Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala. Introdução"

Transcrição

1 Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela em Larga Escala LESI - 4º Ano Introdução João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Setembro 2003

2 Programa Introdução e objectivos Com esta disciplina pretende-se que os alunos adquiram competências no domínio da computação paralela em larga escala, relacionadas com o desenvolvimento de aplicações cuja execução se pretende eficiente e eficaz num número elevado de recursos computacionais. Será dada especial ênfase às questões da gestão e distribuição de carga computacional / comunicações e modelação / avaliação / optimização do desempenho das aplicações. Componente Teórica I. Arquitectura dos sistemas de computação o sistemas de memória partilhada e sistemas de memória distribuída. o introdução à GRID (rede mundial de sistema de computação). II. Modelos de programação paralela e linguagens o processos comunicantes e objectos activos. o distribuição de componentes pelos recursos computacionais o mecanismos de especificação de concorrência/paralelismo III. Projecto de aplicações paralelas o gestão eficiente da distribuição de componentes através da medição, modelação, análise e optimização do desempenho o relação custo/benefício de concorrência/paralelismo e sua quantificação (métricas); o adaptação da granularidade da computação/comunicação; o estratégias de distribuição da carga de dados/computação/comunicação. Componente Prática Análise do suporte para multiprocessamento fornecido pelos processadores mais recentes (AMD Hammer e Intel Xeon). Redes de comunicação de elevado desempenho. Clusters de máquinas. Análise de ambientes de programação com suporte a paralelismo: PVM (Parallel Virtual Machine), multithreading (Java/C#), invocação remota de métodos (Java RMI e.net remoting). Desenvolvimento de pequenas aplicações. Projecto: desenvolvimento de uma aplicação paralela de média complexidade (em C/PVM, C#/.Net ou Java RMI), análise de seu desempenho e optimização. Arquitecturas Paralelas I 2 João Luís Sobral 2003

3 Programa Planeamento Aula Matéria Teórica Matéria Prática 1 - Introdução às arquitecturas paralelas/grid Revisão de conceitos de programação Programação em Java 3 - Programação com componentes Componentes em Java Middleware para suporte a componentes distribuídos - Programação concorrente em linguagens orientadas ao objecto - Metodologias de desenvolvimento de aplicações concorrentes/distribuídas/paralelas 7 - Medição e optimização de desempenho Desenvolvimento de aplicações paralelas baseadas em passagem de mensagens.net Remoting (em C#) Java RMI Threads em C#/ Java Desenvolvimento de algoritmos em C# + Remoting / Java Análise de algoritmos em C# + Remoting / Java Programação em PVM (Parallel Virtual Machine) Projecto Projecto Avaliação Um trabalho prático (Projecto de uma aplicação paralela num Cluster de máquinas). Equipa Docente Luís Paulo Peixoto do Santos (Lecciona a parte de MPI) João Luís Ferreira Sobral (Docente responsável, lecciona os restantes assuntos) ext. 4439) Bibliografia G. Andrews. Multithreaded, Parallel and Distributed Programming, Addison- Wesley, I. Foster. Designing and Building Parallel Programs, Addison-Wesley, I. Rammer, Advanced.NET Remoting, A Press, Pré-requisitos Conhecimentos de C e Java Arquitecturas Paralelas I 3 João Luís Sobral 2003

4 Futuro da Arquitectura de Computadores TOP 500 (os mais potentes computadores do mundo Rank Manufacturer Computer/Procs 1 NEC Earth-Simulator/ Hewlett-Packard ASCI Q - AlphaServer SC ES45/1.25 GHz/ Hewlett-Packard ASCI Q - AlphaServer SC ES45/1.25 GHz/ IBM ASCI White, SP Power3 375 MHz/ Linux NetworX MCR Linux Cluster Xeon 2.4 GHz - Quadrics/ 2304 R max R peak Installation Site Country/Year Earth Simulator Center Japan/2002 Los Alamos National Laboratory USA/2002 Los Alamos National Laboratory USA/2002 Lawrence Livermore National Laboratory USA/2000 Lawrence Livermore National Laboratory USA/ Hewlett-Packard AlphaServer SC ES45/1 GHz/ Commissariat a l'energie Atomique France/ IBM SP Power3 375 MHz/ EDINFOR Portugal/2002 Computer Family Computer Type NEC Vector SX6 Compaq AlphaServer Al.Se.-Cluster Compaq AlphaServer Al.Se.-Cluster IBM SP SP Power3 375 MHz high node NOW - Intel NOW Cluster - Intel Compaq AlphaServer Al.Se.-Cluster IBM SP SP Power3 375 MHz Evolução versus revolução Microprogramação Pipelining Superescalaridade Caches Timeshared Memória Virtual RISC VLIW (EPIC) CC-UMA CC-NUMA Not-CC-NUMA Passagem de Mensagens GRID/Internet SIMD Evolução ILP Multithreading Processos comunicantes Revolução Os processadores actuais exploram paralelismo ao nível da instrução de forma transparente Uma revolução obriga à alteração da forma de pensar dos programadores Ênfase de API (programação deste tipo de arquitecturas Arquitecturas Paralelas I 4 João Luís Sobral 2003

5 Futuro da Arquitectura de Computadores VLIW (Very Long Instruction Word) O escalonamento dinâmico incrementa de forma considerável a complexidade do Hardware. VLIW efectua um escalonamento estático, sendo o compilador responsável por indicar as instruções que podem ser realizadas em paralelo. => tem-se revelado um fracasso O formato de instrução indica as operações que são realizadas em paralelo por cada unidade funcional. Exemplo IA-64: 128 bits Instrução 2 Instrução 1 Instrução 0 Template Opcode PR REG REG REG bits Limitações de VLIW 1. O código gerado tende a ser de maior dimensão, porque é necessário inserir nop nos campos da instrução não preenchidos. 2. Compatibilidade de código entre gerações dos mesmo processador uma vez que tende a expor a arquitectura interna do processador 3. É mais penalizado com stalls que o escalonamento dinâmico EPIC IA-64 / Itanium 64 registos de inteiros + 64 registos FP, ambos com 64 bits 3 instruções em 128 bits (LIW?) - menos bits que VLIW clássico, produzindo código mais compacto - possibilidade de ligação entre os vários grupos de instruções Verificação de dependências em HW => compatibilidade de código Arquitecturas Paralelas I 5 João Luís Sobral 2003

6 Futuro da Arquitectura de Computadores Hyper-Threading (Intel) A adição de mais unidades funcionais nos processadores actuais não conduz a ganhos significativos de desempenho. O processador tem a capacidade de simular vários processadores (CC-NUMA) ou pode executar vários fios de execução em simultâneo. => baseia-se mais no paralelismo ao nível dos fios de execução ou dos processos e menos paralelismo ao nível da instrução. Implica um aumento de <5% de transistores por processador e pode conduzir a ganhos no desempenho até 35% (Xeon actuais, com grau 2). Os ganhos de desempenho são proporcionados por uma utilização mais eficiente dos recursos: Unidade Funcional Super-escalar Multi-processador (2 vias) Hyper-Threading Ciclos de relógio 1 processador = 2 processadores? Não porque parte dos recursos do processador não são duplicados (i.é., são divididos pelos vários fios de execução) (caches, registos internos, buffers internos, etc.) Arquitecturas Paralelas I 6 João Luís Sobral 2003

7 Futuro da Arquitectura de Computadores Hammer (AMD com 64 bits) Estende o IA-32 para 64 bits: A pipeline possui mais dois estágios (12 contra 10) que a arquitectura K7 (Athlon XP) Integra o controlador de memória do próprio chip e 2 ligações externas (Hyper Transport) para ligação a outros processadores. O Hyper Transport permite a ligação até 8 processadores sem recurso a componentes adicionais: 4 vias 8 vias A configuração multiprocessador assemelha-se mais ao tipo CC-NUMA, uma vez que cada processador possui o seu controlador de memória e a largura de banda disponível para a memória local é superior à disponibilizada pelo Hyper Transport, embora a velocidade do Hyper Transport escale com a velocidade do processador Arquitecturas Paralelas I 7 João Luís Sobral 2003

8 Arquitecturas Paralelas Memória partilhada centralizada (CC-UMA, CC-NUMA) Vários processadores partilham um barramento de acesso à memória As caches de cada processador contribuem para reduzir o tráfego no barramento e a latência dos acessos à memória um valor pode estar replicado em vários sítios => são necessários mecanismos para assegurar a coesão entre as caches dos vários processadores e a memória A largura de banda de acesso à memória é partilhada pelos vários processadores => limitação à escalabilidade deste tipo de arquitectura P ro c e s so r P r o c e s s or P r o ce ss o r C ach e Cach e C a c he S ing l e bus Mem or y I / O Conectados por uma rede de interligação (CC-NUMA, passagem de mensagens) Os sistemas interligados por um barramento tendem a limitar o número de processadores que efectivamente podem ser ligados A alternativa reside na utilização de uma rede dedicada à interligação dos vários processadores, possuindo cada processador a sua memória dedicada P ro c e s so r P r o c e s s or P r o ce ss o r C ach e Cach e C a c he M e m o ry Mem ory Me mo r y Net w o r k Arquitecturas Paralelas I 8 João Luís Sobral 2003

9 Arquitecturas Paralelas Clusters de máquinas Constituídos pode HW normal, interligados por uma rede de alta velocidade (Gbit/s com baixa latência) Cada nodo de processamento pode ser uma máquina de memória partilhada com vários processadores Cada nodo possui uma cópia do SO Alta disponibilidade: quando falha uma máquina basta substituí-la por outra Custos de administração na ordem do número de máquinas Exemplo (Cluster investigação da Universidade do Minho ) CPU 8 Processador Athlon MP Freq. Relógio 1533 MHz Memória Máxima 16 GB Comunicação 250 MB/s, 5us (2,0 Gbit/s) Nodos Máximo de nodos 2-way 4 GRID Pode ser a próxima geração da internet "A computational grid is a hardware and software infrastructure that provides dependable, consistent, pervasive, and inexpensive access to high-end computational capabilities.", Foster "coordinated resource sharing and problem solving in dynamic, multi-institutional virtual organizations., Foster and Al, A partilha de recursos é altamente controlada, com os fornecedores e os utilizadores dos recursos a definirem claramente o que é partilhado, que está autorizada a utilizar cada recurso e em que condições a partilha ocorre. a coordenação de recursos não deve ser centralizada (os vários recursos encontram-se em domínios diferentes) deve utilizar protocolos standard e abertos deve fornecer vários níveis, não triviais, de serviço requer novos paradigmas de programação? (os recursos dinâmicos, altamente heterogéneos e sujeitos a grandes variações de desempenho) pode tornar, a longo prazo, os supercomputadores dispensáveis? Arquitecturas Paralelas I 9 João Luís Sobral 2003

10 Arquitecturas Paralelas GRID (continuação) Tecnologias para desenvolvimento de aplicações para a GRID Exemplo de uma aplicação da GRID (Science Portal) Arquitecturas Paralelas I 10 João Luís Sobral 2003

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho. Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.pt/lesi/ap1 1 Computação paralela Resultados da Aprendizagem Conceber, implementar

Leia mais

Paradigmas de Computação

Paradigmas de Computação UCE- Computação Paralela e Distribuída Paradigmas de Computação João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://alba.di.uminho.pt/... 1 Paradigmas de Computação Paralela Resultados da Aprendizagem!

Leia mais

Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída)

Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída) Sistemas de Computação e Desempenho (UCE Computação Paralela Distribuída) Arquitecturas Multi-Core João Luís Ferreira Sobral jls@... 9-Dez-2008 Hierarquia processador-memória Organização dos diversos níveis

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Multiprocessadores

Arquitectura de Computadores II. Multiprocessadores Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Multiprocessadores João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Uma forma lógica de aumentar o desempenho de uma

Leia mais

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 1 Processadores Computador Processador ( CPU ) Memória E/S Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 2 Pastilha 3 Processadores (CPU,, Microcontroladores)

Leia mais

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro Sistemas MIMD Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas Paralelas (SISD) Single Instruction Stream, Single Data Stream: Monoprocessador

Leia mais

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.

Arquitecturas Paralelas I. Computação Paralela. João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho. Arquitecturas Paralelas I Computação Paralela João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... http://gec.di.uminho.pt/lesi/ap1 1 Computação paralela Resultados da Aprendizagem Desenvolver aplicações

Leia mais

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64

Arquitecturas Alternativas. Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Arquitecturas Alternativas Pipelining Super-escalar VLIW IA-64 Pipeline de execução A execução de uma instrução passa por várias fases: Vimos o ciclo: fetch, decode, execute fetch decode execute instrução

Leia mais

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações Introdução aos Sistemas de Computação (6) Análise de componentes num computador Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador 2. Organização e estrutura interna dum computador 3.

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Maio de 2006 Introdução 2 Porquê?...........................................................................................

Leia mais

Microarquiteturas Avançadas

Microarquiteturas Avançadas Univ ersidade Federal do Rio de Janei ro Info rmátic a DCC/IM Arquitetura de Computadores II Microarquiteturas Avançadas Gabrie l P. Silva Introdução As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Cap. 5 - Microprocessadores

Cap. 5 - Microprocessadores Cap. 5 - Microprocessadores Arquitectura de Computadores 2010/2011 Licenciatura em Informática de Gestão Dora Melo (Responsável) Originais cedidos gentilmente por António Trigo (2009/2010) Instituto Superior

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0

COMPUTAÇÃO PARALELA. uma visão geral. Guilherme Galante. v.2.0 COMPUTAÇÃO PARALELA uma visão geral Guilherme Galante v.2.0 Guilherme Galante Bacharel em Informática Unioeste (2003) Mestre em Ciência da Computação UFRGS (2006) Professor Assistente do curso de Informática/Ciência

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados

Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Symmetric Multiprocessing Simultaneous Multithreading Paralelismo ao nível dos dados Luís Nogueira luis@dei.isep.ipp.pt Departamento Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto SMP,

Leia mais

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso CPU Unidade Central de Processamento História e progresso O microprocessador, ou CPU, como é mais conhecido, é o cérebro do computador e é ele que executa todos os cálculos e processamentos necessários,

Leia mais

Parallel Computing Paradigms

Parallel Computing Paradigms João Luís Ferreira Sobral www.di.uminho.pt/~jls jls@... Web: Elearning 1 At the end of the course, students should be able to: Design and optimise parallel applications that can efficiently run on a wide

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2

Arquitetura e Organização de Computadores 2 Arquitetura e Organização de Computadores 2 Escalonamento Estático e Arquiteturas VLIW Dynamic Scheduling, Multiple Issue, and Speculation Modern microarchitectures: Dynamic scheduling + multiple issue

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra pmarques@dei.uc.pt Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Estrutura e funcionamento de um sistema informático

Estrutura e funcionamento de um sistema informático Estrutura e funcionamento de um sistema informático 2006/2007 Sumário A constituição de um sistema informático: hardware e software. A placa principal. O processador, o barramento e a base digital. Ficha

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

O Processador Intel Itanium II

O Processador Intel Itanium II O Processador Intel Itanium II Claudio Schepke 1 Instituto de Informática Universidade Federal do Rio Grande do Sul Caixa Postal 15064 90501-970 Porto Alegre, RS cschepke@inf.ufrgs.br Resumo. A construção

Leia mais

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Princípios de sistemas operativos Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Agenda objectivos de um computador objectivos de um sistema operativo evolução dos sistemas operativos tipos de sistemas

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas

Capítulo 9. Arquitecturas Reais e Alternativas Capítulo 9 Arquitecturas Reais e Alternativas Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Ábaco (3000 AC) do Lat. abacu < Gr. abax, quadro,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

Capítulo 8. Software de Sistema

Capítulo 8. Software de Sistema Capítulo 8 Software de Sistema Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos Conhecer o ciclo de desenvolvimento da linguagem Java

Leia mais

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore

Ricardo Gonçalves 2013/2014. Arquitecturas Multicore Ricardo Gonçalves 2013/2014 Arquitecturas Multicore Outline Introdução Processador Multi-core: o que é? Do multi-processador ao multi-core Evolução dos processadores multi-core Arquitecturas multi-core

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs

Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Computação Heterogênea Programação paralela, clusters e GPUs Profa. Dra. Denise Stringhini (ICT- Unifesp) Primeiro Encontro do Khronos Chapters Brasil Belo Horizonte, 20/09/2013 Conteúdo Computação heterogênea:

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA)

PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) PROCESSADOR CELL BROADBAND ENGINE (MECANISMO DE BANDA LARGA) SACCA, Juliana 1 ; KOYAMA, Julio César Hiroshi 2 ; TAMAE, Yoshio Rodrigo 3, MUZZI, Fernando Augusto Garcia 3. 1 Acadêmico do Curso de Sistemas

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III)

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III) SIS17 - Arquitetura de Computadores Introdução (Parte III) Espectro Computacional (Visão Geral) Servidor Estações de Trabalho Mainframe Supercomputador TIPO Computadores de uso comum (pequenos chips) Computadores

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Classificação de Sistemas Distribuídos e Middleware Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores As empresas mais antigas e ainda hoje no mercado que fabricam CPUs é a Intel, AMD e Cyrix.

Leia mais

Arquiteturas que Exploram Paralismos: VLIW e Superscalar. Ch9 1

Arquiteturas que Exploram Paralismos: VLIW e Superscalar. Ch9 1 Arquiteturas que Exploram Paralismos: VLIW e Superscalar Ch9 1 Introdução VLIW (Very Long Instruction Word): Compilador empacota um número fixo de operações em uma instrução VLIW As operações dentro de

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos

Arquitectura de Computadores II. Interface com Periféricos Arquitectura de Computadores II LESI - 3º Ano Interface com Periféricos João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Janeiro 2002 Aspecto frequentemente relegado para segundo

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Conceitos de Hardware Conceitos de Software Combinações de SW e HW 3 Sistemas Distribuídos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Hardware Fundamental

Hardware Fundamental Hardware Fundamental Arquitectura de Computadores 10º Ano 2006/2007 Unidade de Sistema Um computador é um sistema capaz de processar informação de acordo com as instruções contidas em programas. Na década

Leia mais

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1

Informática I. Aula 5. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Informática I Aula 5 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 5-13/05/2006 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores

Infraestrutura de Hardware. Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores Infraestrutura de Hardware Revisão Pipeline, Superescalar e Multicores Pipeline Pipeline é uma técnica que visa aumentar o nível de paralelismo de execução de instruções ILP (Instruction-Level Paralellism)

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

Sistemas Embarcados: uma Visão Geral. byprof Edson Pedro Ferlin

Sistemas Embarcados: uma Visão Geral. byprof Edson Pedro Ferlin Sistemas Embarcados: uma Visão Geral Semicondutores Mainstream Silicon Application is switching every 10 Years standard hardwired The Programmable System-on-a-Chip is the next wave procedural programming

Leia mais

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas

Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos e Ferramentas 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Desenvolvimento de Programas Paralelos para Máquinas NUMA: Conceitos

Leia mais

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software

...de forma confiável, consistente, económica. Permite- nos acesso a grandes capacidades. Infra-estrutura de hardware e software Grid computing: O futuro ou a reinvenção da roda? Paulo Trezentos (Paulo.Trezentos@iscte.pt) Algos / INESC-ID 17/12/2002 Agenda Necessidade Enquadramento Grids Standards Implementações Características

Leia mais

Intel Pentium 4 vs Intel Itanium

Intel Pentium 4 vs Intel Itanium Intel Pentium 4 vs Intel Itanium Tiago Manuel da Cruz Luís Instituto Superior Técnico Grupo 10 53871 tmcl@mega.ist.utl.pt João Miguel Coelho Rosado Instituto Superior Técnico Grupo 10 53929 jmcro@mega.ist.utl.pt

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS ARQUITETURAS OPTERON E ITANIUM

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS ARQUITETURAS OPTERON E ITANIUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES II ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS ARQUITETURAS

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos:

O sucesso alcançado pelos computadores pessoais fica a dever-se aos seguintes factos: O processador 8080 da intel é tido como o precursor dos microprocessadores, uma vez que o primeiro computador pessoal foi baseado neste tipo de processador Mas o que significa família x86? O termo família

Leia mais

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas Óbidos MÓDULO 769 Arquitectura interna do computador Carga horária 25 2. PROCESSADOR (UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO CPU) Formadora: Vanda Martins 3 O processador

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Multi-núcleos Programação de Sistemas Core : 1/19 Introdução (1) [Def] núcleo ( core ) é uma unidade de processamento. O multicore (Dual, Quad,...) possui 2 ou mais núcleos que

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006

Organização de Computadores 2005/2006 Organização de Computadores 2005/2006 Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Fevereiro de 2006 Informação 2 Docentes..................................................................... 3 Avaliação.....................................................................

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet

PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet PADI Plataformas para Aplicações Distribuídas na Internet Apresentação Prof. Luís Veiga IST/INESC-ID https://fenix.ist.utl.pt/lerci-pb/disciplinas/padi pb/disciplinas/padi https://fenix.ist.utl.pt/leic-taguspark

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Operating System Concepts, Abraham Silberschatz, Peter Baer Galvin, 6ª Ed., Addison-Wesley, 2002 [cap.1, 2 e 3] Operating Systems, Third Edition Harvey M. Deitel, Prentice

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura

7-1. Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-1 Parte 6 Otimizações da Arquitetura 7-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Andrew S. Tanenbaum, Modern Operating Systems [3] William

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA AULA 02. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

INFORMÁTICA BÁSICA AULA 02. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 02 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 04/06/2014 2 SUMÁRIO O computado Componentes

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

U E S C. Introdução à Ciência da Computação

U E S C. Introdução à Ciência da Computação U E S C Introdução à Ciência da Computação Roteiro Unidades componentes de hardware CPU UC; ULA; Cache; Registradores. Introdução Informática é a ciência que desenvolve e utiliza a máquina para tratamento,

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; 20 bits

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Aplicações em rede de computadores As redes de computadores atualmente estão em todos os lugares. Ex.: Internet, redes de telefones móveis, redes corporativas, em fábricas,

Leia mais