SELEÇÃO IN VITRO DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. COM POTENCIAL DE ANTAGONISMO A ISOLADOS PATOGÊNICOS DE Fusarium spp. 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELEÇÃO IN VITRO DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. COM POTENCIAL DE ANTAGONISMO A ISOLADOS PATOGÊNICOS DE Fusarium spp. 1"

Transcrição

1 SELEÇÃO IN VITRO DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. COM POTENCIAL DE ANTAGONISMO A ISOLADOS PATOGÊNICOS DE Fusarium spp. 1 LAZAROTTO, Marília 2 ; BOVOLINI, Marciéli Pitorini 3 ; MACIEL, Caciara Gonzatto 4 ; MUNIZ, Marlove Fátima Brião 5 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso Doutorado em Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 3 Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 4 Mestre em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 5 Prof. Adjunto do Departamento de Defesa Fitossanitária da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil RESUMO O biocontrole é uma das alternativas para controle de organismos patogênicos habitantes do solo que podem causar doenças associadas às raízes de plantas hospedeiras. O objetivo deste trabalho foi selecionar, in vitro, potenciais agentes antagonistas do gênero Trichoderma isolados das próprias raízes de Nogueira-pecan (Carya illinoensis) infectadas por Fusarium spp. Para tanto, seis isolados patogênicos de Fusarium spp., obtidos de raízes e flores de plantas Nogueira-pecan, foram utilizados em teste de confronto direto com três isolados de Trichoderma spp. obtidos de raízes de Nogueira-pecan e mais um produto biológico à base de Trichoderma spp. (Agrotrich Plus ). Ao final do teste, realizaram-se avaliações de crescimento micelial de Fusarium spp. e de Trichoderma spp. e avaliação de notas do confronto. Os isolados T 1 e T 2 de Trichoderma spp. apresentaram maior potencial para controle biológico de Fusarium spp. Palavras-chave: Controle biológico; Podridão-radicular, Confronto direto. 1. INTRODUÇÃO O gênero Fusarium pode ocorrer especialmente em locais de climas tropicais e subtropicais, esse fungo é capaz de sobreviver por longos períodos no solo pela formação de estruturas chamadas clamidósporos (MILANESI, 2009). Este se distribui por praticamente o mundo inteiro, causando danos de grande importância em várias culturas, tanto agrícolas quanto florestais ou frutíferas. Por ser um patógeno de solo, sua eliminação, após a instalação na área se torna uma tarefa muito difícil, e medidas de controle químico praticamente inexistem, exceto aquelas preventivas, como o uso de tratamento de sementes ou outros materiais de propagação.

2 Uma alternativa para o controle de patógenos do solo é o controle biológico que pode ser obtido pela manipulação do ambiente e pela introdução de antagonistas, tanto no solo quanto nos órgãos de propagação das plantas (MICHEREFF, 2001). Os microrganismos selecionados no mesmo ambiente onde serão utilizados têm maiores chances de se adaptarem e de serem eficientes, e, neste caso, são conhecidos como microrganismos residentes (GRIGOLETTI JÚNIOR et al., 2001). Para confirmar se determinado microrganismo tem ação antagônica sobre outro, os testes in vitro e in vivo são indispensáveis. Os testes in vitro possuem as vantagens de possibilitarem a análise de um grande número de potenciais antagonistas, permitir o estudo do mecanismo de ação e facilitar a observação das interações antagonista patógeno (MARIANO, 1993). Após a seleção in vitro de potenciais antagonistas para controle biológico de enfermidades em vegetais, pode ser iniciado o estudo do efeito destes em condições in vivo, ou seja, à campo, onde as plantas estão se desenvolvendo. Conforme Maciel (2012), testes de antagonismo in vivo são fundamentais para concretizar os testes em ambiente controlado, sendo o objetivo de aproximar ao máximo possível das condições reais do processo de produção de mudas, como temperatura, umidade, precipitação e insolação, porém nem sempre os resultados de biocontrole in vivo apresentam respostas positivas, já que variações na temperatura, umidade, luz e microflora do solo podem interagir com os microrganismos envolvidos. Estudos anteriores a este identificaram isolados de Fusarium spp. associados à podridão-radicular de Nogueira-pecan [Carya illinoensis (Wangenh.) K. Koch]. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi selecionar, in vitro, potenciais agentes antagonistas do gênero Trichoderma isolados das próprias raízes de C. illinoensis infectadas por Fusarium spp. para que estudos futuros in vivo, possam ser iniciados. 2. METODOLOGIA Inicialmente obtiveram-se as culturas puras de isolados de Trichoderma spp. (antagonista potencial) e de isolados de Fusarium spp. (patógeno). Para tanto, estruturas de ambos os gêneros fúngicos, detectadas em raízes de Nogueira-pecan, foram transferidos para placas de Petri contendo meio de cultura batata-dextrose-ágar (BDA) conforme recomendado por Alfenas et al. (2007). Após dez dias de crescimento, os isolados crescidos em BDA foram purificados conforme a técnica de cultura monospórica descrita por Fernandes (1993) e incubados por dez dias sob fotoperíodo de 12 horas a 25±3 C para posterior instalação do teste de confrontação direta. Foram testados três isolados de Trichoderma spp. provenientes de isolamento em raízes de plantas de Nogueira-pecan infectadas pelo patógeno do gênero Fusarium mais um

3 produto comercial Agrotrich Plus (à base de Trichoderma spp.) e seis isolados de Fusarium spp. os quais foram patogênicos a Nogueira-pecan em testes anteriores, cujos sintoma principal foi a podridão-de-raízes. Na tabela 1, são apresentadas informações a respeito da origem dos isolados de Fusarium spp. e de Trichoderma spp. utilizados. Tabela 1: Origem dos isolados de Fusarium spp. e Trichoderma spp. utilizados no teste de confrontação direta. Código Gênero Órgão F 3 Fusarium Inflorescência F 5 Fusarium Raízes F 6 Fusarium Inflorescência F 7 Fusarium Inflorescência F 9 Fusarium Raízes F 11 Fusarium Raízes T 1 Trichoderma Raízes T 2 Trichoderma Raízes T 3 Trichoderma Raízes *Agrotrich Plus Trichoderma Produto comercial * Produto biológico à base do fungo Trichoderma spp. na quantidade de 108 UFCs g -1 de produto e farinha de arroz qsp 1,0 kg, na forma de pó seco solúvel altamente concentrado para o tratamento de sementes ou pulverização. A ação antagônica de Trichoderma spp. contra isolados de Fusarium spp. foi testada através do teste de confrontação direta conforme Milanesi (2009) o qual trata-se de um teste realizado in vitro. Um disco de meio de cultura BDA de 12 mm de diâmetro contendo micélio de Fusarium foi transferido para placas de Petri (90 mm de diâmetro), também contendo meio BDA. As placas foram incubadas durante 48 horas a 25 C (± 3 C) com fotoperíodo de 12 horas. Decorrido esse período, um disco de meio de cultura BDA com 12 mm de diâmetro, contendo micélio de Trichoderma spp., foi transferido para a posição oposta ao disco de micélio de Fusarium spp. nas placas de Petri. Após a transferência de ambos os fungos, as placas foram incubadas durante sete dias a 25 C (± 3 C) com fotoperíodo de 12 horas. Para cada confronto, efetuaram-se três repetições, onde cada repetição foi constituída por uma placa de Petri. Ao término do período de incubação, as placas foram avaliadas de acordo com escala proposta por Bell et al. (1982), atribuindo notas que variaram de 1 a 5, conforme segue: 1. Antagonista cresce e ocupa toda a placa. 2. Antagonista cresce e ocupa uma parte do patógeno (2/3 da placa).

4 3. Antagonista e patógeno crescem até a metade da placa (nenhum domina o outro). 4. Patógeno cresce e ocupa uma parte do antagonista (2/3 da placa). 5. Patógeno cresce e ocupa toda a placa. Além da atribuição das notas, o crescimento micelial de cada fungo foi mensurado em mm com auxílio de paquímetro digital. O delineamento experimental utilizado foi completamente casualizado, com três repetições para cada teste realizado em arranjo bifatorial 6 x 4 (isolados de Fusarium spp. x isolados de Trichoderma spp.). A análise da variância e comparação das médias foi realizada pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade pelo programa Sisvar 5.3 (FERREIRA, 2008). 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Os resultados do teste de confrontação direta são apresentados na tabela 2. Para o isolado F 3, observa-se que não houve diferença estatística para as variáveis crescimento micelial de Fusarium sp. e Trichoderma spp., entretanto, para a escala de notas, o isolado antagonista T 1 foi o que mais impediu o crescimento do patógeno, já que a nota 3 representa uma certa neutraliedade, sendo que o patógeno e o antagonista crescem quase que igualmente na placa. No confronto dos isolados de Trichoderma spp. com F 5 não houve diferença estatística em nenhuma das variáveis e todas as notas observadas foram na escala 2, o que indica maior pressão do antagonista sobre o patógeno, o que pode ser devido a uma menor agressividade no crescimento do patógeno. Para F 6, houve diferença estatística entre todas as variáveis, sendo o menor crescimento de Fusarium sp. observado no confronto com T 2 e neste mesmo tratamento observou-se o maior crescimento de Trichoderma spp. e a menor nota da escala (1,33) o que indica uma forte ação de antagonismo. Para F 7 o isolado de Trichoderma spp. com maior ação antagônica foi T 1, já que no confronto com este isolado obteve-se o menor valor de crescimento micelial de Fusarium sp., maior crescimento micelial de Trichoderma spp. e menor nota na escala. Para F 9, os mesmos resultados observados para F 7 se repetiram, porém para o isolado T 2, isto é, menor valor de crescimento micelial de Fusarium sp., maior crescimento micelial de Trichoderma spp. e menor nota na escala. Por fim, para F 11, não houve diferença estatítica entre as variáveis, porém a maior nota na escala foi observada no confronto com T 3, indicando menor ação antagônica deste isolado.

5 Tabela 2: Resultados referentes às variáveis Crescimento Micelial de Fusarium spp. (CMF), Crescimento Micelial de Trichoderma spp. (CMT) e notas do teste de confrontação direta. Variáveis Fusarium spp. Trichoderma spp. T 1 T 2 T 3 Agrotrich F 3 47,77 Aa 54,15 Aa 56,46 Aa 56,17 Aa F 5 37,96 ABa 33,70 Ca 40,97 Ba 40,09 Ba CMF (mm) F 6 49,26 Aa 13,02 Db 42,42 Ba 38,73 Ba CV (%): F 7 37,96 ABb 49,00 ABab 50,00 ABa 48,49 ABab 12,49 F 9 43,76 ABa 36,33 BCb 40,92 Ba 43,20 Ba F 11 32,53 Ba 39,28 BCa 42,65 Ba 39,72 Ba F 3 42,74 Aa 37,72 Da 37,21 Ba 35,15 Da F 5 53,51 Aa 61,36 Ba 51,45 Aa 53,39 Aa CMT (mm) F 6 40,84 Ac 77,04 Aa 45,63 ABbc 54,04 Ab CV (%): F 7 53,62 Aa 40,67 CDb 38,57 ABb 38,85 CDb 11,38 F 9 47,20 Aab 54,20 Ba 45,19 ABab 42,14 ABCb F 11 48,10 Aa 51,55 BCa 47,39 ABa 51,43 ABa F 3 3 ABb 3,67 Aab 4 Aa 4 Aa F 5 2 Ca 2 Ba 2 Aa 2 Ca Notas F 6 3,67 Aa 1,33 Bc 2,67 Ba 2,00 Cbc CV (%): F 7 2,00 Cb 3,67 Aa 4,00 Ba 4,00 Aa 14,43 F 9 2,67 BCab 2,00 Bb 2,67 Bab 3,00 Ba F 11 2,00 Ca 2,00 Ba 2,67 Ba 2,00 Ca * Médias seguidas por mesma letra maiúscula na coluna e minúscula na linha não diferem entre si pelo teste de tukey a 5% de probabilidade de significância. Com os resultados deste estudo, pode-se verificar que para cada isolado de Fusarium sp., em particular, deve ser feita a seleção do seu agente antagonista potencial, considerando que pode haver diferenças de espécies do patógeno e mesmo diferenças intraespecíficas no caso de estudos com a utilização de uma determinada espécie de Fusarium. Todavia, neste estudo, os isolados de Trichoderma sp. T 1 e T 2 foram os que obtiveram melhor desempenho, pois ofereceram pressão antagônica sobre alguns isolados, (T 1 para F 7 e T 2 para F 6 e F 9 ). Portanto, estes isolados podem ser utilizados em estudos futuros para testes in vivo da sua eficiência no controle da podridão-radicular de Nogueirapecan causada por Fusarium spp. Vários estudos atestam o potencial antagônico de Trichoderma spp. a fungos patogênicos, tanto do gênero Fusarium, quanto de outros: Louzada et al. (2009) testaram o potencial antagônico de isolados de Trichoderma spp. e verificaram que 50 isolados inibiram o crescimento micelial de Fusarium solani e pelo teste de pareamento de culturas (notas

6 menores que 3); Martis-Córder e Melo (1998) estudaram a ação in vitro de isolados selvagens de Trichoderma spp. confrontados com Verticillium dahliae, causador de murcha da berinjela e verificaram efeitos positivos do antagonista; e ainda Carvalho et al. (2011) testaram seis isolados de Trichoderma harzianum para controle de Fusarium oxysporum f.sp. phaseoli em sementes de feijão, os quais apresentaram resultados promissores nos testes in vitro e, dentre os seis isolados, quatro reduziram de 31 a 51 % a incidência do patógeno. 5. CONCLUSÃO Embora haja necessidade de teste inicial in vitro para seleção de antagonista para cada isolado patogênico de Fusarium spp., os isolados T 1 e T 2 de Trichoderma sp. oriundos de raízes de Nogueira-pecan infectadas por Fusarium spp. apresentaram maior potencial para controle biológico deste patógeno, já que foram eficientes no antagonismo de Fusarium spp. Posteriormente a este estudo, é possível a realização de testes in vivo com o uso destes isolados para controle da podridão-radicular de Nogueira-pecan causada por Fusarium spp. REFERÊNCIAS ALFENAS, A.C. et al. Isolamento de fungos fitopatogênicos. In :ALFENAS, A.C.; MAFIA, R.G. (Eds.). Métodos em fitopatologia. Editora: UFV, Viçosa, p BELL, D. K.; WELLS, H. D.; MARKHAM, C. R. In vitro antagonism of Trichoderma species against six fungal plant pathogens. Phytopathology, [S.l.], v. 72, n. 4, p , CARVALHO, D. D. C. et al. Controle de Fusarium oxysporum f.sp. phaseoli in vitro e em sementes, e promoção do crescimento inicial do feijoeiro comum por Trichoderma harzianum. Tropical Plant Pathology, Brasília, v. 36, n. 1, p , FERNANDES, M.R. Manual para laboratório de fitopatologia. Passo Fundo RS: EMATER CNPT, p. FERREIRA, D.F. SISVAR: um programa para análises estatísticas e ensino de estatística. Revista Symposium, v.6, p.36-41, GRIGOLETTI JÚNIOR, A.; SANTOS, A.F.; AUER, C.G. Perspectivas do uso do controle biológico contra doenças florestais. Floresta, Curitiba, n.30, (1/2), 2000.

7 LOUZADA, G.A.S. et al. Potencial antagônico de Trichoderma spp. originários de diferentes agroecossistemas contra Sclerotinia sclerotiorum e Fusarium solani. Biota Neotropica, v. 9, n. 3, p MACIEL, C.G. Fusarium sambucinum associado a sementes de Pinus elliottii: patogenicidade, morfologia, filogenia molecular e controle. 94 f Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, MARIANO, R. de L. R. Métodos de seleção in vitro para o controle biológico de patógenos de plantas. In: FERNANDES, J. M. C.; PRESTES, A. M.; PICININI, E. C. Passo Fundo: Revisão Anual de Patologia de Plantas, 1993, v.1, p p. MARTIS-CORDER, M. P.; MELO, I. Antagonismo in vitro de Trichoderma spp. sobre Verticillium dahliae KLEB. Scientia Agricola, São Paulo, v. 55, n.1, p. 1-7, MICHEREFF, S. J. Fundamentos de Fitopatologia. Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco, p. MILANESI, P.M. Caracterização, toxicidade e patogenicidade de Fusarium spp. em genótipos de soja em sistema plantio direto p. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2009.

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação in vitro de Isolados de Trichoderma sp. no Controle de Fusarium sp. do Milho Laline Broetto 1,3, Paulo

Leia mais

ANTAGONISMO IN VITRO DE BACTÉRIAS ENDOFÍTICAS CONTRA FUNGOS ASSOCIADOS À DOENÇAS DE TRONCO DE VIDEIRA

ANTAGONISMO IN VITRO DE BACTÉRIAS ENDOFÍTICAS CONTRA FUNGOS ASSOCIADOS À DOENÇAS DE TRONCO DE VIDEIRA ANTAGONISMO IN VITRO DE BACTÉRIAS ENDOFÍTICAS CONTRA FUNGOS ASSOCIADOS À DOENÇAS DE TRONCO DE VIDEIRA COMACHIO, L.B. 1 ; PACINI, B.A.H. 2 ; TONELLO, J.C. 3 ; ALMANÇA, M.A.K. 4 RESUMO - As doenças fúngicas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SOLOS CULTIVADOS COM ERVA-MATE NO ALTO URUGUAI GAÚCHO

INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SOLOS CULTIVADOS COM ERVA-MATE NO ALTO URUGUAI GAÚCHO INCIDÊNCIA DE FUNGOS EM SOLOS CULTIVADOS COM ERVA-MATE NO ALTO URUGUAI GAÚCHO Samuel de Paula 1, Katia Regina Wolf 1, Aline Fachin Martíni 2, Paola Mendes Milanesi 1. 1 Universidade Federal da Fronteira

Leia mais

Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja

Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja Efeito de fungicidas na inibição do crescimento micelial de Sclerotinia sclerotiorum isolado de soja FERREIRA, L.C. 1 ; MEYER, M.C. 2 ; TERAMOTO, A. 1 ; 1 Universidade Federal de Goiás UFG, lucienenoemia@gmail.com;

Leia mais

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013 14533 - Trichoderma e óleo vegetal: alternativas para o controle de fitopatógenos de espécies florestais Trichoderma and vegetable oil: alternative for plant pathogens control of forest species FERREIRA,

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA Cargnim, Jaqueline Marques ; Marcuzzo, Leandro Luiz Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

Leia mais

o tratamento de sementes constitui uma das maneiras mais

o tratamento de sementes constitui uma das maneiras mais Efeito de Fungicidas no Controle "In Vitro" e "In Vivo" de Bipolaris sorokiniana e de Fusarium graminearum Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução o tratamento de sementes constitui uma das maneiras

Leia mais

ANTAGONISMO DE Trichoderma SOBRE O Colletotrichum sp ATRAVÉS DE PAREAMENTO DE CULTURAS

ANTAGONISMO DE Trichoderma SOBRE O Colletotrichum sp ATRAVÉS DE PAREAMENTO DE CULTURAS ANTAGONISMO DE Trichoderma SOBRE O Colletotrichum sp ATRAVÉS DE PAREAMENTO DE CULTURAS PRADO 1, Paula Karoline Baleeiro; DAVID 2, Grace Queiroz; CAMPIÃO 1, Miriam de Souza; OLIVEIRA 1, Thiago Duarte Sousa

Leia mais

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Gonzatto Maciel, Caciara; Walker, Clair; Brião Muniz, Marlove Fátima; Machado Araújo, Maristela ANTAGONISMO DE Trichoderma

Leia mais

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES

143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 143 - QUALIDADE DE SEMENTES DE CEBOLA CULTIVAR BAIA PRODUZIDAS SOB SISTEMA AGROECOLÓGICO E AVALIAÇÃO DAS MUDAS RESULTANTES RESUMO Dércio Dutra 1 ; Derblai

Leia mais

ATIVIDADE ANTAGÔNICA in vitro DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. CONTRA ISOLADOS DE Sclerotinia sclerotiorum 1

ATIVIDADE ANTAGÔNICA in vitro DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. CONTRA ISOLADOS DE Sclerotinia sclerotiorum 1 ATIVIDADE ANTAGÔNICA in vitro DE ISOLADOS DE Trichoderma spp. CONTRA ISOLADOS DE Sclerotinia sclerotiorum 1 SANTOS, Ricardo Feliciano dos 2 ; HECKLER, Leise Inês 3 ; SILVA, Gerarda Beatriz Pinto 3 ; SCHEEREN,

Leia mais

Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima Brião Muniz

Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima Brião Muniz Tombamento de mudas Caciara Gonzatto Maciel Marília Lazarotto Graziela Piveta Marlove Fátima rião Muniz O tombamento de mudas pode ocorrer em pré-emergência e/ou pósemergência. No primeiro caso, o patógeno

Leia mais

Prospecção de comunidade bacteriana para biocontrole de Colletotrichum sublienolum, agente causal da antracnose do sorgo

Prospecção de comunidade bacteriana para biocontrole de Colletotrichum sublienolum, agente causal da antracnose do sorgo Prospecção de comunidade bacteriana para biocontrole de Colletotrichum sublienolum, agente causal da antracnose do sorgo Evani S. Duarte 1, Naira R. F. Assis 2, Fabíola F. S. L.Chicata 2, Rodrigo V. Costa

Leia mais

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 10,9 10,7 12,8 11,6 12,0 12,1 4 11,1 10,6 10,9 10,9 13,1

Leia mais

Biocontrole de doenças de plantas: Uso de Trichoderma spp na agricultura

Biocontrole de doenças de plantas: Uso de Trichoderma spp na agricultura Biocontrole de doenças de plantas: Uso de Trichoderma spp na agricultura Júlio César de Oliveira SILVA 1 ; Luciano Donizete GONÇALVES 2 ; Maria Cristina da Silva BARBOSA 3 ; Anne Caroline BARBOSA 3 ; Guilherme

Leia mais

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA

BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA BIOCARVÃO COMO COMPLEMENTO NO SUBSTRATO PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATE CEREJA Lucas Gomes de Souza 1, Francisco Lopes Evangelista 2, Gabriel José Lima da Silveira 3, Susana Churka Blum 4 Resumo: O

Leia mais

MÉTODOS DE INOCULAÇÃO E TRASMISSIVIDADE DE ANTRACNOSE EM PLÂNTULAS DE FEIJÃO 1

MÉTODOS DE INOCULAÇÃO E TRASMISSIVIDADE DE ANTRACNOSE EM PLÂNTULAS DE FEIJÃO 1 MÉTODOS DE INOCULAÇÃO E TRASMISSIVIDADE DE ANTRACNOSE EM PLÂNTULAS DE FEIJÃO 1 SERAFINI, Pablo Tuzi 2 ; RAMOS, Juliano Perlin de 3 ; MARQUES, Leandro Nascimento 3 ; EBONE, André 2 ; CEZAR, Heraldo Skrebsky

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO Disciplina: Patologia de Sementes Carga Horária: 40 h Professores: Leimi Kobayasti Departamento de Origem: DFF 2) EMENTA Código da Disciplina: Período Letivo: Curso: Mestrado

Leia mais

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução A cevada cervejeira constitui importante alternativa de inverno na região

Leia mais

Tratamentos Alternativos para o Controle de Patógenos em Sementes de Cedro (Cedrela fissilis)

Tratamentos Alternativos para o Controle de Patógenos em Sementes de Cedro (Cedrela fissilis) Tratamentos Alternativos para o Controle de Patógenos em Sementes de Cedro (Cedrela fissilis) Alternative Treatments for Control of Pathogens on Cedrela fissilis Seeds LAZAROTTO, Marília. Universidade

Leia mais

Efeito de Fungicidas no Controle da Pinta-Preta da Erva-mate.

Efeito de Fungicidas no Controle da Pinta-Preta da Erva-mate. Efeito de Fungicidas no Controle da Pinta-Preta da Erva-mate. Albino Grigoletti Júnior 1 Celso Garcia Auer 2 RESUMO A pinta-preta da erva-mate (Ilex paraguariensis) é a principal doença desta cultura,

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2

Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 ALTURA DE PLÂNTULAS E NÚMERO DE PARES DE FOLHAS DE MUDAS DE CAFEEIRO Arthur Pereira da Silva 1, Edílson Costa 2 1 Estudante do curso de agronomia, Bolsista PET, Universidade Estadual de Mato Grosso do

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NA GERMINAÇÃO in vitro DE CONÍDIOS DE Aspergillus niger, AGENTE ETIOLÓGICO DO MOFO PRETO DA CEBOLA Autores: Jéssica Tainara IGNACZUK 1, Leandro Luiz MARCUZZO 2 Identificação

Leia mais

Formação de Coleção Biológica de Thielaviopsis paradoxa e Determinação da Patogenicidade e Virulência dos Isolados em Coqueiro

Formação de Coleção Biológica de Thielaviopsis paradoxa e Determinação da Patogenicidade e Virulência dos Isolados em Coqueiro IV Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 115 Formação de Coleção Biológica de Thielaviopsis paradoxa e Determinação da Patogenicidade e Virulência dos Isolados

Leia mais

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro

Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Demanda Energética de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Corgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve

Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve Exercício 2 Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve -Adicionar água esterilizada - Raspar a cultura - Filtrar (gaze) Filtrado (=inóculo) Colocar em condições adequadas (câmara úmida) e esperar pelos

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro

Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Desempenho Operacional de Máquinas Agrícolas na Implantação da Cultura do Sorgo Forrageiro Flávia M. Nascimento 1, José G. L. Rodrigues 2, Carlos A. Gamero 3, Jairo C. Fernandes 4, Sílvio J. Bicudo 5 1,2,4

Leia mais

ATIVIDADE FUNGITÓXICA DO ÓLEO ESSENCIAL DO FRUTO DA PTERODON EMARGINATUS VOGEL, FABACEAE SOBRE FUNGOS FITOPATOGÊNICOS DO FEIJOEIRO.

ATIVIDADE FUNGITÓXICA DO ÓLEO ESSENCIAL DO FRUTO DA PTERODON EMARGINATUS VOGEL, FABACEAE SOBRE FUNGOS FITOPATOGÊNICOS DO FEIJOEIRO. ATIVIDADE FUNGITÓXICA DO ÓLEO ESSENCIAL DO FRUTO DA PTERODON EMARGINATUS VOGEL, FABACEAE SOBRE FUNGOS FITOPATOGÊNICOS DO FEIJOEIRO. Ryhára Dias Batista 1 ; Luiz Gustavo de Lima Guimarães 2 1 Aluna do Curso

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE Antonio Flávio Arruda Ferreira 1 ; Edilson Costa 2 1 Estudante do Curso

Leia mais

Avaliação Da Influencia Do Tratamento Térmico Nas Propriedades Energéticas De Diferentes Espécies

Avaliação Da Influencia Do Tratamento Térmico Nas Propriedades Energéticas De Diferentes Espécies Avaliação Da Influencia Do Tratamento Térmico Nas Propriedades Energéticas De Diferentes Espécies Mariana Almeida Vilas Boas (1) ; Solange de Oliveira Araújo (2) ; Marcelino Breguez Gonçalves Sobrinho

Leia mais

Trichoderma spp. ASSOCIADO A NÍVEIS DE ADUBAÇÃO NPK NO PATOSSISTEMA Sclerotinia sclerotiorum FEIJOEIRO

Trichoderma spp. ASSOCIADO A NÍVEIS DE ADUBAÇÃO NPK NO PATOSSISTEMA Sclerotinia sclerotiorum FEIJOEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Trichoderma spp. ASSOCIADO A NÍVEIS DE ADUBAÇÃO NPK NO PATOSSISTEMA Sclerotinia sclerotiorum FEIJOEIRO

Leia mais

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.)

METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) METODOLOGIA PARA A CONDUÇÃO DO TESTE DE GERMINAÇÃO EM SEMENTES DE (Jatropha curcas L.) Cristiane Alves Fogaça, PGCAF/UFRRJ, fogacac@yahoo.com.br Luany Leal da Silva, IF/UFRRJ, luany_leal@hotmail.com José

Leia mais

QUALIDADE SANITÁRIA DE SEMENTES DE AVEIA-PRETA CV. COMUM SUBMETIDOS A DIFERENTES TRATAMENTOS

QUALIDADE SANITÁRIA DE SEMENTES DE AVEIA-PRETA CV. COMUM SUBMETIDOS A DIFERENTES TRATAMENTOS 2413 QUALIDADE SANITÁRIA DE SEMENTES DE AVEIA-PRETA CV. COMUM SUBMETIDOS A DIFERENTES TRATAMENTOS QUALITY HEALTH SEED OATS-BLACK CV. COMMON SUBJECT TO DIFFERENT TREATMENTS Marciele Barbieri 1, Viviane

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

DOENÇAS DO QUIABEIRO

DOENÇAS DO QUIABEIRO DOENÇAS DO QUIABEIRO ÍNDICE: A Cultura do Quiabo Doenças Causada por Fungos Oídio (Erysiphe cichoraceaarum de Candolle - Oidium ambrosiae thum.) Cercosporiose (Cercospora malayensis, Cercospora hibiscina)

Leia mais

Potencial de antagonismo de isolados de Trichoderma sp. contra o isolados de Fusarium sp., in vitro

Potencial de antagonismo de isolados de Trichoderma sp. contra o isolados de Fusarium sp., in vitro Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rvads ARTIGO CIENTÍFICO DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i1.3040 Potencial de antagonismo de

Leia mais

Ciências Agrárias SCLEROTIUM ROLFSII EM GIRASSOL (HELIANTHUS ANNUUS L.) PELO USO DE EXTRATOS VEGETAIS E TRICHODERMA SPP

Ciências Agrárias SCLEROTIUM ROLFSII EM GIRASSOL (HELIANTHUS ANNUUS L.) PELO USO DE EXTRATOS VEGETAIS E TRICHODERMA SPP Ciências Agrárias CONTROLE ALTERNATIVO IN VITRO DE SCLEROTIUM ROLFSII EM GIRASSOL (HELIANTHUS ANNUUS L.) PELO USO DE EXTRATOS VEGETAIS E TRICHODERMA SPP Jackson de Lima Araújo 1 Erivanda Silva de Oliveira

Leia mais

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS.

Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Área temática: _2_ GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E TEMPERATURAS. Mateus Cassol Tagliani 1, Katia Christina Zuffellato-Ribas 2 RESUMO: Biodiesel é

Leia mais

Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha

Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha 5 Carlos Pitol Influências das Épocas de Plantio sobre Dirceu Luiz Broch a Produtividade de Híbridos de Milho Safrinha André Luis F. Lourenção 5.. Introdução O zoneamento agrícola para plantio de milho

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

Alternativas para o manejo adequado de percevejos

Alternativas para o manejo adequado de percevejos Alternativas para o manejo adequado de percevejos MSc. José Fernando Jurca Grigolli Pesquisador Fitossanidade Fundação MS 1 O MONITORAMENTO E A IDENTIFICAÇÃO DAS PRAGAS INFLUENCIA DIRETAMENTE A EFICIÊNCIA

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DO EUCALIPTO, NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA MS

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DO EUCALIPTO, NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA MS INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INICIAL DA CULTURA DO EUCALIPTO, NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA MS Dreyfus Martins Bertoli¹ e Adriano da Silva Lopes² ¹ Graduação em Engenharia Florestal, Universidade

Leia mais

Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum

Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum Métodos de condução de populações segregantes para teor de fibra em feijoeiro-comum Vilmar de Araújo PONTES JÚNIOR 1 ; Patrícia Guimarães Santos MELO 2 ; Leonardo Cunha MELO 3 ; Helton Santos PEREIRA 3

Leia mais

Fusarium spp. Este fungo causa uma doença denominada Podridão Seca.

Fusarium spp. Este fungo causa uma doença denominada Podridão Seca. FUNGOS Fusarium spp. Este fungo causa uma doença denominada Podridão Seca. Esta doença se desenvolve em batatas sementes armazenadas. Os tubérculos infectados devem ser descartados. Fusarium spp. Fusarium

Leia mais

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro 20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação ANAIS 21 a 23 de setembro 2016 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 8

Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 8 PROPAGAÇÃO DE DOIS TIPOS DE ESTACAS HERBÁCEAS DO PORTA- ENXERTO DE VIDEIRA PAULSEN 1103 SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDÓLBUTÍRICO. 1 HAMANN, Jonas Janner 2 ; FRONZA, Diniz 3 ; MEYER,

Leia mais

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C.

EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. ;José C. EFEITO NA GERMINAÇÃO E O VIGOR DE SEMENTES DE PIMENTÃO(Capsicum annum L.)EM DIFERENTES TIPOS DE SOLOS TRATADO COM HIDROPLAN. Ronaldo S. Viana ;José C. Lopes Bolsista, CNPq/PIVIC, Universidade Federal do

Leia mais

Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro

Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro 61 Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro Aparecida Gomes de Araujo¹, Milena M. de J. Ribeiro 2, Zilna B. de R. Quirino 3, Ana da S. Lédo 4, Jaci L. Vilanova-Neta

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas

Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em Genótipos de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Patologia, Tamanho de Grão, Poder Germinativo e Teor de Micotoxina em s de Cevada Produzidos em Ambiente Favorável a Doenças de Espigas Maria Imaculada Pontes Moreira Lima 1 ; Euclydes Minella 1 ; Martha

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

Resumo. Abstract. Eng. Agr. Prof. Dr. Departamento de Fitotecnia e Zootecnia UESB. Vitória da Conquista BA Brasil. 3

Resumo. Abstract. Eng. Agr. Prof. Dr. Departamento de Fitotecnia e Zootecnia UESB. Vitória da Conquista BA Brasil. 3 artigos / articles Atividade antagônica in vitro de isolados de Trichoderma spp. ao fungo Phytophthora citrophthora Antagonistic in vitro activity of Trichoderma spp. isolates to the fungi Phytophthora

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Extratos Vegetais na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Zínia (Zinnia elegans)

Extratos Vegetais na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Zínia (Zinnia elegans) Extratos Vegetais na Qualidade Fisiológica e Sanitária de Sementes de Zínia (Zinnia elegans) Plant Extracts in Zinnia Seed Pathology and Germination GIRARDI, Leonita B. 1 lbgirardi@hotmail.com; LAZAROTTO,

Leia mais

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO

AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS INTRODUÇÃO 1 AÇÃO DA DESINFESTAÇÃO DE SUBSTRATOS COMERCIAIS SOBRE A EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE PORTA-ENXERTOS CÍTRICOS SANDRA RIETH 1, WAGNER SOARES², MARINA BACK 3, GIL VICENTE LOUROSA 3, PAULO VITOR DUTRA

Leia mais

Influência de metabólitos decundários de Trichoderma spp. no desenvolvimento de fungos veiculados pelas sementes e na germinação de sementes de Arroz

Influência de metabólitos decundários de Trichoderma spp. no desenvolvimento de fungos veiculados pelas sementes e na germinação de sementes de Arroz Artigo Original DOI:10.5902/2179460X11291 Ciência e Natura, Santa Maria, v. 36 n. 2 mai-ago. 2014, p. 86 91 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: 0100-8307 ISSN on-line:

Leia mais

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Geraldo Magela da Silva (1), Geraldo Antônio Resende Macêdo (2), Édio Luiz da Costa (3), Heloísa Mattana Saturnino (3), Fúlvio Rodriguez

Leia mais

RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO

RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO Orlando Maciel Rodrigues Junior 1 ; Walnice Maria Oliveira do Nascimento 2, Olivia Domingues Ribeiro 1, Juliana

Leia mais

Comunicado150. Metodologia para a caracterização de genótipos de bananeira quanto à resistência ao mal-do- Panamá em casa-devegetação

Comunicado150. Metodologia para a caracterização de genótipos de bananeira quanto à resistência ao mal-do- Panamá em casa-devegetação Comunicado0 Técnico Dezembro, ISSN 809-0X Cruz das Almas, BA 0 Metodologia para a caracterização de genótipos de bananeira quanto à resistência ao mal-do- Panamá em casa-devegetação Miguel Angel Dita Rodriguez

Leia mais

POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE CANOLA (geração F2) PRODUZIDAS NO PARANÁ 1

POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE CANOLA (geração F2) PRODUZIDAS NO PARANÁ 1 POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE CANOLA (geração F2) PRODUZIDAS NO PARANÁ 1 MIGLIORINI, Patricia 2 ; MUNIZ, Marlove 3 ; NOAL, Gisele 2 ; MULLER, Juceli 2 ; POLLET, Camila Schultz 4 ; BASTOS, Bruna

Leia mais

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1

PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 PRODUTOS BIOLÓGICOS NO CONTROLE DE MOFO BRANCO EM DIVERSAS CULTURAS 1 HECKLER, Leise Inês 2 ; SILVA, Gerarda Beatriz Pinto 3 ; SANTOS, Ricardo Feliciano 2 ; SCHEEREN, Laura Engroff 3 ; FÍNGER, Geísa 4

Leia mais

GERMINAÇÃO E SANIDADE DE SEMENTES DE MOGNO (Swietenia. macrophylla King) EM DIFERENTES SUBSTRATOS PROJETO DE PESQUISA

GERMINAÇÃO E SANIDADE DE SEMENTES DE MOGNO (Swietenia. macrophylla King) EM DIFERENTES SUBSTRATOS PROJETO DE PESQUISA GERMINAÇÃO E SANIDADE DE SEMENTES DE MOGNO (Swietenia macrophylla King) EM DIFERENTES SUBSTRATOS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: KLEYSON ALVES DE FREITAS CURSO: AGRONOMIA

Leia mais

MUDAS DE Eucalyptus grandis E Eucalyptus dunni SOB DIFERENTES DOSES DE POLÍMERO HIDRORETENTOR E PERÍODOS DE DÉFICIT HÍDRICO

MUDAS DE Eucalyptus grandis E Eucalyptus dunni SOB DIFERENTES DOSES DE POLÍMERO HIDRORETENTOR E PERÍODOS DE DÉFICIT HÍDRICO MUDAS DE Eucalyptus grandis E Eucalyptus dunni SOB DIFERENTES DOSES DE POLÍMERO HIDRORETENTOR E PERÍODOS DE DÉFICIT HÍDRICO Rafael Talheimer 1, Lucas Fernando Cieslik 2, Edson Roberto Silveira 3*, Luiz

Leia mais

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência UEM - Universidad e Estadual de Maringá DAG - Departamento de Agronomia PGA - Programa de Pós-graduação em Agronomia ISSN 2 238-2 879 Vol. 02 Número - 001 Jul ho 2013 INFORME TÉCNICO PGA-UEM Programa de

Leia mais

ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DOS FRUTOS DE CULTIVARES DE NOGUEIRA-PECÃ CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL 1

ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DOS FRUTOS DE CULTIVARES DE NOGUEIRA-PECÃ CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL 1 ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DOS FRUTOS DE CULTIVARES DE NOGUEIRA-PECÃ CULTIVADAS NO RIO GRANDE DO SUL 1 POLETTO, T. 2 ; LAZAROTTO, M. 3 ; BAGGIOTTO, C. 4 ; MUNIZ, M. F. B. 5 ; POLETTO, I. 6 ; HAMANN, J.

Leia mais

DESEMPENHO DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA PARA INDÚSTRIA EM DOURADOS, MS

DESEMPENHO DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA PARA INDÚSTRIA EM DOURADOS, MS DESEMPENHO DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA PARA INDÚSTRIA EM DOURADOS, MS Marco Antônio Sedrez Rangel 1, Hélio Wilson Lemos de Carvalho 2, Vanderlei da Silva Santos 1, Ivo de Sá Motta 3, Júlio Aparecido Leal

Leia mais

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO)

TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) TEMPO DE COZIMENTO DE RAÍZES DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA DE MESA (Manihot esculenta Crantz) SOB SISTEMA IRRIGADO E DE SEQUEIRO) Rosangela Nascimento da Silva Ribeiro 1 ; Maurício Antônio Coelho Filho 2 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG.

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG. AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI FERNANDA DE CÁSSIA SILVA 1, NEI PEIXOTO 2, MARIA MARTA ANTÔNIA DA SILVA 3, DIANA CRISTINA DA SILVA 3. 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA Adriano dos Santos (1), Neriane de Souza Padilha (2), Valdecir Batista Alves (3), Gessí Ceccon (4) Introdução

Leia mais

FACULDADE VÉRTICE CURSO AGRONOMIA MICROBIOLOGIA DO SOLO TEMAS: BIOTA E AGREGAÇÃO DO SOLO E OS PRINCIPAIS MICROORGANISMOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA

FACULDADE VÉRTICE CURSO AGRONOMIA MICROBIOLOGIA DO SOLO TEMAS: BIOTA E AGREGAÇÃO DO SOLO E OS PRINCIPAIS MICROORGANISMOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA FACULDADE VÉRTICE CURSO AGRONOMIA MICROBIOLOGIA DO SOLO TEMAS: BIOTA E AGREGAÇÃO DO SOLO E OS PRINCIPAIS MICROORGANISMOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA PROFESSORA: MARIA LITA P. CORREA EVOLUÇÃO DO SOLOS Cianob,

Leia mais

Pereira e Erlei MeIo Reis

Pereira e Erlei MeIo Reis 4. Título: Rotação de culturas em Guarapuava. IV. Rendimento de graos do trigo e de outras culturas de inverno e de verão, em semeadura direta de 1984 a 1986 4.1. Pesquisadores: Henrique Pereira dos Santos,

Leia mais

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2

Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 Avaliação de diferentes cultivares de milho (Zea mays) para a produção de minimilho na região Bambuí MG Leonardo Henrique Duarte de Paula 1 ; Rodrigo de Paula Crisóstomo 1 ; Fábio Pereira Dias 2 1 Estudante

Leia mais

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba

Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar do Projeto Jaíba Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Características biométricas de cafeeiro intercalado com diferentes sistemas de produção de abacaxizeiro para agricultura familiar

Leia mais

Potencial antagônico de Trichoderma spp. originários de diferentes agroecossistemas contra Sclerotinia sclerotiorum e Fusarium solani

Potencial antagônico de Trichoderma spp. originários de diferentes agroecossistemas contra Sclerotinia sclerotiorum e Fusarium solani Potencial antagônico de Trichoderma spp. originários de diferentes agroecossistemas contra Sclerotinia sclerotiorum e Fusarium solani Louzada, G.A.S. et al. Biota Neotrop. 2009, 9(3): 145-149. On line

Leia mais

A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico

A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico Francisco Adriano de Souza Embrapa Milho e Sorgo - CNPMS Porque nos devemos zelar pela saúde do solo? 1. Nos

Leia mais

Tamanho de amostra para caracteres de tremoço-branco

Tamanho de amostra para caracteres de tremoço-branco Tamanho de amostra para caracteres de tremoço-branco Cláudia Burin 1 Alberto Cargnelutti Filho André Luis Fick 1 Marcos Toebe 3 Bruna Mendonça Alves 3 Ismael Mario Márcio Neu 4 1 - Introdução Técnicas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 140 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 JULIANE DOSSI SALUM 2, CLAUDEMIR ZUCARELI 3, EDUARDO GAZOLA 4, JOÃO

Leia mais

Murcha de Fusarium em Tomateiro

Murcha de Fusarium em Tomateiro Murcha de Fusarium em Tomateiro Ricardo Borges Pereira Pesquisador Dr. em Fitopatologia Embrapa Hortaliças Gilvaine Ciavareli Lucas Dra. em Fitopatologia Universidade Federal de Lavras Jadir Borges Pinheiro

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

Embrapa Milho e Sorgo. 3 Universidade Estadual de Londrina/Depto de Biologia Geral/CCB CP 6001 CEP

Embrapa Milho e Sorgo. 3 Universidade Estadual de Londrina/Depto de Biologia Geral/CCB CP 6001 CEP Avaliação da Eficiência de Oxitetraciclina no Controle da Mancha Branca do Milho Eliseu S. Pedro 1, Walter F. Meirelles 2 e Luzia D. Paccola-Meirelles 3 1 Acadêmico, UEL-Bolsista Fundação Araucária. eliseupedro@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1

IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1 Página 1108 IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS ASSOCIADOS ÀS SEMENTES DE ALGODOEIRO EMPREGADAS NA REGIÃO DE CHAPADÃO DO SUL 1 Gustavo de Faria Theodoro (UFMS theodoro@nin.ufms.br), André Augusto Chumpati 2 (UFMS),

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS Valéria Cristina Ramalho 1 Denise Andreo 2 Priscila Milene Angelo 3 Neuza Jorge 4 RESUMO Óleos essenciais

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1

GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE PASPALUM NOTATUM FLÜGGE. 1 AGUIAR, A. R. de 2 ; GONÇALVES, C. E. P. 2 ; SILVA, C. M. S. 3 ; AGUIAR, D. 3 ; MACHADO, M. 4 ; KÖPP, M. M. 5; OLIVEIRA, J. C. P. 5 ; SILVA, A. C. F.

Leia mais

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE

COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE COMPORTAMENTO DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE MAMONEIRA IRRIGADOS POR GOTEJAMENTO EM PETROLINA-PE Marcos Antônio Drumond 1, José Barbosa dos Anjos 1, Máira Milani 2, Luiz Balbino Morgado 1, e José Monteiro

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho

Formulário para submissão de trabalho Dados do Trabalho e do (a) Orientador (a) Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: Avaliação de substratos de germinação de rosa (Rosa sp.) variedade arco-íris Nível de Ensino: Graduação

Leia mais

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA

NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA NUTRIÇÃO DA MAMONEIRA CONSORCIADA COM FEIJÃO COMUM EM FUNÇÃO DO PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA Rafael Batista Ferreira 1 (PG)*, Ananda Helena Nunes Cunha 2 (PQ), Itamar Rosa Teixeira 3 (PQ) 1* Eng.

Leia mais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais Conceitos Básicos O que é DOENÇA? Limite entre normal/sadio - anormal/doente doença x injúria física ou química doença x praga (afetam o desenvolvimento) Fatores ambientais - causas de doença DOENÇA Fenômeno

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais