DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012 Eraldo dos Santos Pinheiro Mauricio Migliano Gabriel Gustavo Bergmann Adroaldo Gaya INTRODUÇÃO Praticantes e fãs de Rugby em algum momento já escutaram a história clássica do nascimento da modalidade. Em 1823, durante uma partida de futebol que acontecia na Rugby School na Inglaterra, um jovem de 16 anos de idade chamado William Webb Ellis, desrespeitando as regras, empunhou a bola e começou a correr. Após a demonstração de Ellis, a genialidade daquele movimento ficou tão clara para seus colegas que em seguida toda a escola adotou essa nova regra e disseminou-se a ideia. Assim nasceu o Rugby. Infelizmente o conto de William Webb Ellis parece ser apenas uma lenda. A maioria dos estudiosos concorda que esta história é provavelmente boa demais para ser verdade e sugerem que jogos envolvendo corrida com a bola existiram séculos antes (www.rugbyfootballhistory.com). De acordo com a União de Rugby Inglesa, o esporte jogado na Rugby School durante a época de Webb Ellis não era de fato o futebol como o 990 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

2 conhecemos, mas sim uma mistura de futebol e Rugby. Manusear a bola era proibido a menos que a bola viesse aérea, quando passava a ser permitido a agarrá-la. Após recepcionar a bola ele devia imediatamente ficar parado, assim como os outros jogadores, a partir deste momento o portador tinha a opção de chutar para qualquer lugar ou apoiar a bola no chão e chutar em direção ao gol. Faz-se relevante lembrar que naqueles dias nas escolas públicas da Inglaterra, os estudantes frequentemente desenvolviam, no local do jogo, suas próprias regras para a partida que seria jogada. Então é possível que Willian tenha corrido com a bola nas mãos durante essa partida. No entanto, é altamente duvidoso que o Rugby tenha se originado do futebol como o conhecemos hoje. Historiadores concordam que ambos esportes se desenvolveram lado a lado e as regras começaram a ser regulamentadas e documentadas e é comum os clubes mais antigos terem na extensão de seus nomes Rugby Football Club (Hussuey, 2012). O Rugby é praticado hoje em 117 países, sendo que 93 países são filiados a Intenational Rugby Board (órgão máximo do Rugby mundial reconhecido pela sigla IRB) e fazem parte do ranking, em 5 continentes, 19 associações e 6 associações regionais. Segundo o estudo encomendado pela IRB sobre o impacto econômico do Rugby a nível mundial, mais de 5 milhões de pessoas praticam Rugby no mundo, um incremento de 19% desde a copa do mundo da França em Sendo que esse crescimento ocorreu da seguinte forma: 33% na África, 22% na América do Sul, 18% na Ásia, 18% na América do Norte e 9% entre Europa, Oceania e América Central. A IRB esta investindo fortemente em países com grande extensão territorial e populacional e cita em seus últimos relatórios de investimentos Brasil, México, Índia e China, e ainda a Argentina por seu continuo desenvolvimento e Japão por ser o país sede da copa do mundo de 2019 como os países prioritários para os incentivos financeiros para serem aplicados em desenvolvimento, ou seja, na capacitação de professores, técnicos, árbitros e gestores. Para tanto esse ensaio tem por objetivo apresentar os indicadores de desenvolvimento do Rugby no Brasil de 2009 a MÉTODOS Este estudo descritivo foi desenvolvido a partir de consultas aos bancos de dados da Confederação Brasileira de Rugby (CBRu) dos anos de 2009 a R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

3 2012. As consultas a todos os dados foram previamente autorizadas pelo setor de desenvolvimento da CBRu. A classificação etária no Rugby é dividida por idade na qual cada uma delas corresponde a uma categoria. Por exemplo menores de 15 anos de idade (m15) são atletas com que completam 15 anos no corrente ano, m14 são os atletas que completam 14 anos no corrente ano e assim por diante. Os grandes grupos agrupam as idades, sendo os Infantis todas as categorias entre m13 e m16, Juvenis entre m17 e m19 e Adulto acima de 20 anos de idade. Ainda, foram analisados alguns indicadore quantitativos, são eles: quantidade de clubes, quantidades de equipes nos clubes por exemplo um clube tem 3 equipes m15 masculino, 1 equipe m19, 1 equipe adulta masculina e 2 femininas adulto, esse clube tem 7 equipes. quantidade de escolas registradas, equipes masculinas nas escolas, equipes feminina nas escolas, árbitros estratificados por sexo, treinadores estratificados por sexo, Coaches/assessores de árbitros que trabalham analisando e capacitando os árbitros em seus jogos, oficiais de desenvolvimento que consideramos os envolvidos com a função de desenvolvimento da modalidade profissionalmente em tempo integral e os educadores que são formados pela International Rugby Board para capacitar professores, treinadores e preparadores físicos em seus países. A descrição dos dados foi analisada através das frequências absolutas apresentadas pela CBRu em seus registros. RESULTADOS A tabela 1 apresenta a evolução da quantidade de jogares registrados no Brasil entre 2009 e 2012 estratificados por categorias e sexo. Entenderemos como incremento na quantidade de atletas a diferença entre a quantidade de atletas de 2009 para O incremento parece ter sido homogêneo em todas as categorias do sexo masculino. A categoria adulto foi a que apresentou um incremento menor no número de atletas, 709 novos atletas registrados em 4 temporadas. Já os infantis apresentaram um aumento de 926 atletas em 3 anos. Sabemos que esses números podem apenas estar apresentando o quantitativo de atletas registrados, no entanto esses dados acompanhados de aspectos ligados a divulgação na mídia, organização de competições oficiais nas categorias 992 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

4 menores e a capacitação de professores e treinadores nos remete a acreditar que a modalidade Rugby esta em franca ascensão no que se refere ao naipe masculino. Tabela 1 - Quantidade de jogadores por sexo e faixa etária. Naipe (2009) (2010) (2011) (2012) Incremento Masculino Infantis Juvenis Adultos Total Feminino Infantis Juvenis Adultos Total Total de jogadores Infantis Juvenis Adultos Total Já no sexo feminino, o crescimento na categoria adulto foi semelhante às três categorias masculinas. Porém, o dado mais preocupante está nas categorias menores, onde tivemos nas 4 temporadas um incremento nas categorias Infantis e Juvenis de apenas 157 e 123 atletas registradas respectivamente. Esses dados podem estar vinculados ao quantitativo de atividades/competições para o sexo feminino que é menor do que para o sexo masculino. Além do mais, temos uma característica cultural nos clubes de Rugby que, por vezes, não disponibilizam treinadores preparados para as meninas jovens, espaços e tempo adequado para os seus treinamentos. Normalmente nos clubes a prioridade é para os adultos do sexo masculino, seguidos pelo adulto feminino e a categoria juvenil, bem depois na ordem de prioridade estão os infantis masculinos. As juvenis do sexo feminino acabam treinando com as adultas, isso reforça as adultas e afastas as juvenis mais fracas fisicamente. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

5 Tabela 2 - Distribuição dos indicadores estruturais do Rugby brasileiro. Indicadores (2009) (2010) (2011) (2012) Clubes Equipes nos clubes Escolas Equipes masculinas nas escolas Equipes femininas nas escolas Treinadores Treinadoras Árbitros Árbitras Coaches/assessores de árbitros Oficiais de Desenvolvimento Universidades Rugby no currículo Educadores International Rugby Board A tabela 2 apresenta a evolução dos aspectos fundamentais para o desenvolvimento da modalidade. Destes, a quantidade de clubes teve um incremento importante. Além disso, a quantidade de equipes aumentou proporcionalmente. Essa realidade nos remete a uma importante diferença em relação a países mais tradicionais na modalidade. Os clubes são fundados e as primeiras equipes são formadas por jogadores adultos, comprometendo o desenvolvimento da modalidade em geral. Os clubes não apresentam em seus projetos inicias um plano a longo prazo para o desenvolvimento de novas equipes, ou categorias de base. Apesar da CBRu disponibilizar cursos, material didático e competições nacionais para as categorias de base, as Federações (órgãos estaduais) parecem não oferecerem o mesmo em seus Estados. Outro dado que a tabela 2 apresenta é a quantidade de escolas registradas na CBRu. Hoje há um projeto de capacitação para professores e organização de competições interséries e entre-escolas. O projeto é denominado de Rugby TAG e teve seu inicio em 2012 e ao final daquele ano já estava com 8 escolas registradas na CBRu. A capacitação e fidelização dos recursos humanos ainda é um desafio. A tabela 2 apresenta a evolução da quantidade de pessoas capacitadas para serem treinadores e árbitros. No entanto, a modalidade, possivelmente por ser amadora, não proporciona para todos a possibilidade financeira de cumprir com seus compromissos financeiros a partir do trabalho com o Rugby. Isso 994 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

6 inviabiliza a evolução de talentos na área de treinamento, arbitragem e preparação física. Além disso, a falta de vivência de profissionais de educação física com a modalidade, seja na escola ou na universidade, é mais uma barreira a ser enfrentada nos próximos anos. Por esse caminho hoje a CBRu tem em seus registros apenas uma universidade com a modalidade em sua grade curricular. CONCLUSÃO Ainda existem lacunas a serem preenchidas, como um olhar mais ampliado para o Rugby infantil em geral e no Rugby de base feminino. Apesar disso, em apenas 4 anos de existência, a CBRu apresenta números consistentes no setor de desenvolvimento. A continuar com essa evolução a médio prazo, o Brasil estará entre os países que mais praticam Rugby em números absolutos, oportunizando crianças e jovens a uma pratica esportiva diferente em seus cotidianos. REFERÊNCIAS Hussuey, P. English Rugby - History Disponível em: <http://www.articlesbase. com/outdoor-sports-articles/english-rugby-history html> Acessado em 02 Dezembro de INTERNATIONAL RUGBY BOARD (IRB). Disponível em: Acessado em 02 de julho de CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY (CBRu). Disponível em: Acessado em 02 de julho de R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

A origem do Futebol: Na China: por volta de 3000 anos a. C. os chineses praticavam um jogo que na verdade era um treino militar. Após as guerras eles

A origem do Futebol: Na China: por volta de 3000 anos a. C. os chineses praticavam um jogo que na verdade era um treino militar. Após as guerras eles A história do futebol Educação Física A origem do Futebol: Na China: por volta de 3000 anos a. C. os chineses praticavam um jogo que na verdade era um treino militar. Após as guerras eles formavam equipes

Leia mais

Interséries FEMA 2016

Interséries FEMA 2016 Interséries FEMA 2016 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as disputas das interséries 2016, nas modalidades de voleibol e caçador misto, basquete,

Leia mais

IX CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2014/2015

IX CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2014/2015 IX CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2014/2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I - Das Finalidades Art. 1º Com a realização do CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA, a Confederação Brasileira

Leia mais

apresentação RUGBY UNESP RIO CLARO

apresentação RUGBY UNESP RIO CLARO apresentação o rugby é um esporte bastante popular em países da Europa e da Oceania, sobretudo naqueles que tiveram colonização inglesa. Atualmente, a Copa do Mundo de Rugby é o terceiro evento esportivo

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

RIO BRANCO RUGBY CLUBE POLÍTICA DE COTAS E CONTRAPARTIDAS

RIO BRANCO RUGBY CLUBE POLÍTICA DE COTAS E CONTRAPARTIDAS RIO BRANCO RUGBY CLUBE POLÍTICA DE COTAS E CONTRAPARTIDAS www.riobrancorugby.com.br Agenda 1. Rugby em Números 2. Rio Branco Rugby Clube 3. Engajamento e Visibilidade 4. Oportunidades 2 1. Rugby em Números

Leia mais

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis Beach Tênis de areia? Frescobol com rede? Não, o jogo é Beach Tennis Como nasceu e quais as entidades que regem o tênis jogado na areia Por Marcela Evangelista DESDE 2008, QUANDO FOI TRAZIDO PARA O BRASIL,

Leia mais

REGULAMENTO Vôlei

REGULAMENTO Vôlei REGULAMENTO 2017 - Vôlei 1. MISSÃO Criar um ambiente adequado para a prática esportiva, onde a competição entre equipes escolares se desenvolva de forma positiva, propiciando vivências práticas de valores

Leia mais

19/02/ h06- Atualizado em 19/02/ h06. Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba

19/02/ h06- Atualizado em 19/02/ h06. Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba 19/02/2012 19h06- Atualizado em 19/02/2012 19h06 Conheça um pouco sobre Corrida de Orientação, esporte 'novo' na Paraíba Esporte é praticado em contato direto com a natureza e seus principais equipamentos

Leia mais

MACAU ESPORTE CLUBE PROPOSTA DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2016

MACAU ESPORTE CLUBE PROPOSTA DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2016 MACAU ESPORTE CLUBE PROPOSTA DE PATROCÍNIO TEMPORADA 2016 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO...03 II. O CLUBE...04 III. HÓQUEI SOBRE GRAMA NO MUNDO...05 V. EQUIPES E CONQUISTAS...06 V. APOIO...08 VI. COMPROMISSO...08

Leia mais

Proposta de Patrocínio

Proposta de Patrocínio Proposta de Patrocínio FUTEVÔLEI O futevôlei é o esporte genuinamente brasileiro, que se expandiu do Brasil para o mundo e está conquistando dia a dia mais adeptos em todos os continentes. Com suas jogadas

Leia mais

Olimpíadas Rio " Voleibol, modalidade de ouro"

Olimpíadas Rio  Voleibol, modalidade de ouro Olimpíadas Rio 2016 " Voleibol, modalidade de ouro" O Voleibol nas olimpíadas do Rio 2016 Aprendendo um pouco sobre este esporte que é medalha de ouro para o Brasil. Angélica Mayra Vieira Fernandes RA4115328

Leia mais

X CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2015/2016

X CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2015/2016 X CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA 2015/2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAPÍTULO I - Das Finalidades Art. 1º Com a realização do CIRCUITO BRASILEIRO DE HANDEBOL DE AREIA, a Confederação Brasileira

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE SQUASH Fundada em 21 de Junho de 1991 Filiada à WSF World Squash Federation Membro do COB Comitê Olímpico Brasileiro

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE SQUASH Fundada em 21 de Junho de 1991 Filiada à WSF World Squash Federation Membro do COB Comitê Olímpico Brasileiro REGULAMENTO Circuito Brasileiro de Squash Juvenil - 2016 ORGANIZAÇÃO O Circuito Brasileiro de Squash Juvenil 2016 terá suas etapas organizadas pela CBS ou por promotores credenciados à CBS e supervisionadas

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE VOLEIBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE VOLEIBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO POR MODALIDADE VOLEIBOL CAPÍTULO I - NORMAS TÁTICAS MIRIM MASCULINO E FEMININO 1997-98: Sistema de Jogo: 6 X 0 ou 4 X 2, sem infiltração de jogadores em qualquer momento do rally;

Leia mais

15/11/2016. Atividade contra a resistência (água); Aula coletiva Geralmente utiliza música; Materiais para aumentar a resistência;

15/11/2016. Atividade contra a resistência (água); Aula coletiva Geralmente utiliza música; Materiais para aumentar a resistência; Atividade contra a resistência (água); Aula coletiva Geralmente utiliza música; Materiais para aumentar a resistência; 1 Sobre a aula: Circuito Coreografada Localizada por articulação Alternada por seguimento

Leia mais

Interséries Fema 2017

Interséries Fema 2017 Interséries Fema 2017 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as disputas das Interséries Fema 2017, nas modalidades de handebol masculino e feminino,

Leia mais

Interséries Fema 2017

Interséries Fema 2017 Interséries Fema 2017 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as disputas das Interséries Fema 2017, nas modalidades de handebol masculino e feminino,

Leia mais

REGULAMENTO DA LIGA ESCOLAR DE BASQUETE 3X3

REGULAMENTO DA LIGA ESCOLAR DE BASQUETE 3X3 REGULAMENTO DA LIGA ESCOLAR DE BASQUETE 3X3 1. Objetivo: ART. 1º - Do Campeonato: incentivar e divulgar a prática do Basquete 3x3, orientando para um trabalho de base e motivando maior participação entre

Leia mais

Questões dos 8 anos

Questões dos 8 anos Questões dos 8 anos - 2012 1- A respeito da História do futebol, analise e responda. As figuras acima mostram a evolução do futebol. Embora não exista muita certeza sobre sua origem, historiadores descobriram

Leia mais

Mercado brasileiro de clubes Dez anos da era dos pontos corridos

Mercado brasileiro de clubes Dez anos da era dos pontos corridos Mercado brasileiro de clubes Dez anos da era dos pontos corridos Agosto de 2013 Evolução financeira do futebol brasileiro na era dos pontos corridos. Marketing e Gestão Esportiva 1 Receitas na era dos

Leia mais

A Copa das Federações será realizada nas seguintes categorias: -Profissional - Amador: A B C - Até 14 anos anos

A Copa das Federações será realizada nas seguintes categorias: -Profissional - Amador: A B C - Até 14 anos anos COPA DAS FEDERAÇÕES DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL PARA 2016 1. DO CAMPEONATO Anualmente a CBT - Confederação Brasileira de Tênis promoverá a Copa das Federações de Beach Tennis, para definir o Estado

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL Federação Cearense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Copa Cearense de Futebol Master 2016 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...3 CAPÍTULO II - DO

Leia mais

Governo do Pará - Patrocinador Oficial do Futebol

Governo do Pará - Patrocinador Oficial do Futebol Governo do - Patrocinador Oficial do Futebol 1 Federação Paraense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Paraense Feminino 2016 Governo do - Patrocinador Oficial

Leia mais

XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016

XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016 XIV COPA SMEL DE FUTSAL 2016 Regulamento Geral XIV COPA SMEL DE FUTSAL CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º - A XIV COPA SMEL DE FUTSAL tem por objetivo principal o congraçamento geral dos participantes

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. 1º lugar 8 pontos 2º lugar 6 pontos 3º lugar 5 pontos 4º lugar 4 pontos 5º lugar 3 pontos 6º lugar 2 pontos

REGULAMENTO GERAL. 1º lugar 8 pontos 2º lugar 6 pontos 3º lugar 5 pontos 4º lugar 4 pontos 5º lugar 3 pontos 6º lugar 2 pontos REGULAMENTO GERAL Pelo presente regulamento fica instituída a OLIMPÍADA INTERCOLEGIAL, que visa desenvolver a prática das modalidades desportivas no âmbito estudantil, bem como, possibilitar às comunidades

Leia mais

FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO. Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo (11)

FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO. Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo (11) FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo 03308-050 (11) 3873-7595 www.fpbb.com.br fpbb@fpbb.com.br CAMPEONATO ESTADUAL 2017 MODALIDADE DE BOCHA MUNDIAL CATEGORIA

Leia mais

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional Criador: James Naismith Primeiras Regras Evolução da Estrutura do Jogo Difusão da Modalidade Basquetebol Internacional Basquetebol Nacional Prof. Educação Física (N. 1861 F. 1939) Data: Dezembro de 1891

Leia mais

Federação Paraense de Futebol. Diretoria de Competições. Regulamento Específico da Competição. Campeonato Paraense Sub 15/2016

Federação Paraense de Futebol. Diretoria de Competições. Regulamento Específico da Competição. Campeonato Paraense Sub 15/2016 Federação Paraense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Paraense Sub 15/2016 1 SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO... 4 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO CIRCUITO NACIONAL ANDEBOL DE PRAIA 2011

REGULAMENTO CIRCUITO NACIONAL ANDEBOL DE PRAIA 2011 REGULAMENTO CIRCUITO NACIONAL ANDEBOL DE PRAIA 2011 I COMPETIÇÃO Art.º 1.º - A competição Circuito Nacional de Andebol de Praia deverá compreender os Circuitos Regionais de Andebol de Praia (da responsabilidade

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC

CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC CAMPEONATO PAULISTA 2016 Futebol de 7 PC REGULAMENTO GERAL I Objetivo Art.1º O Campeonato Paulista 2016 tem como objetivo fomentar o desporto em São Paulo e desenvolver o intercâmbio desportivo e social,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO CAMINHO DA SELEÇÃO SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO TEMPORADA 2017 PLANO ANUAL Planejamento, Processo Seletivo e Calendário SELEÇÃO BRASILEIRA DE REMO PLANO ANUAL TEMPORADA 2017

Leia mais

FUTEBOL BRASILEIRO. Flávia Cristiane M. de Oliveira RA

FUTEBOL BRASILEIRO. Flávia Cristiane M. de Oliveira RA FUTEBOL BRASILEIRO Flávia Cristiane M. de Oliveira RA 11020366 INTRODUÇÃO O futebol é um dos esportes mais populares no mundo. Praticado em centenas de países, este esporte desperta tanto interesse em

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional Vôlei - do lazer ao pódio A história da atual paixão nacional YMCA - Associação Cristã de Moços O vôlei foi criado pelo educador físico Willian Morgan no final do século XIX nos Estados Unidos como uma

Leia mais

REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL

REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL 1. AGRADECIMENTOS REGULAMENTO VI COPA LOC GAMES DE FUTEBOL DIGITAL Sem parceria e muita dedicação de pessoas e empresas envolvidas, esse projeto não seria possível, por isso, nossos sinceros agradecimentos

Leia mais

LIGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 2016

LIGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 2016 IGA FORMA ATIVA DE TÊNIS DE MESA DO NORTE DO PARANÁ 06 OBJETIVO Esta iga tem por objetivo; promover a massificação, a integração e o desenvolvimento de Tênis de Mesa em toda região do norte do Paraná,

Leia mais

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF

FEDERAÇÃO DE DESPORTOS AQUÁTICOS DO DISTRITO FEDERAL FDA/DF Critérios indicativos à Bolsa Atleta de Natação conforme Reunião da Diretoria da FDA/DF e técnicos filiados, realizada no dia 03 de fevereiro de 2016. I BOLSA ATLETA OLÍMPICA 1.1- O atleta de natação só

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA Rio de Janeiro, 14 de abril de 2016. OF / CBE / PRES / Nº 2016.408. Do Presidente da Confederação Brasileira de Esgrima CBE. Aos Senhores (as) Responsáveis pelas Entidades de Prática Desportiva EPDs Filiadas,

Leia mais

FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS

FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS História O Futebol de Areia começou a ser disputado em 1992, quando as regras do jogo foram criadas e um campeonato piloto foi organizado em Los

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESGRIMA Rio de Janeiro, 24 de março de 2016. OF / CBE / PRES / Nº 2016.154. Do Presidente da Confederação Brasileira de Esgrima CBE. Aos Senhores (as) Responsáveis pelas Entidades de Prática Desportiva EPDs Filiadas,

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL RUGBY Informações e inscrições: Kallel Brandão (11)97118-3872 kallel@fupe.com.br www.fupe.com.br www.juesp.com.br INFORMAÇÕES BÁSICAS Local: CEPEUSP

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL - REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Voleibol realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

CAMPEONATO CEARENSE CATEGORIA SUB/ REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC CAPÍTULO I. Da Denominação e Participação

CAMPEONATO CEARENSE CATEGORIA SUB/ REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC CAPÍTULO I. Da Denominação e Participação CAMPEONATO CEARENSE CATEGORIA SUB/13 2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO DA COMPETIÇÃO REC CAPÍTULO I Da Denominação e Participação Art. 1º - O Campeonato Cearense de Futebol categoria Sub/13 de 2014, doravante

Leia mais

FEDERAÇÃO MINEIRA DE VOLEIBOL CAMPEONATO ESTADUAL SUB-14 E SUB-18 VOLEIBOL FEMININO RELATÓRIO FINAL DEZEMBRO/2015

FEDERAÇÃO MINEIRA DE VOLEIBOL CAMPEONATO ESTADUAL SUB-14 E SUB-18 VOLEIBOL FEMININO RELATÓRIO FINAL DEZEMBRO/2015 FEDERAÇÃO MINEIRA DE VOLEIBOL CAMPEONATO ESTADUAL SUB-14 E SUB-18 VOLEIBOL FEMININO RELATÓRIO FINAL DEZEMBRO/2015 SADA TRANSPORTES VÔLEI FEDERAÇÃO MINEIRA REDE INCENTIVE O ESPORTE EM FOCO Projeto Campeonato

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE RUGBY

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE RUGBY REGULAMENTO ESPECÍFICO DE RUGBY 2009-2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. PARTICIPAÇÃO...4 3. COMPETIÇÃO...4 4. APOIO MATERIAL, TÉCNICO, DESLOCAÇÕES....4 5. ESCALÕES ETÁRIOS......4 6. REGULAMENTO TÉCNICO ESPECÍFICO

Leia mais

Comissão Disciplinar do Futebol de Joinville

Comissão Disciplinar do Futebol de Joinville EDITAL DE INTIMAÇÃO Nº 024/2017 Processo 024/2017 América FC x Operário EC Primeira Divisão 24/06/2017 Estimado. Presidente do América Futebol Clube Denunciado CLAUDIO LOPES JUNIOR (preparador físico)

Leia mais

Capítulo II. As inscrições e o número de atletas participantes em cada equipe devem seguir as seguintes regras:

Capítulo II. As inscrições e o número de atletas participantes em cada equipe devem seguir as seguintes regras: REGULAMENTO Capítulo I DA PROMOÇÃO, REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO - A gincana CONTEC será realizada no dia 11/08/2012 no clube Pousada Camping Barra do Jucu, situado em Vila Velha na barra do Jucu, sendo realizada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA MADEIRA TAÇA DA MADEIRA DE INFANTIS / BENJAMINS - FUTEBOL 11-7 ÉPOCA 2016/2017

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA MADEIRA TAÇA DA MADEIRA DE INFANTIS / BENJAMINS - FUTEBOL 11-7 ÉPOCA 2016/2017 TAÇA DA MADEIRA DE INFANTIS / BENJAMINS - FUTEBOL 11-7 ÉPOCA 2016/2017 CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO TÉCNICA 01 GENERALIDADES 1. Esta prova insere-se na área de promoção e divulgação da modalidade, sendo da responsabilidade

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL PROFISSIONAL 2ª DIVISÃO 2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO

CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL PROFISSIONAL 2ª DIVISÃO 2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL PROFISSIONAL 2ª DIVISÃO 2014 REGULAMENTO ESPECÍFICO Da Denominação e Participação. Art. 1 - Integrarão o Campeonato Estadual de Futebol Profissional da Segunda Divisão do

Leia mais

PROJETO BIRIBOL FUTURO. O projeto

PROJETO BIRIBOL FUTURO. O projeto O projeto O Projeto Biribol Futuro visa apoiar a prática dessa categoria esportiva oferecendo maior contato do público com o esporte, oferecendo atividades para idosos, portadores de necessidades especiais,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL XIRA 2017

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL XIRA 2017 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE BASQUETEBOL XIRA 2017 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 INSCRIÇÕES... 4 ESCALÕES ETÁRIOS... 4 CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA... 6 ARBITRAGEM... 7 CLASSIFICAÇÃO... 8 PRÉMIOS... 8 OUTRAS INFORMAÇÕES...

Leia mais

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC

PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO DE REMO ADAPTÁVEL. Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte KMC PROJETO INCENTIVADO - ICMS CENTRO DE TREINAMENTO Este é um Projeto Aprovado pela Lei Estadual de Incentivo ao Esporte Realização Apoio Sobre a Lei Foi sancionada em dezembro de 2009 a Lei Estadual nº 1.137/2009,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA ANEXO 1 FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE CURSOS DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA 1. Informações Gerais: FEDERAÇÃO / INSTITUIÇÃO: ENDEREÇO: CIDADE: ESTADO: CEP.: TELEFONES: FAX: CONTATO (Nome): 2. Dados Específicos:

Leia mais

REGRAS OFICIAIS COPA FLORIPA BRASIL

REGRAS OFICIAIS COPA FLORIPA BRASIL REGRAS OFICIAIS 1 I ATLETAS NA CONDIÇÃO DE EXCEÇÃO Parágrafo Único: Será permitida a inscrição de até 03 atletas com um ano acima da categoria em disputa de futebol de campo, 02 (dois) atletas na modalidade

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL Federação Cearense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Cearense Feminino 2016 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...3 CAPÍTULO II - DO TROFÉU

Leia mais

Tabela de Jogos da Ginchamp 2017

Tabela de Jogos da Ginchamp 2017 Tabela de Jogos da Ginchamp 2017 Equipes: Equipe 1 (E1); Equipe 2 (E2); Equipe 3 (E3); Equipe 4 (E4) e Equipe 5 (E5). Tabela de Jogos de Mini Voleibol Quadra sintética 13h30 13h42 1 E1 x E2 Quadra sintética

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2016 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO. Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo (11)

FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO. Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo (11) FEDERAÇÃO PAULISTA DE BOCHA E BOLÃO Rua Visconde de Itaboraí, 328 Tatuapé São Paulo 03308-050 (11) 3873-7595 www.fpbb.com.br fpbb@fpbb.com.br CAMPEONATO ESTADUAL 2017 MODALIDADE DE BOCHA MUNDIAL CATEGORIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

Pelo 9 ano consecutivo, a RICTV Record em parceria com a Federação de Futebol Society do Paraná, promove a Copa RIC de Futebol , em Curitiba.

Pelo 9 ano consecutivo, a RICTV Record em parceria com a Federação de Futebol Society do Paraná, promove a Copa RIC de Futebol , em Curitiba. FUTEBOL 7 O FUTEBOL 7 O futebol Sete começou no ano de 1950, no Rio de Janeiro. Lá praticava-se o futebol de amigos nos quintais dos casarões da Tijuca, iniciando-se com o primeiro campo na Rua Uruguai,

Leia mais

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL

FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL FESTIVAL SESI MIRIM DE VOLEIBOL - 2015 REGULAMENTO DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO ARTIGO 1º - FESTIVAL MIRIM DE VOLEIBOL é o nome fantasia oficial da XX COPA SESI MIRIM DE VOLEIBOL, competição máxima do calendário

Leia mais

COPA BRASIL CENTRO - NORTE - NORDESTE I

COPA BRASIL CENTRO - NORTE - NORDESTE I COPA BRASIL CENTRO - NORTE - NORDESTE I Manaus AM 20 a 23 de Março de 2014 A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa convida os atletas e técnicos de Tênis de Mesa a participarem da Copa Brasil Centro-Norte-Nordeste

Leia mais

FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS?

FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS? FALTA DINHEIRO OU BOA APLICAÇÃO DOS RECURSOS? Análise sintética do estudo internacional SPLISS consórcio de universidades que comparou as políticas esportivas com o sucesso internacional em 15 países O

Leia mais

PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01

PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01 PROJETO FESTIVAL DE CICLISMO DE PISTA - 2ª Etapa Americana TERMO DE ABERTURA Preparado por Estevam Mancini Gerente do Projeto Versão: 01 1.1 Resumo das condições do projeto Se analisarmos o contexto olímpico

Leia mais

37º JOGOS OLÍMPICOS BOSCONIANOS JOB S

37º JOGOS OLÍMPICOS BOSCONIANOS JOB S BASQUETEBOL Art. 1º - A competição de Basquetebol dos 37º Jogos Olímpicos Bosconianos será regida pelo Regulamento Geral, pelas regras internacionais da FIBA, adotadas pela CBB e por este a) INFANTIL:

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971

Federação Mineira de Handebol Filiada a CBHb Confederação Brasileira de Handebol Fundada em 20 de julho de 1971 REGULAMENTO CAMPEONATO MINEIRO INFANTIL DE CLUBES 2013 1. A Competição será realizada de acordo com o Regulamento Geral de Competições da FMH, pelas regras oficiais da IHF e por este Regulamento Especifico.

Leia mais

Gestão do Esporte no Brasil

Gestão do Esporte no Brasil Leandro Carlos Mazzei Flávia da Cunha Bastos Gestão do Esporte no Brasil Desafi os e perspectivas Coautores Fernando Castro Maroni José Arthur Fernandes Barros Luís Carlos Santana Michel Fauze Mattar Ricardo

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

3ª Copa Norte Nordeste de Badminton. São Luís (MA)

3ª Copa Norte Nordeste de Badminton. São Luís (MA) 3ª Copa Norte Nordeste de Badminton São Luís (MA) A Confederação Brasileira de Badminton e a Federação de Badminton do Maranhão (FEBAMA) tem a honra de convidá-los para competir na 3ª Copa Norte Nordeste

Leia mais

COPA INTERESCOLAR DE FUTSAL UNOCHAPECÓ/FOLHA DE CHAPECÓ REGULAMENTO

COPA INTERESCOLAR DE FUTSAL UNOCHAPECÓ/FOLHA DE CHAPECÓ REGULAMENTO COPA INTERESCOLAR DE FUTSAL UNOCHAPECÓ/FOLHA DE CHAPECÓ REGULAMENTO REGULAMENTO GERAL DA COPA INTERESCOLAR DE FUTSAL UNOCHAPECÓ/FOLHA DE CHAPECÓ O Presidente da Associação de Arbitragem de Chapecó e Região

Leia mais

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 INFANTIL REGULAMENTO: A Sub-diretoria de Futsal Infantil de Esportes do Jaraguá Clube Campestre realizará, no período de 30/08 a 14/11/2015.

Leia mais

1.FORMA DE DISPUTA Devido ao diferente número de equipas participantes por escalão, a forma de disputa é adequada a este factor. Inicados Femininos Ne

1.FORMA DE DISPUTA Devido ao diferente número de equipas participantes por escalão, a forma de disputa é adequada a este factor. Inicados Femininos Ne REGULAMENTO ANDEBOL DE PAVILHÃO 1.FORMA DE DISPUTA Devido ao diferente número de equipas participantes por escalão, a forma de disputa é adequada a este factor. Inicados Femininos Neste escalão, por ter

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

Depois de alguns meses de discussões, o movimento Bom Senso FC concluiu a

Depois de alguns meses de discussões, o movimento Bom Senso FC concluiu a Proposta do Bom Senso terá divisão com 430 clubes e estaduais por só um mês O movimento, que já conta com mais de mil jogadores de todas as divisões do futebol nacional, sugere a criação de uma Série E

Leia mais

Projeto Futsal Estadual

Projeto Futsal Estadual Equipe sub -20 anos Campeão Estadual 2011 Equipe Sub-20 Campeonato Estadual, jogo contra o Motivo (Vice Campeão). Ficha Técnica Apresentação Justificativa Objetivo Geral Avaliação Geral Atividades Anteriores

Leia mais

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL

FEDERAÇÃO CEARENSE DE FUTEBOL Federação Cearense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Cearense Categoria Sub/13 2016 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...3 CAPÍTULO II

Leia mais

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA

REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA REGULAMENTO DE ANDEBOL DE PRAIA DA FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL E ASSOCIAÇÕES * CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA REGULAMENTO DA PROVA Art.º 1 Objeto 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

Pernambuco Futebol de Primeira

Pernambuco Futebol de Primeira Pernambuco Futebol de Primeira Programa que coloca o Estado dentro de uma posição de destaque no País, utilizando modernos padrões de gestão para modernizar os processos burocráticos, incentivar e atrair

Leia mais

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011

CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub / 2011 CIRCUITO NACIONAL DE RUGBY de 7 Sub 16 e Sub 18 2010 / 2011 O Departamento de Competições da FPR vai organizar o Circuito Nacional de Rugby de 7, para os escalões Sub 16 e Sub 18. Este Circuito realiza-se

Leia mais

REGULAMENTO CAMPEONATO CATARINENSE DE RUGBY ETAPA DO CATARINENSE 2012 Série B FEDERAÇÃO CATARINENSE DE RUGBY FECARU

REGULAMENTO CAMPEONATO CATARINENSE DE RUGBY ETAPA DO CATARINENSE 2012 Série B FEDERAÇÃO CATARINENSE DE RUGBY FECARU REGULAMENTO CAMPEONATO CATARINENSE DE RUGBY ETAPA DO CATARINENSE 2012 Série B FEDERAÇÃO CATARINENSE DE RUGBY FECARU Capítulo I - Disposições Gerais O Campeonato Catarinense de Rugby Série B, Categoria

Leia mais

COPA FUTEBOL SHOW DO NORDESTE 2017 SUB-12/13 SUB-14/15 SUB- 16/17 EDIÇÃO

COPA FUTEBOL SHOW DO NORDESTE 2017 SUB-12/13 SUB-14/15 SUB- 16/17 EDIÇÃO REGULAMENTO EDIÇÃO 2017 COPA FUTEBOL SHOW DO NORDESTE 2017 SUB-12/13 SUB-14/15 SUB- 16/17 EDIÇÃO 2017, aberta aos Clubes e Escolinhas de Salvador e Interior do Estado da Bahia e outras regiões do Nordeste

Leia mais

Escola de Ensino Médio Francisca Moreira de Souza Extensão Parajuru Rua: Carmozita Ferreira Cassiano, s/n. Sucatinga Beberibe - CE

Escola de Ensino Médio Francisca Moreira de Souza Extensão Parajuru Rua: Carmozita Ferreira Cassiano, s/n. Sucatinga Beberibe - CE Escola de Ensino Médio Francisca Moreira de Souza Extensão Parajuru Rua: Carmozita Ferreira Cassiano, s/n. Sucatinga Beberibe - CE REGULAMENTO DOS JOGOS FM DO FUTSAL O Regulamento Específico de Futsal

Leia mais

26/3/2010. Prof. Mst. Sandro de Souza. Quem criou o Futsal? FUTEBOL DE SALÃO. Quem criou o Futebol de Salão? Controvérsia Histórica...

26/3/2010. Prof. Mst. Sandro de Souza. Quem criou o Futsal? FUTEBOL DE SALÃO. Quem criou o Futebol de Salão? Controvérsia Histórica... Prof. Mst. Sandro de Souza Quem criou o Futsal? FUTEBOL DE SALÃO Quem criou o Futebol de Salão? Controvérsia Histórica... BRASIL X URUGUAI 1 Defende que o Futebol de Salão surgiu no Uruguai. As primeiras

Leia mais

Fundada em 04 de setembro de 2000, tem desempenhado suas propostas desportivas e sociais de forma cada vez mais organizada e profissional.

Fundada em 04 de setembro de 2000, tem desempenhado suas propostas desportivas e sociais de forma cada vez mais organizada e profissional. INSTITUCIONAL A ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA JR nasceu com a finalidade de contribuir com a integração da Pessoa com Deficiência na sociedade através do esporte. É pioneira neste tipo de projeto social, ou

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 11) Considerando a conceituação teórica sobre o jogo apresentada na Proposta Curricular de SC, analise as afirmações a seguir. l A criança, por exemplo, joga/brinca de uma forma individual, centrada em

Leia mais

Confederação Brasileira de Futebol

Confederação Brasileira de Futebol Confederação Brasileira de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Copa de Seleções Estaduais Sub 20 2015 1 SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 Seletiva para o Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil (categoriaa faixa preta) 13 e 14 de Junho- Barreiro - BH SUPERVISÃO APOIO o CONVITE Betim, 28 de

Leia mais

REGULAMENTO. 1.1 Individual com handicap de 15 pinos para mulheres por partida.

REGULAMENTO. 1.1 Individual com handicap de 15 pinos para mulheres por partida. 1. FORMATOS E CATEGORIAS: REGULAMENTO 1.1 Individual com handicap de 15 pinos para mulheres por partida. 1.2 - Categorias: Grupo A e Grupo B. 1.3 - Aberto aos filiados ou não por Ligas, Clubes particulares

Leia mais

Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento 1 APRESENTAÇÃO Formado Ed. Física (PUCC- 1979) Especialista em Atletismo(PUCC,1978) Voleibol (PUCC-1979),

Leia mais

Para o conhecimento dos Clubes nossos filiados, Rádio, Imprensa, Televisão e demais interessados, comunica-se:

Para o conhecimento dos Clubes nossos filiados, Rádio, Imprensa, Televisão e demais interessados, comunica-se: CIRCULAR Nº 1 2016/ 2017 Para o conhecimento dos Clubes nossos filiados, Rádio, Imprensa, Televisão e demais interessados, comunica-se: 1. FILIAÇÃO DE CLUBES A efectuar de 01 a 29 de Agosto, em impresso

Leia mais

Copa Nordeste de Tênis de Mesa-Interestadual - Etapa Recife

Copa Nordeste de Tênis de Mesa-Interestadual - Etapa Recife Copa Nordeste de Tênis de Mesa-Interestadual - Etapa Recife - 2017 A Federação Pernambucana de Tênis de Mesa, tem a honra de convidar a todos os Atletas, Técnicos e Dirigentes de Federações e Clubes filiados

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO RESOLUÇÃO 001-2012 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE TREINADORES TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO 1) INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A. O Curso de Técnico de Triathlon Nível I CBTri tem a finalidade de oferecer um conteúdo informativo

Leia mais

COPA DAS FEDERAÇÕES DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL 2017

COPA DAS FEDERAÇÕES DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL 2017 COPA DAS FEDERAÇÕES DE BEACH TENNIS REGULAMENTO GERAL 2017 1. DO CAMPEONATO Anualmente a CBT - Confederação Brasileira de Tênis - promoverá a Copa das Federações de Beach Tennis, para definir o Estado

Leia mais

CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL JUVENIL (SUB-17) DE 2016 DO REGULAMENTO ESPECÍFICO. Da Denominação e Participação.

CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL JUVENIL (SUB-17) DE 2016 DO REGULAMENTO ESPECÍFICO. Da Denominação e Participação. CAMPEONATO ESTADUAL DE FUTEBOL JUVENIL (SUB-17) DE 2016 DO REGULAMENTO ESPECÍFICO Da Denominação e Participação. Art. 1 - O Campeonato Estadual de Futebol Juvenil (Sub-17) de 2016, será disputado pelas

Leia mais

Federação Paraense de Futebol. Diretoria de Competições. Regulamento Específico da Competição. Campeonato Paraense Sub 17 Série A2/2017

Federação Paraense de Futebol. Diretoria de Competições. Regulamento Específico da Competição. Campeonato Paraense Sub 17 Série A2/2017 Federação Paraense de Futebol Diretoria de Competições Regulamento Específico da Competição Campeonato Paraense Sub 17 Série A2/2017 1 SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E PARTICIPAÇÃO...

Leia mais