Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos"

Transcrição

1 Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da luz Redução do tamanho dos transistores => efeitos quânticos Paralelismo: Nível de instrução => pipeline, estrutura superescalar => fator de 10 Nível de CPUs => fator acima de Características de Computadores Paralelos Natureza, tamanho e quantidade de elementos de processamento? Simples ULA ou CPU completa Pequena porção de um chip ou grande quantidade de circuitos por elemento de processamento Quanto menor o elemento de processamento, maior a quantidade de elementos que podem ser colocados em paralelo. Natureza, tamanho e quantidade de módulos de memória? Memória geralmente dividida em módulos, independentes, em paralelo. KB a MB Integradas próximas às CPUs ou em uma placa distinta Memória geralmente mais lenta do que a CPU => até quatro níveis de cache Como os elementos e processamento e memória são conectados? Principal diferença dos computadores paralelos Dois modelos principais: Estático: Os elementos são conectados de maneira fixa: estrela, anel, malha Dinâmico: elementos conectados por um chaveador de rede que faz o roteamento dinâmico das mensagens entre os componentes. Como ocorre a execução em paralelo? Computadores paralelos projetados para executar independentemente vários programas, simultaneamente => programas não conectados e sem comunicação entre eles => vários usuários. Computadores paralelos projetados para executar um único programa composto por vários processos => único usuário. Computadores com pipeline muito profunda ou com várias ULAs operando com a mesma instrução ao mesmo tempo => processamento vetorial. 147

2 Granulosidade: Refere se aos algoritmos e software => analogia direta com o hardware Paralelismo de grãos grandes: execução de grandes partes de software com pouca ou nenhuma conexão entre elas. Paralelismo de grãos pequenos: extremo oposto, tal como no processamento vetorial. Sistemas com poucas CPUs independentes e grandes que possuem conexões de baixa velocidade entre as CPUs => sistemas pouco acoplado. Sistemas cujos componentes são pequenos, próximos um dos outros e com interação constante, com redes de comunicação de alta velocidade => sistemas altamente acoplados Modelos de Comunicação Multiprocessadores Sistema de memória compartilhada As CPUs compartilham uma memória comum Todos os processos executados em um multiprocessador podem compartilhar um único espaço de memória virtual mapeado na memória comum. Troca de dados entre processos => leitura e escrita na memória comum. Multicomputadores 148

3 Sistema de memória distribuída Cada CPU possui sua própria memória, não acessível às outras CPUs. Geralmente pouco acoplados. Possuem um único espaço físico de memória para cada CPU. Troca de informação entre processos => envio de mensagens usando uma rede de conexão. Software mais complicado do que em um multiprocessador Necessária a divisão dos dados e envio para as unidades de processamento Multicomputadores grandes são muito mais fáceis e baratos de serem construídos. 149

4 Multiprocessadores: difíceis de serem construídos mas fáceis de serem programados Multicomputadores: fáceis de serem construídos mas difíceis de serem programados => Sistemas híbridos: Projetos escalonáveis => adição de CPUs com a manutenção da performance. Memória compartilhada implementada em hardware: multiprocessador Memória compartilhada implementada pelo sistema operacional: busca de páginas em memória remota e não do disco Memória compartilhada implementada pelo compilador e sistema de tempo real: abstração de memória compartilhada Redes de Conexão 150

5 Redes de conexão podem conter até cinco componentes: CPUs Módulos de memória Interfaces Links Switches Interfaces: elementos da que "pegam" as mensagens de e para as CPUs e memória. Geralmente um CI ou placa conectada a cada barramento local de cada CPU. Links: canais físicos nos quais os bits são movimentados Podem ser simplex, half duplex ou full duplex. Switches: dispositivos com várias portas de entrada e várias portas de saída: utilizado para fazer o roteamento de pacotes. Topologia Descreve como os links e switches estão conectados Fanout: número de links conectados a um dado nó. Diâmetro: Maior distância entre dois nós dada pelo número de links que devem ser utilizados para a conexão. Largura de faixa de duas seções: menor largura de faixa dos links removidos para se formar duas seções com mesmo número de nós. Dimensão: determinada pelo número de escolhas que existem para sair de uma fonte e chegar a um dado destino => dimensão zero: apenas um caminho. 151

6 152

7 Chaveamento Aceita pacotes de qualquer porta de entrada, enviando o para a porta de saída adequada. Chaveamento de circuito: Antes do envio do pacote todo o caminho da fonte para o destino é reservado. Chaveamento de pacotes por armazenamento e envio: A fonte envia todo o pacote para a switch, onde ele é armazenado. Depois de armazenado a switch o envia para outra switch e assim sucessivamente. Necessidade de buffers: Buffer de entrada: Associados com a porta de entrada. Implementado como FIFO. Pode gerar um bloqueio de cabeça de linha (head of line blocking) Buffer de saída: Associados com a porta de saída. Buffer comum: única fila de buffers alocados dinamicamente para cada porta. 153

8 Algoritmos de Roteamento Redes com dimensão um ou mais: escolha do caminho a ser percorrido. Deadlock: vários pacotes transitando no mesmo tempo solicitam recursos de tal forma que nenhum deles é atendido, permanecendo bloqueados. Roteamento pela fonte: a fonte determina toda a rota a ser percorrida. Roteamento distribuído: cada switch determina para qual porta o pacote de chegada deve ir. Estático: mesma escolha para um dado destino Adaptativo Performance Medições de Hardware Velocidade da CPU e I/O: iguais a um único processador Performance da rede de conexão: Latência: tempo de uma CPU enviar um pacote e receber a resposta Largura de faixa: Largura de faixa de duas seções Largura de faixa agregada: soma de todas as capacidades de todos os links Largura de faixa média de saída de cada CPU Medições de Software Velocidade: Quanto mais rápido um programa é executado em um sistema com n processadores do que em um com um único processador. 154

9 Alcançando Grandes Performances Adição de mais CPUs evitando gargalos Sistema escalonável: possibilidade de adicionar CPUs aumentando o poder de computação. Manutenção da largura de faixa média por CPU Manutenção do tempo de latência Técnicas para "esconder" o tempo de latência: Cópia de blocos de dados Prefetching Multithreading Instruções não bloqueantes Software Arquitetura paralela => software paralelo Inclusão de bibliotecas numéricas especiais => apenas algumas funções utilizarão os recursos da computação paralela Inclusão de bibliotecas de comunicação e controle => responsabilidade do programador em criar e gerenciar o paralelismo dos processos. Inclusão de construções especiais em linguagens de programação já existentes Criação de uma nova linguagem especial para processamento paralelo. Modelos de Controle Uma linha de controle: Existe um único programa e um único PC, mas vários conjuntos de dados Múltiplas linhas de controle: Existem vários programas, cada um com o seu próprio PC e seu próprio conjunto de dados. 155

10 Granulosidade do Paralelismo Nível mais baixo: Instruções de máquina em paralelo Superescalar: Programador sem consciência do paralelismo Paralelismo a nível de bloco: Programador controla quais comandos devem ser executados seqüencialmente e quais devem ser executados em paralelo. Threads ou Processos Leves: Executados dentro do espaço de endereçamento do processo principal. Cada thread possui seu próprio PC, registradores e pilha, mas compartilham o resto do espaço de endereçamento. Múltiplos processos: Vários processos para resolver um mesmo problema. Paradigmas Computacionais SPMD: Single Program Multiple Data: Uma linha de controle para vários conjuntos de dados Pipeline: Um processo utiliza o dado do processo antecessor. Computação por fases: Vários processos em paralelo, antes de passar para a próxima fase o processo espera até que todos os demais tenham terminado Dividir e Conquistar: Um processo inicia o trabalho e cria outros processos a medida que ele puder passar algum trabalho para eles Replicated Worker ou Task farm: Existência de uma fila de trabalhos a serem executados. Cada processo retira um trabalho da fila e o executa. Métodos de Comunicação Comunicação por variáveis compartilhadas: todos os processos possuem acesso a uma determinada área de memória lógica Comunicação por mensagens: utilização de primitivas para o envio e recebimento de mensagens. Mensagem ponto a ponto: um emissor e um receptor Broadcasting: um emissor e vários receptores (todos os processos) Multicasting: um emissor e vários receptores (alguns processos) 156

11 Primitivas de Sincronização Exclusão mútua: Necessária para impedir que algum processo tente ler um dado enquanto outro processo escreve o dado. Semáforos, travas, mutexes, seções críticas Barreira: Capacidade do processo se bloquear até que uma determinada fase do trabalho esteja completa Taxinomia de Computadores Paralelos Categorização de arquiteturas paralelas: Proposta de Flynn Multiprocessadores UMA: Uniform Memory Acess: Cada CPU possui o mesmo tempo de acesso a cada módulo de memória. NUMA: NonUniform Memory Acess: O tempo de acesso de cada CPU varia em função do módulo de memória acessado. COMA: Cache Only Memory Acess: Memória principal de cada CPU utilizada como cache. Multicomputadores (ou NORMA NO Remote Memory Acess) 157

12 MPP: Massively Parallel Processors: Várias CPUs muito acopladas por uma rede proprietária de alta velocidade. COW Cluster of Workstations ou NOW Network of Workstations: Vários PCs ou workstations conectados em rede padrão, comercial Computadores SIMD Uma única unidade de controle que executa a mesma instrução em múltiplos dados Processador matricial Uma única unidade de controle fornece os sinais que comandam vários elementos de processamento. Características: Tipo do elemento de processamento Maneira como os elementos de processamento são conectados Qual a autonomia dos elementos de processamento Processadores Vetoriais 158

13 Funções: ULA vetorial: Combinação de processamento vetorial com pipeline: Ausência de saltos quando se opera com vetores => não existem "buracos" na pipeline. 159

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 6 - ARQUITETURAS AVANÇADAS DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO As arquiteturas dos processadores têm evoluído ao longo dos anos, e junto com ela o conceito de arquitetura avançada tem se modificado. Nos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Memória compartilhada (shared memory): - o espaço de endereçamento é único; - comunicação através de load e store nos endereços de memória.

Memória compartilhada (shared memory): - o espaço de endereçamento é único; - comunicação através de load e store nos endereços de memória. 4. Arquiteturas ID áquinas ID (ultiple Instruction ultiple Data) são arquiteturas caracterizadas pela execução simultânea de múltiplos fluxos de instruções. Essa capacidade deve-se ao fato de que são construídas

Leia mais

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 2 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES 2.1 Organização de um Computador Típico : Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing Unit): Executa programas armazenados na memória, interpretando

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA DE UM COMPUTADOR Uma Unidade Central de

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Conceitos HW e SW Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Conceitos de Hardware Conceitos de Software Combinações de SW e HW 3 Sistemas Distribuídos

Leia mais

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP

Multicomputadores. Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Multicomputadores Introdução Vimos que existem dois tipos de processadores paralelos MIMD: Multiprocessadores. Multicomputadores. Nos multiprocessadores, existe uma memória compartilhada que pode ser acessada

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES

ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) LCAD. Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004. Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES ALGORÍTMOS PARALELOS (Aula 2) Neyval C. Reis Jr. OUTUBRO/2004 LCAD Laboratório de Computação de Alto Desempenho DI/UFES Programa do Curso LCAD 1. Introdução 2. Arquitetura de Computadores 3. Arquiteturas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro

Sistemas MIMD. CES-25 Arquiteturas para Alto Desmpenho. Paulo André Castro Sistemas MIMD Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Arquiteturas Paralelas (SISD) Single Instruction Stream, Single Data Stream: Monoprocessador

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br RELAÇÃO ENTRE PROGRAMAÇÃO E ARQUITETURA

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Execução de Programas Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CPU (Central Processing Unit) é o coordenador de todas as atividades

Leia mais

Máquinas Multiníveis

Máquinas Multiníveis Infra-Estrutura de Hardware Máquinas Multiníveis Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Classificação de arquiteturas Tendências da tecnologia Família Pentium

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros email@hugobarros.com.br Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br RISC X SISC RISC: Reduced Instruction Set Computer Nova Tecnologia para máquinas de alta performance; Máquina com um conjunto

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo

Professores: Aula 10. Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins. Conteúdo: Arquiteturas Avançadas. - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 1 Professores: Aula 10 Lúcia M. A. Drummond Simone de Lima Martins Conteúdo: Arquiteturas Avançadas - Arquiteturas RISC - Processamento Paralelo 2 Arquiteturas RISC Reduced Instruction Set Computer se

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Processos e Threads Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula 2 Gerenciamento de Processos Threads Aplicações com múltiplas Threads Concorrência e Compartilhamento

Leia mais

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn

Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn Introdução às arquiteturas paralelas e taxonomia de Flynn OBJETIVO: definir computação paralela; o modelo de computação paralela desempenhada por computadores paralelos; e exemplos de uso da arquitetura

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

slide 0 Algoritmos Paralelos

slide 0 Algoritmos Paralelos slide 0 Algoritmos Paralelos Slide 2 Demanda por Velocidade Computational Demanda contínua por maior rapidez computational das máquinas que as atualmente disponíveis. As áreas que exigem maior rapidez

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Sistema de Computação

Sistema de Computação Sistema de Computação Máquinas multinível Nível 0 verdadeiro hardware da máquina, executando os programas em linguagem de máquina de nível 1 (portas lógicas); Nível 1 Composto por registrados e pela ALU

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

7 Processamento Paralelo

7 Processamento Paralelo 7 Processamento Paralelo Yes, of course, who has time? Who has time? But then if we do not ever take time, how can we ever have time? (The Matrix) 7.1 Introdução Classificação de Sistemas Paralelos Diversas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução

Arquitetura e Organização de Computadores. Capítulo 0 - Introdução Arquitetura e Organização de Computadores Capítulo 0 - Introdução POR QUE ESTUDAR ARQUITETURA DE COMPUTADORES? 2 https://www.cis.upenn.edu/~milom/cis501-fall12/ Entender para onde os computadores estão

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação

TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação TABELA DE EQUIVALÊNCIA FECOMP Curso de Engenharia de Computação Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 66303 ESTRUTURA DE DADOS I 68/0 ENG. DE

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo

Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Organização de Computadores 2005/2006 Processamento Paralelo Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Maio de 2006 Introdução 2 Porquê?...........................................................................................

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas:

Paralelismo. Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: Computadores de alto-desempenho são utilizados em diversas áreas: - análise estrutural; - previsão de tempo; - exploração de petróleo; - pesquisa em fusão de energia; - diagnóstico médico; - simulações

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos Módulo 4: Processos Conceito de Processo Escalonamento de processos Operações sobre processos Processos cooperantes Comunicação entre processos 4.1 Conceito de Processo Um Sistema Operacional executa uma

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento CPU - Significado CPU Central Processing Unit Unidade Central de Processamento CPU - Função Na CPU são executadas as instruções Instrução: comando que define integralmente uma operação a ser executada

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO AO PARALELISMO: PROCESSADORES SUPERESCALARES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Compreender o funcionamento da Arquitetura Superpipeline Compreender

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES

20/09/2009 TRANSFORMANDO DADOS EM. PROCESSANDO DADOS George Gomes Cabral SISTEMAS NUMÉRICOS INFORMAÇÕES TRANSFORMANDO DADOS EM INFORMAÇÕES Em geral, parece que os computadores nos entendem porque produzem informações que nós entendemos. Porém, tudo o que fazem é reconhecer dois estados físicos distintos

Leia mais

QUESTÃO 1 Com relação à arquitetura de processadores RISC (Reduced Instruction Set Computer), julgue os itens a seguir.

QUESTÃO 1 Com relação à arquitetura de processadores RISC (Reduced Instruction Set Computer), julgue os itens a seguir. QUESTÃO 1 Com relação à arquitetura de processadores RISC (Reduced Instruction Set Computer), julgue os itens a seguir. I A velocidade de processadores RISC é, geralmente, maior que a de processadores

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Threads e Migração de Processos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Referências Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Capítulo 9 Seções 9.1 a 9.3 Distributed Systems: concept

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.

Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica. Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi. Universidade Federal do Piauí Centro de Tecnologia Curso de Engenharia Elétrica Arquiteturas de Computadores Prof. Marcos Zurita zurita@ufpi.edu.br www.ufpi.br/zurita Teresina - 2012 1. Arquiteturas de

Leia mais

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo

Módulo 4: Processos. Conceito de Processo. Diagrama de Estados de Processos. Estados de Processo Módulo 4: Processos Conceito de Processo Conceito de Processo Escalonamento de Processos Operações com Processos Processos Cooperativos Comunicação entre Processos Um sistema operacional executa uma variedade

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Operacionais Histórico e Estruturas Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Histórico de SOs Tipos de SOs Estruturas de SOs 2 Histórico de SOs Baseado em Francis Machado e Luiz

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA

BARRAMENTO DO SISTEMA BARRAMENTO DO SISTEMA Memória Principal Processador Barramento local Memória cachê/ ponte Barramento de sistema SCSI FireWire Dispositivo gráfico Controlador de vídeo Rede Local Barramento de alta velocidade

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina

Arquitetura e Organização de Computadores 2. Apresentação da Disciplina Arquitetura e Organização de Computadores 2 Apresentação da Disciplina 1 Objetivos Gerais da Disciplina Aprofundar o conhecimento sobre o funcionamento interno dos computadores em detalhes Estudar técnicas

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais