toneladas e peso bruto total combinado - PBTC inferior a quarenta toneladas. Caminhões pesados - os caminhões-chassis que possuem PBT igual ou superior a quinze toneladas e CMT superior a quarenta e cinco toneladas e os caminhões-trator que possuem PBT igual ou superior a quinze toneladas e PBTC igual ou superior a quarenta toneladas. A. Empresas que produzam, no País, os produtos classificados no Quadro 1, inclusive na hipótese de instalação de novas plantas ou projetos industriais para produção de novos modelos desses produtos, fica estabelecido em: 20

21 Quadro 13 Automóveis e Comerciais Leves Fator Ano-Calendário 1, , , , , Fonte: Decreto de Exemplo: Mês da apuração Março/2014 Gastos em Janeiro/2014 de R$ ,00 Valor do Crédito Presumido de IPI: x 1,25 = ,00 21

22 Quadro 14 Título do documento Caminhões e Chassis com Motor Fator Ano-Calendário Período de Apuração da Receita Líquida de Vendas (1,30 x RPS) + (1,0 x RLM) RT 2013 jul/2011 a jun/2012 (1,25 x RPS) + (0,95 x RLM) RT 2014 jul/2012 a jun/2013 (1,15 x RPS) + (0,90 x RLM) RT 2015 jul/2013 a jun/2014 (1,10 x RPS) + (0,85 x RLM) RT 2016 jul/2014 a jun/2015 (1,00 x RPS) + (0,85 x RLM) RT 2017 jul/2015 a jun/2016 Fonte: Decreto de Exemplo: Mês da apuração Março/2014 Investimentos/Gastos em Janeiro/2014 de R$ ,00. Dados: I. RPS = ,00 (Receita do período de Jul/2012 a Jun/2013) II. RLM = ,00 (Receita do período de Jul/2012 a Jun/2013) III. RT = ,00 ( ) Cálculo do Fator: IV. (1,25 x ) + (0,95 x )

23 V. ( ) + ( ) VI VII. Fator: 1,10 Cálculo do crédito Presumido: VIII * 1,10 = ,00 IX. Valor do créidto presumido de IPI: ,00 B. As empresas que tenham se instalado no País depois do ano de 2013, passando a ser habilitadas ao INOVAR- AUTO que produzam veículos classificados nas NCM s do Quadro 1, o fator fica estabelecido em: Quadro 15 Automóveis e Comerciais Leves Fator Ano de habilitação 1,30 1º 1,25 2º 1,15 3º 1,10 4º 1,00 5º Fonte: Decreto de Exemplo: Empresa habilitada no INOVAR-AUTO: 2013 Mês da apuração Março/2014 Gastos em Janeiro/2014 de R$ ,00 Valor do Crédito Presumido de IPI: x 1,25 = ,00 23

24 Quadro 16 Título do documento Caminhões e Chassis com Motor Fator Ano de habilitação Período de Apuração da Receita Líquida de Vendas (1,30 x RPS) + (1,0 x RLM) RT 1º Período de 12 meses iniciado em julho do segundo ano anterior ao de habilitação. (1,25 x RPS) + (0,95 x RLM) RT 2º Período de 12 meses iniciado em julho do segundo ano anterior ao da primeira renovação de habilitação. (1,15 x RPS) + (0,90 x RLM) RT 3º Período de 12 meses iniciado em julho do segundo ano anterior ao da segunda renovação de habilitação. (1,10 x RPS) + (0,85 x RLM) RT 4º Período de 12 meses iniciado em julho do segundo ano anterior ao da terceira renovação da habilitação. (1,00 x RPS) + (0,85 x RLM) RT 5º Período de 12 meses iniciado em julho do segundo ano anterior ao da quarta renovação de habilitação. Fonte: Decreto de Exemplo: Habilitado no INOVAR-AUTO em: 2013 Mês da apuração Março/2014 Investimentos/Gastos em Janeiro/2014 de R$ ,00. Dados: I. RPS = ,00 (Receita do período de Jul/2012 a Jun/2013) II. RLM = ,00 (Receita do período de Jul/2012 a Jun/2013) III. RT = ,00 ( ) Cálculo do Fator: IV. (1,25 x ) + (0,95 x )

25 V. ( ) + ( ) VI VII. Fator: 1,10 Cálculo do crédito Presumido: VIII * 1,10 = ,00 IX. Valor do créidto presumido de IPI: ,00 Quadro 17 C. Empresas que tenham se instalado no País, com projeto de investimento relativo à instalação de uma única fábrica de veículos classificados nos códigos constantes no Quadro 17 (abaixo), com capacidade produtiva anual de até trinta e cinco mil unidades e, com investimento específico de, no mínimo, R$ ,00 (dezessete mil reais), e passem a estar habilitadas ao INOVAR-AUTO, fica estabelecido o fator fixo em 1,30 para todo o período de vigência do referido Programa. Caso essas empresas aumentem a produção de veículos acima do limite de trinta e cinco mil veículos anuais, deverá utilizar o multiplicador estabelecido no Item B (acima). CÓDIGO DA TIPI EX Fonte: Decreto de Exemplo: Mês da apuração Março/2014 Gastos em Janeiro/2014 de R$ ,00 Valor do Crédito Presumido de IPI: x 1,30 = ,00 25

26 Título do documento Crédito presumido de IPI sobre investimentos com Pesquisa, Desenvolvimento tecnológico, Inovação tecnológica e Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica O crédito presumido dos investimentos/gastos com Pesquisa, Desenvolvimento tecnológico, Inovação tecnológica e Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica corresponderá a cinquenta por cento dos investimentos/gastos, limitados ao valor que corresponder a aplicação de dois por cento da receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda. Exemplo: Dados: I. Receita Bruta do Período: ,00 II. Investimentos: ,00 Cálculo: III. Fórmula: 50% x Investimentos limitado a 2% sobre a Receita. IV. ( * 50%) = ,0 V. ( * 2%) = ,00 VI. Crédito presumido de IPI para o Período: ,00 OBS: O valor calculado para o crédito presumido foi ,00, porém como é limitado a 2% da receita liquida do período, ficou limitado a ,00, que são 2% da Receita Liquida Crédito presumido de IPI sobre investimentos, Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica, Capacitação de fornecedores e Engenharia e Tecnologia industrial básica Apesar do item Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica estar incluso no item , a legislação também prevê a inclusão do mesmo nesse tópico. O crédito presumido dessas atividades, corresponderá a cinquenta por cento do valor dos investimentos/gastos que excederem a setenta e cinco centésimos por cento, até o limite de dois inteiros e setenta e cinco centésimos por cento, da receita bruta total de venda de bens e serviços, excluídos os impostos e contribuições incidentes sobre a venda. 26

27 Exemplo: Dados: I. Receita Bruta do Período: ,00 II. Investimentos: ,00 Cálculo: III. Fórmula: 50% do valor dos investimentos que exceder a 75% da receita Bruta, limitado a 2,75 % sobre a Receita bruta total de venda de bens e serviços. IV. ( * 75%) = ,00 V. ( ,00) = ,00 VI. ( * 50%) = ,00 VII. ( * 2,75%) = ,00 VIII. Crédito presumido de IPI para o Período: ,00 OBS: O valor calculado para o crédito presumido IPI é de ,00, pois é menor que 2,75% sobre a Receita bruta total de venda de bens e serviços que no exemplo é , Crédito presumido de IPI e suspensão do IPI sobre importação de veículos. As empresas habilitadas ao INOVAR-AUTO, que tenham projeto de investimento aprovado para instalação, no País, de fábrica dos produtos classificados nos códigos de NCM s do Quadro 1 ou, em relação as empresas já instaladas, de novas plantas ou projetos industriais para produção de novos modelos desses produtos, poderão, ainda, apurar crédito presumido do IPI correspondente ao resultado da aplicação da alíquota de 30% sobre a base de cálculo do imposto na saída dos produtos do estabelecimento importador. Lembrando que devem ser importados por estabelecimento importador da empresa habilitada. Exemplo: I. Base de Calculo do IPI para o perído: ,00 II. Crédito presumido do IPI: ,00 ( * 30%) A apuração do crédito presumido do IPI deverá ser feita pelo estabelecimento matriz da empresa habilitada no INOVAR-AUTO, subsistirá até vinte e quatro meses a partir da habilitação e será relativa aos veículos constantes do projeto de investimento aprovado. A quantidade de veículos importados no ano-calendário, que dará direito à apuração de crédito presumido, ficará limitada a vinte e quatro avos da capacidade de produção anual, prevista no projeto de investimento aprovado, multiplicado pelo número de meses restantes no ano-calendário, incluindo-se o mês da habilitação. A importação mencionada deverá ser efetuada diretamente pela empresa, ou encomenda por sua conta e ordem. 27

28 Título do documento Decorridos vinte e quatro meses da primeira habilitação, a empresa deixará de apurar o crédito presumido dessa forma, restandolhe a possibilidade de apuração dos créditos presumido disponibilizada no item 3.10 (acima). Suspensão do IPI Fica suspenso o IPI incidente no desembaraço aduaneiro dos produtos classificados nos códigos da NCM s do Quadro 1, importados com direito à apuração do crédito presumido do IPI por empresas habilitadas no INOVAR-AUTO, dentro do período de vigência. Também fica suspenso o IPI no desembaraço aduaneiro e na saída do estabelecimento importador que realizar importação por encomenda ou por conta e ordem da empresa habilitada ao INOVAR-AUTO. A suspensão do IPI aqui tratada, será aplicada na hipótese em que os veículos forem destinados à comercialização Utilização dos Créditos, lançamentos nos livros e documentos fiscais Os créditos presumidos do IPI não estão sujeitos à incidência da Contribuição para o PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social COFINS, não devem ser computados para fins de apuração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Para utilização dos créditos presumidos de IPI deverá ser observados as orientações e retrições abaixo: Crédito presumido relativo aos Insumos Estratégicos e Ferramentaria O Crédito poderá ser utilizado, em cada operação realizada a partir de 1º de janeiro de 2013, para pagamento do IPI devido na saída dos produtos classificados nos códigos NCM s relacionados no Quadro 1. O valor do crédito presumido do IPI a ser utilizado para o pagamento, fica limitado ao valor correspondente ao que resultaria da aplicação de trinta por cento sobre a base de cálculo prevista na legislação do IPI. Ao final de cada apuração, o valor do crédito presumido do IPI que restar, poderá ser utilizado para pagamento do IPI referente aos veículos importados pela empresa, desde que observado o seguinte: Não se aplica aos veículos importados classificados nos códigos constantes no Quadro 18 (abaixo); Não se aplica às aquisições de insumos estratégicos e de ferramentaria destinados à fabricação de veículos classificados no Quadro 18 (abaixo); O valor do crédito presumido a ser utilizado fica limitado ao valor correspondente ao que resultaria da aplicação de trinta por cento sobre a base de cálculo prevista na legislação do IPI; A utilização estará limitada a quatro mil e oitocentos veículos por ano-calendário. O valor do crédito presumido que não puder ser utilizado em função dos limites estabelecidos acima, poderá ser utilizado nos meses subsequentes, observada a data-limite que é 31 de dezembro de

29 Quadro 18 Fonte: Decreto de Código da TIPI Código da TIPI (exceto Ex 01) (exceto Ex 01) Ex (exceto Ex 01) Ex (exceto Ex 01) Ex (exceto Ex 01) Ex Ex 01 (exceto chassis com motor dos veículos do Ex 01 do código e do Ex 01 do código ) Ex 01 O crédito presumido nesse item não poder ser escriturado no Livro Registro de Apuração do IPI. O valor do crédito presumido do IPI que restar após a utilização prevista na legislação, não poderá ser utilizado para compensar em relação à importação de automóveis e comerciais leves pela empresa que tenha novo projeto de investimento para a produção, no País, de veículos classificados nos códigos NCM s do Quadro Crédito presumido relativo a Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico, Inovação Tecnológica, Recolhimentos ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, na forma da legislação específica, Capacitação de Fornecedores e Engenharia e Tecnologia Industrial Básica Esse crédito presumido poderá ser usufruído a partir de 1º de janeiro de 2013, sendo escriturado no Livro Registro de Apuração do IPI do estabelecimento matriz, no campo Outros Créditos. O crédito presumido poderá ser utilizado da seguinte forma: primeiramente, pela dedução do valor do IPI devido pelas operações no mercado interno do estabelecimento matriz da pessoa jurídica; a critério do estabelecimento matriz, o saldo resultante da dedução poderá ser transferido, no todo ou em partes, para outros estabelecimentos industriais, ou equiparados a industrial, desde que seja da mesma pessoa jurídica; 29

30 Título do documento não existindo os débitos de IPI ou remanescendo saldo credor após o aproveitamento na forma exposta na legislação, é permitida a utilização de conformidade com as normas sobre ressarcimento em espécie e compensação previstas em ato específico da Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda. Optando pela transferência de crédito, a mesma deverá ser documentada através de emissão de Nota Fiscal pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica, exclusivamente para essa finalidade, e deverão constar: o valor do crédito transferido; e a declaração crédito transferido de acordo com o Decreto nr , de A. Estabelcimento Emissor: A Nota Fiscal de transferência deverá ser escriturada, pelo Estabelecimento emissor no livro Registro de Apuração do IPI, a título de "Estornos de Créditos", com a observação crédito transferido para o estabelecimento inscrito no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) sob o nº [indicar o número completo do CNPJ], de acordo com o Decreto nº 7.819, de Caso o estabelecimento não seja contribuinte do IPI, a escrituração da transferência será registrada no Livro Diário. B. Estabelecimento que Receber a Nota Fiscal de Transfêrencia de Crédito: O estabelecimento que receber o crédito por transferência, deverá escriturá-lo no livro Registro de Apuração do IPI, a título de "Outros Créditos", com a observação: crédito transferido do estabelecimento inscrito no CNPJ sob o nº [indicar o número completo do CNPJ], de acordo com o Decreto nº 7.819, de 2012", indicando o número da nota fiscal que documentar a transferência. O estabelecimento que receber crédito por transferência do estabelecimento matriz, só poderá utilizá-lo para dedução de débitos do IPI, não sendo permitida o ressarcimento em espécie (Dinheiro). Caso o estabelecimento matriz não seja contribuinte do IPI, a transferência será documentada pela emissão de uma nota fiscal de entrada pelo estabelecimento que estiver recebendo o crédito Crédito presumido de IPI sobre importação de veículos. As empresas habilitadas ao INOVAR-AUTO, que tenham projeto de investimento aprovado para instalação, no País, de fábrica dos produtos classificados nos códigos de NCM s do Quadro 1 ou em relação as empresas já instaladas, de novas plantas ou projetos industriais para produção de novos modelos desses produtos, poderá utilizar o crédito presumido para pagamento do IPI devido na saída do estabelecimento importador de pessoa jurídica habilitada, observados: O limite de um quarenta e oito avos da capacidade de produção anual prevista no projeto de investimento aprovado, multiplicado pelo número de meses restantes no ano-calendário, incluindo-se o mês da habilitação; e Ao cumprimento do cronograma físico-financeiro constante do projeto aprovado no INOVAR-AUTO. O saldo do crédito presumido do IPI apurado e não utilizado, somente poderá ser aproveitado na saída dos veículos fabricados pela empresa habilitada, a partir do início da comercialização dos veículos objeto do projeto, até o montante correspondente a 35% do saldo devedor apurado a cada período de apuração do IPI. 30

31 O valor do crédito presumido que não puder ser utilizado em função dos limites estabelecidos na legislação poderá ser utilizado nos meses subsequentes, observada a data limite de 31 de dezembro de 2017, quando se encerrar o INOVAR- AUTO Crédito Presumido apurado nos itens e Conforme descrito no item , os créditos apurados nos itens e não serão escriturados no Livro Resgistro de Apuração de IPI. Dessa forma, o valor será apropriado nas notas fiscais de saídas dos produtos, conforme abaixo: O crédito presumido do IPI, apurado em conformidade com as regras específicas, deverá ser utilizado para pagamento do valor do IPI devido na saída dos produtos classificados nos códigos NCM s do Quadro 1, do estabelecimento industrial ou equiparado a industrial da empresa habilitada. O valor do IPI constante no campo de destaque na Nota Fiscal de venda, deverá ser o resultado da diferença entre o valor do imposto calculado com base na legislação geral do IPI e o valor do crédito presumido do IPI apurados nos itens e Deverá constar no campo Informações Complementares da Nota Fiscal de venda a expressão: Crédito Presumido utilizado nos termos do Decreto nº de Outubro de Obrigações Acessórias As obrigações serão cumpridas pelas Motadoras e Fornecedores das Montadoras. Uma das obrigações é o XML que deverá ser importador diferetamente no site do INOVAR-AUTO ( Um dos arquivos a ser disponibilizado via XML é o Autodeclaração de Vendas, com isso, devem autodeclarar vendas todas as empresas (Fornecedores ou Montadoras) que efetuaram vendas diretamente as Montadoras habilitadas. Esta é uma autodeclaração de fornecimento, ou seja, onde irá demonstrar as vendas efetuadas as Montadoras habilitadas no INOVAR-AUTO. Abaixo a agenda para envio, consulta e ajuste nas informações enviadas via XML para o Sistema INOVAR-AUTO: 31

32 Título do documento Agenda mensal de atividades no sistema a serm cumpridas pelos Fornecedores e Montadoras: DATA DO MÊS USUÁRIO ATIVIDADE De 01 a 15 De 01 a 15 De 01 a 15 A partir de 16 A partir de 16 A partir de 16 De 16 a 20 A partir de 21 Enviam autodeclaração de vendas para Montadoras Enviam autodeclaração de produção própria Enviam autodeclaração de aquisições de Fornecedores Consultam autodeclarações de vendas para o seu CNPJ Consultam a não informação de venda de Fornecedores para seu CNPJ Consultam a não informação de venda dos eu CNPJ para Montadoras Respondem sobre a não informação de venda para Montadoras Consultam respostas da não informação de venda de Fornecedores para seu CNPJ O acesso ao Sistema do INOVAR-AUTO será restrito as matrizes das empresas (Fornecedores e Montadoras). Dessa forma, as matrizes são as responsáveis por gerenciar as informações de todos os CNPJs de sua empresa, ou seja, da matriz e de todas as suas filiais. As filiais não terão usuários com acesso ao sistema. Lembrando que o envio das informações será efetuada sempre pelo estabelecimento matriz, que englobará todas as filiais. Possibilidade de retificações No caso de informações com erros, será possível retificar as informações, enviando o arquivo correto no mês seguinte ao envio. A retificação é permitida somente no primeiro dia do mês seguinte ao envio do arquivo com erro, e tem prazo de 90 dias. Podem ser retificadas: autodeclarações de vendas de fornecedores; autodeclarações de aquisições de montadoras; autodeclarações de produção própria de montadoras. respostas aos avisos de não informação; envio de retificações de vendas não informadas. Abaixo as obrigações a serem cumpridas pelas Montadoras e Fornecedeores: 32

33 Montadoras Para efeito de apuração e de aproveitamento do crédito presumido do IPI, a empresa beneficiária deverá manter registro mensal que permita a verificação detalhada da apuração, do cálculo e da utilização do crédito presumido, conforme abaixo: ANEXO VII (Redação dada pelo Decreto nº 7.819, de 2012) MEMÓRIA DE CÁLCULO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI VALOR DOS INSUMOS ESTRATÉGICOS E FERRAMENTARIA Mês/ano: Tipo da Operação 1 Descrição da Operação 2 Valor da Operação 3 Valor dos insumos estratégicos e ferramentaria 4 Fator Aplicado Crédito Presumido 5 Total do Crédito Presumido Aquisições de insumos estratégicos e ferramentaria MEMÓRIA DE CÁLCULO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI DISPÊNDIOS EM P&D E ENGENHARIA, TIB E CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES Mês/ano: Tipo da Operação 5 Descrição da Operação 7 Valor da Operação Valor dos Dispêndios 8 Fator Aplicado Crédito Presumido 9 Total do Crédito Presumido Dispêndios em P&D Total do Crédito Presumido Dispêndios em engenharia e TIB. Total do Crédito Presumido - Capacitação de fornecedores. 33

34 Total do Crédito Presumido no Mês Título do documento MEMÓRIA DE CÁLCULO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI - IMPORTAÇÃO Mês/ano: Descrição da Operação 10 Valor da Operação Crédito Presumido 11 Total do Crédito Presumido no Mês MEMÓRIA DE UTILIZAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI AQUISIÇÕES DE INSUMOS ESTRATÉGICOS E FERRAMENTARIA Mês/ano: Descrição de utilização 12 Crédito presumido utilizado na operação 13 Redução do IPI (em pontos percentuais) 14 Saldo inicial do mês 15 : Total do credito presumido apurado no mês: Total crédito presumido utilizado mês: Saldo final do mês: MEMÓRIA DE UTILIZAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI DISPÊNDIOS EM P&D E ENGENHARIA, TIB E CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES Mês/ano: Descrição de utilização 16 Crédito presumido utilizado na operação 17 34

35 Saldo inicial do mês 18 : Total do credito presumido apurado no mês: Total crédito presumido utilizado mês: Saldo final do mês: MEMÓRIA DE UTILIZAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO IPI IMPORTAÇÃO Mês/ano: Descrição de utilização 19 Crédito presumido utilizado na operação 20 Redução do IPI (em pontos percentuais) 21 Saldo inicial do mês 22 : Total do credito presumido apurado no mês: Total crédito presumido utilizado mês: Saldo final do mês: [1] Tipo da operação (aquisição de insumos estratégicos, aquisição de ferramentaria, produção própria). 2 Descrição resumida da operação que gerou o crédito (Número da Nota Fiscal, data da realização, dentre outras). 3 Valores das Notas Fiscais, expressos em reais, relativas a insumos estratégicos e ferramentaria. 4 Valores dos insumos estratégicos e ferramentaria, nos termos estabelecidos pelo ato de que trata o 3º do art Valores expressos em reais. 6 Tipo da operação (dispêndios em P&D, dispêndios em engenharia e TIB ou capacitação de fornecedores). 7 Descrição resumida da operação que gerou o crédito (Número da Nota Fiscal, data da realização, dentre outras). 8 Valores dos dispêndios em conformidade com os 4º, 5º e 6º do art. 7º. 9 Valores expressos em reais. 10 Descrição resumida da operação que gerou o crédito (Número da Nota Fiscal, data da realização, dentre outras). 11 Valores expressos em reais. 12 Descrição resumida da operação em que foi utilizado o crédito presumido (Número, data e valor da Nota Fiscal, ou utilizado com produtos importados). 13 Em reais, conforme dedução constante do campo IPI destacado. 14 Informar a redução, em pontos percentuais, da alíquota do IPI proporcionada pela utilização do crédito presumido (máximo de trinta pontos percentuais). 35

36 15 Saldo final do mês anterior. Título do documento 16 Descrição resumida da operação em que foi utilizado o crédito presumido (Número, data e valor da Nota Fiscal, valor escriturado no Livro de Apuração do IPI na hipótese de que trata o art. 15 do Decreto de 03 de outubro de 2012, ou utilizado com produtos importados). 17 Em reais, conforme dedução constante do campo IPI destacado. 18 Saldo final do mês anterior. 19 Descrição resumida da operação em que foi utilizado o crédito presumido (Número, data e valor da Nota Fiscal). 20 Em reais, conforme dedução constante do campo IPI destacado. 21 Informar a redução, em pontos percentuais, da alíquota do IPI proporcionada pela utilização do crédito presumido (máximo de trinta pontos percentuais). 22 Saldo final do mês anterior. Fonte: Anexo VII do Decreto de 2012 As informações citadas acima, poderão ser solicitadas, em qualquer tempo pela Secretaria da Receita Federal do Brasil do Ministério da Fazenda e pelos demais responsáveis pela fiscalização da apuração e da utilização do crédito presumido. A empresa habilitada, quando solicitado, deverá apresentar relatórios para comprovar os Investimentos/Gastos e o atendimento dos requisitos de que trata a legislação do INOVAR-AUTO, conforme modelo estabelecido pelos Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e de Ciência, Tecnologia e Inovação. A verificação do atendimento dos requisitos previstos na legislação do INOVAR-AUTO será efetuada diretamente pelos Ministérios da Fazenda, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e de Ciência, Tecnologia e Inovação ou por intermédio de auditorias realizadas por entidades credenciadas pela União, contratadas pelas empresas beneficiárias do INOVAR-AUTO. Alem das informações acima, as montadoras deverão enviar um arquivo XML conforme leyout disponibilizado pelo INOVAR-AUTO (definição do layout verificar item: 3.7), contendo o seguinte: Convite para fornecedores; Auto declaração de aquisições; Consulta de auto declarações de vendas para o CNPJ de Montadora; Consulta de não informação de venda para montadora Fornecedor Com a publicação da Medida provisória 638 de 17 de Janeiro de 2014, as obrigações se estedenram aos fornecedores, que serão obrigados a enviar via XML as informações das vendas efetuadas as montadoras. O layout do XML foi disponibilizado pelo INOVAR-AUTO (definição do layout verificar item: 3.7), O XML do fornecedor conterá somente a: Auto declaração de vendas. A principais informações a serem enviadas pelo fornecedor de montadora no XML, são o valor das vendas efetuadas as montadoras e o Valor da parcela dedutível, que até o momento não havia uma definicação clara na legislação do INOVAR-AUTO. Recentemente com a ajuda de um de nosso clientes, recebemos as informações da reunião realizada 11 de setembo no Sindipeças em São Paulo. Participaram dessa reunião representantes das montadoras, fornecedores das montadoras, 36

37 SINDPEÇAS - Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores, MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores entre outros participantes do setor. O principal assunto discutido nessa reunião foi a informação a ser enviada no campo valor da parcela dedutível pelo fornecedor da montadora, além do comunicado que nos próximos dias seria publicada pelo MIC a Portaria regularizando e contendo toda a orientação para geração dessas informações, entre outras providências. No dia 24 de Setembro de 2014 foi publicada pelo MDIC a PORTARIA 257, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014, dispondo sobre procedimentos a serem observados nos dispêndios com insumos estratégicos e ferramentaria, e respectivo tratamento das informações que irão compor o campo valor da parcela dedutível no XML enviado pelo fornecedor da montadora credenciada no programa INOVAR-AUTO. O principal ponto que foi esclarecido na reunião e regulamentado pela a PORTARIA 257, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 é o valor da parcela dedutível, sendo essa uma das principais informações enviadas no XML do fornecedor, pois influencia diretamente no valor do crédito presumido de IPI a ser apropriado pela Montadora. Abaixo o Anexo III da PORTARIA 257, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 que trata a Parcelar Dedutível: ANEXO III DA PARCELA DEDUTÍVEL 1. Para efeitos de acompanhamento do alcance dos objetivos do Programa, a Parcela Dedutível, referida no 2º do art. 3º desta Portaria, levará em conta cumulativamente, nos termos do Anexo I: a) O valor das Notas Fiscais com Código Fiscal de Operações e Prestações (CFOP), conforme previsto no Convênio SINIEF s/n de 15 de dezembro de 1970, 3101, 3102, 3126 e b) A parcela das aquisições com os Códigos de Situação Tributária (CST) 1, 2, 3, 4, 6, 7 e 8, observados os percentuais de dedução estabelecidos no 3º da Cláusula Quarta do Convênio CONFAZ nº 38, de 2013, relativamente aos produtos fornecidos na condição de insumos estratégicos e ferramentaria. 2. Para fins da Parcela Dedutível, a Nota Fiscal emitida por fornecedor da empresa que: a) Não apresentar o Código de Situação Tributária (CST) referido na alínea b do item 1, será considerado código CST 2. b) Apresentar Código de Situação Tributária (CST) 4, equivalerá ao código CST 3. c) Apresentar Código de Situação Tributária (CST) 6, equivalerá ao código CST 1. d) Apresentar Código de Situação Tributária (CST) 7, equivalerá ao código CST Para efeitos do disposto nos itens 1 e 2, a Nota Fiscal de produto identificado com os códigos TIPI , , , e será considerada código CST No caso de fornecedores das empresas de que trata o inciso III, 5º, art. 12 do Decreto nº 7.819, de 2012, a Parcela Dedutível, referida no 2º do art. 3º desta Portaria, considerará as Notas Fiscais com Código Fiscal de Operações e Prestações (CFOP), conforme previsto no Convênio SINIEF s/n de 15 de dezembro de 1970, 3101, 3102, 3126 e 3127, nos termos do Anexo I. 5. Para fins da Parcela Dedutível será utilizado o critério de média aritmética ponderada, com base no último período mensal anterior ao do fornecimento, considerando: a) No caso da alínea a do item 1 e do item 4, os valores expressos em reais do valor CIF (Cost, Insurance and Freight) da mercadoria acrescido do montante do Imposto de Importação. 37

38 Título do documento b) No caso da alínea b do item 1, os valores expressos em reais da Nota Fiscal do fornecedor, excluído o montante do IPI, se houver. 1º Na hipótese de não ter ocorrido operação de aquisição no último período mensal anterior ao do fornecimento, para fins do disposto neste item, deverá ser considerado o último período anterior de ocorrência de operação de aquisição. 2º Na hipótese de se esgotar as possibilidades previstas no 1º será considerado, para fins do disposto neste item o valor da operação ocorrida no próprio mês do fornecimento. 3º Na hipótese de mercadorias de fornecedores diferentes que sejam controladas sob um único código de estoque, para fins do disposto no item 1, poderá ser utilizado alternativamente o método PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai), ou outro método de proporcionalização, desde que haja consistência no método utilizado ao longo dos períodos subsequentes. Um dos objetivos do INOVAR-AUTO é premiar as empresas que investem no Brasil, com isso, foi alterado o INOVAR-AUTO que estendeu uma das obrigações até o fornecedor da montadora. Essa informação será utilizada pela montadora para diminuir da base de cálculo do crédito presumido de IPI, a parcela dos insumos que foi importada, considerando para o crédito somente o valor dos insumos nacionais. Antes de entramos na questão, vamos conceituar algumas siglas que serão utilizadas abaixo: Tier 1 Esse é o fornecedor direto da montadora (que irá enviar o XML); Tier 2 - Fornecedor do fornecedor da montadora (dispensado de enviar XML). Insumos Estratégicos: entende-se por insumos estratégicos toda matéria prima, partes, peças e componentes utilizados na fabricação e incorporados fisicamente aos veículos. Ferramentaria: entende-se por ferramentaria o ferramental, específico por tipo de peça e acoplado a uma máquina, usado para estampar ou injetar autopeças destinadas ao processo de fabricação dos veículos. Abaixo o quadro comparativo, mostrando o antes e o depois referente a apropriação do crédido do INOVAR-AUTO pela montadora: 38

39 Fonte: Apresentação da reunião da Sindpeças no dia 11 de Setembro/2014 Até Outubro/2014 as montadoras utilizavam como base para calcular o crédito presumido do IPI, o valor das notas fiscais recebidas dos fornecedores, descontando o valor do IPI e aplicando o percentual de crédito presumido previsto. Com a alteração, as montadores que utilizar insumos importados terão redução no crédito. A base de calculo do crédito terá o desconto do valor da parcela dedutível que será o valor dos insumos importados utilizados na fabricação. Essa informação é de responsabilidade do fornecedor da montadora enviá-la via XML. Com isso, o crédito presumido do IPI ficou da seguinte forma: valor das notas fiscais recebidas, subtraído o valor do IPI (quando houver incidência) e a parecela dedutível, sobre o valor resultante, será aplicado o percentual de crédito presumido do IPI. Abaixo vamos detalhar como os fornecedores irão compor o valor informado no campo Parcela Debutível : 39

40 Tabela de CST Código da Situação Tributária Título do documento CST Descrição 0 Nacional, exceto as indicadas nos códigos 3, 4, 5 e 8; 1 Estrangeira - Importação direta, exceto a indicada no código 6; 2 Estrangeira - Adquirida no mercado interno, exceto a indicada no código 7; Nacional, mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação superior a 40% 3 (quarenta por cento) e inferior ou igual a 70% (setenta por cento); Nacional, cuja produção tenha sido feita em conformidade com os 4 processos produtivos básicos de que tratam o Decreto-Lei nº 288/67, e as Leis nº 8.248/91, 8.387/91, /01 e /07; Nacional, mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação inferior ou igual 5 a 40% (quarenta por cento); Estrangeira - Importação direta, sem similar nacional, constante em lista de 6 Resolução CAMEX e gás natural; Estrangeira - Adquirida no mercado interno, sem similar nacional, constante 7 em lista de Resolução CAMEX e gás natural. Nacional, mercadoria ou bem com Conteúdo de Importação superior a 70% 8 (setenta por cento). O responsávelo pelo envio das informações via XML será o fornecedor direto da montadora (Tier 1), entretando para compor o valor da parcela debutivel, terá que buscar as informações de seus fornecedores (Tier 2). O valor informado no campo valor da parcela dedutível será o valor dos insumos do Tier 1 somado ao valor das entradas de insumos dotier 2. O Tier 1 irá apurar as informações conforme abaixo: 40

41 Tabela resumo de como será composto o valor da parcela dedutível no XML enviado pelo fornecedor da montadora: Fonte: Apresentação da reunião da Sindpeças no dia 11 de Setembro/2014 Compras efetuadas do Tier 2, pelo Tier 1. Como o objetivo é apurar o CI conteúdo importado contido nos insumos adquiridos do Tier 2, o Tier 1 deverá buscar os valores das notas fiscais de entrada de insumos, utilizando como base o CST Código da Situação Tributária, conforme tabela resumo citado acima. É importante fisar que a busca utiliza como base os CST s previstos na Resolução 13 do Senado Federal, entretanto as regras do INOVAR-AUTO não são as mesmas previstas na Resolução do Senado Federal 13. Na Resolução do Senado Federal 13, o objetivo é definir a alíquota de ICMS nas operações interestaduais, já no INOVAR-AUTO é identificar o valor do conteúdo importado. Na compras na qual o fornecedor (Tier 2) não informar o CST, deverá ser considerado para fins cálculo da parcela dedutível como CST 2. Em resumo para apurar o valor do conteúdo importado nas compras efetuadas do Tier 2, será avaliada a CST utilizada na operação (nota fiscal de entrada do insumo). CST s: 1, 2, 6, 7 e 8 Será considerado 100% do valor como contéudo importado; CST s: 3 e 4 Coniserar 50% do valor como conteúdo importado; CST s 0 e 5 Será considerado como nacional, ou seja, 0% de conteúdo importado. Importações direta pelo Tier 1. Conforme tabela resumo citada acima, o Tier 1 irá considerar o valor CIF mais o valor do II Imposto de Importação, sem limite mínimo para compor o valor da parcela dedutível. 41

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO

NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO NOVO REGIME AUTOMOTIVO INOVAR-AUTO OBJETIVOS Atração de Investimentos Inovação Tecnológica Incorporação Tecnológica Competitividade da Cadeia Automotiva Adensamento da Cadeia Automotiva Abrangência Automóveis,

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 235 - Data 1 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI EMPRESAS HABILITADAS

Leia mais

Capítulo I Dos Dispêndios com Insumos Estratégicos e Ferramentaria

Capítulo I Dos Dispêndios com Insumos Estratégicos e Ferramentaria Port. MDIC 257/14 - Port. - Portaria MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC nº 257 de 23.09.2014 D.O.U.: 24.09.2014 Estabelece regulamentação complementar do Programa

Leia mais

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de:

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de: Nº 240, quarta-feira, 16 de dezembro de 2009 1 ISSN 1677-7042 87 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 977, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil

Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Inovar-Auto Aspectos relevantes Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores 22 Janeiro de 2015

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. João Arruda) Institui Regime Especial de Tributação para instalação e manutenção de Centros de Processamento de Dados - Data Centers. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho)

PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.770-A, DE 2011 (Do Sr. Vicentinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de as montadoras de veículos utilizarem, na fabricação de seus produtos, 70% de peças produzidas

Leia mais

Marcos Legais Setembro 2014

Marcos Legais Setembro 2014 Marcos Legais Setembro 2014 Obrigação do Fornecedor Lei nº 12.996 (18 de junho de 2014) Obrigação de Informar aos Adquirentes: Os fornecedores de insumos estratégicos e de ferramentaria para as empresas

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

SUBSEÇÃO III DA HABILITAÇÃO E DA TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS ACUMULADOS

SUBSEÇÃO III DA HABILITAÇÃO E DA TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS ACUMULADOS SUBSEÇÃO III DA HABILITAÇÃO E DA TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS ACUMULADOS Art. 41. Será passível de transferência, desde que previamente habilitado, o crédito acumulado em conta-gráfica oriundo de ICMS cobrado

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006

IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006 IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006 D.O.U.: 25.07.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015

... LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 LEI N. 2.956, DE 9 DE ABRIL DE 2015 Altera e acrescenta dispositivos à Lei n. 1.358, de 29 de dezembro de 2000 que Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas, Cooperativas e Associações

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI)

PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI) PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI) Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 03/09/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - PREÇO DE REFERÊNCIA 2.1 -

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária (*) Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno Crédito ICMS por Saída Interna Isenta ICMS em MG 06/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 8 5. Informações Complementares... 8 6. Referências...

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6140, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011. ALTERA OS ARTS. 54, 59, 62 E 69 DA LEI Nº 2657, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1996, QUE DISPÕE SOBRE O IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 10.451, DE 10 DE MAIO DE 2002. Altera a legislação tributária federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Confira a incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Nesta Orientação examinamos a incidência do PIS/Pasep e da Cofins na comercialização por pessoas jurídicas industriais das bebidas

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante Desoneração da Folha - Call Center - Atividade 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 3.1 Empresas que exercem atividades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 CONSOLIDADA, ALTERADA PELA LEI Nº: 2077, DE 12.05.09, DOE Nº 1242, DE 13.05.09; 2189, DE 25.11.09, DOE Nº 1376, DE 26.11.09. LEI Nº 2030, DE 10 DE MARÇO DE 2009 PUBLICADA NO DOE Nº 1200, DE 11.03.09 Institui

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997.

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997. Decreto nº 7.389, de 9 de dezembro de 2010 DOU de 10.12.2010 Regulamenta o incentivo de que trata o art. 11- B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997, que estabelece incentivos fiscais para o desenvolvimento

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.996, DE 18 JUNHO DE 2014. Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 638, de 2014 Altera as Leis n os 12.715, de

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010).

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Anexo 4.0 Substituição Tributária Anexo 4.4 (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Da Substituição Tributária nas Operações com Carne Bovina, Bubalina e Subproduto; Gado Bovino

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Micro e EPP Alíquotas e sua Destinação Constituição Federal do Brasil art. 179; Decreto 3.000/99 arts. 185 a 206 (RIR/99); IN SRF

Leia mais

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese:

A empresa formalizou consulta acerca da utilização de créditos relacionados à entrada de combustíveis, aos seguintes termos, em síntese: Assunto : Consulta utilização de créditos de combustíveis. EMENTA: CONSULTA EMPRESA TRANSPORTADORA - CRÉDITOS DE COMBUSTÍVEIS. ANÁLISE. 1. RELATÓRIO: A empresa formalizou consulta acerca da utilização

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006

ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N.º 5.798, DE 7 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta os incentivos fiscais às atividades de pesquisa tecnológica e desenvolvimento de inovação tecnológica, de que tratam os arts.

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 I. NORMATIVOS 1. Quais os normativos que regulamentam a cobrança de IOF sobre derivativos cambiais? V&G: A Medida Provisória n o 539, de

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 476, DE 2009 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I Introdução...3 II Prazos para apreciação...5 III Emendas apresentadas...5 2010 Câmara dos Deputados. Todos os

Leia mais

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015

Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Instrução Normativa RFB Nº 1590 DE 05/11/2015 Publicado no DO em 6 nov 2015 Dispõe sobre a aplicação do art. 9º-A da Lei nº 10.925, de 23 de julho de 2004, que dispõe sobre o crédito presumido da Contribuição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO E DOS ASSUNTOS INTERNACIONAIS Resolução Normativa nº 05/03 FUNDOPEM/RS E INTEGRAR/RS (Com alterações introduzidas pela Resolução Normativa nº 04/2004

Leia mais

À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias

À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias São Paulo, 21 de maio de 2015 À Coordenação-Geral de Tributação da Receita Federal do Brasil (COSIT) REF: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 Tributação de Bebidas Frias Prezados Senhores, Dando seguimento

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 638, DE 17 DE JANEIRO DE 2014

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 638, DE 17 DE JANEIRO DE 2014 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 638, DE 17 DE JANEIRO DE 2014 Altera a Lei nº 12.715, de 17 de setembro de 2012, que institui o Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.682-A DE 2012 Institui o Programa de Cultura do Trabalhador; cria o vale-cultura; altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 7.713, de 22 de dezembro de 1988,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DUB-ICMS do Rio de Janeiro DUB-ICMS do Rio de Janeiro 27/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA INTRODUÇÃO: Poderão utilizar os INCENTIVOS FISCAIS objetos desta apresentação: As pessoas físicas que entregarem

Leia mais

D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011

D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011 Publicado em 09/12/2011 no Diário Oficial nº 362. D E C R E T O Nº 9460 de 30 de novembro de 2011 (Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto n 8063, de 15 de outubro de 2007, ampliando funcionalidades

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13

A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 A S S I P I ICMS IMPORTADOS RESOLUÇÃO 13 1 RESOLUÇÃO 13 X DECRETO 4316/95 RESOLUÇÃO 13 DECRETO 4316 COMENTÁRIOS Art. 1º A alíquota do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 Dispõe sobre a atualização monetária de débitos fiscais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo 09/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 9 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.598, DE 22 DE MARÇO DE 2012. Vigência Estabelece normas especiais para as compras, as contratações e o desenvolvimento

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014.

ESTADO DE GOIÁS Prefeitura Municipal de Pirenópolis DECRETO N 2.492714. Gabinete DE 31 DE 01 DE 2014. DECRETO N 2.492714. DE 31 DE 01 DE 2014. "INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHI MENTO POR MEIOS ELETRÔNICOS, RELATI VÁS AO ISSQN

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 544, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 544, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 544, DE 29 DE SETEMBRO DE 2011. Estabelece normas especiais para as compras, as contratações de produtos, de sistemas de defesa, e A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Base de Cálculo e ICMS no DACTE - MG Base de 08/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais