Parâmetros da conexão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parâmetros da conexão"

Transcrição

1 Introdução Os primeiros modems ADSL ofereciam apenas a função básica, que é modular o sinal, permitindo que um PC ligado a ele possa acessar a web. Com o passar do tempo, a popularização da tecnologia e o barateamento dos componentes possibilitaram o lançamento de modems com cada vez mais recursos, incluindo funções de roteador, firewall, suporte a QoS e outros recursos, que hoje em dia são padrão mesmo nos modelos mais baratos. Não seria viável ter que instalar um teclado, mouse e monitor no modem ADSL para ter acesso à interface de configuração. Em vez disso, o modem inclui um mini-servidor web, que disponibiliza um conjunto de páginas web com as opções disponíveis. Como não existe uma interface de configuração padrão para modems ADSL, cada fabricante apresenta as funções de um jeito diferente, o que, combinado com a fraca documentação e o fraco suporte prestado pelas operadoras e pelos provedores de acesso, faz com que a configuração dos modems ADSL pareça mais complicada do que realmente é. Vamos então a um resumo das opções disponíveis e alguns exemplos de configuração: O básico O modem ADSL pode ser configurado através de uma interface de configuração, que fica acessível por padrão apenas a partir da rede local. Em primeiro lugar, crie a comunicação física entre o PC e o modem, ligando-os através de um cabo cross-over ou um hub/switch. O modem vem de fábrica com um endereço IP padrão, como, por exemplo, ou e uma senha de acesso simples, como "1234" ou "admin". Muitas vezes, as operadoras alteram as senhas dos modems, para impedir que o usuário o reconfigure para trabalhar como roteador. Nesse caso, você vai ter o trabalho de pesquisar na web quais as senhas usadas pela operadora e testar uma a uma até achar a usada no seu modem, uma dor de cabeça a mais. Felizmente essa prática vem se tornando menos comum. A configuração padrão varia de modem para modem, por isso é importante ter em mãos o manual do seu. Se o modem utilizar uma faixa de endereços diferente da utilizada na rede, basta alterar a

2 configuração de rede do micro, para que ele utilize um endereço dentro da mesma faixa utilizada pelo modem. A partir daí você pode acessá-lo usando o navegador. A configuração do modem é dividida em duas seções principais: LAN e WAN. Imagine que o modem ADSL é na verdade um mini-roteador, que possui duas interfaces de rede: a interface ADSL (WAN), onde vai o cabo telefônico e uma interface de rede local (LAN), que é ligada ao switch da rede. Na seção LAN vai a configuração da rede local, incluindo o endereço IP e a máscara de sub-rede, através da qual o modem fica acessível dentro da rede local. Ao acessar pela primeira vez, não se esqueça de alterar a configuração, para que o modem passe a utilizar um endereço dentro da faixa usada na rede. Além de permitir acessar a interface de configuração, o endereço definido na configuração do modem passa a ser o gateway padrão da rede ao configurá-lo como roteador. Normalmente utilizamos o primeiro ou o último endereço da rede para o gateway, como em " " ou " ", mas isso é apenas uma convenção, não uma regra. Quase sempre, está disponível também um servidor DHCP, que deve ser configurado com uma faixa de endereços livres na sua rede. Na configuração, você indica um endereço de início e fim para a faixa usada pelo servidor DHCP, como de a e os demais endereços ficam livres para PCs configurados com IP fixo. É importante enfatizar que você deve ter apenas um servidor DHCP no mesmo segmento de rede, de forma que se você já tem um servidor DHCP ativo na rede, o servidor DHCP do modem deve ser desativado. Aqui temos um exemplo, dentro da configuração do mesmo D-Link 500G do screenshot anterior:

3 A opção "Lease Time" dentro da configuração indica o tempo que os endereços serão "emprestados" para as estações. Após esse período, a estação deve renovar o endereço ou deixar de usá-lo. Isso evita que endereços fiquem eternamente reservados a micros que não fazem mais parte da rede. Em seguida temos a configuração dos endereços DNS que serão fornecidos aos clientes. Aqui temos um segundo exemplo, na configuração de um modem Kayomi LP-AL2011P (que é, na verdade, um Conexant Hasbani), onde a configuração dos endereços de rede e do servidor DHCP são unificadas em uma única seção: Nos modems atuais, a interface de configuração é sempre acessada usando o navegador, mas em alguns modelos antigos (como no Parks Prestige) era usada uma interface em modo texto, acessada via telnet, usando o terminal (no Linux) ou o prompt do MS-DOS (no Windows), como em: $ telnet Trying Connected to Escape character is '^]'.

4 Password: [SSL not available] ******** À primeira vista, uma interface em modo texto não parece muito amigável, mas em essência é o mesmo bolo, apenas com uma cobertura diferente. No caso da Interface do Parks Prestige, a configuração da rede e do servidor DHCP vai no menu "3. Ethernet Setup > 2. TCP/IP and DHCP Setup": Dentro da configuração do DHCP, a opção "Client IP Pool Starting Address=" indica o primeiro endereço IP que será atribuído (os números abaixo deste ficam reservados para micros com IP fixo) e o número máximo de clientes que receberão endereços IP (Size of Client IP Pool). Usando um pool de 6 endereços, com início no , por exemplo, a faixa iria até o , suficiente para uma rede com apenas dois ou três micros. Depois de terminar, não esqueça de alterar também a senha de acesso, já que as senhas padrões dos modems são bem conhecidas. Embora a interface de configuração não fique disponível para a web (em muitos modems você pode ativar o acesso, mas via de regra ele fica desativado), nada impede que algum usuário da rede, ou algum vizinho que consiga acesso à sua rede wireless resolva pregar

5 peças alterando a configuração do modem. Parâmetros da conexão Em seguida temos a configuração do link ADSL propriamente dito, que vai na seção WAN, que é composta por basicamente duas informações: os códigos VPI e VCI e o sistema de encapsulamento usado pela operadora. VPI é abreviação de "Virtual Path Identifier" e VCI de "Virtual Circuit Identifier". Juntos, os dois endereços indicam o caminho que o modem ADSL deve usar dentro da rede de telefonia para chegar até o roteador que oferece acesso à web. Você pode imaginar os dois valores como um número de telefone ou como um endereço de rede. Sem indicar os endereços corretamente na configuração do modem, a conexão simplesmente não é estabelecida. Os valores VPI/VCI usados atualmente no Brasil são: Telefonica: VPI 8, VCI 35 Telemar: VPI 0, VCI 33 CTBC: VPI 0, VCI 35 Brasil Telecom: VPI 0, VCI 35 Brasil Telecom (no RS): VPI 1, VCI 32 GVT: VPI 0, VCI 35 Você pode confirmar esses valores ligando para o suporte técnico, ou pesquisando na web. É fácil obter estas informações. Outra informação importante é o tipo de encapsulamento usado, ou seja, o tipo de protocolo que é simulado através do link ADSL. No Brasil é usado quase que exclusivamente o PPPoE encapsulado via LLC, de forma que é esta a configuração que você deve utilizar a menos que seja orientado pela operadora ou o provedor a fazer diferente. Apesar disso, os modems ADSL oferecem diversas outras possibilidades. Vamos entender o que elas significam: PPPoE: Neste modo o link ADSL se comporta como um link Ethernet, usando o mesmo formato de frame e o mesmo sistema de endereçamento. Sobre este link Ethernet é criada uma conexão ponto a ponto (PPP), que liga seu PC, ou seu modem ADSL ao servidor de acesso remoto, passando pelo DSLAN instalado na central, daí o termo "PPPoE", que significa "PPP over Ethernet". A conexão PPP simula uma conexão discada. Ao configurar o modem como bridge a "discagem" é

6 feita pelo seu PC, de forma que você precisa ativar e desativar a conexão quando desejado, enquanto que ao configurar o modem como roteador o próprio modem efetua a conexão e roteia os pacotes ao PC, que passa a enxergar uma conexão de rede. O uso do link PPP adiciona uma camada extra de segurança na conexão, permitindo o uso de encriptação e autenticação. PPPoA: Neste modo o link ADSL se comporta como um link ATM, que é o sistema tradicionalmente usado no sistema telefônico. O protocolo ATM oferece um overhead um pouco menor que o PPPoE, o que aumenta sutilmente o volume de dados "úteis" transportados através do link. Assim como no caso do PPPoE, o link ATM é usado para criar uma conexão PPP, com suporte a autenticação e tudo mais. O problema é que os equipamentos compatíveis com o ATM são mais caros, de forma que as operadoras preferem utilizar o PPPoE. Outro fator é que no PPPoA o modem ADSL precisa obrigatoriamente ser configurado como roteador, não como bridge. Isso acontece porque no PPPoA o link precisa ser terminado em uma interface ATM. Como usamos placas de rede Ethernet e não ATM, é necessário que o próprio modem atue como terminador e roteie os pacotes para o PC. Existem diversos mitos com relação ao PPPoA, entre eles que o PPPoA é usado apenas em planos empresariais, ou que ele é usado em conexões com IP fixo, mas na verdade ele indica apenas o tipo de modulação escolhido pela operadora. Tanto o PPPoE quanto o PPPoA suportam autenticação e ambos podem ser utilizados tanto em conexões com IP fixo quanto em conexões com IP dinâmico. Durante algum tempo, era comum que as operadoras disponibilizassem os dois sistemas, de forma que você podia usar qualquer um na configuração do modem, mas lentamente o suporte ao PPPoA foi retirado, deixando apenas o PPPoE. Outros sistemas de encapsulamento suportados por alguns modems, mas raramente usados são o MER (MAC Encapsulated Routing) e o IPoA (IP over ATM). Eles podem ser ignorados, pois não são usados por nenhuma operadora nacional. LLC e VC-Mux: O PPPoE ou o PPPoA são complementados por um segundo sistema de encapsulamento, que indica o protocolo usado. O LLC é o sistema mais comum, pois permite que sejam usados diversos protocolos de rede diferentes (mesmo que simultaneamente) em um único circuito. Em troca, ele adiciona um campo extra de identificação em cada pacote, o que aumenta o overhead da rede. O segundo sistema é o VC-Mux (também chamado de VC), que oferece um overhead um pouco menor, mas em troca demanda o uso de um circuito separado para cada protocolo, o que aumenta os custos para a operadora. O VC-Mux é usado em alguns países da Europa, mas é extremamente incomum aqui no Brasil. Aqui temos um exemplo de configuração, na interface do D-Link 500G:

7 Você pode notar que estão presentes também as opções PVC, Authentication e MTU, que não citei anteriormente. PVC é abreviação de "Private Virtual Circuit". Normalmente, é usado um único PVC, responsável pelo link com a web, de forma que você simplesmente escolhe "PVC0" na configuração e especifica as demais informações referentes à conexão. É possível para as operadoras incluir mais circuitos virtuais na mesma conexão, usando um segundo circuito para VoIP, por exemplo, mas isso não é comum. A opção Authentication aceita os valores "PAP e "CHAP", que são os dois protocolos de autenticação usados em conjunto com o PPP. Normalmente, os provedores suportam ambos os protocolos, de forma que tanto faz qual dos dois é escolhido. A opção MTU permite definir o tamanho dos pacotes enviados através do link ppp, que podem conter até 1492 bytes no PPPoE e até 1500 bytes no PPPoA. Usar um tamanho de pacote menor pode ajudar em links ruins, mas normalmente só serve para reduzir a velocidade da conexão. A menos que tenha um bom motivo, simplesmente use o valor máximo. Aqui temos um segundo exemplo, com a configuração no Kayomi LP-AL2011P. Veja que ele oferece também a opção de definir um IP estático (que seria usada apenas caso você utilizasse um plano empresarial, com IP fixo). A opção "Mac Spoofing" permite forjar o endereço MAC da interface WAN, como às vezes é necessário para conectar a partir de outro micro nos planos de acesso via cabo:

8 Se você está curioso sobre a configuração na interface de modo texto do Parks, aqui vai mais um exemplo. Note que ele oferece a opção "IP Address Assignment", que indica se a conexão utiliza IP fixo ou dinâmico. As opções "ISP's Name" e "Service Name" são apenas para dar nome à conexão, sem efeito sobre a configuração: Bridge x roteador A maior parte dos modems ADSL oferecidos pelas operadoras durante o boom inicial do ADSL vinham configurados em modo bridge, onde o modem estabelece o canal de comunicação com o DSLAM na central e cuida da modulação do sinal, mas deixa o processo de autenticação e a criação do link PPP a cargo do PC. É necessário então criar a conexão manualmente e ativá-la sempre que quiser se conectar. No Windows XP, use o assistente para novas conexões dentro do "Painel de Controle > Conexões de Rede", usando as opções "Conectar-me à Internet > Configurar minha conexão manualmente > Conectar-me usando uma conexão de banda larga que exija um nome de usuário e uma senha". Você tem então acesso ao menu onde pode indicar o login e a senha de acesso:

9 Para conectar via PPPoE no Linux é necessário usar o pppoeconf (usado no Debian e derivados) ou o rp-pppoe (usado na maioria das outras distribuições). Muitos utilitários gráficos incluídos nas distribuições servem como interface para um deles. Ao usar o pppoeconf, chame o utilitário como root. Ele primeiro procura o modem ADSL, testando todas as placas de rede disponíveis, depois contata o modem na central, pede o login e senha, e depois estabelece a conexão.

10 Depois de conectar pela primeira vez, você pode terminar a conexão usando o comando "poff -a" e reconectar usando o "pon dsl-provider", mesmo depois de reiniciar o micro. Caso ele não consiga detectar o modem (mesmo que ele esteja ativado e funcionando), pode ser que exista uma conexão anteriormente configurada ativa. Desative-a com o comando "poff -a". Em seguida, desative a interface de rede ligada ao modem ADSL usando o comando ifdown; se o modem estiver ligado à interface eth0, por exemplo, o comando será "ifdown eth0". Nas distribuições que utilizam o rp-pppoe, use o comando "adsl-setup" para configurar a conexão e "adsl-start" para conectar. Para parar a conexão manualmente, use o comando "adsl-stop". Nas versões mais recentes, existem dois utilitários, chamados "go" e "go-gui" que automatizam a configuração. Caso tenha problemas com o rp-pppoe incluído na sua distribuição, experimente baixar a versão mais recente no: Ao conectar via pppoe, é criada a interface de rede "ppp0", da mesma forma que ao conectar através de um modem discado. A interface "ppp0" substitui temporariamente a interface "eth0" (ou eth1) onde o modem está conectado. É importante entender que neste ponto o sistema não utiliza mais a eth0 para enviar dados, mas sim a ppp0. As duas passam a ser vistas como dispositivos diferentes. Você pode ver a configuração atual das interfaces de rede rodando o comando "ifconfig". Esta configuração manual é necessária apenas ao usar um modem configurado em modo bridge. Com exceção de alguns modelos antigos, quase todos os modems ADSL podem ser configurados como roteadores, modo onde o próprio modem passa a fazer a autenticação e compartilhar a conexão. Ao configurar o modem como roteador (router), sua vida fica muito mais simples e você não precisa se dar ao trabalho de usar um micro com duas placas de rede para compartilhar a conexão, já que o modem já faz isso sozinho. Basta ligar todos os micros ao switch e configurar os PCs para utilizarem o endereço IP do modem como gateway padrão, ou simplesmente deixar que o modem os configure via DHCP. É possível inclusive encontrar modelos que incorporam também um switch de 4 ou até mesmo 8 portas e a função de ponto de acesso wireless, o que permite compartilhar a conexão diretamente, sem a necessidade de usar dispositivos separados. Em geral os modems ADSL fazem um bom trabalho, eles não oferecem opções mais avançadas, como, por exemplo, incluir um proxy transparente para fazer cache das páginas e arquivos acessados e, assim, melhorar a velocidade de acesso, mas são capazes de fazer o arroz com feijão, como bloquear tentativas de acesso vindas da Internet e redirecionar portas para micros da rede local. As vantagens de usar o modem configurado como roteador são: 1- Não é preciso usar o pppoeconf para se conectar, nem configurar o compartilhamento da conexão. A conexão é estabelecida pelo próprio modem, basta ligá-lo no hub e configurar os demais PCs para obterem a configuração da rede via DHCP. 2- O modem fica com as portas de entrada, de forma que qualquer tipo de ataque proveniente da

11 Internet é bloqueado pelo próprio modem, antes de chegar nos micros da rede local. O modem serve então como uma camada adicional de proteção. As desvantagens são: 1- Como as portas de entrada ficam com o modem, é preciso configurar o redirecionamento de portas para que você possa usar qualquer servidor ou programa que precise de portas de entrada. Um exemplo clássico é o bittorrent, que precisa que pelo menos uma das portas entre a 6881 e a 6889 esteja aberta. 2- Ao contrário dos servidores Linux, os modems ADSL não costumam receber atualizações de segurança. Não é impossível que uma brecha de segurança no próprio modem permita que alguém de fora altere a configuração de redirecionamento de portas (por exemplo) e assim consiga ter acesso aos micros da sua rede local. Alguns modems permitem inclusive a instalação de programas adicionais. Do ponto de vista da segurança, um servidor Linux atualizado e bem configurado é mais seguro. No D-Link 500G dos exemplos anteriores, o modo Bridge é ativado ao configurar a opção "WAN Setting" com o valor "Bridge Mode" (em vez de PPPoE/PPPoA, como no screenshot anterior). Ao fazer isso, a interface deixa de mostrar os campos para o login de usuário e a senha, já que a autenticação passa a ser feita no PC: Atualmente, é muito raro encontrar alguém que prefira utilizar o modem ADSL em modo bridge, já que utilizar o modem como roteador é muito mais simples (já que você configura o modem uma vez e não precisa mais se preocupar) e ainda permite compartilhar a conexão através do próprio modem. As duas opções chave para que o modem trabalhe como roteador são manter a opção "Bridge" ou "Bridge Mode" desativada e manter a opção "NAT" ou "Route IP" ativada. Em alguns modems, a opção para ativar o uso do NAT fica escondida dentro da seção avançada (como no caso do D-Link 500G) e em outros fica junto com as opções relacionadas ao acesso, como neste D-Link 500T, que oferece um conjunto de opções um pouco diferentes das do 500G que vimos nos exemplos anteriores:

12 A opção MRU, que aparece logo abaixo da MTU é uma opção incomum, que permite ajustar o tamanho máximo para os pacotes recebidos (a MTU indica o tamanho dos pacotes enviados). O valor máximo para ela é o mesmo que para o MTU, ou seja, 1492 bytes no PPPoE. Este modelo inclui também um firewall simples, que é configurado em uma seção separada da interface. Roteamento de portas O roteamento de portas é a solução para quando você deseja disponibilizar servidores ou permitir que um dos micros da rede seja acessado remotamente, apesar do modem ter sido configurado como roteador. Você pode criar uma regra de redirecionamento, fazendo com que requisições destinadas à porta 22 do servidor sejam redirecionadas à porta 22 do micro " " da rede interna para permitir que ele seja acessado via SSH através da Internet, por exemplo. Dessa forma, quando um usuário remoto digita "ssh " (onde o seria o endereço de Internet do servidor) ele na verdade acessaria o PC com o endereço dentro da rede local. Criando uma regra para a porta 5900 você poderia abrir o acesso a um PC rodando o VNC e assim por diante. Outro uso comum é manter abertas as portas usadas pelo bittorrent ou outro programa P2P, de forma a não ter suas taxas de download reduzidas. No caso do Bittorrent, por exemplo, você encaminharia as portas TCP de 6881 a 6889 e no caso do Emule encaminharia a porta 4662 TCP e 4672 UDP. Note que em muitos casos a lentidão em programas P2P pode ser causada pelo uso de traffic shaping ou pelo bloqueio de portas de entrada pela própria operadora. Nesses casos, você pode usar um túnel ou algum sistema de encriptação, que embaralhe os dados, impedindo que as informações sejam rotuladas como tráfego P2P, ou simplesmente usar uma máquina remota para baixar os arquivos desejados e depois transferí-los para a sua máquina via http ou ftp. Uma opção é locar um servidor dedicado (os mais baratos custam a partir de US$ 60 por mês), o que permite que você tenha uma máquina completa, ligada diretamente aos links internacionais, que você pode acessar remotamente e usar para tarefas diversas. Dois exemplos de empresas que oferecem servidores dedicados a preços baixos são a a Você pode ver detalhes sobre a configuração de servidores dedicados no

13 meu livro Servidores Linux, guia prático. Vamos então aos exemplos de configuração. No Kayomi LP-AL2011P a configuração do forwarding de portas vai na seção "Virtual Server". Para cada regra de direcionamento, você deve indicar o endereço IP do PC (dentro da rede local) que receberá a porta, a porta de entrada que será redirecionada (public port) e a porta do PC local para a qual ela será redirecionada (private type). Normalmente, existe também a opção de indicar o protocolo (opção "Port Type" ou "Protocol"), que pode ser TCP, UDP ou ambos (both). Na maioria dos casos, os programas utilizam portas TCP, mas muitos jogos multiplayer e programas P2P utilizam portas UDP. Teremos uma explicação mais aprofundada das diferenças entre os dois protocolos no capítulo 4. Neste exemplo, o modem está configurado para utilizar o endereço e estou redirecionando as portas 6881 até a 6889 (TCP) para o endereço " " da rede local. Na verdade o bittorrent precisa de apenas uma destas portas, de forma que as 9 portas poderiam ser direcionadas para endereços diferentes: Você pode notar que a interface não oferece a opção de direcionar um intervalo de portas. Ou seja, para redirecionar 9 portas, preciso criar 9 regras diferentes. A porta do micro na rede local, para onde é feito o forwarding, não precisa necessariamente ser a mesma que a porta externa. Você pode fazer com que a porta 22 externa seja direcionada para a porta 2222 do micro , por exemplo. Aqui temos a configuração do encaminhamento de portas em um Linksys BEFSR41. Uma diferença em relação à configuração do Kayomi é que ele permite encaminhar intervalos de portas. Você pode encaminhar todas as portas entre a 6881 e a 6889 usando apenas uma regra, por exemplo:

14 Os modems variam bastante em recursos nesse sentido. Nos modelos mais recentes você tem, tipicamente, a opção de redirecionar também uma faixa de portas (port range) e também de ativar uma DMZ (demilitarized zone), que permite encaminhar de uma vez todas as portas para um endereço especificado por você. Este PC passa então a receber todas as portas de entrada, como se estivesse diretamente conectado à web. Temos aqui um exemplo das duas opções aparecendo na seção "Advanced > Port Forwarding" do 500G: Concluindo, temos agora um exemplo de configuração do direcionamento de portas na interface em texto do velho Parks Prestige. Nele o port forwarding é configurado na opção "15. SUA Server Setup", onde você define a porta e o endereço da rede local para onde ela será redirecionada. Uma limitação deste modem é que ele permite configurar o redirecionamento de apenas 8 portas simultaneamente, provavelmente devido a limitações de memória:

15 As operadoras quase sempre bloqueiam as portas 21 e 80 (ftp e http) para dificultar o uso de servidores por parte dos assinantes. Mas, você pode alterar a porta usada na configuração do servidor web ou FTP para outra porta que não esteja bloqueada, como a 8080 e a 2121, por exemplo, de forma a burlar esta limitação. Você pode ver uma lista de portas de entrada usadas por vários programas e jogos de forma a poder compor sua lista de redirecionamentos no: Como você pode imaginar, não é possível direcionar a mesma porta para dois PCs da rede local simultaneamente. É como se cada porta fosse um carro, ou outro objeto qualquer. Se você empresta o carro para alguém, você fica sem ele até que esta pessoa devolva e, enquanto ele está emprestado, você não pode emprestá-lo para uma segunda pessoa. Se você precisa disponibilizar o mesmo serviço, em vários PCs da rede local e precisa que todos fiquem acessíveis a partir da Internet simultaneamente, a única solução possível é configurar cada um para escutar em uma porta diferente e configurar o roteador para redirecionar cada porta ao PC correspondente. Imagine que você precisa rodar um servidor SSH em cada um dos 10 micros da rede local e precisa que todos fiquem acessíveis via Internet. Você poderia configurar o servidor SSH no primeiro PC para usar a porta 2222, o servidor SSH no segundo para usar a porta 2223 e assim por diante e criar a regras de redirecionamento no modem encaminhando cada porta ao endereço apropriado, como em: 2222 > > > Os clientes passariam então a acessar especificando a porta em que desejam se conectar e, de acordo com a porta, cairiam em um PC específico da rede, como em: $ ssh -p 2233 endereço-do-servidor

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 260E para acesso via PPPoE Rev. 3.3 http://www.dslink.com.br/ Índice Como conectar o modem DSLink 260E ao meu computador?... 3 Configurando o modem como

Leia mais

NAT com firewall - simples, rápido e funcional

NAT com firewall - simples, rápido e funcional NAT com firewall - simples, rápido e funcional Todo administrador de redes aprende logo que uma das coisas mais importantes para qualquer rede é um bom firewall. Embora existam muitos mitos em torno disto,

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft

CPE Soft Manual. 125/400mW 2.4GHz. CPE Soft CPE Soft Manual 125/400mW 2.4GHz CPE Soft Campinas - SP 2010 Indice 1.1 Acessando as configurações. 2 1.2 Opções de configuração... 3 1.3 Wireless... 4 1.4 TCP/IP 5 1.5 Firewall 6 7 1.6 Sistema 8 1.7 Assistente...

Leia mais

Acesso Remoto Geovision

Acesso Remoto Geovision Inviolável Segurança Acesso Remoto Geovision Manual de apoio para configuração do acesso remoto no sistema Geovision no Windows e Internet Explorer. Luan Santos da Silva luan@w7br.com versão: 1.0 By: Luan

Leia mais

O CD-ROM possui um software de configuração passo a passo para o D810R.

O CD-ROM possui um software de configuração passo a passo para o D810R. GUIA DE CONFIGURAÇÃO Instalação de hardware 1. Conecte o adaptador de energia (incluso) na entrada PWR do modem e ligue-o na tomada de energia. 2. Utilize o cabo Ethernet RJ45 (incluso) para conectar a

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Manual De Configuração

Manual De Configuração Manual De Configuração Modem Roteador ADSL Kaiomy LP-AL2011P LP-AL2011PW LP-AL2014P LP-AL2014PW Revisão: 1.0 Conteúdo: 1. Requisitos do Sistema... 03 2. Login...07 3. Status...08 3.1 Página Inicial...08

Leia mais

1 Apresentação. 2 Antes de iniciar. O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige.

1 Apresentação. 2 Antes de iniciar. O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige. 1 Apresentação O objetivo deste guia é auxiliar o usuário no processo de conexão e configuração do Prestige. 2 Antes de iniciar Configuração Default O Prestige é enviado com os seguintes padrões de fábrica:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18 Índice 1. TCP/IP...3 2. Bibliografia básica...5 3. Bibliografia complementar...6 2 1. TCP/IP O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Equipamento compacto e de alto poder de processamento, ideal para ser utilizado em provedores de Internet ou pequenas empresas no gerenciamento de redes e/ou no balanceamento

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0

GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 WPS Roteador Wireless 300N GWA-101 5dBi Bi-Volt GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CÓD.:682-0 Roteador Wireless 300Mbps Guia de Instalação Rápida REV. 2.0 1. Introdução: O Roteador Wireless 300Mbps, modelo 682-0

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO VOIP

MANUAL DE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO VOIP MANUAL DE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO VOIP 1 INDICE 1. Identifique seu tipo de conexão à internet:... 3 1.1 Como Identificar sua Conexão Banda Larga... 3 1.1.1 Conexão ADSL... 3 1.1.2 Conexão a Cabo... 3

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Roteador ADSL Sem Fio N

Roteador ADSL Sem Fio N Roteador ADSL Sem Fio N Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE MODEM ADSL

CONFIGURAÇÃO DE MODEM ADSL CONFIGURAÇÃO DE MODEM ADSL Para localizar seu modem basta pressionar Ctrl + F, e digitar o modelo ou fabricante. Caso tenha dúvidas quando ao seu usuário e/ou senha de autenticação, entre em contato com

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimento para configuração de Redirecionamento de Portas 1- Para realizar a configuração de redirecionamento de portas o computador deve estar conectado via cabo Ethernet em uma das portas LAN do

Leia mais

Configurando 500B (Router) 1. INSTALE SEU MODEM

Configurando 500B (Router) 1. INSTALE SEU MODEM Configurando 500B (Router) A GVT pensa em você, por isso criou um passo a passo que facilita a instalação e configuração do seu modem ADSL DLink 500B. Você mesmo instala e configura, sem a necessidade

Leia mais

Guia para configuração PPPoE com Autenticação no modem (Windows)

Guia para configuração PPPoE com Autenticação no modem (Windows) Guia para configuração PPPoE com Autenticação no modem (Windows) Rev. 4.1 http://www.dslink.com.br/ Guia para configuração PPPoE com autenticação no modem Nesse tipo de configuração, a autenticação do

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Configuração Linksys SPA 2102 Versão 1.4 Guia de instalação do Linksys SPA 2102 O Linksys SPA 2102 possui: 01 Entrada de alimentação DC 5V (100-240V~) 01 Porta Ethernet (LAN) conector RJ 45 01

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

Índice. 1. Conexão do Hardware...03. 2. Configuração do computador...05. 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05

Índice. 1. Conexão do Hardware...03. 2. Configuração do computador...05. 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05 Índice 1. Conexão do Hardware...03 2. Configuração do computador...05 2.1. Sistema Operacional Windows 2000 ou Windows XP...05 2.2. Sistema Operacional Windows Vista ou Windows 7...07 3. Assistente de

Leia mais

Manual para configuração. Linksys RT31P2

Manual para configuração. Linksys RT31P2 Manual para configuração Linksys RT31P2 Indice Guia de Instalação ATA Linksys RT31P2... 3 Conhecendo o ATA... 4 Antes de Iniciar... 6 Analisando o seu acesso à Internet... 6 Configuração... 9 Configuração

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER)

GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) GUIA DE CONFIGURAÇÃO CONEXÕES VPN SSL (CLIENT TO SERVER) Conexões VPN SSL (Client to Server) 1- Introdução Uma VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) é, como o nome sugere, uma rede virtual,

Leia mais

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO

CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO CONFIGURAÇÃO KIT PROVEDOR DE INTERNET SEM FIO IMPORTANTE: Não instale o KIT no mastro sem antes conhecer bem o SOFTWARE (firmware) de gerenciamento. Configure a placa AP e faça todos os testes possíveis,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

Guia de Instalação Rápida TDM-C500 TDM-C504 1.01

Guia de Instalação Rápida TDM-C500 TDM-C504 1.01 Guia de Instalação Rápida TDM-C500 TDM-C504 1.01 Índice Português 1 1. Antes de Iniciar 1 2. Instalação de Hardware 3 3. Configure o Modem 4 Troubleshooting 7 Version 10.22.2010 1. Antes de Iniciar Português

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via Rede Ethernet 1.0 Page 1 / 12 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária

Leia mais

Configuração de acesso VPN

Configuração de acesso VPN 1. OBJETIVO 1 de 68 Este documento tem por finalidade auxiliar os usuários na configuração do cliente VPN para acesso a rede privada virtual da UFBA. 2. APLICAÇÃO Aplica-se a servidores(técnico-administrativos

Leia mais

INICIANDO A INSTALAÇÃO

INICIANDO A INSTALAÇÃO INICIANDO A INSTALAÇÃO Abra o leitor de CD do computador que será dedicado ao ÚnicoNET. Coloque o CD que acabamos de gravar com o NERO EXPRESS e reinicie o HARDWARE (CTRL+ALT+DEL), caso não consiga reiniciar

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

GUIA RÁPIDO SUPLEMENTO. Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5013 Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5014 PORTUGUÊS

GUIA RÁPIDO SUPLEMENTO. Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5013 Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5014 PORTUGUÊS GUIA RÁPIDO SUPLEMENTO Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5013 Dome de câmera de rede PTZ AXIS M5014 PORTUGUÊS Guia Rápido Suplemento da câmera AXIS M5013/M5014 Página 3 AXIS M5013/M5014 Guia Rápido Suplemento

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2

Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2 Página 1 de 14 Guia de Instalação ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo PAP2-NA Este guia irá ajudá-lo a instalar o seu ATA,

Leia mais

Manual para configuração. Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610

Manual para configuração. Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610 Manual para configuração Siemens Roteador VoIP SpeedStream 3610 Indice Guia Rápido de Instalação customizado... 3 Tipo de acesso banda larga... 4 Procedimentos de configuração... 5 Conexões do Painel traseiro...

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Dicas Macetes do roteamento ADSL Josmar Queiroz Silva www.josmar.net www.tvled-pc.net www.dicasdigital.net www.dicasmacetes.net

Dicas Macetes do roteamento ADSL Josmar Queiroz Silva www.josmar.net www.tvled-pc.net www.dicasdigital.net www.dicasmacetes.net 1 Insira a Fonte de alimentação no conector localizado na parte traseira do modem e ligue-o em uma tomada da rede elétrica correspondente a voltagem do aparelho. 2 Apos este procedimento aperte o botão

Leia mais

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido

MODEM ADSL 2+ Guia Rápido MODEM ADSL 2+ Guia Rápido Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias para a

Leia mais

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande velocidade

Leia mais

ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ DSL-2740E GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ DSL-2740E GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CONTEÚDO DA EMBALAGEM CONTEÚDO ROTEADOR WIRELESS N 300 ADSL2+ ADAPTADOR DE ENERGIA ADAPTADOR CABO ETHERNET (CABO RJ-45) CONECTE O MODEM NO COMPUTADOR

Leia mais

ESTRUTUTA DE REDE DE ACESSO!

ESTRUTUTA DE REDE DE ACESSO! ESTRUTUTA DE REDE DE ACESSO! - Primeiramente, antes de colocar um DVR na rede, para acesso, você precisa saber, qual a estrutura da rede, quantos micros estão conectados, se é uma rede simples, de uma

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server

Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server Tornado 830 / 831 ADSL Router - 4 port Ethernet switch - Wireless 802.11G - Access Point - Firewall - USB printer server Tornado 830 Annex A Tornado 831 Annex B 1 1.1 Arrancar e iniciar sessão Active o

Leia mais

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T

Manual básico de configuração. ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Manual básico de configuração ATA (Adaptador de Terminal Analógico) Modelo Linksys PAP2T Índice 1 Objetivo deste documento... 3 2 Entendendo o que é um ATA... 3 3 Quando utilizar o ATA... 4 4 Requisitos

Leia mais

TUTORIAL. ADSL Modems Alcatel e NEC(Great Speed)

TUTORIAL. ADSL Modems Alcatel e NEC(Great Speed) TUTORIAL ADSL Modems Alcatel e NEC(Great Speed) Erico de Souza Teixeira Malamud Florianópolis, 2002 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O Risco... 5 3. Os Aplicativos PTPP... 5 4. NEC GREAT SPEED... 6 5. ALCATEL

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Passo a Passo da instalação da VPN

Passo a Passo da instalação da VPN Passo a Passo da instalação da VPN Dividiremos este passo a passo em 4 partes: Requisitos básicos e Instalação Configuração do Servidor e obtendo Certificados Configuração do cliente Testes para saber

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Gateway TT211S/S+/O/O+/SO/SO+

Gateway TT211S/S+/O/O+/SO/SO+ Guia Rápido de Instalação TT211S/S+/O/O+/SO/SO+ v120511 Índice Introdução 2 Procedimentos para Instalação 2 Conectando o Hardware 2 Configuração Inicial 3 Configuração Network 3 Configuração do DNS (Domain

Leia mais

A. Modos de operação. Introdução. 1.1 - Repetidor Wireless N. Configurações mínimas. 1.2 - Repetidor Wireless N + cabo RJ-45. A embalagem contém

A. Modos de operação. Introdução. 1.1 - Repetidor Wireless N. Configurações mínimas. 1.2 - Repetidor Wireless N + cabo RJ-45. A embalagem contém Introdução O Repetidor Wi-Fi N - 300 Mbps com 2 portas de rede (1 porta LAN + 1 porta WAN/LAN) Comtac modelo WN9254 foi desenvolvido para usuários que buscam ampliar a cobertura de uma rede Wireless existente

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Segurança em Redes Sem Fio

Segurança em Redes Sem Fio Segurança em Redes Sem Fio Nós finalmente podemos dizer que as redes sem fio se tornaram padrão para a conexão de computadores. Placas de rede sem fio já são um acessório padrão nos notebooks há algum

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação pag 3 2 Estudo de caso pag 4 3 Conexão dos ATAs pag 6 4 Configurando pag 8 5 SPA 3102

Leia mais

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 485 (GVT) Rev. 1.0gvt

Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 485 (GVT) Rev. 1.0gvt Guia de configuração para liberar Portas no DSLink 485 (GVT) Rev. 1.0gvt http://www.dslink.com.br/ Observação: As instruções contidas nesse documento, destinam-se a liberar portas de acesso a computadores

Leia mais

Configurar modem em modo PPPoE - Avançado. Manual de configuração em modo PPPoE Roteamento do modem TG581n, avançado.

Configurar modem em modo PPPoE - Avançado. Manual de configuração em modo PPPoE Roteamento do modem TG581n, avançado. Configurar modem em modo PPPoE - Avançado Manual de configuração em modo PPPoE Roteamento do modem TG581n, avançado. 1. Com o computador ligado via cabo ao modem, pela porta LAN 1, para acessar a interface

Leia mais

Fundamentos dos protocolos internet

Fundamentos dos protocolos internet Fundamentos dos protocolos internet - 2 Sumário Capítulo 1 Fundamentos dos protocolos internet...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.2. Troubleshooting...

Leia mais

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice

Manual B.P.S ATA 5xxx Índice Manual B.P.S ATA 5xxx Índice 1. Conectando o Adaptador para Telefone Analógico (ATA)...02 2. Configurações básicas...05 2.1 Configuração dos parâmetros de usuário e senha para acessos de banda larga do

Leia mais

TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN

TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN TeamViewer 9 Manual Wake-on-LAN Rev 9.2-12/2013 TeamViewer GmbH Jahnstraße 30 D-73037 Göppingen www.teamviewer.com Sumário 1 Sobre Wake-on-LAN... 3 2 Requisitos... 4 3 Configuração do Windows... 5 3.1

Leia mais

Todos modems externos seriais são compatíveis com o Linux, pois, a porta serial do sistema é baseada no padrão Legacy.

Todos modems externos seriais são compatíveis com o Linux, pois, a porta serial do sistema é baseada no padrão Legacy. Configurando modems no Linux INTRODUÇÃO O Modem é um equipamento que transforma os sinais elétricos digitais em uma forma sonora transmitidas pela linha telefônica em um processo chamado Modulação. Analogamente,

Leia mais

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00053 Versão 1.02 abril-2009 HI Tecnologia Configurando o ezap900/901 para acesso via

Leia mais

WinGate - Passo a passo

WinGate - Passo a passo WinGate - Passo a passo Configurando os Computadores de sua rede Nesta etapa, mostraremos como preparar os computadores de sua rede para a instalação do WinGate. 1ª Parte É necessário que os computadores

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Guia Rápido de Instalação. Modelo M151RW

Guia Rápido de Instalação. Modelo M151RW Guia Rápido de Instalação Modelo M151RW 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 DICAS DE INSTALAÇÃO 3 CONFIGURAÇÃO 4 3 Parabéns! Você acaba de adquirir o Roteador M151RW2 com qualidade e garantia Pixel TI. Este guia rápido

Leia mais

Instalando o Mikrotik e configurando para usar com modem bridge (Velox) Caso já tenha o sistema instalado pode pular para a parte de configuração.

Instalando o Mikrotik e configurando para usar com modem bridge (Velox) Caso já tenha o sistema instalado pode pular para a parte de configuração. Ola amigo, primeiramente você deverá fazer a configuração seguindo este tutorial. Depois que fizer a configuração você deverá consultar o outro arquivo em PDF para fazer o cadastro de clientes. Instalando

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION

PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION Parabéns por instalar o CRACKIT MV! Agora chegou a hora de configurá-lo e administrá-lo. Todo o ambiente de administração do CRACKIT MV é web, ou seja via Browser

Leia mais

Procedimento de configuração para usuários VONO

Procedimento de configuração para usuários VONO Adaptador de telefone analógico ZOOM Procedimento de configuração para usuários VONO Modelos 580x pré configurados para VONO 1 - Introdução Conteúdo da Embalagem (ATENÇÃO: UTILIZE APENAS ACESSÓRIOS ORIGINAIS):

Leia mais

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

LINKSYS SPA3102 E PAP2T

LINKSYS SPA3102 E PAP2T CONFIGURANDO TELEFONE PONTO A PONTO COM LINKSYS SPA3102 E PAP2T Infottecnica Telecom & infor www.infottecnica.com.br Pirapora MG Tel. 38 8404-4430 1 CONFIGURANDO SPA3102 e PAP2T Conteúdo: 1 Apresentação

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR.

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. Neste senário temos um roteador de internet que vai ser nosso gateway do MK1,

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 5: VPN Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) criada para interligar duas redes distantes, através

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

Para isso, selecione as duas interfaces no "Painel de Controle > Conexões de rede" e ative a opção "Conexões de ponte":

Para isso, selecione as duas interfaces no Painel de Controle > Conexões de rede e ative a opção Conexões de ponte: Para criar uma rede ad-hoc no Windows XP, acesse o "Painel de Controle > Conexões de rede". Dentro das propriedades da conexão de redes sem fio, acesse a aba "Redes sem fio" e clique no "adicionar". Na

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais