Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura"

Transcrição

1 Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura

2 ÍNDICE Sumário Executivo 03 Portugal Continental - Caracterização da oferta - Parques e Áreas - Capacidades - Caracterização da procura - Movimentos campistas - Dormidas campistas e estadas - Movimentos e dormidas de campistas, por mercados - Sazonalidade - Pessoal ao serviço - Serviços complementares - Resultados de exploração - Investimentos médios - Ficha técnica agosto

3 Sumário Executivo Em encontravam-se em atividade em Portugal Continental 237 parques de campismo. As regiões do Norte e do Centro continuam a concentrar em o maior número de parques (63,7%), assim como representam mais de 54% da capacidade de alojamento oferecida. No Continente, registaram-se 5,8 milhões de dormidas (+2,6%), correspondentes à estadia de 1,7 milhões de campistas (+9,0%) alojados em parques de campismo. Os mercados estrangeiros que mais procuraram os parques de campismo foram a França (+18,8%), a Espanha (+4,1%), a Alemanha (+23,5%), a Holanda (+17,7%) e o Reino Unido (+6,5%). Novos serviços continuam a ser disponibilizados, em alguns parques, como alojamento complementar, bares, parque infantil, aluguer de BTT, acesso à internet, Spas e serviços de animação. Os melhores resultados de exploração foram registados nos parques de campismo da região do Alentejo, mas foi no Algarve que foram feitos os maiores volumes de investimento médio. As regiões do Centro e de Lisboa continuam a registar o maior número de campistas, com cerca de 47% do total. No entanto foi no Alentejo que se registaram os aumentos mais elevados (+13,8%). Do total dos movimentos de campistas, 65,2% são residentes em Portugal com um aumento face a 2014, de 6,7%. A estada média registada foi de 3,5 noites. Em, o mês de agosto continua a ser o mês de eleição dos campistas, tanto nacionais como estrangeiros. agosto

4 Número e áreas de parques Em estavam a funcionar 237 parques de campismo em Portugal Continental, mais quatro do que em Número de Parques de Campismo, por NUTS II 63,7% da oferta situa-se nas regiões do Norte e do Centro (+0,7p.p. face a 2014). Lisboa manteve o mesmo número de parques de campismo Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve A área total ocupada pelos parques de campismo no Continente foi de 1.354,4 ha (+6,4% face a 2014). Em, as regiões do Norte, Centro e do Alentejo concentravam 70,6% da área ocupada pelos parques de campismo. 286,4 382,8 386,2 283,5 Áreas (ha) dos Parques de Campismo, por NUTS II (milhares ha) No Norte e no Algarve registaram-se os maiores aumentos nas áreas ocupadas pelas parques de campismo, +32,1% e +7,0% respetivamente, face a ,8 221,2 223,0 287,8 175, Os residentes no estrangeiro registaram um aumento de 13,4%, face a ,8 Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve agosto

5 Capacidade de alojamento e movimento de campistas A capacidade total dos parques de campismo no Continente, em, foi de campistas (+3% face a 2014). Foi na região do Centro que se observou o aumento mais significativo (+7%), seguida da região do Algarve com mais 5,4%, face a Norte Centro Capacidades nos Parques de Campismo, por NUTS II [unidades] Os parques da região Centro representam 35,8% da capacidade da oferta do total do País. Lisboa Alentejo Algarve Em registaram-se um total de 1,7 milhões de campistas, (+9,0%), nos parques de campismo do Continente, tendo sido na região do Alentejo que se verificou o maior crescimento de movimentos de campistas (+13,9%), face a A região Norte registou um crescimento de 10,9%, o Centro de +10,2%, Lisboa +3,7%, o Algarve de +7,5%, face a Norte Centro Lisboa Movimentos de campistas, por NUTS II [unidades] 2014 Cerca de 65,2% dos movimentos são de residentes em Portugal, +6,7%, face a Alentejo Os residentes no estrangeiro registaram um aumento de 13,4%, face a Algarve Fonte: INE agosto

6 Dormidas e estadas de campistas Em registou-se um total de 5,9 milhões de dormidas, (+2,6%), no parques de campismo em Portugal continental. A região do Centro registou o maior crescimento (+16,5%) no número de dormidas efetuadas pelos campistas, seguida do Norte com +6,8%, o Alentejo com +1,0%. As restantes regiões sofreram ligeiros decréscimos. Norte Centro Dormidas de campistas, por NUTS II [unidades] Cerca de 67,3% das dormidas foram efetuadas por residentes em Portugal. Lisboa As dormidas de residentes no estrangeiro apresentaram um crescimento de 8,3%, face a Alentejo Fonte: INE Algarve Em a estada média nos parques de campismo foi de 3,5 noites, -0,2 noites que no ano anterior. Foi na região Centro onde se registou a única subida (+0,1 noites) na estada média face a As restantes regiões registaram decréscimos. Os residentes em Portugal registaram uma estada média de 3,6 noites, enquanto que os residentes no estrangeiro foi de 3,3 noites. 3,9 3,7 5,4 2,9 2,6 2,5 3,0 3,7 3,3 4,8 Estadas médias (noites) nos Parques de Campismo, por NUTS II Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Fonte: INE 2014 agosto

7 Movimento e dormidas de campistas por mercado Os movimentos de residentes no estrangeiro, que representaram 34,8% do total dos movimentos, registaram um aumento de 13,4%, o que significa mais campistas do que em ,2 186,8 Movimentos de campistas, por países de residência (TOP 5) Em, os mercados estrangeiros que mais procuraram os parques de campismo foram a França (+18,8%), a Espanha (+4,1%), a Alemanha (+23,5%), a Holanda (+17,7%) e o Reino Unido (+6,5%). O mercado francês encontra-se em primeiro lugar nos movimentos de campistas registados nos parques, em, em todas as regiões, tendo mantido a tendência de crescimento face a ,8 67,3 54,1 101,8 83,1 63,7 49,3 52,5 (milhares) França Espanha Alemanha Holanda Reino Unido Fonte: INE 2014 As dormidas de residentes no estrangeiro que representaram 32,7% do total das dormidas em, registaram um aumento de 8,3%, mais dormidas que em 2014, Os principais países nas dormidas também foram a França (+16,1%), Espanha (+0,6%), a Holanda (+5,4%), o Reino unido (5,7%) e a Alemanha (10,7%). O mercado francês volta a destacar-se em e apresenta quotas relativamente ao total das dormidas de estrangeiros na ordem dos 19,1% no Norte, 40,3% no Centro, 36,3% em Lisboa, 34,5% no Alentejo e 24,0% no Algarve. 472,5 548,4 277,8 279, ,1 258,6 219, ,4 242,7 Dormidas nos Parques de Campismo, por países de residência (TOP 5) (milhares) Fonte: INE França Espanha Holanda Reino Unido Alemanha agosto

8 Parques de Campismo Sazonalidade Dormidas nos parques de campismo, por meses (milhares) Nos meses de julho, agosto e setembro, foram realizadas nos parques de campismo do Continente, 68,1% das dormidas totais de residentes em Portugal, com grande destaque para o mês de agosto, que continua a ser o mês preferido tanto dos nacionais como dos estrangeiros, em. Portugal Em, só o mês de agosto representou 36,7% das dormidas de nacionais e 24,3% das dormidas de estrangeiros. Estrangeiros JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Fonte: INE agosto

9 Pessoal ao serviço Tendo por base as respostas do inquérito aos parques de campismo em, em média, estavam ao serviço na época alta 14 pessoas e na época baixa 9 pessoas, o que reflete um ligeiro decréscimo relativamente a 2014 (-11% na época alta e -5% na época baixa). Rececionistas Encarregados Nº médio de pessoal ao serviço nos Parques de campismo, por categorias Por categorias não se verificaram alterações significativas. As categorias de Limpeza e conservação, Vigilantes e Pessoal n/ referenciado continuam a ser as que têm um maior número médio de pessoal contratado. Limpeza/Conservação Vigilantes Pessoal n/ref época alta época baixa Outros 3 4 O Algarve foi a região que registou o maior número de pessoas ao serviço na época baixa e na época alta, seguido do Norte na época alta e de Lisboa na época baixa. 29 Nº médio de pessoal ao serviço nos Parques de Campismo, por NUTS II Comparativamente com 2014, o Algarve foi a região que registou os aumentos mais significativos no número médio de pessoas ao serviço (+16% na época alta e +13% na época baixa) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Época Alta Época Baixa agosto

10 Pessoal ao serviço Por entidades exploradoras, verificámos que continuam a ser os Particulares e outros e os Organismos autárquicos que apresentam maior número de pessoal ao serviço, tanto na época alta como na baixa, em Nº médio de pessoal ao serviço nos Parques geridos por entidades exploradoras Na época alta todas as entidades sofreram diminuições no seu número médio de pessoal ao serviço, na ordem dos 7,7% (Federações/Clubes), 13,3% (Org. Autar.) e 5,9% (Partic. e O.), face a Federações/Clubes Org. Autárquicos Particulares/Outros Na época baixa, apenas as Federações e Clubes diminuíram o seu número de pessoal ao serviço (-9,1%), enquanto as outras duas entidades tiveram aumentos na ordem dos 55,6% (Org. Autar.) e 70,0% (Particulares e O), face a Época Alta Época Baixa Na análise da distribuição da média de pessoal ao serviço pelos escalões de capacidade dos parques observámos que são os parques do escalão 901 a 2000C que registaram aumentos no número de pessoal ao serviço tanto na época alta (+8,7%) como na época baixa (7,7%). Os restantes registaram uma diminuição no número de pessoal ao serviço nas duas épocas, em Nº médio de pessoal ao serviço nos Parques de Campismo por escalões de capacidade Até 300 C 301 a 900 C 901 a 2000 C 4 3 Mais de 2001 C Época Alta Época Baixa agosto

11 Serviços complementares Serviços prestados nos parques de campismo [quota] 2014 Duches Fornec. Energia elet. Sala convívio Restaurante Campos de jogos Minimercado Piscinas Fornec. gás Internet Lavandaria Aloj,complementar Parque infantil Bar 5,9 8,3 5,9 6,0 17,8 16,5 17,0 15,8 15,6 15,0 81,5 79,7 69,6 72,9 71,9 71,4 60,0 62,4 52,6 57,1 57,0 55,6 96,3 98,5 95,6 96,2 Na maior parte dos parques de campismo já são disponibilizados serviços básicos, como duches, fornecimento de eletricidade e gás, salas de convívio, restaurantes, campos de jogos e minimercados. Com tendência crescente, encontram-se os serviços de alojamento complementar, lavandarias e acesso à internet. Serviços prestados nos parques, por entidades exploradoras [quota] Duches Fornec. Energia elet. Sala convívio Restaurante Campos de jogos Minimercado Piscinas Fornec. gás Internet Lavandaria Aloj,complementar Parque infantil Bar 6,5 9,7 3,2 10,0 6,5 8,3 6,3 3,2 98,8 90,3 95,8 96,3 96,8 91,7 71,3 74,2 83,3 68,8 61,3 83,3 73,8 61,3 79,2 60,0 41,9 83,3 68,8 32,3 25,0 62,5 29,0 75,0 25,0 25,0 25,0 Particulares Org.Autar. Federações Os parques de campismo geridos por Federações/Clubes apresentam maiores percentagens de serviços como salas de convívio, restaurantes, campos de jogos, minimercados e fornecimento de gás, mas são os geridos por particulares que tem uma maior oferta de serviços relacionados com duches, fornecimento de energia elétrica, piscinas, internet, lavandarias e alojamento complementar. agosto

12 Serviços complementares Serviços prestados nos Duches parques, por escalões de capacidade Fornec. Energia elet. [quota] Sala convívio Restaurante Campos de jogos Minimercado Piscinas Fornec. gás Internet Lavandaria Aloj,complementar Parque infantil 10,3 2,0 10,3 2,0 10,3 2,0 11,8 6,7 2,6 2,0 94,1 93,3 100,0 95,9 100,0 100,0 97,4 89,8 94,1 100,0 82,1 65,3 88,2 96,7 76,9 40,8 88,2 96,7 74,4 49,0 94,1 86,7 66,7 26,5 35,3 53,8 44,9 64,7 86,7 61,5 32,7 23,5 40,0 23,5 40,0 Mais 2001C 23,5 40,0 901 a 2000C 301 a 900C Se analisarmos por escalões de capacidade, são os parques de 901 a 2000C e +2001C que registaram uma maior percentagem na disponibilidades dos serviços, fornecimentos de energia elétrica e gás, salas de convívios, restaurantes, campos de jogos, minimercados, e piscinas. De salientar que cerca de 40% dos parques pertencentes ao escalão de capacidade 901 a 2000C já disponibilizam serviço internet. Este é um serviço em que se tem observado aumentos significativos na sua oferta. Bar 7,7 2,0 Até 300C agosto

13 Resultados de exploração Os Resultados de Exploração, em, nos parques de campismo, em Portugal Continental, foram positivos, tendo-se registado uma variação de +13,6p.p., relativamente ao ano anterior, em parte devido às diminuições registadas no total de gastos. As rubricas relacionadas com Fornecimentos/serviços Externos e Custos c/ Pessoal são as que têm maior peso na estrutura de gastos, com 30,9% e 29,3%, respetivamente, do total dos gastos em. Observou-se contudo diminuições de 7,8p.p. e 3,8p.p., face a p.p. Total de Proveitos 100,0 100,0 Var. 15/ 14 Total de Gastos 69,9 83,6-13,7 * Fornecimentos/Serviços Externos 30,9 38,7-7,8 * Gastos com o Pessoal 29,3 33,1-3,8 * Outros Gastos e Perdas Operacionais 9,7 11,9-2,2 Resultados de Exploração 30,1 16,4 13,7 Proveitos/Gastos e Resultados de Exploração (%) Todas as regiões, com exceção do Norte, apresentaram um peso relativo para o total de gastos inferior ao verificado em Os parques da região do Alentejo são os que apresentaram o melhor Resultado de Exploração em, aumento significativo em relação a 2014 (+24,4 p.p.). Gastos e Resultados de exploração por NUTS II [%] - Em, foram os parques de campismo da região do Norte que apresentaram o maior peso nas rubricas gastos c/ pessoal e fornecimentos/serviços externos (-0,9 p.p. e +0,3 p.p. relativamente a 2014). Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Resultados de Exploração 9,5 18,3 23,8 41,9 29,5 Outros gastos/perdas Operacionais 11,7 12,5 15,6 12,6 7,5 Gastos com Pessoal 38,8 36,7 26,0 19,9 29,8 Fornecimentos/Serviços Externos 40,1 32,5 34,6 25,6 33,2 agosto

14 Resultados de exploração Os parques de campismo geridos por Organismos Autárquicos foram os que apresentaram o melhor resultado de exploração em (+36,4 p.p. relativamente a 2014), devido ao grande decréscimo no total dos gastos. Gastos e Resultados de exploração nos parques geridos por entidades exploradoras Os parques de campismo geridos por Federações/Clubes foram os que registaram o maior peso na rubrica Gastos c/ Pessoal, compensados com a descida da rubrica Fornecimentos e Serviços Externos (-6,1 p.p. relativamente a 2014) o que possibilitou um aumento dos resultados de exploração em +2,3 p.p. Federações e Clubes Organ. Autarquicos Particulares e outros Resultados de Exploração 18,1 65,1 23,9 Outros gastos/perdas operacionais 10,2 2,4 11,4 Gastos com Pessoal 35,2 22,0 29,9 Fornecimentos/Serviços Externos 36,5 10,4 34,9 [%] - Por escalões de capacidade, foram os parques Até 300 campistas que registaram o maior valor nos resultados de exploração, consequência da grande descida verificada na rúbrica gastos com pessoal (-40,0p.p. face a 2014). De salientar que, em 2014, o grande peso da rubrica gastos com o pessoal no total de gastos, fez com que os resultados de exploração fossem negativos. Até a a 2000 Mais de 2001 Resultado Exploração 70,3 29,6 18,9 27,5 Outros gastos/perdas Operacionais 3,6 6,9 15,0 7,3 Gastos com Pessoal 14,4 33,1 30,7 30,0 Fornecimentos/Serviços Externos 11,7 30,4 35,5 35,2 Gastos e Resultados de exploração nos parques, por escalões de capacidade [%] - agosto

15 5,0 7,0 6,8 18,3 13,6 13,3 15,5 31,5 26,7 32,0 52,9 47,5 91,2 107,9 164,6 Parques de Campismo Investimentos médios Os investimentos médios realizados em instalações, equipamentos e infraestruturas durante o ano de, foram semelhantes (cerca de 30 milhares de euros), embora mais baixos do que em Todas as componentes registaram decréscimos significativos nos investimentos médios, traduzindo-se numa descida de investimento médio total de 30%. 15/ [%] Instalações 30,6 37,2-17,7 Equipamentos 28,0 67,4-58,5 Infraestruturas 29,9 46,9-36,2 T o tal 69,8 99,8-30,1 Média de investimentos por parque de campismo (milhares ) O Algarve foi a região que realizou os investimentos médios mais elevados em termos gerais, embora com decréscimos significativos relativamente a 2014 (-31%). Os maiores investimentos foram efetuados em equipamentos. Média de investimentos por parque e NUTS II (milhares ) Instalações Equipamentos Infraestruturas Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve agosto

16 3,1 7,9 10,0 13,6 21,3 30,5 40,9 48,1 54,2 2,7 2,8 1,7 5,3 23,9 25,4 39,0 49,6 54,2 54,7 69,4 95,0 Parques de Campismo Investimentos médios Analisando o investimento médio nos parques de campismo por escalões de capacidade, observámos que, em, os maiores investimentos foram realizados nos parques de 301 a 900C, com aumentos relativamente a 2014 na ordem dos 4%. Média de investimentos por parque e por escalões de capacidade [milhares ] Instalações Equipamentos Infraestruturas Até a a 2000 Mais 2001 Por entidade exploradora, foram os parques geridos por particulares e outros que fizeram os investimentos médios mais altos em, mas foram os organismos autárquicos que mais aumentaram o seu Média de investimentos por parque e por entidade exploradora investimento médio relativamente a 2014 (+47,0%). [milhares ] Os Organismos Autárquicos foram também os que mais investiram em infraestruturas, com aumentos significativos face a 2014 Instalações (+136,7%). Equipamentos Infraestruturas Federações e Clubes Organ. Autarquicos Particulares e outros agosto

17 Ficha técnica Turismo de Portugal, IP Título: Parques de Campismo em Portugal Direção de Gestão do Conhecimento Metodologia: Inquérito realizado sobre uma plataforma on-line, de acesso direto aos parques de campismo, no período compreendido entre os meses de julho e setembro de 2016, a um painel de 237 parques em atividade em Portugal Continental, com uma taxa de resposta na ordem dos 58%. Equipa técnica: Maria Isabel Macedo (atualização da base de dados, metodologia, elaboração e lançamento do inquérito, recolha e tratamento de dados, texto, webdesign e tratamento de imagem) Edição: agosto 2017 Documento publicado no em agosto

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo

Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo Atividade Turística Julho de 20 15 de setembro de 20 Hóspedes, dormidas e proveitos mantêm crescimento significativo A hotelaria registou 5,8 milhões de dormidas em julho de 20, valor correspondente a

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Atividade Turística Abril 2013

Atividade Turística Abril 2013 Atividade Turística Abril 2013 17 de junho de 2013 Hotelaria com reduções nos hóspedes, dormidas e proveitos As dormidas na hotelaria ascenderam a 3,1 milhões em abril de 2013 (-4,0% que em abril de 2012).

Leia mais

Aumento significativo das dormidas e proveitos

Aumento significativo das dormidas e proveitos 15 de abril de 2016 Atividade Turística Fevereiro de 2016 Aumento significativo das dormidas e proveitos A hotelaria registou 989,9 mil hóspedes e 2,6 milhões de dormidas em fevereiro de 2016, equivalendo

Leia mais

15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a abril 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de abril, os estabelecimentos hoteleiros registaram 117,6 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a fevereiro 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de fevereiro, os estabelecimentos hoteleiros registaram 63,6 mil dormidas, representando um acréscimo

Leia mais

Actividade Turística 2009 (dados preliminares)

Actividade Turística 2009 (dados preliminares) 1177 DDEE MAARRÇÇOO DDEE 22000099 Actividade Turística 2009 (dados preliminares) Hotelaria com decréscimos nos principais indicadores Em Janeiro de 2009, os estabelecimentos hoteleiros registaram 1,7 milhões

Leia mais

16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a março 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de março, os estabelecimentos hoteleiros registaram 95,1 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo

Leia mais

Obras licenciadas atenuaram decréscimo

Obras licenciadas atenuaram decréscimo Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2014- Dados preliminares 12 de junho de 2014 Obras licenciadas atenuaram decréscimo No 1º trimestre de 2014 os edifícios licenciados diminuíram

Leia mais

Barómetro de Conjuntura verão Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura verão Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura verão 2016 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 Perspetivas verão 2016 - NUTS II e A.M. Lisboa - Principais mercados Algarve e Madeira - Principais mercados Norte e Centro

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

Termas em Portugal Caracterização da oferta e da procura

Termas em Portugal Caracterização da oferta e da procura Termas em Portugal 2014 Caracterização da oferta e da procura ÍNDICE Sumário executivo Caraterização da oferta Caracterização da procura Portugal Norte Centro Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo e Algarve

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2000 ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Em 31 de Julho de 1999, o número total de estabelecimentos na hotelaria tradicional recenseada (Hotéis, Hotéis-Apartamentos,

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 5 - julho 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 2.

Leia mais

Quadro 2. Dormidas por tipo e categoria de estabelecimento

Quadro 2. Dormidas por tipo e categoria de estabelecimento Atividade Turística Maio 2013 15 de julho de 2013 Residentes no estrangeiro contribuem para os resultados positivos na hotelaria A hotelaria registou 1,4 milhões de hóspedes em maio de 2013, +7,0% que

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercados em Números. Rodapé Turismo Interno Mercados em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé

Portugal. Turismo Interno. Mercado em Números. Rodapé Turismo Interno Mercado em Números 1 Rodapé Designação oficial: República Portuguesa Capital: Lisboa Localização: Sudoeste da Europa Fronteiras terrestres: Espanha (1.241 km) Fronteiras marítimas: Madeira(1076,6

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo Em Fevereiro de, o número de passageiros desembarcados de voos internacionais

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Fevereiro 2016 ISEG Síntese de Conjuntura, fevereiro 2016 1 SUMÁRIO O crescimento em volume da economia portuguesa ao longo de 2015 (1,5%) mostrou sinais de desaceleração na segunda

Leia mais

Dormidas de não residentes continuam a aumentar

Dormidas de não residentes continuam a aumentar Actividade Turística Novembro de 2010 10 de Janeiro de 2011 Dormidas de não residentes continuam a aumentar No mês de Novembro de 2010 a hotelaria registou cerca de dois milhões de dormidas, valor muito

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Apreciação Global A análise dos diversos indicadores relativos ao primeiro trimestre de 2014, para além de confirmar a tendência de abrandamento

Leia mais

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Parque Habitacional em Portugal: Evolução na última década 2001-2011 07 de dezembro de 2012 Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Em 2011, o número de alojamentos em Portugal

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro 13 de janeiro de 2014 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2013 A taxa de variação média do IPC foi 0,3% em 2013 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,2% em dezembro Em 2013, o Índice de Preços

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações relativas ao 3º trimestre 2005: movimentos aéreos +3% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +40,1%movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost;

Leia mais

Animação Turística em Portugal Caraterização das Empresas e da Procura

Animação Turística em Portugal Caraterização das Empresas e da Procura Animação Turística em Portugal 2014 Caraterização das Empresas e da Procura Edição 2015 ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Agentes de Animação turística RNAAT Caraterização das Empresas CAE e Atividade

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2016 Índice de Preços no Consumidor Dezembro de 2015 A taxa de variação média do IPC foi 0,5% em 2015 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,4% em dezembro Em 2015, o Índice de Preços

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2.

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2. Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 76 junho

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 Informação à Comunicação Social 25 de Janeiro de 2002 ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 O INE apresenta os principais resultados preliminares relativos à Oferta Turística em 31 de Julho de

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Brasil Outubro 2015 Índice 1. Evolução das exportações portuguesas de bens para

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria -

CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - CARACTERIZAÇÃO DO SETOR - Restauração e Hotelaria - julho.2015 DESTAQUES 1. Desde o 3º trimestre de 2014 até ao 1º trimestre de 2015, a Restauração e a Hotelaria perderam 52.900 postos de trabalho (Fonte:

Leia mais

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1%

Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3% e as importações 2,1% 09 de agosto de 2013 Estatísticas do Comércio Internacional Junho 2013 Comércio Internacional de bens: exportações aumentaram 6,3 e as importações 2,1 As exportações de bens aumentaram 6,3 e as importações

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

TURISMO EM FOCO 2005 A 28 de Junho de 2010 perdeu 1,8 milhões de dormidas entre 2007 e Depois de, entre 2005 e 2007, ter apresentado uma tendência de crescimento nos números de dormidas e de hóspedes,

Leia mais

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 A AECOPS divulga a sua análise do comportamento do mercado imobiliário residencial em 2015, detalhando a evolução das vendas de alojamentos novos e

Leia mais

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS

ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Licenciamento de Obras Dezembro de 2005 1 09 de Fevereiro de 2006 ATENUA-SE TENDÊNCIA DECRESCENTE DO NÚMERO DE EDIFÍCIOS LICENCIADOS Em Dezembro de 2005, atenuou-se a tendência decrescente da variação

Leia mais

estatísticas rápidas - junho de 2012 Nº 86

estatísticas rápidas - junho de 2012 Nº 86 estatísticas rápidas - junho de 212 Nº 86 1/16 Índice A. Resumo B. Consumo de Combustíveis no Mercado Interno C. Consumo e preços de Derivados do Petróleo no Mercado Interno C1. Consumos Globais C2. Gasolina

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte

FICHA TÉCNICA. Presidente António dos Reis Duarte FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Cidade

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

Relatório Diário. 5 de agosto 2016

Relatório Diário. 5 de agosto 2016 Relatório Diário 5 de agosto 2016 1 Relatório Diário 05.08.2016 10:00 Report Highlights Para o dia 05.08.2016 importa destacar: Aumento da temperatura em todo o país. A partir do dia de hoje previsão de

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil Setor Agroalimentar

Mercados. informação estatística. Mercado Brasil Setor Agroalimentar Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Brasil Setor Agroalimentar Outubro 2015 Índice 1. Evolução das exportações portuguesas

Leia mais

Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado

Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado Atividade Turística Janeiro de 2016 16 de março de 2016 Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado Os estabelecimentos hoteleiros registaram 870,7 mil hóspedes e 2,1 milhões de dormidas em janeiro

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

concedidos pelo setor financeiro residente

concedidos pelo setor financeiro residente NOTA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 22 2016 Novas estatísticas sobre empréstimos concedidos pelo setor financeiro residente 22 de fevereiro de 2016 O Banco de Portugal apresenta hoje novas estatísticas sobre

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] O PIB REGIONAL UMA ANÁLISE APLICADA À REGIÃO CENTRO O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador habitualmente utilizado para aferir e comparar o grau de desenvolvimento

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Evolução das Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens eiro a o de 2012 Informação Portugal, 10 de ho de 2012 Evolução das Exportações

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% 06 de janeiro de 2015 Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% A taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade estimada para

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Lisboa, 2 de maio de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores da hotelaria de fevereiro de 2013 Subidas de 3,83% na OCUPAÇÃO POR QUARTO (fixou-se em 41,20%), de 2,86% no REVPAR (fixou-se

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E EQUIPAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E EQUIPAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO Título do Eixo COMÉRCIO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E A - EXPORTAÇÕES Em 2014, Portugal exportou mais de 6.240 milhões de Euros de Produtos e Equipamentos para a Construção, o que equivale a quase 13% das

Leia mais

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial

Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Índice 1. Situação Monetária... 4 1.1. Base Monetária... 4 1.2. Massa Monetária... 5 1.2.1. Crédito à Economia... 6 1.2.2. Activo Externo

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens - eiro a embro (resultados preliminares) Informação Portugal, 7 de eiro de 2011 Comércio Internacional Português em 2010 (eiro a embro)

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas

% 70 54,5. 2 Inclui atividades de inovação abandonadas ou incompletas Principais resultados do CIS 214 - Inquérito Figura 1 Atividades de, CIS 212 - CIS 214 () Comunitário à Inovação 7 6 54,5 53,8 Setembro de 216 5 4 3 41,2 44,6 25,9 28,3 35,2 33,5 33, 32,6 26,1 2 A Direção-Geral

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS

MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS MERCADO NACIONAL VINHOS TRANQUILOS Janeiro a Junho/2015 DADOS PRELIMINARES Análise baseada em dados Nielsen 26 de Agosto de 2015 Elaborado por: DEAI Departamento de Estudos e Apoio à Internacionalização

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. Dez-13. Jun-14. Ago-14. Abr-14. Fev-14 Dez-12 Fev-13 Abr-13 Ago-13 Out-13 Fev-14 Abr-14 Ago-14 Out-14 Fev-15 Abr-15 Ago-15 Out-15 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2015 22 de janeiro de 2016 Taxa de juro 1 manteve

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2015 09 de junho de 2015 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos

Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos Atividade Turística Junho de 2016 16 de agosto de 2016 Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos A hotelaria registou 1,9 milhões de hóspedes e 5,5 milhões de dormidas em junho de 2016, equivalendo

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8%

Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2014 12 de março de 2014 Comércio Internacional de bens: as exportações aumentaram 5,8% e as importações 4,8% As exportações de bens aumentaram 5,8% e as

Leia mais

ELETRICIDADE. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015

ELETRICIDADE. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador JUNHO 2015 Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor. Para mudar de comercializador

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS nas i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 3º Trimestre 2015 Cotações e Preços Introdução Como habitualmente, apresentamos

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

PREÇOS AO BALCÃO - 2004 - ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS

PREÇOS AO BALCÃO - 2004 - ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS PREÇOS AO BALCÃO - 2004 - Realizado por: Cristina Curto Caria Registo de Informação: Paula Gomes Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS INFORMAÇÃO Nº 49 EVOLUÇÃO DO MERCADO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS 2º TRIMESTRE DE - COTAÇÕES E PREÇOS GASOLINA 95, GASÓLEO RODOVIÁRIO E GPL AUTO INTRODUÇÃO

Leia mais

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO 25-213 GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO Equipa de Estudos e Políticas de Segurança Social Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Eventualidades: Insuficiência de recursos,

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

Hotelaria mantém resultados favoráveis em Agosto

Hotelaria mantém resultados favoráveis em Agosto 13 de Outubro de 2011 Actividade Turística Agosto de 2011 Hotelaria mantém resultados favoráveis em Agosto No mês de Agosto de 2011 os estabelecimentos hoteleiros registaram 6 milhões de dormidas, mais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS S i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos em 2014 Cotações e Preços Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Conta Satélite do Turismo ( ) 1

Conta Satélite do Turismo ( ) 1 Conta Satélite do Turismo (2005-2007) 1 21 de Dezembro de 2007 ACTIVIDADE TURÍSTICA RETOMA EM 2006 E 2007 RITMOS DE CRESCIMENTO ELEVADOS, SUPERIORES AO DO CONJUNTO DA ECONOMIA Após o abrandamento registado

Leia mais

Bélgica Junho Mercado em números

Bélgica Junho Mercado em números Junho 2016 Mercado em números Designação oficial: Reino da Capital: Bruxelas Localização: Europa Ocidental Fronteiras terrestres: 1.297 km com a Alemanha (133 km), França (556 km), Holanda (478 km) e Luxemburgo

Leia mais

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação Neste processo de inquirição foram convidadas a participar todas as escolas públicas e privadas de Portugal continental (807 escolas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS S i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 3º Trimestre de Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15

Taxas de Juro implícitas no Crédito à Habitação por Período de Celebração dos Contratos. abr-15. ago-15. jun-15. fev-15 dez-13 fev-14 abr-14 ago-14 out-14 fev-15 abr-15 ago-15 out-15 fev-16 abr-16 ago-16 out-16 Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação Dezembro de 2016 23 de janeiro de 2017 Taxa de juro 1 continuou

Leia mais

PROVA-MODELO DE EXAME 2

PROVA-MODELO DE EXAME 2 Prova-modelo de Exame 191 PROVA-MODELO DE EXAME I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinale -a com uma cruz sobre a letra correspondente

Leia mais

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança

Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança Principais resultados do estudo de avaliação do nível de satisfação dos turistas no Município de Bragança (Retirado do estudo promovido pela CCDR-N) Introdução A Comissão de Coordenação da Região Norte,

Leia mais

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6%

Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% 11 de dezembro de 2015 Índice de Preços no Consumidor Novembro de 2015 Taxa de variação homóloga do IPC situou-se em 0,6% Em novembro de 2015, a variação homóloga do IPC manteve-se em 0,6%. O indicador

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS

ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS ESTATÍSTICAS DO TURISMO TOURISM STATISTICS 2006-2010 Secretaria Regional do Turismo e Transportes Avenida Arriaga, 18 9004-519 Funchal Madeira Telf: 351-291 211 900 Fax: 351-291 232 151 e-mail: info@madeiratourism.com

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2014 Relatório de Desempenho Controlo de Gestão Junho de 2014. Conteúdo 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 Principais Indicadores... 3 2. DESEMPENHO ECONÓMICO... 4 Comparação com o planeado... 4 Evolução face ao ano

Leia mais

PREÇOS AO BALCÃO - 2003 - ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS

PREÇOS AO BALCÃO - 2003 - ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS, ALDEAMENTOS E APARTAMENTOS TURÍSTICOS PREÇOS AO BALCÃO - 2003 - Realizado por:

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Abril-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de setembro 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS tax free

Leia mais