ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS"

Transcrição

1 ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS Alexandre Gazola, Gustavo Breder Sampaio, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (UFV) CEP Viçosa MG Brasil Abstract. This paper presents how was performed the integration between the ArgoCASEGEO CASE-tool and the spatial-component library TerraLib to enable the automatic generation of geographic database schemas for several GIS applications. Resumo. Este artigo apresenta como foi realizada a integração entre a ferramenta CASE ArgoCASEGEO e a biblioteca de componenetes espaciais TerraLib, de maneira a viabilizar a geração automática de esquemas de bancos de dados geográficos para diversas aplicações de SIG. 1. Introdução ArgoCASEGEO [Lisboa Filho et al., 2004] é uma ferramenta CASE que pode ser utilizada para o projeto de bancos de dados geográficos, sendo baseada no modelo conceitual UML-GeoFrame [Lisboa and Iochpe, 1999]. Aplicações Small GIS são sistemas de informação capazes de executar um conjunto limitado de operações envolvendo dados espaciais. São frequentemente baseados em uma biblioteca de componentes espaciais, dispensando, dessa forma, a necessidade de integração a um software completo de Sistema de Informação Geográfica (SIG). TerraLib [Câmara et al., 2000] é uma biblioteca de classes C++ particularmente adequada para a construção de aplicações Small GIS. É um projeto open-source em desenvolvimento no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e na Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologias Espaciais (FUNCATE). Este artigo descreve como foi realizada a integração entre a ferramenta ArgoCASEGEO e a biblioteca TerraLib, de maneira a permitir a geração automática de esquemas de bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS. A arquitetura do Módulo de Geração Automática TerraLib (MGA-TerraLib) para a ferramenta é apresentada em detalhes. Esse módulo converte esquemas no modelo conceitual UML- GeoFrame para esquemas lógico-espaciais no modelo da biblioteca TerraLib. Este artigo está organizado da seguinte forma. A Seção 2 descreve o processo geral de geração automática. A Seção 3 explica o funcionamento e arquitetura do MGA- TerraLib. Por fim, a Seção 4 traz as considerações finais.

2 2. MDA e Geração Automática Tendo realizado a modelagem conceitual, o usuário necessita transformar o esquema elaborado em uma implementação efetiva, caracterizando uma aplicação de SIG. Para realizar essa tarefa, é necessário definir o SIG que será utilizado. Como cada software de SIG possui seu próprio modelo lógico de dados, não é possível estabelecer um conjunto único de regras de transformação para fazer a geração automática do esquema lógico-espacial, ao contrário, por exemplo, da transformação de esquemas conceituais Entidade-Relacionamento em esquemas lógicos dos SGBD relacionais. Desta forma, para cada software de SIG, a ferramenta ArgoCASEGEO necessita de um Módulo de Geração Automática (MGA) específico. O processo de geração automática descrito na Seção 3 foi desenvolvido em termos da MDA (Model Driven Architecture Arquitetura Dirigida ao Modelo) [OMG, 2001]. Baseada nos padrões estabelecidos do OMG, a idéia da MDA é separar a especificação da arquitetura do sistema dos detalhes da plataforma na qual o sistema será implementado. Esse objetivo é atingido através de três modelos principais: Modelo Independente de Plataforma (PIM) Esse é o primeiro modelo gerado. É utilizado para descrever o sistema sem considerar a tecnologia que será utilizada. Modelo Específico de Plataforma (PSM) É o próximo passo do processo, ou seja, o PIM é transformado em um ou mais PSMs. Portanto, o PSM continua a ser o mesmo modelo, mas agora os detalhes da plataforma de implementação são levados em consideração. Modelo de Código É o ultimo passo, o qual é responsável por transformar cada PSM em código. ArgoCASEGEO utiliza uma extensão da UML (UML-GeoFrame) para especificar PIMs. Uma ferramenta pode transformar um PIM diretamente em código final, sem produzir um PSM [OMG, 2001]. Os MGAs implementados na ArgoCASEGEO funcionam dessa maneira, visto que transformam um PIM em uma implementação efetiva de esquema lógico de banco de dados. 3. O Módulo de Geração Automática TerraLib Um resumo das regras de conversão usadas na implementação do Módulo de Geração Automática TerraLib (MGA-TerraLib) é exibido nesta seção. Primeiramente, é explicado o modelo lógico da biblioteca TerraLib O Modelo TerraLib TerraLib define um modelo de dados geográficos e provê suporte para esse modelo em uma variedade de SGBDs (MySQL, PostgreSQL, ORACLE, SQL Server e ACCESS), sendo implementada como uma biblioteca de classes e funções escritas em ANSI-C++ (INCITS / ISO/ IEC 14882:1998) [Vinha and Ferreira, 2005]. Um banco de dados TerraLib é composto por um conjunto de tabelas relacionais materializadas em um dos SGBDs suportados pela TerraLib. Essa independência de SGBD é conseguida através do uso de herança e polimorfismo. A classe abstrata TeDatabase é especializada, tendo seus métodos implementados pelas classes

3 específicas responsáveis pelos bancos de dados. Estas últimas recebem o nome de drivers. As informações armazenadas nas tabelas do banco de dados podem ser trazidas para a memória e manipuladas pelas classes da TerraLib. Dois grupos de tabelas relacionais são encontrados na biblioteca TerraLib: Tabelas de metadados são utilizadas para guardar os conceitos da biblioteca TerraLib, tais como layers, temas, views, etc. Essas tabelas possuem formato pré-definido de modo a serem usadas pelas classes da biblioteca no processo de leitura. Tabelas de dados são utilizadas para armazenar a componente descritiva do dado, a qual possui formato livre e dependente da aplicação Módulo de Geração Automática TerraLib O Módulo de Geração Automática TerraLib (MGA-TerraLib) foi implementado utilizando as linguagens Java e C++. A entrada do módulo consiste na identificação do dicionário de dados que contém o esquema conceitual a ser transformado (arquivo XML/XMI), bem como o respectivo SGBD para o qual o modelo TerraLib será gerado. Uma regra de transformação única é aplicada para cada elemento do esquema conceitual de dados. Essas regras estão brevemente descritas na subseção Detalhes da arquitetura do MGA-TerraLib são discutidos na subseção Regras de Transformação As regras de transformação implementadas pela ferramenta mapeiam univocamente um elemento do modelo UML-Geoframe em um elemento do modelo da TerraLib. Um total de seis regras é implementado pelo módulo da seguinte maneira: pacotes são convertidos em views; objetos geográficos são mapeados em layes e temas, tendo seus atributos e tabelas de geometrias gerados apropriadamente; objetos não-geográficos (objetos que não possuem representação espacial) são transformados em tabelas relacionais; relacionamentos de associação, agregação e composição seguem as mesmas regras especificadas em um esquema de SGBD relacional [Elmasri, 2000]. Para um tratamento completo das regras de transformação utilizadas pelo MGA-TerraLib e exemplo de utilização através de um estudo de caso, consultar [Gazola and Lisboa Filho, 2005]. Regras de transformação considerando aspectos temporais são descritas em [Sampaio et al., 2005] A Arquitetura do MGA-TerraLib O MGA-TerraLib é composto por um Parser, por uma DLL e pela biblioteca TerraLib. Como todos os módulos da ArgoCASEGEO, o Parser também é implementado em Java. Ele é responsável pela leitura do documento XML/XMI, que representa o modelo conceitual elaborado pelo usuário. Representar o modelo conceitual como um documento XML/XMI é fundamental para interoperabilidade, pois é através desse arquivo que outros módulos de geração automática (e.g., MGA-Shapefile) poderão obter informações essenciais do esquema criado, independente da plataforma de implementação. Com isso, é possível gerar esquemas para outro software de SIG além

4 da TerraLib, desde que sejam implementados algoritmos capazes de ler o documento XML/XMI e executar operações específicas do determinado software de SIG. A DLL é uma camada intermediária com o objetivo de habilitar a comunicação entre o Parser Java e a biblioteca TerraLib C++. A DLL segue as convenções da Java Native Interface (JNI). JNI torna uma aplicação Java capaz de executar métodos escritos numa linguagem dependente de plataforma [JNI, 2003]. Esses métodos precisam possuir uma assinatura especial e serem colocados dentro de uma biblioteca DLL, a qual é carregada pela aplicação Java e executada quando os métodos Java nativos correspondentes são invocados. Por fim, a biblioteca TerraLib é responsável por efetivamente gerar as tabelas e objetos que irão compor o banco de dados geográfico. A arquitetura do MGA-TerraLib é exibida na Figura 1. Figura 1. Arquitetura do MGA-TerraLib 4. Conclusões Este artigo apresentou a integração entre a ferramenta CASE ArgoCASEGEO e a biblioteca de componentes espaciais TerraLib para a construção de bancos de dados geográficos a partir de esquemas conceituais de dados. Com isso, a arquitetura da aplicação é separada de sua implementação, de acordo com a especificação MDA. [OMG, 2001]. Foi explicada de maneira detalhada a arquitetura do Módulo de Geração Automática TerraLib, o qual, utilizando-se de regras de mapeamento específicas, transforma elementos do modelo UML-GeoFrame em elementos do modelo TerraLib. Como resultado dessa integração, os programadores de aplicações Small GIS (usuários da TerraLib) podem contar com uma ferramenta que, além de auxiliar na criação da documentação de seus sistemas, pode reduzir significativamente o tempo de desenvolvimento e aumentar a qualidade do projeto de banco de dados. Agradecimentos Este trabalho foi parcialmente financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq, entidade governamental brasileira promotora do desenvolvimento científico e tecnológico e pela Fapemig Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais.

5 Referências Câmara, G. et al. (2000), TerraLib: Technology in Support of GIS Innovation. In II Brazilian Symposium in Geoinformatics, GeoInfo2000, São Paulo. Elmasri, R. and Navathe, S. B. (2000), Fundamentals of Database Systems, Addison- Wesley. Frank. A. U. (2002), BIG GIS/Small GIS - the commercialization of geographic information, In: IV Simpósio Brasileiro de Geoinformática (GEOINFO), Caxambú- MG. Available in Gazola, A. and Lisboa Filho, J. (2005), Projeto Automatizado de Bancos de Dados Geográficos para Aplicações Small GIS, Revista Eletrônica de Iniciação Científica (REIC), SBC, 2005, n. 4. Goodchild, M. F. (1992), Geographical data modelling, Computers & Geosciences, v.18, n.4. Lisboa Filho, J. and Iochpe, C. (1999), Specifying analysis patterns for geographic databases on the basis of a conceptual framework. In Proc.7th ACM GIS, Kansas City. Lisboa F., J. and Sodré, V. F. and Daltio, J. and Rodrigues Jr., M. F. and Vilela, V. M. (2004), A CASE tool for geographic database design supporting analysis patterns. In Proc. of Conceptual Modeling for Advanced Application Domains. 1st Int. Workshop on Conceptual Modelling for GIS (CoMoGIS ER2004), LNCS 3289, Springer, Shanghai, China. Object Management Group (2001), Model Driven Architecture (MDA) Specification. Sampaio, G. B. and Gazola, A. and Lisboa Filho, J. (2005), Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais. In II Simpósio Mineiro de Sistemas de Informação (SMSI), Belo Horizonte-MG. SUN Microsystems (2003), Java 2 Platform API Specification: Java Native Interface (JNI). Vinhas, L. and Ferreira, K. R. (2005), Descrição da TerraLib. In: Casanova, M. A. et. al. Bancos de Dados Geográficos, Curitiba: MundoGeo.

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais

Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Modelagem e Projeto de Bancos de Dados Geográficos com Características Temporais Gustavo Breder Sampaio, Alexandre Gazola, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

ArgoCASEGEO - Uma Ferramenta CASE de Código-Aberto para o Modelo UML-GeoFrame

ArgoCASEGEO - Uma Ferramenta CASE de Código-Aberto para o Modelo UML-GeoFrame ArgoCASEGEO - Uma Ferramenta CASE de Código-Aberto para o Modelo UML-GeoFrame Jugurta Lisboa Filho Maurício Fidélis Rodrigues Júnior Jaudete Daltio Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Informática

Leia mais

O Catálogo de Padrões de Análise da Ferramenta ArgoCASEGEO

O Catálogo de Padrões de Análise da Ferramenta ArgoCASEGEO O Catálogo de Padrões de Análise da Ferramenta ArgoCASEGEO Alexandre Gazola Universidade Federal de Viçosa (UFV), Departamento de Informática Viçosa, MG, Brasil, 36570-000 agazola@dpi.ufv.br Jugurta Lisboa

Leia mais

Jugurta Lisboa Filho

Jugurta Lisboa Filho MundoGEO#Connect LatinAmerica 2012 29 a 31 de Maio São Paulo (SP) Brasil SEMINÁRIO QUALIDADE DE DADOS GEOESPACIAIS Modelagem e integração de dados espaciais e não espaciais Projeto CASEGeo/UFV Jugurta

Leia mais

Módulo de Integração de Padrões de Análise com Ontologias de Domínio da ferramenta ArgoCASEGEO

Módulo de Integração de Padrões de Análise com Ontologias de Domínio da ferramenta ArgoCASEGEO Módulo de Integração de Padrões de Análise com Ontologias de Domínio da ferramenta ArgoCASEGEO Gabriel Silva Gonçalves, Jugurta Lisboa Filho, Evaldo de Oliveira da Silva, Guilherme Alves Lopes Departamento

Leia mais

Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos

Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos Modelagem Conceitual de Banco de Dados Geográficos Donilson Lopes da Rosa, Sérgio Muinhos Barroso Lima Bacharelado em Sistemas de Informação Faculdade Metodista Granbery Rua Batista de Oliveira, 1145 36010-532

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect

Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect Modelagem de Dados com o Perfil UML GeoProfile e Transformações MDA na Ferramenta Enterprise Architect Thiago B. Ferreira, Sergio M. Stempliuc Faculdade Governador Ozanam Coelho Fagoc) Ubá, MG, Brazil

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool João Victor Guinelli 1, André de Souza Rosa 1, Carlos Eduardo Pantoja 2 1 CEFET/RJ - UnED Nova Friburgo Av. Gov. Roberto

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML

Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML Natanael E. N. Maia, Ana Paula B. Blois, Cláudia M. Werner COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Caixa Postal 68.511

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA

Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA Conceitos Iniciais MARCEL SANTOS SILVA DPI - INPE Criada em 1984, a Divisão de Processamento de Imagens (DPI) faz parte da Coordenação Geral de Observação da Terra/OBT do Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Tiago F. M. Lima 1,2, Tiago G. S. Carneiro 2, Sérgio D. Faria 3 1 Programa de Pós-Graduação em Análise e Modelagem

Leia mais

Reutilização de Esquema de Banco de Dados em Aplicações de Gestão Urbana 1

Reutilização de Esquema de Banco de Dados em Aplicações de Gestão Urbana 1 Reutilização de Esquema de Banco de Dados em Aplicações de Gestão Urbana 1 Jugurta Lisboa Filho 2 Professor Adjunto do Departamento de Informática da Universidade Federal de Viçosa Doutor em Ciência da

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais

Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Integração do SGBD Oracle Spatial e do Google Earth para disponibilizar informações relacionadas ao Inventário Florestal de Minas Gerais Samuel R. de Sales Campos 1, Adriana Z. Martinhago 1, Thomas C.

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Modelagem de Dados Geográficos 2 1 O que é um Modelo de Dados? É um conjunto

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010

Plataforma TerraLib. Lúbia Vinhas. EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 Plataforma TerraLib Lúbia Vinhas E.F.Castejon, K.R.Ferreira, J.P.Garrido, L.T.Hara, A.M.V.Monteiro, M.Motta, G.Ribeiro EUsISSeR São José dos Campos, Outubro 2010 DPI Divisão de Processamento de Imagens

Leia mais

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos

Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Ferramenta CORIDORA Web Mapping para Mapeamento de Esquemas em Bancos de Dados Heterogêneos Fernando Busanello Meneghetti 1, Fabiano Gama Paes 1, Gustavo Zanini Kantorski 1 Curso de Sistemas de Informação

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade I: Prof.: E-mail: Período: Encontro 02 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade I: Introdução aos Sistemas de Banco de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos

Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Estudo Sobre Armazenamento de Modelagem Digital de Terreno em Banco de Dados Geográficos Eduilson L. N. C. Carneiro, Gilberto Câmara, Laércio M. Namikawa Divisão de Processamento de Imagens (DPI) Instituto

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -MODELAGEM DE BD GEOGRÁFICOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELAGEM DE BDG Modelagem de dados convencional abstração de entidades

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias Geoprocessamento com Software Livre Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias SUMÁRIO O que é Software Livre? A GLP GNU Geoprocessamento Algumas Geotecnologias Geotecnologias Livres

Leia mais

CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS

CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS riuningá UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO CONCEITOS E ARQUITETURA DO SISTEMA DE BANCO DE DADOS MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 3 ARQUITETURA...3

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados Introdução à Base de Dados MSc. Eugénio Alberto Macumbe Plano Temático 1. Introdução à Base de Dados; 2. Modelo Relacional; 3. Modelação de dados; 4. Formas Normais e Processo de Normalização; 5. Operações

Leia mais

Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico

Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico Software Livre na Implantação do CTM Integrado a um Banco de Dados Geográfico Helton Nogueira Uchoa (1) Luiz Carlos Teixeira Coelho Filho (1) Paulo Roberto Ferreira (2) (1) Opengeo Consultoria de Informática

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO

SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO Ferramentas Proprietário para SIG É um conjunto de aplicativos computacionais de Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) desenvolvido pela empresa norte americana Esri

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. 1 PROJETO DE BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FUNDAMENTOS Dados Representação de fatos, conceitos ou instruções de maneira formalizada; Informação Significado que pessoas associam

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

ARQUITETURA DE SOFTWARE PARA CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS COM SGBD OBJETO- RELACIONAIS

ARQUITETURA DE SOFTWARE PARA CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS COM SGBD OBJETO- RELACIONAIS ARQUITETURA DE SOFTWARE PARA CONSTRUÇÃO DE BANCOS DE DADOS GEOGRÁFICOS COM SGBD OBJETO- RELACIONAIS KARINE REIS FERREIRA, GILBERTO RIBEIRO QUEIROZ, JOÃO ARGEMIRO PAIVA, RICARDO CARTAXO MODESTO DE SOUZA,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Enfoque abstrato. Enfoque Intermediário

INTRODUÇÃO. Enfoque abstrato. Enfoque Intermediário BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Enfoque

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Ontologias e Web Services aplicados ao desenvolvimento de Sistemas de Informação Geográfica Móveis Sensíveis ao Contexto

Ontologias e Web Services aplicados ao desenvolvimento de Sistemas de Informação Geográfica Móveis Sensíveis ao Contexto Ontologias e Web Services aplicados ao desenvolvimento de Sistemas de Informação Geográfica Móveis Sensíveis ao Contexto Anderson Resende Lamas, Jugurta Lisboa Filho, Ronoel Matos de Almeida Botelho Júnior,

Leia mais

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2 Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 PARTE 1 O processo de desenvolvimento MDA Rossano Pablo Pinto

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Sistema de Informação da Rede de Infra-Estrutura Sanitária de Cachoeiro de Itapemirim-ES

Sistema de Informação da Rede de Infra-Estrutura Sanitária de Cachoeiro de Itapemirim-ES Sistema de Informação da Rede de Infra-Estrutura Sanitária de Eduardo Macedo Bhering 1 Mestrando em Ciência da Computação pelo Convênio DCC-UFMG/DPI-UFV, Bacharel em Informática pela Universidade Federal

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Projetando e Executando Processos de Análise Geográfica com GISCASE

Projetando e Executando Processos de Análise Geográfica com GISCASE Projetando e Executando Processos de Análise Geográfica com GISCASE 1 CIRANO IOCHPE 1 CLÁUDIO RUSCHEL 1 GUILLERMO N. HESS 1 LUCIANA V. DA ROCHA 1 ALÉCIO P. D. BINOTTO 1 MÁRCIA ALMEIDA Palavras-chave Processos

Leia mais

6 Ferramenta de Apoio ao Processo de Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes

6 Ferramenta de Apoio ao Processo de Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes 6 Ferramenta de Apoio ao Processo de Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes A ferramenta MAS-ML Tool surgiu com o objetivo de viabilizar o processo de desenvolvimento proposto na Seção anterior, implementando

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

6 Desenvolvimento do Protótipo

6 Desenvolvimento do Protótipo 6 Desenvolvimento do Protótipo Este capítulo trata do desenvolvimento de um protótipo para a arquitetura proposta. Inicialmente, será feita uma descrição de um estudo de caso ao qual a arquitetura é aplicada

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS Nome da Disciplina: Introdução à Banco de Dados teoria e projeto Carga horária: 50 Docente responsável: Plínio de Sá Leitão Júnior (INF/UFG)

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos

e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos e-vent-br: Proposta de um Sistema Web de Gerenciamento de Eventos Acadêmicos Luis Paulo da Silva Carvalho, Moara Sousa Brito, Pablo Freire Matos, Lucas Amparo Barbosa, Cremildo Lima Gomes, Ivick Roberta

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados (SBD) Plano de Curso Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Motivação/Justificativa Conteúdo fundamental para a Formação Tecnológica

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO SOBRE A CAFEICULTURA MINEIRA: ORGANIZAÇÃO LÓGICA E INSERÇÃO DE DADOS 1

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO SOBRE A CAFEICULTURA MINEIRA: ORGANIZAÇÃO LÓGICA E INSERÇÃO DE DADOS 1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO SOBRE A CAFEICULTURA MINEIRA: ORGANIZAÇÃO LÓGICA E INSERÇÃO DE DADOS 1 Dimas Samid Leme 2, Miler Grudtner Boell 3, Tatiana Grossi Chquiloff Vieira 4 ; Margarete Marin Lordelo

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com/bdr

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com/bdr Banco de Dados para Redes Cassio Diego cassiodiego.com/bdr 1 Unidade 1 - Introdução Conceito de Banco de Dados Definição de SGBD Vantagens de utilizar SGBD Usuários do Banco de Dados Principais Bancos

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO Professor: Prof. Christiano Martino Otero Avila Disciplina: Engenharia da Informação Código:

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais