Manual de Recursos Humanos Orientações e Procedimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Recursos Humanos Orientações e Procedimentos"

Transcrição

1 Manual de Recursos Humanos Orientações e Procedimentos

2 APRESENTAÇÃO Esta é a primeira versão do Manual de Recursos Humanos Orientação e Procedimentos - Manual para Servidores, e o objetivo da Superintendência de Recursos Humanos/DEARH ao elaborá-lo foi o de dirimir dúvidas e eliminar divergências identificadas na execução das rotinas referentes aos recursos humanos desta Universidade. Não pretendemos que este Manual seja meramente um roteiro de normas a serem cumpridas, mas, sobretudo, um instrumento para o aprimoramento das atividades desenvolvidas por este Departamento em parceria com as Unidades Organizacionais, através dos Chefes de Secretaria e seus colaboradores, e em consonância com as legislações vigentes. Ao estabelecermos o seu conteúdo, adotamos dois critérios. Primeiro, a abordagem dos assuntos não teve a preocupação de apresentar ou analisar as legislações que norteiam cada assunto. Segundo, cada assunto foi tratado em tópicos, nos quais buscamos orientar quanto aos procedimentos que devem ser adotados, pela Unidade Organizacional ou pelo próprio servidor, para que a Superintendência de Recursos Humanos, através do DEARH possa dar continuidade às ações que asseguram os direitos e deveres dos servidores e prestadores de serviços desta Universidade. Os assuntos que constituem o presente Manual foram selecionados a partir da identificação das principais dúvidas apresentadas por nossos usuários e, posteriormente organizados de acordo com a sua distribuição dentro das Coordenações do DEARH. O Manual de Recursos Humanos Orientação e Procedimentos - Manual para Servidores não esgota os assuntos aqui citados, tendo em vista a sua natureza dinâmica, e será revisto, atualizado ou corrigido, sempre que houver mudanças nas rotinas e/ou legislações, ou por sugestões e críticas de seus usuários, cuja contribuição é indispensável para alcançarmos a excelência de nossos serviços.

3 RICARDO VIEIRALVES DE CASTRO Reitor SÉRGIO CORRÊA MARQUES Superintendente de Recursos Humanos SANDRA HELENA MIRANDA Diretora do DEARH/SRH MAURÍCIO RIBEIRO DE MATTOS Coordenador da CODIV/DEARH SIMONE CORRÊA LOPES DE ALMEIDA Coordenadora da COPGER/DEARH LUSIANA BRANDÃO PESSANHA DOS SANTOS Chefe do SERDIV/DEARH MARIA CRISTINA LOIOLA BORGES Chefe do SERPAF/DEARH MARISA DA ROCHA SANTOS Chefe do SEREG/DEARH SIDNEI SANTOS DE SOUZA Chefe do SERVCON/DEARH NILTON DE OLIVEIRA SILVA Chefe do SERVFREQ/DEARH MARCELO FERREIRA DE OLIVEIRA Chefe da SEAPO/SERDIV/DEARH

4 CRIAÇÃO Departamento de Arte da Comuns DIAGRAMAÇÃO E ARTE Paulo Carvalho CAPA Celso Bittencourt de Oliveira

5 ÍNDICE ASSUNTO PÁGINA COPGER - SERPAF Acumulação de Cargos 09 Alteração de Carga Horária 12 Alterações de Registros Cadastrais 14 Promoção na Carreira Docente 16 COPGER - SERVFREQ Abono ou Retificação de Faltas não Justificadas 18 Afastamento para Participar de Eventos Culturais, Científicos e Técnicos 19 Afastamento para Cumprir Serviço Obrigatório por Lei 21 Apuração de Faltas para Encaminhamento a Inquérito Administrativo 22 Auxílio-Doença 24 Boletim de Inspeção Médica - BIM 25 Cessão de Servidor da UERJ para outro Órgão 26 Cessão de Servidor de outro Órgão para a UERJ 28 Encerramento de Folha por Falecimento 30 Exoneração e Encerramento de Folha de Cargo Efetivo da UERJ 31 Férias de Servidores Celetistas 33 Férias de Servidores Estatutários 35 Licença Sabática 37 Mapa de Freqüência Mensal - MFM 38 Programa de Capacitação Docente - PROCAD 39 Programa de Capacitação Técnico-Administrativo PROCASE 40 Readaptação com Remoção 41 Remoção 42 COPGER - SEREG Contrato Administrativo de Prestação de Serviços Temporários 44 Programa de Apoio Técnico as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão - PROATEC 49 Programa de Extensão Artista Visitante 50 Contratação de Professor Visitante 51 CODIV - SERVCON Adicional de Insalubridade/Periculosidade 54 Manual para Servidores 6

6 Adicional por Tempo de Serviço - Triênio 56 Afastamento para Concorrer a Pleito Eleitoral 57 Auxílio-Creche 58 Auxílio-Funeral 60 Auxílio-Natalidade 61 Averbação de Tempo 62 Certidão de Tempo de Serviço/Contribuição 64 Licença Para Desempenho de Mandato Legislativo ou Executivo 65 Licença Prêmio 66 Licença sem Vencimentos para Acompanhar Cônjuge 68 Licença sem Vencimentos para Cumprir Estágio Experimental 70 Licença sem Vencimentos para Trato de Interesses Particulares 71 Redução em 50% da Carga Horária, sem redução dos Vencimentos, para Acompanhar Dependente Portador de Necessidades Especiais 73 CODIV - SERDIV Abono Permanência 76 Aposentadoria Compulsória 78 Aposentadoria por Invalidez 80 Aposentadoria Voluntária 82 Isenção do Desconto do Imposto de Renda 90 Mudança de Fundamentação de Aposentadoria 92 Manual para Servidores 7

7 COPGER Coordenação de Provimento e Gerenciamento de Pessoal SERPAF Serviço de Provimento e Acompanhamento de Pessoal Ramal: Manual para Servidores 8

8 Atividade ACUMULAÇÃO DE CARGOS Definição É a atividade que tem por objetivo a análise da licitude do acúmulo de cargos/empregos ou funções públicas exercidas pelo servidor. Fundamentação Decreto 2.479/79 - Artigo 15, inciso VI, e artigos 275, 279, 282 e 289 Constituição Federal - Artigo 37, incisos XVI e XVII Decreto Estadual de 16/06/1989 Emenda Constitucional nº 34, de 13/12/2001 Deliberação UERJ nº 46/2001 Resolução SEPLAG nº 109, de 09/05/2008 (Manual para Análise de Acumulação de Cargos) Orientações / Procedimentos É dever do servidor ou empregado público informar à SRH quanto a eventual acumulação de cargos, empregos ou funções públicos (Art. 282 e 283 do Decreto nº 2.479/79), inclusive quando da nomeação para o segundo vínculo (Art. 10 do Decreto nº 2.479/79) e nos casos de acumulações já analisadas e publicadas em Diário Ofi cial pela SEPLAG, quando ocorrer alguma alteração. A omissão de tais informações ou a prestação de informação inverídica confi gura falta funcional, tanto pelo servidor ou empregado público que acumula os vínculos quanto por outro agente público que, tendo ciência da situação de acúmulo irregular, não o comunique à autoridade competente (Art. 37, Parágrafo Único, do Decreto-Lei nº 220/75 RS nº 109). Só podem ser exercidos em acumulação dois vínculos, sejam na atividade ou inatividade. É vedada a percepção cumulativa de remunerações referentes a três ou mais cargos, empregos ou funções públicos, ainda que um ou mais destes sejam proventos de inatividade, uma vez que a regra da proibição de acumular também se estende aos proventos de aposentadoria, permitida apenas em hipóteses específi cas. Manual para Servidores 9

9 A acumulação remunerada de cargos públicos é permitida nos seguintes casos: 1. dois cargos de professor 2. um cargo de professor com outro técnico ou científi co 3. dois cargos ou empregos privativos de profi ssionais de saúde, com profi ssões regulamentadas O regime de acumulação abrange cargos, funções e empregos da União, dos Territórios, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como as Autarquias, das Fundações Públicas, das Sociedades de Economia Mista e das Empresas Públicas. A carga horária máxima permitida em regime de acumulação é de 65 (sessenta e cinco) horas semanais, conforme o Decreto Estadual de 16/06/1989. Não é possível a acumulação quando um dos cargos, empregos ou funções exercidos for em regime de dedicação exclusiva. Os militares são impedidos de acumular cargos, inclusive médicos, enfermeiros, odontólogos e demais profi ssionais da área de saúde. O servidor que acumular cargos ilicitamente sofrerá as sanções previstas em Lei, dentre elas a instauração de inquérito administrativo e a devolução à UERJ dos valores recebidos indevidamente. O órgão competente para fazer a análise de acumulação de cargos é a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão - SEPLAG. O servidor deverá dirigir-se à Seção de Atendimento ao Usuário SAU da SRH, bloco F, sala T-115, para: 1. assinar o Termo de Responsabilidade Funcional TRF, no caso de não acumular cargos públicos. 2. declarar a situação de acumulação de cargos, através do preenchimento do Formulário de Declaração de Cargo/ Emprego/Função, ao qual o servidor deverá anexar as Declarações atualizadas de Carga Horária Total e Discriminada das matrículas da UERJ e do outro vínculo público, devidamente assinadas pelas Chefi as. A compatibilidade de horários deve levar em consideração o período mínimo de intervalo de 01 (uma) hora para alimentação e deslocamento entre os locais de trabalho. 3. No caso de exoneração de órgão público, o servidor deverá apresentar a cópia da publicação em Diário Ofi cial. Não havendo ainda tal publicação, será aceito em caráter provisório, a cópia do protocolo referente a essa exoneração. Manual para Servidores 10

10 Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Declaração de Cargo/Emprego/Função Termo de Responsabilidade Funcional Manual para Servidores 11

11 Atividade ALTERAÇÃO DE CARGA HORÁRIA Definição É a redução ou o aumento da carga horária prevista para o cargo efetivo ocupado pelo servidor, mediante solicitação de sua Unidade, conforme legislação vigente. Fundamentação Lei nº 4796/2006 Lei nº 543/2008 Manual de Cargos dos Servidores da UERJ Resolução 03/REITORIA/91 Orientações / Procedimentos Redução de Carga Horária de Servidor Técnico-administrativo ou Docente 1. A carga horária pretendida pelo servidor deverá estar prevista para o cargo no Manual de Cargos dos Servidores da UERJ. 2. O servidor deverá encaminhar à SRH requerimento, apresentando justifi cativa para o pedido e informando a carga horária pretendida, contendo a aprovação da chefi a imediata e da Direção da Unidade e cópia da Ata do Conselho Departamental, se docente. Aumento da Carga Horária de Servidor Docente 1. A carga horária pretendida pelo servidor docente deverá estar prevista na Resolução 03/Reitoria/91 e ser compatível com a carga horária do outro vínculo, caso o servidor possua acumulação de cargos. 2. O processo de aumento de carga horária docente é formado pela COPAD, mediante solicitação da Direção da Unidade encaminhada àquela Comissão, através de memorando no qual justifi ca a necessidade da alteração e a carga horária pretendida. 3. Só será possível a SRH dar continuidade ao processo de aumento de carga horária se o servidor estiver com sua situação de acumulação de cargos regularizada e atualizada. Aumento da Carga Horária de Servidor Técnico-administrativo 1. A carga horária pretendida pelo servidor deverá estar prevista no Manual de Cargos Manual para Servidores 12

12 dos Servidores da UERJ e ser compatível com a carga horária do outro vínculo, caso o servidor possua acumulação de cargos. O processo de Aumento de Carga Horária de servidor técnico-administrativo é formado pela SRH, mediante requerimento do próprio servidor, ratifi cado e justifi cado por sua Chefi a Imediata e pela Direção da Unidade; ou a partir do memorando da Unidade, justifi cando a necessidade da alteração da carga horária, contendo a ciência e o de acordo do servidor. Para que a SRH possa dar prosseguimento ao processo é necessário que sua situação de acumulação de cargos esteja regularizada e atualizada. A data da efi cácia do aumento de carga horária, tanto do docente quanto do técnico-administrativo, será fi xada pela Direção do DEARH, após sua autorização pelo Magnífi co Reitor, de acordo com a folha de pagamento corrente e a freqüência do servidor e será informada à Unidade em tempo hábil para o seu cumprimento. Portanto, não é permitido ao servidor iniciar o cumprimento de uma nova carga horária sem que seu processo seja concluído pela SRH. Manual para Servidores 13

13 Atividade ALTERAÇÕES DE REGISTROS CADASTRAIS Definição É a atualização dos dados cadastrais, pessoais e funcionais dos servidores da UERJ. Fundamentação Circular nº. 019/SRH/2006 Orientações / Procedimentos É dever do servidor informar à SRH toda e qualquer alteração para que seus registros cadastrais sejam mantidos atualizados. Para isto, deverá dirigir-se à SRH / Seção de Atendimento ao Usuário - SAU, no bloco F, sala T-115, e preencher formulário específi co. Para informar alteração de nome e/ou estado civil, o servidor deverá preencher o formulário padrão da SRH, apresentando original e cópia da certidão comprobatória. Para atualizar o endereço residencial, o servidor deverá preencher o formulário Requerimento para Atualização de Endereço, e anexar a este uma cópia de um dos comprovantes de endereço previstos na Circular nº. 019/SRH/2006, devidamente autenticada pelo servidor da SAU. Caso o servidor deseje alterar seus dados bancários, deverá preencher o formulário Alteração de Conta Corrente, e anexar cópia do documento comprobatório (cartão do Banco ITAU, talão de cheque, etc), apresentando o original para autenticação. O servidor deverá ser o titular da conta corrente informada. Para que tenha registrado em seus assentamentos funcionais algum dependente para fi ns de Imposto de Renda, o servidor deverá preencher o formulário Cadastro de Dependentes para fi ns de Imposto de Renda, anexando a este o documento comprobatório. Manual para Servidores 14

14 Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Formulário de Declaração de Dependentes para fi ns de Imposto de Renda Requerimento para Atualização de Endereço Manual para Servidores 15

15 Atividade PROMOÇÃO NA CARREIRA DOCENTE Definição É a passagem do servidor docente para uma categoria superior a que ocupa. Fundamentação Lei nº 5.343/2008 Resolução 03/REITORIA/91 Orientações / Procedimentos O processo de Promoção Docente deve ser aberto junto à Sub-Reitoria de Pósgraduação e Pesquisa SR-2, mediante a apresentação da documentação comprobatória de conclusão do curso de Mestrado, Doutorado ou Pós-doutorado, conforme a situação. Para que a SRH possa dar continuidade ao processo de promoção docente é necessário que a situação funcional do servidor esteja sem pendência, inclusive de acumulação de cargos, se for o caso. Não é permitida a promoção docente ao servidor que ainda se encontre em estágio probatório. Manual para Servidores 16

16 COPGER Coordenação de Provimento e Gerenciamento de Pessoal SERVFREQ Serviço de Freqüência Ramal: Manual para Servidores 17

17 Atividade ABONO OU RETIFICAÇÃO DE FALTAS NÃO JUSTIFICADAS Definição É a revisão do registro de falta não justificada na freqüência do servidor, que, após os trâmites administrativos necessários, poderá gerar o abono ou exclusão da falta. Fundamentação Decreto 2.479/79 Resolução Normativa SARE nº. 152 de 21/08/90 Orientações / Procedimentos O prazo de solicitação para retifi cação de faltas não justifi cadas é de até 120 (cento e vinte) dias, a partir da data registrada como falta. O prazo para solicitação para abono de falta, justifi cada através de atestado médico ou Boletim de Inspeção Médica BIM, é de até 90 (noventa dias) dias, contados a partir do início do mês seguinte aquele em que ocorreram as faltas. A solicitação de abono ou retifi cação de falta não justifi cada poderá ser solicitada pela chefi a imediata do servidor, através de memorando, ou pelo próprio servidor, através de requerimento, no qual justifi que sua ausência, mediante comprovação documental, com a ciência da chefi a imediata, entregue no Protocolo da SRH, sala T-114, do bloco F. A Folha de Freqüência Mensal - FFM, disponível no endereço eletrônico da SRH, deverá ser preenchida diariamente pelo servidor, e ratifi cada por sua Chefi a Imediata ao fi nal de cada mês, devendo ser mantida em arquivo na Unidade pelo prazo mínimo de 05 (cinco) anos. Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Folha de Freqüência Mensal - FFM Manual para Servidores 18

18 Atividade AFASTAMENTO PARA PARTICIPAR DE EVENTOS CULTURAIS, CIENTÍFI- COS E TÉCNICOS Definição É o afastamento do servidor das atividades laborativas para participar de eventos culturais, científicos e técnicos, em âmbito nacional ou no exterior, que sejam de interesse da Universidade, com duração igual ou inferior a 30 (trinta) dias. Fundamentação Decreto 2.479/79 Resolução 03/REITORIA/91 Orientações / Procedimentos Qualquer afastamento do servidor para participação em eventos, no âmbito nacional ou no exterior, deverá ser comunicado formalmente à SRH. Nos casos em que o servidor for participar de evento em âmbito nacional, a comunicação à SRH deverá ser feita através de memorando da Chefi a Imediata, contendo a autorização da Direção da Unidade. Nos casos em que o servidor for participar de evento internacional, deverá ser providenciado o comunicado à SRH, com 30 (trinta) dias de antecedência ao início do evento, contendo a autorização da Direção da Unidade e anexos a Ata do Conselho Departamental, o comprovante de inscrição do servidor no evento e o folder do evento, para posterior formação de processo, que será encaminhado a Reitoria para autorização e publicação em Diário Ofi cial. O servidor não pode solicitar afastamento durante o período de férias. Caso o servidor informe um período de afastamento que inclua as férias, serão considerados para publicação e registro somente os dias não coincidentes com as férias. O servidor que possuir mais de uma matrícula na UERJ deverá solicitar afastamento nas duas matrículas. A solicitação de afastamento deverá ser feita num requerimento separado do pedido de diárias e passagens. Manual para Servidores 19

19 Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Formulário de Solicitação de Autorização de Afastamento Manual para Servidores 20

20 Atividade AFASTAMENTO PARA CUMPRIR SERVIÇO OBRIGATÓRIO POR LEI Definição É a requisição do servidor para que atue no Tribunal Regional Eleitoral nos períodos de eleições, por tempo inferior a 1 (um) ano. Fundamentação Decreto 2.479/79 Resolução do TRE-RJ 686/2008 Orientações / Procedimentos O Tribunal Regional Eleitoral deverá encaminhar a SRH ofício requisitando o servidor, e este só poderá se afastar de suas atividades na UERJ após receber na Seção de Atendimento ao Usuário SAU, sala T-115, o ofício expedido pelo DEARH/ SRH de apresentação do servidor à Zona Eleitoral na data de início da prestação do serviço. O servidor deverá notifi car à Unidade a sua convocação pelo TRE, devendo apresentar a cópia do ofício de convocação à sua chefi a imediata e, no retorno, a cópia do ofício do TRE comprovando a prestação do serviço. O original do ofício de convocação do TRE deve ser entregue no DEARH/SRH. A Unidade deverá informar à SRH/DEARH a data do retorno do servidor às suas atividades na UERJ. Manual para Servidores 21

21 Atividade APURAÇÃO DE FALTAS PARA ENCAMINHAMENTO A INQUÉRITO ADMI- NISTRATIVO Definição É o controle da inassiduidade dos servidores, baseado nas informações de faltas não justificadas, mensurando-se sempre um período de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, retroativos ao último dia do mês da freqüência informada e atendendo a legislação vigente. Fundamentação Decreto Lei 220/75 Decreto 2.479/79 Lei 85/96 Orientações / Procedimentos Atendendo a legislação vigente, os servidores que apresentarem: (dez) dias de faltas não justificadas consecutivas ou (vinte) dias interpolados de faltas não justificadas, num período de 12 (doze) meses, ou seja dentro de um período de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias, serão encaminhados para responder a inquérito administrativo por abandono de cargo. Quando o servidor apresentar 30 (trinta) dias consecutivos de faltas não justificadas, será retirado de folha de pagamento, após os procedimentos administrativos cabíveis. Neste caso, a Unidade deverá informar à DIJUR/CINQA quando o servidor solicitar o retorno às atividades. Para que a SRH possa atuar preventivamente, a Unidade deverá comunicar, através de memorando ao DEARH, quando o servidor estiver faltando ao serviço, sem apresentar justifi cativa, por 03 (três) dias consecutivos, (incluindo as folgas), no caso do plantonista, ou por 05 (cinco) dias consecutivos, no caso de diaristas não atendendo as orientações ou tentativas de convocação da Chefi a Imediata. No caso de servidor plantonista, ocorrendo a falta não justifi cada, os dias de folga serão computados também como faltas não justifi cadas, até o comparecimento do servidor. Manual para Servidores 22

22 A responsabilidade pela freqüência dos servidores é exclusiva da Direção da Unidade, devendo o Mapa de Freqüências Mensal MFM ser entregue no Protocolo da SRH, sala T-114, até o 2º dia útil do mês subseqüente. Manual para Servidores 23

23 Atividade AUXÍLIO-DOENÇA Definição É o benefício pago ao servidor que esteja ininterruptamente em licença médica, pelos artigos 110 e 111 do Decreto 2479/79, num período de 365 (trezentos e sessenta e cinco) dias. Fundamentação Decreto 2.479/79 Orientações / Procedimentos O valor do Auxílio-Doença corresponde a um vencimento base do servidor. A quantidade máxima de Auxílios-Doença pagos pela mesma licença médica é de 02 (duas), perfazendo um total de 730 (setecentos e trinta) dias consecutivos de afastamento. O pagamento do Auxílio-Doença pode ser solicitado: a) pelo próprio servidor, através de requerimento encaminhado ao Serviço de Atendimento ao Usuário SAU da SRH; b) pela Unidade de lotação do servidor, através de memorando encaminhado a SRH; c) pelo DESSAUDE/SRH, através de Declaração encaminhada ao DEARH, ou d) pela SUPSOQ/SEPLAG, através de ofício. Manual para Servidores 24

24 Atividade BOLETIM DE INSPEÇÃO MÉDICA - BIM Definição É o formulário de licença médica que deve ser emitido pelo DESSAUDE/SRH ou pela SUPSOQ/SEPLAG sempre que o servidor estiver ausente do trabalho, por motivo de doença, por período superior a 03 (três) dias consecutivos no mesmo mês. Fundamentação Decreto 2.479/79 Orientações / Procedimentos Quando o servidor apresentar a necessidade de afastar-se do trabalho por motivo de doença, por período superior a 03 (três) dias, deverá ser encaminhado por sua Chefi a Imediata, munido do formulário de Apresentação para Inspeção Médica - AIM, ao DESSAUDE/SRH, que após atendê-lo emitirá a Declaração de Atendimento Médico DAM e o Boletim de Inspeção Médica BIM. O servidor deverá entregar a cópia da DAM à sua Chefi a imediata e o BIM será encaminhado diretamente ao DEARH para digitação e controle da freqüência. Quando o BIM for emitido pela SUPSOQ/SEPLAG, o servidor deverá entregar a cópia na sua Unidade de lotação e o original no DESSAUDE/SRH. Quando o Componente Organizacional registrar DAM na freqüência do servidor, deverá anexar cópia desse documento ao Mapa de Freqüência Mensal MFM para ser entregue no DEARH/SRH. Enquanto o servidor estiver em licença médica sem alta a Unidade não poderá lançar o registro de marcação de férias no SGRH/Unidade e nem autorizar seu retorno ao trabalho, devendo este reassumir suas atividades a partir da alta médica formalizada e entregue pelo DESSAUDE/SRH. Caso o servidor não apresente a DAM para comprovar sua licença médica acima de 03 (três) dias no mesmo mês, a Unidade deve convocá-lo para resolução das faltas, antes do fechamento do Mapa de Freqüência. Não havendo documento comprobatório até o fechamento do Mapa, a Unidade deverá lançar Falta não Justifi cada e relatar o fato à SRH/DEARH, através de memorando. Manual para Servidores 25

25 Atividade CESSÃO DE SERVIDOR DA UERJ PARA OUTRO ÓRGÃO Definição É a liberação de um servidor do quadro efetivo da UERJ para desenvolver temporariamente suas atividades em outro órgão. Fundamentação AEDA 014/REITORIA/1997 Decreto /2002 Decreto /2007 Orientações / Procedimentos A solicitação de cessão do servidor para desenvolver suas atividades temporariamente em outro órgão público deve ser encaminhada, através de ofício, ao Magnífi co Reitor. O processo de cessão é formado na SRH, que após instruí-lo com o histórico funcional do servidor, o encaminha para pronunciamento da Direção da Unidade. Após este pronunciamento, é dado prosseguimento ao processo, que fi nalizará, após o pronunciamento do Magnífi co Reitor, com o indeferimento ou a publicação em DOERJ do deferimento. O servidor deverá aguardar em efetivo exercício na UERJ a publicação da cessão no DOERJ. Caso seja autorizada a cessão, o servidor deverá retirar na SRH/DEARH, sala T-115, o ofício de apresentação do servidor ao órgão cessionário, sendo a partir da data de apresentação que passará a ter eficácia a sua cessão. Quando o servidor for cedido a outro órgão público, exceto o Tribunal Regional Eleitoral TRE e a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia SECTI, terá suspenso o pagamento dos auxílios alimentação (não incorporado), creche e correlatos e o vale-transporte, enquanto permanecer a cessão. Ao término da cessão, o servidor voltará a receber o Auxílio Alimentação a contar da data do retorno às atividades. Os demais auxílios, inclusive o vale transporte, deverão ser requeridos pelo servidor, sendo pagos a contar da data em que protocolou na SRH o novo pedido. No momento em que a cessão for homologada a responsabilidade pela freqüência Manual para Servidores 26

26 e pela marcação das férias do servidor passará a ser do DEARH/SRH, cabendo a Unidade apenas corroborar a informação de cessão do funcionário no Mapa de Freqüência Mensal. Havendo o retorno da cessão antecipado ao término previsto, a Unidade deverá registrar o término da cessão, complementando a freqüência naquele mês, e formalizar essa reassunção através de memorando encaminhado à SRH/DEARH, discriminando a DATA do retorno deste às atividades laborais. Não existe cessão interna na UERJ, pois neste caso tratar-se-ia de remoção. Veja o item remoção. Manual para Servidores 27

27 Atividade CESSÃO DE SERVIDOR DE OUTRO ÓRGÃO PARA A UERJ Definição É a liberação de um servidor do quadro efetivo de outro órgão para desenvolver suas atividades na UERJ. Fundamentação AEDA 014/REITORIA/1997 Decreto /2002 Decreto /2007 Orientações / Procedimentos A solicitação de cessão aos órgãos cabe exclusivamente ao Magnífi co Reitor. A cessão de um servidor de outro órgão para a UERJ poderá ser solicitada através de memorando da Direção da Unidade para a SRH/DEARH, discriminando as informações abaixo relacionadas, para posterior encaminhamento ao Magnífi co Reitor, com a devida instrução e a minuta de ofício endereçado ao órgão. 1. Órgão cedente 2. Nome do servidor 3. Matrícula 4. Cargo 5. Carga horária 6. Informar, se houver, o Cargo Comissionado ou Função Gratifi cada que o funcionário assumirá na UERJ. Caso a cessão seja autorizada, o servidor cedido deverá apresentar-se ao DEARH/ SRH para preenchimento da fi cha de cedido e apresentação dos documentos ali listados. Caso o servidor cedido se apresente direto na Unidade de lotação, esta deverá encaminhá-lo ao DEARH para preenchimento de cadastro e apresentação da documentação exigida. Caso isto não ocorra, o servidor cedido não terá sua freqüência informada ao órgão de origem. A freqüência do funcionário cedido à UERJ deve ser informada à SRH até o 2º dia útil do mês subseqüente, através de memorando, mesmo que o funcionário seja Manual para Servidores 28

28 detentor de cargo comissionado, isto é, seja também extraquadro, com registro de freqüência no SGRH_Unidade, pois tratam-se de situações distintas. Manual para Servidores 29

29 Atividade ENCERRAMENTO DE FOLHA POR FALECIMENTO Definição É o processo que permite a apuração dos valores a serem debitados ou creditados após o falecimento do servidor. Fundamentação Decreto 2.479/79 Orientações / Procedimentos A Unidade deverá comunicar o falecimento do servidor, através de memorando com cópia da certidão de óbito, e registra-lo no Mapa de Freqüência Mensal MFM. O requerente do encerramento de folha deverá preencher formulário padrão disponível na SAU, devendo anexar ao mesmo cópias da certidão de óbito, da identidade e do CPF do requerente. Caso existam outros herdeiros, apresentar ainda o Termo de Desistência dos mesmos, cópia da certidão de casamento, se for o caso, e cópia de documento probatório onde conste a conta corrente do benefi ciário, que deverá ser do Banco Itaú. Manual para Servidores 30

30 Atividade EXONERAÇÃO E ENCERRAMENTO DE FOLHA DE OCUPANTE DE CARGO EFETIVO DA UERJ Definição É o desligamento de servidor ocupante de cargo efetivo ou extraquadro ocupante de cargo comissionado do quadro de servidores da UERJ. Fundamentação Decreto 2479/79 Lei 220/75 Regime Geral da Previdência Social Orientações / Procedimentos O servidor ocupante de cargo efetivo deverá dirigir-se à Seção de Atendimento ao Usuário - SAU/SRH, sala T-115, e preencher o formulário próprio para exoneração, anexando cópia da identidade e CPF. Nele o servidor informará a data de efi cácia do desligamento e a partir dessa data não precisará mais comparecer à Unidade. Caso haja férias ou outro afastamento agendado para o servidor posteriormente a data do pedido de exoneração, cabe a Unidade encaminhar ao DEARH/SRH documento cancelando-os. A SRH encaminhará o processo de exoneração do servidor ocupante de cargo efetivo à Direção de sua Unidade de lotação para ciência do requerido e informação imediata sobre a sua freqüência. Caberá a Unidade a responsabilidade de informar com a maior urgência possível a última freqüência do servidor, a fim de agilizar o processo. O processo de exoneração do servidor estatutário é concluído com o encerramento de folha, onde são apurados os valores a serem debitados ou creditados. Caso o servidor a ser exonerado tenha usufruído afastamento pelo PROCAD ou PROCASE, com vencimentos, e não tenha cumprido com o disposto e acordado no Termo de Compromisso assinado pelo servidor, deverá, no momento da exoneração, restituir à Universidade os valores recebidos indevidamente. No caso de servidor celetista, além do encerramento de folha, é providenciada pela SRH a Rescisão Contratual. Neste caso, o servidor deverá entregar na Seção de Atendimento ao Usuário - SAU/SRH a Carteira de Trabalho. Manual para Servidores 31

31 A exoneração do servidor extraquadro, ocupante de cargo comissionado, deve ser solicitada pela Unidade, a pedido ou não do funcionário, através de memorando encaminhado a SRH. O servidor extraquadro será desligado através da publicação em Diário Ofi cial da Portaria de exoneração do cargo comissionado que ocupava. Após, será providenciada pela SRH a abertura do processo de encerramento de folha para apuração dos valores devidos ou a receber. Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Requerimento para Solicitação de Exoneração e Encerramento de Folha Manual para Servidores 32

32 Atividade FÉRIAS DE SERVIDORES CELETISTAS Definição É o período de descanso remunerado, geralmente de 30 (trinta) dias, a que o servidor faz jus depois de cada período de 12 (doze) meses de vigência do seu contrato (período aquisitivo). No período das férias o servidor celetista faz jus a 01 (um) terço a mais do salário, proporcional aos dias marcados. Fundamentação Consolidação das Leis Trabalhistas CLT AEDA 043/REITORIA/92 CL 011/SRH/2004 CL 019/SRH/2007 Orientações / Procedimentos Depois de cada período aquisitivo (passados 365 dias contados a partir do dia da admissão), o servidor passa a adquirir o direito às férias, que serão relativas aquele período aquisitivo (os doze meses anteriores de trabalho contínuo), as quais deverão ser usufruídas dentro dos 365 dias posteriores (período concessivo). A licença médica adia proporcionalmente o fechamento do período aquisitivo. O servidor celetista pode usufruir suas férias das seguintes formas: 1. O servidor celetista docente que atue em sala de aula faz jus a 45 (quarenta e cinco) dias de férias, podendo gozá-las em período de 15 e 30 dias ou 30 e 15 dias ou de 45 (quarenta e cinco) dias consecutivos. 2. No caso anterior, o docente celetista poderá vender 10 (dez) dias das férias apenas referentes ao período de 30 (trinta) dias de férias, cabendo a Unidade selecionar no SGRH/ Unidades, na marcação das férias, preliminarmente o item abono pecuniário, antes da marcação dos 20 (vinte) dias restantes, que devem ser usufruídos de forma contínua, fi cando pendentes apenas 15 (quinze) dias de férias. 3. O servidor celetista docente que atue em atividades extra-classe, administrativas, ou que esteja nomeado em cargo comissionado ou função gratifi cada faz jus a apenas 30 dias de férias, devendo gozá-las em um período consecutivo, ou, por imperiosa necessidade do serviço, em 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. 4. O servidor celetista docente cedido a outros órgãos faz jus a 30 (trinta) dias de férias, po- Manual para Servidores 33

33 dendo gozá-las em um período consecutivo ou, por imperiosa necessidade do serviço, em 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. 5. O servidor celetista técnico-administrativo faz jus a 30 (trinta) dias férias, podendo gozálas em um período consecutivo ou, por imperiosa necessidade do serviço, 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. Nas opções de férias dos itens 3 e 4, o servidor poderá vender 10 (dez) dias das férias, cabendo a Unidade selecionar, no SGRH/Unidades, na marcação das férias, preliminarmente o item abono pecuniário antes da marcação dos 20 (vinte) dias restantes, que devem ser contínuos, não podendo ser parcelados. No caso de servidor celetista, não há imperiosa necessidade de serviço para que sejam transferidas as férias de um exercício para o outro, considerando que o não cumprimento da determinação de gozo de férias dentro do período concessivo viola a legislação e acarreta ônus para a Universidade. o servidor celetista fará jus a 30 (trinta) dias de férias, quando não tiver faltado ao serviço mais de 05 (cinco) dias no período aquisitivo. o servidor celetista fará jus a 24 (vinte e quatro) dias de férias, quando tiver faltado ao serviço de 06 (seis) a 14 (quatorze) dias no período aquisitivo. o servidor celetista fará jus a 18 (dezoito) dias de férias, quando tiver faltado ao serviço de 15 (quinze) a 23 (vinte e três) dias no período aquisitivo. o servidor celetista fará jus a 12 (doze) dias de férias, quando tiver faltado ao serviço de 24 (vinte e quatro) a 32 (trinta e dois) dias no período aquisitivo. Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Formulário para Marcação de Férias Formulário para Alteração de Férias Manual para Servidores 34

34 Atividade FÉRIAS DE SERVIDORES ESTATUTÁRIOS Definição É o período de descanso remunerado, geralmente de 30 (trinta) dias, a que o servidor estatutário faz jus. As primeiras férias corresponderão ao ano em que o servidor completou 12 (doze) meses de efetivo exercício. Após completar esse período, o servidor estatutário poderá usufruir férias a qualquer momento dentro do ano. Durante as férias, o servidor estatutário faz jus a 01 (um) terço a mais do salário, proporcional ao quantitativo de dias marcados. Fundamentação Decreto 2.479/79 AEDA 043/REITORIA/92 CL 011/SRH/2004 CL 019/SRH/2007 Orientações / Procedimentos São as seguintes as possíveis formas de gozo de férias: 1. o servidor docente que atue em sala de aula faz jus a 45 (quarenta e cinco) dias de férias, podendo gozá-las em período de 15 (quinze) e 30 (trinta) dias, 30 (trinta) e 15 (quinze) dias ou de 45 (quarenta e cinco) dias consecutivos. 2. o servidor docente que atue em atividades extra-classe, atividade administrativa, nomeado em cargo comissionado ou função gratifi cada faz jus a apenas 30 (trinta) dias de férias, podendo gozá-las em 01(um) período consecutivo ou, por imperiosa necessidade do serviço, 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. 3. o servidor docente cedido a outros órgãos faz jus a 30 (trinta) dias de férias, podendo gozálas em 01 (um) período consecutivo ou, por imperiosa necessidade do serviço, 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. 4. o servidor técnico-administrativo faz jus a 30 (trinta) dias de férias, podendo gozá-las em 01 (um) período consecutivo ou, por imperiosa necessidade do serviço, 02 (dois) períodos de 15 (quinze) dias ou 03 (três) períodos de 10 (dez) dias. 5. o servidor com direito a férias especiais faz jus a 20 (vinte) dias de férias por semestre, que devem ser gozadas dentro do semestre, com o interstício mínimo de 160 (cento e sessenta) Manual para Servidores 35

35 dias entre os períodos. As férias semestrais não podem ser parceladas ou acumuladas. o servidor que estiver de licença médica em todo o exercício não fará jus a férias e ao terço constitucional, referentes ao respectivo exercício, pois para que haja o direito ao benefi cio, deverá haver dias trabalhados no exercício. a imperiosa necessidade de serviço para que sejam transferidas as férias de um exercício para outro deve ser informada dentro do exercício onde houve o impedimento. não é possível a marcação de férias com início em dezembro e término em janeiro, exceto quando se tratar de imperiosa necessidade de serviço, a qual deve ser informada ao DEARH, através de memorando, dentro do exercício ao qual se referem as férias. o servidor deverá providenciar o preenchimento do formulário próprio junto à Unidade e entregá-lo à Chefi a Imediata, que deverá informar os dados no SGRH/Unidades, com antecedência de 02 (dois) meses e posteriormente encaminhar o Mapa de Férias à SRH/DEARH para acompanhamento e controle. Formulário Padrão (endereço eletrônico da SRH) Formulário para Marcação de Férias Formulário para Alteração de Férias Manual para Servidores 36

36 Atividade LICENÇA SABÁTICA Definição É a licença por 01(um) semestre, com vencimentos integrais, que pode ser concedida ao docente, a cada 06 (seis) anos de efetivo exercício, para que possa desenvolver, em outra instituição de ensino ou pesquisa, projetos de ensino, pesquisa e/ou extensão vinculado à sua área de conhecimento. Fundamentação Resolução nº. 03/91 Orientações / Procedimentos O servidor ocupante de cargo docente deverá requerer junto à Sub-Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa SR-2, através de formulário próprio, a Licença Sabática, especifi cando a atividade a ser realizada durante a licença. A Licença Sabática não é cumulativa. Manual para Servidores 37

37 Atividade MAPA DE FREQÜÊNCIA MENSAL - MFM Definição É o documento produzido pela Unidade, através do Sistema de Gerenciamento de Recursos Humanos SGRH_Unidades, que tem como objetivo informar a freqüência mensal da equipe da respectiva Unidade, com base nas informações contidas nas Folhas de Freqüência Mensal de cada servidor. Orientações / Procedimentos O Mapa de Freqüência Mensal MFM deve ser elaborado pela Unidade até o 2º (segundo) dia útil do mês subseqüente ao que corresponde a freqüência. O não cumprimento deste prazo implica a aplicação das sanções administrativas cabíveis. O Mapa de Freqüência Mensal MFM deve ser entregue no Protocolo da SRH, contendo em anexo as cópias das Declarações de Atendimento Médico DAM, quando nele houver registros de servidores afastados por licença médica. Quando houver a necessidade de correção do Mapa de Freqüência Mensal, a Unidade deverá alterar, no SGRH_Unidades, apenas as informações do servidor cuja freqüência precise ser corrigida. Após, a Unidade deverá imprimir uma nova versão do MFM e encaminhá-la à SRH. A Unidade deverá informar por memorando as correções feitas na versão do MFM, já entregue à SRH, somente quando, por alguma incompatibilidade do Sistema, o SGRH_Unidade não permitir a geração da nova versão do MFM. Manual para Servidores 38

38 Atividade PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE - PROCAD Definição É o programa da UERJ que visa incentivar a capacitação do docente para aprimoramento de seu desempenho no cargo que ocupa. Fundamentação Deliberação nº. 13/1990 Resolução nº. 03/91 Orientações / Procedimentos Para requerer o PROCAD, o servidor docente deverá preencher o formulário padrão para inclusão no Programa, obtido junto à Sub-Reitoria de Pós-graduação e Pesquisa SR-2, e submetê-lo à Chefi a Imediata e à Direção da Unidade, encaminhando-o posteriormente à SR-2. Quando ocorrer o cancelamento retroativo do PROCAD, sem que o servidor tenha se afastado, ou o seu término antes do tempo previsto, a Unidade do servidor deverá comunicar à SRH de imediato, informando a freqüência do funcionário desde o período que deveria ocorrer o seu afastamento até a data da solicitação do cancelamento. Na situação anterior, a Unidade deverá atentar para os registros de freqüência no SGRH_Unidades, para geração do Mapa de Freqüência Mensal, que deverão ser atualizados com a freqüência real do servidor, a fi m de evitar informações imprecisas, até que a data do deferimento deste cancelamento seja homologada e alterada pelo DEARH/SRH. Quando retornar do afastamento pelo PROCAD, o servidor deverá permanecer em exercício por tempo igual ao que esteve afastado, incluídas as prorrogações, sem solicitar redução de sua carga horária de trabalho. E, caso venha a solicitar exoneração, antes do cumprimento, deste prazo deverá ressarcir à Universidade os valores recebidos indevidamente, atualizados monetariamente. Manual para Servidores 39

39 Atividade PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO SERVIDOR TÉCNICO-ADMINISTRATI- VO PROCASE Definição É o programa da UERJ que visa incentivar a capacitação do servidor técnico-administrativo, para aprimoramento de seu desempenho no cargo que ocupa. Fundamentação AEDA 028/REITORIA/95 Orientações / Procedimentos O servidor deverá preencher requerimento padrão disponível na Seção de Atendimento ao Usuário SAU/SRH, ou imprimi-lo pelo endereço eletrônico da SRH, e submetê-lo à Chefi a Imediata e à Direção da Unidade, encaminhando-o posteriormente à SRH, para análise. Quando ocorrer o cancelamento retroativo do PROCASE, sem que o servidor tenha se afastado, ou o seu término antes do tempo previsto, a Unidade do servidor deverá comunicar à SRH de imediato, informando a freqüência do funcionário desde o período que deveria ocorrer o seu afastamento até a data da solicitação do cancelamento. Na situação anterior, a Unidade deverá atentar para os registros de freqüência no Sistema de Gerenciamento de Recursos Humanos SGRH_Unidades, para geração do Mapa de Freqüência Mensal, que deverão ser atualizados com a freqüência real do servidor, a fi m de evitar informações imprecisas, até que a data do deferimento deste cancelamento seja homologada e alterada pelo DEARH/SRH. Quando retornar do afastamento pelo PROCASE, o servidor deverá permanecer em exercício por tempo igual ao que esteve afastado, incluídas as prorrogações, sem solicitar redução de sua carga horária de trabalho. E, caso venha a solicitar exoneração, antes do cumprimento deste prazo, deverá ressarcir à Universidade os valores percebidos a qualquer título, atualizados monetariamente, durante o tempo do afastamento. Manual para Servidores 40

40 Atividade READAPTAÇÃO COM REMOÇÃO Definição O servidor, após avaliação e parecer de junta médica da Superintendência de Saúde Ocupacional SUPSOC/SEPLAG, poderá ser relotado em nova Unidade, a fim de atender às limitações laborativas decorrentes de sua patologia, quando isto não for possível na Unidade de origem. Fundamentação Decreto 2.479/79 AEDA nº. 018/REITORIA/2007 Orientações / Procedimentos O servidor acometido de alguma patologia deverá dirigir-se ao DESSAUDE/SRH, para avaliação médica, que o encaminhará, caso necessário, para avaliação da junta médica da SUPSOC/SEPLAG. Manual para Servidores 41

41 Atividade REMOÇÃO Definição É a transferência do servidor de sua Unidade de origem para outra, dentro do âmbito da UERJ. Fundamentação Lei 220/75 Decreto 2.479/79 Circular SRH/015/2006 Orientações / Procedimentos O servidor deverá solicitar por escrito à chefi a imediata o pedido de remoção para outra lotação, que o encaminhará ao DESEN/SRH, onde será avaliada a disponibilidade de vaga e a compatibilidade das tarefas com as do cargo do servidor. Após, o documento será enviado ao DEARH/SRH para implementar as alterações no SGRH e providenciar a portaria de remoção. Enquanto o procedimento de remoção não estiver concluído pela SRH, o servidor deverá permanecer na Unidade de origem até que o DESEN/SRH autorize a sua transferência. Só poderá ocorrer a remoção para outra Unidade quando houver vaga compatível com o cargo e as funções desenvolvidas pelo servidor. Manual para Servidores 42

42 COPGER Coordenação de Provimento e Gerenciamento de Pessoal SEREG Serviço de Registros Funcionais Ramal: Manual para Servidores 43

43 Atividade CONTRATO ADMINISTRATIVO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Definição É a contratação de Pessoal por prazo determinado para prestação de serviços, para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, pelo prazo máximo de 3 (três) anos, podendo haver a prorrogação uma única vez pelo prazo máximo de 2 (dois) anos, perfazendo um total de 5 (cinco) anos de contratação. Fundamentação Lei nº /2005 AEDA 041/Reitoria/2008 Lei nº 5.490/09 FEDA 037/Reitoria/2009 Orientações / Procedimentos A carga horária e as vagas a serem preenchidas pelos prestadores de serviços são avaliadas e defi nidas pela Comissão Permanente de Carga Horária e Avaliação Docente COPAD, quando se tratar de Professor Substituto, e pela Superintendência de Recursos Humanos SRH, nos casos de contratos de Técnico-administrativos. As contratações serão efetuadas por tempo determinado, até o prazo máximo de 3 (três) anos, podendo ser prorrogadas por uma única vez pelo prazo máximo de 2 (dois) ano, perfazendo um total de 5 (cinco) anos. O Componente Organizacional deverá solicitar a vaga de contrato através de memorando encaminhado à COPAD, no caso de docentes, e à SRH, quando se tratar de técnico-administrativo. Não poderá ser contratado servidor ativo, aposentado e extraquadro comissionado desta Universidade e servidor cedido de outro órgão. As contratações estarão sujeitas às vedações legais de acumulação de cargos, funções e empregos públicos. Após a análise e distribuição de cargas horárias e/ou vagas pela COPAD e/ou SRH, cada Componente Organizacional deverá encaminhar à SRH a Proposta de Contrato, com todos os campos devidamente preenchidos, inclusive as assinaturas, acompanhada das cópias da documentação relacionada no verso da mencionada proposta, Manual para Servidores 44

44 dentro do prazo estabelecido no documento que informar a concessão da vaga. A Proposta de Contrato deverá ser encaminhada com todas as assinaturas solicitadas no formulário, não sendo possível, a chefi a de Departamento ou Direção assinar pelo candidato ao contrato. O prestador de serviços não poderá ser novamente contratado, com base na Lei nº /2005, antes de decorridos 12 (doze) meses desde o encerramento do contrato anterior com esta Universidade, sendo de inteira responsabilidade da Unidade o controle dos períodos de contrato dos seus prestadores de serviço. As inclusões de Prestação de Serviço somente serão efetivadas depois de cumpridas todas as exigências. Caso a proposta de contratação seja devolvida para cumprir alguma exigência, será de inteira responsabilidade da Unidade a sua devolução ao SEREG/DEARH dentro do prazo estipulado pela SRH. A prorrogação dos contratos por mais 2 (dois) ano será automática, desde que a vaga seja mantida. Caso seja de interesse da Unidade não prorrogar o contrato do prestador de serviços por esse prazo, deverá encaminhar memorando à SRH informando o cancelamento, com antecedência de um mês do início da vigência do quinto ano de contrato. Os cancelamentos de contrato deverão ser comunicados através de memorando ao SEREG/DEARH/SRH, impreterivelmente até o 5º dia útil de cada mês, contendo as seguintes informações: 1. No caso de cancelamento por interesse do contratado, a Unidade deverá encaminhar, juntamente com o memorando, carta de pedido de desligamento, datada e assinada, informando o último dia de trabalho e o motivo do desligamento. 2. Caso o desligamento seja por interesse da Unidade, esta deverá informar o último dia de trabalho do contratado, o motivo do desligamento, e solicitar que ele registre a ciência do cancelamento do contrato no próprio memorando. 3. No caso de desligamento por falecimento, a Unidade deverá encaminhar ao SEREG/DEA- RH, juntamente com o memorando, a cópia da certidão de óbito. A substituição deverá ser solicitada através de memorando ao DESEN/SRH, contendo o nome do prestador de serviços a ser substituído, o nível de atuação da vaga e o perfi l do candidato para a substituição. A data de início do novo contrato deverá ser posterior à data de cancelamento do contrato administrativo encerrado. O pagamento indevido, ocasionado pela não comunicação oportuna do desligamento do contratado por parte da Chefi a, implicará a apuração de responsabilidades Manual para Servidores 45

45 através de sindicância, que poderá determinar solidariedade quanto à devolução dos valores pagos ao contratado, conforme estabelecido no Art.19, parágrafo Único, do AEDA-041/Reitoria/2008. SÃO ASSEGURADOS AO CONTRATADO OS DIREITOS DE: 1. Férias - Os contratados terão direito, após completar 12 (doze) meses de prestação de serviço ao usufruto de 30 (trinta) dias de férias. As férias deverão ser marcadas em formulário próprio, disponível na página da SRH. Não haverá possibilidade de acumulação de férias, devendo todos os contratados usufruir as férias preferencialmente dentro dos 6 (seis) meses posteriores a aquisição do direito, considerando-se prescritas as férias não usufruídas até a véspera de completar novo período aquisitivo. A Unidade contratante deverá encaminhar ao SEREG/DEARH/SRH relação mensal dos contratados que usufruirão férias, através de formulário próprio, contendo todas as assinaturas solicitadas, com antecedência mínima de 60 (sessenta) dias do início do usufruto. Os professores substitutos deverão usufruir as férias durante o recesso acadêmico. Não será devido, em hipótese alguma, o pagamento de férias proporcionais. 2. Licença paternidade - O contratado terá direito ao afastamento de 5 (cinco) dias consecutivos, a contar da data de nascimento do fi lho, comprovada através de cópia da Certidão de nascimento a qual deverá ser anexada ao Atestado Mensal de Prestação de Serviço do mês correspondente ao afastamento. 3. Licença Maternidade A contratada terá direito ao afastamento de 180 (cento e vinte) dias consecutivos a título de licença maternidade. A contratada deverá, mediante atestado médico, notifi car à Unidade a data de início do afastamento, que poderá ocorrer entre o 28º (vigésimo oitavo) dia antes do parto e a ocorrência deste. Neste caso, o atestado médico deverá ser ratifi cado pelo DESSAUDE/ SRH. Em caso de parto antecipado, o afastamento terá início na data do parto. A Unidade deverá comunicar ao SEREG/DEARH/SRH, através de memorando, a data de início da licença, anexando a cópia da certidão de nascimento. Ao término da licença, a Unidade encaminhará memorando informando a data que a contratada retornou as suas atividades. Em caso de adoção, o afastamento ocorrerá por período compatível com a faixa etária da criança, mediante a apresentação da Certidão de Nascimento em nome da adotante contratada. AFASTAMENTO POR MOTIVO DE DOENÇA DO PRÓPRIO A Unidade deverá comunicar ao DEARH/SRH, através de memorando, a data em que o Manual para Servidores 46

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 A Superintendência de Administração de Recursos Humanos/SEDUC, em consonância com a política de gestão e valorização de pessoas, desenvolvida pela Secretaria de Estado da Educação,

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação. LUIZ CARLOS DE ALMEIDA CAPELLA Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data da sua publicação. LUIZ CARLOS DE ALMEIDA CAPELLA Subsecretário de Gestão de Recursos Humanos PORTARIA SUBRE/SEPLAG Nº. 012, DE 26 DE MAIO DE 2008. DO 29/05/2008 APROVA AS ROTINAS-PADRÃO REFERENTES À VACÂNCIA E BENEFÍCIOS DO PLANO DE SEGURIDADE SOCIAL DO SERVIDOR, NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL,

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL PROGRAMAÇÃO, REPROGRAMAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE FÉRIAS. Servidores docentes e técnico-administrativos da UFTM. 50.05.009 1/7 1. FINALIDADE Regulamentar os procedimentos relacionados à programação, reprogramação e homologação de férias dos servidores da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO - ANEXOS - ANEXO I - PROCEDIMENTOS PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO REQUERIMENTO Art. 1º - A capacitação interna poderá ser proposta pela Reitoria, Pró-Reitorias ou Diretorias

Leia mais

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES FÉRIAS DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei (Lei 8.112/90 artigos 77 a 80).

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº01/2013-SUGEP Regulamenta as normas para concessão do Auxílio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre os procedimentos internos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, referentes ao Estágio Probatório, nos termos do Art. 41 4.º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC

Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC Manual de Orientação sobre bolsas de estudo de graduação e ESMESC 01) APRESENTAÇÃO 02) BOLSA DE ESTUDO - O QUE É? 03) ADMINISTRAÇÃO DO BENEFÍCIO 04) REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO 05) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes

BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes BOLSA DE ESTUDO PARA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO Perguntas Mais Frequentes Que norma regulamenta a concessão da bolsa de estudo? A Instrução Normativa nº 104, de 25 de janeiro de 2010, regulamenta a concessão

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ORIENTAÇÕES SOBRE PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS NO ÂMBITO DA 1-OBJETIVO Estabelecer critérios e uniformizar os procedimentos relativos à programação de férias, garantindo o funcionamento adequado das atividades

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Onde obtenho informações sobre aposentadoria? Resposta: No site da Secretaria Municipal de Administração (www.rio.rj.gov.br/sma), na parte destina a Serviços, há uma seção chamada Aposentadoria: Quanto

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO, CONCESSÃO E USUFRUTO DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS DE QUE TRATA A NS Nº 570 de 22/05/2006 CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1.1 A licença

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE NACIONAL DE DIREITO Edital Interno - Programa de Monitoria 2014 A Coordenação de Graduação da Faculdade Nacional de Direito (FND) torna público que a Pró-Reitoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL E REFORMA DO ESTADO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA SRH Nº 2, DE 14 DE OUTUBRO DE 1998 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

NORMA DE FÉRIAS. RES. nº 1628/09. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - M I. nº 1628/09 FOR-101 1/5 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/5 2 Definição, 2/5 3 Competências,

Leia mais

SUB-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - SR-2 DEPARTAMENTO DE CAPACITAÇÃO E APOIO À FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - DCARH

SUB-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - SR-2 DEPARTAMENTO DE CAPACITAÇÃO E APOIO À FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - DCARH DADOS PESSOAIS NOME CPF - DATA DE NASCIMENTO TELEFONE TELEFONE CELULAR / / ENDEREÇO ELETRÔNICO ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA RUA, Nº, COMPLEMENTOS BAIRRO CEP - CIDADE UF DADOS FUNCIONAIS SETOR ATIVIDADES

Leia mais

Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação

Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação PROCESSO Nº. 150/11-COPPG CAMPUS PROPONENTE: PROPPG Data de entrada:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO Nº 104- CONSAD, de 05 de março de 2010. Aprova as normas e os procedimentos ora adotados para a concessão de Licença para Capacitação Profissional de servidores técnico-administrativos e docentes

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS ORIENTAÇÕES SOBRE FÉRIAS Aos Servidores e Dirigentes da Universidade Federal do Amazonas: Com o objetivo de assegurar o funcionamento contínuo das atividades administrativas e acadêmicas e dos órgãos suplementares

Leia mais

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015

EDITAL Nº 292/IFC/REITORIA/2015 INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - EDITAL Nº 292/IFC//2015 Torna pública a abertura do processo seletivo de servidores técnico-administrativos para as vagas de afastamento integral para pós-graduação stricto

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL ESTAGIÁRIOS DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DEFINIÇÃO O estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013.

PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Ofício Circular nº 32/2013-PROGEP/UFC Fortaleza, 15 de outubro de 2013. Assunto: Programação de férias: inclusões, modificações e exclusões Face à proximidade do final do ano, quando há intensa incidência

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ Página 1 de 12 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PJERJ DIRETORIA GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DGPES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - DEDEP CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 EMENTA: Estabelece critérios e procedimentos, no âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários;

RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009. CONSIDERANDO a implantação do Plano de Capacitação dos Agentes Universitários; RESOLUÇÃO CA Nº 0086/2009 Regulamenta o afastamento do serviço para capacitação dos Agentes Universitários da Carreira Técnica Universitária e dá outras providências. CONSIDERANDO a implantação do Plano

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013.

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Fixa Normas para Afastamento de Docentes da UNIR para Realizar Cursos de Pós-Graduação (Alteração da Resolução 091/CONSEA/2005). O Conselho Superior Acadêmico

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

Av. João Negrão, 1285, Rebouças Curitiba Paraná CEP 80230-150 Fone/Fax: (41) 3535-1662 Homepage: http://www.ifpr.edu.br

Av. João Negrão, 1285, Rebouças Curitiba Paraná CEP 80230-150 Fone/Fax: (41) 3535-1662 Homepage: http://www.ifpr.edu.br EDITAL Nº 003/2014 CÂMPUS CURITIBA IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 729, de 14/05/2014, torno

Leia mais

Coordenação de Cadastro/DP

Coordenação de Cadastro/DP CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenação de Cadastro/DP SEÇÃO DE CADASTRO Controle

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 17, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 419 de 01/07/2011,

Leia mais

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19

Boletim Interno. Edição Extraordinária nº 19 Boletim Interno Edição Extraordinária nº 19 Fundação Escola Nacional de Administração Pública SAIS Área 2-A 70610-900 Brasília, DF Tel.: (61) 2020-3000 Miriam Aparecida Belchior Ministra de Estado do Planejamento,

Leia mais

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público;

CONSIDERANDO que deve haver compatibilidade entre o motivo do deslocamento e o interesse público; ATO DA MESA Nº 500, de 15 de julho de 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens e a respectiva prestação de contas no âmbito da Assembleia Legislativa, e adota outras providências. A MESA DA

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Resolução nº. 047/13-COPPG Curitiba, 06 de dezembro de 2013 O CONSELHO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA

Leia mais

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2198/2001 INSTITUI O PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAÇU PDV A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL);

DECLARAÇÃO DE VENCIMENTOS E VANTAGENS COM FUNDAMENTAÇÃO BASE LEGAL, EMITIDA PELO ÓRGÃO (ORIGINAL); PROTOCOLO GERAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÕES: 1. APOSENTADORIA REQUERIMENTO ASSINADO PELO SERVIDOR E COM VISTO DO CHEFE IMEDIATO (ORIGINAL); OBS.: APOSENTADORIA COMPULSÓRIA - NÃO É NECESSÁRIO

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

EDITAL Nº 70/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 70/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 70/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 87 de 03/02/2014, torno público

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado.

Parágrafo único. Os servidores docentes podem candidatar-se somente em caso de formação de mestrado ou doutorado. RESOLUÇÃO N o 014, de 23 de dezembro de 2009. Regulamenta o Programa de Incentivo à Formação dos Servidores (PROSER) da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público:

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público: SERVIDOR PÚBLICO São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que têm vínculo de trabalho com a Administração Municipal, seja direta ou indireta, mediante remuneração paga pelos cofres

Leia mais

EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 185/2013 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 751 de 12/11/2013, torno público

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 395/2012 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais e tendo em vista o que dispõem os artigos

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO EDITAL PARA SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UFPE, CANDIDATOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AUXÍLIO À GRADUAÇÃO EDITAL Nº 001/01 A Pró-Reitora da - PROGEPE da Universidade Federal

Leia mais

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO 50.05.004 1/20 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e normatizar o processo de afastamento para capacitação dos docentes e dos servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação REGULAMENTO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES DA UTFPR PARA A REALIZAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Aprovada pela resolução 139/12-COPPG de 19 de Dezembro de 2012. REGULAMENTO DE AFASTAMENTO DE SERVIDORES

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 590/DILEP.CIF.SEGPES.GDGSET.GP, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos adotados para concessão, indenização, parcelamento e pagamento

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB, no uso de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 20/2015-CM PROVIMENTO N. 20/2015-CM Regulamenta o Programa de incentivo à graduação dos servidores efetivos do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso de suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEAP Nº 5, DE 28 DE ABRIL DE 1999 Estabelece orientação aos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC quanto aos procedimentos operacionais

Leia mais

EDITAL 021/2015/ IFILO/UFU/ PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) 1.1. A disponibilidade e descrição das vagas estão indicadas na tabela a seguir:

EDITAL 021/2015/ IFILO/UFU/ PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) 1.1. A disponibilidade e descrição das vagas estão indicadas na tabela a seguir: EDITAL 021/2015/ IFILO/UFU/ PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO (A) O Instituto de Filosofia/Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia, amparado (a) no artigo 244 das Normas de Graduação,

Leia mais

Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015

Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015 Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015 Assunto: Situação previdenciária dos servidores públicos estaduais efetivados pela Lei Complementar Estadual nº100, de 2007, à vista da decisão proferida

Leia mais

DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. CONSIDERANDO o disposto no inciso XII do art. 91 da Lei nº 6.123, de 20 de julho de 1968, e alterações;

DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. CONSIDERANDO o disposto no inciso XII do art. 91 da Lei nº 6.123, de 20 de julho de 1968, e alterações; DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta a participação dos servidores efetivos, civis e militares, e empregados públicos em cursos de capacitação e eventos de natureza científi ca e técnica,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 131/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de férias aos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais