II GERAÇÃO DE EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: ATITUDES PREVENTIVAS E OPORTUNIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II-018 - GERAÇÃO DE EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: ATITUDES PREVENTIVAS E OPORTUNIDADES"

Transcrição

1 II GERAÇÃO DE EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: ATITUDES PREVENTIVAS E OPORTUNIDADES Vandré Barbosa Brião (1) Engenheiro de Alimentos formado na FURG - Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Mestre e Doutorando em Engenharia Química pela UEM Universidade Estadual de Maringá, professor do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade de Passo Fundo Passo Fundo/RS. Célia Regina Granhen Tavares Engenheira Química, Doutora em Engenharia Química formada na UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro, professora do curso de Engenharia Química e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da Universidade Estadual de Maringá Maringá/PR. Endereço (1) : Rua Dez de Maio, Bloco 01 - Ap Maringá - PR - CEP: Brasil - Tel: (44) RESUMO O trabalho objetivou identificar pontos de geração de efluentes em uma indústria de laticínios, propondo modificações dentro do conceito de prevenção à poluição. A metodologia consistiu em se medir volumes e coletar amostras de efluentes nos setores de produção. A análise foi realizada por setor, procurando-se identificar aqueles que geravam efluentes em excesso. Os resultados demonstraram que os produtos secos (leite em pó e soro em pó) são os maiores geradores de DBO, nitrogênio e fósforo, enquanto os produtos apresentados sob a forma fluida (leite longa vida UHT, formulados UHT, leite pasteurizado, creme de leite pasteurizado) e manteiga produzem óleos e graxas em maior quantidade. A recuperação de sólidos do leite, a segregação de resíduos e o reuso de águas podem ser aplicados, com um potencial de economia que pode chegar a R$28.000,00 por mês somente em matéria-prima, obtendo-se também ganhos ambientais com o plano de prevenção à poluição. PALAVRAS-CHAVE: Laticínios, prevenção à poluição, efluente. INTRODUÇÃO A crescente degradação do ambiente tem gerado preocupações de ordem global, de modo que uma relevante importância tem sido dada ao fato, e a consciência dos problemas ambientais aparece como um ponto importante a respeito do crescimento material e econômico e da qualidade de vida. Além disso, o ambiente tem sido considerado uma dimensão do desenvolvimento e deve ser internalizado em todos os níveis de decisão (BRAILE e CAVALCANTI, 1993; MATTOS e FILHO, 1999). Dentre as atividades industriais, o setor de alimentos destaca-se por um maior consumo de água e uma maior geração de efluentes por unidade produzida, além de gerar um grande volume de lodo nas estações com tratamento biológico (RAMJEAWON, 2000). A indústria de laticínios é um exemplo desse setor, na qual as operações de limpeza de silos, tanques, pasteurizadores, homogeneizadores, tubulações, etc. geram um grande volume de efluente com uma elevada carga orgânica. Esta carga orgânica é constituída basicamente de leite (tanto matéria-prima quanto seus derivados), refletindo em um efluente com elevada Demanda Química de Oxigênio (DQO), Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), óleos e graxas, nitrogênio, fósforo, etc. Além disso, o sistema de limpeza automática - CIP (Cleaning In Place) descarta águas de enxágüe com ph que varia de 1,0 a 13,0, agravando a problemática do tratamento (BRIÃO, 2000). A DBO total está relacionada diretamente a perdas de leite (90% 94% da DBO do efluente), e em alguns casos essas perdas podem chegar a 2% do volume total processado na indústria (WASTEWATER, 1999). Para reduzir os efeitos poluentes do setor industrial, as técnicas de tratamento de fim de tubo têm sido aperfeiçoadas, ao mesmo tempo em que atitudes de prevenção de poluição são implementadas para se minimizar a geração dos resíduos (METCALF & EDDY, 1991). O controle de fim de tubo está focalizado em capturar o efluente depois que o mesmo foi gerado e tratá-lo antes de ser lançado ao ambiente. A produção mais limpa pretende integrar os objetivos da produção, a fim de ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 reduzir os resíduos e as emissões em termos de quantidade e toxicidade. A prevenção à poluição ou redução da geração na fonte refere-se a qualquer prática, processo, técnica ou tecnologia que vise à redução ou eliminação de resíduos na fonte geradora em volume, concentração ou toxicidade (Prevenção à Poluição, 2004; FIGUEIREDO e SANTOS, 2000; QUARESMA e PACHECO, 2000). Para produtos, o conceito de produção mais limpa envolve a redução de impactos negativos ao ambiente, ao longo de todo o ciclo de vida, desde a extração da matéria-prima até a disposição final. Por fim, devido à racionalização de todos os insumos utilizados, acaba-se por ter economia no processo, gerando produtos mais baratos e conseqüentemente mais competitivos (What s cleaner production, 1999; Centro Nacional de Tecnologias Limpas, 1998). A minimização de índices indicadores de poluição deve ser avaliada não somente no tratamento final, mas vista como uma oportunidade para se reduzir custos nas linhas de produção, otimizando-se as mesmas e aumentando a lucratividade e eficiência do processo. O objetivo do trabalho foi identificar operações ou processos nos quais havia oportunidades de reduzir os impactos da carga e volume enviados à estação de tratamento de efluentes. MATERIAIS E MÉTODOS O método consistiu em avaliar o coeficiente de carga e o coeficiente volumétrico dos três macrossetores do parque industrial que agregam as salas de produção. Ao mesmo tempo analisou-se também o comportamento do efluente bruto na estação de tratamento, sendo que os experimentos foram desenvolvidos em um período de dois meses. O monitoramento foi realizado durante dezoito dias intercalados. Os macrossetores da indústria são a recepção de leite, a fábrica de produtos fluidos e a fábrica de produtos secos (Figura 1). Figura 1: Diagrama dos setores avaliados para medida de volume e coleta de amostras. Para a realização das medidas de volumes foi instalado um medidor de vazão ultra-sônico não-invasivo dotado de um integrador, registrando as vazões e somando os volumes de água alimentada a cada setor ou processo. O efluente bruto foi medido na calha Parshall da estação de tratamento por meio de um sensor ultra-sônico associado a um integrador on line. O volume de leite processado em cada setor foi obtido com base nos relatórios de produção da empresa. O coeficiente volumétrico (CV) de cada setor foi calculado conforme a equação 1: ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 V CV = Equação (1) v Sendo V o volume de efluente gerado (ou água consumida) e v o volume de leite processado. A unidade de CV é apresentada em metros cúbicos de efluente gerado para cada metro cúbico de leite processado. Os coeficientes de carga (CC) foram calculados para quatro parâmetros (DBO, Nitrogênio, Fósforo e óleos e graxas) conforme a equação 2: A* V CC = Equação (2) v Sendo A a concentração do parâmetro (mg L -1 ), V o volume de efluente gerado (L) e v o volume de leite processado (L). A unidade de CC é dada em miligramas de poluente para cada litro de leite processado, ou quilogramas de poluente por metro cúbico de leite processado. Foi realizado também um acompanhamento do ph de modo a identificar quais setores teriam maior efeito sobre o ph do efluente bruto. Os métodos analíticos seguiram as recomendações da American Health Publica Association - APHA (1991). A DQO foi determinada por meio da digestão seguida de quantificação fotométrica; nitrogênio foi analisado pelo método clássico Macro Kjeldahl ; fósforo foi analisado por digestão ácida e quantificação pelo método vanadato-molibidato; óleos e graxas foram analisados pelo método gravimétrico de Soxleth e o ph por medida direta em phmetro. A DBO foi estimada a partir do histórico da empresa, relacionando-a com a DQO. A relação adotada foi de DQO/DBO = 2,13 (BRIÃO, 2000). As amostras para análise foram coletadas em amostragem composta. RESULTADOS E DISCUSSÃO Concentrações médias dos setores avaliados Os valores médios de ph dos três macrossetores e do efluente bruto encontram-se na Tabela 1, bem como as concentrações médias de DQO, nitrogênio, fósforo e óleos e graxas. Tabela 1: Valores médios de ph e concentrações de DQO, nitrogênio, fósforo e óleos e graxas dos setores avaliados. ph DQO* Nitrogênio* Fósforo* Óleos e Graxas* Recepção de leite 10,06±1, ±980 45,2±24,9 25,2±14,2 253,3±105,2 Produtos Fluidos 9,62±3, ±797 71,2±38,7 42,1±22,6 523,5±345,2 Produtos Secos 10,43±2, ± ,2±72,8 55,0±41,9 296,6±166,3 Efluente Bruto 10,45±1, ± ,4±46,6 37,5±22,9 286,8±217,9 *Todos valores (exceto ph) em mg L -1. Os valores médios dos parâmetros que constam na Tabela 1 não indicam excessiva carga lançada para a estação de tratamento. Entretanto, os elevados desvios padrões mostram que houve forte variação nos parâmetros avaliados. A Figura 2 apresenta um exemplo desta variação na carga lançada, mostrando a avaliação da DQO ao longo dos dias nos quais se realizou a avaliação. É possível identificar diversos picos, mostrando que algumas operações poderiam despejar carga excessiva em determinados dias e mesmo assim apresentar valores médios intermediários do ponto de vista referente do tratamento. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 DQO (mg L -1 ) Dias Recepção Produtos Secos Produtos Fluido Efluente Bruto Figura 2: Evolução da DQO no período de monitoramento Destaque deve ser dado ao décimo sexto dia, no qual a DQO apresentou seu maior valor. Neste dia houve limpeza das torres de secagem da produção de leite em pó e soro em pó, despejando elevada carga à estação de tratamento. Entretanto, esta limpeza é realizada a cada vinte dias. Os picos da recepção de leite (dias 3 e 8) foram verificados em dias de chuva, quando os caminhões de leite chegavam à plataforma com barro e terra, influenciando no valor da DQO. Entretanto, a estação possui a caixa de areia como primeiro passo do tratamento primário, não havendo conseqüências negativas ao sistema de tratamento. O valor médio da DQO da fábrica de produtos fluidos não é considerado crítico (Tabela 1). Contudo, quando o efluente apresenta valor elevado (dia 13), há o reflexo claro no efluente bruto, o que foi atribuído aos resíduos da produção de formulados UHT (cor marrom na amostra). Quanto à Fábrica de produtos secos, o valor médio de DQO foi de 2091 mg L -1. A elevação da DQO do efluente bruto no décimo dia foi atribuída ao descarte das soluções CIP da concentração. O comportamento do ph é apresentado na Figura 3. A maioria das correntes apresentou valores elevados de ph, sendo o valor médio do efluente bruto que chega à estação de 10,45. Este fato é justificado pelas limpezas alcalinas do sistema CIP ph Dias Recepção Produtos Secos Produtos Fluido Efluente Bruto Figura 3: Evolução do ph no período de monitoramento As limpezas alcalinas objetivam a saponificação de gorduras e remoção de matéria orgânica em geral, enquanto que as limpezas ácidas removem a incrustação salina. Entretanto, as lavagens alcalinas são realizadas com maior freqüência (ao final de cada ciclo de produção), enquanto que as soluções ácidas são ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 circuladas em média uma vez por semana. O efeito das soluções ácidas pode ser verificado nos dias 5, 10 e 16, quando se verificou um ph baixo em alguns setores. Entretanto, mesmo quando realizada a limpeza ácida, o efeito do baixo ph não refletiu na drástica redução do ph do efluente bruto. Coeficientes Volumétricos A Tabela 2 apresenta os valores dos coeficientes volumétricos da recepção de leite, da fábrica de produtos fluidos e da fábrica de produtos secos, bem como do efluente bruto. Tabela 2: Coeficientes volumétricos dos macrossetores e do efluente bruto Recepção de leite Produtos Fluidos Produtos Secos Efluente Bruto Coeficiente Volumétrico (m 3 efluente/m 3 leite) 0,086 0,416 0,741 0,666 Há grande discordância entre as referências quanto ao coeficiente volumétrico geral da indústria (representado pelo efluente bruto), uma vez que há muitas diferenças entre os processos industriais e os procedimentos de cada setor de produção. Veisseyre (1988) cita que para fábricas que produzem vários produtos lácteos, para cada litro de leite gera-se de 7 a 11 litros de resíduos líquidos. Braile e Cavalcanti (1993) afirmam que as maiores fontes de despejos líquidos da indústria de laticínios estão geralmente contidas na área de elaboração e embalagem do produto final. Complementam que, de um modo geral, as águas de lavagens correspondem ao mesmo volume de leite processado, e, para fábricas que processam vários produtos, têm-se um volume de despejos de 1,1 a 6,8 litros de água para cada litro de leite processado. Byylund (1995) cita que valores típicos para coeficientes volumétricos estão em torno de 2,5 litros de água/litro leite processado, mas com severas economias pode-se atingir o valor de 1,0 litro de água/litro de leite processado de coeficiente volumétrico. Em 1986, Carawan (1996) analisou as indústrias de laticínios dos Estados Unidos e encontrou o valor médio de 4 litros de água para cada litro de leite processado, complementando ainda que, com severas economias pode-se atingir o patamar de menos de um litro de água consumido por litro de leite processado. O resultado obtido neste trabalho mostra que o coeficiente volumétrico da indústria avaliada não é um valor relativamente elevado. Entretanto, Wastewater (1999) indica que com bons programas de gerenciamento pode-se alcançar até 0,5 m 3 de efluente / m 3 de leite processado. Este valor pode servir como referência para trabalhos de minimização de consumo de água e geração de resíduos. Assim, implantando-se um programa para minimização de efluentes, a diferença entre 0,666 e 0,5 representaria uma economia de quase 25% no consumo de água, porcentagem possível de ser atingida segundo Carawan e Stengel (1996), os quais relatam que em programas efetivos de redução de poluição consegue-se minimizar em até 25% o consumo de água. Coeficientes de carga A Tabela 3 apresenta os coeficientes de DBO obtidos neste trabalho e os coeficientes citados por outros autores. Tabela 3: Coeficientes de DBO dos macrossetores e do efluente bruto. Este trabalho* Wastewater (1996)* Poester e Leitão (1989)* Recepção de leite 0,072 0,08 0,2 Produtos fluidos 0,444 3,21 1,3-3,2 Produtos Secos 0,832 0,156 0,6-12,3 Efluente bruto 0,779 1,3-3,2 - * Todos valores expressos em kg DBO /m 3 leite. Observa-se que os coeficientes de carga da empresa avaliada são menores que os valores encontrados na literatura (exceto o setor de produção de leite em pó e soro em pó - produtos secos). Algumas indústrias despejam valores que chegam a 12 quilogramas de DBO por metro cúbico de leite processado, sendo mais de 90% desta DBO resultante de perdas de leite, e com a redução de resíduos, este número pode ser reduzido a 1,0 kg de DBO por metro cúbico de leite processado (CARAWAN e STENGEL, 1996). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 A Tabela 4 apresenta os coeficientes de nitrogênio, fósforo e óleos e graxas dos três setores e do efluente bruto. Tabela 4: Coeficientes de nitrogênio, fósforo e óleos e graxas dos macrossetores e do efluente bruto. Nitrogênio* Fósforo* Óleos e graxas* Recepção de leite 0,004 0,002 0,022 Produtos fluidos 0,030 0,018 0,218 Produtos secos 0,065 0,041 0,220 Efluente bruto 0,046 0,025 0,191 * Todos os valores expressos em quilogramas de poluente por metro cúbico de leite processado Os dados apresentados na Tabela 3 mostram que a recepção de leite não representa uma operação de excessiva carga, sendo cerca de dez vezes menor que o valor do efluente bruto. Por outro lado, o processamento propriamente dito é o responsável pelos altos valores de carga orgânica do efluente bruto, fato apresentado também pelos autores citados. A avaliação conjunta das Tabelas 3 e 4 demonstra que há um determinado equilíbrio entre os coeficientes de DBO e os demais poluentes. A razão entre os coeficientes de DBO e nitrogênio ficou entre 12 e 18. Do mesmo modo, a razão entre o coeficiente de DBO e o coeficiente de fósforo encontra-se na faixa de 20 a 36, indicando boa relação nutricional para o tratamento biológico. Por outro lado, altos valores de ambos poluentes podem levar ao excesso no efluente tratado, uma vez que há certa limitação deste tipo de tratamento para a remoção de compostos eutrofizantes. A Tabela 5 apresenta os valores totais de poluentes despejados mensalmente à estação de tratamento. Tabela 5: Valores mensais de DBO, nitrogênio, fósforo e óleos e graxas despejados para a estação de tratamento. Recepção de leite Produtos Fluidos Produtos Secos kg DBO/ mês 3032, , ,0 kg Nitrogênio/ mês 162,8 779,4 1045,5 kg Fósforo/ mês 90,7 461,1 651,8 kg Óleos e Graxas/ mês 911,8 5732,8 3514,5 Observando-se a Tabela 5, verifica-se que a Recepção de leite contribui com apenas 10% do total da DBO. O setor que mais despeja DBO, nitrogênio e fósforo é a fábrica de produtos secos, ao mesmo tempo em que a fábrica de produtos fluidos é a maior responsável pela emissão de óleos e graxas para a estação de tratamento. Segundo Carawan (1996), cada quilograma de DBO no efluente corresponde a nove quilogramas de leite perdidos durante o processo. Deste modo, somando-se a DBO das correntes, tem-se cerca de kg de DBO enviados a ETE para tratamento por mês, correspondendo a cerca de litros de leite perdidos na indústria. Este montante equivale a aproximadamente 0,7% do total de leite recebido na indústria, que processa cerca de 36 milhões de litros de leite por mês. O valor de 0,7% não corresponde a um péssimo resultado. Kirsh e Looby (1999) citam que até 2% leite processado pode ser perdido durante o processamento. Entretanto, Wastewater (1999) relata que bons programas de gerenciamento de resíduos podem atingir 0,5% de perdas de leite. A diferença de 0,7% para 0,5% significaria quase litros de leite por mês que voltariam para os cofres da empresa ao invés de serem despejados nos ralos de esgoto. Se considerado o custo da matéria-prima em torno de R$0,40 (quarenta centavos), seriam mais de R$28000,00 (vinte e oito mil reais) por mês recuperados somente em matéria-prima. De acordo com Carawan e Stengel (1996), programas efetivos de gerenciamento de resíduos podem reduzir a DBO em até 33%. Seriam cerca de 9200 kg DBO por mês, e conseqüentemente, litros de leite, valor aproximado da estimativa anterior. ATITUDES PREVENTIVAS As linhas de ações são definidas para dois focos: (1) miminização da carga lançada e; (2) redução do consumo de água. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 A execução de limpezas por meio do sistema CIP (Cleanning in Place) e o reuso e reciclo de águas são exemplos de processos que previnem a redução do coeficiente volumétrico. Referente a este tópico, destaca-se que a empresa possuía o sistema CIP instalado na grande maioria dos processos, o qual minimiza o consumo de água; entretanto, haviam algumas exceções, como poucos caminhões que não estavam adaptados com o spray bowl para serem lavados pelo sistema CIP. Além disso, uma torre de secagem não possuía adaptação para limpeza automática, sendo esta realizada manualmente, consumindo grandes volumes de água. O reuso e reciclo de água era uma realidade na empresa. Muitos setores possuíam recuperação de águas. Exemplos são o resfriamento das centrífugas em circuito fechado; a recuperação da água de resfriamento das máquinas de envase; o reuso da água evaporada na operação de concentração do leite para limpeza de pisos externos e lavagem externa de caminhões; aproveitamento do rejeito do sistema de osmose inversa (dessalinização da água das caldeiras), misturando-o no reservatório de água para consumo. A soma destas ações chegava a 10% da água total consumida. Ações para redução da carga do efluente também foram tomadas pela empresa, sendo estas ações refletidas nos coeficientes de DBO, nitrogênio, fósforo e óleos e graxas. As ações foram tomadas por meio da separação do leite descartado no deslodamento automático das centrífugas; segregação do soro da manteiga e envio deste para ração animal; a recirculação do primeiro enxágüe do sistema de concentração (o qual possui elevado teor de sólidos totais) o reaproveitamento no início do processo, reduzindo a carga das fábricas de produtos fluidos e produtos secos. Apesar de grande preocupação da empresa para a minimização de resíduos, havia ainda oportunidades para redução dos coeficientes apresentados anteriormente. A recuperação de sólidos do primeiro enxágüe poderia ser uma ação de prevenção à poluição. Há exemplos de recuperação dos sólidos do leite utilizando processos de separação por membranas (osmose inversa) e envio destes sólidos para a produção de sorvete. Três resultados diretos foram obtidos: a minimização do impacto do efluente gerado; a produção de caseína; o aproveitamento do permeado, que possui qualidade suficiente para ser considerada água potável (WATER, 1996). Um sistema central para tratar essas águas de enxágüe poderia ser instalado, recuperando sólidos do leite principalmente da recepção e do setor de produtos fluidos, bem como o enxágüe da linha de pasteurização e leite UHT. A Tabela 5 mostra que a fábrica de produtos fluidos é a maior responsável pela emissão de óleos e graxas. Isto é o resultado direto da produção de creme pasteurizado e manteiga, que geram efluentes com altos valores deste parâmetro. Para este caso, a simples separação do primeiro enxágüe e envio desta para a ração animal auxiliaria na redução da carga a ser tratada na estação. O mesmo procedimento poderia ser instalado na fabricação de formulados UHT. Mais uma vez, os processos com membranas apresentam-se como um alternativa promissora para a recuperação de nutrientes presentes nos efluentes. Skelton (2000) cita a recuperação de gordura de linhas de processamento de margarinas, podendo as mesmas serem reaplicadas no processo. A execução de limpeza seca é realizada com freqüência em outras indústrias de alimentos, como na indústria de panificação e no processamento de camarão (CARAWAN, 1999; CARAWAN, 1996a). Poderia ser adaptada para as torres de secagem, havendo a raspagem e/ou varredura dos resíduos aderidos precedendo a lavagem com água, o que removeria grande parte dos sólidos aderidos ao equipamento. Esta operação torna-se mais atrativa no equipamento mais antigo, no qual a limpeza é realizada manualmente. Estes sólidos poderiam ser adicionados ao tanque destinado a receber o primeiro enxágüe. Quanto à água que evapora no processo de concentração, as tecnologias com membranas têm sido aplicadas com sucesso para recuperação deste efluente. Em alguns casos, é possível o reciclo do permeado como água potável ou mesmo para alimentação de caldeiras (CHMIEL et al, 2000; MAVROV e BELIÈRES, 2000; MAVROV et al, 2001). Em dias de grande produção de leite em pó ou soro de leite em pó, grandes volumes deste efluente eram gerados, de modo que a limpeza externa de caminhões e pisos não utilizava todo o efluente, sendo este descartado. Benefícios energéticos também podem ser obtidos com essa água, uma vez que ela é descartada a 55-60ºC. Esta água poderia aquecer a água de reposição de caldeiras por meio de trocadores de calor (gerando economia de combustível) e a mesma ser utilizada para repor torres de resfriamento, as quais não exigem excelente qualidade referente ao teor de matéria orgânica. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

8 O descarte das soluções CIP após um período de uso é prática comum em todas as indústrias de laticínios. O seu efeito negativo pode ser observado na Figura 2, resultando em um efluente com valores de ph que variaram de cerca de 2,0 a 13,0. Processos com membranas de ultrafiltração e nanofiltração têm sido estudados para a regeneração destas soluções, retendo a carga orgânica e prolongando a utilização das soluções (NOVALIC et al, 1998, NOVALIC et al, 1998a, TRÄGARDH e JOHANSSON, 2003). No entanto, um estudo econômico cuidadoso deve ser realizado com o objetivo de avaliar a possibilidade. CONCLUSÕES Os setores para produção de laticínios apresentam um grande potencial poluidor. A produção de laticínios tanto na forma fluida quanto na forma de produtos secos apresentaram riscos ambientais se não avaliados e tratados devidamente. Os programas preventivos podem reduzir a emissão do volume e da carga de efluentes, minimizando custos com o tratamento e podendo haver benefícios econômicos com a recuperação de sólidos do leite e adaptação de processos para o reuso ou reciclo de águas. Variados tipos de ações podem constituir atitudes preventivas para o setor de laticínios, desde a instalação de um simples tanque para o recebimento do primeiro enxágüe ou até mesmo a inserção de tecnologias emergentes como sistemas de separação por membranas. Em contrapartida, os custos também são variados, podendo representar barreiras para a minimização de efluentes que são levados ao tratamento de fim-de-tubo. REFERÊNCIAS 1. AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater, 19. ed. Washington, BRAILE, P.M.; CAVALCANTI, J.E.W.A. Manual de tratamento de águas residuárias. São Paulo : Cetesb, BRIÃO, Vandré Barbosa. Estudo de prevenção à poluição em uma indústria de laticínios. Maringá, Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. Universidade Estadual de Maringá, BYYLUND, Gösta. Tetra Pak Dairy Processing Handbook. Sweden : Tetra Pak Processing System, CARAWAN, Roy. E. Dairy CEOs: Do you have a $500 million opportunity? Carolina do Norte : North Caroline Cooperative Extension Service, Disponível on line no endereço eletrônico 6. CARAWAN, Roy. E.; STENGEL, Michael. J. Water and wastewater management in a dairy processing plant. Carolina do Norte: North Caroline Agricultural Extension Service Disponivel on line no endereço eletrônico 7. CARAWAN, Roy. Prevent Polution in Shrimp Processing. Carolina do Norte: North Carolina Cooperative Extension Service, Disponível on line no endereço eletrônico 8. CARAWAN, Roy. The BOD Diet Plan: Waste Management Tips for Breaded-Food Plant Employees. Carolina do Norte: North Caroline Cooperative Extension Service, Disponível on line no site 9. Centro Nacional de Tecnologias Limpas - CNTL. Produção Limpa. Porto Alegre: SENAI, CHMIEL, Horst.; MAVROV, Valko; BÉLIÈRES, Eric. Reuse of vapour condensate from milk processing using nanofiltration. Filtration and Separation. V. 37, n 3, p Abr FIGUEIREDO, Maria da Glória; SANTOS, Mateus Sales dos. Estação de tratamento de efluentes das indústrias têxteis - Otimização através da implantação de medidas de prevenção à poluição. XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Anais. Porto Alegre, KIRSH, F. William.; LOOBY, Gwen P. Waste minimization assessment for a dairy. Washington: U.S. Environment Protect Agency, Disponível on line no site Envirosense MATTOS, Katty Maria da Costa; FILHO, Neuclair João Ferretti. Instrumentos da Gestão Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável. IV Encontro de Engenharia de Produção. Porto Alegre, CD-ROM. 14. MAVROV, V.; BÉLIÈRES, E. Reduction of water consuption and wastewater quantities in the food industry by water recycling using membrane process. Desalination. V. 131, p ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 8

9 15. MAVROV, V.; CHMIEL, H.; BÉLIÈRES, E. Spent process water desalination and organic removal by membranes for water reuse in the food industry. Desalination. V. 138, p METCALF e EDDY. Tratamento y Depuracion de las águas residuárias. New York: McGraw Hill, NOVALIC, Senad; DABROWSKI, Adam; KULBE, Klaus, D. Nanofiltration of caustic and acid cleaning solutions with high COD. Part 1: Recycling of Sodium Hidroxide. Journal of Food Engineering. V.38, p NOVALIC, Senad; DABROWSKI, Adam; KULBE, Klaus, D. Nanofiltration of caustic and acid cleaning solutions with high COD. Part 1: Recycling of HNO3. Journal of Food Engineering. V.38; p POESTER, José Luiz; LEITÃO, Magda R. Agroindustry wastewater treatment. Porto Alegre: Senai, PREVENÇÃO à Poluição. São Paulo: CETESB, Disponível on line no site 21. QUARESMA, Maria Yamamoto do Vale; PACHECO, Carlos Eduardo Medeiros. Avaliação de Técnicas de Prevenção à Poluição aplicadas em indústrias de galvanoplastia. XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Anais. Porto Alegre, RAMJEAWON, T. Cleaner production in Mauritian cane-sugar factories. Journal of Cleaner Production, V.8, p SKELTON, Robert. Membranes in food processing. Filtration and Separation. Amsterdan: Elsevier Science Publisher B.V, 2000, v. 37, n. 3 p Abril de TRÄGARDH, Gun; JOHANSSON, Dan. Purification of alkaline cleaning solutions from the dairy industry using membrane separation technology. Desalination. V.119, p VEYSSEYRE, R. Lactologia técnica, composiçión, recogida, tratamiento y tranformación de la leche. Zaragoza : Ed. Acribia, WASTEWATER. Vienna: UNIDO, Disponível on line no site UNIDO WATER, Hugh. New Zealand Dairy Group Anchor Products Ltda. Washington: U.S. Environmental Protection Agency, Disponível on line no endereço eletrônico 28. WHAT S cleaner production. Vienna: UNIDO, Disponível on line no site UNIDO. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 9

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

Ultrafiltração como processo de tratamento para o

Ultrafiltração como processo de tratamento para o Ultrafiltração como processo de tratamento para o reúso de efluentes de laticínios Ultrafiltration as treatment process for reuse of dairy effluent Vandré Barbosa Brião Faculdade de Engenharia e Arquitetura.

Leia mais

Reaproveitamento de Água de Processo e Resíduos da Indústria de Laticínios

Reaproveitamento de Água de Processo e Resíduos da Indústria de Laticínios Reaproveitamento de Água de Processo e Resíduos da Indústria de Laticínios L. F. W. Brum a, L. C. O. Santos Júnior b, S. Benedetti c a. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, luisfbrum.engenheiro@gmail.com

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes

Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsídios para o uso sustentável da água em uma indústria de laticínio de pequeno porte: avaliação do consumo e geração de efluentes Subsidies for sustainable water use in a small dairy industry: assessment

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE

INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE INVENTÁRIO AMBIENTAL DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE NANOCRISTAIS DE CELULOSE A PARTIR DA FIBRA DE COCO VERDE Aline Cavalcanti e Cavalcante * ; Ana Claudia Carneiro da Silva Braid; Diego Magalhães Nascimento;

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

PLANO PARA REDUÇÃO DE CARGA POLUIDORA EM INDÚSTRIA DE LACTICÍNIOS

PLANO PARA REDUÇÃO DE CARGA POLUIDORA EM INDÚSTRIA DE LACTICÍNIOS PLANO PARA REDUÇÃO DE CARGA POLUIDORA EM INDÚSTRIA DE LACTICÍNIOS Beatriz Chinato Begnini 1 Heraldo Baialardi Ribeiro 2 RESUMO: Os laticínios, em seu processo industrial, utilizam grande quantidade de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS DE EFLUENTES DE AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO CELEIRO DO RS Marieli da Silva MARQUES 1, Iliane Toledo BORGES 2, Andrey Berlesi AGNES e João Eduardo König LAUER 3, Gabriele

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS RESÍDUOS NA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO Suetônio Mota (1) Engenheiro Civil e Sanitarista. Doutor em Saúde Ambiental, pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Centro

Leia mais

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Luciano dos Santos Rodrigues Professor Adjunto - Controle Ambiental e Saneamento Escola de Veterinária UFMG e-mail: lsantosrodrigues@gmail.com

Leia mais

Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil

Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil Aplicação de Reúso na Indústria Têxtil 1. Indústria Têxtil Uma Abordagem Geral: Indústria têxtil tem como objetivo a transformação de fibras em fios, de fios em tecidos e de tecidos em peças de vestuário,

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

CONSUMO DE ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

CONSUMO DE ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Pág. 10 Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Mar/Jun, nº 367/368, 64: 10-18, 2009 CONSUMO DE ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES EM UMA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS Water consumption and effluent generation in a small

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Esgoto sanitário, lodos ativados em batelada, MBBR, Biobob, biomassa fixa.

PALAVRAS-CHAVE: Esgoto sanitário, lodos ativados em batelada, MBBR, Biobob, biomassa fixa. ESTUDO DO EFEITO DA ADIÇÃO DE MATERIAL SUPORTE PARA ADESÃO CELUAR EM REATOR DE LODOS ATIVADOS TIPO CASS (CYCLIC ACTIVATED SLUDGE SYSTEM) TRATANDO ESGOTO SANITÁRIO MUNICIPAL Moacir Messias de Araujo Junior

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO MODELO CINÉTICO DE FILTRO BIOLÓGICO PARA EFLUENTE DE LATICÍNIOS

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO MODELO CINÉTICO DE FILTRO BIOLÓGICO PARA EFLUENTE DE LATICÍNIOS DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO MODELO CINÉTICO DE FILTRO BIOLÓGICO PARA EFLUENTE DE LATICÍNIOS DETERMINATION OF KINETIC PARAMETERS OF THE MODEL OF A BIOLOGICAL FILTER FOR EFFLUENT FROM DAIRY Cleomar Reginatto¹,

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

Introdução AGROINDÚSTRIA PREOCUPAÇÃO!!! Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural

Introdução AGROINDÚSTRIA PREOCUPAÇÃO!!! Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural Introdução AGROINDÚSTRIA Importância para o País INDISCUTÍVEL!!!! ECONOMIA Harmonia entre população urbana e rural PREOCUPAÇÃO!!! Introdução Tabela 1: Produção de leite (milhões de litros) no País e no

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais Lucien Gormezano, EEM Leo Kunigk, EEM Rubens Gedraite, EEM 1 Introdução O gerenciamento de um projeto industrial abrange diversas

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

Reuso de águas evaporadas no processo de produção de leite condensado e leite em pó através da separação por osmose inversa

Reuso de águas evaporadas no processo de produção de leite condensado e leite em pó através da separação por osmose inversa Reuso de águas evaporadas no processo de produção de leite condensado e leite em pó através da separação por osmose inversa Vandré Brião 1, Taizi Miorando 2 1 Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo-RS,

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia

Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia Universidade Estadual de Santa Cruz-UESC Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas-DCET Colegiado de Engenharia de Produção Avaliação de técnicas de Produção Mais Limpa em um laticínio no Sul da Bahia

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS Francisco Gláucio Cavalcante de Souza (*) Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) Universidade de São Paulo (USP). Engenheiro civil

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR

II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR II-153 - Avaliação de uma Estação de Tratamento de Esgoto Compacta, do tipo Discos Biológicos Rotativos DBR Sandra Parreiras P. Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre em Irrigação

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D.

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D. Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos André Lermontov, D.Sc Junho 2013 Inovar: é imaginar o que ninguém pensou; é acreditar no que ninguém

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS REMOÇÃO DE FENOL DE EFLUENTES DE REFINARIAS DE PETRÓLEO Laerte de M. Barros Júnior 1 (Bolsista PRH-ANP 14 - DR), Gorete Ribeiro de Macedo 1, Willibaldo

Leia mais

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda.

CB Fernandes Engenharia e Consultoria Ltda. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA: ÁREAS DE ATUAÇÃO: A CB Fernandes Engenharia é uma empresa de prestação de serviços especializados de engenharia e consultoria, voltada para a indústria, atuando nas áreas de: EFICIÊNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS Marco Túlio Rocha Porto* Engenheiro Civil, Mestrando em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

REMOÇÃO DE DBO E DQO EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA LAVAGEM E DESPOLPA DO FRUTO DO CAFEEIRO COM RAMPAS CULTIVADAS COM AVEIA PRETA 1

REMOÇÃO DE DBO E DQO EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA LAVAGEM E DESPOLPA DO FRUTO DO CAFEEIRO COM RAMPAS CULTIVADAS COM AVEIA PRETA 1 REMOÇÃO DE DBO E DQO EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA LAVAGEM E DESPOLPA DO FRUTO DO CAFEEIRO COM RAMPAS CULTIVADAS COM AVEIA PRETA 1 MATOS, A.T. 2 ; FUKUNAGA, D.C. 3 ; PINTO, A.B. 4 e

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98.

A análise descritiva dos resultados foi levada a efeito utilizando a planilha Excel 98. XII-18 ESTUDO DA VAZÃO HORÁRIA AFLUENTE DA LAGOA ANAERÓBIA PROFUNDA DA PEDREIRA Nº 7 DO PÓLO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA NA GRANDE JOÃO PESSOA (ESTUDO DE CASO) Carolina Baracuhy Amorim

Leia mais

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: EFICIÊNCIA E ANÁLISE DE MODELOS MATEMÁTICOS DO PROJETO DA NESTLÈ

TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: EFICIÊNCIA E ANÁLISE DE MODELOS MATEMÁTICOS DO PROJETO DA NESTLÈ 1 TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS: EFICIÊNCIA E ANÁLISE DE MODELOS MATEMÁTICOS DO PROJETO DA NESTLÈ Larissa Paranhos Nirenberg 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica

Leia mais

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador REMOÇÃO DE COR EM SIMULAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE FÁBRICA DE CÁPSULAS DE GELATINA FERNANDES, Neemias Cintra 1, 3 ; COSTA, Orlene Silva da 2, 3, 5 ; SIQUEIRA, Eduardo Queija 4, 5 ; OLIVEIRA, Sérgio Botelho

Leia mais

Os indicadores abaixo podem representar o desempenho da indústria e indicar metas de sustentabilidade do processo produtivo e administrativo.

Os indicadores abaixo podem representar o desempenho da indústria e indicar metas de sustentabilidade do processo produtivo e administrativo. INTRODUÇÃO Em qualquer ação de gerenciamento, no planejamento e na implantação das medidas de Produção mais Limpa - P+L um bom diagnóstico é fundamental. Conhecer o quê e quanto se consome e se emite em

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para controlar as diferentes etapas e equipamentos envolvidos no processo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos e Novas Tecnologias

Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos e Novas Tecnologias FERMENTAÇÃO COM ALTO TEOR ALCOÓLICO, BIODIGESTÃO E CONCENTRAÇÃO DE VINHAÇA: SOLUÇÃO INTEGRADA PARA A USINA SUSTENTÁVEL E GERAÇÃO DE ENERGIA Veolia Water Technologies Brasil Fermentec - Engenharia de Processos

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 IDENTIFICAÇÃO Nome do Bolsista MANOEL REGINALDO FERNANDES Título do Programa ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Título do Curso / Especialização ENGENHARIA QUÍMICA / GRADUAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO

ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES RESUMO ESTUDO DO USO DE CASCA DE COCO COMO BIOADSORVENTE PARA A REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS DE EFLUENTES A. S. ALMAGRO 1*, A P. MENEGUELO 1, A. N. F. MENDES 2 S. M. S. ROCHA 3 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

II-009 SISTEMA INTEGRADO DE MANEJO E TRATAMENTO DOS EFLUENTES OLEOSOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO

II-009 SISTEMA INTEGRADO DE MANEJO E TRATAMENTO DOS EFLUENTES OLEOSOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO II-009 SISTEMA INTEGRADO DE MANEJO E TRATAMENTO DOS EFLUENTES OLEOSOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO Giovana Fanti Ferrari (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES (1998), Aluna

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO

PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PROPOSTA DE MODELO DE REÚSO DE ÁGUA DE BEBEDOUROS, CONDICIONADORES DE AR E DESTILADORES EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO Anna Júlia Santos Barros (1); Antônio Olívio Silveira Britto Júnior (1); Leonardo Lima

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental

UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO Centro de Ciências Exatas Naturais e Tecnológicas Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental AVALIAÇÃO DE PROCESSOS BIOLÓGICOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTES

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS GUIA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA AGROINDÚSTRIA: UM ESTUDO DA INDÚSTRIA

Leia mais

II-120 REUTILIZAÇÃO DO BANHO RESIDUAL DE CURTIMENTO, UTILIZANDO TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANA

II-120 REUTILIZAÇÃO DO BANHO RESIDUAL DE CURTIMENTO, UTILIZANDO TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANA II-120 REUTILIZAÇÃO DO BANHO RESIDUAL DE CURTIMENTO, UTILIZANDO TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANA Maria de Fátima Almeida Vieira (1) Graduada em Engenharia Química (DEQ/CCT/UFPB), Mestre em Engenharia

Leia mais