RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon"

Transcrição

1 1. Dados da Auditoria Data: 14 à 18 de julho de 2014 Certificação ( X ) Acompanhamento ( ) Verificação ( ) Recertificação ( ) OBS: 2. Dados do Organismo Certificador LIFE Nome do Organismo Certificador LIFE: Instituto de Tecnologia do Paraná TECPAR Endereço/Fone: Rua Prof. Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC Curitiba PR (41) Auditor Líder: Marcos Vinicius Lorenzon Equipe auditora: Marcos Vinicius Lorenzon Auditor Líder Mauricy Kawano - Auditor 3. Dados da Organização Nome: ITAIPU Binacional - UHI Código Certificação LIFE: Endereço: Av Tancredo Neves, Usina - Foz do Iguaçu - PR - CEP Setor: Secundário Escopo da Certificação (Unidade Empresarial e Unidades de Campo): ITAIPU Binacional - UHI Contato: Newton Luiz Kaminski 4. Parecer da Auditoria 4.1 Tabelas descritivas do atendimento a Princípios, Critérios e indicadores: Avaliação Qualitativa Necessária Atingida Porcentagem total de indicadores aplicáveis cumpridos ou parcialmente cumpridos 70% 100% Porcentagem de indicadores essenciais aplicáveis cumpridos ou parcialmente cumpridos 100% 100%

2 Indicadores P&C i1 i2 i3 i4 i5 i6 i7 i8 i9 P1C1 - P1C2 - - P2C1 - - P3C1 P3C2 P3C3 P4C1 P4C2 P5C1 - - P5C2 - - P5C3 P5C4 P5C5 P6C1 P6C2 P6C3 P7C1 P7C2 P8C1 P8C2 Atendimento ao Item do Padrão (legenda): Atendido Não atendido X Indicadores essenciais Parcialmente atendido Não aplicável 4.2 Cálculo do VEIB e ACB Realizado. VEIB - Valor Estimado de Impacto à Biodiversidade 395, Desempenho mínimo em Ações de Conservação da Biodiversidade ACB Ações de Conservação da Biodiversidade ACB mínimo ,59 ACB realizado ,01 ACB a realizar 3538,58

3 4.4 Lista de Ações de Conservação da Biodiversidade avaliadas Título da ação Local de realização/foco da ação Cadastro Código Formação de banco de germoplasma de espécies nativas da fauna. (Pontua por espécie). Leopardus tigrinus (gato do mato pequeno), Panthera onca (onça pintada), Leopardus pardalis (jaguatirica), Mazama nana (veado bororó) Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Leporinus friderici, Pseudoplatystoma reticulatum, Pseudoplatystoma fasciculatum, Piaractus mesopotamicus, Brycon orbygnianus Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região 20 espécies Implantação de corredor de biodiversidade Corredor Santa Maria Plantas Medicinais Estudo da estrutura e densidade da população de capivaras (Hydrochuerus hydrochaeris) Reprodução em Cativeiro -(Pontua por espécie). HARPIA VEADO-BORORÓ GATO-DO-MATO-PEQUENO JAGUATIRICA CERVO-DO-PANTANAL ANTA RBV - Hospital Veterinário G3T2.A3 15 Laboratório Canal da Piracema G3T2.A3 15 Bacia do Paraná 3 G3T1.A3 09 Entre a APP Itaipu e o Parque Nacional do Iguaçu Refúgio Biológico Bela Vista Viveiro Medicinal Foz do Iguaçu G1T6.A5 06 G4T3.A9 11 CHI e Refúgio Bela Vista G2T5 A2 09 RBV - Criadouro de Animais Silvestres da ITAIPU Binacional - CASIB Foz do Iguaçu - PR G3T2.A3 15 Formação de Educadores Ambientais Bacia do rio Paraná 3 G5T2. A5 12

4 Título da ação Local de realização/foco da ação Cadastro Código Linha Ecológica Educação ambiental Bacia do rio Paraná 3 G5T2. A5 12 Ecomuseu de Itaipu Foz do Iguaçu G3T2.A6 13 Educação Ambiental Corporativa ITAIPU Binacional Foz do Iguaçu - PR G5T2.A5 12 Parceria com ONG com foco em conservação Instituto Life Apoio à elaboração dos Planos de Controle Ambiental das comunidades lindeiras Jovem Jardineiro Encontro Cultivando Água Boa Apoio técnico - Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável Convênio com a CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor) Apoio técnico - Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável Contrato da Biolabore Sustentabilidade de comunidades indígenas (Artesanato) Sustentabilidade de comunidades indígenas (Recuperação de áreas degradadas) Sustentabilidade de comunidades indígenas Produção agroecológica na reserva Itamarã Sustentabilidade de comunidades indígenas Produção agroecológica Sustentabilidade de comunidades indígenas Aquicultura de taxons nativos do bioma Programa de gestão de resíduos sólidos, capacitação da comunidade de catadores, fomentando a reciclagem e reaproveitamento. Informações pertinentes quanto à localização ou foco da ação G5T2.A6 10 Bacia do Paraná 3 G5T2.A6 10 Itaipú, Refugio, Parque Tecnologico Itaipu. Foz do Iguaçu Foz do iguaçu e os demais 29 municípios da bacia G5T2.A5 12 G5T2.A5 12 Bacia do Paraná 3 G4T3.A4 11 Bacia do Paraná 3 G4T3.A4 11 Reservas Itamarã, Añatete e Ocoy G4T3.A3 11 Reserva Itamarã G1T8 A6 14 Reserva Itamarã G4T3.A4 11 Reserva Añatete G4T3.A4 11 Reserva Ocoy G1T8 A15 11 Foz do Iguaçu e região G5T2.A4 10

5 Título da ação Local de realização/foco da ação Cadastro Código Constituição Refúgios Constituição Refúgios Constituição Refúgios Operacionalização RBV Colocação de marcos nas divisas Operacionalização RBV Infraestrutura de delimitação da área protegida (cerca 26,64km) Operacionalização RBV Ações de fiscalização em área protegida Operacionalização RBV Contratar recursos humanos Operacionalização RBV Infraestrutura, administração e operacionalização Operacionalização RBV Implementar ações de educação ambiental com foco na conservação de recursos naturais Operacionalização RBV Plano de controle e combate a incêndio na área protegida Operacionalização RBM Colocação de marcos nas divisas Operacionalização RBM Infraestrutura de delimitação da área protegida (cerca 26 km) Operacionalização RBM Ações de fiscalização em área protegida Operacionalização RBM Contratar recursos humanos Operacionalização RBM Infraestrutura, administração e operacionalização Operacionalização RBM Plano de controle e combate a incêndio na área protegida Operacionalização RSH Colocação de marcos nas divisas Refúgio Biológico Bela Vista Foz do Iguaçu-PR Refúgio Biológico Santa Helena Santa Helena-PR (ARIE-SH) Refúgio Biológico Maracaju Mundo Novo-MS G2T1.C1 01 G1T2.C1 01 G2T1.C1 01 Refúgio Bela Vista G2T5.A13 04 Refúgio Bela Vista G2T5.A1 04 Refúgio Bela Vista G2T5.A8 07 Refúgio Bela Vista G2T5.A9 04 Refúgio Bela Vista G2T5.A10 04 Refúgio Bela Vista G2T5.A11 12 Refúgio Bela Vista G2T5.A6 14 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A13 04 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A1 04 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A8 07 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A9 04 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A10 04 Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A6 14 Refúgio Santa Helena G1T8.A2 04

6 Título da ação Local de realização/foco da ação Cadastro Código Operacionalização RSH Ações de fiscalização em área Refúgio Santa Helena G1T8.A3 07 protegida Operacionalização RSH Contratar recursos humanos Refúgio Santa Helena G1T8.A7 04 Operacionalização RSH Infraestrutura, administração e Refúgio Santa Helena G1T8.A9 04 operacionalização Operacionalização RSH Plano de Manejo Refúgio Santa Helena G1T5.P1 08 Faixa de proteção do reservatório Conservar e restaurar áreas além do exigido por lei Foz do Iguaçu a Guaíra - PR G2T5.A ,28 ha Faixa de proteção do reservatório Plano de prevenção e manejo de fogo Foz do Iguaçu a Guaíra - PR G2T5.A6 14 da área Faixa de proteção do reservatório Fortalecer programas de fiscalização Foz do Iguaçu a Guaíra - PR G2T5.A5 10 Faixa de proteção do reservatório Ação de mapeamento, SIG, delineamento de áreas com potencial para aumento da conectividade, cadastros rurais Monitoramento de Ovos e Larvas de peixes no reservatório de Itaipu e tributários Monitoramento de Ovos e Larvas de peixes no Parque Nacional de Ilha Grande Marcação de peixes com Lea / Dart tags Foz do Iguaçu a Guaíra - PR G2T5.A12 16 Parque da Piracema, Refúgio Bela Vista, Reservatório de Itaipu G2T5.A2 09 Parque Nacional de Ilha Grande G1T6.A2 09 Reservatório de Yaciretá, Rio Paraná, Itaipu e Canal da Piracema, Parque Nacional de Ilha Grande, Porto Primavera, Jupiá G2T4.A1 09 Marcação de peixes com Pit-Tags Canal da Piracema de Itaipu G2T4.A1 09 Implantação e operação do Canal da Piracema Implantação e operação do sistema de transposição para peixe Refúgio Bela Vista G2T4.A2 06

7 Título da ação Local de realização/foco da ação Cadastro Código Implantação e operação do Canal Fortalecer programas / órgãos de fiscalização para coibir a pesca ilegal Monitoramento do desembarque pesqueiro no reservatório Mais peixes em nossas águas Realizar estudos para a definição de planos de negócio para a sustentabilidade dos recursos da biodiversidade Projeto demonstrativo de aquicultura de táxons nativo, visando a minimização da pressão sobre estoques Amigos do Refúgio Educação Ambiental no RBV - comunidade do entorno Resgate de ictiofauna nas unidades geradoras Refúgio Bela Vista G4T2.A3 10 Reservatório de Itaipu G2T4.A1 09 Santa Helena Santa Helena, Entre Rios do Oeste G4T3.A5 G4T5.A RBV G2.T5.A11 12 Itaipu G3T1.A Ações para Monitoramento pelo Organismo Certificador LIFE Monitoramento dos indicadores AM Prazo P1.C1.i1 Parcialmente atendido Considerando a Política Ambiental das Empresas Eletrobrás, revisar a Política Ambiental da ITAIPU e incluir o tema Biodiversidade. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. AM Prazo P1.C2.i2 Parcialmente atendido Tomando como base o documento LIFE-BR-RD002 Rastreabilidade da cadeia de suprimentos, a Itaipu deve identificar os impactos à biodiversidade de todos os seus fornecedores mapeados em P1.C2.i1, por meio de uma matriz de análise que permita classificar os impactos às causas de perda de biodiversidade, incluindo poluição, mudanças climáticas, perda de habitat, sobreexporação, espécies exóticas invasoras. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. AM Prazo P1.C2.i3 Parcialmente atendido Alinhar o mapeamento requerido por P1.C2.i1, e a avaliação/classificação dos fornecedores requeridos por P1.C2.i2 com as Políticas de compras sustentáveis. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria.

8 RM Prazo Ação P2.C1.i1 Não atendido Revisar o CTF e incluir as atividades desenvolvidas no Projeto de Plantas Medicinais. 90 dias a contar da entrega do Relatório de Auditoria. A Organização Incluiu em seu Cadastro Técnico Federal CTF a categoria 16 Indústria de Produtos Alimentares e Bebidas 1 beneficiamento, moagem, torrefação e fabricação de produtos alimentares. Este Requisito de Melhoria esta atendido. AM Prazo P2.C1.i2 Requerer outorga para captação de água do Portinho. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. Parcialmente atendido AM Prazo P2.C1.i3 Parcialmente atendido Apresentar documentos que comprovem o atendimento ao AUTO/TERMO no emitido pela Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu/Secretaria Municipal de Saúde. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. RM Prazo Ação P2.C1.i9 Não atendido Considerando o armazenamento de germoplasma de mamíferos, a Itaipu deve definir claramente os objetivos da manutenção de tais bancos, assim como requerer autorização para a continuidade das atividades do projeto do banco de germoplasma de mamíferos. 90 dias a contar da entrega do Relatório de Auditoria. A autorização para atividades com finalidade científica foi solicitada no Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade SISBIO, conforme extrato Inserida no CTF, mantido junto ao Ibama, a categoria 20 Uso de Recursos Naturais 41 Utilização do patrimônio genético natural coleta de material biológico com finalidade científica ou didática. Este Requisito de Melhoria esta atendido. AM Prazo P5.C1.i1 Parcialmente atendido Revisar as Planilha de identificação e incluir os aspectos e impactos de outras operações/atividades próprias e de parceiros ou prestadores de serviço, tais como do parceiro PTI, refeitório, viveiro e plantas medicinais. Para esta revisão recomenda-se considerar como modelo os requisitos do documento LIFE-BR-RD002 Rastreabilidade da cadeia de suprimentos. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. AM Prazo P5.C1.i2 Parcialmente atendido Considerando a revisão da planilha descrita em P5.C1.i1, incluir nesta revisão critérios para identificação de impactos negativos à biodiversidade no desenvolvimento de novos produtos, processos ou tecnologias. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria.

9 AM Prazo P5.C2.i2 Parcialmente atendido Criar e manter procedimentos quanto à geração e também o armazenamento de registros referentes aos treinamentos realizados. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. AM Prazo P5.C2.i3 Parcialmente atendido Considerando os Planos já existentes, elaborar PGRS que contemple todas as atividades da Itaipu, incluindo os resíduos gerados nos escritórios, parceiros, restaurante, central de resíduos, almoxarifado, refeitório, viveiro, plantas medicinais entre outros. Um ano a contar da entrega do Relatório de Auditoria. RM Prazo Ação P7.C2.i1 Não atendido Apresentar parecer sobre a aplicabilidade de uma política de repartição de benefícios, relacionada às atividades desenvolvidas no Hospital Veterinário e Laboratório do Canal da Piracema, referentes aos Bancos de Germoplasmas (peixes e mamíferos), podendo utilizar como base para avaliação o Protocolo de Nagoya. 90 dias a contar da entrega do Relatório de Auditoria. Parecer pela não aplicabilidade à Itaipu, de acordo com o contido na Folha de Despacho /JD/0206/14, de Este Requisito de Melhoria esta atendido. Ações de conservação: Operacionalização a ser desenvolvida na Reserva Santa Helena - Ação de Fiscalização em área protegida - G1T8.A3 - código 07: OM: Convém Implementar ação de fiscalização em área protegida, verificar a possibilidade de renovar convênio nº , para implementação das ações de fiscalização na Reserva Santa Helena.

10 4.5.2 Monitoramento das Ações de Conservação da Biodiversidade Formação de banco de germoplasma de espécies nativas da fauna. (Pontua por espécie). Leopardus tigrinus (gato do mato pequeno), G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies nativas da fauna. (Pontua por Panthera onca (onça pintada), espécie). G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies nativas da fauna. (Pontua por espécie). Leopardus pardalis (jaguatirica), G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna

11 Formação de banco de germoplasma de espécies nativas da fauna. (Pontua por Mazama nana (veado bororó) espécie). G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Leporinus friderici G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Pseudoplatystoma reticulatum, G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Piaractus mesopotamicus G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna

12 Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Brycon orbygnianus G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Formação de banco de germoplasma de espécies de peixes nativos. (Pontua por espécie). Pseudoplatystoma fasciatum, G3T2.A Visita ao Hospital Veterinário, onde estão às reservas criopreservadas de sêmens das espécies da fauna e avalição do documento: Tabela de Amostras Banco de Germoplasma Fauna Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Schinus terebentifolius G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

13 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Astronium graveolens G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Aspidosperma polyneuron G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

14 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Syagrus romanzoffiana G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Euterpe edulis G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

15 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Jaranda micrantha G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Maytenus ilicifolia G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

16 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Copaifera langsdorffi G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta - Poecilanthe sementes de espécies nativas parviflora da região G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

17 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Erythrina falcata G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Inga sp. G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

18 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Guarea kuntiana G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Psidium cattleianum G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

19 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Eugenia involucrata G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Myrcianthes pungens G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

20 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Eugenia sonderiana G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Campomanesia guazumaefolia G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

21 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Roupala brasilienis G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região - Prunus sellowii G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

22 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta - Citarexylum sementes de espécies nativas myriantum da região Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas Balfourodendron riedelianum da região G3T1.A G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

23 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região Pterogyne nitens G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região Ocotea puberula G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

24 Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região Myrocarpus frondosus G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009. Avaliação da listagem de porta sementes e Relatório de sustentabilidade EM 15 Planilha. Convênio com a Unioeste para identificação de porta sementes de espécies nativas da região Cedrella fissilis G3T1.A Relação de espécies preferenciais mapeadas Documento V0. Planilha de coleta de sementes Convênio nº Itaipu e UNIOSTE, cooperação técnico - didático - científico e financeiro para coleta de sementes florestais nativas para banco de sementes e mapeamento de matrizes florestais nativas. Assinado em 01/06/2009.

25 Verificação em campo da existência e manutenção do corredor. Portaria nº 137, de 09 de outubro de 2001 Criação do Corredor Ecológico de Santa Maria. Implantação de corredor de biodiversidade Corredor Santa Maria Corredor de biodiversidade - Entre a APP Itaipu e o Parque Nacional do Iguaçu G1T6.A Ligação entre Fazenda Santa Maria e Parque Nacional do Iguaçu a faixa de proteção a ITAIPU Binacional. Ação: Doação e Plantio de Mudas de Espécies Nativas para Formação do Corredor: Largura de 60m com 13km de distância. Levantamento topográfico Mapa 2032-DI P Corredor de Biodiversidade Santa Maria. Municípios de Santa Terezinha do Itaipu/ São Miguel do Iguaçu.

26 Evidências coletadas: Plantas Medicinais Resgatar o conhecimento popular sobre o emprego de plantas medicinais e fornecer mudas e fitoterápicos, a fim de reduzir pressões sobre exemplares nativos silvestres. G4T3.A Avaliação do local onde as plantas são selecionadas, passando pelo processo de secagem, embalagem e armazenamento, até sua distribuição como fitoterápicos. Cartilha informativa - Projeto Plantas Medicinais; Livro Plantas Medicinais Nativas dos Remanescentes Florestais do Oeste do Paraná (2010). PLANO DE MANEJO E CONVERSÃO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO PARA O SISTEMA DE PRODUÇÃO ECOLÓGICO Certificação Participativa Ecovida. Ervanário Itaipu. Estudo da estrutura e densidade da população de capivaras (Hydrochuerus hydrochaeris) Estimar parâmetros populacionais da espécies para subsidiar ações de manejo G2T5 A Evidências coletadas: Avaliação do estudo - Ecologia de capivara no Refúgio Biológico Bela Vista, ITAIPU Binacional Brasil, Laboratório de Biodiversidade, Conservação e Ecologia de Animais Silvestres, Foz do Iguaçu, setembro/2013

27 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). HARPIA G3T2.A Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). VEADO-BORORÓ G3T2.A Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). GATO-DO-MATO-PEQUENO G3T2.A Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013

28 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). JAGUATIRICA G3T2.A Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). CERVO-DO-PANTANAL G3T2.A Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). ANTA G3T2.A Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013

29 Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). PAPAGAIO DA CARA ROXA G3T2.A Reprodução em Cativeiro - (Pontua por espécie). MUTUM G3T2.A Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Visitação ao criadouro e avaliação do documento: Censo 2014 CASOB Zoo Planilha. Relatório interno Fauna de janeiro de 2014; Relatório sobre Movimento de animais no CASIB em 2012 e 2013 Relatório sobre Movimento de animais no Zoológico em 2012 e 2013 Formação de Educadores Ambientais Bacia do rio Paraná 3 G5T2. A Avaliação do Relatório Síntese 2013 Programa 238 Educação Ambiental: Ação 4038 Formação em Educação Ambiental na Área de Influência de Itaipu Formação de Gestores de Educação Ambiental.

30 Linha Ecológica Educação ambiental Realizar campanhas de comunicação educativa e de mobilização voltadas ao consumo sustentável e/ou à conservação da biodiversidade. G5T2. A Evidências Analisadas: Plano Operacional Programas e Ações. Programa 238-Educação Ambiental. Evidências Analisadas: Ecomuseu de Itaipu Realizar a manutenção de acervo técnico e científico de coleções de material botânico e zoológico. G3T2.A Plano Diretor - ECOMUSEU DE ITAIPU 20/02/1986; Relatório primeiro semestre de 2013-Programa Valorização do patrimônio Institucional e Regional/Ecomuseu de Itaipu Educação Ambiental Corporativa Realizar campanhas de comunicação educativa e de mobilização voltadas ao consumo sustentável e/ou à conservação da biodiversidade. G5T2.A Evidências Analisadas: Plano Operacional Programas e Ações. Convite para inscrição na Oficina de gastronomia agroecológica e funcional, a ser realizada 05, 06 de agosto de 2014.

31 Parceria com ONG com foco em conservação Instituto Life Estabelecer e manter convênio com Instituições de Pesquisa e/ou ONG s objetivando conservação da biodiversidade. G5T2.A Evidências Analisadas: Resolução da Diretoria Executiva RDE 099/13-909ª Reunião Ordinária 09/05/ Alocação de recursos financeiros ao Instituto LIFE, para a continuidade das ações relacionadas à Certificação LIFE, visando reconhecer compromissos e práticas empresariais em favor da conservação da biodiversidade. Convenio nº Instrumento de convênio de cooperação técnico-financeira para o desenvolvimento do programa de gestão de Bacias Hidrográficas, educação ambiental e monitoramento participativo na Bacia Hidrográfica do Paraná III. Estabelecer e manter Apoio à elaboração dos convênio com Instituições de Planos de Controle Ambiental Pesquisa e/ou ONG s das comunidades lindeiras. objetivando conservação da Apoio PTI biodiversidade. G5T2.A Cláusula quarta Compete a conveniada: Item f Produzir, incentivar e participar da produção de conhecimento técnico na região de abrangência do presente Convênio, bem como participar de sua aplicação para melhoria da qualidade ambiental e de vida das populações das diversas comunidades abrangidas pelo convênio. Avaliado o Plano de trabalho de 2008 à 2012.

32 Projeto - Jovem Jardineiro Realizar campanhas de comunicação educativa e de mobilização voltadas ao consumo sustentável e/ou à conservação da biodiversidade. G5T2.A Plano Operacional Programas e Ações. Relatório Anual para o Conselho Jovem Jardineiro 2012; Encontro Cultivando Água Boa Realizar campanhas de comunicação educativa e de mobilização voltadas ao consumo sustentável e/ou à conservação da biodiversidade. G5T2.A Plano Operacional Programas e Ações. Ev01 Jornal do programa socioambiental da itaipu binacional - CAB Apoio técnico - Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável Convênio com a CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor) Desenvolvimento de projetos agroecológicos, orgânicos e similares. G4T3.A Convênio com a CAPA: Desenvolver projeto Promover e fortalecer a agroecologia. Vigente até 30/01/2015. Planilha de controle geral do convenio: Prestação de contas mensais maio de 2014 convenio Plano Operacional Programas e Ações. Apoio técnico - Programa de Desenvolvimento Rural Sustentável Contrato da Biolabore Desenvolvimento de projetos agroecológicos, orgânicos e similares. G4T3.A Plano Operacional Programas e Ações. Convênio nº , Biolabore Itaipu.

33 Plano Operacional Programas e Ações. Sustentabilidade de comunidades indígenas (Artesanato) Implementar projetos e/ou planos de negócio para a sustentabilidade dos recursos da biodiversidade. (Reservas Itamarã, Añatete e Ocoy) G4T3.A Programa 400 Sustentabilidade de Segmentos Vulneráveis Ação 2269 Sustentabilidade de Comunidades Indígenas. Documento: ITAIPU e Comunidades Guarani - completo. ORÇAMENTO AÇÃO PROGRAMA SUSTENTABILIDADE DE COMUNIDADES INDÍGENAS ESTIMATIVA. Plano Operacional Programas e Ações. Sustentabilidade de comunidades indígenas (Recuperação de áreas degradadas) Implementar projeto de restauração ecológica do ecossistema na área protegida. (Reserva Itamarã) G1T8 A Programa 400 Sustentabilidade de Segmentos Vulneráveis Ação 2269 Sustentabilidade de Comunidades Indígenas. Documento: ITAIPU e Comunidades Guarani - completo. ORÇAMENTO AÇÃO PROGRAMA SUSTENTABILIDADE DE COMUNIDADES INDÍGENAS ESTIMATIVA.

34 Plano Operacional Programas e Ações. Sustentabilidade de comunidades indígenas Produção agroecológica na reserva Itamarã Desenvolvimento de projetos agroecológicos, orgânicos e similares. (Reserva Itamarã) G4T3.A Programa 400 Sustentabilidade de Segmentos Vulneráveis Ação 2269 Sustentabilidade de Comunidades Indígenas. Documento: ITAIPU e Comunidades Guarani - completo. ORÇAMENTO AÇÃO PROGRAMA SUSTENTABILIDADE DE COMUNIDADES INDÍGENAS ESTIMATIVA. Plano Operacional Programas e Ações. Sustentabilidade de comunidades indígenas Produção agroecológica Reserva Añatete Desenvolvimento de projetos agroecológicos, orgânicos e similares. (Reserva Añatete) G4T3.A Programa 400 Sustentabilidade de Segmentos Vulneráveis Ação 2269 Sustentabilidade de Comunidades Indígenas. Documento: ITAIPU e Comunidades Guarani - completo. ORÇAMENTO AÇÃO PROGRAMA SUSTENTABILIDADE DE COMUNIDADES INDÍGENAS ESTIMATIVA.

35 Plano Operacional Programas e Ações. Sustentabilidade de comunidades indígenas Aquicultura de taxons nativos do bioma. Reserva Ocoy Desenvolver projeto demonstrativo de manejo produtivo adequado à conservação dos recursos da biodiversidade. (Reserva Ocoy) G1T8 A Programa 400 Sustentabilidade de Segmentos Vulneráveis Ação 2269 Sustentabilidade de Comunidades Indígenas. Documento: ITAIPU e Comunidades Guarani - completo. ORÇAMENTO AÇÃO PROGRAMA SUSTENTABILIDADE DE COMUNIDADES INDÍGENAS ESTIMATIVA.

36 Lista de presença Capacitação. Data 01/04/2004. Carga horária 8h. Módulo: I História do Catador; Lista de presença. Data 14/04/2014. Reunião com o Secretário de Meio Ambiente de Santa Terezinha de Itaipu; Programa de gestão de resíduos sólidos, capacitação da comunidade de catadores, fomentando a reciclagem e reaproveitamento. Apoio COAF, 29 municípios e 650 catadores. Implementar e/ou fortalecer políticas públicas de incentivo a mecanismos para a conservação da biodiversidade. G5T2.A Cronograma de capacitações para lideranças de Catadores. Período Abril à Novembro. Módulos: A história do catador; Resgate da cidadania; Economia Social Solidária; Geração de Resíduos Sólidos; Coleta Seletiva e destinação final de resíduos; Criação de organizações solidárias; Administração de empreendimentos solidários; Associativismo e cooperativismo; Convite para Reunião Ordinária do Fórum Regional Lixo e Cidadania da Bacia Hidrográfica do Rio Paraná 3. Local Refúgio Biológico Bela Vista. Data 01/07/2014; Plano de Trabalho. COAAFI Cooperativa de agentes ambientais de Foz do Iguaçu. Que contém como metas: Aquisição de 13 prensas, 2 elevadores de cargas e 767 kits de uniformes, Distribuição dos equipamentos e uniformes para associações e cooperativas e grupos de trabalho da BP3; Termo de responsabilidade. Data 20/08/2013. Referente à doação de 40 kits de uniformes, 2 prensas e 1 elevador de fardo para a Associação dos Agentes Ambientais de Santa Helena Amigos do Meio Ambiente; Termo de responsabilidade. Data 24/03/2014. Referente

37 Constituição Refúgios Constituição Refúgios Constituição Refúgios Operacionalização RBV Colocação de marcos nas divisas Compra, expansão, adoção ou doação de área para conservação. Refúgio Biológico Bela Vista Foz do Iguaçu-PR Refúgio Biológico Santa Helena (ARIE-SH) Santa Helena-PR Refúgio Biológico Maracaju Mundo Novo-MS Infraestrutura de demarcação e sinalização da área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T1.C , ,03 G1T2.C , ,3 G2T1.C , ,01 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA Resolução DE nº RDE-050/84-252ª Reunião Ordinária DATA Criação, operação e vigilância das Reservas Biológicas de Santa Helena e Bela Vista, na margem esquerda da área de propriedade de ITAIPU. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA Resolução DE nº RDE-050/84-252ª Reunião Ordinária DATA Criação, operação e vigilância das Reservas Biológicas de Santa Helena e Bela Vista, na margem esquerda da área de propriedade de ITAIPU. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA Resolução DE nº RDE-051/84-252ª Reunião Ordinária DATA Criação, operação e vigilância do Refúgio Biológico de MARACAJU, em área da ITAIPU. G2T5.A Visitação ao RBV, para verificação de marcos nas divisas.

38 CONTRATO N" Operacionalização RBV Infraestrutura de delimitação da área Delimitação da área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO DE MURO DE ALVENARIA NA PERIMETRAL DO REFÚGIO BIOLÓGICO BELA VISTA - MARGEM ESQUERDA -5ª ETAPA. Operacionalização RBV Ações de fiscalização em área protegida Implementar ações de fiscalização da área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A Contrato nº Instrumento particular de contrato de execução dos serviços de vigilância armada e segurança ostensiva nas dependências e áreas da Itaipu Binacional, localizadas em Foz do Iguaçu, Santa Helena e Guairá PR. Operacionalização RBV Contratar recursos humanos Contratar ou capacitar recursos humanos para trabalhar na área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A Equipe Itaipu conta no caderno da brigada de incêndios, recursos humanos disponíveis a RBV. Equipe para educação ambiental e recebimento de visitantes, equipe administrativa e equipe de manutenção.

39 RBV, Conta com prédio administrativo, local específico para recebimento de visitantes e área com alojamento junto ao laboratório do canal da piracema. Operacionalização RBV Infraestrutura, administração e operacionalização Implementar ações de infraestrutura/administração e/ou operacionalização da área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A Plano diretor de gestão ambiental 2000 RDE127/ /08/2000 RCA Aprovação do Conselho 169ª Reunião do conselho de Administração. Manual de Procedimentos da gestão Ambiental. Diretrizes básicas para manejo de áreas protegidas. Edson Gerente de Divisão - Áreas protegidas. Sistema GPA: 239 Biodiversidade nosso patrimônio Ações: Relatórios técnicos demostrando ação de monitoramento Equipe Técnica: 25 pessoas Operacionalização RBV Implementar ações de educação ambiental com foco na conservação de recursos naturais Implementar ações de educação ambiental para a população do entorno e/ou usuários da área. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A Programas de educação ambiental desenvolvidos dentro do RBV, para comunidade, escolas e visitantes em geral. Plano Operacional Programas e Ações.

40 Operacionalização RBV Plano de controle e combate a incêndio na área protegida Implementar plano de controle e combate a incêndios. Refúgio Biológico Bela Vista G2T5.A Contrato nº Mundiseg Prevê combate a incêndio. Formação de Brigada de combate a incêndio Florestal, com apoio dos colaboradores da Itaipu. Procedimento de Brigada de combate a incêndio Florestal. Operacionalização RBM Colocação de marcos nas divisas Operacionalização RBM Infraestrutura de delimitação da área protegida (cerca 26 km) Operacionalização RBM Ações de fiscalização em área protegida Infraestrutura de demarcação e sinalização da área. Refúgio Biológico Maracaju Delimitação da área. Refúgio Biológico Maracaju Implementar ações de fiscalização da área. Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A G2T5.A G2T5.A Visitação ao Refúgio Maracaju deve ocorrer na próxima auditoria de supervisão, onde equipe confirmará estas informações. A pontuação será considerada nesta etapa. Visitação ao Refúgio Maracaju deve ocorrer na próxima auditoria de supervisão, onde equipe confirmará estas informações. A pontuação será considerada nesta etapa. Convênio nº Instrumento particular de convênio de cooperação técnica e financeira para o policiamento ostensivo das áreas do Refúgio Biológico Binacional de Maracajú. (Itaipu Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do MS) assinado em 23/05/2013, vigência de 60 meses.

41 Contrato nº Operacionalização RBM Contratar recursos humanos Contratar ou capacitar recursos humanos para trabalhar na área. Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A Instrumento particular de contrato de prestação de serviços de reflorestamento, manutenção florestal, prevenção e combate a incêndios florestais e outros serviços no Refúgio Biológico Maracaju da Itaipu Binacional. Assinado 22/11/2013, validade 24 meses. (Itaipu TAPE Administração e Serviços Ltda). Contrato nº Operacionalização RBM Infraestrutura, administração e operacionalização Implementar ações de infraestrutura/administração e/ou operacionalização da área. Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A Instrumento particular de contrato de prestação de serviços de reflorestamento, manutenção florestal, prevenção e combate a incêndios florestais e outros serviços no Refúgio Biológico Maracaju da Itaipu Binacional. Assinado 22/11/2013, validade 24 meses. (Itaipu TAPE Administração e Serviços Ltda). Sistema SAP Folha de Registro de Serviço: Sobre reflorestamento: aprovação do serviço Veridiana: Capina seletiva, 12 ha, Pá carregadeira 38 horas, diárias 6 un. Periodo: até 31/01/2014.

42 Contrato nº Operacionalização RBM Plano de controle e combate a incêndio na área protegida Operacionalização RSH Colocação de marcos nas divisas Operacionalização RSH Planejamento e Gestão Implementar plano de controle e combate a incêndios. Refúgio Biológico Maracaju G2T5.A Infraestrutura de delimitação G1T8.A Elaborar Plano de Manejo da área G1T5.P Instrumento particular de contrato de prestação de serviços de reflorestamento, manutenção florestal, prevenção e combate a incêndios florestais e outros serviços no Refúgio Biológico Maracaju da Itaipu Binacional. Assinado 22/11/2013, validade 24 meses. (Itaipu TAPE Administração e Serviços Ltda). Relatório de Atividade 01/2014 Técnico José Alexandre. KM ATK km RBM descrição de irregularidades: Atividades da TAPÊ adm e Serv Ltda Reflorestamento, manutenção florestal, Combate a incêndio e outros serviços. Visitação ao RSH, (ARIE-SH), para verificação de marcos nas divisas. Plano de Manejo ARIE-SH Área de Relevante Interesse Ecológico Santa Helena.

43 Convênio nº Operacionalização RSH Ações de Conservação Ação de Fiscalização em área protegida G1T8.A Instrumento Particular de Convênio de Cooperação Técnica para o Estabelecimento de Normas Recíprocas de Cooperação em Assuntos Atinentes ao Policiamento de Meio Ambiente, Visando a Defesa e a Preservação da Flora, Fauna e Demais Valores Naturais nas Áreas de Itaipu. Assinado em 19/11/2008, (Itaipu SESP). Vigência: 60 meses podendo ser prorrogado por mais 12 meses porem o contrato não esta vigente. Não há ação de defesa e preservação na área no presente momento. OM: Implementar ação de fiscalização em área protegida, verificar a possibilidade de renovar convênio nº , para ações na Reserva Santa Helena. Operacionalização RSH Ação de Conservação Contratar recursos humanos G1T8.A Termo de Cooperação JD-JE 0012/10 15/09/2012, Itaipu e Prefeitura de Santa Helena. Bióloga e Diretor de Meio Ambiente da Prefeitura de Santa Helena, realizam a administração da ARIE-SH.

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon 1. Dados da Auditoria Data: 15 à 17 de setembro de 2014 Certificação ( X ) Acompanhamento ( ) Verificação ( ) Recertificação ( ) OBS: 2. Dados do Organismo Certificador LIFE Nome do Organismo Certificador

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA)

Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos. Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações de Educação Ambiental do INEA com foco em recursos hídricos Gerência de Educação Ambiental (GEAM/DIGAT/INEA) Ações: Agenda Água na Escola (SEA); Cartilha de atividades de sensibilização, pesquisa

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Jaguatirica [Leopardus pardalis] Ganso Coscoroba [Coscoroba coscoroba] Harpia [Harpia harpyja] Onça Pintada [Panthera onca] Onça Parda [Puma concolor] Fotos:

Leia mais

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática

1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática ANEXO TEMÁTICO 5: Tema Prioritário V - Projetos Comunitários Linha de Ação Temática 5.1 Projetos Comunitários (comunidades tradicionais e povos indígenas) 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 034 Recuperação Geológica de Áreas de Risco Contenção de Encostas SUB-FUNÇÃO: 543 RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADAS Identificar áreas de risco; desenvolver projetos

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS Promover o desenvolvimento socioambiental e econômico na região de influência do reservatório da EMPRESA por meio de ações de inclusão social e produtiva e melhoria

Leia mais

Texto da Dibap p/ Intranet

Texto da Dibap p/ Intranet Texto da Dibap p/ Intranet DIBAP A Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas tem como missão: empreender ações para a conservação da biodiversidade fluminense, administrar as unidades de conservação

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Diagnóstico Final da Microbacia. http://sgabh.itaipu.gov.br/portal_sda/

Diagnóstico Final da Microbacia. http://sgabh.itaipu.gov.br/portal_sda/ INCUBADAS / PTI CONCEITO ASSESSORIA PLANOTEC ECOP FUTURA PALMARES Diagnóstico Final da Microbacia INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR FUNTEF MEDIANEIRA FASUL TOLEDO PUC TOLEDO UNIOESTE TOLEDO UNIOESTE MARECHAL

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO 1 Proteção da espécie e seu habitat OBJETIVO ESPECÍFICO 3 Manejo das populações em cativeiro OBJETIVO ESPECÍFICO 5 Projetos de reintrodução PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Quadro Síntese Código / Especificação Exec 2002 LOA 2003 PLOA 2004 LOA 2004 Total 578.251.701 569.734.112 563.626.155 570.156.155

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Estação Ecológica do Caiuá

Estação Ecológica do Caiuá Estação Ecológica do Caiuá Programa Voluntariado nas Unidades de Conservação do Paraná Relatório anual das Atividades Desenvolvidas pelos Voluntários da Estação Ecológica do Caiuá/Período de 2007 No ano

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORÉADES NÚCLEO DE GEOPROCESSAMENTO PROJETO CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI RELATÓRIO DE ATIVIDADES ASSENTEMENTOS SERRA DAS ARARAS, FORMIGUINHA E POUSO ALEGRE JULHO DE 2011 INTRODUÇÃO

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

Parcerias para um Mundo Melhor. Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade

Parcerias para um Mundo Melhor. Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade Parcerias para um Mundo Melhor Vânia Vieira Cunha Rudge Sustentabilidade UNIDADES PRODUTIVAS PROCESSO DE PRODUÇÃO Extrativismo Laboratório Rastreabilidade Fábrica Produtos Distribuição Cultivo Óleos Essenciais

Leia mais

IV ENCONTRO CULTIVANDO ÁGUA BOA/PORÃ

IV ENCONTRO CULTIVANDO ÁGUA BOA/PORÃ O IV Encontro Cultivando Água Boa/Porã/, a V Mostra e Seminário de Educação Ambiental do Parque Nacional do Iguaçu e a Conferência Regional de Meio Ambiente, realizados em Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO 1 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO Este formulário de cunho confidencial, deve ser preenchido pelo supervisor de estágio e enviado, em envelope lacrado, ao SETOR DE ESTÁGIOS DA FEIS - FACULDADE

Leia mais

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram:

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram: A Mata do Uru A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Mata do Uru possui 128,67 hectares e está localizada a seis quilômetros do município da Lapa (PR) abrigando remanescentes da Floresta com

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Instituto Ambiental do Paraná. Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Instituto Ambiental do Paraná. Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instituto Ambiental do Paraná SGA Sistema de Gestão Ambiental Manual do Usuário Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas Outubro 2014 Equipe: CELEPAR

Leia mais

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos

Atuando com responsabilidade para. colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Atuando com responsabilidade para colher um futuro melhor. Fábrica de São José dos Campos Compromisso com um futuro melhor. Com o nosso trabalho, somos parte da solução para uma agricultura mais sustentável.

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013.

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. 2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. Missão: Garantir que a SUSTENTABILIDADE seja construída com Democracia Participativa, Valorização da Diversidade Cultural e Preservação da Biodiversidade.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO PLANO DE AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL APA SERRA DO LAJEADO 2014 1 -OBJETIVO GERAL APA Serra do Lajeado foi instituída pela Lei nº 906 de 20 de maio de 1997, está no entorno do Parque Estadual do Lajeado e tem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

O presente Documento de Referência aplica-se a auditores e partes interessadas em obter a Certificação LIFE no Brasil.

O presente Documento de Referência aplica-se a auditores e partes interessadas em obter a Certificação LIFE no Brasil. 1 1. OBJETIVO O objetivo deste Documento de Referência é orientar os auditores LIFE quanto às evidências a serem utilizadas para auditorias LIFE realizadas no Brasil relacionadas ao Princípio 2 dos Padrões

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Rede Brasileira de Sementes Florestais

Rede Brasileira de Sementes Florestais PLANO NACIONAL DE PRODUÇÃO DE SEMENTES E MUDAS FLORESTAIS NATIVAS Rede Brasileira de Sementes Florestais Adriana Dias Trevisan Dra. Gestão Ambiental Redes Regionais de Sementes Rede Semente Sul Rede de

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Curso de Elaboração de Projetos: apresentação de projeto. Curso de Elaboração de Projetos: trabalho em grupo. Curso de Elaboração de Projetos: Módulo Financeiro.

Leia mais

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSO NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

Leia mais

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO

CIDADANIA AMBIENTAL PROJETO ARBORETO CIDADANIA AMBIENTAL A resposta da sociedade de Araxá aos problemas ambientais se dá através das ações de educação ambiental. Destacam-se as atividades de educação ambiental promovidas por escolas, organizações

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Propagação de espécies nativas entre fronteiras Organização: Bioma Brasil - UMRAS Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010. Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica

I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010. Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010 Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica Localização Corredor Central da Mata Atlântica Sítio do Patrimônio Mundial Natural

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais