Guia do Revisor. Outubro de Para as mais recentes informações, consulte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do Revisor. Outubro de 2004. Para as mais recentes informações, consulte http://www.microsoft.com/brasil/hiserver."

Transcrição

1 Guia do Revisor Outubro de 2004 Para as mais recentes informações, consulte Sumário Este guia do revisor oferece uma visão geral dos componentes de integração fornecidos pelo Microsoft Host Integration Server Esses componentes permitem a integração de rede, mensagens, dados, aplicativos e segurança de sistemas baseados em host com soluções baseadas no Microsoft Windows e habilitadas para Microsoft.NET Framework. Este documento não é um guia de implantação ou administração para o Host Integration Server O conhecimento de sistemas de host e estratégias de integração é útil para a compreensão dessas informações.

2 As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft Corporation sobre os temas discutidos na data da publicação. Como a Microsoft deve responder às mudanças das condições de mercado, este documento não deve ser interpretado como um compromisso da parte da Microsoft, e a Microsoft não pode assegurar a exatidão de qualquer informação apresentada após a data da publicação. Este Guia do Revisor destina-se a fins informativos apenas. A MICROSOFT NÃO DÁ NENHUMA GARANTIA, EXPRESSA OU IMPLÍCITA, QUANTO ÀS INFORMAÇÕES NESTE DOCUMENTO. Respeitar todas as leis de direitos autorais é responsabilidade do usuário. Sem limitar os direitos sob o direito autoral, nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida, armazenada em, ou inserida em um sistema de recuperação de dados, ou transmitido de qualquer forma ou por qualquer meio (eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outro), ou para qualquer fim, sem a permissão expressa por escrito da Microsoft Corporation. A Microsoft pode possuir patentes, pedidos de patentes, marcas registradas, direitos autorais ou outros direitos de propriedade intelectual cobrindo o assunto deste documento. Exceto quando expressamente declarado em um contrato de licença da Microsoft, o fornecimento deste documento não dá nenhuma licença àquelas patentes, marcas registradas, direitos autorais ou outra propriedade intelectual Microsoft Corporation. Todos os direitos reservados. As empresas, organizações, produtos, nomes de domínio, endereços de , logotipos, pessoas, lugares e eventos usados como exemplos e aqui descritos são fictícios. Nenhuma associação com qualquer produto, nome de domínio, endereço de , logotipo, pessoa, lugar ou evento é intencional ou deve ser considerada como tal. O logotipo do Microsoft, Windows, Windows, Windows Server System, Visual Studio, Active Directory, Win32, Windows Server, Visual C++, Visual C#, Visual Basic, ActiveX, BizTalk e SharePoint e Visual são marcas registradas ou comerciais da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou outros países. Os nomes de empresas e produtos reais aqui mencionados podem ser marcas comerciais de seus respectivos proprietários.

3 Índice Introdução...1 Novos Recursos no Host Integration Server Abordagens para Interoperabilidade de Plataformas...4 Integração de Redes...5 Serviços SNA Abrangentes 5 Ambientes de Host 6 Tipos de Sessão 6 Interfaces de Programação de Aplicativo 7 Configurações Simplificadas de Estações de Trabalho 8 Configurações Simplificadas de Host 8 Opções Flexíveis de Implantação 9 Modelos de Implantação de Gateway SNA 11 Serviço de Link IP-DLC 13 Serviços de TN Serviço de Impressão do Host (Host Print Service) 15 Arquitetura de Serviço da Rede (Network Service Architecture) 16 Administração de Servidor 19 Gerenciador SNA 19 Integração com Aplicativos...23 Projetos de Desenvolvimento 23 Administração 24 Programas em Mainframe 25 Programas em AS/ Melhorias no Modelo de Programação 26 Processamento Iniciado por Host 27 Integração de Dados...28 ADO.NET e.net Framework 29 Acesso a Banco de Dados Relacional 29 SQL Server 31 Acesso ao Arquivo de Registro do Host 33 Transferência de Arquivo do Host 35 Acesso a Fila de Dados AS/ Integração de Mensagens...36 Enviando Mensagens para o MQSeries 36 Recebendo Mensagens do MQSeries 37 Integração de Segurança...38 Sign-on único 38 Melhorias de Segurança Fim a Fim 39 Modelo Flexível de Administração 39 Auditoria 40 Ambiente Distribuído 40 Capacidade de Expansão 40 Sincronização de Senhas 40 SSO Iniciado no Host 41 Armazenamento de Configuração 41 Instalação e Configuração...42 Instalação de Servidor 42 Configuração do Servidor 43 Instalação de Cliente 44 Configuração do Cliente 45 Capacidade de Suporte 45 Seguro na Implantação...51 Acesso a Sistemas Host 51 Criptografia de Dados 53 Microsoft.NET e Windows Server System...54 Microsoft.NET 54 Ferramentas do Desenvolvedor 55 Windows Server System 56 Experiências.NET 56 Conclusão...58

4 Introdução Muitas organizações executam aplicativos de servidor críticos para a missão em sistemas host IBM, tais como computadores de grande porte zseries ou médio porte iseries. Contudo, as organizações usam computadores pessoais junto com aplicativos baseados na Web ou no Windows para soluções cotidianas de produtividade e soluções de gestão de negócios. Elas geralmente consideram as soluções baseadas em Web ou Windows mais fáceis de aprender e mais rápidas de serem implementadas do que aplicações comparáveis baseadas em host. Para preservar seus investimentos em tempo e capital na tecnologia host, as empresas devem ou migrar seus recursos baseados em host para as plataformas Windows, um processo que pode ser oneroso e demorado, ou integrar seus recursos baseados em host com soluções mais eficientes baseadas no Windows ou na Web. A integração de dados e aplicativos baseados em host com aplicativos baseados na Web e no Windows oferece benefícios significativos, incluindo: Preserva o investimento feito na implantação da tecnologia host e de computador pessoal ao mesmo tempo em que tira vantagem de novas arquiteturas e produtos oferecidos para a plataforma do computador pessoal. Permite a implantação rápida de soluções personalizadas, de alto desempenho, usando uma variedade de ferramentas de desenvolvimento baseadas no Windows e potencializando uma grande quantidade de desenvolvedores qualificados que não precisam conhecer ou aprender a programação do host. Reduz os recursos administrativos e as despesas com hardware, diminuindo assim o custo total de propriedade (TCO). Quer as organizações desejem criar data warehouses para melhorar a tomada de decisões, desenvolver aplicativos baseados na Web que realizem transações usando dados baseados e host, ou permitir que usuários incluam em relatórios dados arquivados, o Microsoft Host Integration Server (HIS) 2004 oferece componentes de integração que ajudam a alcançar esses objetivos. Para ajudar seus clientes a alcançarem esses benefícios, a Microsoft lançou o Communication Server 1.0 em 1990, especificamente para lidar com a integração de host. O Microsoft SNA Server 2.0, que veio a seguir, em 1992, permitia que os administradores de sistema enviassem tráfego de rede local (LAN) e de arquitetura de sistemas de rede (SNA) através da mesma infra-estrutura de rede. Desde então, a Microsoft continuou a melhorar o SNA Server baseado nas necessidades do cliente, desenvolvendo-o em um produto complexo e rico em recursos. O Host Integration Server 2004 se baseia nas forças de seus produtos predecessores e oferece uma gama de tecnologias maduras que ajudam as organizações a solucionarem seus desafios de integração de host. Hoje, o Microsoft Host Integration Server 2004, que é parte do Sistema Microsoft Windows Server, oferece as principais tecnologias de capacitação que permitem às empresas integrarem seus aplicativos de host, fontes de dados, sistemas de mensagens e segurança críticos com novas soluções desenvolvidas usando a plataforma Microsoft Windows. Microsoft Host Integration Server

5 Novos Recursos no Host Integration Server 2004 Abordagem da Integração Recurso Inovação Todas Documentação Documentação e exemplos melhorados Todas Segurança Projetado segundo a Trustworthy Computing Initiative (Iniciativa de Computação Confiável) Seguro por Design Seguro por Padrão Seguro na Implantação Integração de Redes Serviços SNA IP-DLC Link Service suportando conexões HPR/IP com IBM Enterprise Extender Integração de Redes Serviço TN3270 Autenticação e Criptografia usando Secure Sockets Layer (SSL) e Transport-Level Services (TLS) Integração de Redes Gerenciador SNA Assistentes de configuração e ferramenta de diagnósticos melhorados Integração de Redes Integração de Aplicativos Integração de Aplicativos Integração de Aplicativos Integração de Aplicativos Integração de Aplicativos Integração de Segurança Integração de Segurança Integração de Dados Integração de Dados Integração de Dados Serviço de Impressão de Host Integrador de Transação Integrador de Transação Integrador de Transação Integrador de Transação Integrador de Transação Enterprise Single Sign-on Enterprise Single Sign-on Provedores de Dados DB2 Provedores de Dados DB2 Provedores de Sistema de Arquivos Suporte para Conversão Arábica de Layout Bidirecional Suporte para.net Framework e Visual Studio.NET (projetos de TI) Suporte para Programas RPG AS/400 Processamento Iniciado no Host Controle da Mensagem de Solicitação de Transação (TRM -Transaction Request Message) CICS do TCP/IP para interoperabilidade com CICS usando TRMs Personalizadas de TCP/IP Suporte de WIP para Ouvinte Aperfeiçoado (Enhanced Listener) CICS através do modelo de programação de ELM (Mensagem de Ouvinte Aperfeiçoado) Conexões WIP Persistentes através de uma rede SNA ou TCP/IP Suporte para Conversão Arábica de Layout Bidirecional SSO Iniciada pelo Host Sincronização de Senha com adaptadores da Proginet Provedor de Dados Gerenciados para DB2 DRDA AR (cliente de protocolo de rede DB2) aperfeiçoado Acesso de SQL Server Data Transformation Services (Serviços de Transformação de Dados de Servidor SQL) a conjuntos de dados VSAM em computador de grande porte Microsoft Host Integration Server

6 Abordagem da Integração Integração de Dados Integração de Dados Integração de Dados Recurso Provedores de Dados DB2 Provedores de Dados DB2 Inovação Transações Distribuídas pelo TCP/IP Esquema Padrão Sign-on único (SNA e IP) Nome de Aplicação do Cliente Múltiplos Resultados de Procedimento Armazenado Qualificador Padrão (CURRENT SQLID) Dados UNICODE Identificadores longos Senhas DB2/400 longas, de caixa alta e baixa e caracteres especiais Suporte de APPC AP_SAME e AP_PGM para autenticação de DB2 já confirmado através do SNA LU6.2 Suporte para Conversão Arábica de Layout Bidirecional Suporte de conjunto de caracteres UNICODE, Byte Duplo e Byte Misto quando acessando DB2 Provedor de dados DB2 para conversões de página de código Chinês Simplificado GB18030 Suporte de provedor de dados DB2 para páginas de Código UNIX Estendido para uso em locais Japonês, Coreano e Chinês Simplificado. Tabela 1. Novos recursos do Host Integration Server 2004 Microsoft Host Integration Server

7 Abordagens para Interoperabilidade de Plataformas Ao analisar produtos de interoperabilidade de plataforma, é útil desmembrá-los em cinco abordagens comuns para integração ou camadas de tecnologia. O Host Integration Server 2004 oferece camadas de tecnologia, permitindo que as organizações integrem suas redes, tecnologias de segurança, mensagens, dados e aplicativos de host com novas soluções baseadas no Sistema Microsoft Windows Server e Microsoft.NET. Componentes de Integração de Rede que permitem que dispositivos e programas SNA componentes se conectem de maneira eficiente com estações de trabalho e servidores baseados no Windows ao longo de redes de Protocolo de Internet (IP) roteáveis. Com o HIS 2004, as empresas podem continuar a consolidar sua infra-estrutura de rede, ao mesmo tempo em que suportam o mesmo nível de serviços e aplicativos compatíveis com SNA. Componentes de Integração de Segurança que proporcionam single sign-on (sign-on único) e sincronização de senhas empresariais para integrar os sistemas de segurança de mainframe IBM, como o IBM Resource Access Control Facility (RACF) ou sistema de segurança de computadores de médio porte IBM (OS/400), com o Microsoft Windows e Active Directory. Isso permite que administradores e desenvolvedores implantem aplicativos SNA em estações de trabalho e servidores baseados no Windows, e publicar dados vitais de host e aplicativos como Web Services XML de maneira mais segura. Componentes de Integração de mensagens que permitem que empresas que tenham se padronizado em mensagens de plataforma cruzada IBM, WebSphereMQ (MQSeries), se integrem eficientemente com soluções baseadas em tecnologia Microsoft Message Queuing (MSMQ). Componentes de Integração de dados que oferecem acesso direto a dados de registro vitais armazenados em sistemas host IBM, a partir de aplicativos de estações de trabalho baseados em Windows ou baseados em servidor. O Host Integration Server 2004 proporciona um abrangente conjunto de provedores de dados para acessar fontes vitais de host, incluindo bancos de dados IBM DB2 e sistemas de arquivos de host. Esses provedores de dados trabalham com padrões da indústria e arquiteturas populares de acesso de dados, inclusive o.net Framework. Componentes de Integração de aplicativos que permitem que desenvolvedores empresariais de Windows publiquem e estendam regras comerciais em aplicativos de mainframe tais como Web Services XML, ao mesmo tempo em que permitem aos desenvolvedores de host acessarem e atualizarem programas de servidor Windows utilizando modelos de programação familiares. Na seção a seguir deste documento exploraremos essas abordagens e os métodos dentro de cada abordagem em maiores detalhes, começando com redes. Microsoft Host Integration Server

8 Integração de Redes Sistemas IBM de host, computadores de grande porte zseries (mainframe) e de médio porte iseries, são projetados para operar dentro da Arquitetura de Rede de Sistemas (SNA - Systems Network Architecture) IBM. A SNA consiste em tipos de dispositivos, tipos de sessões, modelos de comunicações e interfaces de programação de aplicativos patenteados pela IBM. O Host Integration Server 2004 proporciona a administradores e desenvolvedores empresariais serviços e tecnologias de rede para alcançar a SNA eficientemente com redes, modelos de programação e aplicativos Windows. Serviços SNA Abrangentes O método mais popular para conectar redes com protocolos heterogêneos sempre foi inserir um dispositivo de gateway que pudesse converter um protocolo em outro. O Host Integration Server 2004 incorpora os tradicionais serviços de gateway SNA, ao mesmo tempo em que oferece serviços de impressão de host e um completo kit de desenvolvimento de software (SDK software development kit). A conectividade de LAN SNA-PC se encontra no centro da maioria dos projetos de integração das empresas. A Microsoft está comprometida em fornecer às organizações opções eficientes e flexíveis de gateway SNA. O Host Integration Server 2004 se baseia nos recursos de conectividade de rede líderes da indústria do SNA Server para proporcionar às organizações o maior número de opções para conectar sistemas SNA e redes baseadas em PC. Figura 1. O Host Integration Server 2004 proporciona integração de rede eficaz em termos de custo para a empresa moderna. Microsoft Host Integration Server

9 O Host Integration Server 2004 conecta LAN baseadas em PC a sistemas IBM de grande porte zseries e médio porte iseries. Com o Host Integration Server 2004, os usuários com sistemas operacionais de estação de trabalho como o Windows XP e Windows 2000 Professional podem acessar recursos, dados e aplicativos em computadores host. O HIS 2004 permite esse acesso de estação de trabalho sem requerer nenhum protocolo SNA na estação de trabalho, filial ou redes WAN. O HIS 2004 não requer nenhum software não-ibm ou não nativo instalado no sistema do mainframe para suportar acesso por aplicativos que emulem os tipos populares de dispositivo SNA e tipos de unidades lógicas. Ambientes de Host O Host Integration Server 2004 oferece amplo suporte para ambientes de host comuns, inclusive estes: Conectividade SNA, emulação de terminal 3270, serviço de impressão de host e interfaces de programação SNA para computadores de grande porte executando sistemas operacionais IBM z/os, OS/390, MVS, VSE, e VM. Conectividade SNA, emulação de terminal 5250, serviço de impressão de host e interfaces de programação SNA para computadores de médio porte executando sistemas operacionais IBM OS/400, IBM AS/400 Advanced 36 System Support Program. O Host Integration Server 2004 suporta os tipos de host SNA necessários, inclusive sistemas IBM de grande e médio porte, tipos de Unidade Física (PU Physical Unit), e tipos de Unidade Lógica (LU Logical Unit) como demonstrado na Tabela 2. Recursos Capacidades Ambientes de Host Tipos de PU Computadores de grande porte IBM executando z/os, OS/390, MVS, VSE VM Computadores de médio porte IBM executando OS/400 ou IBM AS/400 Advanced 36 System Support Program Nó APPN LEN e nó BrNN, PU2.0, PU2.1, DSPU Tipos de LU LU0, LU1, LU2, LU3, LU6.2 TN3270, TN3287, TN3270E, TN5250 Tabela 2. O Host Integration Server 2004 suporta uma vasta gama de computadores host, e tipos PU e LU. O Host Integration Server 2004 suporta uma Rede Peer-to-Peer Avançada (APPN - Advanced Peer-to-Peer Network) funcionando como um nó de Rede de Entrada Baixa (LEN - Low-Entry Network) ou Nó de Rede Filial (BrNN - Branch Network Node) quando se conecta através do novo Serviço de Link IP-DLC. Link Service. Este nível de suporte de APPN atende os requisitos de um gateway SNA eficiente e permite que o Host Integration Server 2004 participe em um ambiente de APPN. Tipos de Sessão O Host Integration Server 2004 suporta sessões de terminal e impressora de mainframe com LU tipos 0-3. LU 0 é um tipo de dispositivo usado principalmente na área financeira para dar suporte a terminais de caixa e caixas automáticos (ATM) LU tipos 1 e 3 são usados para suporte a programas de emulação de impressora em PCs clientes e servidores, incluindo o Host Print Service do Host Integration Server O LU tipo 2 proporciona suporte de emulação de terminal para programas clientes como o Attachmate EXTRA!, NetManage RUMBA e Cliente 3270 do Host Integration Server O LU 6.2 suporta Comunicações de Programa Aplicativo-a-Programa (APPC - Application Program-to-Program Communications), Microsoft Host Integration Server

10 Programa Comum para Comunicações (CPI-C - Common Program for Communications) e Verbos de Serviço Comuns (CSV- Common Service Verbs). São essas APIs que permitem que programas de transação baseados em cliente e servidor e outros processos se comuniquem com sistemas host, tais como aqueles em execução sob o Sistema de Controle de Informações do Cliente (CICS - Customer Information Control System) e Sistema de Gerenciamento de Informações (IMS - Information Management System). Um exemplo comum de um processo baseado em transação seria um leitor magnético de cartão de crédito num terminal de ponto de venda, como uma caixa registradora baseada em PC, que se comunica a partir de uma filia com um escritório central através de uma conexão do Host Integration Server A validação da situação do crédito do portador do cartão usa a APPC com a API suportando a transação. O Host Integration Server 2004 suporta todos os tipos de sessão do AS/400 nos sistemas operacionais mais populares de estações de trabalho usando LU do tipo 6.2. Alguns emuladores de cliente de estilo mais antigo usam o LU tipo 4 para emulação de impressora e LU tipo 7 para emulação de terminal. Entretanto, o Host Integration Server 2004 e a maioria dos emuladores de cliente, como o EXTRA! e RUMBA, suportam a emulação e impressora padrão 5250 tal como o Host Integration Server 2004 does através de LU tipo 6.2 e APPC. Interfaces de Programação de Aplicativo O Host Integration Server 2004 SDK, incluindo documentação online e exemplos de código fonte proporcionam os meios de se montar soluções completas de APPC, CPI-C, CSV e Unidade Lógica para Aplicativos (LUA - Logical Unit for Applications), assim como produtos complementares para a funcionalidade principal do Host Integration Server A maioria dessas APIs foram discutidas no parágrafo anterior. A LUA é uma API personalizável que permite o desenvolvimento em um nível baixo na pilha do protocolo SNA, na Interface de Usuário de Solicitação (RUI - Request User Interface), ou num nível mais alto, na Interface de Nível de Sessão. Essas APIs são usadas diariamente por grandes organizações institucionais baseando-se em seu legado de aplicativos de bancos e seguros, muitas dos quais, antes do Host Integration Server 2004, haviam confiado em dispositivos de controle especializados, tais como o controlador de série financeira IBM. Um conjunto de APIs suportado não diretamente pelo Host Integration Server 2004 SDK compreende o HLLAPI, EHLLAPI e WinHLLAPI, API de Linguagem de Alto Nível, HLLAPI Expandido e Windows HLLAPI. Geralmente, essas APIs são recursos de emuladores de clientes de terceiros, como o EXTRA! e RUMBA. As APIs do Host Integration Server 2004 obedecem aos padrões abertos propostos e publicados de acordo com as diretrizes da Arquitetura de Serviço Aberto Windows (WOSA - APIs Windows Open Service Architecture), criadas pela indústria. Isso significa que em todos os sistemas operacionais Windows, as APIs do Host Integration Server 2004 são versões da WOSA: WinAPPC, WinCPI-C, e WinCSV. Uma variedade de ISVs (fabricantes independentes de software) contribuiu para os padrões da API SNA da WOSA, entre eles a IBM Corp. e Attachmate Corp. Os fabricantes de emulação de cliente SNA suportam a conectividade do host através do Host Integration Server 2004 pela adaptação de seus produtos para dar suporte à Interface de Gerenciamento de Função (FMI - Function Management Interface) do Host Integration Server 2004 às vezes mencionado como a Especificação de Interface do Emulador (EIS - Emulator Interface Specification). A API do FMI ou EIS 3270 é encapsulada em uma parte do código cliente do Host Integration Server 2004 que a Microsoft licencia para os ISVs sem o pagamento de royalties. O emulador conversa com esse módulo cliente do Host Integration Server 2004 que, por sua vez, se comunica com o Host Integration Server 2004 através de uma conexão cliente/servidor. Quando você usa um emulador 3270 de recursos plenos (ou o Cliente 3270 Microsoft) com Host Integration Server 2004, você está se conectando com o servidor através da FMI. A FMI suporta LU dos tipos 1 a 3. Quando você usa um emulador Microsoft Host Integration Server

11 5250 de recursos plenos (ou o Cliente 5250 Microsoft) com Host Integration Server 2004, está se conectando ao servidor através de APPC. Através de amplo suporte de API nas plataformas populares de computador pessoal e abrangente suporte de protocolo de rede, o Host Integration Server 2004 integra eficazmente sistemas de computador pessoal e de host. Redes podem empregar o Host Integration Server 2004 para proporcionar conectividade por toda a empresa para sistemas distintos, com a consciência de que ele trabalhará com todos os padrões e ambientes necessários. Configurações Simplificadas de Estações de Trabalho O Host Integration Server 2004 reduz a complexidade, aumenta a estabilidade e poupa memória permitindo que você use somente um protocolo na estação de trabalho cliente. Em contraste, ao conectar diretamente, você precisará do protocolo DLC para se conectar ao host, e um protocolo de LAN como o TCP/IP ou IPX/SPX para se conectar ao servidor de arquivos/banco de dados/correio. O Host Integration Server 2004 proporciona administração mais fácil do que soluções de conexão direta. Ao conectar-se diretamente, cada estação de trabalho deve ser configurada individualmente com o endereço de rede do host, nome de LU, e assim por diante. Sempre que há uma alteração no lado do servidor, como o endereço do host na rede, todos os estações de trabalho precisam ser reconfiguradas. Com o Host Integration Server 2004, não há nada para configurar no cliente todas as alterações no host podem ser acompanhadas de maneira centralizada pelo administrador da LAN. O Host Integration Server 2004 permite ao administrador criar perfis de usuários e grupos no servidor que contiver os direitos de acesso a todos os computadores com o Host Integration Server 2004 no subdomínio. Os emuladores compatíveis com o Host Integration Server 2004 podem ser configurados para conectarem-se a um Host Integration Server 2004 sem nenhuma outra configuração além da escolha do protocolo da LAN. Além disso, o Host Integration Server 2004 oferece logon simplificado para recursos validando automaticamente a ID do usuário e senha (usando a solução Enterprise Single Sign-On) aos usuários do Windows. Este recurso opcional funciona automaticamente para conexões IPX/SPX e TCP/IP em sistemas operacionais Win32. Configurações Simplificadas de Host Gateways SNA devem permitir que se façam alterações flexíveis no gateway como exigido sem afetar as configurações do host. Exemplos incluem acrescentar de novos usuários ao gateway, atribuir acesso prioritário a recursos do host para um usuário existente e remover os direitos de um usuário de acessar LUs host. Pooling de Recursos O Host Integration Server 2004 implementa um recurso chamado pooling de LU. Sessões dependentes de LU e pares de sessões de APPC podem ser agrupadas em um conjunto de recursos comuns. A combinação de LU permite que menos recursos do host sejam compartilhados por múltiplos usuários. Quando novos usuários são adicionados a uma organização, podem receber acesso a recursos agrupados no gateway, minimizando assim alterações no host. O Host Integration Server 2004 oferece essas capacidades, e mais, simplificando muito as configurações de host. A combinação de LU maximiza o acesso aos recursos disponíveis através de 3270, LUA ou LUs downstream. Um usuário, aplicativo LUA ou sistema downstream usando o conjunto pode obter acesso de LU contanto que uma das LUs agrupadas esteja disponível. A combinação de LUs é manejada de maneira diferente para LUs de APPC, mas proporciona as mesmas capacidades. A combinação de LUs pode proporcionar uma variedade de benefícios. Conjuntos permitem que grupos de usuários intermitentes usem recursos de maneira eficiente. Por exemplo, 10 usuários de 3270 que precisem de acesso intermitente a Microsoft Host Integration Server

12 mais sessões podem descobrir que um grupo de cinco LUs 3270 é adequado para suas necessidades. Um conjunto de LUs pode abranger múltiplas conexões de host em um único servidor, ou até mesmo múltiplos computadores Host Integration Server 2004 para escalabilidade de nível corporativo. Os recursos reunidos podem receber um nome compartilhado que é em seguida usado em uma configuração simplificada de estação de trabalho. Múltiplos usuários podem receber direitos a esse conjunto de LUs, recursos compartilhados, para simplificar configuração do servidor, e fornecer recursos avançados tais como tolerância a falhas e balanceamento de carga. Usando o Gerenciador SNA (SNA Manager), o administrador pode atribuir facilmente conjuntos de LUs a usuários ou grupos. Isso elimina o tempo que seria necessário para atribuir LUs individualmente. Com o recurso de arrastar e soltar da interface gráfica Windows, montar grupos e atribuir usuários a eles pode ser feito com apenas alguns cliques do mouse. Conexões Sob Demanda Conexões de host sob demanda fornecem os meios para suportar o aumento de carga de usuários, ou ativar conexões de backup automaticamente, alocando recursos adicionais do host quando a necessidade surge. Isso evita que seja necessário manter conexões ativas com sistemas de host quando nenhum tráfego requer a conexão aberta. Isso é especialmente importante em ambientes AS/400 onde o host sonda continuamente as conexões. Unidades Físicas Downstream O Host Integration Server 2004 pode suportar unidades físicas SNA downstream, tais como dispositivos de ponto de vendas. Para o sistema downstream, parece haver uma conexão direta com o host. O Host Integration Server 2004 consegue isso passando informações detalhadas da LU adiante e para trás entre os sistemas downstream e o host. O Host Integration Server 2004 não requer todas as informações habituais de conexão para o host e conexões downstream. A comunicação entre uma conexão downstream e LU downstream no Host Integration Server 2004 é sempre controlada pelo host. Embora o uso de uma conexão de unidade física downstream (DSPU) não ofereça todos os benefícios de uma conexão comum cliente/servidor do Host Integration Server 2004, ainda há benefícios significativos em empregar o Host Integration Server 2004 para clientes DSPU: Uma completa gama de transportes cliente/servidor é suportada para clientes DSPU: IP-DLC, 802.2/DLC em Token Ring ou Ethernet, SDLC, e X.25/QLLC. O Host Integration Server 2004 executa a concentração de PU em vez de passagem de PU. Isso reduz a carga de trabalho de configuração e administração da rede assim como o consumo de memória no host. Clientes DSPU podem compartilhar as conexões de host do Host Integration Server Os clientes DSPU podem ser suportados junto com clientes comuns, permitindo uma coexistência fácil de vários tipos de clientes. A configuração da DSPU reduz os requisitos de configuração do host concentrando as PUs no computador do gateway SNA e passando as LUs para DSPUs anexadas. As LUs de uma ou mais PUs no computador do gateway SNA definidas no gateway podem ser compartilhadas com um ou mais dispositivos downstream. Isso permite um uso mais econômico dos recursos configurados e alivia a necessidade de configurar cada dispositivo downstream no VTAM do host. Opções Flexíveis de Implantação Flexibilidade é um objetivo essencial para a maioria das soluções de estação de trabalho/host e cliente/servidor. Dado o alto grau de mudanças no mundo dos negócios e na indústria da Microsoft Host Integration Server

13 computação, é importante que os gerentes de rede projetem novos sistemas de informação capazes de aceitar softwares atualizados, hardware avançado e novos padrões da indústria conforme necessário. Um gateway SNA eficiente é projetado para ser extensível e pode ser implantado com flexibilidade para tirar proveito da infra-estrutura de rede atual e futura de uma organização. Nesta seção, examinaremos as maneiras como o Host Integration Server 2004 proporciona esta flexibilidade necessária. O Host Integration Server 2004 suporta os tipos de host SNA necessários, inclusive sistemas de grande e médio porte IBM, tipos de PU e tipos de LU, como demonstrado na Tabela 2. O suporte a médio porte IBM é abrangente e inclui os computadores AS/400, Advanced 36, System/36 e System/38. Múltiplas Conexões Simultâneas O Host Integration Server pode suportar até 250 conexões de host, peer (igual) ou DSPU simultâneas. Isso permite que o Host Integration Server 2004 ofereça acesso flexível a programas hierárquicos no mainframe através da tradicional emulação de terminal 3270 e emulação de impressora 32387, assim como a mais moderna programação avançada pontoa-ponto para programas de comunicações. Além disso, isso faz com que o Host Integration Server 2004 seja capaz de oferecer comunicações opcionais TCP/IP-para-SNA com o mais novo computador de médio porte AS/400, assim como com o mais antigo (e SNA apenas) Advanced 36 System Support Program executando em modo de emulação em computadores AS/400. Protocolos de Rede Tipicamente, o Host Integration Server 2004 é conectado ao sistema de grande ou médio porte através de placas Token Ring, Ethernet e FDDI que são instaladas em computadores executando o Windows Server 2003 e Windows 2000 Server, utilizando Controle de Link de Dados (DLC Data Link Control) ou Protocolo de Internet-Controle de Link de Dados (IP-DLC Internet Protocol-Data Link Control). Além disso, o Host Integration Server 2004 oferece suporte para conexões de Controle Síncrono de Link de Dados (SDLC - Synchronous Data Link Control) ou X.25 por linhas discadas ou privadas, bem como conexões de canais bus-and-tag (canais paralelos os periféricos e os mainframes IBM) ou canal de fibra através da Especificação de Interface de Dispositivo SNA (SNADIS - SNA Device Interface Specification), suportada por um grande número de fabricantes independentes de hardware (IHVs). Clientes SNA A Microsoft trabalhou para construir relações fortes com fabricantes independentes que desenvolvem aplicativos de emulação de clientes SNA. Esses fabricantes oferecem produtos que são compatíveis com o Host Integration Server Opcionalmente, o Microsoft Host Integration Server 2004 inclui clientes SNA para uso com computadores de grande e pequeno porte AS/400. O Cliente 3720 e Cliente 5250 do Host Integration Server 2004 oferecem a funcionalidade essencial para administradores e usuários finais quando acessam programas de interface lógica de tela de grande ou pequeno porte. Microsoft Host Integration Server

14 Cliente Recursos Cliente 3270 Emulação do terminal IBM 3178 modelos 2-5 Transferência de arquivos IND$FILE de e para TSO, VM/CMS, CICS Sessões múltiplas Copiar e colar através da Área de Transferência Impressão de tela (Print screen) Suporta coleta de dados IBM NetView RTM Múltiplas páginas de código de host PC internacionais Ajuda on-line Cliente 5250 Emulação dos terminais IBM 5250 Sessões múltiplas Copiar e colar através da Área de Transferência Impressão da tela Barra de ferramentas gráfica Múltiplas páginas de código de host PC internacionais Ajuda on-line Tabela 3. Recursos do Cliente 3720 e Cliente 5250 Microsoft Modelos de Implantação de Gateway SNA O Host Integration Server 2004 suporta modelos tradicionais de implantação baseados em filial ou centralizado. Além disso, o Host Integration Server 2004 oferece um novo modelo de implantação distribuída. O modelo de implantação distribuída é o componente-chave da Arquitetura de Gateway SNA Aberta Microsoft (SOGA - Microsoft SNA Open Gateway Architecture), uma estrutura escalonável para gateways SNA corporativa oferecendo múltiplas opções para integrar filiais através de internetworks roteadas com mainframe IBM e computadores AS/400. Implantação baseada em filial é a maneira tradicional de implantar gateways SNA. Gateways SNA são colocados em filiais e se comunicam com o host utilizando protocolos SNA nativos, diretamente através de linhas privadas SDLC ou rede X.25, ou através de 802.2/DLC, que é canalizada da LAN da filial para o lado centro da LAN através de roteadores, assim como SNA roteável por IP (usando o novo Serviço de Link IP-DLC). Implantação centralizada surgiu recentemente como uma forma atraente de isolar o tráfego SNA para o data center. Gateways SNA são dispostos no data center e conectados ao host usando protocolos SNA nativos ou o novo Serviço de Link IP-DLC (IP-DLC Link Service), oferecendo conectividade Ethernet de gigabyte de alta velocidade. Os gateways SNA centralizados proporcionam serviço split-stack ou TN3270E para computadores locais ou remotos que se conectem aos gateways usando protocolos de LAN populares. Implantação distribuía combina as forças dos modelos baseados em filial e centralizado mesclando os dois. Os gateways SNA baseados em filial conectam-se ao host através de gateways SNA centralizados. O modelo de implantação distribuído confia em um recurso do Host Integration Server 2004 chamado Serviço de Link Distribuído (Distributed Link Service), que permite que computadores do Host Integration Server 2004 sejam implantados em filiais, porém permite que os computadores do Host Integration Server 2004 baseados em filiais se conectem a computadores centralizados do Host Integration Server 2004 usando protocolos TCP/IP ou IPX/SPX nativos. Os computadores Microsoft Host Integration Server

15 centralizados do Host Integration Server 2004 são conectados ao host através do Serviço de Link IP-DLC (IP-DLC Link Service) (usando Ethernet de alta velocidade e gigabyte), anexação de canal direto ou um Token Ring local usando protocolos SNA nativos. Implantação Baseada em Filial Nem todas as organizações estão preparadas para passar para uma única WAN interconectada usando IP-DLC, Comutação de Link de Dados (DLSw - Data Link Switching), Frame Relay ou Modo Assíncrono de Transferência (ATM - Asynchronous Transfer Mode). Por exemplo, muitas organizações têm investido em linhas privadas SDLCou conexões X.25 entre locais remotos e centrais. O Host Integration Server 2004 suporta conexões SDLC e X.25 usando a infra-estrutura SNA existente onde apropriado. Devido à complexidade e custo crescentes, algumas organizações decidem confiar em suas conexões SDLC e X.25 existentes para transações SNA e reservam suas WANs para outros protocolos que suportem diferentes comunicações SNA. As vantagens de uma implantação baseada em filial incluem a redução no tráfego WAN, disponibilidade de servidores de múltiplas funções em filiais e gerenciamento de sessão local. Mais recentemente, este modelo de implantação passou a confiar no SNA por IP padrão da indústria, na forma do HIS 2004 IP-DLC Link Service, que conecta servidores baseados em filial ao mainframe através de IP roteável, ao mesmo tempo em que suporta os tipos de PUs de SNA, tipos de LUs e programas de SNA. Implantação Centralizada Em uma configuração centralizada, o pooling de LUs reduz a quantidade de conexões de host necessárias e faz um uso melhor do tempo de administração do host, que seria, de outra forma, gasto reconfigurando as PUs do host e definições de linha conforme necessário para atender necessidades em constante mudança. Além disso, computadores do Host Integration Server 2004 localizados de forma central são mais fáceis de serem mantidos seguros e gerenciados pelo grupo central de IS (Sistema Internacional). Isso reduz a necessidade de experiência com a SNA no local remoto. Predominantemente, as organizações estão vendo o TCP/IP como seu único protocolo WAN. O Host Integration Server 2004 suporta esse protocolo na maioria das plataformas de cliente. No Host Integration Server 2004, a Microsoft oferece suporte para o padrão da indústria para SNA por IP quando se conecta com computadores IBM de grande porte. Esse padrão é chamado de roteamento de alto desempenho por IP (HPR/IP - high-performance routing over IP) ou Enterprise Extender. Com o novo Serviço de Link IP-DLC, computadores do Host Integration Server 2004 implantados de maneira central pode se conectar com mainframes das séries z800 e z900 através de Token Ring ou Ethernet de gigabyte de alta velocidade usando o suporte incorporado Enterprise Extender em OS/390 e z/os. Implantação Distribuída As vantagens de uma abordagem distribuída sobre uma implantação baseada em filial incluem a eliminação de tempos de espera do 802.2/DLC, redução da largura de banda necessária da WAN e simplificação do gerenciamento da rede de área abrangente. As vantagens de uma abordagem distribuída sobre uma implantação centralizada incluem a melhoria dos tempos de resposta do host para usuários na filial e suporte para o gerenciamento de NetView dos computadores do Host Integration Server 2004 baseados em filial. O modelo de implantação distribuída é composto de computadores Host Integration Server 2004 baseados em filial que se conectam com o host através de múltiplos computadores Host Integration Server 2004 centralizados, balanceando a carga entre os computadores Host Integration Server 2004 do local central no momento da conexão. Caso um computador Host Integration Server 2004 do local central falhe por qualquer motivo, os computadores Host Integration Server 2004 baseados em filial estabelecem automaticamente uma nova conexão Microsoft Host Integration Server

16 através de um computador Host Integration Server 2004 centralizado alternativo proporcionando tolerância a falhas. Como um apoio adicional, os computadores Host Integration Server 2004 baseados em filial podem usar a WAN de SNA tradicional, como SDLC discada, para se conectar ao host a WAN TP/IP falhe.. Como os computadores Host Integration Server 2004 do local central oferecem o equivalente do serviço de passagem de PU para os computadores Host Integration Server 2004 baseados em filial, o operador do host vê cada computador Host Integration Server 2004 baseado em filial como uma única PU e pode gerenciar as filiais através de alertas NetView e RunCmds. Serviço de Link IP-DLC Várias empresas consistem em filiais distribuídas que devem conectar computadores e servidores remotos às mainframes de centros de dados IBM centralizados através de uma rede WAN. Tipicamente, a WAN se baseia em uma rede IP roteável suportada por caros roteadores DLSw, que encapsulam os protocolos patenteados da IBM de SNA em TCP/IP. Esse método tradicional de integrar SNA com IP permite que o centro de dados opere Processadores Front End (FEPs) IBM fixos-funcionais e controladores de cluster para poupar o mainframe de lidar com comunicações de rede não-nativas. Contudo, ao longo dos últimos anos, um novo padrão da indústria surgiu da integração de dispositivos SNA, redes e mainframes com as modernas internets roteadas, baseadas em roteadores que não precisam suportar dispendiosas funções de DLSw. A IBM chama esta solução de Enterprise Extender; a indústria sabe que é SNA por IP, HPR/IP ou SNA-SW Cisco No Host Integration Server 2004, a porção central de integração de rede do produto foi estendida para oferecer um Serviço de Link IP-DLC para permitir que o Host Integration Server 2004 participe em um ambiente Enterprise Extender IBM. Os clientes podem implantar o Host Integration Server 2004 em uma filial, em um local central ou até mesmo dentro de um data center, conectado diretamente ao mainframe através de uma Ethernet de gigabyte eficiente. O Host Integration Server 2004 IP-DLC Link Service requer estes componentes de mainframe host: IBM Communications Server para OS/390 V6 ou posterior IBM OS/390 2R6 (com APAR OW36113) V6 ou posterior Microsoft Host Integration Server

17 Central Location Data Center IBM zseries Mainframe Host Integration Server 2004 Ethernet Backbone Simple Router Wide Area Network Remote Location Branch Office Simple Router Host Integration Server 2004 SQL Server Print Server ` Windows Desktops Local Area Network Figura 2. Rede Enterprise Extender moderna usando o HIS 2004 IP-DLC Link Service O IP-DLC proporciona conectividade de SNA para aplicativos usando sessões dependentes e independentes através de uma rede IP roteável, oferecendo suporte para o protocolo HPR/IP padrão da indústria, que a IBM chama de Enterprise Extender. Usando o IP-DLC, cada pacote SNA é transmitido através da rede IP como um datagrama UDP. O serviço de link IP- DLC é um recurso complementar do nó de protocolo SNA existente. A partir da perspectiva do aplicativo, como um emulador 3270 ou programa WinAPPC, não há nenhuma mudança na funcionalidade. Entretanto, o tráfego de rede SNA a partir de computadores Host Integration Server implantados em filial ou centralmente pode ser roteada através da rede IP diretamente para um sistema de grande porte IBM executando OS/390 V2R10 ou superior e usando OSA ou placa de rede compatível com OSA Express. O Host Integration Server 2004 IP-DLC Link Service permite que organizações de TI corporativo cortem custos consideravelmente. O TI pode retirar FEPs 374x caros anexados, seguir em direção de uma única mídia física (Ethernet de gigabyte) dentro da sala de servidores, e substituir caros e complexos roteadores DLSw, ao mesmo tempo que simplificam sua infra-estrutura geral de rede.. O novo IP-DLC Link Service suporta SNA por IP padrão da indústria para que computadores Host Integration Server 2004 implantados em filial ou centralmente possam se conectar diretamente com mainframes IBM através de redes IP de alta velocidade. As empresas não precisam mais administrar remotamente controladores de cluster de filial, usar roteadores caros com capacidade de DLSw ou manter FEPs dispendiosos. Com o Host Integration Server 2004 as empresas podem continuar a consolidar sua infra-estrutura de rede ao mesmo tempo que suportam o mesmo nível de aplicativos e serviços compatíveis com SNA. Serviços de TN3270 Algumas empresas executam o protocolo TCP/IP no sistema host, e então permitem que todos os usuários executando um emulador TN3270 ou TN5250 se conectem diretamente ao computador host. Nesta situação, o host deve processar os quadros TCP/IP no protocolo SNA nativo do host. Além disso, o computador host pode suportar outros serviços baseados em TCP/IP, tais como transferência de arquivos FTP e impressão LPR/LPD. Executar TCP/IP em um sistema host pode simplificara a rede, mas resulta em uma significativa queda de Microsoft Host Integration Server

18 desempenho. Por causa dos substanciais custos de desempenho do host nesta abordagem, os fabricantes produziram uma quantidade de métodos para eliminar parte ou toda a conversão de protocolo TCP/IP-para-SNA necessária para suportar programas clientes TCP/IP. Um dos métodos para redução de TCP/IP é o gateway SNA. O Integration Server 2004 oferece eliminação completa da conversão de protocolo TCP/IPpara-SNA para clientes TN3270 e TN5250, assim como um pacote de outros serviços baseados em servidor que eliminam a necessidade de executar TCP/IP no computador host. Os dois principais serviços são o TN3270 Service e TN5250 Service. O Host Integration Server 2004 pode funcionar como um conversor de protocolo TCP/IP-para- SNA, suportando emuladores TN3270 e clientes SNA split-stack. O Serviço TN3270 do Host Integration Server 2004 suporta todos os padrões TCP/IP cliente-para-mainframe, inclusive TN3270, TN3287 e TN3270E. Suporte a TN3270. O TN3720, que é especificado no Pedido de Comentário (RFC Request for Comment) 1576, proporciona emulação de terminal LU2 básica. Este suporte básico permite o acesso à maioria dos aplicativos de legado de mainframe. Entretanto, o padrão TN3270 não dispõe de suporte gráfico, acesso à sessão SSCP-LU, funcionalidade chave AID do host completa, e emulação de LU1 ou LU3. Mesmo sem esses recursos de sessão 3270, organizações e fabricantes abraçaram o TN3270. Suporte a TN3270E. Este padrão supera a maioria das fraquezas do TN3270, incluindo impressão de LU1 e LU3. Suporte a TN3287. O TN3287 é um padrão interino (publicado no RFC 1646) nascido da necessidade de se adicionar capacidades de impressão ao protocolo TN3270 original. O protocolo TN3287 acrescenta emulação de impressão LU1 e LU3. Organizações que se padronizaram no TN3287, e investiram tempo e recursos configurando clientes para usar este padrão, podem usar integralmente o serviço TN3287 do Host Integration Server Compatibilidade Cliente Emulador. O Host Integration Server 2004 oferece um único Serviço TN3270E que suporta protocolos TN3270 e TN3287 mais antigos, assim como o mais recente padrão TN3270E. Geralmente, quando um emulador TN solicita uma conexão com o Host Integration Server 2004, negocia quais funções ele suporta. Os emuladores TN3270 devem ser capazes de negociar com servidores TN3270E, mesmo que apenas para informar que não suportam TN3270E. Todavia, alguns emuladores TN3270 são incapazes de negociar adequadamente com servidores TN3270E, fazendo com que o processo de negociação falhe. Por isso, o Host Integration Server 2004 TN3270 Service possui uma opção para tomar como padrão o modo TN3270 e não usar recursos TN3270E. Isso garante que nenhuma falha de negociação de tipo de terminal ocorra. Autenticação e Criptografia O recém adicionado suporte para SSL e TLS permite que o administrador da rede usando o Serviço TN3270 aumente a segurança geral da rede corporativa quando acessa os recursos de terminal do mainframe e impressora, incluindo autenticação do aceso a sessões do mainframe e criptografia de dados entre emulador cliente e servidor TN3270. Embora o Cliente 3270 Microsoft (emulador) não suporte SSL ou TLS, muitos fabricantes de software oferecem emuladores de 3270 que suportam esta funcionalidade. Serviço de Impressão do Host (Host Print Service) O Serviço de Impressão do Host oferece emulação de impressora 3270 e 5250 baseada em servidor, permitindo que aplicativos de mainframe e AS/400 imprimam em qualquer impressora da LAN suportada pelo Windows Server 2003 ou Windows 2000 Server. Organizações não precisam mais instalar, configurar e manter sessões de emulação de Microsoft Host Integration Server

19 impressão no computador de cada usuário. O Serviço de Impressão do Host permite controle centralizado e maior compartilhamento de recursos de LU de impressão limitados. Impressão do Mainframe O Serviço de Impressão do Host suporta sistemas de mainframe através de fluxos de dados de LU1 e LU3, com suporte de passagem para Fluxo de Dados de Impressora Inteligente (IPDS - Intelligent Printer Data Stream). O suporte de passagem de IPDS permite que os usuários enviem tarefas de impressão de mainframe sem alterações para impressoras da LAN sem mudar os aplicativos do host. Impressão de AS/400 A maioria das organizações com computadores AS/400 e PCs conectados por LAN ainda imprimem em sistemas de impressora AS/400. Isso se deve à dificuldade de configurar e a pouca confiabilidade da maioria dos produtos de software de emulação de impressora cliente. O Serviço de Impressão do Host do Host Integration Server 2004 oferece uma alternativa às caras impressoras do sistema AS/400, ao mesmo tempo em que evita os fardos administrativos de soluções de emulação de impressoras de conexão direta. Administração Usando o Gerenciador SNA, o administrador da rede pode gerenciar todos os computadores de Serviço de Impressora do Host localizados em qualquer ponto da rede. O Serviço de Impressora do Host permite que a maioria das propriedades de layout de página seja predefinida no Host Integration Server 2004, tais como aquelas controlando margens, face de tipos de fonte e tamanho a fonte. Essas propriedades são configuradas em uma base de sessão por impressora, permitindo o maior grau de flexibilidade. O Serviço de Impressora do Host suporta impressão para arquivo (print-to-file) com nomes de arquivo de incremento automático. O administrador do Host Integration Server 2004 pode configurar o esquema de nomeação de arquivos a ser utilizado pela LU de cada impressora. Usando Arquivos de Definição de Impressora (PDF - Printer Definition Files), o administrador da rede tem um grande grau de controle sobre a saída impressa. Esta opção proporciona outro meio para definir as tarefas de impressão com precisão para atender as necessidades dos usuários de computadores pessoais e usar melhor as impressoras baseadas na LAN. As empresas podem evitar os custos de administração e licenciamento de software de instalar sessões de emulação de impressora na estação de trabalho de cada usuário usando o Serviço de Impressão do Host. Arquitetura de Serviço da Rede (Network Service Architecture) O Host Integration Server 2004 foi projetado com uma arquitetura modular, consistindo em componentes de servidor e cliente. Componentes do Servidor Os componentes de servidor do Host Integration Server 2004 são executados como serviços no Windows Server 2003 ou Windows 2000 Server, proporcionando funções de conversão de protocolo de rede e comunicações. Esta porção do produto Host Integration Server 2004 contém a principal pilha de protocolo SNA e consiste em 3 componentes chave: SnaServer, SnaBase, e SNADMOD. O serviço SnaBase começa antes de outros serviços do HIS 2004 e fornece funções de localização de recursos para computadores e clientes do Host Integration Server. O SnaBase mantém uma lista de servidores, links, LUs e Programas de Transação (TPs Transaction Programs (TPs) invocáveis). Microsoft Host Integration Server

20 O componente SnaServer é um serviço do Windows que funciona como o mecanismo principal de conversão de protocolo do Host Integration Server 2004, proporcionando emulação de nó SNA PU tipo 2 e 2.1. Além disso, esse componente permite a administração dos serviços da rede pela comunicação de níveis opcionais de alterações de status com outros computadores servidores, clientes e host. Isso permite que os componentes da administração relatem o status de Links, Conexões e Unidades Lógicas. O serviço SnaServer se baseia nos componentes SnaBase e SNADMOD. O componente SNADMOD proporciona comunicações de cliente a servidor e de servidor a servidor. Componentes Clientes Os componentes clientes do Host Integration Server 2004 são executados em computadores com Windows XP Professional e Windows 2000 Professional, permitindo que os usuários acessem e integrem aplicativos de produtividade de estações de trabalho com recursos vitais de host. O software cliente inclui uma variedade de componentes, incluindo: O SnaBase é executado com um serviço ou aplicativo, fornecendo funções de locação de recursos para o cliente. O SnaBase mantém uma lista de servidores, links, LUs e TPs invocáveis disponíveis. O componente SNADMOD oferece comunicações de cliente a servidor. As APIs de SNA permitem que os desenvolvedores corporativos e fabricantes independentes de software implantem aplicativos Windows, inclusive emuladores 3270 e programas personalizados (por exemplo, aplicativos de caixa bancário ou corretor). Escalabilidade Uma as concepções errôneas comuns sobre os gateways SNA é que eles representam um afunilamento e reduzem o desempenho geral de estações de trabalho para host. Um gateway SNA eficiente alcança maiores níveis de desempenho escalando para atender picos de demanda, eliminando assim qualquer possível afunilamento. Existem dois métodos de escalar: horizontal e vertical. A escalabilidade horizontal é atingida quando você implanta múltiplos gateways SNA trabalhando como um grupo para compartilhar e balancear a carga para atender a demanda. A escalabilidade vertical é alcançada quando você implanta um único gateway SNA que pode operar em plataformas de hardware cada vez mais poderosas dependendo da necessidade. Além da escalabilidade, um gateway SNA eficiente proporciona maior desempenho tirando vantagem da arquitetura do sistema operacional subjacente. O Host Integration Server 2004 pode tirar o máximo do poder de processamento potencialmente maior de computadores em que o Windows é executado do que em qualquer computador host ao qual se conecte. Pela eliminação do processamento de comunicações do host, ele libera os ciclos mais dispendiosos da CPU do sistema host. É claro que o desempenho real só pode ser avaliado com precisão pela implantação do Host Integration Server 2004 em seu ambiente de rede. Microsoft Host Integration Server

21 Recurso Sessões de Host por Serviço SNA Capacidade Usuários por Servidor PUs por Servidor 250 Conexões de Host Simultâneas por Servidor 250 Servidor por Grupo 15 (subdomínio) Tabela 4. O Host Integration Server 2004 tira proveito do sistema operacional subjacente para oferecer alta capacidade. Escalabilidade Horizontal O dimensionamento horizontal é atingido pela implantação inteligente de dois ou mais gateways SNA em um grupo. Cada servidor no grupo é parte da equipe maior. O objetivo da equipe é fornecer eficientemente conectividade de alto desempenho para aplicativos baseados em estações de trabalho e servidores. Para alcançar esses altos níveis de desempenho, os gateways devem distribuir uniformemente a carga da sessão através de todos os servidores. Esse balanceamento automaticamente de carga evita o potencial de um servidor ficar sobrecarregado e mais lento ou criar um afunilamento. Além disso, o grupo de servidores deve ser configurado para que um servidor membro auxilie um ou mais outros servidores para proporcionar um alto grau de tolerância à falhas. Os conceitos de balanceamento de carga e tolerância a falhas operam juntos para atingir um maior desempenho assim como maior disponibilidade e confiabilidade. Até 15 computadores do Host Integration Server 2004 podem operar entre si simultaneamente em um subdomínio do Host Integration Server Um número indefinido de subdomínios do Host Integration Server 2004 pode ser implantado em qualquer domínio Windows. Até 15 computadores do Host Integration Server 2004 podem operar juntos entre si para fins de balanceamento de carga. Através da escalabilidade horizontal do Host Integration Server 2004, organizações podem balancear uma carga de sessão maior, o que resulta em melhor desempenho. Até 15 computadores do Host Integration Server 2004 podem operar juntos entre si para fins de tolerância a falhas. Com o Host Integration Server 2004, não há necessidade de configurar servidores de backup dedicados. Todos os computadores Host Integration Server 2004 podem ser configurados para operar em modo duplo como tanto servidores de produção como de backup. Escalabilidade Vertical O dimensionamento vertical é alcançado pela implantação de um único gateway SNA que pode escalar acima para lidar cargas crescentes ao longo do tempo e picos de carga quando exigido. O dimensionamento vertical também pode ser usado com a escala horizontal. Elementos do dimensionamento vertical incluem o software de gateway SNA, sistema operacional subjacente e plataforma de hardware. Cada Host Integration Server 2004 suporta até usuários e um total de até sessões. Cada Host Integration Server 2004 pode suportar simultaneamente até 250 conexões de host ou downstream. Além disso, essas conexões simultâneas podem ser configuradas usando-se até o tamanho máximo de RU de SNA e de pacote de protocolo de LAN. Microsoft Host Integration Server

22 Essas especificações máximas são atingíveis porque o Host Integration Server 2004 usa o sistema operacional Windows, o que proporciona a plataforma ideal para dimensionamento vertical. As capacidades centrais do Windows incluem memória virtual e portabilidade de plataformas de hardware. Isso significa que não há necessidade de fidelidade rígida a fórmulas de uso de RAM porque o Host Integration Server 2004 é projetado para usar memória virtual fornecida pelo sistema operacional. Backup a Quente (Hot Backup) O backup a quente, ou tolerância à falhas, garante que se um computador do gateway SNA falhar, os usuários podem ser conectar através de outro servidor automaticamente. Em qualquer organização, um gateway individual pode ser visto como um único ponto de falha. Para uso crítico à missão, a Microsoft recomenda um mínimo de dois computadores Host Integration Server 2004 para proporcionar tolerância a falhas. Até 15 computadores Host Integration Server 2004 podem ser agrupados para proporcionar backup a quente e balanceamento de carga, permitindo que sessões sejam automaticamente re-roteadas para um gateway de apoio caso o gateway primário ou link do host falhem. Os recursos de backup a quente e balanceamento de carga funcionam tanto para conexões de mainframe e AS/400 e ambos para LUs dependentes e independentes. Balanceamento de Carga O administrador do Host Integration Server 2004 cria grupos de recursos reunindo LUs de duas ou mais conexões, e possivelmente dois ou mais servidores. Usando o pooling de LU, sessões podem ser distribuídas para estações de trabalho de maneira uniforme através de múltiplas conexões de host para balancear a carga. O balanceamento de carga garante maior confiabilidade reduzindo a possibilidade de qualquer gateway SNA individual ficar saturado e oferecer tempos de resposta deficientes. Com o balanceamento de carga e backup a quente, quanto maior a redundância planejada em uma implantação, maior a confiabilidade. Quanto maior a confiabilidade, maior a disponibilidade, e mais dos negócios da organização são realizados de forma oportuna. Administração de Servidor Existem várias interfaces administrativas disponíveis para serem usadas para gerenciar os recursos do Host Integration Server 2004: Microsoft Management Console (MMC) Ferramentas de Script Administração baseada na Instrumentação de Gerenciamento Windows (WMI - Windows Management Instrumentation) Ferramentas de mainframe Gerenciador SNA O MMC é a ferramenta Microsoft padrão para reunir utilitários individuais de gerenciamento de sistemas em conjuntos de ferramentas personalizados que podem ser usados para delegar tarefas e responsabilidades administrativas para administradores individuais. O Host Integration Server 2004 fornece um snap-in MMC do Gerenciador SNA para gerenciar múltiplos servidores individuais ou grupos de servidores (subdomínios). Essa ferramenta oferece flexibilidade na visualização e gerenciamento de subdomínios, computadores, conexões do host, LUs, sessões, usuários e grupo do Host Integration Server O Gerenciador SNA integra a administração de Serviços SNA, Servidor TN3270, Servidor TN5250, e Serviço de Impressão de Host em uma única interface. Microsoft Host Integration Server

23 Figura 3. O Host Integration Server 2004 oferece um snap-in baseado em MMC para administrar configurações de servidor. O Host Integration Server 2004 permite configuração dinâmica de conexões e recursos sem nenhum impacto nos outros serviços sendo executados no computador Windows. Links de host são serviços Windows e podem ser adicionados sem reiniciar o Windows. Outros elementos da configuração podem ser adicionados sem a necessidade de reiniciar os principais Serviços SNA, inclusive atribuir LUs 3270 para usuários ou grupos. O gerenciador SNA oferece assistentes fáceis de usar para completar configurações populares, tais como a emulação de 3270, conexões de AS/400, e segurança do host. Caixas de diálogo simples conduzem o administrador através dos passos necessários para configurar esses recursos populares. As caixas de diálogo ajudam o usuário a mapear parâmetros a partir do gerador de VTAM ou configuração de AS/400 para configurações dentro do Host Integration Server Independentemente de o administrador ter uma formação em LAN ou experiência em trabalhar com sistemas de host, o Host Integration Server 2004 é projetado para facilitar a configuração da conectividade de PC para host. A configuração automática de vários parâmetros do host também poupa tempo e reduz erros de configuração. Microsoft Host Integration Server

24 Figura 4. O Gerenciador SNA oferece assistentes úteis para ajudar o administrador com configurações populares, tais como aquelas necessárias para aplicativos APPC. Além das ferramentas gráficas fornecidas pelo Gerenciador SNA, o Host Integration Server 2004 oferece dois utilitários de linha de comando, LinkCfg e SNACFG. Você pode usar essas interfaces de linha de comando para modificar facilmente uma configuração offline básica sem iniciar a interface gráfica, ou armazenar comandos de configuração em um arquivo de comando, para serem executados no futuro. Você também pode usar a interface da linha de comando SNACFG para imprimir uma versão de texto de sua configuração. Como uma alternativa para o MMC baseado na interface gráfica, o Host Integration Server 2004 também vem com utilitários de linha de comando que podem ser usados para gerenciar qualquer recurso do Host Integration Server O Host de Script do Windows (Windows Scripting Host) é uma poderosa linguagem de script que está disponível por padrão no Windows 2000 Server e Windows Server O acréscimo dessa ferramenta aos utilitários de linha de comando do Host Integration Server 2004 permite ao administrador criar e modificar qualquer recurso do Host Integration Server 2004 a partir de um script em lote (batch script). Usando uma combinação do host de Script do Windows e do utilitário de linha de comando SNACFG, qualquer tarefa de gerenciamento do Host Integration Server 2004 pode ser automatizada e realizada sem recorrer à interface gráfica. O Host Integration Server 2004 também suporta administração usando tecnologia WMI Microsoft. A WMI é uma interface de automação que suporta vários modelos de programação, inclusive Visual C++, Visual C#, Visual Basic, Visual Basic.NET, ASP e ASP.NET. O Microsoft Host Integration Server 2004 oferece recursos aprimorados de gerenciamento para administradores de SNA visualizarem e controlarem seu ambiente do Host Integration Server Usando a WMI, os administradores podem construir suas próprias ferramentas para monitorar, configurar e administrar todos os objetos SNA. Além de se integrar com as ferramentas de gerenciamento Windows Server 2003 e Windows 2000 Server, o Host Integration Server 2004 também se integra com ferramentas populares Microsoft Host Integration Server

25 de gerenciamento de rede baseadas em mainframe tais como IBM NetView. O Windows Server 2003 e os Alertas de Eventos de Log do Windows 2000 podem ser encaminhados até um sistema NetView de mainframe usando o componente NVAlert. Um operador de NetView também pode executar comandos do Host Integration Server 2004 usando o comando NVRunCmd fornecido pelo Host Integration Server Além disso, o Monitor de Tempo de Resposta do NetView (RTM - Response Time Monitor) pode ser usado para capturar informações sobre o tempo de resposta do cliente e enviar os dados de volta ao NetView. Microsoft Host Integration Server

26 Integração com Aplicativos O Host Integration Server 2004 é projetado para ajudar a construir Web Services que possam ser usados dentro de uma Arquitetura Orientada ao Serviço (SOA - Service-Oriented Architecture). A SOA é um estilo de arquitetura que promove simplicidade, expansibilidade e reutilização através da construção de aplicativos unidos de maneira suave. A SOA redefine um aplicativo a partir de um procedimento opaco oculto para uma seqüência de eventos orquestrada que separa os dados de um serviço de seus processos. A SOA não remove as dependências de um aplicativo, mas as reduz. Ela permite que os clientes alcancem maior qualidade em menor tempo. Desenvolvedores e arquitetos corporativos querem avançar para uma SOA usando o.net Framework, mas precisam tirar proveito de investimentos existentes em aplicações de gestão de negócios executadas em sistemas de mainframe e médio porte IBM. O Integrador de Transações (TI Transaction Integrator) do Host Integration Server 2004 (anteriormente chamado COMTI) permite que os desenvolvedores em Windows publiquem e estendam regras de negócios em programas de host de mainframe (CICS e IMS) e médio porte (AS/400) usando Visual Studio.NET. Usando o TI, desenvolvedores corporativos podem publicar Web Services em XML eficientemente sem conhecer rede de SNA. O TI é um conjunto de tecnologias, composto de uma ferramenta de desenvolvimento ferramenta de administração e componentes de tempo de execução que proporcionam uma plataforma para integrar e estender aplicativos de host usando Microsoft Visual Studio.NET 2003 e o.net Framework. Projetos de Desenvolvimento A experiência de desenvolvimento começa dentro do Visual Studio.NET, onde o desenvolvedor adiciona um Projeto de Servidor de Integração de Host a uma solução de Visual Studio. Dentro do Projeto de Servidor de Integração de Host, o desenvolvedor define uma representação de COM ou.net do programa remoto de servidor de host. Microsoft Host Integration Server

27 Figura 5. Sistema de Projeto de TI dentro de uma solução do Visual Studio.NET 2003 Opcionalmente, o desenvolvedor pode criar essa definição de Windows.NET ou COM do aplicativo de host usando um Assistente de Importação de COBOL ou RPG do Host Integration Server. Quando definido, o desenvolvedor persiste na representação.net ou COM do programa host em um conjunto.net ou biblioteca do tipo COM+. O passo seguinte é publicar esse conjunto ou biblioteca de tipo em um contexto de tempo de execução, como um aplicativo ASP.NET ou pacote COM+ usando as ferramentas de administração do TI. Administração A nova ferramenta Gerenciador de TI combina snap-ins de MMC de TI de Processamento Iniciado pelo Windows (WIP - Windows-Initiated Processing) e Processamento Iniciado pelo Host (HIP Host-Initiated Processing) em uma única visualização permitindo aos administradores definir e gerenciar eficientemente aplicativos de componentes WIP e HIP. Administradores usam o novo Gerenciador de TI, que combina snap-ins de MMC de TI de WIP e HIP em uma única visualização, permitindo que os administradores definam e gerenciem eficientemente aplicativos de componentes WIP e HIP. Microsoft Host Integration Server

28 Figura 6. Snap-in Gerenciador de TI dentro de uma janela do Microsoft Management Console Programas em Mainframe O Integrador de Transação suporta modelos populares de programação de host IBM para os seguintes ambientes: CICS IBM para MVS V3R3 ou posterior para suportar uma conexão de rede de LU6.2 de SNA Servidor de Transação CICS IBM para VSE/ESA V2R1 ou posterior para suportar conexão de rede SNA LU6.2 Servidor de Transação CICS IBM para OS/390 Versão 1 ou posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP Servidor de Transação CICS IBM para z/os Versão 2 ou posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP Servidor de Transação CICS IBM para z/os Versão 2 Release 2 ou posterior para suportar um Ouvinte Aprimorado (Enhanced Listener) para conexão de rede TCP/IP IBM IMS Versão 4 para suportar conexão de rede SNA LU6.2 IBM IMS Versão 5 para suportar conexão de rede SNA LU6.2 IBM IMS Versão 6 ou posterior para suportar transações 2PC confiáveis através de uma conexão de rede SNA LU6.2 Microsoft Host Integration Server

29 IBM IMS Versão 6 para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP IBM IMS Versão 7 para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP IBM IMS Versão 8 para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP Programas em AS/400 No Host Integration Server 2004, o TI foi estendido para oferecer suporte para aplicativos AS/400, assim como aplicativos ICS e IMS de mainframe, quando integrados através de uma conexão de rede TCP/IP. O Integrador de Transação usa o método distribuído familiar de chamada remota de programa (RPC - remote program call) para acessar programas em RPG em execução sob o IBM OS/400 Versão 4 Release 1 ou posterior através de uma conexão de rede TCP/IP. Usando o novo suporte para programas AS/400, os desenvolvedores em Windows podem, a partir de um Projeto de TI, importar ou exportar código fonte em RPG. Windows Server 2003 Central Location Data Center Web Client ASP.NET OS/400.NET or Web Service Client WIP Proxy Assembly and TI Metadata.NET Remoting Channel TI Runtime RPE Listener Call Program Server Call Program Account Lookup ` Desktop IIS Host Integration Server 2004 IBM Midrange iseries Figura 7. Integrador de Transação publicando um serviço de XML Web para um programa de gestão de negócios em RPG em AS/400 Melhorias no Modelo de Programação O WIP do TI inclui outros novos recursos que proporcionam maior flexibilidade ao desenvolvedor, incluindo o novo Contexto de Cliente que oferece uma alternativa para Explicit Call Back Security (Segurança Explícita de Chamada de Retorno), ao mesmo tempo em que oferece uma nova opção para substituição de valores padrão (Ambiente Remoto, Nome do Programa, e Nome da Transação). Além disso, o TI de WIP oferece novos modelos de programação para atender melhor aos requisitos dos ambientes de transação CICS e IMS de hoje: Controle da Mensagem de Solicitação de Transação (TRM - Transaction Request Message) do CICS do TCP/IP para interoperabilidade com TRMs Personalizados do TCP/IP Suporte de WIP para Ouvinte Aprimorado do CICS através do modelo de programação da Mensagem de Ouvinte Aprimorado (ELM - Enhanced Listener Message). Microsoft Host Integration Server

30 Conexões Persistentes de WIP através de uma rede de SNA ou TCP/IP O TI permite ao desenvolvedor usar o Enterprise Single Sign-On (sign-on único corporativo) tanto para cenários de Processamento Iniciado pelo Windows como Processamento Iniciado por Host. Processamento Iniciado por Host O HIP de TI é uma nova tecnologia inovadora que permite a um computador do Windows Server funcionar como um peer para mainframe IBM e computadores AS/400. Por exemplo, programadores de CICS podem chamar os componentes de servidor Windows COM+ ou.net, como se fossem outro programa de transação de CICS usando modelos familiares de programação tais como link de programa distribuído (DPL - distributed program link) de CICS. Central Location Data Center Windows Server 2003 CICS HIP Service.NET Server New Loan Application EXEC CICS LINK CICS Inter-System Communications Client Request HIP Metadata HIP Listener Consumer ADO.NET SqlClient 3270 Terminal Loan Officers IBM zseries Mainframe Host Integration Server 2004 SQL Server Figura 8. Programa de transação CICS COBOL de mainframe atualizando um banco de dados Microsoft SQL Server no Windows Server 2003 usando Processamento Iniciado por Host O HIP permite que desenvolvedores produzam soluções assíncronas sem usar middleware como MQSeries. Por exemplo, muitos processos em lotes devem retornar uma resposta para o solicitador na forma de saída em massa, como um relatório terminado. Usando WIP de TI, clientes Windows podem solicitar um relatório que retorna mais tarde a partir do servidor host através de HIP. Além disso, o HIP permite que as empresas movam mais eficientemente porções de sua lógica de aplicativo ou dados para as plataformas Windows Server e SQL Server, mais eficazes em termos de custo, ao mesmo tempo em que asseguram comunicação lógica bidirecional de aplicativos. Microsoft Host Integration Server

31 Integração de Dados O Host Integration Server 2004 fornece acesso a dados estruturados ou não-estruturados armazenados em computadores mainframe ou AS/400 IBM. Esses dados podem ser armazenados em um banco de dados ou sistema de arquivos. Além de acesso aos dados, a camada de Integração de Dados também é responsável por proporcionar serviços de transferência de dados entre estações de trabalho e sistemas de host Windows. A camada de Integração de Dados consiste em componentes que usam software de mainframe e AS/400 existentes. A camada de Integração de Dados pode ser desmembrada nas seguintes categorias: Acesso de banco de dados relacional Acesso a arquivo de registro Transferência de dados Acesso a fila de dados de AS/400 Todos esses serviços utilizam produtos baseados em host IBM que implementam a Arquitetura de Gerenciamento de Dados Distribuídos (DDM - Distributed Data Management). O DDM é uma estrutura ou metodologia para compartilhar e acessar dados entre sistemas. O DDM define o como comunicar e deixa para os fabricantes individuais de plataforma implementar a arquitetura DDM. A IBM atualmente suporta DDM para a maioria das plataformas IBM, incluindo OS/390 (MVS), AS/400, RS/6000 (AIX) e AS/36. Pelo suporte a DDM, desenvolvedores de aplicativos ficam livres de ter de escrever complexas interfaces de comunicações para cada plataforma que precisam suportar. Em vez disso, o DDM lida com essa complexidade em nome do aplicativo. O Host Integration Server 2004 oferece acesso a banco de dados relacional utilizando o subconjunto do DDM Arquitetura de Dados Relacional Distribuída (DRDA - Distributed Relational Data Architecture), acesso não-relacional usando a implementação Entrada/Saída de Nível e Registro (RLIO - Record Level I/O) do DDM, enquanto a transferência de dados e acesso de fila de dados do AS/400 empregam um subconjunto do protocolo RLIO. COM+ ADO and OLE DB Managed ADO.NET Custom Consumers, Office Excel and Access Custom Consumers, COM+, IIS ASP, SQL Server, BizTalk Data Consumers Custom Consumers, Office Excel and InfoPath Custom Consumers,.NET, IIS ASP.NET, SQL Server, BizTalk ODBC, ADO, OLE DB Service Components (MDAC) ADO and OLE DB Service Components (MDAC) Service Components (Pooling, Cursors, Transactions) ADO.NET, System.Data, System.XML (.NET Framework) ADO.NET, System.Data, System.XML (.NET Framework) ODBC Driver for DB2 (HIS 2004) OLE DB Provider for DB2 (HIS 2004) Data Providers Managed Data Provider for DB2 (HIS 2004) DRDA Application Requester (HIS 2004) DRDA Application Requester (HIS 2004) WinAPPC (HIS 2004) TCP/IP WinSock WinAPPC (HIS 2004) TCP/IP WinSock ` ` HIS Client Host Integration Server 2004 HIS Client Host Integration Server 2004 Figura 9. Arquiteturas de Acesso a Dados Microsoft e os Provedores de Dados do HIS 2004 Microsoft Host Integration Server

32 ADO.NET e.net Framework O ADO.NET é uma interface estratégica de nível de aplicativo para fornecer serviços de acesso a dados na plataforma.net Microsoft. Você pode usar ADO.NET para acessar fontes de dados usando os novos provedores de dados do.net Framework. No Microsoft Host Integration Server 2004, a Microsoft oferece um novo Provedor Gerenciado Microsoft para DB2. O ADO.NET é projetado especificamente para aplicativos de Web baseados em mensagem ao mesmo tempo que fornece funcionalidade preferível para outras arquiteturas de aplicativos. Suportando acesso a dados de conexão fraca, o ADO.NET maximiza o compartilhamento de dados reduzindo o número de conexões ativas ao banco de dados reduzindo a possibilidade de vários usos disputarem recursos limitados no servidor de banco de dados.. O ADO.NET oferece várias maneira de acessar dados. Se seu aplicativo de Web ou serviço de Web XML requer acesso de dados a partir de múltiplas fontes, precisa operar em conjunto com outros aplicativos (tanto locais como remotos), ou pode se beneficiar da persistência e transmissão de dados armazenados em cache, o conjunto de dados (dataset) é uma escolha excelente. Como alternativa, o ADO.NET fornece comandos e leitores de dados para se comunicarem diretamente com a fonte de dados. Operações diretas do banco de dados usando comandos e leitores de dados incluem executar consultas e procedimentos armazenados, criando objetos de banco de dados, e realizando atualizações e exclusões diretas usando comandos de DDL. O ADO.NET maximiza o compartilhamento de dados suportando uma persistência e formato de transmissão baseados em XML para o objeto fundamental dos aplicativos de ADO.NET distribuídos: o conjunto de dados. Um conjunto de dados é uma estrutura de dados relacionais que pode ser lidos, gravados ou serializados usando-se XML. Os conjuntos de dados do ADO.NET facilitam construir aplicativos que requeiram intercâmbio de dados de conexão fraca entre camadas de aplicativos e múltiplos websites. Como os conjuntos de dados são remotos como XML, quaisquer dois componentes podem compartilhar dados e usar esquemas XML para definir a estrutura relacional do conjunto de dados. E, como o formato de serialização do conjunto de dados é XML, objetos do conjunto podem passar facilmente através de firewalls sem restrições. Além de carregarem dados a partir de XML, os conjuntos de dados podem ser povoados com, e fazer alterações em dados do Microsoft SQL Server, IBM DB2, e outras fontes de dados expostas através do OLE de DB. Acesso a Banco de Dados Relacional Grande parte dos dados operacionais armazenados em computadores host mainframe e de médio porte é acessada através de um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. O banco de dados mais popular desses sistemas de host é o IBM DB2. No caso do AS/400, o DB2 é integrado com o sistema operacional. Para computadores mainframe, é comum que as organizações implantem múltiplas instâncias do IBM DB2. O que esses sistemas de host têm em comum é que os dados armazenados nesses bancos de dados são acessíveis como tabelas relacionais usando Linguagem de Consulta Estruturada (SQL - Structured Query Language). Isso permite acesso eficiente e padronizado aos dados no sistema DB2 local. Contudo, por muitos anos, não houve nenhum meio comum para acessar dados através de sistemas em computadores DB2 remotos. Para solucionar esse problema, a IBM projetou o DRDA e passou a arquitetura para o Open Group LLC para publicação e futura extensão. O DRDA oferece tanto acesso da Unidade Remota de Trabalho (RUW - Remote Unit of Work) quanto acesso da Unidade Distribuída de Trabalho (DUW - Distribted Unit of Work) aos dados do host. A RUW é usada para somente leitura e simples atualização das tabelas Microsoft Host Integration Server

33 do banco de dados usando instruções em SQL e procedimentos armazenados. A DUW é usada quando as atualizações abrangem várias instâncias do DB2 ou sistemas de computadores e suporta o protocolo confirmação de 2 fases (2PC two-phase commit). O protocolo 2PC garante que alterações em múltiplos bancos de dados terão sucesso ou fracassarão em sua totalidade. Falaremos mais a respeito do 2PC e gerenciamento de transações na seção sobre a Camada de Aplicativo mais adiante neste guia do revisor. Provedores de Dados para o DB2 O Host Integration Server 2004 implementa acesso a DB2 através de 3 recursos: Provedor Gerenciado Microsoft para DB2 Provedor OLE DB Microsoft para DB2 Driver ODBC Microsoft para DB2 O Host Integration Server 2004 oferece um novo cliente de protocolo de rede DB2 ou Solicitador de Aplicativo (AR - Application Requestor) de DRDA (DRDA AR) sobre o qual o ODBC, OLE DB, e Provedor Gerenciado se comunicam com o servidor remoto de DB2. O DRDA AR conecta os provedores de dados Microsoft para DB2 com os seguintes bancos de dados DB2 IBM: IBM DB2 V6 e posterior para OS/390 e z/os para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP IBM DB2 para OS/400 V5R1 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP IBM DB2 para Universal Database V7.1 e posterior para sistemas operacionais Windows e AIX para suportar uma conexão de rede TCP/IP O novo Provedor Gerenciado Microsoft para DB2 é implementado eficientemente para ser executado sobre o novo cliente de protocolo de rede Microsoft projetado e desenvolvido para DB2 (DRDA AR). Figura 10. Provedor Gerenciado Microsoft para DB2 publicando um serviço Web XML para um banco de dados DB2 em mainframe IBM Microsoft Host Integration Server

34 O Provedor OLE DB para DB2 também é implementado para ficar em cima do DRDA AR, e portanto suporta os mesmo sistemas de destino do DB2 e substancialmente os mesmos recursos de acesso do DB2 (por exemplo, SQL dinâmica e procedimentos armazenados, 2PC, conectividade de rede SNA LU6.2 e TCP/IP). Desenvolvedores podem usar Visual C ou Visual C++ para integrar dados de DB2 com aplicativos baseados em Web e Windows. Desenvolvedores de Web (usando linguagens de script como Visual Basic Script) podem usar os Objetos de Dados ActiveX (ADO - ActiveX Data Objects) de alto nível para desenvolver soluções de e-commerce. Além disso, o DB2 é diretamente acessível a partir de aplicativos de produtividade, tais como o Microsoft Office 2003 usando-se Visual Basic for Applications (VBA) e ADO a partir de dentro do Excel. O Driver de ODBC Microsoft para DB2 fornece uma maneira flexível para desenvolvedores usando o API ODBC para criar aplicativos que possam acessar registros de DB2 rápida e eficientemente. O driver suporta interfaces do padrão DRDA Nível 3 ODBC 3.x, e permite que programadores de aplicativo criem aplicações em Visual C e Visual C++ que emitam consultas SQL dinâmicas e chamem procedimentos DB2 armazenados. Com base no cliente de rede DRDA AR para DB2 do Host Integration Server 2004, os provedores de dados do DB2 oferecem os novos recursos seguintes: Transações Distribuídas de DB2 (confirmação de duas fases) por TCP/IP Suporte a DB2OLEDB para múltiplos conjuntos de resultados em chamadas de procedimentos armazenados em DB2 Propriedades adicionais de configuração de DB2 tais como Plataforma DBMS (otimizar conversão de dados por plataformas), Qualificador Padrão (simplificar sintaxe de SQL), e Prefixo Citado (garantir melhor suporte para consumidores genéricos tais como o SQL Server) Suporte para sign-on único Suporte para senhas longas, de caixa alta e baixa e com caracteres especiais do DB2/400 Suporte a APPC AP_SAME e AP_PGM para autenticação de DB2 já verificada através de conexões de rede SNA LU6.2 Pooling de conexões para uso com provedores de dados DB2 que é compatível com cenários 2PC DUW SQL Server Muitas organizações querem melhorar as tomadas de decisões corporativas centralizando os dados que são armazenados em uma variedade de formatos em diferentes locais. Os administradores de bancos de dados podem usar os Serviços de Transformação de Dados (DTS - Data Transformation Services), um recurso do Microsoft SQL Server 2000 e Microsoft SQL Server 7, para importar e exportar dados entre múltiplas fontes heterogêneas usando o Provedor de OLE DB para DB2. Usando essa ferramenta, administradores podem criar um data warehouse usando dados do DB2, e integrar a maior parte de outras fontes de dados acessíveis através de um provedor de OLE DB. O Processador de Consultas Distribuídas (DQP - Distributed Query Processor), outro recurso do Microsoft SQL Server, permite que usuários acessem dados que residem em múltiplos bancos de dados distribuídos por múltiplos servidores. Usando o DQP, administradores e desenvolvedores do SQL Server podem criar consultas vinculadas de servidor que se executam de encontro a múltiploas fontes de dados de back-end com poucas ou nenhuma modificação. O DQP permite a desenvolvedores de aplicativos criar consultas heterogêneas que combinam tabelas no SQL Server com tabelas em DB2. Além disso, o DQP pode ser usado para criar visualizações do SQL Server sobre tabelas de DB2 para que os Microsoft Host Integration Server

35 desenvolvedores possam gravar diretamente no SQL Server e integrar dados tanto baseados em Windows como baseados em host em seus aplicativos com facilidade. Windows Server System Central Location Data Center BizTalk Solution ASP.NET z/os Receive Port (File Transport) Orchestration VB.NET Web Service ADO.NET Managed Provider for DB2 Distributed Data Facility DB2 Dynamic SQL Stored Procedures Tables MessageBox DRDA AR Send Port (SOAP Transport) EntSSO Transport RACF Security Authentication BizTalk Server 2004 Host Integration Server 2004 IBM zseries Mainframe Figure 11. Orquestração do BizTalk Server 2004 de uma solução de pedidos de seguro, baseada em um banco de dados DB2 IBM, usando o Provedor Gerenciado para DB2 Globalização é um foco do lançamento do HIS 2004, incluindo os seguintes aperfeiçoamentos dos provedores de dados para DB2. Suporte de conjunto de caracteres UNICODE, Double-Byte e Mixed-Byte quando acessando o DB2 Suporte a Conversão Arábica de Layout Bidirecional em provedores de dados Suporte a provedor de dados DB2 para conversões de página de código Chinês Simplificado GB Suporte a provedor de dados DB2 para páginas de Código UNIX Estendido para uso em locais Japonês, Coreano e Chinês Simplificado. Administração O Host Integration Server 2004 oferece uma nova Ferramenta de Acesso a Dados (Data Access Tool) central para criar e gerenciar definições de conexão para DB2 e sistemas de arquivos de host e uma ferramenta aperfeiçoada para definir Descrições de Coluna do Host (Host Column Descriptions) usadas para acessar conjuntos de dados do host. Incluído nesta nova ferramenta há um assistente de importação de Conexão DB2 para estabelecer definições de fontes de dados para uso com os provedores de dados DB2 Microsoft. Microsoft Host Integration Server

36 Figura 12. Ferramenta de Acesso a Dados do HIS 2004 Acesso ao Arquivo de Registro do Host Outro rico recurso de informações de legado é a grande quantidade de dados armazenados em arquivos VSAM de mainframe, Conjuntos de Dados Particionados e arquivos de AS/400. O Host Integration Server 2004 suporta os seguintes serviços para acesso a dados de host não-relacionais: O Provedor de OLE DB para AS/400 e VSAM Apoiando-se no cliente DDM projetado e desenvolvido pela Microsoft, o Provedor de OLE DB para AS/400 e VSAM pode acessar esses sistemas de arquivos de host. Gerenciador de Arquivos Distribuídos IBM (DFM - Distributed File Manager) V1R2 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 (o DFM é um componente do Subsistema de Gerenciamento de Armazenamento de Recurso de Dados IBM (DFSMS IBM Data Facility Storage Management Subsystem) para MVS, OS/390 e z/os) IBM OS/400 V5R1 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6. ou TCP/IP IBM AS/400 Advanced 36 SSP (System Support Program) Release 7.5 para suportar uma conexão de rede SNA LU6. Microsoft Host Integration Server

37 Figura 13. Provedor de OLE DB Microsoft para AS/400 e VSAM publicando um Serviço de Web XML para um sistema de arquivos host de mainframe IBM Arquivos de Descrição de Coluna do Host O Provedor de OLE DB para AS/400 suporta acesso de nível de registro para arquivos físicos acessados por chave ou não com descrições de registro externas, assim como arquivos lógicos com descrições lógicas externas. Além disso, o provedor pode usar um arquivo opcional de Descrição de Coluna do Host (HCD - Host Column Description) para descrever o formato do arquivo de destino, mapeando os tipos de dados OLE DB, permitindo que o desenvolvedor acesse arquivos de dados simples e arquivos de origem do AS/400. O Provedor OLE DB para Método de Acesso de Armazenamento Virtual (VSAM - Virtual Storage Access Method), que se baseia nos arquivos de HCD para definir os metadados do conjunto ou membro de dados de destino, fornece acesso à maioria dos tipos de arquivos de VSAM baseados em mainframe. Conjuntos de dados de Método de Acesso Seqüencial (SAM - Sequential Access Method) (BSAM e QSAM) Conjuntos de dados de VSAM (ESDS, KSDS, RRDS, VRRDS, Índices Alternativos para ESDS e KSDS) Conjuntos de dados de Método de Acesso Básico Particionado (Basic Partitioned Access Method) (PDS e membros PDSE) Usando o Visual Studio, desenvolvedores podem construir aplicativos de Web dinâmicos que integram fontes de dados com dados de Windows, permitindo que profissionais do conhecimento publiquem informações necessárias para uso dos chefes de informática de suas organizações. SQL Server O Provedor de OLE DB para AS/400 e VSAM Microsoft do Host Integration Server 2004 também foi aprimorado para fornecer suporte para leitura/gravação de arquivos de AS/36, suporte para índices de chaves compostas, e acesso a conjuntos de dados do VSAM a partir dos DTS do SQL. Microsoft Host Integration Server

38 Transferência de Arquivo do Host O Controle ActiveX de Transferência de Arquivo do Host permite que os desenvolvedores movam arquivos entre um sistema de host e um computador local baseado no Windows. O Host Integration Server 2004 oferece este serviço através de um único Controle ActiveX. Isso estende a capacidade do aplicativo cliente de desempenhar operações de transferência de arquivos a partir de um grande número de ambientes de desenvolvimento de cliente. Usando arquivos de HCD, a Transferência de Arquivo do Host pode acessar os mesmos tipo de conjuntos de dados do mainframe que o Provedor de OLE DB para VSAM, porém é otimizado para fazer download ou upload de conteúdos inteiros do conjunto ou membro de dados. Baseado em um cliente DDM Microsoft integrado, o recurso Transferência de Dados do Host pode acessar esses sistemas de arquivos de host: IBM DFM V1R2 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 (o DFM é um componente do DFSMS IBM para MVS, OS/390 e z/os) IBM OS/400 V5R1 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2 ou TCP/IP Acesso a Fila de Dados AS/400 Filas de Dados AS/400 são usadas em um computador da série AS/400 para enviar registros de dados entre programas em execução separada. Múltiplos programas clientes de AS/400 podem enviar registros de dados para um único programa de servidor sendo executado em um computador da série AS/400. Alternativamente, um único programa cliente pode enviar registros para uma Fila de Dados AS/400, e múltiplos programas de servidor podem extrair os registros e processar os dados em paralelo. Esse recurso se mostrou tão útil no desenvolvimento de aplicativos do AS/400 que a IBM estendeu o uso de Filas de Dados AS/400 para estações de trabalho de computadores. O Host Integration Server 2004 permite que aplicativos 32 bits Windows acessem filas de através do Controle de Automação COM de Fila de Dados do AS/400 (AS/400 Data Queue COM Automation Control). O Host Integration Server 2004 permite que os desenvolvedores acessem filas de dados AS/400 a partir de um computador executando Windows, para que possam mover parte ou todos os seus aplicativos de AS/400 de um computador AS/400 para uma plataforma de computador pessoal e ainda usar o programa baseado em PC para acessar uma fila de dados remota no AS/400. O controle ActiveX usa um cliente DDM integrado que suporta extensões para o protocolo entrada/saída de nível de registro para acessar IBM OS/400 V5R1 e posterior para suportar uma conexão de rede SNA LU6.2. Microsoft Host Integration Server

39 Integração de Mensagens A tecnologia MSMQ permite que aplicativos sendo executados em horários diferentes se comuniquem através de redes e sistemas heterogêneos que possam estar temporariamente offline. Aplicativos enviam mensagens para filas e lêem mensagens de filas. O MSMQ proporciona entrega garantida da mensagem, roteamento eficiente e mensagens com base em prioridade. Pode ser usado para implementar soluções tanto para cenários de mensagens síncronas como assíncronas. Algumas empresas utilizam o IBM WebSphere/MQ (MQSeries) para mensagens entre plataformas. Contudo, dados as eficiências e suporte de sistema operacional para MSMQ no Windows Server 2003, muitos desenvolvedores corporativos procuram usar o MSMQ em Windows enquanto utilizam o MQSeries em plataformas não-windows. Isso cria uma necessidade por uma ponte eficiente, fácil de implementar e administrar. O Microsoft Host Integration Server 2004 oferece esta Ponte, o MSMQ-to-MQSeries Bridge, para satisfazer esse requisito dos clientes. Figura 14. Enviando mensagens para o MQSeries usando a Ponte do HIS 2004 Enviando Mensagens para o MQSeries Para enviar uma mensagem do MSMQ para o MQSeries, você deve definir um computador MSMQ externo representando o Gerenciador de Filas do MQSeries, e a fila de destino do MQSeries já deve existir. Esse processo de mensagem funciona da seguinte forma: Um aplicativo MSMQ envia uma chamada de API MQCreateQueue() do MSMQ para criar uma fila externa, localizada no computador externo e representando a fila de destino do MQSeries. Alternativamente, você pode criar a fila externa usando o MSMQ, e no Windows 2000 a fila externa é uma parte de Gerenciar Usuários e Computadores. O aplicativo chama MQOpenQueue() para abrir a fila externa. Microsoft Host Integration Server

40 O aplicativo chama MQSendMessage() para enviar uma mensagem para a fila externa. O MSMQ roteia a mensagem e a armazena temporariamente em uma fila de conector MSMQ. A MSMQ-MQSeries Bridge apanha a mensagem na fila do conector e converte suas propriedades na estrutura de mensagem do MQSeries. A MSMQ-MQSeries Bridge roteia a mensagem para a fila de destino do MQSeries. Um aplicativo do MQSeries envia uma API MQGET() do MQSeries para receber a mensagem da fila do MQSeries. Figura 15. Recebendo mensagens do MQSeries usando a Ponte do HIS 2004 Recebendo Mensagens do MQSeries O caminho para enviar uma mensagem do MQSeries para o MSMQ é basicamente o inverso do MSMQ para o MQSeries, com algumas diferenças. Você deve definir nomes alternativos apropriados do MQSeries, filas de transmissão e canais para a fila de destino do MSMQ e/ou o Servidor do MSMQ, e a fila de destino do MSMQ já deve existir. O processo de mensagens funciona assim: Um aplicativo do MQSeries emite uma chamada de API MQOPEN() para uma fila remota representando a fila de destino do MSMQ. O aplicativo MQSeries chama MQPUT() para enviar uma mensagem para a fila remota. O MQSeries transmite a mensagem e a armazena temporariamente em uma fila de transmissão do MQSeries localizada no Gerenciador de Fila do MQSeries. A MSMQ-MQSeries Bridge apanha a mensagem da fila de transmissão e converte sua estrutura em propriedades de mensagem do MSMQ. A MSMQ-MQSeries Bridge transmite a mensagem para a fila de destino do MSMQ. Um aplicativo do MSMQ emite uma chamada de API MQReceiveMessage() do MSMQ para receber a mensagem da fila do MSMQ. Microsoft Host Integration Server

41 Integração de Segurança Um grande problema dentro de muitas empresas é a integração e gerenciamento de sistema de segurança entre plataformas. Tipicamente, aplicativos de mainframe e/ou AS/400 também podem ter suas próprias contas de usuário e senhas. Após um tempo, os usuários começam a esquecer essas múltiplas senhas e começam a anotá-las e mantê-las em locais pouco seguros. Isso contraria o propósito de haver senhas. Se uma comunidade de usuários falha no manejo de credenciais de logon de mainframe ou computadores de médio porte IBM, essa situação pode comprometer recursos de computação vitais para a empresa. A solução proposta pela indústria é que a Tecnologia da Informação busque uma estratégia de Gerenciamento Federado de Identidade (IdM - Federated Identity Management). Um componente de tal estratégia é o mapeamento de contas para fins de oferecer Sign-on único (Single Sign-On - SSO) a usuários finais e desenvolvedores de aplicativos. Uma implementação estendida da Autenticação Windows no Host Integration Server 2004 chamada Enterprise Single Sign-On (EntSSO) oferece aos administradores um meio de mapear contas eficientemente no Windows Active Directory e sistemas e aplicativos IBM. Isso inclui associações 1-a-1 e grupo-a-1. Baseado em um mecanismo seguro de ticketing, os componentes de integração do Host Integration Server 2004 podem chamar serviços de EntSSO para obter credenciais externas. Sign-on único O Host Integration Server 2004 integra aplicativos baseados em Windows com sistemas e aplicativos de mainframe e computadores de médio porte (AS/400) IBM de maneira contínua. Os componentes do Host Integration Server 2004 se integram com serviços de SSO oferecendo aos usuários finais uma experiência de sign-on único quando acessam aplicativos não baseados em Windows em mainframes e sistemas AS/400. Similarmente adaptadores back-end BizTalk Server como SAP, PeopleSoft, Siebel, UNIX, e outros são integrados com esses serviços de SSO para proporcionar uma experiência de SSO aos usuários finais. Adaptadores front-end BizTalk como HTTP e SOAP (Web Services) do BizTalk Server integram-se com o SSO para possibilitar isso. O Sign-on único através do Enterprise SSO também está disponível para usuários finais acessando partes da Web em Servidor de Portal SharePoint para situações em que é integrado com o BizTalk Server 2004 através do adaptador de Web Services. Isso permite que usuários de portal acessem aplicativos não baseados em Windows sem serem solicitados a fornecer credenciais não-windows, permitindo assim uma solução EAI ponto a ponto para o usuário final com sign-on único. Depois que os usuários finais são autenticados no domínio Windows, não precisam mais fornecer credenciais para acessar aplicativos de back-end diversos. Sistemas de Host IBM Componentes do Enterprise Single Sign-On trabalham com esses sistemas de segurança de host: IBM RACF (Resource Access Control Facility) para z/os, OS/390 e MVS Computer Associates etrust CA-ACF2 Security para z/os e OS/390 Computer Associates etrust CA-Top Secret Security para z/os e OS/390 IBM OS/400 V4R2 ou posterior A sincronização de senhas requer software da Proginet Corp. O EntSSO ajuda você a seguir para um Gerenciamento Federado de Identidade ao mesmo tempo que melhora a segurança de acesso a ativos do host. O EntSSO ajuda a assegurar que as credenciais estejam armazenadas em segurança na plataforma Windows, enquanto Microsoft Host Integration Server

42 ajuda a reduzir a complexidade e custos do gerenciamento de um sistema de segurança empresarial. Melhorias de Segurança Fim a Fim Os Serviços de SSO fornecem um conjunto de serviços de segurança para armazenar e passar credenciais criptografadas de usuários através de limites locais de rede. As credenciais são sempre armazenadas criptografadas na memória de dados de credenciais. Como os serviços de SSO fornecem uma solução genérica, aplicativos de computadores de médio porte e adaptadores personalizados não precisam inventar seus próprios mecanismos para armazenar credenciais seguramente. Usuários finais não precisam se lembrar de múltiplos conjuntos de credenciais. Ao invés de usar uma única conta para se registrar em um sistema de back-end, aplicativos de computadores de médio porte agora podem se conectar aos aplicativos de back-end como o usuário individual que iniciou a solicitação original. Todo o acesso aos dados de credenciais armazenados através dos serviços de SSO requer a autoridade apropriada que é definida no sistema do SSO. Figura 16. O Enterprise Single Sign-On fornece as fundações para uma solução de Gerenciamento Federado de Identidade quando usado com o BizTalk Server 2004 e Host Integration Server Modelo Flexível de Administração O modelo de administração se baseia em contas do grupo Windows definidas no Sistema do SSO. A principal operação relativa à administração é representar a plataforma/aplicativo/negócios de back-end dentro do sistema do SSO. Isso é chamado de aplicativo afiliado. Um aplicativo afiliado pode representar um mainframe ou sistema UNIX como um todo. Pode representar SAP sendo executado em UNIX, ou pode ser mais granular Microsoft Host Integration Server

43 e representar uma atividade comercial como Recibo de pagamento ou Benefícios no SAP. Um ou mais administradores podem receber acesso para gerenciar somente um aplicativo sem, ter acesso a nenhum outro. Cada aplicativo afiliado possui múltiplos mapeamentos de usuários, por exemplo, usuários no Active Directory são mapeados em suas credenciais de RACF correspondentes. Também hás recursos disponíveis como habilitar e desabilitar todo o Sistema do SSO, ou um Aplicativo Afiliado, ou, até mesmo um mapeamento individual de usuário. Auditoria Auditoria é crítico em um ambiente seguro para se rastrear todas as informações. Todas as operações realizadas no banco de dados de credenciais são examinadas pelos Serviços de SSO. Isso é executado usando-se logs de eventos e criando-se logs de auditoria no próprio banco de dados. Os administradores podem determinar o nível positivo e negativo de auditoria que se enquadre em suas políticas corporativas no Sistema do SSO. Ambiente Distribuído A camada de Serviços de SSO representada no diagrama anterior consiste em um ou mais computadores trabalhando com um banco de dados centralizado do SQL Server. Todas as alterações e atualizações são feitas no banco de dados centralizado por componentes de administração do SSO. Todos os Servidores de SSO apanhas essas alterações no banco de dados centralizado. Um Servidor de SSO pode estar localizado em Tóquio enquanto o outro pode estar em Chicago. Como o SQL Server está sendo usado, recursos do SQL Server como clustering de failover e backup do banco de dados podem ser utilizados. Capacidade de Expansão Os Serviços de SSO oferecem um modelo extensível de objeto para permitir a integração dos Adaptadores de BizTalk Server com o SSO. Isso permite que os ISVs do BizTalk Server integrem seus adaptadores com os Serviços de SSO, estendendo assim a solução para centenas de aplicativos de back-end. Outros aplicativos personalizados podem ser integrados com esses serviços de SSO para se alcançar sign-on único. Sincronização de Senhas Outro componente de um IdM prudente é o gerenciamento de senhas. O EntSSO fornece a infra-estrutura básica que, junto com produtos de software de terceiros, fornece uma solução de gerenciamento de senhas mais segura. Isso inclui sincronização de senhas Iniciada pelo Windows e Iniciada por Host. Combinado com o SSO, a sincronização de senhas pode ajudar a TI corporativa a seguir na direção do Gerenciamento Federado de Identidade. No Host Integration Server 2004, o Enterprise SSO foi estendido para suportar sincronização unidirecional ou bidirecional de senhas. Como o banco de dados de credenciais do SSO contém mapeamentos de usuários que mapeiam Domínio do Windows\Id de usuário para id de usuário não-windows e senha não-windows, a sincronização de senha permite que os serviços de SSO mantenham a senha não-windows no banco de dados de credenciais sincronizada quando um usuário ou administrador a altera. O administrador tem três opções para configurar a sincronização de senha: Sincronização Total de Senha Não-Windows para Windows. Mesma senha para usuário no Active Directory e sistema não-windows Sincronização Parcial de Senha Não-Windows para Windows. Senha diferente para usuário no Active Directory e sistema não-windows Microsoft Host Integration Server

44 Sincronização Total de Senha Windows para Não-Windows. Mesma senha para usuário no Active Directory e sistema não-windows O Enterprise SSO fornece APIs de Sincronização de Senhas para permitir que fabricantes de adaptadores de Sincronizadores de Senhas desenvolvam adaptadores que se integrem com os Serviços de SSO. Esses adaptadores de sincronização de senhas podem capturar senhas de usuários a partir de sistemas não-windows e passá-las para Serviços de SSO, ou podem receber alterações de senha a partir dos Serviços de SSO para fazer a alteração da senha no diretório do usuário no sistema não-windows, ou realizar as duas operações. SSO Iniciado no Host No Host Integration Server 2004, o Enterprise SSO foi estendido para suportar SSO iniciado por host além do SSO iniciado pelo Windows fornecido em versões anteriores. O SSO iniciado por host é o contrário do SSO iniciado pelo Windows, o que quer dizer que o usuário final inicia a solicitação a partir de um sistema não-windows (por exemplo, um aplicativo de CICS em um mainframe) para acessar um recurso do Windows (por exemplo, o banco de dados do SQL). Usuários não-windows precisarão usar suas contas correspondentes do Active Directory para acessar recursos do Windows porque estes somente podem ser acessados por usuários autenticados pelo Windows. O Host Integration Server 2004 permite que a solicitação do SSO seja iniciada a partir de qualquer direção. Armazenamento de Configuração Os serviços do Enterprise Single Sign-On podem ser aproveitados para armazenar informações adicionais que devem ser tratadas com segurança ao mesmo tempo que são mantidas prontamente disponíveis em um sistema distribuído. Por exemplo, o BizTalk Server 2004 usa serviços de Enterprise Single Sign-On para armazenar informações personalizadas de configuração dos adaptadores. No Host Integration Server 2004, adaptadores de sincronização de senha desenvolvidos por terceiros armazenam suas informações de configuração no banco de dados de credenciais do SSO usando este recurso do Enterprise SSO. Microsoft Host Integration Server

45 Instalação e Configuração O produto Host Integration Server 2004 é projetado para tornar facílimo instalar, configurar, gerenciar e usar componentes de servidor e de cliente. O benefício pode reduzir significativamente os custos de treinamento e suporte. O Host Integration Server 2004 usa o mais recente em projeto de interface do usuário e testes de usabilidade para tornar as tarefas de administração o mais fácil possível. Instalação de Servidor A instalação de servidor do Host Integration Server 2004 permite que o administrador especifique os componentes que precisam ser instalados e a função que o servidor desempenhará, como servidor de configuração primário ou de backup. A instalação de servidor pode ser executada segundo vários métodos: Pasta de sistema de arquivos local Ponto de compartilhamento de rede Instalação sem supervisão Servidor de Gerenciamento de Sistemas O método padrão para instalação do Host Integration Server 2004 é a partir de uma pasta de sistema de arquivos local. Esse tipo de instalação é executado no servidor, e o instalador deve responder a todas as mensagens de prompt. Microsoft Windows Installer A instalação do Host Integration Server 2004 se baseia na tecnologia Microsoft Windows Installer (MSI) e oferece ao usuário um programa gráfico de instalação Windows familiar que leva o usuário através dos passos necessários para instalar o produto e configurar os serviços principais. O programa de instalação do Host Integration Server 2004 foi redesenhado para oferecer uma interface similar à de outros processos comerciais e aplicativos de integração Windows, tais como o BizTalk Server O programa de instalação do Host Integration Server 2004 executa sua função em cima do SNA Server 4.0 e Host Integration Server 2000, atualizando automaticamente essas versões para o Host Integration Server Microsoft Host Integration Server

46 Figura 17. O Host Integration Server 2004 oferece um programa de instalação Microsoft Windows Installer que permite ao administrador escolher os recursos mais apropriados Alternativamente, os arquivos de instalação podem ser localizados em um ponto de compartilhamento de rede. O instalador ainda precisa responder a todas as perguntas durante o processo de instalação. O Host Integration Server 2004 também suporta um processo de instalação sem supervisão. Este processo usa arquivos de resposta que eliminam a necessidade da presença do instalador durante a instalação completa. Os instaladores ainda precisam estar presentes para iniciar o processo, entretanto. Este tipo de instalação deve ser feito a partir de um ponto de compartilhamento de rede ou discos, porque requer que os arquivos de instalação sejam personalizados. Depois que o processo é iniciado, o instalador pode se ausentar. Com o Microsoft SMS (Systems Management Server), o administrador não precisa ir até o servidor para iniciar a instalação do Host Integration Server O Servidor de Gerenciamento de Sistemas pode ser usado para mandar a instalação e configuração do servidor para um servidor de destino. Configuração do Servidor Depois que o servidor é instalado, deve ser configurado. O processo de configuração é usado para definir todos os serviços de encadeamento (link), tipos de conexões, LUs, e pools de LUs. Ele também é usado para definir grupos de usuários e estações de trabalho clientes e Microsoft Host Integration Server

47 alocar recursos a eles. Recursos podem ser alocados globalmente a todos ou especificamente para um usuário, grupo ou, até mesmo, uma única estação de trabalho. O acesso a recursos também pode ser concedido em diferentes níveis de granularidade tais como um subdomínio, servidor específico, pools de LU, ou LUs específicas. Figura 18. O Assistente de Configuração do Host Integration Server Instalação de Cliente O cliente do Host Integration Server 2004 tem três partes nem todas das quais precisando ser instaladas. As três partes incluem o cliente Base, suporte a API, e recursos como provedores de OLE DB e clientes 3270 e A maioria dos emuladores de terceiros requerem somente a instalação do cliente Base. Quando da instalação do cliente do Host Integration Server 2004, o instalador pode especificar os componentes que precisam ser instalados, selecionar os protocolos de cliente/servidor que o cliente usa para se comunicar com o servidor, e definir como o cliente localizará um servidor na rede. Os métodos usados para instalar um cliente são similares aos usados para instalar um servidor: Pasta de sistema de arquivos local Ponto de compartilhamento de rede Instalação sem supervisão SMS Microsoft Host Integration Server

48 Os dois primeiros métodos são essencialmente iguais. Como no caso da instalação de servidor do Host Integration Server 2004, um arquivo de respostas pode ser usado par simplificar o processo de instalação. Configuração do Cliente Depois que o cliente é instalado, deve ser configurado. Essa configuração normalmente é limitada a especificar como o cliente vai encontrar um servidor responsável quando se conectar. As opções são fazer o cliente transmitir uma solicitação para todo o subdomínio, ou para dirigir sua solicitação a um servidor específico ou lista de servidores. O mecanismo de segurança para esse controle de acesso se baseia nas tecnologias de segurança do Windows Server 2003 e Windows Usuários e Grupos podem ser definidos e Listas de Controle de Acesso criadas para os recursos do Host Integration Server 2004 que permitirão ou negarão acesso a esses usuários, grupos ou sistemas de computadores. Capacidade de Suporte Um gateway SNA permite a administração eficiente de rede simplificando a configuração, gerenciamento e monitoramento de estações de trabalho, gateways e conexões de host. A administração de estações de trabalho, gateways e links de host deve ser possível localmente, a partir do gateway, e remotamente, a partir de qualquer estação de trabalho da LAN ou do host. Um gateway SNA eficiente também deve oferecer recursos de administração que sejam integradas com o sistema operacional subjacente. Diagnósticos A ferramenta de Diagnósticos do Microsoft Host Integration Server 2004 foi melhorada pra permitir ao administrador testar e solucionar problemas de conexões e recursos de SNA a partir de uma localização central. Microsoft Host Integration Server

49 Figura 19. Ferramenta de diagnósticos do Gerenciador SNA para testar e solucionar problemas de recursos de rede Rastreio de SNA Para uma capacidade extensiva de solução de problemas, o Host Integration Server 2004 fornece um único programa gráfico baseado em Windows para todas as necessidades de rastreio do servidor. O utilitário de rastreio do Host Integration Server 2004 é acessível a partir do computador do Host Integration Server 2004, ou pode ser executado remotamente em todos os protocolos de LAN suportados. O SNA Trace permite ao administrador coletar rapidamente informações sobre a seqüência de eventos que levou a um problema, e o estado exato do sistema quando o erro ocorreu. Ele permite que você acompanhe as atividades das APIs, inclusive chamadas feitas para uma API, links de comunicação, e atividade dentro do Host Integration Server As informações coletadas com o SNA Trace podem ser essenciais para auxiliar um engenheiro de Serviços de Suporte a Produto Microsoft a solucionar problemas complexos. O SNA Trace armazena o histórico da atividade que você selecionar em arquivos de acompanhamento. Com o Host Integration Server 2004, não há necessidade de parar o servidor para obter informações detalhadas de acompanhamento com o SNA Trace. Isso permite uso ininterrupto do Host Integration Server 2004 enquanto soluciona problemas. No Host Integration Server 2004, o utilitário SNA Trace foi melhorado para suportar eventos do Windows. Opcionalmente, o SNA Trace monitorará o Log de Eventos do Windows em Microsoft Host Integration Server

50 busca de uma ID de evento específico, em cujo tempo o SNA Trace pára o acompanhamento. Isso aumenta muito a probabilidade de você capturará, mas não sobrescreverá, dados valiosos de acompanhamento. Figura 20. O SNA Trace fornece os meios para monitorar componentes principais Essas informações de acompanhamento podem ajudar os administradores de LAN a melhorar o desempenho e resolver problemas de configuração. Por exemplo, permite que administradores obtenham o equivalente de um rastreio de escopo de dados da atividade em um link que falhe em iniciar. A leitura do acompanhamento é possível usando o aplicativo fornecido SNA Trace Viewer. Registro de Erro do Servidor e Auditoria Com o Gerenciador SNA, você pode controlar o servidor no qual os eventos são registrados, estabelecer o nível de detalhes a ser gravado, e especificar qual sistema receberá todas as mensagens pop-up de erro. Você pode usar as informações dos logs de eventos do Windows Server 2003 à medida que testa a configuração ou diagnostica problemas. Por exemplo, o Visualizador de Eventos (Event Viewer) pode ajudar você a se informar sobre drivers de dispositivos que não se inicializaram e motivos para falhas de conexão de host, ou detalhes de respostas negativas e códigos de erro. Logs de eventos são acessados com o Visualizador de Eventos do Windows. Utilitários do Windows O Host Integration Server 2004 tira proveito de utilitários fornecidos com o Windows Server 2003, tais como o recurso Linha de Comando Windows (Windows Command Line), Gerenciador de Usuário (User Manager), Visualizador de Eventos (Event Viewer), Gerenciador de Tarefas (Task Manager), Monitor de Desempenho (Performance Monitor), Painel de Controle (Control Panel). Microsoft Host Integration Server

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER

EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER EMULAÇÃO 3270 VIA WEB BROWSER https://acesso.serpro.gov.br Jose.gomes@serpro.gov.br Divisão de Suporte Tecnológico SERPRO - Regional Brasília 0xx61-411 9007 Emulação 3270 via Web Browser O serviço de Emulação

Leia mais

IBM Communications Server para Linux

IBM Communications Server para Linux IBM Communications Server para Linux Início Rápido Versão 6.2.2 G517-7999-01 IBM Communications Server para Linux Início Rápido Versão 6.2.2 G517-7999-01 Nota: Antes de usar estas informações e o produto

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas

Symantec Discovery. Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas Symantec Discovery Controle seu software e hardware e monitore a conformidade com as licenças em toda a infra-estrutura de TI de várias plataformas VISÃO GERAL O Symantec Discovery ajuda a garantir a resiliência

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Microsoft Corporation Publicação: 14 de março de 2005 Autor: Tim Elhajj Editor: Sean Bentley Resumo Este documento fornece instruções

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

WINDOWS NT SERVER 4.0

WINDOWS NT SERVER 4.0 Características WINDOWS NT SERVER 4.0 O NT Server suporta redes maiores organizadas em torno de servidores e domínios. É um sistema operacional para organizações que necessitem implementar aplicações críticas,

Leia mais

Iniciação Rápida do Linux em zseries

Iniciação Rápida do Linux em zseries IBM Communications Server para Linux em zseries Iniciação Rápida do Linux em zseries Versão 6.2.3 G517-7996-02 IBM Communications Server para Linux em zseries Iniciação Rápida do Linux em zseries Versão

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Windows 2000 Server. Overview

Windows 2000 Server. Overview Windows 2000 Server Overview Windows 2000 Server Family Built on NT Technology! Windows 2000 Server " Servidor de Negócios Básico " Até 2 processadores simétricos " Workgroup e implementação departamental!

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Direitos autorais 2004 ZIH Corp. Todos os nomes e números de produtos

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Microsoft System Center Operations Manager 2007

Microsoft System Center Operations Manager 2007 Microsoft System Center Operations Manager 2007 O que há de novo? Por que vale a pena atualizar? Microsoft Corporation Publicado em: 18 de dezembro de 2006 Sumário Executivo O System Center Operations

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

Shavlik Protect. Guia de Atualização

Shavlik Protect. Guia de Atualização Shavlik Protect Guia de Atualização Copyright e Marcas comerciais Copyright Copyright 2009 2014 LANDESK Software, Inc. Todos os direitos reservados. Este produto está protegido por copyright e leis de

Leia mais

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER

EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER EMULADOR 3270 VIA WEB BROWSER Host On-Demand - HOD Versão 6.0 Fev/2002 Suporte Técnico: Central de Atendimento SERPRO CAS 0800-782323 Gilson.Pereira@serpro.gov.br Marcio.Nunes@serpro.gov.br O que é o serviço

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

IBM Communications Server para AIX

IBM Communications Server para AIX IBM Communications Server para AIX Iniciação Rápida V6.3.1 GC17-1338-03 IBM Communications Server para AIX Iniciação Rápida V6.3.1 GC17-1338-03 Nota: Antes de usar estas informações e o produto a que

Leia mais

CA Nimsoft para monitoramento de redes

CA Nimsoft para monitoramento de redes DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA CA Nimsoft para monitoramento de redes agility made possible sumário resumo executivo 3 Visão geral da solução 3 CA Nimsoft Monitor sondas especializadas 3 Sonda de conectividade de

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows *

Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows * Informe Processadores Intel Core de 4ª geração e processadores Intel Atom Mobilidade com a Intel e o Windows 8.1* Novas opções de Gerenciamento de Dispositivos do Windows * O que levar em conta ao decidir

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Folha de Especificações ASTRO 25 Core

Folha de Especificações ASTRO 25 Core CONFIGURAÇÕES FLEXÍVEIS E ESCALÁVEIS ASTRO 25 CORE Um pequeno povoado ou uma grande cidade um único departamento ou vários órgãos seu sistema de rádio deve adaptar-se às suas necessidades e ao seu orçamento.

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows *

Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows * Informe Processadores Intel Core de 4ª geração e processadores Intel Atom Mobilidade com a Intel e o Windows 8.1* Novas opções do Gerenciamento de Dispositivos do Windows * O que levar em conta ao decidir

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Motivação Camadas do modelo OSI Exemplos de protocolos IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Para que dois ou mais computadores possam se comunicar, é necessário que eles

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos

Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos Windows Server e Windows Vista Melhores Juntos Sobre o documento ESTE DOCUMENTO NÃO É UMA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO. Este documento suporta a versão Beta 3 do Windows Server Longhorn. As informações contidas

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente

IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente IBM Tivoli Directory Server Versão 5.2 Leia-me do Cliente Nota Antes de utilizar estas informações e o produto suportado por elas, leia as informações gerais em Avisos, na página 7. Prefácio Este Leia-me

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração

Informe técnico: Proteção de dados Clientes e agentes do Veritas NetBackup 6.5 Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Plataforma do Veritas NetBackup - Proteção de dados de próxima geração Visão geral O Veritas NetBackup oferece um conjunto simples porém abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar o desempenho

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO

UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO arcserve UDP Impulsionadas pelo aumento no volume dos dados e os avanços da tecnologia como a virtualização, as arquiteturas atuais para proteção dos dados deixam

Leia mais

Esta experiência tem sido um diferencial consistente no trabalho que temos realizado.

Esta experiência tem sido um diferencial consistente no trabalho que temos realizado. Portfolio Serviços Novas práticas empresariais geram mudanças constantes com impactos no ambiente operacional de estrutura de TI. A transição de uma economia industrial para a nova economia baseada em

Leia mais

utilização da rede através da eliminação de dados duplicados integrada e tecnologia de archiving.

utilização da rede através da eliminação de dados duplicados integrada e tecnologia de archiving. Business Server Backup e recuperação abrangentes criados para a pequena empresa em crescimento Visão geral O Symantec Backup Exec 2010 for Windows Small Business Server é a solução de proteção de dados

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente)

BEMATECH LOJA LIVE. Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) BEMATECH LOJA LIVE Requerimento de Infra-instrutura (servidores no cliente) Versão 1.0 03 de março de 2011 DESCRIÇÃO Este documento oferece uma visão geral dos requerimentos e necessidades de infra-estrutura

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION UNIFIED A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION Incentivadas pelo crescimento

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory

Informe 2015. Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Informe 2015 Foxit PDF Security Suite Integrado com o Serviço de Gerenciamento de Direitos do Microsoft Active Directory Sumário Introdução... 3 Ambientes do Foxit PDF Security Suite... 4 Aplicar políticas

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Proteção de dados otimizada através de um console para sistemas físicos e virtuais, inclusive para o WMware e Hyper-V.

Proteção de dados otimizada através de um console para sistemas físicos e virtuais, inclusive para o WMware e Hyper-V. Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Small Business Server Edições Premium e Standard Proteção de dados e recuperação de sistemas completa para o Microsoft Windows Small Business Server Visão geral O

Leia mais