REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA. Revisão I 26/09/2005

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA. Revisão I 26/09/2005"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA Revisão I 26/09/2005 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO DO SELO PROCEL CONCESSÃO DO SELO PROCEL COMISSÃO DE ANÁLISE TÉCNICA CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL EQUIPAMENTOS INTEGRANTES DO PBE EQUIPAMENTOS NÃO INTEGRANTES DO PBE FISCALIZAÇÃO DA CONFORMIDADE MODIFICAÇÕES NOS PRODUTOS A SOLENIDADE DE ENTREGA DOS TROFÉUS E CERTIFICADOS FORMAS DE APLICAÇÃO DO SELO PROCEL AUTORIZAÇÃO DE USO DO SELO PROCEL QUANTO À VALIDADE DA CONCESSÃO DO SELO PROCEL QUANTO À DIVULGAÇÃO DO SELO SANÇÕES E PENALIDADES ALTERAÇÕES DO REGULAMENTO DO SELO PROCEL

3 1. OBJETIVO DO SELO PROCEL O SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA ou simplesmente SELO PROCEL, instituído através de Decreto Presidencial de 08 de dezembro de 1993, é um produto desenvolvido e concedido pelo Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL, o qual tem como missão, promover o combate ao desperdício de energia elétrica, tanto no lado da produção como no do consumo, concorrendo para a melhoria da qualidade de produtos e serviços, e reduzindo os impactos ambientais. O PROCEL é coordenado pelo Ministério de Minas e Energia MME e tem na Centrais Elétricas Brasileiras S.A ELETROBRÁS sua secretaria executiva. O SELO PROCEL tem por objetivo orientar o consumidor no ato da compra, indicando os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria. Também objetiva estimular a fabricação e a comercialização de produtos mais eficientes, contribuindo para o desenvolvimento tecnológico e a redução de impactos ambientais. 2. CONCESSÃO DO SELO PROCEL O SELO PROCEL é concedido anualmente aos equipamentos que apresentam os melhores índices de eficiência energética, normalmente caracterizados pela faixa A da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia ENCE¹, dentro das suas categorias. Destaca-se, entretanto, que para algumas categorias de produtos, outras características associadas ao equipamento serão também verificadas e consideradas para a concessão do SELO PROCEL. 1- ENCE Tem por objetivo informar o consumo de energia e / ou eficiência energética de um equipamento. Seu uso está subordinado à autorização pelo INMERTO. 3

4 O SELO PROCEL tem sua concessão direcionada a equipamentos integrantes do Programa Brasileiro de Etiquetagem - PBE, coordenado pelo INMETRO, e em conformidade com o Regulamento Específico para uso da ENCE². Caso julgue necessário o PROCEL pode conceder, excepcionalmente, o SELO PROCEL a uma linha de equipamentos que não seja contemplada pelo PBE ou adotar critérios complementares àqueles do PBE. 3. COMISSÃO DE ANÁLISE TÉCNICA Com a finalidade de estabelecer os critérios para a concessão do SELO PROCEL e homologar os equipamentos contemplados, foi constituída, pela Secretaria Executiva do PROCEL, a Comissão de Análise Técnica do "SELO PROCEL". A Comissão de Análise Técnica do SELO PROCEL é composta das seguintes entidades: PROCEL, na condição de Coordenador Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Representante(s) dos Laboratórios de Ensaios Representante(s) dos Consumidores, sendo atualmente o Instituto de Defesa do Consumidor - IDEC Associações fabricantes nacionais com produtos contemplados com o SELO PROCEL, sendo atualmente: - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica - ABINEE - Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletro-Eletrônicos - ELETROS - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento - ABRAVA - Associação Brasileira da Indústria de Iluminação ABILUX 2- Regulamento Específico para uso da ENCE documento elaborado pelo INMETRO, onde constam o objetivo e as características da ENCE, as fases do processo de etiquetagem, os controles e verificações exercidas pelo INMETRO, as normas aplicáveis, os compromissos das empresas interessadas na etiquetagem e demais disposições. 4

5 A critério da Secretaria Executiva do PROCEL poderão ser convidadas outras entidades para participarem das reuniões da Comissão, porém sem direito a voto nas reuniões. 4. CRITÉRIOS PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL O SELO PROCEL é concedido a equipamentos que tiveram os seus desempenhos comprovados pelos ensaios realizados nos laboratórios de referência independentes, de acordo com o seu Critério Específico para Concessão do SELO PROCEL, anexo a este Regulamento. A adesão das empresas ao SELO PROCEL é voluntária. Visando a melhoria contínua da eficiência energética dos equipamentos participantes do programa, os índices para concessão do SELO PROCEL serão revistos periodicamente para cada categoria. Como diretriz orientativa, o SELO PROCEL deve ser concedido, após um período de implantação ou revisão de índices, ao grupo máximo de 25% de produtos mais eficientes em cada categoria Equipamentos integrantes do PBE Os critérios para concessão do SELO PROCEL variam para cada linha de produtos integrantes do PBE, estando especificados em seus respectivos Critério Específico para Concessão do SELO PROCEL Equipamentos não integrantes do PBE Nos casos onde houver interesse do PROCEL em conceder o SELO PROCEL a algum equipamento não integrante do PBE, os critérios de concessão serão definidos oportunamente, devendo constar anexo a este Regulamento. 5

6 5. FISCALIZAÇÃO DA CONFORMIDADE Com o propósito de garantir a permanente adequação dos produtos às especificações, ou em caso de denúncias, o PROCEL reserva-se o direito de fazer ensaios nos equipamentos contemplados com o SELO PROCEL, para verificação de sua eficiência, observando o seguinte procedimento: Os equipamentos serão recolhidos na linha de produção ou no mercado por uma equipe composta pelo PROCEL e INMETRO, e ensaiados em um dos Laboratórios de Referência. Os resultados destes ensaios serão apresentados ao PBE para providências que julgar cabíveis. Deixará de fazer uso do SELO PROCEL o equipamento que não atender ao Critério Específico para Concessão do SELO PROCEL : Ao equipamento que não for encontrado em produção e/ou no mercado será concedido o prazo de 72 horas para o fabricante / importador indicar onde esse produto pode ser encontrado; caso o mesmo não aconteça, o produto não poderá fazer uso do SELO PROCEL. 6. MODIFICAÇÕES NOS PRODUTOS Caso o fabricante / importador venha fazer modificações que alterem o desempenho do equipamento em relação ao dos critérios para a concessão do SELO PROCEL, o mesmo deverá encaminhar por escrito ao INMETRO e ao PROCEL estas modificações. Caso as modificações tornem o desempenho do equipamento inferior ao dos critérios para a concessão do SELO PROCEL, o fabricante / importador deverá suspender de forma imediata o uso do SELO PROCEL no equipamento modificado. 7. A SOLENIDADE DE ENTREGA DOS TROFÉUS E CERTIFICADOS 6

7 Anualmente será realizada uma solenidade na qual o PROCEL fará a entrega de um certificado e um troféu às empresas com equipamento agraciado com o SELO PROCEL. Esta premiação é um reconhecimento formal por parte do poder público da excelência do desempenho energético dos equipamentos outorgados com o SELO PROCEL. 8. FORMAS DE APLICAÇÃO DO SELO PROCEL O fabricante / importador do equipamento contemplado com o SELO PROCEL deverá utilizá-lo obrigatoriamente na sua identificação e divulgação, sendo proibido seu uso em outros produtos não contemplados. O uso do SELO PROCEL no equipamento contemplado não poderá ser interrompido ou suspenso pelo fabricante / importador do produto durante o prazo de validade da outorga. a) Quanto às características O SELO PROCEL será utilizado pelo fabricante do equipamento contemplado conforme o modelo apresentado na figura A, que deverá ser reproduzido em observância com o Manual de Identidade Visual do SELO PROCEL³, ficando expressamente vedadas quaisquer alterações quanto à sua forma e proporção. Figura A 7

8 3- Manual de Identidade Visual do SELO PROCEL documento elaborado pelo PROCEL, onde constam a correta aplicação do SELO PROCEL nos equipamentos, formatos mínimos, cores etc. b) Quanto à forma de aposição no equipamento O SELO PROCEL deverá ser aposto no equipamento, com destaque, de modo a permitir sua perfeita visualização por parte do público consumidor. Os tamanhos, locais e formas de aposição do SELO PROCEL adequados para cada linha de produto, encontram-se discriminados em seu respectivo Critério Específico para Concessão do SELO PROCEL. O SELO PROCEL deverá ser aposto na linha de produção, de forma que o equipamento saia da fábrica com o SELO afixado. 9. AUTORIZAÇÃO DE USO DO SELO PROCEL Para poder fazer uso do SELO PROCEL o fabricante / importador deve enviar o Termo de Compromisso 4 devidamente assinado para a Secretaria Executiva do Procel. De posse do Termo de Compromisso e após receber os resultados oficiais dos ensaios confirmando a obtenção dos índices para a concessão do SELO PROCEL, a ELETROBRÁS / PROCEL autorizará o fabricante / importador a utilizar o SELO PROCEL nos produtos agraciados, e promoverá a divulgação dos mesmos através de tabelas veiculadas na página eletrônica do PROCEL. 4- Termo de compromisso acordo firmado entre a ELETROBRÁS / PROCEL e o fabricante / importador de equipamentos, interessado em obter a autorização para uso do SELO PROCEL, em conformidade com as regras e procedimentos definidos neste Regulamento. O SELO PROCEL se constitui em marca protegida perante o Instituto Nacional da Propriedade Industrial, gozando, assim, da proteção prevista na Lei da Propriedade Industrial nº 9.279, de 14 de maio de O uso do SELO PROCEL não transfere qualquer responsabilidade do fabricante ao PROCEL. 8

9 10. QUANTO À VALIDADE DA CONCESSÃO DO SELO PROCEL A concessão do SELO PROCEL terá validade expirada em 31 de dezembro do ano de outorga, podendo ser renovado para anos posteriores, a critério do PROCEL, sem a necessidade de se refazer os ensaios de conformidade no Laboratório de referência. Para alguns equipamentos, entretanto, o prazo de validade poderá ser de 365 dias consecutivos, a contar da data da autorização de uso. Expirado o prazo de concessão do SELO PROCEL, o fabricante / importador do equipamento contemplado não mais poderá utilizá-lo na identificação do mesmo, salvo nos produtos que estiverem estocados no fabricante e/ou no canal de distribuição, com data de fabricação correspondente ao período de concessão do SELO PROCEL. A validade da concessão do SELO PROCEL para cada equipamento constará em seu respectivo Critério Específico para Concessão do SELO PROCEL. 11. QUANTO À DIVULGAÇÃO DO SELO Independente da divulgação do Selo Procel, através da mídia, pelo Ministério de Minas e Energia ou pela Eletrobrás/Procel, o fabricante/ importador dos equipamentos contemplados terão plena liberdade para adotar a linha de divulgação que acharem mais conveniente, desde que em conformidade com as disposições contidas neste regulamento. A imagem do Selo Procel que for utilizada em todo e qualquer material de divulgação do equipamento contemplado com o Selo Procel, através de quaisquer meios, deverá seguir as determinações do Manual de Identidade Visual do Selo Procel. 9

10 Quaisquer alterações no Manual de Identidade Visual do Selo Procel, serão comunicadas pelo PROCEL aos fabricantes, para que estes alterem seus materiais de divulgação e publicidade em tempo hábil. É expressamente proibido associar a imagem do Selo Procel a equipamentos não contemplados. É expressamente vedada qualquer publicidade depreciativa, abusiva, falsa ou enganosa envolvendo o Selo Procel. 12. SANÇÕES E PENALIDADES Todo e qualquer uso do SELO PROCEL que exceda ou contrarie as disposições contidas neste regulamento sofrerá uma advertência, mediante correspondência escrita, para que sejam sanadas as irregularidades verificadas. Caso o fabricante / importador do equipamento contemplado não tome as providências requeridas pelo PROCEL para sanar as irregularidades causadoras da advertência, no prazo estabelecido, este sofrerá uma suspensão automática da autorização para sua utilização, ficando impedido de concorrer ao SELO PROCEL por um prazo de dois anos naquela categoria. Em caso de reincidência o fabricante / importador ficará impedido de participar em qualquer categoria pelo prazo de dois anos. 13. ALTERAÇÕES DO REGULAMENTO DO SELO PROCEL Este Regulamento pode ser revisto e/ou modificado a qualquer tempo pela Secretaria Executiva do PROCEL Secretaria Executiva do PROCEL 10

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO.

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO. CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO Revisão I 04/10/2006 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA (Revisão IV) 09/08/2013

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA (Revisão IV) 09/08/2013 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA (Revisão IV) 09/08/2013 PROCEL / ELETROBRAS PFD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Índice 1. Objetivo do Selo Procel......

Leia mais

Regulamento para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações

Regulamento para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações Regulamento para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações Versão 3.0 23/10/2015 Regulamento para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações Sumário 1. Objetivo

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A TELEVISORES CINESCÓPIO, LCD, LED, PLASMA E PROJEÇÃO (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETROMAGNÉTICOS PARA LÂMPADAS A VAPOR DE SÓDIO

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETROMAGNÉTICOS PARA LÂMPADAS A VAPOR DE SÓDIO CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETROMAGNÉTICOS PARA LÂMPADAS A VAPOR DE SÓDIO (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MOTORES ELÉTRICOS

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MOTORES ELÉTRICOS CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MOTORES ELÉTRICOS DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) 25/08/2010 PROCEL / ELETROBRAS

Leia mais

SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES

SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL PARA REATORES ELETRÔNICOS LÂMPADAS TUBULARES SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES GERAIS... 2 2 PROCESSO DE CONCESSÃO DO SELO PROCEL... 3 3 SUSPENSÃO DA AUTORIZAÇÃO... 5 4

Leia mais

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE

I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE I Seminário de Iluminação Pública Eficiente - SEMIPE Regulamento para Etiquetagem e Selo das Luminárias de Iluminação Pública Alexandre Paes Leme Inmetro Ribamar Vilela Velez Eletrobras/Procel Juiz de

Leia mais

Critérios para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações comerciais, de serviços e públicas

Critérios para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações comerciais, de serviços e públicas Critérios para concessão do Selo Procel de Economia de Energia para Edificações comerciais, de serviços e públicas (Documento complementar ao Regulamento para concessão do Selo Procel de Economia de Energia

Leia mais

Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual

Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Selo Procel de Economia de Energia Manual de Identidade Visual Versão: Agosto 2016 Índice 1. Introdução 2. Por que associar a sua marca

Leia mais

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Sistemas de Energia Solar e Eólica Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Especificações dos Módulos Fotovoltaicos Comerciais Sistemas de Energia Solar e Eólica Identificação e informações gerais Módulo

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005.

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso da atribuição que lhes confere

Leia mais

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS;

Procel Selo. Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Inauguração oficial do Laboratório de Eficiência Energética em Hidráulica e Saneamento - Lenhs da UFMS e da UFRGS; Apoio técnico à elaboração do PNEf. Vista superior do Lenhs da UFRGS Procel Selo Instituído

Leia mais

1. Introdução Contextualização

1. Introdução Contextualização 1. Introdução 1.1. Contextualização O processo decisório de compra de um produto por parte do consumidor ocorre percorrendo algumas etapas, tendo como participantes não apenas o decisor da compra, mas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 105, de 31 de Maio de 2004. O PRESIDENTE DO

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Categoria Mercado Livre

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Categoria Mercado Livre Diretrizes para obtenção do Selo Solar Categoria Mercado Livre Outorgado por em parceria com Julho de 2016 2 Índice Contextualização... 4 1. Sobre o Instituto Ideal e o Selo Solar... 5 2. Entidades parceiras...

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL

SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL SEL-0437 Eficiência Energética PROCEL 1 PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica Criado em 1985 pelo Ministério das Minas e Energia e da Indústria e Comércio Sua função é promover a

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica DECRETO N o 4.508, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a regulamentação específica que define os níveis mínimos de eficiência energética de motores

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 135, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 135, DE 9 DE MARÇO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 135, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Programa de Avaliação Dimensional Selo ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus. Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012

Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus. Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012 Aspectos técnicos da etiquetagem de pneus Gustavo Kuster Chefe de Divisão, Diretoria da Qualidade, Inmetro Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2012 Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) Gustavo Kuster

Leia mais

Selo Procel de Economia de

Selo Procel de Economia de Selo Procel de Economia de Energia para Edificações Acreditamos que o ser humano pode conviver em harmonia com a natureza, respeitando o meio ambiente, preservando as riquezas naturais e desenvolvendo

Leia mais

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David

Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de Rafael M. David Selo Procel Eletrobras 04 de Setembro de 2012 Rafael M. David Ministério das Minas e Energia 39.453 MW É A CAPACIDADE GERADORA DAS EMPRESAS ELETROBRAS, O QUE EQUIVALE A CERCA DE TRANSMISSÃO GERAÇÃO 37%

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art. 1 o Os equipamentos objeto desta regulamentação

Leia mais

Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014.

Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014. Portaria n.º 274, de 13 de junho de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO, EM EXERCÍCIO, designado pelos Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 132, DE 12 DE JUNHO DE 2006. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA

CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA CERTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA DE COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA Com a publicação da Portaria INMETRO nº 79 - REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA COLCHÕES E COLCHONETES DE ESPUMA FLEXÍVEL DE POLIURETANO,

Leia mais

CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO BÔNUS PARA MOTORES EFICIENTES

CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO BÔNUS PARA MOTORES EFICIENTES CONTRATO Nº CONTRATO DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO BÔNUS PARA MOTORES EFICIENTES A COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, inscrita

Leia mais

REGULAMENTO.

REGULAMENTO. www.firjan.com.br REGULAMENTO Regulamento Prêmio Melhores Práticas Sindicais - 2016 APRESENTAÇÃO Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), por meio da Diretoria Executiva

Leia mais

ENTENDA O PROJETO REQUISITOS PARA SUBSTITUIÇÃO DOS MOTORES ELÉTRICOS

ENTENDA O PROJETO REQUISITOS PARA SUBSTITUIÇÃO DOS MOTORES ELÉTRICOS PROJETO BÔNUS PARA MOTORES EFICIENTES ENTENDA O PROJETO O projeto tem por finalidade incentivar a substituição de motores elétricos antigos e pouco eficientes por motores mais modernos, mais eficientes

Leia mais

considerando a necessidade de viabilizar a disponibilidade destas tecnologias ao sistema de saúde do País;

considerando a necessidade de viabilizar a disponibilidade destas tecnologias ao sistema de saúde do País; Resolução - RE nº 444, de 31 de agosto de 1999 DOU de 01/09/99 Adota a norma técnica brasileira NBR IEC 60601.1:Equipamento Eletromédico. Parte 1 Prescrições Gerais para Segurança e normas técnicas particulares

Leia mais

Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS. Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS. Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Portaria Interministerial nº /MME/MCT/MDIC fl. 1 Anexo I REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE FOGÕES E FORNOS A GÁS Capítulo I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art.

Leia mais

Fornos de Micro-ondas

Fornos de Micro-ondas Página: 1/14 Elaborado por: João Damião Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Data Aprovação: 07/01/2013 1 - OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 002/2012

EDITAL INTERNO Nº 002/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO DO CAMPUS RIO DE JANEIRO EDITAL INTERNO Nº 002/2012 I CONCURSO A EXPRESSÃO DA ARTE NO

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO DE USUÁRIOS SAÚDE CAIXA CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO DE USUÁRIOS SAÚDE CAIXA CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL CONSELHO DE USUÁRIOS SAÚDE CAIXA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O presente Regulamento tem por objetivo disciplinar o processo eleitoral a ser deflagrado pelo Saúde CAIXA,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA USO DE LICENÇAS, CERTIFICADOS E MARCAS DE CONFORMIDADE

ORIENTAÇÕES PARA USO DE LICENÇAS, CERTIFICADOS E MARCAS DE CONFORMIDADE ORIENTAÇÕES PARA USO DE LICENÇAS, CERTIFICADOS E MARCAS DE CONFORMIDADE PL-02 REV.01 JUL/2016 PÁG. 1 de 5 1 OBJETIVO O exerce um controle apropriado quanto à propriedade, uso e à exibição de licenças,

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

1 ICQ BRASIL REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA NBR ISO 9001 E VERSÃO PERTINENTE

1 ICQ BRASIL REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SEGUNDO A NORMA NBR ISO 9001 E VERSÃO PERTINENTE 1 ICQ BRASIL OCS - Organismo de Certificação de Sistema da Qualidade, acreditado pela CGCRE Coordenação Geral de Acreditação do INMETRO para certificação de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos 2012 CONTEÚDO ABORDADO O Programa Vertentes Rede de Eficiência Energética Regulamentos Avaliação dos Sistemas Individuais Envoltória, Iluminação e Ar condicionado Processo de Etiquetagem Treinamento e

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 56, de 18 de fevereiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO PARA O PROJETO LABORATÓRIO DA CENA FUNARTE FUNARTE MG 2016

REGULAMENTO PARA O PROJETO LABORATÓRIO DA CENA FUNARTE FUNARTE MG 2016 REGULAMENTO PARA O PROJETO LABORATÓRIO DA CENA FUNARTE FUNARTE MG 2016 INTRODUÇÃO A Fundação Nacional de Artes/Funarte, entidade vinculada ao Ministério da Cultura/MINC, torna público que, no período de

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Recuperação de Física Giovanni

Recuperação de Física Giovanni Nome: nº Ano: LISTA DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA Recuperação de Física Giovanni 1 - Uma corrente elétrica com intensidade de 8,0 A percorre um condutor metálico. A carga elementar é e = 1,6.10-19 C. Determine

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 136, de 22 de agosto de 2005.

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016

EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016 EDITAL DE LEILÃO Nº - 02/2016 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL LONGO PRAZO A BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA., ("PROMOTOR"), inscrito no CNPJ/MF sob o nº 07.133.522/0001-00

Leia mais

PROCEDIMENTO FISCALIZAÇÃO

PROCEDIMENTO FISCALIZAÇÃO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO Setembro/2011

Leia mais

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias:

Art. 3º O Prêmio será concedido às melhores propostas nas seguintes categorias: Art. 1º A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC, por meio da Diretoria de Desenvolvimento Institucional e Industrial, lança a 1ª edição do Prêmio Melhores Práticas Sindicais, que

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 5º A SDA manifestar-se-á dentro do prazo máximo de 15 (quinze) dias corridos da data de recebimento da solicitação de autorização.

Art. 5º A SDA manifestar-se-á dentro do prazo máximo de 15 (quinze) dias corridos da data de recebimento da solicitação de autorização. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 15 DE MARÇO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de 2010

Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de

Leia mais

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 A CEMIG Geração e Transmissão S.A. - CEMIG GT, conforme legislação aplicável (Lei nº. 10.438/ 2002, Lei nº. 10.848/2004,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL Nº 121, de 25 de julho de 2003.

Leia mais

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA.

PQ /04/ OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. PQ.08 04 02/04/2013 1-6 1. OBJETIVO Definir as condições necessárias para os trabalhos do Comitê de Certificação da SAVASSI CERTIFICADORA. 2. DEFINIÇÕES Comitê de Certificação Grupo de pessoas representantes

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Cacoal - Internet:

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Cacoal   - Internet: UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGIMENTO COMITÊ EDITORIAL 2008 CAPÍTULO I DO COMITÊ EDITORIAL,

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 13/09/2013 PBE Veicular

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 13/09/2013 PBE Veicular Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular Sumário Histórico do Programa e Marcos Legais O programa veicular PBEV Próximos Passos Inovar Auto Resultados Conclusões Histórico e

Leia mais

Portaria n.º 451, de 03 de outubro de CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 451, de 03 de outubro de CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 451, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 323, DE 7 DE NOVEMBRO DE NORMA PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 323, DE 7 DE NOVEMBRO DE NORMA PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 323, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2002. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES 1 - OBJETIVO Esta Norma estabelece as condições mínimas necessárias à certificação de produtos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ROTOR GAIOLA DE ESQUILO. Portaria Inmetro nº 488/2010 Código 3287

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ROTOR GAIOLA DE ESQUILO. Portaria Inmetro nº 488/2010 Código 3287 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Página: 1/1 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 003/2016 EDITAL PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA COMERCIALIZAÇÃO/INTERMEDIAÇÃO NO USO DE ESPAÇOS DO

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 003/2016 EDITAL PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA COMERCIALIZAÇÃO/INTERMEDIAÇÃO NO USO DE ESPAÇOS DO CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 003/2016 EDITAL PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA COMERCIALIZAÇÃO/INTERMEDIAÇÃO NO USO DE ESPAÇOS DO CENTRO DE CONVENÇÕES DO PARQUE TECNOLÓGICO DE SOROCABA A EMPRESA MUNICIPAL

Leia mais

MÉRITO LOJISTA A ação ocorre na cidade de Bento Gonçalves, no período de 11 de fevereiro a 07 de abril de 2016.

MÉRITO LOJISTA A ação ocorre na cidade de Bento Gonçalves, no período de 11 de fevereiro a 07 de abril de 2016. MÉRITO LOJISTA 2015 Considerações: O Prêmio Mérito Lojista é uma promoção da Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves que visa a distinguir os associados que se destacaram em suas atividades, contribuindo

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA

PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA PROCEDIMENTO PARA AQUISIÇÃO DE SELOS DE IDENTIFICAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM CONFORMIDADE AVALIADA NORMA Nº NIE-DQUAL-142 APROVADA EM NOV/2009 Nº 1/5 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Serviços Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Serviços Ltda. Caso tenha necessidade de orientações sobre o assunto contido nesta

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 327, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015. Cria o Programa Palmas Solar para estabelecer incentivos ao desenvolvimento tecnológico, ao uso e a instalação de sistemas de conversão e/ou aproveitamento

Leia mais

Regimento Interno. Capítulo I Do Regimento Interno

Regimento Interno. Capítulo I Do Regimento Interno Regimento Interno Capítulo I Do Regimento Interno Art.1º- O presente Regimento Interno tem por base o Estatuto da Federação de Amor- Exigente FEAE - e estabelece diretrizes para o seu funcionamento. Art.2º-

Leia mais

Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006.

Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO ETERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 183, de 27 de julho de 2006.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS DECRETO N. 1.452, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2.014. "Dispõe sobre a política de benefícios tarifários no transporte coletivo às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, residentes no Município de Dourados,

Leia mais

Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos

Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos Regras Específicas para a Certificação de Equipamentos Eletromédicos 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece as condições para a certificação compulsória ou voluntária de equipamentos eletromédicos. 2 CAMPO DE

Leia mais

PROCEDIMENTO Sistemática de Tratamento de Reclamações, Acidentes/Incidentes e Faltas Graves

PROCEDIMENTO Sistemática de Tratamento de Reclamações, Acidentes/Incidentes e Faltas Graves 1 de 2 Objetivo: Definir a sistemática das atividades relacionadas com o tratamento de reclamações, acidentes e incidentes e faltas graves das partes interessadas dentro do Sistema Qualinstal. 1. Aplicação:

Leia mais

Portaria n.º 446, de 27 de agosto de 2012.

Portaria n.º 446, de 27 de agosto de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 446, de 27 de agosto de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de 2010

Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 489, de 08 de dezembro de

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO MERCOSUR/GMC/RES. Nº 60/05 CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE MODELO DE INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 20/02 do Conselho do Mercado Comum

Leia mais

Prêmio ACIF Mulheres Que Fazem a Diferença Quinta Edição. Regulamento

Prêmio ACIF Mulheres Que Fazem a Diferença Quinta Edição. Regulamento Prêmio ACIF Mulheres Que Fazem a Diferença Quinta Edição Regulamento Art. 1º - DA APRESENTAÇÃO E OBJETIVO 1.1 - O Prêmio ACIF Mulheres que Fazem a Diferença é uma iniciativa do Núcleo Multissetorial da

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DO PBQP-H

REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO DO PBQP-H 1 ICQ BRASIL OCO Organismo de Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade de Empresas de Serviços e Obras na Construção Civil, acreditado pela CGCRE para certificação de terceira parte. 2 OBJETIVO

Leia mais

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS

ANEXO B CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE LABORATÓRIOS NÃO ACREDITADOS Rev. Outubro/2011 Página 1 de 6 Conforme anexo B da NIT DICOR 024 rev. 03 de fevereiro/2010 - Critérios para a Acreditação de Organismo de Certificação de Produto e de Verificação de Desempenho de Produto.

Leia mais

SYNGENTA PREVI SOCIEDADE DE PREVIDENCIA PRIVADA. Regimento Eleitoral aprovado pelo Conselho Deliberativo da Syngenta Previ em 22/09/2015

SYNGENTA PREVI SOCIEDADE DE PREVIDENCIA PRIVADA. Regimento Eleitoral aprovado pelo Conselho Deliberativo da Syngenta Previ em 22/09/2015 SYNGENTA PREVI SOCIEDADE DE PREVIDENCIA PRIVADA Regimento Eleitoral aprovado pelo Conselho Deliberativo da Syngenta Previ em 22/09/2015 Regimento Eleitoral A Diretoria-Executiva resolve expedir o presente

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 084, de 02 de junho de 2005 O

Leia mais

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOTO CONSU 2012-04 de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Monitoria do Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP é um programa

Leia mais

IV PRÊMIO JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI DE DIREITOS HUMANOS Capítulo I Do Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos e sua finalidade

IV PRÊMIO JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI DE DIREITOS HUMANOS Capítulo I Do Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos e sua finalidade IV PRÊMIO JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI DE DIREITOS HUMANOS - 2015 A Diretoria da AMAERJ, nos termos da Resolução 04/2015 da Assembleia Geral, aprova o regulamento do IV PRÊMIO JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI DE DIREITOS

Leia mais

Portaria nº. 448, de 15 de dezembrode CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº. 448, de 15 de dezembrode CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº. 448, de 15 de dezembrode

Leia mais

N O T Í C I AS P L AM G E P R E F E I T U R A D I AM AN T I N A e C E M I G

N O T Í C I AS P L AM G E P R E F E I T U R A D I AM AN T I N A e C E M I G PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO ENERGÉTICA PREFEITURA MUNICIPAL DE DIAMANTINA N O T Í C I AS P L AM G E P R E F E I T U R A D I AM AN T I N A e C E M I G PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO ENERGÉTICA Comunicamos que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 040, de 18 de março de 2004.

Leia mais

Código de Autorregulação Informações aos Participantes

Código de Autorregulação Informações aos Participantes MINUTA Código de Autorregulação Informações aos Participantes Capítulo I - Propósito Artigo 1º - O objetivo deste Código de Autorregulação (Código) é estabelecer os parâmetros relativos às informações

Leia mais

licenciamento de produtos

licenciamento de produtos s ã o p a u l o f u t e b o l c l u b e licenciamento de produtos Licenciamento é o processo legal pelo qual o dono de uma marca, imagem ou qualquer outra propriedade intelectual autoriza ou cede o direito

Leia mais

PROCESSO PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS

PROCESSO PARA CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS 1 Solicitação de Certificação Para aquelas empresas que tenham interesse em certificar seus produtos, as informações referentes à certificação estão disponíveis na página da internet do ITEP/OS (www.itep.br/certificacaodeproduto)

Leia mais

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País

Norma CNEN para. Concessão de Bolsas no País Norma CNEN para Concessão de Bolsas no País NORMA CNEN PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO NO PAÍS SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1. Da Finalidade, Campo de Aplicação e Conceitos Gerais 2 1.1 Da Finalidade 2 1.2 Do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Política e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Política e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE ANEXO ÚNICO DO DECRETO N. 28.397, DE 21/09/2006 TERMO N. 09/2011 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos

Leia mais