SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO"

Transcrição

1 SISTEMA DE ALERTA DE ENCHENTES NA BACIA DO RIO DOCE: 17 ANOS DE OPERAÇÃO Elizabeth Guelman Davis 27 de maio de 2014

2 Sistema de Alerta de Enchentes na Bacia do Rio Doce Um sistema de alerta antecipado, apoiado em dados hidrometeorológicos, que visa reduzir os prejuízos causados por cheias nas principais cidades ribeirinhas na bacia do rio Doce

3 Localização da Bacia Área: km2 (86% MG) População: 3.1 M hab (70% urbana), 222 municípios) Precipitação média annual: 900 a 1500mm Vazões específicas : 5 a 35 l/s/km2 Vazão média anual na foz: 900m3/s

4 Histórico do Sistema de alerta contra enchentes na bacia do rio Doce Cheia Criação de Grupo Interministerial Década de 80 - instalação de rede telemétrica Década de 90 - instalação de balizas de satélite Cheia Workshop em Governador Valadares 1997/1998 a 2013/2014.

5 População Beneficiada Município Unidade de Federação População Rio Aimorés Minas Gerais Doce Antônio Dias Minas Gerais Piracicaba Baixo Guandu Espírito Santo Doce Colatina Espírito Santo Doce Conselheiro Pena Minas Gerais Doce Coronel Fabriciano Minas Gerais Piracicaba Galiléia Minas Gerais Doce Governador Valadares Minas Gerais Doce Ipatinga Minas Gerais Piracicaba Linhares Espírito Santo Doce Nova Era Minas Gerais Piracicaba Ponte Nova Minas Gerais Piranga Resplendor Minas Gerais Doce Timóteo Minas Gerais Piracicaba Tumiritinga Minas Gerais Doce TOTAL Fonte: IBGE, Sinopse do censo demográfico de 2010

6 Pontos de monitoramento BA

7

8 INMET ESCELSA SAMARCO NEOENERGIA SANEAR CENIBRA CEMIG CPTEC BELGO VALE NOVELIS SAEE OBSERVADORES ANA CPRM IGAM WEB SITE DO SISTEMA DE ALERTA POLICIA MILITAR DEFESA CIVIL PREFEITURA CORPO DE BOMBEIRO POPULAÇÃO

9 FLUXOGRAMA Estações telemétricas Estações convencionais Observadores Usinas hidrelétricas COTAS e CHUVA COTAS COTAS VAZÕES RECEPÇÃO DE DADOS VERIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO PREVISÃO PREVISÃO HIDROLÓGICA HIDROLÓGICA E METEOROLÓGICA PUBLICAÇÃO DE RESULTADOS Filtros Equações e Modelos Banco de dados hidrológicos

10 Transmissão das informações Boletim Diário s Fax Internet

11 Estudos de planície de inundação

12 Mapa das áreas inundadas para diferentes cotas na estação pertencente à ANA Governador Valadares Santa Rita JKIII Jardim Alice JKI Sta Terezinha São Paulo São Pedro Universitário

13 Planície de inundação de Colatina Rio Pancas Rio Santa Maria Legenda Seçoes topobatimétricas Seçoes topobatimétricas com seção de réguas

14 Comportamento da bacia do rio do Doce durante o período chuvoso de dezembro/2013

15 Sistemas atmosféricos (11 a 27/12/2013)

16 Evolução do período chuvoso

17 Evolução do período chuvoso (mapas de anomalia)

18 1,00 m 2,0m 20/12 2,80 m 4 dias fora da calha 16 dias fora da calha 7 dias fora da calha 4,00 m 11 dias fora da calha

19 Atividades realizadas

20 Campanhas de medições hidrológicas

21 Campanhas de medições hidrológicas m3/s m3/s

22 Levantamento das marcas de cheia 40 Série de cotas horárias da Estação Colatina CBO (código ) em Colatina (Dezembro de 2013) Cota (m) Estação Cota de Alerta Cota de Inundação /12/ /12/2013 Cotas horárias

23 Levantamento das marcas de cheia

24 Levantamento das marcas de cheia PONTO A B C D E F G H COORDENADAS (DATUM SIRGAS 2000) Estação: ESTAÇÕES E ENTORNO LEVANTAMENTO DA LINHA DE CHEIA Município: COLATINA- ES Roteiro: 30 Código: TODAS AS SEÇÕES Rio: DOCE/SANTA MARIA/PANCAS Data: 21/12/2013 Equipe: EMÍLIA/JOSÉ JULIO/FRANCISCO/MARLON/AVILMAR/JOÃ OLEÃO Hora inicial: 08:00 Hora final: 12:30 SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO SIM NÃO I SIM NÃO IDENT. PINTURA TIPO DO PONTO MARCADO Ponte Lance Pilar Lance Parede Lance Lance ALTURA ATINGIDA(m) OBSERVAÇÕES 0,31 Junto à ponte BR-259 no sentido Colatina Velha. Marcação realizada na sapata da ponte. 7,56 Rua Pedro Epichin nº2473. Marcação realizada com prego no lance ( ). 7,61 7,82 Rua Pedro Epichin nº1927. Marcação realizada com prego em pilar de concreto nos fundos da residencia. Avenida Beira Mar. Fundos 8º Batalhão da Polícia Militar do Espirito Santo. Marcação realizada com prego no lance ( ). 7,34 Avenida Rio Doce nº 446. Marcação realizada na parede da residência. 7,18 6,90 Avenida rio doce, frente da APAE de Colatina. Marcação realizada com prego no lance ( ). Av. Rio doce. Seguir sentido clube associação da vale, fundos da quadra de futebol. Marcação realizada com prego no lance ( ) Parede 0,22 Rua Cassiano Castelo n 111 com Calçadão Geraldo Pereira no centro da cidade. Parede 0,00 Ponto limite da mancha de inundação do dia 19/12/2013. Rua Cassiano Castelo n 26 no centro da cidade.

25

26 Repercussão do Sistema de Alerta

27 Comentários finais Metas Aumentar a antecedência de alerta Reduzir o erro no cálculo das vazões Ampliar o número de municípios atendidos Modernização dos equipamentos de coleta e transmissão dos dados

28 Obrigado Relatório técnico disponível no site: _eventos_criticos_ pdf

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Sistema de Alerta de Cheias na Bacia do Rio Doce Elizabeth Guelman Davis Pesquisadora em Geociências 30/10/2013 Missão "Gerar e difundir o conhecimento geológico e hidrológico

Leia mais

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007

Previsão de vazões na bacia do rio Doce. Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Previsão de vazões na bacia do rio Doce Eber José de Andrade Pinto 21 de setembro de 2007 Caracterização da Região Localização - Região Sudeste Área de drenagem 83.400km² - (86% em MG e 14% no ES) Municípios

Leia mais

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce

Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da. Bacia do rio Doce Boletim do Sistema de Alerta Hidrológico da Belo Horizonte, 21 de Janeiro de 2016 às 10:00h. Bacia do rio Doce Boletim Extraordinário Na tabela abaixo seguem as previsões dos níveis dos rios monitorados

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA DA BACIA DO RIO DOCE - SISTEMA WEB - SACE FLOOD WARNING SYSTEM IN THE DOCE RIVER BASIN - WEB SYSTEM - SACE

SISTEMA DE ALERTA DA BACIA DO RIO DOCE - SISTEMA WEB - SACE FLOOD WARNING SYSTEM IN THE DOCE RIVER BASIN - WEB SYSTEM - SACE SISTEMA DE ALERTA DA BACIA DO RIO DOCE - SISTEMA WEB - SACE Artur José Soares Matos 1 * & Elizabeth Guelman Davis 2 & Marcio de Oliveira Candido 3 Resumo O Serviço Geológico do Brasil - CPRM monitora a

Leia mais

PERÍODO DE OBSERVAÇÃO:

PERÍODO DE OBSERVAÇÃO: EDIÇÃO 04 PERÍODO DE OBSERVAÇÃO: 10 a 17 de janeiro de 2017 O Boletim Informativo Rio Doce tem como objetivo disponibilizar informações atualizadas dos rios afetados pelo rompimento da Barragem de Fundão

Leia mais

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Belo Horizonte, 26 de novembro de 2015 às 19:30 h. Previsão da turbidez A CPRM está utilizando um modelo simplificado para a previsão de Turbidez na calha do rio

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO BACIA DO RIO DOCE MAR/2015 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Luiz Sávio de Souza Cruz IGAM

Leia mais

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO

Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO Instituto Mineiro de Gestão das Águas - IGAM INFORMATIVO BACIA DO RIO DOCE OUT/2014 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Alceu José Torres Marques IGAM

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA RELATÓRIO TÉCNICO DO PERÍODO CRÍTICO DE GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS.

SISTEMA DE ALERTA RELATÓRIO TÉCNICO DO PERÍODO CRÍTICO DE GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SISTEMA DE ALERTA F DE ENCHENTES DA D BACIA DO RIO DOCE RELATÓRIO TÉCNICO DO 0 PERÍODO CRÍTICO DE 00 DEZEMBRO DE 2013 0 Elaboração:

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 07 - ABRIL Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Pouso Alegre em Fazenda Cachoeira em julho de

Leia mais

MONITORAMENTO ESPECIAL DA BACIA DO RIO DOCE

MONITORAMENTO ESPECIAL DA BACIA DO RIO DOCE MONITORAMENTO ESPECIAL DA BACIA DO RIO DOCE RELATÓRIO I DEZEMBRO/2015 CPRM SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL MONITORAMENTO ESPECIAL DA BACIA DO RIO DOCE RELATÓRIO 01: Acompanhamento da onda de cheia Primeira

Leia mais

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Palestrante: Jeane Dantas de Carvalho Instituto Mineiro de Gestão das Águas

Leia mais

Análise da Comunidade Fitoplanctônica. do Rio Doce e afluentes. GIAIA 2ª Expedição à Bacia do Rio Doce (30/03 a 08/04/16)

Análise da Comunidade Fitoplanctônica. do Rio Doce e afluentes. GIAIA 2ª Expedição à Bacia do Rio Doce (30/03 a 08/04/16) Análise da Comunidade Fitoplanctônica do Rio Doce e afluentes GIAIA 2ª Expedição à Bacia do Rio Doce (30/03 a 08/04/16) Equipe de campo 2ª Expedição GIAIA Drª Flávia Bottino MSc. Vinícius Rodrigues Grad.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 03 - FEVEREIRO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio São Francisco em Três Marias. Foto de Soraya

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 05 - MARÇO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Urucuia em Buritis - março/2013 Rio Urucuia

Leia mais

EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP

EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE. Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP EXPEDIÇÃO DO RIO ACRE Engº José Roberto Campos da Veiga COOESA Engenharia Ltda. Fone: 11-3129-5317 Rua Bela Cintra, 299 conjunto 61 São Paulo - SP AGRADECIMENTOS AO SINDICATO DOS ENGENHEIROS PELA VIABILIZAÇÃO

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 11 - JUNHO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio da Perdição em Tapiraí Jusante - março/2013

Leia mais

Desenvolvimentos na previsão hidrológica de cheias por conjunto no Brasil e aplicações potenciais em sistemas operacionais de alerta

Desenvolvimentos na previsão hidrológica de cheias por conjunto no Brasil e aplicações potenciais em sistemas operacionais de alerta Desenvolvimentos na previsão hidrológica de cheias por conjunto no Brasil e aplicações potenciais em sistemas operacionais de alerta Javier Tomasella Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres

Leia mais

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias 8 Revista FURNAS - Ano XXXVI - Nº 372 - Fevereiro 2010 texto Gleice Bueno estação chuvosa chegou mais cedo e mais forte.

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO Monitoramento de superfície Estações que coletam dados em solo Dados pluviométricos (precipitação) Dados fluviométricos (nível d água em rios, córregos e represas) Monitoramento

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I )

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I ) ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL INFORMATIVO SOBRE A PRECIPITAÇÃO (I-01-2017) Áreas de Atuação das Superintendências Regionais de Belo Horizonte e Parte de Salvador Fev/2017 CPRM

Leia mais

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM DIRETORIA DE HIDROLOGIA E GESTÃO TERRITORIAL DHT Franco Turco Buffon Pesquisador em Geociências Engenheiro Hidrólogo RESIDÊNCIA DE PORTO VELHO - REPO MOTIVAÇÃO: MOTIVAÇÃO:

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH

CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH TALK SHOW SISTEMA CANTAREIRA UM MAR DE DESAFIOS CÂMARA TÉCNICA DE MONITORAMENTO HIDROLÓGICO - CTMH Campinas, 18 de maio 2012 Eng. Astor Dias de Andrade Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE CÂMARA

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ANÁLISE DA MAGNITUDE DAS CHEIAS DO MÉDIO RIO DOCE: CLASSIFICAÇÃO E ESTUDO DE CASO DE CHEIA PRONUNCIADA Fábio Monteiro Cruz 1 ; Renata Lisboa Ferreira 2 ; Daniela

Leia mais

PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015

PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015 PREVISÃO DE CURTO PRAZO DE NÍVEIS NO RIO ACRE NO MUNICIPIO DE RIO BRANCO-AC COM MODELOS HIDROLÓGICOS EMPÍRICOS NA ENCHENTE DE 2015 Franco Turco Buffon 1 *; Francisco de Assis dos Reis Barbosa 2 ; Hérculys

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM Atuação na Amazônia Occidental

Serviço Geológico do Brasil CPRM Atuação na Amazônia Occidental Serviço Geológico do Brasil CPRM Atuação na Amazônia Occidental Andre Luis Martinelli Real dos Santos MISSÃO Gerar e difundir o conhecimento geológico e hidrológico básico para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

IX Curso de Especialização em Geoprocessamento

IX Curso de Especialização em Geoprocessamento Yuri Givago de Almeida Queiroga Análise das previsões de precipitação do Modelo ETA realizadas durante a operação do Sistema de Alerta Contra Enchentes da Bacia do Rio Doce IX Curso de Especialização em

Leia mais

14/08/2015. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ. Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri

14/08/2015. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ. Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri 14/08/2015 Boletim Diário da Sala de Situação PCJ Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri Dados Pluviométricos das Bacias PCJ CHUVA ACUMULADA EM 24 HORAS NAS BACIAS PCJ 13/08/2015 7h00min

Leia mais

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades

Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Água na produção de alimentos e Gestão compartilhada dos Recursos Hídricos: desafios e oportunidades Prof. Dr. José Luiz Cabral Manaus, AM Brasil Algumas reflexões... Água HOJE... ÁGUA NA AGRICULTURA aprimorar

Leia mais

VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04/05/2012

VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 01 a 04/05/2012 PCH Paracambi Modelagem Hidrodinâmica VIII Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas 1 a 4/5/212 PCH Paracambi Modelagem Hidrodinâmica Antecedentes e Objetivos Atividades de desvio

Leia mais

MODELAGEM NA ESTIMATIVA DE ÁREA E VOLUME DA PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DE CURUAI. Vitor Souza Martins

MODELAGEM NA ESTIMATIVA DE ÁREA E VOLUME DA PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DE CURUAI. Vitor Souza Martins MODELAGEM NA ESTIMATIVA DE ÁREA E VOLUME DA PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO DE CURUAI Vitor Souza Martins PLANÍCIE DE INUNDAÇÃO A compreensão da circulação da água entre rios e suas planícies inundáveis depende

Leia mais

ATA DE REUNIÃO PROCESSO ELEITORAL DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE

ATA DE REUNIÃO PROCESSO ELEITORAL DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE ATA DE REUNIÃO PROCESSO ELEITORAL DO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE REUNIÃO DE SEGMENTOS: PODER PÚBLICO MUNICIPAL MINAS GERAIS Data: 09/10/2017 13h30- MANDATO 2017/2021 LOCAL: Faculdade de Direito

Leia mais

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Atuação do Ibama no desastre de Mariana/MG

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Atuação do Ibama no desastre de Mariana/MG Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Atuação do Ibama no desastre de Mariana/MG III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana SRA-LA São Paulo, maio

Leia mais

Estudo do Rio Doce voltado para a problemática do assoreamento na cidade de Colatina: questões e conflitos socioambientais.

Estudo do Rio Doce voltado para a problemática do assoreamento na cidade de Colatina: questões e conflitos socioambientais. Estudo do Rio Doce voltado para a problemática do assoreamento na cidade de Colatina: questões e conflitos socioambientais. EmillyCherqueEsterquini Emillyc.esterquini@hotmail.com Graduanda da Universidade

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 PROCESSO ELEITORAL COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 PROCESSO ELEITORAL COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE 1 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2017 PROCESSO ELEITORAL COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE A Diretoria do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce, CBH-DOCE, tendo por base a Lei 9.433, de 8 de janeiro

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 21 a 31 de Janeiro de 2011 secos e quentes caracterizaram o terceiro decêndio de janeiro em quase todo o Estado de Minas Gerais.

Leia mais

BOLETIM DIÁRIO DE MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROLÓGICOS CRITICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA

BOLETIM DIÁRIO DE MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROLÓGICOS CRITICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA BOLETIM DIÁRIO DE MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROLÓGICOS CRITICOS DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho, 17 de Maio de 2017. Versão 1.8 Confúcio Aires de Moura Governador do Estado de Rondônia Daniel Pereira

Leia mais

Uso da modelagem matemática para a previsão de enchentes no Vale do Taquari RS

Uso da modelagem matemática para a previsão de enchentes no Vale do Taquari RS Uso da modelagem matemática para a previsão de enchentes no Vale do Taquari RS Grasiela Cristina Both Centro de Informações Hidrometeorológicas CIH; Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

¹ Universidade Federal de Campina Grande

¹ Universidade Federal de Campina Grande Diagnós(co do Sistema de Drenagem Urbana do Município de Campina Grande - PB Priscila Barros Ramalho¹, Joelma Ferreira Silva¹, Hiran de Melo Filho¹, Patrícia Hermínio Cunha Feitosa¹ & Rodolfo Lucas Santos

Leia mais

ANEXO F LISTA DE MUNICÍPIOS DA BACIA DO RIO DOCE

ANEXO F LISTA DE MUNICÍPIOS DA BACIA DO RIO DOCE ANEXO F LISTA DE MUNICÍPIOS DA BACIA DO RIO DOCE UF Município Abre Campo Acaiaca Açucena Afonso Cláudio Água Boa Águia Branca Aimorés Alpercata Alto Jequitibá Alto Rio Doce Alto Rio Novo Alvarenga Alvinópolis

Leia mais

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias

GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias GESTÃO DE RESERVATÓRIOS NA CRISE HÍDRICA O Caso da UHE Três Marias SUMÁRIO 1- Caracterização 2- A abordagem adotada 3- Conclusões e Sugestões Análise das últimas estações chuvosas 2011/2012 2012/2013 2013/2014

Leia mais

PROJETO CRISE - UMA TENTATIVA DE REDUZIR O PROB~~ DAS ENCHENTES NO VALE DO ITAJAf

PROJETO CRISE - UMA TENTATIVA DE REDUZIR O PROB~~ DAS ENCHENTES NO VALE DO ITAJAf 263 PROJETO CRISE - UMA TENTATIVA DE REDUZIR O PROB~~ DAS ENCHENTES NO VALE DO ITAJAf Autores BEATE FRANK (1) HÉLIO DOS SANTOS SILVA (1) CLÁUDIO LOESCH (1) ADEMAR CORDERO (1) Resumo: Idealizado após a

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de janeiro foi caracterizado por chuvas fortes e recorrentes, principalmente no

Leia mais

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. Monitoramento e Atendimento a Fauna Atingida por Rejeito no Rio Doce. C.N.P.J / /

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. Monitoramento e Atendimento a Fauna Atingida por Rejeito no Rio Doce. C.N.P.J / / BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO Monitoramento e Atendimento a Fauna Atingida por Rejeito no Rio Doce Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos C.N.P.J. 13.094.626/0001-56 / www.ipram-es.org.br

Leia mais

METEOROLOGIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO E O SISTEMA ALERTA RIO. Juliana Hermsdorff Sistema Alerta Rio

METEOROLOGIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO E O SISTEMA ALERTA RIO. Juliana Hermsdorff Sistema Alerta Rio METEOROLOGIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO E O SISTEMA ALERTA RIO Juliana Hermsdorff Sistema Alerta Rio Meteorologia É uma das ciências que estuda a atmosfera terrestre e que tem como foco o estudo dos processos

Leia mais

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

27/01/2017. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ

27/01/2017. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ 27/01/2017 Boletim Diário da Sala de Situação PCJ 22222222222222 SALA DE SITUAÇÃO PCJ Dados Pluviométricos das Bacias PCJ CHUVA ACUMULADA EM 24 HORAS NAS BACIAS PCJ 26/01/2017 7h00min às 27/01/2017 7h00min

Leia mais

27/01/2016. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ. Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri

27/01/2016. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ. Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri 27/01/2016 Boletim Diário da Sala de Situação PCJ Carla Ávila Ísis Franco Jamil Natale Talita Cassieri Dados Pluviométricos das Bacias PCJ CHUVA ACUMULADA EM 24 HORAS NAS BACIAS PCJ 26/01/2016 7h00min

Leia mais

Comissão Especial para Restauração da Serra do Mar Workshop - CPTEC / INPE - Ubatuba

Comissão Especial para Restauração da Serra do Mar Workshop - CPTEC / INPE - Ubatuba Comissão Especial para Restauração da Serra do Mar Workshop - CPTEC / INPE - Ubatuba 31 de Agosto de 2006 Subcomissão Especial para Restauração da Serra do Mar: Atividades Desenvolvidas e Necessidades

Leia mais

Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão

Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão Projetos de Agregação de Valor na Geração e Transmissão Fernando Henrique Shuffner Neto Diretor de Geração e Transmissão Maio de 2008 1/XX AUTOMAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO REPOTENCIAÇÃO

Leia mais

As Precipitações 2009/2010 na BAT destacando os dias 08/12/2009 e 21/01/2010

As Precipitações 2009/2010 na BAT destacando os dias 08/12/2009 e 21/01/2010 As Precipitações 2009/2010 na BAT destacando os dias 08/12/2009 e 21/01/2010 Mario Thadeu Leme de Barros Professor Titular de Recursos Hídricos da Escola Politécnica da USP Instituto de Engenharia 11 de

Leia mais

Somos a Vale. Mineradora global com sede no Brasil. Líder mundial na produção de minério de ferro e pelotas e o segundo maior produtor de níquel

Somos a Vale. Mineradora global com sede no Brasil. Líder mundial na produção de minério de ferro e pelotas e o segundo maior produtor de níquel Somos a Vale Mineradora global com sede no Brasil Líder mundial na produção de minério de ferro e pelotas e o segundo maior produtor de níquel Empregados da Vale em Itabira / MG Renato Stockler das Neves

Leia mais

DESASTRES NATURAIS e METEOROLOGIA Monitoramento, previsão e alerta. Chou Sin Chan

DESASTRES NATURAIS e METEOROLOGIA Monitoramento, previsão e alerta. Chou Sin Chan Ministério da Ciência e Tecnologia Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos DESASTRES NATURAIS e METEOROLOGIA Monitoramento, previsão e alerta Chou Sin

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS E PLUVIÔMETRICAS PARA O ESTUDO DA HIDROLOGIA: CASO DA BACIA DO RIO JUQUERIQUERÊ

A IMPORTÂNCIA DA INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES FLUVIOMÉTRICAS E PLUVIÔMETRICAS PARA O ESTUDO DA HIDROLOGIA: CASO DA BACIA DO RIO JUQUERIQUERÊ PROFA. MSC. VASSILIKI T. G. BOULOMYTIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA IFSP, CAMPUS CARAGUATATUBA DOCENTE DEPT. DE CONSTRUÇÃO CIVIL E RECURSOS NATURAIS, VASSILIKI@IFSP.EDU.BR INSTITUTO

Leia mais

Atuação da Sala de Situação PCJ no Monitoramento Hidrológico das Bacias PCJ

Atuação da Sala de Situação PCJ no Monitoramento Hidrológico das Bacias PCJ Atuação da Sala de Situação PCJ no Monitoramento Hidrológico das Bacias PCJ SEMINÁRIO ÁGUAS E MUDANÇA CLIMÁTICAS CONSÓRCIO PCJ Local: MUSEU DA ÁGUA INDAIATUBA ENG a. ÍSIS FRANCO Fonte: Comitês PCJ, 2011

Leia mais

PROJETO SOS-CHUVA INFORMAÇÕES: SENSOR DE CAMPO ELÉTRICO ATMOSFÉRICO. 1) O que faz um Sensor de Campo Elétrico Atmosférico?

PROJETO SOS-CHUVA INFORMAÇÕES: SENSOR DE CAMPO ELÉTRICO ATMOSFÉRICO. 1) O que faz um Sensor de Campo Elétrico Atmosférico? PROJETO SOS-CHUVA INFORMAÇÕES: SENSOR DE CAMPO ELÉTRICO ATMOSFÉRICO 1) O que faz um Sensor de Campo Elétrico Atmosférico? O Sensor de Campo Elétrico Atmosférico, conhecido também pela sigla EFM (do inglês,

Leia mais

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. C.N.P.J / /

BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO. C.N.P.J / / BOLETIM DIÁRIO DE INFORMAÇÃO Monitoramento e Atendimento a Fauna Atingida por Rejeito no Rio Doce Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos C.N.P.J. 13.094.626/0001-56 / www.ipram-es.org.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL PRODUTO 1 Relatório Diagnóstico das Estações PC 04, PC 05 e PC 06 Piquete/SP Março/2017 Página1 de 28 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 05 OBJETIVO... 06 CARACTERIZAÇÃO... 07 CONCLUSÃO... 13 ANEXO I... 14 ANEXO II...

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 10 10/03/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE MODELAGEM HIDRÁULICA UNIDIMENSIONAL DAS ZONAS URBANAS INUNDÁVEIS EM COLATINA / ES

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE MODELAGEM HIDRÁULICA UNIDIMENSIONAL DAS ZONAS URBANAS INUNDÁVEIS EM COLATINA / ES XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE MODELAGEM HIDRÁULICA UNIDIMENSIONAL DAS ZONAS URBANAS INUNDÁVEIS EM COLATINA / ES Marlon Marques Coutinho 1 & Éber José de Andrade Pinto RESUMO Uma das aplicações

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 15 14/04/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

13/01/2017. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ

13/01/2017. Boletim Diário da Sala de Situação PCJ 13/01/2017 Boletim Diário da Sala de Situação PCJ Dados Pluviométricos das Bacias PCJ CHUVA ACUMULADA EM 24 HORAS NAS BACIAS PCJ 12/01/2017 7h00min às 13/01/2017 7h00min Rede telemétrica do CIIAGRO e

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA

USINA HIDRELÉTRICA GAMELA USINA HIDRELÉTRICA GAMELA NOVEMBRO / 2013 02 Sumário 1 O Empreendedor 2 Etapas Processuais 3 O Projeto 4 Usos Múltiplos da água (HICON) 5 Qualidade da água (ECOLOGY) 6 Conclusão 7 - Agradecimento 3 2.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE úmero da Estação: EM - 01 PREFEITURA MUICIPAL DE JOIVILLE Piraí do Ar (Máxima e Mínimas); 5 - Radiação Solar; 6 - Chuvas 7094561 LOG 708672 Terreno de Propriedade da Fundação Municipal do Desenvolvimento

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2017 Boletim Nº. 12 24/03/2017 Boletim de acompanhamento - 2017 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a Figura 01 e as Tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

ANÁLISE DAS CHUVAS OCORRIDAS NO ESTADO DO CEARÁ EM 2011 E OS IMPACTOS NA AGRICULTURA, RECURSOS HÍDRICOS E NAS ACÕES DA DEFESA CIVIL

ANÁLISE DAS CHUVAS OCORRIDAS NO ESTADO DO CEARÁ EM 2011 E OS IMPACTOS NA AGRICULTURA, RECURSOS HÍDRICOS E NAS ACÕES DA DEFESA CIVIL ANÁLISE DAS CHUVAS OCORRIDAS NO ESTADO DO CEARÁ EM 2011 E OS IMPACTOS NA AGRICULTURA, RECURSOS HÍDRICOS E NAS ACÕES DA DEFESA CIVIL Período: Janeiro a Maio de 2011 Fortaleza, 24 de junho de 2011 1 Introdução

Leia mais

Palavras-Chave monitoramento hidrológico, eventos extremos, Sistema de Alerta de Cheias

Palavras-Chave monitoramento hidrológico, eventos extremos, Sistema de Alerta de Cheias MONITORAMENTO HIDROLÓGICO QUANTITATIVO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: IMPORTÂNCIA, HISTÓRICO E MODERNIZAÇÃO Juliana Martins Bahiense 1 * ; José Edson Falcão de Farias Júnior 2 ; Larissa Ferreira da Costa

Leia mais

Fornecemos soluções completas em comunicação, para Empresas e Prefeituras.

Fornecemos soluções completas em comunicação, para Empresas e Prefeituras. MINAS WIRELESS 2010 Quem Somos: A wkve é uma Operadora de Telecomunicações fundada em 1996, Anatel para atuação nacional. autorizada pela CREDIBILIDADE E SUCESSO Fornecemos soluções completas em comunicação,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave:

Leia mais

ATLAS DE VULNERABILIDADE ÀS

ATLAS DE VULNERABILIDADE ÀS ATLAS DE VULNERABILIDADE ÀS INUNDAÇÕES DE MINAS GERAIS 2015 Pedro Engler Barbosa Gestor Ambiental Diretoria de Prevenção e Emergência Ambiental Belo Horizonte, 29 de setembro de 2015 Sumário da apresentação

Leia mais

Influência do fenômeno El Niño na bacia hidrográfica do Rio Paraná

Influência do fenômeno El Niño na bacia hidrográfica do Rio Paraná Influência do fenômeno El Niño na bacia hidrográfica do Rio Paraná Cláudio Renato dos Santos Lizardo Graduando em Engenharia Civil Centro Universitário Uniritter crlizardo@uol.com.br Orlando Cremonti Filho

Leia mais

Comitê de Meio Ambiente CTC ÚNICA. "O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas" COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA

Comitê de Meio Ambiente CTC ÚNICA. O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA Comitê de Meio Ambiente COMITÊ DE MEIO AMBIENTE (CMA) CTC-UNICA CTC ÚNICA "O Setor Sucroenergético e a Crise Hídrica Avanços com Boas Práticas" AS MUDANÇAS DO CLIMA E A CRISE HÍDRICA A Organização das

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO DADOS TÉCNICOS DO SHOPPING COMPLEXO CULTURAL 10. DADOS DA REGIÃO LOCALIZAÇÃO LOJAS ÂNCORAS E MEGALOJAS 16.

ÍNDICE INTRODUÇÃO DADOS TÉCNICOS DO SHOPPING COMPLEXO CULTURAL 10. DADOS DA REGIÃO LOCALIZAÇÃO LOJAS ÂNCORAS E MEGALOJAS 16. MÍDIA KIT ÍNDICE 4. 6. 8. 10. 12. 15. 16. 20. INTRODUÇÃO DADOS TÉCNICOS DO SHOPPING COMPLEXO CULTURAL DADOS DA REGIÃO LOCALIZAÇÃO LOJAS ÂNCORAS E MEGALOJAS MAPA DOS PAVIMENTOS MÍDIAS O MAIOR E MELHOR CENTRO

Leia mais

80 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS

80 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS 8 ISSN 1981-7231 Dezembro, 29 Corumbá, MS Monitoramento do Comportamento do Rio Paraguai no Pantanal Sul- Mato-Grossense 28/29 Márcia Toffani Simão Soares 1 Balbina Maria Araújo Soriano 2 Sandra Aparecida

Leia mais

BACIA ESCOLA DO CAMPUS DA UFSC Implantação de ensino prático nas aulas de Hidrologia.

BACIA ESCOLA DO CAMPUS DA UFSC Implantação de ensino prático nas aulas de Hidrologia. BACIA ESCOLA DO CAMPUS DA UFSC Implantação de ensino prático nas aulas de Hidrologia. Henrique DE MELO LISBOA e-mail: hlisboa@ens.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina, Professor do Departamento

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 01 a 10 de Fevereiro de 2011 Ausência de chuva e forte calor marcaram o primeiro decêndio de fevereiro em Minas Gerais, ampliando

Leia mais

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO Belém-PA 2013 1 TABELA DAS PRECIPITAÇÕES

Leia mais

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer

ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS. Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer ESTUDOS HIDROLÓGICOS E ENERGÉTICOS TE- 033 Paulo Antunes da Rocha Bruno van der Meer 1 Objetivo Apresentar os aspectos dos estudos hidrológicos correspondentes aos projetos de PCHs 2 Roteiro Estudos Hidrológico:

Leia mais

Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca.

Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca. São José dos Campos, 23 de setembro de 2016 Panorama hídrico no estado do Acre: diagnóstico, perspectivas e impactos potenciais relacionados à situação de seca. Sumário Executivo O quadro hídrico atual

Leia mais

Data: 07/11/2015 ESTADO DE MINAS GERAIS MUNICIPIO DE MARIANA

Data: 07/11/2015 ESTADO DE MINAS GERAIS MUNICIPIO DE MARIANA Data: 07/11/2015 ESTADO DE MINAS GERAIS MUNICIPIO DE MARIANA 1. Histórico Na tarde de quinta-feira, dia 05/11/15, duas barragens se romperam no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central

Leia mais

OFÍCIO Nº 175/2015/CBH-DOCE Governador Valadares, 21 de dezembro de 2015.

OFÍCIO Nº 175/2015/CBH-DOCE Governador Valadares, 21 de dezembro de 2015. OFÍCIO Nº 175/2015/CBH-DOCE Governador Valadares, 21 de dezembro de 2015. Exma. Sra. Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra do Meio Ambiente ASSUNTO: Encaminha proposição de estratégias para recuperação

Leia mais

8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA

8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA 8º FÓRUM MUNDIAL DA ÁGUA 3º EVENTO PREPARATÓRIO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA TEMA: A Gestão Territorial dos Recursos Hídricos Colatina ES, 12 de julho de 2017 Há três caminhos para a felicidade... Ensinar

Leia mais

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS

CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos. Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS CPTEC e Mudanças Climáticas Usuários de Previsões em Recursos Hídricos Walter Collischonn IPH UFRGS Porto Alegre RS Seminário CPTEC 19 e 20/out 2004 Mudanças climáticas aumento CO2 Estamos vivenciando

Leia mais

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios

Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Estudos dos impactos da agricultura na quantidade e qualidade da água no solo e nos rios Universidade Federal de Santa Maria Professores: Jean P.G. Minella, José Miguel Reichert, Dalvan J. Reinert Universidade

Leia mais

VARIAÇÕES E EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE A AMÉRICA DO SUL VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA VI SIC

VARIAÇÕES E EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE A AMÉRICA DO SUL VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA VI SIC VARIAÇÕES E EXTREMOS CLIMÁTICOS SOBRE A AMÉRICA DO SUL VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CLIMATOLOGIA VI SIC Vulnerabilidades Climáticas: O Brasil no Século XXI 13 a 16 de Outubro de 2015 Natal - RN EXTREMOS

Leia mais

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias

EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias EVTEA - H Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das Hidrovias Descrição geral - Trabalho técnico de Economia, Engenharia, Ciências do Meio Ambiente, Estatística, Geografia, Ciências Sociais

Leia mais

Continuidade do Sistema de Coleta de Dados

Continuidade do Sistema de Coleta de Dados Continuidade do Sistema de Coleta de Dados Bolsista PCI: Aurea A. S. Simões (INPE) Supervisão: Wilson Yamaguti (INPE) Participação: Bruno Braz (INPE) Mario Marcos Quintino da Silva (Coord. ETE até 2012)

Leia mais

CALHA PET CONSTRUÇÃO DE CALHAS DE GARRAFA PET PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA E REDUÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

CALHA PET CONSTRUÇÃO DE CALHAS DE GARRAFA PET PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA E REDUÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CALHA PET CONSTRUÇÃO DE CALHAS DE GARRAFA PET PARA APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA E REDUÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gustavo Zen [1] Venina Prates [2] OLAM Ciência & Tecnologia, Rio Claro, SP, Brasil ISSN:

Leia mais

1 RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO PERÍODO CHUVOSO 2014/2015

1 RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO PERÍODO CHUVOSO 2014/2015 1 RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO PERÍODO CHUVOSO 2014/2015 2 SEMAD - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Secretário Luiz Sávio de Souza Cruz IGAM Instituto Mineiro de Gestão

Leia mais

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014

1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 1. CLIMATOLOGIA E PREVISÃO DA PRECIPITAÇÃO PARA JUL/AGO/SET/2014 A climatologia da precipitação para os meses de Julho, Agosto e Setembro (Figura 1) mostra que os volumes de chuva neste trimestre variam

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS

BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS A QUESTÃO DA ÁGUA NO NORDESTE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORDESTE POTENCIALIDADES / DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS JOAQUIM GONDIM Superintendente de Usos Múltiplos da ANA Brasília, 14/08/2008 O NORDESTE

Leia mais

Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá.

Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá. 30 Figura 10- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 15 m, nas proximidades da cidade de Propriá. Figura 11- Mapa da Planície de Inundação para a cota de 10 m, nas proximidades da cidade de Propriá.

Leia mais

Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde

Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde Programa de Mudanças Ambientais Globais e Saúde Fundação Oswaldo Cruz Rio de Janeiro Variáveis e Produtos Climáticos de Interesse para o Setor Saúde Ulisses E. C. Confalonieri FLUTUAÇÕES CLIMÁTICAS Abundância

Leia mais

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação

COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação COMO A CEDAE ENFRENTOU A CRISE HÍDRICA DE 2015 Eng. Edes Fernandes de Oliveira Diretor de Produção e Grande Operação E-mail: edes@cedae.com.br A ESCASSEZ HÍDRICA NO RIO PARAIBA DO SUL E OS IMPACTOS PARA

Leia mais

Validação da função mancha de inundação do SPRING. Ana Paula Moni Silva 1 Alexandre Augusto Barbosa 2

Validação da função mancha de inundação do SPRING. Ana Paula Moni Silva 1 Alexandre Augusto Barbosa 2 Validação da função mancha de inundação do SPRING Ana Paula Moni Silva 1 Alexandre Augusto Barbosa 2 1 Centro Universitário de Itajubá UNIVERSITAS Av. Dr. Antonio Braga Filho, n. 687 37501 002 Itajubá

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES

PLANO DE AÇÃO PARA REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES 1 EXERCÍCIO ESSE EXERCÍCIO PODERÁ SER FEITO INDIVIDUALMENTE OU EM GRUPO, COM PESSOAS DA SUA COMUNIDADE, BAIRRO, ESTADO, QUE ESTEJAM OU NÃO FAZENDO O CURSO. PREENCHA OS DADOS DESSA TABELA, (A TABELA SERÁ

Leia mais

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira

Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 02 de março de 2016 Situação Atual e Projeção Hidrológica para o Sistema Cantareira 1) Situação atual do Sistema Cantareira A precipitação acumulada durante a estação seca de abril

Leia mais

Informativo nº 04/ de julho de 2015

Informativo nº 04/ de julho de 2015 Prezado Participante, Completamos, ainda no mês de maio, mais de 24.000 participantes em nosso Movimento e o crescimento é contínuo. Continue participando e apoiando essa proposta, pois, juntos somos mais

Leia mais

Relatório Diário Automático

Relatório Diário Automático Relatório Diário Automático 01/Mar/2017 Este documento foi criado automaticamente pelo Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em Cachoeira Paulista, SP, Brasil. Envie comentários

Leia mais

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012

Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Balanço das chuvas anômalas sobre estados de MG, RJ e ES no início da estação chuvosa 2011/2012 Todos os anos a Região Sudeste do Brasil é atingida por eventos extremos de chuva, que ocorrem principalmente

Leia mais