- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;"

Transcrição

1 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; - Empresários utilizando o local definido para disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo das embarcações. - Número de visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Número de empresários utilizando o local definido para disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo das embarcações. 1 - Implantar escritório para apoio administrativo ao Parque e Posto de Informação (PI) na cidade de Corumbá. Este Posto divulgará todas as atividades de visitação desenvolvidas no Parque; Os visitantes serão orientados e receberão informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação; O Posto e o escritório serão implementados no escritório regional do Ibama, em Corumbá; O pessoal para atuar nesse serviço será viabilizado pelo Ibama; Todo o material de cunho educativo, informativo e de divulgação, produzido sobre o Parque, será disponibilizado no PI para distribuição ou comercialização. 1.1 Implantar sistema informativo sobre o PNPM nesse PI. 2 Fazer gestão junto à Prefeitura para definição de local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo das embarcações. O local será identificado e os empresários comunicados sobre essa facilidade; O cumprimento dessa atividade será utilizado como um dos critérios a ser verificado quando do credenciamento de empresas para o desenvolvimento de atividades de visitação no Parque.

2 414 3 Verificar a possibilidade de disponibilizar informações sobre o PNPM nos locais utilizados para recepção e triagem dos visitantes no âmbito do Projeto Monumenta. e) AEE Sede do município de Poconé O acesso ao Parque pelo município de Poconé dá-se pela Transpantaneira, declarada pelo estado como estrada-parque e que possui um considerável fluxo de turistas, devido à facilidade de observação de vida silvestre no trecho que liga Poconé a Porto Jofre. Por via fluvial o acesso é feito pelo São Lourenço. Poconé é o município que abriga o Parque, possuindo fortes tradições pecuárias, com possibilidades de desenvolvimento do agroturismo. Este também é um pólo a ser considerado como importante para a implantação de um corredor ecoturístico, ligando Cuiabá ao PNPM. - Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. - Número de visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. 1 - Implantar Posto de Informação na cidade de Poconé. Esse Posto divulgará todas as atividades de visitação desenvolvidas no Parque; Os visitantes serão orientados e receberão informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação; Esse Posto deverá ser implementado no escritório regional do Ibama, no município; O pessoal para atuar nesse serviço será viabilizado junto à prefeitura; Todo o material de cunho educativo, informativo e de divulgação, produzido sobre o Parque, será disponibilizado nesse PI para distribuição ou comercialização.

3 415 g) AEE Fazenda Santa Isabel Esta AEE engloba as fazendas Santa Isabel e Santo Onofre, de propriedade da empresa Rívoli, onde está sendo desenvolvido projeto-piloto da Associação Bom Futuro, juntamente com a TNC. Faz limite com a AEI Caracará Grande, na fronteira norte da Unidade e possui uma grande inserção na planície de inundação do Parque, entre os rios Caracará Grande e Alegre, sendo assim, qualquer utilização inadequada dessa área causará prejuízos à integridade do Parque, requerendo ações constantes de monitoramento e controle. Zona de Amortecimento. - SAF implantados; - Normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos, divulgadas; - RPPN criada; - Planície de inundação protegida. - Número de atividades baseadas no SAF, implantadas; - Número de atividades de monitoramento realizadas. 1 Fomentar a implantação de SAF como alternativa sustentável de desenvolvimento. Instituições como Embrapa e Emater deverão ser envolvidas no desenvolvimento dessa atividade; Essa propriedade será incentivada a participar do programa de certificação agropecuária estabelecido com bases sustentáveis pela apresentação de chancela a ser outorgada pelo Ibama. 2 Divulgar as normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos. 3 Fomentar a criação de RPPN. 4 Atuar em conjunto com a TNC e a Associação Bom Futuro na aplicação dos resultados do projeto-piloto, estabelecido para a AGGE Alternativas de Desenvolvimento. 5 Desenvolver, em parceria com o proprietário, atividade de monitoramento na área para conter prejuízos à integridade do Parque, que poderão ser causados pela utilização inadequada da área.

4 416 h) AEE Fazenda Horizonte Esta AEE compreende uma das fazendas inseridas entre o rio São Lourenço e o Caracará, a leste do Parque. Área pouco povoada, é utilizada principalmente para a criação extensiva de gado, como um corredor de migração de fauna entre o Parque e o rio São Lourenço, em área seca. Tem acesso pelo rio São Lourenço, sendo importante para o desenvolvimento de alternativas de agroturismo. Zona de Amortecimento. - SAF implantados; - Normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos, divulgadas; - RPPN criada; - Atividades ecoturísticas implantadas. - Número de atividades baseadas no SAF, implantadas; - Número de atividades ecoturísticas implantadas. 1 Fomentar a implantação de SAF como alternativa sustentável de desenvolvimento. Instituições como Embrapa e Emater serão envolvidas no desenvolvimento dessa atividade; Essa propriedade será incentivada a participar do programa de certificação agropecuária estabelecido com bases sustentáveis pela apresentação de chancela a ser outorgada pelo Ibama. 2 Divulgar as normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos. 3 Fomentar a criação de RPPN. 4 Fomentar o desenvolvimento de atividades ecoturísticas. As atividades ecoturísticas, quando implantadas, deverão ser incorporadas aos roteiros de visitação estabelecidos para o Parque.

5 417 i) AEE Fazenda Sará Esta AEE, localizada acima da fazenda Horizonte, compreende uma das fazendas inseridas entre o rio São Lourenço e o rio Caracará, a leste do Parque, em área pouco povoada, utilizada para criação extensiva de gado, serve como um corredor de migração de fauna entre o Parque e o rio São Lourenço, em área seca. O acesso se dá pelo rio São Lourenço, sendo importante para o desenvolvimento de alternativas de agroturismo. Zona de Amortecimento. - SAF implantados; - Normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos, divulgadas; - RPPN criada; - Atividades ecoturísticas implantadas. - Número de atividades baseadas no SAF, implantadas; - Número de atividades ecoturísticas implantadas. 1 Fomentar a implantação de SAF como alternativa sustentável de desenvolvimento. Instituições como Embrapa e Emater serão envolvidas no desenvolvimento dessa atividade; Essa propriedade será incentivada a participar do programa de certificação agropecuária estabelecido com bases sustentáveis pela apresentação de chancela a ser outorgada pelo Ibama. 2 Divulgar as normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos. 3 Fomentar a criação de RPPN. 4 Fomentar o desenvolvimento de atividades ecoturísticas. As atividades ecoturísticas, quando implantadas, serão incorporadas aos roteiros de visitação estabelecidos para o Parque.

6 418 j) AEE Fazenda Andorinha Esta AEE, também localizada acima da fazenda Horizonte, compreende uma das fazendas inseridas entre o rio São Lourenço e o rio Caracará, a leste do Parque, em área pouco povoada, utilizada para criação extensiva de gado, serve como um corredor de migração de fauna entre o Parque e o rio São Lourenço, em área seca. O acesso é feito pelo rio São Lourenço, sendo importante para o desenvolvimento de alternativas de agroturismo. Zona de Amortecimento. - SAF implantados; - Normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos, divulgadas; - RPPN criada; - Atividades ecoturísticas implantadas. - Número de atividades baseadas no SAF, implantadas; - Número de atividades ecoturísticas implantadas. 1 Fomentar a implantação de SAF como alternativa sustentável de desenvolvimento. Instituições como Embrapa e Emater serão envolvidas no desenvolvimento dessa atividade; Essa propriedade será incentivada a participar do programa de certificação agropecuária estabelecido com bases sustentáveis pela apresentação de chancela a ser outorgada pelo Ibama. 2 Divulgar as normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos. 3 Fomentar a criação de RPPN. 4 Fomentar o desenvolvimento de atividades ecoturísticas. As atividades ecoturísticas, quando implantadas, serão incorporadas aos roteiros de visitação estabelecidos para o Parque.

7 419 j) AEE Porto Jofre Está localizado no final da Transpantaneira onde existe um complexo de empreendimentos ecoturísticos que pode ser um importante ponto de partida para visitação no Parque. Nesta AEE será implantada uma base de apoio logístico e ponto de informação sobre o Parque. - Base de apoio e Posto de Informação, implantados; - Serviços de apoio às atividades de manejo do Parque, realizados; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação divulgados em todos os hotéis da Transpantaneira. - Número de visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. 1 Implantar base de apoio às atividades do Parque. A base deverá conter infra-estrutura, contemplando alojamento para seis pessoas, cozinha, sanitários, garagem para dois veículos, rampa para barco e depósito; O terreno para construção dessa base será viabilizado junto às autoridades distritais. 1.1 Adquirir os seguintes equipamentos: - Um kit cozinha com fogão, geladeira, armário e mesa com cadeiras; - Três beliches com colchões; - Sistema de radiocomunicação Implantar Posto de Informação na base de apoio. Este Posto divulgará todas as atividades de visitação desenvolvidas no Parque;

8 420 Os visitantes serão orientados e receberão informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação; O pessoal para atuar nesse serviço será viabilizado pelo Ibama; Todo o material de cunho educativo, informativo e de divulgação, produzido sobre o Parque, será disponibilizado nesse PI para distribuição ou comercialização. 1.3 Implantar pequena exposição informativa, ao ar livre, sobre o PNPM, nesse PI Divulgar informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação em todos os hotéis da Transpantaneira. l) AEE Área Indígena Guató Os índios Guató têm sua área de ocupação localizada na Ilha Ínsua, no município de Corumbá, em Reserva Indígena de mesmo nome, onde desenvolvem atividades extrativistas, como coleta e extração de recursos naturais renováveis, e agricultura de subsistência. A Reserva possui área de ha. - Diminuição da atividade de caça nas UCs da região; - Implantação de criadouros de animais silvestres; - Comunidade atendida em suas necessidades de educação, saúde e cidadania. - Número de animais caçados nas UCs da região; - Número de criadouros de animais silvestres implantados; - Número de indivíduos atendidos em suas necessidades de educação, saúde e cidadania. 1 - Fazer gestão junto a instituições voltadas à implantação de criadouros de animais silvestres, com fins comerciais, como por exemplo, de capivara, no sentido de prestar apoio técnico aos índios Guató, da aldeia Uberaba, na implantação dessa atividade para o suprimento de suas necessidades alimentares.

9 421 Essa atividade será desenvolvida com a aprovação e em conjunto com técnicos da Funai, mediante a plena aceitação por parte desses índios; O projeto deverá prever todos os mecanismos técnicos e logísticos necessários e ser implantado em locais onde essa atividade não exponha o Parque e as RPPNs do entorno a qualquer processo de interferência; Se bem-sucedida e de interesse da comunidade, a atividade poderá adquirir caráter comercial. 1.1 Fazer gestão, em conjunto com a Funai, junto a organizações governamentais e não-governamentais, para apoiar a implantação desta atividade. 2 Fazer gestão junto às autoridades competentes e apoiar iniciativas relativas à implantação de programas de saúde e educação, bem como de cidadania. n) AEE Porto Índio Trata-se de um destacamento do exército, composto por 22 soldados. O local conta com pista de pouso, atendimento médico e posto telefônico. - Convênio entre o Parque e o Exército para apoio à fiscalização, combate a incêndios florestais e desenvolvimento de atividades de educação ambiental e valorização dos recursos naturais, culturais e históricos do Parque; - Parceria estabelecida entre a Capitania dos Portos e o Exército para que membros desse destacamento atuem na fiscalização do cumprimento das normas estabelecidas para a Hidrovia Paraná-Paraguai. - Número de atividades realizadas em conjunto com membros desse destacamento; - Número de servidores e parceiros utilizando as facilidades do destacamento; - Número de atividades de fiscalização realizadas na Hidrovia Paraná- Paraguai. 1 Estabelecer convênio com o Exército para apoio a fiscalização, combate a incêndios florestais e desenvolvimento de atividades de educação ambiental e valorização dos recursos naturais, culturais e históricos do Parque.

10 422 No convênio deverão ser previstas ações de apoio logístico e atuação em conjunto com funcionários e outros parceiros do Parque. 2 Fomentar o estabelecimento de parceria entre a Capitania dos Portos e esse destacamento do Exército para que atuem na fiscalização do cumprimento das normas estabelecidas para a Hidrovia Paraná-Paraguai; o) AEE Parque Estadual do Guirá Unidade de Conservação estadual, criada pelo Decreto-Lei nº 7.625, de 15 de janeiro de 2002, abrange terras do município de Cáceres, com área de aproximadamente ha e que ainda não foi implantada. Interliga o PNPM e a Área Nacional de Manejo Integrado San Matias, na Bolívia. Zona de Amortecimento - Plano de Manejo do Parque Estadual elaborado e implantado. - Número de ações desenvolvidas no sentido de elaborar e implantar o Plano de Manejo do referido Parque. 1 - Apoiar o desenvolvimento e implantação do Plano de Manejo dessa Unidade. O PNPM poderá dar apoio logístico na elaboração e implantação do Plano de Manejo do Parque Estadual do Guirá. p) AEE Comunidade Palmital Comunidade localizada na Zona de Amortecimento da Unidade, a qual não foi estudada de forma mais detalhada, quando dos levantamentos para elaboração do Plano de Manejo. Zona de Amortecimento. - SAF implantados; - Normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos, divulgadas.

11 423 - Número de atividades baseadas no SAF, implantadas. 1 Fomentar a implantação de SAF como alternativa sustentável de desenvolvimento. Instituições como Embrapa e Emater serão envolvidas no desenvolvimento dessa atividade; Essa propriedade será incentivada a participar do programa de certificação agropecuária estabelecido com bases sustentáveis pela apresentação de chancela a ser outorgada pelo Ibama. 2 Divulgar as normas sobre técnicas alternativas ao uso do fogo para renovação de pastagens e limpeza de campos. q) AEE Cuiabá Importante município localizado no estado de Mato Grosso, que possui um significativo fluxo de turistas, podendo ser um dos pontos de partida para as visitas ao PNPM. - Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. - Número de visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. 1 - Implantar Posto de Informação no município. Este Posto divulgará todas as atividades de visitação desenvolvidas no Parque; Os visitantes serão orientados e receberão informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação; O local para implantação do Posto e o pessoal para atuar nesse serviço serão viabilizados em parceria com a prefeitura municipal;

12 424 Todo o material de cunho educativo, informativo e de divulgação, produzido sobre o Parque, será disponibilizado nesse PI para distribuição ou comercialização. 1.1 Implantar pequena exposição informativa sobre o PNPM nesse PI. r) AEE Campo Grande O município de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, possui significante destaque no que se refere à atividades turística, em escala nacional, podendo ser considerado um centro difusor de visitação. - Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. - Número de visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis. 1 - Implantar Posto de Informação no escritório do Ibama existente no município. Este Posto divulgará todas as atividades de visitação desenvolvidas no Parque; Os visitantes serão orientados e receberão informações sobre o PNPM, seus objetivos e normas de visitação; O local para implantação do Posto e o pessoal para atuar nesse serviço serão viabilizados em parceria com a prefeitura municipal; Todo o material de cunho educativo, informativo e de divulgação, produzido sobre o Parque, será disponibilizado nesse PI para distribuição ou comercialização. 1.1 Implantar sistema informativo sobre o PNPM nesse PI.

8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso.

8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso. 398 8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso. Os locais para implantação das áreas de descanso serão definidos no projeto de urbanização, devendo, preferencialmente, ser

Leia mais

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006

LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006 - Municípios Abrangidos Pela Zona de Amortecimento

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. CRIAÇÃO DO IPAAM O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. É vinculado diretamente a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

Pecuária Orgânica Certificada

Pecuária Orgânica Certificada Pecuária Orgânica Certificada O Pantanal Planície de inundação periódica, reconhecida internacionalmente como de relevante importância para a biodiversidade, o Pantanal está inserido na bacia hidrográfica

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

O PRDIS-RN considera fundamental:

O PRDIS-RN considera fundamental: Mesmo assim, a FOIRN colaborou intensamente no processo de elaboração e aprovação do Plano Diretor do município de São Gabriel da Cachoeira, recomendando às associações afiliadas e as comunidades indígenas

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

Texto da Dibap p/ Intranet

Texto da Dibap p/ Intranet Texto da Dibap p/ Intranet DIBAP A Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas tem como missão: empreender ações para a conservação da biodiversidade fluminense, administrar as unidades de conservação

Leia mais

Propostas da LDO 2013

Propostas da LDO 2013 Propostas da LDO 2013 Secretaria Municipal de Educação Complementação da Merenda Escolar; Reforma de Escolas; Construção de Escolas; Reparos em Escolas; Construção de Espaços para prática de Educação Física;

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DE FCEI IGAM Agenda Azul INTRODUÇÃO 1/5 O FCEI, Formulário de Caracterização do Empreendimento Integrado, é o documento que o empreendedor utiliza para apresentar ao órgão ambiental as informações do empreendimento para regularização

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Marco legal, definições e tipos

Marco legal, definições e tipos Unidades de conservação Marco legal, definições e tipos Prof. Me. Mauricio Salgado " Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira E as árvores não serão menos verdes

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES Proteção Manejo Proteção PPA RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas Janeiro/Fevereiro/Março RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MISSÃO: Realizar a gestão da UC visando a conservação

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

RECIFE, SETEMBRO DE 2010.

RECIFE, SETEMBRO DE 2010. SERVIÇO PARA A IMPLANTAÇÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA SANTA CRUZ, PERNAMBUCO. PROGRAMAS DE GESTÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - APA SANTA CRUZ ITAPISSUMA, ITAMARACÁ E GOIANA, PE. PROGRAMAS DE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO MUTUM DE ALAGOAS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO 1 Proteção da espécie e seu habitat OBJETIVO ESPECÍFICO 3 Manejo das populações em cativeiro OBJETIVO ESPECÍFICO 5 Projetos de reintrodução PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

Estação Ecológica do Caiuá

Estação Ecológica do Caiuá Estação Ecológica do Caiuá Programa Voluntariado nas Unidades de Conservação do Paraná Relatório anual das Atividades Desenvolvidas pelos Voluntários da Estação Ecológica do Caiuá/Período de 2007 No ano

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista)

RECURSOS HUMANOS. Técnico ambiental Analista ambiental. Estagiário 2. Contrato temporário (brigadista) RECURSOS HUMANOS Cargo Quantidade Técnico ambiental Analista ambiental 3 4* Estagiário 2 Contrato temporário (brigadista) 14 Ameaças Criação de gado no entorno (Centro-sul da Ilha do Bananal); Ameaças

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA 9º DISTRITO DE METEOROLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA 9º DISTRITO DE METEOROLOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E DO ABASTECIMENTO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA 9º DISTRITO DE METEOROLOGIA RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2001 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P.

Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do. Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Levantamento Sócioambiental do Município de Vera Cruz do Oeste PR Loana B. dos Santos, Daniela Mondardo, Luciane Luvizon, Patrícia P. Bellon, Cristiane C. Meinerz, Paulo S. R. Oliveira INTRODUÇÃO Nestes

Leia mais

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram:

Outras medidas que pontuaram para a obtenção da Certificação LIFE foram: A Mata do Uru A Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Mata do Uru possui 128,67 hectares e está localizada a seis quilômetros do município da Lapa (PR) abrigando remanescentes da Floresta com

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DO MORCEGUINHO-DO-CERRADO O Brasil como país megadiverso é responsável pela gestão do maior patrimônio natural do mundo. São mais de 120 mil

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê

Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê Reunião Técnica Plano de Manejo APA Várzea do Tietê CIESP DISTRITAL OESTE 07/08/2014 Apresentação para Ciesp Oeste - Agosto/2014 Sumário: 1. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CONSIDERAÇÕES GERAIS 2. PLANO DEMANEJO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO II ENCONTRO DE GERENTES DE EXPLORAÇÃO MINERAL Desafios das

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 11ª Reunião da Câmara Técnica de Unidades de Conservação e 36ª Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 27 e 28 de agosto

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

Tabela 4. Plano Estratégico do Mosaico Central Fluminense

Tabela 4. Plano Estratégico do Mosaico Central Fluminense Tabela 4. Plano Estratégico do Mosaico Central Fluminense (As ações estão organizadas em ordem de prioridade (Prior.), de 1 a dentro de cada objetivo estratégico, sendo 1 as ações de maior prioridade e

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, PROJETO PARA INSTALAÇÃO

SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, PROJETO PARA INSTALAÇÃO SISTEMAS FOTOVOLTAICOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, PROJETO PARA INSTALAÇÃO 1 LOCAL ALDEIA INDÍGENA GUATÓ na Ilha Insua a 300 Km de Corumbá no Mato Grosso do Sul Mato Grosso do Sul Pantanal 2 Vista

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Peru,

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Peru, ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO E O USO SUSTENTÁVEL DA FLORA E DA FAUNA SILVESTRES DOS TERRITÓRIOS AMAZÔNICOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DO PERU O Governo da República Federativa

Leia mais

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais:

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais: ANEXO VII (Anexo à Lei n o 6.938, de 31 de agosto de 1981) TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS E PRODUTOS COBRADOS PELO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DESCRIÇÃO

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA

MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA MANEJO E MANUTENÇÃO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS NO ZOOPARQUE ITATIBA: UMA NOVA FERRAMENTA DE LAZER E EDUCAÇÃO. ZOOPARQUE ITATIBA Rodovia Dom Pedro I, Km 95,5, Itatiba, São Paulo. e-mail: zooparque@zooparque.com.br

Leia mais

Ed. Centro Empresarial Parque Brasília SIG Qd 01 Sala 206 CEP: 70.610-410/ Brasília - DF 1. Tel.: 55 61 / 3421 9100 Fax: 55 61/ 3421 9128

Ed. Centro Empresarial Parque Brasília SIG Qd 01 Sala 206 CEP: 70.610-410/ Brasília - DF 1. Tel.: 55 61 / 3421 9100 Fax: 55 61/ 3421 9128 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA SERVIÇOS LOGÍSTICOS PARA REALIZAÇÃO DE EXPEDIÇÃO AO RIO JURUENA ENTRE SALTO AUGUSTO E JACAREACANGA A The Nature Conservancy (TNC) através

Leia mais

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA

Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA Antônia Lucia Monteiro/CGEUC/DIREC/IBAMA IBAMA O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA é uma Autarquia, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente/MMA, responsável

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Proposta Preliminar de Programa de Uso Público para o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba na área do Município de Carapebus.

Proposta Preliminar de Programa de Uso Público para o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba na área do Município de Carapebus. Proposta Preliminar de Programa de Uso Público para o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba na área do Município de Carapebus. A presente proposta foi elaborada por membros da equipe da Prefeitura

Leia mais

PANTANAL E A PERCEPÇÃO DO HOMEM PANTANEIRO

PANTANAL E A PERCEPÇÃO DO HOMEM PANTANEIRO CONSERVAÇÃO DA ONÇA-PINTADA NO PANTANAL E A PERCEPÇÃO DO HOMEM PANTANEIRO Cristhiane G. Amâncio 1 Peter G. Crawshaw Jr. 2 Walfrido M. Tomas 1 Micheline V. da Silva 3 Rozângela B. Rodrigues 3 (1) Embrapa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 162 PROGRAMA Nº - 162 Monitoramento e Fiscalização Ambiental SUB-FUNÇÃO: 542 CONTROLE AMBIENTAL Promover o monitoramento da poluição do ar, hídrica e sonora indispensável ao desenvolvimento de de controle

Leia mais

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS...

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS... S u m á r i o CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 1.1. A percepção do problema e a busca das soluções...5 1.2. As normas de proteção dos recursos naturais...8 1.3. Os instrumentos

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LINHA DO TEMPO - PRINCIPAIS MARCOS 1992 ECO-92, RIO DE JANEIRO, BRASIL. INSTITUIÇÃO DE CONVENÇÕES, NO ÂMBITO DA ONU: CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA CDB; CONVENÇÃO DE MUDANÇAS

Leia mais