Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect"

Transcrição

1 Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect Thiago B. Ferreira, Sergio M. Stempliuc Faculdade Governador Ozanam Coelho Fagoc) Ubá, MG, Brazil Jugurta Lisboa-Filho Universidade Federal de Viçosa UFV) Viçosa, MG, Brazil Resumo Proposto para padronizar a modelagem conceitual de bancos de dados geográficos e contendo os diferentes níveis de abstração da arquitetura MDA, o GeoProfile é um perfil UML que pode ser introduzido em diversas ferramentas CASE já consolidadas pela infraestrutura da UML. Este artigo tem como objetivo descrever o uso do GeoProfile na ferramenta CASE Enterprise Architect e da linguagem de transformação da ferramenta para permitir transformações automáticas entre os diversos níveis da arquitetura MDA. Palavras-chave: Bancos de Dados Geográficos; GeoProfile; MDA; Enterprise Architect; transformação; PIM; PSM; SQL. I. INTRODUÇÃO Visando atender as necessidades da especificação de dados espaciais, nos últimos 20 anos pesquisadores desenvolveram ou adaptaram modelos conceituais de dados para aplicação geográfica [5]. Porém, estas inovações trouxeram o problema da falta de padrão na modelagem conceitual, dificultando a comunicação entre projetos criados por ferramentas CASE Computer-Aided Software Engineering) específicas [3]. Com intuito de padronizar a área, foi especificado um perfil UML Unified Modeling Language) nomeado GeoProfile alinhado com a normas ISO [4] e arquitetura MDA Model Driven Architecture) [2]. O GeoProfile atua em um alto nível de abstração na modelagem conceitual de BDGeo e utiliza as ferramentas CASE já consolidadas pela infraestrutura da UML [5]. No site do Projeto do perfil GeoProfile 1 é possível observar que diferente dos modelos conceituais este perfil não necessita de uma ferramenta especifica, uma vez que pode-se valer de ferramentas CASE como: Rational Software Modeler RSM) 2, Papyrus UML2 Modeler 3, Visual Paradigm for UML 4 Star UML 5 e Enterprise Architect EA) 6. Através de estudos empíricos de versões recentes das ferramentas listadas no site do projeto, foi possível constatar que diferente das demais, a EA fornece uma linguagem própria de transformação entre os diversos níveis da arquitetura MDA. De modo similar ao trabalho de [6], no qual foram apresentadas as transformações MDA de diagramas elaborados a partir do GeoProfile na ferramenta RSM, este trabalho apresenta o uso da ferramenta EA e os desafios para o desenvolvimento de um mecanismo de transformação MDA para bancos de dados geográficos utilizando o perfil GeoProfile. Este artigo é organizado como segue: a seção 2 apresenta o conceito de Perfil UML, o Perfil GeoProfile e a arquitetura MDA; a seção 3 apresenta o uso do GeoProfile na ferramenta Enterprise Architect e a transformação entre as etapas do MDA; a seção 4 apresenta a geração de código SQL pela ferramenta EA; a seção 5 apresenta a conclusão e os trabalhos futuros. II. PERFIL UML, GEOPROFILE E MDA Constituído de estereótipos, tagged values e constraints) o perfil UML é um mecanismo de extensão para sanar a necessidade de aplicações mais complexas. Os estereótipos são caracterizados como um dos principais veículos para customização da UML [1], sendo usado pelo GeoProfile durante a representação de formas geométricas. Tagged values são meta-atributos associados a um estereótipo específico, responsáveis por adicionar informações aos elementos do modelo, que podem ser avaliados por máquinas e interpretados por seres humanos [1,8]. As constraints são restrições aplicadas aos elementos do modelo e podem ser expressas através da OCL Object Constraint Language) [8]

2 O GeoProfile é um perfil UML que une características de maior destaque dos modelos conhecidos pela comunidade de BDGeo: OMT-G, MADS, GeoOOA, UML-GeoFrame e o modelo da ferramenta Perceptory. Por ser um perfil UML possibilita um nível de abstração mais alto garantido pela abordagem MDA, auxiliando os projetistas nos primeiros passos de um projeto em BDGeo [5]. Outra vantagem é ser automaticamente suportado por ferramentas CASE já consolidadas pela infraestrutura da UML, utilizando-as na modelagem de banco de dados geográficos e promovendo assim interoperabilidade e padronização da área [3]. MDA é uma abordagem proposta pela [7] que permite o desenvolvimento de sistemas em diferentes níveis de abstração [3]. Os níveis de abstração da MDA podem ser separados em CIM, PIM e PSM. O CIM Computation Independent Model) não mostra detalhes da estrutura do sistema, mas o ambiente em que o sistema vai operar [7]. Em relação ao GeoProfile, os estereótipos são aplicados na classe, podendo ser, por exemplo, representação do tipo ponto, linha ou polígono. O PIM Platform Independent Model) é um modelo independente de qualquer tecnologia de implementação [2], contendo os requisitos de software necessários. No GeoProfile, os estereótipos são apresentados como atributos da classe. O PSM Platform Specific Model) especifica detalhes a respeito da plataforma no qual será implementado. Para plataforma de modelo relacional, as classes do GeoProfile são convertidas em tabelas [5]. Os artefatos produzidos pela abordagem MDA são modelos formais que podem ser entendidos por computadores, e após sofrerem transformações chegarão a uma etapa final de código-fonte abordagem top_down) ou em altos níveis de abstração abordagem bottom_up) [1]. A Figura 1 ilustra a atuação de ferramentas de transformação nos níveis da arquitetura MDA. Figura 1. Utilização de Ferramentas de transformações na abordagem MDA. Fonte: Adaptado de [2]. III. TRANSFORMAÇÕES MDA APLICADAS AO GEOPROFILE NA ENTERPRISE ARCHITECT Utilizando a ferramenta CASE Enterprise Architect EA) versão 9.0 Ultimate trial), comercializada pela Sparx Systems para o planejamento e construção de sistemas de software, este trabalho procurou reproduzir os diferentes níveis de abstração especificados pela arquitetura MDA. Apesar do GeoProfile em sua definição valer-se da modelagem de um CIM, considerou-se desnecessário para o trabalho transformações de CIM para PIM, pois durante a elaboração dos diagramas percebeu-se que conceitos abstratos e específicos acabam por se misturar na ferramenta EA. Podese considerar que o diagrama elaborado com o GeoProfile nessa ferramenta se enquadra como um CIM pela abstração e uso de estereótipos textuais, ao mesmo tempo que se enquadra como PIM por permitir a especificação dos tipos de dados dos atributos das classes. Classificando-se então seus diagramas como PIM, na Figura 2 as classes Cidade e Escola são objetos espaciais do tipo polígono e ponto, respectivamente. A classe Distrito possui múltipla representação espacial de polígono e ponto e Professor é uma classe sem representação geográfica. Figura 2. Diagrama construído na Enterprise Architect a partir do Perfil GeoProfile, representando o PIM da abordagem MDA. Com o PIM obtido, o próximo passo foi obter o PSM. Para isso a ferramenta disponibiliza no menu Tools/Model Transformation MDA) modelos de transformações que dão origem a PSMs para C#, EJB, Java, DDL entre outros, mas por serem transformações genéricas, suportam somente tipos de dados comuns a estas linguagens, e não as especificidades relacionadas ao uso de estereótipos. Um modelo de transformação para PSM que chamou a atenção foi o DDL Data Definition Language), por apresentar transformações de diagramas de classe em diagramas de tabelas e permitir a transformação de tipos de dados de acordo com o SGBD selecionado. No entanto, a DDL por padrão não faz a transformação dos estereótipos das classes, mas no menu Settings/Transformations Templates há códigos-fontes em uma linguagem específica para os modelos de transformação que podem ser modificados para tarefas específicas de transformação dos diagramas do GeoProfile. Além da modificação de códigos templates, ainda é permitida a criação de novos modelos de transformação. Para um novo modelo de transformação MDA de PIM para PSM do GeoProfile, foram aproveitados códigos do modelo de transformação DDL para a transformação de classes em tabelas, transformação dos relacionamentos e confecção de chaves primárias e estrangeiras. Também foi aproveitado um código referente à criação de pacotes, comum a todos os modelos de transformação, modificando-se apenas o nome do pacote a ser criado. O Código 1 é responsável pela criação do pacote GeoProfile_PSM, e será executado toda vez que o modelo de transformação do GeoProfile for solicitado.

3 Package{ name="geoprofile_psm" "% Código 1. Código-fonte para criação do pacote GeoProfile_PSM. A transformação dos estereótipos foi realizada através de condicionais que avaliam o tipo geográfico de um estereótipo ponto, linha, polígono, etc.). Todo estereótipo geográfico que se encontra em um diagrama de classe deve virar uma coluna na respectiva tabela. O Código 2 é responsável pela transformação dos estereótipos Point e Polygon, sendo similar a transformação para o estereótipo Line. Para o estereótipo Point, as colunas terão o nome formado da concatenação do nome da classe com a string Point, e o tipo de dado, que até então não existia vazio), convertido para GM_Point. O mesmo ocorre para o tipo Polygon, sendo formado pela concatenação com a string Polygon, e o tipo de dado GM_Polygon. Esses são tipos de dados espaciais do SGBD Oracle. %IF classstereotype == "Point"% COLUMN { name=%qt%%convert_nameclassname, "Pascal Case","Camel Case")%Point%qt% type=%qt%%convert_typegenoptdefaultd atabase,"gm_point")%%qt% %endif% %IF classstereotype == "Polygon"% COLUMN { name=%qt%%convert_nameclassname, "Pascal Case","Camel Case") %Polygon%qt% Figura 3. Problemas na multirrepresentação geográfica). Além disso, foi desenvolvido um código para transformação dos tipos de dados disponibilizados pela ferramenta no nível PIM, p. ex., Character e Integer, em tipos de dados reconhecidos pelo SGBD Oracle. Caso algum tipo seja diferente dos especificados na transformação, estes são passados como campos vazios para o PSM. O Código 3 é responsável pela transformação do tipo de dado Character para Varchar. Column { %TRANSFORM_CURRENT"type",stereotype", "collection","constant","containment", "ordered", "static", "volatile")% $type1 = %atttype% %if $type1 == "Character"% type=%qt%%convert_typegenoptdefaultdat abase,"varchar2")%%qt% %endif% Código 3. Código para conversão dos tipos dos atributos. No entanto, não foi necessário desenvolver um código para atribuição de tamanhos de campo como, por exemplo, Varchar230) e Number8,2), pois a ferramenta pode ser préconfigurada para atribuir valores a estes tipos de dados, conforme ilustra a Figura 4. Código 2. Conversão do estereotipo Polygon em coluna. type=%qt%%convert_typegenoptdefaultdat Apesar da ferramenta EA permitir o uso de múltiplos estereótipos, abase,"gm_polygon")%%qt% durante a transformação não é permitido que todos sejam processados. Pode-se observar que no Código 2, a primeira linha apresenta um if para comparar uma variável classstereotype %endif% com uma string Polygon). Esta variável possui somente a string do primeiro estereótipo da classe, não sendo encontrada uma solução até o momento para se capturar os demais. A Figura 3-a ilustra a classe Distrito, com múltipla representação geográfica, e o estereótipo Polygon separado por vírgula do estereótipo Point. A Figura 3-b apresenta as propriedades dessa classe, destacando-se o local onde, embora seja uma combo box, contém somente o primeiro estereótipo Polygon), também armazenado na variável classstereotype. Figura 4. Customização dos tipos de dados dos atributos usados durante a transformação de PIM para PSM.

4 Após seguir o tutorial no site do projeto GeoProfile para sua incorporação na ferramenta EA e os conceitos que foram apresentados até o momento, é possível se utilizar o menu Tools/Model Transformation MDA) e selecionar a transformação GeoProfile_PSM para que, a partir do PIM da Figura 2, seja gerado o PSM da Figura 5. Figura 5. PSM gerado a partir de transformações MDA). Após seguir os passos descritos para a geração do PSM e comparar o Diagrama ilustrado na Figura 2 PIM) com o diagrama da Figura 5 PSM),, pode-se observar que para relacionamentos semânticos, ou seja, aqueles que não envolvem relacionamentos topológicos entre objetos geográficos, são criadas automaticamentes as chaves estrangeiras nas classes. Por exemplo, para relacionamento semântico entre as classes Distrito e Escola, foi criada a chave estrangeira distritoid na última classe. O modelo relacional hoje já não apresenta grandes desafios acerca da transformação entre os modelos PIM e PSM. No entanto, as características espaciais, que envolvem novos tipos de dados e relacionamentos topológicos, adicionam dificuldades durante essa transformação, o que requer a investigação de uma extensão das regras padrão estipuladas para o modelo relacional. Outra dificuldade é a falta de padronização a respeito da implementação desses tipos de dados e relacionamentos nos diferentes SGBDs. Como consequência disso, é interessante que as novas regras de transformação possam ser especificadas nas ferramentas, o que ocorre na ferramenta EA através da possibilidade de se customizar ou criar uma nova linguagem de transformação. A Figura 4 mostra que novos tipos de dados podem ser criados durante a transformação para um tipo particular de SGBD, o que ajuda na especificação de atributos espaciais. Mas algumas complicações podem ocorrer quando considerados os tipos temporais e de visão de campo, devido ao próprio conceito ser diferente dos tipos convencionais. Além disso, relacionamentos topológicos também são mais complexos de serem transformados para o PSM, uma vez que especificam restrições de integridade entre os tipos espaciais envolvidos, não sendo possível realizar esta tarefa simplesmente pela criação de chaves estrangeiras. IV. GERAÇÃO DE CÓDIGO SQL NA EA PARA O SGBD ORACLE SPATIAL O código SQL com o script de criação da estrutura de tabelas, relacionamentos e restrições de integridade é a última etapa do MDA para se alcançar de forma automática a implementação do que foi especificado inicialmente em alto nível de abstração PIM). A ferramenta Enterprise Architect fornece nativamente a geração do script SQL para as classes com o estereótipo Table presentes no PSM. Para realizar esta tarefa deve-se selecionar as propriedades do pacote GeoProfile_PSM e então utilizar a opção de transformação Generate DDL para que sejam fornecidas as opções para geração do código SQL. Através da Figura 6 é possível observar que além de gerar a tabela com as respectivas colunas, a ferramenta EA fornece algumas opções para geração do código SQL. Os passos são: Na Figura 6, selecionar as tabelas a serem transformadas em códigos SQL; Apontar o local onde o código fonte será armazenado isto em Single File Selecionar as opções para geração do código SQL, por exemplo: Primary Key, Foreign Key e Stored Procedures. Executar a transformação de PSM para código SQL através do botão Generate. Figura 6. Janela para gerar código SQL do pacote GeoProfile_PSM).

5 Desta forma os Códigos 4 e 5 apresentam os códigos SQL gerados na ferramenta EA como último artefato da arquitetura MDA. Tanto o Código 4 quanto o Código 5 são originados do PSM apresentado na Figura 5, porém foram separados para melhor entendimento e adequação ao presente trabalho. O Código 4 apresenta o script SQL responsável pela criação das tabelas do banco de dados no caso o Oracle. USE DATABASE oracle; DROP TABLE Cidade CASCADE CONSTRAINTS; DROP TABLE Distrito CASCADE CONSTRAINTS; DROP TABLE Escola CASCADE CONSTRAINTS; DROP TABLE Professor CASCADE CONSTRAINTS; CREATE TABLE Cidade Populacao NUMBER8,2), cidadepolygon GM_Polygon, cidadeid CREATE TABLE Distrito NUMBER8,2) NOT NULL distritopolygon GM_Polygon, distritoid NULL, cidadeid CREATE TABLE Escola Endereco NUMBER8,2) NOT NUMBER8,2) escolapoint GM_Point, escolaid distritoid CREATE TABLE Professor NUMBER8,2) NOT NULL, NUMBER8,2) Código 4. Janela para gerar código SQL do pacote GeoProfile_PSM). Endereco professorid NUMBER8,2) NOT NULL, escolaid NUMBER8,2) O Código 5 apresenta as alterações feitas nas tabelas criadas para inclusão de Primary Keys e Foreign Keys. ALTER TABLE Cidade ADD CONSTRAINT PK_Cidade PRIMARY KEY cidadeid) USING INDEX ; ALTER TABLE Distrito ADD CONSTRAINT PK_Distrito PRIMARY KEY distritoid) USING INDEX ; ALTER TABLE Escola ADD CONSTRAINT PK_Escola PRIMARY KEY escolaid) USING INDEX; ALTER TABLE Professor ADD CONSTRAINT PK_Professor PRIMARY KEY professorid) USING INDEX ; ALTER TABLE Distrito ADD CONSTRAINT Possui FOREIGN KEY cidadeid) REFERENCES Cidade cidadeid ALTER TABLE Escola ADD CONSTRAINT Dentro_de FOREIGN KEY distritoid) REFERENCES Distrito distritoid ALTER TABLE Professor ADD CONSTRAINT Trabalha FOREIGN KEY escolaid) REFERENCES Escola escolaid Código 5. Adição de Primary Keys e Foreign Keys nas tabelas criadas.

6 Como apresentado pela Figura 2 representando o PIM), pela Figura 5 representando o PSM) e pelos Códigos 4 e 5 representando o código fonte SQL), é possível se efetuar transformação MDA nas fases PIM, PSM e código fonte SQL para BDGeo usando o Perfil GeoProfile na ferramenta EA. No entanto, existem restrições impostas pela ferramenta, no caso do exemplo, a transformação da múltipla representação geográfica da classe Distrito. Como o código SQL é gerado a partir do modelo PSM apresentado na Figura 5, a tabela Distrito não apresenta as características espaciais Polygon e Point inicialmente especificadas no modelo PIM. Apesar desse obstáculo, a ferramenta consegue gerar um código SQL para implementação no SGBD Oracle. A ferramenta EA apresenta várias possibilidades de geração de código fonte, porém o modelo DDL não fornece opção de customização, tanto para geração do PSM quanto para geração do código SQL. A customização para geração do PSM só foi alcançada através do uso de Templates customizáveis, mas por hora a geração de código SQL utilizou somente a transformação direta da ferramenta através da opção Generate DDL. Fica evidente que a opção do menu settings/code Generation Templates fornecerá também linguagens customizáveis e até mesmo a possibilidade de desenvolvimento de uma linguagem específica para transformação do diagrama PSM do GeoProfile em um arquivo de texto com o código fonte SQL para criação do banco de dados. V. CONCLUSÃO Este trabalho mostrou que diagramas criados a partir do GeoProfile na ferramenta CASE Enterprise Architect podem ser submetidos a transformações MDA desde o PIM até o código fonte SQL, utilizando-se de linguagens de transformação customizáveis. Apesar de alguns problemas momentâneos, como a falta de recurso para transformação de múltiplos estereótipos em uma classe, a ferramenta fornece recursos interessantes para automatizar a geração de todos os modelos da arquitetura MDA, garantindo assim uma fidelidade maior do que é especificado em alto nível e o que realmente será implementado no SGBD. Como trabalhos futuros, pretende-se aprimorar a linguagem de transformação apresentada para que seja possível a transformação de todos os estereótipos do perfil GeoProfile, o que inclui os aspectos temporais, visão de campo e relacionamentos topológicos. Além disso, deve-se observar que a partir do modelo PSM a transformação deve considerar os tipos de dados utilizados pelos diferentes SGBDs, tanto para os atributos convencionais quanto os geográficos e temporais. A sequência deste trabalho será a investigação da especificação de restrições de integridade através da OCL Object Constraint Language), tanto daquelas inerentes ao perfil GeoProfile quanto das que podem ser inseridas pelo projetista em seus diagramas. O uso de tais restrições com a OCL deve incluir a verificação sintática e semântica de suas expressões, baseados nos tipos de objetos geográficos e nos relacionamentos topológicos permitidos. Além disso, deve ser realizada a transformação dessas restrições entre os diversos modelos da arquitetura MDA, incluindo a geração de código fonte capaz de garantir a integridade e consequentemente melhorar a qualidade dos dados. ACKNOWLEDGMENT HEADING 5) Projeto parcialmente financiado pela Fagoc e pelas agências FAPEMIG e CNPq. REFERENCES [1] Erikson, H., Penker, M., Lyons, B and Fado, D. 2004). UML 2 Toolkit, OMG Press. [2] Kleppe, A., Warmer, J. e Bast, W. 2003). MDA Explained: The Model Driven Architecture: Practice and Promise, Addison Wesley, 1th edition. [3] Lisboa Filho, J., Sampaio, G.B., Nalon, F.R. and Borges, K.A.V. 2010). A UML Profile for Conceptual Modeling in GIS Domain. In International Workshop on Domain Engineering 2010, p [4] Nalon, F. R., et al. 2011). Applying the model driven architecture approach for geographic database design using a UML Profile and ISO standards. Journal of Information and Data Management, v.2, n.2, p [5] Nalon, F. R., Lisboa Filho, J., and Peixoto, D. A. 2010). Modelagem de dados geográficos utilizando um perfil UML alinhado a padrões internacionais e à abordagem MDA. In Workshop brasileiro de desenvolvimento de software dirigido por modelos WB-DSDM in CBSoft), Salvador, p [6] Nalon, F. R.; Lisboa Filho, J.; Borges, K. A. V.; Braga, J. L.; Andrade, M. V. A. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOINFORMÁTICA GEOINFO), 11, 2010), Campos do Jordão-SP. Anais... São José dos Campos: MCT/INPE, p [7] Object Management Group. 2003). MDA Guide, v.1.0.l. OMG, Needham, MA, USA. [8] Object Management Group. 2007). Unified Modeling Language: Superstructure, v OMG, Needham, MA, USAs

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS Alexandre Gazola, Gustavo Breder Sampaio, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Jugurta Lisboa Filho

Jugurta Lisboa Filho MundoGEO#Connect LatinAmerica 2012 29 a 31 de Maio São Paulo (SP) Brasil SEMINÁRIO QUALIDADE DE DADOS GEOESPACIAIS Modelagem e integração de dados espaciais e não espaciais Projeto CASEGeo/UFV Jugurta

Leia mais

ADEQUAÇÃO DE UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS AOS PADRÕES ISO E OGC USANDO MDA

ADEQUAÇÃO DE UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS AOS PADRÕES ISO E OGC USANDO MDA FILIPE RIBEIRO NALON ADEQUAÇÃO DE UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS AOS PADRÕES ISO E OGC USANDO MDA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS André Sandri Prof. Me. Carlos Michel Betemps UNILASALLE - www.unilasalle.com.br 30 de junho de 2006 Curso de Ciências da

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

1. Visual Paradigm for UML

1. Visual Paradigm for UML Sumário 1. Visual Paradigm for UML... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 10 4. Aplicando o perfil GeoProfile... 12 1. Visual Paradigm for UML Visual Paradigm

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2 Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 PARTE 1 O processo de desenvolvimento MDA Rossano Pablo Pinto

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

1. IBM Rational Software Modeler

1. IBM Rational Software Modeler Sumário 1. IBM Rational Software Modeler... 1 2. Criando o Perfil GeoProfile... 2 3. Adicionando Restrições OCL... 9 4. Adicionando Ícones aos Estereótipos... 13 5. Aplicando o Perfil GeoProfile... 14

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software

Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software Fapesp-PIPE Autores: Marco Antonio Pereira Antonio Francisco do Prado Mauro Biajiz Valdirene Fontanette Daniel Lucrédio Campinas-SP,

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool João Victor Guinelli 1, André de Souza Rosa 1, Carlos Eduardo Pantoja 2 1 CEFET/RJ - UnED Nova Friburgo Av. Gov. Roberto

Leia mais

1. StarUML - UML/MDA Plataform

1. StarUML - UML/MDA Plataform Sumário 1. StarUML - UML/MDA Plataform... 1 2. Criando Perfis no StarUML... 2 3. Criando o perfil GeoProfile... 5 4. Aplicando o Perfil GeoProfile... 12 1. StarUML - UML/MDA Plataform Star UML (STAR UML,

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA

Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA André Sandri Ciência da Computação Centro Universitário La Salle (UNILASALLE) Av. Victor Barreto, 2288 92.010-000 Canoas RS Brazil andresandri@hotmail.com

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec

guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec guia prático 2a Edição Gilleanes T.A. Guedes Novatec Copyright 2007, 2014 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Gustavo Breder Sampaio, Alexandre Gazola, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL

MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL INTRODUÇÃO: O PostgreSQL é um dos mais populares e avançados sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD) com código aberto. É

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

GeoProfile UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS

GeoProfile UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS GUSTAVO BREDER SAMPAIO GeoProfile UM PERFIL UML PARA MODELAGEM CONCEITUAL DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Arquitetura e Terminologia. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Arquitetura e Terminologia Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelo de Dados e Esquemas O modelo de Banco de Dados é como um detalhamento

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) Structured Query Language (SQL) SQL-Breve Histórico : # CREATE, ALTER e DROP; # BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT; # GRANT, REVOKE e DENY; 1 Structured Query Language (SQL) Desenvolvida pelo departamento

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Modelagem de Dados Geográficos 2 1 O que é um Modelo de Dados? É um conjunto

Leia mais

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios Laboratório de Banco de Dados Exercicios Modelo conceitual segundo notação de Peter Chen cliente (1,1) realizacao (1,n) venda (0,n) produto (1,1) contem Modelo conceitual gerado pela CASE Dezign for Database

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE)

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE) BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SQL (STRUCTUREDQUERY

Leia mais

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos

Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Especificação de Sistemas de Tempo-Real utilizando Orientação a Objetos Marco Aurélio Wehrmeister mawehrmeister@inf.ufrgs.br Roteiro Introdução Orientação a Objetos UML Real-Time UML Estudo de Caso: Automação

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais

Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais Willian Eduardo de Moura Casante 1 1 Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações

Leia mais

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos

Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Uma Abordagem para a Transformação Automática do Modelo de Negócio em Modelo de Requisitos Felipe Dias, Gisele Morgado, Pedro Oscar, Denis Silveira, Antonio Juarez Alencar, Priscila Lima, Eber Schmitz

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

O elefante ilustrado

O elefante ilustrado O elefante ilustrado Ferramentas de modelagem literária e documentação automática em PostgreSQL e ouos SGBDs lⅳres Leandro Guimarães Faria Corcete D X Fórum Internacional de Sistemas Lⅳres () Sumário Ferramentas

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda Meta-modelos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Arquitetura MDA - Meta-modelo - Conceitos - Características - - XMI - Pacotes - Meta-modelo 2.0 - Alinhamento entre

Leia mais

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com

MYSQL: TIPOS DE DADOS. Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com MYSQL: TIPOS DE DADOS Gilvan Vieira Moura E-mail: gilvansistema@hotmail.com TIPOS DE DADOS Bancos de dados, como falamos anteriormente, armazenam dados dentro de tabelas, na forma de linhas e colunas.

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos

Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos Donilson Lopes da Rosa, Sérgio Muinhos Barroso Lima Bacharelado em Sistemas de Informação Faculdade Metodista Granbery Rua Batista de Oliveira, 1145 36010-532

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Rogério Luís Ribeiro Borba 3, Guilherme L. A. Mota 1,3, Jorge Luís Nunes e

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

Exemplos de Vistas SQL. Tipos em SQL. Linguagem de Definição de Dados (DDL) CREATE VIEW todososclientes As

Exemplos de Vistas SQL. Tipos em SQL. Linguagem de Definição de Dados (DDL) CREATE VIEW todososclientes As Exemplos de Vistas SQL Considere-se a vista (com o nome todososconsumidores) contento os nomes das agências e seus clientes CREATE VIEW todososclientes As Π nomebalcao,nomecliente (temconta conta) Π nomebalcao,nomecliente

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas de Informação

Análise e Concepção de Sistemas de Informação Análise e Concepção de Sistemas de Informação UML Modelação de Dados Alberto Manuel Rodrigues da Silva Prof. DEI/IST/UTL Agenda Enquadramento e Problema Modelação de Dados em UML no Processo de Desenho

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais