Critérios de Conversão das Demonstrações Contábeis em Moeda Estrangeira Adotadas no Brasil: uma Necessidade de Aperfeiçoamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critérios de Conversão das Demonstrações Contábeis em Moeda Estrangeira Adotadas no Brasil: uma Necessidade de Aperfeiçoamento"

Transcrição

1 Critérios de Conversão das Demonstrações Contábeis em Moeda Estrangeira Adotadas no Brasil: uma Necessidade de Aperfeiçoamento Autoria: Paula Danyelle Almeida da Silva, Andrea da Silva Santos, Odilanei Morais dos Santos, Natan Szuster Resumo: O aumento da participação das empresas brasileiras em investimentos permanentes no exterior não traz apenas reflexos nos aspectos macroeconômicos, mas também nas informações contábeis divulgadas por essas empresas, principalmente em relação aos efeitos cambiais desses investimentos nas demonstrações contábeis da controladora. Desse modo, o método de conversão das informações para moeda estrangeira utilizado ganha importância fundamental, tendo em vista os diversos tratamentos contábeis empregados para o reconhecimento dos ganhos e perdas cambiais decorrente dessa conversão. Este estudo tem por objetivo analisar comparativamente como os critérios de conversão das demonstrações contábeis estabelecidos pelas normas da CVM, FASB e IASB afetam o resultado das empresas brasileiras que detém investimentos societários no exterior, avaliados pelo método de equivalência patrimonial. Para tanto, serão apresentadas simulações com a aplicação dos diversos critérios para se evidenciar os principais impactos no resultado. As simulações mostraram que o atual critério de conversão adotado no Brasil, não atende as necessidades da nova realidade das empresas brasileiras, principalmente aquelas que estão em processo de internacionalização, em função de distorções provocadas no resultado. Nesse contexto, espera-se que esse estudo contribua para alertar quanto a necessidade de aperfeiçoamento do atual modelo de conversão adotado no Brasil, de modo que se possa caminhar em busca do alinhamento harmônico com as normas internacionais. 1. Introdução A internacionalização das empresas brasileiras tornou-se crescente principalmente a partir de 2001, quando se observa a tendência de aumento dos investimentos diretos no exterior, através da criação de subsidiárias, controladas e coligadas e de joint venture. O movimento de transformação das empresas brasileiras em multinacionais decorre, dentre outros fatores: da necessidade de expandir mercados; de aumentar a competitividade das empresas nacionais e da criação de mecanismo para atenuar a vulnerabilidade externa. Para Alem e Cavalcanti (2005, p.56), (...) a internacionalização deve ser vista como um meio essencial para o aumento da competitividade internacional das empresas, promovendo o desenvolvimento dos países e facilitando: i) o acesso a recursos e a mercados; e ii) a reestruturação econômica (...). O Banco Central do Brasil BACEN, órgão responsável pelo controle e fiscalização do fluxo de investimentos no exterior, tanto de empresas brasileiras quanto de empresas estrangeiras, em levantamento realizado no período de 1968 a 2004 evidencia claramente o aumento no fluxo de investimentos no exterior realizado por empresas brasileiras, como pode ser observado na Ilustração 1 a seguir. 1

2 Valores em US$ milhões Ano Fonte: BACEN, Ilustração 1 Investimentos Brasileiros Diretos Líquidos no Exterior entre 1968 a No período de 1968 a 1990, os investimentos brasileiros no exterior foram inexpressivos, mas a partir de 1990 pode ser observado o incremento desses investimentos, principalmente, por conta da abertura econômica com a existência de picos de desinvestimentos ocasionados pelas crises cambiais de 1999 e 2001 e pelas incertezas na condução do ambiente político em Passados os momentos de instabilidade, o fluxo de investimentos voltou a crescer de forma significativa em De acordo com o BACEN (2005), o volume de investimentos de empresas brasileiras no exterior, no período de 2001 a 2004, apresentou um crescimento de 39%, mais especificamente, os investimentos diretos no exterior passaram de US$ 69 milhões para US$ 93 milhões. Segundo o ranking publicado pela UNCTAD Apud Fundação Dom Cabral (2005) das empresas transnacionais dos países em desenvolvimento, as empresas brasileiras que se destacam como grandes multinacionais entre as cinqüenta do ranking foram: Petrobras, Companhia Vale do Rio Doce e Gerdau. O aumento da participação das empresas brasileiras em investimentos permanentes no exterior não traz apenas reflexos nos aspectos macroeconômicos, mas também nas informações contábeis divulgadas por essas empresas, principalmente em relação aos efeitos cambiais nas demonstrações contábeis da controladora, impacto esse que está diretamente relacionado com o critério de conversão adotado. No Brasil, a regra vigente para a conversão das demonstrações contábeis em moeda estrangeira de companhias de capital aberto está estabelecida na Deliberação nº 28/86, de 13/02/1986, da Comissão de Valores Mobiliários (Deliberação CVM 28/86) que define, entre outros assuntos, as metodologias que devem ser utilizadas na conversão de demonstrações contábeis de investimentos societários no exterior. Nesse contexto, o objetivo deste estudo consiste em analisar, por meio de simulações numéricas, como os critérios de conversão das demonstrações contábeis adotados no Brasil afetam o resultado das empresas brasileiras que detém investimentos societários no exterior avaliados pelo método de equivalência patrimonial. Para tanto, também se compararam os impactos decorrentes da aplicação da Deliberação CVM 28/86 com os critérios da norma norte-americana SFAS 52 Foreign Currency Translation emitida pelo Financial Accounting Standards Board (FASB) e da norma internacional IAS 21 The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates, de responsabilidade do International Accounting Standards Board (IASB). 2

3 A contribuição do estudo consiste em ampliar a discussão sobre a necessidade de aperfeiçoamento da atual metodologia utilizada pelas empresas brasileiras de capital aberto que detêm investimentos permanentes no exterior no que diz respeito aos critérios de conversão, de modo que se possa caminhar em busca do alinhamento harmônico com as normas e pronunciamentos internacionais, em especial as emitidas pelo IASB, como bem já foi sinalizado pela Comissão de Valores Mobiliários no Ofício Circular CVM/SNC/SEP nº 01/2006. Este estudo limita-se a analisar a conversão das demonstrações contábeis de empresas com investimentos societários no exterior sujeitos ao método de equivalência patrimonial (MEP) e convertidos pelo método da taxa corrente. Para isso, considerou-se que os investimentos societários analisados estariam sediados em países de moeda estável, ou seja, ambientes considerados como não hiperinflacionários. Na seção 2 são apresentadas, resumidamente, as principais características das normas de conversão emitidas pela CVM, FASB e IASB, seguindo da seção 3 com a aplicação da simulação numérica com o objetivo de se apurar as diferenças entre os métodos e os impactos nos resultados da controladora. Finalmente são apresentadas as considerações finais. 2. Referencial Teórico As regras normativas sobre conversão das demonstrações contábeis para moeda estrangeira buscam refletir os impactos das variações cambiais no patrimônio das empresas, principalmente de multinacionais que atuam em países com situação econômica bastante diferenciada. Essas variações no câmbio provocam reflexos nas demonstrações contábeis dessas empresas quando da aplicação do método da equivalência patrimonial ou da consolidação. Nas metodologias de conversão, é fundamental que haja a definição da moeda funcional e da moeda de apresentação ou de relatório, para que se estabeleça o fluxo de conversão. Os principais critérios de definição da moeda funcional, de modo geral, relacionam-se à atividade operacional da empresa, onde se busca identificar qual moeda impacta significativamente a entrada e saída de recursos da entidade. No caso de investimentos no exterior (subsidiárias e controladas), a escolha da moeda funcional está relacionada com o grau de independência em relação às operações da matriz, além da operação própria da controlada. Entretanto, a decisão de qual moeda utilizar, cabe à administração da empresa. As metodologias existentes visam basicamente adequar os critérios de conversão ao ambiente econômico no qual o investimento no exterior está situado. Desse modo, as técnicas de conversão se subdividem, no que tange à aplicação, em: ambiente econômico estável e ambiente hiperinflacionário. 2.1 Normas Brasileiras No Brasil, a regra para conversão de demonstrações contábeis, que foi elaborada na década de 80 e ainda encontra-se em vigor. Trata-se da Deliberação CVM nº 28, de 13/02/1986. Dentre as limitações da regra, destaca-se a ausência conceitual de moeda funcional, bem como o fato de ser dado o mesmo tratamento contábil aos ganhos e perdas cambiais (como resultado), independente da metodologia utilizada. Além das limitações desse normativo, percebe-se que ainda existe uma divergência em relação ao reconhecimento dos ganhos e perdas cambiais decorrentes da conversão, pois na Deliberação CVM 28/86, estes devem ser tratados como resultado não operacional, enquanto que na Instrução CVM nº 247, de 27/03/1996, que dispõe sobre a avaliação e consolidação de 3

4 investimentos em controladas e coligadas, o tratamento dado é como resultado operacional. Entende-se que este último revoga a Deliberação CVM 28/86, nesse aspecto. Desse modo, os efeitos cambiais de conversão serão tratados juntamente com a equivalência patrimonial, sendo, portanto, item operacional do resultado. Entretanto, esse entendimento não é pacífico, conforme se observa em Santos, Schimdt e Fernandes (2003, p. 103), os quais afirmam que a variação cambial deve ser considerada como resultado não operacional, pelo critério da especialidade (lex specialis derogat legi generali). Em 2005, o Conselho Federal de Contabilidade - CFC atualizou a norma brasileira de contabilidade NBC T 7 Conversão da Moeda Estrangeira nas Demonstrações Contábeis. Esta norma é uma adaptação da norma internacional IAS 21, com a inserção de algumas regras da norma norte-americana contida no SFAS 52. Apesar da regra do CFC ter introduzido conceitos superiores ao da Deliberação CVM 28/86, os principais pontos desfavoráveis são: conflitos existentes com as regras da CVM e a Lei 6404/76; e a falta de um posicionamento da CVM quanto à aplicabilidade dessa norma. Outro fator importante consiste no fato dessa norma ser uma composição entre dois normativos (IAS 21 e SFAS 52), não estando totalmente aderente às normas internacionais IFRS, o que dificultaria uma possível harmonização das normas brasileiras com as internacionais. Os principais pontos relacionados às técnicas de conversão das normas acima referenciadas, destacam-se a seguir Deliberação CVM 28/86 Esta deliberação, textualmente, apresenta três métodos de conversão: método da taxa corrente; método da taxa histórica; e o método da taxa histórica com correção monetária. Entretanto, pode-se observar a existência de mais um método, que consiste no método alternativo de conversão, que nesse trabalho foi considerado como uma quarta metodologia. O método da taxa corrente deve ser utilizado para investimentos no exterior sediados em países cuja situação econômica remeta-se a um ambiente de baixa inflação ou que possuam métodos de reconhecimento da inflação eficientes, ou seja, que possuam metodologia de correção monetária. A metodologia da taxa histórica é aplicável em investimentos sediados em países com alta inflação e que não possuam sistemas eficientes de reconhecimento da perda do poder aquisitivo da moeda nas demonstrações contábeis. A Deliberação CVM 28/86 também permite a adoção de metodologia alternativa de conversão que consiste em converter as demonstrações contábeis, primeiramente, para uma moeda forte usando o método da taxa histórica e depois a conversão final para reais pelo método da taxa corrente. É aplicável desde que sejam apuradas demonstrações contábeis expressas em moeda nacional, refletindo adequadamente a posição patrimonial e financeira. Este método pode ser aplicado tanto em economias estáveis, como em economias hiperinflacionárias. O tratamento contábil dado aos ganhos e perdas cambiais decorrentes da conversão, qualquer que seja o método adotado, impacta o resultado do período, o qual deve ser segregado em: parcela atribuível a ganhos ou perdas cambiais no resultado não operacional (não obstante a Instrução CVM 247/96 determinar que sejam reconhecidos no resultado operacional); e parcela atribuível à participação no resultado da investida e a outros acréscimos ou reduções patrimoniais realizados que deve ser registrada no resultado operacional. 4

5 NBC T 7 Conversão da Moeda Estrangeira nas Demonstrações Contábeis. A despeito das críticas que se possa fazer a esta norma, a melhoria da qualidade técnica é demonstrada através da inserção de novos conceitos como o de moeda funcional, essencial na aplicação das metodologias de conversão e o tratamento diferenciado das variações cambiais nas demonstrações contábeis. As metodologias de conversão preconizadas nessa norma são: conversão em economia estável e conversão em economia hiperinflacionária. Em relação as variações cambiais geradas por itens monetários considerados parte do investimento líquido em entidade (subsidiárias e controladas) no exterior, as mesmas devem ser registradas diretamente em conta específica do patrimônio líquido Norma Norte-Americana SFAS 52 - Foreign Currency Translation A norma norte-americana utilizada para conversão de demonstrações contábeis, até 1981, era o SFAS 8 Accounting for the Translation of Foreign Currency Transactions and Foreign Currency Financial Statements. Segundo essa regra, o método permitido era o método temporal, no qual os ganhos e perdas resultantes da volatilidade da taxa de câmbio eram reportados unicamente no resultado. Segundo White, Sondhi e Fried (2003), por considerar no resultado os efeitos cambiais da conversão, este padrão foi considerado um dos mais impopulares emitidos pelo FASB, uma vez que a exposição contábil e a exposição econômica para uma moeda quase sempre são bem diferentes. Sendo assim, companhias desejosas em se proteger eram forçadas a escolher entre proteger sua exposição contábil ou proteger sua real exposição. O FASB reexaminou o SFAS 8 e como resultado editou o SFAS 52, no ano de Essa norma determina dois métodos de conversão: método temporal (temporal method) ou processo de remensuração (remeasurement process) e método da taxa corrente (all-current method) ou processo de conversão (translation process). O método temporal deve ser utilizado quando as operações do investimento no exterior forem consideradas partes integrantes da matriz, independente da moeda funcional da controlada. Além disso, esse método deve ser aplicado em investimentos sediados em países cujos ambientes econômicos sejam considerados hiperinflacionários. No caso da taxa corrente, o método é aplicável em investimentos no exterior que têm operações independentes da controladora e que em geral apresentam moeda funcional diferente da matriz. Também é utilizado em cenários econômicos estáveis. O tratamento contábil da variação cambial decorrente do processo de conversão depende do método utilizado. No método temporal, os ganhos e perdas de conversão são incluídos no resultado, sendo considerados conseqüentemente como parte do resultado da controladora através do processo de equivalência. Os ganhos e perdas decorrentes do processo de conversão do método da taxa corrente são reportados separadamente como componente do Patrimônio Líquido, em conta denominada Cumulative Translation Adjustment CTA (Ajustes Acumulados da Conversão), não impactando o resultado. 5

6 2.3 - Normas Internacionais IAS 21 The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Essa norma foi revisada em 2003 como parte de um projeto de melhorias nos padrões contábeis internacionais, objetivando o fornecimento de informações adicionais para conversão de demonstrações contábeis e para determinação da moeda funcional. O IAS 21 é aplicado na conversão de transações em moeda estrangeira de uma entidade no exterior que são incluídas nas demonstrações contábeis de uma entidade por consolidação, consolidação proporcional ou método de equivalência patrimonial, não se aplicando às transações com derivativos e balanços, que são escopo do IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. As metodologias de conversão preconizadas nessa norma são: conversão em economia estável e conversão em economia hiperinflacionária. Na conversão de demonstrações contábeis de investida sediada em ambiente econômico estável deverão ser utilizadas as taxas finais (Ativo e Passivo) e as taxas históricas (Resultado e Patrimônio Líquido). Tal metodologia é aplicável quando a moeda de apresentação da entidade for diferente da moeda funcional. Em investidas sediadas em ambientes econômicos hiperinflacionários, antes do processo de conversão, as demonstrações contábeis deverão ser atualizadas por índice de correção monetária, conforme definido no IAS 29 Financial Reporting in Hiperinflationary Economies. Após a correção monetária, todos os elementos das demonstrações contábeis (ativos, passivos, patrimônio líquido, receitas e despesas,) deverão ser convertidos para taxa de fechamento do balanço. Os ganhos e perdas decorrentes da conversão de investimentos no exterior deverão ser reconhecidos inicialmente como componente do patrimônio líquido (CTA). Esse valor somente será baixado do patrimônio líquido quando da realização (baixa) do investimento no exterior, momento no qual terá seu registro no resultado Comparação entre os Critérios de Conversão Com vistas a apresentar uma visão resumida dos critérios de conversão, segue quadro comparativo com as principais determinações contidas nas normas da CVM, do IASB e do FASB. Itens/Regras Moeda Funcional Economia Estável Economia não Estável Tratamento dos Ganhos E Perdas Deliberação CVM 28/86 Não há este conceito. Taxa corrente para todos os itens das demonstrações contábeis. Taxa histórica. Resultado, qualquer que seja o método utilizado. Fonte: elaborado pelos autores. IAS 21 SFAS 52 Conceito existente, com critérios para sua determinação. - Taxa corrente para ativos e passivos. - Taxa Histórica para as conta do Patrimônio Líquido e para as contas de resultado (sendo aceito taxas médias). Taxa corrente para todos os itens, após atualização dos valores por um índice de preços. Toda variação cambial é tratada como componente separado do Patrimônio Líquido (CTA). Deve ser baixado para resultado quando da realização. Semelhante ao IAS Taxa histórica (temporal): conversão da moeda local para a funcional. - Taxa Corrente: conversão da moeda funcional para de relatório. Taxa histórica. - Taxa Histórica: Resultado. - Taxa Corrente: CTA no Patrimônio Líquido. 6

7 Quadro 1 Comparação entre os critérios de conversão. 3 Estudo da Conversão de Investimentos Societários no Exterior 3.1 Aspectos Metodológicos O estudo enquadra-se no tipo de pesquisa descritiva, que segundo Vergara (2005), expõe características de determinada população ou fenômeno e pode-se também estabelecer correlações entre as variáveis e definir sua natureza. Não tem compromisso de explicar fenômenos que descreve, embora sirva de base para tal explicação. Para Beuren et al. (2004), a pesquisa descritiva configura-se num estudo intermediário entre a pesquisa exploratória e a explicativa, ou seja, não é tão preliminar como a primeira, nem tão aprofundada quanto à segunda. Nesse contexto, descrever significa identificar, relatar comparar, entre outros aspectos. As características de pesquisa descritiva enquadram-se ao propósito desse estudo, pois a simulação busca evidenciar de maneira exemplificativa, os efeitos das técnicas de conversão no resultado de equivalência da controladora, além de demonstrar as divergências que existem entre as metodologias de conversão de demonstrações contábeis com investimentos no exterior aplicadas num cenário de estabilidade econômica. 3.2 Simulação da Conversão de Investimentos Societários no Exterior Para visualização do impacto da conversão de investimento societários no exterior no resultado de equivalência patrimonial da controladora, utilizou-se o seguinte cenário: empresa multinacional brasileira com dois investimentos societários no exterior, com percentual de participação de 100%, configurando-se ambos como subsidiárias integrais. Os investimentos foram caracterizados em duas situações: investimento societário sem movimentação contábil e investimento societário com movimentação contábil, considerando a taxa média estimada de crescimento de 6% ao ano. Essa separação foi para que se observasse o comportamento do resultado de equivalência patrimonial, quando da aplicação das metodologias de conversão em situações antagônicas. O período utilizado foi de 2000 a 2005, sendo que o período de 2000 foi considerado como saldo inicial, tendo sido estipulado que a integralização do capital foi realizada em Como o objetivo principal é descrever os possíveis impactos na controladora, a análise restringiu-se ao patrimônio líquido das investidas, pois os reflexos cambiais da conversão das demonstrações contábeis estão sumarizados no patrimônio líquido. A análise restringiu-se, também, a aplicação do método da taxa corrente, portanto considerou-se que os investimentos estão sediados em países de economia estável e de moeda forte. Além disso, estipulou-se que a moeda funcional e de apresentação da controladora é o real e foi considerado que as operações das subsidiárias guardam um grau de independência com a matriz. Como moeda funcional estabeleceu-se o dólar. A partir da definição de moeda funcional, o fluxo de conversão das demonstrações, em todas as metodologias utilizadas, foi da moeda funcional das subsidiárias para a moeda de apresentação da controladora, ou seja, dólar para real. As taxa utilizadas para a conversão dos investimentos contam do Quadro 2, a seguir: 7

8 PERÍODO TAXA FINAL TAXA MÉDIA ,9554 1, ,3204 2, ,5333 2, ,8892 3, ,6544 2, ,3407 2,4350 Fonte: BACEN Quadro 2 Taxas de câmbio para conversão As taxas foram utilizadas de acordo com as metodologias de cada norma estudada. Como a simulação apenas considerou o método da taxa corrente, na situação de investimento sem movimento considerou-se somente a taxa final de cada período. Na subsidiária com movimento foram utilizadas a taxa final e a taxa média para atendimento das regras de conversão dos normativos utilizados. Na aplicação da metodologia de conversão de investimento utilizando o método da taxa corrente, determinada pelo SFAS 52 e IAS 21, percebeu-se que não houve diferenças significativas entre elas, desse modo optou-se por demonstrá-las conjuntamente Situação 1: Subsidiária Integral sem movimentação Na conversão das demonstrações contábeis pelos critérios definidos pela Deliberação CVM 28/86, os elementos do patrimônio líquido são convertidos pela taxa final do período e o valor da conversão afeta diretamente o item convertido, não havendo distinção do impacto da variação cambial. Na conversão de acordo com as regras do SFAS 52 e IAS 21 foi utilizada apenas a taxa final, uma vez que não houve movimento nos períodos para utilização da taxa média. Os efeitos cambiais foram segregados em conta específica, nessa simulação, considerou-se a conta de CTA Cumulative Translation Adjustment. O Quadro 3 a seguir evidencia o processo de conversão nos métodos estudados. PATRIMÔNIO LÍQUIDO - SUBSIDIÁRIA SEM MOVIMENTAÇÃO PERÍODO Taxa Final 1,9554 2,3204 3,5333 2,8892 2,6544 2,3407 Taxa Média 1,8300 2,3520 2,9240 3,0750 2,9260 2,4350 PATRIMÔNIO LÍQUIDO US$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO DELIB. 28/86 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO SFAS 52 E IAS 21 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO CTA TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 3 Patrimônio Líquido: Subsidiária sem Movimentação. 8

9 Após a conversão do patrimônio líquido, de acordo com os métodos adotados, foi aplicado o método de equivalência patrimonial (MEP), para refletir os resultados na controladora. O resultado dessa etapa pode ser observado no Quadro 4 a seguir: RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA - CONTROLADORA PERÍODO Taxa de Câmbio 1,9554 2,3204 3,5333 2,8892 2,6544 2,3407 MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO DELIB. 28/86 RESULTADO R$ Equivalência Variação Cambial (644) (235) (314) Resultado de Equivalência (644) (235) (314) MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO SFAS 52 E IAS 21 RESULTADO R$ Equivalência Variação Cambial Resultado de Equivalência Fonte: Elaborado pelos autores Quadro 4 Resultado de Equivalência: Controladora. O impacto no resultado da controladora em decorrência da aplicação do MEP, fica evidente, principalmente, quando se analisa o resultado e a variação cambial. Não se observa na subsidiária nenhum acréscimo econômico ao patrimônio durante esse período, mas pelo critério de conversão da Deliberação CVM 28/86, todo efeito cambial é diretamente alocado ao resultado na controladora, impactando dessa forma o seu resultado, enquanto que pelo critério de conversão do SFAS 52 e IAS 21, o impacto no resultado é nulo, pois é representado dentro do patrimônio liquido da investida CTA, atualizando o investimento, mas não alterando o resultado. Diante dos resultados, percebeu-se que as oscilações no resultado da controladora quando da utilização da Deliberação CVM 28/86 reflete exclusivamente o resultado decorrente do câmbio, independente do ganho ou perda econômico da operação da investida. Por outro lado, esse impacto cambial no método do SFAS 52 e IAS 21 é acumulado no patrimônio, protegendo o resultado da controladora através da segregação desses efeitos no CTA. Com isso, o método preconizado na Deliberação CVM 28/86 provoca distorções na situação patrimonial da controladora, ou seja, o ganho ou perda cambial não está acompanhado de reflexo financeiro, já que se trata de um aumento ou uma diminuição de valor do patrimônio líquido da empresa no exterior medido na moeda da investida, sem que isso gere ou consuma qualquer recurso financeiro de imediato para a investida ou para a investidora. Não há, por exemplo, como pagar dividendo no Brasil sobre um ganho cambial decorrente de um investimento numa controlada no exterior. Por outro lado, se houver uma perda cambial, isso não significa qualquer saída ou obrigação de futura saída de recurso financeiro. Esse resultado financeiro só ocorre quando houver, por exemplo, uma venda parcial ou total do investimento. E só aí então, será reconhecido todo o conjunto de ganhos e perdas obtido ao longo do tempo no resultado Situação 2: Subsidiária Integral com movimentação Nesta situação, a subsidiária apresenta resultado proveniente de suas operações. Na conversão pela Deliberação CVM 28/86, a metodologia é que todos os elementos das demonstrações contábeis são convertidos pela taxa final. Na metodologia do SFAS 52 e IAS 21, a conversão ocorre de maneira diferenciada, ou seja, os ativos e os passivos são 9

10 convertidos pela taxa final, o resultado pela taxa da transação ou taxa média e os elementos do patrimônio líquido são mantidos pela taxa histórica. Nesse caso, o CTA refletirá não apenas a equivalência de ativos e passivos, mais também os efeitos da manutenção de taxas históricas do patrimônio líquido. O Capital será convertido pela taxa da integralização. O resultado do período convertido pela taxa média, ao se tornar Lucros Acumulados, será mantido pela taxa da conversão conforme demonstrado no Quadro 5. PATRIMÔNIO LÍQUIDO - SUBSIDIÁRIA COM MOVIMENTAÇÃO PERÍODO Taxa Final 1,9554 2,3204 3,5333 2,8892 2,6544 2,3407 Taxa Média 1,8300 2,3520 2,9240 3,0750 2,9260 2,4350 PATRIMÔNIO LÍQUIDO US$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO DELIB. 28/86 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO SFAS 52 E IAS 21 PATRIMÔNIO LÍQUIDO R$ CAPITAL SOCIAL LUCROS ACUMULADOS LUCRO DO PERÍODO CTA TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Fonte: Elaborado pelos autores Quadro 5 Patrimônio Líquido: Subsidiária com Movimentação. Nessa situação, a subsidiária apresenta um crescimento econômico e linear (6% ao ano) decorrente de suas operações. Independente dos critérios de conversão, o resultado de equivalência deveria refletir esse resultado na controladora. Entretanto, esse fato não se configura em uma realidade, conforme pode ser observado no Quadro 6 a seguir. RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA - CONTROLADORA PERÍODO Taxa Final 1,9554 2,3204 3,5333 2,8892 2,6544 2,3407 MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO DELIB. 28/86 RESULTADO R$ Equivalência Variação Cambial (724) (280) (396) Resultado de Equivalência (529) (90) (219) MÉTODO CORRENTE - CRITÉRIO DE CONVERSÃO SFAS 52 E IAS 21 RESULTADO R$ Equivalência Variação Cambial Resultado de Equivalência Fonte: Elaborado pelos autores Quadro 6 Resultado de Equivalência: Controladora. 10

11 A simulação demonstra como os resultados são alterados, e até mesmo distorcidos, em função do efeito cambial inserido nos resultados. Esse reflexo é perceptível apenas quando é aplicado a metodologia da Deliberação CVM 28/86, pois mesmos a subsidiária apresentando resultado positivo em todos os períodos, no exercícios de 2003 a 2005 seriam gerados prejuízos em função do processo de conversão. Como explicitado anteriormente, na aplicação do SFAS 52 e IAS 21, os efeitos cambiais decorrentes do processo de conversão compõem o saldo do CTA. Essa movimentação é validada através das seguintes etapas: 1ª) os saldos iniciais em cada período são convertidos pela taxa inicial menos o saldo inicial convertido pela taxa final; 2ª) o movimento do período é convertido pela taxa histórica ou taxa média menos o movimento do período convertido pela taxa final. O somatório entre a 1ª e 2ª etapa refletirá a variação cambial do elemento patrimonial convertido. A movimentação do CTA nos períodos analisados apresentou as seguintes variações, conforme Quadro 7 a seguir: MOVIMENTAÇÃO DO CTA SUBSIDIÁRIA SEM MOVIMENTAÇÃO Períodos Saldo Inicial CAPITAL (644) (235) (314) LUCRO ACUMULADO RESULTADO Saldo Final SUBSIDIÁRIA COM MOVIMENTAÇÃO Saldo Inicial CAPITAL (644) (235) (314) LUCRO ACUMULADO 0 72 (80) (45) (83) RESULTADO 0 39 (12) (19) (7) Saldo Final Fonte: Elaborado pelos autores. Quadro 7 Composição do saldo do CTA. Percebe-se que não há diferença no valor total do patrimônio líquido (quadro 5) nos métodos aplicados, apenas há uma melhor distribuição dos efeitos da variação cambial, o que se reflete diretamente nos resultados operacionais da controladora Comparação Entre os Métodos Ao se comparar às situações e as aplicações dos critérios de conversão, percebe-se que a discrepância e a influência no resultado da controladora é relevante. Na aplicação do método da taxa corrente, conforme a técnica estabelecida pela Deliberação CVM 28/86, tem-se que independente do crescimento econômico da subsidiária, o resultado acompanha basicamente as oscilações na taxa de câmbio, conforme demonstrado na Ilustração 2 a seguir: 11

12 3.000 Resultado de Equivalência Deliberação CVM 28/86 - Taxa Corrente (1.000) (2.000) SEM MOVIMENTAÇÃO Fonte: Elaborado pelos autores. Ilustração 2 Resultado de Equivalência pela Deliberação CVM 28/86. COM MOVIMENTAÇÃO Na análise do comportamento do resultado de equivalência patrimonial apurado pela controladora, percebe-se que no caso da subsidiária sem movimentação o resultado apresentado vai de um ganho expressivo em 2002 a um prejuízo em 2003, sem que fosse apresentado ganho operacional que suportassem e justificassem essas oscilações. O mesmo comportamento distorcido é apresentado na subsidiária com movimentação, pois, apesar da taxa de crescimento de 6% ao ano, os ganhos com equivalência nos três últimos exercícios são negativos, ou seja, a controladora apurou prejuízo. Deste modo, não é possível fazer análise de performance dos investimentos a partir da equivalência da controladora, pois o reconhecimento do resultado de variação cambial na equivalência distorce não só o resultado da matriz, mas também as informações financeiras dos investimentos no exterior quando da conversão de suas demonstrações contábeis. Na análise da metodologia de conversão no método da taxa corrente adotada pelo SFAS 52 e IAS 21, percebe-se que os resultados de equivalência são preservados frente aos efeitos da variação cambial refletidos na conversão. Desse modo, o resultado de equivalência da matriz apresentou o seguinte comportamento, conforme Ilustração Resultado de Equivalência SFAS 52 e IAS 21 - Taxa Corrente SEM MOVIMENTAÇÃO Fonte: Elaborado pelos autores Ilustração 3 Resultado de equivalência pelo SFAS 52 e IAS 21. COM MOVIMENTAÇÃO Observou-se que pela metodologia do SFAS 52 e IAS 21, o resultado de equivalência não carrega para a controladora os efeitos cambiais decorrentes da conversão das demonstrações das subsidiárias. Na subsidiária sem movimentação, o resultado de equivalência foi nulo, o que é aderente com a não alteração do investimento, enquanto que na 12

13 simulação do investimento com movimentação, o resultado apenas acompanha o crescimento da subsidiária. Considerando, isoladamente, o critério de conversão para a análise da rentabilidade do investimento, o resultado de equivalência é mais bem visualizado considerando as metodologias de conversão do SFAS 52 e do IAS 21, tendo em vista a segregação dos impactos da oscilação de moeda dentro do patrimônio líquido, visando não contaminar o resultado. 4. Considerações Finais O tratamento contábil dos ganhos e perdas cambiais resultantes da conversão dos investimentos no exterior é ponto essencial na aplicação do método de equivalência e na consolidação das demonstrações contábeis. Nesse aspecto, analisando o critério adotado no Brasil (Deliberação CVM 28/86) e seus impactos, percebeu-se que conceitualmente a norma está defasada pois, além de não apresentar conceitos fundamentais como o de moeda funcional e de apresentação, trata contabilmente dos efeitos cambiais da conversão das demonstrações contábeis da mesma maneira, independentemente do método utilizado. Os resultados da simulação mostraram que a metodologia da taxa corrente empregada pela Deliberação CVM 28/86 pode causar impactos relevantes no resultado de equivalência da controladora. Na análise dos resultados da subsidiária sem movimento, observaram-se oscilações nos resultados de equivalência provenientes exclusivamente dos efeitos das variações cambiais sobre o investimento, sem contudo ter ocorrido movimentação operacional. Na simulação da subsidiária com movimento, apesar da premissa de crescimento de resultado de 6% ao ano, houve períodos em que o resultado de equivalência patrimonial foi negativo. Esse exercício demonstrou que os resultados operacionais estavam fortemente impactados pelo câmbio. Quando da interposição das duas situações, percebe-se que o tratamento contábil dos efeitos da conversão em resultado e inserido na equivalência patrimonial, distorceu significativamente o resultado da controladora, comprometendo esse resultado para efeito de análise de rentabilidade dos investimentos societários no exterior. Na simulação dos critérios de conversão, utilizando as metodologias da taxa corrente do SFAS 52 e IAS 21, em ambos os caso (subsidiária sem e com movimento) não há impacto no resultado de equivalência patrimonial provenientes dos efeitos cambiais decorrente da conversão, tornando possível uma avaliação mais adequada da rentabilidade dos investimentos societários no exterior. Percebeu-se que a metodologia de conversão isolou o efeito da variação cambial no patrimônio líquido, protegendo dessa maneira o resultado do risco e volatilidade da taxa de câmbio. Diante dos resultados obtidos na simulação, observou-se que o atual critério de conversão adotado no Brasil não atende as necessidades da nova realidade das empresas brasileiras, principalmente àquelas que estão em processo de internacionalização. Nesse contexto, considerando a tendência de convergência das normas brasileiras com as normas internacionais, a adoção do IAS 21, provavelmente, equacionalizará os principais problemas apresentados pela Deliberação CVM 28/86 e apontados nesse estudo. Assim, espera-se com esse estudo contribuir para o aperfeiçoamento do atual modelo de conversão preconizado na Deliberação CVM 28/86, considerando que este normativo tem como principal fragilidade à distorção do desempenho dos investimentos societários no 13

14 exterior, em decorrência do reconhecimento dos ganhos e perdas cambiais decorrentes do processo de conversão. Com a criação do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) espera-se que o tema seja motivo de revisão e emissão de novas orientações normativas. Ressalte-se que a alteração do arcabouço conceitual do normativo existente demandará a análise dos reflexos em normativos e legislações correlatas, tanto do ponto de vista societário como fiscal. O estudo limitou-se a análise de investimentos societários que estivessem sujeitos à conversão pelo método da taxa corrente, mas o mesmo pode ser aplicado a situações de economia hiperinflacionária, sendo que para esse caso seriam apontadas diferenças nas três normas aplicadas, além de avaliar a influência da correção monetária, nos critérios de conversão. Outra linha que poderá ser aplicada para estudos futuros está na análise empírica da percepção do mercado em relação aos efeitos cambiais da conversão de demonstrações contábeis de investimentos societários no exterior. 5. Referências Bibliográficas ALEM, Ana Claudia; CAVALCANTI, Carlos Eduardo. O BNDES e o Apoio à Internacionalização das Empresas Brasileiras: Algumas Reflexões Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p , Dez BACEN, Resultado de Capitais Brasileiros no Exterior 2001 a 2004, Disponível em <http://www4.bcb.gov.br/rex/cbe/port/resultadocbf2004.pdf>. Acesso em: 14/08/2006. BEUREN, Ilse Maria et al. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2.ed. São Paulo: Atlas CFC Conselho Federal de Contabilidade, Norma Brasileira de Contabilidade nº 7 Conversão da Moeda Estrangeira nas Demonstrações Contábeis CVM Comissão de Valores Mobiliários, Deliberação CVM nº CVM Comissão de Valores Mobiliários, Instrução CVM nº CVM Comissão de Valores Mobiliários, Ofício Circular CVM SNC/SEP FASB Financial Accounting Standards Board, Statements Financial Accounting Standards nº 52 Foreign Currency Translation Disponível em <http://www.pwccomperio.com/search97cgi/s97is_englishx.dll>. Acesso em: 18/08/2005. FUNDAÇÃO DOM CABRAL, Investimento Brasileiro Direto no exterior, Disponível em <http://www.fdc.org.br/parcerias/upload/outros/investimento%20brasi leiro%20direto%20no%20exterior.doc>. Acesso em: 19/08/2006. IASB International Accounting Standards Board. International Accounting Standards nº 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatório de pesquisa em administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, José Luiz dos.; SCHMIDT, Paulo.; FERNANDES, Luciane Alves. Contabilidade avançada: aspectos societários e tributários. São Paulo: Atlas, WHITE, Gerald I., SONDHI, Ashwinpal C., FRIED, Dov. The analysis and use of financial statements. 3.ed. Danvers: Wiley,

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

METODOS DE CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS AOS PADRÕES INTERNACIONAIS

METODOS DE CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS AOS PADRÕES INTERNACIONAIS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FASA CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: CONTABILIDADE INTERNACIONAL METODOS DE CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS AOS PADRÕES INTERNACIONAIS BUTITIERE FERNANDA DE

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Nota Técnica nº 001/2013 Florianópolis, 24 de junho de 2013. Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Senhor Diretor de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

Conversão de Demonstrações Contábeis de uma Sucursal Uruguaia: análise sob a perspectiva da Teoria Patrimonial

Conversão de Demonstrações Contábeis de uma Sucursal Uruguaia: análise sob a perspectiva da Teoria Patrimonial Conversão de Demonstrações Contábeis de uma Sucursal Uruguaia: análise sob a perspectiva da Teoria Patrimonial RESUMO Um dos aspectos que a internacionalização das empresas afetou na informação contábil

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: A CONVERSÃO DA MOEDA NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS.

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: A CONVERSÃO DA MOEDA NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: A CONVERSÃO DA MOEDA NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. RESUMO Andréia Denise dos Santos Martins 1 Paulo Eduardo Rosselli Wünsch 2 No atual mercado globalizado, onde as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS CONVERSÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: O CASO DE UMA TRANSPORTADORA COM SUCURSAL

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL

BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL 1. Introdução CONTABILIDADE INTERNACIONAL BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL Até recentemente (cerca de 50 anos atrás, o que é relativamente diminuto em termos da história econômica mundial),

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.262/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 09 para ITG 09 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 7 para NBC TG

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares

Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial. Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Avaliação de Investimentos pelo Método de Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada I Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Aspectos Introdutórios No Método de Equivalência Patrimonial, diferentemente

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

C o n s o l i d a ç ã o

C o n s o l i d a ç ã o Comparações entre Práticas Contábeis IAS 22 e 27 SIC 12 e 33 Pontos-chave para comparar diferenças ARB 51, APB 18, SFAS 94, 125 e 140 EITFs 90-15, 96-16, 96-20, Topic D-14, 96-21, 97-2, C51 FIN 46R D i

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Prof. Dr. Adriano Rodrigues Assuntos abordados nesse tópico: Ajuste a valor presente: Fundamentação Mensuração ao valor justo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO

CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO CONVERSÃO DE DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA PARA MOEDA ESTRANGEIRA: UM ESTUDO COMPARATIVO FREDERICO MENDES CARLA CRISTINA FERNANDES DE QUEIROZ Resumo: Muitas empresas no Brasil estão realizando negócios

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ATIVO INTANGÍVEL LUCIANA SANTOS RODRIGUES RA: 20716350 PROFESSOR ORIENTADOR João Alberto de Arruda. Brasília - DF 2010 LUCIANA SANTOS RODRIGUES ATIVO

Leia mais

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08

Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 Aprovada a NBC T 19.18 Adoção Inicial da Lei n. 11.638/07 e da Medida Provisória n. 449/08 O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06. Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 06 Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 16 Índice REFERÊNCIAS

Leia mais

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA

Copyright 2003 - Todos os Direitos Reservados a Prof. Arievaldo Alves de Lima CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA ANÁLISE DE BALANÇOS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE O FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa constitui-se no instrumento prático, por excelência, do administrador financeiro, e pode ser comparado a outras denominações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Variação Monetária nas Demonstrações Contábeis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Variação Monetária nas Demonstrações Contábeis Variação 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 1.1. Exemplo de tratamento no sistema... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. RIR/1999... 4 2.2. Lei 9.718/1998... 4 2.3. Lei

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A.

Salus Infraestrutura Portuária S.A. Salus Infraestrutura Portuária S.A. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Adoção e Aplicação da IFRS

Adoção e Aplicação da IFRS IFRS Normas internacionais de contabilidade PARTE I Adoção e Aplicação da IFRS AULA 2 Prof. MSc. Márcio de Souza e Silva Objetivos: Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Política Contábil de Investimentos

Política Contábil de Investimentos Política Contábil de Investimentos 1 Sumário CONCEITUAÇÃO... 4 OBJETIVO... 4 REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 APLICAÇÃO... 5 DEFINIÇÕES... 6 PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS CONTÁBEIS... 8 Influência Significativa...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos. Mudanças nas taxas de câmbio e seus efeitos nas demonstrações contábeis (1 a parte)

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos. Mudanças nas taxas de câmbio e seus efeitos nas demonstrações contábeis (1 a parte) Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Mudanças nas taxas de câmbio e seus efeitos nas demonstrações contábeis (1 a parte) Prof. Edilson Paulo Prof. Ariovaldo do Santos Prof. Eliseu

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - BRADESPAR S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE PROF. M.Sc. RICARDO GONÇALVES DOS SANTOS LINS-SP/2012 1 TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC

A Demonstração no Brasil A Demonstração do Fluxo de Caixa - DFC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI CAMPUS MINISTRO REIS VELLOSO CMRV DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E JURÍDICAS DCCJ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CCC EMPRESA JUNIOR DE CONTABILDIADE CONAC JUNIOR CURSO

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de agosto de 2014 e de 2013 KPDS 97640

Demonstrações financeiras em 31 de agosto de 2014 e de 2013 KPDS 97640 Gávea Apoena Plus Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CNPJ nº 08.893.093/0001-32 (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Demonstrações financeiras

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA)

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE (DRA) Vou abordar, neste artigo, um assunto relativamente novo, mas que já foi cobrado por algumas bancas. Trata-se da Demonstração do Resultado Abrangente (DRA). Resultado

Leia mais