EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP"

Transcrição

1 EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP

2 AGRADECIMENTOS AO SINDICATO DOS ENGENHEIROS PELA VIABILIZAÇÃO DO EVENTO AO GOVERNO DO ESTADO E MUNICÍPIOS PELO APOIO A EXPEDIÇÃO Participantes do Forum presentes a exposição APOIOS TÉCNICOS A expedição contou com os seguintes apoios técnicos: Serviço Geológico do Brasil CPRM Sistema de Proteção da Amazônia SIPAM Instituições do Estado, como o Instituto de Mudanças Climáticas - IMC e Secretaria de Estado de Meio Ambiente Sema Sindicato dos Engenheiros do Estado do Acre SENGE-AC. Sindicato dos Engenheiro do Estado de São Paulo SEESP Federação Nacional dos Engenheiros - FNE Destacam-se os profissionais Dra. Vera Reis e o engenheiro presidente do SENGE AC, Sebastião Fonseca. Fontes de Dados: # sites como: UFAC Oficial de Rio Branco IBGE - Wikipedia e outros; # CPRM - Cia de Pesquisa de Recursos Minerais Serviços Geológicos do Brasil # CIPAM /ANA

3 ROTEIRO DA EXPEDIÇÃO PORTO ACRE ESEC 05 a 22/03/2016 Baixa Declividade Entre Brasiléia e a Foz no Rio Purus Foz no rio Purus Cota 100 Porto Acre 1190 km Rio Branco Nascente Peru Andes Cota 300 Assis Brasil Xapuri Brasiléia Cota 200

4 EQUIPE E EMBARCAÇÃO OBSERVATÓRIO ROTINA DIÁRIA Reuniões de Programação do dia; Apresentações Técnicas; Medições de níveis, profundidades, vazões, turbidez; Observatório Geotécnico e geral; Central de Computadores; Apresentação dos trabalhos do dia.

5 DADOS RELEVANTES OBTIDOS JUNTO AO CPRM E HISTÓRICO Durante a expedição entre os dias 09 e 10/03/2016 o rio Acre apresentava em Rio Branco o nível de 9,25 metros para a vazão de 748,61 m³/s, o nível de 9,5 metros no Rio do Rola para vazão de 214,74 m³/s e no rio Xapuri a vazão de 121,91 m³/s; Há registro do nível 9,32 metros da régua com as vazões aproximadas do rio Acre de 1000 m³/s, do rio Rola 230 m³/s e o rio Xapuri 170 m³/s; Última cheia o rio Acre atingiu o nível 18,40 metros e vazão 3600 m³/s enquanto o rio Rola 1000 m³/s e o rio Xapuri próximo de 800 m/s; As contribuições dos rios Rola e Xapuri são grandes, quase 50% da vazão do rio Acre; Nível 14,00 metros de primeira alerta e vazão de 1600 m³/s; Estudo estatístico aponta vazão máxima excepcional de 5000 m³/s com cota de 20 metros; Secas que atingem 2,5 metros com 50m³/s. OBSERVAÇÕES FISICAS Margens elevadas em muitos trechos; Meandros do rio que alongam bem seu percurso.

6 ESTUDOS HIDROLÓGICOS - 1ºs DADOS No quadro, são apresentadas as estações fluviométricas, com dados disponíveis no HidroWeb da ANA. Código Nome Rio Município Respons. Operadora Latitude Longitude A.D. (km²) Inampari Rio Acre PERU SENAMHI SENAMHI -10:57:00-69:36: Assis Brasil Rio Acre Assis Brasil ANA COHIDRO -10:56:37-69:33: Brasileia Rio Acre Brasileia ANA COHIDRO -11:01:04-68:44: Faz. Santo Afonso Riozinho da Rola Rio Branco ANA COHIDRO -10:05:27-67:54: Faz. Perseverança Rio Acre Xapuri ANA ANA -10:38:18-68:25: Faz. Itu Rio Acre Rio Branco ANA ANA -10:16:00-67:50: Rio Branco Rio Acre Rio Branco ANA ANA -09:57:30-67:47: Rio Branco Rio Acre Rio Branco ANA COHIDRO -09:58:30-67:48: Porto Acre Rio Acre Porto Acre UFAC UFAC -09:35:26-67:31: Floriano Peixoto Rio Acre Boca do Acre ANA COHIDRO -09:04:00-67:23: A bacia do Rio Acre totaliza área contribuinte de km² na cidade de Rio Branco.

7 HISTÓRICO DE SECAS E INUNDAÇÕES 1ª ALERTA Tais eventos são recorrentes, com periodicidade de 1 a 2 anos. A Figura 1 demonstra este fato entre os anos de 1970 e Cota zero 16msnm. Alejandro Fonseca Duarte, (Ufac).

8 ENCHENTES RECORRENTES CUSTOS ELEVADO PARA A POPULAÇÃO E ESTADO RIO BRANCO 2012 BRASILEIA 2012 RIO BRANCO RIO BRANCO

9 POPULAÇÃO 371 MIL HAB RIO BRANCO RIO ACRE

10 EXEMPLOS DE MEANDROS DO RIO ACRE ENTRE RIO BRANCO E PORTO ACRE Entre Estreminha e Bom Destino Região de Bagaço EXEMPLOS DE MEANDROS DO RIO ACRE ENTRE PORTO ACRE E BOCA DO ACRE Região de São Francisco Região de Andira

11 ELENCO DE SOLUÇÕES Entre as medidas estruturais possíveis de serem aplicadas com sucesso para a mitigação dos efeitos das cheias do rio Acre destacam-se as seguintes: Construção de Barragens de Amortecimento de Cheias e Geração Elétrica; Construção de Barragens de Nível conjugadas com Canais de Desvio de parte da vazão de Cheia; Construção de Diques de Proteção das Margens; Dragagem e Derrocamento de Fundos Rochosos; Ampliação de Calha Fluvial e corte de Meandros para aumentar o fluxo; Implantação de Parques Fluviais; Elaboração de modelos matemáticos do tipo chuva-vazão e cota-vazão; Deslocamento das populações ribeirinhas das áreas inundáveis; Planejamento Urbano.

12 EMBASAMENTO LEGAL Sob o ponto de vista legal, a Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 23 definiu, de forma clara e irrevogável, o papel do município no planejamento, gestão e implementação das políticas públicas locais e no Artigo 182, regulamentou a Política Urbana e seu principal instrumento de desenvolvimento e expansão urbanos, o Plano Diretor (artigo regulamentado pelo Estatuto da Cidade, Lei nº , de 10 de julho de 2001), cujo principal objetivo é disciplinar o uso e ocupação do solo a fim de garantir a todos os cidadãos o direito à cidade. Adicionalmente, cabe à União o papel de elaboração das Políticas Nacionais de Defesa Civil e Meio Ambiente e o apoio aos municípios. Cabe aos Estados a elaboração dos planos estaduais e o Município é o responsável pelo planejamento e gestão dos espaços urbanos e rurais. Dentro deste enfoque, cabe ao Estado do Acre o desenvolvimento de um programa intervenções estruturais para mitigação das cheias recorrentes que castigam as populações localizadas nas margens do rio Acre, sobretudo as populações mais desfavorecidas que, via de regra, residem em construções precárias em áreas de risco abrangidas pelas planícies de inundação do citado rio.

13 ESQUEMÁTICO DE ALTERNATIVA PARA DEBATE Carta escala 1:50mil Rio Branco do IBGE Rio Acre OBSERVAR AS CURVAS DE NÍVEL msnm

14 FERRAMENTAS PARA ENCONTRAR SOLUÇÕES OS ESTUDOS EXIGEM LEVANTAMENTOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ACRE COM ÁREA DE 34000km², ESTUDOS COMO: LEVANTAMENTO CARTOGRÁFICO; LEVANTAMENTO AEROFOTOGRAMÉTRICO E RESTITUIÇÃO; ESTUDOS HIDROLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ACRE; CARACTERIZAÇÃO GEOLÓGICA DA REGIÃO; LEVANTAMENTOS AMBIENTAIS, BIOLÓGICOS E FLORESTAIS; USOS E OCUPAÇÃO DO SOLO, NOS MUNICÍPIOS DA BACIA; CONSULTA POPULAR (AUDIÊNCIAS PÚBLICAS).

15 PREVISÃO DE CUSTOS E PRAZOS A PREVISÃO ENVOLVE ATIVIDADES COMO: CONTRATAÇÃO DOS ESTUDOS DE INVENTÁRIO DE APROVEITAMENTO MÚLTIPLO; AUDIÊNCIAS PÚBLICAS PARA APROVAÇÃO POPULAR; APROVAÇÃO DOS ÓRGÃOS PÚBLICOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS; LICENCIAMENTOS AMBIENTAIS; ELABORAÇÃO DOS PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS POR PARTES OU COMPLETOS; CONTRATAÇÃO DAS OBRAS. O PROJETO DO RIO ACRE ENVOLVE UMA SÉRIE DE TRABALHOS CUSTOSOS E DE LONGO PRAZO. EMPREENDIMENTO ESTE QUE O POVO DO ACRE QUE VEM DE LUTAS HISTÓRICAS NÃO TERÁ DIFICULDADES EM REALIZAR.

16 BENEFÍCIOS CONTEMPLÁVEIS APROVEITAMENTO MÚLTIPLO CHEIAS E SECAS DO RIO ACRE CONTROLADAS ; TRANSPORTE FLUVIAL - NAVEGAÇÃO; ORDENAÇÃO DE USOS E OCUPAÇÃO DO SOLO; CONTROLE AMBIENTAL. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

17 CONCLUSÃO Agradecemos a contribuição de toda a equipe da expedição que levantou dados importantes para compor a equação para o modelo de gestão hídrica do rio Acre; OBRIGADO!!

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO

SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO Elizabeth Guelman Davis 27 de maio de 2014 Sistema de Alerta de Enchentes na Bacia do Rio Doce Um sistema de alerta antecipado,

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015

PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015 PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015 Franco Turco Buffon 1 *; Francisco de Assis dos Reis Barbosa 2 ; Hérculys

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

DIRETRIZES PARA PROJETO

DIRETRIZES PARA PROJETO ELABORAÇÃO EQUIPE TÉCNICA USHI: Ely Carlos de Alvarenga Josete de Fátima de Sá Nicolás Lopardo 1 INTRODUÇÃO Esta Diretriz tem como função principal indicar critérios técnicos necessários para permitir

Leia mais

Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz

Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz Apresentação: Eng. Civil Luiz Alberto Diniz Quem somos Uma empresa brasileira constituída por especialistas nas áreas de infraestrutura, hidrologia e meio-ambiente em conjunto com 3P Technik Filtersysteme

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS 1 Impactos da urbanização Cerca de 80% da população brasileira Problemas (Recursos Hídricos): degradação ambiental dos mananciais

Leia mais

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos

Decreto que regulamenta o artigo 115 do Código de Obras de Guarulhos 1 Art. 115. As águas pluviais que escoam nos limites das propriedades não poderão aumentar as vazões do sistema de drenagem acima das condições naturais e as intervenções por edificações não poderão introduzir

Leia mais

Quantidade de água no planeta

Quantidade de água no planeta HIDROGRAFIA Quantidade de água no planeta O Brasil possui: 10% da água superficial disponível para consumo no mundo. No Brasil a distribuição é desigual. - 70% na Amazônia - 27% no Centro-Sul - 3% no

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi OBJETIVOS DA DRENAGEM COLETAR, CONDUZIR E LANÇAR, O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL E EM LOCAL ADEQUADO, TODA ÁGUA QUE SE ORIGINA, QUE CORRE/CAI NA

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina

Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Workshop Internacional sobre Gestão Integral de Aguas Urbanas São Paulo, Brasil. 4-6 Dezembro, 2012 Gestão de Riscos de Inundações na Bacia Matanza Riachuelo, Argentina Juan Carlos Bertoni Coordinador

Leia mais

Por que falar em Segurança de Barragens?

Por que falar em Segurança de Barragens? Por que falar em Segurança de Barragens? Por que falar em Segurança de Barragens? SEGURANÇA TOTAL Riscos inerentes à construção de uma barragem: NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE RISCOS NULOS INEXISTÊNCIA DE RISCO

Leia mais

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres

Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres 16, 17 e 18 de setembro de 2014 São Paulo - SP Avaliação de perigos e riscos de inundação em Campos do Jordão (SP) aplicada à gestão local de risco de desastres Eduardo de Andrade; Paulo César Fernandes

Leia mais

ESTUDO DE CHEIAS RIO VELHO. Loteamento José Alencar Joinville / Santa Catarina. Responsável Técnico CURITIBA MARÇO / 2014

ESTUDO DE CHEIAS RIO VELHO. Loteamento José Alencar Joinville / Santa Catarina. Responsável Técnico CURITIBA MARÇO / 2014 ESTUDO DE CHEIAS RIO VELHO Loteamento José Alencar Joinville / Santa Catarina Responsável Técnico Engª Candice Schauffert Garcia, M.Sc. CREA-PR 67059/D CURITIBA MARÇO / 2014 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2.

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP Engenharia Ambiental Consolidação da Profissão e Perspectivas Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP zaiat@sc.usp.br Engenharia Ambiental Que curso é esse? O que faz esse profissional? Qual a estrutura do curso?

Leia mais

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016

Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 Uso da Avaliação Ambiental Integrada para viabilização de empreendimentos hidrelétricos Bacia do rio Chapecó LASE 2016 São Paulo, 06 de setembro de 2016 Empresas envolvidas Histórico Metodologia Resultados

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da Belo Horizonte, 21 de Janeiro de 2016 às 10:00h. Bacia do rio Doce Boletim Extraordinário Na tabela abaixo seguem as previsões dos níveis dos rios monitorados

Leia mais

Título Povos indígenas e o setor elétrico Veículo Planeta Sustentável- Editora Abril Data 26 Junho 2013 Autor Claudio J. D. Sales

Título Povos indígenas e o setor elétrico Veículo Planeta Sustentável- Editora Abril Data 26 Junho 2013 Autor Claudio J. D. Sales Título Povos indígenas e o setor elétrico Veículo Planeta Sustentável- Editora Abril Data 26 Junho 2013 Autor Claudio J. D. Sales Povos indígenas e o setor elétrico http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/povos-indigenas-setor-eletrico-claudiosalles-745157.shtml

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Definições, aspectos gerais e o ciclo hidrológico Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir hidrologia e engenharia hidrológica

Leia mais

As barragens de terra apresentam muitas finalidades:

As barragens de terra apresentam muitas finalidades: 9. PEQUENAS BARRAGENS DE TERRA 9.1 Introdução As barragens de terra apresentam muitas finalidades: - obtenção de energia elétrica; - controle de cheias e regularização de vazões; - navegação; - abastecimento

Leia mais

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios.

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. Álvaro Goulart Fulgencio Caroline Cabral Tudesco Glayce

Leia mais

1 Encontro Técnico do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Dois Rios

1 Encontro Técnico do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Dois Rios COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOIS RIOS 1 Encontro Técnico do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Dois Rios Palestra 1: Manejo de Bacia Hidrográfica Palestrante: Prof. Ricardo Valcarcel UFRRJ http://www.ufrrj.br/institutos/if/lmbh/

Leia mais

Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca.

Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca. São José dos Campos, 23 de setembro de 2016 Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca. Sumário Executivo O quadro hídrico atual

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

MEDIÇÃO DA VAZÃO DO RIO RANCHARIA E ESTUDO DO MELHOR APROVEITAMENTO POTENCIAL HIDRELÉTRICO DA USINA.

MEDIÇÃO DA VAZÃO DO RIO RANCHARIA E ESTUDO DO MELHOR APROVEITAMENTO POTENCIAL HIDRELÉTRICO DA USINA. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA - ÊNFASE ELETROTÉCNICA ALEX MOISES LOPES DA SILVA ANIBAL CHAGAS JUNIOR LUIS AUGUSTO

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO - AGB PEIXE VIVO - 001/2011 PROCESSO Nº 04733 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Execução de barramento em curso de água sem captação - Barragem Forquilha V, para contenção de rejeitos da

Leia mais

FLASH "Sistema de Previsão e Prevenção aos Riscos de Inundação e Escorregamentos"

FLASH Sistema de Previsão e Prevenção aos Riscos de Inundação e Escorregamentos Inundação e Escorregamentos" O Rio de Janeiro é um dos estados com maior número de desastres naturais no Brasil, principalmente inundação e escorregamento. Nos anos de 2007 a 2011 ocorreram grandes desastres:

Leia mais

Crise Hídrica no Brasil: saneamento ambiental e as interfaces com as mudanças climáticas e preservação hídrica: Ações do Sistema Confea/Crea

Crise Hídrica no Brasil: saneamento ambiental e as interfaces com as mudanças climáticas e preservação hídrica: Ações do Sistema Confea/Crea Crise Hídrica no Brasil: saneamento ambiental e as interfaces com as mudanças climáticas e preservação hídrica: Ações do Sistema Confea/Crea Poços de Caldas-MG Ações do Confea Os números de profissionais

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu

CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA DO PAU D ALHO E MOMBAÇA 16 DE AGOSTO DE 2016; Agência Reguladora de Itu A QUESTÃO DA ÁGUA EM ITU. 18 DE MARÇO DE 2015 Maurício Dantas Superintendente da Agência Reguladora de Itu.

Leia mais

HISTÓRICO DAS ÁGUAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE RS - BRASIL

HISTÓRICO DAS ÁGUAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE RS - BRASIL HISTÓRICO DAS ÁGUAS URBANAS NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE RS - BRASIL Informações Gerais 1,4 milhões de habitantes (IBGE, 2011); Saneamento Básico municipalizado: DEP, DMAE e DMLU; 100% de cobertura de

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 11 Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas Continentais: Rios,

Leia mais

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento

Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento Planejamento Hídrico para Habitação, Abastecimento e Saneamento ENCOB 2015 Caldas Novas - GO 08.10.2015 BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PIRACICABA Fonte: Agência PCJ BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIVARI Fonte:

Leia mais

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH

Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL. Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Gestão do Potencial Hidráulico e o Transporte Hidroviário no âmbito da ANEEL Superintendência de Gestão e Estudos Hidroenergéticos SGH Brasília, DF Março de 2014 Estágios de Desenvolvimento de um Empreendimento

Leia mais

PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA

PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA PROJETO RENASCENTE DE ARAUCÁRIA Emerson de Mello Engº Civil Pós Graduado em Pericias Ambientais. IDEALIZAÇÃO DO PROJETO DR. EVANDRO PORTUGAL Juiz de Direito da Vara Cível de Araucária da região Metropolitana

Leia mais

DRENAGEM URBANA EM SÃO PAULO. Eng o PEDRO LUIZ DE CASTRO ALGODOAL PROJ 4 SIURB/PMSP

DRENAGEM URBANA EM SÃO PAULO. Eng o PEDRO LUIZ DE CASTRO ALGODOAL PROJ 4 SIURB/PMSP DRENAGEM URBANA EM SÃO PAULO Eng o PEDRO LUIZ DE CASTRO ALGODOAL PROJ 4 SIURB/PMSP URBANIZAÇÃO IMPACTO DA URBANIZAÇÃO ANTES DEPOIS Inundações Ribeirinhas antes depois Sistema de drenagem existente Galerias

Leia mais

A Polí'ca Nacional de Segurança de Barragens: Implicações e Mudanças Culturais Associadas

A Polí'ca Nacional de Segurança de Barragens: Implicações e Mudanças Culturais Associadas A Polí'ca Nacional de Segurança de Barragens: Implicações e Mudanças Culturais Associadas Barragem de Santa Maria, Brasília (DF) Foto: Zig Koch / Banco de Imagens ANA Lígia Maria Nascimento de Araujo Bento

Leia mais

Quantificação de grandezas Ambientais

Quantificação de grandezas Ambientais Quantificação de grandezas Ambientais Hidrologia Cursos d água Perenes: permanece com água o tempo todo, mesmo em períodos em seca. Intermitentes: escoam durante as chuvas, entretanto secam durante as

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 3.1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias

Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias 168 III Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros Obtenção de Parâmetros para Simulação Hidrológica na Bacia do Rio Japaratuba por meio de Geotecnologias Rafael

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA As questões de geografia da 1ª fase do vestibular UFPR 2014/15 foram conservadoras, apresentando pouca criatividade e repetição de assuntos cobrados nas últimas edições.

Leia mais

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE

1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE Estudos de Viabilidade - 1ª Etapa ELETRONORTE HISTÓRICO 1979 Estudos de Inventário da Bacia Hidrográfica do Rio Xingu ELETRONORTE AHE Altamira, à montante da cidade de Altamira (antigo Babaquara) UHE Belo Monte com geração em Kararaô e barramento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA DE HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL OUTUBRO/2009 Experiências de Conselhos e Planos Locais de Habitação

Leia mais

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP Marcelo Marconato Prates Josiane Lourencetti Orientador: Prof. Dr. Jefferson Nascimento de Oliveira Bonito, M.S Outubro,

Leia mais

O Projeto Calha do Tietê

O Projeto Calha do Tietê Departamento de Engenharia de Hidráulica e Sanitária PHD2537 Água em Ambientes Urbanos Professores: Kamel Zahed Filho; Luís Antonio Villaça de Garcia; Monica Ferreira do Amaral Porto; Rubem La Laina Porto

Leia mais

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva

Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica Prof. D.Sc Enoque Pereira da Silva 1 Ciclo hidrológico global Energia do sol que atua sobre o sistema terrestre: 36% de toda a energia que chega a terra é utilizada

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz

Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz Eng. Agrônomo Ricardo Moacir Konzen Coordenador de departamento Departamento de Meio Ambiente de Vera Cruz agronomia@veracruz-rs.gov.br dema@veracruz-rs.gov.br 51 37183778 Vera Cruz - RS Distância de Porto

Leia mais

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008 José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, 23 de setembro de 2008 Órgãos Consultivos e Deliberativos: Conselho Estadual de Política Ambiental COPAM Conselho Estadual de Recursos Hídricos CERH Órgão

Leia mais

AÇÕES REALIZADAS EM 2014

AÇÕES REALIZADAS EM 2014 RESÍDUOS SÓLIDOS - Articulação junto à CNI para criar a proposta de resolução CONAMA sobre aproveitamento de Areias de Fundição - Distribuição de cartilhas A Indústria e a Política Nacional de resíduos

Leia mais

HIDROGRAFIA (estudo das águas)

HIDROGRAFIA (estudo das águas) HIDROGRAFIA (estudo das águas) Consumo Real e Virtual 1 CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL CONSUMO DE ÁGUA MUNDIAL - comparativo CONSUMO DE ÁGUA BRASILEIRO 2 Ciclo da Água CONCEITOS e TERMINOLOGIAS 3 CONCEITOS e

Leia mais

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA

FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA FICHA DESCRITIVA DE ESTAÇÃO FLUVIOMÉTRICA Prefeitura Porto Acre Fluviométrica 13610000 Curso d água Bacia Hidrográfica Área de Drenagem REFERÊNCIA CARTOGRÁFICA Carta Folha Escala Ano Latitude Longitude

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS BACIAS DO RIO SÃO FRANCISCO AGROVILAS: Pernambuco: 07 e Ceará: 03 EIXO NORTE: Canal de Aproximação e Barragem Tucutu EIXO LESTE: Canal de Aproximação e Barragem de Areias PROJETO

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019

Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 Norma Técnica Interna SABESP NTS 019 CAPTAÇÃO DE ÁGUA BRUTA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 019 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE PROJETO...1

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011

UHE Belo Monte. IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 UHE Belo Monte IBRACON - 53 Congresso Brasileiro de Concreto Florianópolis -SC 03/Nov./2011 LOCALIZAÇÃO Volta Grande do Xingu Pará Altamira Transamazônica Belo Monte Vitória do Xingu Brasil Novo Anapu

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte

NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE. CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. NESA UHE BELO MONTE CIER TUCURUÍ / PA UHE Belo Monte 22.11.2011 1 Breve Histórico Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final

Leia mais

Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE)

Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE) Testemunhos da cooperação: os projetos do Espaço o Sudoeste Europeu (SUDOE) Do SUDOE 2007-2013 à Estratégia 2020 Promoção da inovação e constituição de redes estáveis de cooperação em matéria tecnológica

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

Características da UHE Belo Monte

Características da UHE Belo Monte Realização: Patrocínio: Características da UHE Belo Monte NORTE ENERGIA S.A. CASA DE FORÇA PRINCIPAL (Sítio Belo Monte) Potência: 11.000 MW (18 x 611,11 MW). Garantia física: 4.419 MW médios. 1ª Unidade

Leia mais

PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO

PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO PROCESSOS EROSIVOS DAS MARGENS DO RIO MADEIRA A JUSANTE DA UHE SANTO ANTÔNIO EM PORTO VELHO Andréia Tamy Konasugawa Pereira 1 ; Gustavo da Costa Leal 2 ; Juliana Gama e Gama 3 ; Daniel Cunha de Carvalho

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Bacias Hidrográficas. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Bacias Hidrográficas Professora: Mayara Moraes Fase terrestre do ciclo hidrológico Elemento fundamental: Bacia hidrográfica. Definição: Área de

Leia mais

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação

Legislação Ambiental / EIA RIMA Legislação Legislação Segundo legislação brasileira considera-se impacto ambiental: "qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente causada por qualquer forma de matéria ou energia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA;

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E RELATÓRIOS AMBIENTAIS; INSTRUÇÃO PROCESSUAL PARA O LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DRAGUEIRA; FORMULÁRIO CARACTERIZAÇÃO EMPREENDIMENTO; DE DO FORMULÁRIO DE

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s

Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s Licenciamento Ambiental Aspectos Legais e seus Impactos nos Custos de PCH s 23.04.2008 Decio Michellis Jr. Leis Decretos Resoluções Portarias Instruções Normativas Normas Convenções TOTAL 1. Água e efluentes

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E DESVIOS FERROVIÁRIOS Informações para Apresentação de Projeto Revisão 21/06/12

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E DESVIOS FERROVIÁRIOS Informações para Apresentação de Projeto Revisão 21/06/12 IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS E Em atenção à solicitação de Implantação de Terminais e Desvios Ferroviários, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo:

Leia mais

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE

PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE PROPOSTAS PARA CRIAÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PARQUE ESTADUAL SERRA DO AREAL E REFÚGIO DE VIDA SILVESTRE RIACHO PONTAL PETROLINA/PE ASPECTOS LEGAIS Lei Federal nº 9.985/2000 Institui o Sistema Nacional

Leia mais

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite

Recursos Hídricos. Qualidade da água para usos múltiplos. Maurício A. Leite Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Recursos Hídricos Recursos Hídricos Qualidade da água para usos múltiplos Maurício A. Leite O que são recursos

Leia mais

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Previsão de vazões na bacia do rio Doce Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Caracterização da Região Localização - Região Sudeste Área de drenagem 83.400km² - (86% em MG e 14% no ES) Municípios

Leia mais

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica Este relatório foi produzido para a Fundação SOS Mata Atlântica sob contrato firmado entre as partes em

Leia mais

Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido

Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido Características Ecológicas dos Açudes (Reservatórios) do Semi-Árido Reservatórios ocupam hoje cerca de 600.000 km 2 de águas represadas em todo o planeta. A construção de reservatórios tem origem muito

Leia mais

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GERENCIAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Federal Nº 9.433/97 A partir da década de 1990: a legislação propõe substituir um sistema centralizador e setorial por outro

Leia mais

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

CICLO HIDROLÓGICO CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CICLO HIDROLÓGICO CARACTERIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS José Antonio Tosta dos Reis Departamento de Engenharia Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo CICLO HIDROLÓGICO 1 Ciclo hidrológico médio

Leia mais

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH

SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE RECURSOS HÍDRICOS - SVARH Green Business Week 2016 Felisbina Quadrado Diretora do Departamento de Recursos Hídricos maria.quadrado@apambiente.pt ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ:

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ: Tema: Retrospectiva de atuação como Entidade Equiparada AGB / PJ Autores: Francisco Carlos Castro Lahóz Coordenador de Projetos do Consórcio PCJ e Coordenador do Contrato de Gestão do Comitê PJ Jussara

Leia mais

Reis, Claudio Henrique; Amorim, Raul Reis Imprensa da Universidade de Coimbra; RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança

Reis, Claudio Henrique; Amorim, Raul Reis Imprensa da Universidade de Coimbra; RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança Uso de sensores remotos com diferentes resoluções espectrais para a caracterização do uso e ocupação das terras de áreas com risco à inundação dos municípios de Italva e Cardoso Moreira, Rio de Janeiro,

Leia mais

9ª ANO - QUESTÕES PARA O SITE MATEMÁTICA

9ª ANO - QUESTÕES PARA O SITE MATEMÁTICA MATEMÁTICA. (ifce 04) Uma rampa faz um ângulo de 0 com o plano horizontal. Uma pessoa que subiu 0 metros dessa rampa se encontra a altura de do solo. a) 6 metros. b) 7 metros. c) 8 metros. d) 9 metros.

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 3 2.1 Área de Intervenção... 3 2.2 Projeto Executivo

Leia mais

ITEM E Medidas de Carga e Deformação

ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Medidas de Carga e Deformação ITEM E Vista do túnel ITEM E Barra Instrumentada no piso ITEM E Barra na seção do túnel ITEM E Esquema do Ensaio (KNE) ITEM E Instalação do extensômetro para ensaio

Leia mais

Superintendente COMPANHIA DOCAS DO MARANHÃO - CODOMAR DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

Superintendente COMPANHIA DOCAS DO MARANHÃO - CODOMAR DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES INVESTIMENTOS DO GOVERNO FEDERAL NA HIDROVIA TIETÊ- PARANÁ Engº Antonio Badih Chehin Superintendente Campo Grande - MS 20 de julho de 2012 A HIDROVIA DADOS FISICOS MANUTENÇÃO DA HIDROVIA NAVEGABILIDADE

Leia mais

Anexo X Programas Temáticos

Anexo X Programas Temáticos Plano Plurianual 2012-2015 Anexo X Programas Temáticos Programa 2040 - Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Contextualização O homem vem intensificando alterações no meio ambiente a fim de moldar o

Leia mais

Glauco Kimura de Freitas Agosto de 2009

Glauco Kimura de Freitas Agosto de 2009 PROPOSTA DE ARCABOUÇO METODOLÓGICO DE ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Glauco Kimura de Freitas Agosto de 2009 ROTEIRO 1. Conceituação A. O que é adaptação? Vulnerabilidade Resiliência Categorias de adaptação

Leia mais

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO Belém-PA 2013 1 TABELA DAS PRECIPITAÇÕES

Leia mais

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina.

MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DA VAZÃO MÁXIMA COM BASE NA PRECIPITAÇÃO Material elaborado por Gracely, monitora da disciplina. 1. Método Racional A vazão máxima pode ser estimada com base na precipitação, por

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS PARECER TÉCNICO AGB PEIXE VIVO - 003/2011 PROCESSO Nº 04735 / 2010 - Vale S.A Empreendimento: Desvio parcial ou total de curso de água por meio de transposição de vazões do reservatório da Barragem Forquilha

Leia mais

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO

*Módulo 1 - IDENTIFICAÇÃO 24 - REBAIXAMENTO DE NÍVEL DE ÁGUA SUBTERRÂNEA (para obras civis) Definição: O rebaixamento de nível de água é um procedimento que tem por objetivo manter o nível d água em uma determinada cota que permita

Leia mais

INFORMAÇÕES. Local e data

INFORMAÇÕES. Local e data INFORMAÇÕES Local e data Hotel Praia Centro / Fábrica de Negócios, 23 a 25 de novembro de 2010 Av. Monsenhor Tabosa, 740 Praia de Iracema Fortaleza/CE Sala: Platina Térreo. Público alvo Representantes

Leia mais

eventos extremos ligados a recursos hídricos

eventos extremos ligados a recursos hídricos Mudanças climáticas e eventos extremos ligados a recursos hídricos JOAQUIM GONDIM SUPERINTENDENTE DE USOS MÚLTIPLOS Brasília, 4 de agosto de 2009 AS INUNDAÇÕES E AS SECAS TÊM CADA VEZ MAIS CHAMADO A ATENÇÃO

Leia mais

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito

Roteiro. Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Roteiro Definição de termos e justificativa do estudo Estado da arte O que está sendo feito Definição de termos e justificativa do estudo Hidrossedimentologia O que é? Por que estudar? Como pesquisar?

Leia mais

XVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS

XVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS XVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS MESA REDONDA No. 2 SUSTENTABILIDADE DO PANTANAL RUI CARLOS VIEIRA DA SILVA PROFESSOR TITULAR, COPPE/UFRJ O PANTANAL MATO GROSSENSE E A BACIA DO RIO DA PRATA

Leia mais

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS

Gestão de Inundações urbanas. Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS Gestão de Inundações urbanas Dr. Carlos E M Tucci Rhama Consultoria e IPH - UFRGS tucci@rhama.net Tipos de inundações Inundações ribeirinhas: inundações naturais resultado da flutuação dos rios durante

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais